Empresas atentas à legislação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empresas atentas à legislação"

Transcrição

1 Nós contabilizamos o progresso Revista do Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro ano Vl nº 31 Distribuição gratuita A Tribuna do Contabilista Empresas atentas à legislação Lei altera tributação de companhias e coloca em pauta a atualização dos profissionais contábeis páginas 12 e 13

2 Índice Revista do Editorial...3 Eventos...4 a 7 Opinião...8 Legislação...9 Entrevista e 11 Capa e 13 Artigo...14 Notícias e 17 Voluntariado...18 Área Pública...19 Atualidades e 21 Revista do CRCRJ A Tribuna do Contabilista Presidente: Vitória Maria da Silva Vice-Presidente: Francisco José dos Santos Alves VP de Desenvolvimento Profissional: Waldir Jorge Ladeira dos Santos VP de Pesquisa e Estudos Técnicos: Josir Simeone Gomes VP Operacional: Lílian Lima Alves VP de Registro Profissional: Gil Marques Mendes VP de Fiscalização, Ética e Disciplina: Márcia Tavares Sobral de Sousa VP de Interior: Irany Onofre Rodrigues VP de Controle Interno: Antonio Ranha da Silva Câmara de Desenvolvimento Profissional Tel.: Presidente: Waldir Jorge Ladeira dos Santos Integrantes: Damaris Amaral da Silva, Diva Maria de Oliveira Gesualdi e Jarbas Tadeu Barsanti Ribeiro Câmara de Pesquisa e Estudos Técnicos - Tel.: Presidente: Josir Simeone Gomes Integrantes: Diva Maria de Oliveira Gesualdi, Neide Peres Ferreira e Vicente Celestino Martins Câmara Operacional - Tel.: Presidente: Lílian Lima Alves Integrantes: Cezar Augusto Carneiro Stagi, Jarbas Tadeu Barsanti Ribeiro e Samir Ferreira Barbosa Nehme Câmara de Registro Profissional - Tel.: Presidente: Gil Marques Mendes Integrantes: Adriano Luiz Medina, Aluizio Beserra de Mendonça e Neide Peres Ferreira Câmara de Fiscalização, Ética e Disciplina - Tel.: Presidente: Márcia Tavares Sobral de Sousa Integrantes: Aroldo José Planz, Cezar Augusto Carneiro Stagi, Cláudio Vieira Santos, Jarbas Tadeu Barsanti Ribeiro, Jovelina Mota de Lima, Lygia Maria Vieira Sampaio, Maria Alípia Maia de Almeida, Mauro Moreira, Samir Ferreira Barbosa Nehme e Vicente Celestino Martins Câmara de Controle Interno - Tel.: Presidente: Antonio Ranha da Silva Integrantes: Aluizio Beserra de Mendonça, Lygia Maria Vieira Sampaio e Mauro Moreira Conselho Editorial - Tel.: Coordenadora: Vitória Maria da Silva Integrantes: Francisco José dos Santos Alves, Manuel Domingues de Jesus e Pinho, Maria de Fátima Moreira, Vicente de Paulo Muniz e Wanderley Wesley Nogueira Marques Conselheiros Efetivos Contadores: Aluízio Beserra de Mendonça, Antonio Ranha da Silva, Aroldo José Planz, Cezar Augusto Carneiro Stagi, Cláudio Vieira Santos, Diva Maria de Oliveira Gesualdi, Francisco José dos Santos Alves, Gil Marques Mendes, Josir Simeone Gomes, Lílian Lima Alves, Lygia Maria Vieira Sampaio, Márcia Tavares Sobral de Sousa, Mauro Moreira, Samir Ferreira Barbosa Nehme, Vitória Maria da Silva e Waldir Jorge Ladeira dos Santos Técnicos em Contabilidade: Adriano Luiz Medina, Damaris Amaral da Silva, Irany Onofre Rodrigues, Jarbas Tadeu Barsanti Ribeiro, Jovelina Mota de Lima, Maria Alípia Maia de Almeida, Neide Peres Ferreira e Vicente Celestino Martins Conselheiros Suplentes Contadores: Alexandre Andrade da Silva, Jayme Pina Rocio, Joper Padrão do Espirito Santo, Jorge Ribeiro dos Passos Rosa, José Alves de Alvarenga, José Ribamar do Amaral Cypriano, Luiz Antônio Ochsendorf Leal, Magno Tarcisio de Sá, Manuel Domingues de Jesus e Pinho, Maria de Fátima Moreira, Osmar Guimarães de Lima, Rosângela Dias Marinho, Sérgio Gonçalves da Costa, Vicente de Paulo Muniz e Wanderley Wesley Nogueira Marques Técnicos em Contabilidade: Elismar Moraes dos Santos, Fernando Antonio Viana Mendes, Flávia da Silva Domingos, Ivanildo Silva de Carvalho, Renata de Lima Haydt da Silva, Sonia Regina Cardoso Barbosa, Valéria Maria da Silva e William de Paiva Motta Boletim Técnico...22 Entidades Congraçadas...23 Elogio ao CRCRJ Gostaria de parabenizá-los pelo Fórum de Debates sobre a Lei /2014. Esse tipo de evento engrandece a nossa profissão e nos permite estar atualizados em relação ao ordenamento jurídico complexo em que o profissional contábil está inserido. Alex Aurelino A. Nunes CRCRJ Jornalista responsável: Daniel Garrido (Mtb ) Coordenação: Fernanda Ribeiro Produção: Cajá Comunicação Designer gráfico: Melany Sonim Reportagem e redação: Bianca Rocha e Jorge Lourenço Fotografias: Daniel Garrido, Fernando Alvim, Eliane Carvalho e Agência Brasil Tiragem: 2 mil exemplares Edição Eletrônica nº 31 maio/junho Periodicidade bimestral. Rua Primeiro de Março, nº 33 Centro Rio de Janeiro RJ CEP: Tel.: (21) Fax: Os artigos e matérias assinadas são de responsabilidade de seus autores. O CRCRJ não se responsabiliza pelos serviços e produtos oferecidos pelos anunciantes. A lista completa das Delegacias do CRCRJ, com nome do representante, endereço e telefone, está disponível no portal do Conselho (www.crcrj.org.br).

3 Colhendo os frutos Caros leitores, Editorial O Brasil esteve em festa. A Copa do Mundo esteve aqui, mas o nosso trabalho não parou. Nesse espírito de responsabilidade, foco e persistência, já estamos colhendo os frutos de nosso trabalho nesses primeiros meses da gestão. Conseguimos, entre outras conquistas, promover o crescimento do Programa do Voluntariado da Classe Contábil, que vem ganhando mais notoriedade. Fazer o PVCC decolar foi uma das minhas promessas de campanha, que vem sendo realizada graças ao trabalho dos nossos conselheiros e colaboradores envolvidos. O resultado está aí com nossos voluntários sendo empossados membros dos Conselhos de Alimentação Escolar, participando da Ação Global, promovida pelo Sesi e a Rede Globo, e dando continuidade ao repasse das doações de alimentos entregues em nossos cursos. Espero que o sucesso do nosso projeto inspire mais profissionais a se tornarem voluntários da classe contábil. Veja como participar do projeto na matéria da página 18. Falando em nossos cursos, gostaria de parabenizar toda a nossa equipe de Desenvolvimento Profissional, o que inclui os professores, pela excelente avaliação que tivemos dos nossos cursos, conforme noticiado na página 16. Não me canso de repetir que a atualização na nossa profissão deve ser constante. Consciente dessa necessidade, o CRCRJ promove, além dos cursos, eventos e palestras dos mais variados assuntos por todo o Estado do Rio de Janeiro. Participem, convidem seus colegas de profissão e faça cada um a sua parte para que a nossa classe seja cada vez mais reconhecida e valorizada. Nos últimos dois meses, realizamos três grandes eventos em nosso estado: o III Seminário de Contabilidade na Área Pública (página 19), a edição carioca do Bate-Bola Contábil, em parceria com a Academia Brasileira de Ciências Contábeis e o Conselho Federal de Contabilidade (página 4) e o I Encontro sobre Tecnologia para Escritórios de Contabilidade (página 4). Todos eles elaborados para promover a capacitação dos profissionais da Contabilidade. Esse é objetivo de todo o Sistema CFC/CRCs, que vem trabalhando pelo fortalecimento de toda a classe contábil brasileira. A reunião que sediamos com representantes de todos os CRCs do Sul e do Sudeste (veja mais na página 6) comprova esse sentimento de união, parceria e confiança que devemos ter com aqueles que trabalham junto conosco. A nova identidade visual do Sistema CFC/CRCs vem para coroar essa ligação. Pela primeira vez na história do sistema, todos os Conselhos Regionais, juntamente com o Federal, têm um só padrão de logos. O novo logotipo do CRCRJ já está sendo utilizado nesta revista e nos demais meios de comunicação do Conselho. A substituição total ocorrerá até o fim do ano. Aproveito para comunicar a todos que, desde junho, o Boletim Informativo do CRCRJ está sendo enviado em novo dia, agora às terças-feiras. Acompanhe nossas notícias por ele, pelo nosso site e pelo nosso Facebook. E obrigado por ler a Revista do CRCRJ. Um profissional bem informado faz toda diferença. Até a próxima. Vitória Maria da Silva Presidente do CRCRJ Revista do CRCRJ 3

4 Tecnologia a serviço da Contabilidade Eventos O primeiro Encontro sobre Tecnologias para Escritório de Contabilidade (Etec) reuniu um grande número de profissionais contábeis, no dia 26 de maio, na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. A ação foi uma iniciativa do CRCRJ, que atendeu a uma demanda de profissionais interessados em aprimorar seus conhecimentos sobre assuntos do campo tecnológico. O evento é o primeiro de uma série de encontros e, segundo o Vice-Presidente do CRCRJ, Francisco José dos Santos Alves, a intenção do Conselho é levá-lo também a outros municípios do estado do Rio de Janeiro. Entre os temas abor- dados estavam: e-social, segurança da informação, sped fiscal e tecnologias web e mobile para empresas contábeis. Atualmente, as principais atividades desenvolvidas em um escritório de contabilidade dependem da tecnologia, como destaca o Vice-Presidente. Para ele, o segmento tem passado por um crescimento exponencial, daí a importância de debater o assunto. O objetivo do evento é discutir temas relevantes relacionados à área tecnológica, além de oferecer ao profissional contábil a possibilidade de se informar sobre as novidades desenvolvidas pelas principais empresas de softwares do estado do Rio de Janeiro, enfatizou. O consultor e proprietário da empresa MP Safe, Paulo Pagliusi, ministrou a palestra sobre segurança da informação. Ele, que tem um doutorado e mais de 20 anos de atuação nessa área, explicou a importância do tema para o universo contábil: Atualmente, a segurança da informação é imprescindível para qualquer negócio. O mundo cibernético evoluiu bastante com a chegada da era da computação social, sustentada pelos pilares da nuvem, mobilidade, big data e redes sociais. Por isso é preciso desenvolver novas estratégias de segurança para fazer frente aos desafios que surgem diariamente. O Vice-Presidente do CRCRJ, Francisco José dos Santos Alves, disse que a intenção é levar o Etec a outros municípios do estado Confira na seção Entrevista (páginas 10 e 11) nossa conversa com Paulo Pagliusi, doutor em segurança da informação, sobre as novidades em segurança virtual na área contábil. No clima da Copa do Mundo O CRCRJ, juntamente com a Academia Brasileira de Ciências Contábeis (Abracicon), realizou no dia 14 de maio, no auditório da Secretaria Estadual de Fazenda, a edição carioca do projeto Bate-Bola Contábil. O objetivo foi discutir temas que interligam futebol e Contabilidade, como a prestação de contas de entidades e clubes esportivos. O evento fez parte de uma série de encontros promovidos nas 12 cidadessede da Copa do Mundo Fifa 2014 pela Abracicon, com o apoio de CRCs Regionais, CFC e Ministério dos Esportes. A mesa de abertura foi composta pela Presidente do CRCRJ, Vitória Maria da Silva; Antônio Miguel Fernandes, representando o Presidente do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), José Martonio Alves Coelho; Paulo Tafner, representando o secretário de Estado de Fazenda, Renato Villela; Diva Maria de Oliveira Gesualdi, representando a Presidente da Academia Brasileira de Ciências Contábeis (Abracicon), Maria Clara Cavalcante Bugarim; e a deputada estadual Aspásia Camargo. A diretora da Abracicon, Diva Gesualdi, apresentou algumas ações que a Academia desenvolve com objetivo de abraçar a Contabilidade em todas as suas vertentes, como é o caso desse projeto. E explicou o intuito principal do evento: Queremos incentivar os profissionais contábeis a se interessar pela atuação em clubes, federações e entidades ligadas ao esporte. Esse ramo da Contabilidade está em evidência por conta dos grandes eventos esportivos. Trata-se, portanto, de uma oportunidade de ouro para a nossa classe. O evento foi encerrado com um talk show sobre as perspectivas do país antes e depois dos eventos esportivos. O debate A diretora da Abracicon, Diva Gesualdi, apresentou ao público as ações desenvolvidas pela Academia teve a participação de Pedro Trengrouse, consultor da ONU para a Copa do Mundo FIFA; Ricardo Mathias, coordenador do MBA de Gestão e Marketing Esportivo da Trevisan; e Nilo Sérgio Félix, subsecretário de Estado de Esportes e Lazer. 4 Revista do CRCRJ

5 Fórum discute Lei nº12.973/14 Com objetivo de atualizar e preparar os profissionais contábeis para atuarem de acordo com a nova Lei nº /14 (saiba mais nas páginas 12 e 13), o CRCRJ realizou no dia 20 de maio fórum de debates com convidados especiais, no auditório do Sindicont-Rio. O evento reuniu um grande número de profissionais interessados em acompanhar as apresentações do auditor da Receita Federal do Brasil (RFB), Edson César Gonçalves Pimentel, e de dois representantes do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon), Claudio Yano (diretor da EY, antiga Ernst & Young) e Mário Nascimento (consultor fiscal da Deloitte). O novo texto, segundo Pimentel, acarreta mudanças significativas nas áreas contábil e tributária. O profissional precisa de um treinamento adequado para se adaptar às alterações, que são muitas. O objetivo da legislação é fazer o alinhamento entre as mudanças ocorridas na Contabilidade e as normas tributárias, esclarece o auditor, que acrescenta: Estávamos acostumados a uma realidade em que apenas as empresas brasileiras recebiam investimentos internacionais, mas agora elas também investem no exterior. A nova lei aborda esse assunto. A presidente do CRCRJ, Vitória Maria da Silva (ao centro), preside a mesa de abertura do Fórum sobre a Lei /2014 A Vice-Presidente do Sindicont-Rio, Diva Gesualdi, ressaltou a importância do Fórum: A aplicação da lei garantirá que as empresas tenham o seu encerramento do exercício e a base dos cálculos tributários corretos. Diva afirmou ser fundamental o debate sobre o tema para que todas as orientações e normas sejam observadas pelos profissionais com maior precisão e perfeição possível. Após a apresentação dos convidados, os profissionais contábeis tiraram dúvidas sobre a nova legislação. O Fórum foi uma ação promovida pela Câmara de Pesquisa e Estudos Técnicos do CRCRJ, liderada pelo Vice-Presidente da área, Josir Simeone Gomes, com apoio das entidades congraçadas Sescon-RJ, Sindicont-Rio e Unipec-RJ. Revista do CRCRJ 5

6 Presidentes do Sul e Sudeste se reúnem no CRCRJ Eventos Entre os dias 5 e 6 de maio, o Rio de Janeiro foi sede da reunião de Presidentes e diretores dos CRCs do Sul e Sudeste. O evento teve a participação de representantes dos Conselhos Regionais de São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, além de dois membros do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), Rodrigo Magalhães (assessor jurídico) e Elys Tevania (diretora). O objetivo do encontro, realizado a cada três meses em uma cidade diferente, é debater ideias, esclarecer dúvidas e discutir resoluções que aprimorem a operação diária das entidades. No primeiro dia de reunião, Rogério Marotta, do CRCMG, coordenou as discussões sobre as pautas apresentadas pelos diretores dos Conselhos Regionais. A intenção era filtrar os assuntos para que os Presidentes pudessem, no dia seguinte, ter um escopo definido do debate. No total, 16 assuntos foram selecionados para a plenária no auditório do CRCRJ, no dia 6 de maio. Entre os temas debatidos estavam identidade visual do sistema CFC/CRCs; entrega de Relatórios de Gestão 2013 pelos Conselhos Regionais dos estados; proposta de formulação de um calendário único de eventos para as regiões Sul e Sudeste; regime jurídico único; normatização de procedimento quanto à anuidade do profissional com registro suspenso; e elaboração de um Código de Ética ou de Conduta único para os funcionários do sistema CFC/CRCs. Com relação a este último tema, a Presidente do CRCRJ, Vitória Maria da Silva, propôs a criação de uma comissão para a formulação desse manual. Precisamos discutir as melhores atitudes dentro das entidades. É imprescindível, por isso, a elaboração de um código de conduta comum a todos os colaboradores dos Conselhos tanto Federal quanto Regionais, afirmou Vitória. A Presidente do Conselho fluminense também destacou a importância de reuniões como essa: Estou muito feliz por participar deste encontro pela primeira vez em minha gestão. Eventos desse tipo nos tornam cada vez mais eficientes em nosso propósito junto à classe contábil. Para a diretora executiva do CFC, Elys Tevania, o balanço dessas reuniões costuma ser bastante positivo. O CFC valoriza muito o feedback dos CRCs e esses encontros onde podemos discutir melhorias e ajustes de normas. Neste evento sediado no Rio de Janeiro, um dos itens mais importantes que debatemos foi a questão da entrega dos relatórios de gestão 2013, ressaltou. Fórum discute ensino contábil No dia 10 de junho, coordenadores e professores compareceram ao Seminário dos Coordenadores de Cursos de Ciências Contábeis, realizado pelo CRCRJ na sede da entidade. O evento promoveu diálogo entre instituições de ensino, CRCRJ e Sistema Contábil, em que foram expostas as necessidades e as expectativas de cada um. Para o Vice-Presidente de Desenvolvimento Profissional, Contador Waldir Ladeira, a iniciativa permite melhorias na formação dos futuros profissionais de Contabilidade por meio de projetos que aproximem o CRCRJ das instituições de ensino superior (IES). Além de mantermos as ações já existentes junto às IES, sugerimos aos coordenadores que premiem os estudantes com maiores coeficientes de rendimento (CR) e propusemos a criação de um sistema online contendo a disponibilidade de professores e de vagas docentes nas instituições. Discutimos também melhorias para a grade curricular e para o exame de suficiência; e auxílio na organização do encontro de professores de Contabilidade, em outubro, destacou. O Vice-presidente de Desenvolvimento Profissional e Institucional do Conselho Federal de Contabilidade, Contador Zulmir Breda, proferiu palestra sobre as necessidades do mercado de trabalho na área contábil e apresentou algumas sugestões de disciplinas que devem compor a grade curricular dos cursos de Ciências Contábeis no Brasil. Segundo o coordenador do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário de Volta Redonda, Agamêmnom Souza, a atualização da matriz curricular deve ser uma das prioridades das instituições de ensino superior. Por meio da renovação das diretrizes curriculares, podemos solucionar uma série de problemas de capacitação, ressaltou. 6 Revista do CRCRJ

7 Coaching e o universo contábil O CRCRJ recebeu em sua sede, no dia 22 de maio, uma palestra ministrada pela Presidente da Internacional Coach Federation (ICF) Capítulo Regional Rio de Janeiro, Dulce Soares (veja artigo na página 8). O objetivo do evento foi explicar aos profissionais contábeis os benefícios do coaching ferramenta que auxilia o desenvolvimento comportamental e visa melhorar o desempenho dos funcionários de empresas. A palestra fez parte da Semana Internacional de Coaching, realizada entre 19 e 25 de maio. Nesse evento, organizado mundialmente pela ICF Global, profissionais especializados visitam associações, entidades e empresas para divulgar os resultados proporcionados pela solução e explicar ao público a importância de trabalhar com um coach habilitado. A atividade de coaching pode ser inserida nos mais variados campos de atuação, inclusive no universo contábil, explicou Dulce, durante sua apresentação. Ela também destacou o significado das nomenclaturas utilizadas. Coaching é o nome do processo, coach é o profissional treinado para aplicá-lo e, por sua vez, o coachee é a pessoa que passa pelo processo, esclareceu. Já a diretora de Relações com o Mercado da ICF, Cristina Goldschmidt, reforçou que o empresário contábil tem no coaching uma ferramenta poderosa para desenvolver seus funcionários e aumentar a produtividade. O intuito é desenvolver comporta- Palestra reuniu profissionais interessados em saber mais sobre coaching mentos mais eficazes para que se tenha sucesso em atividades empreendedoras, destacou. Os profissionais contábeis participaram ativamente do evento com perguntas e sugestões. Ao final da palestra, três participantes foram sorteados para ganhar sessões gratuitas de coaching. Eventos Nova diretoria toma posse no Sindicont-Rio Membros da diretoria do Sindicont-Rio receberam certificado de posse A cerimônia de posse da nova diretoria do Sindicont-Rio aconteceu no dia 23 de maio, no auditório do sindicato. Além dos integrantes da entidade, o evento reuniu representantes do CRCRJ, do Sescon-RJ e da Unipec-RJ, bem como de outros órgãos. Oficialmente, as atividades da nova gestão foram iniciadas em 25 de abril mesma data em que se comemora o Dia do Profissional da Contabilidade. Durante a celebração, os convidados acompanharam a entrega de certificados aos membros recém-empossados. A Presidente eleita do Sindicont-Rio, Lygia Maria Vieira Sampaio, prometeu uma gestão voltada para a capacitação e o desenvolvimento do profissional contábil. A ideia é inovar, sem deixar de lado os avanços e os projetos bem-sucedidos implementados nos últimos quatro anos. A nossa diretoria está engajada no apoio à classe contábil. Nesse sentido, aumentaremos a quantidade de cursos e eventos de capacitação para que os profissionais estejam sempre atualizados em relação às novas regras que, a todo momento, surgem em nossa atividade, comentou. A Presidente do CRCRJ, Vitória Maria da Silva, parabenizou a nova líder do sindicato e ressaltou a importância da parceria entre as entidades congraçadas para o pleno desenvolvimento da categoria: Estamos de mãos dadas em prol da valorização da classe. O CRCRJ está de portas abertas para trabalhar juntamente com o sindicato em projetos que aprimorem o desempenho dos profissionais contábeis. Segundo destacou a Vice-Presidente do Sindicont-Rio, Diva Gesualdi, engajamento contábil é a palavra de ordem que resume os planos da nova diretoria do sindicato. Para ela, é fundamental que o trabalho da entidade seja sempre voltado para uma atuação cada vez mais eficiente do profissional perante a sociedade. O nosso primeiro e mais importante mote é a capacitação, constatou. Revista do CRCRJ 7

8 Opinião A importância do Coaching na vida do profissional contábil Começo definindo o que vem a ser essa área do conhecimento que invadiu o Brasil em meados dos anos 90. Coaching é uma parceria entre o Coach e o Coachee em um processo estimulante e criativo que o inspira a maximizar seu potencial pessoal e profissional na busca do alcance dos seus objetivos e metas, por meio do desenvolvimento de novos e mais efetivos comportamentos, segundo a ICF International Coach Federation maior Associação de Coaches Profissionais do mundo. Segundo Fernández (1993), foi identificado que as modalidades de aprender e ensinar de uma pessoa são as maneiras particulares de cada um se aproximar do conhecimento, bem como o ato de dar forma ao seu saber; são observadas semelhanças entre a modalidade de aprendizagem, a modalidade sexual e a modalidade da pessoa buscar o dinheiro; a convergência das três modalidades é que são maneiras diferentes do desejo de possessão de um objeto. É justamente na forma de buscar o dinheiro (uma das riquezas materiais das pessoas) que identifico e reconheço a importância do Coaching na vida do profissional contábil. Por exemplo: imagine que um profissional contábil identifica pela sua competência técnica que seu cliente mistura as finanças da pessoa jurídica com as da pessoa física, além disso, detecta que precisa orientar seu cliente em relação ao regime tributário mais adequado para a sua empresa, mas não o faz, por uma questão comportamental, não sabe como sinalizar ao seu cliente a necessidade de separar e registrar o que é da ordem do Eu Pessoa Física e do Eu Pessoa Jurídica; não tem a menor ideia, se sua recomendação terá aderência e quais serão os fatos e os impactos desse fazer ou desse não fazer... Segundo Tarossi & Araújo (2012), foram identificadas as principais habilidades requeridas para a atuação do profissional contábil no mercado de trabalho; quatro dimensões de competências: 1- Competências Técnicas 2- Competências Gerenciais 3- Competências Comportamentais 4- Competência Interdisciplinar do Conhecimento Se formos levantar as habilidades que fazem parte dessas quatro dimensões e articularmos com a estória citada, já temos hipóteses de qual meta de competência poderá fazer parte do programa de Coaching desse profissional que não teve uma atitude efetiva. O objetivo do Coaching é desenvolver, empoderar as habilidades comportamentais. O Coaching pode, por meio de técnicas próprias, expandir uma competência que ele já tem desenvolvida em outras áreas da sua vida, além de nos convidar a ver nossas dificuldades como oportunidades imediatas de melhoria. Fica a Dica! Contratem somente Coaches Associados e Credenciados no ICF. Dulce Soares Presidente da ICF Capítulo Regional RJ 2014 LUCRO REAL O Lucro Real do Cenofisco passa por uma inovação todos os anos, visando a facilitar sua utilização, tornando-o mais ágil e prático, mantendo, sobretudo, a qualidade, a segurança e a confiabilidade em relação à apuração do Lucro Real e da Contribuição Social anual ou trimestral, além do Lucro Presumido, PIS e Cofins. DETALHES DO LUCRO REAL 2014 Atendimento à Instrução Normativa n o 1.394/2013 lucro da exploração contemplando o incentivo Prouni. Cálculo automático dos limites individuais e coletivos dos incentivos do IRPJ Real/Estimado/Fechamento Anual. IRPJ Real Inclusão do incentivo Vale-Cultural/Pronas-PCD/ Pronon. Emissão do Relatório do Cadastro de Produtos das alíquotas diferenciadas e por Unidade de Medida de Produto. Inserção do Fechamento Anual da CSLL e do IRPJ para as empresas tributadas pelo Lucro Real Anual. Permissão para imprimir o livro de Encadernação do Lacs junto ou separado do Lalur. Acesso à Agenda de Obrigações Cenofisco (prazos e tabelas aplicadas no âmbito federal, estadual e municipal referentes ao recolhimento de impostos, entre outros). Acesso à íntegra da legislação aplicável ao programa Lucro Real. Rua Primeiro de Março, o andar Centro Rio de Janeiro-RJ Tel: Revista do CRCRJ

9 Novos cálculos Lei das sociedades uniprofissionais visa pacificar a relação dos contribuintes com a prefeitura do Rio de Janeiro Após anos de espera, a Lei 5.739/2014, aprovada pela Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, concede remissão para dívidas tributárias de até R$ 800 mil (saiba mais na tabela abaixo) e contribui para as sociedades definirem se podem ou não se enquadrar na categoria de uniprofissionais. Segundo o texto, o profissional autônomo é descrito como aquele que, embora com concurso de auxiliares ou colaboradores, presta serviços exclusivamente sob a forma de trabalho pessoal, não se enquadrando como tal o exercício de profissão que constitua elemento de empresa. A nova legislação mantém a base de cálculo para o pagamento de imposto de acordo com o número de profissionais ligados à empresa, além de detalhar os valores e as formas de regularização de débitos tributários. Na avaliação do profissional contábil Antônio Carlos de Azeredo, a regulamentação da lei, que será produzida brevemente pela Secretaria Municipal de Fazenda, trará menos insegurança quanto ao enquadramento como uniprofissional às sociedades que têm as características básicas necessárias. Além da categoria contábil, a lei das uniprofissionais impacta as sociedades de outros segmentos, como engenheiros, auditores, médicos e administradores. O recolhimento do ISS das entidades dessas áreas representa um total de R$ 57 milhões por ano que a Prefeitura estava deixando de receber por conta da indefinição do tema. Essa alteração também vai impactar o nosso trabalho, já que muitos de nossos clientes se enquadram na categoria de sociedade uniprofissional, afirma a Vice-Presidente de Fiscalização, Ética e Disciplina do CRCRJ, Márcia Tavares. Com a remissão e a anistia, existe a possibilidade de recomeçar e adotar regimes mais precisos em cada caso, com empresas que de fato podem ser definidas como uniprofissionais, ressaltou. Anistia tributária decorrente de Auto de Infração ou Nota de Lançamento Valor Até R$ 600 mil de imposto corrigido Até R$ 800 mil do crédito total * Acima de R$ 800 mil do crédito total Texto aprovado Remissão Remissão Anistia de 85% de desconto, se pago à vista e 65% de desconto em até 84 prestações Sociedade de profissionais - Base de cálculo por profissional habilitado Total Texto anterior Texto aprovado Um a cinco R$ 1.870,00 R$ 3.015,51 Seis a dez R$ 2.805,00 R$ 4.523,30 Acima de dez R$ 3.714,50 R$ 6.032,50 * Os valores tratados referem-se exclusivamente aos Autos de Infração e/ou Notas de Lançamento. Para os valores constituídos por meio de confissão de dívida (últimos cinco anos), há a anistia de 85% para pagamento único do valor confessado e 65% em caso de pagamento parcelado do valor confessado em até 84 parcelas. Os benefícios dessa Lei ainda serão objeto de regulamentação pela Secretaria Municipal de Fazenda. Legislação Lei 5.739/2014 foi aprovada pela Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro Revista do CRCRJ 9

10 Entrevista Segurança virtual Dados sigilosos transmitidos em ambientes virtuais, certificados digitais e o uso cada vez maior da internet trazem novos desafios para a Contabilidade. Doutor em segurança da informação e Presidente da MPSafe, organização que se destina à conscientização do público sobre o tema, Paulo Pagliusi alerta que os profissionais contábeis precisam estar atentos às novas tecnologias. Para ele, a segurança cibernética deve estar entre as prioridades de qualquer escritório contábil do Brasil. Qual é a importância da segurança digital na área contábil? Com o advento da obrigatoriedade do uso de documentos e certificados digitais, a área contábil se torna cada vez mais dependente do ciberespaço. Destacamos que há possibilidade de falhas de comunicação entre as organizações e os provedores que podem comprometer não somente a missão da classe contábil como também a de todas as demais áreas corporativas. E isso se torna crítico quando um escritório contábil apoia várias organizações, pois tais riscos podem se estender a elas e comprometer suas informações. É um erro comum subestimar o impacto que a falta de investimento em segurança digital pode causar em uma empresa? Os hackers modificaram seus métodos de operação ao longo do tempo, passando do uso de vírus destrutivos bastante ruidosos no passado a acessos remotos acobertados e silenciosos, lançando hoje ataques cada vez mais diversificados, direcionados e especializados. Nesse cenário, o crescimento contínuo de ataques cibernéticos acarreta duas implicações-chave para as empresas: todo líder corporativo deve reconhecer e assumir os ataques cibernéticos; e as empresas devem efetuar mudanças radicais no modelo atual e amplamente aceito de cibersegurança. Os escritórios contábeis que trabalham para grandes empresas precisam tratar deter- minadas informações com sigilo. As ameaças digitais são um grande problema nesse sentido? Qual poderia ser o impacto de um vazamento da Contabilidade de um grande cliente na rede? Muitos executivos de alto nível de grandes empresas parecem não se interessar em enxergar as armadilhas dos pontos cegos nas corporações e a necessidade de inovação na cibersegurança de seus negócios. Mas alguns episódios recentes de ciberespionagem global com impacto direto no sigilo de suas informações já os obriga a rever conceitos. Entre eles, destacam-se as revelações de Edward Snowden sobre o fato de que agências de inteligência governamentais coletam e fazem uso massivo da informação. Além de alvos militares e diplomáticos, isso permitiu a obtenção de dados que trouxeram vantagens econômicas e competitivas para seus países, golpeando a privacidade de empresas e, em última instância, de todos os cidadãos do planeta. Dessa forma, todo escritório contábil precisa redobrar seus cuidados no que tange a evitar vazamentos, em especial de dados de clientes que tenham concorrentes estrangeiros ajudados por agências de espionagem governamentais. Além de ameaças externas, a segurança digital avalia a possibilidade de problemas internos, como acesso indevido a informações sigilosas, vazamentos acidentais ou atos de má-fé. De que forma uma empresa pode se proteger desse tipo de ação? Para lidar com esses riscos, as empresas devem dispor de mecanismos de controle que incluem: campanhas contínuas de conscientização em cibersegurança, atenção aos ataques, por exemplo, de malwares (softwares destinados a infiltrar-se em um sistema de computador alheio de forma ilícita). É comum, por exemplo, o golpe do pendrive grátis esquecido na entrada das corporações, repleto de malwares silenciosos. 10 Revista do CRCRJ

11 Os sistemas de computação e armazenamento em nuvem estão sendo cada vez mais utilizados em vários ramos da tecnologia da informação. Quais são as vantagens e desvantagens desse modelo para as empresas contábeis? Hoje a migração da computação tradicional das empresas contábeis para esse novo ambiente não é mais uma questão de se, mas sim de quando vai ocorrer. E a segurança do ambiente corporativo de computação em nuvem assume papel preponderante nesse processo. Ao contrário do que usualmente acontece em um centro de dados tradicional, na nuvem a barreira que protege a infraestrutura é diluída. Nesse momento, os dados precisarão de segurança própria que os proteja. Isso implicará seu completo isolamento, já que precisam ser protegidos quando vários clientes usarem recursos compartilhados em uma infraestrutura de nuvem. Também é importante que a virtualização, o controle de acesso e a criptografia sejam suficientes para permitir níveis alternáveis de separação entre corporações, usuários e comunidades de interesse. E essa separação é vital para escritórios contábeis que operam informações de empresas concorrentes. O Presidente da MPSafe, Paulo Pagliusi, chama atenção para a importância da segurança digital nos escritórios contábeis Entrevista Revista do CRCRJ 11

12 Capa Novo regime tributário Maio de 2014, provavelmente, ficará marcado na memória dos profissionais contábeis. No dia 14 daquele mês, foi publicada no Diário Oficial da União a Lei , resultado da conversão da Medida Provisória 627/2013, que introduz relevantes alterações no cenário tributário federal. Comparada, em termos de importância, ao Decreto-lei 1.598/1977, que promoveu o alinhamento no plano fiscal, e à Lei 6.404/1976, responsável pelo ordenamento contábil de acordo com as necessidades do mercado na época, a nova legislação entrará em vigor obrigatoriamente em janeiro de Uma das grandes novidades da lei é a extinção do Regime Tributário de Transição (RTT), instituído em 2009, mediante a substituição por um novo regime tributário no âmbito do Imposto sobre a Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ), da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), da Contribuição para o PIS/Pasep e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social. A nova legislação altera também a forma de tributação dos lucros obtidos por companhias brasileiras que atuam no exterior por meio de subsidiárias. Para o sócio de Consultoria Tributária da Deloitte, Mário Nascimento, a Lei traz uma nova realidade para as operações contábeis no Brasil. Em sua opinião, a extinção do RTT é o principal diferencial. Essa sistemática garantiu a neutralidade tributária após a implementação das normas internacionais. Desde 2008, os profissionais contábeis trabalhavam com dois tipos de cálculos. Para fins tributários, continuavam valendo as regras vigentes até 31 de dezembro de 2007, antes da aplicação do IFRS, explica. Na avaliação do diretor da EY, Cláudio Yano, o RTT provocou algumas divergências de entendimento entre empresas e autoridades fiscais federais. As discussões se intensificaram após a publicação da Instrução Normativa RFB 1.397/2013, a partir da qual representantes do fisco se posicionaram formalmente sobre certos temas controvertidos do regime. Entre os pontos questionados, estavam a isenção no pagamento de lucros e dividendos gerados durante a vigência do RTT, a base de cálculo dos juros sobre o capital próprio e a aplicação da equivalência patrimonial nos investimentos em controladas e coligadas. É certo que a Lei trouxe dispositivos para eliminar esses debates em relação ao passado, mas a adoção do novo regime que substitui o RTT estancará de vez quaisquer divergências, afirmou. Apesar de vigorar nacionalmente somente em 2015, as empresas podem optar pela adoção já neste ano. Na opinião de Yano, a aplicação antecipada da Lei pode ser conveniente em situações específicas e, por isso, deve ser objeto de avaliação pelas organizações. Essa opção deve ser exercida na DCTF relativa aos fatos geradores de maio de 2014, cuja entrega deve acontecer em meados de julho deste ano, comenta. 12 Revista do CRCRJ

13 Capacitação é fundamental Mário Nascimento comenta que o processo de conversão da MP 627/2013 para a Lei /2014 foi bastante debatido pelos representantes da Receita Federal do Brasil (RFB) e pelos contribuintes. Segundo ele, essa intensa participação de ambos os lados foi inédita na história recente do país. Houve discussões saudáveis que serviram para aprimorar a nova legislação. Algumas emendas da MP 627 não estavam muito claras. A Lei regulou itens que deixavam dúvidas e causavam diferentes interpretações, evidencia o sócio da Deloitte. O profissional afirma ser fundamental a busca do conhecimento por parte da categoria para a correta aplicação dos novos métodos e critérios contábeis. Na Deloitte, Nascimento garante que todos os funcionários da área de Consultoria Tributária estão sendo treinados por meio de cursos internos. Segundo ele, a empresa intensificou o trabalho de registro da Contabilidade dos clientes e passou a interagir mais com empresas provedoras de softwares que garantam uma escrituração fiscal eficiente, alinhada aos novos dispositivos trazidos pela adoção do IFRS. Já Cláudio Yano afirma que o novo regime tributário pressupõe maior familiaridade com os padrões internacionais da Contabilidade. De acordo com o especialista, há necessidade de intensificar o conhecimento sobre o IFRS e sua aplicação prática, o que ainda é um grande desafio para a maior parte dos profissionais contábeis. Sem esse entendimento da nova Contabilidade, a aplicação das regras fiscais propostas pela Lei pode ser distorcida e gerar questionamentos, alerta o diretor da EY. É certo que a Lei trouxe dispositivos para eliminar esses debates em relação ao passado, mas a adoção do novo regime que substitui o RTT estancará de vez quaisquer divergências Cláudio Yano, diretor da EY Possíveis impactos na operação contábil Yano lista também os itens da nova legislação que podem impactar o dia a dia da classe contábil. A necessidade de controles adicionais das diferenças nos valores de ativos e passivos pede mais atenção dos profissionais a fim de evitar efeitos fiscais indesejáveis. Outra questão citada pelo especialista é tecnológica: Sabemos que muitos dos controles contábeis dependem de sistemas e de profissionais da área de Tecnologia da Informação. Ele lembra que a Lei estabeleceu novas multas no caso de atraso ou de informações incorretas no envio do e-lalur (bloco da Escrituração Contábil Fiscal, que substituirá a DIPJ). O executivo acredita também que a combinação da implementação de um novo regime tributário com uma nova obrigação acessória (ECF) potencializa as chances de confusões, que podem resultar em autuações por parte da fiscalização. É necessário ficar atento e buscar qualificação. Os profissionais que estiverem preparados serão ainda mais valorizados, destaca. Principais pontos da Lei /2014: Altera a legislação tributária federal relativa ao IRPJ, à Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, à Contribuição para o PIS/Pasep e à Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social; Revoga o Regime Tributário de Transição (RTT), instituído em 2009, e promove o alinhamento da legislação fiscal ao novo padrão contábil adotado no país em 2008; O novo regime tributário, diferentemente do RTT, disciplina o tratamento a ser dado para fins da apuração de IRPJ, CSLL, PIS e Cofins. Os novos métodos e critérios contábeis permitem a neutralidade tributária; A adoção do novo regime tributário será obrigatório a partir de 2015 para as empresas sujeitas ao lucro real, presumido ou arbitrado. No entanto, é concedida a possibilidade de aplicar as regras ainda em 2014 (opção, de caráter irretratável, deve ser consignada na DCTF relativa aos fatos geradores de maio de 2014, e entregue em julho de 2014, conforme a IN RFB 1.469/2014); Altera a tributação da pessoa jurídica domiciliada no Brasil com relação ao acréscimo patrimonial decorrente de participação em lucros auferidos no exterior por controladas e coligadas. Capa Revista do CRCRJ 13

14 Decore responsável Artigo Trata-se da declaração de percepção de rendimentos, que fornece à sociedade informação sobre a percepção dos rendimentos dos beneficiários. É um documento que nós, profissionais da Contabilidade, temos a prerrogativa de conceder a nossos clientes. Esse documento tem o poder de respaldar diversas opções junto às instituições financeiras a quem nós, como profissionais da Contabilidade, estamos declarando que nosso cliente tem condições de arcar com pagamentos das mensalidades de empréstimos, aquisição de automóveis, financiamento imobiliário, e todos os outros processos de aprovações financeiras. Será que estamos levando essa prerrogativa com responsabilidade??? Será que sabemos quais as regras para emissão desse documento que na realidade vale dinheiro??? Assumi a vice-presidência da Fiscalização em janeiro deste ano e, para nossa surpresa, identificamos que o maior fluxo de demandas para Auto de infração está na prestação de contas da emissão das DECOREs. Como atual Vice-Presidente da Fiscalização, eu me sinto com a responsabilidade de alertá-los e orientálos de modo que possamos reduzir o grande número de processos de profissionais que constantemente são autuados por não observarem as regras para emissão ou, o que mais acontece, não ler a resolução CFC 1.364/2011 e seus anexos I e II. Nos meses de março e abril foram relatados mais de 115 processos de DECORE, onde cerca de 92% foram mantidos os autos de infração. E, ainda para nossa maior surpresa, um mesmo profissional com cerca de 6 a 10 processos de DECORE. Para que possamos realizar um trabalho de conscientização e orientação, estaremos informando maciçamente o conteúdo da Resolução que trata do tema, e a documentação que o PROFISSIONAL TEM QUE TER ANTES DE EMITIR A DECORE. A documentação deve ser apresentada antes da emissão e não depois de emiti-la organizar documentação que dê suporte. A Decore sem base em documentação hábil e legal é crime, previsto no Código Penal art. 299, por se tratar de documento inidôneo. É de suma importância a manutenção deste direito, cumprindo com responsabilidade o que determinam a Resolução do CFC 1.364/2011 e seus anexos I e II. A autenticação desse documento deverá ser procedida diretamente no site do Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro (www.crc.org.br). E você sabia que: 1) Ao atingir a emissão de 50 (cinquenta) DECOREs, via site do CRCRJ, o sistema bloqueará a emissão e para liberação será necessário a prestação de contas das DECOREs emitidas no setor de Fiscalização do Conselho? 2) Ao prestar contas das DECOREs emitidas no Setor de Fiscalização do Conselho, terá que anexar toda a documentação obrigatória relacionada nos anexos I e II da resolução 1.363/2011, vias originais e cópias? 3) Ao emitir uma DECORE sem fundamentação, sem documentação comprobatória, o profissional da Contabilidade estará cometendo um CRIME, ele está atestando algo que não existe, prejudicando terceiros envolvidos? 4) Quando a DECORE refere-se a pró-labore e/ou Distribuição de lucros, a documentação comprobatória será a GFIP (transmitida), as DARFs de recolhimentos do IR e o Livro Diário, registrando os valores de pró-labore e de DL? 5) O fiscal que for avaliar o processo na prestação de contas fará a verificação das 50 (cinquenta) DECOREs emitidas, lavrando assim o Auto de Infração para todas as emissões? 6) A documentação legal que serviu de lastro para a emissão da DECORE ficará sob a responsabilidade do profissional da Contabilidade que a emitiu, pelo prazo de 5 (cinco) anos, para fins de fiscalização por parte do Conselho Regional de Contabilidade? 7) O profissional da Contabilidade que descumprir as normas dessa Resolução estará sujeito às penalidades previstas na legislação pertinente. Valorize sua profissão, assim você estará se valorizando. Não emita DECORE sem documentação hábil! A emissão de DECORE não pode ser um comércio e sim uma forma de fortalecer ainda mais nossa profissão, nossa responsabilidade e nossa participação perante a sociedade! Pense nisso, somente os profissionais da Contabilidade podem atestar ganhos para o mercado financeiro de interesse público! Você está agindo corretamente! O CRCRJ de todos nós quer mudar essa visão e escrever uma nova história! Márcia Tavares Vice-Presidente de Fiscalização, Ética e Disciplina do CRCRJ 14 Revista do CRCRJ

15 Revista do CRCRJ 15

16 Notícias 95% dos alunos aprovam cursos do CRCRJ O Departamento de Desenvolvimento Profissional do CRCRJ divulgou as estatísticas de satisfação dos cursos ministrados pelo Conselho entre janeiro e maio de De acordo com as avaliações, 95% dos alunos classificaram os cursos e os professores como muito bom (73%) ou bom (22%). Nesse período, mais de pessoas participaram dos 89 cursos do CRCRJ, que totalizaram mais de mil horas/aula. Pesquisa acadêmica em foco Os cursos do CRCRJ são abertos aos profissionais contábeis habilitados e em situação regular bem como aos estudantes com cadastro ativo no Conselho. Para participar, é necessária a doação de dois quilos de alimentos não perecíveis, no primeiro dia de aula de cada curso. Criado pelo CRCRJ para incentivar a pesquisa acadêmica no meio contábil, o Prêmio Contador Américo Matheus Florentino já tem calendário definido para Ele aceitará inscrições até o dia 5 de agosto e distribuirá, no total, R$ 10 mil para os primeiros colocados. A ação é destinada a professores e alunos dos cursos de graduação e pós-graduação em Ciências Contábeis no estado do Rio de Janeiro. Os melhores trabalhos também serão publicados na revista Pensar Contábil. O prêmio também é uma homenagem à trajetória de um profissional que fez história na Contabilidade fluminense. Américo Matheus Florentino foi ex-presidente do Sindicato dos Economistas e Contador-Geral do Instituto de Resseguros do Brasil (atual IRB Brasil RE) e professor da UFRJ. Autor de 12 obras técnicas sobre Economia e Contabilidade, lecionou na Uerj e foi membro do CRCRJ e do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil. Para mais informações sobre as regras do concurso, acesse o site do CRCRJ (www.crc.org.br). Plantão fiscal de IRPJ Entre os dias 4 e 27 de junho, o CRCRJ realizou em sua sede o Plantão Fiscal de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) O objetivo do atendimento foi eliminar dúvidas do maior número possível de profissionais contábeis. A cada dia, foram distribuídas 10 senhas no horário inicial. Somente os profissionais registrados e em situação regular no Conselho puderam usufruir do serviço inteiramente gratuito. 16 Revista do CRCRJ

17 Registro sem Exame de Suficiência O CFC publicou a Resolução 1.461/14, de 17 de fevereiro deste ano, que altera a forma de ingresso para obtenção de registro profissional. Todos os portadores de diploma com título de bacharel em Ciências Contábeis e técnico em Contabilidade, formados até 14 de junho de 2010, poderão solicitar habilitação profissional sem prestar o Exame de Suficiência. Os técnicos em Contabilidade, de acordo com o artigo 12 do Decreto-Lei 9.295/46, alterado pelo artigo 76 da Lei /10, poderão obter o registro somente até 1º de junho de Para solicitá-lo, acesse o site e siga as seguintes instruções: Novas regras para cursos do CRCRJ Entrou em vigor no dia 1º de junho o novo regulamento de participação nos cursos do CRCRJ. De acordo com a Resolução 439/2014, a entrega de alimentos deverá ser feita em todos os locais de realização de curso, tanto na capital como nas demais cidades do estado. Antes, a entrega ocorria somente na sede do Conselho. Ainda de acordo com o regulamento, os participantes que não levarem os dois quilos de alimentos não perecíveis ficarão impedidos de se inscrever em novos cursos pelo período de 90 dias. A arrecadação de alimentos faz parte da Ação Social realizada pelo CRCRJ. As doações recebidas são repassadas pelo Programa de Voluntariado da Classe Contábil no Rio de Janeiro, a entidades beneficentes previamente credenciadas no programa. A prestação de contas do repasse das doações pode ser acompanhada pelo site do CRCRJ. Notícias Clique no link Pré-registro, no espaço Pré-Cadastro profissional. Caso queira verificar a lista de documentos antes de realizar o Pré-registro, acesse o link Listagem; Com o preenchimento da ficha cadastral o sistema emitirá, automaticamente, o protocolo com o requerimento, as guias necessárias e a lista de documentos que deverão ser apresentados ao CRCRJ para efetivação do registro. Após o pagamento das guias, o profissional deve comparecer ao Conselho para formalizar o processo de registro com apresentação dos documentos. Revista do CRCRJ 17

18 PVCC do Rio de Janeiro comemora momento de crescimento Voluntariado Programa de Voluntariado da Classe Contábil no Rio de Janeiro se destaca no primeiro trimestre deste ano com participações inéditas em projetos sociais Os três primeiros meses de 2014 foram intensos para os voluntários contábeis. Da estreia no projeto Ação Global à participação nos Conselhos de Alimentação Escolar (CAEs) estadual e municipal, o Programa de Voluntariado da Classe Contábil (PVCC) no Rio de Janeiro fez a diferença na construção de uma sociedade cada vez mais justa e solidária. Até março deste ano, o CRCRJ esteve presente em três edições do Ação Global, iniciativa promovida pela Rede Globo em parceria com o Serviço Social da Indústria (Sesi). A primeira, em 26 de janeiro, aconteceu em Itaboraí, onde o Conselho se disponibilizou a prestar atendimento para orientar e tirar dúvidas da população local com base em dois dos oito projetos institucionais do PVCC: Controle Social e Orçamento Familiar. Os voluntários também deram algumas dicas sobre imposto de renda. A segunda e a terceira edições foram realizadas nos dias 23 de fevereiro, em Angra dos Reis, e 23 de março, em Realengo, respectivamente. Em cada evento, a média de atendimento no estande do Conselho foi de 70 pessoas, como explica a conselheira suplente do CRCRJ e coordenadora regional do PVCC Nacional, Rosangela Dias: Foi a primeira vez que participamos de um evento dessa magnitude. É um prazer para nós contribuir, juntamente com órgãos públicos e ONGs, com informações úteis sobre direitos e deveres da sociedade. Outra novidade do primeiro trimestre foi a inclusão de membros da comissão do Voluntariado nos CAEs estadual e no municipal do Rio de Janeiro. A voluntária Romana Moreira, membro da Comissão do PVCC RJ, e a conselheira suplente do CRCRJ, Sonia Barbosa, estão auxiliando os representantes do Conselho de Alimentação Escolar na análise da prestação de contas da aplicação dos recursos destinados à merenda escolar no estado e no município do Rio de Janeiro. Desenvolvido em parceria com a ONG Ação Fome Zero, o projeto de auxílio aos CAEs tem abrangência nacional. A partir dele, profissionais da Contabilidade em cada cidade são designados como voluntários para ajudar na fiscalização das contas do Programa Nacional de Alimentação Escolar em municípios e estados, por meio dos Conselhos Regionais. Grande parte dos CAEs do país não tem em sua composição pessoas especializadas em contabilidade e finanças. O papel do profissional contábil voluntário é prestar apoio técnico aos membros dos conselhos na realização de suas tarefas de controle social dos recursos da alimentação escolar, esclarece Rosangela. Doação ativa Além dos projetos inéditos iniciados no primeiro trimestre de 2014, o PVCC do Rio de Janeiro continua a repassar doações de alimentos às instituições parceiras. A cada doação (que acontece, em média, duas vezes por mês) são enviados de 500 a 600 quilos para entidades de diversos municípios. A arrecadação de alimentos ocorre por meio dos cursos oferecidos pelo CRCRJ. Voluntários contábeis Hoje, o PVCC do Rio de Janeiro conta com cerca de 360 voluntários cadastrados. Para participar, o profissional contábil ou o estudante de Ciências Contábeis deve se cadastrar no site O Conselho Federal de Contabilidade exige que os participantes tenham registro ativo e regular em seus respectivos Conselhos Regionais. 18 Revista do CRCRJ

19 Troca de conhecimentos III Seminário Contabilidade na Área Pública aborda o presente e o futuro das práticas contábeis no setor No dia 5 de junho, o CRCRJ promoveu o 1º ciclo do III Seminário Contabilidade na Área Pública, no auditório da Secretaria de Fazenda do Estado do Rio de Janeiro. Com o tema A nova Contabilidade aplicada ao setor público. Onde estamos? Como estamos? Para onde vamos?, o evento reuniu representantes do Conselho fluminense, da Contadoria Geral do Estado do Rio de Janeiro, da Auditoria Geral do Estado, da Controladoria Geral do Município do Rio de Janeiro, dos órgãos de controle de diversas prefeituras e do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ). Na primeira palestra do dia, o contador geral do Estado, Francisco Iglesias, falou sobre a convergência da Contabilidade aos padrões internacionais e explicou a estrutura da Contadoria Geral. As novas normas contábeis para o setor público ainda não estão totalmente implantadas em nenhum ente da federação. Temos um longo caminho para percorrer e eventos como esse são importantes para disseminar trabalhos em torno de todas as mudanças pelas quais a Contabilidade aplicada ao setor público passa atualmente, pontuou. A Vice-Presidente Operacional do CRCRJ, Lílian Lima Alves, compôs a mesa de abertura do evento. Em seu discurso, a profissional propôs aos representantes dos órgãos públicos que firmem convênios de parceria com o Conselho fluminense. Ela falou também da necessidade de mudança de atitude do profissional da Contabilidade. A constante renovação de pessoal nos cargos públicos dificulta o alcance de uma continuidade e de uma padronização dos relatórios contábeis. Um maior engajamento dos gestores públicos na elaboração desses documentos juntamente com os contadores é necessário, aconselhou. A conselheira do CRCRJ e membra da comissão do Programa de Voluntariado da Classe Contábil (PVCC) no Rio de Janeiro, Rosangela Dias, aproveitou a ocasião para convocar profissionais contábeis à iniciativa. Durante sua palestra, ela apresentou o programa e seus objetivos. É fundamental que os profissionais saibam a importância do voluntariado e façam parte de nossas ações, destacou. Área Pública JÁ SÃO MAIS DE DÚVIDAS RESPONDIDAS POR NOSSOS ESPECIALISTAS Trata-se do maior acervo de questionamentos selecionados pelos nossos experientes profissionais, que acompanham a grande dinâmica das alterações e que, diariamente, são objeto de dúvidas dos nossos assinantes. Diariamente são incluídos novos questionamentos de todas as áreas, respondidos de forma clara e didática. Acesse o link e conheça o produto: Rua Primeiro de Março, o andar Centro Rio de Janeiro-RJ Tel: Revista do CRCRJ 19

20 Sistema CFC/CRCs ganha nova identidade visual Atualidades Pela primeira vez, em 68 anos de criação dos Conselhos Regionais pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, foi instituída uma identidade visual única para o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e todos os CRCs do Brasil. Antes, cada Conselho tinha a sua logomarca. A partir de agora, teremos uma identificação visual comum e seremos vistos e lembrados como organismos componentes de um sistema organizado e que compartilha missão, projetos, ideias e sentimentos. A finalidade é fortalecer a nossa imagem perante os profissionais da Contabilidade e a sociedade, afirma o presidente do CFC, José Martonio Alves Coelho. A nova identidade visual foi aprovada pelo Plenário do CFC em junho de 2014 e será implementada pelos Regionais ao longo do mês de julho. Novos livros disponíveis na Biblioteca do CRCRJ Três grandes lançamentos disponibilizados pela editora Saraiva estão entre os livros que chegaram às prateleiras da biblioteca do CRCRJ em maio. As obras Contabilidade Gerencial para Tomada de Decisão, Estrutura e Análise de Balanço Fácil e Teoria Geral da Administração Gerenciando Empresas Brasileiras estão disponíveis para consulta aos profissionais da Contabilidade registrados e aos estudantes de Ciências Contábeis. O primeiro, dos autores Peter Atrill e Eddie McLaney, aborda como a contabilidade gerencial pode ser útil para a elaboração e o cumprimento de planos. O livro considera o uso de informações contábeis para tomar decisões relativas a investimentos de longo prazo, trata da contabilidade gerencial estratégica e esclarece problemas de mediação de desempenho. Escrito por Osni Moura Ribeiro, a obra Estrutura e Análise de Balanço Fácil contém informações sobre o conceito e a finalidade da análise de balanços. Esta é a sua 10º edição, já atualizada de acordo com as Normas Internacionais de Contabilidade. Já o Teoria Geral da Administração, elaborado por Cyro Bernardes, cita o sucesso da aplicação de práticas administrativas em um caso fictício e trata de assuntos geralmente omissos em organizações, como fraudes. Batizada de Ivo Malhães de Oliveira, a biblioteca do CRCRJ tem a função de reunir, sistematizar, preservar e disseminar a informação de interesse para diversas áreas do Conselho. O acervo, em constante atualização, dispõe hoje de aproximadamente títulos entre livros, apostilas, periódicos, teses e dissertações Revista do CRCRJ

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014 Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT Claudio Yano 20 de maio de 2014 DIPJ 2014 Prazo de entrega Programa Gerador aprovado pela IN RFB 1.463/14; Prazo para entrega:

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL 1. Apresentação O Programa de Voluntariado da Classe Contábil, componente do plano de metas estratégicas do Conselho

Leia mais

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas O governo brasileiro, por meio da Receita Federal do Brasil (RFB), está implantando mais um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes.

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 018/2013

NOTA TÉCNICA Nº 018/2013 NOTA TÉCNICA Nº 018/2013 Brasília, 09 de maio de 2013. ÁREA: Finanças TÍTULO: Certificado Digital e a Importância para os Municípios. REFERÊNCIA(S): Cartilha SIOPS; Comunicado CGSN/SE nº 3, de 10 de março

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 22/12/2015 ATENÇÃO 1 Declaração de Imunidade Tributária Municipal deve ser enviada até 31.12.2015 Nos termos da Instrução Normativa nº 07/2015 da Secretaria

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS VOCÊ JÁ TEM POUCO TEMPO. UTILIZE ESSE TEMPO PARA RESOLVER OUTROS PROBLEMAS. ACHAR E SOLUCIONAR OS PROBLEMAS TRIBUTÁRIOS E NO SPED FAZ PARTE DAS NOSSAS ESPECIALIDADES. AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) Grant Thornton - Brasil Junho de 2015 Agenda Considerações Iniciais; Obrigatoriedade de Transmissão; Penalidades (Multas); Informações a serem Transmitidas; Recuperação

Leia mais

www.audicgroup.com.br DR SPED

www.audicgroup.com.br DR SPED www.audicgroup.com.br DR SPED a EMPRESA A Audic Group no Brasil tem o compromisso com os seus clientes de buscar a satisfação por eles desejada, para tanto dedica-se na identificação dos problemas, na

Leia mais

01. DÚVIDAS FREQUENTES Fcont, ECF e ECD

01. DÚVIDAS FREQUENTES Fcont, ECF e ECD BOLETIM INFORMATIVO Nº 14/2015 ANO XII (22 de maio de 2015) 01. DÚVIDAS FREQUENTES Fcont, ECF e ECD 1. Fcont (Controle Fiscal Contábil de Transição) 1.1 Plano de Contas O plano de contas do Fcont não sofreu

Leia mais

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM COMUNICADO FDE / DRA Nº 001/2015 OBRIGAÇÕES FISCAIS E SOCIAIS DA APM 2 0 1 5 Página 1 de 9 O objetivo deste texto é informar aos dirigentes das Associações de Pais e Mestres APMs de Escolas Estaduais conveniadas

Leia mais

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas Balneário Camboriú-SC 21 de julho de 2011 O padrão IFRS é adotado, atualmente, por cerca de 140 países(1) e por milhões de pequenas

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DO PIS/PASEP E DA COFINS - EFD-PIS/COFINS - NORMAS GERAIS Introdução - Pessoas Jurídicas

Leia mais

INTRODUÇÃO Perguntas e Respostas sobre Decore, taxativo www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/carneleao/2014/java/default.ht m

INTRODUÇÃO Perguntas e Respostas sobre Decore, taxativo www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/carneleao/2014/java/default.ht m INTRODUÇÃO Atualmente, tem aumentado a solicitação de emissão de comprovação de rendimentos por meio da Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos (Decore) por diversas instituições financeiras,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 949, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (DOU DE 17.06.09)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 949, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (DOU DE 17.06.09) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 949, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (DOU DE 17.06.09) Regulamenta o Regime Tributário de Transição (RTT), institui o Controle Fiscal Contábil de Transição (FCONT) e dá outras providências.

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O PROGRAMA ISS-Londrina-DMS - Perguntas (Seqüencia Atual e Anterior) 001-001 - O que é o ISS-Londrina Declaração Mensal de Serviço? O ISS-Londrina-DMS é um sistema Integrado para gerenciamento do

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA AS ASSOCIAÇÕES DE PASSO FUNDO

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA AS ASSOCIAÇÕES DE PASSO FUNDO NÚCLEO DE APOIO CONTÁBIL E FISCAL UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PASSO FUNDO FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS, ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS. Professora Orientadora: Ms. Mirna Muraro

Leia mais

Uma crônica de uma profissional da área Contábil/Tributária por Terezinha Massambani - Consultora Tributária do Cenofisco

Uma crônica de uma profissional da área Contábil/Tributária por Terezinha Massambani - Consultora Tributária do Cenofisco Medida Provisória 627 e o fim do RTT: R-Evolução? Uma crônica de uma profissional da área Contábil/Tributária por Terezinha Massambani - Consultora Tributária do Cenofisco Atualmente, nós, profissionais

Leia mais

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte.

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte. SPED O Sistema Público de Escrituração Digital, mais conhecido como Sped, trata de um projeto/obrigação acessória instituído no ano de 2007, através do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007. É um

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras www.contento.com.br 503117 Tributação e seus impactos na rentabilidade editorial Calculando a rentabilidade Gerir uma farmácia requer conhecimentos

Leia mais

POR QUE FAZER O CURSO?

POR QUE FAZER O CURSO? POR QUE FAZER O CURSO? Os sistemas digitais tornaram-se onipresentes, há cerca de um bilhão de computadores conectados à internet, e essenciais às atividades humanas. A Contabilidade e o Tributário estão

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA. Nota Fiscal Paulista. Manual da Entidade Social

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA. Nota Fiscal Paulista. Manual da Entidade Social GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA Nota Fiscal Paulista Manual da Entidade Social V.2 28.07.2009 Índice Analítico 1. Considerações Gerais 3 1.1 Definição 3 1.2

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF 05/05/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Time da Eficiência Comercial... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Comparativo

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

PRINCIPAIS DIFICULDADES PARA A APLICAÇÃO DO SPED CONTÁBIL E FISCAL 1

PRINCIPAIS DIFICULDADES PARA A APLICAÇÃO DO SPED CONTÁBIL E FISCAL 1 PRINCIPAIS DIFICULDADES PARA A APLICAÇÃO DO SPED CONTÁBIL E FISCAL 1 FERNANDES, Alexandre Roberto Villanova 2 ; KIRINUS, Josiane Boeira 3 1 Trabalho de Pesquisa _URCAMP 2 Curso de Ciências Contábeis da

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 PIS/COFINS EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. CERTIFICADO DIGITAL 3. OBRIGATORIEDADE 3.a Dispensa de Apresentação da EFD-Contribuições

Leia mais

Impacto fiscal. Depois de quase dois anos de longos debates entre empresas,

Impacto fiscal. Depois de quase dois anos de longos debates entre empresas, KPMG Business Magazine 30 TRIBUTOS Jupiterimages Stock photo/w101 Moeda funcional O artigo 58 da MP estabelece que as empresas que usam alguma moeda estrangeira para fins contábeis e demonstrações financeiras

Leia mais

VERSÃO 1.0.1 (09/2010)

VERSÃO 1.0.1 (09/2010) VERSÃO 1.0.1 (09/2010) 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. CONCEITO... 4 3. BENEFÍCIOS... 4 4. ACESSO AO SISTEMA... 5 4.1 ACESSANDO O SISTEMA DA NFS-E PELA PRIMEIRA VEZ... 5 4.2 ACESSANDO A ÁREA EXCLUSIVA DE PRESTADOR...

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CONCEITO... 3 3. BENEFÍCIOS... 3 4. ACESSO AO SISTEMA... 4 5. MANUTENÇÃO... 6

1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CONCEITO... 3 3. BENEFÍCIOS... 3 4. ACESSO AO SISTEMA... 4 5. MANUTENÇÃO... 6 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CONCEITO... 3 3. BENEFÍCIOS... 3 4. ACESSO AO SISTEMA... 4 4.1 ACESSANDO O SISTEMA DA NFS-E PELA PRIMEIRA VEZ... 4 4.2 ACESSANDO A ÁREA EXCLUSIVA DE PRESTADOR... 5 5. MANUTENÇÃO...

Leia mais

Boletim Mensal - Novembro/2015

Boletim Mensal - Novembro/2015 Boletim Mensal - Novembro/2015 Fiscal Contábil RH Notícias Calendário Obrigações Fiscal Fisco irá cruzar informações de bancos com o Imposto de Renda e apertar contribuinte. A partir de janeiro de 2016,

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO Documento de Utilização de Benefício Fiscal APRESENTAÇÃO Prezado Contribuinte, Instituído pela Resolução SEFAZ nº 180 de 05 de dezembro de 2008, o DUB-ICMS (Documento de Utilização de Benefício) é uma

Leia mais

SPED Contábil e SPED ECF

SPED Contábil e SPED ECF SPED Contábil e SPED ECF Impactos nas Rotinas Empresárias Prof. Marcos Lima Marcos Lima Contador (graduado pela UECE) Especialista em Auditoria (UNIFOR) Diretor de Relacionamentos da Fortes Contabilidade

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED O que é ECF Escrituração Contábil Fiscal? Demonstra o cálculo do IRPJ e da CSLL Sucessora da DIPJ Faz parte do projeto SPED Instituída pela Instrução Normativa RFB 1.422/2013

Leia mais

Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED. Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail.

Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED. Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail. Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail.com Agenda 1. Visão Geral e Situação Atual dos Projetos integrantes do SPED

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD) 1 Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD) 04/06/2014. Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa 1

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA 1 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA TUTORIAL DE USO DA FERRAMENTA ANO 2012 2 Sumário 1 Nota Fiscal de Serviços eletrônica - NFS-e... 3 1.1 Considerações Iniciais... 3 1.2 Legislação... 3 1.3 Definição...

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL. Gisele Helena MARTINEZ 1 - RGM 73616 Renato Francisco Saldanha SILVA 2 Thiago Lopes da SILVA 3

CERTIFICAÇÃO DIGITAL. Gisele Helena MARTINEZ 1 - RGM 73616 Renato Francisco Saldanha SILVA 2 Thiago Lopes da SILVA 3 CERTIFICAÇÃO DIGITAL Gisele Helena MARTINEZ 1 - RGM 73616 Renato Francisco Saldanha SILVA 2 Thiago Lopes da SILVA 3 Resumo A informação é considerada o maior valor de uma empresa ou de uma pessoa. A velocidade

Leia mais

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa.

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. A também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. É responsável pelo controle e bom andamento dos procedimentos

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

ECD + ECF - NOVAS REGRAS - 2014

ECD + ECF - NOVAS REGRAS - 2014 XII ENCONTRO ALAGOANO DE CONTABILIDADE CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE ALAGOAS ECD + ECF - NOVAS REGRAS - 2014 Prof. Filemon Augusto de Oliveira MUITO PRAZER!!! Fé Família Trabalho AGRADECIMENTOS

Leia mais

contribuições uma nova EtaPa começa aqui

contribuições uma nova EtaPa começa aqui InFORMe publicitário contribuições uma nova EtaPa começa aqui este ano mais de 1,3 milhão de empresas serão integradas ao Sped, avançado sistema de escrituração digital que visa combater a sonegação e

Leia mais

Retrospectiva 2012 / Tendências 2013

Retrospectiva 2012 / Tendências 2013 Retrospectiva 2012 / Tendências 2013 TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 19/02/2013 Prezados clientes, Selecionamos os acontecimentos mais marcantes no campo jurídico no ano de 2012 sobre

Leia mais

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários Notíci as Artigo s Página 1 de 5 @estadao.com.br :;):: ''(**. e-mail: senha: Esqueceu sua senha? Cadastre-se Artigos > Empresarial ÍNDICE IMPRIMIR ENVIAR COMENTAR aaa Incentivo fiscal MP do Bem permite

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL SPED ECF. PROFESSOR: FELLIPE GUERRA Sergipe, 24 de Agosto de 2015.

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL SPED ECF. PROFESSOR: FELLIPE GUERRA Sergipe, 24 de Agosto de 2015. ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL SPED ECF PROFESSOR: FELLIPE GUERRA Sergipe, 24 de Agosto de 2015. PROFESSOR: FELLIPE GUERRA Contador, Consultor Empresarial e Especialista em SPED. Coordenador da Comissão

Leia mais

Projeto SPED de A a Z

Projeto SPED de A a Z Consultoria e Treinamentos Apresentam: Projeto SPED de A a Z SPED Decreto nº 6.022 22/01/07 Instituir o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Promover a integração dos fiscos; Racionalizar e uniformizar

Leia mais

MANUAL DO CONTRIBUINTE. S I S T E M A E L E T R Ô N I C O ISSQN d e T e r e s ó p o l i s

MANUAL DO CONTRIBUINTE. S I S T E M A E L E T R Ô N I C O ISSQN d e T e r e s ó p o l i s MANUAL DO CONTRIBUINTE S I S T E M A E L E T R Ô N I C O d e T e r e s ó p o l i s S NI OS T VE OM A S IE SL TE T ER MÔ AN I DC O E Prezado Contribuinte, A Secretaria Municipal de Fazenda tem como prioridade

Leia mais

M3D4 - Certificados Digitais Aula 4 Certificado Digital e suas aplicações

M3D4 - Certificados Digitais Aula 4 Certificado Digital e suas aplicações M3D4 - Certificados Digitais Aula 4 Certificado Digital e suas aplicações Prof. Fernando Augusto Teixeira 1 Agenda da Disciplina Certificado Digital e suas aplicações Segurança Criptografia Simétrica Criptografia

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF 27/11/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

X X. Com portas abertas, Djazil recebe familiares. Uma história que se firmou com comprometimento e confiança PÁG 2

X X. Com portas abertas, Djazil recebe familiares. Uma história que se firmou com comprometimento e confiança PÁG 2 X X X Informativo Djazil Nº133 Ano XIII Maio/Junho 2011 Com portas abertas, Djazil recebe familiares A oportunidade levou familiares dos colaboradores até a empresa para uma manhã de sábado diferente.

Leia mais

ECF Considerações Iniciais

ECF Considerações Iniciais Outubro de 2014 ECF Considerações Iniciais A ECF é mais um dos projetos da RFB que integrará o SPED (Disciplinada pela Instrução Normativa RFB 1.422/2013). O layout da ECF pode ser encontrado no website

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Como trabalhamos? no passado a pouco tempo Daqui para frente ECD Escrituração Contábil Digital IN RFB 787/07 O que é? : É a substituição

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

Avenida Arlindo Joaquim de Lemos, 693 Vila Lemos Campinas SP CEP 13100-450 Fone (19) 9114-9922 ivva-campinas@ivva-campinas.org.br

Avenida Arlindo Joaquim de Lemos, 693 Vila Lemos Campinas SP CEP 13100-450 Fone (19) 9114-9922 ivva-campinas@ivva-campinas.org.br Lei 9.790/99 Incentivo Fiscal: contribuindo para ações de responsabilidade social Elaborado por: Miriane de Almeida Fernandes CRA 1.65.348-9 e CRC 1SP229778-P-3 Iara Hernandes Barciella, CRC 1SP184189/P-6

Leia mais

Escrituração Contábil Digital (ECD) Escrituração Contábil Fiscal (ECF)

Escrituração Contábil Digital (ECD) Escrituração Contábil Fiscal (ECF) Escrituração Contábil Digital (ECD) Escrituração Contábil Fiscal (ECF) José Jayme Moraes Junior Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil Supervisor Nacional da ECD e da ECF Escrituração Contábil Digital

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

PROJETO IN$TRUIR - 2014

PROJETO IN$TRUIR - 2014 PROJETO IN$TRUIR - 2014 DÚVIDAS ESCLARECIMENTOS Impostos incidentes sobre a emissão da NF para os convênios Pagamentos dos médicos associados à clínica. Alteração no relatório DMED. (Declaração de Serviços

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Compra e Venda, Incorporação, Loteamento e Construção para Venda de Imóveis Aspectos Contábeis e Tributários Sergio Renato

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped.

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped. 001 O que é a EFD-Contribuições? A EFD-Contribuições é a Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

Projetos da Receita Federal

Projetos da Receita Federal Escrituração Fiscal Digital - EFD Projetos da Receita Federal A Escrituração Fiscal Digital - EFD é um arquivo digital, que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO 1 FUNDAMENTAÇÃO Este Manual contem regras para Cadastramento com fins de Licitação, nos termos da Lei 8.666/93 e alterações posteriores. e está disponível no site www.aracaju.se.gov.br/emurb. REGRAS PARA

Leia mais

PALESTRA. A ECF e a Eficiência no Controle Fiscal

PALESTRA. A ECF e a Eficiência no Controle Fiscal PALESTRA A ECF e a Eficiência no Controle Fiscal Palestrante: Ivo Ribeiro Viana Advogado, contabilista, especialista em direito tributário pela PUC-SP, MBE em gestão e controladoria pela FECAP-SP. Consultor

Leia mais

Informativo do Empresário

Informativo do Empresário Informativo do Empresário Belo Horizonte, Maio / Junho de 2016 Ano XV Nº 69 Nesta Edição: Apaixone-se pelo problema e não pela solução 5 formas de aproveitar melhor o orçamento de marketing da sua empresa

Leia mais

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL MARCOS ARAÚJO Presidente do SINDSIME ÍNDICE 1 3 5 7 9 INTRODUÇÃO LEI 2 VANTAGENS COMO ME ESCREVO OBTENÇÃO DE ALVARÁ 4 OBTENÇÃO DE ALVARÁ DOCUMENTAÇÃO FISCAL 6 AMBULANTES

Leia mais

Processo Único de Federação- PUF

Processo Único de Federação- PUF Processo Único de Federação- PUF 1 1. O que é a FEJEPAR? A Federação das Empresas Juniores do Estado do Paraná FEJEPAR, fundada no ano de 1996 na cidade de Curitiba, é uma instituição sem fins lucrativos,

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI SINÔNIMO DE EXCELÊNCIA EM GOVERNANÇA CORPORATIVA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC IRÁ APRIMORAR E CONFERIR MAIOR EFICÁCIA À ATIVIDADE PROFISSIONAL

Leia mais

EFD PIS COFINS Teoria e Prática

EFD PIS COFINS Teoria e Prática EFD PIS COFINS Teoria e Prática É uma solução tecnológica que oficializa os arquivos digitais das escriturações fiscal e contábil dos sistemas empresariais dentro de um formato digital específico e padronizado.

Leia mais

aumentar a arrecadação?

aumentar a arrecadação? Como aumentar a arrecadação? Como economizar recursos públicos? Como modernizar a Gestão Pública? Como oferecer melhores serviços ao cidadão? Melhoria da Gestão com o uso de Tecnologia da Informação Melhore

Leia mais

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES Maio de 2012 O QUE É A EFD-Contribuições trata de arquivo digital instituído no Sistema Publico de Escrituração Digital SPED, a ser utilizado pelas pessoas jurídicas de direito

Leia mais

PIS E COFINS A POLÊMICA SOBRE O REGIME TRIBUTÁRIO DAS AGÊNCIAS DE FOMENTO

PIS E COFINS A POLÊMICA SOBRE O REGIME TRIBUTÁRIO DAS AGÊNCIAS DE FOMENTO PIS E COFINS A POLÊMICA SOBRE O REGIME TRIBUTÁRIO DAS AGÊNCIAS DE FOMENTO CARGA TRIBUTÁRIA As Agências de Fomento e Carga Tributária: As Agências de Fomento surgiram com base no programa de redução da

Leia mais

ABERTURA DE CAPITAL COMO FORMA DE ALAVANCAGEM NO BRASIL. AUTOR: EVANGELISTA, Aparecida Conceição de Oliveira. ORIENTADOR: LIMA, Hyder Marcelo de.

ABERTURA DE CAPITAL COMO FORMA DE ALAVANCAGEM NO BRASIL. AUTOR: EVANGELISTA, Aparecida Conceição de Oliveira. ORIENTADOR: LIMA, Hyder Marcelo de. ABERTURA DE CAPITAL COMO FORMA DE ALAVANCAGEM NO BRASIL AUTOR: EVANGELISTA, Aparecida Conceição de Oliveira. ORIENTADOR: LIMA, Hyder Marcelo de. O presente artigo visa apresentar a abertura de capital

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice I. Acesso ao Cadastro... 2 II. Seleção de Filtros... 3 III. Cadastro...

Leia mais

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE Guia do Usuário ÍNDICE ÍNDICE Setembro /2009 www.4rsistemas.com.br 15 3262 8444 IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 3 Sou localizado no município... 4 Não sou localizado no município... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 Tela

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011.

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. INFORMATIVO MENSAL Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. I FEDERAL IPI - NOVAS DISPOSIÇÕES SOBRE A SUSPENSÃO DO IMPOSTO NA EXPORTAÇÃO

Leia mais

Mapeamento ECF. w w w. b r l c o n s u l t o r e s. c o m. b r

Mapeamento ECF. w w w. b r l c o n s u l t o r e s. c o m. b r Mapeamento ECF Projeto SPED ECF Introdução A Escrituração Contábil Fiscal (ECF) substitui a Declaração de Informações Econômico- Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ), a partir do ano-calendário 2014. São

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

ISSQN. Tributação das Sociedades Uniprofissionais. José Antonio Patrocínio

ISSQN. Tributação das Sociedades Uniprofissionais. José Antonio Patrocínio ISSQN Tributação das Sociedades Uniprofissionais José Antonio Patrocínio José Antônio Patrocínio Advogado e Contabilista; Ex-Auditor Fiscal Municipal Consultor Tributário e Palestrante pela Unidade de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA. Nota Fiscal Paulista. Manual do Consumidor

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA. Nota Fiscal Paulista. Manual do Consumidor GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA Nota Fiscal Paulista Manual do Consumidor Versão 1.2 28/12/2007 Índice Analítico 1. Considerações Gerais 2 1.1 Definição 2 1.2

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTA 01- Contexto Operacional: SIMPROEL Sindicato Municipal dos Profissionais em Educação de Lages - SC Fundado em 17/12/1997,

Leia mais

1 Informações diversas Câmara aprova ampliação de parcelamento do Refis da crise O plenário da Câmara aprovou na noite desta quarta-feira (21) a medida provisória que amplia o parcelamento de débitos tributários,

Leia mais

Por que investir em desenvolvimento profissional

Por que investir em desenvolvimento profissional Por que investir em desenvolvimento profissional Assessoria de Comunicação do CFC Programas de desenvolvimento profissional executados pelo CFC e pelos CRCs buscam elevar o nível da formação dos contadores,

Leia mais

CCA BERNARDON DESTAQUES DA SEMANA: CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 20/2014 3ª SEMANA MAIO DE 2014

CCA BERNARDON DESTAQUES DA SEMANA: CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 20/2014 3ª SEMANA MAIO DE 2014 News Consultoria, treinamento para gestão administrativa e atuação em processos e negócios. CCA BERNARDON CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 20/2014 3ª SEMANA MAIO DE 2014 DESTAQUES DA SEMANA: TRIBUTOS

Leia mais