o Mercado de Trabalho Formal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "o Mercado de Trabalho Formal"

Transcrição

1

2 2

3 mercado dinâmico e em evolução O Sindicato de Engenheiros no Estado de Minas Gerais (Senge-MG) reapresenta sua Cartilha do Mercado de Trabalho, contemplando agora os anos de 2011 e A cartilha tem a funcionalidade explícita de entender o histórico desse mercado de vínculos contratuais para engenheiros e, certamente, várias deduções podem ser feitas se associarmos esses resultados a outros parâmetros da economia, tais como crescimento do PIB e taxa de desemprego, dentre outros. O estudo do Instituto de Pesquisa e Economia Aplicada (IPEA), feito em 2010, fez uma correlação entre o crescimento do PIB e o crescimento desses vínculos. É razoável inferir que essa correlação está correta, à medida que podemos observar leve crescimento no número de vagas para engenheiro, dentro de um cenário de crescimento tímido do PIB nos últimos dois ou três anos. É sabido também que o Brasil ostenta, nos últimos anos, taxas de desemprego baixas, o que permite concluir, com alguma dose de confiabilidade, que o mercado de trabalho está sim em evolução, embora não com a pujança que as administrações federais, estaduais, municipais e os trabalhadores desejam. Causa certa estranheza e há que se pesquisar as causas o crescimento na região Sudeste da participação relativa dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo, às custas do declínio relativo de Minas Gerais. A novidade que salta aos olhos é o aumento na contratação de engenheiros ambientais, alimentos e afins, em taxas maiores que as demais modalidades. Da mesma forma, o crescimento no número de mulheres contratadas sugere, além da sutil diminuição no preconceito de gênero, a gradual inserção das mulheres nesse mercado (que em passado recente foi caracterizado como um mercado masculino ). Essa é uma excelente notícia, embora infelizmente não encontre paralelo na remuneração dessas mulheres, que ainda encontra-se em patamar inferior à dos homens. Outro ponto de atenção é a redução na contratação de engenheiros mais novos, recém- -formados. Qual seria a razão? Podemos elencar algumas possibilidades, tais como deficiências no sistema educacional ou, então, a necessidade de contratação de pessoas mais experientes em função das demandas urgentes de infraestrutura do país, ou até a formação inadequada pós- -universidade. Isso fica claro quando se observa remunerações maiores para profissionais com maior nível de escolaridade. Enfim, esta Cartilha é o ponto de partida para a análise e discussão mais aprofundadas. Através do estudo e compreensão dos dados aqui dispostos poderemos ter não só um quadro mais fidedigno à realidade como, também, a possibilidade de entendermos melhor a mecânica do mercado de trabalho para os engenheiros. Saudações sindicais. Raul Otávio da Silva Pereira Presidente do Senge-MG Gestão

4 4

5 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 7 INTRODUÇÃO MERCADO DE TRABALHO - PRINCIPAIS RESULTADOS DIMENSÃO E CARACTERÍSTICAS DA CATEGORIA Número de ocupações da engenharia e distribuição geográfica Evolução do número de vínculos na engenharia segundo especialidades Evolução do número de vínculos na engenharia segundo o gênero Ocupações da engenharia segundo a faixa etária Ocupações da engenharia segundo a escolaridade CARACTERÍSTICAS DOS ESTABELECIMENTOS Setor de atividade econômica Tamanho dos estabelecimentos Natureza jurídica dos estabelecimentos CARACTERÍSTICAS DOS VÍNCULOS EMPREGATÍCIOS Tempo no emprego Rendimento médio Jornada de trabalho CONSIDERAÇÕES FINAIS

6 6

7 APRESENTAÇÃO Dando continuidade ao trabalho desenvolvido para o período compreendido entre 2004 e 2010, o presente estudo tem como objetivo apresentar informações sobre a situação dos profissionais que atuam no mercado de trabalho da engenharia no estado de Minas Gerais. Para isso, serão analisados os dados constantes da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) referentes às ocupações relacionadas aos ramos da engenharia no Brasil e em Minas Gerais, nos anos de 2011 e A RAIS é um registro administrativo do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) que coleta, através de formulários de preenchimento obrigatório pelos estabelecimentos empresariais, uma série de informações sobre os trabalhadores com vínculos contratuais formalizados, quais sejam, os que possuem registro em carteira de trabalho (celetistas) e os contratados em regime estatutário. Essa base de dados é considerada uma das mais importantes fontes para o estudo do mercado de trabalho no País, dada sua abrangência nacional e a possibilidade de desagregação das informações segundo diversas categorias, a saber, geográficas, setoriais, por atributos pessoais como gênero e idade e por características dos estabelecimentos, como porte, atividade e natureza jurídica, entre outras. Para a elaboração do presente estudo, definiu-se, com base nas famílias ocupacionais discriminadas na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) de , o grupo de profissionais da engenharia a ser analisado, que é apresentado na Tabela 1 a seguir. 1 De acordo com a nota técnica 092/2013 do MTE, foi detectada ausência de informações de vínculos trabalhistas na declaração da RAIS ano-base 2012, no estado de São Paulo, município de São Bernardo do Campo - em torno de 10.7 mil vínculos empregatícios ativos em 31/12, no setor da Indústria de Transformação - em razão de erro de declaração. Dessa forma os resultados para o Brasil, a região Sudeste e o estado de São Paulo podem possuir algum tipo de erro de medição. 2 Neste trabalho foram mantidas as famílias de ocupações utilizadas no estudo anterior: O mercado formal de trabalho da engenharia no Estado de Minas Gerais, elaborado pelo DIEESE para o Sindicato dos Engenheiros do Estado de Minas Gerais e publicado pelo SENGE-MG em

8 Tabela 1: Profissionais da engenharia Antes da apresentação das informações, deve-se alertar sobre alguns aspectos que caracterizam a pesquisa da RAIS. Como qualquer outra base de dados, a RAIS está sujeita a falhas e possui algumas limitações que devem ser consideradas, como a possibilidade de atrasos no envio dos formulários, o que pode levar a não inclusão das informações de alguns estabelecimentos; erros e/ou omissões no preenchimento da declaração; e alteração da classificação de informações relativas a um mesmo vínculo já registrado em anos anteriores. Também é importante mencionar que o estoque de empregos examinado é o registrado em 31 de dezembro do ano de referência e corresponde ao total de vínculos empregatícios efetivados. Isso significa que os números apresentados não se referem ao número de pessoas empregadas, mas aos vínculos estabelecidos no período, sendo que uma mesma pessoa pode ter 8

9 mais de um vínculo de trabalho. Ainda é relevante esclarecer que os profissionais da engenharia que ocupam cargos de direção podem não estar computados nos números aqui analisados, uma vez que é facultado ao empregador registrá-los na RAIS sob a nomenclatura de engenheiros ou de diretores/gerentes. Neste último caso, não é obrigatória a especificação da formação do profissional, o que inviabiliza a identificação dos diretores/gerentes formados em engenharia. Ademais, sabe-se que alguns profissionais, mesmo ocupando funções da engenharia, podem não ser assim registrados, o que contribui para que o número de engenheiros apresentado neste estudo possa estar subestimado. 9

10 INTRODUÇÃO Nos últimos dois anos o mercado de trabalho formal no Brasil continua apresentando comportamento favorável, assim como na segunda metade da década de De 2011 para 2012 o número de postos de trabalho formais passou de 46,3 milhões para 47,4 milhões, um aumento de 2,48% no período. Em Minas Gerais a situação não foi diferente, sendo o crescimento no mesmo período da ordem de 1,59%, conforme a Tabela 2 abaixo. Tabela 2: Número e taxa de variação (%) dos postos de trabalho formais Brasil e Minas Gerais 2011 e 2012 Diante desse cenário, que se mantém favorável, vamos averiguar como tem evoluído a situação dos profissionais de engenharia, com especial atenção para os setores de atividade em que os engenheiros estão empregados, remuneração, gênero, escolaridade entre outros aspectos do mercado de trabalho. 10

11 MERCADO DE TRABALHO PRINCIPAIS RESULTADOS 1 - DIMENSÃO E CARACTERÍSTICAS DA CATEGORIA 1.1 Número de ocupações da engenharia e distribuição geográfica Em 2012, havia, no Brasil, 47,4 milhões de vínculos ativos, Dentre os quais quase 257 mil eram das famílias ocupacionais relacionadas ao ramo da engenharia, que representavam, portanto, 0,54% do total de vínculos formais do Brasil. A distribuição do total de vínculos formais da economia brasileira, por região, revela que a região Sudeste concentrava, em 2012, 50,78% do total, seguida pelas regiões Nordeste e Sul, com 18,15% e 17,13%, respectivamente, observando-se constância da participação da região Sudeste, queda da região Nordeste e ampliação da participação da região Sul, quando se compara com o número de vínculos existentes no ano de Quando se analisam os vínculos relacionados especificamente aos ramos da engenharia, observa-se, no ano de 2012, que a concentração na região Sudeste era ainda mais acentuada do que no caso geral, representando 62,11% do total. A região Sul, concentrava 14,45% dos vínculos formais desses ramos e, na região Nordeste, havia 12,95%. Neste caso nota-se ampliação da participação das regiões Sul e Sudeste e queda da região Nordeste quando se compara com o ano de 2011, conforme a Tabela 3. Tabela 3: Número e distribuição (%) do total de postos de trabalho e dos postos de trabalho da engenharia, segundo as regiões do Brasil 2011 e

12 A Tabela 4, a seguir, mostra que a maior parte dos vínculos na engenharia, em 2012, na região Sudeste encontrava-se em São Paulo (55,15%). Minas Gerais é onde se verificava a terceira maior proporção da Região (17,29%), sete pontos percentuais a menos do que no Rio de Janeiro e quase quinze pontos a frente do Espírito Santo (2,98%). Esses percentuais são pouco distintos daqueles observados no ano de Em Minas Gerais, do total de 4,9 milhões de vínculos formais ativos registrados em 2012, eram relacionados às ocupações da engenharia, o que representava 0,56% do total de vínculos formais do Estado, proporção levemente superior àquela observada em âmbito nacional. Tabela 4: Número e distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações de engenharia na região Sudeste, segundo as unidades da federação 2011 e 2012 Na região Sul do país, a maior participação relativa aos vínculos da engenharia é do estado do Paraná, que em 2012 concentrava 41,52% dos postos da área, contra 33,92% do Rio Grande do Sul. Esses percentuais não são muito distintos daqueles apurados em 2011, mas há ligeira ascensão da participação gaúcha no período considerado, conforme é mostrado pela Tabela 5. 12

13 Tabela 5: Número e distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações de engenharia na região Sul, segundo as unidades da federação 2011 e 2012 No caso da região Nordeste, o estado da Bahia tinha a maior proporção de ocupações da engenharia, com 30,94%, seguido pelo estado de Pernambuco, com 24,34% em Nessa região houve aumento da participação de Pernambuco e do Ceará de 2011 para 2012, conforme mostra a Tabela 6 abaixo. Tabela 6: Número e distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações de engenharia na região Nordeste, segundo as unidades da federação 2011 e

14 1.2 Evolução do número de vínculos na engenharia segundo especialidades No Brasil, na comparação de 2011 com 2012, houve ampliação do número de postos de trabalho formais de engenharia da ordem de 5,72%, mais que o dobro da taxa de variação do mercado de trabalho como um todo no País (Tabela 7). Especificamente, no Brasil em 2012, a especialidade da engenharia com o maior contingente de empregos formalizados era a engenharia civil, que respondeu por 31,57% do total de vínculos do ramo, seguida da engenharia industrial, de produção e segurança com 14,75% e da engenharia eletroeletrônica, com 14,53% (Tabela 7). O exame de cada uma das especialidades revela que houve crescimento do número de vínculos em quase todos os grupos da engenharia. Deve-se, entretanto, destacar o acréscimo expressivo nos empregos formais de alguns desses segmentos, como o dos engenheiros ambientais e de alimentos, que embora estejam entre os grupos com menor número de vínculos, tiveram um aumento de 194,46% e 129,87% respectivamente 3. Entre os grupos com menor variação e variação negativa do número de vínculos, pode-se citar o dos engenheiros metalurgistas e de materiais e afins (0%); os engenheiros químicos (-0,35%) e os físicos (-7,36%) (Tabela 7). Tabela 7: Número de vínculos contratuais formais nas ocupações de engenharia e taxa de variação (%), segundo especialidade Brasil 2011 e Vale lembrar que esses valores podem estar enviesados devido ao fato de que os vínculos podem ter sido registrados conforme consta na pesquisa, mas de fato a formação do ocupante do vínculo pode ser distinta. 14

15 A Tabela 7 e a Tabela 8 permitem identificar algumas alterações na distribuição dos vínculos das diversas modalidades da engenharia no decorrer do período de 2011 a Os engenheiros eletroeletrônicos e civis, apesar de estarem entre as três especialidades mais representativas e de terem aumentado anualmente o número de vínculos, tiveram sua participação no total das ocupações em engenharia reduzidas no período, o que significa que o crescimento dos vínculos dessas modalidades foi menor do que o observado nas demais. No caso dos engenheiros ambientais, que tiveram crescimento de 194,46%, e dos engenheiros de alimentos, com crescimento de 129,87%, suas participações no período de 2011 a 2012 passaram de, respectivamente, 0,17% para 0,48% e 0,03% para 0,07%. Tabela 8: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações de engenharia e taxa de crescimento, segundo especialidade Brasil 2011 e 2012 No caso de Minas Gerais também é a engenharia civil que apresentava o maior número de vínculos formais entre as ocupações da engenharia. Essa especialidade também registrou no estado um aumento do número de vínculos: de em 2011 para em 2012 acréscimo de 1,73% no período percentual inferior ao observado para a especialidade em âmbito nacional 15

16 (4,36%) e abaixo também da evolução total das especialidades da engenharia em âmbito estadual (2,87%). Com isso, houve queda da participação dos engenheiros civis no total de vínculos formais da engenharia no estado, conforme mostram a Tabela 9 e a Tabela 10. Por outro lado, houve crescimento expressivo do número de postos de trabalho formais nas áreas de engenharia ambiental e engenharia de alimentos no período de 2011 a 2012 respectivamente de 404,35% e 200,00%, ambos superiores à variação ocorrida em âmbito nacional nas respectivas áreas 4. No caso da engenharia ambiental o número de vínculos passou de 23 para 116 no período considerado. Dentre as ocupações com número absoluto de vínculos mais significativo, as que apresentaram maior crescimento no período de 2011 a 2012 foram as de pesquisadores de engenharia e tecnologia e de engenheiros industriais: 11,57% e 8,39%, respectivamente. Por fim, cabe destacar a queda expressiva - de 66,49% - do número de físicos 5 com vínculo formal entre 2011 e 2012, apesar desse grupo representar bem menos de 1% do total das ocupações de engenharia do estado (Figura 1 e Tabela 9). Figura 1: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo especialidade Minas Gerais 2011 e e 5 Vide Nota de Rodapé nº 3 16

17 Tabela 9: Número de vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia e taxa de variação (%), segundo especialidade Minas Gerais 2011 e 2012 Tabela 10: Distribuição (%) de vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo principais especialidades Minas Gerais 2011 e

18 Na Tabela 11, a seguir, apresenta-se, para cada especialidade da engenharia, a proporção de vínculos contratuais formais registrados em Minas Gerais sobre o total de vínculos do Brasil nos anos de 2011 e Como se pode verificar há, em 2012, nove especialidades com 10% ou mais de vínculos em Minas Gerais em relação ao Brasil, quantidade semelhante à de A diferença é a queda considerável da participação dos vínculos dos físicos passando de 16% para 6% e a ampliação da participação dos engenheiros de alimentos, passando de 8% para 10%. Dentre as especialidades que mais possuíam participação em relação ao total do País, destaque-se a engenharia de minas, com 36% em 2012; os pesquisadores em engenharia e tecnologia, com 21%, e os engenheiros agrimensores, com 20%. Tabela 11: Proporção (%) de vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia de Minas Gerais sobre total de vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia do Brasil, segundo as especialidades 2011 e

19 1.3 Evolução do número de vínculos na engenharia segundo o gênero Neste quesito observa-se que a tendência de aumento da participação feminina verificada na década de 2000 permanece no período mais recente de 2011 a Conforme mostram a Figura 2 e a Figura 3 abaixo, a participação das mulheres nas ocupações formais da área de engenharia aumentou 2,73% no Brasil, e 2,34% em Minas Gerais. Figura 2: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo o gênero Brasil 2011 e 2012 Figura 3: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo o gênero Minas Gerais 2011 e

20 A Tabela 12, abaixo, mostra que no Brasil, no período de 2011 a 2012, o crescimento do número de postos de trabalho de engenharia ocupados pelas mulheres foi de 8,58% e de 5,12% entre os homens. Já em Minas Gerais essas taxas foram menores do que no caso do País como um todo: 5,65% e 2,72%, respectivamente. No entanto, nota-se uma diferença um pouco menor em Minas Gerais do que no caso do Brasil. Quanto à distribuição dos vínculos contratuais de homens e mulheres segundo as modalidades da engenharia, verifica-se que em 2012, no Brasil, 37,25% dos postos ocupados pelas engenheiras eram da área civil; 17,85%, da industrial, qualidade e segurança; e 8,64%, da eletroeletrônica, área que ocupou o lugar que na década passada pertencia à agrossilvipecuária. Já entre os homens, 30,35% eram da engenharia civil; 15,8%, da engenharia eletroeletrônica; 14,4%, da mecânica; e 14,09%, da engenharia de industrial, qualidade e segurança (Tabela 13). No caso de Minas Gerais uma proporção maior de mulheres estava concentrada nas duas áreas mais bem colocadas em nível nacional: 40,51% dos vínculos das mulheres eram da engenharia civil e 17,12%, da engenharia industrial, de qualidade e segurança. Entre os engenheiros mineiros, 31,9% dos vínculos eram da civil; 14,41%, da eletroeletrônica; e 13,11%, da industrial, de qualidade e segurança. Neste caso houve uma inversão das posições da eletroeletrônica e da industrial, de qualidade e segurança em relação ao que se verificava em Tabela 12: Número de vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia e taxa de variação (%), segundo o gênero Minas Gerais e Brasil 2011 e

21 Tabela 13: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia por gênero, segundo a especialidade Minas Gerais e Brasil Ocupações da engenharia segundo a faixa etária A Tabela 14 e a Tabela 15 mostram a distribuição dos vínculos das ocupações da engenharia, por faixas etárias. Tanto em 2011 quanto em 2012, no Brasil assim como em Minas Gerais, a faixa etária predominante entre os profissionais da engenharia era a de 30 a 39 anos, na qual, em 2012, se situavam 35,06% dos vínculos contratuais de engenharia no Brasil e 35,81% em Minas Gerais, percentuais superiores aos verificados em 2010, ano do último levantamento. No caso da faixa etária entre 25 e 29 anos, houve leve ampliação da participação no nível estadual, passando de 19,63% em 2011 para 19,72% em 2012, e leve redução no caso do Brasil, passando de 20,37% em 2011 para 20,05% em Quando se verifica a menor faixa etária disponível na pesquisa entre 16 e 24 anos em primeiro lugar deve-se levar em conta que na realidade essa faixa deve ter como ponto inicial no mínimo 22 anos (idade possível para se ter um diploma universitário). A partir daí nota-se que houve queda da participação dessa faixa de 21

22 2011 para 2012: 4,3% para 4,08% no caso do Brasil e 4,31% para 3,86% no caso de Minas Gerais. Dessa forma, no caso das duas faixas mais jovens, há estabilidade em Minas Gerais e leve queda no caso do Brasil, o que indica uma possível diminuição da absorção dos engenheiros mais jovens e vai na contramão do observado ao longo da década passada. Com relação aos vínculos dos profissionais com mais de 50 anos de idade, nota-se que houve um leve acréscimo da participação dessa faixa etária no total de vínculos relacionados ao ramo. Nessa faixa, no período de 2011 a 2012, houve ampliação do número daqueles com 65 anos ou mais, cujo crescimento de 18,53% para o Brasil e de 15,53% para Minas Gerais fez com que esses profissionais continuassem a ampliar sua participação no total de vínculos do ramo no período analisado (como aconteceu na década passada), o que indica uma elevação do tempo de permanência no mercado de trabalho. Já a participação da faixa etária intermediária, de 40 a 49 anos, sofreu uma redução no total de vínculos contratuais. Em âmbito nacional, os postos ocupados por profissionais dessa idade caíram de 17,82% do total de vínculos verificados na área em 2011 para 17,24% do observado em Em Minas Gerais, houve uma queda de 18,94% em 2011 para 18,52% em 2012 (Tabela 14 e Tabela 15). Tabela 14: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo a faixa etária Minas Gerais e Brasil 2011 e

23 Tabela 15: Número de vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia e taxa de variação (%), segundo a faixa etária Minas Gerais e Brasil 2011 e 2012 Com relação à distribuição dos postos de trabalho por faixa etária e gênero, nota-se que as engenheiras concentravam-se entre as faixas etárias mais jovens, sendo que cerca de 70% dos postos eram ocupados por profissionais que tinham, em 2012, no Brasil, entre 18 e 39 anos e, em Minas Gerais, 71% estavam nessa faixa etária. Destaque-se a faixa entre 30 e 39 anos, que concentrava, em 2012, 41% dos vínculos ocupados por engenheiras mineiras e 39% das engenheiras brasileiras. No caso da faixa entre 40 e 49 anos, ocorria o maior equilíbrio entre os gêneros, tanto em Minas quanto no Brasil. Em 2012, 16,37% dos engenheiros brasileiros estavam nessa faixa etária, enquanto 17,42% das engenheiras brasileiras ocupavam esse intervalo. No caso de Minas Gerais, 18,69% dos engenheiros estavam nessa faixa, enquanto 17,79% das engenheiras ocupavam esse intervalo. Entre os profissionais mais experientes, o padrão observado no último estudo não se alterou muito: a maior parte dos engenheiros estava na faixa acima dos cinquenta anos, sendo praticamente o dobro do observado entre as mulheres. Em 2012, no Brasil, 25,69% dos engenheiros tinham mais de 50 anos enquanto 13,72% das engenheiras estavam nessa faixa de idade; já em Minas Gerais, 24,6% dos engenheiros tinham mais de 50 anos enquanto 11,21% das engenheiras estavam nessa faixa de idade. 23

24 Figura 4: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia por gênero, segundo a faixa etária Brasil 2012 Figura 5: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia por gênero, segundo a faixa etária Minas Gerais 2012 A Tabela 16 e a Tabela 17 mostram a variação do número de vínculos da engenharia de acordo com o gênero e a faixa etária. Para o País como um todo, conforme mostra a Tabela 16, houve expansão em todas as faixas de idade para ambos os gêneros com exceção dos homens de 18 a 24 anos. Destaque-se a expansão do número de engenheiros e engenheiras com mais de 65 anos de idade 18,03% e 37,62%, respectivamente. 24

25 Em Minas Gerais, de acordo com a Tabela 17, as variações foram menos intensas do que no caso do Brasil, e, além disso, houve forte queda na faixa etária mais jovem tanto para os homens quanto para as mulheres. Pode-se destacar o aumento de 300% do número de engenheiras com mais de 65 anos no estado no período de 2011 a Tabela 16: Número de vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia e taxa de variação (%) por gênero, segundo a faixa etária Brasil 2011 e 2012 Tabela 17: Número de vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia e taxa de variação (%) por gênero, segundo a faixa etária Minas Gerais 2011 e

26 1.5 Ocupações da engenharia segundo a escolaridade A discussão de escolaridade se justifica pelo fato de que é necessário observar qual percentual dos profissionais ocupados nas engenharias possuía grau de formação além do superior. A Figura 6 e a Figura 7 mostram a distribuição dos profissionais da área de acordo com o grau de escolaridade e o gênero. Figura 6: Distribuição (%) do número de vínculos formais de acordo com o nível de escolaridade, por gênero Brasil 2012 Fonte: RAIS/MTE Elaboração: Senge MG/Dieese Figura 7: Distribuição (%) do número de vínculos formais de acordo com o nível de escolaridade, por gênero Minas Gerais

27 No caso do Brasil, em 2012, a Figura 6 mostra que a maioria absoluta dos profissionais tinha como grau máximo de escolaridade o superior completo. Os postos de trabalho ocupados pelas mulheres se caracterizavam por ter um maior percentual de ocupantes que possuíam mestrado 3,92% contra 2,97% dos engenheiros e também por possuírem um maior percentual de vínculos com doutorado 2,08% contra 1,23% dos engenheiros. Em Minas Gerais, em 2012, a situação não era muito distinta: 3,05% dos postos ocupados por engenheiras eram por profissionais com mestrado, enquanto 2,18% dos postos ocupados por engenheiros eram ocupados por profissionais com mestrado. No caso das ocupações com doutorado 1,8% dos vínculos das engenheiras possuíam este nível, enquanto no caso dos engenheiros esse percentual era de 0,85%. A Tabela 18 mostra a evolução da participação dos ocupados de acordo com o nível de escolaridade no período de 2011 a Tabela 18: Número de vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia e taxa de variação (%), segundo a faixa de escolaridade Brasil e Minas Gerais 2011 e 2012 Conforme a Tabela 18 acima, a expansão dos vínculos que possuíam doutorado em Minas Gerais foi da ordem de 47,92% enquanto no Brasil foi de 13,96%. Já os vínculos com mestrado mostraram evolução de 17,67% em Minas e de 10,46%, no Brasil. Com isso a participação dos vínculos com mestrado e doutorado aumentou no Brasil e em Minas Gerais no período de 2011 a Os vínculos com mestrado passaram de 2,06% para 2,34% do total de postos de trabalho 27

28 em Minas Gerais e de 3% para 3,14% do total do Brasil. Já os vínculos com doutorado passaram de 0,72% para 1,03% do total em Minas Gerais e de 1,28% para 1,38% do total de vínculos do País (Tabela 19). Tabela 19: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo a faixa de escolaridade Brasil e Minas Gerais 2011 e

29 2 CARACTERÍSTICAS DOS ESTABELECIMENTOS 2.1 Setor de atividade econômica A análise dos vínculos da engenharia conforme o setor de atividade onde estão inseridos os estabelecimentos (Figura 8) mostra que no Brasil, em 2012, os ramos que mais empregavam engenheiros eram os de Serviços, a Indústria de Transformação, e a Construção Civil, responsáveis por 28,24%, 27,78% e 14,62% dos postos de trabalho desses profissionais, respectivamente. Nesse quesito houve uma mudança em relação ao último estudo (2010), que apontou ser o setor da Indústria de Transformação o maior empregador da categoria, seguido pelos setores de Serviços e da Construção Civil. Em Minas Gerais, a ordenação dos setores é similar à do Brasil, com o setor de Serviços congregando o maior contingente de vínculos da engenharia: 29,4%, proporção maior do que a registrada no país e menor do que a registrada no último estudo; e o setor da Indústria da Transformação absorvendo 23,6% dos profissionais da área no estado. Ainda no estado, deve se destacar a Indústria Extrativa Mineral, que respondeu, em 2012, por 9,86% dos vínculos ligados à engenharia, percentual superior à média nacional naquele ano, que foi de 4,93%, além de ter também sido superior ao verificado no estudo de Esse comportamento é compatível com a importância dessa indústria para a economia mineira, especialmente nos últimos anos, em que houve forte expansão da demanda mundial pelas commodities minerais. Como será visto mais adiante, essa distribuição dos postos de trabalho em proporção cada vez menor no setor Industrial e maior no setor de Serviços tem tido reflexos sobre a remuneração média dos profissionais de engenharia. 29 o Mercado de de Trabalho Formal

30 Figura 8: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo setor de atividade econômica Brasil e Minas Gerais 2012 Tabela 20: Número e distribuição dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia e taxa de variação, segundo setor de atividade econômica Minas Gerais 2011 e 2012 A Tabela 20 mostra o número, a distribuição e a taxa de variação dos vínculos nos ramos da engenharia, em Minas Gerais, por setor de atividade econômica. Conforme se pode constatar, a maior expansão de postos de trabalho da engenharia em Minas Gerais, no período de 2011 a 2012, ocorreu no setor de Agropecuária, Extração Vegetal, Caça e Pesca da ordem de 31,47%. Em seguida vem o setor da Indústria Extrativa Mineral, o 30

31 que confirma o aumento da importância desse setor no estado. Em 2011, os vínculos nesse setor representavam 7,83% do total de vínculos da engenharia no estado, valor que subiu para 9,86% no ano seguinte. Um setor que teve forte aumento percentual de profissionais da engenharia no período de 2011 a 2012 foi o Comércio (20,03%), apesar de em termos absolutos a expansão não ter sido tão significativa. Diferentemente do que ocorreu ao longo da década passada forte expansão o setor da Construção Civil registrou um aumento pequeno no período considerado, passando de vínculos em 2011 para em 2012, o que representa um crescimento de apenas 2,69%. Outro setor que registrou pequeno aumento dos vínculos formais no período em questão foi o da Indústria de Transformação que é o segundo setor que mais emprega engenheiros no estado da ordem de 2,69%. O setor de Serviços, apesar de que ainda respondia pelo maior número de vínculos formais no ramo da engenharia mineira em 2012, registrou recuo do número de postos de trabalho na área, com queda de 1,73% de 2011 a Na Tabela 21 são apontadas as variações do número de vínculos das principais especialidades da engenharia por setores que mais expandiram o número de vínculos em Minas Gerais no período de 2011 a O setor de Agropecuária abriu majoritariamente, no período de 2011 a 2012, postos de trabalho ligados às engenharias ambientais, de computação e agrimensura, com variações de 300%, 100% e 100% no período. No caso da Indústria Extrativa Mineral destacam-se as aberturas de postos de trabalho ligados à engenharia ambiental, com variação de 400% no período considerado. O setor de Comércio se caracterizou por ter aberto vínculos para profissionais do espaço e da atmosfera e para engenheiros de alimentos, tendo ambas as especialidades apresentado variação de 200% no período de 2011 a

32 Tabela 21: Taxa de variação (%) dos vínculos contratuais formais por principais setores e por ocupações da engenharia Minas Gerais 2011 a 2012 A desagregação dos dados dos vínculos acima por gênero mostra que as mulheres tinham maior participação na Administração Pública e nos Serviços, padrão semelhante ao do estudo de 2010, sendo que a diferença em relação àquele período é a maior participação em geral das engenheiras. No Brasil, em 2012, as mulheres ocupavam 24,68% dos postos de trabalho da Administração Pública e 22,29% dos de Serviços. Em Minas Gerais, essas proporções eram equivalentes a 25,74% e 23,38%, respectivamente. O Comércio era o setor que menos absorvia mulheres, que respondiam por 12,14% dos vínculos no Brasil e 13,52%, em Minas Gerais (Tabela 22). Comparando-se a participação das mulheres engenheiras nos diversos ramos da atividade, observa-se que o estado de Minas Gerais apresentava uma distribuição parecida com a do Brasil, com exceção da Indústria Extrativa Mineral, onde a proporção de mulheres era perceptivelmente maior em Minas Gerais (19,37%) do que no País (15,11%), apesar de se tratar de uma diferença menor do que a verificada em

33 Tabela 22: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia por setor de atividade econômica, segundo o gênero Minas Gerais e Brasil 2012 Com o objetivo de aprofundar o conhecimento sobre a participação dos gêneros na engenharia em Minas Gerais segundo setores econômicos, calculou-se o crescimento relativo e a proporção da participação feminina e masculina, em 2011 e em 2012, nos diversos ramos de atividade da engenharia, conforme a Tabela 23 e a Tabela 24. Tabela 23: Número de vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia e taxa de variação (%) por gênero, segundo setor de atividade econômica Minas Gerais 2011 e

34 Tabela 24: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia por setor de atividade econômica, segundo o gênero, Minas Gerais 2011 e 2012 Conforme mostra a Tabela 23, em todos os setores, o crescimento dos postos de trabalho ocupados por engenheiras foi maior do que aqueles ocupados por engenheiros e, inclusive nos setores onde houve redução no período, a redução do número de postos ocupados por mulheres foi menor do que a redução dos postos ocupados pelos homens. Conforme observado anteriormente, o maior crescimento global dos postos de trabalho foi observado no setor da Agropecuária, Extração Vegetal, Caça e Pesca. No entanto, quando se separam os gêneros nota-se que para as engenheiras a expansão maior foi nesse setor (62,5%), enquanto para os engenheiros a variação de maior impacto foi no setor da Indústria Extrativa Mineral (29,8%), setor que foi o de segunda maior variação no período considerado. A forte expansão de postos de trabalho ocupados por engenheiras no setor da Agropecuária refletiu-se na forte ampliação da proporção de vínculos ocupados por elas no setor: de 12,5% em 2011 para 15,45% em No setor do Comércio houve expansão de 18,3% no total de vínculos masculinos entre 2011 e 2012 e de 32,43% no total de vínculos femininos. Com isso, em 2012, as engenheiras passaram a ocupar 13,52% dos postos desse setor e os engenheiros, 86,48%. No caso do setor da Administração Pública, houve redução de 5,37% nos vínculos masculinos e redução de 4,57% nos vínculos femininos no período em questão. Com isso, as mulheres passaram a ocupar, em 2012, 25,74% dos vínculos do setor e os homens, 74,26%. 34

35 2.2 Tamanho dos estabelecimentos A Figura 9 mostra que a distribuição dos vínculos da engenharia, de acordo com o porte dos estabelecimentos existentes em Minas Gerais, seguia a mesma tendência nacional, com leve aumento de concentração em relação ao último estudo no que toca os estabelecimentos de 100 a 999 empregados. Estes eram os que reuniam a maior proporção de vínculos da engenharia: 41,41% do total do Brasil e 38,51% do total de Minas Gerais. Nos estabelecimentos com mais de mil vínculos, estava cerca de um terço dos postos de trabalho, tanto em Minas Gerais quanto em âmbito nacional; e, nos locais com até 99 vínculos, encontravam-se 24,84% dos vínculos formais do Brasil e 27,29% do estado. Figura 9: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo porte do estabelecimento Brasil e Minas Gerais 2012 Os dados da Tabela 25 mostram que nos três ramos mais importantes da engenharia no Brasil não existia homogeneidade quanto à distribuição dos vínculos segundo tamanho do estabelecimento no ano de Na Indústria de Transformação, 44,45% dos vínculos da engenharia estavam em estabelecimentos com mil postos de trabalho ou mais e 41,63%, naqueles com 100 a 999 postos. Nos Serviços, 44,62% dos vínculos estavam registrados em estabelecimentos com 100 a 999 postos 35

36 de trabalho e o restante distribuído entre os estabelecimentos de menor (30,76%) e de maior porte (24,62%). Já na Construção Civil, 86,63% dos vínculos estavam em estabelecimentos com até 999 postos de trabalho. Os únicos setores que possuíam mais de 50% dos vínculos em uma das faixas são: a Indústria Extrativa Mineral, com 59,73% dos vínculos em estabelecimentos com mais de funcionários; o setor de Comércio, que concentrava 58,6% dos postos entre os estabelecimentos com até 99 funcionários; Administração Pública, com 53,19% dos vínculos entre os estabelecimentos com mais de trabalhadores e a Agropecuária com 55,10% dos postos de trabalho nos estabelecimentos de menor porte. Tabela 25: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia por setor de atividade econômica, segundo o porte do estabelecimento Brasil

37 Tabela 26: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia por setor de atividade econômica, segundo o porte do estabelecimento Minas Gerais 2012 No caso de Minas Gerais, os setores da Indústria Extrativa Mineral e do Comércio também apresentavam forte concentração dos vínculos da engenharia, sendo que o primeiro tinha 71,12% dos postos de trabalho nos estabelecimentos com mais de mil funcionários e o segundo 76,97% nos estabelecimentos de pequeno porte. Nesse estado, o setor de Serviços Industriais de Utilidade Pública concentrava mais da metade dos vínculos (77,9%) nos estabelecimentos de grande porte, assim como a Indústria de Transformação (50,74%). Ressalte-se que em relação ao estudo anterior houve redução de 4,6 pontos percentuais na concentração do setor de Serviços Industriais de Utilidade Pública entre os estabelecimentos com mais de mil funcionários. A Tabela 27, a seguir, mostra que no período compreendido entre 2011 e 2012, a maior taxa de crescimento de vínculos da engenharia ocorreu nas empresas mineiras de pequeno porte resultado diametralmente oposto ao ocorrido na década anterior que tiveram um aumento de 6,44% no número de vínculos de engenharia no período. Nas empresas de médio porte, esse percentual foi de 2,24% e nas de grande porte (as que menos expandiram o número de postos), de 1,97%. Os setores em que se verificaram, nas menores empresas, as maiores taxas de crescimento dos vínculos contratuais foram os de Serviços Industriais de Utilidade Pública, com um aumento de 29% dos postos de trabalho, e do Comércio, com 17,72%. Destaque-se também a queda da Construção Civil, de 2,8%. 37

38 Outros números representativos são: o crescimento do número de postos no setor da Indústria Extrativa Mineral entre os estabelecimentos de médio porte (30,59%); o crescimento no setor do Comércio entre os estabelecimentos de grande porte (150%); e o crescimento no setor da Agropecuária entre os estabelecimentos de grande porte (753,33%). Tabela 27: Número de vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia e taxa de variação (%) por setor de atividade econômica, segundo o porte do estabelecimento Minas Gerais 2011 e Natureza jurídica dos estabelecimentos A Figura 10, a seguir, mostra a distribuição dos vínculos da engenharia segundo a natureza jurídica dos estabelecimentos. Conforme se pode notar, os estabelecimentos privados concentravam a maior parte dos vínculos da engenharia, tanto no Brasil (70,07%) quanto em Minas Gerais (78,62%). As entidades empresariais estatais empregavam, no Brasil, 14,82% dos engenheiros e, em Minas Gerais, 8,53%; e o setor público municipal, estadual e federal, 11,3% no Brasil e 9,63% em Minas Gerais. 38

39 Figura 10: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo a natureza jurídica dos estabelecimentos Minas Gerais e Brasil 2012 A Tabela 28 identifica o tipo de estabelecimento responsável pelos vínculos em cada setor econômico, em 2012 em Minas Gerais. Nas indústrias de Transformação e Extrativa Mineral, assim como na Construção Civil e no Comércio, a quase totalidade dos vínculos da engenharia foi registrada nos estabelecimentos privados. Nos Serviços Industriais de Utilidade Pública, 55,18% dos vínculos estavam em estabelecimentos privados, ou seja, em empresas concessionárias privadas e em empreiteiras que prestam serviços às empresas públicas de saneamento e energia, entre outras. Já no âmbito da Administração Pública, a maior parte dos vínculos da engenharia (56,96%) estava na esfera municipal. Tabela 28: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia por setor de atividade econômica, segundo a natureza jurídica do estabelecimento Minas Gerais

40 3 CARACTERÍSTICAS DOS VÍNCULOS EMPREGATÍCIOS 3.1 Tempo no emprego 7 No ano de 2012, assim como ocorria em 2010, mais da metade dos vínculos contratuais da engenharia tinham menos de três anos, tanto no Brasil (50,96%), quanto em Minas Gerais (55,52%), sendo que mais de um quarto 25,21% e 27,67%, respectivamente havia sido estabelecido em período inferior a um ano. Vínculos contratuais com mais de três e menos de cinco anos representavam 12,4% dos então vigentes no estado, percentual praticamente igual ao verificado no País: 12,81%. Isso significa que, em 2012, cerca de dois terços dos vínculos da engenharia haviam sido firmados há menos de cinco anos. Para os vínculos estabelecidos na faixa entre cinco e menos de dez anos, no Brasil, de acordo com o último estudo, havia 13% contra 15,55% em No caso de Minas Gerais essas proporções eram de 11,6% em 2010 e de 14,24% em No caso dos vínculos estabelecidos há dez anos ou mais, houve leve queda no Brasil, passando de 21% em 2010 para 20,67% em 2012 e, em Minas Gerais, passando de 18,9% em 2010 para 17,83% em 2012 (Figura 11). O significativo percentual de vínculos contratuais recentes dos profissionais da engenharia ainda reflete alguns fatores que influenciaram o comportamento do mercado de trabalho nos últimos anos, como o crescimento econômico e o aumento da formalização dos contratos de trabalho. Também reflete o aquecimento do emprego na engenharia, que, além de proporcionar a absorção de profissionais que não estavam no mercado de trabalho formal, estimula entre os que estão nele inseridos a busca por melhores oportunidades e a troca de empregos com maior frequência. No entanto, vale ressaltar que a pequena queda da participação dos vínculos estabelecidos há menos de três anos, combinada ao aumento da participação dos vínculos na faixa entre cinco e menos de dez anos já mostra certa desaceleração no mercado de trabalho da área. A simples comparação dos anos de 2011 e 2012 parece confirmar essa última hipótese, posto que a proporção dos profissionais da engenharia com menor tempo de permanência no emprego diminuiu nesse período, enquanto a dos vínculos mais antigos aumentou. No Brasil, em 2011, 51,17% dos postos de trabalho da engenharia eram ocupados por profissionais com vínculo contratual inferior a três anos e 34,68%, por engenheiros contratados há mais de cinco anos. Em 2012 esses percentuais correspondiam a 50,96% e a 36,22% (Figura 12). 7 Nas Figuras de 11 a 14 e na Tabela 29 a letra n representa o número de anos 40

41 Figura 11: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo a faixa de tempo de emprego Minas Gerais e Brasil 2012 Figura 12: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo a faixa de tempo de emprego Brasil 2011 e 2012 No caso dos profissionais do estado de Minas Gerais, esse movimento foi menos perceptível. A participação dos que tinham menos de três anos de emprego passou de 55,17% para 55,52%, entre 2011 e 2012, enquanto a daqueles com cinco anos ou mais aumentou de 30,46% para 32,07%, no mesmo período (Figura 13). No caso de Minas nota se que houve queda apenas da faixa com menos de um ano e ampliação do número de profissionais entre um e menos de três 41

42 anos, o que decorre do fato de que na década passada a proporção de profissionais com menos de um ano em Minas Gerais era superior à do Brasil, o que faz com que o processo de transição para faixas de maior duração seja mais demorado no estado do que no País. Figura 13: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo a faixa de tempo de emprego Minas Gerais 2011 e 2012 A comparação das faixas de tempo no emprego por gênero em Minas Gerais revela que a diferença fundamental é o fato de que a maioria dos postos de trabalho ocupados pelas mulheres em 2012 se concentrava nas faixas com menos de cinco anos 72,66% enquanto os homens têm considerável percentual entre as faixas com mais de dez anos 18,88%; contra 13,31% das mulheres (Figura 14). Figura 14: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo a faixa de tempo de emprego Minas Gerais 2011 e

43 No que se refere à faixa etária, entre os vínculos ocupados há menos de um ano, era mais elevada a parcela de profissionais de 30 e 39 anos de idade (36,98%), seguida de perto pelos mais jovens (36,15%). Há que se considerar também que 14,95% dos que não haviam completado um ano no emprego tinham entre 40 e 49 anos e 10,94%, entre 50 e 64 anos. No outro extremo, ou seja, entre os vínculos de mais de dez anos de duração, era elevada a participação de engenheiros com 50 a 64 anos, que representavam 53,26% dos vínculos, seguida daqueles com 40 a 49 anos (28,46%). Destaca-se, também, que 14,43% desses profissionais tinham idade entre 30 a 39 anos (Tabela 29). Tabela 29: Distribuição (%) dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia por faixa de tempo de emprego, segundo a faixa etária Minas Gerais Rendimento médio Os dados da RAIS de 2012 mostram que os postos de trabalho da engenharia tinham remuneração média nominal em 31 de dezembro daquele ano da ordem de R$9.108,04 no Brasil, valor superior em aproximadamente 18% em relação a Minas Gerais, onde esse valor era de R$7.739,03. Quando se analisam separadamente as diversas especialidades, nota-se que os engenheiros civis, grupo predominante, recebiam, em média, R$8.275,88 no Brasil, cerca de 14% a mais que essa mesma especialidade em Minas Gerais (R$7.275,94). Já entre os engenheiros de produção segundo grupo mais numeroso a diferença era menor: a média nacional (R$8.016,37) é cerca de 4% maior do que a do estado (R$7.671,51). No Brasil, os maiores rendimentos eram pagos aos engenheiros químicos (R$14.264,95) seguidos dos geólogos e geofísicos (R$13.127,46). Em Minas Gerais, engenheiros de minas aufe- 43

44 riam o maior rendimento médio (R$9.618,88). Os menores rendimentos médios eram recebidos, no Brasil e em Minas, pelos engenheiros de alimentos e afins respectivamente R$3.970,15 e R$2.914,82. Chama a atenção o fato de que os engenheiros ambientais e afins ganhavam, em 2010, em Minas Gerais, rendimento médio bem superior ao do Brasil. No entanto, em 2012, esse quadro se reverte e o profissional da área no estado passa a receber, em média, cerca de metade do profissional no País. Essas diferenças de rendimento não se devem, entretanto, apenas às modalidades da engenharia, mas também a outros fatores, entre os quais a natureza jurídica dos estabelecimentos em que as especialidades estão alocadas, como mostram a Tabela 30 e a Figura 15. Tabela 30: Número de vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia e rendimento médio (1), segundo a especialidade Minas Gerais e Brasil

45 Quando se examinam os dados relativos à remuneração dos vínculos da engenharia, segundo a natureza jurídica dos estabelecimentos, verifica-se que, no Brasil em 2012, os maiores rendimentos médios foram pagos aos postos das empresas estaduais R$15.233,85; e em Minas Gerais para os vínculos no Setor Público Federal R$11.015,80. Deve-se destacar, no entanto, que os rendimentos recebidos pelos profissionais alocados nas empresas estatais em Minas Gerais equivaliam a 65% da média nacional, e que em todos os setores os profissionais no estado recebiam em média menos do que a média nacional. É importante observar, ainda, que no Setor Público Estadual, e nas Entidades sem Fins Lucrativos a diferença girava em torno de 10%; já no Setor Público Municipal e nas Entidades Empresariais Privadas a diferença chegava aos 6%. Tabela 31: Número de vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia e rendimento médio, segundo a natureza jurídica dos estabelecimentos Minas Gerais e Brasil

46 Figura 15: Rendimento médio dos vínculos contratuais formais nas ocupações da engenharia, segundo a natureza jurídica dos estabelecimentos Brasil e Minas Gerais 2012 Com relação ao gênero, a comparação dos rendimentos de homens e mulheres no ramo da engenharia em 2012 mostra algumas diferenças entre o comportamento da média nacional e a de Minas Gerais. Em âmbito nacional, as mulheres recebiam, em média, R$7.629,18, valor que correspondia a cerca de 81% do rendimento médio dos homens (R$9.426,62), sendo que houve pequena melhora nessa proporção em relação a 2010 (79%). Em Minas Gerais, em 2012, as mulheres recebiam, em média, R$6.791,67, que equivalia a 85% da remuneração média recebida pelos homens no Estado de R$7.958,98 (também registrando melhora em relação a 2010, 84%) e a 89% das engenheiras do Brasil, mesma proporção de Quanto às especialidades da engenharia, para que se tenha uma representação gráfica mais adequada, optou-se por exibir as informações referentes às quatro modalidades que reuniam o maior contingente de profissionais em 2012, a saber: engenheiros civis e afins; engenheiros eletroeletrônicos e afins; engenheiros industriais, de produção e segurança; e engenheiros agrossilvipecuários que somadas correspondiam a cerca de 70% do total de vínculos do ramo, tanto no estado de Minas Gerais, quanto no Brasil. As informações relativas ao Brasil em 2012 mostram que o rendimento médio das mulheres engenheiras era inferior ao dos homens nas quatro modalidades analisadas, situando-se entre 46

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual Amilton Moretto Palavras-chave:,, Ocupação, Mercado de trabalho. Resumo O artigo analisa o espaço que jovens e as pessoas idosas têm ocupado

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA PED PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS Setembro - 2014 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos,

Leia mais

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL Um estudo de perfil sócio-econômico para subsidiar ações estratégicas na categoria MARÇO DE 2010 ALOISIO LEÃO DA COSTA

Leia mais

DIEESE e SEBRAE lançam Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa

DIEESE e SEBRAE lançam Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa São Paulo, 05 de dezembro de 2011 NOTA À IMPRENSA DIEESE e SEBRAE lançam Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa O aumento no número de estabelecimentos de micro e pequenas empresas no Brasil, bem

Leia mais

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE CADERNOS REGIONAIS SUDESTE 2015 Apresentação Neste ano de 2015 se realiza o 12º CONCUT Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores -, momento de suma importância para não só eleger a nova direção

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

Nº 79 - dezembro de 2015

Nº 79 - dezembro de 2015 Nº 79 - dezembro de 2015 Balanço das greves em 2013 Balanço das greves em 2013 O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) apresenta, com este estudo, um panorama das

Leia mais

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil Área 4 Economia e Movimentos Sociais: mercado de trabalho e sindicalismo; política agrária e movimentos sociais no campo; economia solidária; desigualdade étnico-racial e de gênero; movimento estudantil

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás A 6ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio da parceria

Leia mais

Perfil Educacional SEADE 72

Perfil Educacional SEADE 72 Perfil Educacional A análise da situação educacional do Estado de Santa Catarina fundamentase nos indicadores de instrução da população (taxa de analfabetismo para 1991), de escolarização (taxa líquida

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e ERRATA A página 19 foi substituída pela página abaixo: Quadro de servidores públicos municipais 1999-2002 Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e passando por uma redistribuição de poderes

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

Rotatividade setorial: dados e diretrizes para a ação sindical

Rotatividade setorial: dados e diretrizes para a ação sindical Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos Rotatividade setorial: dados e diretrizes para a ação sindical São Paulo, 2014 1a8.indd 1 25/07/14 17:15 DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE Estudo Temático: Análise do Mercado de Trabalho Formal em Porto Alegre Relatório Especial RAIS 2011 Termo de Contrato Nº. 48918/2012 Secretaria Municipal de Trabalho

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC FICHA BIBLIOGRÁFICA Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC Equipe técnica responsável: Fausto Augusto Junior; Zeíra Mara Camargo de Santana; Warley Batista

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO DESEMPENHO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NO ENADE

A EVOLUÇÃO DO DESEMPENHO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NO ENADE A EVOLUÇÃO DO DESEMPENHO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NO ENADE Vanderli Fava de Oliveira (UFJF ) vanderli@acessa.com Marcos Vinicius de Oliveira Costa (UFJF ) marcos.vinicius@engenharia.ufjf.bru O objetivo

Leia mais

Atendência de forte ex

Atendência de forte ex ARTIGO Estudo traça o novo perfil do desemprego no Brasil A abertura comercial sem critérios, aliada ao contexto competitivo interno de altas taxas de juros e ausência de financiamento de médio e longo

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

13º salário deve injetar R$ 158 bilhões na economia

13º salário deve injetar R$ 158 bilhões na economia 1 São Paulo, 04 de novembro de 2014 13º salário deve injetar R$ 158 bilhões na economia NOTA À IMPRENSA Até dezembro de 2014, estima-se que deverão ser injetados na economia brasileira cerca de R$ 158

Leia mais

DESENVOLVIDO PELO Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), este estudo aponta um positivo crescimento do emprego

DESENVOLVIDO PELO Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), este estudo aponta um positivo crescimento do emprego DESENVOLVIDO PELO Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), este estudo aponta um positivo crescimento do emprego formal do engenheiro entre 2003 e 2013. O salto foi

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

Perfil do Emprego nas Fundações de Belo Horizonte/MG - 1999*

Perfil do Emprego nas Fundações de Belo Horizonte/MG - 1999* Perfil do Emprego nas Fundações de Belo Horizonte/MG - 1999* Eduardo Marcondes Filinto da Silva Secretário Executivo e Pesquisador FIPE Marianne Thamm de Aguiar Graduanda em Economia pela FEA/USP O objetivo

Leia mais

ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes *

ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes * ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes * Pesquisas indicam que o desemprego é um dos maiores problemas, senão o maior, enfrentados pela população brasileira

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) COMISSÃO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO (CED)

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) COMISSÃO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO (CED) SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) COMISSÃO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO (CED) 3º RELATÓRIO DE ANÁLISE E ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS SUPERVISIONADOS RIO DE JANEIRO, 30 DE NOVEMBRO DE 2015 1.

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Artigo nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Por Cibele Yahn de Andrade Pesquisadora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP) da Unicamp. Doutoranda

Leia mais

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Igualdade de Género INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Para um conhecimento mais aprofundado da situação de Igualdade de Género e considerando o objectivo

Leia mais

SÉRIE 2013, Nº 05 - MESORREGIÃO SUL CATARINENSE

SÉRIE 2013, Nº 05 - MESORREGIÃO SUL CATARINENSE SÉRIE 2013, Nº 05 - MESORREGIÃO SUL CATARINENSE GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE SISTEMA NACIONAL

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

Serviço social. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH

Serviço social. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Serviço social Os cursos de graduação presenciais de Serviço Social no Brasil surgem na segunda metade dos anos 30, em um contexto

Leia mais

ANÁLISES E APONTAMENTOS ACERCA DAS RESERVAS DE VAGAS PARA ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS ADOTADAS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS IFG

ANÁLISES E APONTAMENTOS ACERCA DAS RESERVAS DE VAGAS PARA ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS ADOTADAS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS IFG Processos de Seleção ANÁLISES E APONTAMENTOS ACERCA DAS RESERVAS DE VAGAS PARA ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS ADOTADAS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS IFG 2010/2-2011/2 GOIÂNIA JUNHO DE 2012 MEC MINISTÉRIO DA

Leia mais

o Mercado de Trabalho Formal

o Mercado de Trabalho Formal da ENGENHARIA em Minas Gerais 2 Mercado em evolução Depois de décadas de estagnação, o mercado de trabalho da Engenharia encontra-se em um momento bastante favorável. A estabilidade macroeconômica criou

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

A INDÚSTRIA DO ESTADO DO CEARÁ. Estrutura da Indústria

A INDÚSTRIA DO ESTADO DO CEARÁ. Estrutura da Indústria A INDÚSTRIA DO ESTADO DO CEARÁ Estrutura da Indústria A indústria do Estado do Ceará é fortemente marcada pela presença de quatro divisões pertencentes à categoria de uso de bens de consumo não duráveis:

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais

Tendências e Perspectivas da Engenharia no Brasil. Relatório. Formação e Mercado de Trabalho em Engenharia no Brasil.

Tendências e Perspectivas da Engenharia no Brasil. Relatório. Formação e Mercado de Trabalho em Engenharia no Brasil. Tendências e Perspectivas da Engenharia no Brasil Relatório EngenhariaData 2015 Formação e Mercado de Trabalho em Engenharia no Brasil 2 Relatório 2015 3 Tendências e Perspectivas da Engenharia no Brasil

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Número 141 - Outubro de 2014. Transformações recentes no perfil do docente das escolas estaduais e municipais de educação básica

Número 141 - Outubro de 2014. Transformações recentes no perfil do docente das escolas estaduais e municipais de educação básica Número 141 - Outubro de 2014 Transformações recentes no perfil do docente das escolas estaduais e municipais de educação básica Transformações recentes no perfil do docente das escolas estaduais e municipais

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores. Deputados, estamos no período em que se comemoram os

O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores. Deputados, estamos no período em que se comemoram os O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, estamos no período em que se comemoram os vinte anos de promulgação da Constituição Cidadã de

Leia mais

Palavras-chave: empregos e salários; serviços de saúde; Região Metropolitana de Natal.

Palavras-chave: empregos e salários; serviços de saúde; Região Metropolitana de Natal. A DINÂMICA DOS EMPREGOS E DOS SALÁRIOS NO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE DA REGIÃO METROPOLITANA DE NATAL (RMN) NA DÉCADA DE 1990 Isabel Caldas Borges 1 Marconi Gomes da Silva 2 Resumo No presente

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

CARTA ESPECIAL MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO

CARTA ESPECIAL MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO Observatório Unilasalle: Trabalho, Gestão e Políticas Públicas. CARTA ESPECIAL MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO A Carta Especial Mulheres no Mercado de Trabalho é produzida pelo Observatório Unilasalle:

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS O setor de serviços é, tradicionalmente, a principal porta de entrada no mercado de trabalho. Responsável por aproximadamente 60% do produto interno

Leia mais

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Nº 5 Fevereiro 2011 O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL O desenvolvimento capitalista no Brasil alcançou um impulso formidável no século passado, dotando, em curto espaço de tempo, uma economia

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

Estudo exploratório sobre o professor brasileiro Com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2007

Estudo exploratório sobre o professor brasileiro Com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2007 Estudo exploratório sobre o professor brasileiro COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE QUALIDADE E DE TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL Maria Inês Pestana (coordenação) Alex Ricardo Medeiros

Leia mais

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JONATHAN ROCHA GUIMARÃES Avaliar a Política de Trabalho e juventude torna-se de extrema importância na medida em que representa um

Leia mais

BOLETIM DO EMPREGO EM UBERLÂNDIA. Ano 3 Nº 7 Maio/2014

BOLETIM DO EMPREGO EM UBERLÂNDIA. Ano 3 Nº 7 Maio/2014 BOLETIM DO EMPREGO EM UBERLÂNDIA Ano 3 Nº 7 Maio/2014 Apresentação O Boletim do Emprego em Uberlândia, elaborado pelo Centro de Estudos, Pesquisas e Projetos Econômico-sociais (CEPES) do Instituto de Economia

Leia mais

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática CAPÍTULO 9 Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Apresentação Com base em metodologia desenvolvida pelo Observatório SOFTEX, busca-se conhecer o Sistema de Educação

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

A ROTATIVIDADE DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO FORMAL BRASILEIRO*

A ROTATIVIDADE DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO FORMAL BRASILEIRO* A ROTATIVIDADE DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO FORMAL BRASILEIRO* Carlos Henrique Corseuil** Miguel Foguel** Gustavo Gonzaga*** Eduardo Pontual Ribeiro**** 1 INTRODUÇÃO Um dos fatos estilizados mais

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP

BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP Título: Agência para a Modernização Administrativa, I.P.: Balanço Social 2013 Autoria: Equipa de Recursos Humanos Aprovação: Conselho

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO USUÁRIO DO CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DE PASSOS: Perfil dos usuários do CRAS Novo Horizonte Passos/MG

CARACTERIZAÇÃO DO USUÁRIO DO CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DE PASSOS: Perfil dos usuários do CRAS Novo Horizonte Passos/MG 1 CARACTERIZAÇÃO DO USUÁRIO DO CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DE PASSOS: Perfil dos usuários do CRAS Novo Horizonte Passos/MG Adriana de Souza Lima Queiroz 1 Cynthia Silva Machado 2 RESUMO Esta

Leia mais

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 17 outubro de 2014 Organização:

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A relevância do orçamento detalhado no cumprimento do prazo de execução de contratos de obras públicas Bruno Lima Caldeira de Andrada* Orlando Celso Longo** Resumo: O presente artigo

Leia mais

Cresce o emprego formal em todos os setores de atividade

Cresce o emprego formal em todos os setores de atividade 6 jul 2006 Nº 3 Cresce o emprego formal em todos os setores de atividade Por Antonio Marcos Ambrozio Economista da Secr. de Assuntos Econômicos Recuperação dos Houve um postos de trabalho grande aumento

Leia mais

Gráfico 1: Participação de empregadores e trabalhadores por conta própria nos ocupados por gênero - 2008 30% 30% 29% 27% 27% 23% 23% 19%

Gráfico 1: Participação de empregadores e trabalhadores por conta própria nos ocupados por gênero - 2008 30% 30% 29% 27% 27% 23% 23% 19% Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.6 Empreendedoras Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo A força de trabalho passou por profundas alterações nas

Leia mais

RAIS Relação Anual de Informações Sociais do segmento da Arquitetura e Engenharia no ano de 2008

RAIS Relação Anual de Informações Sociais do segmento da Arquitetura e Engenharia no ano de 2008 RAIS Relação Anual de Informações Sociais do segmento da Arquitetura e Engenharia no ano de 2008 São Paulo 2009 Conteúdo 1. ESTOQUE DE PESSOAS NACIONAL COM BASE NA RAIS RELAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOCIAIS DO

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Decomposição da Inflação de 2011

Decomposição da Inflação de 2011 Decomposição da de Seguindo procedimento adotado em anos anteriores, este boxe apresenta estimativas, com base nos modelos de projeção utilizados pelo Banco Central, para a contribuição de diversos fatores

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Desigualdade econômica e mobilidade: evidências do mercado de trabalho da RMC

Desigualdade econômica e mobilidade: evidências do mercado de trabalho da RMC Desigualdade econômica e mobilidade: evidências do mercado de trabalho da RMC Aluno: Priscila de Godoi Faculdade: Ciências Econômicas Centro de Economia e Administração e-mail: pgodoiaski@ig.com.br Orientador:

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES)

V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES) V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES) As famílias entrevistadas foram selecionadas entre a população cadastrada do PSF em processo composto por três etapas que considerou os seguintes procedimentos:

Leia mais

Perfil ocupacional dos empregados do setor de energia elétrica no Brasil: 1998/2004

Perfil ocupacional dos empregados do setor de energia elétrica no Brasil: 1998/2004 Ano 3 Nº 28 dezembro de 2006 Perfil ocupacional dos empregados do setor de energia elétrica no Brasil: 1998/2004 REDE ELETRICITÁRIOS RESUMO Este estudo retrata a evolução do emprego no setor elétrico entre

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Sandro

Leia mais

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil RELATÓRIO FINAL Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil Preparado pelo Instituto Reos JUNHO 2015 CONVOCADORES FINANCIADORES Capítulo 2 CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA C2 17 CAPÍTULO 2

Leia mais

TAXA DE EVASÃO NOS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA DA UFPB

TAXA DE EVASÃO NOS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA DA UFPB TAXA DE EVASÃO NOS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA DA UFPB Antonio Marcos Moreira DE/CCEN/UFPB-marcos@de.ufpb.br Renata P. L. Jeronymo M. Pinto DE/CCEN/UFPB-renata@de.ufpb.br Jodavid de Araujo Ferreira

Leia mais

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral Emprego Doméstico: Evolução ou Precarização? (2004-2014) Resumo: O presente

Leia mais

BOLETIM MENSAL Julho/2011

BOLETIM MENSAL Julho/2011 Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho BOLETIM MENSAL Julho/2011 DADOS: CAGED (MTE) Mês/Ano RAIS (MTE) 2010 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego

Leia mais

Análise do mercado de trabalho

Análise do mercado de trabalho Análise do mercado de trabalho 1 Introdução Esta análise tem como propósito a apresentação do desempenho do mercado de trabalho brasileiro no primeiro trimestre de 2010 com base, principalmente, nos indicadores

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Márcio de Souza Pires, Dr.¹ A educação mundial é fortemente analisada e acompanhada por importantes instituições, em busca de avanços no

Leia mais

Informações recentes revelam redução da migração no Estado de São Paulo e em suas metrópoles

Informações recentes revelam redução da migração no Estado de São Paulo e em suas metrópoles Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 3 Abril 2011 Informações recentes revelam redução da migração no Estado de São Paulo e em suas metrópoles O objetivo deste número do SP Demográfico

Leia mais

TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA: MUDANÇAS POR PERÍODO E COORTE

TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA: MUDANÇAS POR PERÍODO E COORTE CAPÍTULO 4 TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA: MUDANÇAS POR PERÍODO E COORTE Ana Amélia Camarano Da Diretoria de Estudos Macroeconômicos do Ipea Solange Kanso Da Diretoria de Estudos Macroeconômicos do Ipea

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais