Plano de trabalho Mediação Escolar e Comunitária 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de trabalho Mediação Escolar e Comunitária 2015"

Transcrição

1 Plano de trabalho Mediação Escolar e Comunitária 2015 Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 1

2 Hoje em dia é de vital importância desenvolvermos uma educação que vise à construção de uma cultura de paz, de cidadania e de sã convivência. A mediação escolar, processo flexível, de caráter voluntário e confidencial, conduzido pelos PMECs, promove a aproximação entre as partes em litígio e que as apoia na tentativa de encontrar um acordo que permita a resolução do conflito. Abordar as disputas escolares através da mediação origina um contexto onde o conflito é encarado como natural, o que permite protagonismo aos intervenientes, enquanto que os valores da solidariedade, tolerância e igualdade são estimulados. O Projeto Mediação Escolar e Comunitária, propõe, de diferentes formas, culturalmente significativas, uma variedade de processos, de práticas e de competências que ajudam a prevenir, a administrar de forma construtiva e a resolver pacificamente o conflito. Nesse sentido, o conflito é tomado como uma dimensão natural e inevitável da existência humana que, se for conduzido eficazmente, pode constituir uma importante experiência de desenvolvimento pessoal. A aprendizagem de competências de resolução de problemas deve, assim, constituir uma oportunidade para os alunos construírem soluções mais positivas e mais pacíficas para os seus conflitos. Como nos Planos anteriores, a prerrogativa desta Diretoria de Ensino é a evasão escolar e cultura de paz, como apresentado a seguir pelas escolas contempladas com o Projeto. São Paulo, maio de Gestão Regional de Proteção Escolar DER Norte 2 Profª Rosana Guerriero Andrade Dirigente Regional Profª Raquel Turbian de Melo Prado PCNP Tecnologia Prof. José Rodrigues da Silva Supervisor de Ensino Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 2

3 Índice Escola Página EE Prof. Ademar Hiroshi Suda 05 EE Dr. Alberto Cardoso de Mello Neto 06 EE Albino César 06 EE Alfredo Inácio Trindade 08 EE Profª Amenaíde Braga de Queiroz 09 EE Angelo Bortolo 11 EE Antonio José Leite 13 EE Arnaldo Barreto 15 EE Assis José Ambrósio 17 EE Prof. Carlos de Laet 18 EE Profª Carmosina Monteiro Vianna 06 EE Cássio da Costa Vidigal 27 EE Castro Alves 20 EE D. Cyrene de Oliveira Laet 21 EE Min. Dilson Funaro 23 EE Profª Dirce Pastore 61 EE Profª Elza Saraiva Monteiro 06 EE Eunice Terezinha 37 EE Prof. Eurico Figueiredo 25 EE Felício Tonetti 27 EE Francisco Voccio 30 EE Gabriela Mistral 50 EE Guilherme de Almeida 31 EE Gustavo Barroso 35 EE Prof. João Baptista Alves Silva 06 EE Côn. João Ligabue 20 EE Johann Gutenberg 11 EE Prof. José do Amaral Mello 37 EE Júlio Pestana 08 EE Dr. Justino Cardoso 39 EE Prof. Leônidas Paiva 40 EE Prof. Leovergílio Moreira 42 EE Profª Marly Diva Bonfanti 44 EE Dr. Miguel Vieira Ferreira 45 EE Prof. Nelson Gomes 47 EE Prof. Paul Hugon 48 EE Pastor Paulo Leivas Macalão 50 EE Dr. Pedro de Moraes Victor 52 EE Profª Philomena Baylão 06 EE Profª Raquel Assis Barreiros 53 EE Profª Rita Bicudo Pereira 40 Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 3

4 Escola Página EE Cons. Ruy Barbosa 06 EE Prof. Sebastião de Souza Bueno 54 EE Prof. Sérgio da Costa 55 Silva Jardim 56 EE Bibl. Terezine Arantes Ferraz 06 EE Tito Prates 17 Veridiana C. C. Gomes 59 Victor dos Santos Cunha 60 Yolando Mallozzi 61 Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 4

5 EE Prof. Ademar Hiroshi Suda PMEC Sibele Martins de Souza OBJETIVO GERAL Diminuição de ausências em sala de aula. Diminuição de acidentes na hora do intervalo. OBJETIVOS CONCEITUAIS: Trabalhar efetivamente com os pais toda vez que o aluno apresentar u número excessivo de faltas. Assim que os professores me passarem eu entro em contato e enfatizo aos pais a importância e a necessidade da presença do aluno em sala de aula. Ao longo do tempo como professora mediadora, percebi que o intervalo é o momento em que há maiores números de acidentes graves, pois as crianças correm de um lado para o outro, e às vezes, chegam a trompar violentamente com outras crianças. Sendo assim, criei o projeto BRINCANDO NO INTERVALO, um luar onde as crianças poderão ler, jogar e se divertir sem se machucarem umas com as outras. Criando assim, um espaço lúdico e divertido para as crianças, transformando a correria em aprendizagem. OBJETIVOS PROCEDIMENTAIS: Ligar para os pais informando o número de faltas, Retorno ao professor a respeito do aluno faltoso; Passar para a coordenação o resultado obtido na conversação com os pais, para futuro encaminhamento para o Conselho Tutelar, ressalto, que o envio ao Conselho é feito pela coordenação; Escolher os alunos ajudantes de cada ano e intervalo; Os alunos ajudantes colocarão a música no DVD e espalharão os jogos sobre as mesas; Observação e orientação de como usar cada canto da brincadeira. OBJETIVOS ATITUDINAIS: Respeitar os colegas e professor durante o intervalo escolar. INFORMAÇÕES GERAIS: No ano de 2012, percebi, juntamente com o grupo gestor, a importância de informar e ressaltar aos pais a necessidade da presença do aluno na escola. Percebemos o índice de ausências diminuíram consideravelmente e criou-se o hábito do pai informar à escola, o motivo pelo qual seu filho faltou. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 5

6 EE Dr. Alberto C. de M. Netto PMECs Helena C.S. Vieira e Kátia R.C. Aires Fernandes EE Albino César - PMECs Débora C. Vilanova e Rosimeire dos Santos EE Profª Carmosina M. Vianna PMEC Lidia Ginjo EE Profª Elza S. Monteiro PMECs Maria Claudimaria Vieira de Santana e Marli Aparecida J. Silva EE Prof. João Baptista Alves da Silva PMEC Anselma de Fátima Santiago Coelho EE Profª Philomena Baylão PMEC Ana Flora V. da Silva EE Cons. Ruy Barbosa PMEC José Manoel da Silva EE Bibl. Terezine Arantes Ferraz - PMEC Maurício Halt Introdução: A necessidade de gerir a mudança de forma construtiva, criando pontes de comunicação e relação entre pessoas, tempos e espaços. ( Boqué- 2003) Inovação educativa. Escola participativa. Mediação escolar: Prevenção de conflitos (violência, escolar e familiar entre Outras); Diminuição da evasão escolar. Objetivo Geral: Melhorar as relações interpessoais e incentivar o diálogo para resolução de problemas. Objetivos específicos: Para os gestores- promover o diálogo e construir as regras coletivamente; Para os professores- discutir formas de intervenção dando autonomia as ideias dadas pelos alunos; Para os funcionários- compreender as práticas escolares e da mediação para validá-las de maneira construtiva; Para os alunos- refletir sobre a importância do respeito, da cooperação e da solidariedade debatendo maneiras não violentas de reagir a situações diversas Justificativa: A necessidade de fazer com que os jovens entendam o Bullying e através de orientação sejam capazes de refletir sobre os problemas. Estratégias e ações: Sensibilização; orientações e palestras; apresentações; debates; campanhas ; montagem de cartazes; peças de teatro, pesquisas e trabalho de campo. Cronograma: Anual embasado no calendário escolar homologado. Avaliação: Observação da redução de conflitos (Bullying ) no âmbito escolar e familiar entre ouros; Redução nos números da evasão escolar: Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 6

7 Análises dos dados acima relacionados em reuniões semanais de ATPC, visando ideias colaborativas na continuidade do projeto para ao final conseguirmos seguir rumo a uma Cultura de Paz e também na evasão escolar. Projetos: ( em andamento ) * Água pura * Feira do verde * Grêmio estudantil Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 7

8 EE Alfredo Inácio Trindade PMEC Silvana Leite do Amaral EE Júlio Pestana PMECs Clarice Aparecida Lourenço e Eliana Fátima F. da S. Barboza INTRODUÇÃO A busca pelo aprimoramento educacional deve ser uma constante, porém sempre buscando um equilíbrio possível entre o desejo pelo aprimoramento e as reais situações vividas. JUSTIFICATIVA O crescimento, seja intelectual, social, econômico, pessoal ou uma coletânea desses. OBJETIVO GERAL Compreender e lidar com os conflitos, sendo importante que a escola gradualmente se transforme em uma cultura do diálogo, pois este é a verdadeira base de mudanças. AÇÃO: CULTURA DE PAZ e EVASÃO ESCOLAR OBJETIVOS ESPECÍFICOS Desafiar o educando a elaborar suas próprias respostas, para que as questões que tem de enfrentar experimentando novos modos de pensar e de fazer. Aproximar-se da rotina do aluno (conhecer em detalhes). Durante todo período, sempre que possível de maneira contínua. DEVOLUTIVAS Evasão escolar Acompanhamento regular das faltas, sejam em ATPC ou questionamento junto aos professores sobre reincidências. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 8

9 EE Profª Amenaíde Braga de Queiroz PMEC Janete do N. Cruz Evasão Escolar Justificativa Constatação de alunos faltosos, conforme registro diário do professor e fichas de controle diário da escola. Objetivo Estabelecer um maior contato entre Escola e Família, para juntos combatermos as dificuldades e atingirmos um dos maiores objetivos, que é a permanência do aluno para o ensino e aprendizagem. Público alvo: Estudantes do Ensino Fundamental e Médio. Ações desenvolvidas: Acompanhamento da frequência dos alunos por todos os segmentos da escola. Contato com os responsáveis através de telefone e/ou carta. Conversa com os alunos que estiverem apresentando número de faltas excessivo e encaminhamento à Coordenação Pedagógica para possível reposição de conteúdo através de trabalhos e pesquisas. Repasse das informações à equipe gestora sobre os alunos faltosos após os contatos ou tentativa de contatos. Comunicação ao Conselho Tutelar da situação de alunos faltosos quando a Escola não conseguir inverter a situação. Outros Atendimento a alunos encaminhados pelos professores; retorno do atendimento em ATPC. Atendimento a pais/alunos: 2ª, 4ª, e 6ª- das 7h00 as 12h00, 3ª e 5ª- das 13h00 as 17;00 Permanência no pátio durante o intervalo; observação, diálogo, etc. Realização de projetos motivadores, como: Incentivo à música e dança (Arte); campeonatos (Ed. Física), etc. A vivência de tais atividades farão com que melhorem o desempenho e a permanência do aluno na escola. Toda sexta-feira deixar o aparelho de som à disposição dos alunos durante o intervalo. A ideia é convidar os alunos para apresentar uma oficina durante o intervalo. Exemplo: o 3º A tem um grupo de alunos que gosta de Rap. O 3º B tem um grupo que toca algum instrumento, o 3º C tem um grupo de dança, etc. Eles se organizam e avisam com antecedência para a apresentação. Promover festas das quais os pais possam participar; ver as apresentações dos filhos. Aulas vagas e sem professor eventual: Aproveitar este momento verificando a possibilidade de levá-los para a sala de vídeo, para assistir filmes, fazer leitura de materiais relacionados à prevenção da violência; promover uma cultura de paz. Combinar com os professores e a cada 15 dias levar uma sala. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 9

10 Avaliação A avaliação será contínua e realizada por toda a equipe docente e gestora, valorizando as atividades estimulantes e enriquecedoras que contribuirão para a permanência do aluno na escola e para o seu pleno desenvolvimento. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 10

11 EE Angelo Bortolo PMECs Maria Ivaneide de Almeida Neves e Andréa Lopes Sanches da Silva EE Johann Gutenberg PMEC André de Matos Introdução: A gestão escolar se configura como uma atividade conjunta dos elementos envolvidos, em que as responsabilidades e os objetivos são compartilhados de forma conjunta. Compartilhar com a equipe e a comunidade os sonhos, as esperanças, as dúvidas e os anseios surgidos na busca de mudança parecem ser uma das formas de construir uma nova realidade. Justificativa: Acreditar na escola como a instituição fundamental para o pleno desenvolvimento de uma pessoa, comunidade, cidade e país é o norte que guia esta proposta. Confiar no professor como ser humano/profissional capaz de promover uma aprendizagem significativa, cultivar valores e espalhar a paz é o que impulsiona a realização deste projeto. Desejar, almejar, sonhar, crer que todo aluno merece uma boa formação, merece atenção e respeito diante das suas necessidades, e crer, sobretudo, que este aluno é capaz de aprender e tornar-se um cidadão bem sucedido através do que construiu na escola é o que tem estimulado toda a minha vida enquanto educador, e agora, aspirante à função de gestor escolar. Objetivo geral: Pretendemos desenvolver nosso trabalho embasado em valores como: comprometimento, pois acreditamos no potencial de nossa comunidade escolar, e com isso buscaremos o envolvimento de todos para o sucesso de nossos alunos; inovação, incentivando formas diversificadas para desenvolvimento de ações que favoreçam uma aprendizagem significativa; integração escola-família-comunidade, para alcançarmos efetivamente uma gestão participativa centrada no desenvolvimento do aluno, buscando desenvolver suas potencialidades para o pleno exercício da cidadania. AÇÃO: Pretendemos, de acordo com os princípios explicitados na introdução e no campo teórico deste trabalho, pautar nossas ações na democratização, na gestão participativa, contando com a colaboração do corpo docente, discente e da comunidade escolar, inclusive no que diz respeito à administração dos recursos financeiros, promovendo, portanto, a efetiva transparência na prestação de contas e na tomada de decisões. Objetivos específicos: Diante do exposto, consciente de que todos os membros da comunidade escolar têm direito de participar da gestão e de seu andamento, bem como da necessidade de acompanhamento sistemático dos resultados, o que permite reconhecer o mérito de quem obtém bons resultados e as deficiências a serem sanadas, nosso objetivo é consolidar um trabalho através do qual este educandário seja capaz de assegurar educação de qualidade social para todos, com inclusão e respeito aos direitos humanos, ao exercício da cidadania e à valorização da cultura. Observamos no contexto dos educandos o uso do facebook e whatsapp, e isso mostra a tecnologia às portas da Educação, entrementes, o docente orientará o discente a uma formação de conteúdo específico, para não usar a informática para meios ilícitos e corromper a boa formação escolar. Isso, com ajuda dos pais. A comunidade inserida na escola, o Mediador Escolar veio como um interveio das situações, à compreensão, ao entendimento, à boa conclusão. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 11

12 Estratégias metodológicas e evasão: A escola está inserida em um processo de busca da identidade, em que se evidencia alto índice de evasão e repetência e baixo desempenho escolar e acreditando ser a escola um espaço privilegiado de construção do conhecimento, a mesma precisa acompanhar as transformações da sociedade, considerando as diversas formas de trabalhar o pensamento humano e outras formas de organização e convivência, onde este espaço se autoriza como contexto de aprendizagem para toda a comunidade que com ela se relaciona. Buscando desenvolver ações neste contexto, entendemos que através da construção participativa do projeto político da escola, referendado na Lei de Diretrizes e Bases da Educação e suas resoluções complementares, faz-se necessário um movimento de integração curricular. Acreditamos que a elaboração de um currículo participativo, flexível e atualizado em consonância com as mudanças sócias, possibilitará a melhoria da qualidade do ensino aprendizagem, favorecendo a permanência na escola e a formação integral do sujeito, bem como a inclusão social para o exercício da cidadania e do trabalho. CRONOGRAMA E AVALIAÇÃO Sucesso educativo 1. Ter sempre o compromisso com a efetiva aprendizagem dos alunos; 2. Elevar o índice de aprovação e reduzir os índices de reprovação e evasão; 3. Melhorar o desempenho dos alunos em avaliações externas, como SARESP, ENEM e Vestibulares. Disciplina/comportamentos 4. Diminuir o número de situações de indisciplina dentro e fora da sala de aula; 5. Promover ações que levem a construção de uma CULTURA DE PAZ ENTRE A ESCOLA E SUA COMUNIDADE; Instalações e equipamentos 6. Garantir e melhorar a qualidade das instalações escolares. Questões ambientais 7. Desenvolver projetos comprometidos com a educação ambiental e a sustentabilidade; Relação com a comunidade 8. Promover encontros bimestrais com os pais ou responsáveis através de reuniões de pais e mestres. 9. Garantir junto à comunidade escolar a transparência e a democracia na tomada de decisões; Órgãos colegiados 10. Garantir a democratização e funcionamento dos órgãos colegiados, a exemplo do Grêmio estudantil. CONCLUSÃO: Uma das principais vantagens da elaboração deste trabalho reside no fato de proporcionar um melhor conhecimento sobre o trabalho da Mediação, pautada nas Leis Estaduais do Estado de São Paulo, conhecimento esse que o Mediador deve-se redigir e usar no dia a dia escolar, buscando a inteiração dos alunos e o Mediador Escolar. Espera-se ainda a compreensão dos gestores e dos pais conforme as Leis Vigente no Estado. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 12

13 EE Prof. Antonio José Leite PMECs Regina Aparecida de Jesus e Maria do Carmo de Oliveira Ações Prioritárias a serem desenvolvidas para inibir a evasão escolar: (Conversas individuais com os alunos faltosos, indisciplinado ); Prevenção Drogas e Álcool, Sexualidade (Roda de Conversa); Projeto Valorizando A VIDA (Voltado aos adolescentes que se cortam); Protagonismo Juvenil - Projeto articulado com o Grêmio escolha dos Representantes de Sala, oficinas de dança e jogos na hora do intervalo (mini-campeonatos); Trabalhar a Leitura de Crônicas, Contos, Notícias, Poemas etc., nas aulas vagas. 1º bimestre Promover, sempre que possível, atividades pedagógicas aos alunos visando a cultura de paz; Registrar todo e qualquer atendimento, com indicações de quem encaminhou, turma\aluno, data e hora; (dar ciência ás famílias do ocorrido); Dar feedback nas ATPC das ocorrências encaminhadas à Mediação, assim como verificar com os docentes possíveis casos que a direção escolar; Ação Prioritária Definição de Perfis alunos/professores Regras de Convivência; Elaborar um Questionário e aplicar nos alunos indisciplinados e novos onde os alunos responderam e deixaram algumas características, que vão definir o seu perfil desta forma poder conhecer sua fragilidade e suas tendências em abandonar a escola a qualquer momento; Discutir e estabelecer consensos com relação de convivência ao regimento da escola que deve primar por regras que tenha de fato sentido, (trabalhar desde o primeiro bimestre); Visitar as salas de aulas acompanhadas pelo (a) respectivo Coordenador (a); Constituir dois representantes de alunos por sala através de indicação do grupo para: (Efetuar uma Reunião com os mesmos com a finalidade de estabelecer padrões de convivência com regras a serem cumpridas pelos alunos da sala) Atualizar juntamente com a Coordenação a relação de alunos frequentes em cada sala; Motivar os alunos para melhorar o rendimento escolar; Trabalhar a questão do BULLYING e CYBERBULLYING sempre que houver necessidade através de textos, filmes, peça de Teatro com técnicas aprendidas no Sou da Paz, vídeos exibidos no Fantástico e outros; Grêmio Escolar socializar atividades recreativas e culturais desde o 1º bimestre, desta forma os alunos passam a se sentir pertencente a escola porque sua voz será ouvida no grupo, estimulando sua participação nos eventos e decisões e assim obter melhora do comportamento, assiduidade, respeito etc.; Participar semanalmente nas ATPC s com os professores correspondentes as séries com devolutivas das ocorrências na semana seguinte; Projeto Água (Será desenvolvido no primeiro e segundo bimestre); Projeto Resgate da Autoestima e Valores 2º BIMESTRE (Protagonismo Juvenil diálogo aberto) Evasão Escolar Visitar as salas de aulas acompanhadas pelo (a) respectivo (a) Coordenador(a); Efetuar uma Reunião quinzenalmente com os representantes de alunos por sala com a finalidade de verificar se as regras de convivência estão sendo cumpridas; Atualizar juntamente com a Coordenação a relação de alunos frequentes em cada sala; Apresentar a devolutiva da Planilha de Evasão de Alunos ATPC s Motivar os alunos para melhorar o rendimento escolar; Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 13

14 Convocar os pais dos alunos com dificuldades de aprendizado para uma roda de conversa, fazendo uma parceria colocando a necessidade de cobrar dos filhos o estudo diário, no caso de pais analfabetos conscientiza-los que seus filhos podem ter um futuro melhor; Palestras contando com as parcerias das (UBS/DIONÍZIA e CAPS), trazer palestrante : (sexualidade, alcool e drogas) roda de conversa com os pais, quando percebermos mudanças de comportamentos nos alunos; Acompanhamento da Frequência (ligar para o responsável, procurar saber o motivo das faltas, verificar se tem atestado médico); Projeto Água (Finalização do Projeto) Resgate da Auto-Estima e Valores Elaborar um Plano de Trabalho para o segundo semestre do ano letivo de acordo com o período dos alunos de acordo com as necessidades da escola; Elaborar um Relatório das atividades realizadas para apresentação na Reunião Geral de Final de Semestre, salientando inclusive os fatores facilitadores e os dificultadores para apoiar a comunidade escolar. (baseado no respeito e na diversidade escolar) 3º BIMESTRE (Protagonismo Juvenil diálogo aberto) de Trabalho para o segundo semestre do ano letivo de acordo com o Elaborar um Plano período dos alunos Efetuar uma reunião quinzenalmente com os alunos representantes de alunos por sala com a finalidade de verificar o cumprimento das regras estabelecidas pelos alunos da sala; Atualizar juntamente com a Coordenação a relação de alunos frequentes em cada sala; Apresentar a devolutiva da Planilha de Evasão de Alunos; Motivar os alunos do E.M., para não desistirem de estudar pois estão atingindo a reta final, mesmo que haja dificuldades de conciliar a escola com o trabalho, Convocar os responsáveis para alerta-los e orientá-los no caso de alunos que não conseguiram atingir o rendimento escolar no 1º e 2º bimestre; Mudanças de endereço: solicitar do responsável a transferência do aluno quando não for possível permanecer nesta escola, devido a mudança de endereço. 4º bimestre Protagonismo Juvenil - diálogo aberto; Resgate da Autoestima e Valores Levantamento dos alunos frequentes no final do ano letivo; Acompanhar a frequência dos alunos em Recuperação. Atualizar juntamente com a Coordenação a relação de alunos frequentes em cada sala; Apresentar a devolutiva da Planilha de Evasão de Alunos; Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 14

15 EE Arnaldo Barreto PMEC Cristina Tschirk Introdução O Plano de Trabalho da PMEC da escola E.E. Arnaldo Barreto, faz parte do conjunto de ações diárias dos professores coordenadores, que tenham laços de afetividade aos colegas professores devemos nos esforçar em compreender o papel de cada função, respeitando as decisões, orientações, o gerenciamento e a cobrança de resultado de uma escola humanizada. Nas ATPC s reestimulam os docentes, incentiva conversas abertas para que o grupo fale de suas dificuldades, repassam orientação do diretor e supervisão propiciam trocas de experiências entre o grupo, no sentido de melhorar o ambiente em sala de aula. A troca de informações da PMEC é diária de maneira que o corpo docente, se sente em seguir as instruções repassadas nas ATPC s informando a frequência irregular facilitando o contato com as famílias e ao Conselho Tutelar. A mediação além de acolher os alunos e suas famílias, também encoraja os colegas de trabalho valorizando a sua atuação em sala de aula, passa para os alunos a importância de cada disciplina sugerindo um novo olhar com o aprendizado dentro da escola, o contato com os alunos e suas famílias facilita a ajudar os docentes a lidarem com a indisciplina do aluno. Todos os bimestres -Ações Prioritárias s serem desenvolvidas para inibir a Evasão Escolar *Discutir e estabelecer consensos com relação de convivência ao regimento da escola que deve primar por regras que tenha de fato sentido ( trabalhar desde o primeiro bimestre ). *Visitar as salas de aulas acompanhadas pelo coordenador.( Desde o 1º Bimestre ) *Constituir dois representantes de alunos por sala através de indicação do grupo. *Efetuar uma Reunião com os mesmos com a finalidade de estabelecer padrões de convivência com regras a serem cumpridas pelos alunos da sala. ( A cada 15 dias, desde o 1º bimestre ). *Atualizar juntamente com a Coordenação a relação de alunos frequentes em cada sala.( todos os bimestres ) *Motivar os alunos para melhorar o rendimento escolar. ( desde o 1 º bimestre ). *Trabalhar a questão do Bulling sempre que houver necessidade através de textos, peças de teatro com técnicas aprendidas no Sou da Paz, vídeos exibidos pelo Fantástico e outros. *Reunião semanalmente nas ATPC s com os professores correspondentes as séries com devolutivas na semana seguinte. *Protagonismo Juvenil - diálogo aberto. *Convocar os pais dos alunos com dificuldades de aprendizado para uma roda de conversa fazendo uma parceria colocando a necessidade de cobrar dos filhos o estudo diário, na caso de pais analfabetos conscientiza-los que seus filhos podem ter um futuro melhor. *Palestras contando com as parcerias desde o 1º bimestre ( UBS /Mariquinhas ),trazer palestrantes ( sexualidade, álcool e drogas ) roda de conversa com os pais, quando percebemos mudanças de comportamento nos alunos. *Acompanhamento de frequência ( ligar para o responsável, procurar saber o motivo das faltas, solicitar atestados médicos ) *Convidar as Mães para uma singela homenagem dos alunos. *Convidar as famílias para participarem da Festa Junina na escola ( barracas, danças ) e outras datas comemorativas durante o ano. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 15

16 *Motivar os alunos do E. M., para que não desistirem de estudar pois estão atingindo a reta final, mesmo que haja dificuldades de conciliar a escola com o, trabalho. *Convocar os pais/ responsável para orienta-los no caso de alunos que não conseguiram atingir o rendimento escolar no final de cada bimetsre. *Mudanças de endereço solicitar do responsável a transferência do aluno quando não for possível permanecer nesta escola, mudanças de telefone de suma importância informar a escola em caso de necessidade. *Acompanhar a frequência dos alunos em Recuperação. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 16

17 EE Assis José Ambrósio PMECs Alice Aparecida Ducca Nogueira e Maria de Jesus S. Pinheiro EE Tito Prates da Fonseca - PMECs Márcio Francisco de Oliveira e Maria Aparecida dos Santos Justificativa A escola é o espaço de ensino, aprendizagem e para que esse processo aconteça, a presença do aluno é fundamental, e quando isso não ocorre a criança ou o adolescente está sofrendo uma grave violência. Esse problema do abandono escolar, tem se tornado uma preocupação para educadores e também aos responsáveis pelas politicas públicas. Para que esse fato não continue acontecendo, é necessário que comunidade escolar, a Rede de Proteção Social da Criança e Adolescente; se junte para reverter essa realidade. Publico Alvo: Alunos de Ensino Fundamental I Alunos de Ensino fundamental II Alunos do Ensino Médio Objetivos: A meta principal é reduzir significativamente o abandono escolar, evitando a infrequência garantindo o direito de acesso, permanência e sucesso do processo Ensino Aprendizagem, no espaço escolar à todas as crianças e adolescentes. Para que isso ocorra estamos buscando mecanismos de controle do abandono, através de acompanhamentos, buscando trazer a família como nossa aliada Temos como objetivo promover reuniões, debates e ações conjuntas entre os profissionais da área, pais, mães, estudantes e comunidade em geral, despertando a responsabilidade de cada um na inclusão e permanência das crianças e dos adolescentes na escola. Mapear as causas da exclusão e abandono escolar, definindo as ações de acordo com as necessidades de nosso entorno. Em parceria com professores, desenvolver projetos que possa envolvê-los criando hábitos que fortaleçam os laços familiares, a solidariedade e a responsabilidade. Conclusão: Nosso trabalho tem por objetivo o combate à indisciplina e violência na Escola, para melhor aprendizagem que vise o educando. Portanto, torna-se indispensável a parceria de professores, família e próprios alunos. E em conjunto com Equipe Gestora e professores possamos mostrar que é possível melhorar a nossa Escola, e se necessário redimensionar as estratégias ou elaborar novas ações, e por fim continuarmos nosso trabalho já em andamento buscando mudar essa realidade. Plano de Ação: Nosso objetivo para 2015 é novamente em parceria com professores trabalhar o jornal da escola, e montar a musica no intervalo para que o educando passe a ver a escola como um espaço seu, visando principalmente diminuir a indisciplina e a evasão escolar. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 17

18 EE Prof. Carlos de Laet PMEC Neidjane de Souza Santos 1. Ações para minimizar a evasão escolar: 1.1- Abordagem aos alunos com o objetivo de perceber quais seus interesses e expectativas em relação a escola e desenvolver projetos que atinjam tais interesses e expectativas Incluir projetos que estimulem o educando a refletir quanto a necessidade de frequentar o ambiente escolar, a fim de aprimorar seus conhecimentos Valorizar o desempenho do aluno, elevando assim sua autoestima. Todo final de bimestre serão destacados os alunos de cada série que apresentaram bom rendimento e melhoras em suas atitudes disciplinares. Os alunos destaques terão seus nomes no mural da escola e um momento junto com o corpo docente onde será servido um lanche Entrar em contato com o responsável caso o aluno deixe de frequentar a unidade escolar, oferecendo condições de retorno ao mesmo Nas reuniões bimestrais de pais/e ou responsáveis, orientá-los quanto a necessidade da frequência do aluno nas aulas. 2. Ações para minimizar a violência escolar: 2.1- Dar sequência ao projeto Dialogando com o Teatro, em virtude dos bons resultados e metas alcançadas com os alunos dos 9 anos e 3 médio.o projeto nutre a conscientização dos alunos, no que se diz respeito a valores que fortalecem a convivência harmoniosa no ambiente escolar Criação de Fotonovela como mais um instrumento para harmonizar a convivência Escolar Solicitar mais instituições parceiras, com o objetivo de trazer ao ambiente escolar e familiar, palestras motivadoras e de interesse comum, buscando nos auxiliar em nossas ações de melhorias para fortalecimento de vínculos. 2.4 Dar sequência ao contato com a Instituição parceira (Faculdade ESANC), que muito nos auxiliou no ano anterior com suas palestras. Este ano o contato foi bastante enriquecedor com o agendamento de palestras motivadoras para todo o decorrer do ano letivo para as série finais do Ensino Fundamental e todas as séries do Ensino Médio. Em anexo cronograma das palestras. 2.5 Dar sequência nas reuniões na área de assistência social com o propósito de aprimorar e enriquecer o contato com a comunidade escolar indicando os encaminhamentos necessários. 2.6 Participar da Comissão Eleitoral do Grêmio Estudantil e das oficinas orientadoras para o fortalecimento de conhecimentos necessários a participação consciente e significativa dos componentes. As oficinas serão baseadas no material do Instituto Sou da Paz. Palestras esamc DIA HORÁRIO SÉRIE TEMA 20/02 10 HORAS PLANEJAMENTO ESTRESSE PROFESSORES 20/03 9h ÀS 10H 3ª A ORGANIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO 10h ÀS 11H 3ª B ORGANIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO 27/03 9H ÀS 10H 2ª A/B ORGANIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO 10H ÀS 11H 2ª C/D ORGANIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO 08/04 11HORAS ATPC COMO LIDAR COM OS NATIVOS DIGITAIS 15/04 9H ÀS 10H 3ª A MERCADO DE TRABALHO 15/04 10H ÀS 11H 3ª B MERCADO DE TRABALHO 17/ 04 08H ÀS 09H 8ª A SUSTENTABILIDADE Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 18

19 17/04 09H ÀS 10H 8ª B SUSTENTABILIDADE 17/04 10H ÀS 11H 8ª C SUSTENTABILIDADE 13/05 08H ÀS 09H 1ª A SUSTENTABILIDADE 09H ÀS 10H 1ª B SUSTENTABILIDADE 27/05 08H ÀS 09H 1ª C SUSTENTABILIDADE 09H ÀS 10H 1ª D SUSTENTABILIDADE 09/06 9H ÀS 10H 3ª A EIXO DE NEGÓCIOS - ADMINISTRAÇÃO 09/06 10H ÀS 11H 3ª B EIXO DE NEGÓCIOS - ADMINISTRAÇÃO 11/08 9H ÀS 10H 3ª A ENEM 10H ÀS 11H 3ª B ENEM 17/09 09H ÀS 10H 3ª A COMO ORGANIZAR SEU CURRÍCULO 10H ÀS 11H 3ª B COMO ORGANIZAR SEU CURRÍCULO 20/10 09H ÀS 10H 3ª A ENTREVISTA DE EMPREGO 10H ÀS 11H 3ª B ENTREVISTA DE EMPREGO 04/ 11 09H ÀS 10H 3ª A ATUALIDADES 10H ÀS 11H 3ª B ATUALIDADES Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 19

20 EE Castro Alves - PMEC Marisa Umbelina S. Santos EE Cônego João Ligabue - PMEC Andrea Piccinin Moreno Introdução Mediar conflitos existentes na unidade escolar. Justificativa Aluno deve frequentar as aulas e para que isso possa ser cobrado e levado aos pais, analisar semanalmente a frequência do mesmo durante as ATPCs com os professores. Semear a cultura de paz, de forma que possamos criar um ambiente tranquilo para aprendizagem e desenvolvimento. Conversar e dialogar, evitando situações difíceis com a equipe escolar. Objetivo geral Garantir a frequência dos alunos e harmonia no ambiente escolar. Ação Acompanhar os casos de evasão escolar (semanalmente nas ATPCs) e convocar a família para esclarecer e justificar as faltas. A partir desse momento, a escola criará uma ação para que o mesmo volte a frequentar as aulas de forma motivada. Desenvolver atividades com os alunos em aulas, onde esteja com falta de professor e/ou nos intervalos para semear a cultura de paz. Objetivo específico Trabalhar as questões que levam o aluno a faltar, criando situações que o resgate, tais como música, teatro, etc., e verificar se existe algum problema com professor ou aluno que possa ser resolvido, por meio de diálogo e orientações. Estratégias Criar ambientes propícios ao diálogo e respeito entre professor-aluno, aluno-aluno, etc para que possa existir uma convivência saudável e que possa proporcionar ambiente de aprendizagem. Trabalhar com filmes, palestras, tratos, etc., que motive a todos a estar na escola e, que ao mesmo tempo, tragam-lhe conhecimento. Cronograma Semanalmente. Avaliação Contínua, antenada ao aluno e professores, de forma a valorizar o ambiente harmônico. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 20

21 EE D. Cyrene de Oliveira Laet PMEC Maria Dalva Furtado O abandono escolar e a evasão escolar sempre foi fator preocupante, vez que se potencializa as condições de riscos, estimulando-se a perspectiva de práticas infracionais, o consumo e o tráfico de drogas. A partir de uma investigação realizada nos anos de 2013 e 2014, buscou-se identificar, também a percepção das alunas e dos professores sobre as possibilidades de prevenção da gravidez de adolescentes e da evasão escolar dessas menores. Já demos início a esse plano em 2014 e manteremos o trabalho no ano de 2015 e anos subsequentes, visto a demanda da Unidade Escolar. Esse segundo tema trará informações sobre o que é a adolescência e como se processa a gravidez, além de observar o que os Parâmetros Curriculares Nacionais indicam para nortear o trabalho da escola no seu currículo escolar. A prevenção será a principal contribuição da escola tanto para evitar a gravidez indesejada como para impedir a evasão daquelas que já estão na situação de gestação e precisam ser apoiadas. Um terceiro tema discutido pela equipe escolar é a elaboração e discussão sobre Normas de Convivência. As normas de convivência estão pautadas no convívio entre a comunidade escolar e o respeito da realidade individual, a diversidade de ideias de cada um. A escola valoriza o respeito, a responsabilidade e a solidariedade. Quando é necessário fazer alguma advertência ao aluno procura-se, através do diálogo, conscientizá-los da importância de aceitar críticas para o crescimento pessoal e desta forma ter condições de desenvolver um bom relacionamento com o outro no convívio social. A escola procura valorizar os pais e alunos respeitando-os, acatando sugestões, atendendo-os com cortesia sempre que ela é solicitada. É incentivando o livre acesso dos pais e alunos à escola permitindo assim, a aproximação com toda a comunidade escolar. O resgate dos papéis de cada um dos atores do sistema de ensino se implementou após colhimento de sugestões dos professores em reuniões de ATPC na área educacional e os fatores correlacionados a realidade de nossa comunidade escolar, além das discussões com a comunidade no dia da Avaliação Institucional (Dia D). Assim, buscaremos, em 2015, ações divididas em etapas: 1º bimestre Convocação dos pais e alunos, em etapas diferentes, alertando e esclarecendo acerca dos comportamentos antissociais dos alunos, dos descompromissos e negligências dos pais com relação ao acompanhamento do processo educacional de seus filhos, resgatando o ânimo e confiança dos educadores e funcionários da escola. Palestras de parte da Equipe Gestora (Coordenação e Mediação) e instituições parceiras (Faculdades, Postos de Saúde, Fábrica de Cultura, Museus,etc.) Atividades em que os jovens atuem como protagonistas (Teatro, Dança) 2º bimestre Convocação dos pais e alunos, em etapas diferentes, alertando e esclarecendo acerca dos visando um trabalho coletivo dos atores sociais, os educandos evadidos devem ser incluídos no grupo recebendo Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 21

22 orientações que visem a sua reintegração. Governo do Estado de São Paulo Palestras da Equipe Gestora (Coordenação e Mediação) e instituições parceiras (Faculdades) 3º bimestre Desenvolvimento de Palestras Educativas para os alunos, envolvendo parcerias com Posto de Saúde e outros, tendo como tema: Sexualidade, Drogas e Meio Ambiente direitos e deveres, entre outros. Parceria com professores da área de Ciências da Natureza (Biologia, Física, Química) 4º bimestre Desenvolvimento de Palestras Educativas para os alunos e pais, resgate das idéias básicas das palestras e de sua relação com outros temas já apresentados, visando a cultura da paz. Desta forma os pais devem entender que a Educação dos filhos não faz parte somente da escola, e sim a escola contribui para esta educação, portanto, cabe aos pais e a sociedade ser a base destes jovens. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 22

23 EE Min. Dilson Funaro - PMEC Elaine Zanolini Acompanhar os alunos na entrada e saída dos períodos Elaborar de forma clara e prática os registros da mediação Participar das reuniões de Pais e Mestres e dos Conselhos de Classe e Série Manter atualizados os telefones e endereços dos alunos Fazer um trabalho de conscientização sobre Bullying Postar as ocorrências no ROE Conscientizar os alunos da importância do papel que eles exercem como representantes de sala Conhecer os projetos pedagógicos da escola Procurar solucionar de forma imparcial os problemas que aparecem no dia a dia Conhecer o ECA Verificar semanalmente os alunos faltosos Intervenções necessárias em ATPC semanário, dando retorno aos professores dos contatos feitos com os alunos faltosos PROJETO RECREIO DIRIGIDO Objetivo geral Fazer com que o aluno sinta momentos agradáveis e consiga despertar o interesse de integração Objetivo especifico Aumentar o repertório de brincadeiras infantil, Participar de situações de socialização, Participar de jogos que sejam trabalhadas regras em grupo, Promover a defesa do direito da criança de brincar; Incentivar o brincar que dá oportunidade à criança de escolher livremente o como e com quem quer brincar Estimular a transmissão de valores e cultura da comunidade pela interação das gerações mais velhas com as mais novas; Proporcionar momentos agradáveis e de prazer; Criar laços de amizade; Estimular o trabalho em grupo; Incentivar o trabalho em equipe; Promover o hábito de brincar. Ampliar as possibilidades expressivas nas brincadeiras, jogos e demais situações de interação Justificativa Proporcionar as crianças momentos de convivência saudável, amiga, criativa e construtiva; pois através da brincadeira a criança atribui sentido ao seu mundo, se apropria de conhecimentos que a ajudarão a agir sobre o meio em que ela se encontra. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 23

24 Algumas brincadeiras trabalhadas: Pular corda Amarelinha Bambolê Brinquedos diversos como: dominó, jogo da memória, trilha, jogo do mico, uno PROJETO EVASÃO ESCOLAR Objetivo Geral Assegurar a permanência do aluno na unidade escolar,evitando assim a evasão dos mesmos. Montar um plano de ação conjunto envolvendo o mediador, diretor,vice-diretor, coordenador, para tentar sanar esse problema. Objetivo Específico Detectar o problema e enfrenta-lo da melhor forma possível para proporcionar o retorno efetivo do aluno à escola. São muitos,os motivos que levaram os alunos a deixar a escola : entrando no mercado de trabalho, falta de interesse, dificuldade de aprendizado, doenças crônicas, deficiências no transporte escolar,falta de incentivo dos pais, e outros. Desenvolver ações dentro da comunidade escolar de forma a promover: - o acesso e a permanência do aluno na escola - conhecer os problemas do aluno interagindo com os familiares - criar nos familiares o censo de responsabilidade em relação à educação - reduzir o índice de evasão escolar; - aumentar a assiduidade dos alunos as aulas e demais eventos escolares; - elevar o interesse pelos estudos e a progressão nas séries subsequentes Estratégias Instituição do Diário Volante por sala de aula para chamada e controle de ausências, que será acompanhado semanalmente; entrar em contato com a família para que haja uma explicação. Os pais serão notificados, por meio de convocações, telefonemas,.cartas. Caso o aluno não retorne às aulas,será encaminhado para o Conselho Tutelar. Com os pais cientes das faltas de seu filho, e sabendo o que aconteceria caso o aluno não retornasse, a grande maioria das crianças voltaram a frequentar a escola. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 24

25 EE Prof. Eurico Figueiredo PMEC Elizabeth Christina de Souza Ramos Silva PROBLEMA Durante este ano observei situações as quais descrevo abaixo, que me fizeram refletir, a respeito da relação social. O que é na verdade é a relação social? Por que ela se faz necessária? As respostas para estes questionamentos é que vou tentar trabalhar durante o próximo ano letivo. O professor que não respeita o aluno ou o aluno que não respeita o professor, não pode se achar no direito de agredi-lo verbalmente ou fisicamente, esta atitude de ambos, acaba gerando um caos que está tornando a educação, não mais a formação de cidadãos e sim em descontroles absurdos em salas de aulas. A relação social no ambiente escolar depende de direitos e deveres de todas as partes, e cabe a cada um saber até onde prevalece suas imposições. Nesta relação social entre educador e educando, deve haver liberdades e limites de ambos, prevalecendo o respeito e a educação acima de tudo, afinal dentro de uma sala de aula todos estão aptos a ensinar e a aprender através de suas experiências. De maneira em geral, as escolas apresentam vários problemas: Há o problema da qualidade de ensino, da evasão, da repetência e do abandono (no sentido dos alunos que entram e saem da sala de aula, sem interesse e também de seus familiares). Da parte dos professores tem-se um ser humano com duplo sentimento. Por mais que tenha uma atitude crítica no que diz respeito ao salário e também as condições em sala de aula, os professores sempre tiveram um interesse social. Por maior que seja o problema, a esperança de mudar o cenário educativo é sempre o maior alvo para a maioria dos educadores. Tendo este princípio educativo em evidência, é que menciono a importância de se priorizar a convivência social dentro do meu plano de trabalho. Objetivos Mudar o foco da violência dentro da escola e começar a educar para a paz, que é um dos grandes desafios de nossa sociedade, Desenvolver valores como solidariedade, tolerância, respeito às diferenças, generosidade e humildade que estão cada vez mais distantes do mundo da escola, do aluno e da família. Trabalhar a agressividade no ambiente escolar, tanto a verbal quanto a física, de forma a desenvolver o sentimento de empatia. Derrubar os estigmas impostos ao aluno pelo ambiente escolar e familiar. Trabalhar o convívio de Professores, pais, alunos e funcionários dentro da escola. Estratégias Desenvolver as atividades através de filmes e cartazes, de sensibilização, e conscientização, que serão demonstradas através de aulas, debates, palestras, Teatros, Curta metragens, filmes e dinâmicas de grupo. Os alunos envolvidos farão pesquisas, apresentarão trabalhos variados desde confecção de murais a trabalhos envolvendo outros recursos áudio visuais disponíveis na escola. Acompanhar o desempenho da vida escolar, para que possa desenvolver suas competências e habilidades, favorecendo então a necessidade de buscar dentro de si o desejo de estar e de ser na sociedade a qual faz parte e merecerá destaque em um futuro próximo. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 25

26 Ações do mediador Políticas restaurativa para uma boa Convivência social; Saber ouvir e facilitar o diálogo entre um conflito e outro; Registros de ocorrências disciplinares; Invasão escolar; Evasão escolar, acompanhar frequência; Prevenção à prática do Bullying e/ou a qualquer outro tipo de discriminação; Prevenção ao uso de drogas; Atendimento aos Pais, alunos, professores e comunidade escolar; Trabalhar se possível com parcerias das UBS, CAPS, CRAS e CJ (Centro de assistência Juvenil); Acompanhamento do protagonismo juvenil (Grêmio Estudantil); Apoio e Elaboração a Projetos escolares; Projetos musicais; Projetos voltado ao teatro do Instituto Sou da Paz; Parcerias com os técnicos da medida sócio educativa do bairro; Projetos para trazer os Pais para vida escolar de seus filhos; Conservação do patrimônio escolar.( Controle do vandalismo ). Avaliação Será desenvolvida no decorrer do plano de trabalho, desta maneira compreendida como um processo contínuo. Observações se ao longo do processo os objetivos propostos foram atingidos, tendo como, instrumentos avaliativos elaborações de relatórios, questionários, entre outros. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 26

27 EE Cássio da Costa Vidigal PMEC Angelo Baruzzi Stefanini EE Felício Tonetti - PMEC Rachel Felipe Gonçalves Moreira PROJETO EVASÃO ESCOLAR Objetivo: Traçar estratégias para diminuir ou evitar a evasão escolar e garantir a permanência dos alunos na unidade escolar. Justificativa: A evasão escolar é um problema atual e necessita de uma ação imediata que busque o aluno evadido. Metodologia: Com base nas informações e dados da nossa escola sobre o número de crianças evadidas, sugere-se que: - verifique se há estímulos na escola para com os alunos; - atraia a comunidade em festas e/ou datas comemorativas; - elenque números de faltas excessivas; - convoque pais e ou responsáveis para ciência e questionamento das faltas; - conscientize os pais e/ou responsáveis sobre a importância dos estudos, e - alerte os responsáveis sobre as leis pela frequência dos filhos nas escolas. Avaliação: De acordo com a redução do número de quantidade de alunos evadidos. Observação: No início deste ano demos início a parceria com a Fábricas de Cultura Jaçanã, um projeto em que os alunos participam mensalmente de atividades propostas com o teatro, dança e música. Os alunos com dificuldades de aprendizagem, indisciplinas, alguns problemas de saúde mental, são encaminhados para fazerem oficinas, proporcionando a eles momentos agradáveis elevando a autoestima. PROJETO CONTACAO DE HISTÓRIA Público alvo: 1º ano Justificativa: A contação de historias propicia a criança inúmeras possibilidades de se desenvolver. Ela promove a interação, instiga a imaginação, e também para sua formação ao ouvir histórias. Escutá-las é o inicio da aprendizagem para ser leitor e ter um caminho absolutamente infinito de descobertas de compreensão do mundo. Desta forma o presente projeto se justifica pela necessidade de reavivarmos a arte de contar histórias dentro do contexto escolar, utilizando a história como um excelente recurso pedagógico para o desenvolvimento pleno da criança. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 27

28 Objetivo: -Resgatar a arte de contar história, das vivências deles e das famílias; -Desenvolver a linguagem oral; -Envolver as crianças num mundo de fantasia e imaginação; -Melhorar a interação e comunicação das crianças; Metodologia: Para os pequenos, ainda é difícil cumprir regras, cooperar e concentrar-se por muito tempo. Eles são egocêntricos e têm dificuldade de identificar e coordenar perspectivas. A inteligência da criança pequena é intuitiva - as regras são vistas como rígidas e cumpridas conforme seus interesses - e ela não tem força de vontade para persistir em atividades desinteressantes. Essas características são comuns, mas precisam de intervenções e de um ambiente estimulador. A escola deve auxiliar a criança a identificar seu ponto de vista e coordená-lo com o dos demais, a ver a necessidade de basear as ações em regras de convivência e se autorregular, para que, no futuro, possa ter condutas disciplinadas e autônomas. Convivendo em um ambiente em que atitudes como essas sejam o padrão, a criança vai, aos poucos, adquirindo autonomia e ficando mais apta a tomar decisões responsáveis. Cada aluno, em diferentes situações, coloca sempre novos desafios. Ele necessita de referências e de orientação. O que ele espera é ajuda para pensar. É importante que se coloque as regras, até que, efetivamente convictos, crianças e jovens possam gerenciá-las e, de forma autônoma, viver bem em sociedade. PROJETO: RECREIO PEDAGÓGICO Público alvo: Alunos do 1º ano a 4ª série do Ensino Fundamental Objetivos: Desenvolver a socialização dos alunos; Diminuir a problemática ocorrida nos intervalos; Promover a interação e conhecimento cultural. Justificativa: Levando em conta a quantidade de problemas que ocorrem durante o intervalo, pode-se perceber que com estratégias diferenciadas, é possível desenvolver atividades para minimizar estes problemas. Desenvolvimento As atividades propostas serão: Pátio: cesta de basquete, jogo do preguinho, elástico, dança e outros; Entre o pátio e a escada: corda, jogo quem quiser que conte outra, 5 Marias; Corredor das 4ª séries: jogos de tabuleiros e outros de salão; Pátio do refeitório: amarelinha e caracol. Os ambientes separados por atividades terão a supervisão de um agente para evitar os conflitos e proporcionar momentos de integração, cultura e lazer. Plano de Trabalho Mediação Escolar e Comunitária 28

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA...

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... JUSTIFICATIVA Desde o nascimento a criança está imersa em um contexto social, que a identifica enquanto ser

Leia mais

Transformação Humana em Educação e Mediação

Transformação Humana em Educação e Mediação Transformação Humana em Educação e Mediação O Instituto Them, empresa formada por psicólogas e mediadoras, presta serviços nas áreas de gestão de conflitos e comunicação. Apresenta como diferenciais a

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência Projeto Grêmio em Forma relato de experiência Instituto Sou da Paz Organização fundada em 1999, a partir da campanha dos estudantes pelo desarmamento. Missão: Contribuir para a efetivação, no Brasil, de

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL INSTITUIÇÃO SINODAL DE ASSINTÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA - ISAEC ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL SINODAL SETE DE SETEMBRO NÃO-ME-TOQUE /RS REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 1 SUMÁRIO 1- CARACTERIZAÇÃO DA

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PROGRAMA NACIONAL ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: EDUCAÇÃO E CIDADANIA

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: EDUCAÇÃO E CIDADANIA GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: EDUCAÇÃO E CIDADANIA Severino Virgulino de Souza 1 ; Gabriel dos Santos Souza Gomes 2 ; 1 Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências e Tecnologia, e-mail: svs_historia@hotmail.com

Leia mais

PROJETO PELA CULTURA DA PAZ

PROJETO PELA CULTURA DA PAZ PROMOTORIA DE JUSTICA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE DA COMARCA DE ITABIRA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSIO NOVA ERA SECRETARIA MUNICIPAL DE ITABIRA PODERES EM AÇÃO PELA EDUCAÇAO II ENCONTRO INTERSETORIAL

Leia mais

PIBID MATEMÁTICA DA UNISUL: O DESAFIO DA IMPLANTAÇÃO E OS PRIMEIROS RESULTADOS

PIBID MATEMÁTICA DA UNISUL: O DESAFIO DA IMPLANTAÇÃO E OS PRIMEIROS RESULTADOS Anais do III Simpósio sobre Formação de Professores SIMFOP Universidade do Sul de Santa Catarina, Campus de Tubarão Tubarão, de 28 a 31 de março de 2011 PIBID MATEMÁTICA DA UNISUL: O DESAFIO DA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR IMES - CATANDUVA CURSO DE PSICOLOGIA ATIVIDADES PRÁTICAS DE FORMACÃO

INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR IMES - CATANDUVA CURSO DE PSICOLOGIA ATIVIDADES PRÁTICAS DE FORMACÃO INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR IMES - CURSO DE PSICOLOGIA ATIVIDADES PRÁTICAS DE FORMACÃO 1 ATIVIDADES PRÁTICAS DE FORMACÃO O curso de Psicologia do IMES- se compromete com a organização e desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE TRABALHO SUPERVISÃO DE ENSINO SUGESTÃO DE ROTEIRO MENSAL DE ATIVIDADES - 2015

PLANO DE TRABALHO SUPERVISÃO DE ENSINO SUGESTÃO DE ROTEIRO MENSAL DE ATIVIDADES - 2015 PLANO DE TRABALHO SUPERVISÃO DE ENSINO SUGESTÃO DE ROTEIRO MENSAL DE ATIVIDADES - 2015 É a percepção da realidade que permite ao supervisor exercer uma função social e politicamente mais ampla, estimulando

Leia mais

12 DE MARÇO DIA ESTADUAL DA FAMÍLIA PRESENTE NA ESCOLA

12 DE MARÇO DIA ESTADUAL DA FAMÍLIA PRESENTE NA ESCOLA 12 DE MARÇO DIA ESTADUAL DA FAMÍLIA PRESENTE NA ESCOLA Mensagem de Boas-Vindas Diretor Atividade Cultural PROJETO ESTADUAL FAMÍLIA PRESENTE NA EDUCAÇÃO O Projeto FAMÍLIA PRESENTE NA EDUCAÇÃO compõe uma

Leia mais

Plano de Ação da Orientação Educacional. 01- Introdução

Plano de Ação da Orientação Educacional. 01- Introdução Plano de Ação da Orientação Educacional 01- Introdução O contexto desafiante da atual sociedade brasileira, demanda progressivamente uma educação de qualidade. Tarefa de tal magnitude, exige uma concentrada

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR Girlene dos Santos Souza 1 ; Danielle Lima de Oliveira 1 ; Josilene Maria de Almeida 2 ; Ana Maria Pereira de Lima 3 ; Ângela Cristina

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

Projeto Jornal Educativo Municipal

Projeto Jornal Educativo Municipal Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Santa Bárbara de Goiás Secretaria Municipal da Educação Santa Bárbara de Goiás - GO Projeto Jornal Educativo Municipal Santa Bárbara de Goiás Janeiro/2013 Estado

Leia mais

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014 sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (187) 31 32 São Paulo, 124 (187) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Resolução

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre as mudanças na legislação do Ensino

Leia mais

NOVA BRASILÂNDIA D` OESTE

NOVA BRASILÂNDIA D` OESTE Projeto NOVA BRASILÂNDIA D` OESTE 2012 ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ALEXANDRE DE GUSMÃO AUTORA: PROFESSORA AMANDA OLIVEIRA DE SOUZA ARAÚJO DISCIPLINA DE MATEMÁTICA PÚBLICO ALVO: TURMAS DO 5º ANO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COLETIVO JOVEM DE MEIO AMBIENTE: implantando COM-VIDAS no entorno da em escolas de Educação Infantil Maria Helena Ferreira Pastor Cruz lenafcruz@gmail.com Aline da Silva Ferreira aline.s.ferreira@hotmail.com

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010 Pais e Alunos Proposta de Trabalho Ensino Médio 2010 A partir de 2010 o nosso projeto pedagógico do Ensino Médio estará ainda mais comprometido com a formação integral

Leia mais

Anexos 2014 ao plano de Gestão Escolar do quadriênio 2011/2014

Anexos 2014 ao plano de Gestão Escolar do quadriênio 2011/2014 1 Aneos 2014 ao plano de Gestão Escolar do quadriênio 2011/2014 1) Documentos relativos à avaliação e desempenho escolar, quais sejam: 1.1) Boletins completos da série histórica no IDESP (cópias) e análise

Leia mais

Conselho escolar. CADERNO 3: Atribuições e funcionamento dos Conselhos Escolares

Conselho escolar. CADERNO 3: Atribuições e funcionamento dos Conselhos Escolares Conselho escolar CADERNO 3: Atribuições e funcionamento dos Conselhos Escolares PREFEITO: Carlos Magno de Moura Soares VICE-PREFEITO: João Guedes Vieira www.contagem.mg.org.br SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA GESTÃO ESCOLAR: OBSERVAÇÕES, PARTICIPAÇÕES E INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS

ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA GESTÃO ESCOLAR: OBSERVAÇÕES, PARTICIPAÇÕES E INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA GESTÃO ESCOLAR: OBSERVAÇÕES, PARTICIPAÇÕES E INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS RESUMO Eliane Barbosa Éllen Patrícia Alves Castilho Deyse Cristina Brandão Este trabalho refere-se

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE ARACAJU ESCOLA ESTADUAL PROF. VALNIR CHAGAS APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE ARACAJU ESCOLA ESTADUAL PROF. VALNIR CHAGAS APRESENTAÇÃO DA ESCOLA GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE ARACAJU ESCOLA ESTADUAL PROF. VALNIR CHAGAS APRESENTAÇÃO DA ESCOLA A Escola Estadual Prof. Valnir Chagas, sediada à Rua Itabaiana

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DR.SOLON TAVARES PLANO DE AÇÃO PARA DIREÇÃO DA ESCOLA TRIÊNIO 2016/2018 LÚCIO RENATO DE OLIVEIRA

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DR.SOLON TAVARES PLANO DE AÇÃO PARA DIREÇÃO DA ESCOLA TRIÊNIO 2016/2018 LÚCIO RENATO DE OLIVEIRA ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DR.SOLON TAVARES PLANO DE AÇÃO PARA DIREÇÃO DA ESCOLA TRIÊNIO 2016/2018 LÚCIO RENATO DE OLIVEIRA GUAIBA 2015 APRESENTAÇÃO Lúcio Renato de Oliveira Licenciatura

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Amambai 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Interdisciplinar Obs.: Para proposta

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR Cristina Marico Matsubara Prefeitura do Município de São Paulo cr.matsubara@gmail.com Emilio Celso de Oliveira Prefeitura

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais NASCIMENTO, C. C. S. 1 ;SILVEIRA, R. B. B. 2 ; MONTEFUSCO, C. 3 ; Resumo O projeto de ensino ora apresentado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PROJETOS SOCIAIS COMO FERRAMENTA PARA A INCLUSÃO SÓCIO-EDUCACIONAL DA CRIANÇA: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS-CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DOS PROJETOS SOCIAIS COMO FERRAMENTA PARA A INCLUSÃO SÓCIO-EDUCACIONAL DA CRIANÇA: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS-CRIANÇA 1 A IMPORTÂNCIA DOS PROJETOS SOCIAIS COMO FERRAMENTA PARA A INCLUSÃO SÓCIO-EDUCACIONAL DA CRIANÇA: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS-CRIANÇA Ana Paula Santana GIROTO 1 Anselmo Pereira MARQUES 2 RESUMO:

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07 BACABAL-MA 2012 PLANO DE APOIO PEDAGÓGICO AO DOCENTE APRESENTAÇÃO O estímulo à produção intelectual do corpo docente é uma ação constante da Faculdade de Educação de Bacabal e para tanto procura proporcionar

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

Dia da família na escola. 13 de março de 2010

Dia da família na escola. 13 de março de 2010 1 Dia da família na escola 13 de março de 2010 Sugestões de atividades Desde 2009, o Amigos da Escola tem incentivado às escolas participantes do projeto a tornar os dias temáticos em dias da família e

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL

GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL Camila Petrucci dos Santos Rosa. Eliana Marques Zanata. Antônio Francisco Marques. UNESP/Bauru. CAPES/PIBID. camilinha_rosa@hotmail.com. eliana@fc.unesp.br.

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 I - CARACTERIZAÇÃO... 5 II OBJETIVOS:... 6 III AS ATRIBUIÇÕES DA(O) ESTAGIÁRIA(O):... 7 IV - MODALIDADES

Leia mais

FATEGÍDIO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

FATEGÍDIO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FATEGÍDIO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL T. OTONI, DEZEMBRO DE 2010 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 2 METODOLOGIA DA PESQUISA... 9 3 FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO...12 4 CONCLUSÃO...

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR SOB O PONTO DE VISTA PEDAGÓGICO: A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES

A GESTÃO ESCOLAR SOB O PONTO DE VISTA PEDAGÓGICO: A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES A GESTÃO ESCOLAR SOB O PONTO DE VISTA PEDAGÓGICO: A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES TAMASSIA, Silvana Ap. Santana Pontifícia Universidade Católica- PUC/SP Esta pesquisa busca

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Grupo Atitude Vila Macedo

Mostra de Projetos 2011. Grupo Atitude Vila Macedo Mostra de Projetos 2011 Grupo Atitude Vila Macedo Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Centro de Referência

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE

A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE Raquel Silva Borges, Bolsista PET (Re) Conectando Saberes - UFU Ana Paula de Assis, Bolsista PIBID- Subprojeto

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 O PROJETO DE EXTENSÃO MATEMÁTICA LEGAL

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PIBID 1 NA FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. Viviane Kalil Fadel Plombon * PUCPR Resumo Para que ocorra um trabalho de qualidade em uma

Leia mais

UM PROGRAMA PARA RESGATAR O PAPEL TRANSFORMADOR DA MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA OS DESAFIOS DE UMA NOVA ESCOLA

UM PROGRAMA PARA RESGATAR O PAPEL TRANSFORMADOR DA MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA OS DESAFIOS DE UMA NOVA ESCOLA UM PROGRAMA PARA RESGATAR O PAPEL TRANSFORMADOR DA MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA OS DESAFIOS DE UMA NOVA ESCOLA Luiz Otávio Maciel Miranda Escola de Ensino Fundamental e Médio Tenente Rêgo Barros miranda@amazon.com.br

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS RESUMO: Glenda Gabriele Bezerra Beltrão; Wanessa da Silva Reis;

Leia mais

JOGOS MATEMÁTICOS: EXPERIÊNCIAS COMPARTILHADAS

JOGOS MATEMÁTICOS: EXPERIÊNCIAS COMPARTILHADAS JOGOS MATEMÁTICOS: EXPERIÊNCIAS COMPARTILHADAS Denise da Costa Gomes denisedacosta11@hotmail.com Dalila Regina da Silva Queiroz dalilazorieuq@hotmail.com Alzenira Oliveira de Carvalho oliveiraalzenira@hotmail.com

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PESQUISA COMO ESTRATÉGIA DIDÁTICA Caroline Vieira De Souza Costa Eixo 2 - Projetos e práticas

Leia mais

AS MANIFESTAÇÕES DE VIOLÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DE VALORES HUMANOS NO PROJETO ESPORTE NA COMUNIDADE, NA LOCALIDADE DE MONDUBIM.

AS MANIFESTAÇÕES DE VIOLÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DE VALORES HUMANOS NO PROJETO ESPORTE NA COMUNIDADE, NA LOCALIDADE DE MONDUBIM. AS MANIFESTAÇÕES DE VIOLÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DE VALORES HUMANOS NO PROJETO ESPORTE NA COMUNIDADE, NA LOCALIDADE DE MONDUBIM. ALISON NASCIMENTO FARIAS. 1 LÚCIA REJANE DE ARAÚJO BARONTINI. 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS CAHL CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS CAHL CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS CAHL CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO I - ATIVIDADE DE OBSERVAÇÃO ELABORAÇÃO DE DIAGNÓSTICO SOBRE

Leia mais

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação (Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014 (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação Instrumento Diagnóstico - PAR Municipal 2011-2014 A gestão que prioriza

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa "Escola Aberta", sob orientação de Telma Ferraz Leal

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa Escola Aberta, sob orientação de Telma Ferraz Leal TÍTULO: OFICINA DE LEITURA: UMA PROPOSTA DINÂMICA PARA FORMAÇÃO DE LEITORES AUTORA: Andréa Carla Agnes e Silva 1 INSTITUIÇÃO: Universidade Federal de Pernambuco Escola Aberta ÁREA TEMÁTICA: Educação 1.

Leia mais

Incentivar a comunidade escolar a construir o Projeto político Pedagógico das escolas em todos os níveis e modalidades de ensino, adequando o

Incentivar a comunidade escolar a construir o Projeto político Pedagógico das escolas em todos os níveis e modalidades de ensino, adequando o SELO DE EDUCAÇÃO PARA IGUALDADE RACIAL ANEXO 1: METAS NORTEADORAS DO PLANO NACIONAL DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA

Leia mais

Creche Municipal Pequeno Príncipe

Creche Municipal Pequeno Príncipe DESCRIPCIÓN DE LA INSTITUCIÓN UBICACIÓN GEOGRÁFICA Região: Centro Oeste Município: Porto dos Gaúchos MT Título da experiência: Construindo sua identidade no universo da brincadeira Autoras: Claudiane Eidt

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA Tamara Nomura NOZAWA 1 Telma Lúcia Aglio GARCIA 2 Edmárcia Fidelis ROCHA

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO Este Projeto fundamenta-se na premissa que o gestor é o agente central responsável por gerir a instituição escolar,

Leia mais

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO Resumo FIALHO, Neusa Nogueira FACINTER neusa_nf@yahoo.com.br Área Temática: Educação: Teorias, Metodologias e Práticas. Não contou com financiamento A falta

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS Letícia Luana Claudino da Silva Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do Programa de Saúde. PET/Redes

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO SÉRIE: 9ºs anos PROFESSOR:

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS O componente curricular denominado Atividades Acadêmico-Científico- Culturais foi introduzido nos currículos

Leia mais

A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR

A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR Maria Aparecida Monteiro Deponti (cida_mw@yahoo.com.br) Carlos Henrique Campanher (carloscampanher@oi.com.br ) Resumo O presente trabalho

Leia mais

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE Adriana Noviski Manso - PUCPR Beatriz Ferreira da Rocha - PUCPR Romilda Teodora Ens - PUCSP/PUCPR Resumo O presente relato

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT Projeto Institucional - Faculdades Atibaia FAAT Parceria entre o Ensino Superior e a Escola Pública na formação inicial e continuada

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Prefeitura Municipal de Porto Real/Conselho

Leia mais

PIBID: O COTIDIANO DO TRABALHO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA

PIBID: O COTIDIANO DO TRABALHO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA PIBID: O COTIDIANO DO TRABALHO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA Alessandra Sagica Gonçalves 1 Amanda de Cássia Rodrigues Rodrigues 2 Adriana Valente da Cunha 3 Resumo: Este estudo buscou fazer

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

Práxis, Pré-vestibular Popular: Constante luta pela Educação Popular

Práxis, Pré-vestibular Popular: Constante luta pela Educação Popular Práxis, Pré-vestibular Popular: Constante luta pela Educação Popular Graziele Pissollatto da Costa, UFSM Ana Carolina Machado, UFSM Roberto Lopes do Nascimento Filho, UFSM Toni Pissollatto da Costa, UFSM

Leia mais

FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA NUAPE COORDENAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA NUAPE COORDENAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA DIRETORIA DE ENSINO NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA NUAPE COORDENAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Teresina 2015 DIRETORIA

Leia mais

Bom dia, Formar cidadãos éticos, com

Bom dia, Formar cidadãos éticos, com Gestão Pedagógica capa Por Carolina Mainardes carolina@humanaeditorial.com.br Bom dia, Escolas assumem o desafio de ensinar valores e formar cidadãos completos, em cenário que contempla famílias compenetradas

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE CAMPINAS OESTE

DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE CAMPINAS OESTE DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE CAMPINAS OESTE PLANO DE GESTÃO QUADRIENAL 2015 A 2018 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Nome: EE. Prof. Dr. Paul Eugene Charbonneau Códigos: U.A. 73385 CIE: 907397 Código do

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa RESUMO Jacyene Melo de Oliveira Araújo Profª Drª UFRN- CE-SEDIS Os Estágios

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO

INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO INTRODUÇÃO: Experiência de Estágio de Núcleo Básico III com crianças do Ensino Fundamental sobre Inclusão. OBJETIVO: conscientizar a aceitação das

Leia mais

Protagonismo Social Psicomotricidade Relacional na família, escola, empresa e na comunidade. José Leopoldo Vieira leopoldo@ciar.com.

Protagonismo Social Psicomotricidade Relacional na família, escola, empresa e na comunidade. José Leopoldo Vieira leopoldo@ciar.com. Protagonismo Social Psicomotricidade Relacional na família, escola, empresa e na comunidade José Leopoldo Vieira leopoldo@ciar.com.br 1 ...Transformar a escola é quem sabe, a longo prazo, transformar a

Leia mais

SABER E ATUAR PARA MELHORAR O MUNDO: ÉTICA, CIDADANIA E MEIO AMBIENTE. DE OLHO NO ÓLEO (Resíduos líquidos) Dulce Florinda de Souza Lins.

SABER E ATUAR PARA MELHORAR O MUNDO: ÉTICA, CIDADANIA E MEIO AMBIENTE. DE OLHO NO ÓLEO (Resíduos líquidos) Dulce Florinda de Souza Lins. SABER E ATUAR PARA MELHORAR O MUNDO: ÉTICA, CIDADANIA E MEIO AMBIENTE. DE OLHO NO ÓLEO (Resíduos líquidos) Dulce Florinda de Souza Lins. RIO VERDE GO 2010 Identificação: EMEF José do Prado Guimarães. Série:

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA O Regulamento da Comissão Própria de Avaliação CPA foi aprovado pelo CONSUP mediante a Resolução nº 012/2013 data de 26 de novembro de 2013. E foram revisados

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNIPAMPA CAMPUS DOM PEDRITO

RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNIPAMPA CAMPUS DOM PEDRITO RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNIPAMPA CAMPUS DOM PEDRITO Moreira; Guilherme 1 ; Mainardi; Caroline 23 Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) ¹Acadêmico(a) do Curso de Zootecnia da UNIPAMPA Campus Dom Pedrito-RS

Leia mais

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais. Anderson de Almeida Antunes, Universidade

Leia mais

2 - PROBLEMÁTICA A SER ESTUDADA

2 - PROBLEMÁTICA A SER ESTUDADA 1 - IDENTIFICAÇÃO Escola Estadual Ernesto Solon Borges Bandeirantes/MS Turmas: 7º e 8º anos A Matutino Nº de alunos 65 Professora: Vania Terezinha Camilotti Pastro 2 - PROBLEMÁTICA A SER ESTUDADA Quando

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. Maria da Conceição da Cruz (PIBIX/PIBID-UFS) marynni@hotmail.com Tayane dos Santos (PIBIX -UFS) tayaneyat@gmail.com Resumo:

Leia mais

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Andréa Pereira de Souza Gestora da Formação Permanente na Secretaria Municipal de Educação do município de Mogi das Cruzes. Cintia

Leia mais

Sejam bem vindos ao ano letivo de 2016! EDUCAÇÃO INFANTIL

Sejam bem vindos ao ano letivo de 2016! EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Amorim / Santa Teresa Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Rua Lagoa Panema, 466 Vila Guilherme Fone: 2909-1422 Diretoria de Ensino Região Centro Sejam bem vindos ao ano letivo

Leia mais