XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA"

Transcrição

1 A GRAMÁTICA DE USOS DO PORTUGUÊS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA PROPOSTA DE ENSINO Camila Rodrigues da Silva (UFT) Luiz Roberto Peel Furtado de Oliveira (UFT) RESUMO O presente estudo aborda a relevância da gramática de usos do português na contemporaneidade, evidenciando sua proposta para o ensino. Nesse sentido, iremos refletir uma gramática de uso idealizada por Maria Helena de Moura Neves (2000) para compreender as aplicabilidades do uso de português. Os aportes teóricos da abordagem da análise de discurso fornecem subsídios para o estudo dos fenômenos internos, pois a produção dos discursos é carregada de ideologias. É necessário que se compreenda que há uma ligação entre a diversidade linguística e a escola. As propostas das gramaticas de uso compreendem, então, as consequências dessas variações no ensino e os desafios que o contexto escolar vivencia. Palavras chave: Gramática de uso. Diversidade linguística. Ensino. 1. Considerações iniciais Nos dias atuais percebe-se que os usos das gramáticas normativas prevalecem no sistema educacional brasileiro. Nesse aspecto, a educação formal exige mais a norma padrão no ensino da língua portuguesa. Essa predominância aborda inúmeros embates e reflexões sobre a finalidade do ensino da língua materna, pois os falantes vêm apresentando dificuldades no que refere à estrutura formal da língua portuguesa. Para compreendermos esses confrontos, utilizaremos como aporte teórico as obras de Maria Helena M. Neves (2002), pois a autora além de refletir o ensino da língua portuguesa nos fornece subsídios de como e para que ensinar a língua materna. E GEOGRAFIA LINGUÍSTICA. RIO DE JANEIRO: CIFEFIL,

2 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos As contradições existentes entre os discursos do ensino do português nos faz indagar sobre alguns aspectos: o que vem a ser uma gramática e qual a sua função para os aprendizes da língua materna? A escola é constituída de seres heterogêneo, reprodutora de uma cultura e saberes linguísticos. Vale ressaltar que a análise aqui presente não julgará o que é certo ou errado em relação ao uso da língua, apenas pautará uma proposta de ensino da língua portuguesa. O presente artigo vem com o intuito de ressaltar a relevância da gramatica de usos do português na contemporaneidade, especialmente a contribuição de Maria Helena M. Neves (2000). Nesse sentido, evidenciaremos também o ensino da língua portuguesa na perspectiva da análise do discurso, as consequências da variação linguística no contexto educacional e os desafios da escola na contemporaneidade. 2. A contribuição de Maria Helena M. Neves 1 : análise e embates Sua obra apresenta não apenas extensão máxima como uma qualidade de mais alto grau. Profunda conhecedora da tradição gramatical, ela tem plena noção do preceituário normativista dos nossos compêndios gramaticais. Conhece muito bem, por sua minuciosa pesquisa, como estão sendo distribuídas as diferentes formas no uso vivo da língua. Sua carreira é de uma notável coerência. Conhecê-la e ser seu amigo foi um dos maiores privilégios que a vida acadêmica me ofereceu. (FIORIN) 2 Percebemos por meio do relato de Fiorin (2010), dentre outros autores, a influência imensurável de Neves para o ensino. As análises e reflexões de Neves (2000, 2002, 2003, 2010) embasa a compreensão de gramática e ensino de língua. Neves é uma gramática funcionalista que enfoca os usos linguísticos, analisando a gramática viva. A autora desenvolve trabalhos na área de linguística, com ênfase em teoria e análise linguística, e especialmente 1 Licenciada em Letras (em Português-Grego e em Alemão) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, doutora em Letras Clássicas (Grego) pela Universidade de São Paulo e livredocente (Língua Portuguesa) na Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho (1984). 2 Entrevista realizada pela revista Unesp ciência sobre Maria Helena M. Neves. 10 CADERNOS DO CNLF, VOL. XVIII, Nº 12 SOCIOLINGUÍSTICA, DIALETOLOGIA

3 nos temas gramática de usos, texto e gramática, história da gramática, descrição da língua portuguesa e funcionalismo. Os anos 80 foram imprescindíveis para Neves, nesse período a autora realizou uma pesquisa com 170 professores, do ensino fundamental e médio, para constatar o problema o ensino de gramática portuguesa na escola. Os dados gerados originaram algumas de suas obras, como por exemplo, Análise da Gramática Escolar. Os resultados obtidos pela autora supracitada fizeram com que a sua proposta fosse fundamentada nos princípios teóricos do funcionalismo, um ensino que parte de um contexto, ou seja, o um ensino voltado para a realidade da língua e não da língua estática, para a autora (...). a língua em funcionamento que tem de ser objeto de análise em nível pedagógico, já que a compartimenta. O da gramática como disciplina desvinculada do uso da língua tem sido um dos grandes óbices à própria legitima. O da gramática como disciplina com lugar no ensino da língua portuguesa. A autora propõe um ensino interdisciplinar dentro da própria língua, em vez de disciplina isolada. Vale pontuar que um dos pontos cruciais dos resultados de suas pesquisas, foram os conceitos de gramáticas e sua forma de ensinar. Essas categorias nos faz refletir na formação de professores e nas qualificações continuadas. 3. As concepções das gramáticas de usos: uma proposta de ensino A gramática de usos do português na obra de Neves (2000) é uma referência usada na língua portuguesa na atualidade. A autora parte dos próprios itens lexicais e gramaticais da língua e, explicitando o seu uso em textos reais (2000, p. 13). Segundo a autora esse tipo de gramática parte das tradicionais classes de palavras e com o objetivo de prover uma descrição do uso efetivo dos itens da língua, compondo uma gramática referencial da língua portuguesa (2000, p. 14). Percebemos que a proposta de Neves contribui de forma significativa para o ensino da língua portuguesa. A gramática de usos compreender a funcionalidade da língua e não apenas a sua estrutura e classificações, sendo uma das propostas da autora supracitada. Segundo os pressupostos de Neves (2002) gramática E aquilo que arranja e arquiteta a produção de sentidos. É a língua no seu funcionamento. A maior parte do que se decora nas aulas de gramática não é verdade, porque não é assim que a linguagem funciona. E GEOGRAFIA LINGUÍSTICA. RIO DE JANEIRO: CIFEFIL,

4 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Uma das críticas que a autora menciona em suas obras são as maneiras em que língua é ensinada, a autora ressalta ainda que as escolas ensinam gramatiquice em vez da sua aplicabilidade. Esse tipo de gramática, conforme Travaglia (2003, p. 30), é aquela que estuda apenas os fatos da língua padrão, da norma culta de uma língua, norma essa que se tornou oficial. [...] Essa gramática considera apenas uma variedade da língua como sendo a língua verdadeira. Esse conjunto de regras configura-se como uma espécie de lei que regula o bom uso da língua em uma sociedade. A língua, nesse caso, é vista apenas como um conjunto de regras e essas características são notórios na gramática normativa. A partir das novas reformulações no sistema educacional, faz-se necessário um tipo de ensino que aborda uma gramática que atenda tanto as suas particularidades, aplicabilidades e estruturação da língua. Segunda Travaglia (2002, p. 24), a gramática mais condizente ao atual contexto escolar e social é aquela que aborda uma descrição da estrutura e funcionamento da língua, de sua forma e função, bem como registrar, para uma variedade da língua [...] o modo e as condições de uso dos mesmos. Percebemos que a gramática vista apenas como um conjunto de regras não supre mais as particularidades do uso de português, ou seja, a gramática deve prover uma descrição do uso efetivo dos itens da língua. (NEVES, 2000, p. 14) A gramática proposta pela autora dirige-se a dois grupos de destinatários: um para facilidade de acompanhamento pelo público comum e estudantes, de outro, aos estudiosos da língua, que podem [...]assentar suas explorações no conhecimento das investigações já efetuadas (p. 14). 4. Ensino de gramática X heterogeneidade linguística: consequências sociais Vivemos em uma sociedade poliglota dentro do próprio país, em decorrência dessa diversidade, em que aspectos o ensino da língua vem priorizando? Segundo Guimarães (2002, p. 21) A língua que falamos está regulada por uma regulação com a língua do Estado enquanto uma língua, a língua (una) do Estado: gramatizada, normatizada. 12 CADERNOS DO CNLF, VOL. XVIII, Nº 12 SOCIOLINGUÍSTICA, DIALETOLOGIA

5 De acordo com Bortoni-Ricardo (2006, p. 14) a escola é norteada para ensinar a língua da cultura dominante; tudo que se afasta desse código é defeituoso e deve ser eliminado. Posenti (1998, p. 17) acrescente ainda que o objetivo da escola é ensinar o português padrão. Tendo como base as asserções mencionadas percebemos um confronto entre a língua falada, escrita e a exigida. O ensino da língua portuguesa deve abranger uma heterogeneidade linguística e não se restringindo apenas a sua padronização. O aprendiz deve ser visto como uma complexa rede de fatores extralinguísticos que interferem em suas interações linguísticas ou discursivas. Desse modo, o conhecimento prévio do aluno é aprimorado e seu contexto social, político e econômico não é censurado. Mollica e Braga (2005) apontam que, até o ingresso na escola, o falante nativo de português possui domínio completo do padrão coloquial da língua e que a escola fornece a educação formal. Luft (1985) complementa essa asserção mencionando que todo falante nativo compreende sua língua materna, já possuindo uma gramática internalizada. Nesse aspecto, o educador deve respeitar a variedade linguística existente no contexto escolar. Orlandi (2005) corrobora com uma ideia de que não podemos dissociar as condições históricas- políticas e sociais da colonização brasileira, fatores esses que contribuíram para a diversidade linguística. A língua una é herança da colonização [...]. Temos uma diversidade linguística, e, é preciso tornar visíveis essas diferenças, falamos diferente, produzimos diferentes discursividades, e, é esse sentido que dever ser atribuído a palavra descolonização. (ORLANDI, 2005, p. 18). A língua é a ponte que liga o emissor e receptor. No entanto, é nela que se dão todos os conflitos entre estes resultantes de diferentes condições de produção de sentidos (ORLANDI, 2003). Confrontos que geram exclusão linguística. Dentro dessa temática podemos fazer um diálogo com a abordagem da análise do discurso, que percebemos a língua pelos seus fenômenos internos, sendo envolvida pelos elementos históricos, sociais, culturais e ideológicos que refletem na produção do discurso. Orlandi (2003) informa que a relação do sujeito com a linguagem é complexa e o sujeito nunca é homogêneo. A análise do discurso, conforme Brandão (1986, p. 18), E GEOGRAFIA LINGUÍSTICA. RIO DE JANEIRO: CIFEFIL,

6 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos [...] toma a linguagem como um fenômeno que deve ser estudado não só em relação ao seu sistema interno, enquanto formação linguística a exigir de seus usuários uma competência específica, mas também enquanto formação ideológica, que se manifesta através de uma competência socioideológica [...]. Em base nos aportes teóricos mencionados, percebemos a língua como prática social e que o discurso é heterogêneo constitutivamente, ou seja, compõe-se de várias vozes para sua formação e que o discurso é uma prática social. Para a análise do discurso é de extrema importância o caráter material do sentido e a historicidade do sujeito. Bourdieu (1983) percebe que a compreensão e domínio da linguagem deve envolver seu uso social, uma vez que se trata de uma práxis. Nesse aspecto, os que falam consideram os que escutam dignos de escutar e os que escutam consideram os que falam dignos de falar (BOUR- DIEU, 1983, p. 6). De acordo com o autor mencionado anteriormente, a estrutura das relações de forças entre os grupos sociais prevalece no ato da fala, determinando assim, como e para quem falar. Desta maneira, o discurso supõe um emissor legítimo dirigindo-se a um destinatário legítimo, reconhecido e reconhecedor (BOURDIEU, 1983, p. 6). Desse modo, a fala como meio de comunicação determina quem pode se sobressair com mais predominância no discurso. A língua é como um constituinte de uma prática social, em que são consideradas as relações interpessoais e os papéis sociais em contextos específicos, ver Motta-Roth (2006, p. 495). Percebemos inúmeros embates do que é exigido pelos âmbitos escolares e o que eles estão reproduzindo socialmente. Bordieu afirma que a escola é um local propicio de controle e camuflam os preconceitos reproduzidos nesse âmbito, o autor categoriza essa situação como violência simbólica. Para Bourdieu e Passeron (1992, p. 213). Se, no caso particular das relações entre a Escola e as classes sociais, a harmonia parece perfeita, é que as estruturas objetivas produzem o habitus de classe, e em particular as disposições e as predisposições que, gerando as práticas adaptadas a essas estruturas, permitem o funcionamento e a perpetuação dessas estruturas. Os autores informam que o sistema de ensino educacional consiste dentro de uma sociedade capitalista tem uma dupla função: a reprodução da cultura e a reprodução da estrutura de classes. Essas funções são consequências linguísticas. 14 CADERNOS DO CNLF, VOL. XVIII, Nº 12 SOCIOLINGUÍSTICA, DIALETOLOGIA

7 De acordo com Bagno (2003, p. 70) são nas relações entre língua e poder o que realmente pesa é o prestígio ou a falta de prestígio social do falante. Os autores mencionados nos leva a refletir sobre a real intenção do ensino na contemporaneidade: incluir ou excluir. A educação na atualidade vive um desafio na sua forma de ensinar e os caminhos trilhados pelas ações pedagógicas devem ter intencionalidade de integração social, ultrapassando o conceito de gramática. Desse modo, as escolas devem adotar um ensino que contemplem a heterogeneidade e não homogeneidade como vimos predominante. 5. Considerações finais reflexivas Nenhuma língua permanece a mesma em todo o seu domínio e, ainda num só local, apresenta um semnúmero de diferenciações. (.) Mas essas variedades de ordem geográfica, de ordem social e até individual, pois cada um procura utilizar o sistema idiomático da forma que melhor lhe exprime o gosto e o pensamento, não prejudicam a unidade superior da língua, nem a consciência que têm os que a falam diversamente de se servirem de um mesmo instrumento de comunicação, de manifestação e de emoção. (CUNHA, 1975, p. 38) Na atualidade propaga-se a inclusão social, não compreendo o processo que a língua vincula. Os educadores devem rever algumas práticas acerca do ensino de língua materna. Nesse processo, o papel do professor é de grande destaque, pois é ele quem irá mediar e proporcionar um ensino que contemple todas essas exigências. De acordo com Freire, É desvelando o que fazemos desta ou daquela forma, à luz de conhecimento que a ciência e a filosofia oferecem hoje, que nos corrigimos e nos aperfeiçoamos. É a isso que chamo pensar a prática e é pensando a prática que aprendo a pensar e a praticar melhor. E quanto mais penso e atuo assim, mais me convenço, por exemplo, de que é impossível ensinarmos conteúdos sem saber como pensam os alunos no seu contexto real, na sua cotidianidade. Sem saber o que eles sabem independentemente da escola para que os ajudemos a saber melhor o que já sabem, de um lado e, de outro, para, a partir daí, ensinar-lhes o que ainda não sabem (1998, p. 105). O autor ressalva a importância que o conhecimento do senso comum tem no ensino e aprendizagem e que o professor deve conhecer a realidade em que se vai atuar. Para ele temos a capacidade de nos moldarmos e repensar sobre nossas práticas. E GEOGRAFIA LINGUÍSTICA. RIO DE JANEIRO: CIFEFIL,

8 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O sistema educacional vivências as propostas do capitalismo, gerando assim a predominância social (classes dominantes) reproduzida sutilmente pelos âmbitos escolares. No entanto, precisamos romper paradigmas gramaticais para que o ensino seja significativo para o aluno. A pesquisa pautada nesse artigo buscou propor uma forma de ensino das gramáticas que abrangesse as peculiaridades tantos dos alunos quantos da língua. Os educadores são os grandes responsáveis pela mediação desse conhecimento, que no qual devem fazer sentido para o aluno. A proposta da gramática de uso evidencia a linguagem em seus contextos, adequando-se as diversas possibilidades de uso gramatical. Assim é notório que esse tipo de gramática contempla os usos de português. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAGNO, M. Português ou brasileiro? Um convite à pesquisa. São Paulo: Parábola, A normal culta: língua & poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola, Nós cheguemos à escola, e agora? Sociolinguística e educação. São Paulo: Parábola, BRANDÃO, Helena H. Nagamine. Introdução da análise do discurso. Campinas: Unicamp, BRASIL/MINC Diversidade linguística do Brasil. Relatório de Atividades do Grupo de Trabalho da Diversidade Linguística do Brasil, BOURDIEU, P. A economia das trocas linguísticas. In: ORTIZ, R. (Org.). Bourdieu sociologia. São Paulo: Ática, FRANCHI, E. Pedagogia da alfabetização: da oralidade à escrita. 5. ed. São Paulo: Cortez, FREIRE, P. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 9. ed. São Paulo: Olho d Água, CADERNOS DO CNLF, VOL. XVIII, Nº 12 SOCIOLINGUÍSTICA, DIALETOLOGIA

9 ILLARI, R.; BASSO, R. O português da gente: a língua que estudamos a língua que falamos. São Paulo: Contexto, MOLLICA, M. C. Fala, letramento e inclusão social. São Paulo: Contexto, NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP, POSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: Mercado de Letras: ABL, ORLANDI, E. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2003a.. Discurso e leitura. 6. ed. São Paulo: Cortez, E GEOGRAFIA LINGUÍSTICA. RIO DE JANEIRO: CIFEFIL,

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Universidade Estácio de Sá Campus Nova América Rio de Janeiro, 25 a 29 de agosto de 2014 ISSN: 1519-8782 CADERNOS DO CNLF, VOL. XVIII, Nº 12 SOCIOLINGUÍSTICA,

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS Adriana Cristina Cristianini (USP, UNIBAN) dricris@usp.br Márcia Regina Teixeira

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A SOCIOLINGUÍSTICA COMO ATIVIDADE NO CURRICULO ESCOLAR DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia Furtado de Mendonça Cyranka (UFJF) lucia.cyranka@uol.com.br Lívia Nascimento Arcanjo (UFJF) Simone Rodrigues Peron (UFJF)

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 RESUMO Sirlei de Faria Andrade¹ Nesta pesquisa, o objeto de estudo é análise da apresentação dos pronomes demonstrativos nas gramáticas de Bechara

Leia mais

O PAPEL DAS HABILIDADES DE REFLEXÃO FONOLÓGICA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

O PAPEL DAS HABILIDADES DE REFLEXÃO FONOLÓGICA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) O PAPEL DAS HABILIDADES DE REFLEXÃO FONOLÓGICA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) Autor(a): Ana Paula Campos Cavalcanti Soares Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Educação Centro

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

OS TIPOS DE PLANEJAMENTO NUMA UNIDADE DE ENSINO: UMA REFLEXÃO SOBRE A GESTÃO ESCOLAR E A PRÁTICA DOCENTE

OS TIPOS DE PLANEJAMENTO NUMA UNIDADE DE ENSINO: UMA REFLEXÃO SOBRE A GESTÃO ESCOLAR E A PRÁTICA DOCENTE OS TIPOS DE PLANEJAMENTO NUMA UNIDADE DE ENSINO: UMA REFLEXÃO SOBRE A GESTÃO ESCOLAR E A PRÁTICA DOCENTE David Christian de Oliveira Pereira¹ Josivânia Maria de Almeida² RESUMO: Planejar é preciso. O Planejamento

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS Aline Almeida de Araújo 1 RESUMO A sociolinguística estuda as variações do meio social, procura entender e explicar as várias maneiras de expressão dos falantes.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG 1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 3º SEMESTRE 4º SEMESTRE 5º SEMESTRE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG 1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 3º SEMESTRE 4º SEMESTRE 5º SEMESTRE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas / MG - CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 Dinâmica Curricular do Curso

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO Carina Pereira de Paula Cristina Monteiro da Silva Juliana Aparecida Chico de Morais (Gdas-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora-

Leia mais

UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA

UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA José de Jesus de Oliveira 1 (Fac. Signorelli) Siderlene Muniz-Oliveira 2 (UTFPR) Resumo: Esta comunicação tem como objetivo

Leia mais

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática José Adson D. Pacheco & Janaina V. Barros - UPE Resumo: O presente artigo avalia a utilização de softwares educativos de matemática na sala de aula

Leia mais

ESCOLA X LÍNGUA PADRÃO, IDEOLOGIA E PRECONCEITO LINGÜÍSTICO

ESCOLA X LÍNGUA PADRÃO, IDEOLOGIA E PRECONCEITO LINGÜÍSTICO 1 ESCOLA X LÍNGUA PADRÃO, IDEOLOGIA E PRECONCEITO LINGÜÍSTICO LIDIANE SCHLOTEFELDT SOBROZA 1 lidisobrosa@yahoo.com.br ABSTRACT El presente artigo objetiva traer reflexiones acerca de la relaciones entre

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETOS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Palavras-chave: Educação Infantil Metodologia de Projetos Formação de professores

METODOLOGIA DE PROJETOS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Palavras-chave: Educação Infantil Metodologia de Projetos Formação de professores Resumo: METODOLOGIA DE PROJETOS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES 1 Edeliane Melo Boeira ¹ Nureive Goularte Bissaco ² Lisandra Pacheco da Silva O presente trabalho surgiu a partir de nossas inquietações frente

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO

A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO Sandra Maria Zanello de Aguiar, e-mail:szaguiar@gmail.com. Universidade Estadual do Centro-Oeste/Setor de Ciências Sociais Aplicadas.

Leia mais

A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA EM DOIS LIVROS DIDÁTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA Michelle de Oliveira (UERJ) michelle_letras@oi.com.br

A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA EM DOIS LIVROS DIDÁTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA Michelle de Oliveira (UERJ) michelle_letras@oi.com.br A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA EM DOIS LIVROS DIDÁTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA Michelle de Oliveira (UERJ) michelle_letras@oi.com.br 1. Introdução O Brasil, país com grande diversidade linguística- cerca de duzentas

Leia mais

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES EM AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES EM AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS CONCEPÇÕES DE PROFESSORES EM AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS ALMEIDA *, Laura Isabel Marques Vasconcelos de. UFMT laura.isabel@terra.com.br DARSIE **, Marta Maria Pontin. UFMT

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO.

PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO. PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO. LETICIA VICENTE PINTO TEIXEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS). Resumo É sabido o quanto é grande o esforço das escolas em ensinar a leitura

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. UEPB E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br Aldeci Luiz de Oliveira Profa. Dra. PMCG E-mail:

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Elisa Cristina Amorim Ferreira Universidade Federal de Campina Grande elisacristina@msn.com RESUMO: O trabalho docente é uma atividade

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO SUBPROJETO PIBID/EDF NO PROCESSO DE PLANEJAMENTO DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ANOS INICIAIS

A CONTRIBUIÇÃO DO SUBPROJETO PIBID/EDF NO PROCESSO DE PLANEJAMENTO DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ANOS INICIAIS A CONTRIBUIÇÃO DO SUBPROJETO PIBID/EDF NO PROCESSO DE PLANEJAMENTO DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ANOS INICIAIS JAQUELINE WELTER Acadêmica do Curso de Licenciatura em Educação Física da UFSM RENATA

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL: PRAZER EM CONHECER

EDUCAÇÃO SEXUAL: PRAZER EM CONHECER EDUCAÇÃO SEXUAL: PRAZER EM CONHECER COSTA, Alex Juvêncio Graduando em Ciência da Computação, Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências aplicadas e Educação, Departamento de Ciências Exatas. Email:

Leia mais

Palavras-chave: Formação continuada de professores, cinema, extensão universitária.

Palavras-chave: Formação continuada de professores, cinema, extensão universitária. CINEMA UNIVERSITÁRIO: A EXTENSÃO COMO ESPAÇO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO (UNEMAT) André Luiz Borges Milhomem (UNEMAT) Egeslaine de Nez (UNEMAT) Maria

Leia mais

ESTUDANDO A IDENTIDADE DOCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA UFPR SETOR LITORAL

ESTUDANDO A IDENTIDADE DOCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA UFPR SETOR LITORAL ESTUDANDO A IDENTIDADE DOCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA UFPR SETOR LITORAL Resumo Bruno da Silva Piva Picon 1 - UFPR Sérgio Camargo 2 - UFPR Grupo de Trabalho - Formação de Professores e

Leia mais

O PAPEL DO ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

O PAPEL DO ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 119 O PAPEL DO ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Andreia Maria Cavaminami Lugle 2 Cassiana Magalhães 3 RESUMO: Esse artigo tem como objetivo refletir sobre o papel

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765 UMA ABORDAGEM REFLEXIVA SOBRE AS PRATICAS DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO ESCOLAR SILVA, Ana Raquel Henriques 1. (UFCG) ARAÙJO, Gérssica Xavier Brito de 2. (UFCG) RAFAEL, Edmilson Luiz 3. (Orientador) RESUMO

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

A MEDIAÇÃO ARTICULADA COM USO DE TECNOLOGIAS: CONTRUÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA INCLUSÃO

A MEDIAÇÃO ARTICULADA COM USO DE TECNOLOGIAS: CONTRUÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA INCLUSÃO A MEDIAÇÃO ARTICULADA COM USO DE TECNOLOGIAS: CONTRUÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA INCLUSÃO Resumo Silvana Souza Silva Alves 1 - UnB Amaralina Miranda de Souza 2 - UnB Grupo de Trabalho Diversidade e inclusão

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL

GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL Camila Petrucci dos Santos Rosa. Eliana Marques Zanata. Antônio Francisco Marques. UNESP/Bauru. CAPES/PIBID. camilinha_rosa@hotmail.com. eliana@fc.unesp.br.

Leia mais

Prática como Componente Curricular nas disciplinas de língua da habilitação em Letras/Alemão: alguma novidade?

Prática como Componente Curricular nas disciplinas de língua da habilitação em Letras/Alemão: alguma novidade? 294 Prática como Componente Curricular nas disciplinas de língua da habilitação em Letras/Alemão: alguma novidade? Dörthe Uphoff 1 Titel: Prática como Componente Curricular in Deutschkursen im Rahmen des

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

A ESCRITA NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: INSTRUMENTOS USUAIS DE REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA

A ESCRITA NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: INSTRUMENTOS USUAIS DE REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA A ESCRITA NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: INSTRUMENTOS USUAIS DE REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA Maria do Carmo Costa Maciel Especialista PROFEBPAR/UFMA Domício Magalhães Maciel Mestre

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

RESUMO: INTRODUÇÃO EDIÇÃO Nº 12, SETEMBRO DE 2013 ARTIGO RECEBIDO ATÉ 10/09/2013 ARTIGO APROVADO ATÉ 20/09/2013

RESUMO: INTRODUÇÃO EDIÇÃO Nº 12, SETEMBRO DE 2013 ARTIGO RECEBIDO ATÉ 10/09/2013 ARTIGO APROVADO ATÉ 20/09/2013 A IMPORTÂNCIA DA SOCOLINGUÍSTICA PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA Dirlene Santos de Araujo 1 Adriana Lúcia de Escobar Chaves de Barros 2 RESUMO: Este trabalho visa discorrer sobre a

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Unidade I ESCOLA, CURRÍCULO E CULTURA. Profa. Viviane Araujo

Unidade I ESCOLA, CURRÍCULO E CULTURA. Profa. Viviane Araujo Unidade I ESCOLA, CURRÍCULO E CULTURA Profa. Viviane Araujo Definindo alguns conceitos Escola podemos pensar uma série de questões quando tratamos do termo escola: lugar; espaço físico; organização; relações

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E AS PRÁTICAS DE ENSINO NO ESPAÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Alfabetização. Letramento. Formação. Métodos de alfabetização.

ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E AS PRÁTICAS DE ENSINO NO ESPAÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Alfabetização. Letramento. Formação. Métodos de alfabetização. ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E AS PRÁTICAS DE ENSINO NO ESPAÇO ESCOLAR Ana Claudia Rodrigues - Graduanda de Pedagogia - UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia - UEPB Ana Paula Martins Costa

Leia mais

FENÔMENOS GRAMATICIAS RELEVANTES PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR

FENÔMENOS GRAMATICIAS RELEVANTES PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR FENÔMENOS GRAMATICIAS RELEVANTES PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR Silvone Fernandes Melchior SILVA (PG-UFG) Silvia.melchior@hotmail.com Vânia Cristina Casseb

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas DISCIPLINA: Atividades de Estágio em Língua Portuguesa (Licenciatura em Letras)

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 Carla Cristina MARINHO 2. Sadao OMOTE 3. Faculdade de Filosofia e Ciências,

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (RE)DISCUTINDO AS ATIVIDADES DE LEITURA EM LIVROS DIDÁTICOS DE LINGUA PORTUGUESA SOB O VIÉS DO LETRAMENTO CRÍTICO Rosenil Gonçalina dos Reis e Silva (UFMT) rosenilreis@gmail.com Simone de Jesus Padilha

Leia mais

ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR)

ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR) ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR) Resumo GOMES, Érica Dias 1 - UNICENTRO Grupo de Trabalho Formação de professores e profissionalização

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

Nos últimos anos, ocorreram várias discussões, debates e publicação de obras

Nos últimos anos, ocorreram várias discussões, debates e publicação de obras O TRATAMENTO DO CONCEITO DE GRAMÁTICA NOS LIVROS DIDÁTICOS Clécio Bunzen * Resumo: Este trabalho pretende investigar qual o conceito de gramática subjacente em três coleções de livros didáticos e como

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NUMA ESCOLA DO CAMPO

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NUMA ESCOLA DO CAMPO eliane.enaile@hotmail.com Introdução Nos últimos anos, as reflexões realizadas sobre a alfabetização têm mostrado que a aquisição da escrita é um processo complexo e multifacetado. Nesse processo, considera

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA Tema debatido na série Integração de tecnologias, linguagens e representações, apresentado no programa Salto para o Futuro/TV Escola, de 2 a 6 de maio de 2005 (Programa 1) INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO 1268 PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO Rodrigo Rodrigues Menegon, Sérgio Augusto Gouveia Júnior, Marcia Regina Canhoto Lima, José Milton Lima Universidade Estadual Paulista

Leia mais

UMA ANÁLISE DO USO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO

UMA ANÁLISE DO USO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO UMA ANÁLISE DO USO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO Bernardete Maria Andreazza Gregio Universidade Federal do Mato Grosso do Sul bernardetegregio@gmail.com

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

AULAS DE ORATÓRIA: DO ENSINO DO GÊNERO ORAL FORMAL À CONSTITUIÇÃO IDENTITÁRIA

AULAS DE ORATÓRIA: DO ENSINO DO GÊNERO ORAL FORMAL À CONSTITUIÇÃO IDENTITÁRIA 1 AULAS DE ORATÓRIA: DO ENSINO DO GÊNERO ORAL FORMAL À CONSTITUIÇÃO IDENTITÁRIA Bianca Alves LEHMANN 1 Universidade Federal de Pelotas/UFPel biancalehmann@gmail.com Resumo: A competência comunicativa é

Leia mais

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CHERUBINI, Iris Cristina Barbosa (UNIOESTE) Resumo: Este trabalho tem por propósito divulgar a importância da brincadeira

Leia mais

PIBID LETRAS PORTUGUÊS: UMA INTERSEÇÃO DE SABERES DA LINGUÍSTICA ENTRE A UNIVERSIDADE E A FORMAÇÃO ESCOLAR BÁSICA

PIBID LETRAS PORTUGUÊS: UMA INTERSEÇÃO DE SABERES DA LINGUÍSTICA ENTRE A UNIVERSIDADE E A FORMAÇÃO ESCOLAR BÁSICA PIBID LETRAS PORTUGUÊS: UMA INTERSEÇÃO DE SABERES DA LINGUÍSTICA ENTRE A UNIVERSIDADE E A FORMAÇÃO ESCOLAR BÁSICA Samara Pereira Baleeiro Rocha (UNIMONTES) hayamyribeirodias@ymail.com Hayamy Ribeiro Dias

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação

Universidade de Brasília Faculdade de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Brasília Faculdade de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Relatório Final do Projeto Pontes M.Sc. Marli Vieira Lins de Assis Esp. Raimundo Nonato Damasceno Júnior Brasília DF

Leia mais

Conteúdos Específicos Professor Ensino Superior - Educação Infantil

Conteúdos Específicos Professor Ensino Superior - Educação Infantil Conteúdos Específicos Professor Ensino Superior - Educação Infantil 31) De acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil, a Criança, centro do planejamento curricular, é considerada

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

ENTENDENDO A RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ENTENDENDO A RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ENTENDENDO A RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Ana Paula Moreira Sousa 1 RESUMO: Este trabalho tem o intuito de divulgar, no campo científico, uma pesquisa

Leia mais

MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA EM AULAS DE FÍSICA DO ENSINO MÉDIO: ANALISANDO EPISÓDIOS DE AULAS SOBRE ENERGIA POR MEIO DA ABORDAGEM HISTÓRICO CULTURAL

MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA EM AULAS DE FÍSICA DO ENSINO MÉDIO: ANALISANDO EPISÓDIOS DE AULAS SOBRE ENERGIA POR MEIO DA ABORDAGEM HISTÓRICO CULTURAL IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA EM AULAS DE FÍSICA DO ENSINO MÉDIO: ANALISANDO EPISÓDIOS DE

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

IDENTIDADE DOCENTE: REPRESENTAÇÕES E SIGNIFICADOS DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA

IDENTIDADE DOCENTE: REPRESENTAÇÕES E SIGNIFICADOS DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA IDENTIDADE DOCENTE: REPRESENTAÇÕES E SIGNIFICADOS DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA Karla Rodrigues de Almeida; Gilberto Ivens de Araújo Tavares Universidade Federal de Campina Grande karlaalmeida.1@hotmail.com;

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA COMO AÇÃO METODOLÓGICA PARA A QUALIFICAÇÃO DE EDUCADORES

A FORMAÇÃO CONTINUADA COMO AÇÃO METODOLÓGICA PARA A QUALIFICAÇÃO DE EDUCADORES A FORMAÇÃO CONTINUADA COMO AÇÃO METODOLÓGICA PARA A QUALIFICAÇÃO DE EDUCADORES Patrícia Mendes Calixto IFSul Campus Bagé RESUMO: O texto apresenta uma reflexão sobre um processo de formação continuada

Leia mais

Palavras-chave: Ensino de Ciências, Prática Pedagógica, Formação de Professores.

Palavras-chave: Ensino de Ciências, Prática Pedagógica, Formação de Professores. 165 ANÁLISE DA FORMAÇÃO DIDÁTICA PEDAGÓGICA DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACIMED Reginaldo de Oliveira Nunes 1 Rosana de Oliveira Nunes Neto 2 RESUMO A definição dos paradigmas formativos

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL ORIENTADOR(ES): ILZA ALVES FERREIRA GONÇALVES DA SILVA, JOÃO ANGELO SEGANTIN

TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL ORIENTADOR(ES): ILZA ALVES FERREIRA GONÇALVES DA SILVA, JOÃO ANGELO SEGANTIN TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: LETRAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): DULCELENA RIBEIRO

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010) COMUNICAÇÃO, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA C/H 68 (D0031/I) Informação e conhecimento no processo educativo. Recursos de

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 INFLUÊNCIAS MÚTUAS DE UMA MODALIDADE SOBRE A OUTRA NO INCONSCIENTE DE UM INDIVÍDUO COM UM ALTO GRAU DE LETRAMENTO José Mario Botelho (UERJ e ABRAFIL) botelho_mario@hotmail.com Marcela Cockell (UERJ) marcelacockell@hotmail.com

Leia mais

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas 14.1. Treinamento é investimento O subsistema de desenvolver pessoas é uma das áreas estratégicas do Gerenciamento de Pessoas, entretanto em algumas organizações

Leia mais

O Pensamento complexo de Edgar Morin e a conjugação verbal em livros didáticos de PLE

O Pensamento complexo de Edgar Morin e a conjugação verbal em livros didáticos de PLE O Pensamento complexo de Edgar Morin e a conjugação verbal em livros didáticos de PLE Linei Matzenbacher ZAMPIETRO (USP, São Paulo - Brasil) 1. Introdução O paradigma complexo pretende-se uma ciência-tronco

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

Formação Contínua Sob Enfoque: Professor de Língua Inglesa

Formação Contínua Sob Enfoque: Professor de Língua Inglesa 1 Formação Contínua Sob Enfoque: Professor de Língua Inglesa Autora: Aline Silva Oliveira Acadêmica do 7 período do curso de Letras/Inglês UNIMONTES - Campus UNAÍ aline_silva000@yahoo.com.br Co-autores:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Ensino. Aprendizagem. Formação docente.

PALAVRAS-CHAVE Ensino. Aprendizagem. Formação docente. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE

Leia mais

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação 1 Processo de formação de professores um olhar para a dança. Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação A Constituição Federal de

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA? Jemis Sabrina Alves de Oliveira 1 Valdirene Alves de Oliveira 2 Resumo: O presente artigo pretende discutir

Leia mais

A Prática como Componente Curricular nos Cursos de Licenciatura em Matemática

A Prática como Componente Curricular nos Cursos de Licenciatura em Matemática A Prática como Componente Curricular nos Cursos de Licenciatura em Matemática Kely Fabricia Pereira Nogueira 1 Patrícia Sândalo Pereira 2 RESUMO Este trabalho desenvolvido no Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE EDUCACIONAL: PERSPECTIVAS SOB O OLHAR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE EDUCACIONAL: PERSPECTIVAS SOB O OLHAR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE EDUCACIONAL: PERSPECTIVAS SOB O OLHAR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL CAMARGO, Renata Gomes UFSM re_kmargo@hotmail.com Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou

Leia mais

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Girllaynne Marques Vinícius Nicéas 1 Universidade Federal de Pernambuco A obra A norma oculta, do linguista brasileiro Marcos Bagno 2 (2003),

Leia mais

A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL: NA PRÁTICA, A TEORIA É OUTRA?

A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL: NA PRÁTICA, A TEORIA É OUTRA? A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL: NA PRÁTICA, A TEORIA É OUTRA? Alessandro Tomaz Barbosa (Bolsista PROLICEN/PRG/UFPB Programa de Pós-Graduação em Educação Científica

Leia mais

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras Luciana Virgília Amorim de Souza¹ RESUMO O trabalho busca questionar os métodos ensinados para praticar a Língua Inglesa nas escolas. O inglês, no Brasil,

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

O ELO ENTRE A EDUCAÇÃO TRANSFORMADORA E A REPRODUTORA: PERSPECTIVAS NUMA ANÁLISE DA EDUCAÇÃO ESCOLAR

O ELO ENTRE A EDUCAÇÃO TRANSFORMADORA E A REPRODUTORA: PERSPECTIVAS NUMA ANÁLISE DA EDUCAÇÃO ESCOLAR O ELO ENTRE A EDUCAÇÃO TRANSFORMADORA E A REPRODUTORA: PERSPECTIVAS NUMA ANÁLISE DA EDUCAÇÃO ESCOLAR Franceline Priscila Gusmão 1 Orient.: Profº Dr. Claudinei Spirandelli 2 CONTATO - gusmaof@hotmail.com

Leia mais

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE METODOLOGIA PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS E ALFABETIZAÇÃO FORMAÇÃO DE DOCENTES

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais