ABIMAQ. Planejamento Estratégico Dezembro/2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABIMAQ. Planejamento Estratégico 2008-22. Dezembro/2007"

Transcrição

1 ABIMAQ Planejamento Estratégico Dezembro/2007

2 OBJETIVO Brasil 7.º produtor mundial de Bens de Capital (BK) em 2022 A Meios 1 Crescimento do PIB Industrial 2 Competitividade sistêmica 3 Competitividade empresarial Público Alvo Setores Regiões Cadeias Produtivas B Políticas 1 Industrial 2 Qualidade 3 Tecnologia 4 Inovação 5 Mercado C Processos 1 Formulação e Implementação das Políticas 2 Acompanhamento Controle Benchmark

3 A1. Crescimento do PIB Industrial Evolução do PIB 5% ao ano Evolução do Investimento em BK 10 ao ano Formação Bruta de Capital Fixo = 30% do PIB (2013) PIB industrial = 35% do PIB (2022) Escolaridade média na indústria = 9 anos (2022) Capital produtivo = US$ / Funcionário (2013)

4 A2. Competitividade Sistêmica Políticas Fiscal Monetária Cambial IDH 0,85 GINI 0,45 (2022) Organização Jurídica Valores Trabalhista Educacional Comercial Infraestrutura Função ABIMAQ: Assumir visão de País Propor Política Industrial Participar de Política Industrial específica para o setor Ação ABIMAQ: Estabelecer alianças estratégicas com outros agentes políticos,econômicos e sociais

5 A3. Competitividade Empresarial Comercialização Produto Financeiro INFORMAÇÃO PESSOAS GESTÃO / INOVAÇÃO Materiais Estrutura Fabricação

6 B1. Política Industrial Fomentar o desenvolvimento Industrial Regional Promover a competitividade setorial e cadeias produtivas Apoiar a atração de IDE e Internacionalização Fomentar a modernização e melhoria da gestão e inovação Promover a qualidade e o desenvolvimento tecnológico Articular melhorias das condições de Crédito e Investimento Aperfeiçoar a Institucionalidade da Política Industrial

7 B1. Política Industrial Programas Reduzir o custo do crédito Facilitar o acesso ao Crédito Expandir a oferta de crédito Projetos I. Articular melhorias das condições de crédito e investimento Elaborar proposta para a redução da TJLP e encaminhá-la ao CMN e Codefat. Elaborar proposta de redução dos spreads em operações com recursos direcionados e encaminhá-la ao Banco Central Elaborar proposta de redução dos spreads de operações com recursos livres e encaminhá-la ao Banco Central Propor a revisão dos procedimentos de inscrição e exclusão do CADIN Propor agenda para reduzir assimetrias Defender a redução da burocracia para a solicitação e aprovação de crédito Propor a revisão/operacionalização de mecanismos de garantia I. Articular melhorias das condições de crédito e investimento (Cont.) Acompanhar o desenvolvimento da Agência de Fomento de São Paulo Propor ao BNDES o aprimoramento e adequação das linhas do banco, particularmente na área de gestão e para a ampliação e reforma de instalações Propor agenda com vistas a estimular bancos a operar linhas oficiais de financiamento, particularmente por meio de: (i) milhagem do BNDES; (ii) redução do compulsório vinculada a operações com recursos direcionados; e (iii) metas de operação com recursos Propor mudanças no Proger, de forma a estender o programa a bancos privados e agências, às média empresas, com ampliação do limite Elaborar proposta para o desenvolvimento do mercado de capitais, em particular com relação à venture capital, seed capital e debêntures Anos

8 B2. Política da Qualidade Melhorar a informação e a capacitação (TIB) Desenvolver e fornecer informações Capacitar Indústrias Realizar a extensão em TIB Programas de extensão Agentes de extensão Promover a conformidade de produtos Mobilizar setores e instituições Adequar produtos brasileiros ao comércio exterior Desenvolver exigências técnicas brasileiras

9 B3. Política Tecnológica Melhorar informação e capacitação da Indústria Desenvolver e fornecer informações Capacitar Indústrias Apoiar o acesso e criação de CTs e de TIB Mapear CTs existentes Favorecer o acesso aos CTs atuais Apoiar a criação de novos centros Realizar a extensão tecnológica Programas de extensão Agentes de Inovação Serviços Tecnológicos

10 B4. Política de Inovação Melhorar o desempenho inovativo das empresas Apoiar o desenvolvimento de tecnologias portadoras de futuro Consolidar o Sistema Nacional de Inovação Apoiar estratégias de proteção da Propriedade Intelectual

11 B5. Política de Mercado Apoiar o desenvolvimento competitivo de setores e cadeias produtivas Implementar políticas públicas Implementar plano estratégico Apoiar decisões setoriais / empresariais Sistematizar indicadores Produzir análises setoriais Desenvolver portal dos setores Melhorar o acesso ao mercado Oportunidades no mercado local (consumidor) Oportunidades no mercado intra indústria Oportunidades no mercado internacional Monitorar mercado

12 A1. Crescimento do PIB Industrial PIB Per Capita e Participação da Indústria no PIB Participação da Indústria no PIB - % 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 China Tailândia Coréia do Brasil Argentina Alemanha Holanda França Índia ,00 0, , , , , , , , , PIB Per Capta PPP - US$ Constantes de Argentina China França Alemanha India Holanda EUA Brasil Coréia do Sul Tailândia EUA

13 C2. Acompanhamento e Controle - Benchmark Nível Meta Nível Macro Interação Nível Meso Nível Micro Nível meta: fatores socioculturais, escola de valores, organização política, jurídica e econômica, capacidade estratégica e política Nível Macro: políticas orçamentária, monetária, fiscal, concorrência, trabalhista, cambial e comercial Nível Meso: política infra-estrutura física, educacional, tecnológica, infra-estrutura Industrial, ambiental, regional, seletiva de importações e seletiva de exportações Nível Micro: capacidade de gestão, estratégias empresariais, gestão de inovações, melhores práticas no ciclo de produção (desenvolvimento, produção e comercialização), integração em redes de cooperação tecnológica, logística empresarial, interação de fornecedores, produtores e consumidores.

14 C2. Acompanhamento e Controle - Benchmark Balanced Scorecard - Industria de Máquinas 3,49 3,64 2,98 2,74 2,80 Monthly Average Empresa BR- IND VDMA financial view sales / employees TEUR 58,8 198,0 sales / employees TBRL 163,2 543,6 working capital profit / sales profit / net capital cash / sales TBRL % % % 5,8 6,3 11,6 10,4 80,4 inventory / sales % 34,9 23,3 market view market share % service rate % claim rate % 0,8 new products / sales % 29,0 s & m. expens. / sales % 16,0 13,3 other parameters added value / employees TEUR 28,8 90,0 added value / employees TBRL 80,4 250,8 material cost / sales % 57,1 47,1 personal cost / sales % 17,9 32,0 adm. expens. / sales % 10,0 7,3 added value / personal cost F 2,4 1,7 added value / Manuf. Exp. F 2,0 2,5

15 CENÁRIOS ECONÔMICOS

16 I ECONOMIA MUNDIAL I-1 - MUDANÇAS ESTRUTURAIS DO PIB MUNDIAL Há 50 anos os Estados Unidos representavam + de 50% do PIB mundial Há 15 anos o G7 detinha > de 65% do PIB mundial Hoje o G7 responde por cerca de 50% do PIB mundial (G7 USA, Japão, Inglaterra, Alemanha, França, Itália, Canadá)

17 I ECONOMIA MUNDIAL I- 2 TENDÊNCIAS As mudanças estruturais do PIB mundial tendem a acelerar PIB EM 2006 PORCENTAGEM DO PIB MUNDIAL TAXA CRESCIM PIB EM 2020 % EM 2020 MUNDO 48,0 100,0% 3,0% 74,0 - USA 13,2 27,5% 2,5% 19,1 25,8 MCE 10,5 21,8% 2,2% 14,5 19,5 JAPÃO 4,3 9,6% 1,5% 5,4 7,3 EMERGENTES* 9,0 18,8% 6,0% 21,6 29,0 RESTO MUNDO 11,0 22,9% 3,0% 17,0 20,0 * SUDESTE ÁSIA + RÚSSIA + AMERICA LATINA

18 I ECONOMIA MUNDIAL I- 3 - CONSEQÜENCIAS DAS MUDANÇAS ESTRUTURAIS Os emergentes que hoje são 38% da economia dos E.U.A + MCE passam a representar 65% em 2020; O mais importante é que nos próximos anos o incremento anual do PIB destes países (e portanto sua demanda) passa a ser maior do incremento do PIB dos E.U.A, União Européia e Japão somados; Isto significa que a locomotiva da Economia Global passa a ser a Ásia e não mais os Estados Unidos; O resultado previsível em função do crescimento destes países e de seu PIB/capita é a sustentação da demanda mundial de alimentos, commodities e energia (o preço do petróleo é um bom indicador) mesmo com o provável crescimento menor dos E.U.A e M.C.E.

19 I ECONOMIA MUNDIAL I- 4 AMEAÇAS NO CENÁRIO MUNDIAL Escassez de energia (petróleo) / Inst.Política nos países produtores Recessão nos Estados Unidos / enfraquecimento do dólar / migração de ativos financeiros ( => - 23% em relação a uma cesta de moedas - pode cair mais > 10%. O rendimento dos títulos do tesouro americano está em apenas 1,5% a.a. Ativos financeiros em dólar no mundo são da ordem de US$ 100 trilhões) Conflitos no oriente médio (Irã) e Sudeste Ásia (Paquistão) Custos decorrentes de problemas ambientais (água e aquecimento global) Problemas estruturais na China (inflação = > 6% aa) Alteração no status quo do poder militar A redução do déficit comercial americano (em função da desvalorização do dólar) implica em aumento do déficit em outras países em particular naqueles que mais valorizaram suas moedas em relação ao dólar (Europa, América Latina e particularmente o Brasil.)

20 II A ECONOMIA BRASILEIRA II- 1 AMBIENTE MACROECONÔMICO Juros Selic-Inflação: Selic/Inflação (11,25-3,80) = Selic (Real) 7,45% a.a. USA (4,25 2,8) = T.Notes (Real) 1,45% a.a. Diferencial juros reais R$ / USS + de 6,0% a.a. > resultados da maioria da indústria brasileira Juros de Mercado: 25 á 140% a.a.

21 II A ECONOMIA BRASILEIRA Cambio Deve continuar se apreciando (previsão ,65 + 0,10) O motivo é que continuam entrando muitos dólares (rentabilidade+valorização+incentivofiscais) garantidos pelo BC Em 2007: (US$) 40 Bi de superávit comercial 35 Bi de I.D.E. 30 Bi na Bolsa e Renda Fixa 105 Bi Total de ingressos Saídas + de 50 Bi (dos quais 18 bi de remessa de lucros) Portanto mesmo que o BC compre 20 a 30 Bi ainda sobram dólares. Entre 2001 e 2007 os investimentos estrangeiros na bolsa subiram de 37 para 200 bilhões de US$. Na renda fixa de 115 para 125 bilhões. A BOVESPA valorizou 1.000% em US$ e 500% em reais no governo Lula.

22 Balança Comercial + 40 Bi em Bi em 2008 As Exportações brasileiras em 2007 devem alcançar Bi US$ Dos quais + de 50% de básicos e semimanufaturados (+20%volume x preço) 50% de manufaturados (10% volume) Portanto é previsível um aumento + 10% nas exportações de 2008 (165 Bi) II A ECONOMIA BRASILEIRA As importações estão crescendo a uma taxa > 25% sobre uma base de US$ 110 Bi em 2007 o que faz prever US$ 138 em 2008 É interessante observar que mantidas as tendências atuais no crescimento das exportações e importações o superávit da Balança Comercial deve zerar em fins de 2009

23 II A ECONOMIA BRASILEIRA A perda do superávit será suportado basicamente pela indústria de transformação via redução das exportações e principalmente pelo aumento das importações manufaturados (numa primeira aproximação vai afetar + de 15% do PIB industrial). Um bom exemplo é o setor de autopeças: de superávit de US$ 2,0 bilhões em 2006 passa a um pequeno déficit em 2007 e um provável déficit de 1,5 bi em Isto vai afetar o valor da transformação industrial (vti) quando comparado com o valor da produção industrial A relação vti/vbpi passou de 47% para 42% nos últimos 10 anos.

24 II A ECONOMIA BRASILEIRA Políticas Fiscais e Tributárias O pano de fundo desta política monetária é o fato do governo (não só deste) se sustentar basicamente em dois pilares: a elite e os pobres (a classe média não é significativa no Brasil). Com o fim do crescimento econômico ( a partir do fim da década de 80) as elites passaram a viver com ganhos inflacionais até 1995 e com juros de lá para cá. A base popular teve um ganho inicial com o fim de inflação, substituído posteriormente por políticas sociais assistencialistas. Isto explica a crescente carga tributária: tem garantir a renda da elite (taxa de juros de equilíbrio > 10% aa) além de distribuir esmolas aos pobres. Esta financeirização da riqueza aumenta os gastos fiscais e anestesia o anseio por crescimento econômico. Os investimentos do governo são equivalentes às taxas bancárias ou seja + 2% do PIB. Neste modelo qualquer reforma tributária embute o forte risco de aumento de carga

25 II A ECONOMIA BRASILEIRA Convém notar que a performance das exportações brasileiras é principalmente um fenômeno mundial. De 2000 à 2006 as exportações brasileiras subiram 150% contra 90% do mundo mas são muito inferiores às da Índia (184%) e da China (288%) Os gastos públicos (sem juros) de 1992 à 2007 cresceram à média de 5,9% a.a. contra o aumento médio do PIB de 3% a.a. Isto explica porque as receitas do governo federal aumentaram, no período de 14,5% para 24% do PIB.

26 II A ECONOMIA BRASILEIRA II 2- CRESCIMENTO DA ECONOMIA ( ) Taxas de crescimento da demanda agregada ANO CONSUMO DAS FAMÍLIAS CONSUMO DO GOVERNO FBCF EXP IMP PIB ,8 4,1 9,1 15,3 14,4 5, ,7 1,9 3,6 10,1 9,3 3, ,3 3,6 3,7 5,6 18,1 3,7 3º Tri.07 5,9 3,9 12,4 6,7 19,6 5,3

27 II A ECONOMIA BRASILEIRA Previsão crescimento PIB em 2007: 4,8% + 0,2 Previsão crescimento PIB em 2008: 4,3% + 0,2 O crescimento de 2007 é puxado pelo consumo das famílias do Governo e dos investimentos Consumo das famílias (+37% -07/06): Aumento da renda (bolsa família/emprego/dólar baixo) Crédito para bens duráveis (automóveis em 84 meses/juros 12 a.a.) Em % dos compradores adquiriram carro 0KM pela primeira vez contra 20% em 06 Consumo do governo (+8% - 07/06) Aumento de arrecadação acima do crescimento do PIB

28 II A ECONOMIA BRASILEIRA Investimentos (21,8% - 07/06) - Construção Civil de 50% FBCF - Caminhões / ônibus / comp.pessoais ( de 20% FBCF) - Máquinas e equipamentos (BK) 28% FBCF O crescimento futuro depende no curto prazo (2008) do comportamento dos fatores que compõe a demanda agregada Exportação x Importações: Devem puxar o PIB para baixo Consumo do governo: provavelmente não tem condições de expansão FBCF: Mesmo que continue crescendo as taxas a 10% a.a. o patamar é muito baixo (16,8% do PIB sendo 4,5% em BK) e portanto tem pouco peso na formação do PIB

29 II A ECONOMIA BRASILEIRA Consumo das famílias: Bolsa Família e Emprego devem se estabilizar como motores do consumo (construção civil empregos em 2007 contra da indústria, empregos do comércio e em serviços). Sobra o crédito que apesar de ter aumentado >50% nos últimos cinco anos e cerca de 25% para pessoas físicas somente em 2007 ainda tem espaço para crescer. A pergunta é até quando o comprometimento da renda futura vai permitir a expansão do crédito. Mais de 60% da população de baixa renda está endividada (subprime?)

30 III AMEAÇAS AO CRESCIMENTO BRASILEIRO Juros/cambio/políticas fiscais e tributárias Crises internacionais econômicas/financeiras (ajuste do déficit americano) Crises políticas e/ou militares: oriente médio (petróleo/israel/iran/iraque/curdos) Sudeste da Ásia (Paquistão/Afeganistão gastos militares chinenes) Infraestrutura brasileira: energia/gás/petróleo Petróleo: Set/04: US$ 55,0/Barril x 2,94 R$/US$ = R$ 162 Petróleo: Set/07: US$ 95,0/Barril x 1,74 R$/US$ = R$ 165 Petróleo subiu 72% em US$, 40% em Euros e 2,0% em Reais

31 Estrutura comparada do PIB Brasileiro Dados do Banco Mundial AGROPECUÁRIA INDÚSTRIA SERVIÇOS China 12,0% 47,0% 41,0% Índia 17,5% 27,7% 54,8% Rússia 5,6% 38% 56,4% Coréia 4,9% 40,7% 54,4% Irlanda 3,6% 42,4% 53,8% Alemanha 1,3% 30,3% 68,4% França 2,5% 23,0% 74,5% U.S.A. 1,2% 24,2% 74,6% Brasil 7,3% 28% 64,7% Países Emergentes RENDA/CAPITA US$ Novos países desenvolvidos RENDA/CAPITA US$ Países desenvolvidos RENDA/CAPITA US$ > RENDA/CAPITA 4.500

32 IV - CONCLUSÕES Visão curto prazo x visão longo prazo Problemas x oportunidades

33 Proposta de agrupamento setorial MÁQUINAS E QUIPAMENTOS PARA: Bens de consumo Indústria de transformação, bens de capital e seus componentes Infra-estrutura, logística e indústria de base Construção civil Agricultura Petróleo e energia renovável

34 Proposta de agrupamento setorial Bens de consumo MÁQUINAS PARA A INDÚSTRIA: Alimentícia Couro Embalagem Ginástica Gráfica Limpeza Madeira Plásticos Refrigeração Industrial Têxteis Ferramentas

35 Proposta de agrupamento setorial Indústria de transformação, bens de capital e seus componentes Máquinas para Ar Comprimido e Gases Bombas e Motobombas Máquinas para Controle de Qualidade, Ensaio e Medição Máquinas para Ferramentaria e Modelação Fornos Industriais Máquinas para Fundição Equipamentos Hidráulicos e Pneumáticos Máquinas-Ferramenta Motores Máquinas para Pintura Máquinas para Solda Máquinas para Transmissão Mecânica Máquinas para Tratamento Superficial

36 Proposta de agrupamento setorial Infra-estrutura, logística e indústria de base Máquinas para Celulose Empilhadeiras Equipamentos Pesados, exceto para Petróleo e Energia Renovável Máquinas Rodoviárias Máquinas para Mineração Máquinas para Movimentação e Armazenamento de Materiais Máquinas para Saneamento Básico

37 Proposta de agrupamento setorial Construção civil MÁQUINAS PARA: Cerâmica Construção Civil Mármore Vidro

38 Proposta de agrupamento setorial Máquinas para Irrigação Máquinas Agrícolas Agricultura

39 Proposta de agrupamento setorial Petróleo e energia renovável Equipamentos Pesados exclusivos para a Indústria de Petróleo e Petroquímico Equipamento Naval e Off-shore Válvulas Industriais Bio Combustível

O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho. Janeiro/2011

O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho. Janeiro/2011 O DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho Janeiro/2011 O modelo atual (1994/2010) MAIS QUE UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO É UM MODELO DE ESTABILIZAÇÃO ECONÔMICA

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ABIMAQ/SINDIMAQ

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ABIMAQ/SINDIMAQ ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ABIMAQ/SINDIMAQ :: SOBRE A ABIMAQ Foi fundada em 1937; 1.500 empresas associadas O setor gera mais de 260.000 empregos; 6 mil empresas representadas; 70% das associadas são PMEs;

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008. Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP

BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008. Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008 Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP O CRESCIMENTO DE LONGO PRAZO BRASIL: 1850-2008 10 9 FIM DA SUBST DE IMPORT 8 7 CRISE JANGO- RETOMADA? 6 5 4 ANOS 30 3 2 APOGEU

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Tendências e perspectivas

Tendências e perspectivas Economia brasileira Tendências e perspectivas Apresentação para o VIII Seminário Econômico da Fundação CEEE Gustavo H. B. Franco Porto Alegre, 23 de novembro de 2006 4 Temas Fundamentais Para entender

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

Evitar a recessão no Brasil

Evitar a recessão no Brasil Evitar a recessão no Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Federação Nacional dos Engenheiros - FNE São Paulo, 12 de Março de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A economia brasileira Comércio,

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Apresentação Paulo Butori Presidente do Sindipeças Elaboração: Assessoria Econômica do Sindipeças São Paulo, novembro de 2013 Números do

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira Comissão de Finanças e Tributação Seminário: Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria Armando Monteiro Neto Presidente CNI Maio 2010 1. Câmbio atual é inadequado para a

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho O cenárioeconômicoe as MPE Brasília, 1º de setembro de 2010 Luciano Coutinho O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira pode crescer acima de 5% a.a. nos próximos cinco

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de 4 de maio

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images) Economia A Economia do Japão em uma Era de Globalização Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Leia mais

Educação, Inovação e Competitividade. Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008

Educação, Inovação e Competitividade. Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008 Educação, Inovação e Competitividade Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008 Origem do estudo Por que alguns países têm excelente desempenho e outros têm fraco desempenho

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Inovação é o que distingue um líder de um seguidor. Steven Paul Jobs Grandes ideias mudam o mundo. Missão

Leia mais

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática Planejamento da fiscalização no TCU Um novo paradigma em prática Competências do TCU(art. 70 e 71 da CF) Art. 70 - A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

CRISE FINANCEIRA GLOBAL e IMPACTOS NA ECONOMIA BRASILEIRA

CRISE FINANCEIRA GLOBAL e IMPACTOS NA ECONOMIA BRASILEIRA CRISE FINANCEIRA GLOBAL e IMPACTOS NA ECONOMIA BRASILEIRA Fundamentos da Crise Financeira Global Conceito: O setor financeiro faz a ponte de ligação entre a macro e a microeconomia. Qualquer falha no funcionamento

Leia mais

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 2 Cenário Internacional: importante piora nas últimas semanas Zona do Euro

Leia mais

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Fundação Getúlio Vargas 11º Fórum de Economia Ministro Guido Mantega Brasília, 15 de setembro de 2014 1 Por que fazer ajustes macroeconômicos? 1. Desequilíbrios

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia?

Brasil: Potência ou Colônia? Brasil: Potência ou Colônia? Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

DECOMTEC - Departamento de Competitividade e Tecnologia CONVENÇÃO - CIESP. José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC - Departamento de Competitividade e Tecnologia CONVENÇÃO - CIESP. José Ricardo Roriz Coelho - Departamento de Competitividade e Tecnologia CRISE INTERNACIONAL, OPORTUNIDADES E DESAFIOS PARA A RETOMADA DO CRESCIMENTO ECONÔMICO BRASILEIRO CONVENÇÃO - CIESP José Ricardo Roriz Coelho Agosto de 2012

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Novas Políticas Operacionais BNDES. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006

Novas Políticas Operacionais BNDES. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006 Novas Políticas Operacionais BNDES Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006 Preparação do Banco para as novas Políticas Operacionais Aumento da eficiência e agilização dos procedimentos do banco, através

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Fevereiro de 2015 Os indicadores demonstram as dificuldades que as empresas de BK vêm encontrando... 2 3 Em um cenário adverso no

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC?

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC? Brasil 27 21: BRIC ou não BRIC? Conselho Regional de Economia, 3 de outubro de 26 Roberto Luis Troster robertotroster@uol.com.br BRIC Brasil, Rússia, Índia e China BRIC Trabalho de 23 da GS Potencial de

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO 1 ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO SILVA, A. T.O.C. 1 LIMA, C.C.O. 2 VILLANI, C.J. 3 FRIZERO NETO, K. 4 GRAVINA, L.M. 5 SANTOS, F.A.A. 6 Este artigo tem

Leia mais

Gustavo H.B. Franco Belo Horizonte, outubro de 2015

Gustavo H.B. Franco Belo Horizonte, outubro de 2015 Perspectivas e temas Econômicos, a crise e seus desdobramentos Versão reduzida Gustavo H.B. Franco Belo Horizonte, outubro de 2015 Agenda Temas 1.Dominância fiscal e crise 2.O mistério da criação de moeda

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

ABINFER. Programa para a cadeia produtiva de FERRAMENTARIA

ABINFER. Programa para a cadeia produtiva de FERRAMENTARIA ABINFER Programa para a cadeia produtiva de FERRAMENTARIA O Plano de Metas foi um importante programa de industrialização e modernização levado a cabo na presidência de Juscelino Kubitschek 1956-1961.

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL 6 ª 10 % MAIOR. do PIB. Indústria Química DO MUNDO INDUSTRIAL. Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012

A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL 6 ª 10 % MAIOR. do PIB. Indústria Química DO MUNDO INDUSTRIAL. Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012 Carlos Fadigas A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012 10 % do PIB INDUSTRIAL 6 ª MAIOR Indústria Química DO MUNDO A INDÚSTRIA QUÍMICA DEVE FATURAR US$ 157 BILHÕES

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Polí%cas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável

Polí%cas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável Polí%cas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável Luiz Fernando de Paula Professor Titular da FCE/UERJ e ex- Presidente da AKB Email: luizfpaula@terra.com.br Questões Quais as restrições

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes

Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes Samuel Pessoa Tendências Consultoria 14 de abril, Hotel Unique ROTEIRO 1. Guerra cambial? 2. Desequilíbrio macroeconômico

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais