TEMPERATURA DE COR - K (Kelvin)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEMPERATURA DE COR - K (Kelvin)"

Transcrição

1 Capítulo 3 - Grandezas Luminotécnicas e Elétricas Grandezas Luminotécnicas Temperatura de Cor TEMPERATURA DE COR - K (Kelvin) 5800 K - luz branca natural Sol em céu aberto ao meio-dia 2000K 2700K 3000K 3600K 4000K 4200K 5200K 5600K 6000K 6100K NAV Incand. DULUX 41 Halógenas COLORSTAR LUMILUX 31 HQI WDL HWL LUMILUX 21 DULUX 21 HQL HQI NDL Luz do Dia Especial HQI D Luz do Dia 10 Esta é a representação gráfica da variação da tonalidade da cor de luz e que é obtida através de uma analogia com a temperatura calor mesmo em Graus Célsius, transformados para Kelvin, que sempre definirá que: quanto mais branca for a luz, mais alta é a temperatura de cor; quanto mais baixa for a temperatura de cor em Kelvin, mas amarelada será essa luz. Na prática quando falarmos em cor de luz, diremos o número correspondente e o símbolo(k): 3.000K ou 4.000K. Quando tratamos de iluminação de ambientes, temos de conhecer esse conceito para definir se iluminaremos com luz mais branca (luz de trabalho) ou mais amarelada (luz de conforto), o que vale para iluminação com LEDs, onde, felizmente, já podemos contar com várias tonalidades de cor de luz. Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

2 I R C - Índice de Reprodução de Cores ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES EXCELENTE NÍVEL 1 1a - Ra 90 a 100 Testes de cor, floricultura, MUITO BOM 1b - Ra 80 a 89 escritórios, residências, lojas BOM NÍVEL 2 2a - Ra 70 a 79 Áreas de circulação, escadas, RAZOÁVEL 2b - Ra 60 a 69 oficinas, ginásios esportivos REGULAR NÍVEL 3 Ra 40 a 59 Depósitos, postos de gasolina, pátio de montagem industrial INSUFICIENTE NÍVEL 4 Ra 20 a 39 Vias de tráfego, canteiros de obras, estacionamentos IRC Índice de Reprodução de Cores é a grandeza que define em quanto a luz artificial consegue imitar a luz natural do Sol. Quanto mais próxima da luz natural for a reprodução de cores, maior será esse número e quanto menor for, mais distante da reprodução de cores da luz natural será, ou seja, menos eficiente na reprodução de cores. A indústria da iluminação procura fazer produtos que tenham cada vez um maior IRC Índice de Reprodução de Cores. Quando falamos de lâmpadas de filamento (Incandescentes comuns e Halógenas) temos um índice de 100, excelente, porque a sua forma de fazer luz, relembrando, imita o Sol, até nesse aspecto, claro. Quando vamos para outros tipos de luz, como descarga ( fluorescentes, métálicas etc) e mesmo os LEDs, o IRC não chega a ser 100, então temos que analisar cada tipo de lâmpada ou fonte de luz, com a definição de seu IRC. Em iluminação de qualidade, temos de desconsiderar produtos com IRC abaixo de 80. Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

3 Por exemplo, as fluorescentes com tecnologia do pó tri-fósforo, com boa reprodução de cores, tem um IRC na faixa entre 80 e 89. Algumas já atingem um número acima de 90. Por outro lado, as antigas fluorescentes tubulares, tipo T-12 e T-10, sem a utilização dessa nova tecnologia na pintura dos bulbos, ficam na faixa um pouco abaixo de 70 e mostram toda a sua ineficiência nesse conceito. Luz Luz é a radição eletromagnética na faixa entre 380 a 780 nanômetros (nm), capaz de produzir sensação visual Em nosso ambiente há inúmeras ondas eletromagnéticas circulando. Algumas bem conhecidas, como Raio X, Raio Gama, Raio Ultra-Violeta, Infra-Vermelho, Ondas Médias, Onda de FM(frequência modulada) e outros incontáveis tipos de ondas, nas mais diversas frequências. Quando a frequência da onda ficar situada entre 380 e 780nm, chamamos de Espectro Visível, ou no popular, LUZ. Apenas em nível de comparação: o UV-Ultravioleta, fica abaixo dos 380nm, enquanto que o IR Infravermelho fica acima dos 780nm, para falar em duas frequências bem conhecidas nossas. O que nos deixa ver, que nenhum desses dois está situado na faixa de luz. Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

4 Durabilidade das Lâmpadas Consideram-se três formas de medir a vida de uma lâmpada, sempre entendendo que nenhuma delas é absoluta, ou seja, quando de define que uma lâmpada tem horas de vida, não quer dizer, em hipótese alguma, que todas as lâmpadas desse tipo durarão horas, mas sim, conforme os conceitos abaixo apresentados: Vida Média - A média da vida de todas as lâmpadas de um lote. Mede-se a duração de cada lâmpada instalada de um lote e se divide pelo número de lâmpadas desse mesmo lote. Vida Mediana - Mede-se o tempo que decorre entre a instalação de um lote e a queima de 50% desse lote. Vida Custo-Benefício - O tempo contado quando há a depreciação do fluxo luminoso do lote. Por exemplo, quando há uma queda de 30% da luz inicial, ou melhor dizendo, do fluxo luminoso inicial. A isso define-se como L70, ou seja, a lâmpada está produzindo apenas 70% do fluxo luminoso inicial, e a partir desse número, deixa de ter um bom custo-benefício. Passará a consumir 100% de energia, produzindo menos luz, no caso 70%. Fluxo Luminoso (F): Quantidade de LUZ visível que uma fonte irradia em todas as direções - Unidade: Lumen (Lm) Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

5 Intensidade Luminosa (I)- E a medida da radiação emitida por uma fonte de luz em uma determinada direção. Unidade: Candela (cd). Estará sempre associada a um refletor direcionando a luz. Quando não está direcionado por um refletor, a luz se espalha em todas as direções e temos, então, a grandeza anterior, que é o fluxo luminoso(lm). Iluminância (E) - É o fluxo luminoso incidente por unidade de área. Sua unidade é o lux (lx). E = Φ / A. É a densidade superficial de fluxo luminoso recebido. Supondo que um fluxo de 1 lumen incida uniformemente sobre uma superficie de 1 metro quadrado, a Iluminância será de 1 lux. Como a distribuição uniforme não ocorre na prática, consideramos a Iluminância média. Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

6 Luminancia (L) - É a intensidade luminosa que emana de uma superficie. Sua unidade é a candela por metro quadrado (cd/m2). A luminância depende do coeficiente de reflexão de cada superficie (refletância). Este coeficiente é encontrado em tabelas luminotécnicas e é uma função dos materiais e das cores. Equação de equivalência E e L Tendo uma das duas medidas (Lux ou Candela), podemos transformá-la em outra, com a utilização da fórmula que segue: Precisamos saber apenas a altura entre a fonte de luz e o plano a ser iluminado. No último exemplo, vemos que 960Cd, divididas pelo quadrado da distância(no caso 2m), fica, 960:4 = 240Lux. Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

7 Vale, como é claro, para todos os tipos de lâmpadas. Essa fórmula é importante, pois quando se trata de lâmpadas refletoras, a quantidade de luz é fornecida nos catálogos e sites dos fabricantes em Candelas(Cd) e, se precisarmos definir a quantidade de Lux, fazemos a transformação com o uso dela. Rendimento Luminoso/Energético: Define, na prática, a economia de energia. >Lumens emitidos por Watts consumidos. Lumens /Watt - L/W. Exemplo: Potência da lâmpada 20W e luz emitida 800 Lm 800 Lumens / 20W = 40 lumens / watt Potência da lâmpada 8 W e luz emitida 800 Lm 800 Lumens / 8W = 100 lumens / watt Grandezas Elétricas Tensão (V) : Também chamada de voltagem, por isso o símbolo é V, é a energia que a concessionária coloca a disposição do usuário e todo o produto elétrico tem em sua designação a tensão. Normal: 127 ou 220V Baixa Tensão: 12 ou 24 V Alta Tensão: Nos cabos que saem das substações elétricas, a tensão é altíssima e para chegar nas residências e outros consumidores, ela é dividida pelos Transformadores de Distribuição e chegam para nós em 380, 220, 127V. Exemplo: Lâmpada de 220V x 60W. Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

8 Potência(P) A potência é medida pelos watts consumidos e por isso seu símbolo mais conhecido é o Watt (W). Na prática, a energia que pagamos à concessionária é medida pelos Watts consumidos, ou mais popularmente Kw/h, kilowatt por hora. Em iluminação, está inserido também no nome dos produtos e indica a quantidade provável de luz que uma lâmpada emite e que nos produtos de última geração, como LEDs, foram modificados os parâmetros, pois em LEDs as potências são substancialmente mais baixas. Incandescente de 127V x 60W Fluor Compacta de 127V x 15W LED de 24V x 1,5W ou mesmo V x 3,5W e 127 ou 220V x 3,5W. Corrente (I) - É a energia elétrica que efetivamente passa pelo fio ou cabo. A medição é em Ampéres (A). Uma corrente alta precisa de uma condutor elétrico (fio) mais grosso e numa corrente menor podemos usar um condutor mais fino. Normalmente em 220V precisamos de um fio mais fino e em 127V mais grosso, pois para uma mesma potência quanto maior a tensão, menor a corrente. Uma boa comparação prática é uma mangueira de água. Quanto maior for a corrente de água, mais grossa deverá ser a mangueira; quanto menor for o fluxo de água, mais fina poderá ser a mangueira. Fios, condutores elétricos e mangueiras, condutoras de água, tem tudo a ver, são similares no funcionamento. LEDs trabalham com correntes muito pequenas, mínimas mesmo, numa faixa em torno de 1A ou menos, sendo normalmente entre 350 a 750mA. Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

9 Lei de OHM - Esta Lei é a que calcula a Resistência Elétrica, mas que usaremos agora, de forma prática-ditática. Para a Potência em Watts, tiramos da fórmula o seguinte: P = V. I 110 W = 220V. 0,5 A 110 W = 110V. 1 A Quanto maior a tensão, menor a corrente, para uma mesma potência. Por essa razão é que nas instalações elétricas em geral, usamos fios mais finos para a tensão em 220V e mais grossos para 127V, como já falamos. Visto essas grandezas e esses conceitos de forma simplificada, vamos em frente, revendo um pouco da história dos LEDs, que como veremos, representam uma fonte de luz muito moderna, mas que, paradoxalmente foi descoberta há mais de um século. Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

10 Capítulo 4 - LEDs LEDs na História: Henry Joseph Round descobre acidentalmente os efeitos físicos da eletroluminescência. Sua pesquisa era sobre radio-transmissão, então o efeito ficou esquecido até Primeiro diodo vermelho é introduzido no mercado, com a tecnologia de Fosfeto de Arseneto de Gálio LED torna-se disponível nas cores verde, laranja e amarelo, sendo os chamados LEDs Radiais O primeiro diodo de Nitreto de Gálio e Indio que emite luz nos espectros azul e verde de maneira extremamente eficiente é lançado. O LED azul é a base para o LED branco. Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

11 Primeiro LED branco é lançado É criado o LED de alta performance, que chega a eficiência de até 120 lm/w com IRC entre Agora que conhecemos um pouco da evolução dessa nova fonte de luz, vamos estudar o seu funcionamento, características e tudo que devemos saber sobre a nova estrela da luz artificial-elétrica Geração de Luz nos LEDs A obtenção da luz através de LEDs ocorre quando os mesmos são diretamente polarizados, permitindo a passagem de uma corrente eletrica. - Os elétrons se movem através da junção PN do semicondutor e se recombinam com as lacunas (cargas positivas). Quando as duas cargas são recombinadas, a luz é emitida. Representação gráfica da geração de luz no LED Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

12 A luz é gerada no LED quando o elétron da banda superior, decaindo, se encontra com o da banda inferior, gerando o fenômeno elétrico que se transforma em luz. Mas para que a luz aconteça, essa junção deve se dar num material que possibilite isso. Esse material não pode ser uma resistência de tungstênio, como no caso das lâmpadas de filamento e muito menos num tubo de descarga, como no caso das fluorescentes e outras lâmpadas de descarga. Na verdade esse material é um elemento químico da tabela periódica, a mesma que aprendemos nos bancos ecolares e que faz parte da matéria da chamada Química Geral. Abaixo vemos a nossa conhecida Tabela Periódica. Esse fenômeno tem variações e, a cada elemento que é utilizado, uma cor de luz é emitida: InGaN = Indium, Gallium, Nitride Para: GREEN, BLUE, WHITE ( tons:verde, azul e branco) Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

13 InGaAlP = Indium, Gallium, Aluminium, Phosphite Para: RED, ORANGE, YELLOW (tons: Vermelho, laranja, amarelo) Nos exemplos acima dá para notarmos que, realmente, cada elemento da tabela periódica proporcionará uma cor de luz. Antes de falarmos com mais detalhes sobre a cor de luz nos LEDs, precisamos esclarecer alguns conceitos da eletrônica, para que o entendimento seja mais fácil. Sendo o LED um Diodo Emissor de Luz, ou seja um dispositivo semicondutor que produz luz, quando polarizado na posição direta em determinado comprimento de onda, precisamos saber, por exemplo, o que é um diodo e o que é um semicondutor, certo? Diodo: É a contração de dois eletrodos. Semicondutor: É um material que não é condutor, nem isolante em relação à eletricidade. O fio elétrico é um condutor de eletricidade; a borracha é isolante na mesma relação. Outros materiais têm essas propriedades, como por exemplo, vários metais que são condutores de eletricidade. Por outro lado, além da borracha, a cortiça, o plástico são isolantes. Quando um material não é o tempo todo condudor e nem isolante, leva o nome de semicondutor. Alguns elementos têm esta propriedade e quando combinados de forma adequada formam o diodo semicondutor. O LED, tema de nosso estudo, é um tipo particular de diodo, ou seja, um semicondutor em estado sólido que converte energia elétrica diretamente em luz. Vimos que o principio de funcionamento do LED baseia-se nos niveis de energia. A tensão aplicada leva os elétrons aos niveis mais altos de energia, que é devolvida, quando eles retornam para seus niveis originais, em forma de luz. - Como elementos diferentes tem diferentes niveis de energia, a cor da luz irradiada(vermelha, verde, laranja, etc.) depende do material utilizado. Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

14 Desta forma, os nomes dos LEDs vem dos elementos da Tabela Periodica que os compõe, conforme vimos nas imagens anteriores. Mas, se cada elemento gera uma cor de luz, sozinhos ou combinados, como se explica que tenhamos LEDs que emitem luz branca. A luz branca nos LEDs foi buscada por muito tempo, pois sem ela continuaríamos a ter apenas os LEDs coloridos, que são bonitos emitem muita luz, mas que na prática não resolviam o nosso problema, que é iluminar ambientes e outros locais onde não dá para abrir mão da luz em várias nuances de branco. Neste momento, temos que mostrar a diferença entre LEDs coloridos, historicamente utilizados para mostrar que o equipamento está ligado e por isso chamados de LEDs de Sinalização, representados pelos LEDs Radiais e os LEDs que hoje iluminam praticamente todos os ambientes e têm o nome de LEDs de Potência. O termo potência nesse caso tem amplo sentido, pois define potência no sentido de muita luz emitida, mas também pela comparação com as lâmpadas tradicionais que, quando com potências maiores, normalmente iluminam mais, mesmo que os LEDs consigam iluminar muito com pouca potência em watts, pouco consumo energético. Geração de Luz Branca nos LEDs Existem três formas gerais de obteção de luz branca nos LEDs: - O primeiro método mistura diretamente luzes de três fontes monocromáticas, vermelhas, verdes e azuis (processo RGB red, green, blue) para produzir uma fonte de luz branca através da combinação das três cores no olho humano. - A segunda técnica usa um LED ultravioleta para excitar uma combinação de fósforos vermelhos, verdes e azuis. - A terceira técnica usa um LED azul para excitar um ou mais fósforos emissores de luz visivel. O LED é projetado para deixar vazar um pouco da luz azul entre o fósforo, para gerar a porção azul do espectro, enquanto o fósforo converte a porção remanescente da luz azul em porções vermelhas e verdes do espectro. Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

15 Das cores saturadas ao LED branco InGaN/ GaN Verde InGaAlP Amarelo V = VerdeGreen 505nm Y = Yellow (InGaAlP) 587nm T = TrueGreen (InGaN) 525nm Laranja P = PureGreen (InGaAlP) 560nm O = Orange (InGaAlP) 605nm G = Green (InGaAlP) Azul B = Blue (InGaN) B = Blue (GaN) 570nm 470nm 466nm Verm. / Laran. A = Org. Red (InGaAlP) 617nm Vermelho S = Super-Red (InGaAlP) 630nm H = Hyper-Red (GaAlAs) 645nm No quadro acima, notamos os diversos elemento químicos e suas respectivas cores de luz que emitem nos LEDs, indicando o comprimento de onda de cada intervalo, em nanômetros (nm). Note que todos dentro do espectro de luz visível ( 380 à 780nm). O LED vermelho é particularmente muito eficiente na geração de luz. No centro do gráfico, notamos a cor branca, resultando da mistura apropriada de todas as cores, alías, como é conhecido do estudo das cores em termos de pigmentação, tintas etc. A maneira mais conhecida de conseguir a luz branca é com a utilização de um LED azul, colocando-se uma camada de fósforo amarelo na superfície. Quando a luz azul atravessa essa camada, se torna luz visível branca. Algo semelhante, mas com outra configuração, ao que acontece na geração de luz nas fluorescentes. LED Branco: Chip Azul + Conversor = Luz Branca Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

16 Para identificar as cores dos LEDs, é utilizada a inicial da palavra em inglês que a define: Código de Cores para os LEDS. W White (Branco) B Blue (Azul) G Green (Verde) A Amber ( Âmbar) R Red (Vermelho Descrevemos algumas características básicas até aqui quanto ao funcionamento dos LEDs e antes que cheguemos naquilo que muitos esperam ansiosos por saber, que é como e onde usar produtos de LEDs, que na verdade são as aplicações dos tipos e nos mais diversos ambientes, temos que aprender um pouco mais sobres eles, justamente por serem um tipo de luz recente e que tem características muito especiais, que se não estudadas, podem nos levar a aplicações erradas. Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

17 4.3 - Gerenciamento Térmico O LED na faixa de luz não emite calor, porém, como se trata de um sistema elétrico, quando em funcionamento, inapelavelmente há geração de calor. No caso dos LEDs, um calor muito intenso que se direciona para a parte de trás, ou seja, inversa a da emissão da luz. Quanto melhor for dissipado esse calor, melhor será o desempenho do produto, seja uma lâmpada ou um módulo de LEDs. A vida dos LEDs e seu desempenho, portanto, tem no calor seu maior inimigo e também deve haver um grande cuidado com a corrente elétrica, que deve ser constante e estabilizada de forma adequada, ou seja, se aumentarmos a corrente acima da que está nominalmente indicada no produto, teremos maior brilho mais luz, porém uma menor vida útil. Comparemos a uma lâmpada de filamento em relação a tensão, quanto mais elevarmos a tensão em relação à nominal, maior será a luz e menor será a vida. Lembrem-se de uma lâmpada em 127V que se instale inadvertidamente numa tensão de 220V, terá um brilho muito intenso e queimará na hora. Ao contrário, quando colocamos uma lâmpada de 220V numa instalação de 127V, durará muitos e muitos anos, mas iluminará muito pouco, quase nada. Nos LEDs, usando esse exemplo, se aplicarmos uma corrente menor, durará mais em termos de vida útil, mas iluminará muito menos. Esse é um dos truques dos produtos que indicam uma vida muito longa, ou seja, não adianta durar muito, tem que durar muito iluminando adequadamente. Então: Mais Calor = Menos luz e menor vida útil Mais corrente = Mais luz e menor vida útil Frio = Bom resfriamento, mais luz, maior vida útil Com essas variáveis, nota-se que os fabricantes de produtos de LEDs podem jogar com elas, fazendo módulos ou lâmpadas de LEDs com mais ou menos vida e com mais ou menos luz, mas sabemos que para usarmos produtos de LEDs, eles devem ter uma Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

18 corrente adequada, correta e um bom gerenciamento térmico. Isso explica porque os bons produtos são mais caros. Um caso sempre muito recorrente foi a iluminação de ambientes frios, como câmaras frias, balcões firgoríficos, pois até agora a única forma de iluminar com eficiência esses ambientes frios era com lâmpadas de filamento, que consomem muita energia mas não sofrem impacto do frio sobre seu funcionamento. As lâmpadas de descarga, como as fluorescentes, por exemplo, quanto mais frio, menos luz produzem e abaixo de zero grau seu funcionamento se torna inconfiável e se for abaixo de 10º negativos, não acendem, não conseguem partir. Os LEDs vieram para solucionar de vez esse problema e com grandes avanços, justamente porque quanto mais baixa for a temperatura ambiente, melhor será seu funcionamento, como vimos acima, e melhor será sua vida útil. Podem notar que esses balcões frigorifícos e freezers de bebidas, sorvetes e outros produtos gelados começam a utilizar de forma muito abundante produtos de LEDs, sejam lâmpadas de LEDS, mas especialmente fitas e barras com um bom IP, especialmente em relação à umidade. Workshop On-Line - Portal Lighting Now - Out/

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer LÂMPADAS A VAPOR DE MERCÚRIO São lâmpadas de descarga à alta pressão. Há no interior da lâmpada um tubo de descarga de quartzo que suporta altas

Leia mais

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Lâmpadas são fontes elementares de luz elétrica. Podemos proteger, refletir, refratar,filtrar, dimerizar, ou simplesmente expor as

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

TOPLEDS Lighting Solutions 1

TOPLEDS Lighting Solutions 1 TOPLEDS Lighting Solutions 1 INOVAÇÃO SUSTENTABILIDADE ECONOMIA LED, sigla em inglês de Diodo Emissor de Luz, é um semicondutor com vida útil extremamente longa, montado em um chip de silício que recebe

Leia mais

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA ÍNDICE I A iluminação no trabalho I.1 A aplicação norma regulamentadora NR 17 do Ministério do Trabalho I.2 Iluminação de Interiores NBR 5413 da ABNT I.3 Como selecionar

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

INFORMAÇÕES TÉCNICAS INFORMAÇÕES TÉCNICAS Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 Permite o uso noturno das edificações e da cidade. Um bom projeto de iluminação deve garantir a possibilidade de executar uma tarefa visual

Leia mais

Investigação e Desenvolvimento

Investigação e Desenvolvimento Investigação e Desenvolvimento Título: Lâmpadas LED vs Lâmpadas Normais. Caso de estudo (trabalho de investigação realizado no âmbito da disciplina de proteção ambiental) Autor: SAj António Coelho (Curso

Leia mais

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES 1 INTRODUÇÃO A energia elétrica é um recurso importante e indispensável em nossas vidas. Além de proporcionar conforto e segurança à população,

Leia mais

Índice. Capítulo 05. Critérios de desempenho do ponto de vista do projeto de iluminação

Índice. Capítulo 05. Critérios de desempenho do ponto de vista do projeto de iluminação Iluminação: Conceitos e Projetos A história da OSRAM está intimamente ligada à história da humanidade, suas relações e descobertas quanto à iluminação, pois sempre teve como meta o novo... o futuro. Isso

Leia mais

Aplicação de Leds e fotometria

Aplicação de Leds e fotometria 40 Capítulo VII Aplicação de Leds e fotometria Por José Gil Oliveira* A iluminação artificial tem sido objeto de evolução tecnológica ao longo dos anos. Atualmente, em face da necessidade do aumento da

Leia mais

LED - ILUMINAÇÃO DE ESTADO SÓLIDO

LED - ILUMINAÇÃO DE ESTADO SÓLIDO LED - ILUMINAÇÃO DE ESTADO SÓLIDO Marcelle Gusmão Rangel, Paula Barsaglini Silva, José Ricardo Abalde Guede FEAU/UNIVAP, Avenida Shisima Hifumi 2911, São José dos Campos - SP marcellerangel@gmail.com,

Leia mais

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Montagem da Barra de LEDs Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer FONTES DE LUZ ARTIFICIAL HISTÓRICO Antes da invenção da lâmpada fogo, velas, lampiões a gás; Primeira lâmpada elétrica Thomas Edson, em 1879;

Leia mais

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO LEDS E OLEDS INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO MÓDULOS LED DAS MAIS ANTIGAS

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

PROJETO DE TROCA DE LÂMPADAS INCANDESCENTES E FLUORESCENTES COMPACTAS POR LÂMPADAS LED

PROJETO DE TROCA DE LÂMPADAS INCANDESCENTES E FLUORESCENTES COMPACTAS POR LÂMPADAS LED PROJETO DE TROCA DE LÂMPADAS INCANDESCENTES E FLUORESCENTES COMPACTAS POR LÂMPADAS LED PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA CELPE, COELBA E COSERN. ECONOMIZE ENERGIA COM LÂMPADA LED A substituição de lâmpadas

Leia mais

ILUMINAÇÃO A LED. c o n h e ç a a U n il e d. já foi o tempo que lâmpada apagada era sinal de economia.

ILUMINAÇÃO A LED. c o n h e ç a a U n il e d. já foi o tempo que lâmpada apagada era sinal de economia. ILUMINAÇÃO A LED c o n h e ç a a U n il e d já foi o tempo que lâmpada apagada era sinal de economia. Quem Somos A 6 anos atuando na importação e distribuição de produtos com tecnologia a LED, trazendo

Leia mais

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski a r t i g o Iluminação comercial Por Rosana Kozlakowski Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? Exemplo de iluminação comercial com LEDs Restaurante Flinstering / Breda - Holanda Lighting Design: Wibeke

Leia mais

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação.

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. Das normas NR 10 são citadas abaixo as normas voltadas para a iluminação: 10.2.3.3. Os postos

Leia mais

Manual de Luminotécnica

Manual de Luminotécnica Apostila auxiliar da disciplina ENE-065 para o curso de Engenharia Elétrica da UFJF Manual de Luminotécnica Prof. Rodrigo Arruda Felício Ferreira 2010 Sumário Grandezas e conceitos... 1 Tipos e características

Leia mais

O futuro da iluminação.

O futuro da iluminação. www.osram.com.br O futuro da iluminação. PORTFÓLIO COMPLETO! LampLEDs para iluminação geral e iluminação de efeito. www.osram.com.br O futuro da iluminação. Para a OSRAM, especialista em iluminação, os

Leia mais

PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA DO PROFESSOR 2 APOSTILA DO PROFESSOR PRÁTICA N 1 - Dispositivos de comando de iluminação. LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA

Leia mais

Iluminação LED de nível alto

Iluminação LED de nível alto Iluminação LED de nível alto Sistemas de iluminação em linha com LED As séries E4, E5 e E7 da ETAP oferecem uma vasta gama de iluminação LED para espaços com pé direito elevado, como pavilhões industriais,

Leia mais

FOTO = luz GRAFIA = escrever

FOTO = luz GRAFIA = escrever Iluminação FOTO = luz GRAFIA = escrever Joseph Nicéphore Niépce - 1826 Por definição, fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando esta em uma superfície

Leia mais

TECNOLOGIA LED LÂMPADAS E LUMINÁRIAS 2014-2015

TECNOLOGIA LED LÂMPADAS E LUMINÁRIAS 2014-2015 TECNOLOGIA LED LÂMPADAS E LUMINÁRIAS 2014-2015 3 5 7 18 22 Sobre a Sylvania Conceitos de Iluminação Lâmpadas Tabelas de Equivalência Luminárias 36 3 SOBRE A SYLVANIA Sylvania é uma companhia líder global

Leia mais

No Hiper Bergamini, a iluminação valoriza os produtos e dá vida à loja

No Hiper Bergamini, a iluminação valoriza os produtos e dá vida à loja Luz para as vendas A boa iluminação tem influência positiva nas vendas. O supermercadista pode tirar melhor proveito de um item que hoje oferece maior eficiência e menor gasto de energia POR MIRIAM NOVAES

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo DIODO SEMICONDUOR INRODUÇÃO Materiais semicondutores são a base de todos os dispositivos eletrônicos. Um semicondutor pode ter sua condutividade controlada por meio da adição de átomos de outros materiais,

Leia mais

Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento.

Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento. 4. CÁLCULO LUMINOTÉCNICO 4.1. Definições Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento. Iluminância (E): relaciona a luz que

Leia mais

Cálculos e Projetos Método dos Lúmens

Cálculos e Projetos Método dos Lúmens Cálculos e Projetos Método dos Lúmens Lâmpadas Incandescentes e Halógenas Lâmpadas Fluorescentes Lâmpadas de Descarga - HID Fontes de Luz Fontes de Luz Forma de Emissão de Luz Incandescência de um Filamento

Leia mais

OBSERVANDO ESPECTROS LUMINOSOS - ESPECTROS- CÓPIO PORTÁTIL *

OBSERVANDO ESPECTROS LUMINOSOS - ESPECTROS- CÓPIO PORTÁTIL * OBSERVANDO ESPECTROS LUMINOSOS - ESPECTROS- CÓPIO PORTÁTIL * Francisco Catelli Simone Pezzini Departamento de Física e Química Universidade de Caxias do Sul Caxias do Sul RS Resumo Descreve-se a obtenção

Leia mais

www.asbled.com.br EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED.

www.asbled.com.br EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED. EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED. Nossa missão é fornecer soluções em iluminação LED, aliando economia à sustentabilidade.

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014 EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO EDITAL N.º 1- UFPA de 13/01/2014 30 de março de 2014 Nome: N.º de Inscrição: BOLETIM DE QUESTÕES

Leia mais

Materiais usados em resistores

Materiais usados em resistores Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Elétrica Materiais usados em resistores EEL7051 Laboratório de Materiais Elétricos Aluno: Cristiano P. Costa Neves Turma:

Leia mais

ERGONOMIA. Introdução

ERGONOMIA. Introdução ERGONOMIA AULA 10: Iluminação no ambiente de trabalho Introdução Objetivo: uma boa iluminação do ambiente de trabalho contribui para aumentar a satisfação, melhorar a produtividade e reduzir a fadiga e

Leia mais

Iluminando com Luz Fria

Iluminando com Luz Fria 1 Fonte: Lumatek Iluminação http://www.luzfria.com.br/web/catalogo/tutorial_iluminando_lf.htm Iluminando com Luz Fria As lâmpadas fluorescentes são uma eficiente fonte de luz, com qualidades que nenhum

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede FEAU/UNIVAP, Avenida Shisima Hifumi 2911, São José dos Campos - SP

Leia mais

Introdução. Luminotécnica Básica

Introdução. Luminotécnica Básica Introdução O estudo da luminotécnica se faz cada vez mais necessário na época atual, pois a tecnologia avança a passos largos e a cada ano que passa temos: lâmpadas menores e cada vez mais eficientes,

Leia mais

EXTERIORES LED Luminárias LED para exteriores 2015

EXTERIORES LED Luminárias LED para exteriores 2015 EXTERIORES LED Luminárias LED para exteriores 2015 CONTEÚDO LUMINÁRIS LED para parques e jardins Lluna LED Moonlight LED Ovni LED Rubi LED Diamond LED Wally LED ullet LED qua LED Petit LED & H2O LED 7

Leia mais

Vejamos alguns dados técnicos É imprescindível a necessidade de adaptação com alguns termos e abreviaturas normalmente usadas.

Vejamos alguns dados técnicos É imprescindível a necessidade de adaptação com alguns termos e abreviaturas normalmente usadas. D IODO LED E D ISPLAY DE SETE SEGMENTOS O Diodo LED, é um diodo com uma finalidade especifica, emitir Luz. Os LEDs assim como os diodos retificadores possuem dois terminais, que são ânodo (A) e cátodo

Leia mais

As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts.

As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts. As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts. Incandescente E27 E14 LED Lúmens 100W 1400 1300 1350lm 16W 1200 1100 1000

Leia mais

Soluções de iluminação LED

Soluções de iluminação LED Soluções de iluminação LED SOLUÇÕES DE ILUMINAÇÃO LED 2 LED SOLUTIONS 3 anos Benefícios das lâmpadas : O que a oferece a você: Economia de energia de até 85% comparando-se com as lâmpadas incandescentes

Leia mais

Calculando resistor limitador para LED.

Calculando resistor limitador para LED. Calculando resistor limitador para LED. Texto Adaptado de: http://www.py2bbs.qsl.br/led.php. Acesso em: 01/03/2011 Aviso: Leia este texto completamente, não pule partes, pois explico o básico do básico

Leia mais

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário Código: Un pç ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Definições 4 Requisitos Gerais 5 Requisitos Específicos 6 Funcionamento 7 Características

Leia mais

Viabilizando a troca

Viabilizando a troca LEDs versus Lâmpadas Convencionais Viabilizando a troca Francis Bergmann Bley francis@bley.com.br Pós-graduação em Iluminação e Design de Interiores Resumo O presente artigo tem como principal objetivo

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC)

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC) PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN Iluminação Cores Ventilação Temperatura AMBIÊNCIA Umidade Ruído Material de revestimento Profa. Flávia Milagres Campos Ambiente aconchegante e agradável para clientese funcionários:

Leia mais

Iluminação Fotográfica

Iluminação Fotográfica 1 Iluminação Fotográfica Primeiramente, deveríamos lembrar da necessidade da luz para a realização de uma fotografia. Sem a luz, não há fotografia, expressão que significa gravar com a luz. Logo, a principal

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. Prof.

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ILUMINAÇÃO EM LED: TENDÊNCIA MUNDIAL. A utilização da iluminação em LED, além de oferecer produtos com maior durabilidade e segurança, minimizam o custo e o consumo de energia elétrica,

Leia mais

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores.

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. Circuitos com Diodos Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. O TRANSFORMADOR DE ENTRADA As companhias de energia elétrica no Brasil fornecem.umatensão senoidal monofásica de 127V

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes Curso Técnico Segurança do Trabalho Identificação e Análise de Riscos Identificação e Análise de Riscos Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes Segundo a NR15 Anexo 7: Radiações não-ionizantes são as microondas,

Leia mais

Iluminação comercial: considerações + dois casos de migração para a tecnologia LED

Iluminação comercial: considerações + dois casos de migração para a tecnologia LED Iluminação comercial: considerações + dois casos de migração para a tecnologia LED *Por Eduardo E. Dutra Rodrigues e Moshe Gorban O tema iluminação comercial é bastante rico, amplo e complexo. A fim de

Leia mais

Lâmpadas LED GE energy smart

Lâmpadas LED GE energy smart GE Iluminação Lâmpadas imagination at work a iluminação se faz digital Principais aplicações Aplicações de iluminação dirigida e acentuada, em uso doméstico e comercial (hotéis, comércios, etc). ILUMINAÇÃO

Leia mais

Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo. Espectros de emissão e de absorção

Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo. Espectros de emissão e de absorção Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo Espectros de emissão e de absorção O Espetro Eletromagnético 2 Auguste Comte A propósito dos astros, no séc. XIX afirma Poderemos determinar

Leia mais

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica professor Rafael Hoffmann Cor Modelos cromáticos - Síntese aditiva/cor-luz Isaac Newton foi o responsável pelo desenvolvimento da teoria das cores. Em

Leia mais

Fenômeno Físico Como a cor acontece

Fenômeno Físico Como a cor acontece Fenômeno Físico Como a cor acontece Teoria das Cores Definição Expressa uma sensação visual que nos oferece a natureza através dos raios de luz irradiados em nosso planeta. A cor não existe, materialmente

Leia mais

Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO. AlbaLED Cores Piscina

Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO. AlbaLED Cores Piscina Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO AlbaLED Cores Piscina Copyright G2N Automação Indústria e Comércio Ltda. 2009. AlbaLED Cores Piscina Este Guia do Instalador e Manual do Usuário foi publicado pela

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE PLANCK ATRAVÉS DE DISPOSITIVO EMISSOR DE LUZ (LED) Palavras-chave: LED; Constante de Planck ; Efeito fotoelétrico.

DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE PLANCK ATRAVÉS DE DISPOSITIVO EMISSOR DE LUZ (LED) Palavras-chave: LED; Constante de Planck ; Efeito fotoelétrico. DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE PLANCK ATRAVÉS DE DISPOSITIVO EMISSOR DE LUZ (LED) Augusto Massashi Horiguti Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-Bento Gonçalves Ivânia de Oliveira Licenciada

Leia mais

GE Iluminação. Lâmpadas Eletrônicas. Integradas e Não Integradas. imagination at work

GE Iluminação. Lâmpadas Eletrônicas. Integradas e Não Integradas. imagination at work GE Iluminação Lâmpadas Eletrônicas Integradas e Não Integradas imagination at work Economiza até % de energia* s e s Utilize as lâmpadas da GE para decorar seus ambientes. As lâmpadas Fluorescentes Compactas

Leia mais

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net COR: -Instalação rápida e fácil, fixação com resina, ondulação de 2 a 4 mm para passagem dos cabos de energia. - Pode ser instalada em piscinas ou hidromassagens onde não tenha sido previsto sistema de

Leia mais

Capítulo 5 - Eficiência dos LEDs x outras fontes

Capítulo 5 - Eficiência dos LEDs x outras fontes Capítulo 5 - Eficiência dos LEDs x outras fontes Nesse aspecto temos de ter muito cuidado, pois se os LEDs são muito eficientes quando comparados às lâmpadas de filamento, poupando na faixa de 75 à 80%

Leia mais

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS )

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 2 - OBJETIVOS: 1) CONCEITOS BÁSICOS DE FOTOMETRIA E DA AÇÃO DA LUZ SOBRE O OLHO 2) TIPOS DE LÂMPADAS 2.1) LÂMPADAS

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA XVII Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores de Energia Elétrica Vitória, 26 e 27 de Novembro de 2015 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Julian Villelia Padilla Conteúdo: Conceitos básicos. Aplicações típicas

Leia mais

3 Transdutores de temperatura

3 Transdutores de temperatura 3 Transdutores de temperatura Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM 2008), sensores são elementos de sistemas de medição que são diretamente afetados por um fenômeno, corpo ou substância

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 São estratégias de projeto que devem ser adotadas quando não se consegue tirar partido dos recursos naturais. Geralmente são indispensáveis

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco.

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco. Painel de Plasma Esse tutorial apresenta os conceitos básicos da tecnologia empregada em painéis de plasma e suas principais características. Anderson Clayton de Oliveira Graduado em Engenharia Elétrica

Leia mais

Goniofotometria e suas contribuições para a Iluminação Pública

Goniofotometria e suas contribuições para a Iluminação Pública Goniofotometria e suas contribuições para a Ivo Ázara Pesquisador no Laboratório de Radiometria e Fotometria (Laraf) O que é goniofotometria? Fotometria Medição da luz visível reproduzindo a sensibilidade

Leia mais

23/5/2010. Circuitos Elétricos 2º Ano Engenharia da Computação SEMICONDUTORES

23/5/2010. Circuitos Elétricos 2º Ano Engenharia da Computação SEMICONDUTORES ESTUDO DO Os átomos de germânio e silício tem uma camada de valência com 4 elétrons. Quando os átomos de germânio (ou silício) agrupam-se entre si, formam uma estrutura cristalina, ou seja, são substâncias

Leia mais

Segredos da Iluminação

Segredos da Iluminação Introdução Reunimos neste guia, informações de A az sobre luminárias e iluminação. Esperamos que ele seja de grande utilidade para você. 1 Abertura de Facho Trata-se do ângulo sólido luminoso formado em

Leia mais

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães 1 de 9 01/11/2010 22:17 Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães O sistema mais utilizado atualmente para a iluminação de piscinas é composto por projetores submersíveis, portanto, instalados

Leia mais

Porque as. cores mudam?

Porque as. cores mudam? Porque as cores mudam? O que são cores? As cores não existem materialmente. Não possuem corpo, peso e etc. As cores correspondem à interpretação que nosso cérebro dá a certo tipo de radiação eletro-magnética

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DIODO EMISSOR DE LUZ (LED) PARA ILUMINAÇÃO DE INTERIORES. Douglas Coelho Marteleto

AVALIAÇÃO DO DIODO EMISSOR DE LUZ (LED) PARA ILUMINAÇÃO DE INTERIORES. Douglas Coelho Marteleto AVALIAÇÃO DO DIODO EMISSOR DE LUZ (LED) PARA ILUMINAÇÃO DE INTERIORES. Douglas Coelho Marteleto PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS Thiago de Carvalho Sousa (UVV) thiagocs01@hotmail.com Lucca de Carvalho De Biase

Leia mais

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1 1 2 3 4 5 COMPOSIÇÃO DA MATÉRIA O uso prático da eletricidade já é do conhecimento humano à mais de cem anos. A eletricidade consiste do movimento de elétrons em um condutor. Para poder entender o que

Leia mais

Produtos LED Linha Alta Performance

Produtos LED Linha Alta Performance Produtos LED Linha Alta Performance Fichas Técnicas / Setembro 2014 Rev.2.1 Lâmpada Tubular LED Lâmpada Tubular LED Lâmpada Tubular HO LED Lâmpada Tubular LED Lâmpada Tubular LED Lâmpada Tubular LED Lâmpada

Leia mais

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada 2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada A luz está presente em praticamente todos os momentos de nossas vidas e tem fundamental importância para a sobrevivência da vida no planeta. Atualmente,

Leia mais

Nível é a altura do conteúdo de um reservatório que pode ser sólido ou líquido. Os três tipos básicos de medição de nível são: a) direto b) indireto

Nível é a altura do conteúdo de um reservatório que pode ser sólido ou líquido. Os três tipos básicos de medição de nível são: a) direto b) indireto 4 NÍVEL Nível é a altura do conteúdo de um reservatório que pode ser sólido ou líquido. Os três tipos básicos de medição de nível são: a) direto b) indireto 4.1 Medição Direta É a medição que tomamos como

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 5 Luminotécnica Porto Alegre - 2012 Tópicos A importância da boa iluminação Conceitos básicos de luminotécnica Grandezas e unidades

Leia mais

LUMINÁRIA DE LED COM CONTROLE DE AUTOMATIZADO DE LUMINOSIDADE

LUMINÁRIA DE LED COM CONTROLE DE AUTOMATIZADO DE LUMINOSIDADE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ELETROTÉCNICA TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LUIZ GUILHERME ALVES LUMINÁRIA DE LED COM CONTROLE DE AUTOMATIZADO DE LUMINOSIDADE TRABALHO DE

Leia mais

PIRÔMETROS RESUMO. Palavras-chaves: pirometria, temperatura, pirômetro, radiação eletromagnética.

PIRÔMETROS RESUMO. Palavras-chaves: pirometria, temperatura, pirômetro, radiação eletromagnética. PIRÔMETROS ISABELLE PEREIRA GOMES 1 RAPHAEL RIBEIRO PEREIRA² KATHLEEN VASCONCELLOS³ PROFESSOR ORIENTADOR: LEONARDO VIDAL RESUMO Este artigo trata sobre a medição de temperatura pelo processo de pirometria,

Leia mais

A empresa opera nas seguintes áreas de negócio:

A empresa opera nas seguintes áreas de negócio: A ENP Energias Renováveis Portugal, SA, foi constituída em 2007 e faz parte do universo do Grupo Salvador Caetano, desenvolve a sua actividade no mercado das energias renováveis, da sustentabilidade e

Leia mais

fig. 1 - símbolo básico do diodo

fig. 1 - símbolo básico do diodo DIODOS São componentes que permitem a passagem da corrente elétrica em apenas um sentido. Produzidos à partir de semicondutores, materiais criados em laboratórios uma vez que não existem na natureza, que

Leia mais

Fontes Artificiais de Luz: Características e Novas Tecnologias

Fontes Artificiais de Luz: Características e Novas Tecnologias 1 Encontro Nacional de Iluminação de Monumentos e Conjuntos Urbanos Protegidos Fonte Schréder Mercado Municipal de São Paulo Projeto: Franco & Fortes Lighting Design Senzi Consultoria Luminotécnica Fontes

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos 2013 Iluminação LED significa uma elevada poupança na fatura de electricidade, que pode exceder os 80%. As lâmpadas da mais recente tecnologia de iluminação aplicam-se de forma simples

Leia mais

Lâmpadas LED. Rua Joaquim Galvão, 198 CEP. 05627-010 - SP. Telefone: 55 (11) 3501-2886 Fax: 55 (11) 2338-1050

Lâmpadas LED. Rua Joaquim Galvão, 198 CEP. 05627-010 - SP. Telefone: 55 (11) 3501-2886 Fax: 55 (11) 2338-1050 Lâmpadas LED Lâmpadas LED da Technosol Modernidade e simplicidade numa infindável variedade Está à procura de cor e ambiente? Anseia acentuar os seus espaços favoritos e imagens? Deseja decorar a sua casa

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DA TROCA DE SOLUÇÕES CONVENCIONAIS POR LÂMPADAS LEDs

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DA TROCA DE SOLUÇÕES CONVENCIONAIS POR LÂMPADAS LEDs UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DA TROCA DE SOLUÇÕES CONVENCIONAIS POR LÂMPADAS LEDs NOME: Ivan

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

Uso da Tecnologia de Estado Sólido (LEDs) na Iluminação Pública. Autor: João Gabriel Pereira de Almeida Rio de Janeiro 24 de maio de 2005

Uso da Tecnologia de Estado Sólido (LEDs) na Iluminação Pública. Autor: João Gabriel Pereira de Almeida Rio de Janeiro 24 de maio de 2005 Uso da Tecnologia de Estado Sólido (LEDs) Autor: João Gabriel Pereira de Almeida Rio de Janeiro 24 de maio de 2005 O que é o LED (light emitting diode)*? Diodo semicondutor: dispositivo eletrônico que

Leia mais

Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation

Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação Características da luz laser Monocromática Colimada Coerente EXEMPLOS: Características específicas

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Catálogo 2015 2016 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Há muitas formas de perceber uma oportunidade. Muitas tentativas de encontrar a decisão certa para reduzir custos e tornar seu negócio mais lucrativo. Estar preparado

Leia mais

201 6 Iluminação LED

201 6 Iluminação LED 201 6 Iluminação LED As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts. Incandescente E27 E14 LED Lúmens 100W 1400 1300 1350lm

Leia mais

Luminária de LED Ágata Cód. 09591

Luminária de LED Ágata Cód. 09591 Luminária de LED Ágata Cód. 09591 1 Luminária de LED Ágata Cód. 09591 Características A LUMINÁRIA ÁGATA reúne desempenho, segurança e confiabilidade para atender as especificações dos sistemas de iluminação

Leia mais

Semáforo inovador: lente especial distribui e emite efeito luminoso dos LEDs

Semáforo inovador: lente especial distribui e emite efeito luminoso dos LEDs Semáforo inovador: lente especial distribui e emite efeito luminoso dos LEDs > TECNOLOGIA ÓPTICA A revolução dos LEDs Pesquisadores de São Carlos desenvolvem equipamentos com diodos emissores de luz YURI

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para determinado iluminamento: Pela carga mínima exigida por normas (aproximação de referência); Método dos Lúmens; Método

Leia mais