A Segurança do Tráfego das Combinações Veiculares Pesadas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Segurança do Tráfego das Combinações Veiculares Pesadas"

Transcrição

1 A Segurança do Tráfego da Cobinaçõe eiulare Peada Baeada na Diertação Aaliação da Etabilidade ateral de Conjunto de eíulo de Carga, apreentada oo requiito de aaliação no uro de Metrado da PUC-PR Autore: Rube Penteado de Melo 4-5 ilon Barbieri Renato Barbieri idtlab

2 ITRODUÇÃO Tranporte Rodoiário de Carga A prinipal odalidade de tranporte de arga no Brail é o rodoiário Por ua ala rodoiária de, ilõe de quilôetro e,5 ilõe de eíulo irula era de % de toda produção naional O egento é reponáel por,4 % do PIB e u faturaento anual de U$, bilõe de dólare TABEA - Eolução da Ditribuição por Modal no Brail 5 a 5 - %) AO Rodoiário Ferroiário Cabotage Aéreo Duto 5,,4,4,,,,,4,,, 5, 4,5,,,4 5,,4,,,4,,,4,,

3 eíulo para o Tranporte de Carga Cainão do tipo 4x Conjunto -Trator 4x Sei-reboque Eixo Cainão do tipo x ou x4 Conjunto -Trator x ou x4 Sei-reboque Eixo

4 A Eolução do eíulo para o Tranporte de Carga E a Reolução do COTRA etabeleeu o requiito de egurança neeário à irulação de Cobinaçõe de eíulo de Carga CC, para obinaçõe o ai de unidade inluída a unidade tratora Conjunto do Tipo Bitre - eíulo, eixo e PBT de 5 ton) Dolly Conjunto do Tipo Rodotre 4 eíulo, eixo e PBT de 4 ton)

5 4 A Eolução do eíulo para o Tranporte de Carga e outro paíe Prinipai loai: Autrália, oa Zelândia, Canada, França, Suéia, Áfria do Sul, Méxio, EUA

6 4 A Eolução do eíulo para o Tranporte de Carga Redução do Cuto de Tranporte Bitren e Cirulação dado da Anfir) E : 5 E 4: 4 Do ipleento produzido e 4,,4 % fora para uo e CC, % do CS e CG,4% do TQ obutíei

7 5 Caraterítia epeífia de Conjunto de eíulo de Carga -CC A ai releante é o fenôeno oneido oo aplifiação traeira rearward aplifiation) Trata-e do auento do deloaento lateral da últia unidade quando oparada o o deloaento lateral da prieira unidade, e anobra e ura ou anobra eaia E oneqüênia dea aplifiação do oiento a unidade traeira do onjunto é ubetida a aeleraçõe laterai aiore que a unidade tratora

8 Critério para Aaliação da Etabilidade ateral A edida báia para aaliação da etabilidade lateral do eíulo é o aado iiar de Tobaento ateral Etátio - SRT Stati Rolloer Treold) expreo oo a aeleração lateral, e g, áxia ante de oorrer o tobaento lateral do eíulo Autoóei apreenta SRT aior que g enquanto aioneta e an entre, e, Já eíulo de arga apreentara abaixo de,5 g Se a aeleração lateral gerada e ua ura ou anobra de eergênia ultrapaar ee liite, o eíulo, de fora ineitáel, tobará

9 Aidente Típio A aior oneqüênia da aoiação de eíulo de arga o SRT baixo e obinaçõe de eíulo de arga, ujeito portanto a aplifiação do oiento traeiro, é o tobaento preaturo da unidade traeira

10 MODEAMETO MATEMÁTICO DOS CC Modelaento O prieiro douento de pequia obre a dinâia direional de eíulo artiulado foi deenolido e por Huber e O Dietz e Stuttgart F Jindra ) elaborou trabalo obre a Caraterítia de Dirigibilidade de obinaçõe de trator eireboque atraé de u étodo iplifiado de análie linear do oiento de u onjunto de eíulo Siilar ao odelo rodotre erá a bae para ete trabalo ofrendo a adaptaçõe neeária para a quantidade de eixo e, no ao do Bitre, do núero de eíulo e artiulaçõe Modelaento do Bitre

11 Bitre - Diagraa

12 Bitre - Equaçõe do Moiento δ ) ) ) ] ) ) )] ) ) ) ) F i i i = = = δ ) ] ) ] ) a b b a I = ) ) ) ) ] ) ) ] ) ) ) ] ) ) = I I ) ) ) ) ) ) ) = I I

13 Modelaento do Rodotre

14 Rodotre - Diagraa

15 Rodotre - Equaçõe do Moiento δ ) ) ) ] ) ) ) ] ) ] ) ] ) ) ) ) F i i i i i i = = = = = δ ) ] ) ] ) a b b a I = ) ) ) ] ) ) ) ] ) ] ) } ) ] ) { ] ) ] ) ] ) = I I ) ) ) ] ) ) ] ) ) ] ) ) ) ] ) ) = I I ) ) ) ) ) ) ) ) = I I

16 Reultado da Siulação Dinâia -Aplifiação Traeira - Aeleração ateral - Entrada Senoidal - eloidade k Carregado azio o azio, o Carregado Rodotre Bitre

17 COMPARAÇÃO COM O AUMETO DO COMPRIMETO Re 45) -Aplifiação Traeira - Aeleração ateral - Entrada Senoidal - eloidade k - Aplifiação traeira oniderando o auento de opriento do onjunto exigido pela Reolução 45 do Contran

18 Reolução45 Coneqüênia e o proáel noo onjunto da ez ): Alterando de Co ai de dua unidade para Co dua ou ai unidade teo: PBT áx de 45 para 5 tonelada oo onjunto: Cainão eixo Carreta eixo Ditaniado e PBT= 5 ton: Problea: Rigidez Direional x Deanda de atrito : Eixo eterçante ou leantar o o eixo ondição arregado) para eitar o arrate do pneu!!

19 Reolução 45: Traçado de Supenõe Conenionai X Eixo Afatado Quando afatao o eixo fixo) para obter o benefíio da tonelada, inorreo no problea do arrate lateral exeio na anobra e ura arga orizontal no paiento), que danifia a upenão e eu pneu, e pode aelerar o dano na ia a upenão eixo a raio de giro paa pelo eixo entral a upenão eixo pela lina entral entre o eixo

20 Reolução 45: Arrate lateral de pneu e Cura Sup Conen X Eixo Afatado Eixo Ditaniado e fixo) Raio da Cura Arrate lateral Supenão onenional Arrate lateral Supenão Eixo Afatado 5 4 E baixa eloidade Eixo onenionai e fixo)

21 IESTIGACIÓ DE EFECTO IA DE OS EJES IRABES E EHÍCUOS ARTICUADOS : REISIÓ DE A ITERATURA Intituto Mexiano del Tranporte Publiaión Ténia o - 4 Para enfrentar ea ituaión de rigidez direional, e an dieñado diferente equea, oo on el epleo de eje que tengan la apaidad de irar por efeto del aane del eíulo en una trayetoria ura, o ediante inorporar eanio que eleen a lo eje que difiultan la aniobra direional De entre eta oluione, la á oneniente e la de eplear eje que puedan er reorientado en alguna antidad, ya que la retratibilidad de lo eje ignifia que el peo bruto eiular e oportado on eno apoyo, lo que auenta el efeto noio en la infraetrutura, ean paiento o puente a otiaión para ete etudio proino de la neeidad de introduir eje direionale en la obinaione eiulare, a fin de eitar totalente el uo de eje retratile o leantable liftable axle), aí oo obtener obinaione aigable on la infraetrutura

22 Soluçõe Ténia para o arrate lateral do pneu: eixo direionai e eixo auto-eterçante a Direional ou Bi-direional: ua una é enaixada na 5a-roda e guia o eixo a Autrália: Paeent Horizontal oading Preriptie Requireent): a) Steerable axle i) at leat one axle of any two axle joined by a load aring upenion yte and greater tan eter apart ut be teerable; and ii) wit all oter group of axle joined by a load aring upenion yte wit a pread of greater tan 5 eter, all axle beyond te 5 eter pread ut be teerable Perforane-Baed Standard Standard Meaure ational Road Tranport Coiion - Autrália a auto-eterçante: é independente do aalo e o eixo poui ponteira óel

23 Reultado da Siulação Dinâia -Coparatio entre Bitre e eloidade de k à k Entrada Senoidal - Aeleração lateral por unidade do onjunto Conjunto Bi-tre Entrada enoidal Aeleração ateral g),5,,5,,5, 4 5 eloidade k) eíulo-trator osei-reboque osei-reboque

24 Reultado da Siulação Dinâia -Coparatio entre Rodotre e eloidade de k à k Entrada Senoidal - Aeleração lateral por unidade do onjunto Conjunto Rodotre Entrada enoidal Aeleração ateral g),5,4,,, 4 5 eloidade k) eíulo-trator osei-reboque Dolly osei-reboque

25 Equipaento para aaliação do Conjunto de eíulo O Sitea SkySafe Cargo baeia-e no apeaento da aeleraçõe laterai gerada e u deterinado peruro atraé de u itea de GPS aoplado a ódulo de aelerôetro U oftware gereniador regitra o dado intantaneaente gerando ua planila eletrônia

26 Aaliação de u Conjunto de eíulo Monitorado u onjunto do tipo Bitre de propriedade da eprea TIC Tranporte tda, e 444, ontituído pelo eguinte eíulo: -eíulo-trator ara olo FH ; -Sei-reboque tanque eixo, ara Randon; -Condição: Carregado Produto quíio Peo Bruto Total: 5 tonelada

27 Aaliação de u Conjunto de eíulo

28 Aaliação de u Conjunto de eíulo - Reultado Obtido Conjunto Bi-tre - Rota,5 4, 5,5 Aeleração g), -,5 -, eloidade k) -,5 -, 5 -,5 eíulo-trator o Sei-reboque eloidade

29 COCUSÕES E RECOMEDAÇÕES O Bitre apreenta aplifiação enor oparado o o Rodotre; Se arga, ebora a aeleraçõe laterai e o tepo de etabilização eja aiore, o rio de tobaento lateral ão enore porque o SRT é aior; a ondição o o º Sei-reboque azio e º arregado, a aeleraçõe laterai ão ignifiatiaente aiore e abo o onjunto Rodotre torna-e intáel; O Rodotre, ob deterinada ondiçõe de arregaento e eloidade, pode apreentar araterítia de intabilidade, o oilaçõe reente durante a anobra; Quanto aior o ei-reboque enor é a aplifiação traeira; Manobra do tipo enoidal ipõe aplifiaçõe traeira ai eleada o tipo rapa O Rodotre alança alore de aeleraçõe laterai próxio a, g podendo oorrer o tobaento lateral; Co eloidade de a k o Bi-tre paa ter aplifiação da traeira, a partir de k enquanto no Rodotre a partir de 4 k; a aaliação de u bitre o aelerôetro erifiou-e a defaage no tepo entre o alore de pio e egou-e a u áxio de, g na últia unidade;

30 COCUSÕES E RECOMEDAÇÕES Deido a aior intabilidade do Rodotre é reoendáel ua redução de ua eloidade áxia peritida para k É reoendáel que a autoridade de trânito ou oneionária identifique o ponto rítio para o CC afi de inalizá-lo adequadaente reduzindo a poibilidade de aidente e epre ua eloidade egura para u onjunto onenional erá egura para u CC; É reoendáel que o fabriante do CC infore obre o fenôeno no eu Manuai; É reoendáel que o otorita dee onjunto reeba treinaento epeífio para eitar a anobra que torna ee fenôeno ignifiatio A tranportadora dee er orientada de odo a não utilizar o onjunto o arga oente na últia unidade; A prinipai reoendaçõe ao otorita ão: Reduzir a eloidade para entrar na ura e treo; irar o olante epre de fora uae e gentil; Eitar anobra brua no ainão-trator; Prourar epre enxergar ai longe para e anteipar a neeidade de anobra e freiada; Se tier o arga de peo diferente, oloque a ai peada epre da a arreta Jaai ande o a a arreta azia e a a arregada; Quando air o u rodado no aotaento não tente retornar rápido Reduza a eloidade, aline o onjunto e retorne a pita deagar, o o enor ângulo de entrada poíel poi ó ai erá eitado o tobaento

31 idtlab ÁREAS DE ATUAÇÃO: TRASPORTES E TRÂSITO Inpeção de eíulo e Equipaento que Tranporta Produto Perigoo Inpeção de Segurança eiular e eíulo Reuperado de Sinitro Alteraçõe de Caraterítia EMPRESAS DE SEGURO Inpeção de Segurança eiular Préia para ontratação de eguro Períia de Engenaria e eíuloreontituição de aidente QUAIDADE E GESTÃO AMBIETA Auditoria Independente e Sitea da Qualidade e de Getão Abiental Monitoraento do níel de eiõe de gae e ruído de eíulo e otore IDÚSTRIA AUTOMOTIA Enaio de Deepeno de eíulo e oponente Hoologação de Fabriante Tranforadore de eíulo Aaliação de fala e oponente IDÚSTRIA PETROQUÍMICA Inpeção e Aaliação de Integridade de ao de Preão Enaio ão Detrutio e Tete de Etanqueidade SEGURAÇA O TRABAHO Inpeção de Segurança e ao de Preão e Caldeira, onfore ora Regulaentadora R- TREIAMETO Treinaento Intituional e Operaional na área de Tranporte

AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE LATERAL EM CONJUNTOS DE VEÍCULOS DE CARGA RUBEM PENTEADO DE MELO

AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE LATERAL EM CONJUNTOS DE VEÍCULOS DE CARGA RUBEM PENTEADO DE MELO AAIAÇÃO DA ESTABIIDADE ATERA EM COJUTOS DE EÍCUOS DE CARGA RUBEM PETEADO DE MEO 004 RUBEM PETEADO DE MEO AAIAÇÃO DA ESTABIIDADE ATERA DE COJUTOS DE EÍCUOS DE CARGA Diertação apreentada oo requiito de avaliação

Leia mais

QY40K WORLD CLASS TRUCK CRANE. 40 t. 40.4m. 55.1m GUINDASTE TELESCÓPICO HIDRÁULICO. Capacidade Máxima MÁX

QY40K WORLD CLASS TRUCK CRANE. 40 t. 40.4m. 55.1m GUINDASTE TELESCÓPICO HIDRÁULICO. Capacidade Máxima MÁX GUINDASTE TELESCÓPICO HIDRÁULICO QY40K WORLD CLASS TRUCK CRANE Capacidade Máxia MÁX 40 t Altura Máxia de da Lança Telecópica MÁX 40.4 Altura Máxia de Lança Telecópica + JIB MÁX 55.1 Ditribuidor Excluivo

Leia mais

5. Resolva o problema 4 sabaendo que há atrito entre as rodinhas do armário e o chão e o coeficiente de atrito cinético vale k = 0.25.

5. Resolva o problema 4 sabaendo que há atrito entre as rodinhas do armário e o chão e o coeficiente de atrito cinético vale k = 0.25. Dinâica do Sólido Tranlação de Sólido Centro de aa e Moento Angular ATIVIDADE 1 0 Bietre 1. A epilhadeira otrado pea W = 50 lb e é uado para levantar u caixote de peo 500 lb. A epilhadeira etá ovendo-e

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

RESISTÊNCIA E PROPULSÃO Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Exame de 2ª Época 26 de Janeiro de 2010 Duração: 3 horas

RESISTÊNCIA E PROPULSÃO Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Exame de 2ª Época 26 de Janeiro de 2010 Duração: 3 horas RESISTÊNCIA E PROPULSÃO Metrado e Engenharia e Arquitectura Naval Exae de ª Época 6 de Janeiro de 010 Duração: 3 hora Quetão 1. U porta-contentore te a eguinte caracterítica: -Superfície olhada: 5454.

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE SÃO PAULO CEFET SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Máquinas Hidráulicas MHL Exercícios resolvidos

ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE SÃO PAULO CEFET SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Máquinas Hidráulicas MHL Exercícios resolvidos Diciplina: Máquina Hidráulica MHL Exercício reolido /7 Data: 02/0/00 ) Deontrar a igualdade nuérica entre a aa de u fluido no itea MKS e eu peo no itea MK*S Seja x o núero que repreenta, ito é: x coo:

Leia mais

λ =? 300 m/ n = 3ventres nv = 3.300 = 2.6 2.6

λ =? 300 m/ n = 3ventres nv = 3.300 = 2.6 2.6 PROVA DE ÍSICA º ANO - 3ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A 01) E relação ao que oi etudado obre ondulatória, ainale V (erdadeiro) ou (alo). (V) A elocidade de ua onda é igual ao produto do copriento de onda

Leia mais

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais

a) Calcule a força medida pelo dinamômetro com a chave aberta, estando o fio rígido em equilíbrio.

a) Calcule a força medida pelo dinamômetro com a chave aberta, estando o fio rígido em equilíbrio. UJ MÓDULO III DO PISM IÊNIO - POA DE ÍSICA PAA O DESENOLIMENO E A ESPOSA DAS QUESÕES, SÓ SEÁ ADMIIDO USA CANEA ESEOGÁICA AZUL OU PEA. Na olução da proa, ue, uando neeário, g = /, = 8 /, e = 9 - kg, π =.

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

Empilhadores 1,4-2,5t

Empilhadores 1,4-2,5t Empilhadore 1,4-2,5t β α 3 l E C N C 1.1 1.2 1.3 1.5 1.8 1.9 2.1 2.3 2.4 3.1 3.2 3.3 3.5 3.6 4.1 4.2 4.3 4.4 4.5 4.7 4.8 4.10 4.15 4.19 4.20 4.21 4.22 4.24 4.25 4.26 4.28 4.32 4.33 4.34 4.35 4.37 5.1 5.2

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

Física Básica: Mecânica - H. Moysés Nussenzveig, 4.ed, 2003 Problemas do Capítulo 2

Física Básica: Mecânica - H. Moysés Nussenzveig, 4.ed, 2003 Problemas do Capítulo 2 Fíica Báica: Mecânica - H. Moyé Nuenzveig, 4.ed, 003 Problea do Capítulo por Abraha Moyé Cohen Departaento de Fíica - UFAM Manau, AM, Brail - 004 Problea Na célebre corrida entre a lebre e a tartaruga,

Leia mais

CAPÍTULO II MÁQ UINAS DE INDUÇÃO

CAPÍTULO II MÁQ UINAS DE INDUÇÃO 34 CAPÍTULO II MÁQ UINAS DE INDUÇÃO.) INTRODUÇÃO A áquina de indução é a ai iple da áquina elétrica rotativa, eja ob o ponto de vita de ua contrução, eja ob o ponto de vita de ua operação. O eu principal

Leia mais

GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 350. Capacidade de 35 toneladas

GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 350. Capacidade de 35 toneladas GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 0 01 Produto internacional desenvolvido co a colaboração de especialistas de dois países, baseado na platafora de R&D China e nos Estados Unidos; A lança totalente

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 2006. 1 POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 2006. 1 POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA. RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 006. POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA. 5. O gráfico ao lado ostra o total de acidentes de trânsito na cidade de Capinas e o total de

Leia mais

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO 113 17 TEORA ELETRÔNCA DA MANETZAÇÃO Sabeos que ua corrente elétrica passando por u condutor dá orige a u capo agnético e torno deste. A este capo daos o noe de capo eletro-agnético, para denotar a sua

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último Univeridade Etadal de Campina Faldade de Engenaria Civil Departamento de Etrtra Soliitaçõe normai Cállo no etado limite último Nota de ala da diiplina AU414 - Etrtra IV Conreto armado Prof. M. Liz Carlo

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS 1º Lucas de Castro Valente*, 2º Raphael Marotta, 3º Vitor Mainenti 4º Fernando Nogueira 1

Leia mais

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate ! I Deafio Petzl Para Bombeiro Regulamento Campeonato Internacional de Técnica Verticai e Regate A Spelaion, ditribuidor excluivo Petzl no Brail e o Corpo de Bombeiro de Goiá, etá organizando o Primeiro

Leia mais

Introdução a Robótica

Introdução a Robótica Introdução a Robótia Índie Analítio Introdução.... Robô Indutriai.... O Etado da Arte.... Apliaçõe e Benefíio.... Fundamento da Tenologia em Robótia...8. Braço Meânio...8 Tipo de Junta...8 Grau de Liberdade...9

Leia mais

PROTEÇÃO PARA CABOS SUBTERRÂNEOS/SUBMARINOS USANDO ESQUEMA DE COMPARAÇÃO DIRECIONAL DE SEQÜÊNCIA-NEGATIVA

PROTEÇÃO PARA CABOS SUBTERRÂNEOS/SUBMARINOS USANDO ESQUEMA DE COMPARAÇÃO DIRECIONAL DE SEQÜÊNCIA-NEGATIVA PROTEÇÃO PARA CABOS SUBTERRÂNEOS/SUBMARINOS USANDO ESQUEMA DE COMPARAÇÃO DIRECIONAL DE SEQÜÊNCIA-NEGATIVA Jesús Vargas INELAP-PQE. Guadalajara, Jal. Méxio Arando Guzán Shweitzer Engineering Laboratories

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

Algoritmo para a simulação computacional da colisão tridimensional de dois corpos

Algoritmo para a simulação computacional da colisão tridimensional de dois corpos Algorito para a siulação coputacional da colisão tridiensional de dois corpos André C. Sila, Aérico T. Bernardes Departaento de Engenharia de Minas Uniersidade Federal de Goiás (UFG) A. Dr. Laartine Pinto

Leia mais

Talhas Elétricas de Corrente Troles Elétricos e Manuais

Talhas Elétricas de Corrente Troles Elétricos e Manuais Talhas Elétricas de orrente Troles Elétricos e Manuais Talha Elétrica de orrente odestar Talha Elétrica de orrente odestar ap. No.( t) *Vel. Elevação Motor (P) Trao correntes ap. No.( t) *Vel. Elevação

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída.

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída. Prof. Celso Módulo 0 83 SISTEMAS DE CONTOLE DE POSIÇÃO Objetivo: converter u coando de posição de entrada e ua resposta de posição de saída. Aplicações: - antenas - braços robóticos - acionadores de disco

Leia mais

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo Eliana S. de Souza raa Índice Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico... Exercícios... Gabarito... Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico Lançaento horizontal x oiento ertical queda

Leia mais

Unidade Símbolo Grandeza

Unidade Símbolo Grandeza Unidade Prefixo Noe Síbolo Fator Multiplicador Noe Síbolo Fator Multiplicador exa E 10 18 deci* d 10-1 peta P 10 15 centi* c 10 - tera T 10 1 ili* 10-3 giga* G 10 9 icro* 10-6 ega* M 10 6 nano n 10-9 quilo*

Leia mais

Soluções em manejo florestal eficiente.

Soluções em manejo florestal eficiente. Soluções e anejo florestal eficiente. Leveza Utiliza ateriais co alta resistência e chapas de espessura reduzida, oferecendo baixo peso e garantindo aior capacidade de carga. Baixo Custo Laço de angueiras

Leia mais

RESUMO 01: SEÇÃO RETANGULAR ARMADURA SIMPLES E DUPLA

RESUMO 01: SEÇÃO RETANGULAR ARMADURA SIMPLES E DUPLA 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 8 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 01: SEÇÃO RETNGULR RDUR SIPLES E DUPL TERIIS - ço y y 1,15 C 50 y 5000 g / m y 4348 g / m σ y tração Diagrama

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente:

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente: Questão 46 gasto pela pedra, entre a janela do 1 o piso e a do piso térreo, é aproxiadaente: A figura ostra, e deterinado instante, dois carros A e B e oviento retilíneo unifore. O carro A, co velocidade

Leia mais

5 de Fevereiro de 2011

5 de Fevereiro de 2011 wwq ELECTRÓNICA E INSTRUMENTAÇÃO º Exae 010/011 Mestrado Integrado e Engenharia Mecânica Licenciatura e Engenharia e Arquitectura Naval 5 de Fevereiro de 011 Instruções: 1. A prova te a duração de 3h00

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

ESTUDOS DA DINÂMICA DE UM SISTEMA ELÉTRICO COM GERADORES DE INDUÇÃO EQUIPADOS COM REGULADORES DE VELOCIDADE

ESTUDOS DA DINÂMICA DE UM SISTEMA ELÉTRICO COM GERADORES DE INDUÇÃO EQUIPADOS COM REGULADORES DE VELOCIDADE ESTUDOS DA DINÂMICA DE UM SISTEMA ELÉTRICO COM GERADORES DE INDUÇÃO EQUIPADOS COM REGULADORES DE VELOCIDADE Cláudio Leo de Souza *, Geraldo Caixeta Guiarãe *, Adélio Joé de Morae *3 e Luciano Martin Neto

Leia mais

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Hector M. O. Hernandez e André P. Assis Departaento de Engenharia Civil & Abiental, Universidade de Brasília, Brasília,

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE Tatiana Turina Kozaa 1 Graziela Marchi Tiago E diversas áreas coo engenharia, física, entre outras, uitas de suas aplicações

Leia mais

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES P U C S PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DO IO GANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHAIA CUSO DE ENGENHAIA CIVIL CONCETO AADO II FLEXÃO SIPLES Prof. Almir Shäffer POTO ALEGE AÇO DE 006 1 FLEXÃO SIPLES 1- Generaliae

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica Índice de Custo Benefício (ICB) de Epreendientos de Geração Terelétrica Metodologia de Cálculo Leilões de Copra de Energia Elétrica Proveniente de Novos Epreendientos de Geração Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori.

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Fíica Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Introdução: Ao uarmo uma chave de roda para retirar o parafuo para trocar o pneu de um automóvel, a roda inteira pode

Leia mais

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departaento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 28/2008 Manipulação,

Leia mais

CARREGADEIRA E RETROESCAVADEIRA 3CX ECO

CARREGADEIRA E RETROESCAVADEIRA 3CX ECO POTÊNIA MÁXIMA DO MOTOR: 63kW (85HP) ou 68,6kW (92HP) PROFUNDIDADE MÁXIMA DE ESAVAÇÃO: 4,75 etros APAIDADE MÁXIMA DA ARREGADEIRA: 1,1³ G H F D E J B K A DIMENSÕES GERAIS As retroescavadeiras JB conta co

Leia mais

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória.

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória. Reolução do Problema de Carregamento e Decarregamento 3D de Contêinere em Terminai Portuário para Múltiplo Cenário via Repreentação por Regra e Algoritmo Genético Aníbal Tavare de Azevedo (UNICAMP) anibal.azevedo@fca.unicamp.br

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA

TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA Diego de M. Rodrigue 1,2, Maria Iaura P. de Oliveira 1,2, Maria Aline de O. Freire 1,3, Lígia R. Sampaio 1,2, Walker

Leia mais

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1:

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1: apítuo I Seja um corpo ob a ação de eforço externo em equiíbrio, como motra a figura I-1: Figura I-3 Eforço que atuam na eção para equiibrar o corpo Tome-e, agora, uma pequena área que contém o ponto,

Leia mais

Modelagem de Edificações com Multi-Pavimentos em Concreto Pré-Moldado. Joaquim E Mota

Modelagem de Edificações com Multi-Pavimentos em Concreto Pré-Moldado. Joaquim E Mota Modelagem de Edificações com Multi-Pavimentos em Concreto Pré-Moldado. Joaquim E Mota MOTIVAÇÃO A CRECENTE UTILIZAÇÃO DE ETRUTURA DO TIPO MULTI-PIO DE CONCRETO PRÉ-MOLDADO ETUTURA TIPO EQUELETO OU RETICULADA

Leia mais

MODULAÇÃO EM AMPLITUDE

MODULAÇÃO EM AMPLITUDE RINCÍIOS DE COMUNICAÇÃO II MODULAÇÃO EM AMLITUDE Vaos iniciar o rocesso a artir de ua exressão que define sinais de tensão cossenoidais no teo, exressos genericaente or : e () t = E cos ω () t x x x onde

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS BIÓTICOS E ABIÓTICOS DA RESTAURAÇÃO DA MATA CILIAR DE NASCENTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO

ANÁLISE DOS RESULTADOS BIÓTICOS E ABIÓTICOS DA RESTAURAÇÃO DA MATA CILIAR DE NASCENTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 164 ANÁLISE DOS RESULTADOS BIÓTICOS E ABIÓTICOS DA RESTAURAÇÃO DA MATA CILIAR DE NASCENTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO Carla Tiemi Fukumoto; Renata Ribeiro de Araújo. Engenharia Ambiental. Departamento

Leia mais

consumidores por hora. Uma média de três clientes por hora chegam solicitando serviço. A capacidade

consumidores por hora. Uma média de três clientes por hora chegam solicitando serviço. A capacidade D i i l i n a : P e u i a O e r a i o n a l C u r o : E e i a l i z a ç ã o e m M é t o d o Q u a n t i t a t i v o : E t a t í t i a e M a t e m á t i a A l i a d a i t a d o i d e e x e r í i o o b r

Leia mais

UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES

UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES George Martins Silva Universidade Estadual do Ceará - UECE Av. Dr. Silas Munguba,

Leia mais

Observação: CURSOS MICROSOFT

Observação: CURSOS MICROSOFT Obervação: O material utilizado nete curo é de propriedade e ditribuição da emprea Microoft, podendo er utilizado por qualquer peoa no formato de ditribuição WEB e leitura em PDF conforme decrito na lei

Leia mais

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida.

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida. Diciplina de Fíica Aplicada A / Curo de Tecnólogo em Geão Ambienal Profeora M. Valéria Epíndola Lea. Aceleração Média Já imo que quando eamo andando de carro em muio momeno é neceário reduzir a elocidade,

Leia mais

Exercícios Resolvidos de Biofísica

Exercícios Resolvidos de Biofísica Exercício Reolvido de Biofíica Faculdade de Medicina da Univeridade de oimbra Exercício Reolvido de Biofíica Metrado ntegrado em Medicina MEMBRNS HOMOGÉNES Exercício 1. Numa experiência com uma membrana

Leia mais

Fotografando o Eclipse Total da Lua

Fotografando o Eclipse Total da Lua Fotografando o Eclipe Total da Lua (trabalho apreentado para o Mueu de Atronomia e Ciência Afin) http://atrourf.com/diniz/artigo.html Autor: Joé Carlo Diniz (REA-BRASIL) "Você pode e deve fotografar o

Leia mais

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn IV Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler E Diagraas de Venn - 124 - Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler e Diagraas de Venn Para eplicar o que é o Método Sibólico e e que aspecto difere

Leia mais

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição Revisão 05 07/2015 NORMA ND.22 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejaento e Operação Rua

Leia mais

Normas para o Projeto das Estradas de Rodagem

Normas para o Projeto das Estradas de Rodagem MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Noras para o Projeto das Estradas de Rodage Aprovadas pelo Senhor Ministro da Viação e Obras Públicas consoante Portarias núeros

Leia mais

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014:

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014: Pecando direito Boletim Jurídico do CPP/ Abril de 2015. 1ª edição. Medida Proviória nº 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre a MP' 664 e 665 de 2014: Em 30 dezembro de 2014 foram promulgada a Medida

Leia mais

Resolução Física. Atividades 2. FM.09 1. e Após abandonar a mão do jogador, a bola só sofre a ação exclusiva da força peso. FM.10 1.

Resolução Física. Atividades 2. FM.09 1. e Após abandonar a mão do jogador, a bola só sofre a ação exclusiva da força peso. FM.10 1. eolução Fíica FM.09. e pó abandonar a mão do jogador, a bola ó ofre a ação excluia da força peo.. c Como a força formam 90 entre i e têm o memo módulo (), temo: F Como ele dece em MU, a força reultante

Leia mais

Componentes de um sistema de realidade virtual

Componentes de um sistema de realidade virtual p prograação Coponentes de u sistea de realidade virtual Neste artigo apresenta-se a idéia de u projeto que perite a siulação de u passeio ciclístico utilizando a realidade virtual. Os sentidos do ciclista

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO IMPULSO E QUNTIDDE DE MOVIMENTO 1. Ua bolinha se choca contra ua superfície plana e lisa co velocidade escalar de 10 /s, refletindo-se e seguida, confore a figura abaixo. Considere que a assa da bolinha

Leia mais

Desempenho notável... excepcional relação qualidade-preço

Desempenho notável... excepcional relação qualidade-preço Empihadore ontrapeado a diee e GPL de 4 roda 1.5 3.5 toneada S FD/FG15N FD/FG18N FD/FG0CN FD/FG0N FD/FG5N FD/FG30N FD/FG35N Deempenho notáve... eepiona reação quaidade-preço Deenvovido para ajudar o eu

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departaento de Engenaria Elétrica AVALIAÇÃO DO MODELO DE TANSFOMADOES EM FUNÇÃO DA FEQUÊNCIA Por Alexandre de Castro Moleta Orientador: Prof.Dr. Marco Aurélio

Leia mais

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc.

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc. TRANSMISSÃO DE CAOR II Prof. Eduardo C. M. oureiro, DSc. MECANISMOS FÍSICOS T T at A condenação ocorre quando a temperatura de um vapor é reduzida a vaore inferiore ao de ua temperatura de aturação. Em

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

Bomba ligeira para águas residuais Gama ABS MF 154-804 Bomba submersível trituradora Gama ABS Piranha 08 & 09

Bomba ligeira para águas residuais Gama ABS MF 154-804 Bomba submersível trituradora Gama ABS Piranha 08 & 09 Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF 154-804 Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha 08 & 09 1010-00 15975131PT (08/2015) PT Instalação e Manual de Instruções www.sulzer.o 2 Instalação e Manual

Leia mais

Aula do capítulo 1. 11 de março de 2009

Aula do capítulo 1. 11 de março de 2009 Aula do caítulo de arço de 009 coceito fluido tesão de cisalhaeto equação de estado classificação fluidos Caítulo Itrodução, defiição e roriedades dos fluidos ideal escoaeto icoressíel fluido //009 - lei

Leia mais

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 024 Sistea de chuveiros autoáticos para áreas de depósitos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Nora de Procediento Técnico 104páginas SUMÁRIO 1 2 3 4 5 Objetivo

Leia mais

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash.

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash. Teoria dos Jogos. Introdução A Teoria dos Jogos é devida principalente aos trabalhos desenvolvidos por von Neuann e John Nash. John von Neuann (*90, Budapeste, Hungria; 957, Washington, Estados Unidos).

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

Capítulo 14. Fluidos

Capítulo 14. Fluidos Capítulo 4 luidos Capítulo 4 - luidos O que é u luido? Massa Especíica e ressão luidos e Repouso Medindo a ressão rincípio de ascal rincípio de rquiedes luidos Ideais e Moviento Equação da continuidade

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 EDITAL CONVITE Nº 009/2011-CPL/GPDP Proceo Adminitrativo nº 0221/2011 -CPL/GDPG A, atravé da Comião Permanente de Licitação, intituída pela Portaria nº 383/2011-GDPG, datada de 08/07/2011, da Exma. Sra.

Leia mais

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS 3 a 6 de outubro de 0 Univeridade Federal Rural do Rio de Janeiro Univeridade Severino Sombra aoura RJ ESTUDOS EXPERIMENTIS SOBRE LIÇÃO DS PROPRIEDDES DE FLUIDOS DE PERFURÇÃO EM MEIOS POROSOS NISOTRÓPICOS.

Leia mais

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O M É T O D O S Q U A N T I T A T I V O S E I N F O R M Á T I C A PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO Leila Lage Hume lhume@up.br

Leia mais

METAHEURÍSTICAS SIMULATED ANNEALING E BUSCA TABU APLICADAS AO PROBLEMA OTIMIZAÇÃO EM REDES DE VIDECONFERÊNCIA

METAHEURÍSTICAS SIMULATED ANNEALING E BUSCA TABU APLICADAS AO PROBLEMA OTIMIZAÇÃO EM REDES DE VIDECONFERÊNCIA METAHEURÍSTICAS SIMULATED ANNEALING E BUSCA TABU APLICADAS AO PROBLEMA OTIMIZAÇÃO EM REDES DE VIDECONFERÊNCIA Thiago Curvelo do Anjo Prograa de Pó-Graduação e Inforática Univeridade Federal da Paraíba

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria.

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria. Hydro Z Unikap atua na construção civil, e instalações hidráulicas prediais, residenciais, coerciais e industriais, co ais de il itens produzidos confore as noras vigentes, garantindo total segurança na

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 2. ORIENTAÇÃO DE CONSULTA À NORMA... 5 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES... 6

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 2. ORIENTAÇÃO DE CONSULTA À NORMA... 5 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES... 6 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-0 ÍNDICE. INTRODUÇÃO... 5. ORIENTAÇÃO DE CONSULTA À NORMA... 5 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES...

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

RETROESCAVADEIRA COMPACTA 1CX

RETROESCAVADEIRA COMPACTA 1CX RTROSVDIR OMPT POTÊNI MÁ. DO MOTOR. 6,kW (9 hp) PROUNDIDD MÁ. D SVÇÃO D RTRO:,55 etros PIDD MÁ. D RRGDIR: 60 H K D G DIMNSÕS, OM MÁQUIN STÁTI Modelo da áquina ltura total ltura total (cabine baixa) Largura

Leia mais

Bomba submersível para águas residuais Gama ABS AS 0530-0841

Bomba submersível para águas residuais Gama ABS AS 0530-0841 Boba subersível para águas residuais Gaa ABS AS 0530-0841 15975045PT (02/2015) 1006-00 PT Instalação e Manual de Instruções www.sulzer.o 2 Instalação e Manual de Instruções (Tradução das instruções originais)

Leia mais

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s Incluão Social do Joven no Aentamento Rurai de Areia com ênfae no trabalho da Tutoria e recuro da nova TIC MIRANDA 1, Márcia C.V.; SILVA 2, Fátima do S.; FÉLIX 3, Jânio 1 Profeora orientadora e coordenadora

Leia mais

JCB Multicarregadora Telescópica 531-70 DIMENSÕES ESTÁTICAS ALTURA MÁX. DE ELEVAÇÃO: Dimensões em m. Dimensões em m 531-70 531-70 2.49 0.

JCB Multicarregadora Telescópica 531-70 DIMENSÕES ESTÁTICAS ALTURA MÁX. DE ELEVAÇÃO: Dimensões em m. Dimensões em m 531-70 531-70 2.49 0. CARGA MÁX. ÚTIL ALTURA MÁX. DE ELEVAÇÃO: 3.1 Ton. 7 Metros DIMENSÕES ESTÁTICAS Diensões e 531-70 Diensões e 531-70 A Altura total 2.49 H Altura ao solo 0.40 B Largura total (aos pneus)* 2.23 Raio de virage

Leia mais

Prismas, Cubos e Paralelepípedos

Prismas, Cubos e Paralelepípedos Prisas, Cubos e Paralelepípedos 1 (Ufpa 01) Ua indústria de cerâica localizada no unicípio de São Miguel do Guaá no estado do Pará fabrica tijolos de argila (barro) destinados à construção civil Os tijolos

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M.

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROMECÂNICA CONTROLO DE SISTEMAS APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox Pedro Dini Gapar António Epírito Santo J. A. M. Felippe de Souza

Leia mais

Estrada de Rodagem Lei de Balança

Estrada de Rodagem Lei de Balança Estrada de Rodagem Lei de Balança Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Modo Rodoviário - Pesos e Dimensões A legislação vigente para pesos e dimensões dos

Leia mais

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE Aociação de Profeore de Matemática Contacto: Rua Dr. João Couto, n.º 7-A 1500-36 Liboa Tel.: +351 1 716 36 90 / 1 711 03 77 Fax: +351 1 716 64 4 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

Calcular os pilares, a viga intermediária e a viga baldrame do muro de arrimo misto indicado na figura 40. Dados:

Calcular os pilares, a viga intermediária e a viga baldrame do muro de arrimo misto indicado na figura 40. Dados: 8.. uro e arrimo mito Calcular o pilare, a viga intermeiária e a viga balrame o muro e arrimo mito inicao na figura 4. Dao: Peo epecífico aparente o olo: 3 γ 18 kn/m ; Angulo e atrito natural o olo: j

Leia mais

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica Índice de Custo Benefício (ICB) de Epreendientos de Geração Terelétrica Metodologia de Cálculo Coordenação Geral Maurício Tiono Tolasqui José Carlos de Miranda Farias Equipe Técnica Danielle Bueno de Andrade

Leia mais

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações Atlas Copco Copressores de Ar Portáteis Maior produtividade e todas as situações XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX A Atlas Copco é líder undial e copressores de ar portáteis,

Leia mais

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1 Uo do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expreão de Subjetividade e de Identificação 1 Élida Fabiani Morai de CRISTO; Haroldo França REBOUÇAS Neto; Jacklene de Souza CARRÉRA; Keila Marina

Leia mais