A PILHA ELÉTRICA VOLTAGEM CORRENTE ELÉTRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PILHA ELÉTRICA VOLTAGEM CORRENTE ELÉTRICA"

Transcrição

1

2 VOLTAGEM A PILHA ELÉTRICA 3.1- A PILHA ELÉTRICA Fizeram muita coisa conosco. Construíram máquinas que nos tiravam dos átomos da superfície de um corpo e nos colocavam na superfície de um outro corpo. Com isto, um corpo ficava com carga positiva (falta de elétrons) e o outro com carga negativa (excesso de elétrons) onde nós, os elétrons, suplantávamos numericamente os prótons. Isto sempre cria uma tensão muito grande tanto nos prótons que sentiam a nossa falta e ficavam ávidos pelo nosso retorno, como em nós que concentrados no corpo negativo, ficávamos ansiosos para retornar ao nosso antigo lar. Você sabe que as cargas positivas e negativas atraem-se mutuamente, não é mesmo? Esta tensão que se cria quando os elétrons são separados dos prótons e que induzem os elétrons a retornarem aos átomos de origem é denominada pelos físicos e engenheiros como VOLTAGEM ou TENSÃO ELÉTRICA. CORRENTE ELÉTRICA Nós, os elétrons, sempre procuramos a companhia dos prótons. Quando somos separados ganhamos energia de quem nos separa. Ficamos mais energéticos e mais ansiosos para retornarmos ao local de origem. Sempre que entre nós e os prótons existir uma voltagem é por que estamos num lugar onde temos energia em excesso. Quando nós retornamos junto aos prótons devolvemos o excesso de energia em forma de energia elétrica para acender lâmpadas, movimentar motores, fazer a televisão funcionar, o radinho de pilha falar, e muitas outras coisas. Viu como somos úteis? Os elétrons em movimento constituem o que os físicos e engenheiros denominam de CORRENTE ELÉTRICA. É a corrente elétrica que transporta energia elétrica de um local para outro através dos fios.

3 A INVENÇÃO D Nós também podemos nos tornar majoritários num metal por meio de reação química. Exemplo: sempre que uma barra de zinco for colocada numa solução de sulfato de zinco, átomos de zinco se desprendem da barra sem nos levar juntos. Cada átomo de zinco que se desprende deixa 2 elétrons na barra. Assim a barra vai ficando cada vez mais negativa. E se existir um outro metal que fica menos negativo, tem-se uma voltagem entre os 2 metais e tendo voltagem podemos nos movimentar de uma barra para outra, gerando corrente elétrica. A PILHA DE LIMÃO OU BATATA Usando placas de zinco e cobre enfiadas em duas metades de limão ou de batata, pode-se obter uma pilha capaz de fazer funcionar uma calculadora. Os elétrons em excesso na placa de zinco movem-se ao longo do fio para a placa de cobre, antes passando pela calculadora, fornecendo energia para o seu funcionamento. ALESSANDRO VOLTA ( ), O INVENTOR DA PILHA Em 1800, Alessandro Volta cientista italiano, provou que apenas 2 metais diferentes imersos numa solução salina ou ácida, eram suficientes para produzir eletricidade e assim construiu a primeira pilha elétrica, conhecida como pilha voltaica. Uma pilha é um gerador no qual uma reação química espontânea produz energia elétrica. Existem as pilhas secas estas usadas em lanternas, radinhos, relógios cuja voltagem depende dos materiais. Em geral elas são de 1,5 volts. Existem também as baterias de carro que para funcionarem exigem um líquido no seu interior e elas podem ser de diversas voltagens. As mais comuns, as usadas em carro, são de 12 volts.

4 3.2 - Nós não criamos energia. Quando nos separam dos prótons uma força nos puxa vencendo a força elétrica que nos une aos prótons. Para esta separação existe um trabalho realizado ou energia envolvida. Quanto mais somos afastamos dos prótons mais energia acumulamos. É essa energia acumulada que devolvemos, na forma de energia elétrica, quando retornamos a nossa posição inicial. Por isso nós não criamos energia, apenas transformamos em elétrica a energia que acumulamos quando nos separam dos prótons. Para que produzamos energia elétrica, necessitamos receber energia de outra forma. Apenas transformamos energia, não a criamos. ENERGIA POTENCIAL E ENERGIA CINÉTICA Imagine que a Terra seja os prótons e uma pedra os elétrons. A pedra tem peso por que a Terra a puxa para o seu centro, é a força da gravitação em ação. Da mesma forma o próton atrai o elétron, é a força elétrica em ação. Quando erguemos uma pedra exercemos uma força contra o peso da pedra. Neste processo nós realizamos trabalho que é acumulado pela pedra na forma de Energia Potencial. Quanto mais alto a pedra for erguida maior será a sua Energia Potencial. A Energia Potencial depende da altitude H. Quanto maior H, maior a Energia Potencial. Após solta a pedra cai. Na queda a altitude H diminui e, conseqüentemente, a Energia Potencial também diminui. Mas à medida que cai, a velocidade V da pedra aumenta. Dizemos que a Energia Cinética da pedra vai aumentando. A Energia Cinética é a energia que os corpos possuem devido à velocidade V. Maior a velocidade, maior a Energia Cinética. Então, à medida que a pedra cai, a Energia Potencial diminui e a Energia Cinética aumenta. Dizemos que, durante a queda da pedra, a Energia Potencial transforma-se em Energia Cinética. 33

5 ATIVIDADE: TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA POTENCIAL EM CINÉTICA Este brinquedo ilustra a transformação de Energia Potencial em Energia Cinética. Quando a bola é solta na altitude H ela possui Energia Potencial. À medida que cai ao longo da canaleta, a bola vai ganhando Energia Cinética e perdendo Energia Potencial. Verifique, visualmente, que quanto menor for a altitude H, menor a Energia Cinética da bola lá em baixo. O QUE FAZ UMA HIDRELÉTRICA FUNCIONAR? A palavra hidrelétrica é composta de duas outras: a) hidro que representa água ou Energia Potencial da água. b) elétrica que representa eletricidade ou Energia Elétrica. Portanto, hidrelétrica quer dizer energia elétrica obtida a partir da energia potencial da água As hidrelétricas necessitam de água represada numa barragem e de uma casa de força de modo que exista um desnível H com relação a água da represa. 34

6 A figura ilustra uma turbina de uma pequena usina hidrelétrica. Na casa de força se localiza o coração da hidrelétrica: a turbina que gira o gerador eletromagnético para produzir energia elétrica que é levada pelos fios até as nossas casas, até a escola, até as industrias e até ao comércio. A turbina gira o gerador. E como a turbina é girada? A superfície da água na represa está a uma altura H da casa de força e portanto, tem Energia Potencial. À medida que a água cai, através dos dutos que a levam para a casa de força, a sua Energia Potencial vai se transformando em Energia Cinética. A Energia Cinética atinge o valor máximo quando a água bate nas pás da turbina. Na turbina a Energia Cinética da água se transforma em Energia de Rotação da turbina, fazendo com que ela adquira a capacidade de girar o gerador eletromagnético, produzindo Energia Elétrica.

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1 1 2 3 4 5 COMPOSIÇÃO DA MATÉRIA O uso prático da eletricidade já é do conhecimento humano à mais de cem anos. A eletricidade consiste do movimento de elétrons em um condutor. Para poder entender o que

Leia mais

Membros:Graziele, Ana Beatriz,Ana e Evillyn

Membros:Graziele, Ana Beatriz,Ana e Evillyn TEXTOS INFORMATIVOS O que é energia? Tudo o que acontece á nossa volta é provocado pela energia. Os tipos de energia são: Hidráulica, Eólica, Solar, Nuclear, Térmica e Fóssil. Membros:Graziele, Ana Beatriz,Ana

Leia mais

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE. 1.0 Introdução

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE. 1.0 Introdução EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE 1.0 Introdução O presente trabalho é resultado de uma visão futurística acerca da preservação do meio ambiente e da manutenção da vida. Alguns anos de estudo e pesquisas na área

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 19 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de

Leia mais

GERADORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA

GERADORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA GERADORES ELÉTRICOS OBJETIVOS: a) verificar o funcionamento de um gerador real; b) medir a resistência interna e a corrente de curto-circuito; c) levantar a curva característica de um gerador real. INTRODUÇÃO

Leia mais

ATIVIDADE: USANDO UM ELETROÍMÃ

ATIVIDADE: USANDO UM ELETROÍMÃ ELETROÍMÃS 4.1- ELETROÍMÃS ELETROÍMÃS Você já ficou sabendo que em movimento, como numa corrente elétrica, gera magnetismo. Você também já ficou sabendo que um imã em movimento próximo de um condutor faz

Leia mais

PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 01 UFMG

PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 01 UFMG QUESTÃO 01 Em uma corrida de Fórmula 1, o piloto Miguel Sapateiro passa, com seu carro, pela linha de chegada e avança em linha reta, mantendo velocidade constante Antes do fim da reta, porém, acaba a

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9 º ANO

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9 º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9 º ANO 2010 QUESTÃO 1 Com a finalidade de diminuir

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 18 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Grandes realizações são possíveis quando se dá atenção aos pequenos

Leia mais

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre 1. Em uma aula de laboratório, os estudantes foram divididos em dois grupos. O grupo A fez experimentos com o objetivo de desenhar linhas de campo elétrico e magnético. Os desenhos feitos estão apresentados

Leia mais

Nome Nº turma Data / /

Nome Nº turma Data / / Ciências Físico-Químicas 9º Ano Corrente Eléctrica FICHA DE TRABALHO Nome Nº turma Data / / Produção de energia eléctrica À escala industrial, a corrente eléctrica (corrente alternada) produz-se, principalmente,

Leia mais

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica.

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Eletricidade e automação A UU L AL A O operário desperta com o toque do rádiorelógio. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Um problema Sai

Leia mais

www.modelix.com.br Página 01

www.modelix.com.br Página 01 OBJETIVO Este guia tem como objetivo a capacitação ao uso dos componentes mais específicos e o entendimento de seus modos de funcionamento. A Modelix está disponibilizando este guia junto a uma vasta gama

Leia mais

Circuitos eléctricos

Circuitos eléctricos Um circuito eléctrico µu^u]vz}_ }Œ}v passa a corrente eléctrica. É constituído obrigatoriamente por um gerador e um receptor, podendo-se também intercalar outros componentes como interruptores, motores

Leia mais

leituras de física GREF ELETROMAGNETISMO para ler, fazer e pensar 20 a 29

leituras de física GREF ELETROMAGNETISMO para ler, fazer e pensar 20 a 29 versão preliminar leituras de física GREF ELETROMAGNETISMO para ler, fazer e pensar 20 a 29 20. Usinas geradoras de eletricidade 21. Dínamo de bicicleta 22.Transformadores no circuito 23. A corrente elétrica

Leia mais

Força Eletromotriz Induzida

Força Eletromotriz Induzida Força Eletromotriz Induzida 1. (Uerj 2013) Um transformador que fornece energia elétrica a um computador está conectado a uma rede elétrica de tensão eficaz igual a 120 V. A tensão eficaz no enrolamento

Leia mais

Semana Europeia da Prevenção Introdução As Pilhas e Baterias são um resíduo considerado perigoso para o ambiente, sempre que não sejam devidamente encaminhadas para tratamento. Os Produtores de Pilhas

Leia mais

Sistemas e Circuitos Eléctricos

Sistemas e Circuitos Eléctricos Sistemas e Circuitos Eléctricos 1º Ano/1º Semestre EACI 1º Laboratório: Introdução ao Material de Laboratório Pretende-se nesta aula de laboratório que o aluno se familiarize com o material/equipamento

Leia mais

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Fornecido pelo TryEngineering - Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Foco da lição A lição enfoca o conceito de fluxo de elétrons, através da demonstração de circuitos elétricos em uma lanterna,

Leia mais

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil Introdução As baterias estão em todos os lugares, carros, computadores, laptops, MP3 players e telefones celulares.

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Comutador de Iluminação de Provisória Para Lâmpadas HQI ou Sódio, Código AFCSC250 Equipamento destinado a ser instalado em locais que são iluminados através de lâmpadas HQI ou de Sódio, geralmente estas

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV004 Aerobarco Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Prof. Ventura Ensina Tecnologia Aerobarco Neste interessante experimento montaremos

Leia mais

ATERRAMENTO ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO 2 PARA QUE SERVE O ATERRAMENTO ELÉTRICO? 3 DEFINIÇÕES: TERRA, NEUTRO, E MASSA.

ATERRAMENTO ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO 2 PARA QUE SERVE O ATERRAMENTO ELÉTRICO? 3 DEFINIÇÕES: TERRA, NEUTRO, E MASSA. 1 INTRODUÇÃO O aterramento elétrico, com certeza, é um assunto que gera um número enorme de dúvidas quanto às normas e procedimentos no que se refere ao ambiente elétrico industrial. Muitas vezes, o desconhecimento

Leia mais

Sky Rider 22. Helicóptero com Radiocontrole. Manual do Usuário CÓD. 6406 GARANTIA. Candide Indústria e Comércio Ltda.

Sky Rider 22. Helicóptero com Radiocontrole. Manual do Usuário CÓD. 6406 GARANTIA. Candide Indústria e Comércio Ltda. GARANTIA A Candide Indústria e Comércio Ltda. garante este produto pelo período de 90 dias, contados a partir da data de emissão da nota fiscal de compra, desde que o mesmo tenha sido instalado e manuseado

Leia mais

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA Marcelo da S. VIEIRA 1, Elder Eldervitch C. de OLIVEIRA 2, Pedro Carlos de Assis JÚNIOR 3,Christianne Vitor da SILVA 4, Félix Miguel de Oliveira

Leia mais

UNIDADE: DATA: 03 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 5.º ANO/EF

UNIDADE: DATA: 03 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 5.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 03 / / 03 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 0,0

Leia mais

GERADOR EÓLICO 1 INTRODUÇÃO

GERADOR EÓLICO 1 INTRODUÇÃO FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Projeto de Pesquisa da Primeira Série Série: Primeira Curso: Eletrotécnica Turma: 2123 Sala: 234 Início: 17 de junho de 2009 Entrega: 17 de julho

Leia mais

Fátima Sarmento, professora de Química da turma 12CT3/ 2011-2012. Escola Secundária Francisco de Holanda

Fátima Sarmento, professora de Química da turma 12CT3/ 2011-2012. Escola Secundária Francisco de Holanda Título do Vídeo: Redox Fotogénica Nome dos participantes: João Ribeiro,12CT3 João Paulo Fernandes, 12CT3 Pedro Faria,12CT3 Sandra Durães,12CT3 Sara Neves, 12CT3 Professor responsável: Fátima Sarmento,

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin F 709 Tópicos do Ensino de Física II Relatório Final 1 Semestre de 2007 Apresentação de Experimentos de Eletrostática para alunos do

Leia mais

Atuadores e válvulas

Atuadores e válvulas A UU L AL A Atuadores e válvulas Você já viu nas aulas anteriores que é possível transformar energia elétrica em energia mecânica por meio de uma máquina: o motor elétrico. Na indústria atual, o motor

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

TELE - VENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080

TELE - VENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080 TELE - VENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080 No tempo das cavernas o que mais impressionava o homem na natureza era o Raio, que nada mais é do que uma descarga da eletricidade contida nas

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR ANTONIO DA GRAÇA MACHADO PROJETO INTERDISCIPLINAR MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA

ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR ANTONIO DA GRAÇA MACHADO PROJETO INTERDISCIPLINAR MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR ANTONIO DA GRAÇA MACHADO PROJETO INTERDISCIPLINAR MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA 2010 PROFESSORAS: Eliuza Rocha Marlene Damasceno TÍTULO: Energia em Nossa Vida 1 TURMAS ENVOLVIDAS:

Leia mais

DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS

DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DE LAVRAS DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS HENRIQUE RAMOS VILELA LARISSA MARIA ELIAS SOARES Lavras 2016 Em uma tempestade, as fortes correntes de convecção elevam as menores gotículas

Leia mais

CUIDADO O tempo de carregamento não deve exceder 3 5 horas. ESPECIFICAÇÃO Chave de fenda: Velocidade: 200rpm;

CUIDADO O tempo de carregamento não deve exceder 3 5 horas. ESPECIFICAÇÃO Chave de fenda: Velocidade: 200rpm; MANUAL DE INSTRUÇÕES Por favor, leia as instruções de operação meticulosamente, prestar especial atenção às instruções de segurança. Guarde as instruções de operações junto com o equipamento CUIDADO O

Leia mais

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Montagem da Barra de LEDs Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

O ELÉTRON QUEM SOU EU

O ELÉTRON QUEM SOU EU QUEM SOU EU Meu nome é elétron! Sou uma partícula muito pequena. Ninguém pode me ver. Mas estou em toda parte. Faço parte do ar, da água, do solo e do fogo. Nunca estou parado. Sou muito rápido. Gosto

Leia mais

Unidade 14. Circuitos elétricos

Unidade 14. Circuitos elétricos Unidade 14 Circuitos elétricos Pra início de conversa... Nesta aula, você vai conhecer um circuito elétrico e seus componentes, conhecer a lei de Ohm e saber como utilizá-la para os cálculos de correntes,

Leia mais

MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO

MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO MANUAL DE INSTRUÇÃO MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO MODELO: SS-26-1W - 1 - MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO Leia atentamente as instruções antes de iniciar o uso: a) Verificar se a voltagem está correta

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

Projecto: Título do Vídeo: APL- Construção de uma pilha com tensão específica. Nome dos participantes: Anna Petrukhnova; Emanuel Real; Tânia Costa.

Projecto: Título do Vídeo: APL- Construção de uma pilha com tensão específica. Nome dos participantes: Anna Petrukhnova; Emanuel Real; Tânia Costa. Título do Vídeo: APL- Construção de uma pilha com tensão específica. Nome dos participantes: Anna Petrukhnova; Emanuel Real; Tânia Costa. Professor responsável: Michel Andrade Félix Pimenta Escola: Básica

Leia mais

Sinais Elétricos Digital Analógico

Sinais Elétricos Digital Analógico Sinais Elétricos Digital Analógico Fatores que influenciam na distorção do sinal no meio de transmissão Ruído O ruído é caracterizado pela interferência de meios externos á rede, ou seja, podem ser oriundos

Leia mais

1.7 Equipamentos e materiais utilizados em instalações elétricas

1.7 Equipamentos e materiais utilizados em instalações elétricas 1.7 Equipamentos e materiais utilizados em instalações elétricas 1.7.1 Vara de manobra isolada Como a distância de segurança e o isolamento são de fundamental importância nas operações de instalação e

Leia mais

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente OBJETIVOS 9 contínua NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Familiarizar-se com o multímetro, realizando medidas de corrente, tensão e resistência. INTRODUÇÃO Corrente elétrica FÍSICA ELETRICIDADE: CIRCUITOS

Leia mais

Exercícios de Eletrização

Exercícios de Eletrização Exercícios de Eletrização 1-Um corpo inicialmente neutro recebe 10 milhões de elétrons. Este corpo adquire uma carga de: (e = 1,6. 10 19 C). a) 1,6. 10 12 C b) 1,6. 10 12 C c) 16. 10 10 C d) 16. 10 7 C

Leia mais

ORIENTAÇÕES IMPORTANTES!

ORIENTAÇÕES IMPORTANTES! COLÉGIO DE APLICAÇÃO DOM HÉLDER CÂMARA AVALIAÇÃO: EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES III DISCIPLINA: FÍSICA PROFESSOR(A): HUDSON DE AGUIAR ALUNO(A) DATA: / / TURMA: M SÉRIE:2º ANO DATA PARA ENTREGA: / / ORIENTAÇÕES

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 12 Ensaio de Impacto Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Impacto. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Definições O ensaio de impacto se caracteriza

Leia mais

Potência e rendimento de geradores e receptores

Potência e rendimento de geradores e receptores Potência e rendimento de geradores e receptores 1 Fig.26.1 26.1. No circuito da Fig. 26.1, a potência transformada em calor é igual a: A) 15 watts. B) 36 watts. C) 51 watts. D) 108 watts. E) 121 watts.

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

Receptores elétricos

Receptores elétricos Receptores elétricos 1 Fig.20.1 20.1. A Fig. 20.1 mostra um receptor elétrico ligado a dois pontos A e B de um circuito entre os quais existe uma d.d.p. de 12 V. A corrente que o percorre é de 2,0 A. A

Leia mais

DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA:

DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA: DISCIPLINA: Física PROFESSORES: Fabiano Vasconcelos Dias DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 3ª SÉRIE EM TURMA: Nº: I N S T R

Leia mais

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2 F128-Lista 11 1) Como parte de uma inspeção de manutenção, a turbina de um motor a jato é posta a girar de acordo com o gráfico mostrado na Fig. 15. Quantas revoluções esta turbina realizou durante o teste?

Leia mais

professordanilo.com Considerando a intensidade da aceleração da gravidade de tração em cada corda é de g 10 m / s, a intensidade da força

professordanilo.com Considerando a intensidade da aceleração da gravidade de tração em cada corda é de g 10 m / s, a intensidade da força 1. (Espcex (Aman) 015) Em uma espira condutora triangular equilátera, rígida e homogênea, com lado medindo 18 cm e massa igual a 4,0 g, circula uma corrente elétrica i de 6,0 A, no sentido anti-horário.

Leia mais

9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO

9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO Departamento de Química Inorgânica IQ / UFRJ IQG 18 / IQG 31 9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO I. INTRODUÇÃO As reações de oxirredução estão entre as reações químicas mais comuns e importantes. Estão envolvidas

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios Eletromagnetismo

Exercícios Eletromagnetismo Exercícios Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte e norte, ou

Leia mais

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente.

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente. 1 LEI DE OHM A LEI DE OHM é baseada em três grandezas, já vistas anteriormente: a Tensão, a corrente e a resistência. Com o auxílio dessa lei, pode-se calcular o valor de uma dessas grandezas, desde que

Leia mais

ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E EFEITO JOULE¹

ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E EFEITO JOULE¹ ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E EFEITO JOULE¹ Ana Célia Alves dos Santos² Débora da Cruz Alves² Gustavo Gomes Benevides² Júlia Fabiana de Oliveira Barboza² Stefanie Esteves da Silva² Stephanye

Leia mais

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo.

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO 11.1 OBJETIVOS Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. 11.2 INTRODUÇÃO Força de Lorentz Do ponto de vista formal,

Leia mais

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e-

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e- 1 Proteção catódica A proteção catódica é um dos métodos mais empregados para a proteção de grandes estruturas quer seja enterradas ou submersas (parcial ou totalmente). Assim, tubulações e tanques de

Leia mais

PAINEL DIGITAL SUNDOW WEB - COMPLETO * SD40

PAINEL DIGITAL SUNDOW WEB - COMPLETO * SD40 RUA SIGFREDO DAY, 50 - SOBRELOJA CIC CEP 81.170-650 CURITIBA PR FONE / FAX: (41)3014-3536. E-MAIL: vendas@guster.com.br INSTRUMENTOS AUTOMOTIVOS MONITORAMENTO DE VEÍCULOS RASTREADORES GPS - TRAVAS PAINEL

Leia mais

Prof. Sergio Abrahão 17

Prof. Sergio Abrahão 17 DIFERENÇA DE POTENCIAL - DDP (U) (Tensão Elétrica) Vamos aqui definir diferença de potencial (d.d.p) ou tensão elétrica de duas maneiras. O de forma científica utilizará aquela adotada por Tipler em que

Leia mais

Electricidade e magnetismo

Electricidade e magnetismo Electricidade e magnetismo Circuitos eléctricos 3ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11 Corrente eléctrica Qual a condição para que haja corrente eléctrica entre dois condutores A e B? Que tipo de corrente eléctrica

Leia mais

Atividade 1. Dispositivo que transforma alguma modalidade de energia em energia potencial elétrica.

Atividade 1. Dispositivo que transforma alguma modalidade de energia em energia potencial elétrica. Atividade 1 1) PROBLEMATIZAÇÃO: Se observarmos uma lanterna, um rádio ou alguns tipos de brinquedos, perceberemos que estes aparelhos só funcionam enquanto estão sendo alimentados por uma fonte de energia

Leia mais

As cargas elétricas escoam do metal para o corpo humano e depois para o solo, pois todos são bons condutores --- R- C

As cargas elétricas escoam do metal para o corpo humano e depois para o solo, pois todos são bons condutores --- R- C 01-(UFPE-PE) Condutores são os materiais que permitem que as cargas (elétrons livres) se movimentem com facilidade no seu interior --- os metais, de uma maneira em geral, são bons condutores -- - assim,

Leia mais

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada VALORES DE CONSTANTES E GRANDEZAS FÍSICAS - aceleração da gravidade g = 10 m/s 2 - calor específico da água c = 1,0 cal/(g o C) = 4,2 x

Leia mais

- O movimento ordenado de elétrons em condutores

- O movimento ordenado de elétrons em condutores MATÉRIA: Eletrotécnica MOURA LACERDA CORRENTE ELÉTRICA: - O movimento ordenado de elétrons em condutores Os aparelhos eletro-eletrônicos que se encontram nas residências precisam de energia elétrica para

Leia mais

Cap. 05 - Sistema Elétrico e de Ignição

Cap. 05 - Sistema Elétrico e de Ignição Cap. 05 - Sistema Elétrico e de Ignição NOÇÕES BÁSICAS DE ELETRICIDADE Muitos são os empregos da eletricidade numa aeronave, desde a iluminação, a ignição, o acionamento de motores elétricos em geral,

Leia mais

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc.

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc. Condutores e Isolantes Condutores: São materiais caracterizados por possuírem no seu interior, portadores livres de cargas elétricas (elétrons livres), desta forma, permitindo a passagem de uma corrente

Leia mais

ELETROQUÍMICA, AULAS TEÓRICAS E PRÁTICAS COM AUXÍLIO DE MATERIAL ALTERNATIVO EM SALA DE AULA

ELETROQUÍMICA, AULAS TEÓRICAS E PRÁTICAS COM AUXÍLIO DE MATERIAL ALTERNATIVO EM SALA DE AULA ELETROQUÍMICA, AULAS TEÓRICAS E PRÁTICAS COM AUXÍLIO DE MATERIAL ALTERNATIVO EM SALA DE AULA 1 Gicelia Moreira 2 Morgana de Vasconcelos Araújo 1 Universidade Federal de Campina Grande/UFCG: gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Potencial Elétrico. e dividindo-se pela carga de prova q 0 temos o campo elétrico E:

Potencial Elétrico. e dividindo-se pela carga de prova q 0 temos o campo elétrico E: Potencial Elétrico Quando estudamos campo elétrico nas aulas passadas, vimos que ele pode ser definido em termos da força elétrica F que uma carga q exerce sobre uma carga de prova q 0. Essa força é, pela

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

Termelétrica de Ciclo Combinado

Termelétrica de Ciclo Combinado Termelétrica de Ciclo Combinado As usinas termelétricas são máquinas térmicas que têm como objetivo a conversão da energia de um combustível em energia elétrica. A eficiência térmica de conversão destas

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO 1. (Fuvest 96) A figura esquematiza um ímã permanente, em forma de cruz de pequena espessura, e oito pequenas bússolas, colocadas sobre uma mesa. As letras N e S representam, respectivamente, pólos norte

Leia mais

Lista de Eletrostática da UFPE e UPE

Lista de Eletrostática da UFPE e UPE Lista de Eletrostática da UFPE e UPE 1. (Ufpe 1996) Duas pequenas esferas carregadas repelem-se mutuamente com uma força de 1 N quando separadas por 40 cm. Qual o valor em Newtons da força elétrica repulsiva

Leia mais

Assim como em qualquer problema de engenharia, existem limitações e exigências que você deve cumprir. Aqui estão as diretrizes.

Assim como em qualquer problema de engenharia, existem limitações e exigências que você deve cumprir. Aqui estão as diretrizes. Science Lab Desafio de Engenharia: Construindo um Eletroímã Este Desafio de Engenharia do SEED é para construir o melhor eletroímã que você puder. Seu eletroímã será avaliado pelo peso que ele pode levantar,

Leia mais

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU 1 Capítulo 6 - SANGRIA DE AR 6.1 - Finalidade e características gerais A finalidade da APU é fornecer ar comprimido para os sistemas pneumáticos da aeronave e potência de eixo para acionar o gerador de

Leia mais

Exercícios de Física Lei de Ohm

Exercícios de Física Lei de Ohm Questão 01 - A intensidade da corrente i, e a resistência R do circuito abaixo valem: diminuindo o valor da resistência elétrica do corpo. A lei de Ohm afirma que: 5 A 1 A 250 Ω 100 Ω R i a) Mantida constante

Leia mais

Laboratório de robótica

Laboratório de robótica CAMINHÃO TRANSPORTADOR 1. Introdução Laboratório Em uma região muito arborizada da cidade, há muitas árvores altas que perdem algumas folhas durante o dia, derrubando-as nos telhados das casas. Como as

Leia mais

MOVIMENTO CIRCULAR. Fonte da imagem: Física e Vestibular

MOVIMENTO CIRCULAR. Fonte da imagem: Física e Vestibular MOVIMENTO CIRCULAR 1. (ADAPTADO) Clodoaldo é lenhador mas também, é muito imaginativo e criativo. Ele criou uma máquina para cortar troncos de Jacarandá. O tronco de um Jacarandá é cortado, por Clodoaldo,

Leia mais

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO APOSTILA 03 Parabéns!!! Você já é um vencedor! Voltar a estudar é uma vitória que poucos podem dizer que conseguiram. É para você, caro aluno, que desenvolvemos

Leia mais

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores RESISTORES 1.Resistencia elétrica e Resistores Vimos que, quando se estabelece uma ddp entre os terminais de um condutor,o mesmo é percorrido por uma corrente elétrica. Agora pense bem, o que acontece

Leia mais

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up. Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012 António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.pt Capítulo 3 Baterias Solares As baterias solares, também conhecidas

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 6 - Conversão de Outras Energias em Energia Elétrica. Sorocaba, Março de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 6 - Conversão de Outras Energias em Energia Elétrica. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 6 - Conversão de Outras Energias em Energia Elétrica Sorocaba, Março de 2015. CONVERSÃO DE OUTRAS ENERGIAS

Leia mais

O QUE É A RECICLAGEM?

O QUE É A RECICLAGEM? O QUE É A RECICLAGEM? A reciclagem é a transformação dos resíduos de embalagens - depois de separados por famílias de materiais (papel/cartão, vidro e embalagens de plástico ou metal) em novos objectos.

Leia mais

PROJETO DE UMA TURBINA HIDRÁULICA PORTÁTIL 1

PROJETO DE UMA TURBINA HIDRÁULICA PORTÁTIL 1 PROJETO DE UMA TURBINA HIDRÁULICA PORTÁTIL 1 Ricardo Böhm 2, Roger Schildt Hoffmann 3. 1 Trabalho de conclusão de curso do curso de Engenharia Mecânica da Universidade Regional do Noroeste do Estado do

Leia mais

O Sol, a nossa fonte de energia

O Sol, a nossa fonte de energia TRANSFORMAÇÕES E TRANSFERÊNCIAS DE ENERGIA Autores: Arjuna C. Panzera Dácio G. Moura O Sol, a nossa fonte de energia Tópico n º 11 do CBC de Ciências Habilidades Básicas recomendadas no CBC: Descrever

Leia mais

CAMPO ELÉTRICO. Introdução. Campo de uma carga elétrica puntiforme. Sentido do campo elétrico E =

CAMPO ELÉTRICO. Introdução. Campo de uma carga elétrica puntiforme. Sentido do campo elétrico E = CAMPO ELÉTRICO Introdução O campo elétrico é a região do espaço que fica ao redor de uma carga elétrica. Em um ponto do espaço existe um campo elétrico se uma carga elétrica, denominada carga de prova,

Leia mais

Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro

Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro Construir este relógio foi um desafio, pois não dispunha de nenhum projeto e o que tinha eram apenas fotos, por isso relutava em entrar

Leia mais

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 8 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

MANUAL CARREGADOR DE BATERIAS 12V 5A/7A 110/220V

MANUAL CARREGADOR DE BATERIAS 12V 5A/7A 110/220V 1 MANUAL CARREGADOR DE BATERIAS 12V 5A/7A 110/220V Cuidado Perigo A utilização imprópria do equipamento assim como a não observância das normas de segurança, pode agravar em ferimentos graves. Leia o manual

Leia mais

Fio de resistência desprezível Bateria ideal. Amperímetro ideal. Voltímetro ideal. Lâmpada

Fio de resistência desprezível Bateria ideal. Amperímetro ideal. Voltímetro ideal. Lâmpada 1 Na figura mostrada abaixo têm-se duas baterias comuns de automóvel, B 1 e B 2, com forças eletromotrizes 12 V e 6 V, respectivamente, associadas em série. A lâmpada L conectada aos terminais da associação

Leia mais

Descobrimos como fabricar soda cáustica!

Descobrimos como fabricar soda cáustica! Descobrimos como fabricar soda cáustica! O que você vai aprender Recicagem de pape Fabricação de pape Produção de hidróxido de sódio: eetróise Partícuas carregadas: íons Indicadores Seria bom já saber

Leia mais

1) Entendendo a eletricidade

1) Entendendo a eletricidade 1) Entendendo a eletricidade 1 2) Circuitos Modelix 2 3) Utilizando o Sistema Esquemático Modelix-G (Modelix-Grafix) 6 4) Fazendo montagens com os Circuitos Modelix 7 5) Exercícios para treinar 8 Objetivo:

Leia mais

Como utilizar um multímetro digital

Como utilizar um multímetro digital 1 Como utilizar um multímetro digital Um multímetro digital oferece a facilidade de mostrar diretamente em seu visor, que chamamos de display de cristal líquido, ou simplesmente display, o valor numérico

Leia mais

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms INTRODUCÃO AMPLIFICADOR MANUAL DE INSTRUÇÕES HD 1600 HD 2200 HD 2800 Nós da HURRICANE agradecemos pela escolha dos nossos produtos. Nossos amplificadores são projetados para oferecer a mais alta performance.

Leia mais

Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento

Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento Quando aplicamos uma força sobre um corpo, provocando um deslocamento, estamos gastando energia, estamos realizando um trabalho. Ʈ

Leia mais