Centro Universitário UNIBENNETT Curso de Ciência da Computação Monografia Trabalho de Conclusão de Curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro Universitário UNIBENNETT Curso de Ciência da Computação Monografia Trabalho de Conclusão de Curso"

Transcrição

1 Centro Universitário UNIBENNETT Curso de Ciência da Computação Monografia Trabalho de Conclusão de Curso Rio de Janeiro

2 2 FELIPE MARTINS RÔLLA ORIENTADOR: WILLIAM AUGUSTO R. DE SOUZA DESENVOLVIMENTO, OTIMIZAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE SEGURANÇA EM SISTEMAS OPERACIONAIS LINUX PARA SERVIDORES DE CORPORATIVOS BASEADOS EM QMAIL Monografia apresentada ao Centro Universitário Bennett do Instituto Metodista Bennett, como parte dos requisitos para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. Centro Universitário Metodista Bennett

3 Rio de Janeiro 12/2007 3

4 4 TERMO DE APROVAÇÃO FELIPE MARTINS ROLLA DESENVOLVIMENTO, OTIMIZAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE SEGURANÇA EM SISTEMAS OPERACIONAIS LINUX PARA SERVIDORES DE CORPORATIVO BASEADOS EM QMAIL. ESTE TRABALHO FOI JULGADO ADEQUADO PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE BACHAREL EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO E APROVADO EM SUA FORMA FINAL PELA DISCIPLINA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BANCA EXAMINADORA: PROFESSOR WILLIAM AUGUSTO R. DE SOUZA, M. SC. PROFESSORA GRAZZIELA FIGUEREDO, M. SC. PROFESSOR PROF. SANDOVAL GONÇALVES, M. SC.

5 5 Agradecimentos Gostaria de agradecer a todas as pessoas que contribuirão direta ou indiretamente para este projeto e que continuarão contribuindo com idéias, força e dedicação. Ao meu orientador William Augusto R. de Souza que acreditou em mim quando ninguém acreditava. À Rafaela Haddad minha namorada pela dedicação e compreensão por todo este tempo. Ao Coordenador e Prof. José Xexéo por sempre buscar o melhor esforço em cada aluno. A professora Grazziela Figueiredo por me dar a honra de participar da banca mesmo com os problemas existentes. A todos os amigos e amigas que contribuíram para o projeto trazendo sugestões, palavras de força nos piores momentos. À Tino Reichardt, contribuidor do projeto, que nos cedeu a licença de utilização de seus softwares e à Dan. J. Bernstein, desenvolvedor do qmail, sem eles este trabalho não seria possível. Aos professores Fernando Miranda, Nelson, que sempre acreditaram neste projeto deste o princípio.

6 6

7 7 SUMÁRIO SUMÁRIO... 6 Índice de Figuras... 9 Índice de Tabelas Glossário Introdução Motivação Objetivos Etapas de desenvolvimento Licença de Software Definição Software livre GNU Public License (GPL) Software proprietário Creative Commons Comparação entre licenças Sistema Operacional Linux História e definição Comparação entre Distribuições Distribuição Slackware Servidores de código aberto Definição e Funcionamento... 34

8 Sendmail, Postfix e Qmail Qmail Definição Segurança e Estrutura Hierárquica Licença de Uso Problemas existêntes Otimizações do Slackware para Qubit Pacotes utilizados e descartados Empacotamento de softwares Menus interativos de instalação Particionamento Kernel e Patches Patch para ReiserFS v Patch para BootSplash Hardening Hardening de Sistema Hardening de Serviços SSH e serviços de acesso remoto qmail e Patches Comparação entre versões e padrões atuais Medidas Anti-Spam Medidas de Autenticação e Segurança Medidas para testes de Bad Mail Medidas para melhorar mensagens de Status Medidas para Logs de Patch para BootSplash Softwares Utilizados para serviços EZmlm e EZmlm-idx Autoresponder Vpopmail Courier-imap/imaps e Courierpassd Webmail ClamAV SpamAssassin Padronização... 86

9 Diretórios e Links Arquivos e Conteúdo Conclusão Objetivos Futuros Referências Bibliográficas... 96

10 10 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 - Funcionamento do Correio Eletrônico (WIKIPEDIA, 2007) Figura 2 - Esquema de daemons do qmail (LIFE WITH QMAIL, 2007) Figura 3 - Lista de Hard Disks gerada por Controladora Figura 4 - Particionamento Manual e Automático... 8 Figura 5 - Alguma coisa Figura 6 - Alguma coisa

11 11 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 - Comparação entre licenças de software (WIKIPEDIA, 2007) Tabela 2 - Aprovação de licenças por Organizações (WIKIPEDIA, 2007) Tabela 3 - Dispositivos e Softwares de Segurança (WIKIPEDIA, 2007) Tabela 4 - Arquiteturas de Processadores Suportadas (WIKIPEDIA, 2007) Tabela 5 - Usuários do servidor qmail (LIFE WITH QMAIL, 2007)... 15

12 12 GLOSSÁRIO ACL - Access Control Lists ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network BSD - Berkeley Software Distribution COPYRIGHT - Conjunto de direitos exclusivos que regulamentam o uso de uma ideia ou informação em particular DARPA - Defense Advanced Research Projects Agency - Eletronic Mail FHS - File Hierarchy System FIREWALL - Dispositivo de uma rede de computadores que tem por função regular o tráfego entre redes distintas e impedir a transmissão e/ou recepção de dados nocivos ou nào autorizados entre redes FSF - Free Software Foundation GNU - Anagrama recursivo para GNU is Not Unix GNU FDL - Free Document License GNU GPL - GNU Public License GNU LGPL - Light GNU Public License HA - High Availability HARDENING - Medidas de segurança tomadas no aumento da segurança de código ou determinado ambiente de computação. IMAP - Internet Message Access Protocol

13 KERNEL - Cerne, é o núcleo de um sistema operacional e representa a camada de software mais próxima ao hardware, sendo responsável por gerenciar recursos do sistema operacional MINIX - Mini Unix MIT - Massachussets Institute of Technology MTA - Mail Transfer Agent MTU - Mail Transfer User MUA Mail User Agent MX Mail Exchanger PATCH - Códigos auxiliares incluidos no código fonte para implementação de funcionalidades ou correção de erros POP - Post Office Protocol SELINUX - Security Enhanced Linux SMTP - Simple Mail Transfer Protocol SSL - Secure Sockets Layer TCP/IP - Transfer Control Protocol / Internet Protocol TLS - Transport Layer Security UCLA - University of California Los Angeles VPN - Virtual Private Network

14 1 - INTRODUÇÃO A Internet tem revolucionado o mundo dos computadores e da comunicação como nenhuma outra invenção jamais conseguiu, ligando usuários de todas as partes da Terra no clique de um botão. Invenções importantes como o telégrafo, telefone, fax e outras serviram de base para preparação do cenário atual de super integração e comunicação existente. Os primeiros registros de interações sociais que poderiam ser realizados através de redes de computadores que se tem notícia foram uma série de memorandos escritos por J.C.R. Licklider, do MIT (Massachussets Institute of Technology), em agosto de Esta série de memorandos previa a existência de vários computadores interconectados globalmente de forma que todos poderiam acessar dados e programas de qualquer lugar rapidamente. Essencialmente o conceito é muito parecido com o que temos hoje com a Internet. Licklinder foi o primeiro gerente do programa de pesquisas de computador do DARPA, começando em outubro de O primeiro trabalho sobre a teoria de troca de pacotes existente foi publicado por Leonard

15 Kleinrock, do MIT, em julho de Leonard Kleinrock começava assim a convencer a todos da possibilidade teórica das comunicações usando pacotes ao invés de circuitos o que representou um grande passo para a criação das redes de computadores atuais. Outro grande passo foi fazer os computadores destas redes conversarem entre si. Foi no DARPA que nasceram os conceitos de redes de computadores atuais que viriam a formar a ARPANET, em 1967, rede esta precursora da Internet.. A ARPANET foi desenvolvida por instituições militares americanas para dinamizar as comunicações entre postos, portanto demorou pouco tempo para que surgisse a primeira troca de mensagens via rede, troca esta que só foi possível depois do desenvolvimento do primeiro Processador de Interface de Mensagens (IMP) pelo DARPA, em Após um mês de implementação do primeiro IMP na UCLA foi feita a primeira troca de mensagens entre servidores do DARPA e o SRI (servidor localizado na UCLA). Nascia ai a era da comunicação digital, e por assim dizer os serviços de troca de mensagens conhecidos hoje como . Atualmente a troca de mensagem via servidores de são responsáveis por 50% do tráfego de internet de todo o meio corporativo segundo dados do Wikipedia, (http://en.wikipedia.org/wiki/ #origin), e seu consumo cresce a cada dia devido a sua rápida popularização, facilidade de uso e pragas virtuais decorrentes disto. Devido a este fato é importante que os sistemas funcionem de forma a possuírem performance e segurança para atender a demanda do serviço na Internet.

16 1.1. Motivação Atualmente existem diversas soluções para corporativo desenvolvidas por vários fabricantes internacionalmente conhecidos como Microsoft (Exchange Server), IBM (Lotus Notes Workgroup), Critical Path, entre outras. Cada uma dessas soluções possui um conjunto de funcionalidades análogas porém condizentes diretamente a política de serviços da empresa. É importante frisar que todas as soluções supracitadas recaem sobre a licença de software proprietário, portanto sua utilização deve ser de acordo as restrições técnicas e de custo impostas por cada desenvolvedor. Para aumentar a concorrência e expandir o mercado no que diz respeito às tecnologias de servidores de e no que tange performance e custo, surgiram diversas outras soluções livres, cada uma avaliada e testada pela grande comunidade de software livre. A maior parte possui implementações próprias em ambientes Linux previamente desenvolvidos e padronizados transformando portanto sistemas complicados e complexos em sistemas intuitivos e de fácil instalação e adoção no meio corporativo. Porém a quantidade de distribuições Linux voltadas para o campo de servidores de é diretamente relacionada à funcionalidades, praticidade e facilidade de configuração do MTA (Mail Transfer Agent) ou cliente de escolhido, sendo dele Postfix, Sendmail, entre outros. Sendo assim cada distribuição Linux, embora use o mesmo MTA como foco, é implementada e desenvolvida de forma totalmente diferente e muitas vezes incompatível com outros sistemas, terminando por existirem diversas soluções diferentes para um mesmo problema. Isto gera um aumento no esforço de suporte ao ambiente criado bem como inconsistência de procedimentos.

17 Embora existam soluções análogas não inexiste atualmente uma distribuição Linux para servidores de voltada totalmente para o MTA qmail. Um dos fatos que contribuem para isto é a extrema complexidade quando da implementação de um servidor completo qmail e também na existência de vários tutoriais completamente incompatíveis entre si, gerando inclusive dúvidas quanto a sua implementação, já que cada administrador implementa apenas os recursos pertinentes a sua rede esquecendo muitas vezes que o sistema deve ser escalar permitindo assim uma utilização mais dinâmica e extensa. Outro fato é o código do qmail não ser intensamente mantido por seu criador o matemático Dan. J. Bernstein, desvantagem esta totalmente suprida pela grande comunidade de software livre. Porém esta comunidade gera outros problemas como desenvolver ferramentas diferentes para resolução de um mesmo problema gerando assim uma gama de aplicações análogas, aumentando o trabalho do administrador para padronização e criação de uma solução de concisa e estável Objetivos Este trabalho é uma extensão dos esforços da comunidade de código aberto em atuação na Internet no desenvolvimento de um sistema de padronizado, eficiente e seguro. A proposta é desenvolver uma sistema operacional Linux baseado na Distribuição Slackware 12.0 com foco na criação, instalação, configuração e implementação de uma solução completa de serviço de baseado em qmail, MTA desenvolvido pelo matemático Dan J. Bernstein como alternativa rápida e segura ao famoso MTA Sendmail desenvolvido por Eric Allman. Este sistema será

18 desenvolvido de forma a aproximar o usuário leigo ao mundo dos servidores de de forma a transformar o processo de implementação em um processo mais intuitivo e totalmente padronizado. O desenvolvimento deste projeto baseia-se no fato de que não existe atualmente uma distribuição totalmente voltada para este servidor específico, como existem para outros servidores como postfix e sendmail. Serão implementados os mais novos conceitos de configuração de servidores seguros utilizando otimização de código via patches, configurações, boas práticas de configuração de serviços e hardening de sistema. Este projeto visa dinamizar e facilitar a implementação e configuração de um servidor de qmail seguindo os padrões de utilização corporativa atual, reduzindo o tempo médio de tais operações de 48 horas para 1,5 hora máximo, implementando um sistema totalmente integrado com softwares recomendados atualmente como antivírus, anti-spams, e políticas de segurança de sistema e serviços Etapas de desenvolvimento Foram realizadas pesquisas sobre os principais MTAs de código aberto utilizados atualmente em serviços de . As pesquisas levaram em conta componentes estruturais, funcionais e de segurança na avaliação das diferenças entre cada um dos MTAs utilizados como base na escolha do MTA abordado. São traçados vários paralelos pertinentes a segurança, estabilidade, funcionalidade, freqüência de

19 atualizações oficiais e da comunidade de código aberto, instalação, configuração e uso, assim como estudos de casos reais de utilização no meio corporativo. Foram realizadas também pesquisas de intuitividade quanto a instalação do sistema, e funcionalidades pertinentes a este fim bem como extensa pesquisa sobre hardening (implementações de segurança) de sistema operacional Linux e serviços de qmail na criação de um serviço seguro.

20 2 LICENÇA DE SOFTWARE 2.1. Definição Uma licença de software compreende permissões, direitos e restrições à A um determinado software, sendo ele apenas um componente ou um programa completo. A utilização de um software sem obedecer as restrições impostas por sua licença podem constituir em uma infração dos direitos exclusivos do desenvolvedor do software sobre copyright ou, ocasionalmente, lei de patentes permitindo ao dono do software licenciado direitos para processar o usuário que a infringiu. Sob a licença de software, ela permite a utilização do software desde que esta esteja de acordo com os termos da licença. Se há uma brecha na licença, dependendo do tipo, pode terminar por conceder direitos ao proprietário da licença do software à processar quem a infringiu. Um desenvolvedor de software pode oferecer uma licença unilateral (sem dar ao licenciado oportunidades para renegociação de termos mais favoráveis), ou mesmo

21 como parte de um acordo de licença de software com terceiros. Virtualmente todo software proprietário produzido em larga escala é vendido sob alguma forma de licença. Os termos de tais licenças normalmente são negociados entre as partes, licenciador e licenciado. Em adição a garantia de direitos e imposição de restrições à utilização do software, as licenças tipicamente contém procedimentos que denotam confiabilidade e responsabilidade entre as partes. Em softwares corporativos e softwares de transação comercial são normalmente negociados por equipes especialistas em licenças de software Software Livre São denominados softwares livres, ou de domínio público, os softwares cuja licença permite qualquer tipo de uso, alteração, cópia, venda, e distribuição desejada pelo usuário em relação a seu código-fonte. Para que o código fonte possa ser alterado e aperfeiçoado é imperativo que ele esteja disponível para download sem qualquer restrição e de forma completa. Se um programa é livre ele pode ser facilmente implementado em um sistema operacional também livre. É importante enfatizar que software livre não é sinônimo de software gratuito pois a liberdade de distribuir, alterar e copiar independe da gratuidade. Existem softwares que podem ser obtidos na Internet de forma gratuita mas não podem ser alterados ou redistribuídos pois muitas vezes seu código-fonte é fechado ou recai sobre determinada licença que impede está operação.

22 Atualmente existem diversos tipos de licenças de software livre com as mais variadas permissões e restrições. A licença escolhida para este projeto é a GPL, ou GNU Public License, pela liberdade que apresenta em relação a cópia, alteração e redistribuição de código nela registrado como explicado adiante GNU Public License (GPL) A GNU Public License, ou simplesmente GPL, é a licença de software livre criada e idealizada por Richard Stallman, fundador da Free Software Foundation (FSF), no final da década de A GPL é a licença mais utilizada por projetos de software livre no mundo. Ela baseia-se em 4 premissas básicas: Liberdade de executar um programa para qualquer propósito (Liberdade nº 0). Liberdade de estudar como o programa funciona e adaptá-lo para suas necessidades (liberdade nº 1). O acesso ao código-fonte é um prérequisito para estar liberdade. Liberdade de distribuir cópias de modo que o usuário possa ajudar o seu próximo (liberdade nº2). Liberdade de aperfeiçoar o programa, a liberar os seus aperfeiçoamentos, de modo que toda a comunidade se beneficie deles (liberdade nº 3). O acesso ao código-fonte é um pré-requisito para estar liberdade.

23 Pelos termos da licença GNU podemos escrever, alterar, reenviar, trocar e vender quaisquer alterações feitas no código-fonte pois ele é de utilização livre. A licença GPL também possui outras duas sub-licenças: GNU FDL (GNU Free Document License) e a GNU LGPL (GNU Light Public License), que compreendem em licenças para documentação livre, e uma versão mais resumida e simples da GPL padrão para o desenvolvimento de drivers, bibliotecas e pequenos módulos ou addons, respectivamente. Atualmente todo e qualquer software desenvolvido ligado a comunidade de software e ao Free Software Foundation são licenciados sob a GPL Software Proprietário Softwares proprietários são aqueles cuja cópia, redistribuição ou modificação estão limitadas ou impossibilitadas pelas restrições de sua licença. Para utilizar, copiar, alterar código ou redistribuir, deve-se solicitar permissão ao desenvolvedor ou empresa que detém os direitos de propriedade do software requerido, ou pagar para fazê-lo. Algumas licenças de software proprietário possuem código livre que pode ser utilizado e alterado apenas para uso próprio mas impõe restrições quanto a redistribuição deste código modificado. Outras licenças permitem a utilização de determinado software de modo ilimitado ou temporário sem oferecer o código-fonte utilizado para compilá-lo. Existem ainda softwares cujos códigos-fontes não são distribuídos, são apenas executados via software de instalação e ao mesmo tempo são

24 pagos, como é o caso de muitos sistemas operacionais utilizados no mercado corporativo ou programas de cunho comercial. As restrições e permissões de cada licença variam para cada empresa e proprietário de software Creative Commons A licença Creative Commons permite aos proprietários de software garantir em parte ou totalmente seus direitos de software ao público enquanto retém outros, através de uma variedade de licenças e esquemas de contrato incluindo softwares de domínio público ou termos de licença de conteúdo aberto. O objetivo deste tipo de licença proprietária é evitar problemas com a lei de copyright no que tange o compartilhamento da informação. O projeto Creative Commons provê vários tipos de licença gratuitas as quais os proprietários dos direitos de software possam utilizar no lançamento de seus trabalhos na rede. Ao mesmo tempo que protege a propriedade intelectual de seus proprietários, evita problemas com a lei e permite, dentro das restrições impostas pelo proprietário, sua redistribuição, alteração e uso ao público. Exemplos de projetos que utilizam esta licença são Wikimedia (Wikimedia, 2007), Public Library of Science, Jurispedia, entre outros.

25 2.4. Comparação entre licenças A tabela seguinte compara várias características de cada uma das licenças, como um guia para os termos que cada uma das licenças contém: Licença Autor Última Versão Data de Publicação Link de código com licença diferente Mudanças sob licenças diferentes Academic Free License????? Apache License Apache Software Foundation Sim Sim Apple Public Source License Apple Computer 2 6-Aug-03 Sim Não Artistic License? 2? Sim Com restrições Berkeley Database License????? BSD license??? Sim Sim Boost license??? Sim Sim Common Development and Distribution License Sun Microsystems 1? Sim? Common Public License???? Não Cryptix General License????? Eclipse Public License Eclipse Foundation 1??? Educational Community License? 1? Sim Sim GNU General Public License Free Software Foundation 3 Jun-07 Não Não GNU Lesser General Public License Free Software Foundation 3 Jun-07 Sim Não Hacktivismo Enhanced-Source Software License Agreement Hacktivismo/Cult of the Dead Cow? 26-Nov-02?? IBM Public License IBM???? Intel Open Source License Intel Corporation???? LaTeX Project Public License LaTeX project 1.3c??? MIT license??? Sim Sim Mozilla Public License Mozilla Foundation 1.1? Sim Não Netscape Public License Netscape 1.1??? Open Software License????? OpenSSL license OpenSSL Project???? PHP License PHP Group 3.01??? Python Software Foundation License Python Software Foundation 2??? Q Public License Trolltech?? Não Não Sun Industry Standards Source License Sun Microsystems???? Sun Public License Sun Microsystems?? Sim Não W3C Software Notice and License??? Sim Sim X11 license??? Sim Sim XFree License????? zlib/libpng license????? Zope Public License????? Tabela 1 Comparação entre licenças de software (WIKIPEDIA, 2007)

26 A tabela abaixo lista para cada licença quais organizações as aprovaram como open source (código livre) e como está organizações as categorizam. Estas organizações aprovam normalmente versões específicas de licenças. Licence and specific version FSF approval OSI approval Academic Free License Sim Sim Apache License Sim Sim Apple Public Source License version 1.x Não Sim Apple Public Source License version 2.0 Yes Sim Artistic License Não Sim Clarified Artistic License Sim Sim Berkeley Database License Sim Sim BSD license Sim Sim Common Development and Distribution License Sim Sim Common Public License Sim Sim Cryptix General License Sim No Eclipse Public License Sim Sim Educational Community License? Sim GNU General Public License Sim Sim GNU Lesser General Public License Sim Sim Hacktivismo Enhanced-Source Software License Agreement No No IBM Public License Sim Sim Intel Open Source License Sim Sim LaTeX Project Public License Sim No License of Python Sim Sim MIT license Sim Sim Mozilla Public License Sim Sim Netscape Public License Sim No Open Software License Sim Sim OpenSSL license Sim No PHP License Sim Sim Q Public License Sim Sim Sun Industry Standards Source License Sim Sim Sun Public License Sim Sim Sybase Open Watcom Public License? Sim W3C Software Notice and License Sim Sim XFree License No No zlib/libpng license Sim Sim Zope Public License version 1.0 Sim? Zope Public License version 2.0 Sim Sim Tabela 2 Aprovação de licenças por Organizações (WIKIPEDIA, 2007)

27 3 SISTEMA OPERACIONAL LINUX 3.1. História e Definição Em 1991 praticamente todas as universidades do mundo utilizavam algum tipo de Unix como sistema operacional acadêmico nos quais seus alunos desenvolviam todo tipo de trabalho de pesquisa. Em sua grande maioria era utilizado o Unix BSD (Desenvolvido pela Berkeley). Como sua licença era muito cara para o meio acadêmico, as universidades passaram a adotar uma versão mais simples e com menos recursos chamada Minix, um clone de código aberto do Unix desenvolvido especialmente para suprir sua falta de verba. Como todo clone o Minix carecia de recursos básicos, utilizado portanto vastamente apenas como sistema base para projetos e trabalhos acadêmicos. Um aluno da Universidade de Helsink na Finlândia, Linus Torvalds, não concordava com esta visão e queria oferecer mais funcionalidades ao Minix fazendo-o tão completo quanto seu similar corporativo. Ele iniciou seu projeto em meados dos anos 1990 através de uma mensagem enviada às listas de da época convocando

28 programadores a se juntarem a ele no desenvolvimento de um sistema completo e totalmente gratuito que pudesse ser distribuído sem custos e de código livre. Por definição o sistema operacional Linux nada mais é do que um clone código aberto dos sistemas Unix da época possuindo kernel próprio desenvolvido por Linus Torvalds em adição aos programas já existentes da FSF (Free Software Foudation) fundada por Richard Stallman. Devido a sua rápida adoção pelo mercado corporativo e doméstico, existem atualmente diversas distribuições diferentes em funcionalidades e foco no mercado. Exemplos disso são as seguintes distribuições: Slackware (www.slackware.org) : Desenvolvida por Patrick Volkerding em Julho de É considerada a mais antiga e primeira distribuição Linux completa. Debian (www.debian.org) : Distribuição mais utilizada por desenvolvedores e acadêmicos de Linux pois segue completamente a filosofia da GNU da Free Software Foundation, totalmente licenciada pela GPL, ou seja, gratuito e de código aberto. Redhat (www.redhat.com) : Distribuição Linux criada para o mercado corporativo. Muitos de seus softwares são gratuitos porém praticamente tudo que diz respeito ao mercado corporativo é restrito e de código fechado, sendo assim pago. A Redhat hoje é considerada um gigante no meio corporativo Linux.

29 Conectiva ( ) : Vertente brasileira do Redhat alterado para uso nacional. É considerada a primeira distribuição Linux brasileira. Hoje não existe mais e foi integrada à distribuição Mandrake formando assim uma nova distribuição chamada Mandriva. Mandriva ( ) : Anteriormente conhecido como Linux Mandrake, foi formada pela união da Mandrake com a Conectiva. É atualmente uma das distribuições mais utilizadas no mercado europeu, junto com a Suse. Suse ( ) : Criada por uma das maiores empresas de TI do mundo, a Novell Networks, sendo atualmente a distribuição mais utilizada no mercado europeu Comparação entre Distribuições Existem atualmente, entre distribuições corporativas e suas dissidências, cerca de 90 distribuições famosas largamente utilizadas no mundo. Obviamente existem outras dezenas dissidentes destas e portanto um pouco menos conhecidas. A escolha de determinada distribuição, muitas vezes chamada de flavor, ou sabor, depende da aptidão e gosto do usuário com o sistema em questão. Normalmente usuários mais experientes preferem distribuições mais robustas e experientes com um maior número de casos de sucesso como Slackware, Debian e Redhat, distribuições estas com maior respaldo da comunidade de software livre, ou de seus fabricantes. Usuários de entrada ou inexperientes preferem distribuições de escopo técnico menor e mais intuitivas como CentOS, Suse e Mandriva, por serem mais fáceis de utilizar.

30 Esta escolha esta diretamente ligada as seguintes características: Praticidade : É importante quando da utilização, manutenção e suporte da distribuição. Operações que podem levar horas quando a compilação de código é eminente podem ser reduzidas para minutos no caso da existência de ferramentas dinâmicas e de fácil uso diminuindo assim o tempo necessário com suporte e também a curva de aprendizado no treinamento de um profissional da área. Intuitividade : É importante para acelerar tarefas como manutenção do sistema e principalmente mais importante para o usuário final. Sendo este um usuário não muito técnico ter um sistema intuitivo, com softwares facilmente localizados no ambiente de janelas ou linha de comando, é primordial para um bom aproveitamento empresarial ou doméstico sem a necessidade de auxílio profissional do suporte. Segurança : Este é o item mais importante na escolha de uma distribuição para servidores. É extremamente importante uma vez que o Linux é considerado o sistema operacional mais adotado no meio corporativo para serviços críticos como High Availability, Firewall, VPN, entre outros. Deve-se verificar a freqüência de correções de erros bem como atualizações normais do sistema por meio de pacotes disponibilizados pelo desenvolvedor oficial. Funcionalidades : Devem possuir suporte aos mais novos sistemas de arquivos, algoritmos e ferramentas do mercado. Devem suportar diversos tipos de arquitetura de processadores diferentes para uma melhor adoção no mercado.

31 Como vimos a utilização é baseada no gosto e necessidade de cada administrador, bem como o hardware disponível para utilização. Outro paralelo de comparação necessário é em relação aos dispositivos de segurança existentes em cada distribuição. Cada distribuição depende de um determinado escopo para que suas funcionalidades sejam definidas, por exemplo, é importante para o Linux Redhat suportar diversos sistemas de arquivo e arquiteturas de processadores pois é a distribuição mais largamente utilizada no meio corporativo o qual quase sempre faz parte de um cenário totalmente heterogêneo, mas em relação a segurança não é necessário grade suporte, apenas os básicos como ACLs (Access Lists ou Listas de Acesso) e o pacote SELinux entre outras medidas externas para um melhor e seguro funcionamento do sistema. Por outro lado sistemas como Slackware, Gentoo, Engarde e Backtrace são praticamente todos orientados à algum campo de segurança e são as distribuições mais utilizadas para este fim, necessitando assim de mais recursos neste quesito. Podemos portanto caracterizar as distribuições quanto a este quesito na tabela a seguir: Distribuição AppArmor BGCC Exec Shield GrSecurity PaX Rsback SELinux Systrace RSBAC CentOS Linux Não Não Sim Não Não Não Sim Não Não Debian Linux Não Não Opcional Opcional Não Não Opcional Não Não Fedora Linux Não Não Sim Não Não Não Sim Não Não Gentoo Linux Não Sim Sim Opcional Sim Não Opcional Opcional Opcional Red Hat Enterprise Linux Não Não Sim Não Não Não Sim Não Não Mandriva Linux Não Não Sim Não Não Não Sim Não Não SUSE Linux Sim Não Não Não Não Não Não Não Não Slackware Linux Sim Não Opcional Não Não Não Sim Opcional Não Tabela 3 Dispositivos e Softwares de Segurança (WIKIPEDIA, 2007)

SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE

SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE Curso Técnico em Redes de Computadores Disciplina de Sistemas Operacionais Livres SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE Professora: Juliana Cristina dos Santos E-mail: professora@julianacristina.com Site:

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Aula 34 Software livre e código aberto Aula 34 2 Gestão em Sistemas

Leia mais

Aula 01. Introdução ao Linux

Aula 01. Introdução ao Linux Aula 01 Introdução ao Linux Introdução Objetivos aprender a usar um novo sistema aprender a usar uma nova interface Como no Windows navegar pela internet (e-mails, facebook, etc) criar pastas e arquivos

Leia mais

Introdução 12/06/2012. Software Livre

Introdução 12/06/2012. Software Livre Software Livre Introdução Software Livre, software de código aberto ou software aberto é qualquer programa de computador cujo código-fonte deve ser disponibilizado para permitir o uso, a cópia, o estudo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

Como é o desenvolvimento de Software?

Como é o desenvolvimento de Software? Como é o desenvolvimento de Software? Fases do Desenvolvimento Modelo Cascata Define atividades seqüenciais Outras abordagens são baseadas nesta idéia Especificação de Requisitos Projeto Implementação

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Linux: Introdução Fabricio Breve Introdução O que é Linux? Uma versão do UNIX (re-implementação do padrão POSIX) Principais diferenciais: Gratuito

Leia mais

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com. Curso Introdução ao Linux Desmistificando o Software Livre Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.br Índice 1 O que é Software Livre? 2 A história por trás do Software Livre.

Leia mais

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral)

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) Prova Preambular Delegado São Paulo 2011 Módulo VI - Informática Confrontada com o gabarito oficial e comentada 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) a) Garante

Leia mais

Software de sistema Software aplicativo

Software de sistema Software aplicativo SOFTWARE O que é Software? Software, logicial ou programa de computador é uma sequência de instruções a serem seguidas e/ou executadas, na manipulação, redireccionamento ou modificação de um dado/informação

Leia mais

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 06/10/2009 10:21 Leite Júnior

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 06/10/2009 10:21 Leite Júnior ÍNDICE SOFTWARE LIVRE / OPEN SOURCE...2 PROPRIEDADE INTELECTUAL...2 GRAUS DE RESTRIÇÃO EM LICENÇAS DE SOFTWARE...2 LICENÇAS DE SOFTWARE...2 OPEN SOURCE...2 SOFTWARE LIVRE...2 GNU GPL...4 GNU LGPL...4 SOFTWARE

Leia mais

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL LINUX Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL Para que o computador funcione e possibilite a execução

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Universidade Federal de Goiás Ubuntu Desktop Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Conpeex / 2010 Agenda Introdução Conceitos Categorias de Software História do Linux Arquitetura do Linux Ubuntu Projeto

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar.

São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar. São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar. Quais são eles? Vários outros programas 1 Sistema Básico

Leia mais

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional Curso de Linux Básico com o Felipe Buarque de Queiroz felipe.buarque@gmail.com Unidade Gestora de Tecnologia da Informação - UGTI Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Alagoas - FAPEAL Maio de 2009

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux

Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux Introdução Um sistema operacional de rede é simplesmente um sistema operacional com serviços de rede, que chamamos de um modo geral de servidor. Dependendo

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO PARA CAIXA ECONÔMICA

PREPARATÓRIO RIO PARA CAIXA ECONÔMICA PREPARATÓRIO RIO PARA CAIXA ECONÔMICA O que é Software Livre? Software Livre (Free Software) é o software disponível com a permissão para qualquer um usá-lo, copiá-lo, e distribuí-lo, seja na sua forma

Leia mais

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4 Índice Introdução Librix...3 Software Livre...3 Manual Eletrônico...3 Opções de Suporte...3 Dicas para a Instalação Configuração de Dispositivos Básicos...4 Teclado...4 Mouse...5 Vídeo...5 Rede...6 Configuração

Leia mais

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede.

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Aula 2 Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Sistema Operacional de Rede Definição: Conjunto de módulos que ampliam as tarefas dos sistemas operacionais locais, complementando-os

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE

COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE Mayara Dos Santos Marinho¹, Julio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil mayara-marinho@hotmail.com

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 9-1. O KERNEL DO LINUX Nos sistemas GNU/Linux, todas as distribuições baseadas nos sistemas GNU/Linux existentes são compatíveis, graças ao uso de um kernel único desenvolvido por uma equipe de

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

Manifesto Software Livre

Manifesto Software Livre Manifesto Software Livre Histórico iniciou com a elaboração de um documento denominado: " Manifesto GNU " por Richard Stallman 1.984; marco histórico do surgimento de uma nova forma de criação de Software;

Leia mais

Sistema Operacional LINUX

Sistema Operacional LINUX SISTEMA OPERACIONAL Sistema Operacional LINUX Para que o computador funcione e possibilite a execução de programas é necessária a existência de um sistema operacional. O sistema operacional é uma camada

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre?

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre? 1 / 6 Cartilha O ABC do Software Livre O que é PcLivre? O PC Livre é um projeto de iniciativa do PSL-Brasil, coordenado por voluntários e operado por vários parceiros que apoiam a iniciação de novos usuários

Leia mais

Solução de correio eletrônico com Software Livre implantada no CEFET-MG, vantagens e adaptações

Solução de correio eletrônico com Software Livre implantada no CEFET-MG, vantagens e adaptações Solução de correio eletrônico com Software Livre implantada no CEFET-MG, vantagens e adaptações Clever de Oliveira Júnior*, Paulo E. M. Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Servidor de E-mails e Protocolo SMTP Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Definições Servidor de Mensagens Um servidor de

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 GESTOR AMBIENTAL - FUNCAB

leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 GESTOR AMBIENTAL - FUNCAB CONCURSO: SEMACE CARGO: GESTOR AMBIENTAL G01 - X DATA: 29/11/2009 QUESTÃO 11 - Qual das alternativas a seguir contém a sigla de uma tecnologia de transmissão digital de dados que permite conectar um computador

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01 Prof. André Lucio Competências do modulo Introdução ao sistema operacional Windows Instalação e configuração do sistema

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Introdução ao Linux e Instalação do Ubuntu Linux História Em 1973, um pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, reescreveu todo o sistema Unix numa

Leia mais

Administração de Sistemas Livres. Prof. Lais Farias Alves

Administração de Sistemas Livres. Prof. Lais Farias Alves Administração de Sistemas Livres Prof. Lais Farias Alves Administração de Sistemas Livres Software e Suas Licenças O que é um Software Livre? Software Livre x Software Proprietário Software e Suas Licenças

Leia mais

Software Livre e Inovação Tecnológica

Software Livre e Inovação Tecnológica Software Livre e Inovação Tecnológica Fábio Olivé (fabio.olive@gmail.com) Tópicos O que significa Livre em Software Livre? De onde veio e quem usa Software Livre? A qualidade diferenciada do Software Livre

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

O modelo Bazar de Produção de Softwares. O caso das Comunidades Virtuais de Software livre.

O modelo Bazar de Produção de Softwares. O caso das Comunidades Virtuais de Software livre. O modelo Bazar de Produção de Softwares O caso das Comunidades Virtuais de Software livre. Por Vicente Aguiar Fonte: Lucas Rocha Feced/2005 Sobre esta apresentação 2008 Vicente Aguiar

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER.

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER. 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER. TURMA: 2 TERMOS TÉCNICOS PELOTAS, 2012 ANA CAROLINA, ROMÁRIO,

Leia mais

CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o Documentário RevolutionOS

CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o Documentário RevolutionOS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Introdução Hardware X Software Corpo Humano Parte Física Componentes 18 Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Hardware Introdução Parte física: placas, periféricos,

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o Documentário RevolutionOS

CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o Documentário RevolutionOS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

Como surgiu a Internet?

Como surgiu a Internet? Como surgiu a Internet? A internet nada mais é do que a conexão de várias redes de computadores interligadas entre si. O surgimento das primeiras redes de computadores datam a época em que o planeta estava

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL Documento: Tutorial Autor: Iuri Sonego Cardoso Data: 27/05/2005 E-mail: iuri@scripthome.cjb.net Home Page: http://www.scripthome.cjb.net ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE TECNOLOGIA DA BAIXADA SANTISTA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA GESTÃO DE NEGÓCIOS Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf ALEXANDRE

Leia mais

Segurança na Rede Local Redes de Computadores

Segurança na Rede Local Redes de Computadores Ciência da Computação Segurança na Rede Local Redes de Computadores Disciplina de Desenvolvimento de Sotware para Web Professor: Danilo Vido Leonardo Siqueira 20130474 São Paulo 2011 Sumário 1.Introdução...3

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Obs: Não há necessidade de entregar a lista Questões do livro base (Kurose) Questões Problemas

Leia mais

O B B J E E T T I V V O O S

O B B J E E T T I V V O O S OBJ E T I VOS Conhecer as características e possibilidades do SO Linux, como workstation simples ou elemento componente de uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema numa corporação. SU

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

O que é software livre

O que é software livre O que é software livre Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 17:12. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13] por Augusto Campos Este artigo responde a diversas dúvidas comuns de novos

Leia mais

Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1

Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1 Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1 Índice Introdução ao Serviço de E-mail O que é um servidor de E-mail 3 Porque estamos migrando nosso serviço de correio eletrônico? 3 Vantagens de utilização

Leia mais

Conteúdo. Uma visão social. O que é? Dá certo? Custos. Recomendações. Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems. Software Livre Junho de 2011

Conteúdo. Uma visão social. O que é? Dá certo? Custos. Recomendações. Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems. Software Livre Junho de 2011 Conteúdo Uma visão social O que é? Dá certo? Custos Recomendações Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems Página 2 Uma visão social História da computação: o começo de tudo 1936 década de 40 Máquina

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Classificação / Licenciamento de Software

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Classificação / Licenciamento de Software Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA Classificação / Licenciamento de Software MATERIAL PARA ESTUDO PRIMEIRO BIMESTRE Componentes de um Sistema Computacional

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM EDUCAÇÃO Prof. Me. Eduardo Fernando Mendes Fundamentos da tecnologia da informação Os conteúdos abordados neste módulo são: Componentes da Tecnologia

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

TERMOS DE LICENÇA PARA SOFTWARES HSC

TERMOS DE LICENÇA PARA SOFTWARES HSC TERMOS DE LICENÇA PARA SOFTWARES HSC LEIA COM ATENÇÃO ANTES DE USAR ESSE PRODUTO DE SOFTWARE: Este Termo de Aceite é um Contrato de Licença do Usuário Final ("EULA" - End-User License Agreement) é um contrato

Leia mais

Como configurar e-mails nos celulares. Ebook. Como configurar e-mails no seu celular. W3alpha - Desenvolvimento e hospedagem na internet

Como configurar e-mails nos celulares. Ebook. Como configurar e-mails no seu celular. W3alpha - Desenvolvimento e hospedagem na internet Ebook Como configurar e-mails no seu celular Este e-book irá mostrar como configurar e-mails, no seu celular. Sistemas operacionais: Android, Apple, BlackBerry, Nokia e Windows Phone Há muitos modelos

Leia mais

No mercado atual, podemos encontrar vários tipos de sistemas operacionais que fazem parte das seguintes classes:

No mercado atual, podemos encontrar vários tipos de sistemas operacionais que fazem parte das seguintes classes: Módulo 4 Sistema Operacional Sistemas Operacionais Neste módulo falaremos sobre alguns sistemas operacionais existentes no mercado, suas características, e conheceremos o básico das redes de computadores.

Leia mais

UNIX & Linux. Histórico, distribuição licença, características. Taisy Weber

UNIX & Linux. Histórico, distribuição licença, características. Taisy Weber UNIX & Linux Histórico, distribuição licença, características Taisy Weber História de UNIX 1969 - Ken Thompson Bell Laboratories, PDP-7 Dennis Ritchie logo juntou-se a Thompson Ritchie havia trabalhado

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

Guilherme Pina Cardim. Pesquisa de Sistemas Operacionais I

Guilherme Pina Cardim. Pesquisa de Sistemas Operacionais I Guilherme Pina Cardim Pesquisa de Sistemas Operacionais I Presidente Prudente - SP, Brasil 30 de junho de 2010 Guilherme Pina Cardim Pesquisa de Sistemas Operacionais I Pesquisa realizada para identicar

Leia mais

Segurança no Linux. Guilherme Pontes. Pós-graduação em Segurança de Redes com Linux. lgapontes@gmail.com www.guilhermepontes.eti.

Segurança no Linux. Guilherme Pontes. Pós-graduação em Segurança de Redes com Linux. lgapontes@gmail.com www.guilhermepontes.eti. Segurança no Linux Guilherme Pontes lgapontes@gmail.com www.guilhermepontes.eti.br Pós-graduação em Segurança de Redes com Linux Rede Local As redes de computadores nem sempre tiveram dimensão mundial.

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Introdução ao Linux: Parte I

Introdução ao Linux: Parte I Data: Introdução ao Linux: Parte I Marcelo Ribeiro Xavier da Silva marceloo@inf.ufsc.br Histórico 3 Origem do GNU Linux Em 1983, Richard Stallman fundou a Free Software Foundation, com o intuito de criar

Leia mais

Servidor de Correio Eletrônico Postfix

Servidor de Correio Eletrônico Postfix Servidor de Correio Eletrônico Postfix IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm Protocolos de correio Protocolos de correio SMTP (Simple Mail Transfer Protocol)

Leia mais

Módulo 6 Usando a Internet. Internet. 3.1 Como tudo começou

Módulo 6 Usando a Internet. Internet. 3.1 Como tudo começou Módulo 6 Usando a Internet Internet 3.1 Como tudo começou A internet começou a se desenvolver no ano de 1969 onde era chamada de ARPANET, criada pelo departamento de defesa dos Estados Unidos com o propósito

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Linux pra mim, Linux pra você!

Linux pra mim, Linux pra você! Linux pra mim, Linux pra você! Almir Mendes de Araújo Analista de Sistemas - Certificado LPIC-1 Membro Organizador do PHP-ES Membro ativo do Linux-ES almir@almirmendes.net www.almirmendes.net 2 Objetivos

Leia mais

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre Conteúdo SOFTWARE LIVRE SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Histórico de Software Livre Terminologia Fases do Licença de Software Livre

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Oficina de ferramentas de Gerência para Redes em Linux. Prof. Jefferson Santiago

Oficina de ferramentas de Gerência para Redes em Linux. Prof. Jefferson Santiago Oficina de ferramentas de Gerência para Redes em Linux Prof. Jefferson Santiago Apresentação Qual seu nome? Já possui experiência na área? Questionário avaliativo Acesse: http://goo.gl/forms/4rfaomufim

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

História. Sistema Operacional

História. Sistema Operacional História Linux é o termo geralmente usado para designar qualquer sistema operacional que utilize o núcleo Linux. Foi desenvolvido pelo Finlandês Linus Torvalds, inspirado no sistema Minix. O seu código

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais