TREINAMENTO RESISTIDO COM PESOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TREINAMENTO RESISTIDO COM PESOS"

Transcrição

1 e-book TREINAMENTO RESISTIDO COM PESOS AVALIAÇÃO DA FORÇA MÁXIMA MUSCULAR João Augusto Reis de Moura

2 2 Sumário: 1. INTRODUÇÃO 4 2. O TESTE DE 1RM: TESTE DE ESFORÇO MÁXIMO PROGRESSIVO 6 3. PADRONIZAÇÕES IMPORTANTES PARA APLICAÇÃO DO TESTE DE 1RM PADRONIZAÇÃO SOBRE A MECÂNICA DE EXECUÇÃO DO MOVIMENTO PADRONIZAÇÃO DA POSIÇÃO INICIAL E FINAL DE TESTAGEM SUGESTÃO DE UMA METODOLOGIA DE APLICAÇÃO DO TESTE DE 1RM 16 1º PASSO: EXPLICAÇÃO DO TESTE AO AVALIADO: 17 2º PASSO: DEMONSTRAÇÃO DA EXECUÇÃO CORRETA DO EXERCÍCIO: 17 3º PASSO: AQUECIMENTO: 17 4º PASSO: O TESTE PROPRIAMENTE DITO 18 A) DETERMINAÇÃO DA QUILAGEM ABSOLUTA INICIAL DA TESTAGEM: 18 B) CONTINUIDADE DAS TENTATIVAS DE SUPERAÇÃO DE QUILAGEM 18 C) DETERMINAÇÃO DA QUILAGEM ABSOLUTA FINAL DA TESTAGEM (1RM): PROTOCOLOS PADRONIZADOS DE AVALIAÇÃO 20 TESTE 1- FLEXÃO DE JOELHOS 20 TESTE 2- EXTENSÃO DE JOELHOS 21 TESTE 3- PRESSÃO DE PERNAS HORIZONTAL 22 TESTE 4- ABDUÇÃO/QUADRIL 23 TESTE 5- ADUÇÃO/QUADRIL 24 TESTE 6 - VOADOR FRONTAL 25 TESTE 7- VOADOR INVERTIDO 26 TESTE 8- PUXADA FRONTAL 27 TESTE 9- ROSCA DE TRÍCEPS 28 TESTE 10- SUPINO PLANO 29 REFERÊNCIAS 30 Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 2

3 3 Apresentação Este e-book apresenta questões relevantes quanto ao teste de força máxima chamado de 1RM ou uma repetição máxima. Pontos importantes do ponto de vista conceitual e prático são apresentados e discutidos perante a literatura científica atual. Leia com atenção todos os tópicos e estudo o protocolo de aplicação do teste e, a partir destes conhecimentos, torne-se capaz de aplicar o teste com precisão, fidedignidade e segurança. Boa leitura e estudo. Prof. Dr. João Moura Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 3

4 4 1. Introdução O controle da carga de treino é fundamental para que se possa acertar a dose de estímulo físico necessário na produção de adaptações crônicas fisiológicas (resultados de treinamento). Dentre as possibilidades de controle da carga de treino, a variável quilagem é uma das principais, sendo citada por alguns autores como principal (TAN, 1999; FLECK e KRAEMER, 1999). A modulação da quilagem determinará, fortemente, a característica do estímulo imposto ao organismo e, por conseqüência, as adaptações oriundas de tal carga de esforço. Portanto a quantificação da quilagem torna-se um imperativo no treinamento. Existem algumas técnicas para quantificar a quilagem, dentre estas, o teste de 1RM tem sido extensivamente utilizado tanto nacionalmente em trabalhos de Pós-Graduação (PEREIRA, 2001; MOURA, 2004) ou manuscritos científicos (RASO et al., 1997; ALMEIDA et al., 2011); quanto internacionalmente (HOEGER et al., 1987; HOEGER et al., 1990; CLAIRBORNE e DONOLLI, 1993; SCHOFFFSTALL et al., 2001; DOAN et al., 2002; FAIGENBAUM et al., 2003). Na literatura específica verifica-se que o teste de 1RM possui relatos de sua aplicação desde a década de 50 (TUTTLE et al., 1955), passando por estudos das décadas de 60 e 70 (BERGER, 1970) sendo colocado, em 1994 pela National Strength and Conditioning Association (NSCA), como principal método para avaliação da força dinâmica (BAECHLE, 1994) e, é atualmente citado pelo American college of Sports Medicine (ACSM, 2002), como um dos testes mais utilizados no controle da quilagem de treino. Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 4

5 5 Este rápido relato da literatura demonstra o teste de 1RM como um dos mais consagrados testes de medida na área do treinamento de força para quantificação de dados, principalmente e especificamente, ao treinamento da força dinâmica. Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 5

6 6 2. O teste de 1RM: teste de esforço máximo progressivo O teste de 1RM significa Uma Repetição Máxima, sendo este um teste amplamente utilizado por profissionais que militam na prescrição de treinamentos de força, sendo definido como a quilagem (peso) máxima que um indivíduo é capaz de movimentar uma única vez, em um movimento padronizado (excêntrico mais concêntrico ou vice-versa), em um determinado exercício, sendo a quilagem movimentada considerada a sua força dinâmica máxima (100% de força) para o exercício específico. Sendo assim, o teste de 1RM destina-se exatamente a determinação do esforço máximo dos indivíduos com relação a capacidade de força dinâmica. De maneira ampla, independentemente das variações de protocolo adotado algumas características são genéricas e estão representadas na Ilustração 2.1. Nesta Ilustração observa-se que o teste tem a característica de esforço progressivo (em forma de escada). Cada degrau da escada é constituído por uma tentativa de superação de quilagem a qual é constituída por uma ou duas repetições do movimento quanto ao exercício executado. Estas tentativas de superação de quilagem prosseguem sendo que a cada tentativa a quilagem vai sendo aumentada. Intervalos recuperativos (de descanso) são proporcionados entre as tentativas no intuito de que se permita a recuperação energética, metabólica e psicológica do indivíduo testado. Como o teste é de esforço máximo as quilagens vão sendo aumentadas gradativamente até que o movimento não seja executado, de forma mecanicamente correta e/ou com o arco articular de movimento completo, por mais de uma repetição do movimento. Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 6

7 7 TENTATIVA SE SUPERAÇÃO DE QUILAGEM 1 RM Testes de Esforço Máximo Progressivo (1RM) intervalo 1 a 5 # 2 REP 2 REP 66 kg INTERVALO RECUPERATIVO intervalo 1 a 5 # 1 REP. (1RM)** intervalo 1 a 5 # 2 REP.* 2 REP.* 66kg 68kg =100% 2 REP.* 63kg 55kg Ilustração 2.1. Modelo geral de representação das diretrizes gerais do teste de 1RM. * Duas repetições do movimento de forma mecanicamente correta caracterizando uma tentativa de superação de quilagem. ** tentativa de superação de quilagem que caracteriza o 1RM, o indivíduo tenta realizar duas repetições mas consegue realizar apenas uma repetição (quilagem de 68kg igual a 100% de força - Força Dinâmica Máxima - em um exercício específico). # intervalos de recuperação energética, metabólica e psicológica entre as tentativas de superação de quilagem variando entre 1 a 5 minutos. A maneira de ilustrar o teste de 1RM em forma de escada proporciona a idéia de progressividade da carga de esforço devido a manipulação da quilagem ofertada ao movimento, independentemente do exercício que se está executando. Também a Ilustração 2.1 proporciona o levantamento das variáveis que compõem a estrutura metodológica do teste, ou seja, quilagem, intervalo recuperativo e repetições com relação ao domínio da progressividade da carga aplicada ao teste, bem como concentração e capacidade volitiva de execução da tarefa motora, aspectos psicológicos estes fundamentais para um maximização do desempenho no teste. Através do teste de 1RM determina-se o valor teórico da força máxima envolvida no movimento, bem como os subpercentuais os quais definem intensidades diferentes de força submáxima, isto é, a força submáxima não é uma categoria única de força e sim admite divisões pautadas nas intensidades de trabalho como, por exemplo, força moderada, moderada-intensa e intensa (Ilustração 2.2). Existe aplicabilidade destas categorias da força submáxima quando, por exemplo, fisiculturistas treinam com força submáxima moderadaintensa, enquanto powerlifters treinam com força submáxima intensa. Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 7

8 8 Força submáxima Força máxima Força leve moderada 50 kg 2 rep 50% Força moderada 64 kg 2 rep 70 kg 2 rep 70% 78 kg 2 rep Força moderada intensa Ilustração 2.2. Representação dos diferentes níveis da força submáxima quando da realização do teste de 1RM 88 kg 2 rep 90% Força intensa 94 kg 2 rep 98 kg 2 rep 100 kg 1RM 17 Dependendo dos percentuais referentes ao máximo mobilizado de força é possível identificar as subcategorias de força. Vale salientar que são subdivisões desenvolvidas sem um amparo estatístico mais aprimorado, por outro lado, estão pautados em observações de rendimento de força dos praticantes. Valores de 69% e 71% da força máxima estão categorizados em pontos diferentes das categorias de força, força moderada e força moderada-intensa respectivamente, muito embora para a prática da prescrição esta diferença percentílica seja desprezível. Desta forma, deve-se entender a força submáxima como um continumm de força escalonada de um valor mais baixo (50%, por exemplo) a valores extremamente elevados (99%, por exemplo). Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 8

9 9 3. Padronizações importantes para aplicação do teste de 1RM Para assegurar a consistência dos escores de 1RM (reprodutibilidade intra e inter-avaliador) algumas padronizações, referentes a testagem, são necessárias e, perante a literatura consultada, parece ser aconselhável um rígido controle sobre tais padronizações Padronização sobre a mecânica de execução do movimento A técnica de execução do movimento deve ser detalhadamente descrita e padronizada a todos os exercícios. A técnica do exercício é vista como a mecânica de execução do movimento, estudos da área de biomecânica demonstraram que pequenas variações no formato de execução do movimento interferem no recrutamento de unidades motoras modificando sinal eletromiográfico do exercício (ESCAMILLA et al., 2001; SIGNORILE et al., 2002; CATERISANO et al., 2002) fato que altera as regiões e feixes musculares atuantes e poderá ter influência sobre a geração de tensão muscular para o exercício. Escamilla et al. (2001) estudaram aspectos biomecânicos dos exercícios agachamento e pressão de perna (leg press) por serem movimentos que recrutam basicamente os mesmos grupos musculares de membros inferiores. Estes autores verificaram que variações na colocação dos pés no exercício pressão de pernas (pés mais acima ou mais abaixo na plataforma) e o grau de afastamento dos pés, tanto no exercício pressão de pernas quanto no agachamento, apresentaram variação estatisticamente significativa (p<0,05) na Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 9

10 10 atividade muscular dos músculos de membros inferiores e na força de compreensão tibiofemural e patelofemural. A conclusão mais importante dos achados deste estudo é de que técnicas de execução diferentes repercutem nas forças do joelho e atividade muscular. Também variações nos ângulos do joelho de 90, 135 e 180º causaram modificações no traçado eletromiográfico dos músculos sóleo, gastrocnêmio lateral e medial (SIGNORILE et al., 2002) sendo que os dados do estudo indicaram que seletividade de trabalho muscular sobre sóleo e gastrocnêmio medial é possível através da manipulação do ângulo do joelho e isto parece ter relação com músculos mono ou biarticulares envolvidos no movimento. Caterisano et al. (2002) estudaram o exercício agachamento com três níveis de profundidade de execução (arco de movimento), agachamento a fundo, ou seja, com completa execução do movimento, meio agachamento no qual o movimento é realizado até que as coxas fiquem paralelas ao solo e 1/4 de agachamento movimento realizado com ¼ do movimento total (agachamento a fundo ). Os autores avaliaram, por meio de eletromiografia, a contribuição relativa dos grupos musculares glúteo máximo, bíceps femoral, vasto lateral e vasto medial. Concluíram que, conforme aumentava-se o arco de movimento do exercício de agachamento, isto é, do movimento de ¼ para a fundo a participação do músculo glúteo máximo aumentava significativamente (p<0,05) sua atividade eletromiográfica. Por essas razões, a mecânica de execução do movimento deve ser padronizada para que quando esta padronização não seja seguida pelo avaliado, considera-se o movimento como deformado. Nestas condições o teste de 1RM deve ser encerrado pelo avaliador pois, como já discutido, variações no movimento interferirão no acionamento (tensão) muscular o que fará variar o escore de 1RM, causando viés (erro aleatório) nos resultados. Exemplo Esta interferência pode ser descrita para a execução do teste de 1RM no exercício puxada frontal (Ilustrações deste exercício no final do livro). O tronco do avaliado deve estar ereto de tal forma que a coluna vertebral mantenha suas curvaturas normais (lordoses cervical e lombar, e cifose torácica). Quando a quilagem aproxima-se de 1RM o grau de recrutamento de unidades motoras, dos músculos acionados dinamicamente no movimento, é elevado, sendo que a capacidade de força do avaliado está próxima do máximo. Em alguns casos Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 10

11 11 alguns avaliados ao aduzirem ombros e flexionarem os cotovelos também realizarem uma pequena flexão da coluna vertebral, em nível de lombar, utilizando-se do músculo reto abdominal para tal movimento. Tal fenômeno é denominado, popularmente por praticantes experientes de TRP, como roubo do movimento, isto é, em partes críticas da execução do movimento outros músculos não participantes do movimento em si, são acionados para contribuir com o desenrolar do movimento roubando parte do esforço dos músculos primários do movimento. Tal execução cria um viés de interpretação dos escores de 1RM, pois o avaliado conseguirá levantar uma quilagem superior ao que teria levantado se o padrão de execução do movimento fosse mantido, em suma, sem contração dinâmica de reto abdominal e consequente sem a flexão da coluna vertebral Padronização da posição inicial e final de testagem Aspecto importante para padronização do teste de 1RM correlato com a mecânica de execução do movimento, diz respeito as posições iniciais e finais do movimento. A descrição do ponto de partida e o ponto de chegada do movimento são fundamentais para que a carga de esforço do teste seja padronizada entre os avaliados. A determinação exata da posição inicial e final do movimento definirá a amplitude de movimento, isto é, o arco de movimento articular descrito na execução do teste. Na vigência do esforço pequenas modificações nos ângulos articulares iniciais e finais, definidas fora das posições iniciais e finais, interferirão no arco de movimento o que irá alterar a carga de trabalho e quilagem levantada. Os autores Mookerjee e Ratmaess (1999), Pavol e Grabiner (2000) e Moura et al. (2004) centraram suas atenções no tocante a aspectos a posições iniciais e finais do movimento e encontraram interferências importantes na carga de esforço ou escore final de 1RM. Mookerjee e Ratmaess (1999) realizaram testes de força no exercício supino para 1RM e 5RM sob duas condições, uma amplitude parcial e outra amplitude total de movimentação. Os resultados indicaram que na amplitude parcial de movimentação, tanto em 1RM quanto em 5RM, a quilagem levantada foi significativamente maior (p<0,05) com 4,8% e 4,1%; respectivamente. A investigação de Mookerjee e Ratamaess demonstrou que Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 11

12 12 diferenças na produção de força podem ocorrer quando o exercício for executado em diferentes amplitudes de movimentação Tal comportamento pode ser atribuído ao trabalho muscular dinâmico realizado, onde, em uma colocação estritamente física, trabalho (W) será igual à força (f) empregada multiplicado pela distância (d) percorrida do objeto mobilizado. Conforme Ilustração 3.1. Trabalho = força x distância x cos ângulo CG Tração (força) Deslocamento horizontal Co-seno do ângulo CG Distância percorrida pelo automóvel Ilustração 3.1. Figura representativa de trabalho mecânico aplicado a objetos sólidos No caso do TRP a distância é angular representada pelo arco de movimentação em torno de uma articulação (conforme Ilustração 3.2), e a força é representada pela magnitude da quilagem movimentada nas anilhas, alteres ou placas de peso (maquinários), sendo o trabalho total a soma de trabalho da fase concêntrica mais excêntrica durante os testes de 1RM. Logo, quanto maior o arco de movimentação (distância angular), admitindo-se que a tensão muscular será constante através de todo arco articular de movimentação (por meio da quilagem absoluta) 1, o trabalho executado será maior, pois w=fxd, e isto poderá ter algum grau de influência sobre os escores de 1RM. 1 Muito embora exercitando-se com a quilagem absoluta não gere a mesma tensão muscular em todo arco de movimentação devido a questões de bioalavancas. Para melhor esclarecimentos ler CAMPOS (2002). Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 12

13 13 Ilustração 3.2. Imagem representando a flexão/extensão de joelhos executada na máquina Mesa Romana descrevendo um movimento curvilíneo usando como referência os maléolos. Movimento executado no plano sagital com eixo látero-lateral posicionado no centro articular dos joelhos. Ainda pode-se especular que, quanto maior o arco de trabalho (soma do arco concêntrico e excêntrico) maior será o tempo de contração muscular, desde que mantida a mesma velocidade de execução, e isto pode causar maior desgaste muscular no equilíbrio ácido básico e enzimático (PETRÍCIO et al., 2001) além de um acúmulo maior de lactato na fibra muscular (KRAEMER et al., 1990; KRAEMER et al., 1991; KRAEMER et al., 1993; PIERCE et al., 1993) já que aumentará o tempo de execução da série comparativamente com que se esta fosse realizada com mesmo número de repetições e velocidade de execução porém com arco de movimentação menor. O fato de que, em movimentos dinâmicos, a exigência de tensão muscular não ser idêntica em toda a amplitude de movimentação devido a mudanças constantes no torque em função das bioalavancas (CAMPOS, 2000), também pode influenciar no teste de 1RM de exercício para exercício. Pavol e Grabiner (2000) ao estudar a influência de diferentes ângulos do quadril e joelho sobre os escores de força isocinética, constaram que se deve considerar diferenças anatômicas individuais, influências do ângulo (posicionamento) do quadril e do ângulo inicial de extensão do joelho empregado durante processos de testagem que busquem a obtenção de valores de força. Portanto, questões biomecânicas podem ter influencias expressivas nos escores de 1RM em um mesmo exercício quando diferentes ângulos de movimento são adotados. Neste sentido, dados de Moura et al. (2004a), confirmam esta premissa ao verificar que a mecânica do movimento (ângulos diferentes para realização do movimento) Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 13

14 14 influencia significativamente (p<0,001) nos escores obtidos de 1RM para o exercício pressão de pernas (leg press). Contudo, o mesmo não ocorreu na mesma intensidade quando as angulações de trabalho foram modificadas para o exercício puxada frontal (Tabela 2.1). Os autores concluíram que modificações no mecanismo de movimentação parecem ter diferentes influências sobre a produção de força (1RM) em função do exercício executado, confirmando que mudanças expressivas no esforço com variações nos ângulos iniciais de testagem. No entanto, esta relação não é genérica a ponto de ser expandida para todos os tipos de exercícios de TRP. Tabela 2.1. Valores médios de desvio padrão dos escores de 1RM obtidos em diferentes ângulos de mensuração. Diferenças absolutas (em kg) e relativas (em %) entre os diferentes ângulos analisados. Exercício pressão de pernas (ângulo do joelho)* ângulo Média Variação de 1RM (valores absolutos em kg) Variação de 1RM (valores relativos em %)** ,8±16,3 80 p/ 90 =25,2 80 p/ 90 = 22, ,0±23,2 90 p/ 100 = 40,9 90 p/ 100 = 29, ,9±37,3 80 p/ 100 = 66,1 80 p/ 100 = 58,6 Exercício puxada frontal (ângulo do ombro no final da fase concêntrica) ângulo Média Variação de 1RM (valores Variação de 1RM (valores absolutos em kg) relativos em %) 60 63,6±7,0 80 p/ 90 = 1,9 80 p/ 90 = 3, ,7±6,7 90 p/ 100 = 3,3 90 p/ 100 = 5, ,4±6,7 80 p/ 100 = 5,2 80 p/ 100 = 8,9 * valores significativos entre as médias de 1RM; ** valores calculados a partir de regra de três simples equivalendo o primeiro ângulo a 100% e o acréscimo da quilagem com o novo ângulo e neste acréscimo a busca de qual ganho, ou queda como no caso do exercício puxada frontal, em percentual. Frente ao discutido nas páginas anteriores entende-se que deve ser estabelecida a padronização dos movimentos executados em um determinado exercício desde seu ponto inicial até o final. E para padronizar estes movimentos ajustes na postura de execução e pontos anatômicos devem ser utilizados nestas descrições. Por exemplo, no exercício puxada frontal deve-se padronizar uma postura adequada da coluna vertebral mantendo suas curvaturas normais e anatômicas durante a execução do teste. A barra de tração inicia acima Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 14

15 15 da cabeça e pouco a frente do corpo com os ombros abduzidos (plano frontal) a aproximadamente 160º (ver imagem capítulo 5) cotovelos estendidos (a referência dos cotovelos é uma referência anatômica da posição inicial) e deve ser trascionada, fase concêntrica, até abaixo do queixo estando a cabeça orientada no plano de Frankfurt (Plano de Frankfurt é uma orientação anatômica importante para a definição do ponto final pois fixa a orientação do queixo no plano horizontal). Se a puxada da barra for realizada atrás da cabeça deve-se definir o novo ponto final de movimento, como por exemplo, até tocar na nuca. A Ilustração 3.3. apresenta, com imagens, tais relações. Plano de Frankfurt Alinhamento horizontal da cabeça através da referências anatômicas do osso zigomático e pavilhão auricular Com o queixo alinhado no Plano de Frankfurt a barra deve ultrapassar para abaixo a ponta do queixo Critério da posição final de testagem Padronização da puxada executada por trás (tocar a nuca) Manutenção das curvaturas anatômicas da coluna vertebral Fixação dos joelhos ao anteparo da máquina para estabilização corporal Ilustração 3.3. Esquema demonstrando a série de padronizações quanto à posição final de testagem no exercício puxada frontal e puxada por trás. Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 15

16 16 4. Sugestão de uma metodologia de aplicação do teste de 1RM Frente às discussões realizadas até o momento será apresentado neste item do presente capítulo uma sugestão metodológica de aplicação do teste de 1RM. O protocolo apresentado a seguir foi originariamente desenvolvido em 1997 e publicado na Revista Kinesis (MOURA et al., 1997a). Desde então foi buscado o aperfeiçoamento deste protocolo, para tal foram realizados trabalhos paralelos (MOURA et al., 2002; MOURA et al, 2004a) com intuito de melhorar sua aplicabilidade, eficácia, eficiência e segurança. Este protocolo foi utilizado nos estudos de mestrado e doutorado do autor desta obra (MOURA, 2001; MOURA, 2004) e em outros trabalhos de pesquisas adicionais (MOURA et al., 1997b; MOURA et al., 2001; MOURA et al., 2002; MOURA et al., 2004b) sendo aplicado em mais de 1000 pessoas até a presente data. Até o momento os resultados foram satisfatórios, precisos e seguros, já que, embora empregando estímulo máximo da força dinâmica, nenhum acidente ou lesão dos avaliados foi registrado. Originariamente, o protocolo foi desenvolvido baseado em informações sobre o teste de 1RM disponíveis na literatura nacional e internacional. Alguns aspectos fisiológicos pontuais foram observados nas questões de número de tentativas, quilagem inicial de teste e intervalo recuperativo entre as tentativas. Todavia, não se tem a pretensão de afirmar que o protocolo de testagem esteja completo sem haver pontos de questionamentos científicos a realizar no intuito de melhorar sua aplicabilidade e segurança, porém entende-se ser um bom material de consulta e utilização em campo ou em pesquisas. Assim, a seguir é descrito o protocolo do teste de 1RM aplicado em 10 exercícios diferentes os quais envolvem diversos grupos musculares. A seguir será apresentado a seqüência didática de aplicação do teste. Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 16

17 17 1º passo: Explicação do teste ao avaliado: Antes de iniciar o teste o avaliado deve ser informado da forma correta de realização do movimento durante a testagem mesmo que este já execute este exercício em seu programa de treinamento. Variações da técnica de execução (angulações de trabalho, tipos de pegadas, variações na postura corporal, etc.) existem e estão descritas e analisadas em obras como em Delavier (2000), portanto, deve-se esclarecer corretamente qual o forma (técnica) que se deseje que seja executado o movimento. Também todo o procedimento protocolado do teste deve ser descrito ao avaliado, ou seja, este deve saber de toda a rotina de avaliação ao qual irá se submeter. 2º passo: Demonstração da execução correta do exercício: Antes de cada mensuração o avaliador, além das explicações teóricas, deve-se demonstrar o adequado posicionamento do avaliado e a forma correta de execução do exercício. A respiração livre parece ser a mais adequada, pois, considerando que, os avaliados podem ser desde pouco familiarizados até experientes no TRP, e alguns apesar de adaptados, poderão ser iniciantes em TRP, outra forma de respiração poderia dificultar a realização da testagem face a possíveis alterações fisiológicas com identificado em Coelho e Coelho (1999). 3º passo: Aquecimento: O aquecimento originariamente foi proposto de ser realizado através de exercícios ativos (caminhada e/ou corrida), com duração de 10 minutos a uma intensidade de fraca a moderada, e complementar o trabalho anterior com alongamentos do tipo passivo em nível segmentar, durante três a cinco minutos. Tal procedimento foi revisto e passou-se e sugerir aquecimentos específicos nos próprios exercícios. Um questionamento passível de surgir neste momento refere-se a necessidade de se introduzir um aquecimento específico no próprio exercício com quilagens baixas e pequeno número de repetições como realizado no trabalhos de Almeida et al. (2011). Entretanto, as primeiras tentativas de quilagem são com valores com que o avaliado já venha treinando, ou seja, com quilagens com que ele execute 10, 12, 15, 20 repetições dependendo o que esteja Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 17

18 18 programado em seu cotidiano de treinamento. Nesse sentido, as primeiras tentativas do teste funcionarão como um aquecimento corporal especifico e também com um estímulo progressivo para o sistema nervoso central (SNC) aumentar o recrutamento de unidades motoras e sincronização do impulso nervoso (potencial de ação) ao trabalho, gerando, consequentemente, maior tensão nos músculos ativos. 4º passo: O teste propriamente dito a) Determinação da quilagem absoluta inicial da testagem: A quilagem absoluta inicial é à mesma que o indivíduo utiliza no cotidiano do seu treinamento anterior ao dia de testagem, sendo assim, uma quilagem possível de ser trabalhada já nas tentativas iniciais, ao invés de realizar o número de repetições prescritas em seu programa de treinamento, somente serão necessárias duas repetições (vide item b a seguir). b) Continuidade das tentativas de superação de quilagem O indivíduo deve realizar duas repetições do exercício de forma correta e completa (arco de movimento entre posições inicial e final), para caracterizar uma tentativa de superação da quilagem. Entre cada tentativa deve ser propiciada uma pausa recuperativa com duração mínima de um minuto para as quilagens de intensidade baixa; aumentando progressivamente o tempo do intervalo, de forma proporcional ao aumento das quilagens, até a duração máxima de cinco minutos para as quilagens elevadas, e assim sucessivamente até que o avaliado não mais conseguisse realizar a segunda repetição do movimento dentro da mesma tentativa, caracterizando assim sua capacidade máxima de trabalho para o respectivo exercício. A quilagem superada na tentativa onde esta só for vencida na primeira repetição caracterizará sua força dinâmica máxima, ou seja, a sua Uma Repetição Máxima (1RM). O tempo de intervalo de até cinco minutos é devido a recuperação do sistema imediato de energia (sistema dos fosfagênios, fosfocreatina ou ainda, ATP-PC), pois Moura Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 18

19 19 et al. (1997) e Moura (2004) quantificaram o tempo de cada tentativa do teste de 1RM e verificaram que somente em raríssimas ocasiões extrapolava-se dez segundos para execução de duas repetições do movimento. Através deste tempo de execução, estimasse que a principal fonte de ressíntese de ATP (fonte de energia) seja a imediata (fosfocreatina). Outro aspecto a considerar com relação aos intervalos recuperativos é que, segundo McArdle et al. (1998; p.396), referindo-se a testagem de 1RM, comenta que intervalos de repouso apropriados que oscilem de um a cinco minutos costumam ser suficientes antes de tentar um levantamento com o próximo peso mais pesado. Também trabalho de Weir et al. (1994) configurou que intervalos de um minuto entre levantamentos de 1RM eram satisfatórios para conseguir levantamentos máximos. Parece, então, que estes intervalos recuperativos metabólicos são suficientes para a recuperação da fosfocreatina entre as tentativas de superação de quilagem. c) Determinação da quilagem absoluta final da testagem (1RM): A finalização do teste da-se quando o avaliado executa uma única repetição correta e completa ao arco articular de movimento com uma determinada quilagem, não conseguindo proceder com a segunda repetição em toda a sua amplitude de forma mecanicamente correta. O valor da quilagem mobilizada nesta única repetição completa e correta dentro da tentativa caracteriza 1RM. A seguir será apresentado as padronizações de movimento para aplicação do teste de 1RM em 10 exercícios diferentes conforme sugestões de Moura (2004), entretanto, é possível desenvolver e aplicar o protocolo anteriormente descrito para qualquer outro exercício, desde que, seja possível padronizar a posição inicial e final do mesmo. Uma descrição precisa de execução do movimento deve oferecer facilidade de verificar, por inspeção visual, se este está correto. Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 19

20 20 5. Protocolos padronizados de avaliação Os protocolos de testagem de 1RM em 10 exercícios diferentes são apresentados na sequência como exemplos de padronizações de movimentos (exercícios). Teste 1- Flexão de Joelhos Posição Inicial: a) Indivíduo deitado em decúbito ventral sobre a mesa da máquina flexo-extensora, com os joelhos em extensão e no eixo de giro da alavanca do equipamento posicionado sobre centro articular do joelho; b) Para a completa estabilização corporal, mãos segurando os pontos de apoio localizados aproximadamente em uma linha perpendicular a linha longitudinal do corpo, e logo à frente da cabeça. Ponto de resistência ao movimento: Posicionado atrás dos tornozelos, aproximadamente sobre o tendão de Aquiles. Execução: O indivíduo executa uma flexão dos joelhos até o ângulo de 90º. O avaliador coloca a mão neste ponto (90º) para que o indivíduo tracione a quilagem até este, e assim possa ser considerado um movimento completo e correto. A adoção do ângulo de 90º é devido a ocorrer nesta posição o maior braço de momento da resistência, sendo o ângulo crítico da resistência e de maior esforço dos músculos posteriores da coxa (CAMPOS, 2000). Cuidados: Ação para que durante a execução do movimento, o avaliado não eleve o quadril do banco e não acentue a lordose lombar através de uma anteversão do quadril. Treinamento Resistido com Pesos, avaliação força... Página 20

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM

CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM 1 ARTIGO ORIGINAL CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM Carlos Henrique Silva Leonardo Silva de Rezende Maria Amélia Paes Villas-Bôas da Fonseca Nádia Maria de Sales Pires Pós Graduação

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION VOLUME 3 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2007 ANÁLISE DAS REPETIÇÕES MÁXIMAS ESTIMADAS ATRAVÉS DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA Daiane Graziottin Borges 1 Jacqueline Souza Oliveira 2 João Paulo Manochio Riscado

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com Estrutura do Curso Bases Morfofisiológicas - 25 hs Princípios fisiológicos aplicados à musculação e ao cardiofitness Aspectos biomecânicos

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

TESTE DE 1RM E PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS

TESTE DE 1RM E PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS VOLUME 2 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2006 TESTE DE 1RM E PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS Roberto Fares Simão Junior 1 Marcelo S.Cáceres 2 Fabricio Bürger 2 Luciane Kovalczyk 2 Adriana Lemos 2 Resumo:

Leia mais

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 I-RESPIRAÇAO II-CONTROLE DE CENTRO E DISSOCIAÇÃO DE QUADRIL III-ORGANIZAÇAO CRANIO-VERTEBRALARTICULAÇAO DE COLUNA IV-DESCARGA DE PESO DE MMII

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

Portal Equilíbrio e Quedas em Idosos. Atividade Física

Portal Equilíbrio e Quedas em Idosos. Atividade Física Portal Equilíbrio e Quedas em Idosos http://pequi.incubadora.fapesp.br/portal Atividade Física Nesta seção, apresentamos conceitos relacionados à atividade física para idosos. O enfoque principal é treinamento

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br CARTILHA DE TREINAMENTO NEUROMUSCULAR COM ELÁSTICOS INSTITUTO DE PESQUISA DA CAPACITAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO www.ipcfex.com.br Realização www.exercito.gov.br www.decex.ensino.eb.br

Leia mais

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS MUSCULAÇÃO Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas Cibele Calvi Anic Ribeiro ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS objetivo do aluno liberação para o exercício (quadro clínico) prioridades

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA ANEXO VII 1. TESTE DE BARRA FIXA PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1.1 Teste dinâmico de barra fixa (somente para candidatos do sexo masculino) 1.1.1 A metodologia para a preparação e a execução

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 1 CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 João Pedro Ramos, CPT, PES National Academy of Sports Medicine Certified Personal Trainer Performance Enhancement Specialist AVALIAÇÃO DA COMPONENTE MÚSCULO-ESQUELÉTICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA RECOMENDAÇÕES SOBRE O TESTE DE AVALIAÇÃO DO CONDICIONAMENTO FÍSICO (TACF) AO(À) FUTURO(A) ESTAGIÁRIO(A) DO EAOT/EIAC - 2013 PREPARE-SE

Leia mais

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m.

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m. CONSTRUÇÃO de PROGRAMAS de TREINO 8 Objectivos Selecção dos Exercicíos Organização dos exercicíos Frequência de Treino Selecção das Cargas Selecção do nº. de Repetições Selecção do nº. de Séries e Pausas

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 1 Atividades Recreativas Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 Educador Físico, Pós graduação: Fisiologia do exercício(unifesp) MBA em Gestão e Estratégia Empresarial, Membro de 2 grupos

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Cuidados Posturais Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Vídeo: Cuidados_posturais_Dr.MiguelMastropaulo A postura correta Considera-se uma boa postura aquela condição em que o alinhamento corporal proporciona

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido Avaliação Postural e Flexibilidade Priscila Zanon Candido POSTURA A posição otimizada, mantida com característica automática e espontânea, de um organismo em perfeita harmonia com a força gravitacional

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT Nesse guia você encontrará 50 exercícios diferentes para fazer utilizando a sua Estação de Musculação Life Zone Total Fit. Com esses exercícios, você trabalhará diversas

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS DA MUSCULAÇÃO: LEVANTAMENTO TERRA E LEG PRESS INCLINADO

AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS DA MUSCULAÇÃO: LEVANTAMENTO TERRA E LEG PRESS INCLINADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS DA MUSCULAÇÃO: LEVANTAMENTO TERRA E LEG PRESS INCLINADO Aline Aparecida

Leia mais

CEF Resist - Resumo CEF CEF RESIST. Planos de Movimento (revisão) Funções Muscúlos (revisão) Coluna. Técnica de Execução dos Exercícios

CEF Resist - Resumo CEF CEF RESIST. Planos de Movimento (revisão) Funções Muscúlos (revisão) Coluna. Técnica de Execução dos Exercícios CEF CEF RESIST CEF Resist - Resumo Planos de Movimento (revisão) Funções Muscúlos (revisão) Coluna Anatomia Funcional da Coluna Vertebral Precauções Técnica de Execução dos Exercícios 1 Planos de Movimento

Leia mais

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos O PROJETO A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos usuários diferentes exercícios que possibilitam trabalhar grupos musculares diversos, membros superiores, inferiores, abdominais

Leia mais

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo.

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo. 04/11/2012 Prolongar o tempo de deambulação independente. Manter a postura correta. Garantir o bom funcionamento das funções cardiorrespiratória e digestiva. Manter a amplitude do movimento. Garantir o

Leia mais

Capa: João Renato Teixeira e Teresa Perrotta Editoração: F.A. Editoração Ilustrações: Avaz Revisão: Cristina da Costa Pereira

Capa: João Renato Teixeira e Teresa Perrotta Editoração: F.A. Editoração Ilustrações: Avaz Revisão: Cristina da Costa Pereira Direitos exclusivos para a língua portuguesa Cupyright 2000 by EDITORA SPRiNT LTDA. Rua Adolfo Mota, 69 - Tijuca CEP 20540-1 00 - Rio de Janeiro- RJ Tel. : 0XX-21-2 64-8080 / OXX-21-567-0295 - Fax: 0XX-21-284-9340

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA Uma cadeira e uma garrafa de água O que podem fazer por si Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA A prática de uma actividade física regular permite a todos os indivíduos desenvolverem uma

Leia mais

Capa: João Renato Teixeira e Teresa Perrotta Editoração: F.A. Editoração Ilustrações: Avaz Revisão: Cristina da Costa Pereira

Capa: João Renato Teixeira e Teresa Perrotta Editoração: F.A. Editoração Ilustrações: Avaz Revisão: Cristina da Costa Pereira Direitos exclusivos para a língua portuguesa Cupyright 2000 by EDITORA SPRiNT LTDA. Rua Adolfo Mota, 69 - Tijuca CEP 20540-1 00 - Rio de Janeiro- RJ Tel. : 0XX-21-2 64-8080 / OXX-21-567-0295 - Fax: 0XX-21-284-9340

Leia mais

Treinamento Funcional 17/08/2015. Treinamento Funcional Definição

Treinamento Funcional 17/08/2015. Treinamento Funcional Definição Treinamento Funcional Será que você fez a escolha certa? Prof. Cauê La Scala Teixeira Treinamento Funcional Definição Treinamento: Ato de treinar; conjunto de exercícios praticados por um atleta como preparo

Leia mais

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES As variáveis neuromusculares são aquelas em que a performance física depende dos componentes neurais e musculares. Dessa forma, os resultados expressarão

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI

PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI PARANAGUÁ 2011 TESTE DE APTIDÃO FÍSICA PARA SELEÇÃO DE GARI O candidato do sexo masculino que não alcançar a pontuação mínima de 50

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate. É uma das provas

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI

TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI TESTES DE APTIDÃO FÍSICA A SEREM REALIZADOS PELO SESI 1 DOS TESTES 1.1 Os Testes de Aptidão Física, de caráter eliminatório, serão aplicados no dia e horários indicados no telegrama de convocação, individualmente

Leia mais

ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO

ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO 1.1. Posição inicial: a) pegada na barra com as mãos em pronação

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10)

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10) AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO Versão 2 (15/12/10) Tradução Português/Brasil: Ana Paula Bensemann Gontijo, Priscilla R. Pereira Figueiredo, Juliana Starling, Marisa Cotta Mancini (UFMG-2015) Data

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA. Raul Oliveira 2º ano 2007-2008. músculos monoarticulares

ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA. Raul Oliveira 2º ano 2007-2008. músculos monoarticulares ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA Raul Oliveira 2º ano 2007-2008 músculos monoarticulares músculos multiarticulares Músculos bi-articulares 1 LINHA DE TRACÇÃO DO MÚSCULO

Leia mais

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO PLIOMETRÍA O termo pliometría se utiliza para descrever o método de treinamento que busca reforçar a reação explosiva do indivíduo como resultado de aplicar o que os fisiologistas denominam "ciclo estiramento-encurtamento".

Leia mais

Número de repetições e intensidade relativa em membros superiores e inferiores: implicações para o treinamento

Número de repetições e intensidade relativa em membros superiores e inferiores: implicações para o treinamento 1 Repetições e intensidade Artigo Original Número de repetições e intensidade relativa em membros superiores e inferiores: implicações para o treinamento Number of repetitions and relative intensity in

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MUNICIPAL SEMSA / BONFIM Nº 001/2015 COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PARA PROVA DE CAPACITAÇÃO FÍSICA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MUNICIPAL SEMSA / BONFIM Nº 001/2015 COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PARA PROVA DE CAPACITAÇÃO FÍSICA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MUNICIPAL SEMSA / BONFIM Nº 001/2015 COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PARA PROVA DE CAPACITAÇÃO FÍSICA 1. Participarão desta etapa os candidatos aprovados/classificados

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

Pilates Power Gym. Manual de Instruções. Pilates Power Gym. Modelo AB - 7620

Pilates Power Gym. Manual de Instruções. Pilates Power Gym. Modelo AB - 7620 Pilates Power Gym Modelo AB - 7620 Pilates Power Gym LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES ANTES DE USAR E GUARDE ESTE MANUAL PARA CONSULTAS FUTURAS. Manual de Instruções Manual Pilates Power Gym-2010.indd Spread 1

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica TESTE DE 1RM NA PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO DE FORÇA 543 Juan Marcelo Simões Cáceres 1, Ciane Vanessa Steinbach 1, Tiago Figueiredo 1,4, Belmiro Freitas de Salles 1, Renato Aparecido de Souza 2, Humberto

Leia mais

Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento

Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento 1 Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento Joyce Ribeiro Caetano 1 Orientador: Ademir Schmidt ** Resumo Trata-se de uma revisåo de literatura feita por um grupo de

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP)

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) TREINAMENTO 1 Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) Rotina de alongamento e condicionamento (Treino 1): O alongamento e o aquecimento são importantíssimos em qualquer

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

!"#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0* 1&#"234#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28"#2)*9:;<=>?@* Lista de Exercícios Figura 1: Ex. 1

!#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0*  1ê#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28#2)*9:;<=>?@* Lista de Exercícios Figura 1: Ex. 1 ! *!"#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0* "#$%&'!(#!)$*#$+,&-,.!/'(#0,*#1!#!"-2$3-,4!5'3-,-4!670-3,(,4!8!")"5! )$*#$+,&-,!9-'1:(-3,!;!1&#"234#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28"#2)*9:;?@** < '! =>,(&-1#4%&#!

Leia mais

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol Bateria de Medidas e Testes Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol 2004 Nota Introdutória A bateria de medidas e testes a ser aplicada nos centros de formação resulta de um conjunto

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL ANEXO III DO EDITAL N o 075/2011 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 - Os testes de aptidão física, de caráter

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA APRENDA A CUIDAR DA SUA COLUNA Elaboração: Júlia Catarina Sebba Rios Pesquisa: Efeitos de um programa educacional de autocuidado de coluna em idosos ati vos e sedentários

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

CAPÍTULO IV. Das Formas de Aplicação do TAF-3

CAPÍTULO IV. Das Formas de Aplicação do TAF-3 DEI - CSMFD - CENTRO DE SAÚDE MENTAL, FÍSICA E DESPORTOS - CEL PM OEZER DE CARVALHO - DIRETRIZ DE CONDICIONAMENTO FÍSICO DA POLÍ- CIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ( D-5 ) PUBLICAÇÃO Artigo 3º -

Leia mais

1. NO CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR NAS QUALIFICAÇÕES DO QUADRO DE BOMBEIRO MILITAR PARTICULAR (QBMP) DE COMBATENTE, GUARDA-VIDAS E MOTORISTA.

1. NO CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR NAS QUALIFICAÇÕES DO QUADRO DE BOMBEIRO MILITAR PARTICULAR (QBMP) DE COMBATENTE, GUARDA-VIDAS E MOTORISTA. ANEXO II TESTE DE APTIDÃO FÍSICA O Teste de Aptidão Física tem o objetivo de selecionar os candidatos cuja aptidão física seja compatível com o exercício da atividade de Bombeiro Militar e será realizado

Leia mais

GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES

GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES O QUE É MUSCULAÇÃO? A musculação é um exercício de contra-resistência utilizado para o desenvolvimento dos músculos esqueléticos. A partir de aparelhos, halteres, barras,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física. Gabriela Bartholomay Kothe

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física. Gabriela Bartholomay Kothe UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física Gabriela Bartholomay Kothe RELAÇÃO ENTRE O PERCENTUAL DE 1RM E O NÚMERO DE REPETIÇÕES MÁXIMAS EM EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO EM INDIVÍDUOS

Leia mais