MENTORIA E ADESÃO À ATIVIDADE FÍSICA: O CASO DOS USUÁRIOS DA ACADEMIA CHESF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MENTORIA E ADESÃO À ATIVIDADE FÍSICA: O CASO DOS USUÁRIOS DA ACADEMIA CHESF"

Transcrição

1 FACULDADE BOA VIAGEM CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO EMPRESARIAL MENTORIA E ADESÃO À ATIVIDADE FÍSICA: O CASO DOS USUÁRIOS DA ACADEMIA CHESF PAULO ERLICH RECIFE 2010

2 PAULO ERLICH MENTORIA E ADESÃO À ATIVIDADE FÍSICA: O CASO DOS USUÁRIOS DA ACADEMIA CHESF Dissertação apresentada ao Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração da Faculdade Boa Viagem, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Gestão Empresarial. Orientadora: Profª. Sônia Maria Rodrigues Calado Dias, Ph.D. RECIFE 2010

3 Faculdade Boa Viagem Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração CPPA Curso de Mestrado Profissional em Gestão Empresarial MPGE MENTORIA E ADESÃO À ATIVIDADE FÍSICA: O CASO DOS USUÁRIOS DA ACADEMIA CHESF PAULO ERLICH Dissertação submetida ao corpo docente do Mestrado Profissional em Gestão Empresarial (MPGE) do Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração (CPPA) da Faculdade Boa Viagem e aprovada em 01 de fevereiro de Banca Examinadora:

4 Aos mentores da minha formação moral e intelectual: meu pai, Jacob Erlich (in memoriam); minha mãe, Elza Rotman Erlich; meu avô, Abram José Rotman (in memoriam). À minha companheira, Suely, que revigora essa formação. Aos meus filhos, Márcio e Maíra, que já ensaiam os passos como meus futuros mentores.

5 AGRADECIMENTOS A Sônia Calado Dias, pelas luzes da mentoria e novas visões sobre o ser humano que definitivamente marcaram minha vida; Aos demais professores do Mestrado da FBV, que me proporcionaram grandes momentos de crescimento pelo desafio ao conhecimento; A Ricardo De Marchi, referência pioneira, no país, em promoção da saúde corporativa, por me ter iniciado nessa área e pela oportunidade de entender, na prática, como a mentoria pode levar à amizade; A Heloísa Nóbrega, que, como poucos, valoriza, conhece e pratica a promoção da saúde corporativa e desde cedo incentivou a realização deste trabalho no ambiente da Chesf; A Benoni Guimarães, gestor da Academia Chesf, sem cujos esforços e entusiasmo a pesquisa não se viabilizaria; A Horácio Frydman, pela contribuição para o levantamento bibliográfico, sem a qual não seria atingido o nível de aprofundamento que eu pretendia; A todos os que foram por mim entrevistados, usuários e profissionais da Academia Chesf, pela disponibilidade e pela riqueza de dados que proporcionaram ao estudo; Aos meus colegas de curso, pelo compartilhamento de saberes e pelo deleite da convivência.

6 RESUMO Esta dissertação se baseia em um estudo de caso que procurou verificar a presença de experiências de mentoria nos relacionamentos que influenciam indivíduos a aderir à atividade física. A literatura que traz associações entre mentoria e atividade física é escassa e, em relação à essência dos relacionamentos que estão em ação, é praticamente ausente. Dessa forma não se consegue distinguir se o que está sendo considerado como uma relação de desenvolvimento para ajudar o indivíduo a aderir à atividade física é realmente mentoria ou suporte social, que é conceitual e operacionalmente semelhante à mentoria. Através de procedimento qualitativo e exploratório, valendo-se de entrevistas em profundidade e análise de conteúdo, foram abordados usuários de uma academia de ginástica sediada em uma grande empresa. A análise de conteúdo revelou as fontes de suporte para mudança do hábito e gerou uma categorização de funções de suporte social no contexto da adesão à atividade física. A comparação dessa tipologia com a que é tradicionalmente adotada nos estudos de mentoria gerada a partir do ambiente organizacional (KRAM, 1980, 1988) revelou que, no novo contexto, algumas funções tradicionais se modificam, outras desaparecem e novas funções emergem. Mas o nível de correspondência entre as tipologias é muito relevante. Através do aprofundamento do estudo das funções também se alcançou uma distinção entre relações de mentoria e relações de suporte social, bem como se chegou a um conceito de mentor. Os profissionais de educação física constituem a categoria que se apresentou no estudo com o maior número mentores. Os resultados do estudo contribuem para o estudo teórico da mentoria e para o campo de mudanças de comportamento em saúde, especificamente em relação à atividade física. Estudos futuros sobre como a mentoria influencia indivíduos a se tornarem habitualmente ativos poderão revelar ainda mais as potencialidades desse recurso relacional e torná-lo reconhecidamente estratégico em ações de promoção de saúde e para o negócio das academias de ginástica. Palavras-chave: Mentoria. Suporte social. Atividade física. Promoção de saúde. Academias de ginástica. Professores de educação física.

7 ABSTRACT This thesis is based on a case study exploring the influence of mentoring experiences on people s propensity to engage in physical activity. The literature on the association between mentoring and physical activity is scant, and practically non-existent so far as the nature of mentoring relationships. It is thus not possible to distinguish whether what is being considered as a development relationship helping individuals to engage in physical activity is truly mentorship or social support, which is conceptually and operationally similar to mentorship. Using qualitative and exploratory research and drawing on in-depth interviews and content analysis, we approached the users of a gym in a large company. Content analysis revealed the sources of support for physical activity behavior change and generated a categorization of the functions of social support regarding engagement in physical activity. Comparison of this typology with that traditionally adopted in studies of mentorship in the context of organizations (KRAM, 1980, 1988) revealed that, in the new context, some of the traditional functions are modified, some disappear and new ones emerge. Nevertheless, the degree of correspondence between these typologies is significant. More in-depth examination of these functions revealed a distinction between mentoring relationships and social support relationships and allowed a concept of the mentor to be drawn up. Physical education professionals were the category in this study that had the largest number of mentors. These results represent a contribution to the theoretical study of mentoring and to the field of health behavior change, specifically with regard to physical activity. Future studies of how mentorship influences individuals by making them habitually more physically active may reveal more about the potential of this relational resource and lead to its recognition as a strategic resource in health promotion interventions and for the fitness center industry. Keywords: Mentoring. Social Support. Physical Activity. Health Promotion. Fitness Centers. Gyms. Physical Education Instructors.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Contextos determinantes do comportamento em atividade física... 22

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Tipologias de suporte social Quadro 2: Estágios de mudança de comportamento em saúde Quadro 3: Tipologia da mentoria Quadro 4: Funções de mentoria segundo Kram Quadro 5: Diferenças entre funções instrumentais e funções psicossociais segundo Kram Quadro 6: Equivalência entre suporte social e mentoria segundo Giblin Quadro 7: Integração entre mentoria e suporte social segundo O Neill Quando 8: Características da amostra Quadro 9: Fontes e tipos de suporte na pré-adesão Quadro 10: Fontes e tipos de suporte na adesão Quadro 11: Correspondência entre os tipos de suporte social verificados na pesquisa e a classificação de suporte social encontrada na literatura Quadro 12: Funções de suporte social no contexto da adesão à atividade física Quadro 13: Correspondências entre a tipologia de funções de mentoria de Kram e as funções de suporte social encontradas no contexto da adesão à atividade física Quadro 14: Tipologia das relações de suporte social Quadro 15: Fontes de suporte mais significativas para a adesão dos entrevistados à atividade física Quadro 16: Mentores autênticos identificados no estudo Quadro 17: Frequência média dos entrevistados às aulas da academia nos seis meses anteriores ao processo de seleção para a entrevista e participação em relação de mentoria autêntica

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Contexualização Pergunta de pesquisa Objetivo geral Objetivos específicos Justificativas Justificativas teóricas Justificativas práticas FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Atividade física e suporte social Influências sobre a prática de atividade física Suporte social Suporte social associado à atividade física Mentoria Síntese histórica Conceito de mentoria Visão tradicional sobre mentoria Mentoria vista por novas lentes Benefícios da mentoria Tipos de mentoria Quanto ao grau de formalização do relacionamento Quanto à quantidade de mentores e mentorados envolvidos Quanto aos níveis hierárquicos de mentor e mentorado Quanto aos ambientes a que são vinculados mentor e mentorado Quanto ao canal de comunicação Quanto à evolução da experiência relacional Quanto ao nível de satisfação do mentorado com o relacionamento Quanto à distribuição dos benefícios transacionados no relacionamento Quanto à percepção da existência de mentoria nas interações... 49

11 2.2.5 Mentoria em contextos diversos Mentoria associada à atividade física Funções de mentoria Primeiras referências teóricas sobre funções de mentoria Funções de mentoria segundo Kram Funções de carreira Funções psicossociais Outras considerações sobre funções de mentoria Diferentes perspectivas sobre funções de mentoria Mentoria e suporte social Aproximação entre mentoria e suporte social Distinção entre mentoria e suporte social Provedores de suporte: mentores e não-mentores METODOLOGIA Delineamento da pesquisa Seleção dos sujeitos Coleta de dados Processo Instrumentos Método de análise Limites e limitações do estudo Limites Limitações ANÁLISE E DISCUSSÃO Fontes e tipos de suporte no contexto da atividade física Fontes e tipos de suporte antes da adesão Médicos Colegas Familiares Pessoas externas à rede de relacionamentos do indivíduo Empresa... 93

12 4.1.2 Fontes e tipos de suporte na adesão Profissionais de Educação Física Colegas Médicos Familiares Pessoas externas à rede de relacionamentos do indivíduo Empresa Discussão Relação entre tipos de suporte social e funções de mentoria no contexto da atividade física Funções instrumentais Conscientização Coaching Patrocínio Funções psicossociais Aceitação-e-confirmação Encorajamento Funções modelares Modelagem positiva Modelagem negativa Discussão Distinção entre relações de mentoria e relações de suporte social no contexto da atividade física O que faz a diferença Discussão Mentores autênticos Identificação dos mentores autênticos Discussão CONCLUSÕES E SUGESTÕES Conclusões Fontes e tipos de suporte Tipologia de funções nas relações de suporte social A diferença da mentoria

13 5.1.4 Mentores autênticos: fontes especiais Sugestões Sugestões de ação Sugestões de pesquisa REFERÊNCIAS APÊNDICE A: QUESTIONÁRIO PARA SELEÇÃO DOS SUJEITOS DA PESQUISA (POR ) APÊNDICE B: QUESTIONÁRIO PARA SELEÇÃO DOS SUJEITOS DA PESQUISA (IMPRESSO) APÊNDICE C: ROTEIRO DE ENTREVISTA APÊNDICE D: FICHA DE ENTREVISTA APÊNDICE E: GRÁFICO DOS ESTÁGIOS DA MUDANÇA APÊNDICE F: GRÁFICO DOS ESTÁGIOS DA MUDANÇA ANEXO A: Atividade física: recomendações para adultos ANEXO B: IPAQ

14 13 1 INTRODUÇÃO Inicia-se esta dissertação por uma abordagem que ressalta a importância da atividade física na composição do estilo de vida saudável e a necessidade de mudança comportamental em relação à atividade física. Introduz-se uma noção básica sobre mentoria e a possibilidade de relacioná-la com essa mudança. Em seguida se apresentam a pergunta de pesquisa, os objetivos e as justificativas deste trabalho. 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO Estilo de vida é um modo de viver baseado em padrões identificáveis de comportamento que são determinados pela interinfluência entre as características particulares do indivíduo, interações sociais e as condições de vida socioeconômicas e ambientais. (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 1998). Segundo Nahas (2003, p. 19) estilo de vida é o conjunto de ações habituais que refletem as atitudes, os valores e as oportunidades na vida das pessoas. Esse modo de viver, quando saudável, reduz o risco de estar seriamente doente, ajuda a usufruir a vida e contribui como modelo positivo para outras pessoas (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 1999). Para De Marchi (2008), o estilo de vida é o mais importante fator determinante de uma vida mais saudável. Ele é representado pelas escolhas pessoais em relação aos fatores que podem incrementar ou prejudicar a saúde do indivíduo. Essas escolhas estão diretamente relacionadas com pelo menos 50% do estado pessoal de saúde e custos de assistência médica a ele associados (NOELDNER, 2006). No ambiente organizacional, ressalta-se uma questão fundamental relacionada ao estilo de vida dos empregados: o conjunto de efeitos que as más escolhas individuais podem provocar sobre os resultados corporativos. Indivíduos com baixos níveis de saúde bem como os que adotam comportamentos de risco à saúde provocam, entre outras consequências, maiores desembolsos com assistência médica, absenteísmo mais frequente, presenteísmo 1, aumento das limitações físicas e produtividade abaixo do possível (GOETZEL et al., 2008; SCHULTZ; EDINGTON, 2007; BOLES; PELLETIER; LYNCH, 2004). 1 Presenteísmo é a situação em que os trabalhadores estão no trabalho, porém, em virtude de doença, lesão ou outras condições, não operam no nível máximo (D ABATE; EDY, 2007). A expressão também é utilizada para representar uma variável que indica perdas de produtividade do trabalhador nessas condições ou por associação a fatores de risco à saúde, como o sedentarismo (CHENOWETH; LEUTZINGER, 2006).

15 14 A atividade física é uma iniciativa presente entre as recomendações que configuram o chamado estilo de vida saudável. Adotada com regularidade, ela está associada a melhores níveis de saúde e redução de riscos de mortalidade (KAHN et al., 2002). Por outro lado, a vida sedentária é uma das principais causas de baixa qualidade de vida, incapacidade física e morte (MARCUS; FORSYTH, 2009). São amplamente apresentados e discutidos na literatura os benefícios da prática de atividade física, não apenas associados à saúde física e à redução de riscos relacionados ao sedentarismo predisponentes ao aparecimento e desenvolvimento de disfunções orgânicas. Focando-se em patologias específicas, há suporte científico para afirmar que a atividade física adequada, associada a uma dieta saudável, tem um papel importante na prevenção das cinco doenças crônicas não transmissíveis de maior incidência na população mundial: doença cardíaca, acidente vascular cerebral, câncer, doenças crônicas respiratórias e diabetes (WORLD HEALTH ORGANIZATION /WORLD ECONOMIC FORUM, 2008). Os exercícios físicos regulares, principalmente os aeróbicos, têm um papel marcante na prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares degenerativas, tendo um efeito direto e independente e ajudando no controle de riscos como colesterol e pressão arterial, além de contribuir significativamente na redução de fatores de risco como a obesidade (NAHAS, 2003). Mas também há benefícios no campo psicoemocional, na medida em que níveis mais elevados de prática de atividade física habitual estão associados à conservação da autoestima e do autoconceito e melhoria do relacionamento interpessoal (GUEDES et al., 2001). A atividade física pode também relacionar-se com a melhora na qualidade de vida de dependentes químicos e depressivos (BARBANTI, 2006). Em relação ao ambiente organizacional, benefícios da atividade física são reportados na literatura. Wilson, Griffin-Blake e DeJoy (2002) relatam estudos em que a atividade física pode ser relacionada, por um lado, negativamente com absenteísmo, rotatividade, custos médicos e produtividade; por outro lado, associa-se positivamente com desempenho no trabalho e motivação para o trabalho. Pesquisas de Proper e Van Mechelen (2007) indicam efeitos favoráveis da atividade física em relação ao absenteísmo por doença, duração do afastamento por doença, e, ainda, desempenho no trabalho. Seria de esperar, portanto, que, diante de benefícios tão relevantes, as pessoas, em sua imensa maioria, se dedicassem com frequência a práticas de atividade física. Cotejando-se, porém, essa expectativa com a real atitude da população em relação a esse hábito, verifica-se que há uma distância imensa. Ainda que os efeitos positivos da atividade física sejam bem conhecidos por diversas populações, a maioria das pessoas tem um estilo de vida sedentário e

16 15 não alcançam esses benefícios à saúde (U.S. DEPARTMENT OF HEALTH AND HUMAN SERVICES, 2002). No Brasil, não se foge a esse perfil: pesquisas nacionais de larga abrangência, como as realizadas pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA, 2005) e pelo Ministério da Saúde (BRASIL, 2009), atestam elevadas taxas de atividade física insuficiente e inatividade física na população. Os estudiosos apontam justificativas diversas para essa incongruência. Para Ogata (2008, p. 5), ela ocorre talvez porque as pessoas não tenham consciência dos malefícios desse comportamento, não saibam como mudar ou melhorar seus hábitos ou mesmo não consigam fazê-lo. Aldana (2005) alega que algumas pessoas não mudam porque podem não ter tido a oportunidade de aprender como suas escolhas estão diretamente relacionadas com as causas de morte, doença e qualidade de vida insatisfatória. Mesmo quando as pessoas sabem por que deveriam mudar, a falta de motivação, de tempo, de suporte social e as pressões ambientais no sentido dos maus hábitos sobrepujam a habilidade pessoal de mudar. Diante desse cenário, o grande desafio que se impõe é promover a mudança de comportamento dos indivíduos. Nesse sentido, a mentoria poderá exercer um papel importante. Tradicionalmente, a mentoria tem sido conceituada como um relacionamento entre um adulto jovem e um mais velho e mais experiente que ajuda o mais novo a aprender a navegar no mundo adulto e no mundo do trabalho (KRAM, 1988). Segundo esse escopo, a mentoria tem sido pesquisada principalmente em três campos: na educação de jovens, no ambiente acadêmico e nas organizações (EBY et al., 2008). Mas, para além das limitações do conceito e da aplicação tradicionais, a mentoria tem sido recentemente impulsionada para diferentes áreas de investigação. Kram e Ragins (2007) afirmam que uma visão mais abrangente sobre a mentoria também leva em conta um entendimento mais profundo sobre como ela afeta a transição para novas posições de desenvolvimento, crescimento pessoal e mudança. Além disso, a mentoria pode ser associada com uma gama de resultados positivos tanto psicológicos quanto fisiológicos relacionados com saúde física e mental e bem-estar (KRAM; RAGINS, 2007; BOYATZIS, 2007). Este último autor defende que nos processos de mudança de comportamento em adultos é essencial o suporte de mentores, sem os quais novos padrões de comportamento não ocorrem ou não são sustentáveis. Descortina-se, dessa forma, a possibilidade de estudar, sob a ótica da mentoria, como indivíduos podem ser influenciados por outros-significativos nos processos de mudança de comportamentos que afetam a saúde, entre os quais se inclui o comportamento em relação à atividade física. Um grande volume de referências é encontrado na literatura sobre a ocorrência de suporte social como facilitador dessa mudança. Por exemplo, Zimmerman e

17 16 Connor (1989) encontraram evidências de que a tentativa individual de mudar o comportamento em saúde, especialmente quanto à prática de exercícios e redução da ingestão de gorduras, pode ser positivamente influenciada por outros-significativos (familiares, amigos, colegas de trabalho) ao longo do processo de mudança. Ornelas, Perreira e Ayala (2007) encontraram uma relação positiva entre o suporte social dos pais e a conquista pelos filhos de padrões recomendados de atividade física. Se, por um lado, referências de suporte social são amplamente reportadas, por outro lado são escassos os trabalhos que mencionam claramente a mentoria como recurso para a mudança comportamental no campo da atividade física. Entre elas, Dubois e Silverthorn (2005) reportam diversos resultados do impacto das relações de mentoria, quando incorporadas a outras intervenções, sobre o nível de atividade física de jovens. Um programa de mentoria de pares, relatado por Corbin (2006), buscou estimular pessoas com 50 anos ou mais a incorporar mais atividade física em suas vidas e resultou em significativo aumento do nível de atividade na grande maioria dos participantes. Os exemplos referidos pela literatura, porém, não esclarecem em que consiste a mentoria provida nesses casos. E, agravando a questão, como a literatura tem encontrado semelhanças entre suporte social e mentoria (GIBLIN, 2006; O NEILL, 1997), não se consegue distinguir nesses estudos se o processo de ajuda à modificação do comportamento pode ser entendido como mentoria ou suporte social. Isso posto, o presente estudo propõe verificar a presença de experiências de mentoria 2 nos processos que estimulam os indivíduos a ser praticantes habituais de atividade física. Por essa perspectiva, indivíduos que tenham decidido adotar essa prática e os que nela se mantêm poderão ter passado e/ou estar passando por experiências de mentoria. Para tanto, foi desenvolvida pesquisa com um grupo de usuários da Academia Chesf, pertencente à Companhia Hidro Elétrica do São Francisco e localizada na sede da empresa, em Recife, Pernambuco. Os indivíduos participantes da pesquisa foram selecionados entre funcionários frequentadores da academia que decidiram, em algum momento da vida, praticar exercícios físicos dentro de um padrão de regularidade. Com base no exposto, foi delineada a pergunta de pesquisa, que a seguir se apresenta, acompanhada pelo objetivo geral e objetivos específicos. 2 Será adotada a expressão experiências de mentoria por ser largamente utilizada na literatura, como uma forma de referência a interações de mentoria (e.g., FOX; SCHUHMAN, 2001; EBY, ALLEN, 2002; SIMON; EBY, 2003; DUFFY et al., 2008).

18 PERGUNTA DE PESQUISA De que modo experiências de mentoria estão presentes nos relacionamentos que influenciam os indivíduos a aderir à atividade física? 1.3 OBJETIVO GERAL Verificar de que modo experiências de mentoria estão presentes nos relacionamentos que influenciam os indivíduos a aderir à atividade física. 1.4 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Objetivo específico 1: Identificar as fontes de suporte social que influenciaram os indivíduos a aderir à atividade física e os tipos de suporte providos por essas fontes. Objetivo específico 2: Analisar de que modo os tipos de suporte social providos pelas fontes que influenciaram os indivíduos a aderir à atividade física correspondem à tipologia de funções de mentoria tradicionalmente adotada pela literatura. Objetivo específico 3: Verificar de que modo se pode estabelecer distinção entre relações de mentoria e relações de suporte social enquanto experiências relacionais que influenciaram os indivíduos a aderir à atividade física. Objetivo específico 4: Identificar, entre as fontes de suporte social que influenciaram os indivíduos a aderir à atividade física, aquelas que podem ser considerados como mentores. 1.5 JUSTIFICATIVAS Justificativas teóricas Em termos de contribuição teórica, a pesquisa aqui proposta trouxe novos conhecimentos em diversas direções. Em termos gerais, para o próprio campo da mentoria,

19 18 principalmente em relação ao ambiente acadêmico brasileiro, no qual os estudos sobre o tema ainda estão em fase de evolução e o volume da produção literária ainda é pequeno. Faz-se necessário continuamente promover pesquisas que representem o fenômeno da mentoria no Brasil, em sua cultura específica. Chandler e Kram (2007) chamam atenção para a necessidade de, ao se discutirem as pesquisas, considerar os cenários nacionais em que são realizadas. Bozionelos (2006) acusa que há escassez de pesquisas de mentoria com amostras que não sejam relacionadas com a cultura anglo-saxã. Uma questão teórica ainda não plenamente esclarecida pela literatura é a distinção entre mentoria e suporte social. Os construtos possuem fortes semelhanças (JACOBI, 1991; ALLEN; MCMANUS; RUSSELL, 1999; GIBLIN, 2006) e até já foi proposta uma integração entre eles (O NEILL, 1997), porém há diferenças a considerar (GIBLIN, 2006; GOLDNER; MAYSELESS, 2008). Este estudo contribui para o clareamento desses limites e inclusive ajudar a construir algum consenso sobre o próprio conceito de mentoria, que ainda não alcança unanimidade entre os pesquisadores (CHANDLER; KRAM, 2007). Uma contribuição também foi gerada para a pesquisa sobre os processos de mudança de comportamento em saúde. Mais especificamente, fica sugerida uma nova luz à pesquisa brasileira em processos que levam à adesão à atividade física, visto que a utilização da mentoria como suporte para esse fim é um aspecto sobre o qual não foram localizados trabalhos na literatura científica do país, ao longo dos estudos que embasaram este trabalho. No cenário internacional, a literatura diz pouco sobre o impacto da mentoria sobre a mudança comportamental (em geral), a sustentação dessas mudanças e os impactos de longo prazo sobre as aspirações da pessoa (BOYATZIS, 2007). A pesquisa é, ainda, relevante para os estudos da promoção de saúde no ambiente de trabalho. Além de utilizar uma amostra composta de trabalhadores de uma empresa, verificou que a organização procura exercer uma influência marcante sobre o comportamento em saúde de seus funcionários, em sentido amplo, e, particularmente, sobre padrão de atividade física que praticam. Essa importância está alinhada com uma ideia proposta por Okie (2007): a empresa deve atuar como coach em relação à saúde dos trabalhadores. Coaching, como se verá neste trabalho, é uma das funções de mentoria de várias vezes confundida com a própria mentoria.

20 Justificativas práticas O foco prático desta pesquisa acompanha o ensinamento de Minayo (1996, p. 90): nada pode ser intelectualmente um problema, se não tiver sido, em primeira instância, um problema na vida prática. A autora defende que a escolha de um tema não surge de modo espontâneo, mas de interesses e circunstâncias socialmente condicionados e semeados na realidade. As justificativas a seguir se inserem nesse contexto. Como as más escolhas comportamentais contribuem globalmente para uma proporção significativa de doenças crônicas, deveriam ser levadas em conta estratégias baseadas em evidências, como a atividade física regular, para ajustar esses comportamentos, nos mais diversos ambientes (QUINTILIANI; SATTELMAIR; SORENSEN, 2007). Este trabalho propôs verificar se a mentoria poderia ser entendida como um recurso presente nesse processo de ajuste de comportamento, sendo percebida como uma influência sobre o indivíduo. A perspectiva prática deste trabalho é marcada pelo fato de o estudo ter abordado usuários de uma academia de ginástica vinculada a uma organização e ao seu programa de promoção de saúde. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o local de trabalho é para muitas pessoas o contexto mais prático em que elas se podem tornar mais ativas, portanto pode ser o ambiente ideal para promover atividade física para adultos (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2006). Não obstante, um dos mais prementes desafios enfrentados pelos profissionais que estão à frente da gestão de programas de promoção de saúde no ambiente de trabalho é estimular os empregados a exercitar-se regularmente (CHENOWETH, 2007). Uma associação entre mentoria e adesão à atividade física poderá sinalizar para uma nova forma de promover a participação e manutenção dos empregados nos programas de exercícios. No ambiente organizacional, todavia, os benefícios da mudança de estilo de vida não se encerram no nível dos indivíduos. Ao adotar ou manter hábitos saudáveis, os empregados proporcionam economia nos gastos com assistência médica, redução de absenteísmo e aumento na produtividade (OKIE, 2007; ALDANA et al., 2005; O DONNELL, 2002). Segundo Porter e Teisberg (2007), os empregadores podem estimular a mudança de mentalidade e comportamento dos funcionários, para que estes façam boas escolhas e gerenciem sua própria saúde: A melhor forma de manter baixos custos de assistência à saúde é ajudar os funcionários e suas famílias a permanecerem saudáveis, ou tão saudáveis quanto possível, dadas as circunstâncias do sistema de saúde (PORTER; TEISBERG, 2007, p. 269). Kram e Ragins (2007) sugerem que, diante dos custos crescentes da assistência médica e da

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III

ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III PESQUISA SOBRE SAÚDE CORPORATIVA EFETUADA POR UM CONSORCIO DE EMPRESAS DA ÁREA DE SAUDE CONSTATAÇÕES E IMPLICAÇÕES Duração: 4 semanas 44 respondentes Respondentes

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Avaliação Econômica Programa Escola Integrada Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Criado em 2004, o Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais, da Fundação Itaú Social, atua em

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia. 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo apresenta-se a pesquisa realizada, abrangendo o tipo de pesquisa, os critérios para a seleção de sujeitos, o processo de coleta de dados e o tratamento de dados. 3.1. Tipo

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações 153 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES 1. Conclusões e Recomendações Um Estudo de Caso, como foi salientado no capítulo Metodologia deste estudo, traz à baila muitas informações sobre uma

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

NORMA ATUARIAL Nº. 1

NORMA ATUARIAL Nº. 1 NORMA ATUARIAL Nº. 1 SELEÇÃO DE HIPÓTESES DEMOGRÁFICAS, BIOMÉTRICAS E OUTRAS NÃO-ECONÔMICAS PARA MENSURAÇÃO DE OBRIGAÇÕES DE UM PLANO DE BENEFÍCIOS Versão 001 PARA: Atuários MIBAS e CIBAS e outras Pessoas

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista

Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista 26/10/2011 A saúde das pessoas e o negócio Pessoa (bem-estar x doença) Produtividade (custo de oportunidade) Empresa (custo contábil) Stakeholders > 15

Leia mais

09/12/2014 JUSTIFICATIVAS A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA. Questões norteadoras SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE

09/12/2014 JUSTIFICATIVAS A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA. Questões norteadoras SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE PROMOÇÃO DE ESTILOS DE VIDA SAUDÁVEIS NA ESCOLA Prof. Mario Renato de Azevedo Júnior A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA Questões norteadoras

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE MUITOS DOS PROBLEMAS MAIS CRÍTICOS NÃO ESTÃO NO MUNDO DAS COISAS, MAS NO MUNDO DAS PESSOAS. DESENVOLVIMENTO: APTIDÕES TÉCNICAS >>> HABILIDADES SOCIAIS CIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS X CIÊNCIAS MAL SUCEDIDAS. -

Leia mais

O Coaching pode ajudar uma pessoa a:

O Coaching pode ajudar uma pessoa a: O que é o Coaching O que é o Coaching É um processo compartilhado de desenvolvimento pessoal e profissional focado em ações no presente, para tornar real suas intenções de atingir objetivos e alcançar

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

1. Introdução NÍVEIS DE ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS DE 9 ANOS FORA DO CONTEXTO ESCOLAR: ESTUDO EM MEIO URBANO E MEIO RURAL

1. Introdução NÍVEIS DE ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS DE 9 ANOS FORA DO CONTEXTO ESCOLAR: ESTUDO EM MEIO URBANO E MEIO RURAL NÍVEIS DE ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS DE 9 ANOS FORA DO CONTEXTO ESCOLAR: ESTUDO EM MEIO URBANO E MEIO RURAL Carlos Madanços, Liliana Dias, Sérgio Barbosa, Beatriz Pereira e Graça S. Carvalho Instituto

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal Projeto de ensino aplicado à Fisiologia Anima, da disciplina Instrumentalização V: Exercício físico regular e a promoção da saúde Suyane Emanuelle Santos de Carvalho Orientadora: Profa. Dra. Ana Fontenele

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO Sandra Biégas 1, Patrícia Machado Mellero Cardoso 2 RESUMO: Com base em uma realidade onde indústrias

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais