Carta Mensal Iporanga Março de 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carta Mensal Iporanga Março de 2015"

Transcrição

1 O mês de Março foi marcado pela alta volatilidade em diferentes classes de ativos, grande parte desses movimentos é explicada pelos anúncios sobre a política monetária dos diversos bancos centrais, que nem sempre corresponderam às expectativas dos mercados. Brasil A presidente parece ter se decidido sobre sua posição em relação a economia, com um discurso claro e alinhado à posição do ministro Levy. No entanto, com um apoio político e popularidade fracos, os preços dos ativos tornaram-se mais sensíveis do que nunca à evolução da situação política. Aguardada com ansiedade por todo o Brasil desde que estourou o escândalo de corrupção na Petrobrás, a lista de políticos suspeitos de participar da fraude foi divulgada na primeira semana do mês. O PMDB - segundo maior partido da base - foi atingido em cheio com a inclusão dos dois dirigentes das Casas Legislativas na referida lista: Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, e Renan Calheiros, presidente do Senado. Em um movimento de demonstração de força, com oposição velada ao governo, o presidente do Senado devolveu a MP 669, que altera as alíquotas de desoneração das folhas de pagamento, colocando mais pressão sobre a já frágil situação fiscal do governo. De acordo com dados da Receita Federal, esta MP evitaria uma renúncia fiscal no montante de R$ 25 bi em O fluxo de notícias econômicas negativas continuaram. Atividade fraca, inflação persistentemente alta, crise hídrica, deterioração do mercado de trabalho, ciclo de alta de juros, maior IOF e a determinação da nova equipe econômica em reduzir o papel do BNDES: todos esse sinais indicam que haverá mais moderação na atividade em

2 A confiança do consumidor da FGV atingiu 82,9, vindo de 85,4 no mês anterior. Confiança no setor industrial caiu 8,2% no mês, depois de cair 3,4% em fevereiro, ficando em 76,2, nível mais baixo desde Fevereiro de As arrecadações de impostos totalizaram R$ 90 bi, mostrando acréscimo de 0,5% YoY. Vale notar que este crescimento é em grande parte inflado pelo resultado de uma receita extraordinária de R$ 4,6 bi da transação entre Banco do Brasil e Cielo. Excluindo a transação, as receitas nominais cairiam 4,7% YoY. O Governo, que esperava uma melhora devido à reversão de alguns subsídios (a redução do IPI e o imposto de gasolina) e aumentos em outros impostos (IOF em empréstimos pessoais, tarifas de importação), viu os gastos acelerarem 13.7% YoY em Fevereiro de 2015, levando o resultado primário a um déficit de R$2.3bi (-0.70% do PIB acumulado de 12 meses), e aumentar a dívida bruta em 1.10 ponto percentual, para 65.6% do PIB. Lembramos que a meta proposta pelo Ministro é de R$66.3 bi para o superávit primário, o que equivale a 1.2% do PIB na estimativa do começo de O Banco Central do Brasil surpreendeu e decidiu diminuir o volume ofertado na rolagem de swaps cambiais em $2.0bi - antes rolados integralmente. Este movimento aliado à turbulência política levou o Real à desvalorizar-se em 12.5% frente ao dólar no mês, e nem mesmo o anúncio de manutenção da nota de risco soberano pelo S&P (BBB-, com perspectiva estável) foi capaz de evitar. Estados Unidos O Federal Reserve (FED) não dá indicação, ainda, de quando os juros começarão a subir. A ata deixa claro que não existe a possibilidade de subir a taxa na reunião de Abril, indicando que seria prematuro normalizar as taxas em um momento que dados mais fracos podem colocar em risco o mandato duplo de inflação e emprego. No entanto deixa a entender que na reunião de Abril ou Junho de 2015 a data será comunicada. Na ata de Março todas as variáveis macroeconômicas foram revisadas para 2

3 baixo, incluindo PIB e Inflação (core-pce) de 2016 e O desemprego também foi revisado para um patamar entre 5.0% - 5.2% (5.2% - 5.3% em Dezembro de 2014), considerado agora como o novo intervalo de pleno emprego almejado pelos economistas do FED. A presidente do FED, Janet Yellen, comentou durante a coletiva após o anúncio que espera uma subida nos preços após a economia atingir o pleno emprego. Os bancos centrais, em sua maioria, estão brigando contra o ambiente de baixa inflação e isso traz cada vez mais desafios aos formuladores de política econômica. Vale notar que tanto US como UK, que eram consideradas economias distantes das pressões deflacionárias em comparação com os outros mercados desenvolvidos durante o 1H2014, estão vendo os seus headlines de inflação arrefecerem rapidamente (UK CPI YoY: 0.0% em Fev15 vs 0.3% em Jan15, e US CPI YoY: 0.0% em Fev15 vs -0.1% em Jan15). Entretanto, analisando o núcleo do índice de preços - sem alimentação e energia -, a figura é outra. O núcleo de US aumentou (1.7% YoY em Fev15 vs 1.6% YoY in Jan15), enquanto o núcleo de UK desacelerou (1.2% YoY em Fev15 vs 1.3% YoY em Jan15). Os caminhos que a inflação desses países tomaram a partir de 2H2014 mostram que a economia americana tem maior capacidade de anular a pressão deflacionária global com a sua demanda doméstica. Isso cria um suporte para o nosso cenário de que o FED será o primeiro banco central na direção de normalização da politica monetária, na segunda metade deste ano. Zona do Euro O Banco Central Europeu (BCE) iniciou o seu programa de compra de ativos na segunda semana do mês de Março. O banco central comprará 60 bilhões de euros por mês até setembro de 2016 ou até que a inflação aumente para perto, mas abaixo da meta de 2%. O banco também revisou a previsão de crescimento em 2015 de 1,0% para 1,5%, e 2016 para 1,9%, de 1,5%. 3

4 A publicação dos atos legais deram mais detalhes sobre o programa, chamado de ECB s Public Sector Purchase Programme (PSPP): 1- Cada National Central Bank (NCB) será responsável pela compra de seu próprio título soberano e doméstico. O ECB coordenará todas as compras de ativos através do Eurosystem, que permitirá à eles forçar os NCBs que estiverem aquém das cotas propostas, a se enquadrarem. 2- O programa prevê compras de State Owned Enterprises (SOE). 3- As compras de ativos podem acontecer com taxas de até -0.20%. 4- Os prazos são de 2 yrs a 30 yrs. 5- Será aplicado limite de 25% por emissor nos primeiros 6 meses, e depois revisto. 6- As compras serão ponderadas pelo valor nominal em aberto no mercado, minimizando o impacto direto na curva de compras do BCE. Os Níveis de Confiança do Consumidor na Europa estão em patamares que não eram vistos desde o começo de 2007 e mais de 9 pontos acima da média histórica (Eurozone Consumer Confidence veio em -3.7 em Mar15 contra -6.7 em Fev15). Esperamos que esta mudança de patamar possa ser traduzida em maiores vendas no varejo, melhorando assim a perspectiva de inflação e PIB para 2015 e China Na China as expectativas de crescimento do PIB deterioraram fortemente à luz dos dados macroeconômicos apresentados durante o mês. As vendas no varejo e a produção industrial, ambos de Fevereiro de 2015, vieram fracos. Vendas no varejo desacelerando para +10.7% YoY e Produção Industrial recuando para +6.80% YoY. O consenso de crescimento do PIB encontra-se em 6.0% para 2015, mas destacamos que existe espaço para revisões para baixo. As taxas de financiamento no mercado local continuam altas. O menor crescimento econômico, aliado a uma pressão deflacionária persistente, nos leva a 4

5 pensar que a China tem espaço para desvalorizar ainda mais sua moeda em relação ao USD. Uma desvalorização moderada, puxada por um relaxamento nas taxas fixas de curto prazo, seria, talvez, a melhor maneira de fazer com que o país encontre equilíbrio nas contas externas e maximize suas exportações. Os preços das commodities metálicas continuam em queda: no dia 30 de Março o minério de ferro foi negociado a US$ 52.70/ton, o nível mais baixo desde Essa cotação está próxima da banda inferior das previsões mais pessimistas do mercado, podendo atingir o nível pscicológico de US$ 50/ton, o que se sustentado por um longo período inviabilizaria a atividade de muitas mineradoras. Mantêm-se, portanto, o cenário desafiador para os países altamente dependentes de exportação de commodities metálicas. Posições Câmbio Mantivemos nossa alocação long USD contra as moedas AUD, EUR e ZAR. Diminuímos em 2/3 nossa posição comprada em opção de USDBRL dado o forte movimento de desvalorização da moeda no período. Juros Zeramos nossa posição aplicada em NTN-B 22. Bolsa Mantivemos a nossa posição comprada em bancos privados, seguradoras e empresas de celulose e vendida em consumo discricionário, shoppings e geradoras de energia elétrica. 5

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Carta Mensal Iporanga Agosto de 2015

Carta Mensal Iporanga Agosto de 2015 O fundo Iporanga Macro FIC FIM apresentou rendimento mensal de 2.30% (208% do CDI) em Agosto. No acumulado de 2015, o fundo obteve um rendimento de 27.73% (332% do CDI). Brasil O mês de Agosto marcou a

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 Como Presidente e Gestora do Instituto de Previdência

Leia mais

2015: um ano de desafios e oportunidades

2015: um ano de desafios e oportunidades 2015: um ano de desafios e oportunidades Luís Artur Nogueira Jornalista e economista Editor de Economia da IstoÉ DINHEIRO Comentarista Econômico da Rádio Bandeirantes São Paulo 25/02/2015 Adeus grau de

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015 Aug-10 Feb-11 Aug-11 Feb-12 Aug-12 Feb-13 Aug-13 Feb-14 Aug-14 Feb-15 Aug-15 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Alta de juros nesse ano ainda é o cenário base do FED. No Brasil, a inflação

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Consultoria. Crise econômica - o que ainda está por vir e os impactos na hotelaria. Novembro/2015. Juan Jensen jensen@4econsultoria.com.

Consultoria. Crise econômica - o que ainda está por vir e os impactos na hotelaria. Novembro/2015. Juan Jensen jensen@4econsultoria.com. Consultoria Crise econômica - o que ainda está por vir e os impactos na hotelaria Novembro/2015 Juan Jensen jensen@4econsultoria.com.br Cenário Político DilmaI: governo ruim, centralizador e diagnóstico

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 32 11/09/15 NESTA EDIÇÃO

Análise Semanal. Edição nº 32 11/09/15 NESTA EDIÇÃO NESTA EDIÇÃO CONJUNTURA ECONÔMICA Adeus, investment grade 2 Cortes, afinal? 3 Ata docopom 4 Indicadores 4 Visões da crise: Dilma 5 Visões da crise: Lula 5 Expectativas Focus 6 CENÁRIO POLÍTICO Impeachment,

Leia mais

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013 Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo Setembro 2013 2 Melhoras institucionais do Brasil desde 1994: aceleração do crescimento e queda da inflação 9% Brasil: Crescimento do PIB 24% IPCA Inflação Anual 7%

Leia mais

ConjunturaSemanal. Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros;

ConjunturaSemanal. Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros; 06-jun-2014 Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros; Dólar encerra semana em alta diante de expectativa de retirada de operações de swap; Ibovespa recuou 2,6% na semana,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Unidade de Política Econômica

Unidade de Política Econômica Unidade de Política Econômica Brasília, abril de 2007 Superávit na balança comercial e juros altos sustentam valorização do real No primeiro bimestre de 2007, o dólar foi negociado a R$ 2,10, na média

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Taxas de juros domésticas recuam com dados fracos de atividade doméstica; Dólar recua na semana com fluxo e operações de swap do Banco Central;

Taxas de juros domésticas recuam com dados fracos de atividade doméstica; Dólar recua na semana com fluxo e operações de swap do Banco Central; 19-mai-2014 Taxas de juros domésticas recuam com dados fracos de atividade doméstica; Dólar recua na semana com fluxo e operações de swap do Banco Central; Ibovespa subiu 1,7% na semana, e acumula alta

Leia mais

PANORAMA INTERNACIONAL. Embora inibida pelos efeitos do câmbio valorizado, atividade segue forte

PANORAMA INTERNACIONAL. Embora inibida pelos efeitos do câmbio valorizado, atividade segue forte PANORAMA INTERNACIONAL EUA Grande revisão do PIB Performance do 2º trimestre (1,3%), pior do que esperada (1,8%)...e forte revisão do passado Recessão de 2008/2009 foi mais forte Mais modesta formação

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico COMBATE INFLACIONÁRIO, INCERTEZA POLÍTICA 1 28 de Dezembro de 2015 O cenário fiscal ainda se mantem desafiador, uma vez que o quadro político permanece incerto, com a recente troca no comando do Ministério

Leia mais

1 a 15 de setembro de 2011

1 a 15 de setembro de 2011 1 a 15 de setembro de 2011 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Em Compasso de Espera

Em Compasso de Espera Carta do Gestor Em Compasso de Espera Caros Investidores, O mês de setembro será repleto de eventos nos quais importantes decisões políticas e econômicas serão tomadas. Depois de muitos discursos que demonstram

Leia mais

O Cenário do Fed para 2015

O Cenário do Fed para 2015 JANEIRO 015 POLÍTICA ECONÔMICA GLOBAL Sumário Este artigo tem como objetivo relatar e discutir as principais variáveis macroeconômicas a serem consideradas pelo Federal Reserve em suas decisões para 015.

Leia mais

Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global

Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global Novembro/2014 Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global Temor de baixa inflação global nos parece exagerado, mas tende a manter liquidez global elevada até meados do próximo ano.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Destaques do mês - Preocupado com a inflação, mas também com as incertezas do cenário internacional, Copom inicia ciclo de aperto monetário com elevação de apenas 0,25%

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Octubre- Diciembre 2015

www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Octubre- Diciembre 2015 www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Octubre- Diciembre 2015 Prof. Rubens Sawaya Assistente: Maria Gorete da Silva PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 17 de novembro de 2014 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaque da Semana Economia internacional: Bancos Centrais dominam atenção dos mercados. BCE sinaliza política monetária expansionista;

Leia mais

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015.

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na abertura do X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 9 de março de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Dados positivos nos Estados Unidos aproximam aumento de juros; DXY tem forte alta na semana;

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão 16 a 31 de agosto de 2012 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Paineiras Hedge FIC FIM

Paineiras Hedge FIC FIM Cenário Econômico e Perspectivas A experiência de observar ciclos econômicos no passado sugere que é sempre prudente analisar a conjuntura econômica sob dois prismas interligados, porém distintos: o fundamento

Leia mais

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015 O fundo Iporanga Macro FIC FIM apresentou rendimento mensal de 3.7% (318% do CDI) em Julho. O mês também marca os primeiros doze meses de atividades do fundo, que durante o período obteve um rendimento

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2014 1 No terceiro trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de -0,07%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,72% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Carta do Gestor. Vento Contra. Caros Investidores,

Carta do Gestor. Vento Contra. Caros Investidores, Carta do Gestor Vento Contra Caros Investidores, Há alguns meses temos ressaltado em nossas cartas a piora do ambiente global para as economias emergentes. Esse vento contra, formado inicialmente pela

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Fundação Getúlio Vargas 11º Fórum de Economia Ministro Guido Mantega Brasília, 15 de setembro de 2014 1 Por que fazer ajustes macroeconômicos? 1. Desequilíbrios

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Clique para editar o estilo do subtítulo mestre PMI Emergentes vs. PMI Desenvolvidos Global JP Morgan: PMI composto, manufatura e serviços sa ESTADOS UNIDOS EUA: PMI composto, manufatura e serviços sa

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

MONITOR ECONÔMICO Março 2015

MONITOR ECONÔMICO Março 2015 MONITOR ECONÔMICO Março 2015 Índice 2 Cenário Internacional... 03 Economia Mundial... 04 Cenário Brasil e Minas Gerais... 05 Introdução... 06 Produção Industrial... 07 Varejo... 10 Faturamento... 11 Emprego...

Leia mais

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional:

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional: Relatório Mensal Janeiro de 2015 Cenário Internacional: EUA O diagnóstico dos membros do Federal Open Market Comittee (Fomc) sobre a atividade econômica é positivo: os EUA estão crescendo mais que a previsão,

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 22 de junho de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Reunião do FOMC ainda com tom dovish; Preocupações com a Grécia ainda persistem e compromete

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 Tsunami tupiniquim Fonte: www.shutterstock.com Índice 1. Ambiente Global...2 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 4. Desempenho e Atribuição

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

PANORAMA NOVEMBRO / 2014

PANORAMA NOVEMBRO / 2014 PANORAMA NOVEMBRO / 2014 O mês de novembro foi pautado pelas expectativas em torno da formação da equipe econômica do governo central brasileiro. Muito se especulou em torno dos nomes que ocuparão as principais

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de 4 de maio

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Perspectiva Mensal. Brasil: desafios para 2015 ficam ainda maiores

Perspectiva Mensal. Brasil: desafios para 2015 ficam ainda maiores Perspectiva Mensal Ano 2015 Fevereiro 20/02/15 Brasil Brasil: desafios para 2015 ficam ainda maiores As primeiras semanas do ano trouxeram más notícias, mostrando que os desafios domésticos em 2015 serão

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

1º a 15 de agosto de 2011

1º a 15 de agosto de 2011 1º a 15 de agosto de 2011 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 1 Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 2 Agenda EUA: Fim dos estímulos em 2013? China: Hard landing? Zona do Euro: Crescimento econômico? Brasil: Deixamos de ser rumo de investimentos? EUA Manutenção de estímulos

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº48 tou ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Vendas dos supermercados crescem 2,24% em 2014 Em dezembro, as

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 14 de setembro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Expectativa de alta de juros nos EUA continua trazendo volatilidade para os mercados;

Leia mais

12 de setembro de 2014

12 de setembro de 2014 Capacidade de promover mudanças Para o rating brasileiro a recuperação econômica conduzida por investimento e o rígido cumprimento das metas de superávit primário entre 2% e 3% são essenciais. Por outro

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais