INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA PRODUÇÃO DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA PRODUÇÃO DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL"

Transcrição

1 Cadeia Produtiva da Construção Civil - PlanHab INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL Prof. Alex Abiko Escola Politécnica USP 09 de Abril de 2008 BNDES

2 2003 Estudo prospectivo da cadeia produtiva da construção habitacional (MDIC/CGEE/Embrapa/Finatec/Unido) 2005 Modelo Senai de prospecção: segmento de edificações (Senai/UFRJ/USP) 2007 Cadeia produtiva da construção e o mercado de materiais de construção (FGV/Abramat) 2008 Diagnóstico do setor de materiais de construção (Haga)

3 Modelagem da cadeia produtiva da construção habitacional Produção de INSUMOS Comercialização de INSUMOS (construção) COMERCIALIZAÇÃO de unidades CONSUMIDOR FINAL MATERIAIS BÁSICOS VENDA DIRETA PRÓPRIA E PREÇO DE CUSTO ALTA (acima de 20 SM) COMPONENTES GRANDE E MÉDIO PORTE PRIVADA IMOBILIÁRIA E GESTÃO ESTATAL PRIVADA IMOBILIÁRIA ESTATAL MÉDIA ALTA (de 10 a 20 SM) MÉDIA BAIXA (de 5 a 10 SM) SUBSISTEMAS PEQUENO PORTE AUTOCONSTRUÇÃO BAIXA HIS (até 5 SM)

4 Modelagem do setor de materiais para a construção civil Setor de de materiais para a construção EXTRAÇÃO E BENEFICIAMENTO AREIA BRITA PEDRAS para Revestimento ARGILA MADEIRA AMIANTO CADEIAS fora do Complexo da Construção METALURGIA DOS NÃO-FERROSOS Materiais BÁSICOS COMPONENTES SUBSISTEMAS ZINCO CIMENTO CAL GESSO FABRICAÇÃO Cerâmica vermelha Chapas para formas de madeira VIDROS FERRO ALUMÍNIO COBRE PETRÓQUIMICO Argamassas e concretos Industrializados Cerâmica Branca Artefatos de fibrocimento Vidros planos Barras e perfis de aço Tubos de PVC Tintas, esmaltes e vernizes Elementos pré-moldados de concreto ARTEFATOS DE CIMENTO E CONCRETO Gesso acartonado Forros e revestimentos de madeira Formas industriais de madeira Esquadrias e batentes de madeira Estruturas metálicas Esquadrias de aço Esquadrias de alumínio Fios e cabos de cobre Ferragens de zinco Esquadrias PVC Estruturas préfabricadas Fachadas prémoldadas Banheiros prontos COMERCIALI ZAÇÃO de Materiais para a construção VENDA DIRETA GRANDE E MÉDIO PORTE PEQUENO PORTE

5 Diagrama de fluxos da cadeia produtiva da construção habitacional foco no elo consumidor final (2002) de unidades COMERCIALIZAÇÃO DE UNIDADES CONSUMIDOR FINAL PRÓPRIA E PREÇO DE CUSTO PRIVADA IMOBILIÁRIA E GESTÃO ESTATAL AUTO CONSTRUÇÃO 5,80 bi 58 mil 2,48 bi PRIVADA IMOBILIÁRIA ESTATAL 99 mil 8,40 bi 28 mil 104 mil 6,53 bi 496 mil 15,3 bi 6,5 bi 65 mil 0,28 bi 11 mil 5,2 bi 88 mil 51 mil 2,20 bi ALTA (acima de 20 SM) MÉDIA ALTA (de 10 a 20 SM) MÉDIA BAIXA (de 5 a 10 SM) BAIXA (até 5 SM) 23,70 bi 79 mil UH R$ ,00/UH 12,30 bi 123 mil UH R$ ,00/UH 7,92 bi 214 mil UH R$35.000,00/UH 8,76 bi 584 mil UH R$15.000,00/UH

6 Diagrama de fluxos financeiros da cadeia produtiva da construção habitacional (2002) COMERCIALIZAÇÃO DE INSUMOS COMERCIALIZAÇÃO DE UNIDADES CONSUMIDOR FINAL 3,41 bi 5,31 bi 3,46 bi PROJETO EQUIPAMENTOS M.O 1,24 bi 0,32 bi 9,38 bi VENDA DIRETA 1,46 bi GRANDE E MÉDIO PORTE 2,27 bi PEQUENO PORTE 1,48 bi 4,87 bi 7,58 bi 4,94 bi PRÓPRIA E P. DE CUSTO Construção:1,53 bi PRIVADA IMOBILIÁRIA Incorporação:8,10bi Construção:3,96 bi Subcontrato:0,51bi E GESTÃO ESTATAL Incorporação:0,25bi Construção:0,35 bi Subcontrato:0,05bi AUTOCONSTRUÇÃO 25,38 bi TERRENO 7,20 bi 2,41 bi 14,20 bi PRIVADA IMOBILIÁRIA 1,08 bi Propaganda: 0,84 bi ESTATAL 0,07 bi 9,01 bi 27 bi 2,48 bi ALTA (acima de 20 SM) MÉDIA ALTA (de 10 a 20 SM) MÉDIA BAIXA (de 5 a 10 SM) BAIXA (até 5 SM)

7 Diagrama de fluxos financeiros do setor de materiais para a construção civil (2005) Setor de de materiais para a construção EXTRAÇÃO E BENEFICIAMENTO AREIA BRITA PEDRAS para Revestimento ARGILA MADEIRA AMIANTO 1,29 bi 1,10 bi 0,14 bi CADEIAS fora do Complexo da Construção 0,18 bi 0,24 bi 0,14 bi 0,04 bi METALURGIA DOS NÃO-FERROSOS Materiais BÁSICOS COMPONENTES SUBSISTEMAS ZINCO CIMENTO CAL GESSO FABRICAÇÃO Cerâmica vermelha Chapas para formas de madeira VIDROS FERRO ALUMÍNIO COBRE PETRÓQUIMICO 0,45 bi 0,36 bi 4,73 bi 0,73 bi 0,03 bi Argamassas e concretos Industrializados Cerâmica Branca Artefatos de fibrocimento Vidros planos Barras e perfis de aço Tubos de PVC 3,18 bi Tintas, esmaltes e vernizes 2,70 bi 0,38 bi Elementos pré-moldados de concreto ARTEFATOS DE CIMENTO E CONCRETO Gesso acartonado Forros e revestimentos de madeira Formas industriais de madeira Esquadrias e batentes de madeira Estruturas metálicas Esquadrias de aço Esquadrias de alumínio Fios e cabos de cobre Ferragens de zinco Esquadrias PVC 1,14 bi Estruturas préfabricadas Fachadas prémoldadas Banheiros prontos 65,0 bi COMERCIALI ZAÇÃO de Materiais para a construção VENDA DIRETA GRANDE E MÉDIO PORTE PEQUENO PORTE 34,50 bi Valores de entrada, em reais Valores de saída, em reais, faturamento

8 Análise de desempenho da cadeia produtiva da construção habitacional a) Indicadores de desempenho mais importantes (61 indicadores) - preço da UH - renda - disponibilidade de financiamento - índice de inadimplência - número de construtoras certificadas - índice de conformidade de insumos - índice de perdas de materiais b) Fatores críticos (19 fatores críticos) - acessibilidade à habitação - qualidade do produto habitacional - tecnologia e gestão

9 Fatores críticos de desempenho FATOR CRÍTICO Acessibilidade à habitação Acessibilidade Incapacidade da cadeia produtiva em propiciar acesso à habitação de qualidade a todos os que dela necessitam, em função principalmente da distância entre o preço das habitações e a renda do mercado consumidor, notadamente das faixas de baixa renda. Disponibilidade de financiamento Falta de recursos para financiamento público e privado, associado ao alto custo das linhas existentes principalmente em decorrência das altas taxas de juros - o que dificulta o acesso às mesmas e gera elevados índices de inadimplência Disponibilidade de terrenos Falta de terrenos e infra-estrutura urbanos adequados à produção habitacional, o que eleva desproporcionalmente o preço dos terrenos nas áreas urbanas bem servidas de infra-estrutura e serviços. Produção informal Alta incidência da produção informal, exatamente pela baixa acessibilidade ao mercado e aos programas de habitação social. A produção informal gera altos custos para os moradores e resulta em péssima qualidade habitacional, além de contribuir para a degradação das condições sociais e ambientais urbanas. Apoio à auto-construção Baixa capacidade do estado e também da iniciativa privada no apoio à auto-construção, que seria uma alternativa adequada, em contraposição à produção informal. Capacidade de regulação e coordenação Baixa capacidade de regulação e coordenação política e institucional, representada principalmente pela inexistência de uma política habitacional com metas e estratégias de longo prazo, previsão de alocação de recursos, articulação institucional para evitar sobreposições de funções e melhorar a eficiência da gestão habitacional. Déficit habitacional Necessidade de atacar o déficit habitacional brasileiro, estimado hoje em aproximadamente 6,6 milhões de unidades, e atribuído aos fatores apresentados acima.

10 Outros fatores críticos de desempenho da cadeia produtiva da construção habitacional FATOR CRÍTICO Qualidade do produto habitacional Os produtos habitacionais intermediários e final apresentam ainda sérios problemas de qualidade, representadas pelo baixo desempenho em determinados requisitos e pelo elevado grau de patologias observadas nas habitações. Normalização técnica Necessidade de ampliação, adequação e atualização do conjunto das normas técnicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), aplicáveis à construção civil. É necessário também que a normalização esteja focada no desempenho e não na prescrição, como ainda é comum, para propiciar o avanço tecnológico no setor. Apoio organizacional e institucional à qualidade Necessidade de ampliar ações destinadas à melhoria da qualidade dos produtos da cadeia produtiva, já em andamento atualmente, tais como: uso do poder de compra do estado e das construtoras para combater a não conformidade, implementação de sistemas de certificação de empresas, ampliação da rede de apoio laboratorial e tecnológico, disseminação de programas de qualidade, como o Programa Brasileiro de Produtividade e Qualidade do Habitat (PBQP-H), entre outras. Conhecimento das necessidades do consumidor Necessidade de definição sobre o que é uma habitação de qualidade e necessidade de conhecimento aprofundado, a ser obtido através de pesquisas de mercado, sobre as reais demandas do mercado consumidor, relacionadas a tipos de produtos, opções de diferenciação, preços, formas de aquisição e financiamento, etc. Conformidade de componentes e materiais Qualidade Necessidade de adequação às normas técnicas, dos componentes e materiais de construção.

11 Outros fatores críticos de desempenho da cadeia produtiva da construção habitacional FATOR CRÍTICO Tecnologia e gestão Projeto Necessidade de melhorar o processo de projeto habitacional, o que significa incorporar na prática das empresas projetistas, construtoras e fornecedoras, os seguintes elementos: coordenação modular e compatibilização entre subsistemas, padronização, maior uso de componentes e sistemas pré-fabricados, projeto para produção, ferramentas computacionais e sistemas de informação. Gerenciamento Necessidade de melhorar o gerenciamento das construções, o que significa disseminar nas empresas a prática sistematizada de ações voltadas à coordenação, planejamento, execução e controle, de modo a otimizar o uso de recursos e garantir a qualidade do processo de produção e dos produtos intermediários e finais. Barreiras ao avanço tecnológico Necessidade de ações voltadas à superação de barreiras para o avanço tecnológico e o aumento da produtividade na construção habitacional, entre as quais se destacam: ampliação do acesso a equipamentos, diversificação do mercado fornecedor de insumos para pré-fabricação, desoneração tributária, formas de contratações que estimulem o aumento da produtividade, modernização da legislação trabalhista na construção civil, modernização dos códigos de obra. Produtividade Necessidade de aumentar a produtividade da construção, que está relacionada ao projeto, gerenciamento e ao avanço tecnológico. Perdas e desperdícios Necessidade de reduzir perdas e desperdícios na construção, que está relacionado principalmente com o gerenciamento e o avanço tecnológico. Custo de construção Necessidade de reduzir os custo de construção, que dependem do comportamento do mercado de insumos para construção e dos custos da mão-de-obra. Pesquisas Necessidade de pesquisa tecnológica como apoio fundamental ao avanço tecnológico e ao aumento da produtividade na construção, o que depende de maior disponibilidade de recursos públicos e privados para pesquisa, além de uma maior integração entre setor produtivo, universidades e centros de pesquisas.

12 Fatores críticos de desempenho do Setor de produção e comercialização de materiais Setores produtivos de materiais de construção Areia e Brita Madeira Cal Gesso Cerâmica vermelha Cerâmica branca Vidros Cimento Ferro Principais fatores críticos Pedras para revestimento Alumínio, Cobre e Zinco Tubos e esquadrias de PVC Tintas, esmaltes e vernizes Comercialização (em geral) Custo de transporte Informalidade Capacidade produitva Falta de matéria-prima ou Recursos energéticos (energia) (matéria-prima) (matéria-prima) Compra especulativa (estoque)

13 Ações para a melhoria do desempenho da cadeia produtiva da construção habitacional ABNT, Abramat e Associações de Materiais, Antac, Caixa, CBIC, Deconcic/Fiesp, Finep, Inmetro, MDIC, MinCidades, Senai, OIT,... Aspectos tecnológicos PBQP-H (desde 1998) Sistema de Avaliação de Conformidade de Empresas de Serviços e Obras - SiAC 1425 empresas Sistema de Qualificação de Materiais, Componentes e Sistemas Construtivos SiMAC - 26 PSQs em andamento - 13 PSQs com índice de conformidade com as normas acima de 70% e 5 dos PSQs acima de 90% Sistema Nacional de Avaliação Técnica (Sinat) Normas Técnicas da ABNT Capacitação e certificação profissional Pesquisa Habitare / Finep e Caixa

Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Histórico 1991 PRONATH Prog. Nac. de Tecnologia da Habitação 1993 PROTECH Vilas Tecnológicas 1996 Programa de Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades O Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat o Sistema Nacional de Qualificação de Materiais e Componentes e Sistemas Construtivos 28 de novembro de 2008 Secretaria Nacional de Habitação

Leia mais

CADEIAS PRODUTIVAS PARANAENSES

CADEIAS PRODUTIVAS PARANAENSES CADEIAS PRODUTIVAS PARANAENSES SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL O Setor de Construção Civil no Paraná 208.537 EMPRESAS 3.015.373 EMPREGOS 18.947 EMPRESAS 161.211 EMPREGOS R$ 49,86 BILHÕES EM SALÁRIOS R$ 2,12

Leia mais

Política e Estratégia para a Indústria da Construção Civil e Materiais de Construção. Maputo. 07 de dezembro de 2012

Política e Estratégia para a Indústria da Construção Civil e Materiais de Construção. Maputo. 07 de dezembro de 2012 Política e Estratégia para a Indústria da Construção Civil e Materiais de Construção Maputo 07 de dezembro de 2012 1 Objetivo Geral Analisar as condições atuais e um possível desenho de política e estratégia

Leia mais

PBQP-H EVENTOS 2010. Programa Nacional da Qualidade e Produtividade do Habitat. Seminário de Integração Final. Rio, 06 de dezembro de 2010

PBQP-H EVENTOS 2010. Programa Nacional da Qualidade e Produtividade do Habitat. Seminário de Integração Final. Rio, 06 de dezembro de 2010 PBQP-H Programa Nacional da Qualidade e Produtividade do Habitat Seminário de Integração Final Rio, 06 de dezembro de 2010 Desafio da Sustentabilidade na Construção Inclusão Social e Desenvolvimento Urbano

Leia mais

CADEIAS PRODUTIVAS PARANAENSES

CADEIAS PRODUTIVAS PARANAENSES CADEIAS PRODUTIVAS PARANAENSES SETOR DE MINERAIS NÃO METÁLICOS O Setor de Minerais Não Metálicos no Paraná 27.102 EMPRESAS 451.568 EMPREGOS 2.452 EMPRESAS 30.898 EMPREGOS R$ 8,56 BILHÕES EM SALÁRIOS R$

Leia mais

Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores

Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores VERA FERNANDES HACHICH Conselho Brasileiro da Construção Sustentável CBCS TESIS Tecnologia de Sistemas em Engenharia 5 de novembro 2009 Tópicos Palestra

Leia mais

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil 19 agosto de 2014

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil 19 agosto de 2014 Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil 19 agosto de 2014 VISÃO VISÃO E ATUAÇÃO DA CAIXA SOBRE SISTEMAS CONSTRUTIVOS INDUSTRIALIZADOS Necessidade de escala de produção

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE UM MODELO PARA A CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO HABITACIONAL URBANA: DESENHO E FLUXOS

PROPOSIÇÃO DE UM MODELO PARA A CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO HABITACIONAL URBANA: DESENHO E FLUXOS PROPOSIÇÃO DE UM MODELO PARA A CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO HABITACIONAL URBANA: DESENHO E FLUXOS Luiz Reynaldo de Azevedo Cardoso Escola Politécnica da Universidade de São Paulo - Departamento de Eng

Leia mais

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável A Politica Nacional de Habitação e as iniciativas para uma construção Sustentável Universalizar o acesso à moradia digna Política Nacional de Habitação: objetivos Promover a urbanização, regularização

Leia mais

Estrutura do Ministério das Cidades

Estrutura do Ministério das Cidades Estrutura do Ministério das Cidades Ministro Conselho Nacional das Cidades Secretarias Gabinete Sec. Executiva Habitação Saneamento Ambiental Transporte e da Mobilidade Urbana Programas Urbanos PBQP-H

Leia mais

Panorama da modernização da construção no Brasil Sergio Leusin de Amorim UNIGRANRIO. 2ª Semana de Tecnologia da Construção - AEAARP

Panorama da modernização da construção no Brasil Sergio Leusin de Amorim UNIGRANRIO. 2ª Semana de Tecnologia da Construção - AEAARP Panorama da modernização da construção no Brasil Sergio Leusin de Amorim UNIGRANRIO 2ª Semana de Tecnologia da Construção - AEAARP Panorama da modernização da construção no Brasil Resumo: Visão de contexto

Leia mais

PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES

PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES PBQP-H O que é PBQP-H? O PBQP-H (Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat), é um instrumento do governo federal que tem como meta organizar

Leia mais

DOCUMENTOS E NORMALIZAÇÃO TÉCNICA ABNT

DOCUMENTOS E NORMALIZAÇÃO TÉCNICA ABNT DOCUMENTOS E NORMALIZAÇÃO TÉCNICA ABNT Qualificação dos ensaios - criticidade das propriedades de desempenho; Condução de experimentos e discussões técnicas; Garantia da qualidade das medidas metrologia

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H

Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H Comissão de Meio Ambiente Data: 23/maio/2014 Em março de 2009, o Governo Federal lançou o Programa Minha Casa, Minha Vida - PMCMV Metas do PMCMV 3,75 Milhões de

Leia mais

Ações de Melhoria da Qualidade

Ações de Melhoria da Qualidade Ações de Melhoria da Qualidade OBJETIVO Elaborar mecanismos específicos que garantam que os materiais colocados à disposição dos usuários da construção civil apresentem desempenho dentro das normas técnicas

Leia mais

Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014

Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014 Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014 Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades 29ª. Reunião do Conselho Superior da Indústria da Construção Novembro 2013

Leia mais

CIRCULAR Nº 64/2009. Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009. Ref.: BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL

CIRCULAR Nº 64/2009. Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009. Ref.: BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL CIRCULAR Nº 64/2009 Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante Resolução do BNDES, COMUNICA

Leia mais

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO CONSTRUINDO NO SISTEMA (CES) LIGHT STEEL FRAMING O sistema Light Steel Frame é caracterizado por um esqueleto estrutural leve composto por perfis de aço galvanizado que trabalham em conjunto para sustentação

Leia mais

Apenas informações necessárias Informações f õ com viabilidade d de atualização Precisão x Custo Simplicidade

Apenas informações necessárias Informações f õ com viabilidade d de atualização Precisão x Custo Simplicidade ATUALIZAÇÃO CADASTRAL: ALTERNATIVA AO TRATAMENTO DO ITEM PADRÃO DE ACABAMENTO DE EDIFICAÇÃO, PARA APOIO AO PROCESSO DE AVALIAÇÃO Msc. Eng. Civil Carlos Etor Averbeck BRASÍLIA - Agosto/2008 1 CADASTRO ATUALIZAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES

LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES Contribuição técnica nº 23 LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES Autores: ALEXANDRE KOKKE SANTIAGO MAÍRA NEVES RODRIGUES MÁRCIO SEQUEIRA DE OLIVEIRA 1 CONSTRUMETAL

Leia mais

Por que a mineração é importante na sua vida e no seu dia-a-dia

Por que a mineração é importante na sua vida e no seu dia-a-dia Por que a mineração é importante na sua vida e no seu dia-a-dia A importância da mineração nos dias de hoje A qualidade de vida é tema cada vez mais discutido atualmente. Quem viaja quer contar com rodovias

Leia mais

PBQP-H - Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat

PBQP-H - Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H - Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat Definição O Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H) é um conjunto de ações desenvolvidas pelo Ministério

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Iniciativa: SINDUSCON GOIÁS E FIEG

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Iniciativa: SINDUSCON GOIÁS E FIEG 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL Iniciativa: SINDUSCON GOIÁS E FIEG Breve Histórico Segundo semestre de 2011 CEF procurou o Sinduscon- Goiás para tratar de problemas detectados nas obras M.C.M.V.

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NO HABITAT ALEXANDRE GODOY DOTTA 1

PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NO HABITAT ALEXANDRE GODOY DOTTA 1 1 PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NO HABITAT ALEXANDRE GODOY DOTTA 1 É muito fácil perceber as mudanças em prol a qualidade que estão acontecendo no setor da Construção Civil no Brasil.

Leia mais

Desenvolvimento de construtoras e empreiteiros

Desenvolvimento de construtoras e empreiteiros Desenvolvimento de construtoras e empreiteiros Renato Regazzi Impacto do crescimento da construção Números em 2010 R$ 152,4 bilhões PIB do setor 2010 Emprego formal 2,8 milhões de trabalhadores no estoque

Leia mais

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Seminário: Painel II Sistemas Industrializados à Base de Cimento para A Norma Habitação de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Inovações Tecnológicas na CAIXA São Paulo, 31 de agosto 2011 VIGOV Vice-Presidência

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma de Prédio Delegacia CRA Proprietário: Conselho Regional de administração Endereço: Av. Presidente Getulio Vargas, N 2.923 Área: 110,00 m² 1.

Leia mais

POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO

POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Outubro / 2014 POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO Histórico recente da evolução do crédito à moradia Impactos dos investimentos

Leia mais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho Perícias judiciais IBAPE SP - AGOSTO 2011 1 NORMAS TÉCNICAS Zona de fronteira Direito Engenharia 2 Norma de Desempenho

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis 19/OUT/2011 Mara Luísa Alvim Motta Gerência Nacional de Meio Ambiente CAIXA EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2003-2010 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE TELHAS DE AÇO E STEEL DECK. Resumo Executivo Pesquisa 2013

PERFIL DOS FABRICANTES DE TELHAS DE AÇO E STEEL DECK. Resumo Executivo Pesquisa 2013 PERFIL DOS FABRICANTES DE TELHAS DE AÇO E STEEL DECK Resumo Executivo Pesquisa 2013 APRESENTAÇÃO O CBCA Centro Brasileiro da Construção em Aço e a ABCEM Associação Brasileira da Construção Metálica apresentam

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005.

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. "Estabelece diretrizes para elaboração do Plano Integrado

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015

CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015 PROGRAMA DE COMPETITIVIDADE DAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS DO ENCADEAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015 Desempenho recente da Construção Civil De

Leia mais

Gerenciamento dos Resíduos da Construção

Gerenciamento dos Resíduos da Construção Gerenciamento dos Resíduos da Construção Resíduos da Construção e Demolição Engenheiro Civil e Doutor em Engenharia Ambiental Joácio Morais Júnior João Pessoa - 2013 Problemática 2 ANÁLISE DO CICLO DE

Leia mais

PRECON, A MARCA DA CONSTRUÇÃO

PRECON, A MARCA DA CONSTRUÇÃO PRECON, A MARCA DA CONSTRUÇÃO Em 1963, foi fundada a Precon, uma pequena fábrica que após quase 50 anos de atuação tornou-se um grupo, que tem uma história de empreendedorismo, inovação, compromisso com

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS CATEGORIA CONSERVAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Avalia o uso racional de materiais de construção

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Parede de Concreto 29/04/2015 1 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA OBJETIVO - reduzir o déficit habitacional 2009 MCMV Início do Programa 2010 MCMV I 1.000.000 de unid. contratadas 2011/14 MCMV II 2.400.000

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 Arquitetônico Hidrossanitário EMPREENDIMENTO: Edifício Residencial ÁREA CONSTRUIDA: 2.323,60 m² ÁREA DO TERRENO: 1.474,00 m² LOCALIZAÇÃO: Rua Ianne Thorstemberg, n 344 Bairro

Leia mais

Programa Construção Civil

Programa Construção Civil Programa Construção Civil Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Junho/2010 Gestor: Marco Otávio Diretor do Departamento de Competitividade industrial (MDIC) Situação

Leia mais

Plásticos: Novas aplicações no mercado de construção civil. Maceió, mai/2014

Plásticos: Novas aplicações no mercado de construção civil. Maceió, mai/2014 Plásticos: Novas aplicações no mercado de construção civil Maceió, mai/2014 INDÚSTRIA PETROQUÍMICA INTEGRAÇÃO COMPETITIVA EXTRAÇÃO Matérias-Primas 1 ª GERAÇÃO Petroquímicos Básicos 2 ª GERAÇÃO Resinas

Leia mais

DECONSIC/FIESP GT: RESPONSABILIDADE COM O INVESTIMENTO CONTRIBUIÇÃO DO SETOR DE AGREGADOS PARA CONSTRUÇÃO

DECONSIC/FIESP GT: RESPONSABILIDADE COM O INVESTIMENTO CONTRIBUIÇÃO DO SETOR DE AGREGADOS PARA CONSTRUÇÃO DECONSIC/FIESP GT: RESPONSABILIDADE COM O INVESTIMENTO CONTRIBUIÇÃO DO SETOR DE AGREGADOS PARA CONSTRUÇÃO Sumário Características do setor; Cadeia Produtiva; Tamanho do setor; Evolução da demanda; Diagnóstico

Leia mais

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Seminário: Painel II Sistemas Industrializados à Base de Cimento para A Norma Habitação de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Inovações Tecnológicas na CAIXA São Paulo, 31 de agosto 2011 VIGOV Vice-Presidência

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012.

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. Gisele Hiromi Matsumoto de Freitas¹; Ronan Yuzo Takeda Violin²;

Leia mais

Estudo da Indústria de Artefatos de Cimento no Estado de São Paulo

Estudo da Indústria de Artefatos de Cimento no Estado de São Paulo SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISA E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Estudo da Indústria de Artefatos de Cimento no Estado de São Paulo Realização: Junho de 2002 Índice

Leia mais

LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES

LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES RESUMO Alexandre

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos nas obras Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos

Leia mais

Memorial Descritivo. Montreal Plaza

Memorial Descritivo. Montreal Plaza Memorial Descritivo Montreal Plaza MEMORIAL DESCRITIVO MONTREAL PLAZA A - INSTALAÇÕES PREDIAIS 1. SISTEMA AUXILIAR DE ENERGIA (GERADOR) Instalação de um grupo de geradores para atender: Área comum: Recepção,

Leia mais

PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006. Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2.

PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006. Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2. PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2.130 Premoldado 396 420 480 590 730 782 928 1.120 Acartonado**

Leia mais

Seminário Energia + Limpa: conhecimento, sustentabilidade e integração. Linhas de financiamento para empresas e consumidores

Seminário Energia + Limpa: conhecimento, sustentabilidade e integração. Linhas de financiamento para empresas e consumidores Seminário Energia + Limpa: conhecimento, sustentabilidade e integração Linhas de financiamento para empresas e consumidores A CAIXA IF Credenciada Agente Operador BNDES Linhas de Crédito Comercial PF e

Leia mais

Econômicas leves 04/08/2011 Notícia Revista Téchne - Julho 2011

Econômicas leves 04/08/2011 Notícia Revista Téchne - Julho 2011 Econômicas leves 04/08/2011 Notícia Revista Téchne - Julho 2011 Apesar da aplicacão em programas de interesse social, steel framing ainda enfrenta desafios burocráticos para o atendimento de outras faixas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

19 PRÊMIO CBIC DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE - Concurso Falcão Bauer

19 PRÊMIO CBIC DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE - Concurso Falcão Bauer 19 PRÊMIO CBIC DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE - Concurso Falcão Bauer OBJETIVOS RECONHECER, DIVULGAR e PREMIAR pesquisas de produtos e sistemas inovadores que contribuam para a modernização

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 APLICAÇÕES DOS MATERIAIS NA ARQUITETURA O ENVELOPE MADEIRAS MADEIRAS MADEIRAS MADEIRAS MADEIRA E FIBRAS NATURAIS FIBRAS NATURAIS CONCRETO

Leia mais

Projeto 8: Conhecimento para Inovação. Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU

Projeto 8: Conhecimento para Inovação. Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU Projeto 8: Conhecimento para Inovação Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU Equipe Técnica Laboratório do Ambiente Construído, Inclusão e Sustentabilidade LACIS/FAU/CDS/UnB: Coord. Geral: Raquel Naves

Leia mais

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico Vera Fernandes Hachich Sócia-gerente da PBQP-H INMETRO Programas Setoriais

Leia mais

Metodologia para implantação do PBQP-H em empresas construtoras no Noroeste Fluminense: um estudo de caso.

Metodologia para implantação do PBQP-H em empresas construtoras no Noroeste Fluminense: um estudo de caso. Metodologia para implantação do PBQP-H em empresas construtoras no Noroeste Fluminense: um estudo de caso. Alex Alves Gomes (Faculdade Redentor / UNIG / SENAI-Itaperuna) alexalvesgomes@bol.com.br Resumo

Leia mais

Memorial Descritivo de Cliente

Memorial Descritivo de Cliente 1. DESCRIÇÃO DO EMPREENDIMENTO O empreendimento Residencial Peres será construído em um terreno situado na Av. Comendador Pedro Facchini, Centro, Lindóia. Será composto por 26 casas residenciais, sendo

Leia mais

Projeto 8: Conhecimento para Inovação. Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU

Projeto 8: Conhecimento para Inovação. Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU Projeto 8: Conhecimento para Inovação Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU CADEIA DE SUPRIMENTOS CADEIA PRINCIPAL OU DE PROCESSOS CADEIA AUXILIAR Indústria Cimento Complexidade da CPIC Indústria Cerâmica

Leia mais

Resíduos de Construção e. Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP

Resíduos de Construção e. Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP Resíduos de Construção e Demolição Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP Roteiro Desenvolvimento sustentável Resíduos e desenvolvimento sustentável

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP.

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP. MEMORIAL DESCRITIVO RECONSTRUÇÃO DO ALBERGUE JUNTO AO PRESIDIO ESTADUAL DE VACARIA RS. VACARIA RS. GENERALIDADES: Este Memorial Descritivo tem a função de propiciar a perfeita compreensão do projeto e

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

Caminhos da Inovação na Construção Civil. Valter Frigieri Júnior

Caminhos da Inovação na Construção Civil. Valter Frigieri Júnior Caminhos da Inovação na Construção Civil Valter Frigieri Júnior Inovação Estamos com o modelo mental correto? Inovação Estamos com o modelo mental correto? Novidade, mudança radical Fazer da construção

Leia mais

Projeto ACV Modular para Construção Brasileira

Projeto ACV Modular para Construção Brasileira MODULAR Projeto ACV Modular para Construção Brasileira Vanderley M. John (Poli USP) Flávio Pacca (EACH USP) Universidade de São Paulo A proposta a ser apresentada foi elaborada pelo Comitê de Materiais

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

Gestão através do uso de Indicadores e Metas

Gestão através do uso de Indicadores e Metas Gestão através do uso de Indicadores e Metas Reflexão Pra onde Caminha a sua Empresa? x Reflexão Pra onde A Cadeia Caminha de Valor... a sua Empresa? Cliente Definição do Projeto Resp. Canteiro, materiais

Leia mais

O Custo das Alternativas de Substituição do Telhado de Cimento Amianto

O Custo das Alternativas de Substituição do Telhado de Cimento Amianto Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC O Custo das Alternativas de Substituição do Telhado de Cimento Amianto Alexandre Lee Orientador: Vanderley

Leia mais

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H PBQP-H INMETRO Programas Setoriais da Qualidade EGT credenciada pelo PBQP-H e acreditada pelo INMETRO Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H Mais de 250 ensaios acreditados pelo INMETRO SINAT

Leia mais

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos FIESP 07/06/11 Alexandre Comin - MDIC PNRS Instituída pela Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, e regulamentada pelo Decreto nº 7404, de 23 de Dezembro

Leia mais

A CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO E O MERCADO DE MATERIAIS

A CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO E O MERCADO DE MATERIAIS A CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO E O MERCADO DE MATERIAIS EQUIPE ÍNDICE Diretor Executivo César Cunha Campos Diretor Técnico Ricardo Simonsen Diretor de Controle Antônio Carlos Kfouri Aidar Coordenação

Leia mais

Indústria de Materiais e Equipamentos

Indústria de Materiais e Equipamentos Perfil da Cadeia Produtiva da Construção e da Indústria de Materiais e Equipamentos Edição Perfil da Cadeia Produtiva da Construção e da Indústria de Materiais e Equipamentos ABRAMAT /FGV Perfil da Cadeia

Leia mais

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO Produto Aquisição de empreendimentos habitacionais na planta Sem custos de comercialização para o construtor Recursos do Fundo do Novo Programa Habitacional Público Alvo:

Leia mais

Qualidade na cadeia produtiva da construção no Brasil Roberto de Souza Centro de Tecnologia de Edificações - CET - Brasil

Qualidade na cadeia produtiva da construção no Brasil Roberto de Souza Centro de Tecnologia de Edificações - CET - Brasil Qualidade na cadeia produtiva da construção no Brasil - 31 Qualidade na cadeia produtiva da construção no Brasil Roberto de Souza Centro de Tecnologia de Edificações - CET - Brasil 1. CARACTERÍSTICAS DO

Leia mais

PLHIS. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS Planos Locais de Habitação de Interesse Social

PLHIS. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS Planos Locais de Habitação de Interesse Social 1 PLHIS SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS Planos Locais de Habitação de Interesse Social 2 Programação Introdução Parte I Parte II Parte III Política Nacional de Habitação, Sistema Nacional

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

ANEXO 1 TABELA DO TIPO, PADRÃO E VALOR UNITÁRIO DE METRO QUADRADO DE CONSTRUÇÃO

ANEXO 1 TABELA DO TIPO, PADRÃO E VALOR UNITÁRIO DE METRO QUADRADO DE CONSTRUÇÃO ANEXO 1 TABELA DO TIPO, PADRÃO E VALOR UNITÁRIO DE METRO QUADRADO DE CONSTRUÇÃO TIPO 10 - EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS TÉRREAS E ASSOBRADADAS, COM OU SEM SUBSOLO 10.1 - Padrão Rústico Arquitetura: Construídas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Tipologia Construtiva Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. TIPOLOGIA CONSTRUTIVA 1 SUB HABITAÇÃO 1.1- Sub-habitação Compostos

Leia mais

A Desoneração tributária na Construção Civil

A Desoneração tributária na Construção Civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 06 abril de 2014 Organização:

Leia mais

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA. ANEXO II Memorial Descritivo

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA. ANEXO II Memorial Descritivo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA ANEXO II Memorial Descritivo 1. DESCRIÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO. O Empreendimento, comercializado sob Condomínio Residencial Viva Bem, é composto por 04 (quatro) blocos,

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO 4.1 APRESENTAÇÃO O presente memorial descritivo tem por finalidade determinar os detalhes de acabamento, tipo e a qualidade dos materiais a serem utilizados

Leia mais

Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil

Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades II Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Fortaleza 17 de março de 2010 CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

DEPENDÊNCIA DE USO PRIVATIVO

DEPENDÊNCIA DE USO PRIVATIVO DEPENDÊNCIA DE USO PRIVATIVO 1 APARTAMENTO TIPO. 1.1 Salas de Estar/Jantar/Lareira/Almoço/Estar Íntimo (Family Room) Piso: Tacão. Rodapé: Madeira. 1.2 - Varanda Estar/Varanda Family Room (Churrasqueira)

Leia mais

Projeto 2 do PIT Viabilização do SINAT. SiNAT Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores

Projeto 2 do PIT Viabilização do SINAT. SiNAT Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores Projeto 2 do PIT Viabilização do SINAT SiNAT Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores SiNAT Sistema de cobertura nacional, de Avaliação Técnica de produtos inovadores empregados em

Leia mais

Paredes Maciças as de Concreto

Paredes Maciças as de Concreto Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4B Paredes Maciças as de Concreto Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção

Leia mais

A Empresa. Mais de 6,0 mil unidades habitacionais entregues. Hoje em construção são mais de 4100 unidades

A Empresa. Mais de 6,0 mil unidades habitacionais entregues. Hoje em construção são mais de 4100 unidades A Empresa Completou 20 anos em Março 2015 Aproximadamente 500 mil m² de área construída Experiência em obras habitacionais, comerciais e industriais 01 A Empresa Atuação regional no interior do estado

Leia mais

Imprensa Oficial da Estância de Atibaia Sábado, 7 de setembro de 2013 - nº 1524 - Ano XVII - Caderno C - Volume V de V

Imprensa Oficial da Estância de Atibaia Sábado, 7 de setembro de 2013 - nº 1524 - Ano XVII - Caderno C - Volume V de V Prefeitura da Estância de Atibaia 201 Comércio - Precário Definição: Edificações inacabadas, deficiências aparentes, construídas com tijolos ou blocos. Coberta de telha ou laje pré moldada sem acabamento,

Leia mais

A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE

A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE Esta inovação faz nascer a técnica industrial aplicada a construção no Brasil SISTEMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL A Construção Sustentável Premiere representa uma

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a sustentabilidade da construção civil A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL É TEMA DESTE SÉCULO, E PORQUE NÃO DIZER DESTE MILÊNIO REDUZA REUTILIZE

Leia mais