O COLÉGIO MILITAR DE CURITIBA: A MENTALIDADE DESEJADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O COLÉGIO MILITAR DE CURITIBA: A MENTALIDADE DESEJADA"

Transcrição

1 O COLÉGIO MILITAR DE CURITIBA: A MENTALIDADE DESEJADA Ana Maria Irribarem Soares Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPR MESA-REDONDA Nº 35 Eixo Temático 6 Educação, Cidadania e Intercultura O primeiro colégio militar do Brasil foi fundado em 1888, ainda no Império e tinha a educação assistencial como objetivo primeiro, no sentido de desenvolver uma ação educativa para a melhor formação dos alunos, dando a eles condições para a vida profissional futura, civil ou militar. O nascimento do primeiro colégio militar foi articulado pelo Conselheiro Thomaz José Coelho de Almeida, ministro da Guerra, inspirado em planos do Duque de Caxias. O Colégio Militar do Rio de Janeiro foi um dos pioneiros na educação sistematizada leiga no Brasil, seguindo o padrão dos Colégios Militares europeus, dos quais herdou a forma de organização escolar, o conceito de qualidade de ensino de base positivista e uma utilização intensiva de meios auxiliares de ensino, como aponta VIANNA. (2001, p.12) O princípio assistencial dos primeiros tempos do Colégio Militar justifica-se pelo discurso de abrigo aos órfãos e os filhos dos inválidos da Guerra do Paraguai. Por este motivo o ensino deveria ter qualidade, porque seria talvez a única herança para aquelas crianças. Dando assim, a eles, as melhores condições para a vida profissional futura, civil ou militar. (VIANNA, 2001,p.14) Posteriormente o Colégio ganha renome entre a classe média, que via nele uma possibilidade de encaminhar seus filhos para a carreira militar ou para os cursos de engenharia. Com o sucesso acadêmico de seus alunos, o Colégio Militar do Rio de Janeiro passa a ocupar um lugar de destaque dentro da sociedade civil, fazendo com que o Exército passe a entender o colégio militar como importante veículo de propaganda e de conexão com o mundo não militar. Deste modo começa a se dar a expansão dos colégios militares no Brasil, seguindo os moldes ditados pelo Colégio Militar do Rio de Janeiro. Criado por um decreto ministerial no ano de 1956, o Colégio Militar de Curitiba CMC - desde seu início adquiriu características não só militares, mas também tem incorporado algumas tipicamente curitibanas no que diz ao aproveitamento do espaço e tempo dedicado à educação de seus alunos. O Colégio Militar de Curitiba foi criado por decreto no período de governo de Juscelino

2 2 Kubitschek ( ), sendo que o Ministério da Guerra era ocupado pelo então general Henrique Teixeira Lott, que ficou conhecido como o "Marechal da Legalidade". Em 1956, o Estado Maior elaborou o plano que previa a construção de vários colégios militares nas capitais brasileiras, entre elas, Curitiba. Vianna relata que a intenção de constituir um sistema de Colégios Militares no Brasil não se deu sem resistência, sendo as idéias anti bélicas ou da Igreja Católica, representada por seus Colégios expoentes maiores desta resistência. Deste modo, ao chegaram ao Ministério da Guerra, as solicitações vindas do Paraná e a disposição do governador do estado em prestar auxílio na construção de um colégio militar em Curitiba, fez com que a urgência fosse impulsionada pelo interesse do governo e outros setores em organizar, disciplinar e imprimir nos seus futuros alunos uma mentalidade adequada ao Estado que se queria construir. (VIANNA,2001,p.29) Esta mentalidade desejada pelo estado é justamente aquela que deseja imprimir em seus cidadãos a força do modelo europeu civilizado, ordeiro e trabalhador. A força de um colégio militar também vem da idéia de que o Exército pode assumir uma função educadora e disciplinadora, salvando a juventude do Brasil e por conseqüência contribuindo na formação dos jovens paranaenses, principalmente por acenar com a possibilidade de uma futura carreira militar, já que os alunos dos Colégios Militares do Exército possuiam vagas reservadas nas Academias Militares. Portanto, em 1956, o ministro da Guerra nomeou uma comissão que iria estudar a viabilidade da implantação de um colégio militar em Curitiba. Este trabalho durou três anos, quando um estudo da região de Curitiba foi feito. Qual a idéia que tinha esta comissão de espaço escolar? Os relatórios estudados por VIANNA mostram que a idéia dos militares sobre espaço escolar eram altamente influenciados pelos modelos das academias militares. LUDWIG assim descreve o espaço pedagógico das academias militares: O espaço físico destinado ao exercício da prática pedagógica é devidamente fechado e quadriculado para fazer com que os alunos adquiram a noção de que no decorrer do tempo sempre ocuparão um lugar determinado e exercerão atividades específicas, contribuindo assim para a harmonia do conjunto. (1998,p.34) Além disso o terreno deveria ter uma área para prática esportiva e exercícios físicos e uma área para instrução militar e formaturas. A área para construção do colégio foi escolhida criteriosamente. A existência de escolas para anormais e desajustados, prostíbulos, cassinos, penitenciárias, dancing, hospitais de tuberculosos, de leprosos, hospitais de nervosos recebiam

3 3 baixo conceito na escolha; igrejas, áreas residenciais e clubes de classe média abonavam a área, ao passo que vilas operárias exerciam o efeito contrário. (VIANNA,2001,p.26) A área escolhida era um grande terreno que servira para a exposição do café no ano de 1952 e que contava com instalações usadas naquela exposição; naquela época ali se encontrava um orfanato. Porque para o Governo do Estado não era interessante fechar o orfanato, ele foi transferido, após acordo do governo com o Ministério da Guerra: o Estado doa o terreno, sob a condição de que o mesmo só pudesse ser usado para fins educacionais, sob pena de voltar para o Estado, caso o acordo não fosse cumprido. O Colégio Militar de Curitiba foi fundado em 1958 com apoio do governo do estado, reforçando o mito de que Curitiba era a Cidade dos Estudantes ou Cidade Universitária. A parceria com o governo do estado que começa com a concessão do terreno para a construção do prédio do colégio perdura até os dias de hoje e o CMC tende a incorporar as tendências da cidade de Curitiba no que diz respeito a uma cultura de organização espacial. O pavilhão escolar do Colégio Militar de Curitiba, construído entre , é um grande edifício construído no centro do terreno murado localizado no bairro do Tarumã. O acesso ao prédio se dá por uma via perpendicular ao mesmo, fazendo com que sejam visíveis as pessoas que para lá se dirigem. Acesso este permitido somente aqueles que no corpo da guarda se identificam. Nos pavilhão escolar, as salas de aula ficam voltadas para o interior do colégio, com vista para o estacionamento, que antigamente era uma área arborizada por grandes pinheiros, pretendendo, com isso, evitar que a atenção dos alunos seja desviada por quaisquer acontecimentos de ordem externa. Desta maneira, no Colégio Militar de Curitiba, por causa de sua arquitetura e distribuição de seu espaço físico, destinado ao adestramento e controle, fica facilitando o trabalho contínuo de uma máquina que opera sob a ótica do vigiar e disciplinar. Vigilância esta que se pretende extensiva a todos os espaços do colégio: quadras esportivas abertas; quadras fechadas com acessos frontais e laterais; tudo permitindo a visibilidade das várias atividades desenvolvidas durante todo o tempo escolar. Assim como a cidade proporciona a seus habitantes em idade escolar uma diversidade de opções para o uso do tempo livre, do mesmo modo o CMC oferece atividades de caráter permanente que visam ao aproveitamento total do tempo do estudante. As atividades que são oferecidas no período da tarde funcionam como diferencial para a

4 4 formação do aluno no tempo em que ele não está ocupado com aulas regulares. Dentre as atividades oferecidas, encontra-se o atendimento diferenciado para alunos portadores de altas habilidades. São alunos que são separados para que lhes seja proporcionada uma metodologia que ensina a pensar. Mesmo sendo parte da coletividade que obedece a uma rotina de ordens inculcada pela prática, estes alunos são escolhidos para fazer parte de um círculo mais alto de experiências dentro desta disciplina militar. São aos participantes do Programa de Desenvolvimento de Potencialidades (PRODEP). A escolha destes alunos se dá por meio de avaliação de diversos critérios que incluem um teste de inteligência e indicação de professores. O programa é conhecido por ser direcionado ao desenvolvimento de potencialidades em alunos portadores de altas habilidades (MEC,1995), ou seja, é um programa que separa alunos que tenham indicação de superdotação e lhes oferece um programa de enriquecimento (MEC,1995) além das aulas do ensino regular. Tal programa atualmente tem a duração de dois anos e é oferecido a aproximadamente 40 alunos no turno da tarde. O elemento histórico que parece predominar na educação do cidadão no PRODEP parece ser o econômico. Ao se utilizar de técnicas da inteligência empresarial e tomada de decisões, prepara-se o aluno para atingir posições mais cobiçadas dentro da sociedade capitalista, ou seja, cargos de chefia e consultoria, que exigem a rápida tomada de decisões. Na hierarquia militar esta função é delegada às patentes mais altas. Este tipo de função, tanto na vida civil, como na militar, é sempre melhor remunerada, dando a seus portadores um status de cidadão pensante, na maioria das vezes visto como superior aos demais. Ora, já que a educação militar está impregnada pela idéia de hierarquia, visto que as altas posições militares não estão ao alcance de todos, nem entre militares profissionais, nem entre alunos, não é incoerente estabelecer uma elite cultural dentro da estrutura. A função de um programa de enriquecimento para alunos superdotados é questionável do ponto de vista da educação moderna, já que não se dá oportunidades iguais para que todos desenvolvam suas potencialidades, mas o desenvolvimento de tal projeto educativo é pertinente dentro do ensino militar. Dentro da tradição militar, a prática de esportes sempre teve lugar de destaque. Deste modo, grande parte dos alunos tem seu tempo seqüestrado pela prática desportiva obrigatória dentro das instalações do colégio. Seja nas aulas de educação física, ou nas aulas extra-classe, a prática desportiva interna faz parte do cotidiano escolar.

5 5 Estabelecidos por séries, os treinamentos acontecem de segunda a quinta-feira; as faixas etárias que compõe cada grupo de treinamento coincidem com aquelas destinadas às competições desportivas em nível municipal e estadual, para que o treinamento disciplinado tenha sempre seu exame nas competições municipais promovidas pela Prefeitura Municipal de Curitiba. Deste modo, assegura-se uma tênue integração com a comunidade e uma demonstração pública de que dentro daquele terreno cedido pelo Estado há quase meio século se pratica uma educação de qualidade, demonstrada pela qualidade dos jovens desportistas competindo em nome do Colégio. Resgatando a tradição militar foi instituída a prática de esgrima e equitação. Estas práticas estavam incluídas nos primeiros currículos do colégio militar do Rio de Janeiro. A esgrima é praticada dentro dos muros da instituição no período da tarde. Já para a prática da equitação tornou-se necessário o convênio entre Exército e Polícia Militar do Estado, que cede suas instalações para que os alunos sejam educados na arte da cavalaria. A parceria entre Exército e Polícia é patente, já que no Colégio Militar de Curitiba encontram-se membros da polícia em função de monitores de alunos. Nem todos os alunos preenchem os requisitos físicos necessários para a prática desportiva regular. Visando a formação intelectual dos alunos e o preenchimento do tempo daqueles menos aptos fisicamente, ou que não tenham interesse na cultura do corpo, há a possibilidade do aluno se integrar a banda ou ao coral, que também tem seus ensaios diários coordenados por um elemento militar especialmente destacado para esta função. Também em função dos alunos do tipo não esportivo foram criados os clubes. São clubes de história, matemática, idiomas e informática, que oferecem atividades contínuas aos alunos neles inscritos no período não ocupado pelas aulas regulares. Via de regra estes clubes, que tem seu corpo administrativo formado pelos próprios alunos, na figura de um presidente do clube e seus assessores, se reúnem uma vez por semana. Entre as atividades desenvolvidas pelos clubes encontram-se: visitas a museus e exposições na cidade, exibição de filmes, gincanas, jogos, viagens, etc. O planejamento das atividades fica a cargo de um professor, incentivado com uma gratificação em seu salário para o bom desempenho de suas funções. DELEUZE já aponta para esta desigualdade salarial como uma característica da empresa moderna. Ele diz que sem dúvida a fábrica já conhecia o sistema de prêmios, mas a empresa se esforça mais profundamente em impor uma modulação para cada salário, num estado de perpétua metaestabilidade, que passa por desafios, concursos e

6 6 colóquios extremamente cômicos.. (1996,p.221) A busca da qualidade de ensino exigida pela sociedade curitibana (pela imagem de excelência que existe no imaginário da população) se dá pelo aumento do uso do tempo escolar. Tempo este que é economicamente controlado, para que dele se aproveite o máximo. Deste modo não só alunos, mas também os professores tem todo o tempo do expediente escolar controlado e preenchido, começando às 7:00 e terminando às 16:30. O professor deve permanecer dentro dos muros do Colégio tendo ele aulas a ministrar ou não. Assim como acontece com o aluno, sobre o professor incidem permanentemente os olhos da vigilância. Organizados por seções de ensino (são seis seções a de Língua portuguesa e artes, a de matemática e informática, a de ciências; a de estudos sociais e filosofia; a de educação física e a de línguas estrangeiras modernas) e chefiados por um oficial militar, os professores possuem tarefas variadas, que não se limitam à atividade pedagógica propriamente dita. A preparação de aulas é monitorada e vistoriada constantemente pelo chefe da seção de ensino, que deve observar periodicamente o livro de chamadas e o livro de planejamento de aulas do professor. A preparação de provas deve obedecer às normas do exército. O cumprimento das normas é assegurado através da vigilância permanente da seção técnica de ensino, cuja função principal é a de assegurar a normalização dos testes aplicados pelos professores. Existe a instituição de um clube de leitura para que se force o professor a sugerir para seus companheiros civis e militares a leitura de um livro por semestre. O livro escolhido por determinada equipe de leitura deve ser resenhado e apresentado em seção solene com data previamente determinada pela seção de informações. O comparecimento do professor às solenidades de formatura é obrigatório, devendo este se apresentar a seu responsável por ocasião da solenidade. Outra forma de controle é o uso de uniforme pelo professor, que deve estar identificado durante o período de expediente escolar, para que seus movimentos possam ser sempre identificados. Se, por ventura este profissional ainda conte com algum tempo livre, este pode ser aproveitado pela prática desportiva, que é incentivada para todos a partir de determinado horário já no final do período de aulas. A permanência integral do professor e do aluno dentro dos muros do colégio tem tanta importância para a imagem de excelência e de disciplina que se quer transmitir, que mesmo com a atual crise nas forças armadas, quando a imensa maioria das unidades militares do Brasil trabalham em regime de meio expediente, por causa do violento corte no fornecimento de verbas para a alimentação ocorrida no final do governo FHC,

7 7 o Colégio Militar de Curitiba faz questão de ignorar todo e qualquer sinal de crise 1 e permanece com seu funcionamento em tempo integral. A busca da excelência no que diz respeito à organização do corpo de alunos se dá de forma muito visível nas apresentações promovidas pelo Colégio envolvendo a comunidade. As formaturas abertas aos pais e a visitantes se destacam pela perfeição estética da formação dos alunos.é aí que se pode apresentar à comunidade toda a disciplina aprendida dentro do espaço e tempo escolar. A economia dos gestos explicitada por FOUCAULT se mostra como um espetáculo a todos aqueles que se dispõe a assistir às solenidades do CMC abertas a comunidade. Ao público se mostram os efeitos de uma educação altamente disciplinadora e que produz corpos tornados legíveis e dóceis. (1987,p.156) Vê-se então que o Colégio Militar de Curitiba corresponde às expectativas da identidade cultural que na capital se desejou formar no passado: de um lado constrói um cidadão disciplinado, ordeiro, pronto para o trabalho, com base no modelo mais civilizado que se tem conhecimento, que é o modelo europeu. Por outro lado, nota-se que o modelo militar, pautado na idéia de progresso dentro de uma ordem positivista vem ao encontro da idéia de desenvolvimento urbanístico que se desejou imprimir à cidade a partir dos anos setenta. Nota-se que a preocupação da prefeitura municipal de Curitiba em associar a educação de qualidade com o aumento do tempo escolar tem seu reflexo também no CMC. Neste sentido, a ampliação simples do tempo escolar passa a garantir a boa educação de seus alunos, já que estes passam na escola a maior parte de seu tempo, não o desviando para atividades menos produtivas. Vemos também que a imagem democrática que se quer tanto para a cidade como para o Colégio acabam por não se realizar. Na cidade, uma arquitetura de exclusão acaba por determinar quem pode ou não participar das atividades oferecidas pela cidade. Do mesmo modo, uma concepção de competências e aptidões vão determinar as atividades das quais os alunos poderão tomar parte. Para os mais aptos intelectualmente, por exemplo, há a oferta de um curso de gestão de pensamento, que é negado aqueles que não apresentam rendimento escolar acima do que é esperado. Também com os esportes acontece o mesmo: somente os mais aptos vão ser os escolhidos para representar o 1 Uma matéria interessante sobre a crise nas forças armadas foi publicada pela revista Carta Capital do dia 28 de agosto de 2002, sob o título: O ministro da defesa alerta FHC: a insatisfação com a falta de verbas agita os quartéis.

8 8 Colégio perante a comunidade. Mas todos, ao menos aparentemente, vão ter seu período de tempo escolar aumentado ligado a uma excelência do ensino. A título de conclusão, gostaríamos de fazer uma comparação mais moderna entre a cidade e o colégio baseada na teoria da sociedade de controle da qual nos fala DELEUZE. Este autor afirma que a sociedade disciplinar (da qual um dos maiores expoentes é justamente a organização militar) começa a enxergar seu fim na década de setenta. A partir daí assistimos o nascer de uma nova sociedade, que ele chama de sociedade de controle, que se põe a reformar todos os meios de confinamento em geral. Assistimos a reformas na educação, na saúde, na justiça e na vigilância. Diz o autor que as palavras de ordem desta nova sociedade são a senha e as cifras, a divisão em partes e o controle de todas as ações do indivíduo. Assim assistimos a uma cidade que vigia seus habitantes através de câmeras de vídeo instaladas nas ruas de maior trânsito e dentro dos grandes os prédios. Vemos a expansão dos shoppings na cidade e a explosão de consumo incentivada de todas as maneiras. Diz DELEUZE que o homem não é mais o homem confinado, mas o homem endividado. (1996,p.224) Logicamente, esta lógica da sociedade de controle não consegue alcançar as populações mais pobres, os não normais. Dentro do regime escolar, o controle se dá, entre outros aspectos, pela avaliação contínua e pela invasão da empresa na escola. E é exatamente esta a tendência que se vê ebulir no Colégio Militar de Curitiba: ao lado de práticas disciplinadoras como o exame, vemos aumentar o controle de alunos por meio da avaliação continuada de conteúdos. O acesso a qualquer tipo de informação se dá por meio de senhas e log-ins diferentes. Um professor somente possui senha para internet, para cadastrar notas, para entrar em rede e para acessar seu contracheque. A direção que toma o ensino, cada vez mais voltado para a preparação de um jovem dinâmico e adaptado ao mercado de trabalho do futuro convive com os velhos instrumentos disciplinadores dos corpos. A paisagem do colégio, que antes era pensada para que a vigilância fosse privilegiada, vai aos poucos se transformando, dando a impressão a quem entra no Colégio Militar de Curitiba de estar entrando em um parque da cidade de Curitiba a semelhança com o Jardim Botânico parece ser perseguida como ideal - onde prevalece a harmonia das formas, feitas justamente para atrair e satisfazer cada vez mais seus clientes. É a lógica do shopping center que assola inclusive a educação militar. Mas isso é tema para um outro artigo. Resumindo, o Colégio Militar de Curitiba ainda é um instrumento, dentro da instituição

9 9 militar, que visa à reprodução e à permanência de um "status" conseguido pelo Exército, como fator de unidade nacional, por meio da formação de indivíduos para a sociedade civil. Para a cidade de Curitiba ele é motivo de orgulho, já que se encaixa de modo exemplar no imaginário do povo curitibano que tem como ideal a organização do espaço e do tempo. REFERÊNCIAS DELEUZE, G. Sobre as Sociedades de Controle. In: Conversações Rio de Janeiro: Editora 34, FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, LUDWIG, Antonio Carlos W. Democracia e ensino militar. São Paulo: Cortez, VIANNA,G.S. O Sabre e o Livro-Trajetórias Históricas Do Colégio Militar De Curitiba ( ) Curitiba, p. Dissertação (Mestrado em Educação) Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná.

CIDADANIA E SUPERDOTAÇÃO

CIDADANIA E SUPERDOTAÇÃO CIDADANIA E SUPERDOTAÇÃO Ana Maria Irribarem Soares - UFPR RESUMO - O conceito de cidadania não é imutável e as diferentes épocas determinam o que é ser cidadão. A pesquisa que está em andamento analisa

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

OUTRAS DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO HILDA MARIA NETO GONÇALVES DA SILVA TÉCNICA CONTÁBIL MPGO MARÇO/2009

OUTRAS DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO HILDA MARIA NETO GONÇALVES DA SILVA TÉCNICA CONTÁBIL MPGO MARÇO/2009 FUNDEB OUTRAS DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO HILDA MARIA NETO GONÇALVES DA SILVA TÉCNICA CONTÁBIL MPGO MARÇO/2009 COMO DEVEM SER APLICADOS OS RECURSOS DO FUNDEB? Manutenção e desenvolvimento

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999.

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. Ana Paula Pupo Correia* O livro de Anne-Marie Châtelet, 1 O nascimento

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 53 Discurso na solenidade de lançamento

Leia mais

POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE

POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE O PNE para 2001-2011 consolidou-se como uma carta de intenções. - Universalização do ensino fundamental - Ampliação significativa

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA 2013 ATIVIDADES COMPLEMENTARES O que são? São práticas acadêmicas de múltiplos formatos, obrigatórias, que podem ser realizadas dentro ou fora

Leia mais

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP VOTO CONSU 2012-01 de 26/04/2012 Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP Respeitada a legislação vigente, tanto para Licenciatura quanto para Bacharelado

Leia mais

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho.

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho. 1 A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Marlene das Graças de Resende 1 RESUMO Este artigo científico de revisão objetiva analisar importância do trabalho na vida das pessoas portadoras

Leia mais

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES 7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES Autor(es) CHRISTINE BARBOSA BETTY Orientador(es) BRUNO PUCCI 1.

Leia mais

Educação popular, democracia e qualidade de ensino

Educação popular, democracia e qualidade de ensino Educação popular, democracia e qualidade de ensino Maria Ornélia Marques 1 Como se poderia traduzir, hoje, o direito de todas as crianças e jovens não somente de terem acesso à escola de oito anos, mas

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO O GRUPO DOM BOSCO Este é o momento de dar espaço à curiosidade, de fazer novas descobertas e formar suas próprias ideias. SEDE HORTO - Berçário - Educação Infantil - 1º Ano

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Grades 2014/1-2014/2 2015/1

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Grades 2014/1-2014/2 2015/1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Grades 2014/1-2014/2 2015/1 INTRODUÇÃO As Atividades Complementares são consideradas componentes pedagógicos próprios ao processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO O que buscamos Proporcionar educação com qualidade social para todas as crianças. Erradicar o analfabetismo, ampliar o nível

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS)

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1 Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1. Das Atividades Complementares De Graduação Entende-se como Atividades Complementares de Graduação (ACGs)

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) NORMAS PARTICULARES PARA GESTÃO ESCOLAR NO ÂMBITO DA DIRETORIA

Leia mais

XADREZ PARA EAD: Jogando xadrez com prazer

XADREZ PARA EAD: Jogando xadrez com prazer XADREZ PARA EAD: Jogando xadrez com prazer Autora: ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Estamos rodeados por histórias de personagens nobres que ao longo de sua trajetória o xadrez sempre esteve

Leia mais

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS)

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1 Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1. Das Atividades Complementares De Graduação Entende-se como Atividades Complementares de Graduação (ACGs)

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

POLO 19 POLO 17 POLO 18 POLO 22 POLO 24 POLO 21 POLO 25. E.M. Nilcelina S. Ferreira

POLO 19 POLO 17 POLO 18 POLO 22 POLO 24 POLO 21 POLO 25. E.M. Nilcelina S. Ferreira 17 19 18 E.M. Nilcelina S. Ferreira 20 22 21 23 24 25 5 Metas para a Gestão Democrática META 1 a. garantir a autonomia políticod i d á t i c o - p e d a g ó g i c a e administrativa às instituições educacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - RÍO CLARO (BRASIL) Luiz Marcelo de Carvalho - Rosa Maria Feiteiro Cavalari

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - RÍO CLARO (BRASIL) Luiz Marcelo de Carvalho - Rosa Maria Feiteiro Cavalari UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - RÍO CLARO (BRASIL) Luiz Marcelo de Carvalho - Rosa Maria Feiteiro Cavalari Apresentação da institução A UNESP foi criada em 1976, pela Lei Estadual n.º 952, de 30.01.76,

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO Elisa Machado Matheussi elisa@rla01.pucpr.br Sirley Terezinha Filipak sirley@rla01.pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO Este estudo

Leia mais

Núcleo de Empregabilidade e Empreendedorismo MANUAL DA EMPRESA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO

Núcleo de Empregabilidade e Empreendedorismo MANUAL DA EMPRESA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Núcleo de Empregabilidade e Empreendedorismo MANUAL DA EMPRESA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO SUMÁRIO Apresentação...... Considerações Iniciais.... Portal de Empregabilidade.... Requisitos Mínimos... Acesso...

Leia mais

Orientação educacional e gestão saudável. Profa. Oliria Mendes Gimenes omgudi@yahoo.com.br

Orientação educacional e gestão saudável. Profa. Oliria Mendes Gimenes omgudi@yahoo.com.br Orientação educacional e gestão saudável Profa. Oliria Mendes Gimenes omgudi@yahoo.com.br CONCEITO A Orientação Educacional é entendida como um processo dinâmico, contínuo e sistemático, estando integrada

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES NORMAS GERAIS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Prezados alunos, As atividades Acadêmico-Científico Culturais foram instituídas como carga horária visando a complementação

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Licenciaturas

Universidade. Estácio de Sá. Licenciaturas Universidade Estácio de Sá Licenciaturas A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como Faculdades

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO, FATECE PIRASSUNUNGA, SP

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO, FATECE PIRASSUNUNGA, SP REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO, FATECE PIRASSUNUNGA, SP. 2 CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DAS FINALIDADES...

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

Marcos Antônio de Oliveira 1

Marcos Antônio de Oliveira 1 POLÍTICA DE TREINAMENTO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO NO PARANÁ: A MATEMÁTICA CONTEXTUALIZADA - CORD/SEED E O AJUSTE DA ESCOLA AO MUNDO DO TRABALHO CAPITALISTA Marcos Antônio

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL Fernanda Oliveira Fernandes 1 José Heleno Ferreira 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar reflexões acerca da educação integral

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS. EDITAL N o 003/2007

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS. EDITAL N o 003/2007 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS EDITAL N o 003/2007 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES E/OU PESQUISADORES COM TITULAÇÃO ACADÊMICA DE MESTRES OU DOUTORES A Fundação Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES SUZANO SÃO PAULO. Página 1

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES SUZANO SÃO PAULO. Página 1 REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES SUZANO SÃO PAULO 2014 Página 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO II... 3 DO LOCAL E DA REALIZAÇÃO... 3 CAPÍTULO III... 3 DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES...

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013.

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a criação, composição, competência e funcionamento do Conselho Municipal de Esporte e Lazer CMEL. O Povo do Município de Turvolândia Estado de Minas Gerais,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas EDITAL Nº. 033/12 -PROGEPE CONCURSO PÚBLICO Por delegação de competência do Magnífico Reitor da Universidade Federal do Paraná, conforme Portaria n.º 2590 de 26/09/97, e considerando o disposto no Decreto

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 2014

MANUAL DO ALUNO 2014 MANUAL DO ALUNO 2014 APRESENTAÇÃO Caro Acadêmico, Agradecemos por você ter escolhido o IESG para sua formação profissional. No Manual do Aluno você encontrará informações importantes e necessárias para

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Introdução Silvio Henrique FISCARELLI 1 I Adriana da Silva TURQUETTI 2 Saur (1995), no Primeiro Congresso Nacional de Informática Pública realizado

Leia mais

Palavras chaves: espaço público, cidadania, educação, arte.

Palavras chaves: espaço público, cidadania, educação, arte. 1 ESPORTE, ARTE E EDUCAÇÃO INTERVENÇÕES EM UM ESPAÇO PÚBLICO Profª Ketlin Elisa Thomé Wenceslau Fiocco Resumo: Todos os anos o Colégio Arautos organiza um projeto interdisciplinar que tem como proposta

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

O CURRÍCULO ESCOLAR A SERVIÇO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS: UMA PROBLEMATIZAÇÃO A PARTIR DO PIBID/PEDAGOGIA

O CURRÍCULO ESCOLAR A SERVIÇO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS: UMA PROBLEMATIZAÇÃO A PARTIR DO PIBID/PEDAGOGIA 1 Ideuvaneide Gonçalves Costa Universidade Federal de Alfenas- UNIFAL O CURRÍCULO ESCOLAR A SERVIÇO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS: UMA PROBLEMATIZAÇÃO A PARTIR DO PIBID/PEDAGOGIA Esse trabalho tem como objetivo

Leia mais

FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC)

FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC) FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC) 2012 / 2013 Prezado(a) aluno(a), É com muito orgulho e satisfação que oferecemos

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005.

LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005. LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005. INSTITUI NA POLÍCIA MILITAR E NO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE ALAGOAS O SISTEMA DE ENSINO MILITAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Autores: Glauciria Mota Brasil; Emanuel Bruno Lopes; Ana Karine Pessoa Cavalcante Miranda Paes de Carvalho

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS 1 FESP ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CGC/MF: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua General Carneiro, 216 Fone/Fax (0xx41) 264-3311

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT:

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT: JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, Priscila da Cunha UFF CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues UFF GT: Movimentos Sociais e Educação

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Como usar o Portal Hydros

Como usar o Portal Hydros Como usar o Portal Hydros na Escola www.projetohydros.com Caro profissional da área da Educação, Há urgência em realizarmos ações concretas e cotidianas para preservar a água do planeta. E, sem dúvida,

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

DETALHAMENTO DA FORMAÇÃO EM COACHING EM RESILIÊNCIA

DETALHAMENTO DA FORMAÇÃO EM COACHING EM RESILIÊNCIA DETALHAMENTO DA FORMAÇÃO EM COACHING EM RESILIÊNCIA FILOSOFIA DO TREINAMENTO, MODELO E ABORDAGEM O Coaching em Resiliência é uma formação de coaching exclusiva licenciada pela SOBRARE e única especializada

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 078, DE 05 DE OUTUBRO DE 2007. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

1 Revista LIBERDADE e CIDADANIA Ano I n. 4 abril / junho, 2009 www.flc.org.br

1 Revista LIBERDADE e CIDADANIA Ano I n. 4 abril / junho, 2009 www.flc.org.br 1 Revista LIBERDADE e CIDADANIA Ano I n. 4 abril / junho, 2009 www.flc.org.br TEMA EM DEBATE Cidadania e Solidariedade Por Marina Klamas Tanigushi * Quando iniciamos nosso trabalho na Prefeitura de Curitiba,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

UNIDOS PELA MUDANÇA 1-EDUCAÇÃO:

UNIDOS PELA MUDANÇA 1-EDUCAÇÃO: As Eleições Municipais que acontecerão no próximo mês de outubro de 2012, marcará profundamente a vida de Frei Paulo. Nelas, os eleitores terão a oportunidade de finalmente escolher e eleger um Governo

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

3 BLOCOS TEMÁTICOS PROPOSTOS. Ensino Religioso História Geografia. cotidiano

3 BLOCOS TEMÁTICOS PROPOSTOS. Ensino Religioso História Geografia. cotidiano 1 TÍTULO DO PROJETO O REGISTRO DE NASCIMENTO 2 CICLO OU SÉRIE 1º CICLO OU SÉRIE 1º CICLO 7 anos 3 BLOCOS TEMÁTICOS PROPOSTOS Ensino Religioso História Geografia Alteridade (O Eu/ EU sou História local

Leia mais

1 - ABERTURA 2 - INSCRIÇÃO 2.1 - Período e Regulamento 2.2 - Candidato com Necessidades Especiais 2.3 - Manual do Candidato 2.4 - Valor da Inscrição

1 - ABERTURA 2 - INSCRIÇÃO 2.1 - Período e Regulamento 2.2 - Candidato com Necessidades Especiais 2.3 - Manual do Candidato 2.4 - Valor da Inscrição EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO EM CURSO DE GRADUAÇÃO EM BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: ÊNFASES BIOLOGIA MARINHA E COSTEIRA E GESTÃO AMBIENTAL MARINHA E COSTEIRA 1 - ABERTURA A Reitora

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010).

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010). FORMAÇÃO CONTINUADA NA LIDA DO POLICIAL CIVIL: estudo sobre as estratégias de formação continuada de policiais civis para o atendimento aos grupos vulneráveis Bárbara Aragão Teodoro Silva UFMG Este pôster

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO LARSON, Sandra PUCPR. slarson@terra.com.br MATHEUSSI, Elisa Machado - PUCPR elisa.matheussi@pucpr.br Resumo Esta pesquisa objetiva discutir o projeto político

Leia mais

EDITAL Nº 05/2015 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER

EDITAL Nº 05/2015 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER EDITAL Nº 05/2015 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER 1) INTRODUÇÃO Crianças e jovens que vivem nos centros urbanos estão expostas a riscos sociais e a ociosidade. Por este motivo, a prática

Leia mais

CEDHAP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO APLICADO PARCERIAS E TRABALHO VOLUNTÁRIO EM EDUCAÇÃO

CEDHAP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO APLICADO PARCERIAS E TRABALHO VOLUNTÁRIO EM EDUCAÇÃO PARCERIAS E TRABALHO VOLUNTÁRIO EM EDUCAÇÃO Heloísa Lück Diretora Educacional do CEDHAP Centro de Desenvolvimento Humano Aplicado Curitiba - PR Artigo publicado na revista Gestão em Rede no. 24 de out.

Leia mais

Atividades Complementares. Gestão

Atividades Complementares. Gestão Atividades Complementares Gestão Sumário Gestão ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. Atividades Complementares... 03 2. Computação e avaliação das Atividades Complementares... 03 3. Quadro das atividades com horas

Leia mais

EDITAL Nº 02/2011 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO E CAPACITAÇÃO DO QUADRO FUNCIONAL

EDITAL Nº 02/2011 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO E CAPACITAÇÃO DO QUADRO FUNCIONAL EDITAL Nº 02/2011 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO E CAPACITAÇÃO DO QUADRO FUNCIONAL NEXXERA TECNOLOGIA E SERVIÇOS S/A, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ 03.813.865/0001-65, com sede na Rua Dom

Leia mais

Capítulo I. Das Disposições Gerais. Pela contribuição para a formação técnica e humanística do aluno.

Capítulo I. Das Disposições Gerais. Pela contribuição para a formação técnica e humanística do aluno. Regulamento de Atividades Complementares dos cursos de Bacharelado em Administração, Ciências Contábeis, Sistemas de Informação e Enfermagem da Libertas Faculdades Integradas 20 Capítulo I Das Disposições

Leia mais

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não Este é um tema atual de debate na sociedade brasileira, motivado principalmente pela discussão das cotas étnicas e, a partir do Projeto de Lei nº 3627/04, com ênfase nas socioeconômicas (origem dos alunos

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2015. Rev.: 10 10/02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2015. Rev.: 10 10/02/2015 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2015 Rev.: 10 10/02/2015 CURITIBA 2015 1 SUMÁRIO CAPITULO I DAS ATIVIDADES... 2 CAPITULO II - DO APROVEITAMENTO DAS ATIVIDADES...

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

CURRÍCULO HISTÓRICO-CRÍTICO E INDIVÍDUOS AUTÔNOMOS 1

CURRÍCULO HISTÓRICO-CRÍTICO E INDIVÍDUOS AUTÔNOMOS 1 1 CURRÍCULO HISTÓRICO-CRÍTICO E INDIVÍDUOS AUTÔNOMOS 1 Michele Rissardi 2 RESUMO: Diante da implantação da pedagogia histórico-crítica, tem-se a idéia corrente de que essa nova pedagogia levaria a formação

Leia mais

ÍNDICE TÍTULO l TÍTULO ll TÍTULO III TÍTULO IV TITULO V TÍTULO VI TÍTULO VII TÍTULO VIII

ÍNDICE TÍTULO l TÍTULO ll TÍTULO III TÍTULO IV TITULO V TÍTULO VI TÍTULO VII TÍTULO VIII ÍNDICE TÍTULO l - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E OBJETIVOS 01 CAPÍTULO l - DA DENOMINAÇÃO E SEDE 01 CAPÍTULO ll - DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS 01 TÍTULO ll - DA ORGANIZACÃO INSTITUCIONAL 02 CAPÍTULO

Leia mais

Projeto de banda de fanfarra o SALVADOR

Projeto de banda de fanfarra o SALVADOR Projeto de banda de fanfarra o SALVADOR Alexander Santos Silva Projeto de implantação de uma atividade sócio educacional apresenta a Prefeitura Municipal de Salvador do Estado da Bahia. Salvador Fevereiro

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO Profa. Dra. Luci Bonini Desde a assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, alguns órgãos da sociedade têm se manifestado no sentido de promover as garantias

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CAMPUS SABARÁ Endereço provisório: Avenida Serra Piedade, 341,

Leia mais