EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO"

Transcrição

1 Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e ona e algumas as principais linhas espectrais e um gás e Hg (mercúrio) submetio à escarga elétrica. 4.2 PARTE TEÓRICA Difração A experiência mostra que um furo e pequeno iâmetro em um anteparo opaco ifrata a luz; isto é, o furo, apesar e iluminao por um feixe e raios e luz paralelos, corresponeno a uma frente e ona plana (Fig. 4.1), não eixa passar um cilinro perfeito e luz, mas espalha a luz em toas as ireções no semi-espaço à ireita o furo. É possível verificar que, se o iâmetro o furo tene a zero, este furo espalha a luz uniformemente em toas as ireções nesse semi-espaço, com intensiae constante inepenente a ireção. A ona ifrataa tene para uma ona semi-esférica centraa no furo (ona elementar e Huygens). Nesse experimento, em substituição ao furo utilizaremos fenas finas e comprias, e uso mais prático. Vamos sempre supor que elas são suficientemente finas para ifratar a luz e maneira uniforme num plano perpenicular ao eixo a fena. Como consequência, a ona ifrataa é uma ona cilínrica. 29

2 30 N. B. e Oliveira DFES-I. FÍSICA-UFBA-Rev Luz inciente Ona semi-esférica ifrataa Orifício em um obstáculo Figura 4.1: Difração prouzia por um pequeno orifício Interferência e onas monocromáticas coerentes Quano uas onas monocromáticas (luz e cor pura ou e mesma frequência) se superpõem em um ponto no espaço, observamos o fenômeno a interferência. A intensiae a luz resultante, nesse ponto, epene a iferença e fase existente entre as uas onas. Os efeitos interessantes a interferência só poem ser observaos quano as onas são coerentes entre si, isto é, quano existe em caa ponto o espaço uma relação entre as amplitues e uma relação entre as fases as onas constantes no tempo. Os casos extremos a interferência são a interferência aitiva ou construtiva e a interferência subtrativa ou estrutiva. Na interferência construtiva a iferença entre as fases as onas é nula ou um múltiplo e 2π ra e moo que o pico ou máximo e uma ona coincie com o pico ou máximo a outra ona. Na interferência estrutiva a iferença entre as fases as onas é π ra ou um número ímpar esse valor e moo que o vale ou mínimo e uma ona coincie com o pico ou máximo a outra ona. Uma maneira simples e prática e prouzir uas onas coerentes, evia à T. Young, está ilustraa na figura (Fig. 4.2) one uma frente e ona plana chega simultaneamente em uas fenas finas e caa fena passa a ser consieraa como uma fonte e luz. Luz inciente Duas fenas finas D Anteparo Figura 4.2: Duas fenas finas istantes e um anteparo e sob inciencia e luz paralela. As onas coerentes prouzias por essas fenas propagarão em ireção ao anteparo one ocorrerá a formação a figura e interferência. Para melhor compreener como a

3 4.2. PARTE TEÓRICA 31 intensiae luminosa se istribuirá sobre esse anteparo, consiere a figura (Fig. 4.3) one os raios e luz são traçaos em um plano perpenicular aos eixos as fenas. De fato, se as fenas forem muito comprias, essa figura representa o que ocorre em qualquer plano em uma família e planos paralelos perpeniculares aos eixos as fenas. Em outras palavras, existe uma simetria e translação ao longo o eixo oz (saino o plano o papel) e a figura e interferência no anteparo terá o aspecto e franjas paralelas a esse eixo. y P o x Duas fenas finas D>> Anteparo Figura 4.3: Representação em um plano perpenicular às fenas e ois raios e luz que partem as fenas e chegam ao anteparo. Façamos a hipótese e que o anteparo está muito istante as fenas, D >>. Por exemplo, = 0, 1 mm e D = 100 mm. Nessa conição, o ângulo α formao entre ois raios que partem respectivamente e caa fena e chegam a um ponto P o anteparo vale, aproximaamente, α /D que é muito pequeno, α 0, 001 ra com os valores o exemplo. Isso é equivalente a afirmar que os raios são essencialmente paralelos. Contuo, essas trajetórias tem comprimentos ligeiramente iferentes e essa iferença poe ser importante quano comparaa com o comprimento e ona a luz. Estamos interessaos em avaliar a iferença entre os caminhos percorrios pelos ois raios para poer compará-la com o comprimento e ona. Posicionemos o ponto P no anteparo utilizano o ângulo θ meio com relação à linha horizontal ou então pela coorenaa y no anteparo como mostra a figura (Fig. 4.4). Consierano os ois raios como estritamente paralelos, baixemos uma perpenicular à eles no ponto e saía a fena superior (Fig. 4.5) formano o triângulo ABC. Observano que o ângulo θ também é o ângulo formao entre essa perpenicular e o plano as fenas, a iferença e caminhos BC percorrios pelos ois raios vale BC = senθ. Para pontos ao reor a região central em que θ << 1 ra poemos aproximar o senθ pela tan θ BC = senθ tan θ = y D. Se essa iferença e caminhos for igual a um múltiplo o comprimento e ona, as uas onas interferem-se construtivamente e teremos uma franja com um máximo e intensiae

4 32 N. B. e Oliveira DFES-I. FÍSICA-UFBA-Rev y P y(p) o x Duas fenas finas D>> Anteparo Figura 4.4: Posicionamento o ponto P e chegaa a luz no anteparo. A B C Duas fenas finas Figura 4.5: Diferença entre os caminhos os raios paralelos. luminosa. y D = n λ, n = 1, 2, 3... interferência construtiva. (4.1) Se a iferença e caminhos for um múltiplo ímpar e meio comprimento e ona teremos uma interferência estrutiva e uma franja com um mínimo e intensiae luminosa. y D = (2n 1) λ, n = 1, 2, 3... interferência estrutiva. (4.2) 2 Assim, as posições as franjas claras e escuras no anteparo serão aas respectivamente por y max = n λ D, n = 1, 2, 3... interferência construtiva (4.3) e y min = (2n 1) λ 2 D, n = 1, 2, 3... interferência estrutiva. (4.4) Poe-se mostrar (e será mostrao no curso teórico) que a intensiae luminosa no an-

5 4.2. PARTE TEÓRICA 33 teparo, para pontos próximos o centro, varia conforme a função I = I 0 cos 2 (π y λd ) (4.5) one I 0 é a intensiae no ponto central. A intensiae relativa está representaa na figura (Fig. 4.6) one poemos ver a variação contínua e suave entre os pontos e intensiae máxima e mínima. I/I 0 1 o y Figura 4.6: Intensiae relativa as franjas e interferência, em função a posição, prouzias por uas fenas finas. A interferência prouzia na conição e raios paralelos e luz, ou e moo equivalente, em um anteparo istante é conhecia como interferência e Fraunhoffer. Ela também poe ser obtia em um anteparo próximo, o que é mais conveniente, se utilizarmos uma lente convergente e um anteparo localizao no foco a lente. Os raios paralelos que inciem na lente convergirão em um ponto no plano focal a lente sem introuzir nenhuma alteração na iferença e caminhos percorrios por eles (Fig. 4.7). P o Duas fenas finas Lente convergente Distância focal f Anteparo próximo Figura 4.7: Focalização os raios paralelos por uma lente convergente.

6 34 N. B. e Oliveira DFES-I. FÍSICA-UFBA-Rev Interferência prouzia por muitas fenas Consieremos que uma grane quantiae e fenas equiistantes prouza onas que se interfiram em um ponto P no anteparo istante (ou no anteparo próximo com o auxílio a lente). A iferença e caminhos entre ois raios ajacentes continua a ser expressa a mesma forma (senθ) como no caso e uas fenas (Fig. 4.8) sen 2sen 3sen N ( N-1) sen Figura 4.8: Raios paralelos em uma grane quantiae e fenas equiistantes. Os pontos e máxima intensiae luminosa no anteparo continuam nas mesmas posições. Contuo, a grane quantiae e raios contribui para um estreitamento a curva e intensiae e o aparecimento e picos secunários e pequena amplitue entre os picos e máxima intensiae. Com o aumento a quantiae e fenas, esses picos secunários aumentam em quantiae, mas tem suas amplitues reuzias a valores esprezíveis não seno mais perceptíveis (Fig. 4.9). I/I 0 1 para uas fenas para muitas fenas o y Figura 4.9: Representação a intensiae luminosa para uas fenas e para uma grane quantiae e fenas equiistantes.

7 4.2. PARTE TEÓRICA Ree e ifração Uma ree e ifração em transmissão é um ispositivo óptico constituío por uma lâmina e viro espessa, e faces planas e paralelas. Numa face é gravaa uma grane quantiae e sulcos finos, paralelos e igualmente espaçaos, com uma ponta e iamante em um processo mecânico e alta precisão. As rees poem ter até três mil sulcos por milímetro. Na figura (Fig. 4.10) mostramos um corte bastante ampliao e uma ree e ifração. Figura 4.10: Ree e ifração vista e corte. Em primeira aproximação, os sulcos na ree comportam-se como as fenas na figura (Fig. 4.8). A istância entre ois sulcos (ou uas fenas) ajacentes chama-se constante e ree e é usualmente expressa em Angstrons ( A), nanômetros (nm), microns (µ), micrômetros (µm) ou milímetros (mm). Essa ree e ifração escrita chama-se ree em transmissão. Existem também as rees em reflexão, neste caso, os sulcos são realizaos na superfície e um espelho metálico. O efeito essa ree é facilmente observao pelo reflexo colorio quano a inciência e luz branca. É o que se verifica no reflexo a luz em um CD (compact isk) ou mesmo o que se poe observar na natureza, na carapaça e besouros furta cor (rutelíneos, buprestíeos) ou nas escamas as asas e borboletas (brassolíeos, morphos, liceíeos). Os morphos, e um reflexo azul intenso, na verae são inteiramente cobertos por escamas amarelaas. Uma ree e ifração, com constante e ree conhecia, permite eterminar comprimentos e ona, λ, esconhecios. Com efeito, a equação senθ = n λ n = 0, 1, 2, 3... (4.6) para a interferência construtiva, poemos calcular λ a partir a meia e θ. A meia e θ poe ser feita com um goniômetro óptico Poer e resolução Quano utilizamos uma ree e ifração em um espectrômetro para eterminar o valor o comprimento e ona a raiação luminosa, pela observação e meia a posição angular

8 36 N. B. e Oliveira DFES-I. FÍSICA-UFBA-Rev e uma linha espectral, poemos nos efrontar com o seguinte problema: se uas linhas espectrais tiverem valores e comprimentos e ona λ 1 e λ 2 muito próximos, seremos capazes e istingui-los (separar, resolver)? Em outras palavras, qual é o menor valor λ = λ 1 λ 2 que temos conição e observar com o aparelho? Já comentamos que a largura o pico e intensiae a figura e interferência iminui com o aumento a quantiae e fenas. Em outras palavras, o pico torna-se mais aguo. Se ois comprimentos e ona estiverem muito próximos, poe ocorrer a superposição parcial os picos iniviuais (que não sejam e orem zero). Portanto, para que possamos observá-los como picos iniviuais é necessário que os picos sejam o mais aguo possível e isso é conseguio aumentano-se a quantiae e fenas. Havíamos comentao também que o aumento a quantiae e fenas faz aparecer picos secunários e pequena amplitue ao lao o pico principal. Um critério usao para a resolução e ois comprimentos e ona iz que eles são consieraos resolvios ou separaos quano o pico principal e um comprimento e ona coincie com o primeiro mínimo o outro comprimento e ona. Com esse critério, poe-se mostrar que o poer e resolução e uma ree, efinio por R = λ λ (4.7) one λ é o comprimento e ona méio, é ao por R = n N, n = 1, 2, 3... e N é a quantiae e fenas. (4.8) Assim, quanto maior for a quantiae e fenas, maior será o poer e resolução Dispersão A ispersão angular e uma ree mee o grau e espalhamento angular o espectro ( θ) relacionao à variação o comprimento e ona ( λ). É efinia como D(θ) = θ λ (4.9) e poe ser calculaa iferenciano-se a equação (4.6). Para pequenas variações em λ temos Portanto, cos θ θ = n λ. D(θ) = θ λ n cos θ. (4.10) Como cos θ = 1 sen 2 θ também poemos expressar a ispersão em função o comprimento e ona D(θ) = n 1 sen 2 θ = n 1 ( n λ ) 2 = n 2 (n λ) 2. (4.11) Nessa expressão, poemos notar que a ispersão cresce com a iminuição a istância entre os sulcos e com o aumento o número e orem até a orem máxima que poe

9 4.3. PARTE EXPERIMENTAL 37 ser observaa. Na eterminação o comprimento e ona pela meia o ângulo θ, se consierarmos que o erro θ é constante para uma linha com um eterminao comprimento e ona observaa em várias orens, o erro λ será menor para a linha e maior orem, pois, λ = θ D = 2 (n λ) 2 θ. n 4.3 PARTE EXPERIMENTAL Para observar e meir a posição e uma linha espectral corresponente a uma interferência construtiva com uma ree e ifração, a ree eve ser colocaa no centro a mesa e um goniômetro óptico ou espectrômetro (Fig. 4.11). Colimaor Mesa Telescópio Fena ajustável L 1: lente L : lente Plano focal 2 convergente convergente Observaor Fonte e luz f 1 f 2 Região e raios paralelos Figura 4.11: Goniômetro óptico. Ocular Nesse equipamento temos um colimaor, uma mesa e um telescópio móvel que poe girar ao reor o centro a mesa. O colimaor é constituío por uma fena e abertura ajustável e entraa e uma lente L 1. Sua função é colimar a luz, isto é, prouzir um feixe e raios paralelos que everão inciir perpenicularmente à ree e ifração. O telescópio faz o papel oposto ao colimaor. A lente L 2 converge os raios paralelos, provenientes a ree e ifração, no plano focal. Nesse plano forma-se a imagem a fena que poe ser observaa e ampliaa através o ocular, outra lente convergente e curta istância focal. O telescópio poe girar ao reor a ree a fim e eterminar a posição angular θ as franjas e interferência (Fig. 4.12). Para isso, ele ispõe e um retículo em forma e uma cruz e fio e cabelo localizao no plano focal a lente L 2 que poe ser posicionao sobre a imagem a fena movimentano-se o telescópio.

10 38 N. B. e Oliveira DFES-I. FÍSICA-UFBA-Rev T 1 Colimaor Fonte e luz T 0 T 1 Figura 4.12: Meia o ângulo θ com o telescópio o goniômetro óptico Lista e materiais Ientifique os seguintes equipamentos e materiais que se encontram sobre a mesa: Espectrômetro (ou goniômetro óptico), ree e ifração, lâmpaa e Hg com fonte e alimentação, lanterna para iluminação O espectrômetro Esse equipamento é o mesmo utilizao no experimento MEDIDA DO ÍNDICE DE RE- FRAÇÃO DO VIDRO DE UM PRISMA. Portanto, leia com cuiao no roteiro esse experimento toa a parte referente ao espectrômetro e ao seu moo e utilização.

11 4.3. PARTE EXPERIMENTAL Meias Cuiaos com os aparelhos O espectrômetro é um aparelho e alta precisão e eve ser manuseao com cuiao e elicaeza. Nunca force qualquer um os seus elementos. Em caso e úvia chame seu professor. Não gire o telescópio segurano-o pelo tubo (isso esfocalizará permanentemente o equipamento), use o braço vertical o telescópio. A precisão as meias epene a largura a fena o colimaor. Por isso, trabalhe com a fena mais fina possível, mas que aina possa ser visualizaa com faciliae. A precisão as meias também epene o correto ajuste o bloco ocular. A posição o ocular eve ser ajustaa para o olho o observaor eslocano-o ligeiramente para frente ou para trás e moo a focalizar a imagem a fena e o retículo ( fio e cabelo ) simultaneamente. O telescópio só poe ser movimentao livremente se o parafuso e bloqueio o braço (parafuso central) estiver folgao. Caso contrário, só poe se movimentar com o uso o parafuso micrométrico, girano-o em ambos os sentios (movimento fino). Segure a ree e ifração pelo suporte ou pelas boras. Não toque na superfície a ree. Evite olhar iretamente para a lâmpaa por um períoo muito longo. Se luz estiver muito intensa, coloque uma folha e papel entre a saía a fonte e luz e a fena o colimaor. Ajuste a posição a ree Para que a relação (4.6) possa ser usaa, a ree e ifração eve estar exatamente ortogonal ao feixe e luz paralelo inciente e posicionaa no centro e rotação o telescópio. Coloque a ree sobre o centro a mesa circular o espectrômetro com a face gravaa viraa para o telescópio, tentano colocá-la perpenicular ao eixo o colimaor. Esse ajuste grosseiro não é suficiente para garantir a perpeniculariae. Vejamos como proceer para obter a conição e ortogonaliae com erro inferior a meio grau. Acena a lâmpaa e Hg, espere aquecer por um minuto e ilumine a fena e entraa o colimaor. Os raios e luz paralelos que emergem o colimaor e inciem na ree são por ela ifrataos formano um espectro e linhas brilhantes em ambos os laos a linha central (imagem a fena e cor branca azulaa). Posicione o telescópio em frente ao colimaor e observe, através o ocular, a linha central na posição T 0. Faça o ajuste necessário para a melhor focalização a linha central e o retículo, aperte o parafuso central o telescópio e utilize o parafuso micrométrico para posicionar o retículo no meio a linha brilhante (imagem a fena). Faça a meia essa posição em graus e minutos utilizano o vernier e posicionano a lente para melhor visualização. Folgue o parafuso central e gire o telescópio lentamente no sentio horário (visto e cima) enquanto observa através o ocular. Deverá aparecer um conjunto e linhas colorias que

12 40 N. B. e Oliveira DFES-I. FÍSICA-UFBA-Rev formam o espectro e primeira orem, algumas fracas e outras mais intensas. Observe se você consegue ver uas linhas amarelas alaranjaas, intensas, bastante próximas no extremo o espectro. Estreite a fena o colimaor para que essas linhas sejam vistas como uas linhas separaas e finas. Concentre-se agora na linha vere amarelaa, uma as mais intensas. Posicione manualmente o retículo no centro essa linha, aperte o parafuso central, retoque a posição com o parafuso micrométrico e faça a leitura o ângulo T 1. Folgue o parafuso central e gire o telescópio lentamente no sentio anti-horário (visto e cima) e repita o proceimento para meir agora o ângulo T 1 (preste atenção para meir a linha e mesma cor). Calcule os ângulos θ 1 e θ 1 θ T 1 = 1 T 0, θ 1 = T 1 T 0. Esses ângulos não poem iferir entre si mais que 15. Se isso ocorrer, a ree eve ser reposicionaa e moo iminuir essa iferença. Para isso, tome um pouco menos a metae essa iferença, acrescente esse valor ao menor θ e calcule qual everia ser o ângulo T essa linha. Ajuste no vernier esse ângulo girano o parafuso micrométrico o telescópio. Olhe através o ocular, folgue o parafuso lateral a mesa o telescópio one está a ree e gire um pouco essa mesa e moo que a linha vere amarelaa volte a ficar centralizaa com relação ao retículo. Aperte levemente o parafuso para a ree não sair a posição. Refaça as meias e θ 1, θ 1 e verifique se atingiu o objetivo. Caso contrário repita o proceimento. De agora em iante, não se eve mais tocar na ree. Se, acientalmente, a ree sair e posição por qualquer que seja o motivo, recoloque o telescópio na posição one observou a minimização a iferença entre os ângulos e reposicione a linha sobre o retículo girano a mesa a ree. A seguir, a posição angular θ as linhas será sempre calculaa por θ = 1 T 1 T 1 2 isto é, basta ler a posição a linha, T 1, e a posição e sua simétrica, T 1. Determinação a constante a ree Para esse item você utilizará a linha vere amarelaa intensa cujo comprimento e ona vale 5461 A. Utilize as meias já realizaas em primeira orem e meça aina as posições essa linha em ambos os laos, nos espectros e seguna e terceira orem (se forem visíveis). Determinação os comprimentos e ona O objetivo agora é eterminar os comprimentos e ona as outras linhas o espectro em primeira, seguna e terceira orens se forem visíveis. A meia que a orem aumenta as linhas ficam mais fracas e você só everá enxergar as linhas mais intensas o espectro. Em primeira orem, você everá enxergar uas linhas roxas (forte e fraca, bastante próximas), uma linha azul-roxo intensa, uma linha vere azulaa (intensiae méia), a linha vere amarelaa já meia e uas linhas amarelas alaranjaas. Possivelmente, a epener a

13 4.4. TRABALHO COMPLEMENTAR 41 intensiae a lâmpaa, você poerá ver uma linha vere azulaa fraca, não é necessário mei-la. Faça uma tabela one constem as cores e os ângulos meios, em ambos os laos, para as três orens observaas (se forem visíveis). Determinação a abertura angular a linha No cálculo o erro, intervém a metae a abertura angular a linha em raianos. Essa abertura angular é a abertura angular a imagem a fena o colimaor. Para eterminála, observe a linha central e posicione o retículo, primeiro na bora esquera e meça a posição. Depois, na bora ireita e meça a posição. A iferença entre essas uas posições é a abertura angular a linha em graus sexagesimais. 4.4 TRABALHO COMPLEMENTAR A partir as meias realizaas com a linha vere amarelaa etermine os valores para a constante e ree para as três orens observaas (se foram visíveis). Avalie o erro absoluto cometio na eterminação a constante e ree para as três orens observaa. O cálculo o erro eve levar em conta o erro a meia o ângulo (em raianos) consierano que este erro é metae a abertura angular a linha somaa ao erro o vernier (um minuto e grau). Escreva corretamente o valor a constante a ree com o seu respectivo erro (com apenas um algarismo significativo) para as três orens. Qual valor a constante e ree é mais exato? A partir as meias efetuaas para as outras linhas espectrais e o melhor valor (o que tiver menor erro) para a constante a ree, etermine toos os comprimentos e ona e toas as linhas para as iversas orens visíveis. Determine o erro em caa comprimento e ona. O cálculo o erro eve levar em conta o erro na eterminação a constante a ree e o erro na meia o ângulo. Escreva corretamente os valores os comprimentos e ona para as iversas cores nas orens visíveis. Expresse esses resultaos em uma tabela. Analisano os erros, em quais orens os comprimentos e ona são eterminaos com maior exatião? Compare a separação angular o espectro visível e primeira orem o Hg com a separação angular esperaa para o espectro a luz branca (4000 A A) também e primeira orem. Expresse o resultao em termos percentuais. Calcule a ispersão para a linha vere amarelaa para a primeira e para a seguna orem. Em que orem ocorre a maior ispersão? Trace a curva e calibração o espectrômetro, isto é, comprimento e ona λ versus ângulo θ para as uas primeiras orens. O gráfico eve ocupar pelo menos a metae e uma folha A4 e a curvas evem ser suaves. Qual é a utiliae essa curva?

14 42 N. B. e Oliveira DFES-I. FÍSICA-UFBA-Rev BIBLIOGRAFIA [1], [2], [3], [4], [14], [8], [9], [10], [11], [12], [13] Críticas e sugestões, contate Prof. Newton B. Oliveira -

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura Óptica Princípios a Óptica Geométrica ) Princípio a propagação retilínea a luz: nos meios homogêneos e transparentes a luz se propaga em linha reta. Natureza e Velociae a Luz A luz apresenta comportamento

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s 46 b FÍSICA A istância méia a Terra à Lua é 3,9.10 8 m. Seno a velociae a luz no vácuo igual a 3,0.10 5 km/s, o tempo méio gasto por ela para percorrer essa istância é e: a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s ) 77

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA

CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA TRABALHO PRÁTICO CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA Objectivo: Neste trabalho prático pretende-se: na 1ª parte, determinar o índice de refracção de um poliedro de vidro; na 2ª parte, proceder à

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica António Pestana Elementos e Topografia v1.0 Junho e 006 5 Meição e istâncias e áreas na planta topográfica 5.1 Meição e istâncias na planta topográfica Como as plantas topográficas são projecções horizontais,

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

Refração da Luz Prismas

Refração da Luz Prismas Refração da Luz Prismas 1. (Fuvest 014) Um prisma triangular desvia um feixe de luz verde de um ângulo θ A, em relação à direção de incidência, como ilustra a figura A, abaixo. Se uma placa plana, do mesmo

Leia mais

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES 1. (FELA - 96) Uma ona é estaelecia numa cora, fazeno-se o ponto A oscilar com uma freqüência igual a 1 x 103 Hertz, conforme a figur Consiere as afirmativas:

Leia mais

Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo Universiae e São Paulo Instituto e Física NOTA PROFESSOR 4323202 Física Experimental B Equipe 1)... função... Turma:... 2)... função... Data:... 3)... função... Mesa n o :... EXP 5- Difração e Interferência

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Rua Almino Afonso, 478 - Centro Mossoró / RN CEP: 59.610-210 www.uern.br email: reitoria@uern.br ou Fone: (84) 3315-2145 3342-4802 Óptica Geométrica Dr. Edalmy

Leia mais

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1 DIFERENÇ DE POTENCIL 1. Trabalho realizao por uma força. Consieremos uma força ue atua sobre um objeto em repouso sobre uma superfície horizontal como mostrao na figura 1. kx Esta força esloca o objeto

Leia mais

Questão 1. Questão 2. alternativa D

Questão 1. Questão 2. alternativa D Questão Sabe-se que o momento angular e uma massa pontual é ao pelo prouto vetorial o vetor posição essa massa pelo seu momento linear. Então, em termos as imensões e comprimento (L), e massa (M), e e

Leia mais

EXP. 5 - DIFRAÇÃO DA LUZ POR FENDAS

EXP. 5 - DIFRAÇÃO DA LUZ POR FENDAS Capítulo 5 EXP. 5 - DIFRAÇÃO DA LUZ POR FENDAS 5.1 OBJETIVOS Estudo da figura de difração da luz por uma fenda fina em função da largura da fenda. Estudo da figura de interferência e da figura de difração

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Fig. 1: Arranjo do experimento P2510502 O que você vai necessitar: Fotocélula sem caixa 06779.00 1 Rede de difração, 600 linhas/mm 08546.00 1 Filtro

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento 2015 Fis Lei Coulomb

Exercícios de Aprofundamento 2015 Fis Lei Coulomb Exercícios e Aprofunamento 015 Fis Lei Coulomb 1. (Unesp 015) Em um experimento e eletrostática, um estuante ispunha e três esferas metálicas iênticas, A, B e C, eletrizaas, no ar, com cargas elétricas

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA. Lista de Problemas

ÓPTICA GEOMÉTRICA. Lista de Problemas Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE II ÓPTICA GEOMÉTRICA Lista de Problemas Problemas extraídos de HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Laboratório de Física Moderna I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Laboratório de Física Moderna I UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Laboratório de Física Moderna I Espectro Atômico do Hidrogênio Série de Balmer Determinação da Constante de Rydberg Objetivo

Leia mais

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação LENTES E ESPELHOS INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética e interage com a matéria por meio de seus campos elétrico e magnético. Nessa interação, podem ocorrer alterações na velocidade, na direção

Leia mais

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas.

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Rastreamento e Telemetria e Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Douglas Soares os Santos, Wagner Chiepa Cunha e Cairo L. Nascimento Jr. Instituto Tecnológico e Aeronáutica - Praça Marechal

Leia mais

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal a. Apostila e Gravitação A Gravitação Universal Da época e Kepler até Newton houve um grane avanço no pensamento científico. As inagações os cientistas ingleses giravam em torno a questão: Que espécie

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO 1 DEFIJI Semestre2014-1 Ótica Lentes Esféricos Prof. Robinson 10:07:19 1 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO INTRODUÇÃO Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças

Leia mais

Capacitores. Figura 7.1

Capacitores. Figura 7.1 Capítulo 7 Capacitores 7.1 Introução Capacitor é um ispositivo que armazena energia potencial. Capacitores variam em forma e tamanho, mas a configuração básica consiste e ois conutores e cargas opostas.

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

Electromagnetismo e Óptica

Electromagnetismo e Óptica Electromagnetismo e Óptica Laboratório 3 - Óptica geométrica e ondulatória 1. OBJECTIVOS Obter o valor do índice de refracção de um vidro. Medir o ângulo limite de reflexão total. Montar um sistema óptico

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração Física IV Difração Sears capítulo 36 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Difração e a Teoria Ondulatória da Luz Difração e a Teoria Ondulatória da Luz A difração é um fenômeno essencialmente ondulatório, ou

Leia mais

Título do Experimento: Determinação de distâncias focais

Título do Experimento: Determinação de distâncias focais Universiae Estaual e Santa Cruz Departamento e Ciencias Exatas e Tecnologicas - DCET Curso e Física - Bacharelao e Licenciatura Laboratório e Física IV Pro. Fernano Tamariz Luna Título o Experimento: Determinação

Leia mais

Questão 2 Uma esfera de cobre de raio R0 é abandonada em repouso sobre um plano inclinado de forma a rolar ladeira abaixo. No entanto, a esfera

Questão 2 Uma esfera de cobre de raio R0 é abandonada em repouso sobre um plano inclinado de forma a rolar ladeira abaixo. No entanto, a esfera Questão 1 Na figura abaixo, vê-se um trecho de uma linha de produção de esferas. Para testar a resistência das esferas a impacto, são impulsionadas a partir de uma esteira rolante, com velocidade horizontal

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

III Corpos rígidos e sistemas equivalentes de forças

III Corpos rígidos e sistemas equivalentes de forças III Corpos rígios e sistemas equivalentes e forças Nem sempre é possível consierar toos os corpos como partículas. Em muitos casos, as imensões os corpos influenciam os resultaos e everão ser tias em conta.

Leia mais

Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013

Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2012/2013 Ciências Físico-químicas 8º an o Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013 Nome Nº Turma 1. A figura mostra um feixe de luz muito

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM

3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM 3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM 1. Um cientista está no seu moinho, no topo de uma falésia junto à costa marítima, apontando o seu pequeno radiotelescópio para uma estrela

Leia mais

Específica de Férias Prof. Walfredo

Específica de Férias Prof. Walfredo Específica e Férias Prof. Walfreo 01 Aluno(a): /07/01 1. (Unicamp 01) Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas

Leia mais

Física IV. Interferência

Física IV. Interferência Física IV Interferência Sears capítulo 35 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Interferência Arco-íris = Bolha de sabão refração interferência Princípio da superposição Quando duas ou mais ondas se superpõem,

Leia mais

Mancais bipartidos 644 645 645 646 647 648 648 660

Mancais bipartidos 644 645 645 646 647 648 648 660 Mancais bipartios Definição e aptiões 644 Séries 645 Variantes 645 Elementos e cálculo: cargas e torques 646 Elementos e montagem: seleção as juntas 647 Características 648 Mancal para rolamentos com bucha

Leia mais

Comprovação dos índices de refração

Comprovação dos índices de refração Comprovação dos índices de refração 1 recipiente de vidro; 1 bastão de vidro, e Glicerina. 1. Encha até a metade o recipiente com glicerina, depois basta afundar o bastão de vidro na glicerina e pronto!

Leia mais

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO Ao incidir em uma lente convergente, um feixe paralelo de luz, depois de passar pela lente, é concentrado em um ponto denominado foco (representado por

Leia mais

CONDENSADOR. Capacidade eléctrica O potencial eléctrico de um condutor esférico de raio R, e carga eléctrica Q:

CONDENSADOR. Capacidade eléctrica O potencial eléctrico de um condutor esférico de raio R, e carga eléctrica Q: CONDENSADOR Capaciae eléctrica O potencial eléctrico e um conutor esférico e raio R, e carga eléctrica : 1 4 R cont. 4 R te C A carga e o potencial são granezas irectamente proporcionais. C epene apenas

Leia mais

Formação de imagens por superfícies esféricas

Formação de imagens por superfícies esféricas UNIVESIDADE FEDEAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Laboratório de Física Geral IV Formação de imagens por superfícies esféricas.. Objetivos:. Primeira parte: Espelho Côncavo

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

UNICAMP - 2006. 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UNICAMP - 2006. 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UNICAMP - 2006 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Um corredor de 100 metros rasos percorre os 20 primeiros metros da corrida em 4,0 s com aceleração constante. A velocidade

Leia mais

do meio 1 é maior do que o do meio 2 n 2

do meio 1 é maior do que o do meio 2 n 2 Resolução as ativiaes complementares Física F9 Óptica Geométrica II p. 5 (Mack-SP) Sentaos em uma sala iluminaa, vemos os objetos e seu interior, por reflexão, no viro plano e uma janela. sse fato é observao

Leia mais

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal.

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal. Universiae Feeral e Alagoas Centro e ecnologia Curso e Engenharia Civil Disciplina: Mecânica os Sólios Cóigo: ECIV030 Professor: Euaro Nobre ages orção em Barras e Seção ransversal Circular Cheia ou Vazaa

Leia mais

Processo de Retificação Aspectos Gerais Análise

Processo de Retificação Aspectos Gerais Análise SEM0534 Processos e Fabricação Mecânica Processo e Retificação Prof. Assoc. Renato Goulart Jasinevicius SEM0534 Processos e Fabricação Mecânica Processo e Retificação Aspectos Gerais Análise SEM0534 Processos

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

EQUILÍBRIO DA ALAVANCA

EQUILÍBRIO DA ALAVANCA EQUILÍBRIO DA ALAVANCA INTRODUÇÃO A Alavanca é uma as máquinas mais simples estuaas na Grécia antiga. Ela consiste e uma barra rígia que gira em torno e um ponto fixo enominao fulcro. A balança e ois braços

Leia mais

Projeto 3. 8 de abril de y max y min. Figura 1: Diagrama de um cabo suspenso.

Projeto 3. 8 de abril de y max y min. Figura 1: Diagrama de um cabo suspenso. Cabos suspensos Projeto 3 8 e abril e 009 A curva escrita por um cabo suspenso pelas suas etremiaes é enominaa curva catenária. y ma y min 0 Figura 1: Diagrama e um cabo suspenso. A equação que escreve

Leia mais

unesp I - OBJETIVOS II - INTRODUÇÃO

unesp I - OBJETIVOS II - INTRODUÇÃO unesp Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Campus de Guaratinguetá - Faculdade de Engenharia Departamento de Física e Química FQ-4018 LABORATÓRIO DE ESTRUTURA DA MATÉRIA Turmas 421

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física. Referências bibliográficas: H S T.

Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física. Referências bibliográficas: H S T. Universiae eeral o Paraná Setor e Ciências Eatas Departamento e ísica ísica III Prof. Dr. Ricaro Luiz Viana Referências bibliográficas: H. -4 S. -5 T. 18- Aula Lei e Coulomb Charles Augustin e Coulomb

Leia mais

Curvas em coordenadas polares

Curvas em coordenadas polares 1 Curvas em coordenadas polares As coordenadas polares nos dão uma maneira alternativa de localizar pontos no plano e são especialmente adequadas para expressar certas situações, como veremos a seguir.

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo de microscópio

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE HOLOGRAFIA

EXPOSIÇÃO DE HOLOGRAFIA Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física.Gleb Wataghin. EXPOSIÇÃO DE HOLOGRAFIA Apresentação dos experimentos com rede de difração, reflexão e refração Eduardo Salmazo Orientador: Prof. José

Leia mais

08/12/2014 APLICAÇÕES DE ESPELHOS ESFERICOS TEORIA INTRODUÇÃO. Departamento de Física, Campus de Ji-Paraná Semestre2014-2

08/12/2014 APLICAÇÕES DE ESPELHOS ESFERICOS TEORIA INTRODUÇÃO. Departamento de Física, Campus de Ji-Paraná Semestre2014-2 Departamento de Física, Campus de Ji-Paraná Semestre2014-2 Aula: Espelhos Esféricos 1 S ESFERICOS Um espelho esférico é formado por uma calota esférica refletora, com raio de curvatura definido. Se a superfície

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA Material Utilizado: - um conjunto para experimentos com trilho de ar composto de: - um trilho de ar (PASCO SF-9214) - um gerador de fluxo de ar (PASCO SF-9216) - um carrinho

Leia mais

Mecanismos básicos de Propagação

Mecanismos básicos de Propagação Mecanismos básicos e Propagação Reflexão: Ocorre quano a ona propagaa se encontra com objetos muito granes quano comparaos com o comprimento e ona; Difração: Ocorre quano o caminho entre o transmissor

Leia mais

GABARITO DO GUIA DE ESTUDO 3 POLARIZAÇÃO

GABARITO DO GUIA DE ESTUDO 3 POLARIZAÇÃO GABARTO DO GUA DE ESTUDO POLARZAÇÃO GE.) Placas polarizadoras. GE..) Um vendedor alega que os óculos de sol que ele deseja lhe vender possuem lentes com filtro polaróide; porém, você suspeita que as lentes

Leia mais

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente.

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente. LÍNGUA PORTUGUESA. Leia atentamente a história em quarinhos e o poema abaixo transcritos. TEXTO I.. ranquia. Os Passageiros aultos poerão transportar sem o pagamento e qualquer taxa aicional até vinte

Leia mais

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo.

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo. 1. No gráfico abaixo, mostra-se como variou o valor o ólar, em relação ao real, entre o final e 2001 e o início e 2005. Por exemplo, em janeiro e 2002, um ólar valia cerca e R$2,40. Durante esse períoo,

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS DE MECÂNICA

QUESTÕES COMENTADAS DE MECÂNICA QUESTÕES COMENTDS DE MECÂNIC Prof. Inácio Benvegnú Morsch CEMCOM Depto. Eng. Civil UFGS ) Calcule as reações em para a viga isostática representaa na figura () kn/m,5 m Solução: Este cálculo fica simplificao

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Kit de ótica laser de demonstração U17300 e kit complementar Manual de instruções 1/05 ALF Índice de conteúdo Página Exp - N Experiência Kit de aparelhos 1 Introdução 2 Fornecimento

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA ÓPTICA REFLEXÃO MEIOS DE PROPAGAÇÃO DA LUZ CORPOS TRANSPARENTES CORPOS TRANSLÚCIDOS CORPOS OPACOS

ÓPTICA GEOMÉTRICA ÓPTICA REFLEXÃO MEIOS DE PROPAGAÇÃO DA LUZ CORPOS TRANSPARENTES CORPOS TRANSLÚCIDOS CORPOS OPACOS 12. Num calorímetro de capacidade térmica 8,0 cal/ o C inicialmente a 10º C são colocados 200g de um líquido de calor específico 0,40 cal/g. o C. Verifica-se que o equilíbrio térmico se estabelece a 50º

Leia mais

FÍSICA. Professor Felippe Maciel Grupo ALUB

FÍSICA. Professor Felippe Maciel Grupo ALUB Revisão para o PSC (UFAM) 2ª Etapa Nas questões em que for necessário, adote a conversão: 1 cal = 4,2 J Questão 1 Noções de Ondulatória. (PSC 2011) Ondas ultra-sônicas são usadas para vários propósitos

Leia mais

Lista de Exercícios de Física II Refração Prof: Tadeu Turma: 2 Ano do Ensino Médio Data: 03/08/2009

Lista de Exercícios de Física II Refração Prof: Tadeu Turma: 2 Ano do Ensino Médio Data: 03/08/2009 Lista de Exercícios de Física II Refração Prof: Tadeu Turma: 2 Ano do Ensino Médio Data: 03/08/2009 1. Na figura a seguir, está esquematizado um aparato experimental que é utilizado para estudar o aumento

Leia mais

Físico-Química Experimental II Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental II Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Química Experimental II Bacharelado em Química Engenharia Química Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 12 Introdução a Polarimetria. Lei de Biot. 1) Objetivos da aula Introdução a polarimetria. Determinação

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s Questão 46 a) 16 m/s ) 0 m/s b) 17 m/s e) 40 m/s c) 18 m/s Num trecho e 500 m, um ciclista percorreu 00 m com velociae constante e 7 km/h e o restante com velociae constante e 10 m/s. A velociae escalar

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery) Controle Estatístico e Qualiae Capítulo 4 (montgomery) Amostragem e Aceitação Lote a Lote para Atributos Introução A Amostragem poe ser efinia como a técnica estatística usaa para o cálculo e estimativas

Leia mais

Física Fascículo 03 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 03 Eliana S. de Souza Braga ísica ascículo 03 Eliana S. e Souza Braga Ínice Dinâmica - Trabalho, Energia e Potência Resumo Teórico... Exercícios... Gabarito...4 Dinâmica - Trabalho, Energia e Potência Resumo Teórico Trabalho e uma

Leia mais

FRENTE 1 MECÂNICA MÓDULO 24 TEOREMA DA ENERGIA CINÉTICA E MÉTODO GRÁFICO. τ at = 0. τ at = 3,0. 10 5 J. τ at = 3,0. 10 2 kj.

FRENTE 1 MECÂNICA MÓDULO 24 TEOREMA DA ENERGIA CINÉTICA E MÉTODO GRÁFICO. τ at = 0. τ at = 3,0. 10 5 J. τ at = 3,0. 10 2 kj. FRENTE 1 MECÂNICA MÓDULO 4 TEOREMA DA ENERGIA CINÉTICA E MÉTODO GRÁFICO 1. (FGV-RJ-014) Uma criança cansaa e carregar um brinqueo quer entregá-lo ao pai. Para isso, precisa levantar o brinqueo e uma altura

Leia mais

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton 1. INODUÇÃO Gravitação Deução as leis empíricas e Kepler a partir a mecânica newtoniana Newton O sistema geocêntrico é um moelo e visão o muno que amite a erra no centro o universo e os emais planetas,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 10-1 RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 CONSTRUÇÃO DE SISTEMA ÓTICO A PARTIR DE LENTES DE ÁGUA Aluno: Rubens Granguelli Antoniazi RA: 009849 Professor

Leia mais

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ LISTA e ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ 1. (Unicamp 013)Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas que atingem

Leia mais

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas.

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas. SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB V Olimpíaa Brasileira e Astronomia V OBA 2002 Gabarito Oficial o Nível II (para alunos a 5ª à 8ª série) (Este gabarito está também isponível em nossa home page http://www2.uerj.br/~oba)

Leia mais

PROVA ESCRITA NACIONAL SELEÇÃO PARA A TURMA 2014

PROVA ESCRITA NACIONAL SELEÇÃO PARA A TURMA 2014 PROVA ESCRITA NACIONAL SELEÇÃO PARA A TURMA 2014 Caro professor, cara professora Esta prova é composta por 25 questões de escolha múltipla, com quatro alternativas, e resposta única. Cada questão respondida

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

METAIS E COMPLEXOS. Um ácido de Lewis é uma espécie química que pode estabelecer uma ligação coordenada aceitando um par de eletrões de outra espécie.

METAIS E COMPLEXOS. Um ácido de Lewis é uma espécie química que pode estabelecer uma ligação coordenada aceitando um par de eletrões de outra espécie. METAIS E COMPLEXOS BASE DE LEWIS Uma base e Lewis é uma espécie química que poe estabelecer uma ligação coorenaa oano um par e eletrões a outra espécie. ÁCIDO DE LEWIS Um ácio e Lewis é uma espécie química

Leia mais

3 (Esam-RN) Na f igura a seguir, considere: E 1. e r 3. , r 2. Resolução: + 60º + 60 = 180º θ 1. + 30º + 30 = 180º θ 2.

3 (Esam-RN) Na f igura a seguir, considere: E 1. e r 3. , r 2. Resolução: + 60º + 60 = 180º θ 1. + 30º + 30 = 180º θ 2. Tópico Refleão a luz 37 Tópico.R. Um raio luminoso incie sobre um espelho plano formano um ângulo e 30 com sua superfície ref letora. Qual o ângulo formao entre os raios inciente e ref letio? 3 (sam-rn)

Leia mais

FÍSICA 3. k = 1/4πε 0 = 9,0 10 9 N.m 2 /c 2 1 atm = 1,0 x 10 5 N/m 2 tan 17 = 0,30. a (m/s 2 ) 30 20 10 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0.

FÍSICA 3. k = 1/4πε 0 = 9,0 10 9 N.m 2 /c 2 1 atm = 1,0 x 10 5 N/m 2 tan 17 = 0,30. a (m/s 2 ) 30 20 10 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0. FÍSIC 3 Valores de algumas grandezas físicas celeração da gravidade: 1 m/s Carga do elétron: 1,6 x 1-19 C Constante de Planck: 6,6 x 1-34 J Velocidade da luz: 3 x 1 8 m/s k = 1/4πε = 9, 1 9 N.m /c 1 atm

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, exploramos a origem do campo magnético - cargas em movimento.

Leia mais

Manual de Laboratório Física Experimental I- Hatsumi Mukai e Paulo R.G. Fernandes

Manual de Laboratório Física Experimental I- Hatsumi Mukai e Paulo R.G. Fernandes Pêndulo Simples 6.1 Introdução: Capítulo 6 Um pêndulo simples se define como uma massa m suspensa por um fio inextensível, de comprimento com massa desprezível em relação ao valor de m. Se a massa se desloca

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA 81 1 SOLENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOLENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores, ou por uma única espira são, para efeitos práticos, bastante fracos. Uma forma e se prouzir campos magnéticos

Leia mais

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2 FÍSICA 1 Uma pista de skate, para esporte radical, é montada a partir de duas rampas R 1 e R 2, separadas entre A e B por uma distância D, com as alturas e ângulos indicados na figura. A pista foi projetada

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

Forma de Captura de Imagens Digitais:

Forma de Captura de Imagens Digitais: Forma de Captura de Imagens Digitais: - Câmaras Digitais. -Videografia. - Scanner Normal. - Scanner plano B/P (tons de cinza). - Scanner plano Colorido. - Scanner plano profissional. - Scanner de tambor.

Leia mais