AUDIÇÃO SISTEMA NERVOSO SENSORIAL. O valor da comunicação verbal faz com que a audição, em alguns momentos, seja ainda mais importante que a visão.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUDIÇÃO SISTEMA NERVOSO SENSORIAL. O valor da comunicação verbal faz com que a audição, em alguns momentos, seja ainda mais importante que a visão."

Transcrição

1 SISTEMA NERVOSO SENSORIAL Sunol Alvar O valor da comunicação verbal faz com que a audição, em alguns momentos, seja ainda mais importante que a visão. 1

2 CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS Ouvido externo Aurícula: cartilagem revestida por pele Meato acústico externo: tubo no osso temporal (± 2,5 cm) Tímpano: membrana divisória entre o meato acústico externo e o ouvido médio 2

3 CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS Ouvido Médio Ossículos acústicos: martelo, bigorna e estribo Janelas oval e redonda: cobertas por membrana aberturas Músculo tensor do tímpano: puxa o manúbrio em direção medial Músculo estapédio: afasta o estribo da janela oval CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS Ouvido Interno Labirinto ósseo: cavidades no osso temporal, preenchido por perilinfa Labirinto membranoso: no interior do labirinto ósseo, preenchido por endolinfa 3

4 A CÓCLEA Membranas Membrana de Reissner ou Membrana Vestibular Membrana basilar A CÓCLEA Rampas ou Escalas Vestibular: termina na janela oval Timpânica: termina na janela redonda Média ou ducto coclear: labirinto membranoso sem comunicação 4

5 A CÓCLEA Órgão de Corti: órgão receptor que gera impulsos nervosos em resposta à vibração da membrana basilar. Células ciliadas internas: células sensoriais primárias 95% das fibras aferentes Células ciliadas externas: influenciam os padrões de vibração da membrana basilar por encurtamento e alongamento maioria das fibras eferentes O som é a sensação produzida quando vibrações longitudinais das moléculas no meio externo incidem sobre a membrana timpânica. 5

6 1. A aurícula direciona as ondas sonoras para o meato acústico externo 2. As ondas sonoras incidem sobre o tímpano = vibração 6

7 3. Vibração do tímpano martelo bigorna estribo 4. Vibração da janela oval 7

8 5. Movimento da janela oval perilinfa na escala vestibular 6. Movimento da perilinfa na escala vestibular escala timpânica 8

9 7. Ondas de pressão empurram a memb. vestibular = ondas de pressão na endolinfa 8. Ondas de pressão na endolinfa = vibração da membrana basilar 9

10 TRANSDUÇÃO DE SINAL A partir das células ciliadas, projetam-se para cima estereocílios que tocam ou se incluem na membrana tectória na rampa média. TRANSDUÇÃO DE SINAL A inclinação dos estereocílios numa direção despolariza as células ciliadas, enquanto na outra, as hiperpolariza. Deslocamento da membrana basilar movimento dos cílios contra a membrana tectória PR alternante na célula ciliada PA nas fibras nervosas auditivas. 10

11 MECANISMOS AUDITIVOS CENTRAIS A Via Auditiva Gânglio espiral de Corti Núcleos cocleares ventral e dorsal Núcleo olivar superior lemnisco lateral Colículo inferior Núcleo geniculado medial Córtex auditivo MECANISMOS AUDITIVOS CENTRAIS O Córtex Auditivo (giro temporal superior) 1. Reconhecimento de padrões tonais; 2. Análise das propriedades dos sons; 3. Localização do som. 11

12 ONDAS SONORAS Determinação da freqüência Fibras basilares: tamanho e espessura da base da cóclea ao ápice = rigidez em direção ao helicotrema Via coclear: organização espacial da cóclea ao córtex cerebral ONDAS SONORAS Determinação da freqüência 12

13 ONDAS SONORAS ONDAS SONORAS Determinação do volume Somação temporal Somação espacial A intensidade de um som em bel é o logarítmo da proporção entre a intensidade daquele som e um som padrão Número de db = 10 log intensidade do som intensidade do som padrão Som Farfalhar das folhas Fala sussurrada db Conversação normal 60 Britadeira 90 Avião a jato 160 A partir de 120 db = Dor 13

14 ONDAS SONORAS Determinação da direção Núcleo olivar superior lateral: diferença de intensidade dos sons que atingem os dois ouvidos Núcleo olivar medial: retardo do tempo entre os sons que entram nos dois ouvidos Neurônios Dentrito p/ sinais do ouvido direito Dentrito p/ sinais do ouvido esquerdo Grupos Curto retardo = resposta máxima Longo retardo = resposta máxima 14

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03

Leia mais

Sistema Vestíbulo-Coclear. Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP

Sistema Vestíbulo-Coclear. Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP Sistema Vestíbulo-Coclear Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP Salvador BA 27 de março de 2012 Componentes Orelha Externa Pavilhão Auditivo Meato Acústico Externo até a membrana

Leia mais

FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO

FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO Profa. Geanne Matos de Andrade Depto de Fisiologia e Farmacologia AUDIÇÃO Modalidade sensorial que permite aos animais eaohomenpercebersons Som é a pertubação vibratória do ambiente

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XXIV O Ouvido Parte 2

O Nosso Corpo Volume XXIV O Ouvido Parte 2 O Nosso Corpo Volume XXIV um Guia de O Portal Saúde Outubro de 2010 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright O Portal Saúde, todos os direitos

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 1

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 1 8. Audição e linguagem Introdução Os sons são vibrações periódicas do ar capazes de excitar nossos receptores auditivos (ondas sonoras), provocando uma percepção. As espécies têm diferentes capacidades

Leia mais

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo.

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Sistema auditivo Audição Audição Audição e equilíbrio Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Possui glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas apócrinas modificadas glândulas

Leia mais

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2)

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2) Disciplina: Biologia Série: 6ª série - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Órgãos dos sentidos (2) ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2) A Audição O ouvido é o órgão coletor dos estímulos externos,

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição Sistema Sensorial Biofísica da Audição Falar pelos cotovelos... Ouvir pelos joelhos... SENTIDO DA AUDIÇÃO - FINALIDADE Detectar predadores, presas e perigo Comunicação acústica intra - específica Som propagação

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Auditiva Professor: Pai Chi Nan 1 2 1 Ouvido externo Orelha Canal auditivo externo Função Coleta de sons 3 Ouvido médio Tímpano Ossículos Martelo Bigorna

Leia mais

CONDUÇÃO da INFORMAÇÃO na MEDULA

CONDUÇÃO da INFORMAÇÃO na MEDULA FACULDADE de MOTRICIDADE HUMANA ANATOMOFISIOLOGIA 2008 2002/2003-2009 Prof. Prof. SISTEMA NERVOSO SISTEMA NERVOSO Receptores RECEPTORES E VIAS DA Vias SENSIBILIDADE da Sensibilidade Vias da Motricidade

Leia mais

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Universidade Federal de Minas Gerais Pampulha Ciências da Computação Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Trabalho apresentado à disciplina Processamento Digital de Som e Vídeo Leonel Fonseca Ivo 2007041418

Leia mais

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano O Ouvido Humano Eng. Adriano Luiz Spada Attack do Brasil 1- Introdução Neste artigo abordaremos as principais características do ouvido humano, uma das principais ferramentas para quem trabalha com áudio.

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído Anatomia do Ouvido O ouvido consiste em três partes básicas o ouvido externo, o ouvido médio, e ouvido interno. Perda da audição, por lesão do ouvido interno, provocada pela exposição ao ruído ou à vibração

Leia mais

OS S ENTIDOS Profe f sso s ra: a Edilene

OS S ENTIDOS Profe f sso s ra: a Edilene OS SENTIDOS Professora: Edilene OS SENTIDOS DO CORPO HUMANO O Paladar identificamos os sabores; OOlfato sentimosodoroucheiro; O Tato sentimos o frio, o calor, a pressão atmosférica, etc; AAudição captamosossons;

Leia mais

7. A anatomia e a física do ouvido

7. A anatomia e a física do ouvido 7. A anatomia e a física do ouvido 1 Descrição geral A anatomia do ouvido está na gura 1 Figura 1: Anatomia do ouvido (gura retirada do manual Merck on-line, em http://www.manualmerck.net/artigos/?id=235&cn=1899#ige1).

Leia mais

Sistema Auditivo Periférico Noções de Psicoacútica. Roteiro

Sistema Auditivo Periférico Noções de Psicoacútica. Roteiro Seminário 0 Sistema Auditivo Periférico Noções de Psicoacútica Maurílio Nunes Vieira Depto. Física/ICEx/UFMG Roteiro Ouvido. Ouvido externo, médio e interno: anátomo-fisiologia e aspectos acústicos básicos.

Leia mais

UM RECURSO DIDÁTICO PARA ENSINO DE FÍSICA, BIOLOGIA E MÚSICA Laura Rita Rui a [laurarui@cpovo.net] Maria Helena Steffani b [steffani@if.ufrgs.

UM RECURSO DIDÁTICO PARA ENSINO DE FÍSICA, BIOLOGIA E MÚSICA Laura Rita Rui a [laurarui@cpovo.net] Maria Helena Steffani b [steffani@if.ufrgs. UM RECURSO DIDÁTICO PARA ENSINO DE FÍSICA, BIOLOGIA E MÚSICA Laura Rita Rui a [laurarui@cpovo.net] Maria Helena Steffani b [steffani@if.ufrgs.br] a,b Instituto de Física UFRGS Caixa Postal 15051. Campus

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL II

ENSINO FUNDAMENTAL II ENSINO FUNDAMENTAL II Valor: 2,0 Nota: Data: / /2015 Professor: Vagner Disciplina: ciências Nome: n o : Ano: 8º 3º bimestre ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO (CIÊNCIAS) Faça uma pesquisa com o seguinte tema: Patologias

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

- Anatomia e Fisiologia do Ouvido. - Avaliação Básica do Ouvido e da Audição. - Principais manifestações patológicas

- Anatomia e Fisiologia do Ouvido. - Avaliação Básica do Ouvido e da Audição. - Principais manifestações patológicas Intervenções de Enfermagem à Pessoa com Problemas da Função Sensorial - do Ouvido - Avaliação Básica do Ouvido e da Audição - Principais manifestações patológicas três partes: ouvido externo, médio e interno.

Leia mais

META Compreender o mecanismo sensorial responsável pela formação da audição humana, assim como, algumas patologias que afetam este processo.

META Compreender o mecanismo sensorial responsável pela formação da audição humana, assim como, algumas patologias que afetam este processo. BIOFÍSICA DA AUDIÇÃO META Compreender o mecanismo sensorial responsável pela formação da audição humana, assim como, algumas patologias que afetam este processo. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno

Leia mais

ANATOMIA FUNCIONAL DA ORELHA. (a nova nomenclatura substitui o termo ouvido por orelha)

ANATOMIA FUNCIONAL DA ORELHA. (a nova nomenclatura substitui o termo ouvido por orelha) ANATOMIA DA ORELHA ANATOMIA FUNCIONAL DA ORELHA (a nova nomenclatura substitui o termo ouvido por orelha) O aparelho auditivo humano e dos demais mamíferos é formado pela orelha externa, a orelha média

Leia mais

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Orelha Interna -Sistema Vestibular Movimentos rotacionais (aceleração angular) As células sensoriais são ciliadas mas são estimuladas

Leia mais

SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO

SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO 75 SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO O ouvido interno ou labirinto é constituído pelos sistemas coclear e vestibular. A cóclea é o órgão sensorial responsável pela decodificação dos sons e evoca o sentido

Leia mais

SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO

SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO Prof. Hélder Mauad APARELHO VESTIBULAR Órgão sensorial que detecta as sensações de equilíbrio. Constituído por labirinto ósseo e por dentro dele há o labirinto

Leia mais

A relação com o ambiente e a coordenação do corpo

A relação com o ambiente e a coordenação do corpo Daltonismo Algumas pessoas nascem com um ou mais tipos de cone em número reduzido ou ausente e, consequentemente, têm dificuldade de distinguir certas cores. Conjuntivite ANNABELLA BLUESKY / SCIENCE PHOTO

Leia mais

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

Simulação biomecânica do ouvido humano, incluindo patologias do ouvido médio

Simulação biomecânica do ouvido humano, incluindo patologias do ouvido médio Simulação biomecânica do ouvido humano, incluindo patologias do ouvido médio Bruno André Faria Areias Dissertação do MIEM Orientador na FEUP: Prof. Doutor Marco Paulo Lages Parente Coorientador na FEUP:

Leia mais

ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA

ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA INTRODUÇÃO É o segmento da Física que interpreta o comportamento das ondas sonoras audíveis frente aos diversos fenômenos ondulatórios. Acústica

Leia mais

Sistemas Auditivo e Vestibular

Sistemas Auditivo e Vestibular Cadeira de Biofísica Molecular Capítulo 6 Sistemas Auditivo e Vestibular Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1 Sistema Auditivo http://www.bionicear.org/ 2 O Som O som é a impressão fisiológica produzida pelas

Leia mais

Esse barulho me deixa surda!

Esse barulho me deixa surda! Esse barulho me deixa surda! A UU L AL A Você já reparou na quantidade de ruídos ao seu redor? Basta ficar dez segundos prestando atenção aos sons para notar o som da TV, um carro passando, um cachorro

Leia mais

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186)

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) - Possibilita a percepção de sons diversos (fala, canto dos pássaros, barulho das ondas do mar, chacoalhar das folhas ao vento); - Os sons são transmitidos por

Leia mais

Relação Sinal/Ruído na Perceção da Palavra em Português Europeu para o Normo-Ouvinte

Relação Sinal/Ruído na Perceção da Palavra em Português Europeu para o Normo-Ouvinte INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Escola Superior de Tecnologia da Saúde Relação Sinal/Ruído na Perceção da Palavra em Português Europeu para o Normo-Ouvinte Dissertação de Mestrado em Audiologia Maria

Leia mais

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DOS ÓRGÃOS SENSORIAIS DA AUDIÇÃO E VISÃO

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DOS ÓRGÃOS SENSORIAIS DA AUDIÇÃO E VISÃO ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DOS ÓRGÃOS SENSORIAIS DA AUDIÇÃO E VISÃO Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DA ORELHA INTRODUÇÃO A orelha é o órgão responsável por detectar ondas sonoras.

Leia mais

LIMITES SENSORIAIS HUMANOS E A ENGENHARIA: UMA FERRAMENTA DE DEMONSTRAÇÃO DO MASCARAMENTO SONORO

LIMITES SENSORIAIS HUMANOS E A ENGENHARIA: UMA FERRAMENTA DE DEMONSTRAÇÃO DO MASCARAMENTO SONORO LIMITES SENSORIAIS HUMANOS E A ENGENHARIA: UMA FERRAMENTA DE DEMONSTRAÇÃO DO MASCARAMENTO SONORO Lucas Marcetti Sterquino da Silva sargentoskt@hotmail.com Programa de Educação Tutorial (PET), Departamento

Leia mais

APOSTILA DE CIÊNCIAS

APOSTILA DE CIÊNCIAS Escola D. Pedro I Ciências - 2ª Unidade Carla Oliveira Souza APOSTILA DE CIÊNCIAS Órgão dos Sentidos Assunto do Teste SALVADOR BAHIA 2009 Os cinco sentidos fundamentais do corpo humano: O Paladar identificamos

Leia mais

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino.

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino. Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a)

Leia mais

Órgãos dos Sentidos. web.educom.pt. Prof. CRISTINO RÊGO 8º ANO Ensino Fundamental

Órgãos dos Sentidos. web.educom.pt. Prof. CRISTINO RÊGO 8º ANO Ensino Fundamental Órgãos dos Sentidos web.educom.pt Prof. CRISTINO RÊGO 8º ANO Ensino Fundamental TATO dicas-enfermagem.blogspot.com br A pele é o órgão do tato. Nela encontram-se os receptores sensoriais contendo fibras

Leia mais

FÍSICA: SOM E AUDIÇÃO HUMANA

FÍSICA: SOM E AUDIÇÃO HUMANA FÍSICA: SOM E AUDIÇÃO HUMANA Laura Rita Rui a (laurarui@cpovo.net) Maria Helena Steffani b (helena.steffani@ufrgs.br) a Mestrado Profissional em Ensino de Física IF - UFRGS b Departamento de Física - IF-UFRGS

Leia mais

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO Profª Ana Cláudia Reis Pedroso AUDIÇÃO O ÓRGÃO DA AUDIÇÃO: A ORELHA O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear

Leia mais

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores GUIA PARA EDUCADORES 3 Índice Capítulo 1: Introdução aos implantes cocleares...4 Capítulo 2: Histórico dos implantes cocleares...8 Capítulo

Leia mais

FISIOLOGIA DO LABIRINTO POSTERIOR (APARELHO VESTIBULAR)

FISIOLOGIA DO LABIRINTO POSTERIOR (APARELHO VESTIBULAR) FISIOLOGIA DO LABIRINTO POSTERIOR (APARELHO VESTIBULAR) INTRODUÇÃO Controle da Postura e Equilíbrio Estabilização da imagem Orientação Espacial/Gravitacional Filogênese do aparelho vestibular/auditivo

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA GRUPO 5.2 MÓDULO 6 Índice 1. Crianças com Deficiência Auditiva...3 1.1. Os Ouvidos... 3 1.2. Mecanismo da Audição... 3 2. Saúde Auditiva...4 3. Definição de Deficiência Auditiva...5 3.1. Classificação...

Leia mais

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO)

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) A avaliação de perda auditiva ou tiníto quase sempre inclui a investigação do osso temporal através de imagens. Há uma grande variedade de processos de doenças congênitas e adquiridas

Leia mais

Plano de Aula CIÊNCIAS. Escutando os sons

Plano de Aula CIÊNCIAS. Escutando os sons Plano de Aula CIÊNCIAS Escutando os sons Escutando os sons. 08 p.; il. (Série Plano de Aula; Ciências) ISBN: 1. Ensino Fundamental Ciências 2. Ser humano e saúde 3. Educação Presencial I. Título II. Série

Leia mais

AS REPERCUSSÕES DO RUÍDO OCUPACIONAL NA AUDIÇÃO DOS CIRURGIÕES DENTISTAS DAS UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DE JOÃO PESSOA-PB

AS REPERCUSSÕES DO RUÍDO OCUPACIONAL NA AUDIÇÃO DOS CIRURGIÕES DENTISTAS DAS UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DE JOÃO PESSOA-PB UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MODELOS DE DECISÃO E SAÚDE AS REPERCUSSÕES DO RUÍDO OCUPACIONAL NA AUDIÇÃO

Leia mais

A palavra postura tem dois grandes significados físico e figurativo (FERREI-

A palavra postura tem dois grandes significados físico e figurativo (FERREI- 11 2 BIOMECÂNICA DA POSTURA 1 2.1 Conceituação de postura A palavra postura tem dois grandes significados físico e figurativo (FERREI- RA, 1986, p. 1373): no sentido físico, corporal, significa "o modo

Leia mais

FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO

FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO 1- CONCEITOS BÁSICOS O som é um tipo de energia mecânica, resultado da transmissão de energia de partículas de ar em vibração, de uma fonte sonora em direção a partes mais distantes.

Leia mais

29/03/2016 FUNÇÕES DO OUVIDO

29/03/2016 FUNÇÕES DO OUVIDO FUNÇÕES DO OUVIDO 1. Ouvido externo (única parte visível): Principal captar as ondas sonoras e transmiti-la para o cérebro que as analisará (som: vibração física do ar cuja frequência audível pelo ouvido

Leia mais

Como sentimos o mundo?

Como sentimos o mundo? Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia Como sentimos o mundo? Introdução à Fisiologia Sensorial Qual mundo é o verdadeiro? - Cada um percebe uma obra musical de maneira diferente - Diferenças

Leia mais

Fisiologia Sentidos Especiais

Fisiologia Sentidos Especiais O Olho Fisiologia Sentidos Especiais Profa. Ana Maria Curado Lins, M.Sc Anatomia do Olho Esclerótica: membrana mais externa do olho, é branca, fibrosa e resistente; mantém a forma do globo ocular e protege-o;

Leia mais

Página 1 de 5 Sequência Didática As ondas sonoras e suas propriedades físicas Utilizando elementos cotidianos e instrumentos musicais, explique à classe os conceitos físicos do som e os limites saudáveis

Leia mais

GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS

GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS A WIDEX É WINDMADE WindMade é o primeiro rótulo global de consumo, identificando empresas que utilizam energia eólica; A Widex é a primeira empresa

Leia mais

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS Profª. Ms. * Introdução A deficiência auditiva traz algumas limitações para o desenvolvimento do indivíduo, uma vez que a audição é essencial para a aquisição da língua oral.

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMA SENSORIAL

COLÉGIO ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMA SENSORIAL COLÉGIO ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMA SENSORIAL MICHEL FELIPE PRASNIEVSKI ROSIMAR RODRIGUES VINICIUS ARAUJO 2013 Sistemas Sensoriais É o sistema constituído

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Biologia FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA NERVOSO Tem por função receber, associar, armazenar ou emitir informações garantindo assim

Leia mais

O ouvido absoluto e o ouvido relativo: vantagens e desvantagens dentro da educação musical

O ouvido absoluto e o ouvido relativo: vantagens e desvantagens dentro da educação musical O ouvido absoluto e o ouvido relativo: vantagens e desvantagens dentro da educação musical Claudia Mara Damian Introdução Antes de mais nada, para que possamos melhor compreender o processamento da percepção

Leia mais

Bebê no útero materno visto com uso de ultra som (som de frequência muito alta)

Bebê no útero materno visto com uso de ultra som (som de frequência muito alta) PRODUÇÃO E PERCEPÇÃO DE SONS Autores: Arjuna C. Panzera Dácio G. Moura Bebê no útero materno visto com uso de ultra som (som de frequência muito alta) Tópico Complementar VII do CBC de Ciências Habilidades

Leia mais

Nervos Cranianos. M.Sc. Profª Viviane Marques

Nervos Cranianos. M.Sc. Profª Viviane Marques Nervos Cranianos M.Sc. Profª Viviane Marques Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar UVA Docente do mestrado de HIV/AIDS e Hepatites Virais UNIRIO Tutora da Residência Multiprofissional

Leia mais

O Hipotálamo, os Centros de Controle dos Estados Motivados e Emoções

O Hipotálamo, os Centros de Controle dos Estados Motivados e Emoções Curso de Pós-graduaP graduação - IPUB Neurociências Aplicadas Ciclo Básico B Núcleo Comum Disciplina de Neuroanatomia Prof: Alfred Sholl O Hipotálamo, os Centros de Controle dos Estados Motivados e Emoções

Leia mais

A MEDICINA DO SOM. O ouvido humano é constituído de três partes: Ouvido externo Ouvido médio Ouvido interno

A MEDICINA DO SOM. O ouvido humano é constituído de três partes: Ouvido externo Ouvido médio Ouvido interno A MEDICINA DO SOM 1 O ouvido humano é constituído de três partes: Ouvido externo Ouvido médio Ouvido interno Figura 1: O sistema auditivo www.corpohumano.hpg.ig.com.br Figura 2: Componentes do sistema

Leia mais

NERVO VESTÍBULOCOCLEAR: OITAVO NERVO CRANIANO

NERVO VESTÍBULOCOCLEAR: OITAVO NERVO CRANIANO NERVO VESTÍBULOCOCLEAR: OITAVO NERVO CRANIANO O epitélio do ouvido interno desenvolve-se precocemente na vida embrionária como sulco do ectoderma e mais tarde separa-se deste para formar uma vesícula.

Leia mais

Estrutura Funcional do Sistema Nervoso. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Estrutura Funcional do Sistema Nervoso. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estrutura Funcional do Sistema Nervoso Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estágios inicias da formação do SN O sistema nervoso humano começa a ser formado logo após a fecundação. À medida que se desenvolve

Leia mais

CEFAC PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO EM CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

CEFAC PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO EM CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO CEFAC CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA AUDIOLOGIA CLÍNICA PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO EM CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO ANA TEREZA TORRES PARAGUAY RECIFE Setembro 1999 5 ANA TEREZA TORRES

Leia mais

RUÍDOS EM AVIAÇÃO CONTEÚDO

RUÍDOS EM AVIAÇÃO CONTEÚDO 1 / 14 RUÍDOS EM AVIAÇÃO CONTEÚDO Introdução Generalidades sobre o Som Generalidades sobre a Audição Generalidades sobre o Trauma Sonoro Programa de Conservação da Audição 2 / 14 I - INTRODUÇÃO O ruído

Leia mais

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS. Prof. MSc. Cristiano Rosa de Moura Médico Veterinário

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS. Prof. MSc. Cristiano Rosa de Moura Médico Veterinário UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL Curso de Medicina Veterinária Disciplina de Anatomia Veterinária I ÓRGÃOS DOS SENTIDOS Médico Veterinário

Leia mais

Estudos sobre a Deficiência. Brasília-DF.

Estudos sobre a Deficiência. Brasília-DF. Estudos sobre a Deficiência Auditiva e Surdez Brasília-DF. Elaboração Maria Aparecida Cormedi Produção Equipe Técnica de Avaliação, Revisão Linguística e Editoração SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 ORGANIZAÇÃO

Leia mais

RECEPTORES QUÍMICOS E OLFATÓRIOS

RECEPTORES QUÍMICOS E OLFATÓRIOS SISTEMA SENSORIAL PEIXES A visão dos vertebrados terrestres depende de lentes planas e flexíveis; Os vertebrados aquáticos dependem de lentes esféricas, menos flexíveis, com um alto poder de refração.

Leia mais

NeuroBiologia da Cognição Como o sistema nervoso decodifica os sinais do ambiente?

NeuroBiologia da Cognição Como o sistema nervoso decodifica os sinais do ambiente? NeuroBiologia da Cognição Como o sistema nervoso decodifica os sinais do ambiente? Profa Silvia Mitiko Nishida As empresas objetivam vender produtos e tentam convencer os consumidores por meio da P R O

Leia mais

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Módulo: Morfológicas I Disciplina: Histologia Curso: Odontologia Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Vista de embrião com 22 dias Primeiro Arco

Leia mais

PERCEBEMOS O MUNDO PARA AGIR SOBRE ELE

PERCEBEMOS O MUNDO PARA AGIR SOBRE ELE Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Ciências Fisiológicas FISIOLOGIA PSICOLOGIA NEROFISIOLOGIA Introdução ao sistema sensorial Receptores sensoriais Prof. Leonardo dos Santos PERCEBEMOS

Leia mais

HIERARQUIA E CONTROLE DE MOVIMENTOS

HIERARQUIA E CONTROLE DE MOVIMENTOS HIERARQUIA E CONTROLE DE MOVIMENTOS (Sherrington) CORTEX MOTOR Movimentos voluntários e ajustes antecipatórios NÚCLEOS DA BASE E CEREBELO Iniciação, modulação, coordenação, refinamento e aprendizado motor

Leia mais

Audição. Profa. Dra. Eliane Comoli Departamento de Fisiologia da FMRP

Audição. Profa. Dra. Eliane Comoli Departamento de Fisiologia da FMRP Audição Profa. Dra. Eliane Comoli Departamento de Fisiologia da FMRP ROTEIRO DE AULA TEÓRICA: AUDIÇÃO 1. O que é o som? Características da onda sonora: a. Comprimento da onda; b. Velocidade da onda e c.

Leia mais

ESTUDO DA MATURAÇÃO DAS VIAS AUDITIVAS POR MEIO DOS POTENCIAIS EVOCADOS AUDITIVOS DE TRONCO ENCEFÁLICO EM CRIANÇAS NASCIDAS PRÉ-TERMO

ESTUDO DA MATURAÇÃO DAS VIAS AUDITIVAS POR MEIO DOS POTENCIAIS EVOCADOS AUDITIVOS DE TRONCO ENCEFÁLICO EM CRIANÇAS NASCIDAS PRÉ-TERMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS: PEDIATRIA ESTUDO DA MATURAÇÃO DAS VIAS AUDITIVAS POR MEIO DOS POTENCIAIS EVOCADOS AUDITIVOS

Leia mais

CAROLINE LUIZ MENESES-BARRIVIERA

CAROLINE LUIZ MENESES-BARRIVIERA CENTRO DE PESQUISA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO CAROLINE LUIZ MENESES-BARRIVIERA PREVALÊNCIA DE PERDA AUDITIVA E PROVÁVEL ASSOCIAÇÃO COM HIPERTENSÃO ARTERIAL, DIABETES E HISTÓRIA

Leia mais

Maria Inês Cardoso Araújo POTENCIAIS EVOCADOS AUDITIVOS DE LONGA LATÊNCIA NA DISLEXIA

Maria Inês Cardoso Araújo POTENCIAIS EVOCADOS AUDITIVOS DE LONGA LATÊNCIA NA DISLEXIA Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica Telecomunicações e 2009 Informática Departamento de Línguas e Culturas Secção Autónoma de Ciências da Saúde Maria Inês Cardoso Araújo POTENCIAIS EVOCADOS

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXAME DE RESPOSTA AUDITIVA DE ESTADO ESTÁVEL PARA AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE PROTETORES AURICULARES

APLICAÇÃO DE EXAME DE RESPOSTA AUDITIVA DE ESTADO ESTÁVEL PARA AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE PROTETORES AURICULARES XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem

Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem Disciplina - Aspectos Fonoaudiológicos nos Distúrbios de Aprendizagem Fga. Ms. Adriana de Souza Batista adrianabatista@gmail.com CRDA Curso de Pós-Graduação

Leia mais

1 2 3 4 5 6 Tuba auditiva: quando você está em um avião ascendendo ou em um carro seguindo para o alto de uma montanha, a pressão do ar circundante diminui. Enquanto a válvula da tuba auditiva estiver

Leia mais

SISTEMA PARA DETECÇÃO DE LIMIAR AUDITIVO FISIOLÓGICO COM BASE NO POTENCIAL EVOCADO EM REGIME PERMANENTE

SISTEMA PARA DETECÇÃO DE LIMIAR AUDITIVO FISIOLÓGICO COM BASE NO POTENCIAL EVOCADO EM REGIME PERMANENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica SISTEMA PARA DETECÇÃO DE LIMIAR AUDITIVO FISIOLÓGICO COM BASE NO POTENCIAL EVOCADO EM REGIME PERMANENTE Matheus Wanderley

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 21

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 21 Aula 1 Ondas sonoras harmônicas Na aula passada deduzimos a equação de onda para ondas sonoras propagando-se em uma dimensão. Vimos que ela pode ser escrita em termos de três variáveis medidas em relação

Leia mais

Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques

Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Chefe da Empresa FONOVIM Fonoaudiologia Neurológica Ltda Coordenadora da Pós-graduação

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS E A DETECÇÃO PRECOCE DA DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM RECÉM-NASCIDOS

EMISSÕES OTOACÚSTICAS E A DETECÇÃO PRECOCE DA DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM RECÉM-NASCIDOS CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA AUDIOLOGIA CLÍNICA EMISSÕES OTOACÚSTICAS E A DETECÇÃO PRECOCE DA DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM RECÉM-NASCIDOS Monografia de conclusão do curso de Especialização

Leia mais

O Desenvolvimento da Consciência Fonológica e o Processamento Auditivo em crianças da última série do ensino infantil.

O Desenvolvimento da Consciência Fonológica e o Processamento Auditivo em crianças da última série do ensino infantil. O Desenvolvimento da Consciência Fonológica e o Processamento Auditivo em crianças da última série do ensino infantil. Juliana Pereira Dissertação de Mestrado em Lingüística apresentada à Coordenação do

Leia mais

v. 18 n.1 2007 A FÍSICA NA AUDIÇÃO HUMANA Laura Rita Rui Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física UFRGS

v. 18 n.1 2007 A FÍSICA NA AUDIÇÃO HUMANA Laura Rita Rui Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física UFRGS v. 18 n.1 2007 A FÍSICA NA AUDIÇÃO HUMANA Laura Rita Rui Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física UFRGS Textos de Apoio ao Professor de Física, v.18 n.1, 2007 Instituto de Física UFRGS Programa de

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1. Introdução O ruído, de acordo com a CEE (Comunidade Económica Europeia), foi considerado em 1977 como sendo um conjunto de sons susceptíveis de adquirir um carácter afectivo desagradável e/ou

Leia mais

Escola Secundária Emídio Navarro. Fisica e Quimica 11ºano CT3

Escola Secundária Emídio Navarro. Fisica e Quimica 11ºano CT3 Escola Secundária Emídio Navarro Fisica e Quimica 11ºano CT3 Ana Catarina Rato, nº2. Daniel Costa, nº9. Herlander Barreto, nº13. Professora Manuela Teixeira Fevereiro de 2010 0 Índice Introdução 1 Som:

Leia mais

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Guias SP/SADT Protocolo Conduta Indicação Clinica Perda Auditiva Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

Leia mais

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA 1 INTRODUÇÃO A audição possibilita a aquisição da linguagem e a conseqüente integração do homem com o mundo sonoro e social.

Leia mais

SISTEMA SENSORIAL PALADAR E OLFATO

SISTEMA SENSORIAL PALADAR E OLFATO SISTEMA SENSORIAL TATO VISÃO AUDIÇÃO TATO, VISÃO, AUDIÇÃO, PALADAR E OLFATO TATO Pele (ou cútis): órgão de revestimento t externo do corpo o maior órgão do corpo humano e o mais pesado responsável pela

Leia mais

RECEPTORES SENSORIAIS

RECEPTORES SENSORIAIS RECEPTORES SENSORIAIS Elio Waichert Júnior Sistema Sensorial Um dos principais desafios do organismo é adaptar-se continuamente ao ambiente em que vive A organização de tais respostas exige um fluxo de

Leia mais

NEUROMUSICOLOGIA: UMA ABORDAGEM NEUROFISIOLÓGICA E FILOSÓFICA

NEUROMUSICOLOGIA: UMA ABORDAGEM NEUROFISIOLÓGICA E FILOSÓFICA NEUROMUSICOLOGIA: UMA ABORDAGEM NEUROFISIOLÓGICA E FILOSÓFICA Carmen Helena Gessinger 1 Lilian Rose M. da Rocha 2 Resumo: O presente artigo é o desenvolvimento de uma abordagem do ponto de vista neurofisiológico,

Leia mais

Modelação Geométrica e Computacional do Ouvido Médio Análise de Casos. Mestrado em Engenharia Biomédica. Trabalhos Práticos

Modelação Geométrica e Computacional do Ouvido Médio Análise de Casos. Mestrado em Engenharia Biomédica. Trabalhos Práticos Mestrado em Engenharia Biomédica Trabalhos Práticos Julho de 2007 Lara Marlene Fernandes Quintela Modelação Geométrica e Computacional do Ouvido Médio Análise de Casos Modelação Geométrica e Computacional

Leia mais

EFEITOS DO RUÍDO AMBIENTAL NO ORGANISMO HUMANO E SUAS MANIFESTAÇÕES AUDITIVAS

EFEITOS DO RUÍDO AMBIENTAL NO ORGANISMO HUMANO E SUAS MANIFESTAÇÕES AUDITIVAS CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA AUDIOLOGIA CLÍNICA EFEITOS DO RUÍDO AMBIENTAL NO ORGANISMO HUMANO E SUAS MANIFESTAÇÕES AUDITIVAS LÍVIA ISMÁLIA CARNEIRO DO CARMO GOIÂNIA 1999 CEFAC

Leia mais

UNIVERSAIDADE TUIUTI DO PARANÁ ALEX LUBA LIPINSKI ACHADOS DAS EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS EM PACIENTES COM DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

UNIVERSAIDADE TUIUTI DO PARANÁ ALEX LUBA LIPINSKI ACHADOS DAS EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS EM PACIENTES COM DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR UNIVERSAIDADE TUIUTI DO PARANÁ ALEX LUBA LIPINSKI ACHADOS DAS EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS EM PACIENTES COM DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR CURITIBA - PR 2014 ALEX LUBA LIPINSKI ACHADOS DAS EMISSÕES OTOACÚSTICAS

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Sistema Nervoso Motor a) Organização Hierárquica do Movimento Movimentos

Leia mais