MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº, DE DE DE Dispõe sobre a aplicação dos regimes aduaneiros especiais de admissão temporária e de exportação temporária. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. 280 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 203, de 14 de maio de 2012, e tendo em vista o disposto no art. 355, no parágrafo único do art. 363, no parágrafo único do art. 364, no 2º do art. 368, no inciso II do caput e inciso I do 1º do art. 370, no art. 372, no 4º do art. 373, nos arts. 377, 381 e 432, no 2º do art. 435, nos arts. 436 e 438, no 2º do art. 444, e no art. 448 do Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009 (Regulamento Aduaneiro), no art. 15 da Convenção Relativa à Admissão Temporária (Convenção de Istambul), aprovada pelo Decreto Legislativo nº 563, de 6 de agosto de 2010, e promulgada pelo Decreto nº 7.545, de 2 de agosto de 2011, nas Resoluções do Grupo Mercado Comum do MERCOSUL n os 121/1996, 35/2002, e 22/2003, e no art. 13 da Portaria MF nº 675, de 22 de dezembro de RESOLVE: Art. 1º Os regimes aduaneiros especiais de admissão temporária com suspensão total do pagamento de tributos, de admissão temporária para utilização econômica, de admissão temporária para aperfeiçoamento ativo, de exportação temporária e de exportação temporária para aperfeiçoamento passivo serão aplicados na forma e nas condições estabelecidas nesta Instrução Normativa. TÍTULO I DA ADMISSÃO TEMPORÁRIA CAPÍTULO I DA ADMISSÃO TEMPORÁRIA COM SUSPENSÃO TOTAL DO PAGAMENTO DE TRIBUTOS Seção I Do Conceito Art. 2º O regime aduaneiro especial de admissão temporária é o que permite a importação de bens que devam permanecer no País durante prazo fixado, com suspensão total do pagamento de tributos incidentes na importação. Seção II Dos Bens a que se Aplica o Regime Art. 3º Poderão ser submetidos ao regime de admissão temporária com suspensão total do pagamento de tributos incidentes na importação os seguintes bens:

2 I - destinados a eventos científicos, técnicos, políticos, educacionais, religiosos, comerciais ou industriais; II - destinados a manutenção, conserto ou reparo de bens estrangeiros ou nacionalizados, inclusive partes e peças destinadas à substituição; III - destinados a homologação, ensaios, testes de funcionamento ou resistência, ou ainda a serem utilizados no desenvolvimento de produtos ou protótipos; IV - destinados a reposição temporária de bens importados, em virtude de garantia; V - destinados a reprodução de fonogramas e de obras audiovisuais, importados sob a forma de matrizes; VI - destinados a produção de obra audiovisual ou cobertura jornalística; VII - destinados a promoção comercial, inclusive amostras sem destinação comercial e mostruários de representantes comerciais; VIII - animais para exposições, feiras, pastoreio, adestramento, trabalho, cobertura e cuidados da medicina veterinária; IX - veículos terrestres e embarcações de esporte e recreio, inclusive motos aquáticas, destinados ao uso particular de viajante não residente, transportados ao amparo de conhecimento de carga; X - acessórios e equipamentos de unidade de carga admitida temporariamente, quando desacompanhados das unidades de carga a que se destinam; XI - bens reutilizáveis destinados ao transporte, acondicionamento, segurança, localização, preservação, manuseio ou registro de condições de temperatura ou umidade de outros bens; e XII - autorizados pelo titular da unidade responsável pela concessão do regime, excepcionalmente e em casos justificados, observadas as condições estabelecidas no art. 5º. 1º O disposto no caput poderá ser aplicado ainda nas seguintes hipóteses, que poderão ser objeto dos procedimentos simplificados estabelecidos nas Subseções II a XI da Seção VI: I - bens destinados a projetos ou eventos de caráter cultural; II - bens destinados a competições e exibições desportivas internacionais; III - bens destinados às atividades de pesquisa científica e desenvolvimento tecnológico aprovadas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) ou pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep); IV - bens destinados a eventos ou operações militares; V - bens destinados a atividades clínicas e cirúrgicas prestadas gratuitamente em ação de caráter humanitário aprovada por órgão de saúde da administração pública direta que a promover; VI - assistência e salvamento em situações que causem dano ou ameaça de dano à coletividade ou ao meio ambiente; VII - bens destinados à realização de serviços de manutenção e reparo das usinas termonucleares da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto (CNAAA), inclusive máquinas, equipamentos, aparelhos, partes, peças e ferramentas; VIII - bens destinados à realização de serviços de lançamento de satélites, integração e testes de sistemas, subsistemas e componentes espaciais, previamente autorizados pela Agência Espacial Brasileira (AEB), inclusive máquinas, equipamentos, aparelhos, partes, peças e ferramentas destinados a garantir a operacionalidade do lançamento;

3 IX - veículos terrestres, destinados ao uso particular de viajante não residente, salvo nos casos previstos nos incisos VII e VIII do art. 4º,conduzidos: a) pelo seu proprietário; ou b) por pessoa autorizada pelo proprietário, desde que ele esteja no veículo; X - embarcações de esporte e recreio, inclusive motos aquáticas, destinadas ao uso particular de viajante não residente, conduzidos: a) pelo seu proprietário; ou b) por pessoa autorizada pelo proprietário, desde que ele esteja na embarcação ou tenha entrado no País, por outro meio de transporte, previamente à chegada da embarcação; XI - aeronaves civis estrangeiras no transporte aéreo internacional não regular e não remunerado, nos termos do Decreto nº , de 20 de janeiro de 1989, inclusive no caso de deslocamento para aeródromo sob a jurisdição de outra unidade da RFB para ser submetido a outro despacho aduaneiro. XII - bens destinados a atividades relacionadas com a intercomparação de padrões metrológicos aprovadas pelo Inmetro; XIII - bens ao amparo da Convenção de Istambul, internalizada pelo Decreto nº 7.545, de 2 de agosto de 2011; XIV - bens relacionados com a visita de dignitários estrangeiros; e XV - aparelhos e equipamentos necessários à utilização do material promocional proveniente de Estados Partes do Mercosul, que o acompanhem. 2º Para fins de aplicação do disposto no inciso IX do caput e nos incisos IX e X do 1º, todos do art. 3º, considera-se viajante não residente: I - o turista estrangeiro; e II - o brasileiro, nato ou naturalizado, que comprove residir no exterior por período superior a 12 (doze) meses consecutivos, em caráter permanente, e que não exerça atividade econômica regular no País. Art. 4º Serão automaticamente submetidos ao regime de admissão temporária com suspensão total do pagamento dos tributos: I - os veículos terrestres, aeronaves e embarcações, inclusive em viagem de cruzeiro pela costa brasileira, utilizados exclusivamente no transporte internacional de carga ou passageiro, que ingressem no País exercendo esta atividade; II - as unidades de carga estrangeiras, seus equipamentos e acessórios, para utilização no transporte, inclusive o doméstico; III - as embarcações, aeronaves e outros bens destinados à realização de atividades de pesquisa e investigação, na plataforma continental e em águas sob jurisdição brasileira, autorizadas pela Marinha do Brasil, nos termos do Decreto nº , de 2 de maio de IV - as embarcações destinadas à pesca, com autorização para operar nas zonas brasileiras de pesca, nos termos do Decreto nº 4.810, de 19 de agosto de V - veículos terrestres, embarcações e aeronaves estrangeiros oficiais ou de uso militar. VI - veículos terrestres matriculados em país integrante do Mercosul, de propriedade de pessoas físicas estrangeiras residentes ou de pessoas jurídicas com sede social em tais países, utilizados em viagem de turismo, observadas as condições previstas na Resolução do Grupo de Mercado Comum

4 (GMC) nº 35, de 20 de junho de VII - veículo terrestre estrangeiro, de uso particular, matriculado em país limítrofe, desde que sua circulação fique adstrita à zona de vigilância aduaneira. VIII - os impressos, folhetos, catálogos, softwares e outros materiais relacionados à utilização dos bens admitidos no regime. condições: Seção III Das Condições e Dos Prazos Art. 5º Para a concessão e aplicação do regime deverão ser observadas as seguintes I - mercadorias de propriedade de pessoa sediada no exterior; II - importação em caráter temporário, comprovada esta condição por qualquer meio julgado idôneo; III - importação sem cobertura cambial; IV - adequação dos bens à finalidade para a qual foram importados; V - utilização dos bens exclusivamente nos fins previstos, observado o termo final de vigência do regime; e VI - identificação dos bens. 1º O disposto no inciso VI consiste na descrição completa da mercadoria, com todas as características necessárias à sua classificação fiscal, espécie, marca comercial, modelo, nome comercial ou científico e outros atributos que, à vista do caso concreto, sejam necessários à sua identificação. 2º Quando se tratar de bens cuja importação esteja sujeita à prévia manifestação de outros órgãos da administração pública, a concessão do regime dependerá da satisfação desse requisito. Art. 6º O regime não se aplica à entrada no território aduaneiro de bens objeto de arrendamento mercantil financeiro, nos termos definidos na legislação específica expedida pelo Banco Central do Brasil, contratado com entidades arrendadoras domiciliadas no exterior. bem. bens; Art. 7º O regime será concedido a pessoa física ou jurídica que promova a importação do 1º O regime poderá ser concedido também aos seguintes beneficiários: I - entidade promotora do evento a que se destinam os bens; II - pessoa jurídica contratada como responsável pela logística e despacho aduaneiro dos III - órgão de saúde da administração pública direta que promover a ação humanitária ou a entidade não governamental por ele autorizada, na hipótese do inciso V do 1º do art. 3º; ou IV - tomador de serviços no País. 2º Na hipótese do inciso IV do 1º, quando o bem for transportado ao amparo de conhecimento de carga consignado a viajante não residente em atividade profissional temporária, deverá ser providenciado seu endosso para o tomador de serviços. 3º Nas hipóteses previstas nas alíneas b dos incisos IX e X do 1º do art. 3º, o beneficiário do regime será o proprietário do veículo ou da embarcação. Art. 8º O prazo de vigência do regime será de 6 (seis) meses, prorrogáveis

5 automaticamente por mais 6 (seis) meses. Parágrafo único. Caso o bem deva permanecer no País por prazo superior ao previsto no caput, para fins de concessão ou prorrogação do regime deverá ser apresentado o documento previsto no inciso I do 1º ou no 2º, todos do art. 15. Art. 9º O disposto no caput do art. 8º não se aplica nas seguintes hipóteses: I - bens destinados à homologação, ensaios, testes de funcionamento ou resistência, ou ainda a serem utilizados no desenvolvimento de produtos ou protótipo, cujo prazo de vigência do regime será de até 5 (cinco) anos; II - bens integrantes de bagagem desacompanhada de estrangeiro que ingressar no País com visto temporário, cujo prazo de vigência do regime será o mesmo concedido para a sua permanência no País; III - veículos terrestres e embarcações de esporte e recreio, inclusive motos aquáticas, destinados ao uso particular de turista estrangeiro, por ele conduzidos ou transportados ao amparo de conhecimento de carga, cujo prazo de vigência do regime será o mesmo concedido para a sua permanência no País; IV - veículos terrestres e embarcações de esporte e recreio, inclusive motos aquáticas, destinados ao uso particular de brasileiro não residente, por ele conduzidos ou transportados ao amparo de conhecimento de carga, cujo prazo de vigência do regime será de 90 (noventa) dias, prorrogável automaticamente por igual período; e V - aeronaves civis estrangeiras mencionadas no inciso XI do 1º do art. 3º, cujo prazo de vigência será aquele previsto no art. 33 Art. 10. Tratando-se de embarcações de esporte e recreio de turista estrangeiro, o prazo de permanência poderá ser prorrogado por até dois anos, no total, contados da data de admissão da embarcação no regime, se o turista estrangeiro, dentro do prazo de vigência do regime, solicitar a prorrogação em virtude de sua ausência temporária do País. Parágrafo único. Na hipótese de que trata o caput, a autoridade aduaneira poderá autorizar a atracação ou o depósito da embarcação em local não alfandegado de uso público, mediante prévia comprovação da comunicação do fato à Capitania dos Portos, ficando vedada sua utilização em qualquer atividade, ainda que prestada a título gratuito. Seção IV Do Termo de Responsabilidade Art.11. O montante dos tributos incidentes na importação, com pagamento suspenso em decorrência da aplicação do regime de admissão temporária será consubstanciado em Termo de Responsabilidade (TR). 1º O TR será constituído na própria declaração de importação ou no documento que servir de base para a admissão no regime. 2º Será dispensada a constituição do TR nas hipóteses previstas nos incisos X, XI e XIII a XV do 1º do art. 3º e nas hipóteses de concessão automática de que trata o art. 4º. 3º Do TR não constarão valores de penalidades pecuniárias decorrentes da aplicação de multa de ofício, que serão objeto de lançamento específico, no caso de descumprimento do regime pelo beneficiário.

6 Seção V Da Garantia Art. 12. Não será exigida prestação de garantia na admissão temporária com suspensão total do pagamento de tributos. Seção VI Da Concessão do Regime Subseção I Dos Procedimentos Gerais Art. 13. O importador deverá solicitar a formação de dossiê digital de atendimento e a juntada do Requerimento de Admissão Temporária (RAT), conforme modelo constante do Anexo I a esta Instrução Normativa, previamente ao registro da declaração de importação, em qualquer unidade da RFB. Parágrafo único. Não será exigida a formação de dossiê digital de atendimento nas hipóteses previstas nos incisos X e XI do caput do art. 3º. Art. 14. O despacho aduaneiro poderá ser efetuado com base em Declaração Simplificada de Importação (DSI) registrada no Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex), salvo no caso de despacho antecipado, que deverá ser efetuado com base em Declaração de Importação (DI). 1º Nas hipóteses previstas nos incisos X e XI do caput do art. 3º, o despacho aduaneiro deverá ser efetuado por meio de DI. 2º O Termo de Responsabilidade (TR) e o número do dossiê digital de atendimento deverão constar no campo de informações complementares da declaração de importação. Art. 15. A análise do cabimento do regime será realizada no curso da conferência aduaneira e sua concessão será efetuada com o desembaraço aduaneiro do bem. 1º A análise a que se refere o caput será iniciada somente após a juntada ao dossiê digital de atendimento referido no art. 13 dos seguintes documentos que instruirão a declaração de importação: específica. I - cópia do contrato que ampara a importação, quando aplicável; II - via original do conhecimento de carga ou documento equivalente, quando aplicável; III - documentos que comprovem a adequação do pedido ao enquadramento proposto; e IV - outros documentos exigidos em decorrência de acordos internacionais ou de legislação 2º No caso de inexistência do contrato referido no inciso I do 1º, o beneficiário deverá apresentar documento que ateste a natureza da importação, identificando os bens a serem admitidos e seus respectivos valores, bem como seu prazo de permanência no País. 3º O documento referido no inciso II do 1º será substituído pela indicação do Conhecimento Eletrônico (CE) no caso de transporte aquaviário. Art. 16. O disposto no art. 35 da Instrução Normativa SRF nº 680, de 2 de outubro de 2006 poderá ser aplicado também em outras situações justificadas, a critério do titular da unidade responsável pela concessão do regime. Art. 17. No caso de indeferimento do pedido de concessão do regime de admissão temporária, o Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil (AFRFB) intimará o importador a se manifestar por escrito, no prazo de 10 dias, sobre o novo tratamento a ser dado ao bem ou a apresentar recurso na forma do art. 131.

7 Parágrafo único. Somente após a apresentação da manifestação a que se refere o caput será efetuado o cancelamento da declaração de importação. Subseção II Dos Procedimentos Simplificados Regras Gerais Art. 18. O despacho aduaneiro de admissão temporária nas hipóteses dos incisos I a VIII do 1º do art. 3º poderá ser efetuado com base na DSI-Formulário de que trata o art. 4º da Instrução Normativa SRF nº 611, de 18 de janeiro de 2006, com formação de dossiê digital de atendimento. País. 1º A DSI referida no caput poderá ser apresentada previamente à chegada dos bens no 2º O formulário Demonstrativo de Cálculo dos Tributos, constante do Anexo IV da Instrução Normativa SRF nº 611, de 2006, poderá ser substituído por relação que contenha descrição, quantidade e valores dos produtos a serem admitidos no regime. Art. 19. A DSI Formulário somente será registrada após a manifestação favorável da autoridade competente pelo eventual controle específico a que esteja sujeita a mercadoria, efetuada no campo próprio da declaração ou em documento específico por ela emitido. Art. 20. Nas hipóteses de que tratam os II a VII do 1º do art. 3º, o regime poderá ser concedido também aos bens consumíveis estritamente vinculados aos eventos e operações, devendo ser promovido o despacho para consumo daqueles que tenham sido consumidos em até 30 (trinta) dias do término do evento ou operação. Art. 21. O despacho aduaneiro de admissão temporária será efetuado com base em: I - formulários próprios, anexos a esta Instrução Normativa, nas hipóteses dos incisos XII, XIV e XV do 1º do art. 3º; 1º do art. 3º; II - documento emitido por entidade autorizada pela RFB, na hipótese do inciso XIII do III - Declaração Eletrônica de Bens de Viajante (e-dbv), na hipótese do inciso IX do 1º do art. 3º, ou em Declaração de Bens de Viajante (DBV-formulário), em caso de impossibilidade de utilização da e-dbv, adotando-se os demais procedimentos previstos na Instrução Normativa RFB nº 1.385, de 15 de agosto de 2013; e IV - Declaração Eletrônica de Bens de Viajante (e-dbv), nas hipóteses dos incisos X e XI do 1º do art. 3º. Parágrafo único. Não será exigida a formação de dossiê digital de atendimento nas hipóteses previstas nos incisos IX a XI, XIII e XIV do 1º do art. 3º. Art. 22. Nos casos de verificação da mercadoria em local não alfandegado, nos termos do art. 35 da Instrução Normativa SRF nº 680, de 2006, a concessão do trânsito aduaneiro será efetuada na própria DSI Formulário que servirá de base para a concessão do regime de admissão temporária. 1º Deverão ser aplicados dispositivos de segurança nos volumes ou unidades de carga, para que estes possam ser armazenados em local adequado, no local do evento, aguardando a presença da fiscalização, salvo quando o bem, por sua natureza, característica ou condições de embalagem prescindir dessa cautela. 2º A conclusão do trânsito aduaneiro dar-se-á com o desembaraço da DSI. Subseção III Bens Destinados a Projetos ou Eventos de Caráter Cultural Art. 23. Consideram-se bens de caráter cultural, para efeito do disposto nesta Instrução

8 Normativa, as obras de arte, literárias, históricas, fonográficas e audiovisuais, os instrumentos e equipamentos musicais, os cenários, as vestimentas e demais bens necessários à realização de exposição, mostra, espetáculo de dança, teatro ou ópera, concerto ou evento semelhante de caráter notoriamente cultural. Art. 24. Observado o disposto no art. 38 da Instrução Normativa SRF nº 680, de 2006, a declaração de importação poderá ser desembaraçada sem verificação da mercadoria. 1º A dispensa de verificação poderá ser aplicada, ainda, aos bens importados por instituição de ensino ou pesquisa, pública ou privada, sem fins lucrativos. 2º Os bens dispensados de verificação por ocasião de sua admissão ao regime ficam dispensados dessa formalidade quando de sua reexportação. Subseção IV Bens Destinados a Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico Art. 25. Consideram-se bens destinados a pesquisa científica e desenvolvimento tecnológico, para efeito do disposto nesta Instrução Normativa, as máquinas, equipamentos, aparelhos e instrumentos, bem assim suas partes e peças de reposição, acessórios, matérias-primas, amostras e produtos intermediários, aplicados exclusivamente em atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico aprovadas pelo CNPq ou pela Finep. Art. 26. Poderá ser dispensada a verificação da mercadoria, nos termos do art. 38 da Instrução Normativa SRF nº 680, de 2006, quando os bens forem importados por instituição de ensino ou pesquisa, pública ou privada, e sem fins lucrativos. Subseção V Bens Destinados a Manutenção e Reparo na Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto Art. 27. A admissão temporária com suspensão total do pagamento dos tributos na hipótese do inciso VII do 1º do art. 3º será concedida somente à Eletrobrás Termonuclear S.A. (Eletronuclear). Art. 28. Poderá ser autorizada a conferência e o desembaraço aduaneiro nas usinas termonucleares da CNAAA na ocorrência de situação de calamidade ou de acidente de que decorra dano ou ameaça de dano à coletividade ou ao meio ambiente em alguma das usinas termonucleares que a compõem. Art. 29. O despacho aduaneiro de reexportação poderá ser realizado em qualquer das usinas termonucleares da CNAAA, para posterior embarque em lugar alfandegado, cumprindo ao interessado apresentar pedido de realização de despacho na unidade local da RFB que jurisdiciona o estabelecimento com antecedência de dois dias úteis. Parágrafo único. A unidade local da RFB responsável pelo despacho de reexportação poderá solicitar laudo técnico que comprove a destruição ou a inutilização de bens contaminados por radiação ou que tenham perdido sua serventia. Subseção VI Bens Destinados às Atividades de Lançamento de Satélites Art. 30. A solicitação do regime será apresentada por importador licenciado pela AEB. Art. 31. Os bens que forem lançados ao espaço ou consumidos nas operações de lançamento, integração e testes de sistemas, subsistemas e componentes espaciais serão considerados reexportados, para fins de extinção do regime. Art. 32. A perícia e emissão de laudo técnico, sempre que necessários, serão efetuados por técnico da AEB, a requerimento da RFB.

9 Subseção VII Aeronaves Civis de Transporte Não Regular Art. 33. O despacho aduaneiro de admissão de aeronaves civis na hipótese do inciso XI do 1º do art. 3º será realizado com base no Termo de Concessão de Admissão Temporária (TECAT), emitido e controlado por meio do sistema e-dbv. 1º O despacho aduaneiro poderá ser efetuado com base em Termo de Entrada e Admissão Temporária de Aeronave (TEAT), constante no Anexo II a esta Instrução Normativa, em caso de impossibilidade técnica de emissão de TECAT pelo sistema e-dbv. 2º No caso a que se refere o 1º, os dados que constam do TEAT deverão ser inseridos pela fiscalização aduaneira no sistema e-dbv em até 24 (vinte e quatro) horas do restabelecimento das condições técnicas. 3º O prazo inicial para permanência de aeronave no território aduaneiro será de 60 (sessenta) dias, podendo ser prorrogado por períodos iguais de 45 (quarenta e cinco) dias. 4º A prorrogação do prazo de vigência do regime será concedida em casos devidamente justificados e consignados no TECAT que amparou a entrada do bem no País, devendo ser solicitada com antecedência mínima de 15 (quinze) dias do termo final do prazo de aplicação do regime. 5º O despacho por meio de e-dbv e a consignação no TECAT a que se refere o 4º não dispensam o registro da informação no Sistema Informatizado da Agência Nacional de Aviação Civil (Siavanac). 6º Devem ser adotados os demais procedimentos previstos na Instrução Normativa RFB nº 1.385, de 15 de agosto de 2013, para fins de aplicação e extinção do regime. Subseção VIII Bens Destinados a Atividades Relacionadas com a Intercomparação de Padrões Metrológicos Art. 34. A entrada, a circulação e a saída do País dos bens provenientes de Estado Parte do Mercosul que forem destinados a atividades de intercomparação metrológica, aprovadas pelo Inmetro serão efetuadas com base na Declaração Aduaneira para Ingresso e Circulação de Padrões Metrológicos, constante no Anexo III a esta Instrução Normativa. Art. 35. A declaração referida no caput será registrada pela unidade da RFB de entrada dos bens no País, utilizando numeração sequencial de acordo com o seguinte formato: I - dois dígitos alfabéticos relativos ao Brasil (BR) II - dois dígitos numéricos para o ano de registro; e III - seis dígitos numéricos relativos a operação, conforme numeração local. Art. 36. Os bens deverão estar amparados por certificação expedida pelo organismo metrológico do país de procedência onde constará as características especiais do bem e sua forma de verificação. Subseção IX Bens ao Amparo da Convenção de Istambul Art. 37. A admissão no regime solicitada ao amparo da Convenção de Istambul, Decreto nº 7.545, de 2011, será efetuada com base em títulos de admissão temporária, que constituem o Carnê ATA. 1º O disposto no caput aplica-se aos seguintes bens, nos termos, condições e prazos estabelecidos nos Anexos B.1, B.2, B.5 e B.6 à Convenção: I - bens destinados a exposição, feira, congresso ou manifestação similar;

10 II - material profissional; III - bens destinados a fins educacionais, científicos ou culturais; e IV - objetos de uso pessoal dos viajantes e bens destinados a serem por eles utilizados para fins desportivos. 2º Os bens admitidos no regime deverão ser reexportados ao amparo dos mesmos documentos utilizados para sua admissão, salvo se vencido seu prazo de validade. 3º Quando for apresentado título de substituição para prorrogação do prazo de validade do regime, nos termos do art. 14 do Capítulo VI do Anexo A do Decreto nº 7.545, de 2011, caberá à autoridade aduaneira proceder à quitação do título substituído. Art. 38. Os títulos de admissão temporária contêm garantia válida internacionalmente e sua utilização dispensa a exigência de garantia ou de TR suplementares. somente: à Convenção; Art. 39. Na hipótese prevista no inciso I do 1º do art. 37 será concedido o regime, I - aos bens objeto de exposição ou demonstração, incluídos os relacionados no Anexo B.5 II - aos bens necessários à apresentação de produtos estrangeiros; III - ao equipamento, incluindo as instalações de tradução, os aparelhos de gravação de som e de gravação de vídeo, bem como os filmes de caráter educativo, científico ou cultural, a ser utilizado em reuniões, conferências e congressos internacionais. Art. 40. Consideram-se automaticamente em admissão temporária os produtos resultantes de demonstração de máquinas ou aparelhos admitidos ao amparo do Carnê ATA nos eventos referidos no inciso I, 1º do art. 37. Parágrafo único. Para fins de extinção do regime, aplica-se o previsto no art. 61. Art. 41. Quando solicitada a extinção da aplicação do regime concedido nos termos do art. 37 mediante despacho para consumo, este será processado com isenção dos impostos e contribuições federais devidos na importação, observado o disposto no art. 5º do Anexo B.1 à Convenção, no caso de: I - amostras comerciais; II - bens importados unicamente tendo em vista a sua demonstração ou a demonstração de máquinas e aparelhos estrangeiros apresentados no evento, que sejam consumidos ou destruídos no decurso dessas demonstrações; III - produtos de valor reduzido utilizados para a construção e decoração dos pavilhões provisórios dos expositores estrangeiros presentes no evento e destruídos pelo simples fato de sua utilização; e IV - documentos a serem utilizados ou distribuídos gratuitamente no decurso do evento. Parágrafo único. O disposto no caput não se aplica às bebidas alcoólicas, tabaco e combustíveis. Art. 42. Na hipótese prevista no inciso II do 1º do art. 37, a concessão do regime restringe-se aos bens que atenderem às seguintes condições: I - pertencer a pessoa estabelecida ou residente no exterior; II - ser importado por pessoa estabelecida ou residente no exterior; e III - ser utilizado exclusivamente pela pessoa a que se refere o inciso II ou sob a sua

11 própria responsabilidade. 1º O regime aplica-se, ainda, às peças sobressalentes importadas para a reparação de material profissional admitido ao regime. 2º O disposto no inciso III do caput não se aplica ao equipamento importado para a realização de filme, programa de televisão ou obra audiovisual, em razão de contrato de co-produção celebrado por pessoa estabelecida no País e aprovado pelas autoridades competentes do País no âmbito de acordo intergovernamental de co-produção. 3º O equipamento cinematográfico de imprensa, de rádio e de televisão não deve ser objeto de contrato de locação ou de contrato similar celebrado por pessoa estabelecida no País, salvo no caso de realização de programas conjuntos de rádio ou de televisão. 4º O regime não se aplica a veículos se forem utilizados para transportar pessoas ou bens mediante pagamento, mesmo que a título ocasional. Art. 43. Na hipótese prevista no inciso III do 1º do art. 37, a concessão do regime poderá alcançar ainda: I - as peças sobressalentes relacionadas ao equipamento científico, ao material didático sujeito ao regime de admissão temporária, bem como às ferramentas especialmente concebidas para a manutenção, teste, calibragem ou reparação do referido material; e II - o equipamento de bem-estar destinado aos marítimos, nos termos do art. 3º, alínea b do Anexo B.5 à Convenção. condições: Parágrafo único. A aplicação do regime restringe-se ao bem que atender às seguintes I - pertencer a pessoa estabelecida no exterior; II - ser importado por estabelecimentos autorizados, em quantidade compatível com o fim a que se destina; e III - não ser utilizado para fins comerciais. Subseção X Bens Relacionados à Visita de Dignitários Estrangeiros Art. 44. Poderá ser aplicado o regime aduaneiro de admissão temporária, de acordo com os procedimentos estabelecidos nesta Subseção, aos bens de dignitários estrangeiros e de seus acompanhantes e assistentes em visita ao País. Parágrafo único. O disposto no caput abrange também: I - os bens destinados às atividades de apoio logístico à referida visita; e II - os equipamentos de filmagem, gravação e de fotografia de representantes de órgãos de imprensa credenciados para acompanhar a visita, desde que o responsável no País encaminhe à unidade da RFB de entrada, previamente à chegada da comitiva, a declaração de que trata o art. 46. Art. 45. A aplicação do regime fica condicionada à prévia comunicação do Ministério das Relações Exteriores sobre a visita oficial do dignitário estrangeiro. Art. 46. O regime será concedido mediante procedimento administrativo sumário, com base em declaração própria, conforme modelo constante do Anexo IV a esta Instrução Normativa, apresentada pelo viajante ou responsável à unidade da RFB com jurisdição sobre o local de entrada no País. Art. 47. A declaração referida no art. 46 será apresentada em 2 (duas) vias, que terão a

12 seguinte destinação: I - 1ª (primeira) via, viajante ou responsável; e II - 2ª (segunda) via, unidade da RFB no local de entrada dos bens no País. 1º Os bens cuja importação esteja sujeita à prévia manifestação de outros órgãos da administração pública deverão ser discriminados na declaração referida no caput. 2º Tratando-se de armas de porte e munições trazidas por agente de segurança de dignitário estrangeiro em visita ao País, deverá ser informada a quantidade de munição, o tipo de arma, marca, calibre, número de série, fabricante, nome do dignitário, locais e datas de entrada e de saída do território nacional, bem como a identificação do agente portador. 3º Para fins do disposto no 2º: I - as informações poderão ser prestadas pelo Ministério das Relações Exteriores, por meio de documento apartado da declaração; e II - a autorização de importação será verificada à vista da apresentação do Porte Federal de Arma, expedido pelo Departamento de Polícia Federal. 4º O desembaraço aduaneiro será averbado nas 2 (duas) vias da declaração. Art. 48. O viajante ou responsável, quando do retorno dos bens ao exterior, apresentará à autoridade aduaneira do local de saída a 1ª (primeira) via da declaração a qual, depois da averbação do desembaraço, será encaminhadas à unidade da RFB do local de entrada. Art. 49. A unidade da RFB de entrada dos bens no País deverá encaminhar as informações prestadas pelo viajante ou responsável, nos termos do 2º do art. 47, ao Serviço de Fiscalização de Produtos Controlados do Comando do Exército, da Região Militar com jurisdição sobre o local de entrada dos bens. 1º As informações serão encaminhadas ao órgão do Comando do Exército até o dia 15 (quinze) do mês subsequente ao da entrada dos bens no País. 2º No caso de as informações serem prestadas na forma do inciso I do 3º do art. 47, a unidade da RFB deverá encaminhar ao órgão do Comando do Exército cópia do documento recebido do Ministério das Relações Exteriores, devendo nele estar averbadas as datas do desembaraço aduaneiro de entrada e de saída dos bens. Art. 50. Serão desembaraçados, sem quaisquer formalidades, os brindes de pequeno valor, alusivos ao evento, trazidos como bagagem acompanhada. Subseção XI Material Promocional Proveniente do Mercosul Art. 51. A entrada, a circulação e a saída de material promocional proveniente de Estado- Parte do Mercosul para ser utilizado ou distribuído gratuitamente na ocasião ou em função da realização de feiras, exposições, congressos, seminários, encontros, workshops ou quaisquer outras atividades similares de caráter turístico, cultural, educativo, desportivo, religioso ou comercial serão efetuadas com base na Declaração Aduaneira de Material Promocional - Mercosul, constante no Anexo V a esta Instrução Normativa. 1º Considera-se material promocional, para os fins a que se refere este artigo: I folhetos, panfletos, catálogos, revistas, cartazes, guias, fotografias, mapas ilustrados e outros materiais gráficos similares;

13 promocional; II filmes, slides, fitas de vídeo, disquetes e semelhantes, contendo matéria de caráter III brindes e semelhantes, assim consideradas quaisquer mercadorias adequadas a fins estritamente promocionais, observado o limite de valor FOB global de US$ 5, (cinco mil dólares dos Estados Unidos da América) ou o equivalente em outra moeda, por expositor. 2º A Declaração Aduaneira de Material Promocional será preenchida em quatro vias, com a seguinte destinação: I 1ª via, à unidade aduaneira de saída do Estado-Parte que efetuar a autorização; II 2ª via, à unidade aduaneira de entrada no Estado-Parte de destino das mercadorias; III 3ª via, à unidade aduaneira de saída do Estado-Parte ao qual se destinaram as mercadorias; e mercadorias. IV 4ª via, à unidade aduaneira de entrada no Estado-Parte de procedência das 3º Os aparelhos e equipamentos necessários à utilização do material promocional, que o acompanhem, serão considerados em admissão temporária, devendo estar relacionados no quadro Bens em Admissão Temporária da Declaração Aduaneira de Material Promocional. Art. 52. A unidade da RFB de entrada no País procederá à autorização de ingresso e circulação das mercadorias, com aposição de carimbo, data e assinatura, no campo próprio das três vias do formulário, retendo uma das vias e restituindo 2 vias ao solicitante do regime, após os seguintes procedimentos: I verificação se consta, no campo próprio do documento, a necessária autorização aduaneira do país de procedência da mercadoria; II confirmação se o solicitante é participante do evento ao qual se destinam os bens; III exigência da apresentação de anuência do órgão competente, quando se tratar de mercadoria sujeita a controle específico. Parágrafo único. Quando a autoridade aduaneira constatar o não atendimento ao disposto nos incisos I a III do caput, registrará o fato no verso de todas as vias do documento e exigirá do beneficiário a adoção das providências relativas ao despacho aduaneiro para consumo, trânsito aduaneiro, admissão temporária ou retorno ao exterior, conforme o caso. Art. 53. Os bens que não retornarem ao exterior: I - serão considerados despachados para consumo com isenção dos impostos incidentes sobre a importação, independentemente de qualquer outro procedimento administrativo, quando se tratar de material promocional, nos termos do caput e do 1º do art. 51; II deverão ser objeto de despacho para consumo, com pagamento dos impostos incidentes na importação, quando ingressados no País sob o regime de admissão temporária, nos termos do 3º do art. 51. Seção VII Da Prorrogação do Regime Art. 54. A prorrogação do prazo de vigência do regime será solicitada por meio de Requerimento de Admissão Temporária (RAT), conforme modelo constante do Anexo I a esta Instrução Normativa, na unidade da RFB de concessão do regime ou naquela que jurisdicione o local em que se encontre o bem, que passará a controlar o regime. 1º O regime amparado por contrato de importação ou documento semelhante, nos termos

14 do parágrafo único do art. 8º, poderá ser prorrogado por período não superior, no total, a 5 (cinco) anos. 2º Em caso de prorrogações sucessivas, o dossiê digital e o controle a que se refere o caput serão transferidos para a unidade da RFB que autorizou a última prorrogação º Na hipótese do inciso XI do 1º do art. 3º, a prorrogação observará o previsto no art. 4º Não será conhecido o pedido de prorrogação apresentado depois do termo final da vigência do regime ou que não tenha sido instruído com os documentos obrigatórios previstos nesta Instrução Normativa. 5º Na hipótese de indeferimento do pedido de prorrogação deverão ser adotados os procedimentos para extinção da aplicação do regime, previstos no art. 56, no prazo de 30 (trinta) dias contado da data da ciência da decisão definitiva, salvo se superior o período restante fixado para a permanência do bem no País. Seção VIII Da Movimentação de Bens Submetidos ao Regime Art. 55. Os bens admitidos no regime, inclusive suas partes e peças, poderão ser remetidos ao exterior, sem suspensão ou interrupção da contagem do prazo de vigência, para manutenção, reparo, testes ou demonstração. 1º O despacho aduaneiro de exportação poderá ser efetuado por meio de Declaração de Exportação (DE) registrada no Siscomex. 2º O desembaraço dos bens constantes da declaração apresentada nos termos do 1º configura autorização para movimentação para o exterior conforme dispõe o caput. 3º No caso de aeronaves, poderá ser autorizada movimentação para o exterior, mediante apresentação à unidade da RFB de despacho aduaneiro de cópia da General Declaration e da autorização de saída do País emitida pela Anac. 4º Para fins de controle, o interessado solicitar a juntada da declaração de exportação ao dossiê digital de atendimento. 5º Quando do retorno dos bens, o despacho aduaneiro de importação poderá ser efetuado com base em DI, na qual deverão ser informados os números do dossiê digital de atendimento de concessão do regime e da declaração de exportação que amparou a saída dos bens do País. 6º Considera-se reexportado, para fim de extinção da aplicação do regime de admissão temporária, o bem que, submetido ao procedimento previsto neste artigo, não retornar ao País durante a vigência do regime. Seção IX Da Extinção da Aplicação do Regime Art. 56. Na vigência do regime, deverá ser adotada uma das seguintes providências em relação aos bens, para extinção de sua aplicação: I - reexportação; II - entrega à RFB, livres de quaisquer despesas, desde que a autoridade aduaneira concorde em recebê-los; III - destruição sob controle aduaneiro, às expensas do beneficiário; IV - transferência para outro regime aduaneiro especial, nos termos da legislação específica; ou

15 V - despacho para consumo. 1º A adoção das providências de que trata o caput poderá ser efetuada de forma parcelada e por unidade diversa da que concedeu o regime, para a qual deverá ser movimentado o dossiê digital de atendimento. 2º A extinção da aplicação do regime das partes e peças substituídas, quando não efetuada em conjunto com o bem a que se destinavam, deverá observar os procedimentos gerais de extinção do regime. 3º Na hipótese do 2º, as partes e peças admitidas em substituição assumirão o lugar das originalmente admitidas no regime, para os efeitos relativos à continuidade do regime. 4º A extinção da aplicação do regime na forma dos incisos II a IV não obriga ao pagamento dos tributos suspensos. 5º O pedido de extinção da aplicação do regime na forma do inciso III deverá ser instruído com o comprovante de recolhimento ou de exoneração do ICMS e com a licença ambiental, quando cabível, conforme legislação específica. 6º Eventual resíduo da destruição, se economicamente utilizável, deverá ser reexportado ou despachado para consumo, como se tivesse sido importado no estado em que se encontre. Art. 57. Tem-se por tempestiva a providência para extinção da aplicação do regime quando, no prazo de vigência, o beneficiário: I - em relação à providência prevista no inciso I do art. 56, registrar a DSE e: a) der entrada dos bens em recinto alfandegado; ou b) apresentar os bens à unidade da RFB de saída; II - em relação às providências previstas nos incisos II e III do art. 56, requerer, respectivamente, a entrega à RFB ou a destruição e indicar a localização dos bens; III - em relação à providência prevista no inciso IV do art. 56, registrar no Siscomex a declaração correspondente ao novo regime, observados os procedimentos estabelecidos em norma específica; ou IV - em relação à providência prevista no inciso V do art. 56: a) registrar a declaração de despacho para consumo, quando a importação for dispensada de licenciamento; ou b) registrar o pedido de licença de importação, nos termos da norma específica, quando a importação for sujeita a licenciamento. Parágrafo único. Na hipótese de que trata a alínea b do inciso IV, o beneficiário deverá, no prazo de 10 dias, contados: I do deferimento do pedido de licença, registrar a declaração de importação; ou II do indeferimento do pedido de licença, adotar uma das providências previstas nos incisos I a IV do art. 56. Art. 58. O despacho aduaneiro de reexportação dos bens admitidos no regime de admissão temporária será efetuado com base em declaração de exportação correspondente àquela que serviu de base para o despacho aduaneiro de importação para admissão ao regime. Art. 59. O despacho para consumo será realizado com observância das exigências legais e regulamentares vigentes à data do registro da declaração de importação, inclusive as relativas ao cálculo dos tributos incidentes e ao controle administrativo das importações.

16 1º A licença de importação exigida para a concessão do regime não prevalecerá para efeito do despacho para consumo dos bens. 2º A condição do bem, novo ou usado, no momento de sua entrada no País deverá ser indicada na declaração de despacho para consumo. 3º Quando, na vigência do regime, for autorizada a nacionalização dos bens por terceiros, caberá a este promover o despacho para consumo. Art. 60. A admissão temporária de produto, parte ou componente recebido do exterior para substituição em decorrência de garantia poderá ser extinta mediante exportação de produto equivalente àquele submetido ao regime, nos casos de: I - partes, peças e componentes de aeronave importada com a isenção prevista na alínea "j" do inciso II do art. 2º da Lei nº 8.032, de 12 de abril de 1990; e II - produtos nacionais exportados definitivamente, ou suas partes e peças, que retornem ao País, mediante admissão temporária, para substituição em virtude de defeito técnico que exija sua devolução. 1º Poderão ser reconhecidos como equivalentes, para efeitos do caput, os bens: I classificáveis no mesmo código da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM); II que realizem as mesmas funções; III obtidos a partir dos mesmos materiais; e IV cujos modelos ou versões sejam de tecnologia equivalente. 2º No requerimento para reconhecimento da equivalência, deverão constar as informações necessárias para comprovação dos quesitos de que trata o 1º, sendo facultado ao AFRFB responsável por sua análise a solicitação de laudo técnico, nos termos da legislação específica. 3º A equivalência entre os bens será reconhecida ainda que exista inovação ou atualização tecnológica, no caso de obsolescência do modelo ou versão do bem admitido no regime. Art. 61. A extinção da aplicação do regime aos bens admitidos com base no art. 4º será automática, dispensadas as formalidades necessárias ao controle aduaneiro, ao final do prazo de vigência definido. Parágrafo único. O disposto no caput não se aplica quando ficar constatado o descumprimento das condições, requisitos e prazos estabelecidos em legislação específica ou necessários para a aplicação do regime. Art. 62. Na hipótese de indeferimento de pedido tempestivo das providências a que se referem os incisos II a V do art. 56, o beneficiário, dentro de 30 (trinta) dias, contados da data da ciência da decisão definitiva, salvo se superior o período restante fixado para a permanência dos bens no País, deverá: I - iniciar o despacho de reexportação; ou II - requerer modalidade de extinção da aplicação do regime, prevista nos incisos II a V do art. 56, diversa das anteriormente solicitadas. Seção X Do Descumprimento do Regime Art. 63. O beneficiário será intimado a manifestar-se, no prazo de 10 (dez) dias, sobre o descumprimento total ou parcial do regime nas seguintes hipóteses: I - vencimento do prazo de vigência do regime, sem que haja sido requerida a sua

17 prorrogação ou adotada uma das providências previstas no art. 56; II - vencimento do prazo de 30 (trinta) dias do indeferimento do pedido tempestivo de prorrogação, nos termos do 4º do art. 54, ou do requerimento de modalidade de extinção, nos termos do art. 56, sem que tenha sido promovida a reexportação do bem ou requerida modalidade de extinção do regime diversa das anteriormente solicitadas; III - não efetivação da providência requerida e autorizada para a extinção da aplicação do regime, na forma ou no prazo determinados pela autoridade aduaneira; IV - apresentação para as providências de extinção do regime a que se refere o art. 56 de bens que não correspondam aos ingressados no País; V - utilização dos bens em finalidade diversa da que justificou a concessão do regime; VI - destruição ou perecimento dos bens, por culpa ou dolo do beneficiário; ou VII não apresentação dos bens quando solicitada pela autoridade aduaneira. 1º Vencido o prazo de 10 (dez) dias estabelecido no caput, sem atendimento da intimação ou a comprovação do cumprimento do regime, o beneficiário será intimado a promover, no prazo de 30 (trinta) dias, a reexportação ou o despacho para consumo do bem admitido. 2º Em qualquer caso, comprovado o descumprimento do regime, é exigível o recolhimento da multa prevista no inciso I do art. 72 da Lei nº , de 29 de dezembro de º A reexportação só poderá ser efetuada após o pagamento da multa referida no 2º. Art. 64. Na hipótese do 1º do art. 63, quando o beneficiário optar pelo despacho para consumo deverá registrar a declaração de importação, mediante o pagamento dos tributos, acrescidos: I de juros de mora, contados a partir da data do registro da declaração que serviu de base para a admissão dos bens no regime; e II - da multa prevista no 2º do art º Tratando-se de bem sujeito a emissão de licença de importação, o registro do pedido no Siscomex deverá ser efetuado dentro do prazo de 30 (trinta) dias a que se refere o 1º do art º No prazo de até 10 (dez) dias da manifestação do órgão competente sobre o pedido licença, o beneficiário deverá: I - registrar a declaração de importação, no caso de deferimento do pedido; ou II - reexportar os bens, no caso de indeferimento do pedido. 3º O crédito tributário eventualmente pago relativo ao TR será utilizado no registro da declaração de que trata o caput. Art. 65. Decorrido o prazo de 30 (trinta) dias da intimação para reexportar ou despachar para consumo, previsto no 1º do art. 63, e não tendo sido adotada nenhuma das providências previstas, o beneficiário ficará sujeito: I à cobrança dos tributos com pagamento suspenso, acrescidos de juros de mora, contados a partir da data do registro da declaração que serviu de base para a admissão dos bens no regime; 1996; e II ao lançamento da multa prevista no art. 44 da Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de III ao lançamento da multa prevista no inciso I do art. 72 da Lei nº , de º O crédito tributário constituído no TR será exigido nos termos da legislação

18 específica. 2º Nos casos de dispensa de formalização de TR de que trata o 2º do art. 11, o crédito tributário devido será exigido por meio de auto de infração, observado o disposto no 3º do art.11. 3º Após a realização dos procedimentos previstos nos incisos I a III, a autoridade aduaneira procederá a extinção de ofício do regime por meio do registro da conversão da admissão temporária em importação definitiva no dossiê digital de atendimento de que trata o art º A eventual saída dos bens do País fica condicionada à formalização dos procedimentos de exportação. Art. 66. Na hipótese prevista no art. 65, se à época da exigência do crédito tributário, a emissão da licença de importação estiver vedada, suspensa ou a permanência definitiva do bem no País não for autorizada pelo órgão competente, a autoridade aduaneira deverá proceder à apreensão dos bens para fins de aplicação da pena de perdimento. 1º Na hipótese prevista no caput, caso o bem não seja localizado, tenha sido consumido ou revendido, o beneficiário ficará sujeito à multa prevista no 3º do art. 23 do Decreto-Lei nº 1.455, de 7 de abril de º O disposto no caput não se aplica no caso em que a licença de importação seja indeferida com fundamento na legislação de proteção ao meio ambiente, saúde, segurança pública ou em atendimento a controles sanitários, fitossanitários e zoossanitários, caso em que o importador deverá providenciar a devolução ao exterior ou a destruição da mercadoria, nos termos estabelecidos no art. 46 da Lei nº , de 17 de setembro de Art. 67. As multas de que trata esta Seção não prejudicam a aplicação de outras penalidades cabíveis e a representação fiscal para fins penais, quando for o caso. CAPÍTULO II ADMISSÃO TEMPORÁRIA PARA UTILIZAÇÃO ECONÔMICA Seção I Do Conceito Art. 68. O regime aduaneiro especial de admissão temporária para utilização econômica é o que permite a importação de bens destinados à prestação de serviços a terceiros ou à produção de outros bens destinados à venda, por prazo fixado, com pagamento dos tributos federais incidentes na importação, proporcionalmente a seu tempo de permanência no território aduaneiro. 1º A proporcionalidade a que se refere o caput será obtida pela aplicação do percentual de um por cento, relativamente a cada mês compreendido no prazo de concessão do regime, sobre o montante dos tributos originalmente devidos. 2º O disposto no caput aplica-se também aos bens destinados a servir de modelo industrial, sob a forma de moldes, matrizes ou chapas e às ferramentas industriais. 3º Fica suspenso o pagamento da diferença entre o total dos tributos que incidiriam no regime comum de importação dos bens e os valores pagos conforme o disposto no caput. 4º O pagamento proporcional previsto no caput não se aplica aos seguintes bens, que serão submetidos ao regime de admissão temporária para utilização econômica com suspensão total do pagamento dos tributos incidentes na importação: I - para serem utilizados em projetos específicos decorrentes de acordos internacionais firmados pelo Brasil; II - até 31 de dezembro de 2020, quando:

19 a) destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural, nos termos da norma específica que disciplina o regime aduaneiro especial de Repetro; ou b) tratar-se de máquinas, equipamentos, aparelhos, instrumentos e ferramentas, inclusive sobressalentes, destinados às atividades de transporte, movimentação, transferência, armazenamento ou regaseificação de gás natural liquefeito; e III - até 4 de outubro de 2073, quando destinados à utilização econômica por empresa que se enquadre nas disposições do Decreto-Lei nº 288, de 28 de fevereiro de 1967, durante o período de sua permanência na Zona Franca de Manaus. bem. Seção II Das Condições e Dos Prazos Art. 69. O regime será concedido a pessoa física ou jurídica que promova a importação do Art. 70. O prazo de vigência do regime será igual àquele previsto no contrato de arrendamento operacional, de aluguel ou de empréstimo, celebrado entre o importador e a pessoa estrangeira. 1º O prazo máximo de vigência do regime será de 100 (cem) meses. 2º Poderá ser indeferido o pedido de concessão quando o prazo indicado pelo beneficiário no RAT for incompatível com a finalidade para a qual o bem foi importado e com o seu provável período de permanência no País, sem motivo justificado. suspensos. do caput. Seção III Da Garantia Art. 71. Será exigida a prestação de garantia em valor equivalente ao montante dos tributos 1º A garantia poderá ser prestada, a critério do importador, sob a forma de: I - depósito em dinheiro; II - fiança idônea; ou III - seguro aduaneiro. 2º Poderá ser constituída garantia global nas hipóteses previstas nos incisos I e II do 1º 3º A garantia deverá subsistir até a extinção das obrigações do beneficiário decorrentes da concessão do regime. 4º Será dispensada a garantia: I - quando o montante dos tributos com pagamento suspenso for inferior a R$ ,00 (cem mil reais); ou II - quando se tratar de importação realizada por: a) órgão ou entidade da administração pública direta, autárquica ou fundacional, da União, dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios; b) missão diplomática, repartição consular de caráter permanente ou representação de organismo internacional de que o Brasil seja membro; ou c) pessoa jurídica habilitada ao Despacho Aduaneiro Expresso (Linha Azul).

20 5º Na prestação de garantia sob a forma de fiança, será exigido o cumprimento dos requisitos de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional para o fornecimento de certidões previstas em Portaria Conjunta específica da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) e da RFB, considerando-se idônea aquela prestada por: I - instituição financeira; II - qualquer outra pessoa jurídica que possua bens imóveis livres de ônus de, no mínimo, cinco vezes o valor da garantia a ser prestada ou superior a R$ ,00 (cinco milhões de reais); ou III - pessoa física, cuja diferença positiva entre seus bens e direitos e suas dívidas e ônus reais seja, no mínimo, cinco vezes o valor da garantia a ser prestada. 6º Para efeito de aferição das condições estabelecidas nos incisos II e III do 5º, será considerada a situação patrimonial em 31 de dezembro do ano-calendário imediatamente anterior ao da prestação da garantia. 7º A prestação de garantia sob a forma de depósito em dinheiro será feita de acordo com os procedimentos estabelecidos em ato administrativo específico da RFB. Seção IV Da Concessão do Regime Art. 72. O despacho aduaneiro será efetuado com base em Declaração de Importação (DI) registrada no Siscomex. 1º Os tributos devidos deverão ser recolhidos pelo beneficiário mediante débito automático em conta corrente bancária, conforme disciplinado pela Coordenação-Geral de Administração Aduaneira (Coana). 2º A declaração de importação será instruída com cópia do contrato de arrendamento operacional, de aluguel ou de empréstimo, celebrado entre o importador e a pessoa estrangeira. Art. 73. Na hipótese de partes, peças ou bens para reposição de outros submetidos ao regime, somente será concedida a admissão temporária a bem idêntico àquele a ser substituído, em igual quantidade e valor. 1º O beneficiário deverá comprovar a destruição ou promover a reexportação ou despacho para consumo do bem substituído no prazo de trinta dias, contado da data do desembaraço aduaneiro do bem admitido em substituição. 2º O desembaraço dos bens a que se refere o caput está condicionado à prestação de garantia, salvo se o beneficiário tiver adotado previamente as providências a que se refere o 1º. Art. 74. Para fins de concessão do regime, deverão ser observados os demais procedimentos relativos a TR e despacho aduaneiro, estabelecidos nos arts. 11 e 13 a 17, no que couber. Seção V Da Prorrogação do Regime Art. 75. O prazo de vigência do regime poderá ser prorrogado na mesma medida da extensão do prazo estabelecido no contrato, condicionada à prestação, renovação ou manutenção da garantia nas hipóteses em que esta tiver sido exigida para a sua concessão. Parágrafo único. Poderá ser indeferido o pedido de prorrogação quando o prazo indicado pelo beneficiário no RAT for incompatível com a finalidade para a qual o bem foi importado e com o seu provável período de permanência no País, sem motivo justificado. Art. 76. Os tributos correspondentes ao período adicional de permanência do bem no País serão calculados conforme o previsto no art. 65, até o prazo final de vigência do regime para o qual foi

Art. 1º O regime especial de entreposto aduaneiro será aplicado de conformidade com o estabelecido nesta Instrução Normativa.

Art. 1º O regime especial de entreposto aduaneiro será aplicado de conformidade com o estabelecido nesta Instrução Normativa. Instrução Normativa SRF nº 241, de 6 de Novembro de 2002 DOU de 8.11.2002 Dispõe sobre o regime especial de entreposto aduaneiro na importação e na exportação. Alterada pela IN SRF nº 289, de 27 de janeiro

Leia mais

Dispõe sobre a aplicação do regime aduaneiro especial de exportação temporária.

Dispõe sobre a aplicação do regime aduaneiro especial de exportação temporária. BRASIL Instrução Normativa SRF nº 319, de 4 de abril de 2003 DOU de 7.4.2003 Dispõe sobre a aplicação do regime aduaneiro especial de exportação temporária. Alterada pela IN SRF nº 522, de 10 de março

Leia mais

DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010

DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010 DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010 Altera o Decreto nº 18.955, de 22 de dezembro de 1997, que regulamenta o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre

Leia mais

ANEXO À COMEX 067/2012 Sugestões Abiquim - Portaria Secex 13/2012 Consulta Pública Consolidação de Portaria Secex

ANEXO À COMEX 067/2012 Sugestões Abiquim - Portaria Secex 13/2012 Consulta Pública Consolidação de Portaria Secex ANEXO À COMEX 067/2012 Sugestões Abiquim - Portaria Secex 13/2012 Consulta Pública Consolidação de Portaria Secex Capítulo II TRATAMENTO ADMINISTRATIVO DAS IMPORTAÇÕES -Seção I. Licenciamento das Importações

Leia mais

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro Regimes Aduaneiros Especiais Regimes Aduaneiros Especiais As características básicas dos regimes especiais são: Regra geral, os prazos na importação são de um ano, prorrogável, por período não superior,

Leia mais

Brasília - DF, terça-feira, 11 de março de 2014 página 37 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

Brasília - DF, terça-feira, 11 de março de 2014 página 37 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Brasília - DF, terça-feira, 11 de março de 2014 página 37 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.456, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Altera a Instrução Normativa

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004.

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da

Leia mais

PORTARIA Nº 615, DE 28 DE AGOSTO DE 2012 - DOU de 30/08/2012

PORTARIA Nº 615, DE 28 DE AGOSTO DE 2012 - DOU de 30/08/2012 PORTARIA Nº 615, DE 28 DE AGOSTO DE 2012 - DOU de 30/08/2012 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUPERINTENDÊNCIAS REGIONAIS 7ª REGIÃO FISCAL A SUPERINTENDENTE REGIONAL DA RECEITA

Leia mais

Instrução Normativa nº 1.473, de 02.06.14 DOU-1, de 04.06.14

Instrução Normativa nº 1.473, de 02.06.14 DOU-1, de 04.06.14 Instrução Normativa nº 1.473, de 02.06.14 DOU-1, de 04.06.14 Altera a Instrução Normativa RFB nº 800, de 27 de dezembro de 2007, que dispõe sobre o controle aduaneiro informatizado da movimentação de embarcações,

Leia mais

Art. 3º Para inscrever-se no registro de Operador de Transporte Multimodal, o interessado deverá apresentar à ANTT:

Art. 3º Para inscrever-se no registro de Operador de Transporte Multimodal, o interessado deverá apresentar à ANTT: DECRETO 3.411, DE 12 DE ABRIL DE 2000. Regulamenta a Lei 9.611, de 19 de fevereiro de 1998, que dispõe sobre o Transporte Multimodal de Cargas, altera os Decretos 91.030, de 5 de março de 1985, e 1.910,

Leia mais

DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014

DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 Publicado no DOE(Pa) de 23.12.14. Altera dispositivos do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 777 de 19/10/07 DOU 30/11/07

Instrução Normativa RFB nº 777 de 19/10/07 DOU 30/11/07 Instrução Normativa RFB nº 777 de 19/10/07 DOU 30/11/07 Estabelece procedimentos de credenciamento de funcionários de entidades autorizadas a emitir certificados de origem, para fins de acesso ao sistema

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 DOU de 24.9.2012 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens procedentes do exterior destinados à utilização na Copa das Confederações Fifa 2013

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA PROJETO DE LEI Institui o Regime de Tributação Unificada - RTU na importação, por via terrestre, de mercadorias procedentes do Paraguai. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1598, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 11/12/2015, seção 1, pág. 33) Dispõe sobre o Programa Brasileiro de

Leia mais

CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR : LEGISLAÇÃO ADUANEIRA REGIMES ADUANEIROS

CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR : LEGISLAÇÃO ADUANEIRA REGIMES ADUANEIROS 1. CONCEITOS Regime é um conjunto de regras que estabelecem certa conduta obrigatória. É método, sistema ou forma de governo. Logo, chamamos de regime aduaneiro ao tratamento tributário e administrativo

Leia mais

2º O regime de drawback integrado isenção aplica-se também à aquisição no mercado interno ou à importação de mercadoria equivalente à empregada:

2º O regime de drawback integrado isenção aplica-se também à aquisição no mercado interno ou à importação de mercadoria equivalente à empregada: Portaria SECEX s/nº, de 15.02.2010 - DOU 1 de 16.02.2011 Dispõe sobre drawback integrado isenção. A Secretária de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior no uso

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS CONSULTA PÚBLICA RFB Nº 005/2015. Brasília, 16 de novembro de 2015. Assunto: Operador Econômico Autorizado Subsecretaria Responsável: Suari Período para a contribuição: de 17/11/2015 a 27/11/2015 ATENÇÃO:

Leia mais

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO Instrução Normativa RFB Nº 1246 DE 03/02/2012 (Federal) Data D.O.: 06/02/2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2012, ano-calendário

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1967.

DECRETO Nº 61.867, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1967. DECRETO Nº 61.867, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1967. Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 14 DE JULHO DE 2011

PORTARIA Nº 23, DE 14 DE JULHO DE 2011 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº 23, DE 14 DE JULHO DE 2011 (D.O.U. de 19 de julho de 2011, Seção 1, p. 65-92) (Retificada no D.O.U.

Leia mais

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004.

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. (PUBLICADO NO DOE DE 26.04.04) Este texto não substitui o publicado no DOE Regulamenta a Lei nº 14.546, de 30 de setembro de 2003, que dispõe sobre a criação do

Leia mais

I - território nacional, compreendendo as águas continentais, as águas interiores e o mar territorial;

I - território nacional, compreendendo as águas continentais, as águas interiores e o mar territorial; DECRETO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2003. Estabelece normas para operação de embarcações pesqueiras nas zonas brasileiras de pesca, alto mar e por meio de acordos internacionais, e dá outras providências.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 757, DE 25 DE JULHO DE 2007.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 757, DE 25 DE JULHO DE 2007. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 757, DE 25 DE JULHO DE 2007. Dispõe sobre o Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado

Leia mais

Ministério da Fazenda - Secretaria da Receita Federal. Ministério da Fazenda/ Secretaria da Receita Federal

Ministério da Fazenda - Secretaria da Receita Federal. Ministério da Fazenda/ Secretaria da Receita Federal REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS E ATÍPICOS REEGIMEE I DEESSCRIÇÃO I 1 Admissão Temporária Permite a permanência no País de bens procedentes do exterior, por prazo e para finalidade determinados, com suspensão

Leia mais

DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 Regulamenta o regime de substituição tributária do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza ISSQN, instituído pela Lei Complementar n 03, de 17 de setembro

Leia mais

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF).

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 974, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso das atribuições

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 040, de 09 de abril de 1999. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no uso de suas atribuições, resolve:

Instrução Normativa SRF nº 040, de 09 de abril de 1999. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no uso de suas atribuições, resolve: DOU de 13/04/1999, pág. 5 Instrução Normativa SRF nº 040, de 09 de abril de 1999 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens de caráter cultural. Alterada pela IN SRF nº 63/99, de 8 de junho de 1999. Alterada

Leia mais

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre o licenciamento para o exercício de atividades econômicas e sem fins lucrativos no âmbito do

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS CONSULTA PÚBLICA RFB Nº 04/2015. Brasília, 19 de agosto de 2015. Assunto: Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado do Sistema Público de Escrituração Digital (Recof

Leia mais

Manual de Serviço Consular e Jurídico

Manual de Serviço Consular e Jurídico REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Departamento das Comunidades Brasileiras no Exterior Manual de Serviço Consular e Jurídico TOMO I CAPÍTULO 10 TOMO I Capítulo 10 Página

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto no artigo 29-A da Lei nº 8.229, de 07 de dezembro de

Leia mais

II - operação de crédito com vínculo a exportação (securitização de exportações); e

II - operação de crédito com vínculo a exportação (securitização de exportações); e CIRCULAR 3.027/01 PROGRAMA NACIONAL DE DESBUROCRATIZAÇÃO - Institui e regulamenta o Registro Declaratório Eletrônico (RDE) de empréstimos entre residentes ou domiciliados no País e residentes ou domiciliados

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de Março de 2012

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de Março de 2012 Circular 112/2012 São Paulo, 06 de Março de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de

Leia mais

Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015

Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015 Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015 Publicado no DO em 6 nov 2015 Dispõe sobre a aplicação do art. 9º-A da Lei nº 10.925, de 23 de julho de 2004, que dispõe sobre o crédito presumido da Contribuição

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 14 DE JULHO DE 2011

PORTARIA Nº 23, DE 14 DE JULHO DE 2011 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº 23, DE 14 DE JULHO DE 2011 (D.O.U. de 19 de julho de 2011, Seção 1, p. 65-92) (Retificada no D.O.U.

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PORTARIA Nº 160, DE 5 DE MARÇO DE 2013 Dispõe sobre a habilitação das instituições privadas de ensino superior e de educação profissional técnica de nível médio e sobre a adesão das respectivas mantenedoras

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998.

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. Dispõe sobre a operação dos contratos previdenciários dos planos coletivos que tenham por finalidade a concessão de benefícios a pessoas físicas vinculadas

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal,

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal, DECRETO N.º 060 /2013. REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE ARACATI E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências.

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. DECRETO N o 3.474, DE 19 DE MAIO DE 2000. Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre a documentação para regularização de equipamentos médicos das Classes de Risco I e II. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS RECOM Regulamentação Orientador Empresarial DECRETO nº 7.319/2010 DOU: 29.09.2010 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação

Leia mais

Art. 2º A organização e a coordenação dos serviços de que trata este Decreto caberão ao Ministério dos Transportes." (NR)

Art. 2º A organização e a coordenação dos serviços de que trata este Decreto caberão ao Ministério dos Transportes. (NR) Decreto nº 8.083, de 26.08.2013 - DOU 1 de 27.08.2013 Altera o Decreto nº 2.521, de 20 de março de 1998, que dispõe sobre a exploração, mediante permissão e autorização, de serviços de transporte rodoviário

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

PORTARIA SECEX Nº 23, de 14.07.2011 (DOU de 19.07.2011)

PORTARIA SECEX Nº 23, de 14.07.2011 (DOU de 19.07.2011) mm PORTARIA SECEX Nº 23, de 14.07.2011 (DOU de 19.07.2011) Suplemento Especial nº 05/2011 2 OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR NORMAS E PROCEDIMENTOS Dispõe sobre operações de comércio exterior. PORTARIA SECEX

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2389 - ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 2389 - ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 2389 - ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. APROVA A NORMA QUE ESTABELECE PARÂMETROS REGULATÓRIOS A SE- REM OBSERVADOS NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE CONTÊINERES

Leia mais

Art. 1º Os arts. 37, 41 e 52 da Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, passam a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º Os arts. 37, 41 e 52 da Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, passam a vigorar com a seguinte redação: Instrução Normativa RFB nº 1.096, de 13 de dezembro de 2010 DOU de 14.12.2010 Altera a Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, que disciplina o despacho aduaneiro de mercadorias destinadas

Leia mais

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico Resoluções e Normativas Federais GTT - Náutico Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) -Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamento Aduaneiro (art. 26 ao 30; art.

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.649, DE 11 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.649, DE 11 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.649, DE 11 DE MARÇO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos para instrução de processos de constituição, autorização para funcionamento, alterações de controle societário, reorganização societária,

Leia mais

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Controle Administrativo - Definição Controle exercido por órgãos da Administração Federal

Leia mais

ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO.

ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO. ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO. Acrescentado pelo Decreto 24.441 de 14 de agosto de 2008. Publicado no DOE de 14.08.2008 Convênio ICMS nº 143/02 e

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL. Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL. Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL Orientador Empresarial Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização INSTRUÇÃO NORMATIVA SRP 10/2005 DOU:

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 DOU de 31.12.2012 Altera a Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para

Leia mais

Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza.

Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. DECRETO Nº 5.746, DE 5 DE ABRIL DE 2006 Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF Breve conceito de Regime Aduaneiro Regime especial de Admissão Temporária Casos Práticos Regime Aduaneiro deve ser entendido como o tratamento aplicável às mercadorias submetidas

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.467, DE 15 DE JUNHO DE 2010. (publicada no DOE nº 112, de 16 de junho de 2010) Dispõe sobre a adoção de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG)

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG) .1. RESOLUÇÃO Nº 332 Estabelece procedimento para a concessão de apoio financeiro e institucional. O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG), no uso da atribuição

Leia mais

Despacho Aduaneiro de Importação

Despacho Aduaneiro de Importação Mercadores Despacho Aduaneiro de Importação Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.09 - Maio de 2016 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 1.601, de 14 de dezembro de 2015 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE MAIO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2012 IPI ICMS - MS/MT/RO ICMS - RO LEGISLAÇÃO - RO

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE MAIO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2012 IPI ICMS - MS/MT/RO ICMS - RO LEGISLAÇÃO - RO ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE MAIO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2012 IPI RECUSA DO DESTINATÁRIO - ASPECTOS GERAIS Introdução - Funcionamento do Sistema - Tratamento Fiscal - Recuperação do Débito Havido

Leia mais

ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NO PORTO DE PARANAGUÁ

ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NO PORTO DE PARANAGUÁ ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NO PORTO DE PARANAGUÁ PORTARIA Nº 97, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008: Estabelece procedimentos a serem observados para autorização de conferência aduaneira em recinto alfandegado

Leia mais

LEI Nº 11.126, DE 27 DE JUNHO DE 2005

LEI Nº 11.126, DE 27 DE JUNHO DE 2005 LEI Nº 11.126, DE 27 DE JUNHO DE 2005 Dispõe sobre o direito do portador de deficiência visual de ingressar e permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhado de cão-guia. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, no uso de suas atribuições

Leia mais

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 Regulamenta a Lei Complementar nº. 92/07 de 13 de Dezembro de 2007, que dispõe sobre o Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISSQN) - que altera o sistema

Leia mais

SERViÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE FONE

SERViÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE FONE SERViÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE FUNDO DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE FONE INSTRUÇÃO PARA APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS Recife

Leia mais

Ato Declaratório Executivo Coana nº 3, de 1º de junho de 2006 (*)

Ato Declaratório Executivo Coana nº 3, de 1º de junho de 2006 (*) Ato Declaratório Executivo Coana nº 3, de 1º de junho de 2006 (*) DOU de 2.6.2006 Estabelece documentos e normas complementares para a habilitação de importadores, exportadores e internadores da Zona Franca

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO DOCUMENTOS EXIGIDOS NAS OPERAÇÕES DE EXPORTAÇÃO DISPONIVEL EM: HTTP://WWW.APRENDENDOAEXPORTAR.GOV.BR/SITIO/PAGINAS/COMEXPORTAR/CONTRATOS.HTML No comércio internacional, os documentos desempenham importante

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 261, de 20 de dezembro de 2002

Instrução Normativa SRF nº 261, de 20 de dezembro de 2002 Instrução Normativa SRF nº 261, de 20 de dezembro de 2002 Dispõe sobre a habilitação de empresa transportadora para manter recintos não alfandegados, na cidade de Manaus, destinados ao controle aduaneiro

Leia mais

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006)

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Cada vez mais e por diversos motivos, as organizações vêm optando por focar-se no objeto principal do seu próprio negócio

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO MINUTA DE RESOLUÇÃO Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 06, de 17.2.09 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o disposto nos arts.

Leia mais

1) O que é o RTU? 2) O RTU já foi regulamentado?

1) O que é o RTU? 2) O RTU já foi regulamentado? 1) O que é o RTU? O Regime de Tributação Unificada (RTU) é o regime instituído pela Lei nº 11.898, de 8/1/2009, que permite a importação, por microempresa importadora varejista habilitada, de determinadas

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 305, DE 07 DE FEVEREIRO DE 2008.

LEI COMPLEMENTAR Nº 305, DE 07 DE FEVEREIRO DE 2008. LEI COMPLEMENTAR Nº 305, DE 07 DE FEVEREIRO DE 2008. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DE INCENTIVOS AO DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO, PRESTADORES DE SERVIÇOS, CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO, UNIDADES DE LOGÍSTICA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 10, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 20/10/2010, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 19 do Estatuto, consubstanciado

Leia mais

DECRETO Nº 10.254, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005.

DECRETO Nº 10.254, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. DECRETO Nº 10.254, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta o Imposto Sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana no âmbito do Município de Porto Velho e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências.

Leia mais

Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de

Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de assistência social, no âmbito do Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

II - Manter suspensas as concessões de novas cartas patentes para o funcionamento de sociedade de arrendamento mercantil.

II - Manter suspensas as concessões de novas cartas patentes para o funcionamento de sociedade de arrendamento mercantil. RESOLUCAO 980 ------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

Portaria SECEX Nº 47 DE 11/12/2014

Portaria SECEX Nº 47 DE 11/12/2014 Portaria SECEX Nº 47 DE 11/12/2014 Publicado no DO em 12 dez 2014 Altera a Portaria SECEX nº 23, de 14 de julho de 2011, para adequar os processos de habilitação ao regime de drawback integrado isenção

Leia mais

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628 LEI N 812 de 12 de maio de 2014. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e, a Ferramenta de Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM,,

Leia mais

EDITAL Nº. 001/2015 PROCESSO SELETIVO DO PROJETO BOLSA-ESPORTE DA SECRETARIA DO ESPORTE DO CEARÁ

EDITAL Nº. 001/2015 PROCESSO SELETIVO DO PROJETO BOLSA-ESPORTE DA SECRETARIA DO ESPORTE DO CEARÁ EDITAL Nº. 001/2015 PROCESSO SELETIVO DO PROJETO BOLSA-ESPORTE DA SECRETARIA DO ESPORTE DO CEARÁ O Estado do Ceará, através da Secretaria do Esporte, torna público, para conhecimento dos interessados,

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária. Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda

Legislação em Vigilância Sanitária. Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda título: Resolução RDC nº 99, de 30 de dezembro de 2008

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO Capítulo I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1 A Fundação Irmão José Otão (FIJO), pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, instituída pela União

Leia mais

DECRETO Nº 3.102 - R, DE 30 de AGOSTO DE 2012

DECRETO Nº 3.102 - R, DE 30 de AGOSTO DE 2012 DECRETO Nº 3.102 - R, DE 30 de AGOSTO DE 2012 Altera o Art. 19 do Regulamento do Sistema de Transporte Coletivo Rodoviário Intermunicipal de Passageiros do Serviço de Fretamento e/ou Turismo, aprovado

Leia mais

DECRETO Nº 63.164, DE 26 DE AGOSTO DE 1968

DECRETO Nº 63.164, DE 26 DE AGOSTO DE 1968 DECRETO Nº 63.164, DE 26 DE AGOSTO DE 1968 Dispõe sôbre exploração e pesquisa na plataforma submarina do Brasil, nas águas do mar territorial, e nas águas interiores e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

PRIMEIRO SIMULADO LEGISLAÇÃO ADUANEIRA RFB 2013 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ AULA 13 PRIMEIRO SIMULADO

PRIMEIRO SIMULADO LEGISLAÇÃO ADUANEIRA RFB 2013 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ AULA 13 PRIMEIRO SIMULADO AULA 13 PRIMEIRO SIMULADO Olá, pessoal. Eu e Missagia resolvemos quebrar o simulado prometido com trinta questões em dois simulados de quinze. Havendo duas postagens, isso facilita para que eu só olhe

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015 RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015 Ementa: Estabelece requisitos a serem observados para obtenção de apoio financeiro e/ou institucional junto ao CRMV-RJ. O - CRMV-RJ, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o horário de funcionamento do Instituto Chico Mendes, jornada de trabalho e controle

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e

DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996 Dispõe sobre a instauração e organização de processos de prestação de contas, tomada de contas e tomada de contas especial, no âmbito da Administração Estadual,

Leia mais

Projeto de Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas

Projeto de Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas Projeto de Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas Nota justificativa Com a publicação da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, foram transferidas para as Freguesias novas competências, até então

Leia mais

DECRETO Nº 12.677, DE 11 DE JULHO DE 2007. Publicado no DOE n 131, de 12/07/2007

DECRETO Nº 12.677, DE 11 DE JULHO DE 2007. Publicado no DOE n 131, de 12/07/2007 REVOGADO PELO DECRETO 13.501, DE 23/12/2008 *Ver Decreto 13.500/2008 DECRETO Nº 12.677, DE 11 DE JULHO DE 2007. Publicado no DOE n 131, de 12/07/2007 Regulamenta o disposto no inciso II, caput, e nos 1º

Leia mais

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ DECRETO Nº DE DE DE 2015 Dispõe sobre regulamentação da Lei Complementar nº. 3.766, de 4 de dezembro de 2014, que criou o Passe Livre Estudantil, gratuidade no sistema de transporte coletivo aos estudantes

Leia mais

VGL NEWS. ANO 6 INFORMATIVO 105 01 DE AGOSTO a 31 DE AGOSTO DE 2006

VGL NEWS. ANO 6 INFORMATIVO 105 01 DE AGOSTO a 31 DE AGOSTO DE 2006 VGL NEWS ANO 6 INFORMATIVO 105 01 DE AGOSTO a 31 DE AGOSTO DE 2006 ASSUNTOS FISCAIS Medida Provisória 315/06 Cambial e Tributária 1 Medida Provisória 320/06 Aduaneira 2 Instrução Normativa SRF 670/06 Declaração

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL LEI N. 1.486, DE 17 DE JANEIRO DE 2003 Dispõe sobre a Defesa Sanitária Animal no Estado do Acre e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL TOMADA DE CONTAS ESPECIAL COMPARATIVO ENTRE A IN TCU Nº 13/1996 E A IN TCU Nº 56/2007 IN TCU Nº 13/1996 IN TCU Nº 56/2007 Art. 1º Diante da omissão no dever de prestar contas, da não comprovação da Aplicação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Dispõe sobre o procedimento administrativo para aplicação de penalidades por infrações cometidas

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais