UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS Departamento de Educação Física. Paulo César Rigatto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS Departamento de Educação Física. Paulo César Rigatto"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS Departamento de Educação Física Paulo César Rigatto EFEITO DO TREINAMENTO DE POTÊNCIA MUSCULAR SOBRE O APRIMORAMENTO DO PERFIL METABÓLICO E DO RENDIMENTO NO RANDORI EM PRATICANTES DE JIU-JITSU Bauru 2008

2 2 Paulo César Rigatto EFEITO DO TREINAMENTO DE POTÊNCIA MUSCULAR SOBRE O APRIMORAMENTO DO PERFIL METABÓLICO E DO RENDIMENTO NO RANDORI EM PRATICANTES DE JIU-JITSU Monografia encaminhada ao Departamento de Educação Física da Faculdade de Ciências da UNESP/ Bauru, como requisito à conclusão do curso de Educação Física. Orientador: Ms. Dalton Müller Pessoâ Filho Bauru 2008

3 i Dedico este trabalho a todos àqueles que possuem espírito indomável, pois para esses o sucesso é inevitável, apenas questão de tempo.

4 ii AGRADECIMENTOS Agradeço ao homem que me demonstrou, por vezes, o significado da frase espírito indomável, ao homem que mais admiro meu pai. Sou grato aos meus irmãos pelo companheirismo e apoio, sem duvida meus únicos e verdadeiros amigos. E as mulheres especiais que mudaram minha percepção de mundo através do amor incondicional, minha mãe, minha filha e minha namorada.

5 iii SUMÁRIO SÚMARIO...03 ÍNDICE DE FIGURAS...05 RESUMO...06 ABSTRACT...07 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA História do Jiu-jitsu Treinamento de Força Conceito de Força Muscular Tipos de Contração Muscular Classificação das Manifestações da Força Métodos de Treinamento de Força Treinamento de Força ou Resistido Aporte Energético para Atividade Muscular Obtenção Aeróbia de Energia Obtenção Anaeróbia de Energia Metabolismo Energético Envolvido nas Lutas de Jiu-Jitsu Resposta do Lactato ao Treinamento de Força Avaliação corporal OBJETIVOS MATERIAIS E MÉTODOS Sujeito Protocolo de Avaliação Medidas Antropométricas Determinação da Força Máxima (Teste 1RM) Amostra de Sangue (lactato) Protocolo Experimental Protocolo de Treinamento Estatística RESULTADOS DISCUSSÃO E. CONCLUSÃO...50

6 7. REFERÊNCIAS...53 iv

7 v ÍNDICE DE FIGURAS Tabela 1: Seqüência de exercícios correlacionando os grupos musculares...40 Tabela 2: Escala subjetiva de esforço de 6 a Tabela 3: Periodização e prescrição de treinamento...43 Tabela 4: Valores das variáveis da composição corporal antes e após a intervenção experimental...45 Tabela 5: Valores das variáveis antropométricas antes e após a intervenção experimental...46 Tabela 6: Valores das variáveis de força antes e após a intervenção experimental...47 Gráfico 1: Apresenta a resposta do pico de lactato sanguíneo médio nos grupos antes e após a intervenção experimental...48 Gráfico 2: Mostra os valores da Escala de Borg (1982), onde os atletas após uma luta indicaram o índice de fadiga por meio da (PSE)...49

8 vi RESUMO O jiu-jitsu exige alta demanda das capacidades físicas e conta com a participação acentuada do metabolismo anaeróbio lático. Tem sido demonstrado que o treinamento de intensidade alta apresenta efeitos positivos sobre a capacidade de produzir e suportar o lactato sanguíneo, retardando a fadiga e queda de desempenho. O objetivo do presente estudo foi averiguar o efeito de 12 semanas de treinamento de potência muscular com pesos sobre o perfil metabólico dos lutadores. A amostra foi composta por 12 praticantes de jiu-jitsu, do sexo masculino, com experiência média de 7,2±2,7anos. Os sujeitos foram divididos em GC (n=5-27,00±4,30 anos), que manteve suas atividades cotidianas e GT (n=7-21,14±3,08 anos). Foram realizadas avaliações antropométricas (circunferência segmentar e composição corporal) e da força muscular dinâmica máxima pelo teste de 1RM. A partir dos dados de força, prescreveu-se o treinamento de potência muscular, consistindo em 60%1RM, repetições máximas em 20s, consecutivamente realizadas após 30s de pausa até a exaustão para constituir os blocos de série. Uma simulação de luta (Randori) foi realizada antes e após o treinamento de potência muscular para análise da lactacidemia. Os momentos de coleta foram aos 1º, 3º e 5º, 7º e 9º minutos após cada simulação para determinação da concentração pico do lactato (Lac pico ). Após cada simulação uma pontuação para o esforço (PSE) foi solicitada, seguindo a escala de Borg de O sangue coletado (25µl) foi armazenado em 50µl de NaF1% e analisado no Yellow Spring STAT A comparação entre as simulações de combate pré e pós período experimental foi realizada pelo ANOVA (uma entrada, com Bonferroni como teste post-hoc), testando as diferenças na lactacidemia, composição corporal, antropometria e força muscular após o treinamento. Os participantes de GC e GT apresentaram valores de Lac pico no pré (GC: 12,92±0,79mmol/L; GT: 15,96±3,15mmol/L) e pós-teste (GC: 13,21±1,48mmol/L; GT: 20,18±3,36mmol/L) significativamente diferentes quando GC e GT são comparados no pós-teste e quando GT é comprado antes e após a intervenção do treinamento. Isso indica melhoria da capacidade anaeróbia com a intervenção experimental. Não foram encontradas alterações significativas entre os grupos e intra-grupos nos momentos experimentais quando à força dinâmica máxima e as variáveis da circunferência segmentar. Estas alterações denotam a especificidade do treinamento, que não é direcionada ao aumento da força e nem para alterações no volume da massa muscular. As variáveis percentual de gordura (GC: 22,53±4,16%; GT: 10,95±6,03%) e massa de gordura corporal (GC: 21,46±6,74kg; GT: 9,48±6,99kg) apresentaram valores no pós-teste com diferenças significativas entre os grupos, o que revela o impacto da elevada demanda metabólica deste treinamento sobre a composição corporal. Por fim, as diferenças entre a PSE mostrou-se significativa entre o pré (19,14±0,90) e pós-tese (18,00±0,57) apenas para GT, comprovando à menor susceptibilidade à fadiga e um maior engajamento em atividades exaustivas. Nenhuma variável analisada se correlacionou com a lactacidemia e a PSE no pós-teste. Conclui-se que o treinamento produziu as alterações esperadas sobre o desempenho e perfil metabólico anaeróbio dos lutadores de jiu-jitsu. Palavra-Chave: Treinamento com Pesos, Potência Muscular, Lactacidemia e Jiu- Jitsu

9 vii ABSTRACT EFFECTS OF THE MUSCLE POWER TRAINING ON METABOLIC PROFILE AND RANDORI PERFORMANCE IN JIU-JITSU PRACTITIONERS The Jiu-Jitsu requires high demand of physical abilities and great supply from anaerobic lactic metabolism. It has been demonstrated that training of high intensity shows positive effects on the ability to produce and tolerate blood lactate, fatigue and higher performance levels. The purpose of this study was to investigate the effect of 12 weeks of muscle power weight-training on the metabolic profile of the practitioners. Twelve male subjects were divided into experienced group training (n = 7-21,14 ±3,08 years) and control group (n = ± 3.08 years), maintained their daily activities. Evaluation of anthropometry (circumference and body composition) and the dynamical muscle strength (from 1RM test) was taken. From the data of strength, the training of muscle power was built, consisting of 60% 1RM, maximum repetitions in 20s, consecutively after 30s of pause until exhaustion to form blocks of the series. A simulation of struggle (Randori) was performed before and after training for muscle power lactacidemic analysis. The periods of blood sampling were the 1st, 3rd and 5th, 7th and 9th minute after each simulation to determine the lactate peak concentration (Lac peak ). After each simulation, a score for the effort (PSE) has been requested, following the Borg scale of The blood sample (25µl) was stored in 50µl of NaF1% and analyzed in the Yellow STAT Spring The comparison between simulations of combat before and after the trial period was performed by ANOVA (one-way, with Bonferroni as post-hoc test), testing the differences in lactacidemia, body composition, anthropometry and muscle strength after training. Participants from GC and GT showed values of the pre (GC: 12,92±0,79mmol/L; GT: 15,96±3,15mmol/L) e post-test (GC: 13,21±1,48mmol/L; GT: 20,18±3,36mmol/L) were significantly different when GC and GT are compared in the post-test and when GT is bought before and after the intervention of training. This indicates improvement in anaerobic capacity with the experimental intervention. There were no significant changes observed in force and anthropometry between groups and intra-experimental groups. These changes allow to the specificity of training, which is not designed to increase strength and changes in volume of muscle mass. The relative body fat (GC: 22,53±4,16%; GT: 10,95±6,03%) and absolute body fat (GC: 21,46±6,74kg; GT: 9,48±6,99kg) decreased in the post-test with significant differences between groups, which shows the impact of high metabolic training demand on body composition. Finally, the differences between the PSE was found to be significant between the pre (19,14±0,90) and post-test (18,00±0,57)) only for GT, showing lowest susceptibility to fatigue and an increased adherence in exhaustive activities. No variable examined was correlated with the PSE and lactacidemia at post-test. It appears that the training produced the expected changes on performance and on anaerobic metabolic profile of the Jiu-Jitsu practitioners. Keyword: Weight-training with, Muscle power, Lactacidemia and Jiu-Jitsu

10 1- INTRODUÇÃO O Jiu-Jitsu ou Arte Suave é uma modalidade esportiva onde o praticante deve manter um controle físico direto sobre o adversário e subjugá-lo com sua própria força (RATAMESS, 1998; ASSIS et al., 2005). Em uma definição mais completa, podemos dizer que Jiu-Jitsu é a arte de ceder inicialmente para obter depois a vitória completa, de modo econômico. As lutas de solo são esportes que exigem alta demanda das capacidades físicas, possuem características acíclicas, componentes mesomórficos predominantes, estão sujeitos a elevadas cargas de trabalho e contam com a participação acentuada do metabolismo anaeróbio lático (FRANCHINI et al., 1998; DEL VECCHIO et al., 2007; GARRETT; DONALD, 2003). Os atletas estão expostos a esforços extenuantes durante períodos intermitentes de atividade e repouso, acarretando a mobilização de grande quantidade de substrato energético na ausência ou déficit de oxigênio, o que favorece o aumento das concentrações de lactato sanguíneo durante as lutas (LIMA et al., 2004; DRIGO et al., 1994; POWERS; HOWLEY, 2000). Para Viru (2001), o lactato é o produto final da glicólise e tem seu valor modificado na circulação sanguínea à medida que a intensidade do exercício é alterada. A resposta do ácido lático à atividade física, espontânea ou treinamento sistêmico, tem sido utilizada para prescrição de intensidade, indicador qualitativo no controle do estresse do treinamento e para monitorar as adaptações da aptidão anaeróbia dos indivíduos (McARDLE; KATCH; KATCH, 2003; HIGINO; DENADAI, 1998). A acidose induzida pelo esforço pode interferir na capacidade de reação do atleta durante o combate, levando-o à redução no rendimento motor, ou mesmo à fadiga muscular pela diminuição do ph (FOX, 1991; PEREIRA, 1999; FITTS, 1994). Desse modo, Astrand e Rodahl (1980) e Wilmore e Costill (2001) relataram que as variáveis que determinam o desempenho físico em atletas de alto rendimento dependem da produção de energia. A capacidade de gerar e suportar elevados níveis de ácido lático durante o exercício máximo ajusta-se com o treinamento da capacidade anaeróbia (SOUZA, 2006).

11 12 Neste sentido, o treinamento de força com pesos compreende um importante papel nas modificações morfológicas, neuro-musculares e fisiológicas (MATARUNA, 2002; DIAS et al., 2005), pois melhora o condicionamento anaeróbio possibilitando as células musculares a adaptarem-se a uma maior utilização de piruvato e menor susceptibilidade à produção de lactato, de modo a aprimorar a emprego da energia (DENADAI, 1995). Também, o desenvolvimento da potência muscular é um dos principais fatores de sucesso nos desportos (FOX et al., 1991; DANTAS, 1998). Alguns fatores como concentração de carboidratos, nível de treinamento e estresse metabólico podem contribuir para a necessidade de exploração das diferentes vias de obtenção de energia com a intervenção do treinamento específico para cada demanda energética (MOREIRA, 2003; GARRETT; DONALD, 2003, PLATONOV, 2004). O fato das artes marciais em geral serem divididas por graduação e subdivididas por peso corporal, merece considerável atenção, já que os lutadores ficam impedidos de ter aumentos ponderais consideráveis. Pois, desempenho de alto rendimento parece ser melhorado por características físicas específicas em termos de tamanho, de composição e de estruturas corporais, como visto nos perfis de atletas de vários esportes (McARDLE, KATCH; KATCH, 2003). Os exercícios resistidos são conhecidos como os mais eficientes para modificar favoravelmente a composição corporal: aumento da massa muscular e óssea, bem como diminuição da gordura corporal (SANTAREM, 1999). Mas as modificações na composição corporal pelo treinamento com pesos exigem uma organização específica para não favorecer o aumento demasiado do peso corporal com o aumento absoluto da massa magra. Para Weineck (2003) e Platonov (2004), o treinamento de potência muscular é específico para a finalidade de aumento da capacidade de força específica para o esporte, sem alteração do peso corporal, uma vez que aumenta a ativação neural, aperfeiçoa a capacidade de produção, a habilidade de remoção e a capacidade de sustentar trabalhos intensos por períodos prolongados em acidose, sem diminuir o desempenho, além de aumentar a tolerância à dor causada pela acidose no músculo. Apesar de a Arte Suave ter conquistado notoriedade no país e crescente interesse no mundo, são raros os estudos dirigidos à pesquisa do tema e a influência do treinamento de força sobre suas capacidades físicas e sistemas

12 13 energéticos, forçando os profissionais da área a buscar embasamento teórico na literatura de modalidades similares, ou perpetuar falsos paradigmas. Desta forma, o presente trabalho pretende verificar o efeito do treinamento de potência muscular com pesos sobre o perfil do metabolismo anaeróbio e os possíveis ajustes decorrentes do treinamento na composição corporal, antropometria e desempenho de praticantes de Jiu-Jitsu.

13 REVISÃO DE LITERATURA História do Jiu-jitsu Estudar as origens do Jiu-Jitsu significa se aprofundar na história da Índia e, em especial, na história do Budismo, já que os historiadores atribuem àquele país o título de O berço das artes marciais, o que ocorreu por volta do ano 500 a.c. ou seja, há mais de anos. Siddharta Gautama nasceu no norte da Índia e sua família pertencia a uma casta nobre. Mediante a contemplação da condição humana, criou a base da doutrina Budista com a superação da esfera do perceptível e alcançando um estado superior (Nirvana). Tornou-se, mais tarde, o Buda o Iluminado (ROBBE, 2007; DA SILVA, 2003). O Jiu-Jitsu nasceu da necessidade dos monges budistas em se defender. Os seguidores de Buda eram preparados com amplos conhecimentos teóricos e tinham a incumbência de pregar e propagar a nova mensagem à humanidade. Os discípulos realizavam longas caminhadas pelas cidades vizinhas e pelo interior da Índia com o intuito de disseminar a doutrina budista. Consta também que eram freqüentemente abordados por bandidos das tribos mongóis que infestavam toda essa região. Entretanto, não podiam reagir nem fazer uso de qualquer tipo de arma, pois isso seria considerado um atentado à moral da religião (GURGEL, 2003). Diante dessas constantes ameaças e recorrendo aos seus sólidos conhecimentos dos pontos vitais do corpo humano e das leis físicas das quais se destacam os princípios de alavanca, momento de força, forças mecânicas de torção, tração, compressão, flexão, extensão, equilíbrio, inércia e centro de gravidade os religiosos iniciaram suas pesquisas para a criação de movimentos baseados na observação de animais e de golpes de defesa pessoal alternativos que não necessitassem do uso de armas nem da força bruta (GURGEL, 2003; DA SILVA, 2003). Essa iniciativa dos monges atendia à necessidade de legítima defesa, mantendo-os adaptados aos rígidos dogmas religiosos e ao biótipo de seu povo de

14 15 características físicas franzinas e com baixa estatura. Esse foi o embrião das técnicas que deram origem a criação do Jiu-Jitsu (DA SILVA, 2003). Com a expansão do Budismo foram criados milhares de monastérios dentro e fora da Índia. Desta maneira foi levado à China, primeiro país a ter contato com a nova arte e posteriormente à terra do Sol Nascente. Na sua migração da Índia ao longo do continente Asiático, o Jiu-Jitsu foi sendo ramificado, dando origem a vários estilos de lutas oriundas de suas diversas partes. Assim, nasceram há cerca de mil anos atrás o Sumô, o Kempô-Jitsu e o Kempô. Embora o Japão possa ter sido o último país asiático a adquirir o conhecimento desta forma de defesa sem armas, lá é que as artes marciais se desenvolveram e se popularizaram de uma maneira incrível (ROBBE, 2007). No Japão, o Jiu-Jitsu, chamado de Arte das Técnicas Suaves, ou simplesmente Arte Suave, encontrou as condições culturais para evoluir e aprimorar suas técnicas, dando origem a mais de 113 estilos diferentes de Jiu-Jitsu. Com o passar dos anos o Jiu-Jitsu se tornou a maior arte marcial japonesa e a maior riqueza do Japão. Na época em que predominava o feudalismo, os senhores feudais possuíam, para sua proteção, samurais, exímios guerreiros que tinham no Jiu-Jitsu sua luta corpo a corpo. Com o Jiu-Jitsu os samurais se tornaram poderosos e invencíveis perante os ocidentais, apesar da grande envergadura que possuíam e possuem (YAMASHIRO, 1993; GRACIE, 2001). Com o início da revolução industrial houve a abertura dos portos japoneses ao Ocidente e, com isso, uma enorme curiosidade em descobrir a cultura do povo oriental e, obviamente, o segredo das técnicas marciais, já tão faladas no ocidente. Neste ponto, surge a preocupação japonesa em preservar sua cultura, assim como o conhecimento de suas armas e técnicas de guerra (YAMASHIRO, 1993; ROBBE, 2007). O Jiu-Jitsu é fragmentado e, então, começam a ser exportados o Judô, o Karatê, o Aikidô, entre outras técnicas que se desenvolveram e se tornam grandes lutas a partir do Jiu-Jitsu. Então, as técnicas secretas de esporte passam a ser preservadas pelo imperador japonês, que decretou crime contra a pátria Japonesa ensiná-lo fora do Japão (GURGEL, 2003). Com a primeira Grande Guerra os japoneses migram para o ocidente e uma grande parte para o Brasil. Belém do Pará foi a cidade escolhida pelo campeão japonês Mitsuo Maeda Koma (o lendário Conde Koma), para viver.

15 16 Coincidentemente, lá também residiam Gastão Gracie e seus filhos. Homem influente, o patriarca dos Gracie conheceu o conde, lhe ajudando na nova cidade, e logo conquistou sua amizade. Certo dia e como gratidão ao amigo, o Conde decidiu ensinar, na condição de segredo, a mais perfeita forma de lutar ao filho mais velho de Gastão, Carlos Gracie. Do alto de sua genialidade, este logo se interessou e, em pouco tempo, dominou com perfeição todas as técnicas e começou a ensinar também aos irmãos (PELIGRO, 2003; ROBBE, 2007; GURGEL, 2003) Carlos Gracie não só aprendeu a técnica como ensinou aos seus irmãos, entre eles, Hélio Gracie, o caçula da família, que veio a ser o grande gênio nessa arte, desenvolvendo esta a ponto de hoje ser considerado o Brazilian Jiu-Jitsu (GURGEL, 2003; DA SILVA, 2003). Porém, no início, Hélio tinha restrições médicas que o impediam de praticar esportes devido ao seu físico fraco. Ele não suportava atividades físicas muito intensas e desmaiava quando tentava fazê-las. Por outro lado, assistia às aulas do irmão e desejava muito fazer aquilo. Um dia seu irmão se atrasou e Hélio se transformou, a partir daquele momento, em professor, pois só de olhar sabia todo o programa das aulas com extrema perfeição. Surgiu, então, o mais perfeito lutador de todos os tempos (GURGEL, 2003; GRACIE, 2001). Hélio Gracie tem uma história a parte. O maior fenômeno desse esporte desenvolveu novas técnicas tão eficientes que foram consideradas, simplesmente, perfeitas. O Brazilian Jiu-Jitsu é, de fato, resultado do desenvolvimento de uma arte científica de luta. É considerada a mais perfeita e completa forma de arte marcial, permitindo aos mais fracos se defender e derrotar um adversário fisicamente mais forte, com o mínimo de esforço.

16 Treinamento de Força Conceitos de Força Muscular O elemento responsável pela geração de força é o músculo. A força muscular é uma das capacidades físicas do ser humano que pode ser testada, avaliada e também otimizada (BARBANTI, 2002). De acordo com Platonov (2004), o conceito de força do ser humano pode ser entendido como a capacidade de superar ou de se opor a uma resistência por meio da atividade muscular. A força muscular é definida como a quantidade que um músculo, ou grupo muscular, consegue gerar de força máxima em um padrão específico de movimento em uma determinada velocidade (FLECK; KRAEMER, 1999). Segundo Barbanti (1979), força muscular é a capacidade de um indivíduo exercer tensão muscular contra determinada resistência, além de envolver fatores mecânicos e fisiológicos na determinação da mesma. A força é descrita como a capacidade do músculo de produzir tensão ao se ativar, ou seja, ao se contrair no deslizamento dos filamentos de actina sobre os de miosina (BADILLO; AYESTARÁN, 2001). Para Wilmore e Costill (2001), o vigor máximo que um músculo, ou um grupo muscular, pode gerar é determinado força. Assim, a força muscular é a força máxima ou tensão que pode ser gerada por um músculo ou por um grupo muscular contra uma resistência (POWERS; HOWLEY, 2000). Os fatores mecânicos do tipo de contração muscular, do comprimento muscular e da velocidade de contração afetam a habilidade do músculo para gerar força, pois a força criada pelas fibras musculares durante a ação muscular depende da quantidade de pontes cruzadas que se encontra em contato com os filamentos de actina num determinado momento. Quanto mais pontes cruzadas estiverem em contato com os sítios ativos de actina, mais potente será a ação muscular, produzindo mais força (WILMORE; COSTLL, 2001). Segundo Weineck (2000), a formulação de uma definição precisa de força, que abranja tanto seus aspectos físicos quanto também os psicológicos, ao contrário da definição física, traz grande dificuldade, uma vez que as formas de força e do

17 18 trabalho muscular são excepcionalmente variadas e influenciadas por um grande número de fatores. Assim, uma definição do conceito de força só é possível quando relacionada à sua forma de manifestação. Estes são apenas alguns conceitos de força muscular, no entanto, nós, alunos do curso de Educação Física, tendo como base as aulas de Treinamento Desportivo, podemos definir força muscular como a capacidade do músculo exercer tensão contra uma sobrecarga, onde há a produção e gasto energético, sem a necessidade da produção de movimento. A geração de força e o seu desenvolvimento dependem principalmente de fatores como quantidade de unidades motoras ativadas; tipos das unidades motoras ativadas; tamanho do músculo; comprimento inicial do músculo ao ser ativado; ângulo articular e velocidade da ação muscular (WILMORE; COSTILL, 2001) Tipos de Contrações Musculares As contrações musculares voluntárias são divididas em contrações dinâmicas ou isotônicas, e contrações estáticas ou isométricas. Na primeira, há movimentos articuladores durante a contração e, na segunda, não há produção de movimentos. Existem quatro tipos básicos de contração muscular: concêntrica, excêntrica, isocinética e isométrica (FLECK; KRAEMER, 2002). Contração Concêntrica Durante a contração concêntrica o músculo se encurta (BADILLO; AYESTARÁN, 2001). Segundo Fleck e Kraemer (2002), quando uma sobrecarga está sendo vencida e os músculos envolvidos estão se encurtando, temos então uma contração concêntrica e, devido ao encurtamento do músculo, a palavra contração define bem este tipo de ação muscular. Já Wilmore e Costill (2001), definem que na contração concêntrica os filamentos de actina são aproximados uns dos outros, causando o encurtamento do músculo.

18 19 Contração Excêntrica Na contração excêntrica ocorre alongamento do músculo durante o desenvolvimento da tensão ativa (BADILLO; AYESTARÁN, 2001). Ainda de acordo com Fleck e Kraemer (2002), na contração excêntrica o peso é abaixado de maneira controlada de modo que haja o alongamento dos músculos envolvidos. Neste tipo de contração os filamentos de actina são tracionados do centro do sarcômero, provocando o alongamento muscular, como no caso do bíceps braquial quando é abaixado em peso com a extensão do cotovelo (WILMORE; COSTILL, 2001). Contração Estática ou Isométrica Já na contração isométrica, tem-se desenvolvimento de força sem causar movimento articular, como no caso de um peso ser seguro imóvel ou quando é muito pesado para ser levantado (FLECK ; KRAEMER, 2002). Wilmore e Costill (2001) afirmam que neste tipo de ação as pontes cruzadas da miosina são formadas produzindo forças, mas não o suficiente para superar a força externa de maneira que os filamentos não possam ser movidos. Contração Isocinética Por fim, na contração isocinética, a velocidade do músculo, ao encurtar-se, é constante e máxima em todos os ângulos articulares durante toda a amplitude de movimento (FOSS, 2000). Segundo Fleck e Kraemer (2002), este tipo de ação muscular é realizado em uma constante velocidade angular do membro, onde a resistência oferecida pelo equipamento não pode ser acelerada, não havendo, portanto, uma carga específica. Qualquer força aplicada contra um aparelho isocinético resulta em uma força de reação igual. A ação muscular isocinética também é dividida em duas fases (concêntrica e excêntrica), e além dos aparelhos específicos para este tipo de ação muscular, esta também pode ser desenvolvida em esportes como o remo e atividades dentro d água.

19 Classificação das Manifestações da Força A força, nas suas formas de manifestação, pode ser dividida em três diferentes tipos, de acordo com a forma de observação: sob o aspecto da parcela de musculatura envolvida, podemos diferenciar força geral de local (músculos isolados ou grupos musculares); sob o aspecto de especificidade da modalidade esportiva, força geral de especial; e, sob o aspecto do tipo de trabalho do músculo e força dinâmica e estática, ou os aspectos das principais formas de exigências motoras envolvidas (WEINECK, 2003). Força Absoluta Pode ser definida como a força máxima voluntária mais a reserva do sistema neuromuscular. Essa força é involuntária e é mobilizada apenas em situações psicológicas extremas (perigo de vida) (WEINECK, 2003; BADILLO; AYESTARÁN, 2001; PLATONOV, 2004). Força Máxima Abrange a capacidade máxima de produção de força do sistema neuromuscular pelo desportista durante uma contração muscular voluntária, e está intimamente relacionada com o desempenho das diversas formas de lutas (PLATONOV, 2004; WEINECK, 2003). Força Máxima Isométrica ou Estática É a contração voluntária máxima contra uma resistência invencível, sem movimento, e é influenciada pelo ângulo no qual se executa a contração (BADILLO; AYESTARÁN, 2001). Força Excêntrica Máxima

20 21 É manifestada quando se opõe à capacidade máxima de contração muscular diante de uma resistência deslocada em sentido oposto ao desejado pelo sujeito (BADILLO; AYESTARÁN, 2001). Força Dinâmica Máxima É a força máxima que o sistema neuromuscular pode desenvolver com um único movimento articular. Pode-se, ainda, considerar a força excêntrica máxima que se manifesta quando a capacidade máxima de contração muscular se opõe a uma resistência deslocada em sentido oposto ao desejado. Portanto, depende da velocidade e da resistência que produz a extensão da musculatura envolvida (BADILLO; AYESTARÁN, 2001). Força Dinâmica Máxima Relativa É a força máxima expressa diante de resistências inferiores que correspondem à força dinâmica máxima. Equivale ao valor máximo de força que pode ser aplicado com cada porcentagem dessa força ou da isométrica máxima (BADILLO; AYESTARÁN, 2001). Força Rápida A força rápida pode ser definida como a capacidade do sistema neuromuscular de movimentar o corpo ou parte dele (braços, pernas) ou ainda objetos com uma velocidade máxima (WEINECK, 2003). Força Explosiva É a capacidade de o sistema neuromuscular mobilizar o potencial funcional com finalidade de alcançar altos níveis de força no menor tempo possível. Também conhecida como força-velocidade, é considerada fator preponderante para o desempenho excelente nos desportos como nas lutas de boxe, de projeção e no solo (PLATONOV, 2004).

21 22 A força explosiva é uma relação entre força expressa e o tempo necessário para tal. Portanto, a força explosiva máxima pode ser definida como a melhor relação aplicada e o tempo empregado na manifestação da força máxima contra qualquer resistência. Essa força é expressa pela zona de maior ascendência de uma curva força tempo (F-t) (BADILLO; AYESTARÁN, 2001). A potência muscular é um tipo de força que pode ser explicada pela capacidade de exercer o máximo de energia num ato explosivo. É a aplicação funcional da força e da velocidade. (WILMORE; COSTILL, 2001). Força de Resistência Pode ser definida como a capacidade do sistema neuromuscular sustentar altos níveis de força por longos intervalos (GUEDES, 1997, PLATONOV, 2004). A força de resistência se divide em força de resistência geral e força de resistência local. Na força de resistência geral há a mobilização de mais de 1/6 a 1/7 da musculatura esquelética total do corpo para a realização do exercício. Na força de resistência local há a utilização de menos de 1/6 a 1/7 da musculatura total do corpo para realizar a ação (WEINECK, 2003). A força de resistência também pode ser denominada de endurance muscular (FLECK; KRAEMER, 2002), ou resistência muscular localizada (RML) (BARBANTI, 1993). A resistência de força apresenta a capacidade de resistência à fadiga da musculatura em desempenhos de força de longa duração ou em ações musculares repetidas (WEINECK, 2000; WILMORE; COSTILL, 2001). A força-resistente figura entre as qualidades que determinam o resultado na maioria dos desportos cíclicos (PLATONOV, 204). Importante ressaltar que todos os tipos de força mencionados não se manifestam no desporto de forma isolada, mas sim em completa interação, que é determinada pelo caráter específico da modalidade desportiva, pela disciplina, pelo conjunto técnico e tático do desportista e também pelo nível de desenvolvimento das demais qualidades motoras.

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES SANTOS, M. R(1)(2)(3) (1) Docente da Faculdade geremário Dantas/FGD RJ Brasil (2) Mestre em Ciência da Motricidade Humana Universidade

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA

ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA Fontes Energéticas Bioenergética Fontes de Energia A energia define-se como a capacidade de realizar trabalho. Neste sentido, assumimos o conceito de trabalho

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM FISIOLOGIA DO LACTATO LACTATO x EXERCÍCIO FÍSICO METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DO LACTATO FISIOLOGIA DO LACTATO Metabolismo anaeróbio lático; Formação do lactato; Acúmulo

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS Ciclo de Krebs Considerações Gerais Esta denominação decorre da homenagem ao bioquímico Hans Krebs, a qual lhe valeu o Prémio Nobel de Fisiologia

Leia mais

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon Força e hipertrofia muscular Msd. Júlia Veronese Marcon Função do músculo esquelético Contratilidade; Produz movimento humano (ex: locomoção, postura); Produz contra-inclinação muscular aumentando a resistência

Leia mais

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino A História Durante anos entendia-se a preparação física numa base de quantidade e depois qualidade. Conseguimos perceber isso através da análise da pirâmide

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Treinamento concorrente

Treinamento concorrente UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DEPARTAMENTO DE ESPORTES MARCELO VIDIGAL COSCARELLI Treinamento concorrente Trabalho apresentado ao Curso de Especialização em Treinamento

Leia mais

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Prof. Ricardo Freitas M.Sc. CREF 008822-G/MG. Formação Acadêmica Atuação Profissional Linha de Pesquisa E-mail: ricardo.dias@upe.pe.gov.br www.lifegroup.com.br

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D.

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. INTRODUÇÃO A proposta deste artigo é apresentar um plano de treinamento dos sistemas de energia nas provas de natação. As informações serão apresentadas

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP

TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP RESUMO: Abordar o assunto treinamento de força no futebol, requer muito estudo e um olhar

Leia mais

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva Bibliografia Adaptações do aparelho locomotor ao exercício físico e à inactividade Cap. 5 (pp. 107-138). Efeitos da actividade física nos tecidos não contrácteis. Cap. 8 (pp. 124-183). Adaptações neuromusculares

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO A escolha do método de TF depende da qualidade física que vai ser trabalhada e da periodização do treinamento. Na fase básica, quando a ênfase é no volume, utiliza-se os métodos

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

A RELEVÂNCIA DOS INTERVALOS DE REPOUSO ENTRE AS SÉRIES NO TREINAMENTO DE MUSCULAÇÃO OBJETIVANDO A HIPERTROFIA MUSCULAR

A RELEVÂNCIA DOS INTERVALOS DE REPOUSO ENTRE AS SÉRIES NO TREINAMENTO DE MUSCULAÇÃO OBJETIVANDO A HIPERTROFIA MUSCULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DEF PROGRAMA ESPACIAL DE TREINAMENTO PET A RELEVÂNCIA DOS INTERVALOS DE REPOUSO ENTRE AS SÉRIES NO TREINAMENTO DE MUSCULAÇÃO

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS 27 CIÊNCIAS AGRÁRIAS TRABALHO ORIGINAL RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS ANSWER TO THE EXERCISE WITH WEIGHTS FOR GROUPS OF DIFFERENT AGE RANGE IN HUMANS

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A conversão do fluxo de elétrons em trabalho biológico requer transdutores moleculares (circuito microscópico), análogos aos motores elétricos que

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA

TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES):

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 Resumo O futebol é o esporte mais popular do planeta, praticado por milhões de participantes.

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Treinamento Concorrente

Treinamento Concorrente Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Educação Física Fisioterapia e Terapia Ocupacional Especialização em Treinamento de Força e Musculação Treinamento Concorrente Aluno: Marcelo Vidigal Coscarelli

Leia mais

Treinamento Funcional 17/08/2015. Treinamento Funcional Definição

Treinamento Funcional 17/08/2015. Treinamento Funcional Definição Treinamento Funcional Será que você fez a escolha certa? Prof. Cauê La Scala Teixeira Treinamento Funcional Definição Treinamento: Ato de treinar; conjunto de exercícios praticados por um atleta como preparo

Leia mais

Métodos e sistemas de treinamento de Força

Métodos e sistemas de treinamento de Força Métodos e sistemas de treinamento de Força O treinamento de força atualmente exerce um papel importante no condicionamento físico geral, na performance esportiva, na reabilitação de lesões e no aumento

Leia mais

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Definir a carga de treinamento é o primeiro passo para entender a complexidade do treinamento físico (Monteiro, Lopes, 2009). O entendimento

Leia mais

Hipertrofia Muscular Uma abordagem didática

Hipertrofia Muscular Uma abordagem didática Hipertrofia Muscular Uma abordagem didática Muitas pessoas, pesquisadores, professores, atletas e treinadores já falaram sobre a hipertrofia muscular. Seu conceito técnico e fisiológico está ligado ao

Leia mais

FATORES INTERVENIENTES NO GANHO DA MASSA MUSCULAR Jakeline Castro de Oliveira Ana Maria da Silva Rodrigues

FATORES INTERVENIENTES NO GANHO DA MASSA MUSCULAR Jakeline Castro de Oliveira Ana Maria da Silva Rodrigues FATORES INTERVENIENTES NO GANHO DA MASSA MUSCULAR Jakeline Castro de Oliveira Ana Maria da Silva Rodrigues RESUMO: O presente trabalho, de cunho bibliográfico, tem como objetivo discutir os fatores intervenientes

Leia mais

Marcela Reis do Carmo, Luis Claudio P. Bossi

Marcela Reis do Carmo, Luis Claudio P. Bossi Marcela Reis do Carmo, Luis Claudio P. Bossi Resumo O objetivo desse estudo foi identificar a melhora no tempo de corredoras de rua na prova de 10 km. Oito corredoras (42 +/- 10,0 anos; 64,5 +/- 10,5kg;

Leia mais

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Dr. José Maria Santarem* Exercícios físicos são parte integrante da prática e preparação esportiva, e podem ser utilizados em medicina com diversas finalidades.

Leia mais

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz.

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz. ARTIGO ORIGINAL MENSURAÇÃO DA POTÊNCIA MUSCULAR EM JUDOCAS JUVENIS ATRAVÉS DO TESTE DE STERKOWICZ André Maia dos Santos André Ricardo N. Nascimento Carolina Groszewicz Brito Kelly Cristina Serafim Pós

Leia mais

VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITO

VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITO VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO A velocidade é um dos componentes mais importantes do desempenho esportivo. No entanto, ela não deve ser vista como uma capacidade isolada. A

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A quebra do Equilíbrio Durante a atividade física ocorre uma quebra do equilíbrio homeostático; O organismo tenta se adaptar

Leia mais

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA Eletroestimulação Profa. Andreza Caramori de Moraes Profa. Narion Coelho Prof. Paulo Angelo Martins O que é??? A eletroestimulação é um mecanismo que simula a passagem do impulso nervoso, levando o músculo

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Alterações morfofuncionais decorrentes

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

Metodologia do Treinamento Físico

Metodologia do Treinamento Físico Metodologia do Treinamento Físico FLEXIBILIDADE DEFINIÇÃO: É definida como a capacidade física expressa pela maior amplitude possível do movimento voluntário de uma articulação, ou combinações de articulações

Leia mais

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m.

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m. CONSTRUÇÃO de PROGRAMAS de TREINO 8 Objectivos Selecção dos Exercicíos Organização dos exercicíos Frequência de Treino Selecção das Cargas Selecção do nº. de Repetições Selecção do nº. de Séries e Pausas

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Liga Desportiva de Taekwon-do do Estado de Minas Gerais - LDTEMG Mestre Ronaldo Avelino Xavier Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Mestre

Leia mais

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008 ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO Anos 30: PIHKALA (Finlândia) Variações no trabalho - recuperação: dias, semanas, meses e anos de treinamento; Diminuição progressiva do volume de treinamento,

Leia mais

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com - Licenciado em Educação Física; - Treinador Nível II em Futebol; - Treinador à 25 anos, passando por todos os escalões; - Treinou a Selecção Distrital de Leiria; - Passou pelo Marinhense, Marítimo, União

Leia mais

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS *

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * Marcos Gueths * Daniela Pontes Flor ** RESUMO Desde que Cooper desenvolveu os fundamentos dos exercícios aeróbicos, os mesmos multiplicaram-se em

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

Metodologia do Treinamento Desportivo

Metodologia do Treinamento Desportivo Metodologia do Treinamento Desportivo PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Princípios do treinamento [5] Individualidade biológica Adaptação Sobrecarga Interdependência volume / intensidade Continuidade

Leia mais

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Diego V. Wilke

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Diego V. Wilke CONTRAÇÃO MUSCULAR Diego V. Wilke Fibra muscular lisa Núcleo Estrias Fibra muscular cardíaca Núcleo Discos Intercalares Fonte: Malvin et al., 1997. Concepts in humam Physiology Tipos de músculo Esquelético

Leia mais

Laboratório de fisiologia do exercício

Laboratório de fisiologia do exercício unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CÂMPUS DE JABOTICABAL CÂMPUS DE JABOTICABAL

Leia mais

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia 1. Introdução Organizar e colocar em prática o planeamento do treino requer a sua confirmação através de meios de avaliação.

Leia mais

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR 1 Características Histológicas O tecido muscular é constituído por células alongadas que possuem grande quantidade de filamentos citoplasmáticos com proteínas contráteis. Esse

Leia mais

Periodização no Treinamento de Força. (Musculação).

Periodização no Treinamento de Força. (Musculação). Curso de Musculação. Periodização no Treinamento de Força. (Musculação). Periodização: o que é isso? É o período ou temporada de treinamento prédeterminado, em que se encontra um indivíduo, possuindo etapas

Leia mais

Tecidos Nervoso e Muscular

Tecidos Nervoso e Muscular Material de apoio para Monitoria Questão 1 (Feio-Lemos, 2014) No esquema abaixo está representada a anatomia geral de um neurônio. Acerca da mesma, responda o que se pede. a b c d e f Meio intracelular

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br O metabolismo de carboidratos em humanos pode ser dividido nas seguintes categorias: 1. Glicólise 2. Ciclo de Krebs 3. Glicogênese 4. Glicogenólise

Leia mais

TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR

TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

METABOLISMO DE LIPÍDEOS

METABOLISMO DE LIPÍDEOS METABOLISMO DE LIPÍDEOS 1. Β-oxidação de ácidos graxos - Síntese de acetil-coa - ciclo de Krebs - Cadeia transportadora de elétrons e fosforilação oxidativa 2. Síntese de corpos cetônicos 3. Síntese de

Leia mais

O PRINCÍPIO DA VARIABILIDADE NOS PROGRAMAS PARA HIPERTROFIA MUSCULAR PRESCRITOS PELOS PROFESSORES DE MUSCULAÇÃO NA CIDADE DE CRICIÚMA

O PRINCÍPIO DA VARIABILIDADE NOS PROGRAMAS PARA HIPERTROFIA MUSCULAR PRESCRITOS PELOS PROFESSORES DE MUSCULAÇÃO NA CIDADE DE CRICIÚMA UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA BACHARELADO LEANDRO DAL FORNO O PRINCÍPIO DA VARIABILIDADE NOS PROGRAMAS PARA HIPERTROFIA MUSCULAR PRESCRITOS PELOS PROFESSORES DE

Leia mais

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA METABOLISMO BASAL GASTO ENERGÉTICO TOTAL Profª. Alcinira Furtado Farias METABOLISMO BASAL Conjunto de processos por meio dos quais o organismo vivo recolhe e transforma as

Leia mais

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 CURRICULUM VITAE Chefe do Departamento e Preparação Física do Minas Tênis Clube desde 1978 Preparador

Leia mais

Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios

Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios UFBA Faculdade de Educação Física Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios Alexandre Veloso de Sousa A Ginástica como atividade física se confunde com a história do próprio homem;

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO Andrey Portela 1, Arnaldo Guilherme Borgo 2 1 UNIGUAÇU; 2 Licenciado em Educação Física e Esportes.

Leia mais

Musculação, treinamento funcional, crossfit e pilates: como escolher o seu exercício ideal?

Musculação, treinamento funcional, crossfit e pilates: como escolher o seu exercício ideal? Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Nader Alves dos Santos Ano Letivo - 2015 4º BIMESTRE Colégio da Polícia Militar de Goiás -NAS Aluno (a): Nº Faça o que se pede. MODALIDADES EM ALTA CONTEÚDO SIMULADO

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO

METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO Mitocôndria - Organela em forma de grão ou bastonete. É formada por duas membranas: a mais interna forma uma série de dobras ou septos chamados

Leia mais

TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE

TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE O treinamento da flexibilidade pode ser realizado de duas formas: alongamento e flexionamento. ALONGAMENTOS No caso do alongamento, o objetivo é se mobilizar a articulação

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

(2) converter as moléculas dos nutrientes em unidades fundamentais precursoras das macromoléculas celulares;

(2) converter as moléculas dos nutrientes em unidades fundamentais precursoras das macromoléculas celulares; INTRODUÇÃO AO METABOLISMO Metabolismo é o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. O metabolismo tem quatro

Leia mais

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO Prover um meio de comunicação p/ coordenar o trabalho de bilhões de células Perceber e responder aos eventos nos ambientes externo e interno Controlar os movimentos

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS ACADEMIA BOMBEIRO MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS ACADEMIA BOMBEIRO MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS ACADEMIA BOMBEIRO MILITAR CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS MANUAL DO TREINAMENTO FÍSICO DO CORPO DE

Leia mais

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) Músculo cardíaco possui anatomia própria, diferindo anatômica e funcionalmente dos outros tipos musculares. MÚSCULO LISO O músculo liso

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

TRABALHO DE FISIOLOGIA

TRABALHO DE FISIOLOGIA TRABALHO DE FISIOLOGIA ALUNOS: WELLINGTON LUIZ ALEX BEZERA EDUCAÇÃO FÍSICA UFC / FACED INTRODUÇÃO Os carboidratos cnstituem uma importante fonte de enerfia para o metabolismo dos seres humanos. O glicogênio

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Respiração e Fermentação 1. (Fuvest) O fungo 'Saccharomyces cerevisiae' (fermento de padaria) é um anaeróbico facultativo. Quando cresce na ausência de oxigênio, consome muito mais glicose do que quando

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO TREINAMENTO FÍSICO

OS BENEFÍCIOS DO TREINAMENTO FÍSICO OS BENEFÍCIOS DO TREINAMENTO FÍSICO O ser humano, na sua preocupação com o corpo, tem de estar alerta para o fato de que saúde e longevidade devem vir acompanhadas de qualidade de vida, tanto no presente

Leia mais

LITERATURA DE CREATINA

LITERATURA DE CREATINA Nome Científico: Ácido acético metilguanidina Fórmula Química: NH 2 -C(NH) - NCH 2 (COOH)-CH 3 Descrição: A creatina [NH 2 -C(NH) - NCH 2 (COOH)-CH 3 ], uma amina nitrogenada, é um composto de aminoácidos

Leia mais