AVALIAÇÃO DO PADRÃO DE RECRUTAMENTO DE FIBRAS DO MESMO GRUPO MUSCULAR, ATRAVÉS DA ELETROMIOGRAFIA EM DIFERENTES MOVIMENTOS DE MUSCULAÇÃO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO PADRÃO DE RECRUTAMENTO DE FIBRAS DO MESMO GRUPO MUSCULAR, ATRAVÉS DA ELETROMIOGRAFIA EM DIFERENTES MOVIMENTOS DE MUSCULAÇÃO."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DEIVID CLARINDA AVALIAÇÃO DO PADRÃO DE RECRUTAMENTO DE FIBRAS DO MESMO GRUPO MUSCULAR, ATRAVÉS DA ELETROMIOGRAFIA EM DIFERENTES MOVIMENTOS DE MUSCULAÇÃO. CRICIÚMA, JUNHO DE 2009.

2 1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DEIVID CLARINDA AVALIAÇÃO DO RECRUTAMENTO DE FIBRAS DO MESMO GRUPO MUSCULAR, ATRAVÉS DA ELETROMIOGRAFIA, EM DIFERENTES MOVIMENTOS DE MUSCULAÇÃO Monografia apresentada ao Setor de Pós-graduação em Lato Sensu Fisiologia do Exercício da Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC, como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Fisiologia do Exercício para o magistério superior. Orientador(a): Prof.(a) Carlos Alexandre Habitante CRICIÚMA, JUNHO DE 2009

3 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS TIPO DE PESQUISA ABORDAGEM METODOLÓGICA APLICAÇÃO DO TESTE ANÁLISE ESTATÍSTICA POPULAÇÃO E AMOSTRA INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS Utilização do Instrumento CARACTERIZAÇÃO DO LOCAL DE ESTUDO RESULTADOS Bíceps Tríceps Deltóide Medial Peitoral Maior DISCUSSÃO CONCLUSÃO CRONOGRAMA...33 REFERENCIAS...34

4 3 1 INTRODUÇÃO Atualmente, um número crescente de indivíduos tem se engajado em programas sistematizados de atividades físicas buscando uma melhor composição corporal e, conseqüentemente, uma melhor qualidade de vida. Dentre as modalidades mais procuradas, a musculação ou treinamento de força tem um papel de destaque, sendo o carro chefe de academias e clubes. Os exercícios resistidos (Musculação) são reconhecidos como os mais eficientes para modificar favoravelmente a composição corporal e o aumento de força dos indivíduos praticantes. Para esse efeito, contribuem para o aumento de massa muscular, o aumento da massa óssea calcificada, e a redução da gordura corporal (WILMORE et al, 1978). O grande atrativo da musculação para pessoas jovens são os efeitos modeladores do corpo, tanto para o homem quanto para a mulher. Para desportistas, o objetivo costuma ser a melhora do desempenho físico. Nos últimos anos, no entanto, numerosos trabalhos científicos têm demonstrado os importantes efeitos dos exercícios com pesos para os indivíduos que se engajam nesta modalidade como na perda de mobilidade e atrofia muscular, no aumento da massa óssea e no treinamento físico, embora não sejam os ideais para aumentar a resistência para esforços contínuos de baixa intensidade. Por outro lado, aumentam a capacidade de trabalho físico estimulando a força e a resistência muscular, a flexibilidade, e a capacidade de aceleração (SANTAREM, 2001). Hipertrofia, segundo Santarém (1995): È o aumento no tamanho das fibras musculares devido ao acúmulo de substâncias contráteis, actina e miosina, e de substâncias não contráteis, principalmente glicogênio e água, no sarcoplasma das fibras musculares. Coutinho (2001), relata que a manutenção ou aumento da massa muscular representa também um aumento na taxa metabólica basal, ou seja, quando o indivíduo consegue provocar hipertrofia muscular pela prática de exercícios contra resistência, provoca também o aumento da massa corporal metabolicamente ativa, fazendo com que o seu gasto energético em repouso seja maior. Os praticantes do treinamento de força buscam, através da hipertrofia muscular, uma maior relação entre massa magra/massa gorda, além do ganho de

5 4 massa muscular, o uso de sobrecarga pode atuar diretamente na redução do tecido adiposo dos praticantes. Neste sentido, existe um grande número de exercícios de força para cada grupo muscular, levando em consideração os princípios de treinamento existentes na musculação e oferecendo aos seus praticantes, um leque considerável de atividades físicas para seus objetivos específicos, sendo estes objetivos hipertrofia muscular, resistência muscular, definição muscular, manutenção da massa magra corporal ou qualidade de vida (DUPLER & CORTES, 1993). Os ganhos de força são atingidos pelo maior recrutamento de unidades motoras (WIRHED, 1986; CAILLIET, 1974), do que pela maior velocidade na solicitação de unidades contráteis (CAILLIET, 1974). O aumento de força está na dependência do maior esforço voluntário, boa função do sistema nervoso central e melhor função simpática e da placa motora (CAILLIET, 1974). O tecido muscular só é ativado quando se aplica tensão sobre suas fibras, caso isso não ocorra ele não se beneficia com o treinamento (FLECK et al., 1999; SANTAREM,1995 ;1999). O treinamento com pesos desenvolve não apenas a força muscular e a flexibilidade, mas a capacidade de prolongar esforços, tanto de alta quanto de baixa intensidade, apesar de não aumentar a capacidade aeróbia das pessoas (DUDLEY, 1988; FRONTERA et al, 1994; WILMORE et al, 1978). Eletromiografia é um método científico utilizado para medir o grau de excitabilidade (sinais elétricos) de um determinado músculo ou de vários grupamentos musculares. Um eletromiógrafo representa a atividade elétrica das unidades motoras e a freqüência da contração de cada músculo examinado. (DE LUCA, et al. 1982, MORITANI, et al.1987, apud BOMPA, 2000). A eletromiografia tem se tornado um instrumento de pesquisa essencial, possibilitando calcular o papel dos músculos em determinados movimentos. (MELO e CAFARELLI, 1994; 1995, apud BOMPA, 2000). Diante das características e efeitos deste tipo de exercício, este estudo visou apontar quais exercícios podem ser mais eficazes no fortalecimento e hipertrofia de alguns músculos dos membros superiores.

6 5 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A massa corporal magra é composta principalmente de massa óssea e de massa muscular magra, a qual constitui grande parte do peso corporal total, cerca de 30% a 50% e são responsáveis por 90% do metabolismo (BAILEY, 1994; SANTARÉM, 1995). Os músculos são cobertos por uma bainha de tecido conectivo fibroso, conhecido como epimísio. Cada feixe é envolvido por outra camada do mesmo tecido chamado perimísio. O feixe é constituído por milhares de fibras musculares, cada uma envolvida por um tecido conectivo, denominado endomísio, e estas várias bainhas de tecido conectivo se misturam, formando o tendão do músculo estriado esquelético. (KISNER e COBY, 1988). Cerca de 40% do corpo são compostos por músculos esqueléticos, totalizando 656 músculos, e quase outros 10% são formados por músculos liso e cardíaco (BOMPA, 2000; GUYTON, 2002). O músculo esquelético produz força ativando e regulando o padrão de freqüência das unidades motoras, que aumenta progressivamente, a fim de elevar a produção de força muscular. (BOMPA, 2000). As fibras musculares esqueléticas são inervadas por fibras mielínicas grossas, originadas nos grandes motoneurônios da ponta anterior da medula espinhal (GUYTON, 2002). O músculo esquelético de um adulto, segundo SALTIN e GOLLNIK (1983), é formado por quantidades iguais de fibras de contração lenta (Tipo I) e de contração rápida (Tipo II). As fibras de contração lenta apresentam um maior fluxo sanguíneo, uma maior densidade capilar e também um maior número de mitocôndrias. Este tipo de fibra é bastante resistente à fadiga, desde que o fluxo sanguíneo seja mantido. As fibras de contração rápida são subdivididas em dois grupos: o Tipo IIa, que apresenta um elevado fluxo sanguíneo, assim como alta densidade capilar e maior número de mitocôndrias, também as fibras do Tipo IIb têm um metabolismo oxidativo elevado e são resistentes à fadiga. Cossenza & Rodrigues (1985), aconselham que o homem tenha sua massa muscular magra no mínimo em torno de 41,8% do peso corporal total e as mulheres cerca de 35,8%. BARBOSA et al. (2000), concordam que tanto homens como mulheres são capazes de se beneficiar com o treinamento resistido aumentando sua força e nesse aumento não foi observado diferenças relativas.

7 6 A terminação nervosa forma uma junção, chamada de placa motora ou junção neuromuscular, nessas terminações nervosas existem muitas mitocôndrias que fornecem energia, principalmente para a síntese do transmissor excitatório acetilcolina que, por sua vez, excita a fibra muscular (GUYTON, 2002). Toda atividade física produz estímulos para aumento da massa muscular, contrapondo-se ao sedentarismo que leva à diminuição progressiva do volume dos músculos esqueléticos. Por razões didáticas, propomos que as sobrecargas funcionais que ocorrem no músculo esquelético em atividade sejam denominadas sobrecarga tensional e sobrecarga metabólica. Sobrecarga tencional refere-se ao aumento de tensão no músculo em atividade, que é diretamente proporcional à resistência oposta ao movimento e ao grau de ativação dos mecanismos contráteis. Sobrecarga metabólica, no caso do tipo energético, designa o aumento de atividade dos processos de produção de energia. Ambas as sobrecargas contribuem para o aumento de volume dos músculos esqueléticos, por diferentes mecanismos. (SANTAREM, 2001) Cornacchia (2000), constatou que, em todo indivíduo praticante do treinamento com pesos que está em período de destreinamento, o corpo não pode recrutar o mesmo número de unidades motoras que poderia durante o período de treinamento, resultando na perda de força pelo músculo de 3% a 4% ao dia já na primeira semana de inatividade. Em relação aos tipos de fibras musculares, as do Tipo IIb entram em fadiga rapidamente quando são requisitadas para a contração muscular. O organismo adapta-se ao aumento de intensidade de exercício (de suave para moderado a intenso) pela utilização de maior número de fibras em geral na seguinte ordem: Tipo I, Tipo IIa e Tipo IIb. Sabendo-se as características dos tipos de fibras, é fácil entender porque o desempenho atlético pode ser facilmente prolongado de intensidade submáxima e de curta duração até aquele de alta intensidade. Sabe-se que as adaptações das fibras musculares induzidas pelo treinamento não promovem alterações significativas entre as fibras de contração lenta (Tipo I) e contração rápida (Tipo II). O elevado número de fibras de contração lenta (70% a 90%) que se observa em atletas de resistência de alto nível provavelmente é genético e não devido ao treinamento (FINK et al, 1977). Fox (2000), observou algumas modificações na composição bioquímicas e nas próprias fibras, no músculo esquelético, após os programas de treinamento com

8 7 pesos: Aumentos nas concentrações da creatina muscular (de 39%), da fosfocreatina (de 22%), do ATP (de 18%) e do glicogênio (de 66%); um desvio no percentual de fibras Tipo IIB para Tipo IIA em virtude dos programas de treinamento tanto de força quanto de endurance; uma hipertrofia seletiva das fibras Tipo II evidenciada por aumentos na relação da área de fibras Tipo II/Tipo I e por um retardo de sua perda; e nenhuma interconversão das fibras Tipo I para o Tipo II. Os resultados provenientes do treinamento resistido vêm exclusivamente nos segmentos trabalhados e quando se utiliza principalmente os movimentos em sua total amplitude, com ritmo lento ou moderado e com respiração continuada (POLLOCK et al. 1998). Hipertrofia segundo Santarém (1995),: É o aumento no tamanho das fibras musculares devido ao acúmulo de substâncias contráteis, actina e miosina, e de substâncias não contráteis, principalmente glicogênio e água, no sarcoplasma das fibras musculares. O treinamento com características anaeróbicas, como o treinamento com pesos e provas curtas, resulta em músculos mais volumosos, o que seria explicado pelo aumento de miofibrilas, aumento do volume sarcoplasmático e ou aumento de tecido conjuntivo. (GUIMARÃES NETO, 2002). O acúmulo de ácido lático no músculo durante uma sessão de treinamento de musculação causa a fadiga muscular, ocorrendo a diminuição da atividade contrátil (CORNACCHIA, 2000). A fadiga dentro do mecanismo contrátil do músculo pode ser causada por vários fatores como o acúmulo de ácido lático, depleção das reservas de ATP e PC, depleção das reservas de glicogênio muscular e falta de oxigênio e de um bom fluxo sanguíneo (FOX, 2000). O tecido muscular só é ativado quando se aplica tensão sobre suas fibras, caso isso não ocorra ele não se beneficia com o treinamento (FLECK et al., 1999; SANTAREM,1995 ;1999). Essa tensão deve ser de pelo menos 2/3 da força total do músculo (SHARKEY, 1999), ou que seja superior a normalmente suportada (MONTEIRO, 1997 & POLLOCK et al., 1986). Força é a habilidade que tem um músculo ou grupo muscular para desenvolver tensão e força resultantes em um esforço máximo, tanto dinâmica quanto estaticamente em relação às demandas feitas a ele (KISNER e COLBY, 1998, apud KAMEL, 2004). Os ganhos de força são devido à capacidade dos músculos desenvolverem tensão e a do sistema nervoso ativá-los (POLLOCK et al., 1986),

9 8 dentre os mecanismos para aumentar a força, os principais são o maior número de miofibrilas, a melhor coordenação neuromuscular e a maior solicitação de unidades motoras (KISNER, 1992 & SANTAREM,1999). São atingidos pelo maior recrutamento de unidades motoras (WIRHED, 1986; CAILLIET, 1974), do que pela maior velocidade na solicitação de unidades contráteis (CAILLIET, 1974). O aumento de força está na dependência do maior esforço voluntário, boa função do sistema nervoso central e melhor função simpática e da placa motora (CAILLIET, 1974). Baechle & Groves (2000), diz que a força que se pode desenvolver com o treinamento é influenciada por alterações neuromusculares que ocorrem durante o processo de aprendizado dos exercícios, aumento da massa muscular e tipo de composição das fibras. Uma adaptação básica que ocorre bioquimicamente e que é induzida pelo treinamento reside no aumento do número de mitocôndrias nas fibras dos músculos (HOLLOSZY, 1967). Parte dos efeitos benéficos do aumento da intensidade do treinamento para induzir as adaptações musculares podem ser atribuídos à intensidade de solicitação das fibras musculares (DUDLEY et al, 1982). Estudo da literatura observou que, treinamentos de força com baixo volume e/ou intensidade não promove mudanças significativas no corpo do praticante; porém, volume e/ou intensidade em excesso pode acarretar mais catabolismo do que o anabolismo (GUIMARÃES NETO, 2002). Os ganhos continuados na força muscular são em sua maior parte associados aos aumentos na massa muscular. À medida que a área de seção transversa do músculo torna-se maior aumenta também a capacidade do músculo de desenvolver força. Dessa forma, o fator neural responde pelos ganhos iniciais de força muscular, enquanto os aumentos da massa muscular são responsáveis pelas mudanças que ocorrem mais tarde (BAECHLE & GROVES, 2000). O treinamento de exercícios contra resistência faz com que ocorra aumento de força (LEIGHTON, 1987; CAILLIET, 1974) e hipertrofia muscular (SANTARÉM, 1995; CAILLIET, 1974), e esta é semelhante em indivíduos de diferentes faixas etárias (FLECK, 1993).

10 9 Endurance Muscular Local segundo Fox (2000), é definida como: Aptidão ou capacidade de um grupo muscular em realizar contrações repetidas (Isotônicas, Isocinéticas ou excêntricas) contra uma carga, ou em manter uma contração (Isométrica) por um período de tempo prolongado. O treinamento com pesos para Hipertrofia Muscular utiliza predominantemente o combustível específico do sistema anaeróbio (ATP/CP), portanto, o treinamento deve depletar essas reservas energéticas, comprometendo a energia disponível para o músculo trabalhado, com isso, o músculo é forçado a adaptar-se, aumentando a sua capacidade de transporte de energia, o que resulta no estímulo ao crescimento muscular que por sua vez, estimula a Hipertrofia Muscular. (BOMPA, 2000). Os estudos sugerem que as altas forças no músculo podem induzir alguma forma de dano que promove a hipertrofia, possivelmente pela divisão de células satélites e de sua incorporação nas fibras musculares preexistentes (FOX, 2000). Coutinho (2001) relata que a manutenção ou aumento da massa muscular representa também um aumento na taxa metabólica basal, ou seja, quando o indivíduo consegue provocar hipertrofia muscular pela prática de exercícios contra resistência, provoca também o aumento da massa corporal metabolicamente ativa, fazendo com que o seu gasto energético em repouso seja maior. Os ganhos de massa muscular proveniente do treinamento diferem de indivíduo para indivíduo devido ao potencial individual para o desenvolvimento, estrutura física e composição corporal (LEIGHTON, 1987). A faixa considerada útil para hipertrofia muscular é compreendida entre uma e 20 repetições. Cargas entre % da máxima, executadas de uma a três repetições, estimulam principalmente a hipertrofia, cargas entre 75-85% da carga máxima que permita executar de seis a 12 repetições favorece a hipertrofia e melhora a vascularização e cargas entre 60-75% da máxima que permita de repetições favorecem principalmente a hidratação e vascularização, e a hipertrofia em menores níveis (SANTAREM, 1999). Quando se objetiva treinar com pesos para esportes que exijam muita força, para Fleck & Kraemer apud. Sharkey (1999), os ciclos de treinamento devem variar de 4-12 semanas. Os ciclos são: a) hipertrofia, RM com carga baixa;

11 10 b) força, 2 6 RM com carga intermediária; c) força adicionada, 2-4 RM com carga elevada; d) fase de pique, 1-3 RM com carga muito alta. O treinamento de força usando cargas altas e baixa velocidade na fase concêntrica leva a uma melhora na força máxima, porém com ganhos reduzidos em outros padrões de velocidade (FLECK & KRAEMER, 1999; ZATSIORSKY, 1999). Aumento da massa muscular é a adaptação morfológica mais evidente induzida pelos exercícios com pesos. Força é a adaptação funcional que sempre acompanha os níveis de massa muscular. (FIATARONE et al, 1994). Para Fox (2000), o aumento do músculo que resulta dos programas de treinamento com pesos é devido principalmente a um aumento na área transversal de cada fibra muscular. Esse aumento no diâmetro da fibra é denominado hipertrofia; uma diminuição no tamanho recebe a designação de atrofia. No músculo não-treinado, as fibras variam consideravelmente de diâmetro. O treinamento com peso (sobrecarga) é tido como o mais eficiente para ocasionar o aumento da massa muscular dos praticantes desta modalidade. Uma dessas razões, que pós-treino instala-se um processo de formação de microrrupturas musculares, estas microrrupturas são seguidas de reparação tecidual, o que possivelmente conduza a um processo de supercompensação de síntese protéica intracelular, resultando, assim, em uma cadeia de efeitos anabólicos que são responsáveis pelos ganhos de massa muscular. (GUIMARÃES NETO, 2002). A hipertrofia contribui em menos de 30% para os ganhos de força muscular, a maior contribuição é devido a fatores neurais (POLLOCK et al., 1986). Os melhores resultados são obtidos quando se aplica sobrecarga tensional, ou seja, baixas repetições (3-5) e cargas elevadas (SANTAREM, 1999). Sedentários jovens de meia-idade, tanto homens como mulheres, após seis meses de treinamento resistido demonstram aumentos de 25-30% na força muscular. E quando os indivíduos treinados eram testados nos próprios aparelhos utilizados para treinar e não ergômetros especiais, os resultados de aumento de força foram superiores (POLLOCK et al., 1998). Kraemer, (2001) apud Uchida et al. (2005), destaca que a Hiperplasia não pode justificar mais que 5% do crescimento muscular em determinados indivíduos praticantes da musculação.

12 11 Farinatti (2000), coloca que para se gerar força, é necessário se extrapolar o limiar de despolarização das células musculares através de uma estimulação suficiente. A chegada constante de novos estímulos (somação), de modo a diminuir o período disparo-reação (período de latência) seria a conseqüência do desenvolvimento da força. O treinamento com pesos desenvolve não apenas a força muscular e a flexibilidade, mas a capacidade de prolongar esforços, tanto de alta quanto de baixa intensidade, apesar de não aumentar a capacidade aeróbia das pessoas (DUDLEY, 1988; DUPLER & CORTES, 1993; FRONTERA et al, 1994; WILMORE et al, 1978). Os treinamentos com pesos estimulam o desenvolvimento da capacidade contrátil dos músculos esqueléticos, sua capacidade metabólica, flexibilidade articular, e adaptações cardiovasculares necessárias para os esforços curtos repetidos e relativamente intensos. (SANTAREM, 2001). Fox (2000) analisou que a força de um determinado músculo depende de inúmeros fatores, além de sua área em corte transversal tais como: até que ponto o músculo pode ser ativado por um esforço voluntário, o comprimento global do músculo e a posição na qual é utilizada, a composição por tipos de fibras e a velocidade com que se processa o movimento. Resistência muscular é o tempo máximo em que o indivíduo é capaz de manter a força isométrica ou dinâmica em um determinado exercício. A resistência muscular pode também ser definida como a capacidade de manter a atividade contrátil do músculo. (FLECK e KRAEMER, 1999). A resistência muscular localizada refere-se á capacidade do músculo de trabalhar repetidamente com cargas moderadas por um período longo de tempo, esta melhora na resistência muscular é a capacidade de aumentar o período de tempo antes que ocorra a fadiga muscular, com isso podendo realizar mais repetições (BAECHLE & GROVES, 2000).

13 12 Guilherme Kamel (2004), coloca que: O músculo é composto de elementos elásticos e contráteis. Dependendo da contração muscular, pode-se contrair ou estirar os elementos envolvidos, assim existindo os tipos de contrações musculares que são divididas em: Contração Isométrica (Estática) Tensão muscular aumenta sem movimento articular. Contração Isotônica (Dinâmica) Contração muscular com movimento articular. Sendo subdividida em contrações Concêntrica: a força muscular vence a resistência externa e os músculos se encurtam, aproximando o ponto de inserção e o ponto de origem. E a contração Excêntrica: a força muscular é vencida pela força externa e os músculos se alongam, afastando o ponto de inserção do ponto de origem. Contração Isocinética Contração muscular com movimento articular e resistência constante, durante todo o arco do movimento. Contração Auxotônica Contração muscular isotônica com períodos de contração muscular isométrica. Barbosa (2000), estudando treinamento contra resistência encontraram um aumento significativo na força muscular isotônica, em todos os músculos trabalhados, e os percentuais de aumento variaram de acordo com o exercício. Ao testarem a força de preensão manual, resultou em aumento significativo mesmo não tendo treino específico para os músculos envolvidos na preensão manual, mas esses músculos foram ativados por outros exercícios. Bompa (2000), observou que em treinamento com pesos o trabalho excêntrico cria maior tensão na musculatura do que o trabalho isométrico ou concêntrico. Já que as maiores tensões musculares normalmente equivalem aos maiores ganhos de força, o treinamento de forma excêntrica (negativo) em ganhos de força 10-35% maior em relação aos outros métodos utilizados. Normalmente, no início de um programa de treinamento com pesos, é comum observar grande aumento de força sem que ocorra aumento da massa muscular visível. Existem várias evidências que indicam que este aumento inicial de força deve-se a um maior recrutamento de unidades motoras, que estas unidades motoras são neurônios conectados às fibras musculares, e com a aplicação de uma sobrecarga passam a ser ativadas. (GUIMARÃES NETO, 2002). Bompa (2000), diz que o treinamento é uma atividade complexa, governada por princípios e por controle metodológico, para que os praticantes ou atletas desta modalidade adquiram o máximo de volume e definição muscular. Os princípios são: Variabilidade: não deixar o treinamento cair na monotonia e também poder conhecer vários exercícios diferentes para cada grupamento muscular;

14 13 princípio da Individualidade Biológica: para observarmos que duas pessoas são totalmente diferentes com genéticas diferenciadas, assim necessitando de treinamento diferente; Princípio de adaptação á sobrecarga: procurar durante toda a fase desse período de treinamento estar aplicando uma carga elevada em todas as sessões de treinamento com pesos. A hereditariedade influencia fortemente a composição adulta final das fibras musculares em um processo que começa antes do nascimento, que mostra considerável mudança durante o primeiro ano de vida e que será completado durante os anos de adolescência (FOX, 2000). A musculação ou treinamento de força hoje em dia, está provando que está modalidade esportiva está mudando totalmente o estilo de vida de todos os praticantes que estão se engajando nesta modalidade (BOMPA, 2000). Eletromiografia é um método científico para medir o grau de excitabilidade (sinais elétricos) de um determinado músculo ou de vários grupamentos musculares. Um eletromiografo representa a atividade elétrica das unidades motoras e a freqüência da contração de cada músculo examinado. (DE LUCA, et al. 1982, MORITANI, et al.1987, apud BOMPA, 2000). A eletromiografia tem se tornado um instrumento de pesquisa essencial, possibilitando calcular o papel dos músculos em determinados movimentos. (MELO e CAFARELLI, 1994/1995, apud BOMPA, 2000). Os primeiros relatos sobre as propriedades elétricas dos músculos e nervos foi em 1791 por Luigi Galvani, esse cientista demonstrou a atividade muscular em seguida á estimulação de neurônios e registros de potenciais de fibras nervosas nos estados de contração voluntária em rãs. (SCHMITZ, 1993). Atualmente a eletromiografia (EMG) é empregada na avaliação do alcance da doença neuromuscular ou do traumatismo, e como um instrumento cinesiológico para estudo da função muscular (SCHMITZ, 1993). A técnica para registrar a ativdade elétrica produzida pelo músculo, ou atividade mioelétrica, é conhecida atualmente como eletromiografia (EMG) (HALL, 2000). A eletromiografia é usada para o estudo da função neuromuscular, inclusive a identificação dos músculos que desenvolvem tensão durante um movimento e que movimentos exigem mais ou menos tensão de um determinado músculo ou grupo muscular.

15 14 Para Chaffin (2001): [...] cada músculo tem um número de unidades motoras. Um aumento na tensão pode ocorrer por um aumento na taxa de estimulação de uma dada unidade motora ou pelo recrutamento de unidades motoras adicionais. Assim, sendo que á voltagem de registro de EMG é normalmente a soma de vários potenciais das unidades motoras. Eletromiografia é um método científico para medir o grau de excitabilidade (sinais elétricos) de um determinado músculo ou de vários grupamentos musculares. Um eletromiografo representa a atividade elétrica das unidades motoras e a freqüência da contração de cada músculo examinado. (DE LUCA, et al. 1982, MORITANI, et al.1987, apud BOMPA, 2000). O processo de eletromiografia implica o uso de transdutores conhecidos como eletródios que captam o nível de atividade mioelétrica existente em um local durante um determinado período de tempo (HALL, 2000). A EMG também é usada clinicamente para avaliar as velocidades de condução nervosa e a resposta dos músculos em combinação com o diagnósticos e o rastreamento de condições patológicas do sistema neuromuscular, e os cientistas também utilizam técnicas eletromigráficas para estudar como as unidades motoras individuais respondem aos comandos do sistema nervoso central (HALL, 2000). A eletromiografia tem se tornado um instrumento de pesquisa essencial, possibilitando calcular o papel dos músculos em determinados movimentos. (MELO e CAFARELLI, 1994/1995, apud BOMPA, 2000). Eletromiografia é uma técnica de avaliação neurológica padrão. A eletromiografia (EMG) é a detecção e documentação dos potenciais elétricos das fibras dos músculos esqueléticos. (O SULLIVAN, 1987). A EMG também é usada como instrumento para estudar a atividade muscular durante o movimento para estabelecer a função de vários músculos em atividades específicas. O registro da eletromiografia requer um sistema que compreende eletrodos que capturam os potenciais elétricos (atividade) do músculo em contração (FASE DE INPUT); um amplificador, que processa o pequeno sinal elétrico (FASE DE PROCESSAMENTO); e um decodificador (FASE DE OUTPUT), que permite a visualização e uma completa análise dos dados (SCHMITZ, 1993). A eletromiografia é, em essência, o estudo da capacidade da unidade motora, deve-se lembrar que a eletromiografia somente documenta a atividade

16 15 elétrica já existente no músculo em contração e não introduz energia elétrica para dentro do corpo. (O SULLIVAN, 1987). Vários tipos de eletrodos podem ser usados para monitorizar a EMG, os eletrodos de superfície são pequenos discos metálicos que são fixados na pele sobre o músculo que se quer testar. Dois eletrodos são colocados sobre o centro de um músculo, a uma distância apropriada, geralmente 1 a 2 cm, dependendo do tamanho do músculo, usualmente sobre seu ventre numa direção longitudinal com relação às fibras musculares e o gel de eletrodos é colocado sob os mesmos para facilitar a condução dos potencias elétricos (O SULLIVAN, 1987). O Sullivan (1987), observou que se ocorrer um aumento gradual da contração, permitirá que o eletromiógrafo observe o padrão de excitação do músculo. Com um esforço maior, um número cada vez maior de unidades motoras dispara em freqüências mais altas até que os potenciais individuais sejam somados e não possam mais ser reconhecidos. Então o EMG avalia a atividade de inserção e a atividade com o músculo em repouso e em estados de contração mínima, moderada e forte. Usualmente, o propósito da quantificação do sinal de EMG é a comparação da atividade entre sessões, músculos ou pacientes. Devido à variabilidade inerente nos procedimentos de EMG e às diferenças interindividuais nas características dos movimentos e da anatomia, faz-se necessário algum tipo de normalização para a validação destas comparações (O SULLIVAN, 1993). A relação entre o EMG e a tensão muscular tem sido estudada desde 1952, e continua a ser objeto de muitas pesquisas. È geralmente aceito que há uma relação direta entre a atividade de EMG e o esforço muscular, mas esta relação precisa ser discutida em termos de comprimento muscular e do tipo de contração (O SULLIVAN, 1993). Chaffin (2001), observou que nem todas as fibras musculares de uma unidade motora despolarizam-se e contraem-se simultaneamente, a superposição de vários potenciais resultam no potencial da unidade motora complexo. Ao se colocar um eletrodo de superfície ou sobre a pele, estes potenciais podem ser registrados, sendo esta medida denominada de eletromiografia (EMG). A relação entre o EMG e a força também foi examinada em termos de contrações excêntricas e concêntricas. As contrações excêntricas, usam elementos elásticos e processos metabólicos de modo mais eficiente que as contrações

17 16 concêntricas. Portanto, para a mesma quantidade de tensão muscular, uma contração excêntrica irá exigir menor quantidade de unidades motoras, ou seja, menor atividade geral no EMG (SCHMITZ, 1993). Já a atividade concêntrica no EMG é maior para determinada força à medida que aumente a velocidade, provavelmente refletindo uma necessidade de maior recrutamento para o ajustamento a um tempo de contração mais rápida, apenas quando é mantida constante a velocidade, a atividade no EMG será proporcional à tensão (SCHMITZ, 1993). SCHMITZ (1993) observou vários estudos que demonstraram que quando um músculo mantém um comprimento constante sem sofrer alterações (durante uma contração isométrica), o resultado do EMG varia diretamente com a tensão muscular. As relações entre o EMG e a força são ainda mais confusas durante as contrações isotônicas, definidas como contrações produtoras de um torque ou força constante média, quando o comprimento muscular muda continuamente durante o movimento, deverão ser considerados diversos fatores. A relação força-comprimento do músculo varia durante toda a contração alterando constantemente a atividade da unidade motora proporcionalmente à tensão. A EMG é utilizada para avaliar não apenas a atividade muscular, mas também a fadiga muscular localizada. A estimativa da fadiga muscular baseia-se em mudanças das características do espectro da EMG (CHAFFIN, 2001); Quando um músculo está descansado, a frequência média dos sinais mioelétricos pode ser o dobro daquela encontrada quando o músculo está fadigado. Quando um músculo exibe fadiga localizada após contrações repetidas, pode-se esperar um decréscimo no sinal de saída global do EMG. Contudo, geralmente o oposto é observado. Tipicamente, observamos uma elevação na amplitude do EMG à medida que um músculo se fadiga (O SULLIVAN, 1993). Para O SULLIVAN (1993), a força geralmente é medida através de uma articulação, por representar o torque resultante gerado por muitos músculos, e neste caso o EMG pode ajudar na determinação de se um músculo específico está participando na ação muscular. A relação entre a atividade eletromiográfica e a força muscular, depende de vários fatores, parece ser monotônica, no sentido de que um aumento na tensão é paralelo ao aumento de atividade mioelétrica, mas é não linear sob muitas circunstâncias (CHAFFIN, 2001).

18 17 Enfim, a EMG pode ser usada na avaliação do grau de esforço durante os testes de interrupção isométrica, pode ser empregada na avaliação da amplitude e regulação do início (de atividade) dos grupos musculares de sustentação, pode auxiliar na definição de serem os movimentos verdadeiramente passivos e podem empregar o EMG na observação dos efeitos do tratamento sobre padrões de resposta muscular e também nos recrutamentos de fibras musculares e a quantificação da atividade elétrica nos músculos analisados (O SULLIVAN, 1993) 3 JUSTIFICATIVA Nas últimas décadas, um número crescente de indivíduos tem se engajado em programas de atividades físicas, principalmente no treinamento resistido, na busca de uma melhor composição corporal, melhora na qualidade de vida e melhor desenvolvimento de força. Dentre os exercícios resistidos, existe um leque considerável de execuções, variações e angulações para os diferentes grupos musculares trabalhados. A eletromiografia tem se tornado um instrumento de pesquisa essencial, possibilitando calcular o papel dos músculos em determinados movimentos, através da quantificação da atividade elétrica muscular (MELO e CAFARELLI, 1994/1995, apud BOMPA, 2000). Este estudo visou quantificar a atividade elétrica de diversos tipos de exercícios resistidos (musculação) para um mesmo grupo muscular, pelo qual foram avaliados alguns tipos de execução que resultam em maior recrutamento de fibras musculares, oferecendo melhores resultados em relação à hipertrofia muscular, aumento da força e condicionamento neuromuscular localizado.

19 18 4 OBJETIVOS 4.1 Objetivo Geral Avaliar através da quantificação da atividade elétrica no músculo (Eletromiografia), o padrão de recrutamento de fibras musculares em diferentes tipos de exercícios de força para um mesmo grupo muscular Objetivos Específicos Identificar tipos de exercícios que sejam eficazes para determinados grupos musculares; Descobrir quais movimentos podem trazer melhores resultados para a hipertrofia de determinados grupos musculares; Conhecer que movimentos exigem mais ou menos tensão de um determinado músculo ou grupo muscular.

20 19 5 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 5.1 TIPO DE PESQUISA Pesquisa de campo comparativa com ensaio clínico randomizado. A pesquisa de campo procede à observação de fatos e fenômenos exatamente como ocorrem no real, à coleta de dados referentes aos mesmos e, finalmente, à análise e interpretação desses dados, com base numa fundamentação teórica consistente, objetivando compreender e explicar o problema pesquisado. Ciência e áreas de estudo, como a Antropologia, Sociologia, Psicologia Social, Psicologia da Educação, Pedagogia, Política, Serviço Social, usam freqüentemente a pesquisa de campo para o estudo de indivíduos, grupos, comunidades, instituições, com o objetivo de compreender os mais diferentes aspectos de uma determinada realidade. Como qualquer outro tipo de pesquisa, a de campo parte do levantamento bibliográfico. Exige também a determinação das técnicas de coleta de dados mais apropriadas à natureza do tema e, ainda, a definição das técnicas que serão empregadas para o registro e análise. Dependendo das técnicas de coleta, análise e interpretação dos dados, a pesquisa de campo poderá ser classificada como de abordagem predominantemente quantitativa ou qualitativa. Numa pesquisa em que a abordagem é basicamente quantitativa, o pesquisador se limita à descrição factual deste ou daquele evento, ignorando a complexidade da realidade social (Franco, 1985;35) 5.2 ABORDAGEM METODOLÓGICA Foi avaliada a atividade elétrica de diferentes músculos durante variados tipos de exercício de força, como se segue: Os músculos esqueléticos selecionados para esta pesquisa foram: Bíceps Braquial (Porção longa); Tríceps Braquial (Porção Lateral); Deltóide Medial; Peitoral Maior.

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) Músculo cardíaco possui anatomia própria, diferindo anatômica e funcionalmente dos outros tipos musculares. MÚSCULO LISO O músculo liso

Leia mais

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon Força e hipertrofia muscular Msd. Júlia Veronese Marcon Função do músculo esquelético Contratilidade; Produz movimento humano (ex: locomoção, postura); Produz contra-inclinação muscular aumentando a resistência

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular:

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular: Corpo Humano Tipos de Tecidos Tipos de tecido muscular: Esquelético Liso Cardíaco Principais funções dos músculos: 1.Movimento corporal 2.Manutenção da postura 3.Respiração 4.Produção de calor corporal

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR 1 Características Histológicas O tecido muscular é constituído por células alongadas que possuem grande quantidade de filamentos citoplasmáticos com proteínas contráteis. Esse

Leia mais

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS MÚSCULOS SISTEMAS Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha SISTEMA MUSCULAR Tecido conjuntivo. Tecido muscular. Funcionamento dos músculos. Formas dos músculos. Tipos de contrações musculares. Tipos de fibras musculares.

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os seres mais basais possuem capacidade de reação a estímulos ambientais; Células procariontes, metazoários contraem

Leia mais

Melhoras na força e hipertrofia muscular, provenientes dos exercícios resistidos

Melhoras na força e hipertrofia muscular, provenientes dos exercícios resistidos Melhoras na força e hipertrofia muscular, provenientes dos exercícios resistidos Edison Alfredo de Araújo Marchand Graduação em Educação Física - URCAMP/RS Pós-Graduação em Ginástica Médica - FICAB/RJ

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Dr. José Maria Santarem* Exercícios físicos são parte integrante da prática e preparação esportiva, e podem ser utilizados em medicina com diversas finalidades.

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino A História Durante anos entendia-se a preparação física numa base de quantidade e depois qualidade. Conseguimos perceber isso através da análise da pirâmide

Leia mais

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS O tecido muscular é formado por células alongadas ricas em filamentos (miofibrilas), denominadas fibras musculares. Essas células tem origem mesodérmica e são muito especializadas

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

MIOLOGIA. Prof.: Gustavo M. Pires

MIOLOGIA. Prof.: Gustavo M. Pires MIOLOGIA Prof.: Gustavo M. Pires INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Os músculos são estruturas que movem os segmentos do corpo por encurtamento da distância que existe entre suas extremidades fixadas, ou seja, por

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO Prover um meio de comunicação p/ coordenar o trabalho de bilhões de células Perceber e responder aos eventos nos ambientes externo e interno Controlar os movimentos

Leia mais

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS Diâmetro fibra muscular: músculo considerado; idade; sexo; estado

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO Andrey Portela 1, Arnaldo Guilherme Borgo 2 1 UNIGUAÇU; 2 Licenciado em Educação Física e Esportes.

Leia mais

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI ATUALIZAÇÃO DE CARGAS EM TREINAMENTO DE HIPERTROFIA DE MULHERES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO Pablo Rebouças Marcelino 1 Filipe Antonio de Barros Sousa 1 Anielle Chaves de Araujo 1 Alexandre Sérgio Silva 2

Leia mais

TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE

TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE O treinamento da flexibilidade pode ser realizado de duas formas: alongamento e flexionamento. ALONGAMENTOS No caso do alongamento, o objetivo é se mobilizar a articulação

Leia mais

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO PLIOMETRÍA O termo pliometría se utiliza para descrever o método de treinamento que busca reforçar a reação explosiva do indivíduo como resultado de aplicar o que os fisiologistas denominam "ciclo estiramento-encurtamento".

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

Análise Univariada de Sinais Mioelétricos

Análise Univariada de Sinais Mioelétricos Análise Univariada de Sinais Mioelétricos Orientador: Maria Claudia Ferrari de Castro Departamento: Engenharia Elétrica Candidato: Luiz Victor Esteves N FEI: 11209220-0 Início: Setembro/10 Provável conclusão:

Leia mais

Ciências Morfofuncionais- I Sistema Muscular

Ciências Morfofuncionais- I Sistema Muscular Ciências Morfofuncionais- I Sistema Muscular HISTOLOGIA EMBRIOLOGIA ANATOMIA FISIOLOGIA Professores: Andreza, Clarissa, Lillian, Lucinda e Ricardo Organização estrutural do Sistema Muscular Célula célula

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m.

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m. CONSTRUÇÃO de PROGRAMAS de TREINO 8 Objectivos Selecção dos Exercicíos Organização dos exercicíos Frequência de Treino Selecção das Cargas Selecção do nº. de Repetições Selecção do nº. de Séries e Pausas

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR OMBRO Membro Superior CINTURA ESCAPULAR COTOVELO Joel Moraes Santos Junior COLUNA - APLICAÇÃO PRÁTICA Condicionamento APTIDÃO FÍSICA Treinamento desportivo CARGA/IMPACTO Reabilitação

Leia mais

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa)

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) (CBCa) Palestra: Programação anual dos treinamentos na Canoagem Slalom. Os Ciclos de Treinamento Na Água Trabalho Intensidade Fisiológico Periodização de: Aeróbia Capacidade Continua Aeróbia Capacidade

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 1 Atividades Recreativas Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 Educador Físico, Pós graduação: Fisiologia do exercício(unifesp) MBA em Gestão e Estratégia Empresarial, Membro de 2 grupos

Leia mais

Metodologia do Treinamento Físico

Metodologia do Treinamento Físico Metodologia do Treinamento Físico FLEXIBILIDADE DEFINIÇÃO: É definida como a capacidade física expressa pela maior amplitude possível do movimento voluntário de uma articulação, ou combinações de articulações

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Alterações morfofuncionais decorrentes

Leia mais

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli 3 Março/2013 TENDINITE DE OMBRO Dra. Nathália C. F. Guazeli GALERIA CREFITO 3 / 78.186 F O COMPLEXO DO OMBRO Para entender o que é Tendinite de Ombro, vale a pena conhecer um pouquinho como ele é composto,

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A quebra do Equilíbrio Durante a atividade física ocorre uma quebra do equilíbrio homeostático; O organismo tenta se adaptar

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

Treinamento de Força

Treinamento de Força Treinamento de Força Sandro de Souza Referencial teórico: FLECK, S.J; KRAEMER, W.J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular, ArtMed, 3 Ed., 2007. As 5 leis básicas do Treinamento de Força Lei nº1

Leia mais

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA Eletroestimulação Profa. Andreza Caramori de Moraes Profa. Narion Coelho Prof. Paulo Angelo Martins O que é??? A eletroestimulação é um mecanismo que simula a passagem do impulso nervoso, levando o músculo

Leia mais

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece?

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Não está exatamente claro como nosso corpo

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC

A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC Corrêa 1, Renan Braz 2, André Luiz de Oliveira RESUMO A flexibilidade é uma das

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

Tecidos Nervoso e Muscular

Tecidos Nervoso e Muscular Material de apoio para Monitoria Questão 1 (Feio-Lemos, 2014) No esquema abaixo está representada a anatomia geral de um neurônio. Acerca da mesma, responda o que se pede. a b c d e f Meio intracelular

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

Periodização no Treinamento de Força. (Musculação).

Periodização no Treinamento de Força. (Musculação). Curso de Musculação. Periodização no Treinamento de Força. (Musculação). Periodização: o que é isso? É o período ou temporada de treinamento prédeterminado, em que se encontra um indivíduo, possuindo etapas

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com Estrutura do Curso Bases Morfofisiológicas - 25 hs Princípios fisiológicos aplicados à musculação e ao cardiofitness Aspectos biomecânicos

Leia mais

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva Bibliografia Adaptações do aparelho locomotor ao exercício físico e à inactividade Cap. 5 (pp. 107-138). Efeitos da actividade física nos tecidos não contrácteis. Cap. 8 (pp. 124-183). Adaptações neuromusculares

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

Treinamento concorrente

Treinamento concorrente UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DEPARTAMENTO DE ESPORTES MARCELO VIDIGAL COSCARELLI Treinamento concorrente Trabalho apresentado ao Curso de Especialização em Treinamento

Leia mais

Miologia anatomia e fisiologia dos músculos

Miologia anatomia e fisiologia dos músculos ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Miologia anatomia e fisiologia dos músculos Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Tipos de tecido O tecido muscular e, consequentemente, os músculos, são classificados,

Leia mais

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica;

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Tipos: Músculo estriado esquelético; Músculo estriado cardíaco; Músculo liso; Músculo

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

Treinamento Funcional 17/08/2015. Treinamento Funcional Definição

Treinamento Funcional 17/08/2015. Treinamento Funcional Definição Treinamento Funcional Será que você fez a escolha certa? Prof. Cauê La Scala Teixeira Treinamento Funcional Definição Treinamento: Ato de treinar; conjunto de exercícios praticados por um atleta como preparo

Leia mais

Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Questão Qual é a melhor atividade física para o aumento da densidade óssea em todo o corpo? Natação? Corrida? Tênis?

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR

TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES As variáveis neuromusculares são aquelas em que a performance física depende dos componentes neurais e musculares. Dessa forma, os resultados expressarão

Leia mais

fibras musculares ou miócitos

fibras musculares ou miócitos Os tecidos musculares são de origem mesodérmica e relacionam-se com a locomoção e outros movimentos do corpo, como a contração dos órgãos do tubo digestório, do coração e das artérias. As células dos tecidos

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO TREINAMENTO FÍSICO

OS BENEFÍCIOS DO TREINAMENTO FÍSICO OS BENEFÍCIOS DO TREINAMENTO FÍSICO O ser humano, na sua preocupação com o corpo, tem de estar alerta para o fato de que saúde e longevidade devem vir acompanhadas de qualidade de vida, tanto no presente

Leia mais

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Alterações morfofuncionais decorrentes do treinamento de força 1 Exercícios

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES SANTOS, M. R(1)(2)(3) (1) Docente da Faculdade geremário Dantas/FGD RJ Brasil (2) Mestre em Ciência da Motricidade Humana Universidade

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

Treinador de força da atletas em nível olímpico e pan americano

Treinador de força da atletas em nível olímpico e pan americano Doutor em Ciências da Saúde Mestre em Educação Física Pós graduado em Musculação e Treinamento de Força Pós graduado em Fisiologia do Exercício Graduado em Educação Física Professor do curso de Pós Graduação

Leia mais

GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES

GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES O QUE É MUSCULAÇÃO? A musculação é um exercício de contra-resistência utilizado para o desenvolvimento dos músculos esqueléticos. A partir de aparelhos, halteres, barras,

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA 19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA Autor(es) GABRIELA MARGATO Orientador(es) GUANIS DE BARROS VILELA JÚNIOR Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios

Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios UFBA Faculdade de Educação Física Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios Alexandre Veloso de Sousa A Ginástica como atividade física se confunde com a história do próprio homem;

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS Área Temática: Saúde Helenara Salvati Bertolossi Moreira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Helenara Salvati

Leia mais