ANÁLISE DO JOGO: TENDÊNCIAS DO SAQUE E DA RECEPÇÃO NO VOLEIBOL DE ELEVADO RENDIMENTO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO JOGO: TENDÊNCIAS DO SAQUE E DA RECEPÇÃO NO VOLEIBOL DE ELEVADO RENDIMENTO."

Transcrição

1 1 ANÁLISE DO JOGO: TENDÊNCIAS DO SAQUE E DA RECEPÇÃO NO VOLEIBOL DE ELEVADO RENDIMENTO. Autores: Moraes, José Cicero ¹; Mesquita, Isabel ²; Costa, Gustavo ². Instituições: ¹Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul/BR. ² Faculdade do Desporto, Universidade do Porto/PT. 1 Introdução A procura de elevados níveis de rendimento competitivo, nos jogos desportivos (JD), tem levado o campo da investigação cientifica ao estudo das modalidades esportivas em diferentes perspectivas e isso tem se manifestado por uma evolução constante no desenvolvimento das competências dos jogadores e das equipes (Santos & Mesquita, 2003). A Análise de Jogo (AJ), no âmbito acadêmico, é uma área de produção de conhecimento que vem caracterizando-se por um progressivo rigor científico. Para analisar é necessário previamente observar (Contreras & Ortega, 2000), sendo que, no contexto acadêmico, o processo investigativo referente à AJ tem priorizado utilizar a observação como método (Anguera et al., 2000), a qual respaldada por pressupostos cientificamente fundamentados, expressa uma significativa evolução no conhecimento no âmbito dos JD. Simultaneamente, a observação é utilizada como técnica (Garay Plaza & Hernadez Mendo, 2002) na AJ aplicada pelas comissões técnicas das equipes, justificada na necessidade dos técnicos obterem informações objetivas e imediatas, a fim de garantir aplicabilidade em curto prazo no campo de jogo. Parece então ser coerente afirmar que os protagonistas (acadêmicos e/ou técnicos) desse processo contribuem de maneira relevante, instituindo a AJ como uma ferramenta essencial na planificação das tarefas pertinentes à preparação de equipes de elevado rendimento. Este procedimento pode ser realizado tanto no contexto de treinamento como no da competição; quando realizada em competições de elite, contribui decisivamente para desvendar tendências atuais do jogo (Garganta, 2001; Hughes & Bartlett, 2002; Santandreu et al., 2004; Yiannis et al., 2004; Häyrinen et al., 2004; Yiannis & Panagiotis, 2004; Mesquita, 2005; Oliveira et al., 2005). No Voleibol atual, uma das ações de jogo em que as equipes têm dado grande importância é o saque. Esta ação tem vindo a adquirir um excepcional status, no jogo de alto nível (Oliveira, 2007), pelas dificuldades acrescidas que coloca à sua recepção pelo adversário e, por conseqüência, à organização do ataque. Em razão disto, sua diversidade, quanto ao tipo de técnica de execução, avançou extraordinariamente durante a década de noventa (Moutinho, 2000). A classificação mais habitual para diferenciar os tipos de saque baseia-se na combinação da descrição da forma de realização do mesmo (em apoio e em suspensão) e das características da trajetória da bola, (flutuante, em rotação e potente) (Zimmermann, 1995; Yiannis & Panagiotis, 2004; Palao et al., 2004b). A recepção, que configura o início do ataque, apresenta por razões de funcionalidade do jogo estreita ligação com o saque. Assume-se que quanto melhor for a recepção do saque, melhores condições serão criadas ao levantamento e maior será a possibilidade de eficácia do ataque (Loesch, 2003; Papadimitriou et al., 2004; Ureña et al., 2004). Pela justificada importância da recepção, e respectiva repercussão na estratégia ofensiva, o seu efeito depende, em grande parte, do esquema organizacional adotado, com o propósito de minimizar os efeitos do saque. No voleibol atual de elevado rendimento, em função de uma grande utilização do saque tipo suspensão potente (Lehnert et al.,

2 2 2003; Agelonidis, 2004; Lirola Callijón, 2006) em que a trajetória da bola é muito veloz, tem-se adotado como dispositivo de recepção, a utilização de três jogadores (dois prioritários -P1/P2- e o líbero) para a recepção de saque (Méier, 1998; Moutinho, 2000; Millán et al., 2001; João et al., 2006; Barros, 2005; Kosugi & Deprá, 2007). Deste modo, o presente estudo teve por objetivo verificar as tendências atuais das ações de saque e recepção, bem como constatar a existência de associações entre a zona de saque com tipo de saque; tipo de saque com zona de recepção e tipo de saque com o efeito da recepção. 2 Metodologia 2.1 Amostra A amostra intencional do estudo constou de 1698 ações, representadas pela seqüência de saque e recepção, extraídas dos jogos do Campeonato Mundial de Seleções de Voleibol Masculino, realizado no Japão em novembro de As ações foram retiradas de quatro jogos, jogando entre si, de cada uma das dez equipes melhores classificadas na competição. 2.2 Identificação das Variáveis Neste estudo foram consideradas as seguintes variáveis: zona de saque; tipo de saque; zona de recepção e efeito da recepção Definição das Variáveis de Saque Zona de Saque: Corresponde a área que o jogador realiza o saque/serviço. Adotou-se o Modelo sugerido por Gerbrands & Murphy (1995). A zona de saque/serviço é dividida em 3 zonas de 3m (ZS1, ZS6 e ZS5), correspondentes às posições 1,6 e 5 (figura 1). Tipo de saque: Para a definição dos tipos de saque analisados recorreu-se à consulta da literatura (Ureña et al., 2000; Ejem, 2001; Palao, 2004; Yannis et al., 2004; Lirola Callijón, 2006) e a validação por peritagem (21 profissionais, constituídos entre técnicos pertencentes ao alto rendimento e investigadores da área de análise de jogo do voleibol). Conceituação do tipo de saque: SP suspensão potente, com deslocamento, semelhante à cortada/remate; SC suspensão colocado, com deslocamento, semelhante à cortada/remate e colocado ou tático; SF suspensão flutuante e sem deslocamento; FCA flutuante com apoio Definição das Variáveis de Recepção Zona de Recepção: Foi construído um modelo zonal para a avaliação da área/zona da quadra em que o jogador receptor faz a intervenção. Na validação de construção, recorreu-se à consulta da literatura (Selinger, 1986; Fraser, 1988; Neville, 1994; Moutinho, 2000; Sousa, 2000) referente à análise dos instrumentos de observação existentes, relativamente à zona de recuperação da bola. A validação de conteúdo foi realizada pelo método de peritagem (idem tipo de saque). A partir da análise das respostas destes profissionais, constatou-se que os mesmos reconheciam áreas distintas de direcionamento do saque (graus de dificuldades distintos), associadas ao tipo de serviço, bem como o efeito tático almejado na execução dessa habilidade técnica. Deste modo, tendo como referência as respostas dos peritos, e verificando que os instrumentos consultados na literatura parecem descontextualizados do atual processo evolutivo da

3 3 modalidade, elaborou-se um modelo que procura atender as tendências evolutivas do voleibol. A quadra de jogo é dividida em 4 zonas (figura 2). Simbologia: Z1 (zona 1); Z2 (zona 2); Z3 (zona 3); Z4 (zona 4). ZS1 ZS6 ZS5 Zona de saque (fig. 1) Zona de recepção (fig.2) Medidas da Figura 2. Zona 1: a partir da zona extrema próxima da rede com 3m de profundidade e limitada lateralmente pelas zonas extremas laterais; Zona 2: a partir da zona 1, com 3m de profundidade e limitada pela zona extrema lateral, zona extrema fundo e a zona 3; Zona 3: a partir da zona 1, com 3m de profundidade e limitada pela zona extrema lateral, zona extrema fundo e zona 2. Zona 4: corresponde às extremidades laterais, afastadas 1m das linhas laterais; extremidades dianteira e fundo da quadra, afastadas, respectivamente, 1,5m da linha central e da linha final. Efeito da recepção: Categoria e escalas de avaliação da recepção do saque/serviço. Os modelos existentes, entre estes, o de Sawula (1981); Coleman (1985); Moutinho (1993), categorizam em função da zona de levantamento tradicional (zona 2/3) e das alternativas de tempo de ataque. Entretanto, no atual voleibol de elevado rendimento, tem-se vindo a constatar que o efeito da recepção sobre as condições de levantamento não são mais restritas à zona de levantamento tradicional nem sequer se confinam ao tempo de ataque (Lima, 2007; Esteves & Mesquita, 2007). Em razão disto, tendo por base o sistema proposto pelo Data Volley 2 (Data Project, s/d) e o de Esteves (2007), constituiu-se uma escala de avaliação que considera as possibilidades que a recepção gera à organização do ataque e na sua existência as opções possíveis, analisada pelo número de atacantes disponíveis para a finalização ofensiva. 0 Erro: a bola não é tocada, é cometido um erro ou a equipe não consegue manter a bola em jogo RER; 1 - A recepção (bola) vai para cima da rede e permite o CA adversário (RCA) 2 - A recepção não permite um ataque organizado (RNO) 3 - A recepção permite a organização do ataque, embora sem todas as opções (RAO) 4 - A recepção do saque permite todas as opções de ataque - recepção perfeita (RP)

4 4 2.3 Procedimentos de coleta de dados Os dados foram coletados por meio da filmagem dos jogos, com a câmera posicionada no fundo da quadra, centralizada e a uma altura aproximada de 5m do solo.com a finalidade de garantir maior precisão e fiabilidade das observações, os vídeos foram digitalizados, programa Pinnacle Studio, desenhando-se os modelos avaliativos da zona de saque e recepção. 2.4 Fiabilidade da observação Os critérios utilizados para medição da fiabilidade foram a percentagem de acordos (Van der Mars, 1989). As ações foram avaliadas por dois avaliadores diferentes e, posteriormente, foram reavaliadas 18% das ações totais, garantindo fiabilidade intraobservador e inter-observador. Os valores variaram de 98,1% a 100% (intra-observador) e de 98% a 99,1% (inter-observador). 2.5 Procedimentos estatísticos Para a estatística descritiva, foram utilizados valores em freqüências e percentuais. Para verificar as possíveis associações significativas entre as variáveis, foi utilizado o teste do Qui-quadrado (x 2 ). Em virtude de verificar-se, em mais de 20% das células, valores inferiores a 5%, recorreu-se ao teste de Monte Carlo, que fornece a probabilidade exata. O nível de significância adotado foi de 5%. Para todas as análises, foi utilizado o pacote de estatística SPSS for Windows Resultados e Discussão 3.1 Análise descritiva Zona e tipo de saque. Neste estudo a zona de saque mais utilizada foi a Z1 com 59,9%, seguindo-se a Z5 com 24,8% e após a Z6 com 15,3%. Tais resultados se assemelham com outros estudos realizados com equipes masculinas de elevado nível (Rocha, 2001; Molina, 2003; Lirola Callejõn, 2006; Moreno et al., 2007). As razões que determinam a escolha da zona de saque parecem ter relação com as opções estratégicas da equipe sacadora. Com as devidas ressalvas, este fato pode ser explicado pelas maiores dificuldades impostas à recepção através do aproveitamento angular das respectivas zonas, imprimindo trajetórias com intenção de dificultar esta ação de defesa do saque, minimizando ou anulando as diferentes opções ofensivas do adversário. Constatou-se que o saque do tipo suspensão potente apresentou a incidência de 61,0%, enquanto que o tipo suspensão flutuante mostrou um índice de 27,1%, sendo os serviços que mais se destacaram nesse estudo. Logo a seguir, com índices pouco representativos, surgem os saques do tipo suspensão colocado (7,7%) e do tipo flutuante com apoio (4,2%). Estes resultados sugerem que no voleibol masculino de elevado rendimento, apesar do risco de erro ser maior com o saque em suspensão (Ejem, 2001; Palao et al, 2001), este apresenta uma elevada freqüência de acontecimento em razão das dificuldades impostas à recepção e respectiva organização ofensiva do adversário. A forte prevalência do saque em suspensão potente nesta investigação coincide com outros estudos (Zimmermann, 1995; Ureña, 1998; Ejem, 2001; Rocha; 2001; Millan et al., 2001; Agelonidis, 2004; Yannis et al., 2004; Lirolla Callejon, 2006; Ribeiro, 2006; Costa et al., 2007), realizados também no voleibol masculino de elevado rendimento em

5 5 competições de caráter Nacional, World League, Campeonatos Mundiais e Jogos Olímpicos Zona e efeito da recepção A área espacial de maior incidência na recepção do saque foi a Z2 (42,3%), em seguida a Z3 (34,3%). A Z1 com 17,2% obteve o terceiro índice de acontecimento e a Z4 (extremidades) apresentou o menor percentual de ocorrência (6,2%). Estudos realizados em competições masculinas de elevado nível e desenvolvidos por Ureña Espá et al. (2002); Maia & Mesquita (2007); Moreno et al. (2007); Lima (2007), embora com modelos avaliativos distintos, mostraram também uma tendência por essa área espacial da quadra de jogo como a preferencial no direcionamento do saque. A incidência destacada da recepção nestas zonas pode ser justificada, com as devidas ressalvas, pela necessidade de gestão do erro, já que o saque mais utilizado foi o suspensão potente, propiciador de ocorrência mais freqüente de falha neste procedimento de jogo (Martin & Moro, 2004). Quanto ao efeito da recepção, pode-se observar no estudo, que um índice de 69,9% das recepções se inseriu no critério de maior valorização atribuída a este fundamento, ou seja, recepção de saque que permite todas as opções de ataque (RP), que é a ação buscada exaustivamente pelas equipes, pois é a que possuí maior expressão no indicador qualitativo desse fundamento de jogo. Os valores encontrados nesta investigação possuem semelhança com outros estudos realizados com equipes de elevado rendimento e desenvolvidos por Santos (2004); Ureña et al. (2004); Lirola Callijón (2006); Guerra (2007). A recepção que permite a organização do ataque, embora sem todas as opções, foi o segundo melhor critério com um percentual de 13,7%. Logo a seguir, recepção que não permite um ataque organizado (7,1%); erro de recepção (5,2%) e recepção em que a bola vai para cima da rede e permite contra ataque do adversário com 4,1%, complementam os resultados obtidos com o uso do modelo de avaliação do efeito da recepção. 3.2 Análise inferencial Associação entre a zona de saque e o tipo de saque O aspecto espacial e a variante técnica utilizada para a execução desta ação de jogo, podem interferir na sua eficácia, nomeadamente ao nível estratégico. Deste modo, o tipo de saque a ser realizado em função do momento do jogo, bem como o direcionamento adequado, permite anular ou no mínimo condicionar as opções táticas do adversário. Neste estudo, verificou-se uma associação estatisticamente significativa entre a zona de saque e o tipo de saque realizado (X²= 234,942; V Cramer= 0,263 e p= 0,000). Conforme se observa no Quadro 1, ocorreu mais do que esperado na Z1 o saque suspensão potente, enquanto que o saque suspensão flutuante ocorreu menos que o esperado. Na Z6 observou-se que o saque flutuante com apoio ocorreu mais do que esperado, sendo que o saque suspensão potente ocorreu menos do que o esperado. Esses valores são corroborados pelo estudo de Lirola Callijón (2006) em equipes de alto nível masculinas e de Lozano et al. (2003) com equipes femininas. Relativamente a Z5, constatou-se que o saque suspensão flutuante ocorreu mais do que o esperado, contrariamente ao saque suspensão potente que ocorreu menos do que o esperado. Estes resultados parecem demonstrar uma tendência de utilização das zonas de saque em acordo com a especialização funcional e o respectivo posicionamento defensivo após realização do saque. Ou seja, sacadores de potência sacam pela Z1 em razão da

6 6 angulação e pela proximidade com sua área de responsabilidade no sistema de defesa, que via de regra, é a posição defensiva direita. Da mesma forma, os sacadores que utilizam saques caracterizados como flutuantes, assumem posições defensivas predominantemente à esquerda de sua zona defensiva. Quadro 1 Tabela de contingência relativa a zona de saque e ao tipo de saque. Z ona d e saque Tipo saque Total SP SC SF FCA Z saque Z1 Freqüência Freqüência esperada 619,9 77,9 276,1 43,1 1017,0 % zona.de.saque. 71,3% 8,9% 16,0% 3,7% 100,0% % tipo saque 70,0% 70,0% 35,4% 52,8% 59,9% Resíduo ajustado 10,7 2,4-12,6-1,3 Z6 Freqüência Freqüência esperada 158,5 19,9 70,6 11,0 260,0 % zona.de.saque. 55,4% 6,2% 28,5% 10,0% 100,0% % tipo saque 13,9% 12,3% 16,1% 36,1% 15,3% Resíduo ajustado -2,0-1,0,5 5,0 Z5 Freqüência Freqüência esperada 256,6 32,2 114,3 17,9 421,0 % zona.de.saque. 39,4% 5,5% 53,2% 1,9% 100,0% % tipo saque 16,0% 17,7% 48,6% 11,1% 24,8% Resíduo ajustado -10,4-2,0 13,9-2,7 Total Freqüência Freqüência esperada 1035,0 130,0 461,0 72,0 1698,0 % zona.de.saque. 61,0% 7,7% 27,1% 4,2% 100,0% % tipo saque 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Associação entre o tipo de saque e zona de recepção Percebe-se ao longo de sua evolução que o saque, além de primeira ação de jogo, em razão de recursos técnicos e táticos, destaca-se como o primeiro ataque da equipe, repercutindo decisivamente no resultado do jogo (Selinger, 1996; Mesquita et al., 2002; Espá et al., 2003; Velasco & Beal, 2003; Yiannis & Panagiotis, 2005). E é em função de sua qualidade que o adversário e a própria equipe sacadora dependem para a realização das ações subseqüentes. Deste modo, reveste-se de fundamental importância verificar o efeito que o saque produz na ação de recepção, nomeadamente na continuidade ou não da seqüencialidade do jogo. Nesta investigação observou-se uma associação estatisticamente significativa entre o tipo de saque e a zona de recepção (X²= 340,868; V Cramer= 0,277 e p= 0,000). Observando-se o Quadro 2, constata-se que o saque suspensão potente direcionado para as Z1 e Z4 ocorreu menos do que o esperado, enquanto mais do que o esperado nas Z2 e Z3. O saque suspensão colocado ocorreu menos do que o esperado na Z2 e mais do que o esperado na Z1. Contudo o saque suspensão flutuante ocorreu menos do que o esperado nas Z2 e Z3 e mais do que o esperado nas Z1 e Z4. Já o saque flutuante com apoio ocorreu menos do que o esperado nas Z2 e Z3 e mais do que o esperado na Z1. O resultado observado no direcionamento do saque flutuante com apoio parece ter relação com a intenção de dificultar as ações ofensivas de tempos rápidos (Mesquita et al, 2002). Percebe-se que a Z2 foi a que mostrou maior incidência de saque se comparada a Z3. Este fato pode advir de opções táticas do sacador, porquanto, naquela área a responsabilidade na maioria das ações de recepção é do recebedor (P1 ou P2) que está posicionado (rotação) na zona ofensiva. Desta forma, utilizando este recurso, o sacador busca dificultar a participação desse jogador como finalizador da jogada. Outra razão,

7 7 apoiando-se em Rocha (2001), pode estar relacionada com o posicionamento do líbero, que tendencialmente recepciona com menor freqüência no lado esquerdo da quadra. Com isto, o sacador além de afastar a participação deste especialista na recepção, dificulta também a presença ofensiva do atacante/recebedor (Mesquita et al., 2002). Quadro 2 Tabela de contingência relativa ao tipo de saque e a zona de recepção. Zona recepção Tipo de saque Z1 Z2 Z3 Z4 Saque SP Freqüência Freqüência esperada 148,0 363,0 294,8 53,2 859,0 % tipo saque 2,6% 51,8% 40,9% 4,8% 100,0% % zona recepção 8,6% 70,9% 68,8% 44,6% 57,8% Resíduo ajustado -17,5 8,7 6,2-2,7 SC Freqüência Freqüência esperada 20,3 49,9 40,5 7,3 118,0 % tipo saque 39,8% 26,3% 28,0% 5,9% 100,0% % zona recepção 18,4% 4,9% 6,5% 7,6% 7,9% Resíduo ajustado 6,8-3,7-1,5 -,1 SF Freqüência Freqüência esperada 75,8 185,9 151,0 27,2 440,0 % tipo saque 35,0% 30,5% 25,2% 9,3% 100,0% % zona recepção 60,2% 21,3% 21,8% 44,6% 29,6% Resíduo ajustado 11,8-6,0-4,8 3,2 FCA Freqüência Freqüência esperada 11,9 29,2 23,7 4,3 69,0 % tipo saque 47,8% 26,1% 21,7% 4,3% 100,0% % zona recepção 12,9% 2,9% 2,9% 3,3% 4,6% Resíduo ajustado 6,9-2,8-2,3 -,7 Total Freqüência Freqüência esperada 256,0 628,0 510,0 92,0 1486,0 % tipo saque 17,2% 42,3% 34,3% 6,2% 100,0% % zona recepção 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Total Associação entre o tipo de saque e o efeito da recepção Estudos que abordam o efeito da recepção têm demonstrado a importância desta ação de jogo não só na especificidade da jogada como também no resultado do jogo (Eom & Schultz, 1992; Santos & Mesquita, 2003; João et al., 2006). Neste estudo pode-se constatar (Quadro 3) uma associação estatisticamente significativa entre o tipo de saque e o efeito da recepção (X²= 48,780; V Cramer= 0,105 e p= 0,000). Verificou-se que após o saque suspensão potente ocorreu menos do que o esperado a realização de recepções perfeitas. O mesmo tipo de saque determinou uma ocorrência maior do que o esperado para o erro da recepção, para uma recepção que não permite um ataque organizado e ataque organizado, embora sem todas as opções. Estes dados demonstram o alto poder de agressividade do saque suspensão potente, diminuindo sensivelmente as condições de sucesso da recepção (Maia, 2005). Da mesma forma, mostrou sua estreita ligação com o aumento do índice de erro, quando comparado aos outros tipos de saque. Este resultado é corroborado pelos estudos de Ureña Espá et al. (2000); Yiannis & Panagiotis (2005); Lirola Callejón (2006). O saque suspensão flutuante e o flutuante com apoio permitiram mais do que o esperado a ocorrência de recepção perfeita. Isto sugere que estes tipos de saque favoreçam a qualidade da recepção adversária, embora, em razão do direcionamento, possam

8 8 restringir ou minimizar determinadas opções estratégicas ofensivas do adversário (Ureña Espá et al., 2001; Papadimitriou et al., 2004; Lirola Callejón, 2006). Quadro 3 Tabela de contingência relativa ao tipo de saque e efeito da recepção. Tipo de saque Efeito.da.recepção. Total RER RCA RNO RAO RP Saque SP Freqüência Freqüência esperada 44,5 35,2 60,7 117,9 599,7 858,0 % tipo saque 7,5% 4,5% 8,3% 15,7% 64,0% 100,0% % efeito recepção 83,1% 63,9% 67,6% 66,2% 52,9% 57,8% Resíduo ajustado 4,6 1,0 2,1 2,6-5,8 SC Freqüência Freqüência esperada 6,1 4,8 8,3 16,2 82,5 118,0 % tipo saque 5,1% 4,2% 5,1% 12,7% 72,9% 100,0% % efeito recepção 7,8% 8,2% 5,7% 7,4% 8,3% 7,9% Resíduo ajustado -,1,1 -,9 -,3,7 SF Freqüência Freqüência esperada 22,8 18,1 31,1 60,4 307,6 440,0 % tipo saque 1,6% 3,4% 5,7% 11,6% 77,7% 100,0% % efeito recepção 9,1% 24,6% 23,8% 25,0% 32,9% 29,6% Resíduo ajustado -4,1 -,9-1,4-1,6 4,3 FCA Freqüência Freqüência esperada 3,6 2,8 4,9 9,5 48,2 69,0 % tipo saque,0% 2,9% 4,3% 4,3% 88,4% 100,0% % efeito recepção,0% 3,3% 2,9% 1,5% 5,9% 4,6% Resíduo ajustado -2,0 -,5 -,9-2,3 3,4 Total Freqüência Freqüência esperada 77,0 61,0 105,0 204,0 1038,0 1485,0 % tipo saque 5,2% 4,1% 7,1% 13,7% 69,9% 100,0% % efeito recepção 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 4 Conclusão O presente estudo demonstrou a preferência pela Z1 para a realização do fundamento saque. Sendo que a utilização predominante do saque suspensão potente nesta zona reforçou a forte tendência de utilização deste tipo no atual voleibol de elevado rendimento. Outra constatação foi o elevado percentual de saques dirigidos à área central da quadra adversária, sendo a Z2 a mais influente. Quanto ao efeito da recepção, o estudo apresentou um elevado percentual de recepções perfeitas, demonstrando compatibilidade com o nível qualitativo das equipes pertencentes à amostra. Isto confirma a tendência de excelência do processo organizacional do Complexo I em equipes de elevado rendimento, mesmo com o adversário utilizando predominantemente saques em suspensão, como foi o caso evidenciado neste estudo. A associação demonstrada entre a zona e tipo de saque, parece referir que existe uma relação entre a característica dos sacadores (que realizam saque potente e flutuante) e o respectivo posicionamento defensivo após execução do saque. Enquanto que a associação entre o tipo de saque e a zona de recepção sugere que o saque suspensão potente é dirigidos às zonas centrais em função da gestão de erro e os saques flutuantes (SF e FCA) dirigem a bola para a Z1 com o propósito de efeito tático. A associação entre o tipo de saque e o efeito da recepção parece confirmar as tendências descritas anteriormente sobre a característica e o efeito destes dois fundamentos no atual voleibol de elevado rendimento. Neste estudo o saque suspensão potente confirmou seus

9 9 efeitos à restrição qualitativa da recepção da equipe adversária, pois é ele que proporcionou o maior percentual de erro da recepção e também aquele que mais ocasionou a diminuição da ocorrência de recepção perfeita. Um aspecto relevante demonstrado neste estudo foi a resposta evidenciada pelo modelo de avaliação da zona de recepção. O modelo construído parece ter confirmado adaptação e coerência às características do atual voleibol de elevado rendimento. 5 Referências ANGUERA, M.T.; BLANCO, A.; LOSADA, J. (2000).La Metodología Observacional en Deporte: Conceptos Básicos. Lecturas: Educacion Fisica y Deportes. Año 5. nº 24. Revista Digital. Buenos Aires. Agosto. AGENOLIDIS,Y.(2004). The Jump Serve In Volleyball: From Oblivion To Dominance. Journal of Movement Studies,47: BARROS, J. (2007). Recepção de saque Estratégias / Táticas. <http://www.justvolleyball.com.br> COLEMAN, J. (1985). Volleyball Statistics. In FIVB International Coaches Symposium: 1-7. Federation International Volleyball. CONTRERAS, M.I.M.; Ortega, J.P. (2000). La observación en los deportes de equipo. Revista Digital Año 5 (18). COSTA, G.; QUEIROGA, M.; FERREIRA, N.; MESQUITA, I. (2007). Analysis between the type of serve, its efficience and the player s function. III Congresso Nacional de Ciencias del Deporte-Nutrición, Medicina y Rendimiento an el Joven Deportista. DATA PROJECT SPORT SOFTWARE (s/d). Data Volley 2, User Manual, atualizado até à versão Itália. EJEM, M. (2001). Brief Technical Evaluation of the 27 th Olympiad in Sidney. The Coach,nº 1, ESTEVES, M.F. (2006). Caracterização das acções do distribuidor e zonas de distribuição no Voleibol masculino de elite Comparação entre dois modelos de observação. Monografia. Faculdade de Desporto da Universidade do porto. Porto. ESTEVES, M.F. & MESQUITA, I. Estudo da Zona de Distribuição no Voleibol de Elite Masculino em Função do Jogador Distribuidor e do Tipo de Passe. 1º Congresso Internacional de Jogos Desportivos: Olhares e Contextos da Performance da Iniciação ao Rendimento. Revista portuguesa de Ciências do Desporto. Vol 7 Supl. 1, julho EOM, H.J.; SCHULTZ, R.W. (1992). Statiscal análisis of volleyball team performance. Research Quarterly for Exercise and Sport, v. 63, nº1: ESPÁ, A; CAMPO, J.; SICILIA, A. (2003). Incidencia de La Funcion Ofensiva Sobre el Rendimento de la Recepción del Saque en Voleibol. In I. Mesquita, C. Moutinho e R. Farias (eds), Investigação em Voleibol. Estudos Ibéricos: FCDEF-UP. FRASER, S. (1988). Strategies for Competitive Volleyball. Champaign, Illinois. Leisure Press.

10 10 GARAY PLAZA, J.O. & HERNANDEZ MENDO, A. (2002). Observación, enseñanza y deporte: una revisión bibliográfica. <http://www.efdeportes.com/efd46/voley.htm>. GARGANTA, J. (2001). Análise da Performance nos Jogos Desportivos. Revisão Acerca da Análise do Jogo. In Revista Portuguesa de Ci6encias do desporto. FCDEF. UP. Vol. 1, n 1. GERBRANDS, T. & MURPHY, P. (1995). Consequences of serve zone changing. International Volley Tech, nº 1: GUERRA, A. (2007). Estudo da organização ofensiva em Voleibol - Estudo aplicado em equipas de elite mundial. Dissertação monográfica. FADEUP. PORTO. HÄYRINEM, M.; HOIVALA, T. & BLOMQVISTI, M. (2004). Differences Between Winning and Team in Men s European Top-Level Volleyball. Performance Analysis of Sport VI. University of Wales. HUGHES, M. & BARTLETT, R. M. (2002). The Use of Performance Indicators in Performance Analysis. Journal of Sports Sciences. 20, JOÃO, P.; MESQUITA, I.; SAMPAIO, J.; MOUTINHO, C. (2006). Análise comparativa entre o jogador libero e os recebedores prioritários na organização ofensiva, a partir da recepção do serviço, em voleibol. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. 6 (3) KOSUGI, A. & DEPRÁ, P. (2007). Análise da movimentação do líbero e do levantador no jogo de voleibol. Revisa da Educação Física / UEM. v.18, p LEHNERT, M.; JANUARA, M.; STROMSIK, P. (2003). The Jump Serve of the Best Serves on the Czech National Men s Volleyball Team. International Journal of Volleyball Research. Vol 6,nº 1, LIMA, R. (2007). Estudo comparativo de sistemas de observação do efeito do serviço e da recepção em voleibol masculino de elite. Monografia. Faculdade de Desporto-UP. Porto. LIROLA CALLEJÓN, D. (2006). Estudio y análisis del saque en voleibol masculino de alto rendimiento. International Journal of Sport Science. Ano 2. 2(5) p LOESCH, T. (2003). Sever vs. Passer. Coaching Volleyball. Vol. 20, nº 6. LOZANO, C.; CALVO, R.; CERVELLÓ, E.; UREÑA, A. (2003). Influencia de la dirección del saque en rendimiento de la recepción de un equipo femenino de voleibol de alto nível. Rendimiento Deportivo. Revista Digital. MAIA, N. (2005). A qualidade da recepção ao serviço em função da zona e do tipo de serviço: estudo comparativo entre jogadores líberos e recebedores prioritários em equipas seniores femininas de elevado nível de rendimento competitivo de voleibol. Monografia. FCDEF-UP. MAIA, N. & MESQUITA, I. (2006). Estudo das zonas e eficácia da recepção em função do jogador recebedor no voleibol sénior feminino. Revista Brasileira Educação Física e Esporte, São Paulo, v.20, nº 4: MARTIN, J. & MORO, M. (2004). Análisis de la relación entre el rendimiento del saque de voleibol y los factores contextuales. III Congresso de la Associación Española de Ciências del Deporte. Valencia, p

11 11 MÉIER, M. (1998). Serving and receiving serves under pressure. The Coach. n.4. MESQUITA, I.; GUERRA, I.; ARAÚJO, V. (2002). Processo de Formação do Jovem Jogador de Voleibol. Centro de Estudos e Formação Desportiva. Lisboa. MESQUITA, I. (2005). A Contextualização do Treino no Voleibol: A Contribuição do Construtivismo. In O Contexto da Decisão - A Acção Tática no Desporto (pp ). D. Araújo (Ed.). Lisboa: Visão e Contextos. MILLÁN, C.; UREÑA, A.; CAMPO, J.; GARCIA, F.; VALDIVIELSO, F. (2001). Características del juego del voleibol tras los nuevos câmbios en el reglamento. <http://www.efdeportes.com>. MOLINA, J.J. (2003). Estudio del saque de voleibol primera división masculina: aanálisis de sus imensiones contextual, conductual y evaluativa. Universidade de Granada. Espanha. Tese Doctoral. MORENO, M.P.; GARCIA, A.; MORENO, A.; MOLINA, J.J.; SANTOS, J.A. (2007). Estudio de la dirección del saque en la superliga masculina de voleibol. Motricidad. European Journal of Human Movement, 18, MOUTINHO, C. (1993). Construção de um sistema de observação e avaliação da distribuição em voleibol, para equipas de rendimento (SOS-vgs). Tese de dissertação às provas de aptidão pedagógica e de capacidade científica. Porto. Faculdade de Ciências do desporto e de Educação Física da Universidade do Porto. MOUTINHO, C. (2000): Estudo da estrutura interna das ações da distribuição em equipes de voleibol de alto nível de rendimento. Contributo para a caracterização e perspectiva do jogador distribuidor. Tese de Doutoramento. FCDEF-UP. NEVILLE, W. (1994). Attack. In Serve it up Volleyball for life. Mountain View, California. Mayfield Publishing Company. OLIVEIRA, R.; MESQUITA, I.; OLIVEIRA, M. (2005). Caracterização da Eficácia do Bloco no Voleibol de Elevado Rendimento Competitivo. <http://www.efdeportes.com/efd84/voley.htm>. OLIVEIRA, R.M.M. (2007). Análise da performance tática no Voleibol de elevado rendimento desportivo. Estudo em equipas participantes na Liga Mundial Dissertação de Mestrado. Faculdade de Desporto da Universidade do Porto. Porto. PALAO, J.M. (2001). Incidencia de las rotaciones sobre el rendimiento del ataque y bloqueio en voleibol. Departamiento de Educación Física y Deportiva. Granada, Universidad de Granada. Tesis Doctoral. PALAO, J. M.; SANTOS, J. A.; UREÑA, A. (2004a). Effect of Team Level on Skill Performance in Volleyball International Journal of Performance Analysis in Sport. December, 4920, PALAO, J. M.; SANTOS, J. A.; UREÑA, A. (2004b). Efecto del tipo y eficacia del saque sobre el bloqueo y el rendimiento del equipo en defensa. RendimientoDeportivo.com, 8. PAPADIMITRIU, K.; PASHALI, E.; SERMAKI, I.; MELLAS, S.; PAPAS, M. (2004). The Effect of the Opponents Serve on the Offensive Actions of Greek Setters in Volleyball Games. International Journal of Performance. 4 (1). RIBEIRO, J.C.O. (2006). Estudo do Serviço e da Recepçáo no Voleibol de Elite. Monografia. Faculdade de Desporto da Universidade do Porto. Porto.

12 12 ROCHA, C.M. (2001). Análise das Ações de Ataque no Voleibol Masculino de Alto Nível. Dissertação de Mestrado. Escola de Educação Física e Esporte- USP. SANTANDREU, C.; TORRENTO, N.; ALCÁZAR, X. (2004). Análisis de las Acciones Ataque-Bloqueo em el Voleibol Masculino. <http://www.efdeportes.com/efd70/voley.htm>. SANTOS, P. e MESQUITA, I. (2003). Análise das seqüências ofensivas a partir da recepção do serviço, em função da qualidade das ações de jogo: estudo aplicado no Voleibol no escalão de juvenis masculinos. In: I. Mesquita, C. Moutinho e R. Faria (ed.), Investigação em Voleibol Estudos Ibéricos, p FCDEF UP, Portugal. SANTOS, P. (2004). Associação da recepção do serviço e a distribuição com a eficácia do ataque em voleibol. Estudo aplicado na selecção portuguesa sénior masculina no Campeonato do Mundo de Monografia. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade do Porto. SAWULA, L. (1981). Individual Action Plan for The Montreal Plympic Games. In Coaches Manual IV, Canadian Volleyball Association. SELINGER, A. (1986). Arie Selinger s Power Volleyball. New York: St. Martins. SOUSA, D. (2000). Organização táctica no Voleibol. Modelação da regularidade de equipas de alto nível em função da sua eficácia ofensiva, nas ações a partir da recepção ao serviço. Dissertação apresentada às Provas de Mestrado. FCDEF UP, Portugal. UREÑA, A. (1998). Incidencia de la función ofensiva sobre el rendimiento de <la recepción del saque envoleibol. Deparatmento de Personalidad, Evaluación y Tratamiento Psicológico. Granada, Universidad de Granada. Tesis Doctoral. UREÑA ESPA, A.; CALVO FERRER, R. M; SUNDVISQ, C.G. (2000). Estudio de las variables que afectan al rendimento de la recepción del saque en voleibol: Análisis del equipo nacional masculino de España. <http://www.efdeportes.com/efd20/voley.htm>. UREÑA ESPA, A.; CALVO FERRER, R. M.; LOZANO PÉREZ, C. (2004). Estudio de la Recepción del Saque en el Voleibol Masculino Español de Elite Tras la Incorporación del Jugador Libero. Rev.Int. Med. Cienc. Act. Fis. Deporte. Nº 4 VAN DER MARS, H. (1989). Observer Reliability: Issues and Procedures. Analysing Physical Education and Sport Instruction, 2, VELASCO, J.; BEAL, D. (2003). Resumen de las conferencias impartidas en el clinic internacional de Data Project. YIANNIS, L.; PANAGIOTIS, K.; IOANNIS, A.; ALKINOI, K. (2004). A Comparative Study of the Effectiveness of the Greek National Men s Volleyball Team With Intenationally Top-Ranked Teams. International Journal of Volleyball Research, 7, (1), 4-9. YIANNIS, L. & PANAGIOTIS, K. (2005). Evolution in Men s Volleyball skills and Tatics as Evidenced in the Athens 2004 Olympic Games. International Journal of performance Analysis in Sport., 5 (2), 1-8. ZIMMERMANN, B. (1995). Principale evolucion du Volley-ball masculine. International Volley Tech, 1: 4-11.

Estudo de determinantes tácticas da eficácia do ataque no Voleibol feminino juvenil de elevado nível de rendimento no side-out e na transição.

Estudo de determinantes tácticas da eficácia do ataque no Voleibol feminino juvenil de elevado nível de rendimento no side-out e na transição. Autores: Gustavo de Conti Costa 1 Isabel Mesquita 2 Pablo Juan Greco 1 Auro Barreiros Freire 1 José Cícero Moraes 3 Estudo de determinantes tácticas da eficácia do no Voleibol feminino juvenil de elevado

Leia mais

Estudo das implicações do espaço ofensivo nas características do ataque no Voleibol masculino de elite

Estudo das implicações do espaço ofensivo nas características do ataque no Voleibol masculino de elite Estudo das implicações do espaço ofensivo nas características do ataque no Voleibol masculino de elite José Miguel de Castro Isabel Mesquita Faculdade de Desporto Universidade do Porto Portugal RESUMO

Leia mais

TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS

TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS Para o melhor entendimento técnico e tático das definições sobre os sistemas de jogo adotados no voleibol, é necessário, em primeiro

Leia mais

Estudo dos indicadores de rendimento em voleibol em função do resultado do set

Estudo dos indicadores de rendimento em voleibol em função do resultado do set Estudo dos indicadores de rendimento em voleibol em função do resultado do set Estudo dos indicadores de rendimento em voleibol CDD. 20.ed. 796.325 Rui MARCELINO * Resumo Isabel MESQUITA * Jaime SAMPAIO

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento táctico na variante 'GR3x3GR' utilizando

Estudo comparativo do comportamento táctico na variante 'GR3x3GR' utilizando Estudo comparativo do comportamento táctico na variante 'GR3x3GR' utilizando balizas de futsal e de futebol de sete Estudio comparativo del comportamiento táctico en la variante 'GR3x3GR' utilizando arcos

Leia mais

Análise comparativa da posse de bola do F.C Barcelona x São Paulo FC x SC Internacional e as ações ofensivas geradas.

Análise comparativa da posse de bola do F.C Barcelona x São Paulo FC x SC Internacional e as ações ofensivas geradas. Análise comparativa da posse de bola do F.C Barcelona x São Paulo FC x SC Internacional e as ações ofensivas geradas. Comparação entre as principais escolas do futebol mundial mostra que a diferenças estão

Leia mais

Análise da acção de Ataque dos jogadores de Zona 4 em Voleibol Estudo aplicado em equipas de elite no Campeonato do Mundo de 2007

Análise da acção de Ataque dos jogadores de Zona 4 em Voleibol Estudo aplicado em equipas de elite no Campeonato do Mundo de 2007 Análise da acção de Ataque dos jogadores de Zona 4 em Voleibol Estudo aplicado em equipas de elite no Campeonato do Mundo de 2007 Ricardo Manuel Pinto da Rocha Porto, 2009 Análise da acção de Ataque dos

Leia mais

Regras básicas e fudamentos do volei

Regras básicas e fudamentos do volei Regras básicas e fudamentos do volei História do volei O criador do voleibol foi o americano William George Morgan. Isto ocorreu em 9 de fevereiro de 1895. O volei foi criado com o intuito de ser um esporte

Leia mais

EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES

EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES 2012 Thiago Magalhães / UNICAMP Otávio Luis Piva da Cunha Furtado / UNICAMP Márcio Pereira Morato / USP Diego Henrique

Leia mais

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos Regras básicas de vôlei Vôlei é um desporto praticado numa quadra dividida em duas partes por uma rede, possuindo duas equipes de seis jogadores em cada lado. O objetivo da modalidade é fazer passar a

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO

ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO RESUMO MEIRA, A. N. BATISTA, G. R. OLIVEIRA, L. S. CAPPELLAZZO, E. S. Esse estudo teve como objetivo analisar a qualidade técnica do

Leia mais

Análise das estruturas do Complexo I à luz do resultado do set no voleibol feminino

Análise das estruturas do Complexo I à luz do resultado do set no voleibol feminino Motricidade Edições Desafio Singular 2014, vol. 10, n. 3, pp. 40-49 http://dx.doi.org/10.6063/motricidade.10(3).2899 Análise das estruturas do Complexo I à luz do resultado do set no voleibol feminino

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6.

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6. VOLEIBOL 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997 b) 2007 c) 1996 d) 1975 e)1895 2. Quem inventou o voleibol? a) William G. Morgan b) Pelé c) Roberto Carlos d) Ronaldinho Gaúcho e) Michael Jackson

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES *

CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES * CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES * José Jacinto Vasconcelos Raposo João Paulo Lázaro Luís Filipe da Silva Cerqueira chapas@net.sapo.pt RESUMO Pretendeu-se verificar

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 9ºAno Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem : William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette GRECO, 1998 1 Caracterização: O voleibol é um jogo coletivo desportivo, composto por duas equipes, cada uma

Leia mais

O ALCANCE DE ATAQUE E BLOQUEIO E A PERFORMANCE DE ATLETAS DE VOLEIBOL FEMININO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE 2006

O ALCANCE DE ATAQUE E BLOQUEIO E A PERFORMANCE DE ATLETAS DE VOLEIBOL FEMININO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE 2006 O ALCANCE DE ATAQUE E BLOQUEIO E A PERFORMANCE DE ATLETAS DE VOLEIBOL FEMININO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE 2006 Natalia Kopp 1 ; Fábio Heitor Alves Okazaki 2 ; Victor Hugo Alves Okazaki 3 ; Birgit Keller

Leia mais

STRESS NO CONTEXTO DESPORTIVO: ESTUDO EXPLORATÓRIO NA DIVISÃO A1 MASCULINA E FEMININA DE VOLEIBOL

STRESS NO CONTEXTO DESPORTIVO: ESTUDO EXPLORATÓRIO NA DIVISÃO A1 MASCULINA E FEMININA DE VOLEIBOL STRESS NO CONTEXTO DESPORTIVO: ESTUDO EXPLORATÓRIO NA DIVISÃO A1 MASCULINA E FEMININA DE VOLEIBOL Manuel Almeida Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto (FCDEFUP)

Leia mais

MARCUS LINS COSTA MELO RESULTADOS DO ATAQUE DA SELEÇÃO MASCULINA INFANTO-JUVENIL DE VOLEIBOL

MARCUS LINS COSTA MELO RESULTADOS DO ATAQUE DA SELEÇÃO MASCULINA INFANTO-JUVENIL DE VOLEIBOL MARCUS LINS COSTA MELO RESULTADOS DO ATAQUE DA SELEÇÃO MASCULINA INFANTO-JUVENIL DE VOLEIBOL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL Belo Horizonte

Leia mais

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD VOLLEYBALL Voleibol Escola Dr. Costa Matos 2013/14 Ana Fernandes 8ºD REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem Criado por William Morgan (Professor EF do Springfield College of the YMCA

Leia mais

HISTÓRIA DO VOLEIBOL

HISTÓRIA DO VOLEIBOL VOLEIBOL HISTÓRIA DO VOLEIBOL O voleibol foi criado em 9 de Fevereiro de 1895 pelo americano William George Morgan, diretor de educação física da Associação Cristã de Moços (ACM), na cidade de Holyoke,

Leia mais

ANÁLISE DE JOGO NOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS: A EXEMPLO DO VOLEIBOL

ANÁLISE DE JOGO NOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS: A EXEMPLO DO VOLEIBOL ANÁLISE DE JOGO NOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS: A EXEMPLO DO VOLEIBOL Cristino Júlio Alves da Silva Matias Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Pablo Juan Greco Universidade

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL WEST EUROPEAN VOLLEYBALL ZONAL ASSOCIATION WEVZA VOLLEYBALL COACHES SEMINAR

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL WEST EUROPEAN VOLLEYBALL ZONAL ASSOCIATION WEVZA VOLLEYBALL COACHES SEMINAR FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL WEST EUROPEAN VOLLEYBALL ZONAL ASSOCIATION WEVZA VOLLEYBALL COACHES SEMINAR 5, 6 E 7 DE JUNHO VALLADOLID (ESPANHA) PROPOSTA Tendo em conta a atribuição de 4 bolsas para

Leia mais

ANÁLISE DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO ANALYSIS OF COUNTERATTACK IN FUTSAL WOMEN'S HIGH PERFORMANCE

ANÁLISE DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO ANALYSIS OF COUNTERATTACK IN FUTSAL WOMEN'S HIGH PERFORMANCE ANÁLISE DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO João Paulo Shyodi Fukudo, Universidade Estadual de Londrina UEL, Londrina, Paraná - Brasil Loani Landin Istchuck, Universidade Estadual de

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus Sombrio Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus Sombrio Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus Sombrio Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio DISCIPLINA: Educação Física CARGA HORÁRIA: 40hs PROFESSOR(A):

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

Análise de jogo no basquetebol: perfil ofensivo da Seleção Brasileira Masculina

Análise de jogo no basquetebol: perfil ofensivo da Seleção Brasileira Masculina Análise de jogo no basquetebol: perfil ofensivo da Seleção Brasileira Masculina CDD. 20.ed. 796.323 Dante De ROSE JUNIOR * Resumo Leonardo LAMAS ** *Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado Francisco Batista Introdução A aplicação da Psicologia no treino desportivo tem, nestes últimos anos sido muito importante. A Psicologia é uma

Leia mais

Gestos Técnicos e Exercícios. de Mini-Volei

Gestos Técnicos e Exercícios. de Mini-Volei Gestos Técnicos e Exercícios de Mini-Volei Extraído de: La grammatica del gioco della pallavolo M. Gori S.S.S. & Il manuale della pallavolo G. Volpicella Idea Libri (Tradução: Miguel Margalho) Exercícios

Leia mais

O TREINAMENTO DOS SISTEMAS OFENSIVOS NO BASQUETEBOL BRASILEIRO: UM ESTUDO ORIENTADO POR ESPECIALISTAS DO DESPORTO DE ALTO RENDIMENTO

O TREINAMENTO DOS SISTEMAS OFENSIVOS NO BASQUETEBOL BRASILEIRO: UM ESTUDO ORIENTADO POR ESPECIALISTAS DO DESPORTO DE ALTO RENDIMENTO O TREINAMENTO DOS SISTEMAS OFENSIVOS NO BASQUETEBOL BRASILEIRO: UM ESTUDO ORIENTADO POR ESPECIALISTAS DO DESPORTO DE ALTO RENDIMENTO INTRODUÇÃO DR. VALDOMIRO DE OLIVEIRA DR. ROBERTO RODRIGUES PAES DR.

Leia mais

VOLEIBOL ESCOLAR: FERRAMENTA MULTIDISCIPLINAR

VOLEIBOL ESCOLAR: FERRAMENTA MULTIDISCIPLINAR VOLEIBOL ESCOLAR: FERRAMENTA MULTIDISCIPLINAR 1. História do Voleibol 1.1. A Origem do Voleibol: a centenas de anos jogos similares jáj eram praticados no mundo todo. Willian Morgan da Y.M.C.A. cria em

Leia mais

Justiça do treinador e satisfação desportiva:

Justiça do treinador e satisfação desportiva: Justiça do treinador e satisfação desportiva: O papel mediador das competências psicológicas desportivas ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE 2015-2016 Mitos assocados à Psicologia do Desporto Crença

Leia mais

AS REGRAS DO VOLEIBOL

AS REGRAS DO VOLEIBOL AS REGRAS DO VOLEIBOL NÚMERO DE JOGADORES Cada equipa é composta, no máximo, por 12 jogadores inscritos no boletim de jogo. Apenas 6 jogadores ocupam o terreno de jogo ( 6 efectivos e 6 suplentes ). O

Leia mais

Palavras-chave: Futebol; Performance; Posse de bola; Seleção espanhola.

Palavras-chave: Futebol; Performance; Posse de bola; Seleção espanhola. ANÁLISE DA POSSE DE BOLA DA SELEÇÃO ESPANHOLA NA COPA DO MUNDO DE FUTEBOL FIFA - ÁFRICA DO SUL/2010: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS FASES CLASSIFICATÓRIA E ELIMINATÓRIA. Andrade, M.O.C a ; Padilha, M. a.b

Leia mais

IMPACTOS Agudos / de Momento e Crónicos / Constantes.

IMPACTOS Agudos / de Momento e Crónicos / Constantes. Wash Scoring (Limpar a Pontuação) por Tom Tait (treinador de Voleibol dos EUA Penn State University e ex-adjunto das Selecções Sénior Masculinas; USA All-Time Great Coach Award) UM POUCO DE HISTÓRIA Em

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Educação Física

Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho LUCA de LAMEIRA Conclusão ANTUNES de Curso ANÁLISE DOS GOLS QUE SE ORIGINARAM DE BOLAS PARADAS DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE CAMPO DE 2011 Artigo

Leia mais

Voleibol. Professor:Pedro Engler Neto

Voleibol. Professor:Pedro Engler Neto Voleibol Professor:Pedro Engler Neto Histórico O voleibol foi criado por William G. Morgam em 09 de fevereiro de 1895. Na Associação Cristã de Moços,HoYolke Massachussets, Eua. E a intenção de Morgan era

Leia mais

MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012.

MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012. DO INFANTIL ENSINO AO COMPLETO VESTIBULAR MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012. 1. O sorteio do jogo - O sorteio é efetuado na presença dos dois capitães de

Leia mais

NOVAS REGRAS DO BASQUETEBOL: ESTUDO DE CASO SOBRE A PERCEPÇÃO DE JOGADORES DE UMA EQUIPE PROFISSIONAL

NOVAS REGRAS DO BASQUETEBOL: ESTUDO DE CASO SOBRE A PERCEPÇÃO DE JOGADORES DE UMA EQUIPE PROFISSIONAL NOVAS REGRAS DO BASQUETEBOL: ESTUDO DE CASO SOBRE A PERCEPÇÃO DE JOGADORES DE UMA EQUIPE PROFISSIONAL Heitor de Andrade Rodrigues, Universidade Federal de Goiás UFG, Goiânia, Goiás - Brasil Thiago Leonardi,

Leia mais

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO.

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. Resumo *João Paulo Ferreira Dantas **José Carlos de B. V. Filho Os objetivos deste

Leia mais

VOLEIBOL 7ºano. Voleibol HISTÓRICO E REGRAS. Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette 07/05/2013. Brasil 1915 Pernambuco

VOLEIBOL 7ºano. Voleibol HISTÓRICO E REGRAS. Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette 07/05/2013. Brasil 1915 Pernambuco VOLEIBOL 7ºano. HISTÓRICO E REGRAS Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

Testes Físicos Documento Orientador

Testes Físicos Documento Orientador Testes Físicos Documento Orientador Época 2015-2016 Página 2 INTRODUÇÃO A realização de provas físicas na arbitragem acontece em todos os Países e, em particular, no âmbito da UEFA e da FIFA. Estas Organizações

Leia mais

&RUUHODomRHQWUHYLWyULDVH SDVVHVHUUDGRVQRIXWHERO SURILVVLRQDO

&RUUHODomRHQWUHYLWyULDVH SDVVHVHUUDGRVQRIXWHERO SURILVVLRQDO &RUUHODomRHQWUHYLWyULDVH SDVVHVHUUDGRVQRIXWHERO SURILVVLRQDO Mestrado em Ciências do Movimento, Universidade Guarulhos (UnG) Fabio Aires da Cunha fabiocunha@hotmail.com (Brasil) http://www.efdeportes.com/

Leia mais

COMPARAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO TÁTICA OFENSIVA DAS SELEÇÕES DA HOLANDA E INGLATERRA NA 1ª FASE DA COPA DO MUNDO DE 2010.

COMPARAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO TÁTICA OFENSIVA DAS SELEÇÕES DA HOLANDA E INGLATERRA NA 1ª FASE DA COPA DO MUNDO DE 2010. COMPARAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO TÁTICA OFENSIVA DAS SELEÇÕES DA HOLANDA E INGLATERRA NA 1ª FASE DA COPA DO MUNDO DE 2010. Bruno Vinicius de Freitas Silva Renato Henrique dos Santos Maurício Teodoro de Souza

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS Juiz de Fora 2010 Leonardo

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS

ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS Márcia Francine Bento 1, Marcelo Sato Yamauchi 1, Paulo Carrara 1,3, Cindy Santiago Tupiniquim 1 e

Leia mais

JOGOS UNIVERSITÁRIOS CAMILIANOS - JUCAM 2013

JOGOS UNIVERSITÁRIOS CAMILIANOS - JUCAM 2013 REGULAMENTO PARA O VOLEIBOL EQUIPES Uma equipe é formada por 10 jogadores. E somente 6 jogadores podem participar do jogo tendo como obrigatoriedade 3 homens e 3 mulheres em quadra para condições de jogo.

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN 1984-4956 versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN 1984-4956 versão eletrônica 37 O ÍNDICE DE APROVEITAMENTO DOS CONTRA-ATAQUES É SUPERIOR AOS DAS JOGADAS OFENSIVAS DE POSSE DE BOLA Fábio Figuerôa dos Santos 1 RESUMO Este estudo teve o objetivo de analisar o índice de aproveitamento

Leia mais

A planificação, programação, e periodização do treino em futebol. Um olhar sobre a especificidade do jogo de futebol

A planificação, programação, e periodização do treino em futebol. Um olhar sobre a especificidade do jogo de futebol educación física educacion fisica deportes deporte sport futbol fútbol entrenamiento deportivo discapacidad aventura poker jackpot bet apuesta dados dice casino naturaleza lesión lesion deportiva psicologia

Leia mais

Lentos, atrasados e desequilibrados

Lentos, atrasados e desequilibrados Deslocamentos Lentos, atrasados e desequilibrados Descoordenação espaço-tempo pela falta de referências e pelas dificuldades naturais da areia, vento ou sol Maior dificuldade em deslocamentos para trás

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL

A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL o Pró-Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL Autora: Fernanda Rosa de Lima Orientador: MSc. Areolino Afonso Ribeiro

Leia mais

A intervenção verbal do treinador de Voleibol na competição. Estudo comparativo entre equipas masculinas e femininas dos escalões de formação

A intervenção verbal do treinador de Voleibol na competição. Estudo comparativo entre equipas masculinas e femininas dos escalões de formação A intervenção verbal do treinador de Voleibol na competição. Estudo comparativo entre equipas masculinas e femininas dos escalões de formação Sérgio Botelho 1 Isabel Mesquita 1 M. Perla Moreno 2 1 Universidade

Leia mais

EVOLUÇÃO TECNICO-TÁTICA DO HANDEBOL (1986 A 1995) E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA O PROCESSO DE ENSINO- APREND1ZAGEM E TREINAMENTO

EVOLUÇÃO TECNICO-TÁTICA DO HANDEBOL (1986 A 1995) E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA O PROCESSO DE ENSINO- APREND1ZAGEM E TREINAMENTO ARTIGO EVOLUÇÃO TECNICO-TÁTICA DO HANDEBOL (1986 A 1995) E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA O PROCESSO DE ENSINO- APREND1ZAGEM E TREINAMENTO Elói Ferreira Filho * Pablo Ramon Coelho de Sousa** Pablo Juan Greco

Leia mais

METODOLOGIA COMPARTILHAR DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL

METODOLOGIA COMPARTILHAR DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL METODOLOGIA COMPARTILHAR DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL 2012 Todo material didático-pedagógico contido neste documento é fruto da experiência de diversos profissionais, principalmente professores de educação

Leia mais

Possui características específicas, onde podemos citar, entre outras:

Possui características específicas, onde podemos citar, entre outras: 8 Ano Ensino Fundamental Voleibol Unidade: 01 Prof.º Leonardo Delgado ASPECTOS HISTÓRICOS DO VOLEIBOL O vôlei foi criado em 9 de fevereiro de 1895 por William George Morgan nos Estados Unidos da América.

Leia mais

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms.Camila Corrêa Moura Prof. Ms. Larissa Rafaela Galatti

Leia mais

PERFIL ESTATÍSTICO DOS ARMADORES DE BASQUETEBOL: um estudo com participantes do Campeonato Mundial de Basquetebol - 2010

PERFIL ESTATÍSTICO DOS ARMADORES DE BASQUETEBOL: um estudo com participantes do Campeonato Mundial de Basquetebol - 2010 Artigo Original Cinergis ISSN 2177-4005 PERFIL ESTATÍSTICO DOS ARMADORES DE BASQUETEBOL: um estudo com participantes do Campeonato Mundial de Basquetebol - 2010 Eduardo Barbabela Castro de Carvalho 1,

Leia mais

COMPORTAMENTOS TÁTICOS NO JOGO DE FUTSAL: OS PRINCÍPIOS DO JOGO

COMPORTAMENTOS TÁTICOS NO JOGO DE FUTSAL: OS PRINCÍPIOS DO JOGO COMPORTAMENTOS TÁTICOS NO JOGO DE FUTSAL: OS PRINCÍPIOS DO JOGO LUÍS BRAVO 1 MARIA TERESA OLIVEIRA 2 1 Docente no Agrupamento de Escolas de Sátão Portugal. (e-mail: luisbrav@gmail.com) 2 Docente da Escola

Leia mais

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12.

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. CARTA DE BOAS VINDAS Prezado Franqueado e Parceiro, Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. Acreditamos que esta

Leia mais

Educação Física - Colégio Adventista Professora Shimeni Guimarães Alves

Educação Física - Colégio Adventista Professora Shimeni Guimarães Alves História do Vôlei O voleibol foi criado no ano de 1895 pelo americano William C.Morgan, diretor de educação física da Associação Cristã de Moços (ACM), na cidade de Holyoke, em Massachusets, nos Estados

Leia mais

Construção e validação do instrumento de avaliação do desempenho técnico-tático no voleibol

Construção e validação do instrumento de avaliação do desempenho técnico-tático no voleibol ARTIGO original DOI: 10.5007/1980-0037.2011v13n1p43 Construção e validação do instrumento de avaliação do desempenho técnico-tático no voleibol Construction and validation of a technical-tactical performance

Leia mais

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO (FACTORS RELATED TO THE ANXIETY LEVEL IN FOOTBALL FEMALE ATHLETES) Marcos Vinicius Dias Munhóz 1 ; Claudia Teixeira-Arroyo 1,2

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

O VOLEIBOL COMO CONTEÚDO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO FÍSICA: TER OU NÃO SER Sonia Maria Soares Barbosa de Sousa Ana Maria da Silva Rodrigues

O VOLEIBOL COMO CONTEÚDO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO FÍSICA: TER OU NÃO SER Sonia Maria Soares Barbosa de Sousa Ana Maria da Silva Rodrigues O VOLEIBOL COMO CONTEÚDO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO FÍSICA: TER OU NÃO SER Sonia Maria Soares Barbosa de Sousa Ana Maria da Silva Rodrigues RESUMO: O conteúdo voleibol, enquanto prática desportiva nas escolas

Leia mais

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma habilidade motora - o largar e pontapear sem ressalto - em precisão. Nuno Amaro 1,2, Luis Neves 1,2, Rui Matos 1,2,

Leia mais

1- O ESPORTE, CARACTERÍSTICAS E MANIFESTAÇÕES ESPORTIVAS

1- O ESPORTE, CARACTERÍSTICAS E MANIFESTAÇÕES ESPORTIVAS EDUCAÇÃO FÍSICA / 8º ano PROFESSOR: Antonio Carlos 1- O ESPORTE, CARACTERÍSTICAS E MANIFESTAÇÕES ESPORTIVAS O esporte é uma atividade humana historicamente criada e socialmente construída (BRASIL, 2009).

Leia mais

A VISUALIZAÇÃO MENTAL NA QUALIDADE DE NADO DA PARTIDA DE BRUÇOS

A VISUALIZAÇÃO MENTAL NA QUALIDADE DE NADO DA PARTIDA DE BRUÇOS A VISUALIZAÇÃO MENTAL NA QUALIDADE DE NADO DA PARTIDA DE BRUÇOS (2006) Sebastião Santos Mestre em Psicologia do Desporto e do Exercício José Alves Professor Doutor com agregação - Escola Superior de Desporto

Leia mais

Histórico do Voleibol. Prof. Maick da Silveira Viana

Histórico do Voleibol. Prof. Maick da Silveira Viana Histórico do Voleibol Prof. Maick da Silveira Viana Quando começou? Conta a história que o voleibol foi criado na Associação Cristã de Moços (ACM) de Massachusetts pelo professor William Morgan em 1895.

Leia mais

O conhecimento tático-estratégico dos

O conhecimento tático-estratégico dos ISSN 1519-9088 O conhecimento tático-estratégico dos levantadores integrantes das seleções brasileiras de voleibol Marco Antônio Queiroga 1 marco40antonio@yahoo.com.br Cristino Julio Alves da Silva Matias

Leia mais

Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins

Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins Federação Portuguesa de Patinagem Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins Associação de Patinagem de Lisboa GrupoDesportivode Patinagem Cascais, 23 de Abril de 2005 Federação Portuguesa de Patinagem

Leia mais

INCIDÊNCIAS DE LESÕES EM JOGADORES DE FUTEBOL E FUTSAL EM CAMPO GRANDE-MS

INCIDÊNCIAS DE LESÕES EM JOGADORES DE FUTEBOL E FUTSAL EM CAMPO GRANDE-MS INCIDÊNCIAS DE LESÕES EM JOGADORES DE FUTEBOL E FUTSAL EM CAMPO GRANDE-MS INTRODUÇÃO PAULO CÉSAR MONTEIRO RAMON GUSTAVO DE MORAES OVANDO Dom Bosco Catholic University - UCDB, Campo Grande - MS - Brazil

Leia mais

A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1

A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1 A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1 Emerson Ramírez Farto * (Brasil) emersonframirez@terra. José María Cancela Carral ** (Espanha) chemacc@uvigo. http://www.efdeportes.com/

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Ginástica de Solo Prova Prática ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Tempo de realização: 45m A prova é composta por

Leia mais

Influência do desempenho tático sobre o resultado final em jogo reduzido de futebol 1

Influência do desempenho tático sobre o resultado final em jogo reduzido de futebol 1 DOI: 10.4025/reveducfis.v24.3.18902 Influência do desempenho tático sobre o resultado final em jogo reduzido de futebol 1 Influence of tactical performance over the final score of small-sided soccer matches

Leia mais

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil.

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA Á SAÚDE DE CRIANÇAS E JOVENS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL EM APODI/RN Jorge Alexandre Maia de Oliveira Maria Lúcia Lira de Andrade Maikon Moisés de Oliveira

Leia mais

PROJECTO NACIONAL DE FORMAÇÃO ORDENDADA

PROJECTO NACIONAL DE FORMAÇÃO ORDENDADA PROJECTO NACIONAL DE FORMAÇÃO ORDENDADA CONCEITO e OBJECTIVOS FORÇA 8 é a sigla do Projecto Nacional da Formação Ordenada. Tem com principal objectivo a formação específica dos jogadores, treinadores e

Leia mais

INDICADORES TÁCTICO-TÉCNICOS DE SUCESSO DO JOGO DE PÓLO AQUÁTICO DE ELITE

INDICADORES TÁCTICO-TÉCNICOS DE SUCESSO DO JOGO DE PÓLO AQUÁTICO DE ELITE ARTIGO DE PERSPECTIVA (PERSPECTIVES) INDICADORES TÁCTICO-TÉCNICOS DE SUCESSO DO JOGO DE PÓLO AQUÁTICO DE ELITE TACTICAL AND TECHNICAL PERFORMANCE INDICATORS IN ELITE WATERPOLO Sofia Canossa 1, Júlio Garganta

Leia mais

Torneio 4x4 misto de Vôlei de Praia

Torneio 4x4 misto de Vôlei de Praia Torneio 4x4 misto de Vôlei de Praia REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO 1.1 O torneio de vôlei de areia na AABB é um evento que busca incentivar a prática esportiva e promover a qualidade de vida entre os associados

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM PSICOLOGIA do DESPORTO e do EXERCÍCIO PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação ESTRUTURA DE PRÁTICA NA APRENDIZAGEM MOTORA E PEDAGOGIA DO ENSINO DE MODALIDADES DESPORTIVAS COLETIVAS

8º Congresso de Pós-Graduação ESTRUTURA DE PRÁTICA NA APRENDIZAGEM MOTORA E PEDAGOGIA DO ENSINO DE MODALIDADES DESPORTIVAS COLETIVAS 8º Congresso de Pós-Graduação ESTRUTURA DE PRÁTICA NA APRENDIZAGEM MOTORA E PEDAGOGIA DO ENSINO DE MODALIDADES DESPORTIVAS COLETIVAS Autor(es) PROF. MS. TIAGO VOLPI BRAZ Co-Autor(es) PROF. MS. VITOR ANTONIO

Leia mais

Regras Oficiais de Voleibol 2001-2004 APROVADAS PELA FIVB EDIÇÃO - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL

Regras Oficiais de Voleibol 2001-2004 APROVADAS PELA FIVB EDIÇÃO - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL REGRAS OFICIAIS DE VOLEIBOL 2001-2004 APROVADAS PELA FIVB EDIÇÃO - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL ÍNDICE Características do jogo SECÇÃO I O JOGO CAPÍTULO I INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTO REGRA 1. ÁREA DE

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA DATA DE NASCIMENTO SOBRE O DESEMPENHO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13

A INFLUÊNCIA DA DATA DE NASCIMENTO SOBRE O DESEMPENHO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13 A INFLUÊNCIA DA DATA DE NASCIMENTO SOBRE O DESEMPENHO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13 Elton Ribeiro Resende / Núcleo de Pesquisa e Estudos em Futebol-UFV Israel Teoldo da Costa / Núcleo

Leia mais

PERFIL ESTATÍSTICO DAS EQUIPAS DA ASSOCIACIÓN DE CLUBS DE BALONCESTO (A.C.B.)

PERFIL ESTATÍSTICO DAS EQUIPAS DA ASSOCIACIÓN DE CLUBS DE BALONCESTO (A.C.B.) PERFIL ATÍSTICO DAS EQUIPAS DA ASSOCIACIÓN DE CLUBS DE BALONCO (A.C.B.) N.M. Leite Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real - Portugal nleite@utad.pt A identificação dos factores que levam

Leia mais

Estudo de variáveis especificadoras da tomada de decisão, na organização do ataque, em voleibol feminino

Estudo de variáveis especificadoras da tomada de decisão, na organização do ataque, em voleibol feminino Estudo de variáveis especificadoras da tomada de decisão, na organização do ataque, em voleibol feminino José Afonso Isabel Mesquita Rui Marcelino Faculdade de Desporto Universidade do Porto Portugal RESUMO

Leia mais

OBSERVAÇÃO SISTEMÁTICA DE ARBITRAGEM DE BASQUETEBOL DURANTE OS JOGOS (Sérgio Silva, Maio de 2002)

OBSERVAÇÃO SISTEMÁTICA DE ARBITRAGEM DE BASQUETEBOL DURANTE OS JOGOS (Sérgio Silva, Maio de 2002) OBSERVAÇÃO SISTEMÁTICA DE ARBITRAGEM DE BASQUETEBOL DURANTE OS JOGOS (Sérgio Silva, Maio de 2002) - Um estudo com Jovens Árbitros de Basquetebol O propósito deste estudo foi caracterizar e analisar o comportamento

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 311 2015 Prova Escrita e Prática Curso científico humanístico Ensino Secundário /12º Ano Decreto Lei n.º 139/2012 de 5 de julho O presente

Leia mais

A prática de modalidades desportivas por jovens adolescentes

A prática de modalidades desportivas por jovens adolescentes A prática de modalidades desportivas por jovens adolescentes Moreno, M. 1 ; Ribeiro, M. 2 & Mourão-Carvalhal, I. 3 Resumo Este estudo teve como objectivo verificar quais as modalidades desportivas mais

Leia mais

A SELEÇÃO DE JOVENS ATLETAS DE BASQUETEBOL: ESTUDO COM TÉCNICOS BRASILEIROS

A SELEÇÃO DE JOVENS ATLETAS DE BASQUETEBOL: ESTUDO COM TÉCNICOS BRASILEIROS Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano ISSN 1980-0037 Artigo original Valmor Ramos 1 Fernando José da Silva Tavares 2 A SELEÇÃO DE JOVENS ATLETAS DE BASQUETEBOL: ESTUDO COM TÉCNICOS

Leia mais

METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL

METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL Fábio H. A. Okazaki; Priscila M. Caçola; Victor H. A.Okazaki; Ricardo W. Coelho UFPR / PR CECOM

Leia mais

FUTSAL: TÁTICA DEFENSIVA CONTEMPORÂNEA E A TEORIA DE ENSINO DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS DE CLAUDE BAYER

FUTSAL: TÁTICA DEFENSIVA CONTEMPORÂNEA E A TEORIA DE ENSINO DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS DE CLAUDE BAYER FUTSAL: TÁTICA DEFENSIVA CONTEMPORÂNEA E A TEORIA DE ENSINO DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS DE CLAUDE BAYER Marcelo Compagno Michelini, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, Campinas, São Paulo -

Leia mais

Master Leon 2005. Pepu Hernadez (Ex- Estudiantes) Mário Pesquera (Seleccionador nacional) Ricard Casas (Pamesa Valência) Mais defesa.

Master Leon 2005. Pepu Hernadez (Ex- Estudiantes) Mário Pesquera (Seleccionador nacional) Ricard Casas (Pamesa Valência) Mais defesa. Pepu Hernadez (Ex- Estudiantes) Mário Pesquera (Seleccionador nacional) Ricard Casas (Pamesa Valência) Mais defesa. Mário Silva 1 Filosofia: No basquetebol moderno não faz sentido defender da mesma forma

Leia mais

Novidades Biblioteca ESDL-IPVC

Novidades Biblioteca ESDL-IPVC Novidades Biblioteca ESDL-IPVC Abril 2013 Sónia Silva Índice OFERTAS... 2 PROFESSOR LUÍS MOURÃO... 2 PROFESSOR LUÍS PAULO RODRIGUES... 2 LICENCIATURA - DESPORTO E LAZER... 3 1 OFERTAS Professor Luís Mourão

Leia mais