Escola Portuguesa de Macau

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Portuguesa de Macau"

Transcrição

1 Escola Portuguesa de Macau Disciplina de Física e Química A Relatório da Visita de Estudo à Companhia de Electricidade de Macau realizada em 19 de Março de 2010 ELABORAÇÃO: Magda Wu de Vasconcelos e Sá aluna nº 19 do 10 o Ano, Turma A 21 de Março de 2010

2 Índice Índice 1 Acrónimos, Siglas e Abreviaturas 2 I - INTRODUÇÃO 3 1.INDÚSTRIAS DE PRODUÇÃO ELÉCTRICA COM BASE EM COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS 3 2. TERMOELÉCTRICAS DIFERENTES FONTES DE ENERGIA 3 3. VISITA 4 II DESENVOLVIMENTO 5 1. OBJECTIVOS 5 2. DESCRIÇÃO 5 3. RESULTADOS 9 III - CONCLUSÃO 10 BIBLIOGRAFIA 11 1

3 Acrónimos, Siglas e Abreviaturas CCA Central Térmica de Coloane A CCB Central Térmica de Coloane B CEM Companhia de Electricidade de Macau CMC Central Térmica de Macau EMS Sistema de Gestão de Energia E.P.M. Escola Portuguesa de Macau GWh Gigawatt-hora Hz Hertz Km - Kilómetro kv Kilovolt MVA Mega Volt Ampére MWh Megawatt-hora SCADA Sistema de Supervisão e Aquisição de Dados SCR Sistema de Redução Catalítica Selectiva V Volt 2

4 I - INTRODUÇÃO 1. INDÚSTRIAS DE PRODUÇÃO ELÉCTRICA COM BASE EM COBUSTÍVEIS FÓSSEIS A energia eléctrica derivada de combustíveis fósseis é produzida principalmente em unidades industriais termoeléctricas e termonucleares. O que varia em cada uma, é a fonte energética que faz girar um eixo e produzir energia mecânica, que será posteriormente transformada em electricidade. Unidades Industriais Termoeléctricas Para se obter energia eléctrica desta forma, aumentam-se os custos e o impacto ambiental, mas a sua construção requer investimentos menores do que a de uma hidroeléctrica. O que faz a turbina de uma indústria termoeléctrica girar é a pressão do vapor de água obtido através da combustão de derivados do petróleo, carvão mineral ou gás natural. A sua vantagem em relação a hidroeléctrica é que a localização da indústria é determinada pelo homem e não pela topografia do terreno, o que possibilita a sua instalação nas proximidades da área de consumo. Unidades de Energia Nuclear O que movimenta a turbina de uma instalação nuclear é o vapor de água, que é gerado através da fissão de átomos de urânio em reactor. As instalações nucleares são típicas de países desenvolvidos, já que o custo da instalação é elevado e a tecnologia incorporada no processo é avançada. Se ocorrer algum acidente, a radioactividade leva anos ou até mesmo séculos, para se dissipar. Outro grande problema é o destino do lixo nuclear. 2. TERMOELÉCTRICAS DIFERENTES FONTES DE ENERGIA Petróleo O petróleo é a principal fonte de energia do planeta, seguida pelo carvão mineral e pelo gás natural. Isso é preocupante, visto que 90% da energia consumida no planeta é proveniente de fontes não-renováveis, isto é, que um dia se vão esgotar. Isso não quer dizer que faltará energia no mundo, mas que haverá, um trabalhoso e complexo período de transição para nos adaptarmos à utilização de uma nova energia. 3

5 O petróleo é encontrado em bacias sedimentares resultantes do soterramento de antigos ambientes aquáticos. Pode ser encontrado nos estados sólido, líquido e gasoso. É usado pelo homem desde há muito tempo. O petróleo, além de ser a principal fonte de energia do planeta, é importantíssimo e está presente em todo o nosso quotidiano. Com ele, as indústrias petroquímicas fabricam o plástico, a borracha sintética, os fertilizantes e os adubos usados na agricultura. Mas, essa grande dependência gera outras questões: o petróleo é uma fonte não-renovável de energia. Algumas previsões indicam que se esgotará em cerca de dois séculos. Carvão Mineral e Gás Natural A participação destas fontes de energia aumentou significativamente a partir das crises do petróleo em 1973, 1979 e 1991, que levaram os países a substituí-lo por outras fontes de energia. O carvão mineral ocupa hoje a segunda posição, e o gás natural a terceira no consumo mundial de energia. O carvão mineral é uma fonte de energia muito abundante, o que torna o substituto imediato do petróleo em situações de crise e aumento de preços. Mas, o carvão mineral acarreta prejuízos ambientais para o planeta, pois a estrutura do carvão contém enorme quantidade de carbono e enxofre que, após a combustão para a atmosfera os liberta na forma de dióxido de carbono, que agrava o efeito estufa, e dióxido de enxofre, o grande responsável pela ocorrência das chuvas ácidas. O carvão mineral, também é uma importante matériaprima da indústria de produtos químicos orgânicos, que produz asfalto e produtos plásticos. O gás natural, além de ser mais barato e facilmente transportável em condutores, apresenta uma combustão quase limpa, que polui pouco a atmosfera, quando comparada com a do carvão e a do petróleo. Esta combustão liberta uma boa quantidade de energia, utilizada cada vez mais, nos transportes e na produção industrial. 3. VISITA Visitámos as centrais de Coloane, no dia 19 de Março de 2010, tendo partido da E.P.M. pelas 9.35H. e ali chegado, de autocarro, às 9.58H.. Fomos acompanhados em toda a visita pelo Professor Paulo Guerra. A visita terminou às 12 horas. 4

6 II - DESENVOLVIMENTO 1. OBJECTIVOS Realizada no dia 19 de Março de 2010 e no âmbito da disciplina de Física e Química, esta visita de estudo teve como objectivo dar-nos a conhecer, em linhas gerais, todo o processo industrial de produção de energia termoeléctrica em Macau. Pudemos também perceber como se opera a importação, a distribuição, o transporte e venda dessa mesma energia. 2. DESCRIÇÃO Desde 1972 que a CEM detém a concessão exclusiva de produção, transmissão, distribuição, venda, importação e exportação de electricidade em Macau. As preocupações ambientais têm sido uma das prioridades da CEM, com o objectivo de tornar a companhia uma das mais respeitadoras do ambiente na região geográfica em que está inserida. Em 1985, devido ao aumento da procura de energia eléctrica, a Companhia de Electricidade de Macau decidiu ampliar a sua capacidade de geração com unidades Diesel a dois tempos de baixa velocidade e construir uma das maiores centrais eléctricas Diesel do mundo. A ampliação foi dividida em três fases de duas unidades cada, que foram concluídas em 1988, 1992 e Produção de Energia Eléctrica em Macau O actual parque produtor de energia eléctrica da CEM é composto por três centrais térmicas, uma instalada na cidade de Macau, Central Térmica de Macau (CMC) e as outras duas na ilha de Coloane, Central Térmica de Coloane A (CCA) e a Central Térmica de Coloane B (CCB). A CEM tem uma capacidade total instalada de 472MW. Os geradores "Diesel de baixa velocidade" são o principal tipo de tecnologia utilizada na CEM, representando 49% da capacidade total instalada e mais de 67% da energia produzida pela CEM em A tecnologia usada na CCB é a de ciclo combinado (cada ciclo combinado é composto por duas turbinas a gás e por uma turbina a vapor). Em 2008, a energia bruta fornecida pela CEM foi de 3475GWh, tendo sido produzida pela CEM 1103GWh e 2372GWh adquirida a fornecedores externos. A energia produzida pela CEM e a energia adquirida a fornecedores externos correspondem respectivamente a 37% e 63%. A taxa de crescimento da energia fornecida foi de 11%. Os valores máximos diários registados para a energia e potência fornecidas foram respectivamente 13,83 GWh e 653,6 MWh. 5

7 Foto 1 - Central Térmica de Macau Foto 2 -Central Térmica de Coloane A Foto 3 - Central Térmica de Coloane B Transporte e Distribuição O sistema de transporte de energia opera a 220kV, 110 kv e a 66 kv e o sistema de distribuição de energia opera a 11 kv e a 400/230 V. O fornecimento de energia em BT é efectuado em corrente alternada com a frequência de 50 Hz, a 230 V (entregas monofásicas) e a 400 V (entregas trifásicas). Subestações Actualmente a CEM dispõe de, e tem em exploração, 18 Subestações de Alta Tensão (com uma potência instalada de 720MVA na relação 220/110kV, de 1.125MVA na relação 110/66 kv e de MVA na relação 66/11 kv), e cerca de Postos de Transformação (11/0,4 kv). 6

8 Foto 4 - Subestação Canal dos Patos Linhas e Cabos A electricidade é transportada e distribuída por intermédio de redes subterrâneas. A grande maioria da rede de transporte é explorada a 66 kv embora existam alguns circuítos explorados a 110 kv. Para fins de distribuição ao consumidor final, a Alta Tensão é inicialmente convertida para Média Tensão (11 kv) e, posteriormente, novamente convertida para 400/230 V a fim de poder ser utilizada pelos consumidores. Em Dezembro de 2008 a rede da CEM compreendia 223 Km de cabos de transporte em Alta Tensão (a 110 kv e a 66 kv), 559 Km de cabos de distribuição em Média Tensão (a 11 kv) e 744 Km de cabos de distribuição em Baixa Tensão. Fotos 5 e 6 - Instalação de cabo de alta tensão Interligação com a Provincía de Cantão A interligação a 220kV com a Rede eléctrica da província de Cantão foi estabelecida em Junho de 2008, consistindo em 3 circuitos ligados à Subestação 220/110kV do Canal dos Patos, com uma capacidade de importação total de MVA. 7

9 Mapa 1 - Mapa da Rede de Transporte e Interligação Controlo O controlo da produção (temperatura, pressão) e importação é realizado na sala de controlo, situada em cada uma das centrais. Por outro lado, o Centro do Sistema de Despacho, através do sistema SCADA/EMS, coordena o processo de produção, transporte e distribuição a partir de um centro de controlo centralizado, para assim conseguir uma optimização do desempenho do sistema de energia. O sistema SCADA é um sistema aberto que usa os mais modernos padrões internacionais. Permite a sua expansão e integração com outros sistemas sem quaisquer barreiras. Um Sistema de Gestão de Energia (EMS) está incorporado a fim de assegurar a optimização, segurança e fiabilidade da rede. A sua análise é levada a cabo regularmente, dando informações aos operadores para que possam obter a maior eficiência do Sistema de Energia. Por um lado, a implementação das funções da Automação da Distribuição permite à CEM reduzir o número de cortes de energia. O controlo em tempo real das operações da rede de distribuição a 11kV permite aos operadores prever a ocorrência de eventuais falhas. Por outro lado, a duração das falhas de energia baixou drasticamente, uma vez que o controlo remoto substituiu as intervenções no local. Prova disso é o facto de a interrupção média do fornecimento de energia, por cliente, ser (anualmente) de apenas 3 minutos em Macau, quando a mesma é de 38 minutos em Londres, 4 horas em S. Francisco e de 9 horas na vizinha cidade de Guangzhou. O isolamento remoto e o restabelecimento da energia podem agora ser feitos com facilidade a partir da sala de controlo, o que ajuda a reduzir a duração média das interrupções de energia. Ambiente A Central Térmica de Coloane B (CCB) foi a primeira em Macau a usar tecnologia sustentável da mais avançada disponível no mercado. A tecnologia de turbinas a gás de ciclo combinado usada na CCB é uma das mais respeitadoras do ambiente actualmente existentes em todo o mundo, o que representa um melhoramento 8

10 substancial em termos de protecção ambiental, podendo mais tarde ser usada com gás natural quando tal fornecimento se efectivar, o qual trará ainda acrescidos benefícios ambientais. A instalação destes sistemas, assim como de equipamento suplementar, permite uma redução da emissão de óxidos de azoto, de partículas e de hidrocarbonetos para a atmosfera, três dos elementos mais poluentes gerados pela combustão de energia fóssil. Um outro passo importante em termos de controlo de poluição, trata-se do recém implementado sistema de monitorização online de todas as chaminés das unidades de motores Diesel da Central Térmica de Coloane, o qual fornece informação permanente acerca dos poluentes mais importantes. Este controlo faz com que se consigam manter as emissões para o ar dentro dos limites adequados previamente estabelecidos. É claro que uma instalação industrial produtora de energia eléctrica que usa como matérias primas Gás Natural, Gasóleo e Fuelóleo em regime de laboração contínua com trabalhadores escalados por turnos de oito horas, acarreta riscos especialmente devidos às emissões de gases de escape, designadamente no que respeita aos óxidos de azoto e à matéria particulada. Óxidos de Azoto Os motores Diesel de alta eficiência térmica emitem uma quantidade relativamente elevada de óxidos de azoto. Os valores internacionalmente aceites como máximos deste tipo de emissão podem ser cumpridos na CEM através do ajuste do motor diesel e da utilização de válvulas de injecção especiais. Uma das consequências destes ajustes é um ligeiro aumento no consumo de combustíveis. Existe também em todos estas unidades da CEM um sistema de Redução Catalítica Selectiva (SCR) que remove, pelo menos, 90% dos óxidos de azoto presentes nos gases de escape. Matéria Particulada A CEM durante os últimos anos e a nível dos motores diesel, melhorou substancialmente as válvulas de injecção e os sistemas de lubrificação dos cilindro, que passaram a ser controlados electronicamente. Estes melhoramentos possibilitaram o cumprimento rigoroso dos requisitos de emissão de matéria particulada universalmente aceites e sem necessidade de recurso à filtração adicional dos gases de escape. 3. RESULTADOS Com um universo de mais de clientes e mais de GWh em vendas anuais de electricidade, a fiabilidade atingiu um nível de 99,9%, que é um dos melhores do mundo. As tarifas são semelhantes às praticadas na maioria das cidades mais desenvolvidas do mundo, incluindo 20% inferiores às de Singapura e comparáveis às da ilha de Hong Kong. Simultaneamente, a produtividade dos empregados da CEM melhorou oito vezes mais, durante os últimos vinte e três anos e, o nível de produtividade da CEM é hoje muito melhor do que o de outros operadores de sistemas com características e dimensões comparáveis. Todo este panorama foi possível graças à elevada formação escolar e profissional do pessoal técnico que dirige e acompanha todo o processo de produção. 9

11 III CONCLUSÃO Desta visita pudemos concluir que, por mais tecnologicamente sustentável que seja, este tipo de produção de energia acarreta sempre encargos para o ambiente. Por isso mesmo, torna-se importante o investimento na produção de alta eficiência com gás natural, em deterimento do fuelóleo, por ser muito competitivo do ponto de vista dos custos, ter maior fiabilidade e ser mais amigo do ambiente. Isto, porque Macau não tem condições geográficas para a construção de grandes parques eólicos. Contudo, e apesar de já irmos tarde, devíamos começar a obrigar todos os condomínios a equipar os telhados e terraços das habitações e prédios com painéis e sistemas de aproveitamento da energia solar, como aliás já é feito em cidades da região como Shanghai. 10

12 Bibliografia Biblioteca do Gil: Fazer um Relatório de uma Visita de Estudo. Portugal. Disponível em Acesso em 20 março Central Eléctrica de Coloane, Macau Burmeister & Scandinavian Contractor A/S. Dinamarca. Disponível em Acesso em 20 março CEM Companhia de Electricidade de Macau A CEM Apresenta a sua Visão. Macau. Disponível em Sobre. Acesso em 20 março CEM Companhia de Electricidade de Macau Infra-estruturas. Macau. Disponível em Acesso em 20 março Diciopédia 2007, cd-room interactivo, Porto Editora multimédia. Enciclopédia Universal Multimédia de Luxo, cd-room interactivo. Texto Editora, ESCOLA PORTUGUESA DE MACAU Língua Portuguesa: Estrutura de um trabalho escrito. Macau, ESCOLA PORTUGUESA DE MACAU Regras básicas para elaborar um relatório científico. Macau, ZANETI, Eni Maria de Souza Pinto Como fazer referências bibliográficas. Brasil. Disponível em Acesso em 20 março

Relatório da Visita de Estudo à. Central Termoeléctrica da CEM em Coloane. Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A

Relatório da Visita de Estudo à. Central Termoeléctrica da CEM em Coloane. Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A Relatório da Visita de Estudo à Central Termoeléctrica da CEM em Coloane Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A Trabalho realizado por: António Sérgio Ribeiro, 10ºA, Nº3 Data: 19/03/2010

Leia mais

Introdução ao percurso da Visita de Estudo 3

Introdução ao percurso da Visita de Estudo 3 Índice: Objectivo 1 Introdução teórica 2 Introdução ao percurso da Visita de Estudo 3 Descrição da Visita de Estudo 3 Conclusão 8 Bibliografia 8 Objectivo: Este trabalho é realizado no âmbito da disciplina

Leia mais

de Macau Relatório Andy 19 de Março de 2010 Jiahua Chen Nº 1 do 10º ano A

de Macau Relatório Andy 19 de Março de 2010 Jiahua Chen Nº 1 do 10º ano A Escola Portuguesa de Macau Relatório de Visita de Estudo Central Térmica de Coloane Andy 19 de Março de 2010 Jiahua Chen Nº 1 do 10º ano A Índice Introdução... 3 Breve Resumo da Viagem... 3 Informações...

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

Energia e Desenvolvimento Humano

Energia e Desenvolvimento Humano Aula 19 A energia elétrica de cada dia Página 321 O consumo de energia aumentou gradativamente ao longo das etapas de desenvolvimento. Este aumento está relacionado com o crescimento populacional e o desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana.

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. O aumento da população humana é frequentemente citado como a principal causa de problemas para o planeta. De facto a humanidade está a crescer

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA. Eletricidade Geração de Energia Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo

GERAÇÃO DE ENERGIA. Eletricidade Geração de Energia Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo GERAÇÃO DE ENERGIA Eletricidade Geração de Energia Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Tipos de Geração de Energia

Leia mais

O que é Energia eólica?

O que é Energia eólica? Energia Eólica Introdução A energia eólica é a energia obtida pelo movimento do ar (vento). É uma abundante fonte de energia, renovável, limpa e disponível em todos os lugares. Os moinhos de vento foram

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS

ENERGIAS ALTERNATIVAS ENERGIAS ALTERNATIVAS (I.F./2006) Introdução O homem utiliza no seu quotidiano muitos produtos que derivam do petróleo, como por exemplo, os fertilizantes, o vestuário, a pasta de dentes, plásticos, pneus

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS

ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS 1. BIOMASSA O termo biomassa refere-se a uma série de produtos e sub-produtos agrícolas e florestais, assim como resíduos diversos de origem animal e humana

Leia mais

A questão energética. Capítulo 28

A questão energética. Capítulo 28 A questão energética Capítulo 28 Balanço energético mundial Energia é a capacidade de produzir trabalho; Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo Necessidade de novas fontes de energia Ciclos

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO A indústria de energia elétrica tem as seguintes atividades clássicas: produção, transmissão, distribuição e comercialização, sendo que esta última engloba a medição

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

O Petróleo é um fonte de energia não renovável, e no momento uma das maiores fontes de energia para a humanidade.

O Petróleo é um fonte de energia não renovável, e no momento uma das maiores fontes de energia para a humanidade. PETRÓLEO Atualmente o Petróleo é um dos recursos naturais de que a nossa sociedade mais depende, pois diversos produtos que conhecemos e utilizamos são derivados desse combustível que move o mundo. O Petróleo

Leia mais

Uso de painéis solares e sua contribuição para a preservação do meio ambiente

Uso de painéis solares e sua contribuição para a preservação do meio ambiente Uso de painéis solares e sua contribuição para a preservação do meio ambiente Kíssila Chagas Pereira* Luana da Silva Riscado** Silvia Azevedo Monteiro*** Resumo Os aquecedores solares usam os painéis solares

Leia mais

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade ENERGIA Em busca da sustentabilidade Quais formas de energia você consegue identificar nesta cena? Características de uma boa fonte de combustível i) Fornecer grande quantidade de energia por unidade de

Leia mais

I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Energia eólica - a utilização do vento, uma alternativa ecologicamente correta e economicamente viável para geração de energia renovável

Leia mais

Carolina Luiza Rizental Machado

Carolina Luiza Rizental Machado Carolina Luiza Rizental Machado INTRODUÇÃO A energia termoelétrica é aquela gerada a partir da queima de algum combustível, tanto de fontes renováveis, quando de fontes não renováveis; As usinas termoelétricas

Leia mais

Fontes de Energia e Meio Ambiente

Fontes de Energia e Meio Ambiente UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA - UFJF INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS ICE DEPARTAMENTO DE QUÍMICA QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Fontes de Energia e Meio Ambiente Alunos: Arina Estefânia Gomes Flávia Campos

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 DESEMPENHO DE UM GRUPO GERADOR OPERANDO COM MOTOR DIESEL CONVERTIDO PARA FUNCIONAR APENAS COM GÁS NATURAL Jaguaribe,

Leia mais

Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas

Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Pedro Cardoso Sistemas de Energia TEKTÓNICA 2015 06-05-2015 1 TEKTÓNICA 2015 Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Autoconsumo fotovoltaico

Leia mais

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil Geração distribuída e centralizada, leilões e incentivos fiscais contribuem para geração de energia solar

Leia mais

Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre

Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre Atmosfera Atmosfera é a camada gasosa ao redor da Terra. Hidrosfera é a parte líquida da Terra que corresponde a cerca de 80% da superfície. A água dos

Leia mais

Monitoramento de Biogás Manual de aplicação

Monitoramento de Biogás Manual de aplicação / engezer@engezer.com.br Monitoramento de Biogás Manual de aplicação O biogás constitui uma fonte de energia renovável verdadeiramente sustentável. A utilização do biogás cresceu de forma exponencial nos

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização:

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização: Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D Companhia Energética do Maranhão - CEMAR Última atualização: Março/2015 Título do Projeto: Desenvolvimento de Cabeça de Série de Transformador com Medição Integrada

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR C ( p f d o m r s a b c d e omo pode cair no enem ENEM) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o

Leia mais

Capítulo 2 - Poluição

Capítulo 2 - Poluição Capítulo 2 - Poluição Biologia e bioquímica da poluição Poluição Ar Água Solo Ciências do Ambiente Prof. Alessandro de Oliveira Limas Biologia e bioquímica da poluição Caracterização da poluição Alteração

Leia mais

ISEL. Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo. Relatório de Visita de Estudo. 30 Novembro 2004. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo. Relatório de Visita de Estudo. 30 Novembro 2004. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo Relatório de Visita de Estudo 30 Novembro 2004

Leia mais

MÓDULO DA AULA TEMÁTICA / BIOLOGIA E FÍSICA / ENERGIA

MÓDULO DA AULA TEMÁTICA / BIOLOGIA E FÍSICA / ENERGIA MÓDULO DA AULA TEMÁTICA / BIOLOGIA E FÍSICA / ENERGIA FÍSICA 01. Três especialistas fizeram afirmações sobre a produção de biocombustíveis. Para eles, sua utilização é importante, pois estes combustíveis.

Leia mais

Centro Cultural de Belém

Centro Cultural de Belém Audição Pública sobre a proposta de regulamentação do Gás Natural Centro Cultural de Belém Perspectiva dos consumidores A opinião da COGEN Portugal A. Brandão Pinto Presidente da Comissão Executiva ÍNDICE

Leia mais

Porto Santo Sustentável A importância do armazenamento de energia. fevereiro 2016

Porto Santo Sustentável A importância do armazenamento de energia. fevereiro 2016 A importância do armazenamento de energia fevereiro 2016 Fevereiro de 2016 1 A importância do armazenmento ÍNDICE Principais Constrangimentos Balanço Energético Áreas de Atuação Caracterização do Sistema

Leia mais

Visões para o Desenvolvimento da Indústria Brasileira de Gás Natural. Marco Tavares

Visões para o Desenvolvimento da Indústria Brasileira de Gás Natural. Marco Tavares Visões para o Desenvolvimento da Indústria Brasileira de Gás Natural Marco Tavares Maio de 2014 1. CONTEXTO INTERNACIONAL DA INDÚSTRIA DE GÁS NATURAL A IEA Agência Internacional de Energia propôs que a

Leia mais

A MOBILIDADE ELÉCTRICA

A MOBILIDADE ELÉCTRICA A MOBILIDADE ELÉCTRICA Contextualização As significativas alterações climáticas e o aumento do preço dos combustíveis sustentam um dos maiores desafios do século XXI - fiabilidade, segurança e sustentabilidade

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modernidade trouxe vantagens e prejuízos Poluição causada pelas organizações afeta diretamente a natureza Criação de Leis para minimizar

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DO PORTO SANTO EEM/DSP 1 16 MWe Central Térmica do Porto Santo 1 Descrição Geral A Central Térmica do Porto Santo entrou em funcionamento em 1992,

Leia mais

Projeto de Cogeração Termoelétrica Santa Adélia. a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local

Projeto de Cogeração Termoelétrica Santa Adélia. a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local O, localizado em Jaboticabal, interior do estado de São Paulo, consiste na queima do bagaço de cana-de-açúcar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL Porto Alegre, 21 de março de 2003. 1 - INTRODUÇÃO O carvão

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização:

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização: Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D Companhia Energética do Maranhão - CEMAR Última atualização: Março/2016 PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO CEMAR CONCLUÍDO 2015 Título do Projeto: Sistema

Leia mais

[R]evolução energética:

[R]evolução energética: Ricardo Baitelo* [R]evolução energética: perspectivas para uma energia global sustentável As fortes suspeitas de que o ser humano é o agente responsável pela crise do aquecimento global foram categoricamente

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO

BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO BIOCOMBUSTÍVEL Qualquer combustível de origem biológica, não fóssil. Mistura de uma ou mais plantas como: cana-de-açúcar, mamona, soja, cânhamo,

Leia mais

IMPACTE AMBIENTAL SOBRE OS RIOS TEJO E DOURO ASSOCIADO ÀS CENTRAIS TERMOELÉCTRICAS

IMPACTE AMBIENTAL SOBRE OS RIOS TEJO E DOURO ASSOCIADO ÀS CENTRAIS TERMOELÉCTRICAS IMPACTE AMBIENTAL SOBRE OS RIOS TEJO E DOURO ASSOCIADO ÀS CENTRAIS TERMOELÉCTRICAS Mário N. NINA Professor Associado, Faculdade de Engenharia, Universidade Católica Portuguesa, 2635-631 Rio de Mouro, marionina@fe.ucp.pt

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Energia Solar

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Energia Solar Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Energia Solar Projeto FEUP2014/2015 Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Coordenadores gerais:armando Sousa & Manuel FirminoCoordenador de curso:

Leia mais

Fontes não-renováveis

Fontes não-renováveis PRODUÇÃO DE ENERGIA Fontes não-renováveis RENOVÁVEIS NÃO-RENOVÁVEIS Têm a possibilidade de se renovar, como as energias solar, hidráulica, eólica (ventos), marés e biomassa. Podem se renovar naturalmente

Leia mais

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO Profº Júlio César Arrué dos Santos Ciclo da Água Fonte: http://www.aguasdevalongo.net/veolia/infantil/default.asp O ciclo da água que está apresentado

Leia mais

Soluções de Medição de Energia e Emissões

Soluções de Medição de Energia e Emissões we measure it. Soluções de Medição de Energia e Emissões O 2 NO 2 %H 2 O CO SO 2 hpa CO baixo CO 2 C/ F NO H 2 S NO baixo C x H y Soluções de Medição de Energia e Emissões A eficiência é uma questão de

Leia mais

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES 1. Introdução As mais-valias geradas pelo projecto da EXPO 98 ultrapassaram há muito as fronteiras do Parque das Nações. Os

Leia mais

Energia em busca de alternativas renováveis 1

Energia em busca de alternativas renováveis 1 Energia em busca de alternativas renováveis 1 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Guilherme de A. Dantas Pergunta: É possível haver equilíbrio em um quadro de alta do petróleo, custos pouco atrativos

Leia mais

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Mudança do Clima A mudança do clima representa um desafio para a sustentabilidade global. Os gases de efeito estufa (GEEs) são apontados como os principais responsáveis

Leia mais

NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL

NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL Publicação da Área de Negócios de Gás & Energia da Petrobras ÍNDICE Capítulo 01 Panorama da indústria gasífera

Leia mais

Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 2º trimestre

Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 2º trimestre Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 2º trimestre De acordo com as estatísticas referentes ao 2º trimestre, a carga máxima da rede subiu 1,5%, ou seja, 651,0 MW, comparativamente

Leia mais

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos Só Elétrica Indústria e Comércio de Equipamentos Elétricos Rua Duque de Caxias, 796 Centro Joaçaba CEP: 89600-000 Fone: (49) 3522-2681 Um sistema fotovoltaico é uma fonte de potência elétrica, na qual

Leia mais

RTPROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES EM RESIDÊNCIAS POPULARES

RTPROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES EM RESIDÊNCIAS POPULARES 1 RTPROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES EM RESIDÊNCIAS POPULARES João. L. B. ZAMPERIN 1, Simone L. ANDRADE 2, Camila P. C. GABRIEL 3, Luis R. A. GABRIEL FILHO 4 RESUMO: Neste trabalho analisamos

Leia mais

Tecnologias de ponta para energias limpas e preservação do ambiente

Tecnologias de ponta para energias limpas e preservação do ambiente Tecnologias de ponta para energias limpas e preservação do ambiente Bright Green Exposição na ocasião da 15 ème Conferência das Nações Unidas sobre a mudança climática (COP15) Copenhaga - Dinamarca, 12-13

Leia mais

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011 Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções Promover a eficiência energética É tornar o mundo melhor e mais assustentável tá e ADENE Agência para a Energia Paulo Nogueira Auditório

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Comparação da eficiência ambiental de caldeira operada com gás natural e caldeira operada com casca de coco babaçu Gustavo Godoi Neves (Eng. de Produção - FAJ) gustavo_g_n@hotmail.com Dra Ângela Maria

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PLANO DIRETOR DE MÉDIA TENSÃO RECREIO DOS BANDEIRANTES

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PLANO DIRETOR DE MÉDIA TENSÃO RECREIO DOS BANDEIRANTES XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PLANO DIRETOR DE MÉDIA TENSÃO RECREIO DOS BANDEIRANTES RODRIGO DE MORAES PEREIRA DA ROSA PAULO ROBERTO SANTIAGO BASTOS FERNANDO FERRO MACEDO LIGHT

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA RECUPERAÇÃO DE CALOR 31/05/2011 www.cofely-gdfsuez.pt Sumário COFELY Portugal Referências Serviços para Indústria: IFMS Projectos Recuperação de calor em caldeira de

Leia mais

Energia. Fontes e formas de energia

Energia. Fontes e formas de energia Energia Fontes e formas de energia Energia está em tudo que nos rodeia! Nestas situações associa-se energia à saúde ou à actividade. Energia está em tudo que nos rodeia! Diariamente, ouvimos ou lemos frases

Leia mais

1. Evolução da atmosfera

1. Evolução da atmosfera 1. Evolução da atmosfera Breve história O nosso planeta está envolvido por uma camada gasosa atmosfera cuja espessura é de aproximadamente 1110 km (+- 1/5 do raio terrestre). Esta camada gasosa tem várias

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

Curso Engenharia Mecânica REDES DE GÁS

Curso Engenharia Mecânica REDES DE GÁS Curso Engenharia Mecânica REDES DE GÁS Luís Mesquita, 2007 Índice Geral CAPÍTULO 1: Enquadramento Energético e Introdução do Gás Natural em Portugal (1) CAPÍTULO 2: Caracterização dos gases Combustíveis

Leia mais

NÚCLEO GERADOR: URBANISMO E MOBILIDADE. Tema: A Agricultura

NÚCLEO GERADOR: URBANISMO E MOBILIDADE. Tema: A Agricultura NÚCLEO GERADOR: URBANISMO E MOBILIDADE Tema: A Agricultura A agricultura Um dos principais problemas da humanidade é conseguir fornecer a todas as pessoas alimentação suficiente e adequada. Crescimento

Leia mais

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up. Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012 António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.pt Capítulo 3 Baterias Solares As baterias solares, também conhecidas

Leia mais

Recursos energéticos e os desafios ambientais. Professor: Jonathan Kreutzfeld

Recursos energéticos e os desafios ambientais. Professor: Jonathan Kreutzfeld Recursos energéticos e os desafios ambientais Professor: Jonathan Kreutzfeld Energia Elétrica Aula fundamentada nos dados do Atlas da ANEEL ENERGIA As fontes de energia dividem-se em dois tipos: - fontes

Leia mais

Escola E. B. 2º e 3º ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Ana Bonifácio nº 1 Débora Mendes nº8 Diana Vicente nº 9-8ºB

Escola E. B. 2º e 3º ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Ana Bonifácio nº 1 Débora Mendes nº8 Diana Vicente nº 9-8ºB Escola E. B. 2º e 3º ciclos do Paul Trabalho elaborado por: Ana Bonifácio nº 1 Débora Mendes nº8 Diana Vicente nº 9-8ºB Índice Notícia de Centrais Nucleares no Reino Unido. A energia está em tudo o que

Leia mais

CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS

CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro Medas PLANIFICAÇÃO ANUAL CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9.º º ANO TEMA: Viver melhor na Terra CAPÍTULO I EM TRÂNSITO 1 SEGURANÇA

Leia mais

Novembro / 2008 www.itaipu.gov.br

Novembro / 2008 www.itaipu.gov.br Novembro / 2008 www.itaipu.gov.br ITAIPU Venezuela Colombia Guiana Suriname Guiana Francesa Equador Brasil USINA HIDRELÉTRICA BINACIONAL Brasil/Paraguai Peru Brasília CAPACIDADE INSTALADA: Bolivia Paraguai

Leia mais

A Importância do Aproveitamento Energético da Biomassa em Portugal

A Importância do Aproveitamento Energético da Biomassa em Portugal A Importância do Aproveitamento Energético da Biomassa em Portugal Conferência Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Lisboa, 7 de Julho de 2010 Clemente Pedro Nunes: Professor Catedrático

Leia mais

Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas

Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas Fernando Caetano Universidade Aberta fcaetano@univ-ab.pt As necessidades actuais 85% da energia consumida mundialmente, provém

Leia mais

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico Ricado Marques Dutra 1 * Maurício Tiomno Tolmasquim 1 Resumo Com base nas resoluções ANEEL n 233/199 e ANEEL 245/1999, este trabalho procura mostrar os resultados de uma análise econômica de projetos eólicos

Leia mais

COMENTÁRIOS DA COGEN PORTUGAL AO ANUNCIO DE PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

COMENTÁRIOS DA COGEN PORTUGAL AO ANUNCIO DE PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DO GÁS NATURAL COMENTÁRIOS DA COGEN PORTUGAL AO ANUNCIO DE PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Página 1 de 23 INTRODUÇÃO A actividade da produção combinada de calor e de electricidade cogeração tem tido,

Leia mais

PRODUÇÃO E CONSUMO MENSAL DE ENERGIA ELÉCTRICA

PRODUÇÃO E CONSUMO MENSAL DE ENERGIA ELÉCTRICA Região Autónoma dos Açores Vice-Presidência do Governo SERVIÇO REGIONAL DE ESTATÍSTICA DOS AÇORES PRODUÇÃO E CONSUMO MENSAL DE ENERGIA ELÉCTRICA - Documento Metodológico SREA Setembro-2010 INTRODUÇÃO A

Leia mais

Autogás em Portugal José Pedro

Autogás em Portugal José Pedro Autogás em Portugal José Pedro À minha mulher e família, pelas horas que abdiquei da sua companhia. Sumário Executivo Nas últimas décadas foram vários os factores que proporcionaram uma tendência crescente

Leia mais

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas Resumo das Conclusões Ainda vamos a tempo de evitar os piores impactos das alterações climáticas, se tomarmos desde já medidas rigorosas. As provas científicas são presentemente esmagadoras: as alterações

Leia mais

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz:

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz: Sumário dos resultados-chave do Quarto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, Grupo de Trabalho III de Mitigação de Mudanças Climáticas Bangkok, Maio de 2007 Não é

Leia mais

Central de Biomassa de Portalegre

Central de Biomassa de Portalegre Central de Biomassa de Portalegre Paulo Preto dos Santos, Sobioen Soluções de Bioenergia, SA (Março 2008) Biomassa e Energia O aproveitamento energético da biomassa é cada vez mais relevante Aproxima-se

Leia mais

Oportunidades de Eficiência Energética em Belo Horizonte

Oportunidades de Eficiência Energética em Belo Horizonte Oportunidades de Eficiência Energética em Belo Horizonte Uso da Ferramenta para Avaliação Rápida de Energia na Cidade (TRACE) em Belo Horizonte Uma Cidade Sustentável no Brasil O município de Belo Horizonte,

Leia mais

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros *

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * P6_TA(2006)0334 Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma proposta de directiva do Conselho relativa à tributação aplicável aos

Leia mais

* CESP - Cia Energética de São Paulo Rua da Consolação 1875-15º andar, São Paulo - SP - 01301-100 fone (011) 234-6080 - fax (011) 234-6326

* CESP - Cia Energética de São Paulo Rua da Consolação 1875-15º andar, São Paulo - SP - 01301-100 fone (011) 234-6080 - fax (011) 234-6326 GIA / 09 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO XI GRUPO DE IMPACTOS AMBIENTAIS (GIA) AS EMISSÕES DE POLUENTES NAS USINAS TERMOELÉTRICAS A GÁS NATURAL: UM ESTUDO DE CASO Jean Cesare

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Fontes energéticas e impacto ambiental

Fontes energéticas e impacto ambiental Fontes energéticas e impacto ambiental 1- INTRODUÇÃO: Aquecimento global - Projeção + 1 1990-2035 + 2 2035-2100 + 2,5-3 C em 110 anos Era do gelo até hoje: + 6 C Ano CONSEQÜÊNCIAS do AUMENTO do EFEITO

Leia mais

Cogeração A Gás Natural

Cogeração A Gás Natural Cogeração A Gás Natural 1- Definição A co-geração é definida como o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total e parcialmente em energia elétrica, a partir

Leia mais

O MUNDO ONDE VIVEMOS!

O MUNDO ONDE VIVEMOS! O MUNDO ONDE VIVEMOS! PLANETA TERRA BIOSFERA (SERES VIVOS) ATMOSFERA (AR) HIDROSFERA (ÁGUA) LITOSFERA (TERRA) AMBIENTE NO SÉC. S XX A TEMPERATURA DA TERRA AUMENTOU MAIS OU MENOS DE 0,6ºC C A 2ºC. 2 AS

Leia mais

Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de 2011

Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de 2011 Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de 2011 No primeiro trimestre de 2011, a carga máxima da rede foi de 491,74 MW - diminuiu 5,14% comparativamente ao

Leia mais

A face da Terra: continentes e fundos oceânicos A intervenção do Homem nos ecossistemas

A face da Terra: continentes e fundos oceânicos A intervenção do Homem nos ecossistemas A face da Terra: continentes e fundos oceânicos A intervenção do Homem nos ecossistemas Conhecer para poder PROTEGER Conhecer para poder PROTEGER A FACE DA TERRA Continentes Fundos oceânicos A FACE DA

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

Universidade Federal do Paraná BIOMASSA. Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência Aluno: Paulo Ricardo Vriesman da Silva

Universidade Federal do Paraná BIOMASSA. Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência Aluno: Paulo Ricardo Vriesman da Silva Universidade Federal do Paraná BIOMASSA Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência Aluno: Paulo Ricardo Vriesman da Silva Curitiba, Julho de 2013 AGENDA - INTRODUÇÃO - BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR

Leia mais

GUIA DA LEGISLAÇÃO COMUNITÁRIA INDÚSTRIA AUTOMÓVEL

GUIA DA LEGISLAÇÃO COMUNITÁRIA INDÚSTRIA AUTOMÓVEL GUIA DA LEGISLAÇÃO COMUNITÁRIA INDÚSTRIA AUTOMÓVEL AFIA Setembro 2010 Guia elaborado no âmbito do INO_COOP Programa de dinamização de factores intangíveis de competitividade das empresas fornecedoras da

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA HÍDRICA OFICINA: SETOR HIDROELETRICIDADE

CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA HÍDRICA OFICINA: SETOR HIDROELETRICIDADE CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA HÍDRICA OFICINA: SETOR HIDROELETRICIDADE Luiz Fernando V. Rezende Consórcio Capim Branco Energia CRISE HÍDRICA NO BRASIL - SETOR ELETRICO Capacidade de Geração do Brasil

Leia mais

A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de

A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de Setembro de 2011 Rui Pestana REN Redes Energéticas Nacionais,

Leia mais

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases:

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Poluição do ar Composição da atmosfera terrestre Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Nitrogênio 78% Oxigênio 21% Argônio 0,9% Gás Carbônico 0,03%

Leia mais

EFICIÊNCIA HÍDRICA. Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique. Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010

EFICIÊNCIA HÍDRICA. Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique. Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010 EFICIÊNCIA HÍDRICA Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010 Novembro de 2010 1. Introdução A água é um bem essencial à vida e indispensável

Leia mais

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas,

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, na Rodovia AM-010 KM-20. A Manauara nasceu do desejo de contribuir para um país mais

Leia mais

Variação de velocidade

Variação de velocidade Variação de velocidade Variação de velocidade A indústria é responsável pelo consumo de cerca de 50% da electricidade produzida a nível mundial, sendo que cerca de 2/3 é consumida por motores eléctricos.

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

ASPECTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA

ASPECTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ASPECTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA Notas das aulas da disciplina de Instalações e Serviços Industriais Sumário Poluentes mais comuns Efeitos dos poluentes Equipamentos para retenção dos poluentes

Leia mais