Descrição das disciplinas e conteúdos programáticos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Descrição das disciplinas e conteúdos programáticos"

Transcrição

1 Descrição das disciplinas e conteúdos programáticos INTERPRETAÇÃO TEATRAL 580 hs (total) Conhecer e desenvolver a técnica de interpretação teatral a partir do método criado por Stanislavski, aplicado a diferentes gêneros e estilos de espetáculos teatrais. Estimular a criação de personagens compreendendo as diversas linguagens estéticas e contemplando: ações físicas, memória emotiva e circunstâncias. Criação e execução de espetáculo teatral. 1º SEMESTRE Interpretação Teatral 100 hs Introdução à interpretação teatral a partir do método stanislaviskiano. A técnica da interpretação a partir de ações físicas, imaginação, concentração, fé cênica, tempo-ritmo interior e exterior. As circunstâncias internas e externas do personagem; A construção e exploração de personagens; O uso da memória sensorial e emotiva na interpretação; A criação de cenas; Montagem de espetáculo teatral. 2º SEMESTRE Interpretação Teatral 120 hs O teatro para crianças; O olhar sobre a criança e o olhar da criança; A interpretação no teatro para crianças; O personagem no teatro para crianças: heróis, bichos, monstros e caricaturas; A contação de histórias; A referência na literatura universal e a referência na literatura dramática; A criação a partir do texto literário. Montagem de espetáculo teatral para crianças. 3º SEMESTRE Interpretação Teatral 120 hs Estudo de linguagem e gestos de época; Contextualização das particularidades de diferentes períodos históricos e contextos sociais a partir de estudos literários; Costumes e atitudes da época;

2 Construção da personagem; Linguagens de encenação; Montagem de espetáculo teatral de época. 4º SEMESTRE Interpretação Teatral 120 hs Linguagens teatrais pós-dramáticas do século XX, englobando formas de dramaturgia e encenação direcionadas ao trabalho do ator; Aprimoramento técnico do ator por meio da desarticulação do corpo cotidiano; Exploração de novas potencialidades de criação; Estudo de textos teóricos e dramáticos contemporâneos; Técnicas contemporâneas voltadas ao processo de criação; Montagem de espetáculo teatral contemporâneo. 5º SEMESTRE Interpretação Teatral 120 hs O teatro musical no Brasil e no Mundo; Particularidades da interpretação no teatro musical; Desenvolvimento corporal e vocal direcionados à interpretação; Integração da interpretação, canto e dança; Montagem de espetáculo teatral musicado. ADLER, S. Técnica da Representação Teatral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, BARBA, E. A Canoa de Papel. São Paulo: Hucitec, 1994 BERTHOLD, Margot. História Mundial do Teatro. São Paulo: Perspectiva, CARVALHO, T. Charles Moeller e Clardio Botelho: Os Reis dos Musicais. São Paulo: Imprensa Oficial, COELHO, B. Contar Histórias: Uma Arte sem Idades. São Paulo: Ática, IOSHI, O. O ator Invisível. São Paulo: Via Lettera, RYNGAERT, J. P. Ler o Teatro Contemporâneo. São Paulo: Martins Fontes, 1998 SLADE, P. O Jogo Dramático Infantil. São Paulo: Summus, STANISLAVSKI, C. A Construção do Personagem. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, STANISLAVSKI, C. A Preparação do Ator. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, IMPROVISAÇÃO TEATRAL A importância do jogo teatral para cena e a integração do grupo, buscando a troca do jogo cênico. A técnica da Improvisação, utilizando a prontidão de respostas,

3 criatividade, controle emocional, articulação do pensamento, percepção e integração grupal. 1º SEMESTRE Jogos de Improviso; Criação de personagem; Presença Cênica; Argumentação verbal e expressão corporal; O personagem e a cena improvisada; Improvisação Livre e Dirigida; Criação de cenas a partir de temas e motivos diversos. CHACRA, S. Natureza e Sentido da Improvisação Teatral. Rio de Janeiro: Ed. Perspectiva, SPOLIN, V. Improvisação para Teatro e Jogos Teatrais Fichário de Viola Spolin. Rio de Janeiro: Ed Perspectiva, CARACTERIZAÇÃO E INDUMENTÁRIA Conhecer a história e evolução da caracterização e indumentária teatral, bem como sua aplicação, função e conceitos básicos. Identificar e aplicar as diversas técnicas de maquiagem na caracterização da personagem. Criar e compor figurinos de espetáculos contemplando o contexto social e temporal na qual a obra teatral está inserida. 1º SEMESTRE Conceituação da Maquiagem e Caracterização teatral; História da Maquiagem e Indumentária: as civilizações e suas caracterizações do Egito ao século XX; Caracterização de personagens de acordo com a linguagem cênica; Técnicas de maquiagem; Composição da caracterização de personagens através de figurinos, adereços e maquiagens; DETELLES, M. Caracterização Teatral: uma arte a ser desvendada. In: Cartografias do Ensino do Teatro. Uberlândia: Edufu, MAGALHÃES, M.F. Do ensino à prática: o processo da caracterização cênica.in: Memória ABRACE. Vol IV, p Florianópolis, MUNIZ, R. Vestindo os nus: o figurino em cena. Rio de Janeiro: Ed. Senac Rio, ROUBINE, J. A linguagem da encenação teatral: Rio de janeiro: Zahar

4 Editores, HISTÓRIA DO TEATRO 60hs O teatro desde o seu surgimento na antiguidade, suas referências estéticas e influências no processo de desenvolvimento do homem, das artes e da cultura, a partir do entendimento de linguagens de encenação em paralelo ao processo histórico. 1º SEMESTRE Da origem ao teatro Medieval: O ritual, o teatro grego, o teatro romano, os mistérios, milagres, moralidades e farsas; Do Renascimento aos Teatros Nacionais: O movimento humanista, a commedia dell'arte, o teatro Isabelino (Shakespeare); Do Classicismo ao Romantismo: Corneille e Racine, teatro de Moliére, o melodrama; Do século XIX ao século XXI: o naturalismo, o realismo, o teatro norte americano, o pós-dramático; História do teatro brasileiro; O teatro paranense. BERTHOLD, M. História Mundial do teatro. São Paulo: Ed. Perspectiva, COSTA, I.C. A história do teatro épico no Brasil. RJ: Paz na Terra, DOTTO NETO, I. e COSTA, M.M. Entreatos: teatro em Curitiba de 1981 a Curitiba: Ed. do Autor, PRADO, D.A. História concisa do teatro brasileiro: São Paulo: Ed.da USP, EXPRESSÃO CORPORAL 120hs (total) Possibilidades e potencialidades da estrutura corporal e a Psicomotricidade visando o entendimento dos gestos e da linguagem não verbal como modo de exteriorização de emoções e atitudes. Introdução à dança, com passos básicos de diferentes estilos e modalidades da dança e seu contexto sócio histórico. 2º SEMESTRE Expressão Corporal 40 hs O aquecimento físico direcionado ao teatro; A articulação e possibilidades de movimentos;

5 Consciência física: Ritmo, intensidade e velocidade; Qualidade do movimento: compreensão das possibilidades e potencialidades existentes no corpo; Movimento corporal e suas características: associação da música e do deslocamento no espaço, possibilitando a exteriorização de personagens e tipos; O movimento corporal e a expressão vocal: coordenar o texto como movimento corporal, observando a musicalidade das palavras, a voz em associação com a expressão do corpo da personagem. 4º SEMESTRE Expressão Corporal 80 hs Movimento expressivo; Queda e recuperação; Movimento vibratório e fluído; Movimentos naturais e construídos; Posições básicas da dança; Danças sociais. FELDENKRAIS, M. Consciência pelo Movimento. São Paulo: Summus, GUIRAUD, P. A Linguagem do Corpo. São Paulo: Ed. Ática, BOUCIER, P. História da dança no ocidente. São Paulo: Martins Fontes, SIQUEIRA, D.C.O. Corpo, comunicação e cultura: a dança contemporânea em cena. Campinas: Autores Associados, PRODUÇÃO E LEGISLAÇÃO As leis que regem a produção cênica, os direitos autorais e as condições de trabalho em produção com indicação de ferramentas necessárias para montagem de um espetáculo teatral, desde a elaboração de projeto até sua pós-produção. 2º SEMESTRE Roteiro de produção: pré-produção, produção e pós-produção; Planejamento orçamentário; Direitos autorais (SBAT e ECAD); Capacitação profissional: Lei 6533/78, Registro Profissional, Piso Salarial, Alvará; Conhecendo as leis de incentivo a Cultura e seus editais; Montagem de projeto de produção. CUNHA, M.H. Gestão Cultural: profissão em formação. Belo Horizonte: Duo Editorial, 2007.

6 CUNHA F., F.H.; TELLES, M.F.P. e COSTA, R.V. (orgs). Direito, Arte e Cultura. Sebrae, PSICOLOGIA PARA O TEATRO Fornecer bases sobre o funcionamento do psiquismo humano a partir das principais linhas teóricas da psicologia para a construção da personagem e a interpretação do texto teatral. 2º SEMESTRE Introdução à Psicologia: seu surgimento enquanto ciência; Principais linhas teóricas; Teorias da personalidade; A teoria stanislavskiana, o processo de construção e entendimento da psicologia da personagem; A escuta do texto dramatúrgico para a construção da personagem: uma análise psicológica. BONFITTO, M. Ator Compositor. São Paulo: Perspectiva, HALL, C.S.; LINDZEY, G.; CAMPBELL, J.B. Teorias da Personalidade. Porto Alegre: Artmed, SCHULTZ, D.P.; SCHULTZ, S.E. Introdução à Psicologia. São Paulo: Cultrix, ÉTICA PROFISSIONAL Criar bases de reflexão sobre a ação humana e os valores morais como uma produção histórica. Um olhar sobre o papel do ator e sua postura profissional, do ponto de vista político e filosófico. 3º SEMESTRE Conteúdo: Introdução à Ética: conceituação; História da Ética: principais modelos de ética; A Ética na contemporaneidade; A ética do ator em Stanislavski; A Ética Profissional do ator; CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. SP: Àtica, GALLO, Sílvio. Ética e Cidadania: caminhos da filosofia. São Paulo: Papirus, STANISLAVSKI, C. A Construção da Personagem. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970.

7 ANÁLISE DRAMATÚRGICA 40 hs O estudo dos aspectos estruturais das obras dramatúrgicas. A expressão dramática da leitura de texto, e as técnicas para a interpretação e expressão verbal. 3º SEMESTRE Técnicas para estudo e estrutura de texto; Elementos da leitura dramática e a interpretação textual; Potencial cênico do texto dramático; O texto lido e texto interpretado. COMPARATO, D. Da Criação ao Roteiro. Rio de Janeiro: Ed. Rocco, GUBERFAIN, J.C. Voz em Cena. Vol I. Rio de Janeiro: Ed. Revinter, ROSENFELD, A. Prismas do Teatro. São Paulo: Perspectiva/Edusp; Campinas: Edunicamp, (Debates, 256). EXPRESSÃO VOCAL 120hs (total) A voz falada e cantada como modo de expressão. Possibilidades de utilização da voz para a construção de personagens, utilizando do aparelho fonador. Técnicas de aperfeiçoamento da expressão vocal e os cuidados com a voz. Afinação e ritmo. 3º SEMESTRE Expressão Vocal 40 hs Conhecendo a voz: anatomia do aparelho fonador e das estruturas envolvidas na fala. Relação postural com a fisiologia da fonação. Saúde e higiene vocal. Projeção e impostação vocal: mecanismos e treinamento prático. Aquecimento e desaquecimento vocal. Respiração, apoio, colocação e ressonâncias. Intenção, inflexão e expressão facial. Treinamento vocal com grito e trava-línguas. A preparação vocal para espetáculos. 5º SEMESTRE Expressão Vocal

8 80 hs Possibilidades de composição do corpo da personagem; Técnicas para adequação da voz cantada; Afinação; Interpretação da música. BEHLAU, M.; PONTES, P. Higiene Vocal. Rio de Janeiro: Ed. Revinter, BERNHARD, C.C.L. A Fonoaudiologia no Teatro. In: FERREIRA, L.P. (org). Trabalhando a Voz. São Paulo: Summus Editorial, GONÇALVES, N. A Importância de falar Bem. São Paulo: Lovise, SEMIOLOGIA TEATRAL A diferenciação de conceitos e visões do campo do estudo da significação, os signos que compõem a cena na linguagem teatral e a linguagem semiótica no exercício cênico. 4º SEMESTRE Teatro e Comunicação: o signo teatral. Os sistemas semiológicos nas artes do espetáculo. Contribuições teóricas de diferentes escolas: semiologia, semiótica e semanálise. Proxêmica teatral: compreender as relações e distâncias entre palco e platéia. PAVIS, P. Análise dos Espetáculos. São Paulo: Perspectiva, PINTO, Júlio. 1,2,3 da Semiótica. Belo Horizonte: Ed. UFMG, TEIXEIRA COELHO, J. (org) Semiologia do Teatro. São Paulo: Ed. Perspectiva, CONCEPÇÃO CÊNICA Definição e reconhecimento das diferentes linguagens e estéticas cênicas para a elaboração e realização de cena teatral. 5º SEMESTRE Conteúdo: Fundamentos da Direção Teatral. Planejamento e execução da concepção de uma cena; A expressão artística através de espetáculos; A escolha de linguagem e estética de encenação;

9 Crítica teatral; Montagem cênica. CAMARGO, R.G. Palco & Platéia: Um Estudo Sobre a Proxêmica Teatral. Sorocaba: Ed. TCM Comunicação, ROUBINE, J.J. A Linguagem da Encenação Teatral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, Introdução às Grandes Teorias do Teatro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

ANCHIETA. JOSÉ DE. AULEUM - A QUARTA PAREDE. SÃO PAULO: ABOOKS, 2002. ARAÚJO, JOSÉ SÁVIO OLIVEIRA DE. TEATRO E EDUCAÇÃO A VISÃO DE ÁREA A PARTIR DE

ANCHIETA. JOSÉ DE. AULEUM - A QUARTA PAREDE. SÃO PAULO: ABOOKS, 2002. ARAÚJO, JOSÉ SÁVIO OLIVEIRA DE. TEATRO E EDUCAÇÃO A VISÃO DE ÁREA A PARTIR DE 5 Referências Bibliográficas 85 ANCHIETA. JOSÉ DE. AULEUM - A QUARTA PAREDE. SÃO PAULO: ABOOKS, 2002. ARAÚJO, JOSÉ SÁVIO OLIVEIRA DE. TEATRO E EDUCAÇÃO A VISÃO DE ÁREA A PARTIR DE PRÁTICAS DE ENSINO. DISSERTAÇÃO

Leia mais

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano)

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano) Arte Ensino Fundamental Fase Final (6º a 9º ano) 2012 APRESENTAÇÃO Caro(a) professor(a), (...) Protege-me das incursões obrigatórias que sufocam o prazer da descoberta e com o silêncio ( intimamente sábio

Leia mais

FAZENDO TEATRO NA ESCOLA

FAZENDO TEATRO NA ESCOLA Ministério da Cultura e Grupo EcoRodovias apresentam: FAZENDO TEATRO NA ESCOLA Índice Jogos teatrais, criação e dramaturgia...4 Jogos teatrais como ferramenta lúdica e pedagógica...6 Direção de elenco...7

Leia mais

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA Getúlio Góis de Araújo getulio_araujo @nacionalnet.com.br Colégio Nacional Ensino Fundamental II Relato de Experiência

Leia mais

PONTOS DE ESTUDO DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS SETOR DE ESTUDO: FORMAÇÃO DIDÁTICO/PEDAGÓGICA- ARTES VISUAIS

PONTOS DE ESTUDO DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS SETOR DE ESTUDO: FORMAÇÃO DIDÁTICO/PEDAGÓGICA- ARTES VISUAIS PONTOS DE ESTUDO DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS SETOR DE ESTUDO: FORMAÇÃO DIDÁTICO/PEDAGÓGICA- ARTES VISUAIS 1. A prática pedagógica no ensino das artes visuais na contemporaneidade; 2. A trajetória do

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA Turno: VESPERTINO Currículo nº 2 Reconhecido pelo Decreto nº. 3.598, de 14.10.08, D.O.E. nº 7.827 de 14.10.08, e complementação do reconhecimento pelo Decreto nº. 5.395,

Leia mais

FACULDADE PAULISTA DE ARTES CURSO: LICENCIATURA EM TEATRO 1º PERÍODO - 1º/2012 NOTURNO

FACULDADE PAULISTA DE ARTES CURSO: LICENCIATURA EM TEATRO 1º PERÍODO - 1º/2012 NOTURNO FACULDADE PAULISTA DE ARTES 1º PERÍODO - 1º/2012 NOTURNO Horário SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA Fundamentos da Arte e da Teatro: Iniciação à Teatral Técnica Vocal: conhecimentos anatômicos e higiene

Leia mais

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação 1 Processo de formação de professores um olhar para a dança. Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação A Constituição Federal de

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso 10LAT13 - Licenciatura em Arte-Teatro. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso 10LAT13 - Licenciatura em Arte-Teatro. Ênfase Curso 10LAT13 - Licenciatura em Arte-Teatro Ênfase Identificação Disciplina LAT0103TU - Laboratório do Corpo e da Voz I Docente(s) Suely Master Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de Artes

Leia mais

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare CONCEITOS A EXPLORAR L íngua Portuguesa Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. Signos lingüísticos verbais e não-verbais. A rte O teatro elisabetano. Dramaturgia (conflito dramático

Leia mais

Palavras chave: voz, prevenção, criança

Palavras chave: voz, prevenção, criança AÇÕES DE PREVENÇÃO DE DISFONIA INFANTIL EM CENÁRIOS EDUCACIONAIS: ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS SOBRE VOZ A PARTIR DE DESENHOS DE ALUNOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras chave: voz, prevenção, criança

Leia mais

AS AÇÕES FÍSICAS NO TEATRO CONTEMPORÂNEO. Palavras-chave: ação física; teatro contemporâneo; Samuel Beckett; Rockaby.

AS AÇÕES FÍSICAS NO TEATRO CONTEMPORÂNEO. Palavras-chave: ação física; teatro contemporâneo; Samuel Beckett; Rockaby. 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná AS AÇÕES FÍSICAS NO TEATRO CONTEMPORÂNEO Anais Eletrônicos Dirceli Adornes Palma de Lima 186 Faculdade de Artes do Paraná RESUMO O objetivo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE ARTE TEMA: CIRCO

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE ARTE TEMA: CIRCO TEMA: CIRCO 1. ano Reconhecimento e análise de formas visuais presentes na natureza e nas diversas culturas Utilização de elementos da linguagem visual: linha, cor, forma Representação por meio de colagem,

Leia mais

Formação Pedagógica de Docentes. 1º Semestre do Ano Lectivo 2005/06

Formação Pedagógica de Docentes. 1º Semestre do Ano Lectivo 2005/06 Formação Pedagógica de Docentes 1º Semestre do Ano Lectivo 2005/06 Curso S1.1 Formação Pedagógica de Docentes 1 Formador: Drª Odete Fachada 2 Duração: 32 horas, repartidas por 4 dias. 3 Calendário: 1,

Leia mais

4º SEMESTRE 3º SEMESTRE CH 405 CRED 17 CH 480 CRED 22 ESTUDOS INTRODUTÓRIOS À PESQUISA EM ARTE ANTROPOLOGIA CULTURAL (4) DCHL 714 DCHL 720

4º SEMESTRE 3º SEMESTRE CH 405 CRED 17 CH 480 CRED 22 ESTUDOS INTRODUTÓRIOS À PESQUISA EM ARTE ANTROPOLOGIA CULTURAL (4) DCHL 714 DCHL 720 UESB 1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 3º SEMESTRE 4º SEMESTRE 5º SEMESTRE 6º SEMESTRE 7º SEMESTRE 8º SEMESTRE CURSO DE CH 375 CRED 17 CH 450 CRED 20 CH 405 CRED 17 CH 480 CRED 22 CH 435 CRED 20 CH 405 CRED 19 CH

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

Estética da Existência na Pedagogia Teatral Ms. Profª Tânia Cristina dos Santos B oy1

Estética da Existência na Pedagogia Teatral Ms. Profª Tânia Cristina dos Santos B oy1 Estética da Existência na Pedagogia Teatral Ms. Profª Tânia Cristina dos Santos Boy 1 Universidade de Sorocaba Palavras-chave: Processo colaborativo, pedagogia teatral, cuidado de si. Neste trabalho nos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA CENTRO DE PROCESSOS SELETIVOS CEPS PROCESSSO SELETIVO 2016 PS 2016 EXAME DE HABILIDADES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA CENTRO DE PROCESSOS SELETIVOS CEPS PROCESSSO SELETIVO 2016 PS 2016 EXAME DE HABILIDADES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA CENTRO DE PROCESSOS SELETIVOS CEPS PROCESSSO SELETIVO 2016 PS 2016 EXAME DE HABILIDADES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO DE ARTES VISUAIS I. NOÇÕES DE PERCEPÇÃO E PERSPECTIVA

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009) CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2171 C/H 102 Fundamentos e concepções sobre a organização curricular

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE DE ARTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE DE ARTE 1 PLANO DE TRABALHO DOCENTE DE ARTE PROFESSOR: DAVI DOS SANTOS FERREIRA COLÉGIO ESTADUAL DARIO VELLOZO. SÉRIE(S): 8ºANO C/D, 9º ANO A/C, 1º ANO A/B/C/D e Contraturno em Música AVALIAÇÃO: Instrumentos de

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h/a Prática: 15 h/a Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

DIA DA SEMANA EVENTO NOME DO EVENTO TURNO HORÁRIO DATAS 20/05, 27/05, 03/06, 10/06 E 17/06/2013. MANHÃ 08:00 às 12:00 2ª FEIRA

DIA DA SEMANA EVENTO NOME DO EVENTO TURNO HORÁRIO DATAS 20/05, 27/05, 03/06, 10/06 E 17/06/2013. MANHÃ 08:00 às 12:00 2ª FEIRA 1 A.M. 69062 LENDO IMAGENS ATRAVÉS DE ALBERTO MANGUEL * Ementa: Leitura de imagens a partir da teoria de Alberto Manguel e por meio de diálogo entre as obras de arte selecionadas, autor e apreciadores.

Leia mais

EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO NÍVEL I

EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO NÍVEL I EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO 31157-04 Anatomia Humana NÍVEL I Estudo sobre a estruturação do organismo humano com ênfase nas características morfológicas dos sistemas anatômicos respiratório, cardiovascular,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.293, DE 13 DE JUNHO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.293, DE 13 DE JUNHO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.293, DE 13 DE JUNHO DE 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Técnico de Nível Médio

Leia mais

A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta

A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta Raquel Guerra Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Graduação Programa de Pós-Graduação em Teatro - UDESC. Professora Resumo: Neste artigo

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia Escola de Teatro Departamento de Fundamentos do Teatro

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia Escola de Teatro Departamento de Fundamentos do Teatro Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia Escola de Teatro Departamento de Fundamentos do Teatro Endereço: Rua Araújo Pinho, 292, Canela - CEP 40410150 - Salvador / Bahia Telefone: (071) 3283-7855

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20D Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Turno: VESPERTINO Autorizado pela Resolução UNIV. nº 25, de16 de setembro de 2002. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação em Licenciatura

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h/a Prática: 15 h/a Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR

DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR MARINA COELHO PEREIRA (FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI), KAREN CERDEIRA BECK (FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI), TATIANA

Leia mais

TEATRO NA ESCOLA: LINGUAGENS E PRODUÇÃO DE SENTIDO

TEATRO NA ESCOLA: LINGUAGENS E PRODUÇÃO DE SENTIDO TEATRO NA ESCOLA: LINGUAGENS E PRODUÇÃO DE SENTIDO Pedro Carlos de Aquino OCHÔA Regina Lúcia MESTI Universidade Estadual de Maringá PR Resumo: Este texto apresenta os resultados de um Projeto de Iniciação

Leia mais

CURRÍCULO COM ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS Currículo de Arte

CURRÍCULO COM ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS Currículo de Arte CURRÍCULO COM ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS Currículo de Arte 2015 Paulo Henrique Saraiva Câmara Governador do Estado de Pernambuco Raul Henry Vice-Governador do Estado Frederico

Leia mais

Docente: Adriana Severino da Silva Ano: 2013

Docente: Adriana Severino da Silva Ano: 2013 Planejamento Anual de Arte- história da arte ENSINO MÉDIO Docente: Adriana Severino da Silva Ano: 2013 I. INTRODUÇÃO Ensinar história da arte no ensino médio significa fortalecer a experiência sensível

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

PREFEITURA DE BOITUVA

PREFEITURA DE BOITUVA PROCESSO SELETIVO N 004/2013 O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE BOITUVA, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições, e na forma prevista no artigo 37 da Constituição Federal, considerando as condições previstas

Leia mais

O JOGO TEATRAL Theater Game Spolin Games dramatic play game Playmaking with Children Child Drama child art drama Theater Game Drama

O JOGO TEATRAL Theater Game Spolin Games dramatic play game Playmaking with Children Child Drama child art drama Theater Game Drama O JOGO TEATRAL O termo Theater Game (jogo teatral) foi originalmente cunhado por Viola Spolin em língua inglesa. Mais tarde ela registrou o seu método de trabalho como Spolin Games. A autora americana

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA)

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Considerações sobre o Programa de Filosofia do Ensino Médio Regular

Leia mais

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre Curso: Estudos Sociais Habilitação em História Ementas das disciplinas: 1º Semestre Disciplina: Introdução aos estudos históricos Carga horária semestral: 80 h Ementa: O conceito de História, seus objetivos

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA. AÇÕES DO PIBID/CAPES UFG (SUBPROJETO: LETRAS: PORTUGUÊS) NO COLÉGIO ESTADUAL LYCEU DE GOIÂNIA Bolsistas: SILVA, Danila L.; VAZ, Paula R. de Sena.;

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 3248 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA 1º PERÍODO

EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA 1º PERÍODO EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA 1º PERÍODO DISCIPLINA: Anatomia Humana Aplicada à Educação Física B108168 04 1º 80 Introdução ao estudo da Anatomia. Nomenclatura anatômica, estudo descritivo dos sistemas

Leia mais

Ementário do Curso Técnico em LAZER Campus Nilo Peçanha - Pinheiral

Ementário do Curso Técnico em LAZER Campus Nilo Peçanha - Pinheiral Ementário do Curso Técnico em LAZER Campus Nilo Peçanha - Pinheiral Disciplina: Atividades Recreativas e de Lazer Estudo do uso do tempo livre e da prática de atividades recreativas e prazerosas. Fundamentos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR. NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD CÓD DISCIPLINAS E EMENTAS CARGA HORÁRIA

MATRIZ CURRICULAR. NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD CÓD DISCIPLINAS E EMENTAS CARGA HORÁRIA MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR DA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA COM HABILITAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA

Leia mais

BRINCANDO DE BONECOS

BRINCANDO DE BONECOS BRINCANDO DE BONECOS O Espetáculo Brincando de Bonecos visa estimular a capacidade narrativa, incentivar a criatividade e divertir o espectador. Alguns bonecos são feitos a partir de materiais recicláveis,

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA

CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA DESCRIÇÃO Número de Fases: 08 Número de disciplinas obrigatórias: 38 Número de créditos obrigatórios: 152 Carga horária total das disciplinas obrigatórias: 2.280 horas Mínimo

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ARTES CÊNICAS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ARTES CÊNICAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 787 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ARTES CÊNICAS BACHARELADO, LICENCIATURA e NÃO DEFINIDA FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM TEATRAL A análise textual da representação. A

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 31 ANEXO VI EMENTÁRIO EMENTAS: DISCIPLINAS POR PERÍODO RECOMENDADO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRIMEIRO PERÍODO HDI0123 HFC0065 HFC0067 HFE0068 HFE0051 HFE0054 INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS CIENTÍFICOS EM EDUCAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO. Carga Horária: 72h Créditos: 4 Fase: 3ª

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO. Carga Horária: 72h Créditos: 4 Fase: 3ª UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO Curso: Pedagogia a Distância Departamento: Departamento de Pedagogia a Distância Disciplina:

Leia mais

Projeto Educ arte 1.º PERÍODO. Planificação Conteúdo Objetivo Semana anual. Jogos de Apresentação Descobrir o teatro 1

Projeto Educ arte 1.º PERÍODO. Planificação Conteúdo Objetivo Semana anual. Jogos de Apresentação Descobrir o teatro 1 Projeto Educ arte Planificação Conteúdo Objetivo Semana anual 1.º PERÍODO Jogos de Apresentação Descobrir o teatro 1 Introdução à música: Saber distinguir ritmo de - Ritmo, melodia; melodia, perceber a

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E S O L U Ç Ã O N.º 090/2009 CI / CCH CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 10/12/2009. João Carlos Zanin, Secretário Aprova o projeto pedagógico

Leia mais

Colégio Estadual Pedro Araujo Neto Ensino Fundamental e Médio PROPOSTA CURRICULAR DE ARTE DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

Colégio Estadual Pedro Araujo Neto Ensino Fundamental e Médio PROPOSTA CURRICULAR DE ARTE DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Colégio Estadual Pedro Araujo Neto Ensino Fundamental e Médio PROPOSTA CURRICULAR DE ARTE DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO GERAL DA DISCIPLINA A primeira forma de manifestação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE MÚSICA E ARTES CÊNICAS PROGRAMA: UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB ESCOLA DE MÚSICA E ARTES CÊNICAS DIRETOR Prof. Dr. Eduardo Meirinhos VICE DIRETORA

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 1º VOLUME ARTES VISUAIS O FAZER ARTÍSTICO Criação de desenhos, pinturas e colagens, com base em seu próprio repertório. Exploração das possibilidades oferecidas por diferentes

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. Curso: COMUNICAÇÃO PUBLICIDADE E PROPOAGANDA 2. Código:HE580 3.Modalidade(s): x Licenciatura Bacharelado

Leia mais

POR UMA ESTÉTICA DA VOZ EM CENA: HARMONIZAÇÃO DE CONTEÚDO E EXPRESSÃO SOB A ÓTICA DO MÉTODO ESPAÇO-DIRECIONAL-BEUTTEUNMÜLLER

POR UMA ESTÉTICA DA VOZ EM CENA: HARMONIZAÇÃO DE CONTEÚDO E EXPRESSÃO SOB A ÓTICA DO MÉTODO ESPAÇO-DIRECIONAL-BEUTTEUNMÜLLER POR UMA ESTÉTICA DA VOZ EM CENA: HARMONIZAÇÃO DE CONTEÚDO E EXPRESSÃO SOB A ÓTICA DO MÉTODO ESPAÇO-DIRECIONAL-BEUTTEUNMÜLLER Lidia Becker Orientador: Dr. Domingos Sávio Ferreira de Oliveira O Método Espaço-Direcional-Beuttenmüller

Leia mais

SeAC Serviço de Arte e Cultura

SeAC Serviço de Arte e Cultura SeAC Serviço de Arte e Cultura Atividades Curriculares Optativas Música. Canto. Teatro. Dança. Arte. Cultura A pedagogia proposta pelo SeAC se fundamenta na concepção de Ateliê, em que o educando tem um

Leia mais

ARTE CIRCENSE E A EDUCAÇÃO

ARTE CIRCENSE E A EDUCAÇÃO ARTE CIRCENSE E A EDUCAÇÃO Magali Deckert Arndt 1 Noemi Boer 2 Marjorie Dariane da Silva Machado³ Ingrid Mello 4 INTRODUÇÃO O teatro é uma das mais antigas manifestações culturais do homem e o tem acompanhado

Leia mais

Curso de Psicologia CÓDIGO B108478 PROGRAMA

Curso de Psicologia CÓDIGO B108478 PROGRAMA Curso de Psicologia 1º período DISCIPLINA: ELEMENTOS DE ANATOMIA B108478 EMENTA: - Estudo de todos os órgãos e sistemas do organismo humano, destacando as funções pertinentes a cada estrutura. DISCIPLINA:

Leia mais

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1 RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Catharine Prata Seixas (PIBIC/UFS) Aline Grazielle Santos Soares Pereira (PIBIX/UFS) INTRODUÇÃO Vygotsky (1991), diz que o pensamento e a linguagem

Leia mais

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Turno: MATUTINO/NOTURNO MATUTINO CURRICULO Nº 1 NOTURNO CURRICULO Nº 1 Reconhecido pelo Decreto nº 3.554 de 15.02.01, D.O.E. de 16.02.01. Renovação de Reconhecimento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 35/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Música, Modalidade

Leia mais

O JOGO IMAGÉTICO TEATRAL: AULA EXPOSIÇÃO SOBRE FIGURINO

O JOGO IMAGÉTICO TEATRAL: AULA EXPOSIÇÃO SOBRE FIGURINO Modalidade: Resumo Expandido GT: Teatro Eixo Temático: 3. Ensinar e aprender Teatro na Escola O JOGO IMAGÉTICO TEATRAL: AULA EXPOSIÇÃO SOBRE FIGURINO Tainá Macedo Vasconcelos (UFPB, PB, Brasil) RESUMO:

Leia mais

A Dança no Ensino Fundamental Uma Proposta de Ação Cultural

A Dança no Ensino Fundamental Uma Proposta de Ação Cultural A Dança no Ensino Fundamental Uma Proposta de Ação Cultural Kathya Maria Ayres de Godoy Programa de Pós-Graduação em Artes do Instituto de Artes da Unesp Professora Assistente Doutora Doutora em Educação

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Filosofia (1ª Fase)

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Filosofia (1ª Fase) Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Filosofia (1ª Fase) EIXO TEMÁTICO: FILOSOFIA E CIÊNCIA 1. Ler, interpretar e analisar textos filosóficos e de 2. Contextualizar conhecimentos

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES SELEÇÃO DE MONITORES CURSO DE PSICOLOGIA IBIOTEC REGIONAL CATALÃO

NORMAS COMPLEMENTARES SELEÇÃO DE MONITORES CURSO DE PSICOLOGIA IBIOTEC REGIONAL CATALÃO NORMAS COMPLEMENTARES SELEÇÃO DE MONITORES CURSO DE PSICOLOGIA IBIOTEC REGIONAL CATALÃO PROCESSO SELETIVO MONITORIA 2016/1 E 2016/2. O curso de Psicologia apresenta as Normas Complementares do Edital nº01

Leia mais

JAPIASSU, Ricardo. A linguagem teatral na escola: pesquisa, docência e prática pedagógica. Campinas: Papirus, 2007.

JAPIASSU, Ricardo. A linguagem teatral na escola: pesquisa, docência e prática pedagógica. Campinas: Papirus, 2007. RESENHA REVIEW TEATRO E EDUCAÇÃO TEATHER AND EDUCATION JAPIASSU, Ricardo. A linguagem teatral na escola: pesquisa, docência e prática pedagógica. Campinas: Papirus, 2007. Danielle Rodrigues de Moraes*

Leia mais

TEATRO-ESPORTE: Análise de procedimentos com ênfase na construção da relação com o público

TEATRO-ESPORTE: Análise de procedimentos com ênfase na construção da relação com o público TEATRO-ESPORTE: Análise de procedimentos com ênfase na construção da relação com o público Brenno Jadvas Soares Ferreira (UFU) jadvas@mestrado.ufu.br Resumo: O Teatro-Esporte e seu treinamento baseado

Leia mais

TEATRO E A ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO PIBID DE ARTES CÊNICAS RESUMO

TEATRO E A ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO PIBID DE ARTES CÊNICAS RESUMO TEATRO E A ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO PIBID DE ARTES CÊNICAS Nilda Beatriz do Nascimento Lesmo 1 ; Vera Heloisa Cardoso Leite 1 ; Flávia Janiaski Vale 2 ; José Oliveira Parente 2 UFGD/FACALE Caixa Postal

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas DISCIPLINA: Atividades de Estágio em Língua Portuguesa (Licenciatura em Letras)

Leia mais

José Roberto Santos Sampaio. A maquiagem nas formas espetaculares. Salvador: UFBA. Professor, diretor, maquiador e figurinista.

José Roberto Santos Sampaio. A maquiagem nas formas espetaculares. Salvador: UFBA. Professor, diretor, maquiador e figurinista. José Roberto Santos Sampaio. A maquiagem nas formas espetaculares. Salvador: UFBA. Professor, diretor, maquiador e figurinista. 1 Sobre os estudos da maquiagem teatral A maquiagem teatral é um objeto de

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC de Mairiporã Código: 27 Município: Mairiporã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de técnico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 7 ANO TURMAS A e B Prof. Alexandre Magno Guimarães Ementa:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

cultura dos adolescentes/jovens

cultura dos adolescentes/jovens MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

ARTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

ARTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL ARTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Ione Rossi Ribeiro Professora de Artes da APAE de Tupaciguara, graduada em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Uberlândia e pós-graduada em Educação Especial pelas Faculdades

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Planejamento Anual - 2012 Prof. Helcio Denis - CREF 002163-G/SP - G/SP - CRP-124.184-LP 5ª série 6º ano do Ensino Fundamental II Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG 1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 3º SEMESTRE 4º SEMESTRE 5º SEMESTRE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG 1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 3º SEMESTRE 4º SEMESTRE 5º SEMESTRE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas / MG - CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 Dinâmica Curricular do Curso

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo humano,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO DISCIPLINA FLEXÍVEL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO DISCIPLINA FLEXÍVEL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, COMUNICAÇÃO, LETRAS E ARTE CURSO DE COMUNICAÇÃO E MULTIMEIOS DISCIPLINA FLEXÍVEL Disciplina: Música-voz-som e processos criativos:

Leia mais

REGULAMENTO. CAPÍTULO I Definições e Objetivos

REGULAMENTO. CAPÍTULO I Definições e Objetivos REGULAMENTO CAPÍTULO I Definições e Objetivos Art.1 : O VIII Festival de Teatro Velha Joana, tem o objetivo de mobilizar a classe artística, grupos, companhias, coletivos de teatro, instituições culturais,

Leia mais

PLANEJAMENTO ATELIER CULTURAL FULL DAY COLÉGIO FARROUPILHA 2015

PLANEJAMENTO ATELIER CULTURAL FULL DAY COLÉGIO FARROUPILHA 2015 PLANEJAMENTO ATELIER CULTURAL FULL DAY COLÉGIO FARROUPILHA 2015 A Lezanfan apresenta a programação de atividades de Capoeira, Yoga e Artes para o Full Day 2015 Capoeira Professor Maicon Vieira Técnico

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde 040 Curso: Psicologia Núcleo Temático: Avaliação Psicológica Disciplina: Instrumentos de Avaliação Psicológica V Professor(es): Izabella

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA...

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... JUSTIFICATIVA Desde o nascimento a criança está imersa em um contexto social, que a identifica enquanto ser

Leia mais

9º FETUSC Festival Estudantil 2015 Mostra Estudantil Universidade Sagrado Coração Bauru/SP

9º FETUSC Festival Estudantil 2015 Mostra Estudantil Universidade Sagrado Coração Bauru/SP 9º FETUSC Festival Estudantil 2015 Mostra Estudantil Universidade Sagrado Coração Bauru/SP REGULAMENTO:!Do Objetivo: 01) O 9º FETUSC, Festival Estudantil de Teatro é uma realização da Universidade do Sagrado

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL Letras Licenciatura Português/Espanhol e Português/Inglês Letras Tradução Francês/Inglês/Português Letras Licenciatura Português/Inglês e Português/Francês Ementário (não mais ofertada em Processo Seletivo)

Leia mais

A FISICALIZAÇÃO NO SISTEMA DE JOGOS TEATRAIS

A FISICALIZAÇÃO NO SISTEMA DE JOGOS TEATRAIS A FISICALIZAÇÃO NO SISTEMA DE JOGOS TEATRAIS Joaquim Gama Universidade de Sorocaba UNISO quimgama@uol.com.br RESUMO: A fisicalização, no sistema de jogos teatrais, como possibilidade de tornar o imaginário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MU096- CANTO 1A OBRIG 0 60 60 2.0 Fórmula: MU055 MU055- PERCEPCAO RITMICA MU271- CANTO CORAL 1 OBRIG 0 30 30 1.0 Fórmula: MU096 MU096- CANTO 1A PRÁTICA DA POLIFONIA VOCAL A DUAS E TRÊS VOZES.

Leia mais

A VOZ DO ATOR DE TEATRO

A VOZ DO ATOR DE TEATRO A VOZ DO ATOR DE TEATRO LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005 Revisada e Ampliada Lucia Helena Da Cunha Gayotto 1 Raquel Costa Di Clemente 2 Ariane Moulin Pedra 3 Aoki AA, Camargo PP, Carvalho

Leia mais

CIRCUITO GANDARELA DE MINAS: RÉPLICA DO TEATRO DE SHAKESPEARE, FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO LOCAL

CIRCUITO GANDARELA DE MINAS: RÉPLICA DO TEATRO DE SHAKESPEARE, FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO LOCAL CIRCUITO GANDARELA DE MINAS: RÉPLICA DO TEATRO DE SHAKESPEARE, FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO LOCAL A inauguração do Globe brasileiro só acontecerá em 2016, mas ações permanentes de qualificação profissional

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS (SP) Área de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: GEOGRAFIA

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

Departamento da Educação Pré-Escolar/1.º Ciclo. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Pré-Escolar

Departamento da Educação Pré-Escolar/1.º Ciclo. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Pré-Escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA BÁRBARA Departamento Pré-Escolar/1º Ciclo 151 956 Departamento da Educação Pré-Escolar/1.º Ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Pré-Escolar Área

Leia mais

Gestão como estratégia na formação de grupos artísticos

Gestão como estratégia na formação de grupos artísticos Gestão como estratégia na formação de grupos artísticos Aldo Valentim IA UNICAMP UNICAMP Mestrando em Artes Programa de Pós Graduação em Artes Consultor em Gestão Cultural Resumo: O presente artigo discorrerá

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas ARTE - TEATRO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o número do

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais