TREINAMENTO PERSONALIZADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TREINAMENTO PERSONALIZADO"

Transcrição

1 TREINAMENTO PERSONALIZADO PROGRESSÃO E CONTROLE DA CARGA DE TREINO Prof. Jeferson Vianna, Msc. Dndo Ciência do Desporto- UTAD Periodização x Progressão Quais as informações científicas disponíveis sobre o assunto? Como elaborar programas de treinamento periodizado? Como controlar a carga de treino? Questões a Esclarecer 2 PERIODIZAÇÃO x PROGRESSÃO Apelo Tradicional É a forma de estruturar o treinamento em um tempo determinado através de períodos lógicos; Busca a obtenção da forma estética ou desportiva. DURAÇÃO 3-5 meses 6-12 meses 4 1

2 Por que utilizar o modelo periodizado? Evidências Científicas Maior diversidade de atividades Maior variação de estímulos Provável maior motivação Provável maior fidelidade ao programa 5 1: Kraemer WJ, Hakkinen K, Triplett-Mcbride NT, Fry AC, Koziris LP, Ratamess NA, Bauer JE, Volek JS, McConnell T, Newton RU, Gordon SE, Cummings D, Hauth J, Pullo F, Lynch JM, Mazzetti SA, Knuttgen HG. Physiological changes with periodized esistance training in women tennis players. Med Sci Sports Exerc Jan;35(1): PMID: [PubMed - in process] 2: Baker D. The effects of an in-season of concurrent training on the maintenance of maximal strength and power in professional and college-aged rugby league football players. J Strength Cond Res May;15(2): PMID: [PubMed - indexed for MEDLINE] 3: Ebben WP, Blackard DO. Strength and conditioning practices of National Football League strength and conditioning coaches. J Strength Cond Res Feb;15(1): PMID: [PubMed - indexed for MEDLINE] 4: Marx JO, Ratamess NA, Nindl BC, Gotshalk LA, Volek JS, Dohi K, Bush JA, Gomez AL, Mazzetti SA, Fleck SJ, Hakkinen K, Newton RU, Kraemer WJ. Low-volume circuit versus highvolume periodized resistance training in women. Med Sci Sports Exerc Apr;33(4): PMID: [PubMed - indexed for MEDLINE] 5: Kraemer WJ, Ratamess N, Fry AC, Triplett-McBride T, Koziris LP, Bauer JA, Lynch JM, Fleck SJ. Influence of resistance training volume and periodization on physiological and performance adaptations in collegiate women tennis players. Am J Sports Med Sep- Oct;28(5): PMID: [PubMed - indexed for MEDLINE] 6: Fees M, Decker T, Snyder-Mackler L, Axe MJ. Upper extremity weight-training modifications for the injured athlete. A clinical perspective. Am J Sports Med Sep-Oct;26(5): PMID: [PubMed - indexed for MEDLINE] 7: Stone WJ, Steingard PM. Year-round conditioning for basketball. Clin Sports Med Apr;12(2): Review. PMID: [PubMed - indexed for MEDLINE] 6 Qual o Princípio do Modelo Apresentado? Estudos recentes 7 8 2

3 Processo de manipulação das cargas de treino Linear ou não linear Periodização Linear Processo de manipulação das cargas de treino Linear ou não linear Periodização Linear 2 x x x FC bpm FC bpm FC bpm 9 10 Processo de manipulação das cargas de treino Linear ou não linear Modelo de Progressão Linear? Periodização Não-Linear

4 Estágio Progressão do Treinamento Aeróbio -ACSM Semana Freqüência Semanal Intensidade Duração (sessões/semana) (% FCR) (min) Inicial Incremento Manutenção Freqüência Cardíaca de Treinamento % da Reserva da FC (Karvonen) FCt = [(FC máx FC repouso ) x %] + FC repouso FC máx = 180 bpm FC repouso = 80 bpm %d desejado: d 40% % FC res = [(180 80) x 0,40] + 80 = 120 bpm FC máx = 180 bpm FC repouso = 80 bpm % desejado: 50% % FC res = [(180 80) x 0,50] + 80 = 130 bpm ACSM (2007). Guidelines for exercise testing and prescription. Lippincott Wiliams & Wilkins Percentual do Máximo (%) Progressão de Treinamento Aeróbio - ACSM (%) Musculação MACROCICLO Intensidade Duração ADP D E D E D R C/A ADP D E D E D R C/A Semanas AQUISIÇÃO TRANSFORMAÇÃO ASSIMILAÇÃO MESOCICLO BÁSICO I ADAPTAÇÃO MESOCICLO BÁSICO II DESENVOLVIMENTO ACSM (2007). Guidelines for exercise testing and prescription. Lippincott Wiliams & Wilkins

5 Mesociclo Básico I Adaptação Ex.: Supino Reto = 20kg = 15/2 1ª Semana: Adaptação PERIODIZAÇÃO LINEAR SEGUNDA QUARTA SEXTA 1 2 X 15 = 20kg 1 2 X 15 = 20kg 1 2 X 15 = 20kg 2ª Semana: Adaptação SEGUNDA QUARTA SEXTA 2 X 15 = 20kg 2 X 15 = 20kg 2 X 15 = 20kg 3ª Semana: Desenvolvimento PERIODIZAÇÃO LINEAR SEGUNDA QUARTA SEXTA 2 X 17 = 20kg 2 X 17 = 20kg 2 X 15 = 22kg 4ª Semana: Estabilização SEGUNDA QUARTA SEXTA 2 X 15 = 22kg 2 X 15 = 22kg 2 X 15 = 22kg 5ª Semana: Desenvolvimento PERIODIZAÇÃO LINEAR 7ª Semana: Desenvolvimento PERIODIZAÇÃO LINEAR SEGUNDA QUARTA SEXTA SEGUNDA QUARTA SEXTA 2 X 17 = 22kg 2 X 17 = 22kg 2 X 15 = 25kg 2 X 17 = 25kg 2 X 17 = 25kg 2 X 15 = 28kg 6ª Semana: Estabilização SEGUNDA QUARTA SEXTA 8ª Semana: Regenerativo SEGUNDA QUARTA SEXTA 2 X 15 = 25kg 2 X 15 = 25kg 2 X 15 = 25kg 2 X 15 = 28kg 2 X 15 = 28kg 2 X 15 = 25kg 5

6 9ª Semana: Controle e avaliação PERIODIZAÇÃO LINEAR TESTE DE PREDIÇÃO 1-RM preparação: última carga de treino conquistada 28kg (peso de preparação) reps; intervalo de 2 28kg + 40% = 39,2kg máximo de repetições. Usar a tabela de predição (BAECHLE,1992), p/ cálculo de 1-RM EX: 06 reps. Usar x 1.20 = 47kg Testede1-10RM Existe uma alta correlação entre as medidas de força e resistência (r.90), (SAFRIT,1995). BAECHLE (1992), propõe uma tabela de predição: Repetições Completadas Fator multiplicador Calcular: X % de 1-RM Ex.: 65% de 47kg = 30,5kg PERIODIZAÇÃO LINEAR Ajuste de carga do programa básico II. Ciclo de 10 semanas. Ex.: Supino Reto = 30 kg (10-12 x 3) Mesociclo Básico II Ciclo de 10 semanas. 1ª semana - Adaptação segunda quarta sexta 30 = 12/3 30 = 12/3 30 = 12/3 2ª semana - Adaptação segunda quarta sexta 30 = 12/3 30 = 12/3 30 = 12/3 3ª semana - Desenvolvimento segunda quarta sexta 30 = 14/3 30 = 14/3 32 = 12/3 6

7 Mesociclo Básico II Ciclo de 10 semanas. Mesociclo Básico II Ciclo de 10 semanas. 4ª semana Estabilização segunda quarta sexta 32 = 12/3 32 = 12/3 32 = 12/3 5ª semana - Estabilização segunda quarta sexta 32 = 12/3 32 = 12/3 32 = 12/3 6ª semana - Desenvolvimento segunda quarta sexta 32 = 14/3 32 = 14/3 34 = 12/3 7ª semana Estabilização segunda quarta sexta 34 = 12/3 34 = 12/3 34 = 12/3 8ª semana - Estabilização segunda quarta sexta 34 = 12/3 34 = 12/3 34 = 12/3 9ª semana - Desenvolvimento segunda quarta sexta 34 = 14/3 34 = 14/3 36 = 12/3 10ª semana Regenerativo Mesociclo Básico II Ciclo de 10 semanas. segunda quarta sexta 36 = 12/3 36 = 12/3 34 = 12/3 PERIODIZAÇÃO LINEAR 11ª Semana Controle e Avaliação TESTE DE PREDIÇÃO 1-RM preparação: última carga de treino conquistada 36kg peso de preparação reps. intervalo de kg + 30% = 46,8 kg máximo de repetições. Usar a tabela de predição p/ cálculo de 1-RM EX: 05 reps. Usar x 1.16 = 54.5kg 7

8 Testede1-10RM Existe uma alta correlação entre as medidas de força e resistência (r.90), (SAFRIT,1995). BAECHLE (1992), propõe uma tabela de predição: Repetições Completadas Fator multiplicador 1 1,00 2 1,07 3 1,10 4 1,13 5 1,16 6 1,20 7 1,23 8 1,27 9 1, ,36 neladas Ton GRÁFICO VOLUME X INTENSIDADE Volume X Intensidade 1 sem. 2º sem. 3 sem. 4 sem. 5 sem. 6 sem. 7 sem. 8 sem. 9 sem. 10 sem. volume intensidade 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 1-RM PERÍODOS PERIODIZAÇÃO Ondulatória CICLO de 04 meses c/ 04 PERÍODOS de 04 semanas LIMIAR DE REPETIÇÕES Hipertrofia e Hipertrofia e Força c/ Adaptação Força Hipertrofia Definição Se trabalha até a falha em cada faixa; Nas mulheres, mais 02 reps por faixa. ade de trabalho ões por set) Intensida (repetiçõ PERIODIZAÇÃO Ondulatória MODELO P/ HIPERTROFIA % 2 95% 4 90% 6 85% 8 75% 10 70% 12 65% 15 60% % 25 50% Semana Mês Adaptação Hipertrofia Força Definição Ciclos Hipertrofia e c/ muscular Básica Força Hipertrofia

9 PERIODIZAÇÃO Ondulatória PERIODIZAÇÃO Ondulatória PERÍODO: Hipertrofia e Adaptação PERÍODO: Hipertrofia e Força SEMANAS SEMANA 1 (27 reps) SEMANA 2 (30 reps) SEMANA 3 (33 reps) SEMANA 4 (29 reps) Dias 2ª 4ª 6ª 2ª 4ª 6ª 2ª 4ª 6ª 2ª 4ª 6ª % Repetições Sets e 3 x 3 x 3 x 3 x 3 x 3 x 3 x 3 x 3 x 3 x 3 x 3 x Reps SEMANAS SEMANA 1 (28 reps) SEMANA 2 (32 reps) SEMANA 3 (36 reps) SEMANA 4 (30 reps) Dias 2ª 4ª 6ª 2ª 4ª 6ª 2ª 4ª 6ª 2ª 4ª 6ª % Repetições Sets e 3 x 3 x Reps PERIODIZAÇÃO Ondulatória PERIODIZAÇÃO Ondulatória PERÍODO: Força e Hipertrofia PERÍODO: Definição muscular SEMANAS SEMANA 1 SEMANA 2 SEMANA 3 SEMANA 4 (20 reps) (24 reps) (28 reps) (26 reps) Dias 2ª 4ª 6ª 2ª 4ª 6ª 2ª 4ª 6ª 2ª 4ª 6ª % Repetições Sets e Reps x 5 5 x 6 7 SEMANAS SEMANA 1 (33 reps) SEMANA 2 (36 reps) SEMANA 3 (39 reps) SEMANA 4 (35 reps) Dias 2ª 4ª 6ª 2ª 4ª 6ª 2ª 4ª 6ª 2ª 4ª 6ª % Repetições Sets e Reps 3 x 11 3 x 12 3 x 10 3 x 12 3 x 13 3 x 11 3 x 13 3 x 14 3 x 12 2 x 12 2 x 13 2 x 11 1 x 11 1 x 12 1 x

10 Ex.: Série dividida em 4 sessões / semanais. 2ª/5ª 3ª/6ª. Supino Reto Agachamento. Crucifixo Leg Press. Paralela (fundo) Flexão de pernas. Tríceps puxador Panturrilha. Tríceps Francesa Remada sentada. Rosca bíceps Cadeira adutora. Lev. Frontal Cadeira abdutora. Remada alta Glúteos. Abdominais Abdominais PERIODIZAÇÃO Ondulatória PERÍODO: Hipertrofia e Força MICROS MICRO 1 MICRO 2 MICRO 3 MICRO 4 (28 reps) (32 reps) (36 reps) (30 reps) Dias 2ª 5ª 2ª 5ª 2ª 5ª 2ª 5ª 2ª 5ª 2ª 5ª % Repetições Sets e Reps x x 9 38 SISTEMAS DE TREINAMENTO AVANÇADO SISTEMAS DE TREINAMENTO AVANÇADO Sistema 3 x 1 (treina-se 3 dias e folga 1) Treino A mm. que empurram Treino B membros inferiores Treino C mm. que puxam 2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira sábado domingo A B C * A B C * A B C * A B C * A B C * A 2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira Sábado Domingo A B C * A B * C A B * C A * B C A * B C * OBS.: Asemana que se faz otreino (A, Bou C) com menor freqüência, aumenta-se a intensidade (choque) do (s) grupo (s) muscular (es) que será (ao) trabalhado (s). 10

11 Periodização Ondulatória ALTERAÇÃO no % de GORDURA 30 KRAEMER et al, a feira 4 a feira 6 a feira Repetições Intensidade 8 10 RM 3 5RM RM Séries * * Pré-Treino 4 meses 6 meses 9 meses Pausa 2 min 3 4 min 1 min KRAEMER et al, Periodizado Circuito Controle * decresceu significativamente com pré-treino decresceu significativamente com 4 e 6 meses * * Periodizado Circuito Controle ALTERAÇÃO NO SUPINO (Kg) * aumentou significativamente com pré-treino aumentou significativamente com 4 e 6 meses KRAEMER et al, 2000 Pré-Treino 4 meses 6 meses 9 meses 43 Passo 1: Fixar as metas Cardiorespiratório; Força e resistência muscular; flexibilidade; outras... Modelo de Periodização p/ saúde e aptidão física Passo 2: Determine como alcançar as metas Avalie a disponibilidade de tempo; Identifique os tipos de atividade; Inicie o treinamento voltado p/ as metas; Escolha as atividades que seu cliente goste

12 Modelo de Periodização p/ saúde e aptidão física Como decidir pela intensidade ótima? Passo 3: Identifique as Fases do Treinamento 1. Fases de Treinamento Desenvolverosmicrociclos(07dias) 03 10ST; Planejar os mesociclos (04-06 semanas); Estruturar o macrociclo (04-05 meses); Planejar uma fase de preparação básica (08-10 semanas); Planejar uma fase de preparação específica (04-08 semanas); 2. Plano de exercício: Manipule a freqüência, intensidade e duração de cada atividade; Controle permanente (ajustes) da carga e da recuperação Utilização do jvianna.fitness na Prescrição do Treinamento Dados Cadastrais Nome: Peso: 60 Kg IMC: 22 kg/m 2 %G: Estatura: 165 cm Idade: 35 anos SEXO f Avaliação Funcional Fcmáxima: 187 VO 2 máx : 36 ml.kg.m TMB: 1387 kcal Fcrepouso: 70 Protocolo: banco Gasto Diário kcal Limiar Anaeróbio: 163,5 Mets: 10,3 Perda Kcal: kcal Saúde Estética Rendimento Performance Zona Alvo Min Máx Min Máx Min Máx Min Máx FC FC res VO 2 res 17,2 21, ,3 26,6 30,5 30,8 36 METS 4,9 6,1 6,3 7,5 7,6 8,7 8,8 10,3 Kcal.min 5,2 6,5 6,7 8 8,1 9,3 9,4 11 Cam/Corr Vel.km/h 4,2 5,4 5,6 6,9 7,0 8,1 8,2 9,8 Ciclismo Vel.km/h 13,9 16,2 16, ,2 21,4 21,6 24,5 Ergom. WATTS Natação m/min ZONA ALVO DE TREINAMENTO % V0 2 res 100 Zona Anaeróbia 83 Zona Mista 70 Zona Aeróbia Glicolítica 56 Zona Aeróbia Lipolítica 42 Zona Aeróbia Regenerativa

13 Como decidir os parâmetros da prescrição? 49 Tomada de Decisão com Base no Resultado do Teste de Esforço VO2 max Intensidade Duração Freqüência Peso Corp. Dispêndio Energético (ml.kg.min) -1 (%) (min/sessão) (min/semana) (x/sem) (kg) (kcal/dia) (kcal/semana) Cálculo da Razão Cálculo da Razão Operacionalização razão de incremento (R) = (valor final - valor inicial) /(# cargas - 1) ou R = (V F -V I ) / (n - 1) Operacionalização n = número de semanas Iniciante Intermediário Avançado ( 20 sem) (21 a 40 sem) (> 40 sem)

14 Freqüência Cardíaca de Treinamento % da Reserva da FC (Karvonen) FCt = [(FC máx FC repouso ) x %] + FC repouso IDADE: 40 anos FC repouso = 80 bpm FC repouso % desejado: 42% (inicial) % FC res = [(180 80) x 0,42] + 80 = 122 bpm % desejado: 56% (final) % FC res = [(180 80) x 0,56] + 80 = 136 bpm Freqüência Cardíaca Máxima - FC máx FC máx = 220 idade DP 11 bpm Superestima a FCmáx em jovens e subestima em idosos (Howley, 2000) Idade: 40 anos FC máx = bpm Fox et al. (1971). Annals of Clinical Research, 3(6): , Freqüência Cardíaca Máxima - FC máx FC máx = 208 (0,70 x idade) Idade: 40 anos FC máx = 208 (0,70 x 40) 180 bpm

15 Freqüência Cardíaca Máxima - FC FC máx = 220 (idade) Ex. Idade: 40 anos FC máx = (220 40) 180 bpm 180 bpm 5 bpm = bpm 13 bpm = 167 FC máx Freqüência Cardíaca de Treinamento -FCt Percentual da FC máx -% FC máx %FC máx = FC máx x % 100 FC máx = 180 bpm % desejado: 60% % FC máx = 180 x 0, bpm Miller et al. (1993). Predicting max HR. MSSE, 25 (9), Freqüência Cardíaca de Treinamento % da Reserva da FC (Karvonen) CORRELAÇÃO entre F.C. e FC res. FCt = [(FC máx FC repouso ) x %] + FC repouso FC máx = 190 bpm FC repouso = 70 bpm % desejado: 42% % FC res = [(190 70) x 0,42] + 70 = 120 bpm FC máx = 190 bpm FC repouso = 70 bpm % desejado: 56% % FC res = [(190 70) x 0,56] + 70 = 137 bpm F.C. F.C. res 100% 100% 90% 83% 80% 70% 70% 56% 60% 42% 50% 28% Fonte: Marion et al. (1994)

16 % FC reserva 100 Zona Anaeróbia 83 Zona Mista 70 Zona Aeróbia Glicolítica 56 Zona Aeróbia Lipolítica 42 Zona Aeróbia Regenerativa 28 ZONA-ALVO ALVO DE TREINAMENTO 61 Freqüência Cardíaca de Treinamento % da Reserva da FC (Karvonen) FCt = [(FC máx FC repouso ) x %] + FC repouso FC máx = 180 bpm FC repouso = 80 bpm % desejado: 42% % FC res = [(180 80) x 0,42] + 80 = 122 bpm FC máx = 180 bpm FC repouso = 80 bpm % desejado: 56% % FC res = [(180 80) x 0,56] + 80 = 136 bpm 62 Utilização da Zona-Alvo de treino na Prescrição Utilização da Zona-Alvo de treino na Prescrição Zona-Alvo: bpm V. Inicial 122 bpm V. Final 136 bpm Razão de Incremento (R): R = (136 F 122 I )/(n-1) R = ( ) / (6-1) R =14/5 R = 2,8 bpm 63 Zona-Alvo: minutos V. Inicial 20 min V. Final 35 min Razão de Incremento (R): R =(35 F 20 I )/(n-1) R = (35-20) / (6-1) R =15/5 R = 3min 64 16

17 Freqüência Cardíaca de Treinamento % da Reserva da FC (Karvonen) VO 2 t = [(VO 2máx 3,5) x %] + 3,5 IDADE: 40 anos VO 2máx = 35 ml/kg/min VO 2máx % desejado: 42% (inicial) % VO 2 = [(35 3,5) x 0,42] + 3,5 = 16,73 ml/kg/min % desejado: 56% (final) % VO 2 = [(35 3,5) x 0,56] + 3,5 = 21,14 ml/kg/min 65 Utilização da Zona-Alvo de treino na Prescrição Zona-Alvo: 16,73 a 21,14 ml/kg/min. V. Inicial 16,73 ml/kg/min V. Final 21,14 ml/kg/min Razão de Incremento (R): R = (21,14 F 16,73 I )/(n-1) R = (21,14 16,73) / (6-1) R =4,41/5 R = 0,882 ml/kg/min min 66 PRESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES FÍSICAS Caminhada METs VO 2 1km m/min km/h 30min 3,5 12, , m 4,3 15, , m 4,8 16,8 10, , m 5,3 18, , m 6,1 21, , m 6,7 23, , m 6,9 24, , m 7,5 26, , m Trote METs VO 2 1km m/min km/h 30min 7,5 26, , m 8,1 28, , m 8,4 29, , m 67 Utilização da Zona-Alvo de treino na Prescrição Zona-Alvo: 6,3 5,7 Valor Inicial 5,7 km/h Valor Final 6,3 km/h Razão de Incremento (R): R = (6,3 5,7) / (n - 1) R = (6,3 5,7) / (6-1) R =0,6/5 R =0,12 km/h 68 17

18 Sem Micro FCres Utilização do jvianna.fitness na Prescrição do Treinamento Duração VO2R Velocidade 01 Adaptação ,73 5,7 02 Adaptação ,73 5,7 03 Desenvolvimento ,61 5,8 04 Estabilizador ,61 5,8 05 Desenvolvimento , ,9 06 Estabilizador ,49 5,9 07 Desenvolvimento ,37 6,1 08 Estabilizador ,37 6,1 09 Desenvolvimento ,25 6,2 10 Estabilizador ,25 6,2 11 Desenvolvimento ,14 6,3 12 Recuperativo ,14 6,2 69 Como Evoluir semanalmente o programa de treinamento? 70 Utilização da Zona-Alvo de treino na Prescrição Modelo Periodizado Montagem da Tabela de 14 semanas Zona-Alvo: Valor Inicial 30 km ValorFinal 48km Razão de Incremento (R): R = (48 30) / (n - 1) R = (48 30) / (4-1) R =18/3 R =6km 71 Sem. Volume (min/sem) Intensidade (%) % % % % % % % % % % % % % % 72 18

19 Modelo Periodizado Não-linear Controle e Prescrição do Treinamento Dias de Treino Distribuição Semanal de Volume e Intensidade Vol 45% 55% Int 105% 95% Vol 30% 40% 30% Int 100% 95% 105% Vol 20% 25% 30% 25% Int 100% 105% 95% 100% Vol 15% 20% 25% 15% 25% Int 105% 100% 95% 110% 100% Freqüência Cardíaca (máxima e reserva) VO 2 máx; VO 2 reserva Mets máx e Mets reserva Limiar Anaeróbio Velocidade: m/s,km/h, m/min, min/km Kcal Percepção subjetiva Método Padrão - Ergoespirometria

20 77 78 Tipos de Ergômetros

21 TESTE SEM ESFORÇO TESTE SEM ESFORÇO EQUAÇÃO DE WHALEY VO ² máx = 64,62 (0,339 x idade) + (9,006 x gênero) + (2,069 x status de atividade física) (0,601 x IMC) (0,143 x FC repouso) (0,409 x status de tabagismo). Gênero Masculino= 1 e Feminino= 0 81 STATUS DE ATIVIDADE FÍSICA E ESTILO DE VIDA: Estilo de vida sedentário (1) Profissão sedentária com atividade moderada (2) Atividade recreativa e profissional moderada (3) Atividade profissional intensa com atividade recreativa moderada (4) Participa regularmente em exercícios aeróbico (3x sem) (5) Altamente treinado (6). 82 STATUS DE TABAGISMO: Não fumante (1) Ex-fumante (2) Fuma charuto (3) Até 10 cigarros (4) De 10 a 18 cigarros (5) De 19 a 28 cigarros (6) De 29 a 40 cigarros (7) Acima de 40 cigarros (8) TESTE SEM ESFORÇO Predição do VO 2 máx Estratégia Matemática VO2(mL/kg/min) VO2 máx = %FCmáx (centezimal) Preferencialmente utilizar percentual da FC de reserva correlação r de Pearson = 0,838; EPE= 5,6 ml/kg/min

22 Simulação de Cálculo de VO 2máx Aluno: F.A.D.M. VO 2t = ml/kg/min FCrep: bpm FCtreino: bpm Cálculo l do Percentual da FC máx atingido %FCres = (FC treino FC rep) (FC máx FC rep) %FCmáx = Cálculo do VO 2máx VO 2máx = VO 2máx = ml/kg/min Nível de aptidão física do A.H.A Nível de aptidão física do American Heart Association para mulheres VO 2máx ml. (kg.min)-¹ Faixa etária MF F R B E < > < > < > < > < > 35 Nível de aptidão física do American Heart Association para homens VO 2máx ml. ( kg.min )-¹ Faixa etária MF F R B E < > < > < > < > < > 41 fonte: ACMS, Valores Preditivos de VO 2 máx (ml/kg/min) para Não-Atletas Controle e Prescrição do Treinamento Idade Homens Mulheres Wilmore & Costill, 1994 (Physiology of Sport and Exercise, 10:233) COMO UTILIZAR O VO 2 max PARA O TREINAMENTO FÍSICO? 88 22

23 Conceito e Utilização do VO 2 R Nova abordagem para predição do VO 2 máx baseado no método de reserva % % Treinamento VO 2máx % % VO 2 R 1 MET VO 2rep. ACSM (2000). Guidelines for exercise testing and prescription. Lippincott Wiliams & Wilkins. 89 Swain, Sports Med 30(1): 17-22, Determinar o VO 2 t = trabalho Cálculo da intensidade de trabalho VO 2 t = [(VO 2 máx VO 2 rep.) x % intensidade] + VO 2 rep. Exemplo: VO 2 t = [(VO 2 máx - 3,5) x % intensidade] + 3,5 = Freqüência Cardíaca CORRELAÇÃO entre F.C. e VO 2 res VO 2 res 100% 100% 90% 83% 80% 70% 70% 56% 60% 42% 50% 28% Fonte: Marion et al. (1994)

24 ZONA-ALVO ALVO DE TREINAMENTO % V0 2 máx 100 Zona Anaeróbia 83 Zona Mista 70 Zona Aeróbia Glicolítica 56 Zona Aeróbia Lipolítica 42 Zona Aeróbia Regenerativa Tomada de Decisão com Base no Resultado do Teste de Esforço VO2 max Intensidade Duração Freqüência Peso Corp. Dispêndio Energético (ml.kg.min) -1 (%) (min/sessão) (min/semana) (x/sem) (kg) (kcal/dia) (kcal/semana) Pro Health & Performance, 2002/2003 (Manual PHP de avaliação e prescrição de exercícios) PRESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES FÍSICAS Caminhada Corridas METs VO 2 1km m/min km/h 30min METs VO 2 1km m/min km/h 30min 3,5 12, , m 4,3 15, , m 4,8 16,8 10, , m 5,3 18, , m 6,1 21, , m 6,7 23, , m 6,9 24, , m 7,5 26, , m Trote METs VO 2 1km m/min km/h 30min 7,5 26, , m 8,1 28, , m 8,4 29, , m 95 8,6 30, , m 9,5 33, , m 10,5 36, , m 11,5 40, , m 12,4 43, , m 13,4 46, , m 14,3 50, , m 15,2 53, , m 16,2 56, , m 17,2 60, , m 18,1 63, , m 19,1 66, , m 20,0 70, , m Fonte: Clevaland Clinic, Sección de la Medicina del Deporte, Clevaland, Ohio

25 Controle e Prescrição do Treinamento Ciclismo Velocidade VO 2 METs Kcal/min 10km/h ,14-4,00 4,0-5,0 16km/h , , ,0 70 7,0 18km/h ,00-7,14 7,0-8,0 21km/h ,00-9, km/h ,71-10, km/h ,71-12, km/h ,71-14, Freqüência Cardíaca (máxima e reserva) VO 2 máx; VO 2 reserva Mets máx emets reserva Limiar Anaeróbio Velocidade: m/s,km/h, m/min, min/km Kcal Percepção subjetiva. 98 LIMIAR ANAERÓBIO

26 LIMIAR ANAERÓBIO Equação matemática FCtreino = FC máx - (0,45 x FC repouso) (Martin,1989) FC Máx FC Máxima FC % Repous FC 200 FC % Carga % Repousoo Repouso Carga % % % 89% 162, 157, 152, 147, 142, ,5 177,5 172,5 172,5 167,5 167, , , , , ,5 85% 88% % ,5% Ex.: Idade: 50 anos FCt = ,5 = 138 bpm FC rep = 70 bpm % 85% % 84% ,5 168,5 163,5 163,5 158,5 158,5 153, 153, , 148, , 143, , 138, , 133,5 5 82,5% 76% % 81% 101 FCMax 100 Zona Anaeróbia 90 Limiar Anaeróbio 80 Zona Aeróbia Glicolítica 70 Zona Aeróbia Lipolítica 60 Zona Aeróbia Regenerativa 50 ZONA-ALVO DE TREINAMENTO FC Máx FC Máx FC % Repou FC FC % 165 Carga Repouso % Repouso Carga % % % % 162, 157, 152, 147, 142, ,5 172,5 167, % ,5 154,5 149,5 144,5 139,5 134,5 129,5 124,5 77,5% % % % % % 153, 148, 143, 138, 133, ,5 163,5 158, % %

27 ZONA-ALVO DE TREINAMENTO Princípio do Limiar de Lactato FCMax 100 Zona Anaeróbia alática 90 Zona Anaeróbia lática 80 Limiar Anaeróbio 70 Zona Aeróbia Glicolítica 60 Zona Aeróbia Lipolítica Limiares e Prescrição de Exercício Limiares e Prescrição de Exercícios

28 ZAT limiar anaeróbio Controle e Prescrição do Treinamento (%) 110 Zona Anaeróbia Alática 105 Zona Anaeróbia Lática 100 Zona do Limiar anaeróbio Freqüência Cardíaca (máxima e reserva) VO 2 máx; VO 2 reserva Mets máx emets reserva Limiar Anaeróbio 90 Zona Aeróbia Glicolítica 80 Zona Aeróbia Lipolítica 70 Zona Aeróbia Regenerativa 109 Velocidade: m/s,km/h, m/min, min/km Kcal Percepção subjetiva. 110 Kcal Técnicas de campo Quantidade de energia gasta em uma atividade 1 l.o 2 min-¹ 5 Kcal Estimativa do Gasto energético pela F.C. GE = 0,122 X FC 9,031 Ex. GE = 0,122 X 122 9,031 = 5,8 kcal/min GE = 0,122 X 130 9,031 = 6,8 kcal/min GE = 0,122 X 135 9,031 = 7,4 kcal/min GE = 0,122 X 127 9,031 = 6,4 kcal/min GE = 0,122 X 140 9,031 = 8 kcal/min GET = 5,8 + 6,8 + 7,4 + 6,4 + 8 = 34,4 Kcal/

29 Tomada de Decisão com Base no Resultado do Teste de Esforço VO2 max Intensidade Duração Freqüência Peso Corp. Dispêndio Energético (ml.kg.min) -1 (%) (min/sessão) (min/semana) (x/sem) (kg) (kcal/dia) (kcal/semana) Pro Health & Performance, 2002/2003 (Manual PHP de avaliação e prescrição de exercícios) Aluna 47 anos VO 2 máx: 34 ml/kg/min Intensidade d Desejada: 50 % Atividade: Esteira (0%) Duração: 35 a 40 minutos Peso corporal: 60 kg Kcal Quantidade de energia gasta em uma atividade Kcal = MET x 0,0175 x PC x Tempo Etapa 1 Cálculo de 50% VO 2 R VO 2máx = 34 ml/kg/min VO 2 R 50% = [(34 3,5) x 0,50] + 3,5 18,75 ml/kg/min 114 Kcal Quantidade de energia gasta em uma atividade GASTO ENERGÉTICO NA MUSCULAÇÃO Kcal = MET x 0,0175 x PC x Tempo PC = kg T = min. EXEMPLO: VO 2 trabalho = 18,75 ml/kg/min Duração: 6 km Tempo: 35 minutos. Peso: 60 kg METs = 18,75 : 3,5 = 5,36 % 1-RM FC VO 2 máx Lactato Mets 40% 124 bpm (62%) 45% 6,5 mmol/l 3,3 50% 133 bpm 50,3% 8,6 mmol/l 4,3 (68%) 60% 146 bpm (75%) 70% 161 bpm (83%) 63% 9,2 mmol/l 5,9 70% 12 mmol/l 6,5 Kcal = 5,36 x 0,0175 x 60 x 35 = 197 kcal 115 Fonte: Collins, 1991; adaptado por Vianna (2001)

30 Kcal Quantidade de energia gasta em uma atividade Kcal = MET x 0,0175 x PC x Tempo MODELO DE MICRO SEMANAS SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO DOM. Aluna 47 anos Atividade: id d musculação Intensidade Desejada: 60% 1-RM Duração: 45 minutos Peso corporal: 60 kg Caminhada 35` 6,1 km/h De 03/ kcal a 09/11 Musculação de ` 60% 1-RM 297 kcal Caminhada 35` 6,1 km/h 197 kcal Musculação 45` 60% 1-RM 297 kcal Caminhada 35` 6,1 km/h 197 kcal Musculação 45` 60% 1-RM 297 kcal Kcal = 5,9 x 0,0175 x 60 x 45 = 279 kcal 117 META CALÓRICA Gasto energético estimado Status de atividade física Sedentário Pouco ativo Moderadamente ativo Ativo Treinado Atletas Equivalente calórico < 15 kcal/kg/semana 15 a 20 kcal/kg/semana 21 a 30 kcal/kg/semana 31 a 40 kcal/kg/semana 41 a 50 kcal/kg/semana > 50 kcal/kg/semana Fonte: Vianna (2007). IDADE (anos) Estimativa do gasto energético em repouso: HOMENS FÓRMULA MULHERES 3 a 9 (22,7 x peso corporal) (22,5 x peso corporal) a 17 (22,7 x peso corporal) (12,2 x peso corporal) a 29 (15,3 x peso corporal) (14,7 x peso corporal) a 60 (11,6 x peso corporal) (8,7 x peso corporal) > 60 (13,5 x peso corporal) (10,5 x peso corporal) (FAO, 1985)

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO

PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO O fenômeno do personal trainer teve seu início na década de 90. Nesta mesma época, com os avanços tecnológicos como a internet, que permitiram que um grande número de estudos

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BE066 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO PROF. SERGIO GREGORIO DA SILVA, PHD AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (COLÉGIO

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014 CAPACIDADE AERÓBICA pindiceconicidade.exe CAPACIDADE DO ORGANISMO EM SE ADAPTAR A ESFORÇOS FÍSICOS MODERADOS, ENVOLVENDO A PARTICIPAÇÃO DOS GRANDES GRUPOS MUSCULARES, POR PERÍODOS DE TEMPO RELATIVAMENTE

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100.

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100. PERIODIZAÇÃO CURVA DE PERFORMANCE Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos VO2máx desejado: 40ml/kg/min 40 32 x x Homens Treinados: VO 2 máx(ml/kg.min -1 ) = 69,7 - (0,62 x idade) Homens Sedentários:

Leia mais

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008 ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO Anos 30: PIHKALA (Finlândia) Variações no trabalho - recuperação: dias, semanas, meses e anos de treinamento; Diminuição progressiva do volume de treinamento,

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso REVISÃO DE LITERATURA: PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E GANHO DE FORÇA MUSCULAR Autor: Murilo de

Leia mais

Treinamento Concorrente

Treinamento Concorrente Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Educação Física Fisioterapia e Terapia Ocupacional Especialização em Treinamento de Força e Musculação Treinamento Concorrente Aluno: Marcelo Vidigal Coscarelli

Leia mais

Planilha de Controle de Resultados e Treinamento

Planilha de Controle de Resultados e Treinamento Planilha de Controle de Resultados e Treinamento CONTROLE DE TREINAMENTO INFORMAÇÕES BÁSICAS DO ATLETA NOME COMPLETO Renato Santiago GÊNERO IDADE PESO (KG) ALTURA (m) IMC ATUAL Masc. 24 100,0 1,82 30,2

Leia mais

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Teste Submáximo de Astrand em

Leia mais

Apostila de atletismo. Técnicas de Revezamentos. O bastão. Passagem do Bastão. Revezamento 4 x 100 REVEZAMENTO

Apostila de atletismo. Técnicas de Revezamentos. O bastão. Passagem do Bastão. Revezamento 4 x 100 REVEZAMENTO REVEZAMENTO Apostila de atletismo Prof. Pablo Teixeira Salomão, Ms. CREF 008134 G / MG pablomestrado@yahoo.com.br Técnicas de Revezamentos Várias foram as provas de revezamento; Atualmente são realizadas

Leia mais

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2 CURRÍCULO HELENO FORTES RIBEIRO CREF:004375-GMG Diretor Técnico e Idealizador da HF Treinamento Esportivo Pós-Graduado em Treinamento Esportivo (lato sensu) UGF 2006 Graduado em Educação Física (Bacharel

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

ANÁLISE DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA NO EXERCÍCIO SUPINO PARA PREDIÇÃO DA CARGA

ANÁLISE DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA NO EXERCÍCIO SUPINO PARA PREDIÇÃO DA CARGA ARTIGO ORIGINAL (ORIGINAL PAPER) ANÁLISE DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA NO EXERCÍCIO SUPINO PARA PREDIÇÃO DA CARGA ANALYSIS OF ONE REPETITON MAXIMUM TEST IN BENCH PRESS EXERCISE TO PREDICT THE LOAD Mauro

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Sistema de cadastro de clientes e controle de mensalidades, frequência e avaliação física

Sistema de cadastro de clientes e controle de mensalidades, frequência e avaliação física Sistema de cadastro de clientes e controle de mensalidades, frequência e avaliação física O sistema a ser desenvolvido para a Academia EduFitness deverá cadastrar e controlar os dados pessoais dos alunos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos

Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos Prof. Paulo Sergio Gomes, Ph.D. Programa de Pós- graduação em Educação Física Centro de Pesquisas Interdiciplinares em Saúde AVISO Material de propriedade

Leia mais

ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE

ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE JAYME NETTO JR Professor do Departamento de Fisioterapia/UNESP Mestrado em Ciências do Esporte/UNICAMP Doutorado em Ciências da Saúde/FAMERP Técnico Olímpico

Leia mais

e dos testes de avaliação

e dos testes de avaliação TEMA 3 FILME 01 TEMA 3 Treino dos fatores físicos e dos testes de avaliação Documento bruno Boucher 1 e dos testes de avaliação Os tempos de referência O catálogo do treino O circuito II de musculação

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Nome: Modelo Masculino Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Sexo: Masculino Data da Avaliação: 23/07/2010 Hora: 16:11:09 Anamnese Clínica Dados pessoais Nome: Modelo Masculino Data de Nascimento: 23/12/1977

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5 CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Habilidade de realizar atividades físicas de caráter dinâmico que envolvam grande massa muscular com intensidade de moderada a alta por períodos prolongados (Fernandes Filho,

Leia mais

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m.

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m. CONSTRUÇÃO de PROGRAMAS de TREINO 8 Objectivos Selecção dos Exercicíos Organização dos exercicíos Frequência de Treino Selecção das Cargas Selecção do nº. de Repetições Selecção do nº. de Séries e Pausas

Leia mais

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM FISIOLOGIA DO LACTATO LACTATO x EXERCÍCIO FÍSICO METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DO LACTATO FISIOLOGIA DO LACTATO Metabolismo anaeróbio lático; Formação do lactato; Acúmulo

Leia mais

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Alterações morfofuncionais decorrentes do treinamento de força 1 Exercícios

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Definir a carga de treinamento é o primeiro passo para entender a complexidade do treinamento físico (Monteiro, Lopes, 2009). O entendimento

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida 1 O que é o Protocolo em Rampa O protocolo em rampa é um protocolo para testes de esforço que não possui estágios. Nele o incremento da carga se dá de maneira

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA Título: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA-QUEDISTA Categoria/Assunto: ASSUNTO PROFISSIONAL DE INTERESSE MILITAR Autor: CAPITÃO DE

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO A escolha do método de TF depende da qualidade física que vai ser trabalhada e da periodização do treinamento. Na fase básica, quando a ênfase é no volume, utiliza-se os métodos

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE

CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE Tiago de Oliveira Santos 1 ; Renato Aparecido de Souza 1 LAFIPE/Faculdade Educação

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

Sistemas de Treino de Força Muscular

Sistemas de Treino de Força Muscular Sistemas de Treino de Força Muscular Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Considerações iniciais Poucos

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Treinador de força da atletas em nível olímpico e pan americano

Treinador de força da atletas em nível olímpico e pan americano Doutor em Ciências da Saúde Mestre em Educação Física Pós graduado em Musculação e Treinamento de Força Pós graduado em Fisiologia do Exercício Graduado em Educação Física Professor do curso de Pós Graduação

Leia mais

Equação de Corrida. I inclinação da corrida em percentual (%)

Equação de Corrida. I inclinação da corrida em percentual (%) Equação de Corrida VO 2 = (0,2 x V) + (0,9 x V x I) + VO 2rep VO 2 consumo de oxigênio em mililitros por quilo por minuto (ml.kg -1.min -1 ) V velocidade da caminhada em metros por minuto (m.min -1 ) I

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA

TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES):

Leia mais

A eficácia do controle do exercício físico através de um trabalho personalizado

A eficácia do controle do exercício físico através de um trabalho personalizado ISSN-1980-7341 1 A eficácia do controle do exercício físico através de um trabalho personalizado Rafael Bordini da Silva 1 Eduardo Adrião de Araújo Silva 2 RESUMO Através do presente estudo verificamos

Leia mais

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO...

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO... Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento Flávia Porto RELEMBRANDO... A mais importante característica do treinamento é sua divisão em fases e sua contínua adequação e periodização dos estímulos.

Leia mais

Adaptações. Estruturais. Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR

Adaptações. Estruturais. Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR Adaptações EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Márcio Oliveira de Souza Estruturais Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO NA FREQUÊNCIA

Leia mais

EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL

EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL FRANKLIN GONÇALVES PEREIRA Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande,

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Hipertensão Arterial - Exercício Hipertensão Arterial

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1 Revista Hórus, volume 6, número 1 (Jan-Mar), 2012. 48 EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia

Leia mais

Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios

Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios UFBA Faculdade de Educação Física Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios Alexandre Veloso de Sousa A Ginástica como atividade física se confunde com a história do próprio homem;

Leia mais

Treinamento concorrente

Treinamento concorrente UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DEPARTAMENTO DE ESPORTES MARCELO VIDIGAL COSCARELLI Treinamento concorrente Trabalho apresentado ao Curso de Especialização em Treinamento

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO AERÓBIO NO ÍNDICE DE FADIGA MEDIDO EM TESTE DE SPRINTS REPETIDOS (RAST)

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO AERÓBIO NO ÍNDICE DE FADIGA MEDIDO EM TESTE DE SPRINTS REPETIDOS (RAST) UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA, FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL MATHEUS SIQUEIRA ANDRADE INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO AERÓBIO NO ÍNDICE DE FADIGA MEDIDO EM TESTE DE SPRINTS

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física. Gabriela Bartholomay Kothe

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física. Gabriela Bartholomay Kothe UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física Gabriela Bartholomay Kothe RELAÇÃO ENTRE O PERCENTUAL DE 1RM E O NÚMERO DE REPETIÇÕES MÁXIMAS EM EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO EM INDIVÍDUOS

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Gi G n i ást s ic i a c d e aca c demi m a i Profa Erika

Gi G n i ást s ic i a c d e aca c demi m a i Profa Erika Ginástica de academia Profa Erika Programa 1. Apresentação da disciplina, plano de ensino, métodos e avaliação; 2. Conceitos em ginástica e fitness; 3. Histórico da academias no Brasil,tipos de ginástica

Leia mais

GASTO ENERGÉTICO DA AULA DE STEP

GASTO ENERGÉTICO DA AULA DE STEP GASTO ENERGÉTICO DA AULA DE STEP RESUMO Viviane Ribeiro de Ávila Vianna 1 Vinícius de Oliveira Damasceno 2 Jeferson Macedo Vianna 3 Jorge Roberto Perrout Lima 4 Jeferson da Silva Novaes 5 Estélio Henrique

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Alterações morfofuncionais decorrentes

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Quem é o Idoso? ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS)

Leia mais

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades.

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades. METODOLOGIA DO TREINAMENTO DESPORTIVO I O que é? Organização dos conteúdos do treinamento através de métodos. Para que serve? - Melhorar aproveitamento das capacidades de performance dos indivíduos; -

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR.

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. VILMAR BALDISSERA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

Bibliografia. Hidroginástica e Hidroterapia. Histórico. Conteúdo Programático. Ft. Milena Dutra milenadutra@bol.com.br

Bibliografia. Hidroginástica e Hidroterapia. Histórico. Conteúdo Programático. Ft. Milena Dutra milenadutra@bol.com.br Bibliografia Hidroginástica e Hidroterapia Ft. Milena Dutra milenadutra@bol.com.br www.abs-exercise-advice.com www.shapefit.com www.myfit.ca www.getfitsource.com www.waterworkout.com http://www.watergym.com

Leia mais

Perfil antropométrico e fisiológico de jogadores de rugby.

Perfil antropométrico e fisiológico de jogadores de rugby. 496 Perfil antropométrico e fisiológico de jogadores de rugby. X Salão de Iniciação Científica PUCRS Randhall Bruce Kreismann Carteri 1, Eraldo Pinheiro 2, Giovani Cunha 1, Katiuce Zapata 1, Jocelito Martins

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

Influência do treinamentocombinado de força e endurance nas respostas do taf de militares do 14º gac

Influência do treinamentocombinado de força e endurance nas respostas do taf de militares do 14º gac 163 ARTIGO Influência do treinamentocombinado de força e endurance nas respostas do taf de militares do 14º gac Prof. ALexandre dos Santos Universidade do Vale do Sapucaí Prof. Arthur Paiva Neto Universidade

Leia mais

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II III SIMPÓSIO DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA 30 de Outubro a 02 de Novembro de 2004 DAIANA CRISTINE BÜNDCHEN INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA-CT SERVIÇO

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITO DO TREINAMENTO COMBINADO NA PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO E NA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com alexandre.rocha.944 ProfAlexandreRocha @Prof_Rocha1 prof.alexandrerocha Docência Docência Personal Trainer

Leia mais

EFEITO DA ORDEM DOS EXERCÍCIOS NO TREINAMENTO DE FORÇA EFFECTS OF THE EXERCISE ORDER IN THE RESISTANCE TRAINING

EFEITO DA ORDEM DOS EXERCÍCIOS NO TREINAMENTO DE FORÇA EFFECTS OF THE EXERCISE ORDER IN THE RESISTANCE TRAINING Revista CPAQV Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida ISSN: 2178-7514. V.5, n.3, 2013 ARTIGO DE REVISÃO EFEITO DA ORDEM DOS EXERCÍCIOS NO TREINAMENTO DE FORÇA EFFECTS OF THE EXERCISE ORDER IN

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Treinamento de Força

Treinamento de Força Treinamento de Força Sandro de Souza Referencial teórico: FLECK, S.J; KRAEMER, W.J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular, ArtMed, 3 Ed., 2007. As 5 leis básicas do Treinamento de Força Lei nº1

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP

TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP RESUMO: Abordar o assunto treinamento de força no futebol, requer muito estudo e um olhar

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física BRUNA COSTA MARTINS EFICIÊNCIA DA PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS ATRAVÉS

Leia mais

O QUE CONTA É A QUALIDADE DO PESO E NÃO A QUANTIDADE Pode parecer magro e afinal estar obeso!!!

O QUE CONTA É A QUALIDADE DO PESO E NÃO A QUANTIDADE Pode parecer magro e afinal estar obeso!!! O QUE CONTA É A QUALIDADE DO PESO E NÃO A QUANTIDADE Pode parecer magro e afinal estar obeso!!! Por Personal Trainer Rui Barros PESO / ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CORPORAL VS. PESO IDEAL O peso ideal é aquele

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO.

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. Natália Serra Lovato (PIBIC/CNPq-UEL) e Marcos Doederlein Polito

Leia mais

Programas de Treinamento de Força para Escolares sem uso de Equipamentos

Programas de Treinamento de Força para Escolares sem uso de Equipamentos CIÊNCIA E CONHECIMENTO REVISTA ELETRÔNICA DA ULBRA SÃO JERÔNIMO VOL. 03, 2008, EDUCAÇÃO FÍSICA, A.1 1 Programas de Treinamento de Força para Escolares sem uso de Equipamentos Fernando Braga Rafael Abeche

Leia mais