CIRCULAR N Art. 1º. Extinguir, a partir de , inclusive, o documento Carteira de Câmbio-Normas Contábeis - COCAM.

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIRCULAR N 2106. Art. 1º. Extinguir, a partir de 01.01.92, inclusive, o documento Carteira de Câmbio-Normas Contábeis - COCAM."

Transcrição

1 CIRCULAR N 2106 Programa Federal de Desregulamentação - Decreto nº , de extingue o documento Carteira de Câmbio Normas Contábeis - e altera o Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional -. Comunicamos que a Diretoria do Banco Central do Brasil, em sessão de , com fundamento no art. 4º, inciso XII, da Lei nº 4.595, de , por competência delegada pelo Conselho Monetário Nacional, DECIDIU: Art. 1º. Extinguir, a partir de , inclusive, o documento Carteira de Câmbio-Normas Contábeis -. Art. 2º. Promover, em conseqüência, as seguintes alterações no Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional - : I - Criação dos Desdobramentos de Subgrupo: Disponibilidades em moedas estrangeiras Aplicações em moedas estrangeiras Depósitos em moedas estrangeiras II - Eliminação dos Desdobramentos de Subgrupo: Carteira de Câmbio Carteira de Câmbio III - Eliminação dos Títulos Contábeis e seus Respectivos Subtítulos: Adiantamentos em moedas estrangeiras Adiantamentos sobre contratos de câmbio Antecipações concedidas sobre operações interbancárias - Taxas Flutuantes Antecipações recebidas sobre operações interbancárias - Taxas Flutuantes Banco Central - Depósitos para contratação de câmbio Bancos - Contas em moedas estrangeiras Bancos - Contas em moedas estrangeiras Câmbio comprado a liquidar Câmbio liquidado Câmbio liquidado Câmbio vendido a liquidar Compromissos em moedas estrangeiras - Taxas Flutuantes Contas em moedas estrangeiras no país Contas em moedas estrangeiras no país - Taxas Flutuantes

2 Contas gráficas em moedas estrangeiras Contas gráficas em moedas estrangeiras Contratos de câmbio baixados Correspondentes no exterior em moedas estrangeiras Correspondentes no exterior em moedas estrangeiras Correspondentes no exterior em moedas estrangeiras - Taxas Flutuantes Correspondentes no exterior em moedas estrangeiras - Taxas Flutuantes Créditos abertos para importação Créditos de Exportação confirmados Créditos em moedas estrangeiras - Taxas Flutuantes Créditos registrados em moedas estrangeiras a receber Credores diversos - Exterior - Câmbio Dependências no exterior em moeda nacional Dependências no exterior em moeda nacional Depósitos bancários no exterior Devedores diversos - Exterior - Câmbio Devedores por contratos de câmbio baixados Devedores por créditos liquidados no exterior Direitos sobre operações interbancárias - Taxas Flutuantes Disponibilidades de moedas estrangeiras - Taxas Flutuantes Excesso dos saldos credores sobre os devedores Excesso dos saldos devedores sobre os credores Financiamentos em moedas estrangeiras Lucro por variações e diferenças de taxas Matriz e congêneres no exterior em moeda nacional Matriz e congêneres no exterior em moeda nacional Movimento de câmbio Movimento de câmbio Obrigações - Linhas de Crédito especiais no país Obrigações por adiantamentos em moedas estrangeiras Obrigações por adiantamentos recebidos - Câmbio Obrigações por operações interbancárias - Taxas Flutuantes Operações da carteira de câmbio Operações da carteira de câmbio Prejuízo por variações e diferenças de taxas Provisão para pagamentos a efetuar - Câmbio Rateio de resultados internos - Câmbio Rateio de resultados internos - Câmbio Reajustes de disponibilidades e obrigações em moedas estrangeiras Reajustes de disponibilidades e obrigações em moedas estrangeiras Rendas a receber - Câmbio Responsabilidades por créditos de Exportação confirmados Responsabilidades por créditos para importação Valores em moedas estrangeiras Variação de taxas - Câmbio Futuro Variação de taxas - Câmbio Futuro IV - Eliminação dos Seguintes Subtítulos Contábeis:

3 Outros - Taxas Flutuantes Ordens do exterior a cumprir Ordens não cumpridas no exterior, a cancelar Aceites bancários vinculados a Exportação Letras de Exportação descontadas Financiamentos a Exportação, Até 360 dias Financiamentos a Exportação, acima de 360 dias Importação - Cartas de Crédito utilizadas, Até 360 dias Importação - Cartas de Crédito utilizadas, Até 360 dias - CCR Importação - Cartas de Crédito utilizadas, acima de 360 dias Importação - Cartas de Crédito utilizadas, acima de 360 dias - CCR Importação - Linhas de Crédito utilizadas, Até 360 dias Importação - Linhas de Crédito utilizadas, Até 360 dias - CCR Importação - Linhas de Crédito utilizadas, acima de 360 dias Importação - Linhas de Crédito utilizadas, acima de 360 dias - CCR Outras Linhas de Crédito utilizadas De "Traveller's Checks" De outros valores Protestados Sem Protesto V - Eliminação da Subtitulação de uso Interno "câmbio", evidenciadora de saldos por operações conduzidas pela carteira de câmbio, com a conseqüente supressão, no elenco de contas, das observações a esse respeito; VI - Criação e alteração de títulos contábeis e seus subtítulos, com indicação dos atributos e códigos Estban e de publicação, conforme indicado no anexo I; VII - Transposição para as diversas seções do capítulo 1 - Normas básicas, dos procedimentos atinentes à escrituração e contabilização das operações de câmbio e dos atos e fatos administrativos delas decorrentes e a elas vinculados, conforme descrito no anexo ii, cuja codificação e respectivas folhas de atualização serão distribuídas oportunamente aos assinantes do ; VIII - Inclusão no capítulo 3 - Esquemas de registros contábeis, de esquemas básicos de registro das operações de câmbio, na forma do anexo III, cuja codificação e respectivas folhas de atualização serão distribuídas oportunamente aos assinantes do. Parágrafo único. No anexo IV encontra-se quadro de conversão de contas e transferência de saldos, para maior facilidade operacional. Art. 3º. Em decorrência do disposto nesta Circular, fica eliminada a obrigatoriedade de elaboração e entrega ao Banco Central dos seguintes documentos: a - balancete analítico da carteira de câmbio (códigos CADOC , , e );

4 b - demonstrativo do fluxo financeiro da carteira de câmbio (códigos CADOC , e ); c - demonstrativo de resultados por variação de taxas - câmbio liquidado; d - demonstrativo de resultados por variação de taxas - câmbio futuro; e - relação discriminativa, por banqueiro depositário, dos saldos em moedas estrangeiras apresentados, no último dia útil do mês; f - relatório de pendências remanescentes há mais de 60 (sessenta) dias, apuradas na conciliação de extratos de conta em banqueiros no exterior, sem prejuízo, evidentemente, dessa conciliação (códigos CADOC , e ); g - demonstrativo mensal por moeda de saldos contábeis globais - mercado de câmbio de taxas flutuantes (códigos CADOC , , , , e ); h - resumo diário das operações de câmbio (códigos CADOC , , , , , , , , , , , , , , , , , , , e ) Parágrafo único. O disposto neste artigo não desobriga a instituição de prestar informações que lhe forem requeridas pelo Banco Central ou seus prepostos. Art. 4º. Esta Circular entrará em vigor em 1º.01.92, ficando revogadas as Circulares nºs 1.377, de , e 1.527, de , e as Cartas-Circulares nºs 1.871, de , 1.880, de , 1.951, de , 1.953, de , 2.016, de , 2.043, de , e 2.095, de Brasília (DF), 20 de dezembro de Arminio Fraga Neto Gustavo Jorge Laboissière Loyola Diretor Diretor Luiz Nelson Guedes de Carvalho Diretor Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. Anexo I à Circular nº 2.106, de Adiantamentos em moeda nacional concedidos Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar o valor em moeda nacional desembolsado a título de antecipação de recursos por conta de operações de câmbio de compra celebradas no mercado interbancário Adiantamentos em moeda nacional recebidos (UBILN )

5 De Clientes De Instituições Financeiras Função: Registrar os valores em moeda nacional recebidos a título de antecipação de recursos por conta de operações de câmbio de venda celebradas com clientes e no mercado interbancário Adiantamentos em moeda nacional recebidos - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar os valores em moeda nacional recebidos a título de antecipação de recursos por conta de operações de câmbio de venda celebradas no mercado interbancário Adiantamentos em moedas estrangeiras concedidos (UBILN ) Função: Registrar o valor em moeda estrangeira desembolsado a título de antecipação de recursos por conta de operações de câmbio de venda celebradas no mercado interbancário Adiantamentos em moedas estrangeiras concedidos - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar o valor em moeda estrangeira desembolsado a título de antecipação de recursos por conta de operações de câmbio de venda celebradas no mercado interbancário Adiantamentos em moedas estrangeiras recebidos (UBILN ) Função: Registrar os valores em moeda estrangeira recebidos a título de antecipação de recursos por conta de operações de câmbio de compra celebradas no mercado interbancário Adiantamentos em moedas estrangeiras recebidos - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar os valores em moeda estrangeira recebidos a título de antecipação de recursos por conta de operações de câmbio de compra celebradas no mercado interbancário Adiantamentos sobre contratos de câmbio (UBILN ) Exportação - Letras a Entregar (ESTFIN 1) Exportação - Letras Entregues A Instituições Financeiras Função: Registrar, em nome dos beneficiários, os adiantamentos concedidos em moeda nacional sobre contratos de câmbio de compra Aplicações em moedas estrangeiras (UBILN ) Aviso Prévio Prazo Fixo Banco Central - Excesso de Posição Função: Registrar as aplicações em moedas estrangeiras no exterior e respectivas rendas, bem como os depósitos efetuados no banco central por excesso de posição comprada de câmbio Aplicações em moedas estrangeiras - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Aviso Prévio Prazo Fixo Banco Central - Excesso de Posição Função: Registrar as aplicações em moedas estrangeiras no exterior ou no país e respectivas rendas, bem como os depósitos efetuados no banco central por

6 excesso de posição comprada de câmbio Banco Central - Linhas de Crédito especiais no país (UBILN ) Financiamento a Exportação BIRD - PROEXPORT Desconto de cambiais - CCR Função: Registrar as obrigações em moedas estrangeiras da instituição, pela utilização de linhas de crédito concedidas pelo Banco Central do Brasil, inclusive desconto de cambiais de exportações conduzidas sob o Sistema de Convênios de Créditos Recíprocos Bancos - Depósitos em moedas estrangeiras no país - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar os débitos e créditos em moedas estrangeiras, em contas de movimento, em bancos autorizados a operar em câmbio no país Cambiais e documentos a prazo em moedas estrangeiras (UBILN ) Função: Registrar as cambiais e os documentos a prazo, em moedas estrangeiras, objeto de negociação pela instituição Câmbio comprado a liquidar (UBILN ) Exportação - Letras a Entregar (ESTFIN 1) Exportação - Letras Entregues Financeiro Função: Registrar as compras de moedas estrangeiras efetuadas pela instituição a clientes ou a outras instituições Câmbio comprado a liquidar - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Operações Interbancárias Arbitragem de Ouro Outros Função: Registrar as compras de moedas estrangeiras efetuadas pela instituição a clientes ou a outras instituições Câmbio vendido a liquidar (UBILN ) Importação Financeiro Função: Registrar as vendas de moedas estrangeiras efetuadas pela instituição a clientes ou a outras instituições Câmbio vendido a liquidar - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Operações Interbancárias Arbitragem de Ouro Outros Função: Registrar as vendas de moedas estrangeiras efetuadas pela instituição a clientes ou a outras instituições Contratos de câmbio baixados (UBILN ) Função: Registrar o valor dos contratos de câmbio baixados da posição cambial Contratos de câmbio de Exportação em posição especial (UBILN ) Função: Registrar o valor dos contratos de câmbio de Exportação transferidos para posição especial de câmbio Correspondentes do exterior em moeda nacional (UBILN ) Correspondentes do exterior em moeda nacional (UBILN ) Função: Registrar os débitos e créditos decorrentes de transações conduzidas em moeda nacional com instituições financeiras, dependências, matriz e congêneres no

7 exterior, com as quais o banco mantiver relações de correspondente Créditos abertos para importação (UBILN ) Câmbio Contratado Câmbio a Contratar Função: Registrar, em nome dos respectivos tomadores, as cartas de crédito de importação instituídas pelo banco Créditos abertos para importação - Taxas Flutuantes (UBILN ) Função: Registrar, em nome dos respectivos tomadores, as cartas de crédito de importação instituídas pelo banco Créditos de Exportação confirmados (UBILN ) Função: Registrar, em nome dos banqueiros emitentes, o valor das cartas de crédito de Exportação confirmadas, no país, pela instituição Credores diversos - Exterior (UBDIALMNH ) Função: Registrar, por titular, o valor das responsabilidades da instituição, em moeda nacional, perante pessoas físicas e jurídicas residentes ou domiciliadas no exterior, inclusive banqueiros não correspondentes, para cuja escrituração não exista conta específica Depósitos a prazo em moedas estrangeiras - Taxas Flutuantes (UBILN ) Função: Registrar os depósitos em moedas estrangeiras efetuados, no país, em bancos autorizados a operar em câmbio, por instituições credenciadas a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes, bem como por pessoas físicas e jurídicas residentes ou domiciliadas no exterior, sujeitos a condições definidas de prazo e rendimentos Depósitos de aviso prévio em moedas estrangeiras - Taxas Flutuantes (UBILN ) Função: Registrar os depósitos em moedas estrangeiras efetuados, no país, em bancos autorizados a operar em câmbio, por instituições credenciadas a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes, bem como por pessoas físicas e jurídicas residentes ou domiciliadas no exterior, cuja movimentação esteja condicionada a aviso prévio Depósitos em moedas estrangeiras no país (UBILN ) Função: Registrar a movimentação de contas em moedas estrangeiras abertas, no país, em nome de embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais, bem como em nome de empresas estrangeiras de transporte internacional ou de empresas localizadas em zonas de processamento para exportação, e outras admitidas pela legislação em vigor Depósitos em moedas estrangeiras no país - Taxas Flutuantes (UBILN ) De movimentação livre De movimentação restrita Função: Registrar a movimentação de contas em moedas estrangeiras abertas, no país, em nome de pessoas físicas e jurídicas, admitidas pela legislação em vigor, com recursos provenientes do mercado de câmbio de taxas flutuantes Depósitos no exterior em moedas estrangeiras (UBILN ) Função: Registrar os débitos e créditos em moedas estrangeiras, em contas de movimento, junto a banqueiros no exterior Depósitos no exterior em moedas estrangeiras - Taxas Flutuantes (UBILN ) Função: Registrar os débitos e créditos em moedas estrangeiras, em contas de

8 movimento, junto a banqueiros no exterior Despesas a apropriar de adiantamentos recebidos (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar as despesas de adiantamentos recebidos em moeda nacional ou estrangeira, contabilizados antecipadamente mediante incorporação à conta adequada de adiantamento, a serem apropriadas mensalmente segundo o regime de competência Despesas de obrigações com banqueiros no exterior (UBILN ) Função: Registrar as despesas de juros, descontos e comissões pela utilização de linhas de crédito em banqueiros no exterior, para financiamento de exportações, importações ou para criação de disponibilidades em moedas estrangeiras, bem como as decorrentes de descobertos em contas correntes, que constituam custo efetivo da instituição, no período Despesas de obrigações com banqueiros no exterior - Taxas Flutuantes (UBILN ) Função: Registrar as despesas de juros, descontos e comissões pela utilização de linhas de crédito em banqueiros no exterior para criação de disponibilidades em moedas estrangeiras, bem como as decorrentes de descobertos em contas correntes, que constituam custo efetivo da instituição, no período Despesas de operações de câmbio (UBILN ) Exportação Importação Financeiro Outras Função: Registrar as despesas decorrentes de operações de câmbio, que constituam custo efetivo da instituição, no período Despesas de operações de câmbio - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar as despesas decorrentes de operações de câmbio, que constituam custo efetivo da instituição, no período Despesas de variações e diferenças de taxas (UBILN ) Função: Registrar o valor das despesas decorrentes da variação da taxa de câmbio, em conseqüência do reajuste dos saldos das contas representativas de direitos e obrigações em moedas estrangeiras, bem como o valor das diferenças de taxas entre compras e vendas e as apuradas em cancelamentos e baixas de operações de câmbio Despesas de variações e diferenças de taxas - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar o valor das despesas decorrentes da variação da taxa de câmbio, em conseqüência do reajuste dos saldos das contas representativas de direitos e obrigações em moedas estrangeiras, bem como o valor das diferenças de taxas entre compras e vendas e as apuradas em cancelamentos e baixas de operações de câmbio Devedores diversos - Exterior (UBDIAFCTLMNH ) Função: Registrar, por titular, os valores a receber em moeda nacional de clientes do exterior, inclusive banqueiros não correspondentes, que não possam ou não devam ser contabilizados em outra conta Devedores por contratos de câmbio baixados (UBILN ) Função: Registrar o valor dos contratos de câmbio baixados da posição cambial e que se encontrem pendentes de solução.

9 Direitos sobre vendas de câmbio (UBILN ) Função: Registrar os direitos em moeda nacional da instituição, decorrentes de operações de câmbio de venda Direitos sobre vendas de câmbio - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar os direitos em moeda nacional da instituição, decorrentes de operações de câmbio de venda Disponibilidades de moedas estrangeiras (UBILN ) Função: Registrar os haveres em cédulas e moedas e outros valores em moedas estrangeiras, pertencentes à instituição Disponibilidades de moedas estrangeiras - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar os haveres em cédulas e moedas e outros valores em moedas estrangeiras, adquiridos no mercado de câmbio de taxas flutuantes Encargos a pagar sobre adiantamentos recebidos (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar, quando dos balancetes e balanços, os encargos exigíveis em períodos seguintes relativos a adiantamentos recebidos em moeda nacional ou estrangeira Financiamentos em moedas estrangeiras (UBILN ) ESTFIN Importação - Cartas de Crédito a prazo utilizadas Importação - Não amparada em Cartas de Crédito Operações de "Hedge" Outros Função: Registrar os créditos do banco a serem realizados, por seu contravalor em moeda nacional, correspondentes a responsabilidades dos respectivos titulares por operações em moedas estrangeiras, bem como o valor dos financiamentos concedidos a banqueiros do exterior Importação financiada - Câmbio contratado (UBILN ) Cartas de Crédito a prazo utilizadas Não amparada em Cartas de Crédito Função: Registrar o valor dos financiamentos concedidos a importadores quando da celebração da respectiva operação de câmbio, inclusive por transferência do valor registrado na conta financiamentos em moedas estrangeiras Obrigações em moedas estrangeiras (UBILN ) Exportação, Até 360 dias Exportação, acima de 360 dias Importação, Até 360 dias Importação, Até 360 dias - CCR Importação, acima de 360 dias Importação, acima de 360 dias - CCR Outras obrigações Função: Registrar as obrigações em moedas estrangeiras da instituição pela utilização de linhas de crédito junto a instituições financeiras do exterior, bem como as decorrentes de utilização de cartas de crédito de importação e de descobertos em contas de movimento Obrigações em moedas estrangeiras - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar as obrigações em moedas estrangeiras da instituição pela utilização de linhas de crédito junto a instituições financeiras do exterior, bem como as

10 decorrentes de descobertos em contas de movimento Obrigações por compras de câmbio (UBILN ) Função: Registrar as obrigações em moeda nacional da instituição, decorrentes de operações de câmbio de compra Obrigações por compras de câmbio - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar as obrigações em moeda nacional da instituição, decorrentes de operações de câmbio de compra Obrigações por vendas realizadas - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar o valor em moeda estrangeira das vendas efetuadas por intermédio de "traveller's checks", cheques e outros documentos, enquanto não exigido o reembolso Ordens de pagamento em moedas estrangeiras (UBILN ) Função: Registrar o valor das ordens de pagamento em moedas estrangeiras provenientes do exterior, a serem cumpridas no país por seu contravalor em moeda nacional, bem como o valor das ordens de pagamento originárias do país e não cumpridas no exterior Ordens de pagamento em moedas estrangeiras - Taxas Flutuantes (UBILN ) Função: Registrar o valor das ordens de pagamento em moedas estrangeiras provenientes do exterior, a serem cumpridas no país por seu contravalor em moeda nacional, bem como o valor das ordens de pagamento originárias do país e não cumpridas no exterior Posição especial de contratos de câmbio de Exportação (UBILN ) Função: Registrar o valor dos contratos de câmbio de exportação transferidos para posição especial de câmbio Rendas a apropriar de adiantamentos concedidos (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar as rendas de adiantamentos concedidos em moeda nacional ou estrangeira, contabilizados antecipadamente, a serem apropriados mensalmente segundo o regime de competência Rendas a receber de adiantamentos concedidos (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar quando dos balancetes e balanços as rendas de realização futura, relativas a adiantamentos concedidos em moeda nacional ou estrangeira, pertencentes ao período Rendas a receber de importações financiadas (UBILN ) Função: Registrar, quando dos balancetes e balanços, as rendas de realização futura relativas a financiamentos concedidos a importadores, cuja respectiva operação de câmbio tenha sido celebrada Rendas de aplicações em moedas estrangeiras no país - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar as rendas do estabelecimento pela aplicação de saldos disponíveis em moedas estrangeiras, no país, em bancos autorizados a operar em câmbio, que constituam receita efetiva no período Rendas de aplicações no exterior (UBILN ) Função: Registrar as rendas de financiamentos concedidos a clientes ou banqueiros no exterior, bem como as receitas do estabelecimento pela aplicação de saldos disponíveis, em moedas estrangeiras, no exterior, que constituam receita efetiva no período.

11 Rendas de aplicações no exterior - Taxas Flutuantes (UBILN ) Função: Registrar as rendas do estabelecimento pela aplicação de saldos disponíveis, em moedas estrangeiras, no exterior, que constituam receita efetiva no período Rendas de operações de câmbio (UBILN ) Exportação Importação Financeiro Outras Função: Registrar as rendas decorrentes de operações de câmbio, que constituam receita efetiva da instituição, no período Rendas de operações de câmbio - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar as rendas decorrentes de operações de câmbio, que constituam receita efetiva da instituição, no período Rendas de variações e diferenças de taxas (UBILN ) Função: Registrar o valor das rendas decorrentes da variação da taxa de câmbio, em conseqüência dos reajustes dos saldos das contas representativas de direitos e obrigações em moedas estrangeiras, bem como o valor das diferenças de taxas entre compras e vendas e as apuradas em cancelamentos e baixas de operações de câmbio Rendas de variações e diferenças de taxas - Taxas Flutuantes (UBDIFCTLMN ) Função: Registrar o valor das rendas decorrentes da variação da taxa de câmbio, em conseqüência dos reajustes dos saldos das contas representativas de direitos e obrigações em moedas estrangeiras, bem como o valor das diferenças de taxas entre compras e vendas e as apuradas em cancelamentos e baixas de operações de câmbio Responsabilidades por créditos de Exportação confirmados (UBILN ) Função: Registrar, em nome dos beneficiários, o valor das cartas de crédito de exportação confirmadas, no país, pela instituição Responsabilidades por créditos para importação (UBILN ) CCR - Operações à vista CCR - Operações a prazo, até 360 dias CCR - Operações a prazo, acima de 360 dias Outras - Operações à vista Outras - Operações a prazo, até 360 dias Outras - Operações a prazo, acima de 360 dias Função: Registrar as responsabilidades da instituição com banqueiros no exterior, pela abertura de cartas de crédito de importação Responsabilidades por créditos para importação - Taxas Flutuantes (UBILN ) Função: Registrar as responsabilidades da instituição com banqueiros no exterior, pela abertura de cartas de crédito de importação Títulos em cobrança no exterior - Taxas Flutuantes (UBILN ) Função: Registrar o valor dos documentos remetidos ao exterior em cobrança, nos casos em que o valor em moeda estrangeira resultante da cobrança deva ser negociado no mercado de câmbio de taxas flutuantes Valores em moedas estrangeiras a pagar (UBILN ) Comissões de agentes sobre exportação

12 Comissões de agentes sobre importação Fretes e prêmios de seguro sobre exportação Outros Função: Registrar os valores em moedas estrangeiras referentes a fretes, prêmios de seguro e comissões de agentes sobre exportações, dispensados de celebração de operação de câmbio para efeito de seu pagamento no exterior, bem como os valores em moedas estrangeiras de comissões de agentes sobre importações, para oportuno pagamento ao agente, no país, pelo contravalor em moeda nacional Valores em moedas estrangeiras a receber (UBILN ) Fretes e prêmios de seguro sobre exportação Outros Função: Registrar os valores em moedas estrangeiras referentes a fretes e prêmios de seguro sobre exportações, cujo pagamento no exterior seja efetuado, por banco autorizado a operar em câmbio, antecipadamente à liquidação da respectiva operação de câmbio de exportação. Anexo II à Circular nº 2.106, de Sempre que o ato ou fato administrativo envolver outra moeda além da moeda nacional, a escrituração deve ser efetuada analiticamente por moeda estrangeira, com indicação do valor na moeda estrangeira envolvida e valor em cruzeiros, inclusive a nível de subtítulo e titular. 2 - Em face da coexistência dos mercados de câmbio de taxas livres e de taxas flutuantes, as contas de mesma natureza genérica são distinguidas, no caso do mercado de câmbio de taxas flutuantes, pela expressão "taxas flutuantes" em seguida ao nome da conta. 3 - As contas patrimoniais representativas de moedas estrangeiras devem ser reajustadas, mensalmente, com base nas taxas fornecidas pelo Banco Central para fins de balancetes e balanços, de forma a que o saldo em moeda nacional reajustado corresponda, em natureza (devedora e credora) e valor, ao saldo em moeda estrangeira nela registrado, convertido às taxas mencionadas. A variação cambial apurada em cada uma das contas patrimoniais deve ser registrada, conforme o caso, em rendas de variações e diferenças de taxas e despesas de variações e diferenças de taxas. 4 - A instituição deve manter controles internos adequados que evidenciem os ajustes realizados nas contas patrimoniais pela variação cambial, para apresentação ao Banco Central, quando solicitado. 5 - Os recebimentos, pagamentos e transferências registrados nas contas patrimoniais representativas de moedas estrangeiras devem ser contabilizados com base em taxa de câmbio praticada no dia da respectiva ocorrência. 6 - A escrituração das contas depósitos no exterior em moedas estrangeiras e depósitos no exterior em moedas estrangeiras - taxas flutuantes deve ser processada centralizadamente, de forma a evidenciar, com propriedade, nos balancetes e balanços, os direitos e obrigações com banqueiros no exterior.

13 7 - Os saldos a descoberto com banqueiros no exterior apurados na escrituração centralizada, apresentados nas contas depósitos no exterior em moedas estrangeiras e depósitos no exterior em moedas estrangeiras - taxas flutuantes, devem ser registrados, por ocasião do levantamento de balancetes e balanços, em obrigações em moedas estrangeiras, subtítulo outras obrigações e obrigações em moedas estrangeiras - taxas flutuantes, conforme o caso. 8 - A instituição deve promover a conferência periódica do saldo das contas disponibilidades de moedas estrangeiras e disponibilidades de moedas estrangeiras - taxas flutuantes, pelo menos por ocasião dos balancetes e balanços, procedimento extensivo a todas as dependências que tenham sob sua responsabilidade a guarda e controle de numerário, devendo o respectivo termo de conferência, devidamente autenticado, ser arquivado para posteriores averiguações. 9 - Relativamente à contabilização das operações de câmbio, cabe ao setor centralizador da agência encarregada da escrituração centralizada das contas depósitos no exterior em moedas estrangeiras, depósitos no exterior em moedas estrangeiras - taxas flutuantes e bancos-depósitos em moedas estrangeiras - taxas flutuantes, promover a conciliação dos extratos de contas recebidos dos banqueiros no exterior e bancos no país, a qual deve ser realizada até 15 (quinze) dias corridos contados da data da recepção de cada extrato. os acertos requeridos em virtude da conciliação devem ser necessariamente incorporados ao movimento da agência de origem da pendência Na conta aplicações em moedas estrangeiras - taxas flutuantes registram-se as aplicações efetuadas em banqueiros no exterior por bancos autorizados a operar em câmbio no país, bem como as aplicações nestes efetuadas pelas demais instituições credenciadas a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes, de valores em moedas estrangeiras originários de operações realizadas no referido mercado No subtítulo Banco Central - excesso de posição das contas aplicações em moedas estrangeiras e aplicações em moedas estrangeiras - taxas flutuantes, registra-se o valor dos depósitos efetuados no Banco Central do Brasil, e respectivas rendas, em decorrência de excessos de posição de câmbio na forma da regulamentação em vigor, independentemente da modalidade da aplicação As ordens recebidas do exterior para pagamento no país, cujo cumprimento não se efetive até 7 dias corridos contados da data do seu recebimento, bem como as ordens não cumpridas no exterior, cuja operação de câmbio para formalização do retorno da moeda estrangeira não se efetive até 7 dias corridos contados do recebimento do aviso de crédito, devem ser registradas nas contas ordens de pagamento em moedas estrangeiras ou ordens de pagamento em moedas estrangeiras - taxas flutuantes, conforme o caso, subtítulos de uso interno ordens do exterior a cumprir ou ordens não cumpridas no exterior a cancelar, em contrapartida com, respectivamente, depósitos no exterior em moedas estrangeiras ou depósitos no exterior em moedas estrangeiras - taxas flutuantes. Opcionalmente, a instituição pode realizar o registro na data do recebimento da ordem ou do aviso de crédito O recebimento de ordens de pagamento do exterior sob convênios e ajustes é registrado com uso das rubricas outras contas de compensação ativas e outras contas de compensação passivas.

14 14 - Os financiamentos a importações conduzidas ao amparo de cartas de crédito a prazo ou de outras coobrigações são registrados: I - No caso de a respectiva operação de câmbio não ter sido celebrada: a - na conta financiamentos em moedas estrangeiras, subtítulos importação - cartas de crédito a prazo utilizadas ou importação - não amparada em cartas de crédito, em contrapartida com a conta obrigações em moedas estrangeiras, subtítulo adequado, baixando-se os correspondentes registros em contas de compensação pela abertura da carta de crédito ou concessão da garantia bancária. b - quando da celebração da operação de câmbio para liquidação futura, o valor registrado na conta financiamentos em moedas estrangeiras deve ser transferido para a conta importação financiada - câmbio contratado, retificando o valor então registrado em câmbio vendido a liquidar. As rendas até então apropriadas sobre a operação devem ser transferidas para rendas a receber de importações financiadas. II - No caso de a respectiva operação de câmbio já ter sido celebrada, o financiamento deve ser registrado diretamente a débito da conta importação financiada - câmbio contratado, em contrapartida com obrigações em moedas estrangeiras, subtítulo adequado, baixando-se os correspondentes registros em contas de compensação pela abertura da carta de crédito ou concessão da garantia bancária Conforme se trate de operação realizada no mercado de câmbio de taxas livres ou no mercado de câmbio de taxas flutuantes, as compras e vendas de moedas estrangeiras são registradas: I - Compras: a débito de câmbio comprado a liquidar ou câmbio comprado a liquidar - taxas flutuantes, em contrapartida com, respectivamente, obrigações por compras de câmbio ou obrigações por compras de câmbio - taxas flutuantes; II - Vendas: a crédito de câmbio vendido a liquidar ou câmbio vendido a liquidar - taxas flutuantes, em contrapartida com, respectivamente, direitos sobre vendas de câmbio ou direitos sobre vendas de câmbio - taxas flutuantes A liquidação de operação de câmbio de compra é registrada a débito da conta representativa do ingresso do valor em moeda estrangeira, em contrapartida com as contas câmbio comprado a liquidar ou câmbio comprado a liquidar - taxas flutuantes, conforme o caso, promovendo-se, na mesma data, o registro a crédito da adequada conta em moeda nacional, em contrapartida com obrigações por compras de câmbio ou obrigações por compras de câmbio - taxas flutuantes A liquidação de operação de câmbio de venda é registrada a crédito da conta representativa do egresso do valor em moeda estrangeira, em contrapartida com as contas câmbio vendido a liquidar ou câmbio vendido a liquidar - taxas flutuantes, conforme o caso, promovendo-se, na mesma data, o registro a débito da adequada conta em moeda nacional, em contrapartida com direitos sobre vendas de câmbio ou direitos sobre vendas de câmbio - taxas flutuantes.

15 18 - Nas operações cuja liquidação se efetive no próprio dia em que sejam celebradas, é admitida a contabilização direta na conta representativa do ingresso ou egresso do valor em moeda estrangeira em contrapartida com a adequada conta em moeda nacional O cancelamento e a baixa de operação de câmbio acarreta, pelos valores cancelados ou baixados, lançamentos inversos aos efetuados pela celebração da operação. a variação cambial ocorrida sobre contratos de câmbio de exportação, registrada em câmbio comprado a liquidar deve ser transferida para outros créditos em liquidação, por ocasião da baixa do respectivo contrato de câmbio Os valores registrados no subtítulo letras a entregar das contas câmbio comprado a liquidar e adiantamentos sobre contratos de câmbio devem ser transferidos para o subtítulo letras entregues, das mesmas contas, por ocasião do recebimento dos documentos de exportação, desde que com a entrega dos documentos não ocorra a liquidação da operação As contas de registro dos adiantamentos em moeda nacional e em moedas estrangeiras se posicionam, nos balancetes e balanços, como contas retificadoras, da seguinte forma: I - As de adiantamentos em moeda nacional concedidos retificam obrigações por compras de câmbio e obrigações por compras de câmbio - taxas flutuantes; II - As de adiantamentos em moedas estrangeiras concedidos retificam câmbio vendido a liquidar e câmbio vendido a liquidar - taxas flutuantes; IV - As de adiantamentos em moeda nacional recebidos retificam direitos sobre vendas de câmbio e direitos sobre vendas de câmbio - taxas flutuantes; V - As de adiantamentos em moedas estrangeiras recebidos retificam câmbio comprado a liquidar e câmbio comprado a liquidar - taxas flutuantes As rendas de adiantamentos concedidos devem ser registradas na conta rendas a receber de adiantamentos concedidos e os encargos sobre adiantamentos recebidos na conta encargos a pagar sobre adiantamentos recebidos As aplicações em adiantamentos sobre contratos de câmbio, subtítulo letras a entregar devem ser segregadas segundo a atividade predominante do beneficiário do adiantamento, mediante a utilização de subtítulos de uso interno ou de sistema computadorizado paralelo, de forma que permita o preenchimento dos documentos da estatística econômicofinanceira Os valores referentes a cambiais e documentos amparados em cartas de crédito negociadas e inscritos na conta cambiais e documentos a prazo em moedas estrangeiras devem ser transferidos para depósitos no exterior em moedas estrangeiras, quando do efetivo recebimento do correspondente valor em moeda estrangeira.

16 25 - Na liquidação dos contratos de compras e vendas por arbitragens devem ser utilizadas as contas devedores diversos - país ou devedores diversos - exterior, conforme o parceiro na operação esteja localizado no país ou no exterior Os valores referentes a fretes e prêmios de seguro sobre exportação, quando pagos antecipadamente ao ingresso das divisas, devem ser registrados em valores em moedas estrangeiras a receber As obrigações em moedas estrangeiras contraídas no exterior para o financiamento a exportação e importação brasileira, são registradas a crédito de obrigações em moedas estrangeiras, subtítulo adequado. O lançamento relativo a esse registro é efetuado à taxa praticada no dia para a moeda, devendo constar de seu histórico o prazo da operação, os encargos incidentes e, sempre que seja o caso, as condições pactuadas para a liquidação antecipada da operação O desconto ou a venda no exterior, sem direito de regresso, de cambial de exportação, não configura a assunção pelo banco de obrigação em moeda estrangeira A utilização de linhas de crédito especiais para o financiamento a exportação é registrada a crédito da conta Banco Central - linhas de crédito especiais no país, subtítulo adequado, em contrapartida com a conta reservas compulsórias em espécie no Banco Central As contas depósitos em moedas estrangeiras no país e depósitos em moedas estrangeiras no país - taxas flutuantes, subtítulo de movimentação livre, destinam-se ao registro, nos bancos autorizados a operar em câmbio no país, do acolhimento de depósitos em moedas estrangeiras de livre movimentação efetuados por pessoas físicas e jurídicas residentes ou domiciliadas no exterior e outras admitidas pela legislação e regulamentação em vigor No subtítulo de movimentação restrita da conta depósitos em moedas estrangeiras no país - taxas flutuantes, registra-se o valor dos depósitos em moedas estrangeiras efetuados em bancos autorizados a operar em câmbio no país, por agentes de turismo emissivo ou receptivo, não credenciados a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes, vinculados a negociação de pacotes turísticos, na forma da regulamentação em vigor As aplicações realizadas pelas instituições credenciadas a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes, em bancos autorizados a operar em câmbio no país são contabilizadas, por estes, na sua efetivação, nas contas depósitos de aviso prévio em moedas estrangeiras - taxas flutuantes e depósitos a prazo em moedas estrangeiras - taxas flutuantes Os valores em moedas estrangeiras referentes a comissão de agentes frete ou prêmio de seguro sobre exportação, cuja transferência ao beneficiário no exterior deva ocorrer posteriormente ao recebimento do valor em moeda estrangeira da exportação, são registrados a crédito de valores em moedas estrangeiras a pagar, subtítulo adequado, em lançamento conjunto ao do registro do recebimento do valor em moeda estrangeira da exportação a que se vinculem referidos valores. no histórico dos lançamentos devem ser indicados o número, a data da celebração e a data da liquidação da operação de câmbio de exportação correspondente.

17 34 - As cartas de crédito abertas no exterior a favor de exportadores no país, recebidas e simplesmente avisadas aos beneficiários, não são objeto de registro contábil. ocorrendo a confirmação, pelo banco, de carta de crédito da espécie, deve ser promovido o registro pela taxa praticada no dia para a moeda, na conta créditos de exportação confirmados em contrapartida com responsabilidades por créditos de exportação confirmados, cujo encerramento se dará, pelo importe correspondente e mediante inversão, no caso de negociação da carta de crédito confirmada, por alteração para menor do seu valor, ou por sua não utilização dentro do seu prazo de validade A abertura de cartas de crédito de importação é registrada nas contas créditos abertos para importação ou créditos abertos para importação - taxas flutuantes, conforme o caso, em contrapartida com responsabilidades por créditos para importação ou responsabilidades por créditos para importação - taxas flutuantes, atribuindo-se ao lançamento valor em moeda nacional com base na taxa praticada no dia para a moeda. referido lançamento é encerrado, mediante inversão, quando do recebimento em ordem dos documentos relativos à utilização da carta de crédito ou, pelo importe correspondente, no caso de utilização parcial da carta de crédito ou de alteração, para menor, do seu valor, bem como na hipótese de não ser utilizada dentro do seu prazo de validade As garantias prestadas no exterior, por conta de terceiros, ou confirmadas no país, por conta de clientes do exterior, são registradas na conta beneficiários de garantias prestadas em contrapartida com responsabilidades por garantias prestadas, atribuindo-se ao lançamento valor em moeda nacional com base em taxa praticada no dia para a moeda. referido lançamento é encerrado, pelo importe correspondente e mediante inversão, pela utilização ou liberação da garantia prestada As garantias recebidas de clientes, constituídas pela entrega de títulos em cobrança, são registradas a débito da adequada conta de registro da cobrança e crédito a cobrança vinculada a operações. As garantias constituídas por hipotecas, penhor, fiança, caução de valores em geral, assim como as outorgadas por banqueiros no exterior e as recebidas sob condição resolutiva, são registradas nas adequadas contas do sistema de compensação Os "traveller's checks" recebidos de banqueiros no exterior para venda a clientes são registrados a débito de valores em custódia, subtítulo de uso interno "câmbio - traveller's checks em consignação" e crédito de depositantes de valores em custódia, subtítulo de uso interno "câmbio - consignação de traveller's checks". a critério dos bancos, parte ou todo o estoque de "traveller's checks" pode ser transferido para outras agências, mediante lançamentos às contas depositários de valores em custódia e valores custodiados. Referidos lançamentos se encerram, pelo importe correspondente e mediante inversão, quando da venda ou devolução dos "traveller's checks" Não se conceitua como "em cobrança" a remessa ao exterior de títulos e documentos decorrentes da negociação de cartas de crédito de exportação. Assim, não deve ser efetuado o registro, em contas de compensação representativas de cobrança, relativo à remessa ao exterior de títulos e documentos referentes à negociação de tais cartas de crédito. A exclusivo critério dos estabelecimentos, e para fins de controle, pode ser efetuado o registro da remessa de tais títulos e documentos com utilização das contas outras contas de compensação ativas e outras contas de compensação passivas.

18 40 - Os registros nas contas títulos em cobrança no exterior, títulos em cobrança no exterior - taxas flutuantes, títulos em cobrança direta, e posição especial de contratos de câmbio de exportação quando representativos de moeda estrangeira, devem ser atualizados pela variação cambial, mensalmente, com as contas passivas que lhes fazem contrapartida Nas baixas de operações de câmbio deve ser efetuado registro de controle a débito de devedores por contratos de câmbio baixados e crédito de contratos de câmbio baixados, que será encerrado, mediante inversão, em virtude da solução da pendência que originou a baixa ou de ser considerada inviável a solução da pendência, neste caso desde que decorridos, no mínimo, 5 (cinco) anos da baixa Os valores de contratos de câmbio de exportação inscritos em posição especial de câmbio, são registrados nas contas de compensação posição especial de contratos de câmbio de exportação e contratos de câmbio de exportação em posição especial. referido registro é encerrado, mediante inversão, quando do cancelamento, baixa ou liquidação da correspondente operação de câmbio de exportação, ou por determinação do Banco Central. Anexo III à Circular nº 2.106, de Título: Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional - Capítulo: Esquemas de Registros Contábeis Seção: Esquema nº 43 - Critérios Contábeis das Operações de Câmbio no Mercado de Taxas Flutuantes Nº Ordem Eventos/Lançamentos Contábeis 1. Compras 1.1 Operações com a celebração e liquidação simultâneas Em espécie, traveller's checks, cheques e outros documentos representativos de moedas estrangeiras d - disponibilidades de moedas estrangeiras - taxas flutuantes c - caixa ou outra conta adequada No recebimento efetivo da moeda estrangeira Em bancos autorizados a operar em câmbio d - depósitos no exterior em moedas estrangeiras taxas flutuantes c - disponibilidades de moedas estrangeiras - taxas flutuantes Demais instituições d - bancos-depósitos em moedas estrangeiras - taxas flutuantes c - disponibilidades de moedas estrangeiras - taxas flutuantes Crédito em conta Em bancos autorizados a operar em câmbio d - depósitos no exterior em moedas estrangeiras - taxas flutuantes c - caixa ou outra conta adequada Demais instituições d - bancos-depósitos em moedas estrangeiras - taxas flutuantes c - caixa ou outra conta adequada 1.2 Operações com a liquidação posterior à celebração Na celebração d - Câmbio comprado a liquidar - taxas flutuantes

19 c - obrigações por compras de câmbio - taxas flutuantes Pela antecipação concedida em moeda nacional d - adiantamentos em moeda nacional concedidos - taxas flutuantes c - caixa ou outra conta adequada Pelo recebimento antecipado da moeda estrangeira Em bancos autorizados a operar em câmbio d - depósitos no exterior em moedas estrangeiras taxas flutuantes c - adiantamentos em moedas estrangeiras recebidos taxas flutuantes Demais instituições d - bancos-depósitos em moedas estrangeiras - taxas flutuantes c - adiantamentos em moedas estrangeiras recebidos taxas flutuantes Na liquidação Em bancos autorizados a operar em câmbio d - depósitos no exterior em moedas estrangeiras - taxas flutuantes ou outra conta adequada c - Câmbio comprado a liquidar - taxas flutuantes e d - obrigações por compras de câmbio - taxas flutuantes c - adiantamentos em moeda nacional concedidos - taxas flutuantes ou outra conta adequada Demais instituições d - bancos-depósitos em moedas estrangeiras - taxas flutuantes ou outra conta adequada c - câmbio comprado a liquidar - taxas flutuantes e d - obrigações por compras de câmbio - taxas flutuantes c - adiantamentos em moeda nacional concedidos - taxas flutuantes ou outra conta adequada 2. Vendas 2.1 Operações com a celebração e liquidação simultâneas Em espécie, traveller's checks, cheques e outros documentos representativos de moedas estrangeiras d - caixa ou outra conta adequada c - disponibilidades de moedas estrangeiras - taxas flutuantes ou obrigações por vendas realizadas - taxas flutuantes No desembolso efetivo da moeda estrangeira Em bancos autorizados a operar em câmbio d - obrigações por vendas realizadas - taxas flutuantes c - depósitos no exterior em moedas estrangeiras taxas flutuantes Demais instituições d - obrigações por vendas realizadas - taxas flutuantes c - bancos-depósitos em moedas estrangeiras - taxas flutuantes Crédito em conta Em bancos autorizados a operar em câmbio d - caixa ou outra conta adequada c - depósitos no exterior em moedas estrangeiras taxas flutuantes Demais instituições d - caixa ou outra conta adequada c - bancos-depósitos em moedas estrangeiras - taxas flutuantes 2.2 Operações com a liquidação posterior à celebração

20 2.2.1 Na celebração d - direitos sobre vendas de câmbio - taxas flutuantes c - câmbio vendido a liquidar - taxas flutuantes Pela antecipação recebida em moeda nacional d - caixa ou outra conta adequada c - adiantamentos em moeda nacional recebidos - taxas flutuantes Pela antecipação concedida em moeda estrangeira Em bancos autorizados a operar em câmbio d - adiantamentos em moedas estrangeiras concedidos - taxas flutuantes c - depósitos no exterior em moedas estrangeiras - taxas flutuantes Demais instituições d - adiantamentos em moedas estrangeiras concedidos taxas flutuantes c - bancos - depósitos em moedas estrangeiras - taxas flutuantes 2.3 Na liquidação Em bancos autorizados a operar em câmbio d - câmbio vendido a liquidar - taxas flutuantes c - depósitos no exterior em moedas estrangeiras taxas flutuantes e d - caixa ou outra conta adequada c - direitos sobre vendas de câmbio - taxas flutuantes Demais instituições d - câmbio vendido a liquidar - taxas flutuantes c - bancos-depósitos em moedas estrangeiras - taxas flutuantes e d - caixa ou outra conta adequada c - direitos sobre vendas de câmbio - taxas flutuantes Título: Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional - Capítulo: Esquemas de Registros Contábeis Seção: Esquema nº 44 - Exportação Nº Ordem Eventos/Lançamentos Contábeis 1. Cobrança 1.1 Remessa de documentos Câmbio a contratar d - títulos em cobrança no exterior c - cobrança por conta de terceiros Câmbio contratado d - títulos em cobrança no exterior c - cobrança vinculada a operações Na celebração da operação de câmbio (caso 1.1.1) d - cobrança por conta de terceiros c - cobrança vinculada a operações 1.2 Contratação do câmbio (compra) d - câmbio comprado a liquidar c - obrigações por compras de câmbio 1.3 Concessão de adiantamento, se houver d - adiantamentos sobre contratos de câmbio c - caixa ou outra conta adequada 1.4 Rendas sobre adiantamentos

28. Câmbio. 1. Escrituração. 2. Disponibilidades em Moedas Estrangeiras

28. Câmbio. 1. Escrituração. 2. Disponibilidades em Moedas Estrangeiras TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 28. Câmbio 1. Escrituração 1 - Sempre que o ato ou fato administrativo envolver outra moeda além da moeda nacional, a escrituração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3265. Documento normativo revogado pela Resolução 3.568, de 29/05/2008, a partir de 01/07/2008.

RESOLUÇÃO Nº 3265. Documento normativo revogado pela Resolução 3.568, de 29/05/2008, a partir de 01/07/2008. RESOLUÇÃO Nº 3265 01/07/2008. Documento normativo revogado pela Resolução 3.568, de 29/05/2008, a partir de Dispõe sobre o Mercado de Câmbio e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma

Leia mais

CIRCULAR N 3015. Art. 6º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Daniel Luiz Gleizer Diretor

CIRCULAR N 3015. Art. 6º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Daniel Luiz Gleizer Diretor CIRCULAR N 3015 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes para incluir título relativo a Transferências Postais. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada

Leia mais

II - operação de crédito com vínculo a exportação (securitização de exportações); e

II - operação de crédito com vínculo a exportação (securitização de exportações); e CIRCULAR 3.027/01 PROGRAMA NACIONAL DE DESBUROCRATIZAÇÃO - Institui e regulamenta o Registro Declaratório Eletrônico (RDE) de empréstimos entre residentes ou domiciliados no País e residentes ou domiciliados

Leia mais

CIRCULAR Nº 313 Aos estabelecimentos bancários autorizados a operar em câmbio. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 313 Aos estabelecimentos bancários autorizados a operar em câmbio. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 CIRCULAR Nº 313 Aos estabelecimentos bancários autorizados a operar em câmbio Comunicamos que, na forma de decisão da Diretoria do Banco Central, em sessão de 8.9.1976, deverão ser observadas, a partir

Leia mais

CIRCULAR N 3.084. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009.

CIRCULAR N 3.084. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009. CIRCULAR N 3.084 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009. Dispõe sobre obrigação financeira, recursos não procurados, adiantamento a fornecedores, agregação de despesas e encerramento

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 1 - Disposições Gerais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 1 - Disposições Gerais 1 1. O presente título trata das disposições normativas e dos procedimentos relativos ao mercado de câmbio, de acordo com a Resolução n 3.568, de 29.05.2008. 2. As disposições deste título aplicam-se às

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1832. Art. 3º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Francisco Roberto André Gros Presidente

RESOLUÇÃO N 1832. Art. 3º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Francisco Roberto André Gros Presidente RESOLUÇÃO N 1832 Divulga regulamento que disciplina a constituição e a administração de carteira de valores mobiliários mantida no país por investidores institucionais constituídos no exterior. O BANCO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2.689 Documento normativo revogado, a partir de 30/3/2015, pela Resolução nº 4.373, de 29/9/2014. Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

2. Este capítulo contém as disposições complementares referentes às transferências financeiras relacionadas ou não a operações comerciais.

2. Este capítulo contém as disposições complementares referentes às transferências financeiras relacionadas ou não a operações comerciais. SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. (Revogado) Circular nº 3.390/2008. 2. Este capítulo contém as disposições complementares referentes às transferências financeiras relacionadas ou não a operações comerciais.

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.436. II - capítulo 16, seção 4, subseções 2 e 4; e. Art. 2 Esta circular entra em vigor na data de sua publicação.

CIRCULAR Nº 3.436. II - capítulo 16, seção 4, subseções 2 e 4; e. Art. 2 Esta circular entra em vigor na data de sua publicação. Página 1 de 1 CIRCULAR Nº 3.436 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 6 de fevereiro de 2009,

Leia mais

CIRCULAR N 1939. Aos agentes financeiros do Sistema Financeiro da Habitação

CIRCULAR N 1939. Aos agentes financeiros do Sistema Financeiro da Habitação CIRCULAR N 1939 Aos agentes financeiros do Sistema Financeiro da Habitação Regulamenta as disposições da Lei nº 8.004, de 14.03.90, que trata das transferências de financiamento e quitações de saldo devedor

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.525. I - capítulo 8, seção 2, subseção 24. I - capítulo 2, seção 2, subseção 1.

CIRCULAR Nº 3.525. I - capítulo 8, seção 2, subseção 24. I - capítulo 2, seção 2, subseção 1. CIRCULAR Nº 3.525 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 9 de fevereiro de 2011, com base

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.235. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.248, de 29/7/2004.

CIRCULAR Nº 3.235. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.248, de 29/7/2004. CIRCULAR Nº 3.235 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.248, de 29/7/2004. Dispõe sobre a transferência de recursos de que tratam os arts. 3º e 8º da Lei 9.311, de 1996, e o art. 85 do Ato das

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPOS SALES

FACULDADES INTEGRADAS CAMPOS SALES FACULDADES INTEGRADAS CAMPOS SALES CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Contabilidade Aplicada às Instituições Financeiras Aula de 27/02/2012 PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS (COSIF) O Plano Contábil das

Leia mais

CIRCULAR Nº 2.324. Art. 2º. Encontram-se anexas as folhas necessárias à atualização da consolidação das normas cambiais (CNC).

CIRCULAR Nº 2.324. Art. 2º. Encontram-se anexas as folhas necessárias à atualização da consolidação das normas cambiais (CNC). CIRCULAR Nº 2.324 Mercado de câmbio de taxas flutuantes - Atualização nº 27. Comunicamos que a diretoria do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 16.06.93, tendo em vista o disposto na Resolução

Leia mais

2. As transferências de recursos cursadas sob o Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos da ALADI- CCR são tratadas no capítulo 17.

2. As transferências de recursos cursadas sob o Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos da ALADI- CCR são tratadas no capítulo 17. SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo trata das disposições emanadas por acordos ou por organismos internacionais relativas a transferências de recursos do ou para o exterior. 2. As transferências

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM e demais normas expedidas pela BM&F BOVESPA, define através deste documento, suas

Leia mais

CIRCULAR Nº 2370. Documento normativo revogado pela Circular 3.280, de 09/03/2005.

CIRCULAR Nº 2370. Documento normativo revogado pela Circular 3.280, de 09/03/2005. CIRCULAR Nº 2370 Documento normativo revogado pela Circular 3.280, de 09/03/2005. Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes - atualização nº 31. A Diretoria do Banco Central do Brasil, em sessão realizada

Leia mais

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais;

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais; SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Podem ser titulares de contas em moeda estrangeira no País na forma da legislação e regulamentação em vigor, observadas as disposições deste título: a) agências de turismo

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1 REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA Março 2014 Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES... 3 CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA... 6 CAPÍTULO

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO Havendo necessidade de se rever a regulamentação relativa

Leia mais

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas -1 SEÇÃO : Outras Obrigações - 14

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas -1 SEÇÃO : Outras Obrigações - 14 TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 14. Outras Obrigações 1. Imposto de Renda e Contribuição Social 1 - Registra-se, mensalmente, o valor da provisão para

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES CAPÍTULO IV

Leia mais

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos:

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos: CIRCULAR N 2.971 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Regulamenta as Resoluções nº 2.644, de 1999, nº 2.694 e nº 2.695, ambas de 2000, e divulga o Regulamento sobre Contas

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.376. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI).

CIRCULAR Nº 3.376. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). CIRCULAR Nº 3.376 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 7 de fevereiro de 2008, com base

Leia mais

Contabilidade para Executivos de Cooperativas de Créditos. Dirceu Granado de Souza

Contabilidade para Executivos de Cooperativas de Créditos. Dirceu Granado de Souza Contabilidade para Executivos de Cooperativas de Créditos Dirceu Granado de Souza 1 Conceitos básicos de Contabilidade; Princípios Gerais; Contas; Patrimônio; Lógica dos registros Contábeis; Balancetes

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 462, DE 31 DE JANEIRO DE 2013. Dispõe sobre a forma de cálculo e os procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras,

Leia mais

6 Item revogado com a edição da Circular nº 3.717, de 11 de setembro de 2014.

6 Item revogado com a edição da Circular nº 3.717, de 11 de setembro de 2014. TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 29. Empresas em Liquidação Extrajudicial 1. Princípios Gerais 1 - Os títulos a serem utilizados pelas empresas em liquidação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.533 R E S O L V E U :

RESOLUÇÃO Nº 3.533 R E S O L V E U : RESOLUÇÃO Nº 3.533 Estabelece procedimentos para classificação, registro contábil e divulgação de operações de venda ou de transferência de ativos financeiros. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art.

Leia mais

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens de fabricação nacional, observadas

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Chevrolet Card

BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Chevrolet Card BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Chevrolet Card Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Chevrolet Card de uso doméstico e/ou

Leia mais

A CBLC atua como contraparte central nas Operações de Empréstimo de Ativos.

A CBLC atua como contraparte central nas Operações de Empréstimo de Ativos. C A P Í T U L O V I - S E R V I Ç O D E E M P R É S T I M O D E A T I V O S - B T C O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite: O registro de ofertas e o fechamento de Operações contra as

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO "NOVO LEBLON"

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO NOVO LEBLON ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO "NOVO LEBLON" I - Denominação e Objetivo ARTIGO 1º - O Clube de Investimento Novo Leblon, doravante designado Clube é constituído por número limitado de membros

Leia mais

Anexos 4. 0 Substituição Tributária

Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4.8 Substituição Tributária nas Operações Interestaduais com Energia Elétrica não destinada à Comercialização ou à Industrialização Anexo 4.8 DA SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 3360 1.8.8.75.00-7 DIREITOS A RECEBER DE OPERAÇÕES DE VENDA OU DE TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS FINANCEIROS

CARTA-CIRCULAR Nº 3360 1.8.8.75.00-7 DIREITOS A RECEBER DE OPERAÇÕES DE VENDA OU DE TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS FINANCEIROS CARTA-CIRCULAR Nº 3360 Cria e altera desdobramento de subgrupo, títulos e subtítulos contábeis no Cosif para o registro contábil de operações de venda ou de transferência de ativos financeiros. Com base

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a utilização de recursos das exigibilidades de aplicação em crédito rural oriundos da poupança rural e dos depósitos a vista para financiamentos destinados à liquidação de dívidas de produtores

Leia mais

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991;

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991; CIRCULAR Nº 3249 Divulga o Regulamento sobre Frete Internacional, e dá outras providências. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, com base nos artigos 9º e 11 da Lei 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1967.

DECRETO Nº 61.867, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1967. DECRETO Nº 61.867, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1967. Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Documento II da Ata da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 13 de junho de 2008. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

Documento II da Ata da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 13 de junho de 2008. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES Documento II da Ata da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 13 de junho de 2008. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES 1. Objetivo do Plano 1.1. O objetivo do Plano de Opção de Compra de Ações da ESTÁCIO

Leia mais

PROGRAMA BNDES-EXIM PÓS-EMBARQUE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

PROGRAMA BNDES-EXIM PÓS-EMBARQUE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PROGRAMA BNDES-EXIM PÓS-EMBARQUE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1. PEDIDO DE REFINANCIAMENTO O pedido de refinanciamento deverá ser formalizado mediante Consulta Prévia (Anexo 2), que poderá ser apresentada

Leia mais

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 Regulamenta a Lei n 8.685, de 20 de julho de 1993, que cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO

MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO VERSÃO: 01/7/2008 2/10 MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DO CREDENCIAMENTO

Leia mais

Intercâmbio Nova Sistemática de Contabilização

Intercâmbio Nova Sistemática de Contabilização Nova Sistemática de Contabilização Impactos financeiros, contábeis, operacionais e fiscais Lycia Braz Moreira (lycia@fblaw.com.br) Assessoria Jurídica Unimed Federação Rio Definição O que é Intercâmbio?

Leia mais

A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão. realizada em 25 de março de 2009, tendo em conta o disposto na

A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão. realizada em 25 de março de 2009, tendo em conta o disposto na CIRCULAR 3.445 -------------- Dispõe sobre a remessa de informações relativas às operações de crédito para registro no Sistema de Informações de Créditos (SCR), de que trata a Resolução nº 3.658, de 2008.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004.

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da

Leia mais

CONTRATO PADRÃO DE ADESÃO DO CARTÃO SICREDICARD VISA ELECTRON

CONTRATO PADRÃO DE ADESÃO DO CARTÃO SICREDICARD VISA ELECTRON CONTRATO PADRÃO DE ADESÃO DO CARTÃO SICREDICARD VISA ELECTRON Administradora de Cartões SICREDI Ltda., com sede, foro e administração em Brasília/DF, no SCS Qd. 06, BL. A, Nº. 141, Ed. Presidente, inscrito

Leia mais

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas - 1 SEÇÃO : Consórcios - 26

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas - 1 SEÇÃO : Consórcios - 26 TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 26. Consórcios 1. Procedimentos Específicos de Escrituração 1 - Para fins de elaboração dos Documentos Balancete e Balanço

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 68

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 68 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 68 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CONTA CORRENTE, CONTA INVESTIMENTO E CONTA DE POUPANÇA

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CONTA CORRENTE, CONTA INVESTIMENTO E CONTA DE POUPANÇA CONTRATANTE(S): As Pessoa(s) - Física(s) ou Jurídica(s) - indicada(s) e qualificada(s) na Proposta/Contrato de Abertura de Conta Corrente, Conta Investimento e Conta de Poupança, adiante denominada(s)

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 937. Documento normativo revogado pela Circular 906, de 21/12/1984.

CARTA-CIRCULAR Nº 937. Documento normativo revogado pela Circular 906, de 21/12/1984. CARTA-CIRCULAR Nº 937 Documento normativo revogado pela Circular 906, de 21/12/1984. Aos Estabelecimentos Bancários Comunicamos que, tendo em vista as disposições da Circular nº 816, desta data, fica criado

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Conta Especial Emigrante Clientes Particulares, com idade superior a 18 anos, que sejam emigrantes portugueses, de acordo com legislação em vigor. A conta só pode ser co-titulada

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 2201. Levamos ao conhecimento dos interessados que: II - Esta Carta-Circular entra em vigor na data de sua publicação;

CARTA-CIRCULAR Nº 2201. Levamos ao conhecimento dos interessados que: II - Esta Carta-Circular entra em vigor na data de sua publicação; CARTA-CIRCULAR Nº 2201 Levamos ao conhecimento dos interessados que: Programa federal de desregulamentação. Estabelece condições para as transferências ao exterior de receitas auferidas com o transporte

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES

MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES 1. OBJETIVO MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES O objetivo deste manual é servir de referência para demonstrar o funcionamento operacional dos serviços da Orla DTVM, relativo à sua mesa de

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998.

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. Dispõe sobre a operação dos contratos previdenciários dos planos coletivos que tenham por finalidade a concessão de benefícios a pessoas físicas vinculadas

Leia mais

PROTOCOLO SOBRE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO DE INVESTIMENTOS PROVENIENTES DE ESTADOS NÃO PARTES DO MERCOSUL

PROTOCOLO SOBRE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO DE INVESTIMENTOS PROVENIENTES DE ESTADOS NÃO PARTES DO MERCOSUL MERCOSUL\CMC\DEC Nº 11/94 PROTOCOLO SOBRE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO DE INVESTIMENTOS PROVENIENTES DE ESTADOS NÃO PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Art.10 do Tratado de Assunção, a Resolução Nº 39/94 do Grupo

Leia mais

RESOLUCAO N. 003211/2004

RESOLUCAO N. 003211/2004 RESOLUCAO N. 003211/2004 RESOLUCAO 3.211 --------------- Altera e consolida as normas que dispõem sobre a abertura, manutenção e movimentação de contas especiais de depósitos à vista e de depósitos de

Leia mais

E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS

E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS No último dia 3, a Receita Federal do Brasil ("RFB") expediu a Instrução Normativa ("IN/RFB") nº 1.571/2015, instituindo a

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento SINERGIA é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Declaração de Saída Definitiva

Declaração de Saída Definitiva 1 de 5 1/3/2011 07:29 Declaração Declaração de Saída Definitiva Obrigatoriedade Comunicação de Saída Definitiva x Declaração de Saída Definitiva do País Prazo e local de entrega da Declaração de Saída

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA ATUAÇÃO EM BOLSAS DA CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A.

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA ATUAÇÃO EM BOLSAS DA CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A. As normas de procedimento descritas a partir desta página, são para conhecimento do cliente, não sendo obrigatório o envio para a Credit Suisse Hedging-Griffo. NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA ATUAÇÃO EM BOLSAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3310. Parágrafo único. Não são considerados no cálculo da exigibilidade:

RESOLUÇÃO Nº 3310. Parágrafo único. Não são considerados no cálculo da exigibilidade: RESOLUÇÃO Nº 3310 Dispõe acerca da realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei 4.595, de

Leia mais

CIRCULAR Nº 2792. a) pagos pela utilização de cartões de crédito emitidos no País; e. II - a apresentação mensal ao Banco Central do Brasil de:

CIRCULAR Nº 2792. a) pagos pela utilização de cartões de crédito emitidos no País; e. II - a apresentação mensal ao Banco Central do Brasil de: CIRCULAR Nº 2792 Documento normativo revogado pela Circular 3280, de 09/03/2005. Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes Alteração nº 48 - Cartões de Crédito Internacionais A Diretoria Colegiada do Banco

Leia mais

Estado do Acre DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012

Estado do Acre DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012. Publicado no DOE nº 10.952 de 21-12-2012.. Alterado pelos Decretos nºs 5.089/2013, 6.287/2013, 7.299, 8.251/2014, 1.490/2015, 2.301/2015, 2.884/2015 e 3.472/2015..

Leia mais

CAPÍTULO I Da Aplicação

CAPÍTULO I Da Aplicação CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS ORIGINÁRIAS DE PERDAS CONSTATADAS NAS ARMAZENAGENS DE PRODUTOS VINCULADOS À POLÍTICA DE GARANTIA DE PREÇOS MÍNIMOS PGPM E ESTOQUES REGULADORES DO GOVERNO

Leia mais

e) assinatura do depositante; f) data da abertura da conta e respectivo número; g) despacho do administrador que autorize a abertura da conta

e) assinatura do depositante; f) data da abertura da conta e respectivo número; g) despacho do administrador que autorize a abertura da conta 1 CIRCULAR Nº 162 Aos Estabelecimentos Bancários, Caixas Econômicas e Cooperativas de Crédito Comunicamos-lhes que a Diretoria deste Banco Central, em sessão desta data, resolveu baixar as seguintes normas,

Leia mais

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física Cédula nº: Valor: Data da emissão: Data do vencimento: 1. EMITENTE(S): 1.1 Nome: 1.2 RG: 1.3 CPF/MF - CNPJ/MF: E os coemitentes, demais titulares da conta corrente ao final nomeados, todos qualificados

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.628, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

CARTA CIRCULAR Nº 3.628, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 CARTA CIRCULAR Nº 3.628, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos para a remessa das informações relativas às exposições ao risco de mercado e à apuração das respectivas parcelas no cálculo

Leia mais

LEI Nº 12.973, DE 13 DE MAIO DE 2014 - LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013 - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 12.973, DE 13 DE MAIO DE 2014 - LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013 - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 12.973, DE 13 DE MAIO DE 2014 - LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013 - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 627/13, que promoveu diversas

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E 469/08. Dispõe sobre a avaliação de investimentos em sociedades coligadas e controladas e sobre os procedimentos

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2999. 1.4.3.00.00-2 Repasses Interfinanceiros; 3.0.1.30.00-5 BENEFICIÁRIOS DE GARANTIAS PRESTADAS;

CARTA-CIRCULAR N 2999. 1.4.3.00.00-2 Repasses Interfinanceiros; 3.0.1.30.00-5 BENEFICIÁRIOS DE GARANTIAS PRESTADAS; CARTA-CIRCULAR N 2999 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados na remessa de informações no âmbito da Central de Risco de Credito. Para fins da prestação das informações de que trata a Circular

Leia mais

TRADUÇÃO MINISTÉRIO REAL DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Senhor Embaixador,

TRADUÇÃO MINISTÉRIO REAL DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Senhor Embaixador, TRADUÇÃO MINISTÉRIO REAL DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS ATENAS, em 30 de julho de 1960 Senhor Embaixador, Tenho a honra de acusar recebimento da nota de Vossa Excelência, de hoje datada, do seguinte teor: "Senhor

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES

Leia mais

II - Manter suspensas as concessões de novas cartas patentes para o funcionamento de sociedade de arrendamento mercantil.

II - Manter suspensas as concessões de novas cartas patentes para o funcionamento de sociedade de arrendamento mercantil. RESOLUCAO 980 ------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Comissão de Valores Mobiliários INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Estabelece normas e procedimentos para a organização e o funcionamento das corretoras de mercadorias. O

Leia mais

CONTRATO CONTA DE DEPÓSITOS PESSOA FÍSICA CNPJ 20.961.629/0001-05

CONTRATO CONTA DE DEPÓSITOS PESSOA FÍSICA CNPJ 20.961.629/0001-05 CONTRATO CONTA DE DEPÓSITOS PESSOA FÍSICA 1 - DADOS DA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA Nº Cooperativa PAC 4031 00 Nome CECM DOS COLABORADORES CVRD LTDA 2 - DADOS PESSOAIS Nome 1 titular CNPJ 20.961.629/0001-05

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GESTÃO DE GARANTIAS

MANUAL DE NORMAS GESTÃO DE GARANTIAS MANUAL DE NORMAS GESTÃO DE GARANTIAS VERSÃO: 18/07/2011 2 / 18 MANUAL DE NORMAS GESTÃO DE GARANTIAS ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 4 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 5 CAPÍTULO TERCEIRO DA UTILIZAÇÃO

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE EMISSÃO DE FIANÇA E OUTRAS AVENÇAS

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE EMISSÃO DE FIANÇA E OUTRAS AVENÇAS Pelo presente instrumento, as partes: A BANCO BRADESCO S.A., com sede na Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco SP, inscrito no CNPJ/MF sob nº 60.746.948/0001 12, doravante denominado FIADOR; B...,

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. CIRCULAR Nº 3.330 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão extraordinária realizada em 27 de outubro de 2006,com

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP 20 ANOS MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900585/2015-60

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.681, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.681, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.681, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre o gerenciamento de riscos, os requerimentos mínimos de patrimônio, a governança de instituições de pagamento, a preservação do valor e da liquidez

Leia mais

EMPREGADORES COM MATRÍCULA CEI CADASTRO DA MATRÍCULA NO CEI

EMPREGADORES COM MATRÍCULA CEI CADASTRO DA MATRÍCULA NO CEI EMPREGADORES COM MATRÍCULA CEI CADASTRO DA MATRÍCULA NO CEI Inicialmente, cabe informar que a Matrícula CEI, de acordo com o artigo 17 da Instrução Normativa RFB nº 971/09, é considerada como cadastro

Leia mais

ASSUNTO: Plano de Contas para o Sistema Bancário (Adaptado) (Sociedades Administradoras de Compras em Grupo)

ASSUNTO: Plano de Contas para o Sistema Bancário (Adaptado) (Sociedades Administradoras de Compras em Grupo) Anexo à Instrução nº 15/97 ASSUNTO: Plano de Contas para o Sistema Bancário (Adaptado) (Sociedades Administradoras de Compras em Grupo) 1. São efectuados no PCBS os seguintes ajustamentos: 1.1. São criadas

Leia mais

LEI Nº 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990

LEI Nº 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990 Dispõe sobre a atualização do Bônus do Tesouro Nacional e dos depósitos de poupança e dá outras providências.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

a) constituição e retorno de capitais brasileiros no exterior e de capitais estrangeiros no País;

a) constituição e retorno de capitais brasileiros no exterior e de capitais estrangeiros no País; SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. As pessoas físicas e as pessoas jurídicas podem comprar e vender moeda estrangeira ou realizar transferências internacionais em reais, de qualquer natureza, sem limitação

Leia mais

18/01/2013 INSPEÇÃO ESCOLAR Prof. Dorival Rosa Brito 1

18/01/2013 INSPEÇÃO ESCOLAR Prof. Dorival Rosa Brito 1 INSPEÇÃO ESCOLAR 1 Como saber se uma escola é legalizada? 2 A quem se dirigir para reclamar de uma escola? 3 Quais os procedimentos para se abrir uma escola? 4 Quais os documentos necessários para a matrícula

Leia mais

DOS DADOS CADASTRAIS DOS CLIENTES

DOS DADOS CADASTRAIS DOS CLIENTES BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO 1 / 14 CAPÍTULO XXVI DOS DADOS CADASTRAIS DOS CLIENTES 26.1 DA FICHA CADASTRAL 26.1.1 As Sociedades Corretoras deverão manter cadastros atualizados de seus clientes, contendo,

Leia mais

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture Renda Fixa Debênture O produto A debênture é um investimento em renda fixa. Trata-se de um título de dívida que gera um direito de crédito ao investidor. Ou seja, o mesmo terá direito a receber uma remuneração

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES - ARR

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES - ARR PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES - ARR 1. Objetivo da Outorga de Opções 1.1. O Plano de Opção de Compra de Ações da JHSF Participações S.A. ( Companhia ), instituído nos termos do art. 168, 3º, da Lei

Leia mais

COORDENADORIA DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA E TAXAS SUBSECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

COORDENADORIA DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA E TAXAS SUBSECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO COORDENADORIA DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA E TAXAS SUBSECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO PORTARIA F/SUBTF/CIS N.º 178 DE 25 DE OUTUBRO DE 2010 Dispõe sobre cancelamento de guia de

Leia mais

14/2/2013 DIRF-2013. Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado

14/2/2013 DIRF-2013. Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado DIRF-2013 Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado 1 Obrigatoriedade de apresentação Programa gerador A apresentação Prazo de apresentação Retificação Processamento

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO (MEDIDA PROVISÓRIA Nº 1.925 DE 14/10/1999)

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO (MEDIDA PROVISÓRIA Nº 1.925 DE 14/10/1999) CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO (MEDIDA PROVISÓRIA Nº 1.925 DE 14/10/1999) JOAQUIM ANTONIO VIZEU PENALVA SANTOS Desembargador TJ/RJ 1. DEFINIÇÃO 1) É um título de crédito emitido por pessoa física ou jurídica

Leia mais

TELEFONES: (0XX11) 3175 5351 Mesa de Operações FAX: (0XX11) 3283 5849

TELEFONES: (0XX11) 3175 5351 Mesa de Operações FAX: (0XX11) 3283 5849 REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BM&F TELEFONES: (0XX11) 3175 5351 Mesa de Operações FAX: (0XX11) 3283 5849 ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. Nº 04, com sede no Município de São Paulo,

Leia mais