VITRINE DE PRODUÇÃO ACADÊMICA II: PRODUÇÃO DE ALUNOS DA FACULDADE DOM BOSCO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VITRINE DE PRODUÇÃO ACADÊMICA II: PRODUÇÃO DE ALUNOS DA FACULDADE DOM BOSCO"

Transcrição

1 VITRINE DE PRODUÇÃO ACADÊMICA II: PRODUÇÃO DE ALUNOS DA FACULDADE DOM BOSCO

2 VITRINE DE PRODUÇÃO ACADÊMICA II: PRODUÇÃO DE ALUNOS DA FACULDADE DOM BOSCO Organização Durval Antunes Filho Diretor-geral do Grupo Dom Bosco Evilásio Gentil de Souza Neto Diretor-geral da Faculdade Dom Bosco Luiz Fernando Bianchini Diretor-adjunto da Faculdade Dom Bosco Isabelle M. Nejm Félix Diretora acadêmica da Faculdade Dom Bosco Isabel Cristina Bini Coordenadora de extensão e pós-graduação da Faculdade Dom Bosco Produção Comunicação Dom Bosco

3 APRESENTAÇÃO A Vitrine de Produção Acadêmica II apresenta algumas produções acadêmicas de alunos dos cursos de Administração, Ciências Contábeis, Direito, Educação Física, Enfermagem, Fisioterapia e Psicologia da Faculdade Dom Bosco. Em sua segunda versão, é resultado do empenho e da dedicação dos professores da disciplina de Produção Acadêmica, incentivados pelos coordenadores de curso, pela equipe pedagógica e direção da Instituição. Caracteriza-se como instrumento de divulgação on-line dos trabalhos de acadêmicos e como forma de incentivo à produção científica enquanto estudantes de ensino superior. A pretensão é alimentar anualmente esta Vitrine com novas produções, cada vez mais consistentes e de qualidade, de alunos de graduação da Faculdade Dom Bosco. Curitiba, 13 de setembro de Professora Noemia Hepp Panke Gerente do Projeto 3

4 SUMÁRIO 1 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ARTIGO DE REVISÃO: O MONITORAMENTO DOS COLABORADORES NAS ORGANIZAÇÕES PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS RESUMO CRÍTICO: NÃO BASTA SER LÍDER: TEM QUE SER COACH! RESENHA DESCRITIVA: LIDERANÇA COACHING PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE DIREITO SÍNTESE: ORIGENS DO DIREITO RESUMO INFORMATIVO: CULTURA JURÍDICA EUROPEIA RESUMO CRÍTICO: O ENIGMA DE KASPAR HAUSER E MINHAS TARDES COM MARGUERITTE FICHAMENTO: ELEMENTOS PARA UMA CRÍTICA DO ESTADO RESENHA DESCRITIVA DA OBRA DE PAOLO GROSSI A CARTOMANTE E DIREITO E LITERATURA: UM EXERCÍCIO DE DESAPRENDIZAGEM ARTIGO DE REVISÃO: ESTIGMAS PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÍNTESE DO FILME O PODER ALÉM DA VIDA RESUMO INFORMATIVO: A MEDIDA DE DOBRAS CUTÂNEAS RELATÓRIO: OS EFEITOS DA GINÁSTICA LABORAL SOBRE AS HABILIDADES BÁSICAS DE FUNCIONÁRIOS DE SETORES ADMINISTRATIVOS RESENHA DESCRITIVA: LESÕES NA GINÁSTICA ARTÍSTICA ARTIGO DE REVISÃO: LESÕES PRÉ-DESPORTIVAS NO JUDÔ RESENHA DESCRITIVA: O VERDADEIRO, O BELO E O BOM: OS PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA UMA NOVA EDUCAÇÃO ARTIGO DE REVISÃO: OS BENEFÍCIOS E TÉCNICAS DO STEP TRAINING NAS ACADEMIAS

5 5 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM SÍNTESE RESUMO INFORMATIVO RESUMO CRÍTICO RELATÓRIO: PRÁTICA SOCIAL DOAÇÃO E AMOR AO PRÓXIMO BASEADO EM ANA NÉRI RESENHA DESCRITIVA: TRANSFORMAÇÕES NA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM NO SUPORTE NOS TRANSPLANTES NO BRASIL RESENHA CRÍTICA: QUALIDADE NO SERVIÇO DE SAÚDE ARTIGO DE REVISÃO: DIABETES NA GESTAÇÃO PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA SÍNTESE: ARTRITE E OSTEOPOROSE RESUMO INFORMATIVO A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA DURANTE O PROCESSO DE ENVELHECIMENTO RESUMO CRÍTICO RELATÓRIO: A EVOLUÇÃO DO MAL DE ALZHEIMER E OS ASPECTOS DO TRATAMENTO RESENHA DESCRITIVA: TRATAMENTO COM ANTI-INFLAMATÓRIOS TÓPICOS NA OSTEOARTRITE DE JOELHO RESENHA CRÍTICA: INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA REABILITAÇÃO VENTILATÓRIA DE RECÉM-NASCIDOS QUE APRESENTAM COMPROMETIMENTO CARDÍACO E COMPLICAÇÕES PULMONARES FISIOTERAPIA AQUÁTICA PARA NEONATOS PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SÍNTESE: O AMOR É UMA NECESSIDADE BIOLÓGICA RESUMO INFORMATIVO RESUMO CRÍTICO RELATÓRIO O AMOR ROMÂNTICO NÃO CONDIZ COM A REALIDADE RESENHA DESCRITIVA: HOMOSSEXUALIDADE SEM TABUS RESENHA CRÍTICA: A PSICOLOGIA SOCIAL

6 1 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSORA: ROSA LOBERTO 1.1 ARTIGO DE REVISÃO: O MONITORAMENTO DOS COLABORADORES NAS ORGANIZAÇÕES Disciplina: Produção Acadêmica II Curso: Administração Gênero: Artigo de revisão Aluna: Paula Woicik 1 Professora-orientadora: Rosa Loberto RESUMO: A prática das empresas de monitorar os funcionários está se tornando cada vez mais comum em suas rotinas. Essa prática é uma questão bastante polêmica, mas as organizações aderiram a novas tecnologias com a intenção de proteger o patrimônio e garantir maior eficiência nas atividades dos colaboradores. Dentro deste contexto, surgem também questionamentos em relação aos direitos e à privacidade dos trabalhadores. Os limites do empregador em relação ao uso de sistemas de monitoramento devem ser respeitados, pois para punir uma situação irregular, a empresa precisa publicar claramente as regras da empresa, de maneira que os funcionários entendam que o monitoramento pode ser utilizado pela companhia, não somente como fiscalização, mas como proteção do empregador e da própria segurança do trabalhador frente a atitudes de pessoas mal- -intencionadas. Na maioria dos casos, a medida tem obtido resultados satisfatórios, mas é importante ressaltar que o uso das tecnologias para monitorar os trabalhadores no ambiente de trabalho pode ser feita, desde que seja de forma equilibrada, a fim de preservar a intimidade, a honra e a dignidade dos colaboradores. Palavras-chave: Monitoramento. Segurança no ambiente de trabalho. Privacidade dos colaboradores. Direitos do empregador. 1 INTRODUÇÃO O tema abordado no presente estudo tem sido causa de polêmica na maioria das organizações. Após o surgimento das novas tecnologias, os empregados estão cada vez mais subordinados ao monitoramento, e o índice de empresas que investem nesses sistemas está aumentando. O empregador pode fiscalizar seus funcionários sob vários pretextos, como: sigilo de documentos, proteção ao patrimônio, supervisão de rotina, e, principalmente, melhorar o processo produtivo. 1 Acadêmica do 2º. período do curso de Administração na Faculdade Dom Bosco. 6

7 1 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Por esses motivos, os sistemas de monitoramento mais utilizados por empregadores são os sistemas de vídeo, áudio, vigilância, revistas pessoais, e o mais comum, o monitoramento eletrônico. Mas, para alguns trabalhadores, o uso desses recursos é usado como forma de pressionar o andamento das atividades rotineiras. Porém, as organizações alegam que o monitoramento no ambiente de trabalho é feito por vários motivos e possui várias justificativas. Portanto, essas condutas não são proibidas, e se aplicadas de forma correta, têm por objetivo proteger as pessoas. O intuito deste trabalho é mostrar que a empresa pode monitorar seus funcionários sem invadir a privacidade e sem inibir a naturalidade de um agradável ambiente de trabalho. Entretanto, é fundamental que as companhias adquiram medidas corretas e os funcionários tenham ciência prévia dos procedimentos. 2 DEFINIÇÃO E OBJETIVO De acordo com Ormond (2006), monitoramento é o acompanhamento, avaliação e controle das condições ou de fenômenos naturais ou artificiais, com o objetivo de obter dados quantitativos e qualitativos que possibilitem maior conhecimento sobre eles, identificando, assim, possíveis riscos ou oportunidades que possam ser controlados ou aproveitados para minimizar eventos indesejáveis. As empresas investem, cada vez mais, em sistemas para monitoramento de funcionários sob vários pretextos, como: sigilo de documentos, proteção ao patrimônio, supervisão de rotina e para melhorar a eficiência e eficácia das atividades desenvolvidas pelos subordinados. Algumas empresas fazem controle por meio da vigilância para aperfeiçoar o desempenho e aumentar a segurança. Com toda tecnologia disponível atualmente é possível que as organizações façam uso de vários métodos de monitoramento. Bilhões de ligações telefônicas, s e faxes são grampeados por dia ao redor do mundo. Mais de 70% das empresas estadunidenses monitoram o uso da internet de seus empregados, e é comum acontecer afastamento de funcionário por uso indevido dessa ferramenta. Desde 1787, Jeremy Benthan publicava uma teoria de monitoramento. Segundo ele, era a forma perfeita, pois as pessoas não sabiam se estavam sendo vigiadas. Nos anos 60, foi aceito o uso de câmeras de vigilância em público. Com o passar dos anos, monitorar se tornou comum na sociedade. Ellen Bayer, da Associação Americana de Gerenciamento, acredita que a privacidade no local de trabalho de hoje é meramente ilusória. Nesta era de cubículos em espaços abertos, carteira dividida, computadores em rede e teletrabalhadores, é difícil que se creia estar realmente num espaço privado. Hoje o mercado para monitoramento de computadores e empregados é enorme, pois as empresas precisam saber da eficiência de tempo, produtividade, segurança, proteção e até motivação 7

8 1 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO dos trabalhadores. De acordo com as teorias de motivação humana de Mc Gregor (2006), existem dois tipos diferentes de comportamentos dos empregados: teoria X e Y. A teoria X acredita que os empregados são preguiçosos e evitarão trabalho o tanto quanto possível. Já a teoria Y acredita que os empregados são ambiciosos, automotivados, com autocontrole e autoridade. De acordo com Taylor, pessoas podiam ser tratadas de forma padronizada, como máquinas. Atualmente, as empresas veem seus empregados como seu maior patrimônio. Para Peter Drucker (1999), o mais valioso patrimônio para uma organização do século XX era o equipamento de produção; o mais valioso patrimônio de uma empresa do século XXI são os funcionários. O monitoramento, então, é uma forma de proteger as pessoas. 2.1 POSSIBILIDADE E FORMAS DE MONITORAMENTO As empresas têm o direito de monitorar os empregados, mas eles devem ter o conhecimento de que estão sendo vigiados. É regular o uso pelo empresário de sistemas de monitoramento que exclua banheiros e refeitórios, vigiando apenas o local efetivo de trabalho. Porém, para punir uma situação irregular, a empresa precisa publicar claramente as regras para os funcionários. O monitoramento não serve apenas como meio de fiscalização dos empregados, mas como proteção do empregador frente a terceiros. Sendo assim, é aceitável o acordo de monitoramento que pode ser convencionado entre as partes, no que tange à utilização dos instrumentos digitais, de acordo com o Art. 7º, XXVII da Constituição Federal de É visto que todas as formas de monitoramento são feitas para melhorar o desenvolvimento das atividades exercidas pelos trabalhadores. Vários sistemas são utilizados, como: sistemas de vídeo, áudio, vigilância, informática e revistas pessoais no interior da empresa. De acordo com o advogado Thiago Cavalcanti (2010), as filmagens devem ser utilizadas para monitorar o local de trabalho, visando à segurança, e não para perseguir ou fiscalizar o funcionário. Há pessoas que concordam, mas algumas questionam a respeito da privacidade e a confiança, com a utilização de câmeras de vídeo. O uso dessa tecnologia não deve ser usado como forma de escravizar, pressionar ou constranger os colaboradores. O uso de câmeras não é ilegal, mas o funcionário deve ser avisado, e as regras têm de ficar claras. Algumas empresas, por exemplo, usam a frase Sorria, você está sendo filmado. O Tribunal Superior do Trabalho tem por decisão que a instalação de câmeras para fins de segurança não ofende a privacidade do trabalhador, mesmo assim, o Ministério Público do Trabalho fiscaliza as empresas para que a intimidade do empregado não seja violada. Valdir Pereira, Procurador do Trabalho, DF e TO, afirma que segundo o Art. 5º, X da Constituição Federal, são invioláveis a intimidade, a vida privada, 8

9 1 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito da indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação. Portanto, para o Ministério Público do Trabalho é claramente inconstitucional essa conduta, pois o colaborador passa a ser um suspeito de uma conduta irregular, sendo que o controle do patrimônio deveria ser direcionado a quem pode realmente causar um dano a esse patrimônio. De acordo com o Procurador, as câmeras não podem ser instaladas em cantinas, salas de café e banheiros, por violarem dispositivos constitucionais a uma vida privada, honra e imagem. Se isso acontecer, é necessário que o funcionário procure o Ministério do Trabalho e denuncie a irregularidade. É evidente que a instalação das câmeras previne problemas. Como já aconteceu em várias cidades, quando as imagens ajudaram a polícia a prender, por exemplo, falsos médicos e flagraram um funcionário furtando remédios. Também aconteceu um caso no Brasil, quando as câmeras mostraram médicos batendo ponto para os colegas ou indo embora mais cedo. Há várias companhias com filmadoras ligadas dia e noite, pois além da segurança da empresa, ajuda também a fazer um controle das atividades dos funcionários, melhorar o processo produtivo e as imagens servem também de provas para um possível processo. Na prefeitura de Londrina, 16 câmeras vigiam quase todo o patrimônio. Em entrevista concedida ao Jornal Hoje, em 01/09/2007, o diretor de bens Pedro Afonso, relata que a intenção não é só fiscalizar, ele acredita que se alguém tem má intenção, vai pensar muito antes de realizar algo considerado errado. Já, os sistemas de áudio, como escutas telefônicas e gravações de ligações de funcionários, segundo Aparecida Tokumi Hashimoto (2009): É permitida para fins de controle e fiscalização da execução das tarefas profissionais, em face de a Constituição Federal, em seu artigo 5º, XII, garantir a inviabilidade da correspondência e das comunicações, salvo, por ordem judicial, nas hipóteses que a lei estabelecer, para fins de investigação criminal ou instrução processual penal. Portanto, o empregador não pode fazer escutas que não dizem respeito ao trabalho, pois a Constituição Federal protege a privacidade e a intimidade do indivíduo, e esses procedimentos só podem ser utilizados desde que o funcionário esteja ciente de que está sendo monitorado. Segundo Sandra Lia Simón (2000, p. 154), Se o telefone integra o conjunto dos meios de produção, ou seja, se é utilizado para o desenvolvimento da prestação de serviços, como por exemplo, no telemarketing, o empregador, dando ciência ao trabalhador, pode instalar aparelhos para gravação de respectivas conversas, pois o poder de direção justifica essa interferência. Dessa forma, entende-se que o monitoramento das ligações deve ser usado de forma para garantir a segurança dos empregados e das empresas, sem práticas abusivas. Outra forma de monitoramento, bastante questionado, é a revista pessoal dos funcionários. 9

10 1 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Essa prática é adotada por várias razões e justificativas, mas, principalmente, para inibir furtos dentro da empresa. Infelizmente, a realidade mostra que essas situações são comuns em supermercados e indústrias eletrônicas, pois o furto de pequenos objetos pode significar uma perda financeira de valor elevado. Os colaboradores não recebem bem essas medidas, porém as empresas que adotam essa prática justificam como uma necessidade para preservar seu patrimônio, e também para identificar funcionários desonestos. Barros (2007), citado por Freitas (2012), entende que: A mera tutela genérica da propriedade não é suficiente para justificar a revista pessoal, que deve ser usada como último recurso ante a falta de outros meios idôneos e igualmente eficazes na salvaguarda do patrimônio do detentor dos meios de produção. Ademais, é preciso haver um justo motivo, ou seja, uma razão clara e objetiva que explique a adoção de um ato invasivo. A exemplo da existência, no local de prestação de serviços, de bens suscetíveis de subtração e ocultação, com valor material, ou que possuam relevância para o bom funcionamento da atitude empreendedora e para a segurança das pessoas. Dessa forma, entende-se que a necessidade da realização da revista pessoal é como meio de prevenção do patrimônio do empregador. De acordo com Freitas (2012), a revista é prática tolerável desde que preservada a dignidade do trabalhador, sendo, pois, admitida excepcionalmente, observadas, entretanto, a intimidade e a privacidade do empregado. Em entrevista concedida à TV Justiça, em 19/04/2011, o sociólogo Antônio Flávio Testa afirma que as pessoas que sofrem algum tipo de humilhação ou de violência ficam muito magoadas, porque possuem a intimidade e os direitos não assegurados. Em consequência, a TV Justiça mostrou o caso de uma empresa de transporte de valores, a qual foi condenada a pagar indenização a uma funcionária que foi vítima da revista íntima. Ela era obrigada a tirar a roupa, e, caso estivesse usando, até o absorvente. O advogado trabalhista Maurício Correa afirma, na mesma reportagem, que a revista é permitida desde que seja feita de forma moderada, e principalmente, desde que não tenha contato físico entre empregador e funcionário. O ideal é que os colaboradores sejam pré-avisados da decisão. É importante ressaltar, que a revista pessoal não é proibida, porém deve ser feita, se necessário, sem abuso, sem constrangimento e sempre respeitando a honra e a dignidade do trabalhador. 2.2 MONITORAMENTO ELETRÔNICO Para maior eficiência das atividades, as organizações utilizam a internet e suas tecnologias, pois lhes proporcionam várias vantagens. Na era da informação, as empresas têm o direito também de monitorar tudo o que os funcionários fazem no computador do trabalho, desde que eles sejam previamente informados. O monitoramento eletrônico, além de ser polêmico, é normalmente usado. Mas não com a intenção de vasculhar a vida de quem trabalha na companhia, 10

11 1 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO pois acompanhar todos os passos dos funcionários seria um serviço caro e desgastante. O objetivo de usar esses recursos é de, principalmente, aumentar a produtividade, proteger contra roubo, proteger a rede de ataques esternos ou invasões, e controlar o acesso às redes sociais e o downloads de programas e conteúdos impróprios. A professora da FGV, Daniela Lago, em entrevista concedida à Revista HSM, em 11/06/2010, alerta que a ferramenta é muita efetiva a partir do momento que traz ao funcionário a ideia de observação. Desse modo, o mesmo, ciente de sua liberdade de uso, sabe que o uso incorreto da internet poderá lhe acarretar alguma consequência. O empregador pode, se descobrir mau uso dessa ferramenta, proceder de maneira a evitar que a má conduta se repita. Por isso, é importante que os colaboradores conheçam a política de segurança de informação da empresa. Na maioria dos casos, a medida tem obtido resultados satisfatórios, mas não é raro ouvir histórias de funcionários demitidos por justa causa, devido a atitudes inadequadas em relação ao uso da internet. No ambiente de trabalho, a criatividade e a informação estão presentes, e a internet é fundamental. O uso do bom senso é inevitável para usufruir dessa tecnologia no dia a dia, pois no ambiente de trabalho ela deve ser usada para auxiliar nas tarefas da empresa e não como diversão. Para Alexandre Belmonte (2004, p.36): O empregador deverá conscientizar os empregados de que o computador é uma ferramenta de trabalho e não um instrumento para comunicações pessoais, daí podendo proibir ou estabelecer limites para a utilização do correio eletrônico e a internet para fins pessoais. É possível, portanto, a utilização dessa tecnologia pelo empregado no ambiente empresarial, desde que seja feita de forma equilibrada, a fim de preservar a intimidade do trabalhador e o direito à segurança da propriedade do empresário. 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS Diversas organizações adotam algum tipo de sistema de monitoramento para proteger o patrimônio, a segurança e a produtividade dos próprios funcionários. Porém, podem existir conflitos, em relação ao assunto, entre empregador e colaboradores, devido a algumas questões polêmicas que envolvem a privacidade das pessoas e a confiança da empresa para com os trabalhadores. Não existe solução única, tudo depende das aplicações, do tipo de trabalho, e da necessidade que cada companhia tem para realizar o monitoramento de seus empregados. Mais do que controles, empresas e funcionários devem usar o bom senso. Dessa forma, será garantido o clima de respeito, harmonia e confiança no ambiente de trabalho. Para garantir um satisfatório desempenho e bons resultados dos empregados, principalmente nos tempos digitais, as organizações precisam adquirir recursos para que atitudes incorretas ou de má conduta não se repitam ou venham a acontecer 11

12 1 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO diariamente. O ideal é que os funcionários sejam avisados de qualquer decisão que envolva o monitoramento, e deve ser feito respeitando os limites e as leis, sem provocar constrangimento, e, acima de tudo, respeitar a privacidade do trabalhador, que é o mais valioso patrimônio que a empresa pode possuir. REFERÊNCIAS BELMONTE, Alexandre Angra. O monitoramento da correspondência eletrônica nas relações de trabalho. São Paulo, 2004, p.36. BOLETIM JURÍDICO. Disponível em: <www. boletimjuridico.com.br>. Acesso em: 8 jun OLHAR DIGITAL. Disponível em: <www. olhardigital.com.br>. Acesso em: 15 maio RH PORTAL. Disponível em: <www.rhportal.com. br>. Acesso em: 18 maio SANDRA, Lia Simon. A proteção constitucional da intimidade e da vida privada do empregado. São Paulo: LTR, 2000, p TV JUSTIÇA. Disponível em: <www.tvjustiça.jus. com.br>. Acesso em: 24 maio 2012 ÚLTIMA INSTÂNCIA. Disponível em: <www. ultimainstancia.com.be>. Acesso em: 29 maio UNIVERSO JURÍDICO. Disponível em: www. universojuridico.com.br. Acesso em: 12 junho 201 BRASIL. Constituição. Brasília, DIÁRIO DE PERNAMBUCO. Disponível em: <www.diariodepernambuco.com.br>. Acesso em: 22 maio DNT. Disponível em: <www.dnt.adv.br>. Acesso em: 22 maio GLOBO. Disponível em: <www.g1.globo.com>. Acesso em: 29 maio INSTITUTO KIRIMURE. Disponível em: <www. btsinstitutokirimure.ufba.br>. Acesso em: 11 maio JURIS WAY. Disponível em: <www.jurisway.org. br>. Acesso em: 22 maio JUS. Disponível em: <www.jus.com.br>. Acesso em: 22 maio MOTTA, Fernando Cláudio Prestes. Teoria geral da administração. 3. ed. ver. São Paulo: Pioneira Thomson Learning,

13 2 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROFESSORA: ROSA LOBERTO 2.1 RESUMO CRÍTICO: NÃO BASTA SER LÍDER: TEM QUE SER COACH! Disciplina: Produção Acadêmica I Curso: Ciências Contábeis Gênero: Resumo crítico Alunas: Elaine Cristina Vieira e Bianka Benka Labhardt Professora-orientadora: Rosa Loberto Tadeu Alvarenga, no artigo Não basta ser líder: tem que ser Coach!, argumenta que o Líder Coach se destaca por conseguir o melhor de seus liderados, pois os valoriza como seres humanos, o que leva à excelência da organização e, consequentemente, ao destaque em relação à concorrência. Esse modelo de liderança contribui para que o líder tenha mais foco nos resultados da empresa, consiga diminuir a pressão sobre ele e melhore sua qualidade de vida. Além disso, o Coaching auxilia principalmente o RH, pois favorece a gestão de pessoas e diminui a tensão entre elas. Já Carolina Leite Barbosa, no artigo intitulado O papel do coaching dentro da organização, afirma que a postura de alguns líderes autoritários faz parte do passado. A partir de citações de outros autores, reforça a ideia de que o Coaching revela o potencial e a criatividade dos liderados e desperta novos talentos. Ambos acreditam que o capital humano é o diferencial das organizações, principalmente em tempos de globalização e competitividade de mercado. Sem dúvida alguma, as empresas eficientes dependem da capacidade de seus gestores, da sua visão global e de que eles sejam inovadores, acessíveis e conheçam as pessoas com as quais trabalham, dirigindo-as ao alcance de metas e objetivos. É por meio da valorização das pessoas e incentivo do seu potencial que os liderados conseguem trabalhar em equipe e atingir o sucesso da organização. Por essas razões, o Coaching tornou-se o modelo de liderança dos tempos modernos. REFERÊNCIAS ALVARENGA, Tadeu. Não basta ser líder: tem que ser Coach!. Disponível em: <www.abts.org.br/ material/arquivos/artigos/coach_lider.pdf>. Acesso em: 19 set BARBOSA, Carolina Leite. O papel do coaching dentro da organização. Disponível em: <www. jogart.com.br/>. Acesso em: 19 set

14 2 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2.2 RESENHA DESCRITIVA: LIDERANÇA COACHING Disciplina: Produção Acadêmica II Curso: Ciências Contábeis Gênero: Resenha descritiva Aluna: Marília Scarsetto 1 Professora-orientadora: Rosa Loberto A presente resenha foi escrita a partir da leitura do texto O papel do coaching dentro da organização, escrito por Carolina Barbosa, acadêmica do curso de pós-graduação Gestão Estratégica de Pessoas e também do texto escrito pelo doutor Tadeu Alvarenga Não basta ser líder: tem que ser Coach!. Ambos os textos empregam uma linguagem de fácil compreensão. Carolina Barbosa, em seu texto, aborda a liderança nas empresas e a necessidade dessa atividade na configuração atual do mercado de trabalho. Relata que hoje, mais do que chefes, os líderes de equipe são os gestores do capital humano, maior patrimônio das organizações. Essa valorização das pessoas traz a necessidade de um profissional voltado para atendê--las. Esse profissional é o Coach. A autora cita a ICF International Coaching Federation, que define o Coaching como uma parceria continuada que estimula e apoia o colaborador a produzir resultados gratificantes em sua vida profissional. O profissional Coaching lidera apostando na motivação pessoal e profissional, na interação e na valorização de sua equipe, possibilita o crescimento de seus clientes, ajudando-os a expandir suas competências e identificar suas limitações a fim de alcançar suas metas e desejos. Barbosa faz referência também a Cristina Amaral, que contribui afirmando que o desenvolvimento contínuo é o objetivo dos líderes Coachings, uma espécie de círculo virtuoso dentro das empresas que possibilita a satisfação de todos os envolvidos e o sucesso da empresa. A necessidade de se diferenciar das outras empresas, dentro de um mercado cada vez mais competitivo e globalizado, torna o capital humano o maior patrimônio das corporações e o Coaching representa, sem dúvida, a melhor ferramenta para maximizar esse potencial. O Dr. Tadeu Alvarenga corrobora a mesma ideia em seu texto O papel do coaching dentro da organização ao definir o Coaching como a forma 1 Acadêmica do 2 período do Curso de Ciências Contábeis da Faculdade Dom Bosco. 14

15 2 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS de liderança que mais se enquadra aos padrões de mercado na atualidade, já que a atividade se baseia inteiramente no respeito. Dessa forma, o líder Coach consegue trabalhar sua liderança de forma mais sólida, superior à relação chefe e funcionário, pois aproveita ao máximo o potencial do liderado. Esse cenário contempla as novas necessidades do mercado, no qual a criatividade e o talento do colaborador são as maiores riquezas das empresas. Pelo método tradicional de comando, é difícil conseguir despertar as características mais positivas de uma equipe, pois o autoritarismo muitas vezes gera desconfiança. E, sem dúvida, para que uma empresa consiga alcançar sucesso e se destacar perante os concorrentes, precisa de uma equipe criativa e produtiva. Além desses benefícios, Alvarenga cita ainda duas vantagens do Coaching: a primeira é diminuição da pressão sobre o próprio líder que pode atuar de uma forma mais focada nos resultados da empresa e a segunda vantagem é para o setor de Recursos Humanos que tem suas atividades facilitadas pela prática do Coaching, uma vez que o trabalho e o ambiente são melhorados de forma significativa na empresa. são responsáveis por dar identidade à empresa, pois são suas ideias e atitudes, sua participação física e intelectual que possibilitam o sucesso da empresa. A valorização das características pessoais e profissionais, a capacitação e a identificação dos seus pontos fortes, com toda certeza, geram profissionais mais motivados, dispostos a dar seu melhor para a empresa, e, como consequência, todos ganham as companhias que estiverem atentas às mudanças e necessidades do mercado e preocupadas com o bem-estar de seus colaboradores terão, com certeza, profissionais Coachings à frente de suas equipes. Os textos são relevantes para estudantes e profissionais da área de Administração de Empresas, Recursos Humanos, Ciências Contábeis e afins, assim como para todos os empresários que buscam o sucesso de suas empresas. REFERÊNCIAS ALVARENGA, T. Não basta ser líder: tem que ser Coach!. Disponível em: <www.abst.org.br/material/ arquivos/coach_lider.pdf>. Acesso em: 19 set BARBOSA, C. O papel do coaching dentro da organização. Disponível em: <www.jogart.com. br/>. Acesso em: 19 set Os dois textos abordam de uma forma muito positiva o papel do Coaching dentro das corporações, ambos ressaltam que o Coaching é uma atividade que surge como resposta às novas configurações e necessidades do mercado de trabalho, no qual os colaboradores, mais do que simples funcionários, 15

16 3 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE DIREITO 3 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE DIREITO PROFESSOR: RODNEY CAETANO 3.1 SÍNTESE: ORIGENS DO DIREITO Disciplina: Produção Acadêmica I Curso: Direito Gênero: Síntese Aluna: Joyce Kelly do Carmo Viana Professor-orientador: Rodney Caetano As origens do Direito são o assunto tratado pelo autor e juiz aposentado Silvio de Salvo Venosa no capítulo Fontes do Direito, em seu livro Introdução ao Estudo do Direito, publicado pela editora Atlas, no ano de Venosa afirma que mesmo com a evolução histórica, muitas ideias originais do direito ainda são conservadas. Sem observar mais a fundo a história do direito, tanto seu estudo quanto sua compreensão ficarão prejudicados. O autor apresenta os conceitos de duas fontes principais do direito. Para ele, as fontes formais são as leis e os costumes, ou seja, os meios pelos quais se manifestam a sociedade. E as fontes materiais são as instituições ou grupos capazes de modificar normas. a lei, a analogia, os costumes e princípios gerais do direito. Sendo assim, o texto é relevante, pois direciona a atenção do leitor para a importância do estudo das origens do direito. REFERÊNCIA VENOSA, Silvio de Salvo. Introdução ao estudo do Direito: fontes do Direito. São Paulo: Atlas, Silvio Venosa ainda disserta sobre as formas do poder: o processo legislativo, a jurisdição, os usos e costumes e a fonte negocial. A teoria juspositivista só aceita a lei como fonte de direito, contudo a lei de introdução ao código civil apresenta como fontes 16

17 3 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE DIREITO 3.2 RESUMO INFORMATIVO: CULTURA JURÍDICA EUROPEIA Disciplina: Produção Acadêmica I Curso: Direito Gênero: Resumo informativo Aluna: Renata Gabriela Pereira do Nascimento Professor-orientador: Rodney Caetano O escritor português Antonio Manuel Hespanha, em seu livro Cultura jurídica europeia, faz uma síntese sobre a tradição jurídica medieval, especialmente sobre os glosadores e comentadores. A partir do século XIII e XIV, começou a valorização do direito comum e direito local. Os direitos locais começam cada vez mais ganhar espaço nas cidades italianas, que estavam em crescimento, abrindo-se mão do Direito Comum. Buscam base nos Direitos Romanos (Justinianeu) e ampliam o iura propria (Direito Local). Por meio de todas essas mudanças vieram a surgir os pós-glosadores, ou seja, os comentadores. Os comentadores são os responsáveis pela sistematização de todos os tipos de direito, com objetivos práticos, quando nasce uma nova escola, a escola tomista, que vai ser mediadora entre a prática e a realidade. Os escolásticos colocam em dúvida que todo o direito sirva somente para representar os interesses do rei ou do papa. A revolução escolástica inicia-se com a aparição dos textos aristotélicos. Pelo uso da razão, conclui-se que os textos sagrados não são suficientes para ordenar a sociedade, trazendo consequências culturais. A evolução jurídica desse período mostra a ruptura dos conceitos intelectuais da época trazendo novas idéias e novas doutrinas. A partir do século XIII, temos a presença dos primeiros advogados por meio das consultas dos professores e técnicos da época. Dessas consultas técnicas começaram a desenvolver com mais eficácia o uso das jurisprudências, que eram baseadas em pareceres dos comentadores. Com o passar do tempo, e com as especificações cotidianas, a presença dos juristas torna-se de suma importância para todo o ordenamento jurídico moderno e contemporâneo. REFERÊNCIA HESPANHA, Antonio Manuel. A unificação e a cientificização: as escolas da tradição jurídica medieval. In: Cultura jurídica europeia síntese de um milênio. Portugal: Fórum da História, 2003, p

18 3 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE DIREITO 3.3 RESUMO CRÍTICO: O ENIGMA DE KASPAR HAUSER E MINHAS TARDES COM MARGUERITTE Disciplina: Produção Acadêmica I Curso: Direito Gênero: Resumo crítico Aluno: Claiton Tavares da Silva Professor-orientador: Rodney Caetano Dirigido pelo cineasta alemão Werner Herzog, em 1974, o filme O Enigma de Kaspar Hauser, mostra, em seu primeiro momento, como fica o ser humano quando totalmente privado do convívio social. A total falta de contato com outros seres humanos tornou Kaspar Hauser um ser tolhido de qualquer sentimento ou reação social. Após muitos anos, ao ser libertado, inicia seu processo de adaptação ao convívio social e à linguagem, tanto oral quanto escrita. Gradativamente foi aprendendo a interagir com os outros, a ler e a escrever. Após aprender definitivamente a se comunicar, o personagem passa a usufruir do convívio social e a interagir de forma adequada com todos. Já o filme Minhas tardes com Margueritte, dirigido pelo cineasta Jean Becker, em 2010, mostra o relacionamento entre Germaine e Margueritte. Ele é um homem de muito bom coração que, em grande parte pela criação desprovida de demonstrações de afeto e por bulling, dispõe de pouca cultura. Já Margueritte é uma leitora assídua e de cultura destacável. Da interação dos dois resulta uma grande e bela amizade. Em função desse convívio, Germaine melhora sua cultura e aprimora sua linguagem, enquanto Margueritte encontra um amigo que irá cuidar dela pelo resto da vida. As duas obras são, sem dúvida, de grande teor dramático e conduzem, no transcorrer das cenas, a experimentar muitas sensações: desde a maldade do ser humano em permitir que outro ser humano seja privado do convívio social por tantos anos, à felicidade de ver que para cada mau existem infinitos bons. Constatamos nossa incapacidade de viver sós e nossa grandeza e imensurável capacidade enquanto grupo. Os filmes mostram o quanto podemos ser rudes e maléficos a outrem e o quanto podemos ser bons e benéficos. O poder da linguagem pode destruir um mundo assim com esse mesmo poder pode melhorá-lo sensivelmente. 18

19 3 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE DIREITO REFERÊNCIAS O enigma de Kaspar Hauser. Direção de Werner Herzog. Alemanha: ArtHaus, Minhas tardes com Margueritte. Direção de Jean Becker. França: Imovison,

20 3 PRODUÇÕES DE ALUNOS DO CURSO DE DIREITO 3.4 FICHAMENTO: ELEMENTOS PARA UMA CRÍTICA DO ESTADO Disciplina: Produção Acadêmica I Curso: Direito Gênero: Fichamento de resumo Aluna: Aline Raunaimer de Oliveira Professor-orientador: Rodney Caetano Teoria do Estado Elementos para uma crítica do Estado Fichamento de resumo WOLKMER, Antonio Carlos. Elementos para uma crítica do Estado. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, Elementos para uma crítica do Estado é um livro que busca um contraponto das ideias tradicionais sobre a organização política estatal, sem exaltá-la ou suprimi-la, apenas trazendo à luz novas perspectivas de reformulação do espaço público do Estado, submetido ao poder da Sociedade Civil com plena participação do cidadão no exercício da democracia. O livro também apresenta uma breve síntese das tipologias do Estado para exercer uma crítica em cada um de seus elementos essenciais. O livro é dividido em oito capítulos que vão desde a natureza estatal, sua estrutura e organização interna, até uma concepção crítica de sua representação na sociedade. Há também um capítulo inteiro dedicado à desmistificação do Estado, sugerindo estratégias para reverter os equívocos adquiridos pelos cidadãos. O livro está na biblioteca do campus Marumby da Faculdade Dom Bosco. 20

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA TÍTULO: "DIÁRIO" DE UM EX - DETENTO : AS DIFICULDADES E PRECONCEITOS ENCONTRADOS, NO DIA A DIA,PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO EX - PRESIDIÁRIO NEGRO NO BRASIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

AUTOR(ES): SUELEN MAYARA DA SILVA, LAIS MATOS DE GODOI, MARINA LUZIA BRACCIO

AUTOR(ES): SUELEN MAYARA DA SILVA, LAIS MATOS DE GODOI, MARINA LUZIA BRACCIO TÍTULO: O CÓDIGO DE ÉTICA E A VALORIZAÇÃO DO CONTADOR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): SUELEN MAYARA

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

Monitoramento Eletrônico. Sugestões para controle de e-mails e recursos tecnológicos

Monitoramento Eletrônico. Sugestões para controle de e-mails e recursos tecnológicos Monitoramento Eletrônico Sugestões para controle de e-mails e recursos tecnológicos Monitoramento Eletrônico Sugestões para controle do uso de e-mails e recursos tecnológicos em benefício da empresa e

Leia mais

PROJETO DE EXECUÇÃO PENAL DA DIVISÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

PROJETO DE EXECUÇÃO PENAL DA DIVISÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROJETO DE EXECUÇÃO PENAL DA DIVISÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS EIXO 3 EXTENSÍON, DOCENCIA E INVESTIGACIÓN Autor: PINTO, Felipe Martins. Doutor em Direito, diretor

Leia mais

PROGRAMA PATRONATO: RESSOCIALIZAÇÃO EM BUSCA DE DIGNIDADE

PROGRAMA PATRONATO: RESSOCIALIZAÇÃO EM BUSCA DE DIGNIDADE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1 EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR Por Cid Sabelli 1 INTRODUÇÃO Fato tormentoso na vida do cidadão diz respeito às informações lançadas em sua folha de antecedentes

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE INSTITUTO UNIVERSITÁRIO ATLÂNTICO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA São Luis

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01 (1,0 ponto) Leia atentamente a proposição. O Romantismo era a apoteose do sentimento; O Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PORTUGUESA

A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PORTUGUESA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CRIMINOLOGIA CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PORTUGUESA ÍNDICE

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O GRUPO SERMAIS:

Leia mais

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa.

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa. 1 A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Darlan Machado DORNELES 1 Universidade Federal do Acre (UFAC) darlan.ufac@yahoo.com.br Resumo: A partir de observações assistemáticas feitas durante

Leia mais

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes.

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA Daiani

Leia mais

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet 2 Não há lei brasileira que regule a atividade de navegação na internet ou traga disposições específicas e exclusivas sobre os dados que circulam

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Cidadão com Segurança Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público e Procurador-Geral da República Roberto Monteiro Gurgel Santos Comissão do Sistema Prisional,

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

Manual de mídias sociais

Manual de mídias sociais Manual de mídias sociais Julho/2014 Introdução A NovAmérica busca caminhar junto com as mudanças no mundo, sejam tecnológicas, comportamentais, sociais ou culturais. Assim, realiza ações que permitem aos

Leia mais

Comentários à Prova de Papiloscopista da Polícia Civil do Estado de Goiás provas em 24.03.2015

Comentários à Prova de Papiloscopista da Polícia Civil do Estado de Goiás provas em 24.03.2015 Comentários à Prova de Papiloscopista da Polícia Civil do Estado de Goiás provas em 24.03.2015 Questão FUNIVERSA/PC-GO Papiloscopista - 2015 Quanto aos Direitos Humanos na Constituição Federal de 1988,

Leia mais

Por que fazer Gestão de Pessoas?

Por que fazer Gestão de Pessoas? Por que fazer Gestão de Pessoas? A U L A Metas da aula Descrever a importância das pessoas na organização; demonstrar os diversos significados do termo administração de Recursos Humanos; apresentar os

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL.

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Sergio Luiz Kreuz Mestre em Direito das Relações Sociais (UFPR), Juiz de Direito da Vara da Infância e da Juventude de Cascavel PR e

Leia mais

Código de Ética. Fundação de Seguridade Social Braslight

Código de Ética. Fundação de Seguridade Social Braslight Código de Ética Fundação de Seguridade Social Braslight 1 2 ÍNDICE Apresentação... 4 Diretrizes Organizacionais... 5 Missão... 5 Visão... 5 Valores... 5 Abrangência... 6 Objetivo... 6 Diretrizes... 7 Legalidade...

Leia mais

A MIDIATIZAÇÃO DO PROCESSO PENAL.

A MIDIATIZAÇÃO DO PROCESSO PENAL. A MIDIATIZAÇÃO DO PROCESSO PENAL. Em julho de 2011, o Jornal inglês News of the World foi fechado após 168 anos de atividade, não resistindo à descoberta dos crimes praticados por seus integrantes que,

Leia mais

A PRISÃO DO DIREITO PENAL. Aurélio Wander Bastos

A PRISÃO DO DIREITO PENAL. Aurélio Wander Bastos A PRISÃO DO DIREITO PENAL Aurélio Wander Bastos O moderno Direito Penal Brasileiro tem evoluído em três grandes linhas teóricas: a do Direito Penal Comum, que trata principalmente da criminalidade comum;

Leia mais

A importância da mídia nas ações de prevenção e combate ao crime de lavagem de dinheiro

A importância da mídia nas ações de prevenção e combate ao crime de lavagem de dinheiro A importância da mídia nas ações de prevenção e combate ao crime de lavagem de dinheiro Frequentemente, os profissionais do mercado financeiro que atuam na prevenção e no combate ao crime de lavagem de

Leia mais

O USO DE E-MAIL NO AMBIENTE DO TRABALHO

O USO DE E-MAIL NO AMBIENTE DO TRABALHO O USO DE E-MAIL NO AMBIENTE DO TRABALHO *Narciso Figueirôa Júnior O uso indiscriminado de correios eletrônicos por empregados, durante a jornada normal de trabalho e utilizando computador da empresa, têm

Leia mais

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas.

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA IMPEACHMENT Fernando França Caron Especialista em Direito Constitucional pela Faculdade Damásio de Jesus Docente do Curso de Direito da UNILAGO RESUMO A Constituição Federal de

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS

ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Grande parte das separações produz efeitos traumáticos que vêm acompanhados

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

Realização. Estados Vizinhos Convidados

Realização. Estados Vizinhos Convidados Relatório-síntese do III Seminário de Articulação Nacional e Construção de Diretrizes para a Educação no Sistema Penitenciário Regional Sul Centro Administrativo Porto Alegre - RS 6 e 7 de março de 2006

Leia mais

PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA

PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA 2 Código de Conduta Prisma Edificações e Engenharia I - O que é o Código de Conduta da Prisma Edificações e Engenharia? O Código de Conduta da Prisma é um instrumento criado

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

Atenção: Revista em desenvolvimento

Atenção: Revista em desenvolvimento Editorial Atenção: Revista em desenvolvimento Estamos iniciando nossa primeira edição, de um produto até agora novo, não na tecnologia empregada que já é sucesso na Europa, e sim em seu conteúdo. As revistas

Leia mais

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres:

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: Murillo José Digiácomo 1 Uma questão que sempre surge quando se discute o papel do Conselho Tutelar no Sistema de Garantias idealizado

Leia mais

Guia de Discussão. Como acabar com a. Corrupção? Projeto Democracia Deliberativa e o Papel das Universidades Públicas

Guia de Discussão. Como acabar com a. Corrupção? Projeto Democracia Deliberativa e o Papel das Universidades Públicas Guia de Discussão Como acabar com a Corrupção? Projeto Democracia Deliberativa e o Papel das Universidades Públicas :: Introdução :: Ela está aqui, em toda parte, nos jornais, TV, rádios e tem um efeito

Leia mais

As Múltiplas Faces De Um Prédio Histórico 1

As Múltiplas Faces De Um Prédio Histórico 1 As Múltiplas Faces De Um Prédio Histórico 1 Bruno Rafael dos SANTOS 2 Amanda Barbosa LEMES 3 Ana Cristina Herrero de MORAIS 4 Cezar Augusto MOREIRA 5 Debora Cristina dos SANTOS 6 Drieli Costa LOPES 7 Jéssica

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

+(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA

+(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA 2129275$7$0(1723(1$/$23257('($50$'()2*2$ 7(1'Ç1&,$'(75$16)250$d 2'23257('($50$(0&5,0( +(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA Estagiário do Ministério Público Federal atuando na Procuradoria da República

Leia mais

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. RESENHA LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. Écio Antônio Portes* Letícia Pereira de Sousa** Andréa Borges Leão é professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420)

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420) Fica autorizada a reprodução do texto e ilustrações, no todo ou em parte, desde que se não altere o sentido, bem como seja citada a fonte. As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria

Leia mais

PROMOÇÃO DE SAÚDE MENTAL ENTRE OS FUNCIONÁRIOS DO SISTEMA PENITENCIÁRIO DA CIDADE DE LONDRINA.

PROMOÇÃO DE SAÚDE MENTAL ENTRE OS FUNCIONÁRIOS DO SISTEMA PENITENCIÁRIO DA CIDADE DE LONDRINA. PROMOÇÃO DE SAÚDE MENTAL ENTRE OS FUNCIONÁRIOS DO SISTEMA PENITENCIÁRIO DA CIDADE DE LONDRINA. Flávia Fernandes de Carvalhaes 1 Cintia Helena dos Santos 2 Angélica Blum Menezes 3 Ana Paula Fernandes dos

Leia mais

FATOR SOCIOPSICOJURÍDICO: A DEPENDÊNCIA DO DIREITO PARA COM A PSICOLOGIA E A SOCIOLOGIA

FATOR SOCIOPSICOJURÍDICO: A DEPENDÊNCIA DO DIREITO PARA COM A PSICOLOGIA E A SOCIOLOGIA FATOR SOCIOPSICOJURÍDICO: A DEPENDÊNCIA DO DIREITO PARA COM A PSICOLOGIA E A SOCIOLOGIA Marcelo Augusto de FREITAS Graduando em Direito/ UNILAGO Alini Daniéli Viana SABINO Mestre em Ciências/ FFCLRP/USP

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

cultural de fundamental importância quando mergulham conceitualmente em temas de interesse para o bem-estar de pessoas e de populações idosas, para o

cultural de fundamental importância quando mergulham conceitualmente em temas de interesse para o bem-estar de pessoas e de populações idosas, para o Prefácio Ao longo dos últimos 11 anos, a coleção Velhice e Sociedade vem cumprindo a missão de divulgar conhecimento sobre a velhice e tem contribuído para o desenvolvimento e o aperfeiçoamento de recursos

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 A DELAÇÃO PREMIADA E OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO PROCESSO PENAL Vinicius Rubert 1 Diego Alan Schofer Albrecht 2 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO. 2. DELAÇÃO PREMIADA. 3. A DELAÇÃO PREMIADA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher Lucinery Helena Resende Ferreira do Nascimento Túlio Carlos Souza Ortiz Desde o nascimento da Lei 11.340, em

Leia mais

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes)

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) Dispõe sobre o conceito de trabalho análogo ao de escravo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Para fins desta Lei, a expressão "condição análoga à

Leia mais

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Socióloga - Consultora em Gestão de Pessoas - Personal & Professional Coach 1. Cenários organizacionais: Como delimitar

Leia mais

Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo

Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo 1 Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo Aluno: RAFAEL ATANAZIO Orientadora: DANIELA BUCCI UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

Proposta de Razão Recursal

Proposta de Razão Recursal Concurso: Banca examinadora: Proposta de Razão Recursal Oficial Escrevente FAURGS Questões recorríveis: 46, 47, 48, 49 e 52 Professor: Davi André Costa Silva Objeto de recurso Questão Motivo 46 Objeto

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Admitido o recurso. Contrarrazões foram apresentadas.

Admitido o recurso. Contrarrazões foram apresentadas. A C Ó R D Ã O 7.ª Turma GMDMA/LPS/sm RECURSO DE REVISTA. INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. REVISTA EM BOLSAS E PERTENCES PESSOAIS DA EMPREGADA. Entendeu a Corte de origem que a revista dos pertences dos empregados

Leia mais

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Marco Antonio Ornelas Psicólogo com Especialização em Comportamento Organizacional pela Califórnia American University. Formação em Coaching pelo

Leia mais

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS Os Juizados Especiais foram criados para atender; de uma forma rápida e simples, problemas cujas soluções podem ser buscadas por qualquer cidadão. Antes deles,

Leia mais

Como se livrar da humilhação

Como se livrar da humilhação 1 Como se livrar da humilhação Casos de assédio moral triplicam na Justiça em quatro anos. Veja o que fazer para evitar problemas no trabalho e não prejudicar sua carreira Andrea Giardino Há três anos,

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC?

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? Alessandra Fernandes Hendler 1 1 INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento da economia e o aumento das relações negociais, os contratos securitários tomaram grande

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

Proteja- se dos Prejuízos do Cyberbullying

Proteja- se dos Prejuízos do Cyberbullying Proteja- se dos Prejuízos do Cyberbullying O Que Veremos Neste Encontro? Quais são as consequências legais do bullying ou cyberbullying e como lidar com os alunos, nos mesmos moldes dos critérios para

Leia mais

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados o direito que cada um tem sobre seu nome, sua imagem, sua intimidade, sua honra e sua reputação, sua própria biografia, e

Leia mais

Índice. 1. Objetivo...04. 2. Âmbito de aplicação...05. 3. Princípios orientadores da conduta de Gas Natural Fenosa...06. 4. Normas de conduta...

Índice. 1. Objetivo...04. 2. Âmbito de aplicação...05. 3. Princípios orientadores da conduta de Gas Natural Fenosa...06. 4. Normas de conduta... Código de Ética Índice 1. Objetivo...04 2. Âmbito de aplicação...05 3. Princípios orientadores da conduta de Gas Natural Fenosa...06 4. Normas de conduta...07 5. Aceitação e cumprimento do Código...22

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com 2. Direito como objeto de conhecimento. Conforme pudemos observar nas aulas iniciais

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Débora Cristina Tortorello Barusco. Bacharel, Empresária, nascida aos 04 de Outubro de 1962, cidade de Bebedouro, São Paulo.

Débora Cristina Tortorello Barusco. Bacharel, Empresária, nascida aos 04 de Outubro de 1962, cidade de Bebedouro, São Paulo. 1 2 Débora Cristina Tortorello Barusco. Bacharel, Empresária, nascida aos 04 de Outubro de 1962, cidade de Bebedouro, São Paulo. Ao meu marido João, por tudo que construímos ao longo da nossa vida, através

Leia mais

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO Lei Maria da Penha 123 Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO De acordo com conceito firmado em 1994, em Belém/PA, na Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

TÍTULO: LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES DA EMPRESA COR BELLA- AURIFLAMA

TÍTULO: LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES DA EMPRESA COR BELLA- AURIFLAMA TÍTULO: LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES DA EMPRESA COR BELLA- AURIFLAMA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO

DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO DIREITO ELETRÔNICO Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO Este trabalho tem como finalidade o estudo do direito eletrônico, devido a ser um assunto bastante recente, bem como a sua aplicação

Leia mais

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS Camila Silvia Martinez Perbone 30* As penalidades, desde os primórdios da civilização, sempre tiveram a finalidade de punir de modo severo, apenas para restabelecer

Leia mais

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 Dalmo A. Dallari * 1. A DITADURA E SUAS VARIANTES A história da humanidade tem sido uma confirmação reiterada do acerto da advertência do eminente político e historiador inglês

Leia mais

DIRETIVAS EMPRESARIAIS E A INDIVIDUALIDADE DO FUNCIONÁRIO: A CONDUTA DO EMPREGADOR NA COLETIVIDADE

DIRETIVAS EMPRESARIAIS E A INDIVIDUALIDADE DO FUNCIONÁRIO: A CONDUTA DO EMPREGADOR NA COLETIVIDADE 1 DIRETIVAS EMPRESARIAIS E A INDIVIDUALIDADE DO FUNCIONÁRIO: A CONDUTA DO EMPREGADOR NA COLETIVIDADE Renata Shimomura Nanya 1 Elizabete David Novaes 2 RESUMO O objetivo deste trabalho é investigar a conduta

Leia mais

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Décio Guimarães Júnior Acadêmico do 6ºperíodo do curso de graduação

Leia mais

Prezado colaborador, Receba estes Princípios Éticos e de Conduta, que resumem o que já somos e pregam o que nunca devemos deixar de ser.

Prezado colaborador, Receba estes Princípios Éticos e de Conduta, que resumem o que já somos e pregam o que nunca devemos deixar de ser. Prezado colaborador, Fazemos parte de empresas que já nasceram comprometidas com os princípios éticos do exercício da verdade, fundamentais para a nossa credibilidade. Uma identidade cristalina, que nos

Leia mais

ADVERTÊNCIA E SUSPENSÃO DISCIPLINAR

ADVERTÊNCIA E SUSPENSÃO DISCIPLINAR ADVERTÊNCIA E SUSPENSÃO DISCIPLINAR A CLT ao estabelecer em seu artigo 2º a definição de empregador, concede a este o poder e o risco da direção da atividade, controlando e disciplinando o trabalho, aplicando,

Leia mais

Código de Conduta e Ética. da Solidus S/A CCVM

Código de Conduta e Ética. da Solidus S/A CCVM da Solidus S/A CCVM Revisado e aprovado na Reunião do Comitê Gestor de Riscos em 08/02/2013 A Corretora Solidus S/A CCVM assume o compromisso de zelar pela reputação de seus negócios e de sua imagem, assim

Leia mais

Capítulo I - Dos Direitos e deveres individuais e coletivos (art. 5º) Diferenciação entre Direitos, Garantias e Remédios Constitucionais.

Capítulo I - Dos Direitos e deveres individuais e coletivos (art. 5º) Diferenciação entre Direitos, Garantias e Remédios Constitucionais. Diferenciação entre Direitos, Garantias e Remédios Constitucionais. Direitos: Declarações que limitam a atuação do Estado ou dos cidadãos. Garantias: Blindagem que envolve o Direito, evitando sua violação.

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais