Literatura. Memorial de Maria Moura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Literatura. Memorial de Maria Moura"

Transcrição

1 Literatura Memorial de Maria Moura Naquele dia, na igreja, eu mesma nunca entendi por que fui me confessar. Talvez só para tomar coragem. De certa forma, quem sabe para ter Deus do meu lado. Era uma espécie de recurso desesperado, eu não sabia que fazer de mim. Só sabia que tinha de matar o Liberato. Rachel de Queiroz 01. Sobre Memorial de Maria Moura, de Rachel de Queiroz, pode-se afirmar que: 0-0) o romance é ambientado na zona rural do Nordeste. Conta a trajetória de uma mulher que, perdendo os pais e tendo problemas com o padrasto, a quem manda matar, e com primos, que querem tomar-lhe a propriedade, foge, com alguns capangas e auxiliares, para o sertão. Lá na serra, constrói uma Casa Forte, de onde domina a região, transformando-se numa espécie de fora-da-lei, chefe de um bando que obedece às suas ordens cruéis e autoritárias. 1-1) os capítulos da obra dão voz a vários personagens; por isso, cada um deles tem suas diferenças de estilo. 2-2) o personagem que abre o romance é o padre, que ouve a confissão de Maria Moura, ainda jovem de 17 anos. Ao aderir ao bando, ele toma o nome de Beato Romano. 3-3) a narradora central é a própria Maria Moura. No entanto, também tem voz na narrativa, fazendo o contraponto, o Beato Romano, os primos Irineu, Tonho e Marialva, mulher de Valentim. João Rufo, o fiel empregado e protetor, não aparece como narrador em nenhum dos capítulos, não tendo, portanto, voz própria. 4-4) a linguagem do romance é forte, crua e descreve personagens bem delineados. Ao final, Maria Moura se envolve em luta com a polícia e morre cercada pelo bando. Resposta: VVVVF 0-0), 1-1), 2-2) e 3-3) Verdadeiros. Narram, em parte, a história do romance. 4-4) Falso. No fim da narrativa, Maria Moura não morre, mas parte para a luta com seu bando. 02. O Arcadismo foi um movimento literário que teve lugar em Vila Rica, Minas Gerais, acompanhando o ciclo do Ouro, no século XVIII. Sobre as semelhanças e diferenças com o movimento que o seguiu historicamente, o Romantismo, analise as proposições abaixo. 0-0) Ambos portam as marcas de submissão e servilismo aos padrões estéticos europeus. 1-1) Predominou, nestes movimentos, o plágio, a imitação e a cópia, sem nenhum traço de originalidade. 2-2) Ambos propõem um retorno à natureza: o Arcadismo, no sentido de uma natureza equilibrada e bucólica, harmoniosa e pacata; o Romantismo, no sentido de uma natureza exuberante, selvagem e tropical, identificada com os estados de espírito, a grandeza e as potencialidades físicas do país. 3-3) O indianismo, em ambos os movimentos, já surge como símbolo do povo brasileiro: o índio é o herói que paira acima dos valores dos colonizadores, feito à imagem e semelhança dos cavaleiros medievais. 4-4) A obra dos poetas arcádicos já ganha contornos românticos, expressando a subjetividade dos autores, quando descreve os amores arrebatados, em linguagem sentimental e emotiva. Resposta: FFVFF 0-0) e 1-1). Falsos. O Romantismo não foi uma cópia servil dos padrões europeus, pois buscou inspiração em temas locais, como o indianismo, e procurou criar uma língua de expressão brasileira (sobretudo José de Alencar). O Arcadismo, contudo, seguia modelos em voga nos países imperiais. 2-2) Verdadeiro. É diferente a forma como ambos os movimentos descrevem a natureza. 3-3) Falso. Apenas o Romantismo fez do índio um herói. No Arcadismo, o índio não foi alçado a essa condição. 4-4) Falso. Os poetas arcádicos seguiram a tradição clássica e não cultuaram o subjetivismo. Sua linguagem era contida. 03. Sobre o surgimento e as características do Romantismo, analise as seguintes afirmações. 0-0) O movimento coincide com a democratização da arte, gerada pelas mudanças sociais, políticas e econômicas do fim do século XVIII. Tornou-se a expressão artística de uma nova sociedade burguesa, em oposição à arte neoclássica da aristocracia. 1-1) O Romantismo literário absorveu tendências do liberalismo, que propiciou a liberdade nas artes e, conseqüentemente, a expressão fora dos rígidos modelos precedentes. 2-2) Foi inspirado pelas obras do francês Rousseau e pelo movimento alemão Sturm und Drag, que valorizava o folclórico, o popular e o nacional, em oposição ao universalismo clássico. 3-3) Consolidou-se junto ao público europeu, em fins do século XVIII, com o romance Werther, de Goethe. O sucesso do romance, que culmina com o suicídio, por amor, do jovem personagem, desencadeia uma onda de suicídios na Europa. 4-4) Apenas nos primeiros anos do século XIX é que o Romantismo se sedimenta na Europa, quando sua estética é introduzida no Brasil, coincidindo, portanto, com a nossa independência política. Resposta: VVVVV

2 0-0) Verdadeiro. O movimento corresponde à profunda transformação da sociedade européia, nos fins do século XVIII e início do século XIX. 1-1) Verdadeiro. Coincide o Romantismo com a democratização da arte, gerada pela Revolução francesa. 2-2) Verdadeiro. Estes são alguns fatos que determinam o surgimento do movimento. 3-3) e 4-4) Verdadeiros. Fazem referência a fatos literários e históricos da época. 04. Sobre o romance romântico no Brasil, analise as proposições abaixo ) Não houve influência dos autores europeus na criação de uma narrativa romântica no Brasil, pois, além dos temas e das linguagens diferirem muito, as obras estrangeiras não eram divulgadas, nem traduzidas no Brasil. 1-1) Em 1844, surgiu o primeiro romance brasileiro, A Moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo, o qual ultrapassou a condição das narrativas européias, pela temática e pela adaptação a cenários brasileiros. 2-2) Inserido na linha nacionalista do Romantismo, José de Alencar lança, em 1856, seu primeiro romance, Cinco Minutos. Daí em diante, procurou construir uma obra romanesca que abrangesse todo o Brasil. Escreveu romances históricos, regionalistas e indianistas - a maioria situados na era colonial - e romances urbanos, em torno do cotidiano do Rio de Janeiro, entre os quais se situa Iracema (1865). 3-3) Manuel Antonio de Almeida, autor de Memórias de um Sargento de Milícias (1853), seguiu a tradição sentimental do tipo de narrativa praticado na época. Nos seus textos, adota a estética romântica na proposta de uma narrativa de costumes. 4-4) Entre os objetivos do movimento romântico no Brasil, estava o de revelar o país, pela criação de uma literatura de expressão nacional e pela valorização de uma língua brasileira. Resposta: FVVFV 0-0) Falso. Houve grande influência da literatura européia, sobretudo da literatura francesa, no Brasil. As obras estrangeiras eram traduzidas e divulgadas. 1-1) e 2-2) Verdadeiros. Procedem as referências feitas a Joaquim Manuel de Macedo e a José de Alencar. 3-3) Falso. Manuel Antônio de Almeida não escreveu dentro da estética romântica. 4-4) Verdadeiro. O Romantismo brasileiro teve os objetivos e as características descritos na proposição. A estética anti-romântica iniciou-se na segunda metade do século XIX, com o Realismo e aprofundou-se com o Naturalismo. Sobre esses movimentos, analise as proposições abaixo. 0-0) As transformações econômicas, científicas e ideológicas possibilitaram a revolução industrial, na qual os valores burgueses e capitalistas suplantaram os valores românticos: a fantasia e o mito da natureza entram, assim, em crise. 1-1) Surge, na literatura, o Realismo, movimento em que o artista é, ao mesmo tempo, um participante e um observador do mundo. Esse aspecto conduz à representatividade históricosocial e à análise psicológica dos personagens, examinados à luz do racionalismo e da contemporaneidade. 2-2) Entre as características do Realismo brasileiro, estão a objetividade, a impessoalidade e o uso da linguagem regional. 3-3) O Naturalismo é um prolongamento do Realismo, pois acrescenta uma visão cientificista da existência, a qual inclui o determinismo do meio ambiente, do instinto e da hereditariedade. 4-4) O Realismo teve sua primeira manifestação importante com a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, e o Naturalismo, com Dom Casmurro, do mesmo autor, ambos em Resposta: VVFVF 0-0) e 1-1) Verdadeiros. Referem-se às características da época do Realismo e à nova atitude do artista diante da realidade. 2-2) Falso. O Realismo brasileiro não usou linguagem regional. 3-3) Verdadeiro. Apresenta características do Naturalismo. 4-4) Falso. Machado de Assis não pertenceu ao Naturalismo nem D. Casmurro segue os princípios de uma obra naturalista. 06. O Parnasianismo pode ser descrito como um movimento: 0-0) essencialmente poético, que reagiu ao sentimentalismo romântico. 1-1) cuja poesia é, sobretudo, forma que se sobrepõe ao conteúdo e às idéias. 2-2) cuja arte tinha um sentido utilitário e um compromisso social. 3-3) cuja verdade residia na beleza da obra, e essa, na sua perfeição formal. 4-4) que revela preferência pela objetividade, pelos temas greco-latinos e por formas fixas, como o soneto. Resposta: VVFVV 0-0) e 1-1) Verdadeiros. Relatam a estética do movimento. 2-2) Falso. A arte não tinha um sentido utilitário nem social: era a arte pela arte. 3-3) e 4-4). Verdadeiros. Correspondem ao ideário estético e rígido do movimento. 07. Como escola literária, o Simbolismo:

3 0-0) apresenta-se como uma estética oposta à poesia objetiva, plástica e descritiva, praticada pelo Parnasianismo, e como uma recusa aos valores burgueses. 1-1) define-se pelo antiintelectualismo e mergulha no irracional, descobrindo um mundo estranho de associações, de idéias e sensações. 2-2) propõe uma poesia pura, hermética e misteriosa, que usa imagens, e não conceitos. 3-3) foi um movimento de grande receptividade e repercussão junto ao público brasileiro. 4-4) revolucionou a poesia da época, com o uso de versos livres e de uma temática materialista. Resposta: VVVFF 0-0), 1-1) e 2-2) Verdadeiros. Descrevem as linhas gerais do Simbolismo. 3-3) e 4-4). Falsos. O Simbolismo não teve grande repercussão no Brasil; usou versos rimados e uma temática etérea e espiritual. 08. Nas duas primeiras décadas do século XX, surgiu, no Brasil, o Pré-Modernismo. Sobre esse tema, analise as proposições abaixo. 0-0) Foi um movimento com ideário estético rígido, com linguagem altamente formal e cuja temática dominante era a defesa do regime republicano recém-instalado (1889). 1-1) Surgiu num período em que, em termos gerais, predominava a estética parnasiana na poesia, com sua valorização do mundo greco-latino e a concepção de literatura como elaboração formal. 2-2) Nesta época, início do século XX, foi contemporâneo de alguns simbolistas remanescentes, que sonhavam com sensações inefáveis, distantes da realidade. 3-3) Contrastando com os simbolistas e parnasianos, Euclides da Cunha escreveu Os Sertões, documento amargurado e realista, sobre a guerra de Canudos, da qual participou como enviado do jornal O Estado de São Paulo. Descreveu, numa mescla de romance e ensaio científico, uma epopéia às avessas, que foi publicada em ) Lima Barreto, outro autor da época, tem como principal obra: O triste fim de Policarpo Quaresma. Em seu livro, abandonou o mundo helênico, perfeito e imaginário, descrevendo a tristeza dos subúrbios e revelando preocupação com fatos históricos e costumes socais. Seu estilo era semelhante ao de Machado de Assis, pelo refinamento lingüístico, pela forma trabalhada, limpa e perfeita. Resposta: FVVVF 0-0) Falso. O Pré-Modernismo não foi sequer um movimento literário. Reúne apenas vários autores de tendências bem diversas, numa determinada época. 1-1) e 2-2) Verdadeiros. Nesse início do século predominava a estética parnasiana, como também alguns simbolistas retardatários ainda versejavam, 3-3) Verdadeiro. Trazem informações corretas sobre Euclides da Cunha. 4-4) Falso. O estilo de Lima Barreto não tem nenhuma relação com o de Machado de Assis: não era refinado e, sim, descuidado. 09. O erotismo e o amor sensual podem estar presentes na poesia de vários movimentos literários, como se pode ver nos versos citados abaixo. 0-0) Ornemos nossas testas com as flores e façamos de feno um brando leito Prendamo-nos, Marília, em laço estreito, gozemos do prazer de sãos amores. (Tomás Antonio Gonzaga, árcade) 1-1) O amor é finalmente um embaraço de pernas um breve tremor de artérias uma união de barrigas Uma confusão de bocas um batalha de veias um reboliço de ancas quem diz outra coisa, é besta. (Gregório de Matos, barroco). 2-2) Enfim te vejo! - enfim posso, Curvado a teus pés dizer-te, que não cessei de querer-te Pesar de quanto sofri. (Gonçalves Dias, romântico). 3-3) Carnais, sejam carnais tantos desejos, carnais, sejam carnais tantos anseios, palpitações e frêmitos e enleios, das harpas da emoção tantos arpejos... (Cruz e Souza, simbolista) 4-4) Nua, de pé, solto o cabelo às costas, Sorri. Na alcova perfumada e quente.... Sobe...cinge-lhe a perna a longamente; Sobe... e que volta sensual descreve Para abranger todo o quadril. (Olavo Bilac, parnasiano) Resposta: VVFVV 2-2) Falso. Os versos de Gonçalves Dias não estão impregnados de amor sensual e erotismo, mas de amor romântico que se compraz no sofrimento. 0-0) 1-1), 3-3) e 4-4): Verdadeiras, pois Gonzaga e Cruz e Souza, caracterizados por poemas bucólicos e espirituais, deixam entrever, nestes versos, expressões de sensualidade. O sensualismo também se revela na poesia de Olavo Bilac e Gregório de Matos, sendo neste último de forma grosseira.

4 Eu não dei por esta mudança, tão simples, tão certa e fácil; Em que espelho ficou perdida a minha face? Vou-me embora pra Pasárgada, Lá sou amigo do rei Lá tenho a mulher que quero na cama que escolherei Vou-me embora pra Pasárgada. (Cecília Meireles) (Manuel Bandeira) 10. Sobre Cecília Meireles e Manuel Bandeira, podemos afirmar que: 0-0) ambos são poetas que aderiram ao Modernismo, embora tenham experimentado outras tendências estéticas anteriores. 1-1) Bandeira eliminou posteriormente os resíduos parnasianos e simbolistas de sua poesia, os quais podem ser observados em Cinza das Horas e Carnaval. Como se lê em sua poesia, predominam o lirismo do eu e o subjetivismo. 2-2) Bandeira empresta à sua poesia um caráter confidencial, mas, ao contrário dos poetas românticos, observa-se que ironiza seus próprios desejos, considerando-os ilusões. 3-3) Cecília Meireles, considerada uma neosimbolista, é, contudo, bastante objetiva na construção de sua temática poética. 4-4) apesar da delicadeza de suas imagens e da propriedade de seus símbolos, como no texto transcrito, a poesia de Cecília tem caráter inovador e futurista. Resposta: VVVFF 0-0) 1-1) e 2-2) Verdadeiros Estão corretas as informações sobre os dois poetas e sobre as tendências de Bandeira. 3-3) e 4-4) Falsos. Cecília Meireles fez uma poesia bem subjetiva, passadista e intimista. Jamais foi inovadora. São Paulo é um palco de bailados russos, Sarabandam a tísica, a ambição, a inveja, os crimes, E também as apoteoses da ilusão. Alguns anos vivi em Itabira Principalmente nasci em Itabira. Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro.... Itabira é apenas uma fotografia na parede. Mas como dói! (Mário de Andrade) (Carlos Drummond de Andrade) 11. Algumas semelhanças e diferenças podem ser observadas entre Carlos Drummond de Andrade e Mário de Andrade. Analise-as. 0-0) Enquanto Mário de Andrade foi da geração de 22, que deu início ao Modernismo, Drummond é considerado como sendo da geração de 30, a qual, embora seguindo o que preconizava a geração anterior, consolidou a liberdade da forma poética e usou tanto temas universais como intimistas. 1-1) Ambos celebram sua cidade natal (São Paulo e Itabira), embora desencantados e sem o ufanismo dos parnasianos. 2-2) A obra de ambos abrange prosa e poesia: Drummond escreveu crônicas, contos e poemas, e Mário de Andrade escreveu poemas, contos, romances e uma rapsódia, como ele classificou, Macunaíma, o Herói Sem Nenhum Caráter. 3-3) Mário de Andrade, em Clã do Jabuti, inicia uma fase de nacionalismo estético e pitoresco, que reflete a busca do primitivismo, do ingênuo, do folclórico, da alma nacional. A mesma tendência pode-se verificar em Drummond, a partir de A Rosa do Povo. 4-4) Ambos, como última fase de sua poesia, apresentaram como novidade poemas de temas eróticos, reunidos em livros: O Amor Natural, de Drummond, e Amar, Verbo Intransitivo, de Mário de Andrade. Resposta: VVVFF 0-0) Verdadeiro. São coerentes as afirmações sobre Drummond e Mário. 1-1) Verdadeiro. Ambos são desencantados e realistas sobre a cidade natal. 2-2) Verdadeiro. São coerentes as afirmações sobre a obra de ambos. 3-3) e 4-4) Falsos. Drummond não teve as mesmas tendências de busca do primitivismo e do folclórico nem Amar, Verbo Intransitivo, de Mário Andrade, é um livro de poemas eróticos. 12. Acerca do Romance de 30, analise as proposições abaixo. 0-0) O ciclo do Romance Regional de 30 é um dos principais da prosa dessa geração. É o regionalismo nordestino, abordando a decadência da região, tendo como tema único o êxodo rural provocado pela seca. 1-1) Graciliano Ramos, alagoano, iniciou-se na literatura com Caetés. Tem como obras principais Vidas Secas, São Bernardo e Angústia, nas quais analisa a realidade da vida rural do nordeste, com aspereza, linguagem rigorosa, precisa e despojada, sem nenhuma concessão sentimental. 2-2) José Lins do Rego, paraibano, aborda, em seus livros do Ciclo da Cana-de-Açúcar, o esplendor e a decadência dos engenhos do Nordeste e do patriarcalismo rural. Em suas obras, mistura biografia com ficção. Nelas predomina a linguagem espontânea e repetitiva.

5 3-3) Rachel de Queiroz, cearense, escreveu como livro de estréia, O Quinze. Sua narrativa sintoniza-se com o regionalismo da geração de 30, em que se pode notar a pré consciência do subdesenvolvimento. Nesta fase de sua obra, destaca-se, ainda, Caminho de Pedra. Mais tarde, a escritora abandonou os temas de denúncia social. 4-4) Jorge Amado, baiano, em um realismo precário, mas pitoresco, descreve, em Jubiabá, as agruras da seca do sertão baiano. Resposta: FVVVF 0-0) Falso. O Romance de 30 não teve como tema único a seca. Tratou de vários aspectos e problemas da região nordeste. 1-1) 2-2) e 3-3) Verdadeiros. Informam corretamente sobre os três autores. 4-4) Falso. Jubiabá não trata de problemas rurais, mas de problemas urbanos. 13. Moço: Toda saudade é uma espécie de velhice. Amar é reconhecer-se incompleto. Viver é muito perigoso. (Guimarães Rosa) Os frases acima são de autoria de Guimarães Rosa. Sobre esse autor, podemos afirmar que: 0-0) fez parte da geração de 45, cujo diferencial foi a expansão do regionalismo, um regionalismo universal e cósmico. 1-1) em suas narrativas, retrata o sertão das Gerais, e a gente que lá vive: matutos, vaqueiros, crianças, velhos, feiticeiros e loucos, sem priorizar questões regionais. 2-2) como se vê nas frases acima, a sua linguagem incorpora o falar coloquial dos sertanejos, com o uso de aforismos. 3-3) não conseguiu atingir o objetivo de renovação da linguagem literária, tendo sua obra um caráter passadista e pouco inovador. 4-4) no conjunto de sua obra, destacam-se Sagarana, seu livro de estréia, Corpo de Baile, Tutaméia e um único romance, considerado sua obra-prima, Grande Sertão: Veredas. Resposta: VVVFV 0-0) 1-1) e 2-2) Verdadeiros. As informações sobre Guimarães Rosa estão corretas. 3-3) Falso. A obra de Guimarães Rosa foi altamente inovadora. 4-4) Verdadeiro As informações sobre a obra de Guimarães Rosa estão corretas. 14. Vivo no quase, no nunca e no sempre. Quase, quase - e por um triz escapo. (Clarice Lispector) Sobre a autora e sua obra, analise as proposições abaixo. 0-0) Clarice causou impacto pelas novas perspectivas em que desloca o olhar do leitor para novos ângulos de paisagens deslumbrantes e exóticas. 1-1) Escreveu romances, contos e crônicas, em linguagem límpida e clara, de fácil compreensão, pela ausência de conotações ou metáforas. 2-2) Descrevia os processos interiores do ser em relação consigo mesmo e com o mundo. Os personagens são compelidos a uma dolorosa viagem interior, que resultará numa transformação íntima radical, como observada no texto acima. 3-3) Em A Hora da Estrela, toma como personagem principal uma figura desprezada pela sociedade brasileira: a imigrante nordestina. 4-4) Influenciada pela obra de autores como Joyce e Faulkner, a autora guarda desses modelos o predomínio do monólogo interior e o fluxo da consciência. Resposta: FFVVV 0-0) Falso. Clarice não descreve paisagens exteriores. Seu interesse é pelo interior, pela íntimo dos personagens. 1-1) Falso. A linguagem de Clarice é hermética e introspectiva. 2-2) 3-3), e 4-4) Verdadeiros. Estão descritos corretamente a forma como Clarice apresenta sua linguagem, seus personagens, as influências que sofreu e o estilo que resultou disso. 15. Sobre o teatro brasileiro contemporâneo, examinemos três autores, em relação a algumas de suas obras e características. 0-0) João Cabral de Melo Neto tem como obra mais conhecida o auto de Natal, Morte e Vida Severina, narrando a trajetória de um sertanejo que abandona o agreste, rumo ao litoral. Ele encontra, nesta migração, somente morte. 1-1) O auto de João Cabral, cujo título denuncia a influência do teatro medieval, foi levado à cena com música de Chico Buarque. Está dividido em duas partes: a viagem para o litoral e a chegada ao Recife, onde o protagonista, Severino, encontra o mestre carpina José. 2-2) João Cabral também escreveu Auto do Frade, uma peça sobre frei Caneca, considerado herói de revoluções libertárias. 3-3) Ariano Suassuna foi buscar nas fontes populares o motivo de sua dramaturgia. A sua peça mais famosa é também um auto, Auto da Compadecida, que tem a dimensão de uma farsa, apresenta personagens burlescos e ambiente circense. 4-4) Dias Gomes, autor de O Pagador de Promessas, O Bem Amado e O Santo Inquérito, utiliza em suas obras um tom dramático e nacionalista; não concede espaço a tipos caricaturais nem a temas de denúncia social. Resposta: VVVVF 0-0) 1-1) e 2-2) Verdadeiro. Coincidem com dados sobre a vida e a obra de João Cabral. 3-3) Verdadeiro. Ariano Suassuna se inspirou em fontes e motivos populares.

6 4-4) Falso O tom das obras de Dias Gomes é farsesco e irônico, jamais nacionalista. Seus tipos são, com freqüência, caricaturais, e a denúncia social está presente. Enfunando os papos Saem da penumbra Aos pulos, os sapos A luz os deslumbra Em ronco que aterra Berra o sapo-boi -Meu pai foi à guerra! -Não foi!-foi!-não foi! O sapo-tanoeiro Parnasiano aguado Diz Meu cancioneiro É bem martelado! Vede como primo Em comer os hiatos! Que arte! e nunca rimo Os termos cognatos Manuel Bandeira. Os Sapos 16. Leia o poema acima e analise as proposições inferidas do mesmo. 0-0) Faz parte da fase parnasiana do poeta e exalta o movimento no qual se iniciou. 1-1) A preocupação dos parnasianos com detalhes formais sem valor estético está afirmada na quarta estrofe. 2-2) A segunda estrofe procura repetir, com linguagem onomatopaica, o coaxar dos sapos, comparando-o à poesia parnasiana. 3-3) Os versos transformam os sapos em símbolo da natureza brasileira. 4-4) O poema marca o início da Semana de Arte Moderna, e por isso faz a apologia do Movimento Modernista. Resposta: FVVFF 0-0) Falso. Apesar de ter sido parnasiano no início, Bandeira adotou as tendências modernistas e ridicularizou os parnasianos em Os Sapos. 1-1) Verdadeiro. A estrofe fala dos detalhes sem importâncias estética, valorizados pelos parnasianos. 2-2) Verdadeiro. A liguagem imita o coaxar dos sapos (foi-não-foi) 3-3) Falso. Os versos são irônicos e não exaltam a natureza brasileira. 4-4) Falso. Embora o poema tenha sido enviado por Bandeira e lido na abertura da Semana de Arte Moderna de 22, não se refere ao Modernismo.

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES DLA LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA I Professor: Manoel Anchieta Nery JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com)

Leia mais

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA AULA 12 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA Na aula passada nós estudamos as principais características da poesia romântica no Brasil.Vimos o fenômeno das três gerações românticas:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente Curricular: Língua

Leia mais

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século *Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século XX; * É quando surge uma literatura social, através de

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Língua Portuguesa. 1º ano. Unidade 1

Língua Portuguesa. 1º ano. Unidade 1 Língua Portuguesa 1º ano Unidade 1 Linguagem Linguagem, língua, fala Unidade 4 - capítulo 12 Linguagem verbal e não verbal Unidade 4 - capítulo 12 e 13 Signo linguístico Unidade 4 - capítulo 12 Denotação

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA Nenhuma questão com problema no gabarito. Nenhuma falha mais clamorosa. Logo, podemos considerar excelente

Leia mais

Content Area: Literatura Brasileira Grade 11ª. Quarter 1ª. Serie Serie Unidade

Content Area: Literatura Brasileira Grade 11ª. Quarter 1ª. Serie Serie Unidade Content Area: Literatura Brasileira Grade 11ª. Quarter 1ª. / Objetivos de Aprendizado O projeto literário da poesia simbolista. Os momentos de incerteza, indefinição e pessimismo que marcaram a transição

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

Guimarães Rosa O maior escritor brasileiro da segunda metade do século 20

Guimarães Rosa O maior escritor brasileiro da segunda metade do século 20 Guimarães Rosa O maior escritor brasileiro da segunda metade do século 20 Características Gerais Cenário: o Sertão brasileiro. Recorrência ao grego e latim. Processo fonético na criação escrita. Fala regionalista

Leia mais

Lıter tur. O Pré-Modernismo no Brasil... 15. As vanguardas artísticas europeias e o Modernismo no Brasil... 37

Lıter tur. O Pré-Modernismo no Brasil... 15. As vanguardas artísticas europeias e o Modernismo no Brasil... 37 s u m r ı o Lıter tur 1 O Pré-Modernismo no Brasil... 15 Primeira leitura: Como imagino o Municipal amanhã João do Rio... 15 Um pouco de História... 19 Principais características do Pré-Modernismo no Brasil...

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua das Ameixeiras, 119 Núcleo Cristo Rei Fone/Fax: 0xx42 3624 3095 CEP 85060-160 Guarapuava Paraná grpcristorei@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2º BIMESTRE. São obras que exemplificam o surto do romance a que se refere o crítico:

LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2º BIMESTRE. São obras que exemplificam o surto do romance a que se refere o crítico: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 3º ano Disciplina: Literatura Data da prova: 16/04/2014. LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2º BIMESTRE 01. (PUCCAMP -SP)

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

Pré Exame Literatura

Pré Exame Literatura Pré Exame Literatura Romantismo Macedo Álvares de Azevedo Gonçalves Dias Alencar Castro Alves Manuel Antônio de Almeida Romantismo Características Subjetivismo Sentimentalismo Culto à natureza Escapismo

Leia mais

ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: TÂNIA MARIA PEREIRA SARMENTO-PANTOJA

ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: TÂNIA MARIA PEREIRA SARMENTO-PANTOJA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CASTANHAL FACULDADE DE LETRAS CURSO LETRAS- HABILITAÇÃO PORTUGUÊS PLANO DE CURSO ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: TÂNIA

Leia mais

Literatura. Literatura

Literatura. Literatura Literatura Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA

LITERATURA BRASILEIRA LITERATURA BRASILEIRA 13 Em relação à produção literária do Modernismo brasileiro, mais especificamente à de Mário e Oswald de Andrade, assinale a alternativa correta. a) A ficção de Mário de Andrade aborda

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

PORTUGUÊS LITERATURA. 1) Realismo

PORTUGUÊS LITERATURA. 1) Realismo PORTUGUÊS LITERATURA 1) Realismo 1.1) Introdução: É a denominação genérica da reação aos ideais românticos existentes na segunda metade do século XIX. As profundas transformações ocorridas na sociedade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01: Avalie as afirmativas seguintes em relação ao Romantismo. (1,0) I. As primeiras manifestações literárias do Romantismo ocorreram nos países europeus mais

Leia mais

MODERNISMO BRASILEIRO SÉC. XX

MODERNISMO BRASILEIRO SÉC. XX MODERNISMO BRASILEIRO SÉC. XX SEMANA DE ARTE MODERNA História da Arte Profª Natalia Pieroni ANTECEDENTES - Industrialização do país em função do fortalecimento da economia do café (pós Primeira Guerra).

Leia mais

As 120 grandes obras da Literatura Brasileira, segundo o professor Alfredo Bosi Para você usufruir e construir sua cultura literária

As 120 grandes obras da Literatura Brasileira, segundo o professor Alfredo Bosi Para você usufruir e construir sua cultura literária As 120 grandes obras da Literatura Brasileira, segundo o professor Alfredo Bosi Para você usufruir e construir sua cultura literária OU: não morra antes de ler estes livros! Que tal uma lista com as 120

Leia mais

1. A TRADIÇÃO REALISTA

1. A TRADIÇÃO REALISTA 1. A TRADIÇÃO REALISTA Se você alguma vez passou os olhos por um livro chamado Raízes do Brasil (1936)*, talvez tenha lido uma passagem famosa, que refere uma característica portuguesa que Sérgio Buarque

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA

LITERATURA BRASILEIRA LITERATURA BRASILEIRA 01 Leia o poema Pintura admirável de uma beleza, de Gregório de Matos. Vês esse sol de luzes coroado? Em pérolas a aurora convertida? Vês a lua de estrelas guarnecida? Vês o céu de

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite coleção Nov s P l vr s N O V A E D I Ç Ã O Nov s P l vr s Nov e ıç o 2 Ricardo Silva Leite Emília Amaral Mestre em Teoria Literária e doutora em Educação pela Unicamp, professora do Ensino Médio e Superior

Leia mais

Turma: 3º ano FG e ADM

Turma: 3º ano FG e ADM COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 3º ano FG e ADM Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Diverso é o mundo, e ainda bem.

Diverso é o mundo, e ainda bem. LPLB ME 2 O CONCURSO VESTIBULAR/2001 PÁG. 23 LPLB Questões de 51 a 63 Diverso é o mundo, e ainda bem. (Adaptado de TOLEDO, Roberto Pompeu de. Revista VEJA. São Paulo: Abril, 28 de março de 2001.) PÁG.

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL AULA 13 LITERATURA PROFª Edna Prado REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL Na aula de hoje falaremos sobre o Realismo português. Mas para começarmos é importante que você saiba o que é realismo. Veja: REAL+ISMO

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2010/2011 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2010/2011 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2010/2011 PROVA DE LITERATURA A PUCPR elaborou uma prova, no geral, de bom nível, embora tenha apresentado algumas falhas de revisão

Leia mais

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Com mais de 50 livros publicados, Affonso Romano de Sant Anna é uma das referências da literatura brasileira contemporânea. Agora mesmo, ele está saindo

Leia mais

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS:

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: Romantismo Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: 1. ( C ) Foi a primeira e forte reação ao Neoclassicismo. 2. ( E ) O romantismo não valorizava a

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Jussara Braga. Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva. Ilustrações de Rogério Borges

Jussara Braga. Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva. Ilustrações de Rogério Borges Jussara Braga Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Ilustrações de Rogério Borges 1 O desejo das águas é um livro poético escrito em prosa, mas cheio de poesia e lirismo. Por isso,

Leia mais

Conteúdo para avaliações do 4º Bimestre1º ano E.M

Conteúdo para avaliações do 4º Bimestre1º ano E.M Conteúdo para avaliações do 4º Bimestre1º ano E.M Produção/gramática Matemática Química Biologia História Geografia Gramática- Módulo 6 Formação de palavras Capítulo 1 Derivação Capítulo 2 Composição e

Leia mais

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética Ibrantina Guedes Lopes Licenciada em Letras e Música. Pós-graduanda do Curso de Especialização em Cultura Pernambucana da FAFIRE Membro da Associação Brasileira

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

Introdução ao Realismo

Introdução ao Realismo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 2 Disciplina: Literatura Data da prova: 15/02/2014. Introdução ao Realismo P1-1 BIMESTRE Os textos seguintes

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ Literatura CONTEXTO HISTÓRICO Precedentes: Período de Transição (1808-1836) Simultaneamente ao final das últimas produções do movimento

Leia mais

Português 3 Módulo 5 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA O ROMANTISMO NO BRASIL

Português 3 Módulo 5 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA O ROMANTISMO NO BRASIL Português 3 Módulo 5 O ROMANTISMO NO BRASIL 1. a) O poeta defende o menosprezo pelas regras de metrificação enquanto mera convenção. O poeta a- firma usar todas as metrificações, baseado apenas em sua

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

Prof. Paulo Alexandre

Prof. Paulo Alexandre Prof. Paulo Alexandre As indicações mostradas nesta apresentação funcionam como guia de estudos do Realismo e do Naturalismo. Todas as informações devem ser complementadas pelo aluno, com a utilização

Leia mais

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede:

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Português Leitura de texto 3 os anos Wilton fev/11 Nome: Nº: Turma: 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino escreve! No aconchego Do claustro, na

Leia mais

400 anos do cavaleiro sonhador

400 anos do cavaleiro sonhador 400 anos do cavaleiro sonhador Há 400 anos, Miguel de Cervantes publicava a primeira parte de Dom Quixote, livro que marcou a história da literatura. Críticos e estudiosos retomam a efeméride para discutir

Leia mais

RELAÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS E PARADIDÁTICOS 2012

RELAÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS E PARADIDÁTICOS 2012 9 ANO PADRÃO ENSINO FUNDAMENTAL II PORTUGUÊS 1. GRAMÁTICA Gramática da Língua Portuguesa (10ª. Edição). Autor: Roberto Melo Mesquita 2. LITERATURA BRASILEIRA Tempos, Leitores e Leituras Autoras: Maria

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

LITERATURA PORTUGUESA II AULA 04: A PROSA REALISTA TÓPICO 02: A PROSA DE EÇA DE QUEIRÓS Fonte [1] Eça de Queirós em 1882. José Maria de Eça de Queirós (Póvoa de Varzim, 1845 Neuilly-sur- Seine, 1900) estudou

Leia mais

UMA DOCUMENTAÇÃO VISUAL E LITERÁRIA DA MORTE SEVERINA NO SERTÃO NORDESTINO

UMA DOCUMENTAÇÃO VISUAL E LITERÁRIA DA MORTE SEVERINA NO SERTÃO NORDESTINO UMA DOCUMENTAÇÃO VISUAL E LITERÁRIA DA MORTE SEVERINA NO SERTÃO NORDESTINO Glayce Rocha Santos COIMBRA; Maria Elizia BORGES Faculdade de Artes Visuais FAV/UFG glaycerocha@hotmail.com RESUMO Este artigo

Leia mais

Leia com atenção o texto abaixo para responder às questões de 1 a 12.

Leia com atenção o texto abaixo para responder às questões de 1 a 12. Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSARÁ A 3 ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 2015 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Leia com atenção o texto abaixo para responder às questões

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca INAUGURAÇÃO DA «CASA DE CULTURA JORGE

Leia mais

1º- Dentre as escolas literárias abaixo, assinale aquela que não aconteceu no Brasil:

1º- Dentre as escolas literárias abaixo, assinale aquela que não aconteceu no Brasil: QUESTÕES DE LITERATUA PROF: Xanda Guedes Exercícios: 1º- Dentre as escolas literárias abaixo, assinale aquela que não aconteceu no Brasil: A- Barroco B- Romantismo C- Modernismo D- Trovadorismo E- Arcadismo

Leia mais

Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian.

Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian. Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian. Leitura do conto O gato preto, de Edgar Allan Poe (duas aulas) 1- Leitura compartilhada do conto, dividido em duas partes.

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

Língua Portuguesa 10º ano. Planificação anual e trimestral

Língua Portuguesa 10º ano. Planificação anual e trimestral Língua Portuguesa 10º ano Planificação anual e trimestral Ano lectivo: 2010 / 2011 As competências e objectivos que a seguir se indicam foram escolhidos e extraídos do Programa, no âmbito da Leitura, da

Leia mais

AULÃO DE LITERATURA XIV SIMULADO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA URI

AULÃO DE LITERATURA XIV SIMULADO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA URI AULÃO DE LITERATURA XIV SIMULADO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA URI Professora: Marinice Argenta Movimentos Literários 1-Trovadorismo 2-Humanismo 3-Classicismo 4-Quinhentismo 5-Barroco 6-Arcadismo 7-Romantismo

Leia mais

3º trimestre de 2014 Literatura

3º trimestre de 2014 Literatura LEITURAS INDICADAS 3º trimestre de 2014 Literatura 1ª Leitura: TOMÁS, Antônio Gonzaga. Cartas Chilenas. Sinopse: O livro Cartas Chilenas (1788-1789), de autoria do inconfidente Tomás Antônio Gonzaga, é

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO 61 Poema O que é: Segundo o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre coisas e palavras principalmente entre palavras circulamos. As palavras, entretanto, não circulam entre nós como folhas soltas no ar.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 17032441 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Evolução das Artes Visuais II ETAPA 2ª Período

Leia mais

UEL PR (PARA 2015 E 2016)

UEL PR (PARA 2015 E 2016) UEL PR (PARA 2015 E 2016) A) O PAGADOR DE PROMESSAS DIAS GOMES B) DOZE REIS E A MOÇA NO LABIRINTO DO VENTO MARINA COLASANTI C) O PLANALTO E A ESTEPE - CARLOS MAURÍCIO PESTANA DOS SANTOS (PEPETELA) D) A

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

Revisão geral sobre Modernismo

Revisão geral sobre Modernismo GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 3 ano ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Maria José Almeida Silva Projeto: A literatura de cordel como

Leia mais

ARTE E REVOLUÇÃO: AS IMAGENS DA LIBERTAÇÃO EM HERBERT MARCUSE

ARTE E REVOLUÇÃO: AS IMAGENS DA LIBERTAÇÃO EM HERBERT MARCUSE Renata Gonçalves (PIIC/UFSJ) Orientadora: Ms. Maria José Netto Andrade (DFIME - UFSJ) Resumo: O artigo tem como objetivo investigar a crítica de Herbert Marcuse (1898-1979) à ortodoxia da estética marxista

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

Marisa Gomes da Silva e Amilton José Araújo Graduandos do 7º semestre do curso de Letras Vernáculas da UNEB, Campus XXIII, Seabra.

Marisa Gomes da Silva e Amilton José Araújo Graduandos do 7º semestre do curso de Letras Vernáculas da UNEB, Campus XXIII, Seabra. O MODERNISMO HERÓICO DOS ANOS 20 E O REGIONALISMO DOS ANOS 30. Marisa Gomes da Silva e Amilton José Araújo Graduandos do 7º semestre do curso de Letras Vernáculas da UNEB, Campus XXIII, Seabra. RESUMO

Leia mais

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos O TEXTO DRAMÁTICO O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico García Lorca) Professor Luís Araújo 1 O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Literatura e Redação conexões possíveis

Literatura e Redação conexões possíveis Literatura e Redação conexões possíveis Desde 2005, a UFSC vem explorando os temas extraídos das obras literárias, de leitura obrigatória, para elaboração das propostas de Redação. O gêneros textuais cobrados

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945)

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) Tarsila do Amaral, cartão-postal, 1929 1. Que elementos da natureza estão representados nessa obra? 2. Que aspectos da natureza brasileira Tarsila do Amaral escolheu

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: modernismo - romance de 30 - características Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: modernismo - romance de 30 - características Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: modernismo - romance de 30 - características Prof. IBIRÁ Literatura A Geração de 30 (RE)CONSTRUÇÃO/MATURIDADE CARACTERÍSTICAS ROMANCE OU REGIONAL DE 30 O romance de 30 difere-se

Leia mais

O QUE FOI A POESIA MARGINAL

O QUE FOI A POESIA MARGINAL O QUE FOI A POESIA MARGINAL A poesia marginal ou a geração Mimeógrafo surgiu na década de 70 no Brasil, de forma a representar o movimento sociocultural que atingiu as artes e principalmente a literatura.

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Isto Dizem que finjo ou minto Tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto Com a imaginação. Não uso o coração. Tudo o que sonho ou passo O que me falha ou finda, É como que

Leia mais

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Atividade 1 Antes de você iniciar a leitura

Leia mais

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro CONFEITARIA COLOMBO Rio de Janeiro A Confeitaria Colombo é a memória viva da belle époque do Rio de Janeiro antigo, situada na rua Gonçalves Dias e foi fundada em 1894 pelos portugueses Joaquim Borges

Leia mais

Alunos: Francini Medeiros, Giseli Duarte, Hadassa Marques, Jéssica Santos, Luana Beatriz e Sérgio Araújo. Turma: 9020511.

Alunos: Francini Medeiros, Giseli Duarte, Hadassa Marques, Jéssica Santos, Luana Beatriz e Sérgio Araújo. Turma: 9020511. Alunos: Francini Medeiros, Giseli Duarte, Hadassa Marques, Jéssica Santos, Luana Beatriz e Sérgio Araújo. Turma: 9020511. "Todo momento pré é de prenúncios, de pressupostos. Todo momento pré transita

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

A MEMÓRIA NA LITERATURA

A MEMÓRIA NA LITERATURA A MEMÓRIA NA LITERATURA O MEMORIALISMO OCASIONAL Uma confissão indireta, uma revelação camuflada, às s vezes inconsciente, do que sepassa na cabeça a do escritor, das suas experiências e das recordações

Leia mais

Natal, 21 de março de 2012.

Natal, 21 de março de 2012. Natal, 21 de março de 2012. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Literatura OPÇÕES DE RESPOSTA A B C % DE RESPOSTA POR QUESTÃO 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 B C C A C D A A D B 14 21,3 9,9 39,9 22,5

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 1º ano FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza 1 www.oxisdaquestao.com.br Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza Texto de CARLOS CHAPARRO Entramos em 2012 sem Daniel Piza. Perdemo-lo aos 41 anos de idade, a 30 de dezembro de 2011. Mas

Leia mais

Bernardo Carvalho, madeira de lei

Bernardo Carvalho, madeira de lei Bernardo Carvalho, madeira de lei por Moisés Neto O escritor Bernardo Carvalho nasceu no Rio de Janeiro, vive em São Paulo, mas para ele é fundamental o sentimento de não pertencer a um lugar, um certo

Leia mais

Poesia AUTOR. Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas. Poesia

Poesia AUTOR. Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas. Poesia OBRA ANALISADA: O Coração Disparado 1978 GÊNERO Poesia AUTOR Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas BIBLIOGRAFIA Poesia Bagagem, Imago - 1975 O Coração Disparado, Nova

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

PORTUGUÊS e BIOLOGIA

PORTUGUÊS e BIOLOGIA PORTUGUÊS e BIOLOGIA Segundo ano integrado INF2 - QUI2-2009 Instruções: Leia atentamente cada questão para resolvê-la com segurança. A marcação do gabarito deverá ser feita com caneta de tinta azul ou

Leia mais