PEQUENO GUIA PARA IDENTIFICAÇÃO DOS MOLUSCOS MARINHOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PEQUENO GUIA PARA IDENTIFICAÇÃO DOS MOLUSCOS MARINHOS"

Transcrição

1 PEQUENO GUIA PARA IDENTIFICAÇÃO DOS MOLUSCOS MARINHOS EM CONTEXTOS ARQUEOLÓGICOS PORTUGUESES (v. 2) Maria João Valente Universidade do Algarve - FCHS Departamento de História, Arqueologia e Património Website:

2 - 2 - Espécies descritas neste guia: Patella rustica L. (= Patella lusitanica) Patella vulgata L. Patella aspera Röding (semelhante à Patella ulyssiponensis) Patella caerulea L. Monodonta lineata Da Costa Littorina littorea L. Trivia monacha L. (= Trivia europaea) Murex trunculus L. (= Hexaplex trunculus; Phyllonotus trunculus) Murex brandaris L. (= Bolinus brandaris) Thais haemastoma L. (= Purpura haemastoma; Stramonita haemastoma) Nassarius reticulatus L. Glycymeris bimaculata Poli Glycymeris glycymeris L. Mytilus edulis L. Mytilus galloprovincialis L. Pecten maximus L. Ostrea edulis L. Crassostrea angulata Lamarck Cerastoderma edule L. Venus verrucosa L. Ruditapes decussata L. (= Venerupis decussata; Tapes decussatus) Scrobicularia plana Da Costa Ensis siliqua L. Solen marginatus Pennant

3 - 3 - Filo Mollusca Búzios, mexilhões, conquilhas, polvos, chocos, etc. Animais não segmentados, com simetria bilateral. Corpo coberto por um manto que segrega uma concha (que, normalmente, é externa). 1 - Morfologia GASTRÓPODES (tipo búzio) Figura 1 1 Cordão; 2 Estrias; 3 Sutura; 4 Vértice; 5 Espira; 6 Canal sifinal; 7 Última volta; 8 Columela GASTRÓPODES (tipo lapa) Figura 2 1 Estrias concêntricas; 2 - Vértice; 3 Estrias verticais

4 - 4 - BIVALVES Figura 3 1 Umbos; 2 Estrias de crescimento; 3 Fissura; 4 Vértice; 5 - Charneira BIVALVES Figura 4 1 Estrias radiais; 2 Caneluras (radiais; podem ser concêntricas); 3 Aurícula; 4 Estrias concêntricas

5 Classe Gastropoda Búzios e lapas. Concha univalve, geralmente me espiral, podendo estar reduzida ou faltar. Família Patellidae Patella rustica L. (= Patella lusitanica) Nome vulgar: lapa. Descrição: Com pontuações negras ao longo de estrias concêntricas. Interior da concha com bandas radiais acastanhadas. Dimensão: 3.5 a 4.5 cm de comprimento. Habitat: Parte superior do mediolitoral. Substracto rochoso. Meio ocêanico. Cosmopolita. Patella vulgata L. Nome vulgar: lapa. Descrição: Interior da concha por vezes amarelado. Dimensão: c. 5 cm. Habitat: Parte média do mediolitoral. Substracto rochoso. Meio ocêanico. Cosmopolita. Patella aspera Röding (semelhante à Patella ulyssiponensis) Nome vulgar: lapa / lapa-brava (Açores) Descrição: Com colunas radiais mais ou menos fortes. Dimensão: 3 cm de comprimento. Habitat: Parte superior do infralitoral e parte inferior da zona intertidal. Substracto rochoso. Meio ocêanico. Cosmopolita. Patella caerulea L. Nome vulgar: lapa Descrição: Interior da concha muito brilhante com reflexos azulados. Dimensão: 4.5 cm de comprimento. Habitat: Zona intertidal. Substracto rochoso. Meio ocêanico. Cosmopolita.

6 - 6 - Patella rustica Patella vulgata Patella aspera Patella caerulea

7 - 7 - Família Trochidae Monodonta lineata Da Costa Nome vulgar: caramujo Descrição: Concha alta, rugosa. Columela com calosidade na parte inferior. Cor muito escura. Dimensão: 2.5 cm de altura. Habitat: zona intertidal.

8 - 8 - Família Littorinidae Littorina littorea L. Nome vulgar: caracol-marinho Descrição: reconhece-se pelo ângulo que o labro faz com a última volta e pela columela branca. Estrias finas longitudinais muito regulares. Cor cinzento-anegrada com ou sem bandas negras. Dimensão: até 3 cm de altura. Habitat: mediolitoral. Notas: muito frequente em contextos plistocénicos, mais raro após o Dryas III e a passagem para o Holocénico. Utilizada também como elemento de adorno pelas comunidades humanas pré-históricas.

9 - 9 - Família Triviidae Trivia monacha L. (= Trivia europaea) Nome vulgar: -- Descrição: Concha estriada transversalmente, de cor violácea, com manchas negras. Dimensão: Cerca de 12 mm de comprimentos. Habitat: Infralitoral, em povoamentos de algas. Águas temperadas e quentes. Notas: normalmente utilizada como elemento de adorno pelas comunidades humanas pré-históricas.

10 Família Muricidae Murex trunculus L. (= Hexaplex trunculus; Phyllonotus trunculus) Nome vulgar: Búzio macho. Descrição: Voltas com espinhos mais ou menos salientes. Cor cizenta com bandas longitudinais acastanhadas. Dimensão: Cerca de 8 cm de altura. Habitat: Infralitoral. Fundos móveis. Estuários abertos. Murex brandaris L. (= Bolinus brandaris) Nome vulgar: Búzio fémea. Descrição: Canal sifonal muito longo. Voltas com espinhos longos e canaliculados. Cor branco-amarelada. Dimensão: Até de 11 cm de altura. Habitat: Infralitoral. Fundos móveis (arenosos, arenovasosos e outros).

11 Murex trunculus Murex brandaris

12 Família Thaididae Thais haemastoma L. (= Purpura haemastoma; Stramonita haemastoma) Nome vulgar: Púrpura. Descrição: Concha ornada de tubérculos. Cor acinzentada. Dimensão: Cerca de 6 cm de altura, pode atingir tamanhos superiores. Habitat: Infralitoral e médiolitoral. Fundos rochosos e móveis. Meios oceânicos. Águas temperadas e quentes. Nota: utilizado pelos Romanos para fabrico da famosa cor púrpura.

13 Família Nassariidae Nassarius reticulatus L. Nome vulgar: -- Descrição: Concha regularmente reticulada. Columela com grande calosidade. Cor acinzentada. Dimensão: Cerca de 3 cm de altura. Habitat: Infralitoral. Fundos arenosos. Por vezes podem ocorrer na zona das marés. Nota: de pouca valia alimentar, trata-se normalmente de fauna acompanhadora nos contextos arqueológicos.

14 Classe Gastropoda Mexilhões, amêijoas, berbigão, vieiras, ostras, etc. Concha bivalve de simetria variável. Família Glycymerididae Glycymeris bimaculata Poli Nome vulgar: Castanhola. Descrição: Concha muito simétrica, sólida, de contorno arredondado (subcircular). Elementos radiais. Dimensão: 7-8 cm, pode atingir 13 cm. Habitat: Infralitoral e circalitoral. Areia e areia lodosa. Sul de Cascais à costa meridional. Mediterrâneo.

15 Glycymeris glycymeris L. Nome vulgar: Castanhola. Descrição: Concha muito simétrica, sólida, de contorno arredondado (subquadrangular). Elementos radiais mais espaçados. Dimensão: pode atingir os 8 cm. Habitat: Infralitoral e circalitoral. Areia e areia lodosa. Costa ocidental e meridional. Noruega ao Mediterrâneo. Canárias

16 Família Mytilidae Mytilus edulis L. Nome vulgar: Mexilhão Descrição: Umbo pontiagudo e encurvado para baixo; margem dorsal arredondada. Dimensão: Habitat: Infralitoral e mediolitoral. Rochoso. Estuários abertos e meios oceânicos. Cosmopolita. Mytilus galloprovincialis L. Nome vulgar: Mexilhão Descrição: Umbo pontiagudo e encurvado para baixo; margem dorsal arredondada. Dimensão: Habitat: Infralitoral e mediolitoral. Rochoso. Estuários abertos e meios oceânicos. Cosmopolita. Nota: é extremamente difícil distinguir estas duas espécies uma da outra.

17 Mytilus edulis Mytilus galloprovincialis M. edulis Zona posterior-dorsal sem expansão aplanada; bordo do ligamento pouco saliente M. galloprovincialis Zona posterior-dorsal com expansão aplanada; bordo do ligamento mais saliente

18 Família Pectinidae Pecten maximus L. Nome vulgar: Vieira Descrição: Valva direita côncava com 17 caneluras radiais arredondadas. Valva esquerda (superior) achatada com 16 caneluras achatadas com 4 a 5 estrias radiais. Dimensão: Atinge 15 cm. Habitat: Infralitoral. Fundos móveis. Meios oceânicos. Águas temperadas ou frias.

19 Família Ostreidae Ostrea edulis L. Nome vulgar: Ostra Descrição: Concha arredondada. Valva superior com lamelas foliáceas. Dimensão: 8 cm. Habitat: Mediolitoral. Rias e estuários. Crassostrea angulata Lamarck Nome vulgar: Ostra Descrição: Concha alongada. Valva esquerda côncava; valva direita plana. Lamelosa. Dimensão: 15 cm. Habitat: Mediolitoral. Rias e estuários. Ostrea edulis Crassostrea angulata

20 Família Cardiidae Cerastoderma edule L. Nome vulgar: Berbigão Descrição: Concha com 26 caneluras radiais, arredondadas e mais largas que os espaços existentes entre elas. Dimensão: Atinge 4.5 cm de comprimento. Habitat: Mediolitoral e infralitoral superior. Fundos arenovasosos. Lagunas litorais e estuários. Águas frias, temperadas ou quentes. Notas: utilizada no Neolítico antigo como utensílio para decorar a chamada cerâmica cardial.

21 Família Veneridae Venus verrucosa L. Nome vulgar: Pé-de-burro. Descrição: Concha com caneluras concêntricas saliente e espessas. Dimensão: Atinge 4.5 cm de comprimento. Habitat: Infralitoral. Fundos arenovasosos. Estuários abertos e meio oceânico. Ruditapes decussata L. (= Venerupis decussata; Tapes decussatus) Nome vulgar: Amêijoa. Descrição: Concha com estrias radiais e caneluras concêntricas, dando à concha aspecto reticulado. Dimensão: 5 cm de comprimento (por vezes mais). Habitat: Mediolitoral inferior e infralitoral superior. Fundos arenosos e arenovasosos. Estuários abertos, rias e lagoas litorais. Águas frias, temperadas e quentes.

22 Família Scrobicularidae Scrobicularia plana Da Costa Nome vulgar: Lamejinha. Descrição: Concha oval, com estrias concêntricas finas e estrias de crescimento. Dimensão: Cerca de 4 cm de comprimento. Habitat: Infralitoral superior. Fundos arenosos e arenovasosos. Fundos de estuários e rias e lagoas litorais.

23 Família Pharidae Ensis siliqua L. Nome vulgar: longueirão, lingueirão, navalha, faca. Descrição: Concha direita, sem sulco transversal próximo do bordo anterior. Dimensão: 20 cm de comprimento. Habitat: Infralitoral superior. Fundos arenosos ou arenovasosos. Estuários ou meios oceânicos de preferência abrigados.

24 Família Solenidae Solen marginatus Pennant Nome vulgar: longueirão, lingueirão, navalha, faca. Descrição: Concha direita, com sulco transversal próximo do bordo anterior. Dimensão: 22 cm de comprimento. Habitat: Infralitoral superior. Fundos arenosos ou arenovasosos. Estuários ou meios oceânicos de preferência abrigados.

25 Bibliografia essencial Fischer, W; Schneider, M.; Bauchot, M.-L. (1987) - Fiches FAO d Identification des Especes pour les Besoins de la Peche. Mediterranee et Mer Noire (Zone de Peche 37). Révision 1. Volume 1: Vegetaux et Invertebres. Roma: Organisation des Nations Unies pour l'alimentation et l Agriculture. Macedo, M.C.C.; Macedo, M.I.C.; Borges, J.P. (1999) - Conchas Marinhas de Portugal. Lisboa: Editorial Saldanha, L. (1995) - Fauna Submarina Atlântica. Mem Martins: Publicações Europa- America. Verbo. Vermeij, G. (1995) - A Natural History of Shells. Princeton: Princeton University Press.

MOLUSCOS BIVALVES. Amostragem e Transporte de Moluscos Bivalves e Gastrópodes Vivos para Determinação de Biotoxinas Marinhas

MOLUSCOS BIVALVES. Amostragem e Transporte de Moluscos Bivalves e Gastrópodes Vivos para Determinação de Biotoxinas Marinhas IPMA, I.P./DMRM/ DivOA ÍNDICE MOLUSCOS BIVALVES Amostragem e Transporte de Moluscos Bivalves e Gastrópodes Vivos para Determinação de Biotoxinas Marinhas Código: MB 03 Página: 1 de 6 Edição 05 Revisão

Leia mais

CURSO DE SANIDADE EM AQUICULTURA. Marques de Mesquita UFF

CURSO DE SANIDADE EM AQUICULTURA. Marques de Mesquita UFF CURSO DE SANIDADE EM AQUICULTURA Eliana de Fátima F Marques de Mesquita UFF Parte II Principais Doenças na Malacocultura 21/05 21h15 22h30 OUTRAS DOENÇAS DE BIVALVES COMERCIAIS HEXAMITOSE BUCEFALOSE (

Leia mais

TAMANHOS MÍNIMOS LEGAIS DAS ESPÉCIES

TAMANHOS MÍNIMOS LEGAIS DAS ESPÉCIES TAMANHOS MÍNIMOS LEGAIS DAS (Extracto do Manual Prático Medidas Técnicas de Conservação dos Recursos da Pesca Continente por Alberto Leite) [Anexo XII do Regulamento (CE) nº 850/98 e Portaria nº 27/2001]

Leia mais

SESSÃO DE DEBATE: NAVEGABILIDADE DO RIO TEJO. Tema : PESCAS E APANHA NO TEJO ( Estuário)

SESSÃO DE DEBATE: NAVEGABILIDADE DO RIO TEJO. Tema : PESCAS E APANHA NO TEJO ( Estuário) ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO I.P. Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos SESSÃO DE DEBATE: NAVEGABILIDADE DO RIO TEJO Tema : PESCAS E APANHA NO TEJO ( Estuário) Lisboa, LNEC, 25 de

Leia mais

MALACOFAUNA DA REGIÃO ENTREMARÉS DE PRAIAS DA ILHA DE SÃO SEBASTIÃO (SÃO PAULO, BRASIL) 1

MALACOFAUNA DA REGIÃO ENTREMARÉS DE PRAIAS DA ILHA DE SÃO SEBASTIÃO (SÃO PAULO, BRASIL) 1 MALACOFAUNA DA REGIÃO ENTREMARÉS DE PRAIAS DA ILHA DE SÃO SEBASTIÃO (SÃO PAULO, BRASIL) 1 Lara Bellintani Salvador 2, 4 Osmar Domaneschi 3 Antonia Cecília Zacagnini Amaral 2 Eloisa Helena Morgado 2 Silva

Leia mais

Filo MOLLUSCA. Prof(a) Karla Mirella

Filo MOLLUSCA. Prof(a) Karla Mirella Filo MOLLUSCA Prof(a) Karla Mirella MOLUSCOS Representantes: Lulas, Polvos, lesmas, caracóis, mariscos, ostras, mexilhões, sépias, náutilos, quíton... Depois de artrópodes, é o segundo maior filo do Reino

Leia mais

Nesta edição: O ecossistema do manguezal com sua fauna e sua flora características, curiosidades e ainda passatempos divertidos!!!

Nesta edição: O ecossistema do manguezal com sua fauna e sua flora características, curiosidades e ainda passatempos divertidos!!! anguezal Nesta edição: O ecossistema do manguezal com sua fauna e sua flora características, curiosidades e ainda passatempos divertidos!!! EDITORIAL Pelas páginas desta revista, você encontrará muitos

Leia mais

guia do litoral Nome: Morada: Data da Visita: / /

guia do litoral Nome: Morada: Data da Visita: / / Este Nome: guia do litoral pertence a Morada: Localidade: Idade: Data da Visita: / / Zona de Interesse Biofisíco das Avencas O Município de Cascais tem 25 quilómetros de linha de costa, dos quais cerca

Leia mais

Corpo Esses animais têm um corpo mole e não segmentado, muitas vezes dividido em cabeça (com os órgãos dos sentidos), um pé muscular e um manto que protege uma parte do corpo e que muitas vezes secreta

Leia mais

PRAIA DAS AVENCAS. Profs. Cristina Jesus e Gabriela Santos

PRAIA DAS AVENCAS. Profs. Cristina Jesus e Gabriela Santos Profs. Cristina Jesus e Gabriela Santos Desde 1998 que a Praia das Avencas está classificada pelo Plano de Ordenamento da Orla Costeira Cidadela - S. Julião da Barra como: Zona de Interesse Biofísico das

Leia mais

ESTUDOS ARQUEOLÓGICOS DE OEIRAS. Volume /2002

ESTUDOS ARQUEOLÓGICOS DE OEIRAS. Volume /2002 ESTUDOS ARQUEOLÓGICOS DE OEIRAS Volume 10 2001/2002 CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS 2001/2002 3 ESTUDOS ARQUEOLÓGICOS DE OEIRAS Volume 10 2001/2002 ISSN: O872-6 872-6O86 86 COORDENADOR E RESPONSÁVEL CIENTÍFICO

Leia mais

ROTEIRO ENTREGUE NA AULA PRÁTICA

ROTEIRO ENTREGUE NA AULA PRÁTICA ROTEIRO ENTREGUE NA AULA PRÁTICA 1 - FILO MOLLUSCA CLASSE GASTROPODA CONCHA A concha típica dos gastrópodes é uma espiral cônica assimétrica, composta de voltas tubulares e contendo a massa visceral do

Leia mais

S.R. DOS RECURSOS NATURAIS Portaria n.º 1/2014 de 10 de Janeiro de 2014

S.R. DOS RECURSOS NATURAIS Portaria n.º 1/2014 de 10 de Janeiro de 2014 S.R. DOS RECURSOS NATURAIS Portaria n.º 1/2014 de 10 de Janeiro de 2014 O Decreto Legislativo Regional n.º 29/2010/A, de 9 de novembro, alterado e republicado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 31/2012/A,

Leia mais

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável.

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável. Soluções: Ficha 1º Ciclo (Ponto I) 2. F L A M I N G O A Q T S S F F S A G G A S A U T P A E O J P A S G A C I L R E C A R P F L A U F L L H A E C Z L T E O Q R I A Q E U O C A I M A O I R U E Ç T I I A

Leia mais

ANELÍDEOS - MOLUSCOS ARTRÓPODES

ANELÍDEOS - MOLUSCOS ARTRÓPODES ANELÍDEOS - MOLUSCOS ARTRÓPODES Componente: Trabalho realizado para o cumprimento parcial da disciplina Biologia, coordenado e orientado pelo professor. SETEMBRO DE 1998 - CENSA - SÃO MATEUS - ES. SUMÁRIO

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XXIV O Ouvido Parte 2

O Nosso Corpo Volume XXIV O Ouvido Parte 2 O Nosso Corpo Volume XXIV um Guia de O Portal Saúde Outubro de 2010 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright O Portal Saúde, todos os direitos

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE MONITORIZAÇÃO DE MOLUSCOS BIVALVES

SISTEMA NACIONAL DE MONITORIZAÇÃO DE MOLUSCOS BIVALVES PLANO DE AÇÃO SISTEMA NACIONAL DE MONITORIZAÇÃO DE MOLUSCOS BIVALVES INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. NOVEMBRO 2013 INDICE Necessidade... 3 1. Produção de instrumentos orientadores... 4

Leia mais

RELAÇÃO DA ECOLOGIA DA PAISAGEM COM A BIODIVERSIDADE MACROBENTÔNICA DOS COSTÕES ROCHOSOS DO PROMONTÓRIO DE CABEÇUDAS ITAJAÍ, SC

RELAÇÃO DA ECOLOGIA DA PAISAGEM COM A BIODIVERSIDADE MACROBENTÔNICA DOS COSTÕES ROCHOSOS DO PROMONTÓRIO DE CABEÇUDAS ITAJAÍ, SC UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR BRUNO MARTINELLI RELAÇÃO DA ECOLOGIA DA PAISAGEM COM A BIODIVERSIDADE MACROBENTÔNICA DOS COSTÕES ROCHOSOS DO PROMONTÓRIO

Leia mais

Indice. A Zona Entre-marés Conhecer os Moluscos Os Caramujos As Lapas Os Mexilhões O Polvo

Indice. A Zona Entre-marés Conhecer os Moluscos Os Caramujos As Lapas Os Mexilhões O Polvo Vamos conhecer o Fundo do Mar Indice 3 5 7 8 9 10 11 13 14 15 17 19 20 21 23 25 27 27 29 31 33 35 36 37 A Zona Entre-marés Conhecer os Moluscos Os Caramujos As Lapas Os Mexilhões O Polvo Conhecer os Crustáceos

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB

ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB HISTÓRICO Por volta de 12h do dia 19 de junho de 2015, o Sr. Jonas Tiburtino Nóbrega, de 32 anos, que trabalha na operação tapaburacos do Departamento

Leia mais

ECOLOGIA MARINHA Pedro Ré (DBA/FCUL)

ECOLOGIA MARINHA Pedro Ré (DBA/FCUL) ECOLOGIA MARINHA Pedro Ré (DBA/FCUL) A) PROGRAMA E CONTEÚDO DAS AULAS TEÓRICAS Introdução (Tempo lectivo- 1,5 horas, 1 aula) I- Algumas Características do Ambiente Marinho e Estuarino (Tempo lectivo- 3

Leia mais

Um Parque Marinho e um observatório para as mudanças climáticas (Miguel Henriques)

Um Parque Marinho e um observatório para as mudanças climáticas (Miguel Henriques) Proteção da biodiversidade marinha no Parque Natural da Arrábida 29 abril 2015 Base Naval de Lisboa Alfeite, Almada Um Parque Marinho e um observatório para as mudanças climáticas (Miguel Henriques) Emanuel

Leia mais

O Caminho da Vida Animal do Mar para a Terra

O Caminho da Vida Animal do Mar para a Terra Dados Técnicos da Exposição: O Caminho da Vida Animal do Mar para a Terra Projeto e Execução: Daniel Oscar Forcelli PAINÉIS EXPOSITORES (MÓDULOS) Quantidade: Dimensões: Características: Classificação:

Leia mais

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos:

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos: Princípios de Composição do Vestuário Para trabalhar com roupas mais elaboradas é importante conhecer os princípios de composição do vestuário. Neste nicho de mercado, este tipo de peça é desenvolvido

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS Introdução Os oceanos ocupam cerca de 71% da superfície da Terra As partes mais profundas atingem quase 11000 metros Profundidade média dos oceanos é 3800 m. Volume

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

01. Quando comparamos o caramujo e o caranguejo representados nas tiras abaixo, podemos afirmar corretamente que:

01. Quando comparamos o caramujo e o caranguejo representados nas tiras abaixo, podemos afirmar corretamente que: Aula n ọ 02 01. Quando comparamos o caramujo e o caranguejo representados nas tiras abaixo, podemos afirmar corretamente que: a) utilizam-se do ar atmosférico para respirar através de pulmão. b) o caramujo

Leia mais

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE 1- Introdução Delminda Moura Universidade do Algarve e DPGA Zonas costeiras ou litorais, são zonas de interface entre as zonas continentais

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

VER A PRAIA COM OUTROS OLHOS. Disciplinas intervenientes Ciências da Natureza, Educação Visual e Tecnológica, Língua Portuguesa.

VER A PRAIA COM OUTROS OLHOS. Disciplinas intervenientes Ciências da Natureza, Educação Visual e Tecnológica, Língua Portuguesa. Disciplinas intervenientes Ciências da Natureza, Educação Visual e Tecnológica, Língua Portuguesa. 1 Motivação. Visita ao Aquário Vasco da Gama ou (ver lista de contactos) ou. Visita ao Centro de Interpretação

Leia mais

Série Didática Número 5

Série Didática Número 5 Animais Peçonhentos: Serpentes_ Serpentes são animais vertebrados que pertencem ao grupo dos répteis. Seu corpo é coberto de escamas, o que Ihes confere um aspecto às vezes brilhante, às vezes opaco, ou

Leia mais

IV SEMINÁRIO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM CUNICULTURA. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. UNESP Botucatu Campus Lageado

IV SEMINÁRIO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM CUNICULTURA. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. UNESP Botucatu Campus Lageado Cuidados e conforto para coelhos de companhia Maísa Melo Heker* *Zootecnista e Mestrando Programa de Pós Graduação em Zootecnia FCAV- UNESP Campus Jaboticabal. Introdução Atualmente todas as raças de coelhos

Leia mais

Nematelmintos - Filo Nematoda

Nematelmintos - Filo Nematoda Nematelmintos - Filo Nematoda São vermes de corpo alongado e cilíndrico Apresentam simetria bilateral e são triblásticos, pseudocelomados e protostômios O pseudoceloma promove: espaço para órgãos internos,

Leia mais

Zoologia. Escala zoológica. Celenterados

Zoologia. Escala zoológica. Celenterados Zoologia Escala zoológica Cnidários Habitat modo de vida Todos de vida livre, fixos ou moveis Podem ser individuais ou coloniais Embriologia Tipos morfológicos Pólipo boca cavidade gástrica cavidade gástrica

Leia mais

Camadas da atmosfera da Terra

Camadas da atmosfera da Terra Camadas da atmosfera da Terra A Camada de Ozônio Nuvens: formação e tipos Formação de nuvens Formação por convecção Nuvem de tempestade na Praça Panamericana - São Paulo-SP. Levantamento devido

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS REINO ANIMAL - INVERTEBRADOS

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS REINO ANIMAL - INVERTEBRADOS UFRGS REINO ANIMAL - INVERTEBRADOS 1. (Ufrgs 2015) Com base nas características dos moluscos, assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações abaixo. ( ) Os moluscos apresentam simetria radial.

Leia mais

Biomas e formações vegetais mundiais

Biomas e formações vegetais mundiais Biomas e formações vegetais mundiais Bioma é uma comunidade biológica, ou seja, a fauna e a flora e suas interações entre si e com o ambiente físico, o solo, a água, o ar. O bioma da Terra compreende a

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI 186 11/08/2000 Padrão Oficial da Raça AFFENPINSCHER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

Filo Porifera - Poríferos ou espongiários. - Corpo coberto por poros. - Não possuem organização tissular. - Diblásticos. - Aquáticos, sésseis e

Filo Porifera - Poríferos ou espongiários. - Corpo coberto por poros. - Não possuem organização tissular. - Diblásticos. - Aquáticos, sésseis e Filo Porifera - Poríferos ou espongiários. - Corpo coberto por poros. - Não possuem organização tissular. - Diblásticos. - Aquáticos, sésseis e filtradores. - Digestão intracelular. - Sustentação: Espículas

Leia mais

Associação Viver a Ciência Av. da República, nº 34, 1º Lisboa rgaspar@viveraciencia.org

Associação Viver a Ciência Av. da República, nº 34, 1º Lisboa rgaspar@viveraciencia.org iência Viva, Portugal 12345678 Raquel Gaspar ssociação Viver a iência v. da República, nº 34, 1º Lisboa rgaspar@viveraciencia.org Menina do Mar O RNGUEJO 1. Observar e experimentar 2. Oficina de expressão

Leia mais

Ginkgo biloba L. 64 Exemplares no Parque

Ginkgo biloba L. 64 Exemplares no Parque Ginkgo biloba L. 64 Exemplares no Parque Família Ginkgoaceae Nome Comum Ginkgo, árvore-dos-40-escudos, árvore-das-40-moedas, nogueira-do-japão Origem Noroeste da província de Zhejiang (China) e muito cultivado

Leia mais

Atividades de Sensibilização, Divulgação e Educação Ambiental

Atividades de Sensibilização, Divulgação e Educação Ambiental Atividades de Sensibilização, Divulgação e Educação Ambiental SENSIBILIZAÇÃO, DIVULGAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL A ESCOLA DE MAR é uma iniciativa individual, privada, vocacionada para o estudo, a investigação,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA. Guia de Identificação Invertebrados Marinhos da Baía de Buarcos

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA. Guia de Identificação Invertebrados Marinhos da Baía de Buarcos DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Guia de Identificação Invertebrados Marinhos da Baía de Buarcos Tânia Marina Pais Cecílio 2012 DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Aula 4 Os animais. Os seres vivos são classificados nos Reinos:

Aula 4 Os animais. Os seres vivos são classificados nos Reinos: Aula 4 Os animais Os seres vivos apresentam uma diversidade muito grande; a cada ano, novas espécies vêm sendo descritas. Fica compreensível a necessidade de um sistema de classificação para a organização

Leia mais

ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE ORGANISMOS NUMA ZONA INTERTIDAL. Inês Henriques Sandra Mendes

ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE ORGANISMOS NUMA ZONA INTERTIDAL. Inês Henriques Sandra Mendes ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE ORGANISMOS NUMA ZONA INTERTIDAL Inês Henriques Sandra Mendes Resumo: o presente estudo foi realizado com o objectivo de determinar os diferentes padrões de distribuição

Leia mais

MOLUSCOS FÓSSEIS DO GRUPO BAURU

MOLUSCOS FÓSSEIS DO GRUPO BAURU ISBN 978-85-7193-274-6 Paleontologia: Cenários de Vida MOLUSCOS FÓSSEIS DO GRUPO BAURU FOSSIL MOLLUSCS OF BAURU GROUP 1 Renato Pirani Ghilardi, 2 Sabrina Coelho Rodrigues, 3 Luiz Ricardo L. Simone, 1 Fábio

Leia mais

Instrumentos Auxiliares. Instrumentos Auxiliares. Instrumentos. Instrumentos Especializados. Manuais. Curso de Especialização em Endodontia UEL

Instrumentos Auxiliares. Instrumentos Auxiliares. Instrumentos. Instrumentos Especializados. Manuais. Curso de Especialização em Endodontia UEL Curso de Especialização em Endodontia Integrale - Unicsul Instrumentos Auxiliares Instrumentos Especializados Instrumentos Instrumentos Auxiliares Curso de Especialização em Endodontia UEL Classificação

Leia mais

ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS

ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS CURSO: Ciências Biológicas 3º Ano 2º semestre 9ª Aula Anfíbios: diversidade e características (Ministrante: Profa. Dra. Virginia S. Uieda) Professores Responsáveis: Virgínia Sanches

Leia mais

Casa Branca 7: um povoado na transição do 4º para o 3º milénio a.c. na margem esquerda do Guadiana (Serpa)

Casa Branca 7: um povoado na transição do 4º para o 3º milénio a.c. na margem esquerda do Guadiana (Serpa) Casa Branca 7: um povoado na transição do 4º para o 3º milénio a.c. na margem esquerda do Guadiana (Serpa) Universidade de Lisboa Faculdade de Letras Departamento de História (Serpa) Objecto de estudo

Leia mais

Local nº 3 Rua Cidade Dévnia Coordenadas GPS: , º N, 9º02 18,01 O. Aspetos históricos

Local nº 3 Rua Cidade Dévnia Coordenadas GPS: , º N, 9º02 18,01 O. Aspetos históricos Local nº 3 Rua Cidade Dévnia Coordenadas GPS: 38.894, -9.039 38º53 36.35 N, 9º02 18,01 O Aspetos históricos Rua Cidade Dévnia deve o seu nome a cidade Búlgara, germinada com Alverca do Ribatejo. O seu

Leia mais

Standards Agapórnis. 1. Agapornis canus

Standards Agapórnis. 1. Agapornis canus 1. Agapornis canus Forma e posição: A ave deve apresentar uma posição no poleiro próxima dos 70º em relação à horizontal, as asas devem ser simétricas e não se cruzarem, a cabeça é redonda e proporcionalmente

Leia mais

Atividade de Perfuração Marítima nos Blocos BM-PAMA-16 e BM-PAMA-17 Bacia do Pará - Maranhão

Atividade de Perfuração Marítima nos Blocos BM-PAMA-16 e BM-PAMA-17 Bacia do Pará - Maranhão B1. Costões Rochosos Costão rochoso é o ambiente costeiro formado por rochas situado na transição entre os meios terrestre e aquático. É um ambiente extremamente heterogêneo que pode ser formado por paredões

Leia mais

Biologia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor:

Biologia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Biologia Questão 1 (Fuvest 2010) Um determinado animal adulto é desprovido de crânio e apêndices articulares. Apresenta corpo alongado e cilíndrico. Esse

Leia mais

ATIVIDADES. BA.10: Moluscos e Equinodermos BIOLOGIA

ATIVIDADES. BA.10: Moluscos e Equinodermos BIOLOGIA ATIVIDADES 1. (UERJ 2006) Um ecossistema pode ser drasticamente alterado pelo surgimento ou pelo desaparecimento de espécies de seres vivos. a) Um ambiente em equilíbrio é habitado por indivíduos pertencentes

Leia mais

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada A U A UL LA Parafusos III Introdução Até agora você estudou classificação geral dos parafusos quanto à função que eles exercem e alguns fatores a serem considerados na união de peças. Nesta aula, você

Leia mais

Simulação da evolução da idade dos eqüinos através da cronometria dentária. Adalgiza Souza Carneiro de Rezende Silvio Leite Monteiro da Silva

Simulação da evolução da idade dos eqüinos através da cronometria dentária. Adalgiza Souza Carneiro de Rezende Silvio Leite Monteiro da Silva Simulação da evolução da idade dos eqüinos através da cronometria dentária Adalgiza Souza Carneiro de Rezende Silvio Leite Monteiro da Silva Introdução A idade aproximada de um eqüino pode ser avaliada

Leia mais

SESSÃO DE DEBATE: CONHECER O PATRIMÓNIO DO TEJO. Tema : A PESCA E A APANHA NO TEJO ( Estuário)

SESSÃO DE DEBATE: CONHECER O PATRIMÓNIO DO TEJO. Tema : A PESCA E A APANHA NO TEJO ( Estuário) ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO TEJO I.P. SOCIEDADE DE GEOGRAFIA DE LISBOA SESSÃO DE DEBATE: CONHECER O PATRIMÓNIO DO TEJO Tema : A PESCA E A APANHA NO TEJO ( Estuário) Lisboa, 24 de Setembro de 2010 Carlos

Leia mais

Equipe Responsável pela Elaboração do Guia para o Gerenciamento de Riscos em Alimentos Sururu [Mytella falcata (Mytilidae)]

Equipe Responsável pela Elaboração do Guia para o Gerenciamento de Riscos em Alimentos Sururu [Mytella falcata (Mytilidae)] CAPÍTULO 15 sururu alagoas Equipe Responsável pela Elaboração do Guia para o Gerenciamento de Riscos em Alimentos Sururu [Mytella falcata (Mytilidae)] Geovane Pacífico Vieira Técnico da Vigilância Sanitária

Leia mais

Guia da Fauna e Flora do Intertidal Da praia dos Olhos d Água

Guia da Fauna e Flora do Intertidal Da praia dos Olhos d Água Guia da Fauna e Flora do Intertidal Da praia dos Olhos d Água INTRODUÇÃO: A Praia de Olhos de Água é uma praia da freguesia de Olhos de Água, no concelho de Albufeira, cujo nome evidencia a existência

Leia mais

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota Luís Pina Rebêlo; Pedro Oliveira Brito. Departamento de Geologia Marinha - INETI 1- Introdução

Leia mais

RAÇAS CAPRINAS NO BRASIL

RAÇAS CAPRINAS NO BRASIL RAÇAS CAPRINAS NO BRASIL Alpina; Alpina Americana; Alpina Britânica; Anglo Nubiana; Angorá; Bhuj; Bôer; Canindé; Jamnapari; Kalahari; Mambrina; Moxotó; Murciana; Saanen; Savana; Toggenburg. PADRÃO RACIAL

Leia mais

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Ásia (Coreia, Japão, e partes da China), sul da Austrália

Leia mais

ANEXO: PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

ANEXO: PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA ANEXO: PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA Geestrada, Lda Via Oriental do concelho de Cascais Troço RECONHECIMENTO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO R.P0.0.0 VOC Troço ÍNDICE pág. I INTRODUÇÃO II TRABALHOS REALIZADOS.. III ENQUADRAMENTO

Leia mais

RISSO,, 1826 (PHASIANELLIDAE-

RISSO,, 1826 (PHASIANELLIDAE- Tricolia RISSO, 1826 (PHASIANELLIDAE-GASTROPODA-MOLLUSCA) NA PRAIA... 71 ARTIGO Tricolia RISSO,, 1826 (PHASIANELLIDAE- AE-GASTROPOD ASTROPODA-MOLL -MOLLUSCA) NA PRAIA DE PARIPUEIRA, LITORAL NORTE DE ALAGO

Leia mais

AQUACULTURA: Produção artificial de Bivalves

AQUACULTURA: Produção artificial de Bivalves AQUACULTURA: Produção artificial de Bivalves Introdução Crassostrea angulata Importância Comercial Patologia das brânquias Meados da década de 70 Levou à quase extinção Inexistência de uma gestão racional

Leia mais

Homogêneo: algo que não pode ser fisicamente dividido em componentes químicos mais simples.

Homogêneo: algo que não pode ser fisicamente dividido em componentes químicos mais simples. MINERAIS HALITA Um mineral é um sólido, homogêneo, natural, com uma composição química definida e um arranjo atômico altamente ordenado. É geralmente formado por processos inorgânicos. Sólido: as substâncias

Leia mais

RAÇAS DE CAPRINOS. Profa. Alda Monteiro - 2013

RAÇAS DE CAPRINOS. Profa. Alda Monteiro - 2013 RAÇAS DE CAPRINOS Profa. Alda Monteiro - 2013 As raças de cabras estão reunidas em 3 troncos distintos, sendo aceitas as subdivisões que se seguem: Tronco europeu: raças do sub-tronco europeu alpino, com

Leia mais

Os diferentes climas do mundo

Os diferentes climas do mundo Os diferentes climas do mundo Climas do Mundo Mapa dos climas do mundo Climas quentes Equatoriais Tropical húmido Tropical seco Desértico quente Climas temperados Temperado Mediterrâneo Temperado Marítimo

Leia mais

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho Prof. Fernanda Basso Métodos de diagnóstico Diagnose Visual Diagnose Foliar Diagnose visual Consiste em se

Leia mais

Estudo dirigido sobre premolares

Estudo dirigido sobre premolares Estudo dirigido sobre premolares 1 Miguel Carlos Madeira e Roelf Cruz Rizzolo http://www.anatomiafacial.com Material para ser impresso, com a autorização dos autores, exclusivamente para os alunos do primeiro

Leia mais

Curso Wellington Biologia Reino Animal - Equinodermos Prof Hilton Franco

Curso Wellington Biologia Reino Animal - Equinodermos Prof Hilton Franco 1. Esta é a turma do Bob Esponja: Lula Molusco é supostamente uma lula; Patric, uma estrela-do-mar; o Sr. Siriguejo, um caranguejo; e Bob é supostamente uma esponja-do-mar. Cada um, portanto, pertence

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 No início do nível intermediário, falamos brevemente sobre a perspectiva e a aplicação de alguns dos seus elementos, como o ponto de fuga, a linha de horizonte e a relação dos objetos com o olho do observador.

Leia mais

Astor João Schönell Júnior

Astor João Schönell Júnior Astor João Schönell Júnior As galáxias são classificadas morfologicamente (Hubble Sequence): -Espirais -Elípticas -Irregulares - Galáxias SO As galáxias espirais consistem em um disco com braços espirais

Leia mais

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015 Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar É constituído pela pele, tela subcutânea e seus anexos cutâneos Recobre quase toda superfície do corpo Profa Elaine C. S. Ovalle Arquitetura do Tegumento Funções do

Leia mais

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé Normatização Desenho Técnico CALIGRAFIA TÉCNICA NBR 8402 Assim como o resto do desenho técnico, as letras e algarismos também seguem uma forma definida por norma. Até pouco tempo atrás as letras eram desenhadas

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

Farm. Aquacultura Offshore

Farm. Aquacultura Offshore Farm Aquacultura Offshore FARM Aquacultura Offshore 3 ÍNDICE LONGLINE ENVIRONMENT 3 FARM AQUACULTURE RESOURCE MANAGEMENT 3 FARM APLICADO 4 DESCRIPÇÃO DE FARM 5 DADOS DO CENTRO DE CULTIVO 7 CIÊNCIA 8 CONTACTOS

Leia mais

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB E.S. de Valença Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB Valença, 26 de Outubro de 2003 Índice Pág.1 Índice Pág.2 Introdução Pág.3 Material utilizado Pág.4 Procedimentos Pág.5, 6 e 7

Leia mais

1- Foca-da-Gronelândia (Pagophilus groenlandicus) 2 - Cavalo-marinho Pigmeu (Hippocampus bargibanti) 3 - Lontra-marinha (Enhydra lutris)

1- Foca-da-Gronelândia (Pagophilus groenlandicus) 2 - Cavalo-marinho Pigmeu (Hippocampus bargibanti) 3 - Lontra-marinha (Enhydra lutris) 2 - Cavalo-marinho Pigmeu (Hippocampus bargibanti) Características: É um peixe. Tem características semelhantes às do camaleão, como mudar de cor e mexer os olhos independentemente um do outro. Mede entre

Leia mais

O BENGALIM DO JAPÃO. O comprimento total do Bengalim do Japão, medido desde a ponta do bico à extremidade da cauda, é de 12,5 cm.

O BENGALIM DO JAPÃO. O comprimento total do Bengalim do Japão, medido desde a ponta do bico à extremidade da cauda, é de 12,5 cm. O BENGALIM DO JAPÃO Tipo e Estrutura O Bengalim do Japão é uma ave de forma compacta e robusta, não devendo, contudo parecer pesado ou gordo. A cabeça é bem proporcionada com o resto do corpo. O dorso

Leia mais

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA FN. (017) 334-334 - CEP. 02-080 CLIENTE 0,39 /08/2014 TÉRMINO /08/2014 ATERRO DE AREIA FINA, ARGILOSA, MARROM ACINZENTADA. 903,090 ST.01 AREIA FINA, MUITO ARGILOSA, AMARELA ACINZENTADA. 2,63 cinza ARGILA

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Invertebrados bentônicos como bioindicadores

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Invertebrados bentônicos como bioindicadores Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Invertebrados bentônicos como bioindicadores Bioindicadores de sistemas bênticos A escolha do bioindicador requer um conhecimento prévio da biologia do organismo ou

Leia mais

Notholopus (Notholopoides) niger, Sp.D. Figs 1-5

Notholopus (Notholopoides) niger, Sp.D. Figs 1-5 MIRrDEOS NEOTROPICAIS CCCXC: ESPÉCIES NOVAS DE GOlAS (HEMIPTERA, MIRIDAE) José C. M. Carvalho 1,2 Luiz A. A. Costa 1 ABSfRACf. NEOTROPICAL MIRIDAE CCCXC: NEW SPECIES FROM GOIÁs (HEMIPTERA, MIRIDAE). Six

Leia mais

GRUPO 6 Padrão FCI N o 22 18/02/1997

GRUPO 6 Padrão FCI N o 22 18/02/1997 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 6 Padrão FCI N o 22 18/02/1997 Padrão Oficial da Raça GRANDE AZUL DA GASCONHA (GRAND BLEU DE GASCOGNE) CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

ARQUIVOS DO MUSEU BOCAGE

ARQUIVOS DO MUSEU BOCAGE Vol. VI 1976 ARQUIVOS DO MUSEU BOCAGE (2." Série) nofas e suplementos n. 27 SOBRE A PRESENÇA EM PORTUGAL DE MUNIDA IRIS RUTLLANTI ZARIQUIEY ALVAREZ, 1952 (DECAPODA, ANOMURA, GALATHEIDAE) ANA M. NEVES (*)

Leia mais

LOCOMOÇÃO. Grupo: Fábio Pais Fábio Santana Lucas Silveira Tathiane da Silva. Disciplina: Ecofisiologia de organismos Nectônicos

LOCOMOÇÃO. Grupo: Fábio Pais Fábio Santana Lucas Silveira Tathiane da Silva. Disciplina: Ecofisiologia de organismos Nectônicos LOCOMOÇÃO Grupo: Fábio Pais Fábio Santana Lucas Silveira Tathiane da Silva Disciplina: Ecofisiologia de organismos Nectônicos Introdução: Tipos de esqueleto e suas estruturas; Tipos de músculos e funcionamento;

Leia mais

MINIS TÉRIO DA. Todos os direitos reservados ao Ministério Jovem da AAmaR. Conselho do Ministério da Música da AAmaR

MINIS TÉRIO DA. Todos os direitos reservados ao Ministério Jovem da AAmaR. Conselho do Ministério da Música da AAmaR Regulamento de Uniformes MINIS TÉRIO Todos os direitos reservados ao Ministério Jovem da Conselho do Ministério da Música da JOVEM Alvo A mensagen do advento a todo mundo em minha geração III. UNIFORME

Leia mais

Bimestr e: Data: Nome : Disciplina Ciências Valor da Prova / Atividade: 7 ANO Nº Ângela. Professo r:

Bimestr e: Data: Nome : Disciplina Ciências Valor da Prova / Atividade: 7 ANO Nº Ângela. Professo r: Data: Bimestr e: 4 Nome : Disciplina Ciências : Valor da Prova / Atividade: Professo r: 7 ANO Nº Ângela Nota: Objetivo/ Instruções: Lista de Recuperação 1.Assinale a alternativa CORRETA: É encontrada apenas

Leia mais

Zooarqueologia e tafonomia de Castanheiro do Vento. O presente contributo tem como objecto o estudo da colecção de restos de fauna

Zooarqueologia e tafonomia de Castanheiro do Vento. O presente contributo tem como objecto o estudo da colecção de restos de fauna 1. INTRODUÇÃO O presente contributo tem como objecto o estudo da colecção de restos de fauna vertebrada recuperada nas campanhas de intervenções arqueológicas desenvolvidas no sítio do Castanheiro do Vento

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Reino Animal - Moluscos Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Reino Animal - Moluscos Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Reino Animal - Moluscos Prof. Enrico Blota Biologia Reino Animal Moluscos Variam muito de tamanho, desde caracóis de 1 mm até lulas gigantes de 18 m. Os moluscos sofreram uma

Leia mais

Brasil. Dos Primeiros habitantes da América à chegada dos Portugueses. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com

Brasil. Dos Primeiros habitantes da América à chegada dos Portugueses. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Brasil Dos Primeiros habitantes da América à chegada dos Portugueses Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Os Brasileiros... É como associarmos a formação do povo brasileiro com base nos

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XV Sistema Linfático

O Nosso Corpo Volume XV Sistema Linfático O Nosso Corpo Volume XV um Guia de O Portal Saúde Novembro de 2009 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright O Portal Saúde, todos os direitos

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

ECOLOGIA DE AMBIENTES AQUÁTICOS

ECOLOGIA DE AMBIENTES AQUÁTICOS ECOLOGIA DE AMBIENTES AQUÁTICOS Ernest Haeckel (1834 1919) ECOLOGIA Estuda o conjunto de relações entre os seres vivos e o meio em que vivem. estudo da complexa teia de relações existentes entre os organismos

Leia mais

MB 012 PANAMÁ MB 013 PANAMÁ PARA CRIANÇA

MB 012 PANAMÁ MB 013 PANAMÁ PARA CRIANÇA 6 MB 012 PANAMÁ Panamá feito a partir de 100 % Algodão Escovado Friso na aba num efeito contrastante 4 Respiradouros de metal Aba com 8 costuras Tamanho S/M 56 cm Tamanho L/XL 58 cm 200 un. 50 un. bege/preto

Leia mais

Consulta Pública 38/2009

Consulta Pública 38/2009 ALCAÇUZ Liquiritiae radix Glycyrrhiza glabra L.- FABACEAE A droga vegetal é constituída de raízes e estolões, com ou sem casca ( periderme), secos, principalmente de Glycyrrhiza glabra L. var. glandulifera

Leia mais

Limnoperna fortunei (Dunker, 1857) uma nova ameaça às águas brasileiras

Limnoperna fortunei (Dunker, 1857) uma nova ameaça às águas brasileiras Boas Práticas em Conservação e Manejo da Ictiofauna em Minas Gerais, Limnoperna fortunei (Dunker, 1857) uma nova ameaça às águas brasileiras Marcela David de Carvalho Gerência Estudos e Manejo da Ictiofauna

Leia mais

GRANDE AZUL DA GASCONHA GRAND BLEU DE GASCOGNE

GRANDE AZUL DA GASCONHA GRAND BLEU DE GASCOGNE CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 6 Padrão FCI 22 18/02/1997 Padrão Ofi cial da Raça GRANDE AZUL DA GASCONHA GRAND BLEU DE GASCOGNE CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

Lagostas. Cavacos. J Fontes ImagDOP. F Cardigos - ImagDOP

Lagostas. Cavacos. J Fontes ImagDOP. F Cardigos - ImagDOP Lagostas J Fontes ImagDOP As lagostas (Palinurus elephas) podem ser encontradas entre a superfície e os 70 metros de profundidade. Os sexos estão separados (ou seja, existem indivíduos machos e fêmeas)

Leia mais