Tecnologias de Leito Móvel Simulado para a Síntese de Acetais e Processos de Separação de Enantiómeros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologias de Leito Móvel Simulado para a Síntese de Acetais e Processos de Separação de Enantiómeros"

Transcrição

1 FlexSMB-LSRE Tecnologias de Leito Móvel Simlado para a Síntese de Acetais e Processos de Separação de Enantiómeros Pedro Sá Gomes LSRE - Laboratory of Separation and Reaction Engineering Departamento de Engenharia Qímica Facldade de Engenharia da Universidade do Porto

2 Índice 1.- Introdção 1.1 onceito Leito Móvel Simlado (LMS) 1.2 Aplicações da Tecnologia LMS 2. Tecnologia LMS no LSRE 2.1 Separação de ompostos Qirais e de Qímica Fina 2.2 Síntese e Separação de Acetais 2.3 Separação de p-xileno dos ses isomeros 3. Do Modelo à Prática, FlexSMB-LSRE 3.1 Modelização 3.2 Simlação 3.3 Design e onstrção 3.4 Teste 4. onclsões 2

3 FlexSMB-LSRE: Tecnologias de Leito Móvel Simlado onceito de Leito Móvel Simlado (LMS) (1) Leito Móvel (Verdadeiro) Leito Móvel (Simlado) o - espécie mais retida - espécie menos retida (1) Broghton, D. B.,. G., Gerhold ontinos Sorption Process Employing Fixed Bed of Sorbent and Moving Inlets and Otlets, US Patent no , (1961). 3

4 FlexSMB-LSRE: Tecnologias de Leito Móvel Simlado Aplicações do LMS: Antigas e Novas Antigas UOP Sorbex Parex (p-xylene from 8 isomers), Sarex (HFS); Molex (linear paraffins), Olex (Olefins) Elxyl (Axens/IFP) Novas Indústria Farmacêtica e Qímica Fina ompanhias: NOVASEP, UB Pharma, AMPA Fine hemicals, Bayer, SmithKline Beecham, etc Toray's Aromax Parex LMS de 24 olnas LMS de 80 cm, AMPA Fine hemicals (1) Sá Gomes, P.; Minceva, M.; Rodriges A. E.; (2006) Simlated Moving Bed: Old and New, Adsorption, 12:

5 Índice 1.- Introdção 1.1 onceito Leito Móvel Simlado (LMS) 1.2 Aplicações da Tecnologia LMS 2. Tecnologia LMS no LSRE 2.1 Separação de ompostos Qirais e de Qímica Fina 2.2 Síntese e Separação de Acetais 2.3 Separação de p-xileno dos ses isomeros 3. Do Modelo à Prática, FlexSMB-LSRE 3.1 Modelização 3.2 Simlação 3.3 Design e onstrção 3.4 Teste 4. onclsões 5

6 FlexSMB-LSRE: Tecnologias de Leito Móvel Simlado 2. Tecnologia LMS no LSRE Prodtos de alto valor Qirais acrescentado Prodtos farmacêticos e de qímica fina Qímica verde Proteínas Uso de matérias-primas renováveis Redção da dependência de prodtos derivados do petróleo Tecnologia ambientalmente e energeticamente eficiente Redção do so de solventes stos Energéticos e de Eqipamento Óleos Essenciais Acetais Açúcares Lactato de Etilo Xilenos Acetais Hidrocarbonetos It is all abot innovation: the right mix of science, technology to get better and cleaner processes/prodcts in a sstainable way. A.E. Rodriges, director of LSRE, lsre.fe.p.pt 6

7 FlexSMB-LSRE: Tecnologias de Leito Móvel Simlado 2.1 Separação ompostos Qirais e de Qímica Fina Separações Qirais para fins Farmaceticos Novas applicações do conceito de LMS (1-3) Estdo Modelização Monolith Strctres ooperação com: hiral Technologies Erope Simlação (1) Pais, L.S., J.M. Loreiro, and A.E. Rodriges, hiral separation by SMB chromatography. Separation and Prification Technology, 20(1): p (2000). (2) M. Zabka and A. E. Rodriges, Thermodynamic and Kinetic Stdy of Adsorption of R,S- -Tetralol Enantiomers on the hiral Adsorbent HIRALPAK AD, Sep. Sci. And Tech., 42, , (2007). (3) M. Zabka and A. E. Rodriges, Measrement of pore diffsivity of R, S-α-Tetralol enantiomers in chiral adsorbent HIRALPAK AD by zero length colmn method, accepetd on Sep. Pr. Tech (2007). 7

8 FlexSMB-LSRE: Tecnologias de Leito Móvel Simlado 2.2 Síntese e Separação de Acetais Reactor de Leito Móvel Simlado para a Síntese de Acetais AETech (1),(2) Solções Integradas, reacção + separação Ethanol Ethanol/Water Elent Elent Extract Extract Liqid flow Raffinate Raffinate Ethanol/AETAL Feed Feed onversão de Eqilibrio Eqilibrim conversion = 55 % Reactor LMS, onversão: SMBR onversion 100 % 100 % (1) Silva, V. M. T. M., Rodriges, A. E., Novel process for Diethylacetal Synthesis AIhE. Jornal 51, (2) Silva, V. M. T. M., Rodriges, A. E., Processo Indstrial de Prodção de Acetais nm Reactor Adsorptivo de Leito Móvel Simlado, Patents PT , and WO/2005/

9 FlexSMB-LSRE: Tecnologias de Leito Móvel Simlado 2.3 Separação de p-xileno dos ses isomeros Modelização, Simlação e Optimização de nidades LMS para separação de p-xileno (1-4) as aplicações Antigas ainda importantes com nidades consideravelmente grandes e de alta prodtividade 800 oncentration (kg/m3) Elent Extract Feed Raffinate Rec. olmns p-xylene m-xylene o-xylene EB p-deb Prodctividade constante Amento do consmo de prodctivity nchanged desorbente consmption increases Prodctividade amenta prodctivity increases violation of separation reqirements Violação dos reqisitos De separação constant γ 4 Simlação de perfis de concentração a nidades indstriais de Separação de p-xileno álclo da Região de Separação a valores de reciclo constante (g4) (1) Minceva M., Separation/Isomerisation of Xylenes by Simlated Moving Bed Technology, Ph. D. Thesis, Universidade do Porto, Portgal (2004). (2) Minceva, M. and A. E. Rodriges, Adsorption of Xylenes on Fajasite-type Zeolite: Eqilibrim and Kinetics in Batch Adsorber, hem. Eng. Research and Design, 82, (2004). (3) Minceva, M. and A. E. Rodriges, Modelling and simlation of a Simlated Moving bed for the Separation of p-xylene, Ind. Eng. hem. Res., 41, (2002). (4) Minceva, M. and A. E. Rodriges, Two-Level Optimization of an Existing SMB for p-xylene Separation, ompt. hem. Eng., 29, (2005). 9

10 Índice 1.- Introdção 1.1 onceito Leito Móvel Simlado (LMS) 1.2 Aplicações da Tecnologia LMS 2. Tecnologia LMS no LSRE 2.1 Separação de ompostos Qirais e de Qímica Fina 2.2 Síntese e Separação de Acetais 2.3 Separação de p-xileno dos ses isomeros 3. Do Modelo à Prática, FlexSMB-LSRE 3.1 Modelização 3.2 Simlação 3.3 Design e onstrção 3.4 Teste 4. onclsões 10

11 FlexSMB-LSRE: Tecnologias de Leito Móvel Simlado 3. Do Modelo à Pratica, FlexSMB-LSRE riatividade, Inovação e sorte Liderança Visão Global riatividade ompetência Ideia iência Tecnologia Investigação Demonstração Desenvolvimento PRODUTO omercialização FlexSMB-LSRE 11

12 FlexSMB-LSRE: Tecnologias de Leito Móvel Simlado 3.1 Modelização Balanço de Massa a m elemento de volme na secção j: t bij = D ax 2 z bij 2 Balanço de Massa à particla: qij ρ p t + ε p t pij ( bij j ) ( 1 ε b ) k ( ) z = s ρ p q ij z ε b ij + ε p z pij bij + k ij pij ( ) bij pij ondições Fronteiras à secção j: z = 0: = ( 0 t ) bi ( j, z = 0 ) bij, bij z = L j : = 0 z pij pij z = L j = pi ( j + 1, z = 0 ) = pi ( 1, z = 0 ) D j=(1,2,3) ax j z bij z = 0 q ij q i q i = q i = ( j + 1, z = 0 ) 4 = (1, z = 0 ) j=(1,2,3) ondições Iniciais: bij ( z,0 ) = 0 ; ( z,0 ) = 0; i=(a,b,,d) q q ij bej pij ( z,0 ) = 0; pej Ej ( z,0 ) = ( z,0 ) ρ = E ; ρ E ( z,0 ) q m ; E ; Balanços Globais: + 1, z = 0 ) = ( 4, z = L ) 2, z = 0 ) = (1, z = L ) 3, z = 0 ) = ( 2, z = L ) 4, z = 0 ) = ( 3, z = L ) ( 4 ( 1 + ( 2 ( 3 De X F R Eqações nos nodos: (1, x = 0 ) De bi ( 4, x = 1 ) = bi (1, x = 0 ) ( 4, z = L ) 2 ( 4, z = L 2 ) bi ( j 1, x = 1 ) = bi ( j, x = 0 ) ( 3, x = 0 ) F bi ( 2, x = 1 ) = bi ( 3, x = 0 ) ( 2, z = L ) 2 ( 2, z = L 2 ) De i F i Isotérmicas de Eqilibrio de Adsorção: q = * ij f i ( pij, pkj ) 12

13 FlexSMB-LSRE: Tecnologias de Leito Móvel Simlado 3.2 Simlação Teste de possíveis configrações, por meio de modelos estendidos a dead volmes t bip = D ax 2 z bip 2 ( ) bip z p (R) tetralol (dead) (S) tetralol (dead) (R) tetralol (S) tetralol oncentration (g/l) Elent Extract Feed Raffinate Rec. olmns 13

14 FlexSMB-LSRE: Tecnologias de Leito Móvel Simlado 3.3 Design FlexSMB-LSRE 14

15 FlexSMB-LSRE: Tecnologias de Leito Móvel Simlado 3.3 onstrção a nova nidade LMS constrida no LSRE Projecto e onstrção Operação E Inovação FlexSMB LSRE 15

16 FlexSMB-LSRE: Tecnologias de Leito Móvel Simlado 3.3 Teste Empacotamento e caracterização de colnas 20 signal (mv) min olmn 1 olmn 3 olmn 4 olmn 5 olmn 6 olmn 2 olmn Perfis de concentração, para separação de R,S-α-Tetralol time (min) oncentration (g/l) oncentration (g/l) Extract exp Raffinate exp Extract model Raffinate model Time (mintes) olmns 16

17 Índice 1.- Introdção 1.1 onceito Leito Móvel Simlado (LMS) 1.2 Aplicações da Tecnologia LMS 2. Tecnologia LMS no LSRE 2.1 Separação de ompostos Qirais e de Qímica Fina 2.2 Síntese e Separação de Acetais 2.3 Separação de p-xileno dos ses isomeros 3. Do Modelo à Prática, FlexSMB-LSRE 3.1 Modelização 3.2 Simlação 3.3 Design e onstrção 3.4 Teste 4. onclsões 17

18 FlexSMB-LSRE: Tecnologias de Leito Móvel Simlado 4 onclsão An essential condition for all fritfl research is to have at one s disposal a satisfactory techniqe. Tot progrès scientifiqe est n progrès de méthode [1] as somebody once remarked. Unfortnately the methodology is freqently the weakest aspect of scientific investigations. M. S. Tswett onclo qe Ao longo dos anos desenvolve-se no LSRE m considerável know-how relacionado com o design, simlação e optimização de nidades de Leito Móvel Simlado para aplicações do ramo petroqímico e, em especial, separação e reacção de qímica fina. Estas competências foram agora complementadas com a concepção e constrção de ma nidade LMS flexível, capaz de operar a maior parte dos modos não convencionais. Years of intangible assets are now pt into practice! [1] All scientific progress is progress in a method. This statement is attribted to the French philosopher René Descartes ( ), the athor among others of the book Discors de la méthode. 18

Laboratório Associado LSRE/LCM

Laboratório Associado LSRE/LCM Laboratório Associado LSRE/LCM Shaking the Present, Shaping the Future Abanando o presente, formatando o futuro Alírio E. Rodrigues LSRE - Laboratory of Separation and Reaction Engineering LCM - Laboratory

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE UMA UNIDADE DE LEITO MÓVEL SIMULADO NA SEPARAÇÃO DE ENANTIÔMEROS - REGIME TRANSIENTE

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE UMA UNIDADE DE LEITO MÓVEL SIMULADO NA SEPARAÇÃO DE ENANTIÔMEROS - REGIME TRANSIENTE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE UMA UNIDADE DE LEITO MÓVEL SIMULADO NA SEPARAÇÃO DE ENANTIÔMEROS - REGIME TRANSIENTE Eduardo Alberto Borges da Silva eduardo@labsin.ufsc.br Selene M. A. Guelli Ulson de Souza

Leia mais

ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA QUÍMICA

ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA QUÍMICA ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA QUÍMICA Simulação de Processos de Adsorção recorrendo ao Aspen Chromatography CÁTIA SOFIA CORREIA ALVES (Licenciada em Engenharia

Leia mais

O NOVO MODELO FRONT VELOCITY APLICADO NA SEPARAÇÃO DOS ENANTIÔMEROS DO ANESTÉSICO CETAMINA

O NOVO MODELO FRONT VELOCITY APLICADO NA SEPARAÇÃO DOS ENANTIÔMEROS DO ANESTÉSICO CETAMINA ISSN 2177-9139 O NOVO MODELO FRONT VELOCITY APLICADO NA SEPARAÇÃO DOS ENANTIÔMEROS DO ANESTÉSICO CETAMINA Nicoly Oliveira Coral nicoly.coral@gmail.com Fundação Universidade Federal do Pampa, Campus Bagé,

Leia mais

ENGENHARIA DAS REAÇÕES QUÍMICAS

ENGENHARIA DAS REAÇÕES QUÍMICAS ENGENHARIA DAS REAÇÕES QUÍMICAS Apostila elaborado para o projeto PROMOPETRO Apoio Versão 1 2014 2 1- O QUE É ENGENHARIA DE REAÇÕES QUÍMICA (CRE)? Entender como reatores químicos funcionam é entender como

Leia mais

PRODUÇÃO NÃO-CATALÍTICA DE ÉSTERES ETÍLICOS DE SOJA COM ADIÇÃO DE CO 2 COMO CO-SOLVENTE EM MODO CONTÍNUO

PRODUÇÃO NÃO-CATALÍTICA DE ÉSTERES ETÍLICOS DE SOJA COM ADIÇÃO DE CO 2 COMO CO-SOLVENTE EM MODO CONTÍNUO URI - CAMPUS ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS PRODUÇÃO NÃO-CATALÍTICA DE ÉSTERES ETÍLICOS DE SOJA COM ADIÇÃO DE CO 2 COMO CO-SOLVENTE EM MODO CONTÍNUO

Leia mais

projectos e iniciativas de I&D

projectos e iniciativas de I&D CICLONES DE RECIRCULAÇÃO: APLICAÇÃO À LAVAGEM Ana Fonseca - Faculdade de Ciência e Tecnologia, UFP Centro de Modelação e Análise de Sistemas Ambientais (CEMAS) Professora Associada E-mail: afonseca@ufp.pt

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS SIMULAÇÃO DE UMA COLUNA DE ADSORÇÃO EM LEITO FIXO PARA A REMOÇÃO DE POLUENTES DA INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E GÁS. R. R. Lavich, E. L. Cerutti, H. T. Barbosa,

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

LSRE - Laboratory of Separation and Reaction Engineering LCM - Laboratory of Catalysis and Materials

LSRE - Laboratory of Separation and Reaction Engineering LCM - Laboratory of Catalysis and Materials Laboratório Associado LSRE/LCM Shaking the Present, Shaping the Future Abanando o presente, formatando o futuro Alírio E. Rodrigues LSRE - Laboratory of Separation and Reaction Engineering LCM - Laboratory

Leia mais

Adsorção em interfaces sólido/solução

Adsorção em interfaces sólido/solução Adsorção em interfaces sólido/solução 1 Adsorção em interfaces sólido/solução 2 Adsorção em interfaces sólido/solução Adsorção vs Absorção 3 Adsorção em interfaces sólido/solução Muitos processos químicos

Leia mais

CONHECIMENTO como GERADOR

CONHECIMENTO como GERADOR CONHECIMENTO como GERADOR 2001 Licenciada Bioquímica (Coimbra) 2008 Doutorada Biologia Molecular, Microbiologia e Evolução (Aveiro, Oxford e Barcelona) 2012 MBA Especialização Finanças, Porto Business

Leia mais

REMOÇÃO DE CHUMBO(II) EM EFLUENTES UTILIZANDO DIFERENTES BIOMASSAS ADSORVENTES.

REMOÇÃO DE CHUMBO(II) EM EFLUENTES UTILIZANDO DIFERENTES BIOMASSAS ADSORVENTES. REMOÇÃO DE CHUMBO(II) EM EFLUENTES UTILIZANDO DIFERENTES BIOMASSAS ADSORVENTES. Thianne Silva BATISTA¹, Thacyanne Kataryne Barbosa LIRA¹, Josy Suyane de Brito SOUZA¹, Thiago Rodrigo Barbosa BARROS¹, Verônica

Leia mais

Ar limpo para a indústria é a nossa principal competência

Ar limpo para a indústria é a nossa principal competência Sven Rentschler, director executivo e bisneto do fundador da empresa, Gustav Rentschler Ar limpo para a indústria é a nossa principal competência 6 Bem-vindo à REVEN REVEN = REntschler VENtilation Apoiada

Leia mais

Processo integrado de valorização de lenhina e polifenóis de biomassa florestal

Processo integrado de valorização de lenhina e polifenóis de biomassa florestal Departamento de Engenharia Química Rua Dr. Roberto Frias, S/N 4200-465 Porto Portugal http://lsre.fe.up.pt lsre@fe.up.pt Processo integrado de valorização de lenhina e polifenóis de biomassa florestal

Leia mais

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009 Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO E RESÍDUOS DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS *Silvia Benedetti Edna Regina Amante

Leia mais

Descreve um caso de implantação de um modelo para reduzir custos e melhorar planejamento de transporte e armazenagem de açúcar.

Descreve um caso de implantação de um modelo para reduzir custos e melhorar planejamento de transporte e armazenagem de açúcar. Verax consltoria VX00 090826 Logistica OtimizacaoAccar.docx Fnção: operações Segmento: commodities / logística Tema: otimização de negócios / planeamento de operações Metodologia: análise qantitativa OTIMIZAÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: Cromatografia por adsorção em batelada, Análise de sensibilidade, Sepharose 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Cromatografia por adsorção em batelada, Análise de sensibilidade, Sepharose 1. INTRODUÇÃO ESTUDO DO COMPORTAMENTO DO ADSORVENTE SEPHAROSE NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMA DE CROMATOGRAFIA EM BATELADA COM BASE NA ANÁLISE DE SENSIBILIDADE DOS PARÂMETROS DE INTERESSE Melicia Aline Cortat Ribeiro macribeiro@iprj.uerj.br

Leia mais

CINÉTICA DA DEGRADAÇÃO BIOLÓGICA EM LODOS ATIVADOS: CFSTR X SBR

CINÉTICA DA DEGRADAÇÃO BIOLÓGICA EM LODOS ATIVADOS: CFSTR X SBR CINÉTICA DA DEGRADAÇÃO BIOLÓGICA EM LODOS ATIVADOS: CFSTR X SBR Carlos Gomes da Nave Mendes (1) Claudia Mayumi Yamassaki (2) Renata Ugliani Henrique Pereira (3) (1) Prof. Assistente Doutor da Faculdade

Leia mais

Gerenciamento de águas de chuvas e residuais

Gerenciamento de águas de chuvas e residuais Gerenciamento de águas de chuvas e residuais provenientes de hangares, pátios, oficinas e pistas de aeroportos Gerenciamento de águas de medir controlar Análise das necessidades, plane jamento e desenvolvimento

Leia mais

LBC 341x/01 Caixas acústicas

LBC 341x/01 Caixas acústicas Sistemas de Comnicação LBC 1x/1 Caixas acústicas LBC 1x/1 Caixas acústicas www.boschsecrity.com/pt Reprodção de música e voz de alta fidelidade Vasta gama de freqências Entradas seleccionáveis de 8 ohm

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM PROCESSOS BATELADAS UTILIZANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS

PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM PROCESSOS BATELADAS UTILIZANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS IX Congresso Brasileiro de Engenharia Química - Iniciação Científica 03 a 06 de julho de 2011 Maringá, Paraná, Brasil PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM PROCESSOS BATELADAS UTILIZANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS MIRANDA

Leia mais

Curriculum Vitae. João António de Sampaio Rodrigues Queiroz

Curriculum Vitae. João António de Sampaio Rodrigues Queiroz Curriculum Vitae João António de Sampaio Rodrigues Queiroz 1. Dados Biográficos Data de nascimento: 29 de setembro de 1964; Cartão de Cidadão nº 6500257; Nacionalidade: Portuguesa; Filiação: Francisco

Leia mais

URI - CAMPUS ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS

URI - CAMPUS ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS URI - CAMPUS ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS PRODUÇÃO ENZIMÁTICA DE MONOGLICERÍDEOS A PARTIR DE ÓLEO DE OLIVA NA PRESENÇA DE SURFACTANTE KARINA

Leia mais

Inovação para a Sustentabilidade Vanderley M. John

Inovação para a Sustentabilidade Vanderley M. John Depto. Engenharia de Construção Civil Inovação para a Sustentabilidade Vanderley M. John Sustentabilidade Social Econômico Ambiental Living Planet Report WWF - http://www.panda.org A atual situação O desafio:

Leia mais

As vantagens da solução empresarial chave da itrak incluem:

As vantagens da solução empresarial chave da itrak incluem: TM Enterprise Soltion Eliminar tarifas de rastreio por GPS Desfrtar dos benefícios adicionais de ma solção personalizada verss solção com anfitrião Amentar a segrança da informação da sa empresa Redzir

Leia mais

UNIJUI - Universidade Regional Do Noroeste Do Estado Do Rio Grande Do Sul DCEEng Departamento de Ciências Exatas e Engenharias Curso de Design

UNIJUI - Universidade Regional Do Noroeste Do Estado Do Rio Grande Do Sul DCEEng Departamento de Ciências Exatas e Engenharias Curso de Design UNIJUI - Universidade Regional Do Noroeste Do Estado Do Rio Grande Do Sul DCEEng Departamento de Ciências Exatas e Engenharias Curso de Design ALESSANDRO MACHADO DOS REIS SIMPLE OFFICE: UMA PROPOSTA DE

Leia mais

GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER.

GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER. GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER. Antônio Augusto Gonçalves TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA ASSOCIADA À DETERMINAÇÃO DO TEOR DE CINZA EM VINHOS ATRAVÉS DA ABORDAGEM DIFERENCIAL

QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA ASSOCIADA À DETERMINAÇÃO DO TEOR DE CINZA EM VINHOS ATRAVÉS DA ABORDAGEM DIFERENCIAL 1/7 QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA ASSOCIADA À DETERMINAÇÃO DO TEOR DE CINZA EM INHOS ATRAÉS DA ABORDAGEM DIFERENCIAL Maria de Jess Tavares 1, Ricardo J. N. Bettencort da Silva 1 Unidade de Análise Qímica

Leia mais

Pesquisa Básica, Recursos Humanos e Inovação Tecnológica

Pesquisa Básica, Recursos Humanos e Inovação Tecnológica Pesquisa Básica, Recursos Humanos e Inovação Tecnológica Ivan Moura Campos Coordenador - Comitê Gestor da Internet no Brasil CEO, Akwan Information Technologies ivanmc@akwan.com.br Rio de Janeiro, 4 de

Leia mais

QUARTA EDIÇÃO DA CONVOCATORIA DO PRÉMIO "JUSTINIANO CASAS" DE INVESTIGAÇÃO EM IMAGEM ÓPTICA

QUARTA EDIÇÃO DA CONVOCATORIA DO PRÉMIO JUSTINIANO CASAS DE INVESTIGAÇÃO EM IMAGEM ÓPTICA QUARTA EDIÇÃO DA CONVOCATORIA DO PRÉMIO "JUSTINIANO CASAS" DE INVESTIGAÇÃO EM IMAGEM ÓPTICA O Comité Técnico da Imagem da Sociedade Espanhola de Óptica (SEDOPTICA) patrocinada por INFAIMON S.L. faz pública

Leia mais

DESAFIO NATURA CAMPUS SURFACTANTES SUSTENTÁVEIS

DESAFIO NATURA CAMPUS SURFACTANTES SUSTENTÁVEIS DESAFIO NATURA CAMPUS SURFACTANTES SUSTENTÁVEIS O DESAFIO Buscamos novos ingredientes com propriedades surfactantes que diminuem a tensão superficial, com alta capacidade emulsificante e/ou poder de limpeza,

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil 2 Língua(s) de aprendizagem/avaliação:

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

MONITORAMENTO TECNOLÓGICO: UM ESTUDO SOBRE AS PATENTES DEPOSITADAS NO BRASIL ENTRE 2006 E 2008

MONITORAMENTO TECNOLÓGICO: UM ESTUDO SOBRE AS PATENTES DEPOSITADAS NO BRASIL ENTRE 2006 E 2008 MONITORAMENTO TECNOLÓGICO: UM ESTUDO SOBRE AS PATENTES DEPOSITADAS NO BRASIL ENTRE 2006 E 2008 Leonardo Batista Paiva Leonardo C Ribeiro; Isabel Loureiro. Objetivo O objetivo é avaliar a participação relativa

Leia mais

Laboratory of Separation and Reaction Engineering

Laboratory of Separation and Reaction Engineering Laboratory of Separation and Reaction Engineering Processo integrado de preparação de vanilina e poliuretanos a partir da lenhina kraft Equipe de investigação: Alírio E. Rodrigues Mª. Filomena F. Barreiro

Leia mais

INSAT Indústria de Software em Portugal

INSAT Indústria de Software em Portugal Indústria de Software em Portugal Aristides Meneses Director INSAT A pergunta original é possível fazer uma empresa de software em Portugal? A INSAT é uma empresa totalmente dedicada aos estudos de mercado

Leia mais

Tecnologia em peças fundidas.

Tecnologia em peças fundidas. Tecnologia em peças fndidas. 4 Localização A VDL possi localização estratégica, sitada na cidade de Itabirito MG, a 50 Km de Belo Horizonte, com fácil acesso a rodovias, o qe possibilita m ágil e segro

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: p-xileno, Simulação, Optimização, AspenPlus, Planeamento experimental

Resumo. Palavras-chave: p-xileno, Simulação, Optimização, AspenPlus, Planeamento experimental Agradecimentos À Professora Doutora Florinda Martins, orientadora desta dissertação, agradeço todo o empenho, compreensão e disponibilidade ao longo da realização deste trabalho. Agradeço à GALP, nas pessoas

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química DEGRADAÇÃO DE FRAÇÃO AROMÁTICA DA GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Aluno: Luciano Vetorasso Corbucci Orientadora

Leia mais

Unidades de controlo CCS 1000 D

Unidades de controlo CCS 1000 D Sistemas de Comnicação Unidades de controlo CCS 1000 D Unidades de controlo CCS 1000 D www.boschsecrity.com/pt Fncionalidade plg-and-play para ma ligação rápida e simples de, no máximo, 80 Dispositivos

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO EM CAMPOS MARGINAIS DO RECÔNCAVO BAIANO MEDIANTE CRESCIMENTO MICROBIANO IN SITU

RECUPERAÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO EM CAMPOS MARGINAIS DO RECÔNCAVO BAIANO MEDIANTE CRESCIMENTO MICROBIANO IN SITU RECUPERAÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO EM CAMPOS MARGINAIS DO RECÔNCAVO BAIANO MEDIANTE CRESCIMENTO MICROBIANO IN SITU SAMAI NUNES DE OLIVEIRA1 ; PABLO RODRIGO FICA PIRAS2 1. Bolsista FAPESB/CNPq, Graduando

Leia mais

Avaliação da influência de altas dosagens de aditivo polifuncional em concreto dosado em central. Estudo de caso Sul do Brasil

Avaliação da influência de altas dosagens de aditivo polifuncional em concreto dosado em central. Estudo de caso Sul do Brasil Avaliação da influência de altas dosagens de aditivo polifuncional em concreto dosado em central. Estudo de caso Sul do Brasil Evaluation of the influence of high dosages of midrange admixtures in concrete

Leia mais

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 5º CONGRESSO BRASIEIRO DE PESQUISA E DESENVOVIMENTO EM PETRÓEO E GÁS Remoção Multicomponente dos Compostos BTX presentes no Efluente Petroquímico Tratamento Numérico Adriana D. da uz, Josiane M. M. de

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS CINÉTICA DE ADSORÇÃO DE POLUENTES ORGÂNICOS POR BIOADSORVENTES E. G. Santos, O. L. S. Alsina, F. L. H. Silva Bolsista PRH-/ANP Universidade Federal de Campina

Leia mais

Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência

Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência Aplicação Técnica 15 Revisão 1 por Neil Rasmussen > Resumo Executivo Esta nota ajuda a explicar as diferenças entre Watts e VA e explica de que forma os termos

Leia mais

A participação portuguesa no Horizonte 2020

A participação portuguesa no Horizonte 2020 Infoday Nacional de Energia A participação portuguesa no Horizonte 2020 Ordem dos Engenheiros Lisboa, 9 de Outubro de 2015 Participação Portuguesa no FP7 vs H2020 FP7 FP7 H2020 H2020 Participação média

Leia mais

IP bullet 5000. Vídeo IP bullet 5000. www.boschsecurity.com/pt. Câmara bullet IP para exterior com objectiva varifocal

IP bullet 5000. Vídeo IP bullet 5000. www.boschsecurity.com/pt. Câmara bullet IP para exterior com objectiva varifocal Vídeo IP bllet 5000 IP bllet 5000 www.boschsecrity.com/pt Câmara bllet IP para exterior com objectiva varifocal Projector de IV integrado com 25 m (82 pés) de distância de visalização Resolção de 1080p

Leia mais

EMPRESAS DE CONTAS SEGREGADAS RECURSOS DA ACE: UMA VISÃO GERAL

EMPRESAS DE CONTAS SEGREGADAS RECURSOS DA ACE: UMA VISÃO GERAL EMPRESAS DE CONTAS SEGREGADAS RECURSOS DA : UMA VISÃO GERAL a simplicidade originária da complexidade Recrsos de contas segregadas da Gerenciar ses próprios riscos agora fico mais fácil. Nos últimos anos,

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável na Braskem Importância da Visão Ampliada

Desenvolvimento Sustentável na Braskem Importância da Visão Ampliada Desenvolvimento Sustentável na Braskem Importância da Visão Ampliada Jorge Soto 08/06/2015 Objetivo Discutir a importância da contribuição empresarial para o Desenvolvimento Sustentável com uma visão que

Leia mais

Qualidade em Saúde Siemens Healthcare Consulting Portugal

Qualidade em Saúde Siemens Healthcare Consulting Portugal Siemens, S.A. Protection Informação notice de circulação / Copyright restrita notice Doing the right things, at the first time to the right people, at the right time in the right place, at the lower cost

Leia mais

Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos. Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC

Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos. Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC 1 - Cromatografia Líquida História e Evolução Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC

Leia mais

As representações sociais de criança e as tecnologias: um a proposta de m etodologia de pesquisa

As representações sociais de criança e as tecnologias: um a proposta de m etodologia de pesquisa As representações sociais de criança e as tecnologias: um a proposta de m etodologia de pesquisa Social representations of the child and technologies: a proposal for research methodology 49 Pressupostos

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

WWW.WIPRO.COM A WIPRO NO BRASIL. Habilitando Os Clientes A Fazerem Negócios Melhor. DO BUSINESS BETTER

WWW.WIPRO.COM A WIPRO NO BRASIL. Habilitando Os Clientes A Fazerem Negócios Melhor. DO BUSINESS BETTER WWW.WIPRO.COM A WIPRO NO BRASIL Habilitando Os Clientes A Fazerem Negócios Melhor. DO BUSINESS BETTER A WIPRO NO BRASIL O Brasil esteve sob o foco da Wipro desde 2006, quando a companhia iniciou as suas

Leia mais

Método Simplex Especializado para Redes

Método Simplex Especializado para Redes Método Simplex Especializado para Redes Prof. Fernando Augusto Silva Marins Departamento de Produção Faculdade de Engenharia Campus de Guaratinguetá UNESP www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br

Leia mais

Indústria química no Brasil

Indústria química no Brasil www.pwc.com.br Indústria química no Brasil Um panorama do setor Indústria química no Brasil A indústria química e petroquímica é um dos mais importantes setores da economia brasileira e está entre as

Leia mais

Palavras-chave: serviços qualificados, interação universidade-empresa, ecossistema inovação

Palavras-chave: serviços qualificados, interação universidade-empresa, ecossistema inovação Ampliação quantitativa e qualitativa da interação entre o ambiente da universidade e a população do Inovaparq a partir do compartilhamento de projetos e programas de extensão Vanessa de Oliveira Collere

Leia mais

Qualidade ao melhor preço!

Qualidade ao melhor preço! Bosch Car Service Qalidade ao melhor preço! Dos serviços rápidos aos mais complexos Criada para satisfazer as sas necessidades a rede Bosch Car Service está vocacionada para os novos desafios do sector

Leia mais

Material Auxiliar da Oficina Aprimorando a Apresentação Oral

Material Auxiliar da Oficina Aprimorando a Apresentação Oral Publicase Comunicação Científica (www.publicase.com.br) CNPJ: 10.300.134/0001-81 Estrada União Indústria 9153/Tangará Sl 104, Itaipava Petrópolis, Rio de Janeiro CEP: 25730-736 Material Auxiliar da Oficina

Leia mais

VESTIBULAR AGENDADO 2016.1.1 Vagas disponíveis para as unidades

VESTIBULAR AGENDADO 2016.1.1 Vagas disponíveis para as unidades Salvador Portaria de Renovação de Rec. do MEC nº. 617 de 21/11/13. Portaria Renovação de Rec. do MEC Nº 286, de 21/12/12. Portaria Renovação de Rec. do MEC Nº 286, de 21/12/12. Portaria de Reconhecimento

Leia mais

AUTO-ESTRADA COMO VEÍCULO DE INCORPORAÇÃO DE MATERIAIS VERDES

AUTO-ESTRADA COMO VEÍCULO DE INCORPORAÇÃO DE MATERIAIS VERDES AUTO-ESTRADA COMO VEÍCULO DE INCORPORAÇÃO DE MATERIAIS VERDES Tomé Pereira Canas 1, Rui Camolino 2 1 Brisa Inovação e Tecnologia SA; Núcleo de Relações Institucionais e Inovação; Gestor de Inovação; 214233418;

Leia mais

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul Ivan De Pellegrin Comparação dos Recursos e Reservas Energéticas Brasileiras Não Renováveis em 2012 4% 12% 19% 65% Fonte

Leia mais

SME Instrument e Fast Track to Innovation

SME Instrument e Fast Track to Innovation Apoio às PME no H2020 SME Instrument e Fast Track to Innovation Horizonte 2020 Apoio às PME no H2020 H2020 (2014-2020) Três prioridades que se reforçam mutuamente ~79M 7% para o SME Instrument Projectos

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE REFORMA DO GÁS NATURAL COM DIÓXIDO DE CARBONO EM REATOR DE LEITO FLUIDIZADO Pacífico, J. A. 1, Calumby, A., Benachour, M. 3, Abreu,

Leia mais

GE Power & Water Water & Process Technologies. Soluções em água e processamento para o Indústria de Refinaria

GE Power & Water Water & Process Technologies. Soluções em água e processamento para o Indústria de Refinaria GE Power & Water Water & Process Technologies Soluções em água e processamento para o Indústria de Refinaria Maximização dos processos de refino e de produção de combustível Durante mais de 100 anos, a

Leia mais

Tecnologia de Redutores para Betoneiras. Inovações de Grande Valor.

Tecnologia de Redutores para Betoneiras. Inovações de Grande Valor. Tecnologia de Redutores para Betoneiras Inovações de Grande Valor. ECOMIX II: A nova geração de transmissões ZF para Betoneiras A ZF está estendendo sua liderança no mercado mundial na tecnologia de redutores

Leia mais

Desenvolvimento de Material Didático para o Ensino de Fisica. Antonio Carlos Fontes dos Santos

Desenvolvimento de Material Didático para o Ensino de Fisica. Antonio Carlos Fontes dos Santos Desenvolvimento de Material Didático para o Ensino de Fisica Antonio Carlos Fontes dos Santos A proa e a popa de nossa didática será investigar e descobrir o método segundo o qual os professores ensinem

Leia mais

Garantindo a Segurança de Acesso no PI System

Garantindo a Segurança de Acesso no PI System Garantindo a Segurança de Acesso no PI System Presented by Eduardo Teixeira Pedro Henrique Moura Costa - TSA Copyr i g h t 2 0 1 4-1 5 O S Is o f t, L L C. Necessidades do projeto Implantação da solução

Leia mais

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento:

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: Incentivar o Etanol e o Biodiesel (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: O governo adota medidas econômicas de forma a ampliar relativamente o emprego dos dois combustíveis. O termo ampliar relativamente

Leia mais

FLEXIDOME IP micro 5000

FLEXIDOME IP micro 5000 Vídeo FLEXIDOME IP micro 5000 FLEXIDOME IP micro 5000 www.boschsecrity.com/pt Microdome para exterior de design compacto e elegante Resolções de 1080p e 5 MP Áreas de interesse e E-PTZ Detecção de movimento

Leia mais

Mário M. Freire Departamento de Informática Universidade da Beira Interior 2008/2009

Mário M. Freire Departamento de Informática Universidade da Beira Interior 2008/2009 Competências a Adquirir Durante o Terceiro Ciclo de Estudos em Informática/Engenharia Informática Versus Competências a Adquirir Nesta Unidade Curricular Mário M. Freire Departamento de Informática Universidade

Leia mais

Thiago Rezende Pinto. Aplicação de Modelos Não Lineares em Negociação Automática no Mercado Acionário Brasileiro DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Thiago Rezende Pinto. Aplicação de Modelos Não Lineares em Negociação Automática no Mercado Acionário Brasileiro DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Thiago Rezende Pinto Aplicação de Modelos Não Lineares em Negociação Automática no Mercado Acionário Brasileiro DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Programa de Pósgraduação em Engenharia

Leia mais

TECNOLOGIA DE LAVAGEM INDUSTRIAL

TECNOLOGIA DE LAVAGEM INDUSTRIAL TECNOLOGIA DE LAVAGEM INDUSTRIAL UM NEGÓCIO LIMPO www.durr.com O MAIOR KNOW-HOW EM LAVAGEM PARA O SEU PARA O SEU BENEFÍCIO BENEFÍCIO Equipamentos padrão compactos Soluções em sistemas customizados O portfólio

Leia mais

7º Programa-Quadro de I&DT (2007-2013)

7º Programa-Quadro de I&DT (2007-2013) 7º Programa Quadro Tema ENERGIA O 7ºPrograma Quadro e o PPQ Eduardo Maldonado Coordenador dos Pontos de Contacto Nacionais 7º Programa-Quadro de I&DT (2007-2013) Promoção da carreira de investigação e

Leia mais

EFICIÊNCIA DE RECURSOS: EMBASANDO AS POLÍTICAS EUROPEIAS ALAVANCANDO UM SETOR DE CIMENTO DE BAIXO CARBONO

EFICIÊNCIA DE RECURSOS: EMBASANDO AS POLÍTICAS EUROPEIAS ALAVANCANDO UM SETOR DE CIMENTO DE BAIXO CARBONO EFICIÊNCIA DE RECURSOS: EMBASANDO AS POLÍTICAS EUROPEIAS ALAVANCANDO UM SETOR DE CIMENTO DE BAIXO CARBONO Vagner Maringolo CEMBUREAU Environment & Resources Manager 19 a 21 maio 2014 São Paulo/SP Brasil

Leia mais

Estratégias de TI para a integração eletrônica da informação - um estudo sobre o estado da arte e da prática

Estratégias de TI para a integração eletrônica da informação - um estudo sobre o estado da arte e da prática Daniel Valente Serman Estratégias de TI para a integração eletrônica da informação - um estudo sobre o estado da arte e da prática Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

RELIABLE INNOVATION PERSONAL SOLUTIONS

RELIABLE INNOVATION PERSONAL SOLUTIONS RELIABLE INNOVATION PERSONAL SOLUTIONS PT COMO UM FORNECEDOR GLOBAL DE SOLUÇÕES PARA A PRODUÇÃO, TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE REDE ELÉTRICA, CONTRIBUÍMOS PARA UMA UTILIZAÇÃO RESPONSÁVEL E SUSTENTÁVEL DE

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 CREEM 2005 Energia de Biomassa I C Macedo NIPE/UNICAMP UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 Energia de biomassa no mundo 45±10 EJ/ano (~16 comercial; 7 moderna ); em ~400 EJ Pode crescer para 100-300

Leia mais

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores 1 - Introdução A cinética química e o projeto de reatores estão no coração de quase todos os produtos químicos industriais. É, principalmente, o conhecimento da cinética química e o projeto do reator que

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO Faculdades e Universidades Americanas

PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO Faculdades e Universidades Americanas Facldades e efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br Facldades e O Programa de Bolsas de Estdo para estdantes internacionais A Efígie Edcacional, empresa especializada em edcação internacional,

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE CIÊNCIAS

UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE CIÊNCIAS UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE CIÊNCIAS PROGRAMA E CARGA HORÁRIA Disciplina: 3287 Bioquímica Industrial Curso: 255 - Mestrado em Bioquímica Ramo: 10 TRONCO COMUM / SEM RAMO Carga Horária: 28.0H TEÓRICAS

Leia mais

Terceiro Experimento

Terceiro Experimento niversidade de Brasília Facldade de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Laboratório de Mecânica dos Flidos rofessor: Francisco Ricardo da nha Monitor: Jonas ntônio lbqerqe de arvalho Terceiro

Leia mais

Inovação tecnológica na empresa do futuro

Inovação tecnológica na empresa do futuro Inovação tecnológica na empresa do futuro J. Norberto Pires Departamento de Engenharia Mecânica email: jnp@robotics.dem.uc.pt web: http://robotics.dem.uc.pt/norberto Uma visão para PME de produção UNIVERSIDADE

Leia mais

MASTER S DEGREE IN INTELLECTUAL PROPERTY ADMISSION EXAM

MASTER S DEGREE IN INTELLECTUAL PROPERTY ADMISSION EXAM CADERNO DE QUESTÕES NOTA FINAL MASTER S DEGREE IN INTELLECTUAL PROPERTY ADMISSION EXAM Before reading the text, pay attention to these important and essential remarks. All the answers must be written in

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA FEUP À ESCOLA POLITÉCNICA DA UFRJ FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

APRESENTAÇÃO DA FEUP À ESCOLA POLITÉCNICA DA UFRJ FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO APRESENTAÇÃO DA FEUP À ESCOLA POLITÉCNICA DA UFRJ Sebastião Feyo de Azevedo Professor catedrático Diretor da Faculdade de Engenharia da Universidade do

Leia mais

Seminário "Valorização de Resíduos, o Caminho para o Futuro 22 de Junho de 2011

Seminário Valorização de Resíduos, o Caminho para o Futuro 22 de Junho de 2011 Seminário "Valorização de Resíduos, o Caminho para o Futuro 22 de Junho de 2011 A Delta tem assumido como preocupação permanente construir um modelo de negócio sustentado na justiça social, ambiental e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Unidade tudo-em-um Plena

Unidade tudo-em-um Plena Sistemas de Comnicação Unidade tdo-em-m Plena Unidade tdo-em-m Plena www.boschsecrity.com/pt Solção tdo-em-m para música ambiente e chamadas Sistema de chamada de seis zonas Sintonizador AM/FM integrado

Leia mais

A-6 Modelos de formulários de plano de ação do programa de prevenção de acidentes com perfurocortantes

A-6 Modelos de formulários de plano de ação do programa de prevenção de acidentes com perfurocortantes A-6 Modelos de formulários de plano de ação do programa de prevenção de acidentes com Estes formulários têm o objetivo de ajudar as instituições a desenvolverem e implementarem planos de ação para acompanhar

Leia mais

Técnico Normaster - Investimentos Imobiliários, Ldª ; Vianaplaza S.A.

Técnico Normaster - Investimentos Imobiliários, Ldª ; Vianaplaza S.A. X: PLANO DIRECTOR MUNICIPAL Extracto da Planta de Ordenamento Escala:1:10.000 X: PLANO DE URBANIZAÇÃO DA CIDADE Extracto da Planta de Zonamento Escala:1:5.000 X:

Leia mais

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 Lisboa, 26 de Novembro 2009 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 3. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 4. DOUTORAMENTO EM MEIO EMPRESARIAL 5. OPEN

Leia mais

Quatro start-ups portuguesas ganham 400 mil e candidatam-se a um prémio de mais 600 mil

Quatro start-ups portuguesas ganham 400 mil e candidatam-se a um prémio de mais 600 mil Fase Final da IUL MIT Portugal Caixa Capital Competition Quatro start-ups portuguesas ganham 400 mil e candidatam-se a um prémio de mais 600 mil ISCTE-IUL, MIT Portugal e Caixa Capital revelaram as quatro

Leia mais

Parâmetros no Modelo de Avaliação de Desempenho do IST - Benchmark

Parâmetros no Modelo de Avaliação de Desempenho do IST - Benchmark Parâmetros no Modelo de Avaliação de Desempenho do IST - Benchmark Lisboa, 10 de Junho de 2011 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. PRODUÇÃO CIENTÍFICA 5 3. FACTORES DE IMPACTO 9 4. FINANCIAMENTO DE I&D 11 Nota Prévia:

Leia mais