SOBRE O SENADO FEDERAL E A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOBRE O SENADO FEDERAL E A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO"

Transcrição

1 SOBRE O SENADO FEDERAL E A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO Quand fi criad Senad? O Senad fi instituíd pela Cnstituiçã d Impéri, utrgada em A reuniã de instalaçã crreu em mai de 1826, quatr ans depis de prclamada a independência d Brasil. Cm a implantaçã da República em 1889 e da Assembleia Cnstituinte em 1890, Senad Federal avançu rum a que é hje, após ser instalad pela Cnstituiçã da República, de Quais sã as cmpetências atuais d Senad Federal? Desde a prmulgaçã da Cnstituiçã da República Federativa d Brasil, em 1988, Senad Federal tem a prerrgativa cnstitucinal de fazer leis e de fiscalizar s ats d Pder Executiv. O Brasil adta mdel legislativ bicameral, frmad pr duas casas legislativas. Enquant s senadres representam s Estads e Distrit Federal, cntribuind para equilíbri federativ, a Câmara ds Deputads é a casa que representa pv. Cmpete privativamente a Senad Federal (Cnstituiçã Federal art. 52, Emendas Cnstitucinais nº19/98, EC nº23/99, nº42/2003 e nº45/2004): Prcessar e julgar Presidente e Vice-Presidente da República, s Ministrs de Estad, s Ministrs d Suprem Tribunal Federal (STF), Prcuradr-Geral da República e Advgad-Geral da Uniã ns crimes de respnsabilidade. Aprvar, previamente, a indicaçã d Presidente da República de magistrads, Ministrs d Tribunal de Cntas da Uniã, Gvernadr de Territóri, Presidente e diretres d Banc Central, Prcuradr-Geral da República, Chefes de missã diplmática e titulares de utrs cargs que a lei determinar. Autrizar perações externas de natureza financeira, de interesse ds entes federads. Dispr sbre a regulamentaçã das agências executivas e reguladras. Suspender a execuçã, n td u em parte, de lei declarada incnstitucinal pr decisã definitiva d Suprem Tribunal Federal (Cnstituiçã Federal - art. 52; Emendas Cnstitucinais nº19/98 e nº23/99). Quem dirige Senad Federal? O Senad Federal é dirigid pela Mesa Diretra, cmpsta pel Presidente, Primeir e Segund Vice-Presidentes e quatr Secretáris. Sã indicads também quatr suplentes de Secretáris para substituir s titulares em cas de impediment. A eleiçã ds membrs da Mesa é feita em sessã preparatória realizada a partir de 1.º de fevereir, n primeir an da legislatura. A vtaçã é secreta, pr mairia de vts, presente a mairia ds senadres e assegurada, tant quant pssível, a participaçã prprcinal das representações partidárias u ds blcs parlamentares cm atuaçã na Casa (Regiment Intern d Senad Federal, artigs 3º e 46).

2 Qual é a duraçã d mandat da Mesa Diretra d Senad Federal? A duraçã d mandat da Mesa Diretra é de dis ans (Cnstituiçã Federal - art. 57, 4.º e Regiment Intern d Senad Federal - art. 59). Os membrs da mesa diretra pdem ser reeleits? (NOVO TÓPICO) Na eleiçã imediatamente subsequente a mandat, s membrs da mesa diretra nã pdem ser recnduzids as mesms cargs. Atualmente, prevalece entendiment de que essa pribiçã nã se aplica quand se tratar de uma nva legislatura. Onde fica Senad Federal? O Senad Federal está instalad n Paláci d Cngress Nacinal, em Brasília. Endereç: Senad Federal, Praça ds Três Pderes, Brasília/DF, CEP Fne: (61) Para falar cm Senad, basta ligar n Alô Senad gratuitamente pel númer Quants sã s senadres e cm eles sã eleits? O Senad Federal cmpõe-se de 81 senadres. A td, sã eleits três senadres pr Estad, incluind Distrit Federal. Os senadres sã eleits segund sistema de vt majritári, cm mandat de it ans. Assim, cada mandat de senadr dura duas legislaturas. A representaçã de cada estad e d Distrit Federal é renvada de quatr em quatr ans, alternadamente, pr um e dis terçs. Dessa frma, ra a disputa eleitral preenche 27 vagas (um nv senadr para cada ente da federaçã), ra envlve 54 vagas (dis nvs senadres para cada ente da federaçã). Além diss, cada senadr é eleit cm dis suplentes (Cnstituiçã Federal - art. 46). O que é sistema de vt majritári? O sistema eleitral majritári é usad, n Brasil, para eleger s chefes d executiv de tdas as esferas (presidente, gvernadres e prefeits), e também para a esclha ds senadres. N Senad, é eleit primeir candidat mais vtad em cada Estad e n Distrit Federal quand a disputa abrir uma cadeira pr ente da federaçã (eleiçã para 1/3 das vagas, ttalizand 27 senadres). Já quand a eleiçã envlver duas cadeiras, vencem s dis senadres mais vtads em cada Estad e n Distrit Federal (2/3 das vagas, ttalizand 54 senadres). Nas eleições presidenciais, sistema empregad é de mairia absluta, em que eleit precisa bter mais de 50% ds vts válids, descnsiderads s brancs e nuls. Cas nenhum candidat atinja esse númer, realiza-se um segund turn cm s dis candidats mais vtads. O que é exigid para cidadã se trnar um senadr? É necessári estar inscrit em partid plític, ter nacinalidade brasileira, ter plen exercíci ds direits plítics, pssuir alistament eleitral, pssuir dmicíli eleitral na circunscriçã e ter idade mínima de trinta e cinc ans (Cnstituiçã Federal - art. 14, 3.º).

3 O que significa mandat? Mandat é víncul que une representante e s representads. N Brasil e em utrs regimes republicans, trata-se de um pder plític transferid pel pv a gvernante, em caráter temprári, para que este represente s interesses da sciedade. Qual a duraçã d mandat ds parlamentares? N legislativ federal, mandat ds parlamentares varia de acrd cm a casa de que faz parte. Na Câmara ds Deputads, mandat é de quatr ans, enquant n Senad é de it ans, crrespndend a duas legislaturas. Já s deputads estaduais e d Distrit Federal têm mandat de quatr ans, assim cm s vereadres nas Câmaras Municipais. E n Pder Executiv, quant temp dura mandat? O Presidente da República tem mandat de quatr ans, pdend ser imediatamente reeleit pr uma única vez. As mesmas regras se aplicam as gvernadres ds Estads e d Distrit Federal, bem cm as prefeits. O que é uma legislatura? É períd de quatr ans cmpst pr quatr sessões legislativas. Uma sessã legislativa crrespnde a temp de trabalh parlamentar durante an. Cm se renva a cmpsiçã d Senad Federal? O Senad Federal se renva parcialmente a cada quatr ans. A regra alterna essa renvaçã em 1/3 e 2/3 ds senadres. O que é períd legislativ rdinári? Sã dis a lng de um an: primeir de dis de fevereir a 17 de julh; e segund, de 1.º de agst a 22 de dezembr (Cnstituiçã Federal - art. 57). O que é sessã legislativa? É transcrrer de um an cmpst pr dis períds legislativs. Qual é qurum mínim para iníci de uma sessã? Para iniciar uma sessã é precis que estejam, n Plenári, pel mens quatr senadres, u seja, um vigésim da cmpsiçã d Senad Federal (Regiment Intern d Senad Federal - art. 155, 4.º). Quais sã s tips de sessã que crrem n Senad Federal? As sessões d Senad Federal pdem ser Deliberativas (rdinárias u extrardinárias), Nã Deliberativas u Especiais.

4 Sessã Deliberativa Ordinária - é uma sessã destinada à vtaçã de matérias legislativas, realizada de terça a quinta-feira às quatrze hras; e às sextas-feiras às nve hras; quand huver Ordem d Dia previamente designada (Regiment Intern d Senad Federal - art º e Resluçã n.º 37/95). Sessã Deliberativa Extrardinária - é uma sessã destinada à vtaçã de matérias legislativas, realizada em hráris diverss d fixad para sessões rdinárias. O Presidente d Senad pde cnvcar, a qualquer temp, sessã deliberativa extrardinária quand, a seu juíz e uvida as lideranças partidárias, as circunstâncias recmendarem u haja necessidade de deliberaçã urgente (Regiment Intern d Senad Federal - art. 154 e Resluçã n.º 37/95). Sessã Nã Deliberativa - é uma sessã nde nã há prcess de vtaçã e sim prnunciament de discurss, cmunicações, leitura de prpsições e utrs assunts de interesse plític e parlamentar (Regiment Intern d Senad Federal- art º e Resluçã n.º 37/95). Sessã Especial - é uma sessã que crre na "Hra d Expediente" (primeirs 120min da sessã deliberativa) e destina-se a cmemrações u hmenagens a altas persnalidades, a juíz d Presidente u pr deliberaçã d Plenári, mediante requeriment de seis senadres (Regiment Intern d Senad Federal - art º e RS 37/95). Se presidente nã estiver presente, quem preside as sessões? Quand pr algum mtiv Presidente d Senad nã está presente, a cnduçã da sessã fica a carg d Primeir Vice-Presidente. Se este também estiver indispnível, assume entã Segund Vice-Presidente, e, assim, sucessivamente, Primeir, Segund, Terceir e Quart Secretáris. Há também a pssibilidade de que a presidência da sessã plenária pssa ser assumida pel senadr mais ids presente em plenári (Regiment Intern d Senad Federal - art. 46, 4º). Quais sã s mtivs para reuniã em cnjunt d Senad e da Câmara ds Deputads? As sessões cnjuntas entre Senad Federal e a Câmara ds Deputads crrem ns seguintes cass: inauguraçã da sessã legislativa; elabraçã d regiment cmum e regulamentaçã de serviçs cmuns às duas Casas; Psse d Presidente e d Vice- Presidente da República e recepçã de Chefe de Estad Estrangeir; bem cm para receber e deliberar a respeit ds vets d Presidente da República (Cnstituiçã Federal - art.57, 3.º). Em quais situações Senad Federal pde ser cnvcad extrardinariamente e quem tem pderes para iss? O Presidente d Senad Federal pde cnvcar extrardinariamente Senad em cas de decretaçã de estad de defesa u de intervençã federal, de pedid de autrizaçã para a decretaçã de estad de síti, e para cmprmiss e a psse d Presidente e d Vice-Presidente da República.

5 Já Presidente da República, s Presidentes da Câmara ds Deputads e d Senad Federal, u a mairia ds parlamentares de ambas as Casas pdem fazer a cnvcaçã em cas de urgência u interesse públic relevante (Cnstituiçã Federal - art. 57, 6.º). O que sã as Cmissões Parlamentares d Senad Federal? As Cmissões Parlamentares sã cnsideradas órgãs técnics de api a prcess legislativ. Elas sã frmadas pr senadres e se destinam, principalmente, a examinar e emitir relatóris a respeit ds prjets de lei que estã em tramitaçã na Casa. Pdem ser permanentes, temprárias e especiais. Um ds tips mais cnhecids é a Cmissã Parlamentar de Inquérit (CPI), que tem pr bjetiv a apuraçã de denúncias e irregularidades (Cnstituiçã Federal - art. 58). Quais sã as Cmissões permanentes d Senad Federal? Cmissã de Assunts Ecnômics (CAE) - Cmpsta pr 27 senadres titulares e 27 suplentes, analisa matérias ecnômicas e financeiras, direit agrári, câmbi, plítica agrícla e de crédit, entre utrs temas. Além diss, aprva a esclha ds ministrs d TCU, d presidente e ds diretres d Banc Central. Também é sua atribuiçã emitir parecer sbre pedid de autrizaçã para perações externas de natureza financeira, de interesse da Uniã, ds Estads, d Distrit Federal. Suas reuniões acntecem às terçasfeiras, dez hras. Cmissã de Serviçs de Infraestrutura (CI) - Cmpsta pr 23 senadres titulares e 23 suplentes, a CI emite parecer acerca das matérias que versam sbre transprte terrestre, marítim e aére; sbre bras públicas em geral, minas, recurss gelógics e hídrics e serviçs de telecmunicações. As reuniões acntecem às terças-feiras, quatrze hras. Cmissã de Cnstituiçã, Justiça e Cidadania (CCJ) - Cmpsta pr 23 senadres titulares e 23 suplentes, manifesta-se a respeit da cnstitucinalidade e juridicidade das matérias, cm sbre a adequaçã de sua tramitaçã em face d regiment da casa. Também cmpete à cmissã emitir pareceres sbre a criaçã de Estads e Territóris, estad de defesa e de síti, intervençã federal, segurança pública, perda de mandat de Senadr e esclha de Ministrs d STF, ds Tribunais Superires e de Gvernadr de Territóri. As reuniões sã às quartas-feiras, dez hras. Cmissã de Assunts Sciais (CAS) - Cmpsta pr 21 senadres titulares e 21 suplentes, a CAS pina sbre relações de trabalh, rganizaçã d sistema nacinal de empreg e cndiçã para exercíci de prfissões, seguridade scial, previdência e assistência scial, prteçã e defesa da saúde, cntrle e fiscalizaçã de medicaments, saneament e aliments, bem cm sbre nrmas gerais de prteçã a mei ambiente. As reuniões acntecem às quintas-feiras, nze hras e trinta minuts. Cmissã de Relações Exterires e Defesa Nacinal (CRE) - Cmpsta pr 19 senadres titulares e 19 suplentes, trata de prpsições referentes as ats e relações internacinais, Ministéri das Relações Exterires, cmérci exterir; indicaçã de nme para chefe de missã diplmática de caráter permanente junt a gverns estrangeirs e rganizações internacinais; autrizaçã para que Presidente u Vice-

6 Presidente da República se ausente d País pr mais de quinze dias, entre utrs assunts. As reuniões sã às quintas-feiras, dez hras. Cmissã de Educaçã, Cultura e Esprte (CE) - Cmpsta pr 27 senadres e 27 suplentes, a CE analisa nrmas gerais da educaçã, cultura, ensin e desprts, diretrizes e bases da educaçã nacinal, salári-educaçã, cmunicaçã, imprensa, criações científicas e tecnlógicas, infrmática, além de cnceder utrga, renvaçã de cncessã, permissã e autrizaçã para serviçs de radidifusã snra e de sns e imagens. As reuniões sã às quartas-feiras, nze hras e trinta minuts. Cmissã de Mei Ambiente, Defesa d Cnsumidr e Fiscalizaçã e Cntrle (CMA) - Cmpsta pr 17 senadres titulares e 17 suplentes, exerce a fiscalizaçã e cntrle ds ats d Pder Executiv, incluind s da administraçã indireta, pdend atuar em clabraçã cm as cmissões permanentes e temprárias, incluídas as cmissões parlamentares de inquérit. Manifesta-se sbre assunts atinentes à defesa d mei ambiente e de defesa d cnsumidr. As reuniões sã às terças-feiras, nze hras e trinta minuts. Cmissã de Direits Humans e Legislaçã Participativa (CDH) - Cmpsta pr 19 senadres titulares e 19 suplentes, a CDH manifesta-se a respeit da garantia e prmçã ds direits humans, direits da mulher, prteçã à família, à infância, à juventude e as idss; pina ainda a respeit da prteçã e integraçã scial das pessas prtadras de deficiências, bem cm da fiscalizaçã, acmpanhament, avaliaçã e cntrle das plíticas gvernamentais para esses setres. As reuniões acntecem às terças-feiras, dze hras. Cmissã de Desenvlviment Reginal e Turism (CDR) - Cmpsta pr 17 senadres e 17 suplentes, a CDR pina sbre as prpsições referentes a desigualdades reginais, estaduais e municipais; sbre prgramas, prjets, investiments e incentivs ecnômics e sciais destinads a desenvlviment daquelas áreas; e sbre aquelas matérias que tratem das plíticas relativas a turism. As reuniões crrem às quartasfeiras, quatrze hras. Cmissã de Ciência, Tecnlgia, Invaçã, Cmunicaçã e Infrmática (CCT) Cmpsta pr senadres 17 titulares e 17 suplentes, a CCT manifesta-se a respeit d desenvlviment científic e tecnlógic e da invaçã tecnlógica; plítica nacinal de ciência, tecnlgia, invaçã, cmunicaçã e infrmática; rganizaçã institucinal d setr; acrds de cperaçã e invaçã cm utrs países e rganisms internacinais na área; prpriedade intelectual; criações científicas e tecnlógicas, infrmática, atividades nucleares de qualquer natureza, transprte e utilizaçã de materiais radiativs, api e estímul a pesquisa e criaçã de tecnlgia; cmunicaçã, imprensa, radidifusã, televisã, utrga e renvaçã de cncessã, permissã e autrizaçã para serviçs de radidifusã snra e de sns e imagens; regulamentaçã, cntrle e questões éticas referentes a pesquisa e desenvlviment científic e tecnlógic, invaçã tecnlógica, cmunicaçã e infrmática e utrs assunts crrelats. As reuniões sã às quartas-feiras, it e quarenta e cinc (Resluçã d Senad n.º 1/2007). Cmissã de Agricultura e Refrma e Agrária (CRA) - Cmpsta pr 17 senadres titulares e 17 suplentes, a CRA manifesta-se sbre planejament, acmpanhament e

7 execuçã de plítica agrícla, fundiária e pecuária; sbre abasteciment, a agricultura e a segurança familiar, a silvicultura, a aquicultura e a pesca; sbre a fiscalizaçã e a cmercializaçã de prduts e insums, a vigilância e a defesa sanitária animal e vegetal; sbre tributaçã de atividade rural, alienaçã u cncessã de terras públicas, bem cm a respeit das plíticas de desenvlviment tecnlógic e de rganizaçã d ensin rural. As reuniões crrem às quintas-feiras, às dze hras.

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

O que é sucessão de responsabilidades?

O que é sucessão de responsabilidades? GLOSSÁRIO DO EMPREENDEDOR O que é capital inicial? É capital de gir necessári para iniciar as atividades de seu negóci e "rdar" as perações até cmeçar a gerar receita suficiente para equilibrar este capital.

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 03/10/2014 a 03/11/2014 Carg: Técnic Legislativ Taxa de Inscriçã: R$ 70,00 Salári/Remuneraçã: R$ 1.600,00 Nº Vagas: 17 Data da Prva: 14/12/2014

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP A Cperaçã para a Saúde n Espaç da CPLP Ainda antes da I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP, realizada em Abril de 2008, em Cab Verde, fram adptads s seguintes instruments que, n quadr da saúde, pretenderam

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

Aula 19 Brasil Império: o Primeiro Reinado (1822 1831) A monarquia autoritária

Aula 19 Brasil Império: o Primeiro Reinado (1822 1831) A monarquia autoritária Aula 19 Brasil Impéri: Primeir Reinad (1822 1831) A mnarquia autritária 1. Assembléia Cnstituinte de 1823 Já havia sid cnvcada na regência de D. Pedr (03/06/1822) Abertura da Assembléia Cnstituinte (03/05/1823)

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema Plan de Desenvlviment Ecnômic Reginal e Lcal ds Municípis d Pntal d Paranapanema 1ª Etapa Diagnóstic Ecnômic e Definiçã de Cenáris Apresentaçã as municípis 20/08/2014 Cnvêni: Elabraçã: Plan de Desenvlviment

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprva Regiment da Bibliteca Universitária - Sistema de Biblitecas da UFMG, e revga a Resluçã n 27/93, de 22/12/93, que aprvu Regiment da Bibliteca Universitária.

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º).

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º). VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteraçã n crngrama (Art. 6º e Art. 12º). APRESENTAÇÃO Idealizad e instituíd pela Assciaçã Nacinal de Entidades Prmtras de Empreendiments Invadres (Anprtec), em parceria

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970,

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970, 1 Pedid de Prvidências n" 970 Requerente: Escla Nacinal da Magistratura e Assciaçã ds Magistrads d Brasil. Assunt:Resluçã n 11/2006 CNJ - Atividade jurídica - Curss de Pósgraduaçã - Ediçã de nrma de transiçã.

Leia mais

SIG Sistema Integrado de Gestão

SIG Sistema Integrado de Gestão SIG Sistema Integrad de Gestã SIGRH -Sistema Integrad de Gestã de Recurss Humans Gustav Bertld Quatrin Deivid Firin Agenda Cntextualizaçã Visã Geral ds seguintes sistemas: SIPAC, SGPP, SIGAA, SIGADMIN,

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados.

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados. Quais sã as vantagens de criar uma assciaçã? A vantagem de criar uma assciaçã é pder agir legalmente em nme dela, mvimentand recurss e firmand cnvênis. Os cnvênis pdem ser firmads cm s órgãs públics e

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Prt. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada n DOU em 12/09/2014) EDITAL 2015 PROCESSO SELETIVO O Diretr Geral da Faculdade de Educaçã em Ciências da Saúde (FECS),

Leia mais

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS O Prgrama Ciência sem Frnteiras, lançad n dia 26 de julh de 2011, é um prgrama d Gvern Federal que busca prmver a cnslidaçã, a expansã e a internacinalizaçã

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO REGULAMENTO 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O PRÊMIO NA CATEGORIA DE JORNALISMO tem cm bjetiv premiar matérias veiculadas na imprensa nacinal relativas a temas ligads

Leia mais

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia Prezad Senhr Diretr Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olav Mrales Garcia O IBRASS INSTITUTO BRASILEIRO DO ASSOCIATIVISMO, entidade sem fins ecnômics, frmada pr

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui a cnsulta ds diplmas legais referenciads e da entidade licenciadra. FUNCHAL CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativ... 8 Participante Assistid...

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I Lei nº 11.494, de 20 de junh de 2007 Regulamenta Fund de Manutençã e Desenvlviment da Educaçã Básica e de Valrizaçã ds Prfissinais da Educaçã - FUNDEB, de que trata art. 60 d At das Dispsições Cnstitucinais

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES Tribunal de Cntas da Uniã Marcel Pachec ds Guaranys Brasília, 22.11.2011 ROTEIRO Dads d setr Infraestrutura aeprtuária: desafis Definiçã da mdalidade

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

Seminário Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS 20 a 22 de Outubro de 2014. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Seminário Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS 20 a 22 de Outubro de 2014. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Seminári Pntificia Universidade Católica d Ri Grande d Sul PUCRS 20 a 22 de Outubr de 2014 Ministéri da Ciência, Tecnlgia e Invaçã ÍNDICE Cm funcina CNPq? Sistema de Avaliaçã Prjets e Blsas. Platafrmas

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 01/09/2014 a 07/10/2014 Carg: Analista Financeir Cntábil Taxa de Inscriçã: R$ 75,00 Salári/Remuneraçã: R$ 7.491,32 Nº Vagas: 01 Data da Prva: 30/11/2014

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

Emenda às Regras Gerais 2012

Emenda às Regras Gerais 2012 Emenda às Regras Gerais 2012 Intrduçã Tds s dcuments estatutáris requerem revisã e atualizaçã casinal. A última emenda às Regras Gerais das Olimpíadas Especiais ( Special Olympics ) fi feita em 2004, cm

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA ÍNDICE DOS CAPÍTULOS 1 Dispsições Gerais 1.1 Definiçã 1.2 Objetiv 2 Cntextualizaçã da BB Previdência 2.1 Arcabuç Legal e Regulatóri 2.2 Dcuments de Gvernança 2.3 Identidade

Leia mais

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990.

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. O IASAe a Escla Municipal de SantAndré realizaram uma série de ações vltadas para a disseminaçã e efetivaçã ds Direits das Crianças e Adlescentes estabelecids pel

Leia mais

OPEN CAIXA LOTERIAS DE ATLETISMO 2015 21 a 25 de Abril São Paulo, SP - Brasil INFORMAÇÕES GERAIS

OPEN CAIXA LOTERIAS DE ATLETISMO 2015 21 a 25 de Abril São Paulo, SP - Brasil INFORMAÇÕES GERAIS OPEN CAIXA LOTERIAS DE ATLETISMO 2015 21 a 25 de Abril Sã Paul, SP - Brasil INFORMAÇÕES GERAIS 1. Cmitê Organizadr Lcal Cmitê Paralímpic Brasileir (CPB) 1.1. Cntats Nme: Ricard Mel Fernand Partelli Email:

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual Manual O que é capital de risc Índice Intrduçã Pass 1 - Cnhecer s cnceits-base Pass 2 - Cnhecer as frmas de atuaçã Pass 3 - Elabrar um plan de negócis Pass 4 - Apresentar plan de negócis a ptenciais SCR

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

Programa de Rádio. Ritmo Económico. Angola!Open!Policy!Initiative

Programa de Rádio. Ritmo Económico. Angola!Open!Policy!Initiative Prgrama de Rádi Ritm Ecnómic AnglaOpenPlicyInitiative 1 Rádi: Kairós da Igreja Metdista de Angla Nme d Prgrama: Ritm Ecnómic Géner: Talk shw Educativ Data da primeira ediçã: (pr definir) Apresentadres:

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA SE/STN Nº 321, DE 20 DE AGOSTO DE 2009.

PORTARIA CONJUNTA SE/STN Nº 321, DE 20 DE AGOSTO DE 2009. PORTARIA CONJUNTA SE/STN Nº 321, DE 20 DE AGOSTO DE 2009. O SECRETÁRIO-EXECUTIVO DO MINISTÉRIO DA FAZENDA E O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL n us de suas atribuições e bservad dispst na Prtaria MF nº 424,

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO 01. Instruções para recadastrament Pessa Física IN CVM 301/2001 e 463/2008 1. Pr favr preencha tds s camps ds frmuláris, aqueles que nã frem preenchids, pr gentileza, bliterá-ls u invalidá-ls; 2. Imprima

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questã 1 Numa cidade d interir d estad de Sã Paul, uma prévia eleitral entre.000 filiads revelu as seguintes infrmações a respeit de três candidats A, B, ec, d Partid da Esperança (PE), que cncrrem a 3

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Antropologia do Consumo no Marketing

Antropologia do Consumo no Marketing Antrplgia d Cnsum n Marketing Objetivs Demnstrar cm as influências culturais estã relacinadas cm s hábits de cnsum, a relaçã cm as Marcas e cmprtament de cmpra, evidenciand assim, prcess fundamental para

Leia mais