PROPRIEDADES DA LUZ Ondas Eletromagnéticas ondas eletromagnéticas Velocidade de Ondas Eletromagnéticas O Espectro Eletromagnético

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPRIEDADES DA LUZ Ondas Eletromagnéticas ondas eletromagnéticas Velocidade de Ondas Eletromagnéticas O Espectro Eletromagnético"

Transcrição

1 PROPRIEDADES DA LUZ A luz é a única coisa que nós realmente vemos. Mas o que é a luz? Sabemos que durante o dia a fonte principal de luz é o Sol, e a secundária o brilho do céu. Outras fontes de luz comuns são as chamas, os filamentos brancos e quentes das lâmpadas incandescentes e o gás que brilha em tubos de vidro. A luz se origina dos movimentos acelerados dos elétrons. Ela é um fenômeno eletromagnético e constitui apenas uma minúscula parte de um todo maior a larga faixa das ondas eletromagnéticas chamada de espectro eletromagnético. Ondas Eletromagnéticas Movimente a extremidade de uma barra para frente e para trás, na superfície da água, e você produzirá ondas na superfície. Analogamente, se balançar um bastão eletricamente carregado para lá e para cá, estará produzindo ondas eletromagnéticas no espaço. Isso, porque cargas elétricas em movimento constituem uma corrente elétrica. O que circunda uma corrente elétrica? A resposta é: um campo magnético. Os campos elétrico e magnético oscilantes regeneram um ao outro, formando desta maneira ondas eletromagnéticas, que emanam (dirigem-se para fora) das cargas vibrantes. Existe apenas um valor de rapidez, por sua vez, para o qual os campos elétrico e magnético mantêm-se em perfeito equilíbrio, com um reforçando o outro enquanto transportam energia através do espaço. Vamos ver por que isso acontece desta maneira. 1 Velocidade de Ondas Eletromagnéticas Uma espaçonave cruzando o espaço pode ganhar ou perder velocidade, mesmo com seus motores estando desligados, pois a gravidade pode acelerá-la ou desacelerá-la. Mas uma onda eletromagnética se propagando no espaço jamais altera sua rapidez. Não porque a gravidade não atue sobre a luz, pois ela o faz. A gravidade pode alterar a frequência da luz ou desviá-la mas não pode alterar a rapidez de propagação da luz. O que mantém a luz se propagando no espaço livre sempre com a mesma rapidez? A resposta está relacionada com a indução eletromagnética e a conservação da energia. Se a luz desacelerasse, seu campo elétrico variável geraria um campo magnético mais fraco, o qual, por sua vez, geraria um campo elétrico mais fraco, e assim por diante, até que a onda se extinguisse. Mas o que aconteceria, então, com a energia dos campos? Se os campos se extinguissem sem ter meios de converter a energia para alguma outra forma, a energia estaria sendo perdida. Isso é incompatível com a lei da conservação da energia. Portanto, a luz não pode desacelerar. Se a luz acelerasse, um argumento parecido se aplicaria. O campo elétrico variável geraria um campo magnético mais forte, o qual, por sua vez, geraria um campo elétrico mais forte, e assim por diante, num crescendo sem fim de intensidade de campo e de energia claramente, algo que é proibido pela conservação da energia. Existe apenas um valor de rapidez com o qual a indução mútua entre esses dois campos continua a ocorrer indefinidamente, sem que haja perda ou ganho de energia. A partir de suas equações para a indução eletromagnética, Maxwell calculou este valor crítico de rapidez e obteve o resultado de km/s. O Espectro Eletromagnético No vácuo, as ondas eletromagnéticas se propagam com a mesma rapidez e diferem entre si nas suas frequências. A classificação das ondas eletromagnéticas, baseada na frequência, constitui o espectro eletromagnético. Já se detectou ondas eletromagnéticas com frequências abaixo de 0,01 Hz. Ondas eletromagnéticas com frequências de vários milhares de hertz (khz) são classificadas como ondas de rádio de frequência muito baixa. Uma frequência de milhão de hertz (MHz) situa-se no meio da banda de rádio AM. A banda de televisão, de frequência VHF ( Very High Frequency, frequência muito alta) começa em cerca de 50 MHz, e a de rádio FM vai de 88 a 108 MHz. Começa, então, a faixa das frequências UHF ( Ultra High Frequency, frequência ultra alta), seguida das micro-ondas, além das quais encontramos as ondas infravermelhas, costumeiramente chamadas de ondas de calor. Além dessas, se encontram as frequências da luz visível, que constituem menos do que 1% do espectro eletromagnético medido. As frequências mais baixas que podemos enxergar aparecem como luz

2 vermelha. As frequências mais altas de luz visível são aproximadamente duas vezes maiores do que as do vermelho, e aparecem como luz violeta. Frequências ainda mais altas constituem o ultravioleta. Essas ondas de frequência mais alta causam queimaduras à pele. Frequências mais altas, além do ultravioleta, se estendem para as regiões dos raios X e dos raios gama. Não existem fronteiras bem definidas entre essas regiões, que, de fato, se superpõem. O espectro é dividido nessas regiões arbitrárias apenas por razões de classificação. Os conceitos e relações dos quais tratamos antes, em nosso estudo do movimento ondulatório aplicam-se aqui também. Lembre-se de que a frequência de uma onda é idêntica à da fonte vibratória. O mesmo segue sendo verdade aqui: a frequência de uma onda eletromagnética no espaço é idêntica à frequência da carga elétrica oscilante que a gerou. Frequências diferentes correspondem a diferentes comprimentos de onda ondas de baixa frequência possuem longos comprimentos de onda, e as de frequências altas, possuem pequenos comprimentos de onda. Por exemplo, uma vez que a rapidez de propagação da onda é de quilômetros por segundo, uma carga elétrica que oscile uma vez por segundo (1 hertz) produzirá uma onda com comprimento de onda quilômetros. Isso porque apenas um comprimento de onda é gerado durante 1 segundo. Se a frequência da oscilação fosse de 10 hertz, então 10 comprimentos de onda seriam formados a cada segundo e o correspondente comprimento de onda seria de quilômetros. Assim, quanto mais alta for a frequência da carga oscilatória, mais curto será o comprimento de onda da radiação produzida. 2 Sombras Um feixe estreito de luz é costumeiramente chamado de raio. Quando ficamos de pé à luz do Sol, parte da luz é interceptada por nossos corpos, enquanto outros seguem adiante em linha reta. Nós projetamos uma sombra uma região onde os raios de luz não conseguem chegar. Se estamos próximos à nossa sombra, suas bordas são nítidas porque o Sol está muito distante. Tanto uma fonte de luz grande e distante como uma pequena e próxima projetarão sombras nítidas. Uma fonte luminosa grande e relativamente próxima produz uma sombra pouco nítida. Normalmente existe uma parte bem escura mais interna e uma parte mais clara ao longo das bordas de uma sombra. A parte mais escura é chamada de umbra e a parte menos escura da sombra é a penumbra. A penumbra ocorre numa região para a qual parte da luz foi bloqueada, mas que ainda é alcançada por outros raios. Isso ocorre naquela região porque a luz bloqueada provém de uma determinada fonte luminosa, enquanto a luz que nela incide provém de outra fonte. A penumbra também ocorre onde a luz incidente proveniente de uma fonte extensa é bloqueada apenas parcialmente. Tanto a Terra como a Lua projetam sombras quando a luz solar incide nelas. Quando a trajetória de um desses corpos atravessa a sombra projetada pelo outro, ocorre um eclipse. Um exemplo dramático de umbra e de penumbra ocorre quando a sombra da Lua cai sobre a Terra durante um eclipse solar. Por causa do grande tamanho do Sol, os raios se estreitam para formar uma umbra e uma penumbra ao seu redor. Se você ficar na parte da umbra da sombra, experimentará escuridão durante o dia um eclipse total. Se ficar na penumbra, experimentará um eclipse parcial, pois enxergará um crescente solar. Num eclipse lunar, a Lua atravessa a sombra da Terra. Cor As rosas são vermelhas e as violetas são azuis; as cores intrigam artistas e físicos. Para o físico, as cores de um objeto não estão nas substâncias dos próprios objetos, ou mesmo na luz que eles emitem ou refletem. A cor é uma experiência fisiológica e reside no olho do espectador. Portanto, quando dizemos que a luz de uma rosa é vermelha, num sentido estrito queremos dizer que ela aparece como vermelha. Muitos organismos, o que inclui pessoas com visão deficiente para cores, não enxergam as rosas como vermelhas de jeito nenhum. As cores que vemos dependem da frequência da luz incidente. Luzes com frequências diferentes são percebidas em diferentes cores; a luz de frequência mais baixa que podemos detectar aparece para a maioria das pessoas como a cor vermelha, e as de mais alta frequência como violeta. Entre elas, existe uma faixa com um número infinito de matizes que formam o espectro de cor de um arco-íris. Por

3 convenção, esses matizes são agrupados em sete cores, vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, índigo e violeta. Juntas, essas cores aparecem como o branco. A luz branca do Sol é uma composição de todas as frequências visíveis. 3 Por que o Céu é Azul Nem todas as cores são o resultado da adição ou subtração de luzes. Determinadas cores, tais como o azul do céu, resultam de espalhamento seletivo. Quanto menor for a partícula, mais luz de alta frequência será reemita por ela. Isto se parece com a situação em que sinos pequenos soam com notas mais altas do que sinos grandes. As moléculas de oxigênio e nitrogênio, que formam a maior parte da atmosfera, são análogas a minúsculos sinos que soam em altas frequências quando energizadas pela luz solar. Como o som dos sinos, a luz é reemitida em todas as possíveis direções. Quando isso acontece, dizemos que a luz está sendo espalhada. Das frequências visíveis que formam a luz solar, o violeta é espalhado principalmente pelo nitrogênio e pelo oxigênio da atmosfera, seguido pelo azul, o verde, o amarelo, o laranja e o vermelho, nessa ordem. O vermelho é espalhado numa proporção que corresponde a um décimo do espalhamento sofrido pelo violeta. Embora a luz violeta seja mais espalhada do que o azul, nossos olhos não são muito sensíveis ao violeta. Portanto é a luz azul espalhada que predomina em nossa visão, razão pela qual enxergamos um azul! O azul do céu varia de lugar para lugar, sob condições diferentes. O fator principal é a quantidade de vapor d água existente na atmosfera. Em dias secos e claros, o céu é de um azul muito mais profundo do que em dias nos quais é grande a umidade. Lugares onde o ar é excepcionalmente seco, tal como a Itália ou a Grécia, possuem um céu maravilhosamente azul que tem inspirado os pintores por séculos. Onde a atmosfera contém um número grande de partículas de poeira e outras partículas maiores do que as moléculas de N 2 e de O 2, a luz com frequência mais baixa também é fortemente espalhada. Isso torna o céu menos azul, e lhe confere um aspecto esbranquiçado. Após uma chuva forte, quando a maior parte das partículas são retiradas da atmosfera, o céu adquire um aspecto azul mais profundo. Por que o Pôr-do-Sol é Vermelho? A luz que não é espalhada é luz transmitida. Como as luzes vermelha, laranja e amarela são as menos espalhadas pela atmosfera, elas são as que melhor se transmitem através do ar. O vermelho, que é a menos espalhada e, portanto, a que melhor é transmitida, atravessa mais atmosfera do que as outras cores. Assim, quanto mais espessa é a atmosfera através da qual um feixe de luz solar deve se propagar, mais tempo existe para espalhar todas as componentes de frequências mais altas da luz. Isso significa que a luz que melhor atravessa o ar é a vermelha. a luz solar se propaga através de uma atmosfera mais espessa durante o pôr-do-sol, razão pela qual o poente (ou a aurora) é avermelhado. Ao meio-dia, a luz solar atravessa uma camada menos espessa de atmosfera, até alcançar a superfície da Terra. Apenas uma pequena quantidade da luz de alta frequência da luz solar é espalhada, o suficiente para dar ao Sol uma aparência amarelada. À medida que avança o dia e o Sol torna-se mais baixo no céu, o caminho da luz através da atmosfera vai tornando-se mais comprido, com mais azul e violeta da luz sendo espalhados. A remoção do violeta e do azul deixa a luz transmitida mais avermelhada. O Sol torna-se gradualmente mais avermelhado, indo do amarelo ao laranja e, finalmente, ao laranja-avermelhado no pôr-do-sol. Os poentes e as auroras ficam mais coloridos do que o normal após erupções vulcânicas, porque partículas maiores do que as moléculas atmosféricas são, então, mais abundantes no ar do que o normal. Por que as Nuvens são Brancas? As nuvens são formadas por gotículas de água dos mais variados tamanhos. Esses diferentes tamanhos espalham luzes com uma variedade de frequências: as menores espalham mais azul que outras cores; aquelas que são ligeiramente maiores, espalha, frequências ligeiramente menores, digamos, verde; e aquelas ainda maiores espalham mais o vermelho. O resultado geral é uma nuvem branca.

4 Dentro de uma gotícula da nuvem, os elétrons próximos oscilam juntos, no mesmo ritmo, o que numa maior intensidade da luz espalhada do que quando o mesmo número de elétrons oscila independentemente. É daí que tem origem o brilho das nuvens! Um agrupamento das gotas maiores absorve boa parte da luz que nelas incide, de modo que a intensidade da luz espalhada é menor. Isso contribui para a cor escura de nuvens formadas por gotículas maiores. Se o tamanho das gotas aumentar mais ainda, elas podem vir a cair na forma de gotas, e temos chuva. 4 OS FENÔMENOS ÓPTICOS Quantas vezes e em quantos lugares você já ouviu ou fez perguntas como: Por que o céu é azul?, Por que ocorre o arco-íris?, Por que a água do mar parece mudar de cor?. E quantas crianças já não ficaram intrigadas, achando que a imagem delas formada no espelho era de uma outra pessoa? Estas situações são explicadas pelos fenômenos ópticos. São considerados fenômenos ópticos as cores, a formação de imagens nos espelhos e nas lentes, o arco-íris, a difração e a interferência da luz, entre outros. A Física divide o estudo dos fenômenos ópticos em duas áreas: a óptica geométrica, que trata da trajetória dos raios de luz sem estudar do que a luz é feita; e a óptica física, que estuda os fenômenos relacionados à luz, por meio da sua natureza. REFLEXÃO O fato de podermos enxergar um objeto não luminoso deve-se à reflexão da luz. Em alguns lugares do Brasil, é comum as pessoas pendurarem sacos plásticos transparentes, com água, nas paredes de suas casas, a fim de espantar as moscas. Isso porque os insetos orientam seu vôo pelos focos de luz que incidem sobre seus olhos. Quando estão ao ar livre, os insetos não perdem o rumo, porque os raios provenientes do Sol incidem paralelamente sobre seus olhos. Os sacos plásticos cheios de água refletem, porém irregularmente, esses raios, que incidem em diversos pontos dos olhos dos insetos, fazendo com que percam o rumo e fiquem chocando-se insistentemente nos sacos. O mesmo pode-se dizer das lâmpadas e das mariposas noturnas: quando entram em nossas casas, desviam suas rotas e chocam-se contra as lâmpadas: os raios de luz irregulares fazem com que elas percam o rumo. Há os espelhos esféricos (não planos; em forma de curva), que podem ser de dois tipos: côncavos e convexos, dependendo da face que reflete a luz. Nas portas de elevadores, garagens, ônibus e retrovisores de carro são utilizados os espelhos convexos, cuja superfície externa é aquela que reflete a luz. Os espelhos convexos aumentam o campo visual, ou seja, aumentam a região observada pela reflexão, comparando-se com o espelho plano. Os espelhos esféricos côncavos são aqueles cuja superfície refletora é a interna (imagine a parte interna de uma colher). Eles são utilizados para formar uma imagem virtual maior do que o tamanho do objeto. Os espelhos de maquiagem são côncavos: eles fornecem uma imagem ampliada do rosto a ser maquiado. REFRAÇÃO Quando você olha para o fundo de uma piscina, tem a impressão de ela ser mais rasa do que é na realidade. À noite, vistas de longe, as luzes das cidades parecem piscar. Isso ocorre porque os raios de luz, que se propagam em linha reta em um meio ordinário, sofrem desvios na atmosfera causados por mudanças de pressão e de temperatura ou mesmo pela poluição, tendo então sua trajetória alterada. É esse também o caso do piscar das estrelas. Você pode perceber a alteração na trajetória como uma cintilação. Para ocorrer cintilação, é necessário que a fonte de luz esteja distante no caso

5 de uma lanterna próxima, você somente perceberá a luz piscando se alguém apontar a lanterna para sua direção e depois abaixá-la. 5 O OLHO HUMANO A luz que incide sobre os objetos que nos cercam é refletida, penetrando pela pupila de nossos olhos; atinge a retina, onde é transformada em estímulo nervoso, e é enviada ao cérebro. Na parte central da retina encontram-se os cones receptores especializados em detectar as cores primárias. Alguns são mais sensíveis ao azul, outros ao vermelho e outros ao verde. Diante de um objeto azul, por exemplo, o cone responsável comunica ao cérebro a informação de que o objeto é azul. Se um objeto não tiver a cor primária, os cones associam-se informando ao cérebro que há uma mistura de cores. A percepção das cores e de suas diferentes tonalidades ocorre numa região do cérebro chamada córtex cerebral, ainda em estudo pelos biólogos e neurologistas. É bom alertar ainda que a visão das cores também apresenta elementos subjetivos: algumas sociedades preferem cores diferentes, ou mesmo as enxergam de maneira diferente. Se você pedir para uma criança desenhar e pintar uma pessoa, por exemplo, ela poderá pintá-la com qualquer cor, ou então pintará com cores diferentes as diversas partes do corpo da pessoa desenhada. O ARCO-ÍRIS O arco-íris ocorre porque as gotas de água da chuva (ou de neblina e cachoeiras muito altas, que podem deixar partículas de água em suspensão) decompõem a luz solar nas cores do espectro visível: vermelho, alaranjado, amarelo, verde, azul, anil e violeta, de maneira igual a de um prisma. Essa decomposição ocorre porque a chuva ou a cachoeira funcionam como um anteparo, ou seja, uma espécie de cortina muito fina que fica no meio do caminho dos raios de Sol. O arco-íris é, portanto, uma projeção dos raios solares sobre essa cortina ; é devido a essa projeção que o arco-íris tem a forma de arco. Para vê-lo, portanto, é necessário estar entre o Sol e a chuva. Isso significa que, se o Sol estiver a pino no momento da chuva, você não conseguirá ver o arco-íris. Facilita, também, se você ficar em um lugar em que o Sol não esteja nem muito alto, nem muito baixo, em relação ao horizonte. O COLORIDO DAS BOLHAS DE SABÃO Você provavelmente já observou as partes coloridas que se formam nas bolhas de sabão ou num película de óleo sobre uma superfície molhada, ou, ainda, em alguns CDs. Esse colorido é provocado pela interferência da luz refletida pelas partes superiores e inferiores da bolha de sabão ou do óleo. A diferença de espessura das películas em diferentes pontos faz com que os raios sejam refletidos de diferentes maneiras, provocando várias interferências e, portanto, fazendo com que apareçam diferentes cores. A LUZ É UMA ONDA ELETROMAGNÉTICA Durante muito tempo os cientistas tentaram detectar o meio pelo qual a luz se propaga. Esse meio, chamado de éter (substância quase divina, segundo o filósofo Aristóteles), deveria ter umas propriedades bastante esquisitas: teria de ser bastante resistente, porque quanto mais sólido o objeto, mais rápido uma onda se propaga por ele. Ao mesmo tempo, deveria ser flexível o suficiente para que pudesse haver a difração. Como um objeto pode ser duro e, ao mesmo tempo, flexível? Depois de várias experiências e tentativas para explicar esse éter, o cientista escocês Maxwell, estudando os campos elétrico e magnético (que se propagam no vazio, sem necessidade de meio material), descobriu que esses campos se propagam com a velocidade da luz. Como os campos não precisam de um suporte material para se propagar, não havia qualquer problema em eliminar a idéia de éter, afirmando que a luz se propaga no vazio. A partir de então, a idéia de que a luz é uma onda eletromagnética foi adquirindo força, até ser aceita por boa parte da comunidade científica.

6 ÓCULOS ESCUROS: PROTEÇÃO PARA OS OLHOS (E PARA O CORAÇÃO) A utilização de lentes polarizadas nos óculos de sol permite que parte da luz incidente seja eliminada pelas lentes, diminuindo o excesso de luz. Essa diminuição protege os olhos, facilitando a vida das pessoas que sofrem de fotofobia (incômodo nos olhos com a presença da luz). Em especial nas praias, a reflexão da luz na areia e na água do mar não é espalhada em todas as direções, produzindo excesso de luz em algumas delas, ocorrendo, portanto, uma polarização indesejável. Muitas pessoas, então, utilizam os óculos escuros como polarizadores desejáveis : na maioria dos óculos escuros, as ondas eliminadas pelas lentes são as que vibram na direção horizontal, deixando pouca luz para os olhos. Embora tragam benefícios, as pessoas usam óculos escuros pelas mais diversas razões: por vaidade, charme, timidez (os olhares são mais livres) e outros, sem necessariamente consultar um especialista. Isso é um erro: se forem inadequados para uma determinada pessoa, os óculos podem causar danos à visão. 6 FLUORESCÊNCIA A fluorescência é uma forma de converter energia em luz. Na lâmpada fluorescente, alguns elétrons escapam dos seus filamentos e se chocam com as moléculas de gás (geralmente mercúrio e argônio) que estão dentro do tubo. Esse choque excita os elétrons dos átomos dos gases, além de provocar sua ionização (separação de elétrons do núcleo do átomo). Esses átomos ionizados são acelerados e também se chocam com outros átomos. Para voltar a seu estado original (antes da excitação), os elétrons emitem fótons de energia (luz). Tudo isso ocorre em um número muito grande de vezes enquanto a lâmpada está ligada. FOSFORESCÊNCIA É o fenômeno pelo qual certos elementos químicos, como o fósforo, emitem luz no escuro. Esse fenômeno ocorre devido à própria característica de seu átomo: quando são expostos ao aquecimento ou à luz, os elétrons ao redor do núcleo do átomo passam a girar mais rapidamente. Quando cessa esse aquecimento ou tira-se a luz, os elétrons voltam a girar normalmente, eliminando por meio de fótons (luz) a energia recebida pelo aquecimento ou pela luz incidente. Note que a excitação dos elétrons causa o aparecimento da luz (luminescência) nos dois fenômenos. N entanto, no caso da fluorescência, a luminescência termina com o fim da excitação dos elétrons, enquanto na fosforescência, perdura por um tempo maior após o fim da excitação. INCANDESCÊNCIA A incandescência é a produção de luz pelo aquecimento de um objeto. Você pode observar isso em um objeto adquirindo a cor vermelha à medida que está ficando quente. Para entender esse processo, vamos verificar a lâmpada incandescente. As átomos do metal que formam o filamento da lâmpada incandescente (geralmente o tungstênio) são aquecidos pela energia elétrica. Com isso, os átomos acabam se chocando, resultando em um aquecimento do tungstênio. À medida que aumenta a temperatura, devido aos choques, os elétrons dos átomos são excitados e, quando voltam ao estado original, acabam por emitir fótons e, portanto, luz. No caso da iluminação causada pelo fogo em geral, também é esse fenômeno que ocorre: átomos excitam-se e, quando param de se excitar, emitem fótons, na forma de luz. EXERCÍCIOS 1) Um prédio projeta no solo uma sombra de 10 m de extensão no mesmo instante em que uma pessoa de 1,80 m projeta uma sombra de 6m. Determine a altura do prédio.

7 7 2) Qual a altura de uma árvore que projeta uma sombra de 5m de comprimento, sabendo-se que nesse mesmo instante uma haste vertical de 3 m projeta uma sombra de 1,8 m? 3) Num mesmo instante, a sombra projetada de uma pessoa é de 5m e a de um edifício é de 80m. Sabendo que a altura da pessoa é 1,9 m, calcule a altura do edifício. 4) Qual o comprimento da sombra projetada por um obelisco de 20m de altura se, no mesmo instante, um muro de 0,9m de altura projeta uma sombra de 0,5 m? 5) Enuncie as duas leis da reflexão da luz. 6) Como funcionam aqueles espelhos que refletem de um lado e são transparentes do outro? 7) Espelhos planos. Associação em paralelo e a relação do número de imagens e o ângulo.

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA Luz e Visão Capítulo 8 8º ano - CSA 2014 Afinal, o que é luz? Luz é uma forma de transmissão de energia pelo espaço. Como a luz se propaga? Propagação da luz Corpos luminosos: emitem a própria luz. São

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

3º Bimestre. Física II. Autor: Geraldo Velazquez

3º Bimestre. Física II. Autor: Geraldo Velazquez 3º Bimestre Autor: Geraldo Velazquez SUMÁRIO UNIDADE I Óptica Geométrica... 4 1 Natureza Da Luz... 4 2 Conceitos Preliminares... 5 2.1 Raios e Feixes... 5 2.2 Fontes De Luz... 6 2.3 MEIOS ÓPTICOS... 6

Leia mais

Física B Extensivo V. 1

Física B Extensivo V. 1 Física B Extensivo V. 1 Exercícios 01) 38 01. Falsa. f Luz > f Rádio 02. Verdadeira. Todas as ondas eletromagnéticas são transversais. 04. Verdadeira. Do tipo secundária. 08. Falsa. Do tipo secundária.

Leia mais

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015 RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Daniel C. Zanotta 23/03/2015 O QUE É A REM? A radiação eletromagnética é uma oscilação, em fase, dos campos elétricos e magnéticos. As oscilações dos campos magnéticos e elétricos

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 19 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de

Leia mais

Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo. Espectros de emissão e de absorção

Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo. Espectros de emissão e de absorção Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo Espectros de emissão e de absorção O Espetro Eletromagnético 2 Auguste Comte A propósito dos astros, no séc. XIX afirma Poderemos determinar

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO 1) Em uma atividade de um engenheiro civil, o mesmo precisa determinar a altura de um edifício.

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Óptica Geométrica. Mecanismos do Eclipse

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Óptica Geométrica. Mecanismos do Eclipse Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Óptica Geométrica 01 - (PUC RJ) A uma certa hora da manhã, a inclinação dos

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente

Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente Introdução Você já deve ter reparado que, quando colocamos

Leia mais

Exposição Exploratorium (piso 1)

Exposição Exploratorium (piso 1) Exposição Exploratorium (piso 1) Departamento Educativo - PNE Vivemos numa floresta de sons, cores, tonalidades, reflexos e texturas de uma realidade que nos chega pelos sentidos e molda a imagem perceptiva

Leia mais

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar.

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. PRINCÍPIOS DA ÓPTICA A luz do Sol percorre a distância de 150 milhões de quilômetros com uma velocidade

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 18 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Grandes realizações são possíveis quando se dá atenção aos pequenos

Leia mais

Aula 08 Sistema Solar

Aula 08 Sistema Solar Aula 08 Sistema Solar Hipótese de Laplace: como surgiu o sistema solar a partir da Nebulosa primordial. (1), (2) A conservação do momento angular requer que uma nuvem em rotação e em contração, deve girar

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

PROVA ESCRITA NACIONAL SELEÇÃO PARA A TURMA 2014

PROVA ESCRITA NACIONAL SELEÇÃO PARA A TURMA 2014 PROVA ESCRITA NACIONAL SELEÇÃO PARA A TURMA 2014 Caro professor, cara professora Esta prova é composta por 25 questões de escolha múltipla, com quatro alternativas, e resposta única. Cada questão respondida

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

Refração da Luz Prismas

Refração da Luz Prismas Refração da Luz Prismas 1. (Fuvest 014) Um prisma triangular desvia um feixe de luz verde de um ângulo θ A, em relação à direção de incidência, como ilustra a figura A, abaixo. Se uma placa plana, do mesmo

Leia mais

f = Polícia Federal - Papiloscopista Física Prof. Rodrigo Luis Rocha ONDULATÓRIA duas cristas consecutivas, ou dois pontos equivalentes.

f = Polícia Federal - Papiloscopista Física Prof. Rodrigo Luis Rocha ONDULATÓRIA duas cristas consecutivas, ou dois pontos equivalentes. ONDULATÓRIA O conceito de onda na diz que onda é uma propagação de energia sem transporte de matéria. As ondas podem ser classificadas quanto à natureza e quanto ao tipo de propagação. Classificação em

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior que o

Leia mais

Unidade 7. Ondas, som e luz

Unidade 7. Ondas, som e luz Unidade 7 Ondas, som e luz ONDA É uma perturbação ou oscilação que se propaga pelo meio (ar, água, sólido) e no vácuo (ondas eletromagnéticas). Ex: Abalos sísmicos, ondas do mar, ondas de radio, luz e

Leia mais

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A Via Láctea é uma faixa de luz tênue e esbranquiçada que percorre todo o céu, formando um anel à nossa volta. É conhecida desde a antiguidade. Somente com o uso do telescópio

Leia mais

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( )

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( ) Aula Óptica Luz visível A luz que percebemos tem como característica sua freqüência que vai da faixa de 4.10 14 Hz ( vermelho) até 8.10 14 Hz (violeta). Esta faixa é a de maior emissão do Sol, por isso

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

1. (G1 - utfpr 2014) Sobre fenômenos ópticos, considere as afirmações abaixo.

1. (G1 - utfpr 2014) Sobre fenômenos ópticos, considere as afirmações abaixo. 1. (G1 - utfpr 2014) Sobre fenômenos ópticos, considere as afirmações abaixo. I. Se uma vela é colocada na frente de um espelho plano, a imagem dela localiza-se atrás do espelho. II. Usando um espelho

Leia mais

Luz e fotografia considerações iniciais

Luz e fotografia considerações iniciais Introdução às técnicas de iluminação luz e óptica 67 Luz e fotografia considerações iniciais Tudo o que a câmera registra se deve à luz, natural ou artificial. A própria palavra "fotografia" significa

Leia mais

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Rua Almino Afonso, 478 - Centro Mossoró / RN CEP: 59.610-210 www.uern.br email: reitoria@uern.br ou Fone: (84) 3315-2145 3342-4802 Óptica Geométrica Dr. Edalmy

Leia mais

3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM

3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM 3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM 1. Um cientista está no seu moinho, no topo de uma falésia junto à costa marítima, apontando o seu pequeno radiotelescópio para uma estrela

Leia mais

Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013

Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2012/2013 Ciências Físico-químicas 8º an o Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013 Nome Nº Turma 1. A figura mostra um feixe de luz muito

Leia mais

As divisões da óptica

As divisões da óptica ÓPTICA As divisões da óptica Óptica física : Estuda a natureza da luz. Óptica fisiológica: Estuda os mecanismos responsáveis pela visão. Óptica geométrica: Estuda os fenômenos relacionados à trajetória

Leia mais

FÍSICA. Professor Felippe Maciel Grupo ALUB

FÍSICA. Professor Felippe Maciel Grupo ALUB Revisão para o PSC (UFAM) 2ª Etapa Nas questões em que for necessário, adote a conversão: 1 cal = 4,2 J Questão 1 Noções de Ondulatória. (PSC 2011) Ondas ultra-sônicas são usadas para vários propósitos

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica Conteúdo: - Ótica Habilidades: - Entender a propagação da luz e suas aplicações Dispersão da luz A dispersão da luz consiste em um fenômeno onde a luz branca VERMELHO ALARANJADO AMARELO VERDE AZUL ANIL

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS.

CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS. FÍSICA PROF. HELTON CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS. MOVIMENTO PERIÓDICO Um fenômeno é periódico quando se repete identicamente em intervalos de tempos iguais. Exemplos: DEFINIÇÕES: Amplitude: distância

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO ANO LECTIVO 2015 2016 CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL MÉTODOS OPTICOS ESPECTROFOTOMETRIA MOLECULAR (UV

Leia mais

FÍSICA Questões de 1 a 20

FÍSICA Questões de 1 a 20 2ªSérieLISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA FÍSICA Questões de 1 a 20 1) (UFRN) Os carros modernos usam diferentes tipos de espelhos retrovisores, de modo que o motorista possa melhor observar os veículos que

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física II PROFESSOR(A) Fernando ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Considere a figura ao lado. Com base no

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA ÓPTICA REFLEXÃO MEIOS DE PROPAGAÇÃO DA LUZ CORPOS TRANSPARENTES CORPOS TRANSLÚCIDOS CORPOS OPACOS

ÓPTICA GEOMÉTRICA ÓPTICA REFLEXÃO MEIOS DE PROPAGAÇÃO DA LUZ CORPOS TRANSPARENTES CORPOS TRANSLÚCIDOS CORPOS OPACOS 12. Num calorímetro de capacidade térmica 8,0 cal/ o C inicialmente a 10º C são colocados 200g de um líquido de calor específico 0,40 cal/g. o C. Verifica-se que o equilíbrio térmico se estabelece a 50º

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA

CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA TRABALHO PRÁTICO CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA Objectivo: Neste trabalho prático pretende-se: na 1ª parte, determinar o índice de refracção de um poliedro de vidro; na 2ª parte, proceder à

Leia mais

Laboratório Virtual Kit Óptico

Laboratório Virtual Kit Óptico Laboratório Virtual Kit Óptico Reflexão A luz nem sempre se propaga indefinidamente em linha reta: em algumas situações eles podem se quebrar, como acontece quando um espelho é colocado em seu caminho.

Leia mais

ÓTICA e ONDAS. Ótica estudo da luz e dos fenômenos luminosos em geral.

ÓTICA e ONDAS. Ótica estudo da luz e dos fenômenos luminosos em geral. 1 ÓTICA e ONDAS Ótica estudo da luz e dos fenômenos luminosos em geral. Propagação Retilínea da Luz Observando os corpos que nos rodeiam, verificamos que alguns deles emitem luz, isto é, são fontes de

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 01 UFMG

PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 01 UFMG QUESTÃO 01 Em uma corrida de Fórmula 1, o piloto Miguel Sapateiro passa, com seu carro, pela linha de chegada e avança em linha reta, mantendo velocidade constante Antes do fim da reta, porém, acaba a

Leia mais

Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes

Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA META Apresentar a origem da mecânica quântica e suas conseqüências. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: a. a hipótese quântica de Max Planck e sua aplicação

Leia mais

Professora Florence. Resposta:

Professora Florence. Resposta: 1. (G1 - ifsp 2012) Ondas eletromagnéticas só podem ser percebidas pelos nossos olhos quando dentro de determinada faixa de frequência. Fora dela não podem ser vistas, apesar de ainda poderem ser detectadas

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica Resolução das atividades complementares 3 Física F7 Introdução à Óptica geométrica p. 10 1 (FMTM-MG) O princípio da reversibilidade da luz fica bem exemplificado quando: a) holofotes iluminam os atores

Leia mais

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente.

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. 01 Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. Como n lente < n meiob, a lente de bordas finas opera como lente divergente. Resposta: A 1 02 A gota de água

Leia mais

APOTEC VESTIBULINHOS 2012. Ciências Naturais Física. Resolução. F p = A. Resolução

APOTEC VESTIBULINHOS 2012. Ciências Naturais Física. Resolução. F p = A. Resolução Pré-simulado 4 26. (UFMG-MG) As figuras mostram um mesmo tijolo, de dimensões 5cm x 10cm x 20cm, apoiado sobre uma mesa de três maneiras diferentes. Em cada situação, a face do tijolo que está em contato

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219)

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Raios de Luz - Alguns filósofos gregos pensavam que nossos olhos emitiam raios que permitiam enxergar os objetos; - Só nos é possível ver quando há luz

Leia mais

76. A resultante das forças que atuam nesse automóvel, enquanto ele se move no trecho plano e reto da estrada, é nula.

76. A resultante das forças que atuam nesse automóvel, enquanto ele se move no trecho plano e reto da estrada, é nula. PROVA DE FÍSICA Um automóvel move-se em uma estrada plana e reta, com velocidade constante. Ele entra em uma curva, também plana, que tem a forma de um arco de um círculo. Nessa curva, o módulo da velocidade

Leia mais

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association 6. Uso de Chapa de Aço com Revestimento Metálico GalvInfoNote Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada 6.1 Introdução

Leia mais

(D) A propriedade que permite reconhecer dois sons correspondentes à mesma nota musical, emitidos por fontes sonoras diferentes, é a frequência.

(D) A propriedade que permite reconhecer dois sons correspondentes à mesma nota musical, emitidos por fontes sonoras diferentes, é a frequência. Escola Físico-Química 8. Ano Data Nome N.º Turma Professor Classificação 1. O som é produzido pela vibração de uma fonte sonora. Essa vibração, ao propagar-se num meio material, como, por exemplo, o ar,

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer FONTES DE LUZ ARTIFICIAL HISTÓRICO Antes da invenção da lâmpada fogo, velas, lampiões a gás; Primeira lâmpada elétrica Thomas Edson, em 1879;

Leia mais

Ondas eletromagnéticas e suas aplicações tecnológicas

Ondas eletromagnéticas e suas aplicações tecnológicas Ondas eletromagnéticas e suas aplicações tecnológicas Neste exato momento, você está sendo atravessado por uma infinidade de ondas eletromagnéticas que se propagam pelo espaço, levando informações de um

Leia mais

LUZ E VISÃO. Autores: Arjuna C. Panzera Dácio G. Moura. (Salvador Dali) Tópico nº22 do CBC de Ciências. Habilidades Básicas recomendadas no CBC:

LUZ E VISÃO. Autores: Arjuna C. Panzera Dácio G. Moura. (Salvador Dali) Tópico nº22 do CBC de Ciências. Habilidades Básicas recomendadas no CBC: LUZ E VISÃO Autores: Arjuna C. Panzera Dácio G. Moura (Salvador Dali) Tópico nº22 do CBC de Ciências Habilidades Básicas recomendadas no CBC: Associar a formação de sombras com a propagação retilínea da

Leia mais

REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n) Analisando as Grandezas

REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n) Analisando as Grandezas ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n)

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232 FÍSICA B Aula 17 Seus Óculos. Página 232 INTRODUÇÃO Na aula de hoje, estudaremos os defeitos da visão e os tipos de lentes indicadas para correção destes defeitos. Para isso, estudaremos primeiramente

Leia mais

FÍSICA-2011. Questão 01. Questão 02

FÍSICA-2011. Questão 01. Questão 02 Questão 01-2011 UFBA -- 2ª 2ª FASE 2011 A maioria dos morcegos possui ecolocalização um sistema de orientação e localização que os humanos não possuem. Para detectar a presença de presas ou de obstáculos,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

6ª série / 7º ano U. E 05

6ª série / 7º ano U. E 05 6ª série / 7º ano U. E 05 O sistema solar Cada um dos planetas do sistema solar é constituído basicamente dos mesmos elementos e substâncias químicas, embora cada planeta tenha características próprias.

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

Reações fotoquímicas. Tatiana Dillenburg Sain t Pierre. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Reações fotoquímicas. Tatiana Dillenburg Sain t Pierre. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Reações fotoquímicas Tatiana Dillenburg Sain t Pierre Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Valéria Rangel Soares Uma pergunta antiga que desde a Antiguidade despertou a curiosidade do homem. Como Vemos as

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Ano Letivo 2015/ 2016 Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Objeto de avaliação O teste tem por referência o programa de Física e Química A para

Leia mais

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE. 1.0 Introdução

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE. 1.0 Introdução EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE 1.0 Introdução O presente trabalho é resultado de uma visão futurística acerca da preservação do meio ambiente e da manutenção da vida. Alguns anos de estudo e pesquisas na área

Leia mais

Exercícios de Óptica Conceitos básicos

Exercícios de Óptica Conceitos básicos COLÉGIO TIRADENTES DA POLÍCIA MILITAR BARBACENA MG POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS Exercícios de Recuperação de Física 1ª prova DATA: SOESP: Profª. Eliane Ensino Médio Série 2º Turmas 201-202-203 1ª etapa

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

2.0 A Técnica: A luz e a formação da imagem na TV

2.0 A Técnica: A luz e a formação da imagem na TV 63 Texto extraído de BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade de Arquitetura, Artes

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Espectro Eletromagnético (Parte III)

Espectro Eletromagnético (Parte III) Espectro Eletromagnético (Parte III) Nesta aula estudaremos os raios ultravioleta que são raios muito utilizados em câmaras de bronzeamento artificial, dos raios X que são essenciais para os diagnósticos

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

Material Extra de Física

Material Extra de Física Material Extra de Física ONDAS 01. (F. M. Triângulo Mineiro MG) ENTÃO MAFALDA, O QUE ESTÁ ACHANDO DO MAR? ATÉ AGORA, UM INDECISO f (10 14 m) λ (10-7 m) 6,7 Violeta Azul 4,8 5,6 Verde x Amarelo 5,8 5,0

Leia mais

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem:

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: C.F.Q. 8ºA Outubro 1 1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: 1.1. Qual é o detetor de luz? O olho. 1.2. Qual é o recetor de luz? A bola. 1.3. De que cor veremos a bola se ela

Leia mais

Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica

Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica Luz: O omem sempre necessitou de luz para enxergar as coisas a seu redor: luz do Sol, de toca, de vela, de lâmpada. Mas afinal, o que é luz? Luz : é uma

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

Uma vez que todos já conseguiram identificar no céu as constelações que estudamos até aqui, vamos viajar pelo nosso Sistema Solar.

Uma vez que todos já conseguiram identificar no céu as constelações que estudamos até aqui, vamos viajar pelo nosso Sistema Solar. Olá amiguinhos! Uma vez que todos já conseguiram identificar no céu as constelações que estudamos até aqui, vamos viajar pelo nosso Sistema Solar. Antes mesmo de existir o Sol, nesta mesma região existiam

Leia mais

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR META Apresentar alguns fenômenos radioativos como fontes de energia do sistema atmosférico e as formas de transmissão de calor, para que o aluno compreenda a instabilidade

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR. No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas. independentemente de sua frequência.

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR. No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas. independentemente de sua frequência. PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: ONDAS Física Dudu 01. F.M. Triângulo Mineiro MG. III) No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas caminham com uma mesma velocidade, independentemente

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA - A - 2012 ALUNO: TURMA: CARTEIRA: MATRÍCULA: DATA: / / Unidade 01 - Introdução à Óptica Geométrica Unidade 02 - Reflexão da Luz REFAZER OS EXERCÍCIOS DO LIVRO:

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni Colégio Zaccaria TELEFAX: (0 XX 21) 3235-9400 www.zaccaria.g12.br Lista de exercícios Física II (Recuperação) 2º Período 2014 Aluno(a): N.º Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni QUESTÃO 1

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes Curso Técnico Segurança do Trabalho Identificação e Análise de Riscos Identificação e Análise de Riscos Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes Segundo a NR15 Anexo 7: Radiações não-ionizantes são as microondas,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 10-1 RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 CONSTRUÇÃO DE SISTEMA ÓTICO A PARTIR DE LENTES DE ÁGUA Aluno: Rubens Granguelli Antoniazi RA: 009849 Professor

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 2 (para alunos da 3ª à 4ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 2 (para alunos da 3ª à 4ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 2 (para alunos da 3ª à 4ª série) Questão 1) (1 ponto) Como você já deve saber o sistema solar

Leia mais

Lista de Exercícios de Física II Refração Prof: Tadeu Turma: 2 Ano do Ensino Médio Data: 03/08/2009

Lista de Exercícios de Física II Refração Prof: Tadeu Turma: 2 Ano do Ensino Médio Data: 03/08/2009 Lista de Exercícios de Física II Refração Prof: Tadeu Turma: 2 Ano do Ensino Médio Data: 03/08/2009 1. Na figura a seguir, está esquematizado um aparato experimental que é utilizado para estudar o aumento

Leia mais

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 7 (Gregorio-Hetem & Jatenco-Pereira) O SOL

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 7 (Gregorio-Hetem & Jatenco-Pereira) O SOL O SOL Vimos no capítulo anterior a natureza da radiação eletromagnética e como ela transfere energia através do espaço. É com base na luz emitida pelas estrelas que podemos extrair informações importantes

Leia mais

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização Polarização: Propriedade das ondas transversais Ondas em uma corda Oscilação no plano vertical. Oscilação no plano horizontal. Onda

Leia mais