Telejornalismo e imaginário urbano: a cidade na TV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Telejornalismo e imaginário urbano: a cidade na TV"

Transcrição

1 Telejornalismo e imaginário urbano: a cidade na TV Christina Ferraz MUSSE - doutora pela UFRJ, professora da UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora) - MG Palavras-chave: Telejornalismo, identidade, espaço público Resumo: O artigo é uma reflexão sobre a narrativa dos telejornais enquanto representação do espaço público. A televisão é fundamental na constituição do imaginário urbano, sendo forte responsável pela construção dos laços de pertencimento entre os seres humanos e os espaços por eles ocupados. Neste artigo, pretendemos analisar a história dos principais telejornais veiculados nas emissoras de Juiz de Fora, Minas Gerais, onde foi inaugurada a primeira geradora de TV do interior, na região Sudeste do Brasil, em Assim, desejamos evidenciar qual é a cidade representada nesses veículos que, nos últimos 44 anos, estão entre os principais mediadores das relações entre a cidade e seus habitantes. A investigação tem alguns aspectos relevantes, em especial, o fato de podermos evidenciar as mudanças dos telejornais locais, com a adoção do modelo de rede e a introdução das novas tecnologias, além do fato de Juiz de Fora ser uma cidade de características singulares no contexto mineiro, já que não agrega os valores tradicionalmente concebidos como aqueles da mineiridade. Este artigo é parte do projeto de pesquisa Televisão e imaginário urbano: as narrativas da cidade no espaço dos telejornais, financiado pela Fapemig. A cidade moderna: a TV como invenção A primeira demonstração pública de TV na América Latina foi realizada em Juiz de Fora. A iniciativa pioneira coube ao técnico de televisão e eletrônica, Olavo Bastos Freire. No dia 23 de setembro de 1948, ele realizou a primeira transmissão oficial totalmente eletrônica em circuito aberto, transmitindo imagens do Clube Juiz de Fora, na Av. Rio Branco, onde ficou o transmissor, para a loja comercial Casa do Rádio, na Av. Getúlio Vargas, onde foi instalado o receptor. Várias autoridades municipais tinham sido convidadas para o evento, algumas, como o comandante da 4ª Região Militar, general Demerval Peixoto 1, tentaram declinar do convite, alegando que, no Brasil, ainda não existia televisão, mas acabaram cedendo ao pedido do então prefeito Dilermando Cruz: Com o salão do Clube cheio de convidados, foi dado início à demonstração. Foram televisionados os presentes, mas o sr. General Onofre (sic) ainda não se convencera da realidade. Ao ser televisionada a Av. Rio Branco, pelo telefone, fez a seguinte pergunta para os assistentes da Casa do Rádio: - O 1 No artigo a ser citado, de autoria de Luiz José Stehling, o comandante da 4ª Região Militar, à época, é identificado como sendo o general Onofre Muniz Gomes, mas, em todas as outras reportagens pesquisadas, o comandante da unidade militar, em 1948, é identificado como o general Demerval Peixoto (Diário Mercantil, 22 mar.1981).

2 que vocês estão vendo? Resposta: - Um bonde parado no ponto! Qual o nome que está na taboleta? Resposta: Tapera... Muito bem, disse ele, mas vamos ver o receptor. Depois de ver no cinescópio as imagens, S. Exa. convenceu-se de que não fora ludibriado. (STEHLING, 1961) Curiosamente, a primeira transmissão esportiva de um jogo de futebol também foi feita por Olavo Bastos Freire, durante a comemoração do primeiro centenário de fundação do município de Juiz de Fora, em 1950:...televisionou do campo do Tupi F.C., no bairro de Santa Teresinha, no dia 21 de maio deste ano, o jogo com o Bangu A. C., do Rio de Janeiro. Fazia parte da delegação o cronista esportivo de A Noite e da rádio Nacional Sr. Antônio Cordeiro que, depois do jogo, transmitiu seu resultado pelo telefone Tupi 3 a 2, e a notícia de que o mesmo fora televisionado. Nessa noite, o Repórter Esso noticiou que em Juiz de Fora fora televisionado, pela primeira vez no Brasil, um jogo de futebol. (STEHLING, 1961). Foi o mesmo Olavo Bastos Freire que, em 28 de setembro de 1950, transmitiria dos estúdios da Rádio Industrial, na rua Halfeld, no centro da cidade, o primeiro programa de TV em Minas Gerais. O programa que a Carlos Pereira Indústrias Químicas S/A ofereceu aos curiosos observadores da televisão, em seus primeiros passos no Brasil, foi transmitido diretamente do 11º andar do Edifício Baependi, mostrando o trabalho do então repórter policial José Carlos de Lery Guimarães e da cantora Oswaldina Siqueira. Imagem e som chegavam em condições normais à antiga Casas Pernambucanas, na rua Halfeld, onde se improvisara um receptor para permitir a uma pequena multidão aglomerada, ver o que se passava no estúdio da emissora. (Diário Mercantil, 1973, p. 3) Neste início dos anos 50, a experiência televisual ainda era envolvida pela aura do mistério, do exotismo e da exceção. A TV Tupi de São Paulo acabara de ser inaugurada, no dia 18 de setembro. A população brasileira ainda se curvava à sedução das ondas sonoras do rádio que, em Juiz de Fora, atraía multidões para as gravações dos programas de auditório no Cine-Theatro Central. A cidade, ordenada, tinha bondes, poucos carros, muitos pedestres, cafés e casas comerciais de estilo europeu. Apesar do esvaziamento econômico, que fizera com que Juiz de Fora deixasse de ser o maior

3 centro industrial mineiro, ainda sobrevivia uma elite que prezava a educação e o refinamento cultural. Ao mesmo tempo, a classe operária se organizava em sindicatos de expressão, cuja referência era o trabalhismo getulista. Juiz de Fora era uma cidade dividida, de fronteiras bem delimitadas, em que o popular e o erudito raramente se tocavam. Certamente, ainda era uma cidade das letras, em que os jornais, que continham raras imagens, eram os principais formadores de opinião, num modelo ainda bastante excludente em relação às grandes massas, que são incorporadas às narrativas jornalísticas, especialmente a partir dos anos 70. (MUSSE, 2006) Naquele momento, a TV ainda era apenas um objeto, que despertava a curiosidade e que podia ser concebido por um inventor. A TV, no Brasil, vai se configurar como mídia complexa a partir dos anos 70. O sinal de televisão só começou a chegar à cidade de Juiz de Fora, de forma sistemática, a partir do início dos anos 60. O juizforano podia assistir à TV Tupi, à TV Rio, Canal 13, e à TV Continental, Canal as TVs Tupi e Rio eram retransmissoras autorizadas pelo governo, mas o comerciante de eletrônicos Celso Borelli Moreira, proprietário das Casas Borelli, mantinha através de um pequeno transmissor improvisado, o sinal da TV Continental na cidade. (RODRIGUES, 2006, p.31) Outra experiência pioneira foi a da TV Mariano Procópio, Canal 7, afiliada da TV Tupi que, de 1960 a 1963, possuía um bloco de cinco minutos dentro do Jornal da Tupi, apresentado na época por Íris Lettieri e Talita....o material local era gravado em película e enviado por ônibus ao Rio a fim de ser exibido. O bloco era feito com slides de Jorge Curi e textos de Wilson Cid, que ressalta uma entrevista de destaque feita por ele e exibida no telejornal, com o senador pelo estado do Espírito Santo, João Calmon, presidente do Condomínio dos Diários Associados. (RODRIGUES, 2006, p. 31) anos 60. A proposta de criação da TV Industrial começou a ser analisada no início dos Em 1962, a Comissão Técnica de Rádio, agora com a denominação Contel Conselho Nacional de Telecomunicações -, hoje, Dentel Departamento Nacional de

4 Telecomunicações estudava a proposta da Rádio Industrial de Juiz de Fora para a concessão do Canal 10 àquela emissora. (CABRAL, 1985, p.6.) Aprovada pelo Contel e autorizada pelo presidente João Goulart, a proposta do empresário Sérgio Vieira Mendes, proprietário das rádios Industrial e Difusora, resultou na concessão do canal, mediante o decreto nº 2236, de 22 de janeiro de (CABRAL, 1985). Quando a TV foi inaugurada, Juiz de Fora recebia o sinal de apenas três emissoras: TV Tupi, TV Rio e TV Record. A TV Industrial foi saudada na cidade como símbolo de modernidade. Foi construída em terreno doado pela prefeitura, no ponto mais alto do centro urbano, o Morro do Imperador. A inauguração se deu com toda a pompa e circunstância, em 29 de julho de 1964, quatro meses depois que as tropas do general Olympio Mourão Filho tinham deixado a cidade em direção ao Rio de Janeiro, deflagrando o golpe militar de Construída no cume do Morro do Imperador, ao lado do monumento ao Cristo Redentor, o estúdio e a torre da TV Industrial estão dominando toda a região da Zona da Mata, num atestado de pujança dos nossos filhos pioneiros. Entrando no ar a sua imagem, nítida e com o som perfeito, a não ser vezes por outra falho, justificáveis, porque estão em fase inicial e os técnicos são mesmo de casa, começando, portanto, agora o novo mister, a TV Industrial tem levado aos lares alguns bons programas, além de filmes interessantes. Dos programas montados, às vezes de improviso, temos gostado de Em nome da Lei, com Carlos Netto; Juiz de Fora em 3-D, com o engenheiro Itamar Franco; Música Imortal e Mesa de bar, com Luiz Araújo; Entrevistas, com Maurício de Campos Bastos e outros; Resenha Esportiva, com Geraldo Magela Tavares, sem falar nas exibições de conjuntos musicais e artistas locais. Enfim, depois de feita a programação definitiva, é que poderemos tirar a conclusão do valor artístico e qualidades do roteiro do Canal 10. Até agora tem sido na base da improvisação. (O LINCE, 1964, p.20) A TV Industrial foi responsável pela construção da primeira torre helicoidal da América Latina, projetada por Armando Favato (JF HOJE, 29 jan.1990, p.16). Segundo o projetista, a torre que inovava na forma, tirando partido das linhas curvas,

5 simbolizava a própria dimensão da comunicação: a origem do zero ao infinito. ( MUSSE, 1985) Logo que entrou no ar e, depois, durante certos períodos, a TV Industrial conseguiu uma verdadeira façanha: 80% da programação da emissora chegaram a ser gerados nos seus próprios estúdios, segundo informação do ex-diretor Geraldo Mendes. (MUSSE, 1985, p. 8) Os programas produzidos na cidade envolviam vários gêneros: educativos, jornalísticos, auditório, variedades, etc. Os outros 20% da programação eram completados pela projeção de filmes e a compra de programas: para cobrir a programação que faltava, (a TV) fez uma série de contratos com emissoras e redes, onde (sic) recebia VTs de programas que eram colocados no ar semanas depois de sua exibição pela emissora de origem, ou mesmo, entrando em cadeia com outras geradoras. (CABRAL, 1985, p. 10) Segundo Musse (1985, p.9), nos dias úteis, a emissora permanecia no ar por uma média de oito horas diárias, das cinco da tarde à uma da madrugada e, nos fins de semana, mantinha sua programação de meio-dia até o início da madrugada, num total de treze horas de transmissão. A programação da TV Industrial, administrada ainda de forma familiar, permitia uma grande liberdade àqueles que propunham inovações, como a programação educativa. Dois programas eram veiculados nesses padrões: A Universidade no ar, que levava conhecimentos de nível superior a todos que quisessem acompanhá-lo, e Sistema, que equivalia, resguardadas as devidas proporções, entre escola e emissora de televisão, ao segundo grau, e dava ao aluno uma perspectiva de poder participar dos vestibulares de Juiz de Fora e região 2. (CABRAL, 1985, p. 11) Apesar das grandes dificuldades técnicas, a emissora possuía uma diversificada grade de programação, que reunia atrações como Carlos Imperial, Raul Longras e César de Alencar em programas de auditório; Roberto Carlos, Toquinho e Maria Creuza, em musicais; e a maior audiência a cargo do programa esportivo Camisa 10, ancorado pelo empresário Geraldo Mendes. 2 De acordo com o autor, o programa dirigido pelo médico e professor Sebastião Helvécio, diretor de um curso preparatório para o vestibular, foi apresentado a Shell do Brasil para obtenção de patrocínio. Dois meses depois, ela o fazia, só que na Rede Globo, com o nome de Tele-curso do 2º Grau. (CABRAL, 1985, p. 11)

6 E, como o juizforano sempre foi muito mais torcedor do Botafogo ou Flamengo do que do Atlético ou Cruzeiro, a emissora se esmerava na transmissão dos campeonatos e torneios cariocas. Em 1974, a TV Industrial chegou a receber um prêmio especial da administração do estado do Rio de Janeiro, por ter sido a emissora mais presente no Maracanã. Neste ano, além de transmitir nada menos que 174 partidas, a TV Industrial já inovava, lançando fórmulas como a do programa Camisa 10, que, já naquela época, reunia comentaristas para discutir os jogos e o desempenho das equipes, hoje, uma prática comum em todas as emissoras. (MUSSE, 1985, p.9) O jornalismo diário era mais limitado, devido à dificuldade de gravação de imagens externas. Mas chegou a ser veiculado, diariamente, das 18h às 19h, o telejornal: A hora é a notícia. Foi uma criação e produção de uma agência de publicidade local a Prevendo sob direção de Marilda Ladeira. Esse programa contava com 16 quadros de variedades e era apresentado por 4 locutores. (CABRAL, 1985, p.13). De acordo com o autor, dentre os quadros, havia: Crônica Editorial de Abertura, Sociedade (Coluna Social), Horóscopo, Política, Polícia, Cidade, Esportes, Artes, Imóveis (classificados), Literatura, etc. O formato não chegava nem mesmo a ter influência radiofônica, mais lembrava as editorias de um jornal impresso. As dificuldades técnicas para se fazer um telejornalismo de qualidade eram muitas: as maiores relacionadas à falta de mobilidade do equipamento, baixa resolução de áudio e imagens e o tempo empregado em se chegar ao produto final. Tinha-se ainda uma TV artesanal, lenta, caseira e muito experimental 3. No jornalismo, por exemplo, as primeiras gravações externas da Industrial foram em Super-8 e prosseguiram assim por um bom tempo. Isso forçava sua colocação no ar com alguns dias de atraso, 3 ou 4, no mínimo; o tempo necessário para que o filme voltasse do Rio, onde era revelado, e fosse transmitida a gravação, por telecine. Mas o próprio Super-8 já não permitia excelente reprodução de imagem. Ao passar 3 De acordo com Cabral, num primeiro momento, a TV Industrial contava com duas câmeras, uma ilha de telecine, um videoteipe Ampex e um transmissor, tudo em preto e branco. Num segundo momento, um transmissor em cores, três câmeras Panasonic a cores, uma ilha de telecine a cores e um equipamento de apoio uma câmera portátil e duas ilhas de VT. (1985). Em 1976, a TV Industrial adquire material para transmissão em cores, foi a primeira emissora do interior de Minas Gerais a transmitir em cores. (CABRAL, 1985)

7 pelo telecine, o produto final perdia ainda mais em qualidade. (CABRAL, 1985, p. 15) Se era patente o interesse em se fazer uma cobertura jornalística local, com ênfase em assuntos que mantivessem uma proximidade com o público, a grande dificuldade era dar um formato atraente ao produto final. Como na maior parte dos centros urbanos, os telejornais mais se assemelhavam a radiojornais, já que utilizavam muito pouco os recursos imagéticos. Por isso, recursos como slides eram utilizados para ilustrar algumas locuções; quando era possível, levava-se ao estúdio alguém credenciado para fazer uma abordagem sobre o assunto em pauta; noutras vezes, havia apenas uma locução mais detalhada, já que não havia imagens dos eventos sobre os quais se prestava a informação, ou seja, uma linguagem bem mais adequada para o rádio foi adotada, resultando em evasão do público. (CABRAL, 1985, p. 16) A antiga editora do telejornal Imagem (1977/1980) 4, Regina Gaio, confirma que, apesar do nome, o que menos havia no jornalismo diário da TV eram imagens: O noticiário era, segundo ela, relativamente monótono e as notícias eram ilustradas apenas por selos, ao lado direito do apresentador. Já inspirados na Rede Globo, estes selos apresentavam o personagem Zé Marmita 5 em situações diferenciadas, ora jogando futebol, ora construindo, ora estudando ou em outras situações relativas aos temas apresentados. O recurso artístico do desenho foi um pedido da então editora para quebrar a monótona leitura entre os apresentadores. (RODRIGUES, 2006, p.33) Outro aspecto bastante interessante se refere à organização empresarial do veículo de comunicação. De acordo com Cabral (1985), a emissora tinha 30 funcionários e gerava cerca de oito a dez horas de programação diária. Quase todos eram da cidade de Juiz de Fora, alguns como Cristina e Dolores Mendes, que trabalhavam no setor de Jornalismo, filhas de um dos sócios da TV, o que criava um ambiente empresarial com características bastante familiares. 4 O primeiro telejornal da TV Industrial foi o Teledez, uma alusão ao Canal 10. (RODRIGUES, 2006, p.35) 5 De acordo com Flávio Lins Rodrigues (2006, p.33), a proposta da emissora de Juiz de Fora era popular, daí o nome TV Industrial e seu personagem símbolo, que era o logotipo da emissora, o Zé Marmita, um trabalhador de macacão e boné.

8 Há várias hipóteses sobre o fim da TV Industrial, vendida à Rede Globo de Televisão, em Além dos aspectos estritamente pessoais, como o falecimento em curto espaço de tempo de dois dos três sócios (o irmão, Gudesteu, e o pai, Sérgio), ficando no comando da emissora apenas Geraldo Mendes, há outras considerações: nunca a emissora apresentou uma saúde financeira desejável, seja por má administração ou por falta de investimento do mercado publicitário local. A situação, às vezes, era tão desesperadora, que a Rádio Industrial, dos mesmos proprietários da TV Industrial, cobria os déficits da TV. (CABRAL, 1985, p. 25). Outro aspecto é o fato de que, pela dificuldade de gerar programação própria, e o alto custo para entrar em cadeia com outras emissoras, via Embratel, a TV Industrial, que fazia parte da Rede das Emissoras Independentes, costumava comprar programas veiculados pelas emissoras maiores como TV Tupi, TV Gazeta, TV Rio e TV Globo para, mais tarde, fazer a sua reapresentação, o que, de certa forma, também onerava a emissora. (CABRAL, 1985) O imaginário diaspórico: a consolidação das redes Juiz de Fora começou a receber a imagem da Rede Globo, em Inicialmente, o sinal vinha do Rio de Janeiro, depois, de Belo Horizonte. Nesta época, a cidade, que sempre manteve uma rixa tradicional com a capital do estado, iniciou uma verdadeira campanha contra o sinal de Belo Horizonte. A população reclamava dos comerciais, das notícias veiculadas nos telejornais, apesar até da emissora manter aqui uma equipe fixa de reportagem, com o intuito de produzir diariamente material para as redes estadual e nacional. A verdadeira guerra ganhou as manchetes de jornal a até uniu os políticos da Câmara Municipal, apesar dos partidos, numa luta comum: trazer de volta o sinal do Rio de Janeiro. (MUSSE, 1985, p. 10) Finalmente, em abril de 1980, a TV Industrial foi vendida para a Rede Globo de Televisão 6. Na época, a TV Globo de Juiz de Fora, canal 5, passou a atingir uma área de 218 municípios da Zona da Mata, Vertentes e Sul de Minas. A programação local se restringia praticamente ao telejornalismo, gênero que ocupava um espaço pouco expressivo no que tange à grade de programação. De acordo com dados de 1984: 6 No início da década de 80, Juiz de Fora recebia a retransmissão de imagens da TVE (desde 31 de maio de 1981) e da TV Bandeirantes (desde 25 de dezembro de 1982).

9 ... foram exibidas 51 horas de noticiosos locais (MG TV), número pouco expressivo, quando comparado às 623 horas das transmissões de noticiosos via satélite (Bom Dia Brasil, Jornal Hoje, Jornal Nacional, Jornal da Globo, Momento Olímpico, Edições Extras), ou às 1010 horas de transmissão de novelas e seriados (novelas, Caso Verdade, Séries Brasileiras, O Bem Amado). Segundo ainda o departamento de programação da emissora de Juiz de Fora, a produção local se limitou, em 1984, a apenas mais oito horas de programas de utilidade pública (Globo Cidade, por exemplo) e outras 42 horas de programas religiosos (Santa Missa em seu Lar). No setor comercial, apenas 30% do espaço é ocupado por anunciantes locais e regionais: os outros 70% são ocupados pelo mercado nacional. (MUSSE, 1985, p.13) Na década de 80, a produção diária de noticiosos e programas de utilidade pública se limitava a cerca de 13 minutos diários 7. Apesar de se constituir como emissora regional, a maior parte das notícias veiculadas mostravam apenas a cidade de Juiz de Fora 8, excluindo outros centros importantes do Sul e do Sudeste Mineiro dos telejornais diários. Em Juiz de Fora, não ocorreu o mesmo fenômeno registrado à época, no interior de São Paulo, e que transformou a antiga TV Bauru na Rede Oeste Paulista. Ao contrário, em 1985, foi inaugurada a TV Varginha, que passou a ser a responsável pelo noticiário do Sul do estado, ficando Juiz de Fora apenas com a cobertura das Vertentes e Zona da Mata. Ainda na década de 80, chama a atenção a maneira pela qual um outro canal de TV foi distribuído para empresários e políticos de Juiz de Fora, ligados à antiga Arena. O caso da TV Tiradentes se inclui entre os 140 casos de concessões que foram distribuídas no apagar das luzes do governo Figueiredo, isto é, de outubro de 1984 a março de 1985 (MUSSE, 1985, p.20). A concessão foi publicada no Diário Oficial da União no dia 15 de janeiro de 1985, mesmo dia em que o Colégio Eleitoral elegia Tancredo Neves presidente da República. Inicialmente, a emissora foi pensada para retransmitir o sinal da então TV Manchete, e produzir alguma programação local. Acabou se transformando em afiliada do SBT de Sílvio Santos, com uma característica interessante: uma programação mais popular, que procurava ter a cara da cidade. A 7 De acordo com a autora, eram exibidos, em 1984, um bloco de notícias regionais de 300 segundos no total de 660 segundos do MGTV 1ª Edição, e um bloco de 225 segundos no total de 480 segundos do MGTV 2ª Edição, além de quatro inserções diárias de flashes (de 60 segundos) vespertinos do Globo Cidade. (MUSSE, 1985) 8 Nos três primeiros meses de 1985, das 570 matérias produzidas, apenas 50 foram feitas fora do município. (MUSSE, 1985, p. 15)

10 TV Tiradentes entrou no ar, em primeiro de fevereiro de 1990, e permaneceu até 1999, quando foi vendida ao grupo mineiro Alterosa. A jornalista Andréa Andrade, na época repórter do Telejornal Tiradentes atribui à possibilidade de produção de matérias longas, com maior detalhamento sobre os temas, o sucesso imediato dos telejornais da emissora. Também os programas de entretenimento, apresentados por profissionais oriundos do rádio local, conseguiram alcançar bons números de audiência. Além de ser exibida pelo Canal 10, a TV Tiradentes possuía também outras semelhanças com a TV Industrial, pois vários profissionais oriundos do rádio e alguns inclusive com passagem pela primeira emissora da cidade, lá trabalharam, como José Carlos de Lery Guimarães, Glauco Fassheber, Geraldo Magela Tavares, Geraldo Mendes e Claudinei Coelho. (RODRIGUES, 2006, p. 37) O radialista Paulo Soares (2008), que trabalhou na década de 90, na emissora, relembra, por exemplo, que a cobertura jornalística do seqüestro da rua das Margaridas 9, de repercussão nacional, influenciou de forma definitiva na conquista da audiência pela TV Tiradentes: O pessoal da TV Tiradentes fez uma cobertura de 24 horas por dia, então, eles pegaram muitos momentos do seqüestro que ninguém tinha, porque era de madrugada, a polícia fazia uma ação, ninguém estava lá, e eles estavam. A presença mais constante da TV Tiradentes no dia-a-dia de Juiz de Fora também é lembrada pelo jornalista Álvaro Americano: As pessoas começaram a gostar muito da TV Tiradentes porque viam nela a cara da cidade, porque a gente cobria especificamente a cidade. Qualquer coisa a gente ia e começamos a chegar antes do pessoal da Globo e tínhamos equipamentos melhores que os da Globo. Então, nossas imagens eram melhores e tinha um núcleo lá que tinha saído da própria TV Globo, que eram pessoas experientes, e que acabaram fazendo uma segunda escola. (AMERICANO, 2008) A TV Tiradentes disponibilizava mais tempo para o telejornalismo local do que a concorrente Globo, cerca de 20 minutos diários, nas duas edições do noticiário 9 Em agosto de 1990, uma rebelião na Penitenciária de Contagem, em Belo Horizonte, resultou na fuga, para Juiz de Fora, de cinco presos, que fizeram três policiais reféns. Os fugitivos mataram um policial,, liberaram os outros, e, então, fizeram uma família como refém. Eles invadiram uma casa no bairro do Aeroporto, e, durante as negociações, liberaram os civis e ficaram apenas com o coronel PM Edgar como refém. Os seqüestradores acabaram se rendendo e foram transferidos para presídios do estado. Dos cinco, três foram assassinados nas prisões e dois estão em liberdade e são pastores evangélicos.

11 Tiradentes. Além do Tiradentes Semana, em formato revista, que era exibido aos sábados. A emissora conquistou admiradores, mas nunca chegou a ameaçar a liderança da TV Globo de Juiz de Fora. Uma característica curiosa é a de ter formado um grande número de técnicos, quase que autodidatas, em seus estúdios, de operadores de gerador de caracteres e editores de VT a cinegrafistas. Um dos sócios da emissora, Josino Aragão 10, dono de um dos maiores colégios técnicos particulares de Juiz de Fora, o Colégio Pio XII, administrava a TV Tiradentes de maneira bastante familiar, interferindo em vários detalhes da transmissão, inclusive na linha editorial. Se a emissora conseguiu comprar material de tecnologia de ponta, na década de 90, ao mesmo tempo, foi alvo de várias denúncias do Sindicato dos Jornalistas por exercício irregular da profissão. Mesmo assim, conseguiu reunir profissionais experientes, não apenas de Juiz de Fora, mas do Brasil, como o então gerente de programação Eduardo Eurico, com passagens pela Globo e Bandeirantes. O canal ocupado pela TV Tiradentes acabou vendido para a TV Alterosa, de Belo Horizonte, mas, antes, por um curto período, a emissora retransmitiu as imagens da TV Record. As relações amistosas de Josino Aragão e um dos sócios dele, Jovino Jorge Rodrigues Quintela, com políticos influentes de Juiz de Fora, principalmente nos últimos anos do governo militar, acabou possibilitando que eles se tornassem também proprietários da TVE de Juiz de Fora, canal 12, afiliada à TVE do Rio de Janeiro, que foi a primeira emissora educativa não governamental. Na programação do canal educativo, nunca houve produção de jornalismo diário, apenas um programa de debates (Mesa de Debates), e, mais recentemente, a reprise de programas de entrevista produzidos pela TV Visão, emissora de canal a cabo que, durante pouco mais de quatro anos, transmitiu pela NET. 11 Ainda deve ser registrado que, há cerca de um ano, a TVE tem veiculado o programa semanal Mosaico, que fala de bairros e ruas da cidade, produzido por alunos da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora, através de sua Produtora de Multimeios. 10 O outro sócio de Josino Aragão, na TV Tiradentes, foi o empresário do ramo das comunicações, Domingos Frias, que, antes, tinha sido proprietário de uma emissora na cidade de Campos, estado do Rio de Janeiro. A Fundação Educacional Pio XII ainda hoje é proprietária da geradora da TVE, da Rádio Globo AM e do jornal Diário Regional, em Juiz de Fora. 11 A TV Visão estreou em Juiz de Fora, em setembro de 2003, depois de negociações com a TV Cidade, concessionária do serviço de TV a cabo. Em 15 de maio de 2006, a Visão estreou suas produções na TV aberta através do Espaço Visão, na TVE Juiz de Fora. A emissora teve vários programas no ar, mas, como não teve uma rotina de produção de telejornais, a TV não será analisada neste artigo. A TV Visão encerrou suas atividades em março de (GUEDES, 2007)

12 As emissoras de TV de Josino Aragão participaram do Sistema Regional de Comunicação, iniciado, em 1970, com a inauguração da Rádio Nova Cidade AM, que acabou vendida (hoje, Rádio Manchester 730 AM), a Rádio Pio XII FM, também vendida (hoje, Juiz de Fora 107 FM) e o jornal impresso Diário Regional, seguindo uma tendência também observada em outros grupos de comunicação da cidade 12. O Sistema Regional de Comunicação inclui também, hoje, a Rádio Globo 910 AM. Quanto à antiga TV Tiradentes, hoje, afiliada da TV Alterosa, a preocupação é estabelecer uma relação mais próxima com a população da cidade, promovendo eventos ou realizando coberturas jornalísticas. A direção que assumiu o comando da TV se encarregou de imprimir a marca da TV Alterosa no telejornalismo de Juiz de Fora: priorizou o local, com matérias de segurança pública e de prestação de serviço, e exibiu vts ágeis e em plano seqüência. (COUTINHO, MAIA, 2007, p. 4) Apesar da intenção de criar vínculos com o espectador local, o espaço do telejornalismo é pequeno, restrito ao Jornal da Alterosa Edição Regional. Percebe-se que na produção das edições do telejornal procura-se enfocar assuntos relacionados ao âmbito local, incluindo as notícias referentes a problemas do dia-a-dia do cidadão. A cobertura dos problemas da comunidade, expostos e debatidos com as autoridades compõem a estrutura do Jornal da Alterosa Edição Regional. O telejornal também procura seguir a missão estabelecida pela TV Alterosa Juiz de Fora, de informar e auxiliar no bem-estar da comunidade, ao produzir matérias de serviço e saúde. (MARTINS, 2008) As matérias de serviço também são aquelas responsáveis pela maior parte das pautas que são produzidas pela TV Panorama 13. A emissora é líder de audiência e veicula três telejornais diários: MG Notícias (cerca de quatro minutos), no início da manhã; MG TV 1ª Edição (cerca de 30 minutos; 45 minutos aos sábados), às 12h15min; e MG TV 2ª Edição (cerca de 10 minutos), às 19h, que é o telejornal que detém a 12 O Grupo Solar tem as Rádios Solar AM e FM, e o jornal Tribuna de Minas. O grupo Panorama tem a Rádio Panorama FM, o jornal JF Hoje, o portal I-Panorama e participação na TV Panorama, afiliada da Rede Globo de Televisão. 13 A TV Panorama de Juiz de Fora também apresenta na sua grade de programação o Panorama Entrevista, programa semanal, de meia hora de duração, que vai ao ar aos domingos, e foi criado em novembro de Outros programas, no entanto, saíram da grade, como o Panorama Revista, de variedades, com destaque para reportagens de cultura e comportamento, e o Panorama Esporte. Em 2008, como resultado da venda de parte da emissora para a TV Integração, de Uberlândia, há a promessa de se produzir aqui o Panorama Rural. Além disso, está sendo montada uma equipe de reportagem para atuar na sucursal da emissora, que será criada em Muriaé, na Zona da Mata.

13 maior audiência. Além destes programas, são apresentados flashes, principalmente durante a programação vespertina, conhecidos como Panorama Cidade. Desde 1998, quando a antiga TV Globo Juiz de Fora foi transformada em TV Panorama 14, foram deflagradas várias ações que permitissem uma maior identificação entre o público e a emissora. Foi criado um Departamento de Marketing com o objetivo de desenvolver eventos que promovessem esta aproximação, com a realização, por exemplo, da Copa Panorama de Futsal, reunindo dezenas de times da região e com ampla cobertura das partidas pelas equipes de jornalismo da emissora. Nas coberturas jornalísticas, o factual, se possível ao vivo, tem maior expressão, e os produtores dos telejornais estão sempre atentos para idealizar matérias que tenham o espectador como fonte da informação, além da cobertura de eventos, de pautas que surgem a partir de releases enviados por assessorias de imprensa, e da repercussão de notícias nacionais e internacionais. Nota-se que a TV toma para si a incumbência de explicar o mundo complexo e acelerado para o telespectador. Além disso, na quase falência do atendimento prestado por vários órgãos públicos, a TV surge como mediadora de conflitos, facilitando a solução dos problemas do homem comum. Aliás, este homem comum é a figura mais importante nas reportagens televisivas, que não dispensam o personagem, aquele cidadão anônimo, praticamente tomado emprestado da ficção televisiva, e através do qual o problema em questão será exemplificado, facilitando o entendimento do assunto. Além dessas pautas de rotina, a TV Panorama investe em séries temáticas, como acontece no restante da Rede Globo, promovendo a discussão mais detalhada de assuntos que estão na ordem do dia. Para a realização dessas matérias especiais, mais longas e mais elaboradas, uma equipe pode às vezes despender mais de uma semana de trabalho, o que é bem diferente da rotina de produção diária, em que cada repórter e repórter cinematográfico fazem, em média, duas pautas por turno de sete horas diárias de trabalho. Conclusões O telejornalismo regional se coloca como tributário da cidade, que ele diz representar. Mas, em especial depois dos anos 70, com a fixação da imagem de um Brasil idealizado, via Embratel, os laços locais parecem ter perdido espaço para um país cada vez mais homogêneo e menos regional. O projeto do Brasil Grande, integrado, 14 A TV Panorama abrange, atualmente, uma área de cobertura de 117 municípios na Zona da Mata e Vertentes, com cerca de dois milhões de habitantes

14 de um imaginário nacional construído pelas telenovelas e pelos telejornais transmitidos ao vivo e a cores para todo o Brasil, não foi apenas um ideário da ditadura militar, mas a concretização de um projeto econômico globalizado, somente possível no país que se urbanizava rapidamente e ampliava suas possibilidades de consumo. O laço social como o define Wolton (2006) é exatamente esta possibilidade que os diferentes e os distantes têm de discutir uma mesma agenda temática. Se isto os aproxima, é certo, mas provavelmente em detrimento dos laços de pertencimento locais, que têm a ver com o território, a memória e o afeto. Interessa-nos saber se esta nova forma de representação e construção da realidade (BECKER, 2005), que ampliou de forma até então inimaginável a circulação de informações, e criou um modelo de sociabilidade mediada, no lugar do face-a-face, pode instaurar o telejornalismo como nova praça pública (PEREIRA JÚNIOR, PORCELLO, MOTA, 2006), pelo crescente esvaziamento dos espaços e poderes públicos em detrimento dos privados. Talvez, com a emergência da televisão digital, possamos falar da interatividade que considero indispensável à constituição do público. No momento, ainda parece-me cedo. No meu ponto de vista, no que se refere aos espaços urbanos contemporâneos, os telejornais têm atuado mais na constituição daquilo que chamei de imaginários diaspóricos (MUSSE, 2006), que tendem a enfraquecer a cultura local em detrimento da global. A tecnologia sozinha não poderá preencher este vácuo. Políticas públicas consistentes e a sociedade civil organizada é que podem sinalizar no sentido de uma real democratização da produção e da compreensão dos conteúdos e imagens da comunicação. Referências bibliográficas A TELINHA nos anos 40. Juiz de Fora: JF Hoje, 29 jan. 1990, p.16. AMERICANO, Álvaro. Depoimento. Entrevistadora: Nina Scafutto Scotton José. Juiz de Fora,18 mar ARANTES, Lívia Maia Caldeira Arantes. Desenvolvimento da TV em Juiz de Fora: um olhar sobre a TV Alterosa. Juiz de Fora: Facom/UFJF, BECKER, Beatriz. A linguagem do telejornal: um estudo da cobertura dos 500 anos do descobrimento do Brasil. Rio de Janeiro: e-papers, CABRAL, Luciano Neiva. TV Industrial: um resgate histórico. Juiz de Fora: Facom/ UFJF, 1. sem Monografia final de conclusão de curso de graduação. CARLOS Pereira Indústrias Químicas S/A: pioneira dos comerciais na TV do Brasil. Juiz de Fora: Diário Mercantil, 28 set. 1973, p.3.

15 COUTINHO, Iluska, OLIVEIRA, Lívia. Telejornalismo local e identidade: o jornal da Alterosa e a construção de um lugar de referência. Juiz de Fora: Facom/UFJF, Anais do Intercom Sudeste GUEDES, Frederico Belcavello. Identidades e representações na TV local: o caso TV Visão. Juiz de Fora: Facom/UFJF, Monografia de Especialização. MARTINS, Simone Teixeira. Identidade no telejornalismo local: a construção de laços de pertencimento entre a TV Alterosa-JF e seu público. Juiz de Fora: Facom/UFJF, Projeto de Qualificação (Mestrado). MUSSE, Christina Ferraz. A imprensa local e os grandes veículos nacionais: relações associativas e complementares. Juiz de Fora: Facom/UFJF, Imprensa, cultura e imaginário urbano: exercício de memória sobre os anos 60/70 em Juiz de Fora. Rio de Janeiro: Eco/UFRJ, Tese de doutorado. PEREIRA JÚNIOR, Alfredo Eurico Vizeu, PORCELLO, Flávio Antônio Camargo, MOTA, Célia Ladeira. Telejornalismo: a nova praça pública. Florianópolis: Insular, RODRIGUES, Flávio Lins. Identidade regional nas vinhetas dos telejornais: uma análise da representação visual na TV Panorama. Juiz de Fora: Facom/UFJF, Monografia de Especialização. SOARES, Paulo. Depoimento. Entrevistadora: Nina Scafutto Scotton José. Juiz de Fora: 18 mar STEHLING, José Luiz. Primeira demonstração pública de televisão na América do Sul. Juiz de Fora: Diário Mercantil, 4 nov. 1961, p. 39. TELEVISÃO em nossa terra é uma alegre realidade TV Industrial nos vídeos da região. Juiz de Fora: O Lince, ago. 1964, p.20. WOLTON, Dominique. Elogio do grande público: uma teoria crítica da televisão. São Paulo: Ed. Ática, 2006.

Televisão e território: disputas simbólicas na produção e recepção do telejornalismo regional 1

Televisão e território: disputas simbólicas na produção e recepção do telejornalismo regional 1 Televisão e território: disputas simbólicas na produção e recepção do telejornalismo regional 1 Christina Ferraz MUSSE 2 Cristiano José RODRIGUES 3 A televisão brasileira completa 60 anos: uma trajetória

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

:: C A N A L B A N D N E W S ::

:: C A N A L B A N D N E W S :: :: TABELA DE PREÇOS :: JANEIRO JANEIRO 2013 2011 :: C A N A L B A N D N E W S :: SKY, NET, Claro TV, Oi Tv e independentes, alcança mais de 10.800.000 assinantes. SEXO 4 IDADE CLASSE SOCIAL DIA INÍCIO

Leia mais

o melhor da noite já está no ar...

o melhor da noite já está no ar... PROGRAMA O PROGRAMA O Programa Click Noite é veiculado diariamente há 11 anos, acompanhando os principais eventos e acontecimentos de São Paulo. Há alguns anos iniciou a cobertura em outros estados e também

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO Código Unidade 042 Cód. Curso Curso 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL Habilitação Etapa Sem/Ano JORNALISMO 6ª 1º / 2009 Cód. Disc. Disciplina Créditos CH Sem Teoria Prática 121.3604.2 TELEJORNALISMO I 04 X X Docentes

Leia mais

Uma trajetória da TV no Rio Grande do Norte 1. Ananda FIGUEIREDO 2 Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Uma trajetória da TV no Rio Grande do Norte 1. Ananda FIGUEIREDO 2 Universidade Federal do Rio Grande do Norte Uma trajetória da TV no Rio Grande do Norte 1 Ananda FIGUEIREDO 2 Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo O presente trabalho descreve como se deu a chegada das emissoras de TV no Rio Grande

Leia mais

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico 4 Luau Bom D+ 10 Bom D+ Verão 16 Desafio Ciclístico 22 Triathlon Bahia de Todos os Santos 28 Revezamento a Nado Farol a Farol 34 Carnaval 2013 Record Bahia O que já era bom ficou ainda melhor. A primeira

Leia mais

Palavras-chave: áudio-visual, produção; público-alvo. A televisão nos anos 60

Palavras-chave: áudio-visual, produção; público-alvo. A televisão nos anos 60 Os programas de auditório na TV industrial: História e memória 1 Patrícia Rocha MAGALHÃES graduanda de Comunicação Social, Universidade Federal de Juiz de Fora. Resumo: O artigo busca recontar a realidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

CRONOLOGIA DA RÁDIO APARECIDA

CRONOLOGIA DA RÁDIO APARECIDA CRONOLOGIA DA RÁDIO APARECIDA 1951 - Pe. Humberto Pieroni se tornou o primeiro diretor da Rádio. Criado o Programa Os Ponteiros Apontam para o Infinito que ganhou notoriedade com o Pe. Vitor Coelho de

Leia mais

O SR. MARCUS VICENTE (PTB-ES) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O SR. MARCUS VICENTE (PTB-ES) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores 31/05/2005 O SR. MARCUS VICENTE (PTB-ES) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, este é um momento de grande relevância para o segmento de comunicação social de

Leia mais

- Deptº de Marketing -TV Bahia. Rua Aristides Novis nº 123 Federação. Tel.: (71) 3203-1207 -

- Deptº de Marketing -TV Bahia. Rua Aristides Novis nº 123 Federação. Tel.: (71) 3203-1207 - O Projeto Despertar a consciência de que cada um é responsável pelo equilíbrio ambiental e que, cabe a nós convencermos a quem convivemos disso. É o mote do projeto que vai estimular a conscientização

Leia mais

Faces do Telejornalismo: O Processo de Construção de Telejornalismo na Cidade de Uberlândia 1

Faces do Telejornalismo: O Processo de Construção de Telejornalismo na Cidade de Uberlândia 1 Faces do Telejornalismo: O Processo de Construção de Telejornalismo na Cidade de Uberlândia 1 Lucas Felipe JERÔNIMO 2 Mirna TONUS 3 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO O texto tem

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Programa Anexo 1. Resumo

Programa Anexo 1. Resumo Programa Anexo 1 Bruno LIMA 2 Carolina RIBEIRO 3 Lara MARQUES 4 Elga MÓL 5 Elisa FRANÇA 6 Ana AMORIM 7 Michelle BASTOS 8 Soraya VIEIRA 9 Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, MG Resumo Este trabalho

Leia mais

A história do Camisa 10 - um campeão de audiência

A história do Camisa 10 - um campeão de audiência A história do Camisa 10 - um campeão de audiência A história do Camisa 10 - um campeão de audiência Bruno Soares Camilo* Christina Ferraz Musse** José Eduardo da Costa Pereira Brum*** RESUMO O presente

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

CANAIS 14 UHF 22 da NET

CANAIS 14 UHF 22 da NET www.facebook.com/tvredepaulista www.twitter.com/tvredepaulista www.youtube.com/tvredepaulista www.projectocom.com.br tvredepaulista Fundação Cultural Anhanguera R. Dr. Leonardo Cavalcanti, 56 Centro Jundiaí/SP

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Jun/13 APRESENTAÇÃO A Rede Calderaro de Comunicação realiza pelo quinto ano a transmissão do Campeonato Amazonense

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação Universidade Estácio de Sá Comunicação A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como Faculdades

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Out/13 TROFÉU MUNDIAL DE NADO SINCRONIZADO 2013 De 29 de Novembro a 1 de Dezembro A partir de Novembro, os telespectadores

Leia mais

Portifólio Regina Ramalho

Portifólio Regina Ramalho 1 Portifólio Regina Ramalho Diretora de Comunicação e Editora do Pró Trabalhador Aniger Comunicação janeiro de 2013 até o momento (1 ano 6 meses)aclimação Regina Ramalho- Estratégias de comunicação e Assessoria

Leia mais

O PROJETO PORQUE PATROCINAR

O PROJETO PORQUE PATROCINAR PAIXÃO NACIONAL O gosto pelo futebol parece ser uma das poucas unanimidades nacionais do Brasil. As diferenças sociais, políticas e econômicas, tão marcantes no dia a dia do país diluem-se quando a equipe

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo 17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo APRESENTAÇÃO O 17º Festival Brasileiro de Cinema Universitário acontecerá de 6 a 12 de agosto de 2012,

Leia mais

Copa Rede. Amazônica de Futsal! APRESENTAÇÃO

Copa Rede. Amazônica de Futsal! APRESENTAÇÃO Copa Rede Amazônica de Futsal APRESENTAÇÃO A Copa Rede Amazônica de Futsal chega a sua 18ª edição em 2016. O evento leva milhares de pessoas para torcer pelos times locais e do interior, incentivando o

Leia mais

Dia Nacional da Consciência Negra

Dia Nacional da Consciência Negra Dia Nacional da Consciência Negra Sobre a EBC Criada em 007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Jornalismo 2011-2 O PAPEL DO YOUTUBE NA CONSTRUÇÃO DE CELEBRIDADES INSTANTÂNEAS Aluno: Antonio,

Leia mais

Fontes e público: quem faz parte do Repórter Brasil? 1. Roberta Braga Chaves 2 Iluska Coutinho 3 Universidade Federal de Juiz de Fora

Fontes e público: quem faz parte do Repórter Brasil? 1. Roberta Braga Chaves 2 Iluska Coutinho 3 Universidade Federal de Juiz de Fora Fontes e público: quem faz parte do Repórter Brasil? 1 Roberta Braga Chaves 2 Iluska Coutinho 3 Universidade Federal de Juiz de Fora RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar as fontes que aparecem

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Jun/13 APRESENTAÇÃO Em julho, a Rede Vitória traz mais uma vez um evento de repercussão nacional e times de todas as

Leia mais

Metodologias para análise de telejornais: a busca por métodos adequados para analisar noticiários locais 1

Metodologias para análise de telejornais: a busca por métodos adequados para analisar noticiários locais 1 Metodologias para análise de telejornais: a busca por métodos adequados para analisar noticiários locais Resumo Maiara Carvalho BATISTA 2 Universidade Federal do Paraná Este artigo surge da necessidade

Leia mais

RPC TV. no caminho da TV Digital. reportagem RPC TV

RPC TV. no caminho da TV Digital. reportagem RPC TV reportagem RPC TV RPC TV no caminho da TV Digital A primeira cidade a ter transmissão digital foi Curitiba, a capital do Estado e sede da RPC TV. Empresa completou em 2012 o ciclo de cobertura digital

Leia mais

Tv Globo Minas Belo Horizonte. Todo mundo se diverte. Todo mundo vê.

Tv Globo Minas Belo Horizonte. Todo mundo se diverte. Todo mundo vê. Tv Globo Minas Belo Horizonte Todo mundo se diverte. Todo mundo vê. São João de Minas São João de Minas, a maior festa junina de Minas Gerais. Em junho, Belo Horizonte vai se transformar no maior arraial

Leia mais

Identidade Regional nas Vinhetas dos Telejornais: Uma análise da representação visual na TV Panorama 1

Identidade Regional nas Vinhetas dos Telejornais: Uma análise da representação visual na TV Panorama 1 Identidade Regional nas Vinhetas dos Telejornais: Uma análise da representação visual na TV Panorama 1 Flávio Lins Rodrigues 2 Universidade Federal de Juiz de Fora Resumo Existe uma identidade local no

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Produzir para Rádio. Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio

Produzir para Rádio. Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio Produzir para Rádio Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio 2 de 12 CJF Conselho de Conteúdo 1. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 3 2. DESCRITIVO DO PROCESSO... 5 2.1 ENTRADAS/INSUMOS... 5 2.2 SAÍDAS

Leia mais

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing.

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing. Comunicação social Comunicação social A Comunicação Social é um campo de conhecimento académico que estuda a comunicação humana e as questões que envolvem a interação entre os sujeitos em sociedade. Os

Leia mais

VEM AÍ A FEIRA COM OPORTUNIDADE PARA OS JOVENS NAS CARREIRAS DO AGRONEGÓCIO

VEM AÍ A FEIRA COM OPORTUNIDADE PARA OS JOVENS NAS CARREIRAS DO AGRONEGÓCIO PROPOSTA COMERCIAL VEM AÍ A FEIRA COM OPORTUNIDADE PARA OS JOVENS NAS CARREIRAS DO AGRONEGÓCIO A INSPER,SRB e Canal Rural trazem a oportunidade para as organizações do setor conectarem-se com profissionais

Leia mais

ABRANGÊNCIA. Radio Hertz 2 FM - 96,5

ABRANGÊNCIA. Radio Hertz 2 FM - 96,5 ABRANGÊNCIA Radio Hertz 2 FM - 96,5 Funcionando 24 horas por dia a Hertz 2 FM. Dois carros de reportagem dando cobertura Funcionando 24 horas por dia a Hertz 2 FM. Dois carros de reportagem dando cobertura

Leia mais

Telejornalismo local e Identidade: O Jornal da Alterosa e a construção de um lugar de referência 1 Iluska Coutinho 2 e Livia Fernandes 3

Telejornalismo local e Identidade: O Jornal da Alterosa e a construção de um lugar de referência 1 Iluska Coutinho 2 e Livia Fernandes 3 Telejornalismo local e Identidade: O Jornal da Alterosa e a construção de um lugar de referência 1 Iluska Coutinho 2 e Livia Fernandes 3 Resumo O telejornalismo ocupa um papel relevante para a nossa ordem

Leia mais

Jornal O Norte - Página 08

Jornal O Norte - Página 08 CLIPPING - 9ªSC 07 de Junho de 2011 Jornal O Norte - Página 08 CLIPPING - 9ªSC 07 de Junho de 2011 Jornal O Norte - Página 11 CLIPPING - 9ªSC 07 de Junho de 2011 Jornal O Norte - Página 09 CLIPPING - 9ªSC

Leia mais

DA AUDIÊNCIA PRESUMIDA AO ESPECTADOR PARTICIPATIVO: Telejornalismo e Identidade Local no Jornal da Alterosa Edição Regional

DA AUDIÊNCIA PRESUMIDA AO ESPECTADOR PARTICIPATIVO: Telejornalismo e Identidade Local no Jornal da Alterosa Edição Regional DA AUDIÊNCIA PRESUMIDA AO ESPECTADOR PARTICIPATIVO: Telejornalismo e Identidade Local no Jornal da Alterosa Edição Regional From Supposed Audience to Participative Spectator: Telejournalism and Local Identity

Leia mais

REDE INTERTV Alto Litoral (22) 2647-9900 - Serra +Mar (22) 2519-9101 - Planície (22) 2726-8250 Grande Minas (38) 3229-7300 - Dos Vales (31) 3841-9100

REDE INTERTV Alto Litoral (22) 2647-9900 - Serra +Mar (22) 2519-9101 - Planície (22) 2726-8250 Grande Minas (38) 3229-7300 - Dos Vales (31) 3841-9100 2012 A COPA INTER TV DE FUTSAL está em sua 4ª Edição e promete repetir o sucesso. O campeonato integra os 50 municípios da área de cobertura da INTER TV, núcleo Rio, divididos em 03 regiões: Serrana, Norte

Leia mais

MAR SEM FIM. Redescobrindo a costa brasileira.

MAR SEM FIM. Redescobrindo a costa brasileira. MAR SEM FIM Redescobrindo a costa brasileira. Sempre na busca de uma linguagem inovadora, ao combinar educação e entretenimento, a TV Cultura se tornou a emissora mais premiada do Brasil com sua receita

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS CENTRO ABERTO DE MÍDIA 1) O que é o Centro Aberto de Mídia (CAM)? É um espaço físico e virtual para atendimento aos jornalistas, credenciados ou não credenciados pela FIFA, que desejam

Leia mais

ÍNDICE. Sumário. Expositores. Marketing e Comunicação. Galeria de Fotos

ÍNDICE. Sumário. Expositores. Marketing e Comunicação. Galeria de Fotos POST SHOW REPORT ÍNDICE Sumário Expositores Visitantes Marketing e Comunicação Galeria de Fotos SUMÁRIO SUMÁRIO EXECUTIVO NOVIDADES DE ALTA TECNOLOGIA E NEGÓCIOS FECHADOS MARCAM A FENATRAN 2009 Maior evento

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

O Torneio Gol de Letra

O Torneio Gol de Letra O Torneio Gol de Letra Um evento que promove uma disputa amistosa entre empresas comprometidas com a responsabilidade social Todos os recursos revertidos para a Fundação Gol de Letra 20 empresas participantes

Leia mais

A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960)

A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960) A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960) Lia Calabre NO APAGAR DAS LUZES DO SÉCULO XX, podemos dizer que este foi o tempo da revolução das formas de comunicação à distância.

Leia mais

programação para 105 municípios, iremos verificar se ele prioriza os acontecimentos locais ou

programação para 105 municípios, iremos verificar se ele prioriza os acontecimentos locais ou 9 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho visa abordar a representação da cidade de Juiz de Fora, localizada na Zona da Mata de Minas Gerais, por meio do material televisivo produzido pela TV Integração, emissora

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores Ingresso Janeiro 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO: Como

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DIA HORA GÊNERO PROGRAMA 30''

TABELA DE PREÇOS DIA HORA GÊNERO PROGRAMA 30'' TABELA DE PREÇOS DIA HORA GÊNERO PROGRAMA 30'' SEG/SAB 06:00/09:00 VARIEDADES SHOW DO ANTONIO CARLOS R$ 39,00 SEG/SAB 09:05/10:00 RELIGIOSO MOMENTO DE FÉ R$ 51,00 SEG/SAB 10:05/13:00 VARIEDADES MANHÃ DA

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO 2015. Depto. de Marketing e Pesquisa Depto. de Marketing Pesquisa

PLANO DE PATROCÍNIO 2015. Depto. de Marketing e Pesquisa Depto. de Marketing Pesquisa PLANO DE PATROCÍNIO 2015 Depto. de Marketing e Pesquisa Depto. de Marketing Pesquisa O SEGMENTO LIGHT A Rede Transamérica Light atinge o público pertencente às classes AB, acima de 25 anos, formador de

Leia mais

ÓTV. O canal de TV MULTIPLATAFORMA para quem curte Curitiba

ÓTV. O canal de TV MULTIPLATAFORMA para quem curte Curitiba ÓTV O canal de TV MULTIPLATAFORMA para quem curte Curitiba Projeto estratégico do GRPCOM (Grupo Paranaense de Comunicação), com forte identidade local e mais de dez horas de conteúdo diário com foco em

Leia mais

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Autores: Maria Zaclis Veiga e Élson Faxina Docentes do Centro Universitário Positivo UnicenP Resumo: A Rede Teia de Jornalismo

Leia mais

O Trabalho infantil na Amazônia 1. Mayra LEAL 2 Jessé Santa BRÍGIDA 3 Célia Trindade AMORIM 4 Universidade Federal do Pará, Belém, PA

O Trabalho infantil na Amazônia 1. Mayra LEAL 2 Jessé Santa BRÍGIDA 3 Célia Trindade AMORIM 4 Universidade Federal do Pará, Belém, PA O Trabalho infantil na Amazônia 1 Mayra LEAL 2 Jessé Santa BRÍGIDA 3 Célia Trindade AMORIM 4 Universidade Federal do Pará, Belém, PA RESUMO O Trabalho infantil no Brasil e, em especial, na Amazônia é uma

Leia mais

GOOD NEWS PATROCÍNIO SÓ BOAS NOTÍCIAS PARA QUEM SE PREOCUPA COM O PLANETA. NOVEMBRO DE 2012 REDETV! www.redetv.com.br. www.redetv.com.

GOOD NEWS PATROCÍNIO SÓ BOAS NOTÍCIAS PARA QUEM SE PREOCUPA COM O PLANETA. NOVEMBRO DE 2012 REDETV! www.redetv.com.br. www.redetv.com. GOOD NEWS PATROCÍNIO NOVEMBRO DE 2012 REDETV! www.redetv.com.br www.redetv.com.br/comercial DEPARTAMENTO DE MARKETING REDETV! DIVISÃO PLANEJAMENTO DE MARKETING PUBLICITÁRIO SÓ BOAS NOTÍCIAS PARA QUEM SE

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

Em 2009, a Fundação Padre Anchieta mais uma vez estará presente na Campus Party.

Em 2009, a Fundação Padre Anchieta mais uma vez estará presente na Campus Party. Mais uma vez, a cidade de São Paulo se prepara para receber a Campus Party entre os dias 19 e 25 de janeiro de 2009. Milhares de internautas vêm a cidade participar do evento, que é o maior encontro mundial

Leia mais

Emissoras de Rádio AM e FM espalhadas pelo Estado de Minas Gerais.

Emissoras de Rádio AM e FM espalhadas pelo Estado de Minas Gerais. A Rede Gerais, antiga Rede Mineira de Rádio, recém lançada pelo empresário de radiodifusão Geraldo Magno e tem como Diretor Artistico o radialista Luiz Carlos Gomes, surge com um publico ouvinte de mais

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão SET 2014 A SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão) é a principal associação de profissionais que trabalham com tecnologias e sistemas operacionais

Leia mais

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Valor total do Projeto: R$ 2.283.138,52 Apresentação: O jornal A Gazeta foi comprado por Cásper Líbero em 1918. Produziu

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Jun/13 APRESENTAÇÃO As emoções da Copa Espírito Santo de Futebol estão de volta. A Rede Vitória, pelo sexto ano consecutivo,

Leia mais

Plano de Mídia TV PAJUÇARA

Plano de Mídia TV PAJUÇARA Campeonato Alagoano A emoção do Campeonato Alagoano faz parte do Pajuçara Sistema de Comunicação desde 2008. E, de lá pra cá, já virou tradição de todo alagoano acompanhar todos os lances do seu time do

Leia mais

Palavras Chave: comunicação; identidade; televisão regional. A questão da identidade local

Palavras Chave: comunicação; identidade; televisão regional. A questão da identidade local TV Visão: Um Retrato da Múltipla Identidade Juizforana ¹ Haydêe Sant'Ana Arantes ² Christina Ferraz Musse ³ Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Resumo: O artigo pretende analisar como a implantação

Leia mais

RADIODIFUSÃO E TELECOMUNICAÇÕES. Características que devem influenciar Legislação

RADIODIFUSÃO E TELECOMUNICAÇÕES. Características que devem influenciar Legislação RADIODIFUSÃO E Características que devem influenciar Legislação 1 ROTEIRO 1. Rádio e Televisão Abertos, de recepção livre e gratuita no Brasil Modelo Federativo Características Importância 2. Conteúdos

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

V Prêmio AMRIGS de Jornalismo

V Prêmio AMRIGS de Jornalismo 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1 Conceitos V Prêmio AMRIGS de Jornalismo REGULAMENTO O Prêmio AMRIGS de Jornalismo, quinta edição, é uma iniciativa da Associação Médica do Rio Grande do Sul, com o apoio do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

MDD Mídias Interativas. A Evolução da TV no Brasil

MDD Mídias Interativas. A Evolução da TV no Brasil Pós-Graduação MDD Mídias Interativas A Evolução da TV no Brasil Apresentações Profª. Graciana Simoní Fischer de Gouvêa Email: graciana.fischer@prof.infnet.edu.br Evolução da TV Evolução do Homem x TV Evolução

Leia mais

Os primeiros sinais: 1948, a televisão chega a Juiz de Fora-MG

Os primeiros sinais: 1948, a televisão chega a Juiz de Fora-MG Os primeiros sinais: 1948, a televisão chega a Juiz de Fora-MG Flávio Lins RODRIGUES 1 O escritor Luiz Augusto Milanesi (1978), ao tratar dos efeitos causados pela chegada do sinal de televisão a uma cidade

Leia mais

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som.

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som. TELEVISÃO Temos a definição da palavra TELEVISÃO do grego como tele - distante e do latim visione visão; é um sistema eletrônico de recepção de imagens e som de forma instantânea. Funciona a partir da

Leia mais

NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE

NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE 1º Período TEORIA DA COMUNICAÇÃO I Conceitos de comunicação e de comunicação social. Contexto histórico do surgimento da

Leia mais

UMC Repórter: Prestação de Serviços Em Prol do Bairro Ponte Grande 1

UMC Repórter: Prestação de Serviços Em Prol do Bairro Ponte Grande 1 UMC Repórter: Prestação de Serviços Em Prol do Bairro Ponte Grande 1 Rogério NASCIMENTO 2 Caio ROCHA 3 Josuel SILVA 4 Júlia FIGUEIREDO 5 Marina ALENCAR 6 Hércules MOREIRA 7 Universidade de Mogi das Cruzes,

Leia mais

Volta de Ciclismo de São Paulo. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Basquete de rua. Evento terá cobertura completa da Globo

Volta de Ciclismo de São Paulo. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Basquete de rua. Evento terá cobertura completa da Globo Basquete de rua BOLETIM DE INFORMAÇÃO PARA PUBLICITÁRIOS Abril de 2008 n. 553 Grandes oportunidades para o marketing social Jardim Botânico do Rio de Janeiro Projeto integrado da Rede Globo comemora os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM JORNALISMO Capítulo I Da concepção de estágio O Estágio visa oportunizar

Leia mais

Assessoria de Imprensa

Assessoria de Imprensa R e l a t ó r i o Telefone: (31) 3532-5100 www.salaodoencontro.org.br salaodoencontro@terra.com.br Rua João da Silva Santos, 34 Santa Lúcia - 32630-730 - Betim - MG Assessoria de Imprensa Jornalista responsável:

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

Campinas Ribeirão Central Sul de Minas

Campinas Ribeirão Central Sul de Minas Campinas Ribeirão Central Sul de Minas O torneio que reúne os campeões da Taça EPTV de Futsal passa por aqui. Apita o juiz! A partir de 2015, a EPTV apresenta a Super Taça EPTV de Futsal: competição entre

Leia mais

60ª Corrida Pedestre Henrique Archer Pinto

60ª Corrida Pedestre Henrique Archer Pinto 60ª Corrida Pedestre Henrique Archer Pinto APRESENTAÇÃO A corrida mais tradicional de Manaus completa 60 anos em 2015 e todos os praticantes desse esporte são convidados especiais da Rede Amazônica para

Leia mais

SUMÁRIO A REDE BAHIA. 5 PAPELARIA. 13 O JORNAL CORREIO. 5 DESDOBRAMENTO DE CONTEÚDO. 14 A RÁDIO CBN. 5 COMUNICAÇÃO E ENVOLVIMENTO EDITORIAL.

SUMÁRIO A REDE BAHIA. 5 PAPELARIA. 13 O JORNAL CORREIO. 5 DESDOBRAMENTO DE CONTEÚDO. 14 A RÁDIO CBN. 5 COMUNICAÇÃO E ENVOLVIMENTO EDITORIAL. SUMÁRIO A REDE BAHIA... 5 O JORNAL CORREIO... 5 A RÁDIO CBN... 5 SEMINÁRIOS AGENDA BAHIA 2015... 7 DESENVOLVIMENTO REGIONAL... 8 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL... 9 DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO... 10 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

FUTEBOL 2013 PATROCÍNIO CAMP. PAULISTA SÉRIE A2 SUPERCOPA INTERNAC. JR CAMP. PAULISTA SUB-20 COPA PAULISTA COBERTURA MUNDIAL DE CLUBES COPA

FUTEBOL 2013 PATROCÍNIO CAMP. PAULISTA SÉRIE A2 SUPERCOPA INTERNAC. JR CAMP. PAULISTA SUB-20 COPA PAULISTA COBERTURA MUNDIAL DE CLUBES COPA PATROCÍNIO JANEIRO DE 2013 REDETV! www.redetv.com.br CAMP. SÉRIE A2 SUPERCOPA INTERNAC. JR CAMP. SUB-20 COPA COBERTURA MUNDIAL DE CLUBES SÉRIE A2 SUPERCOPA INTERN. JR SUB-20 COPA www.redetv.com.br/comercial

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Telejornal Sala 221 1

Telejornal Sala 221 1 Telejornal Sala 221 1 Thayane dos Santos MOREIRA 2 Gabriela Barbosa NEVES 3 Kamila Katrine Nascimento de FREITAS 4 Marcelo LIMA 5 Maryjane da Costa PEREIRA 6 Cogenes Felipe Silva de LIRA 7 Zulmira NÓBREGA

Leia mais

MISSÃO. O portal Convergência Digital fala para quem decide, para quem consome. convergenciadigital.com.br

MISSÃO. O portal Convergência Digital fala para quem decide, para quem consome. convergenciadigital.com.br MISSÃO Ser a maior rede de informações 100% on-line das áreas de Tecnologia da Informação e Telecomunicações do País, com conteúdo diferenciado e de primeira qualidade O portal Convergência Digital fala

Leia mais

Proposta Comercial. Depto. de Marketing 01/Abr/10

Proposta Comercial. Depto. de Marketing 01/Abr/10 Proposta Comercial Depto. de Marketing 01/Abr/10 16/Jun/10 A REDE RECORD e a RECORD NEWS oferecem ao Mercado Publicitário o patrocínio dos Jogos Olímpicos de Verão da Juventude, que acontecerão em CINGAPURA.

Leia mais