VIVÊNCIAS DO CURSO DE PRATICAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS NA MODALIDADE EAD: RELATOS DOS CURSISTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIVÊNCIAS DO CURSO DE PRATICAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS NA MODALIDADE EAD: RELATOS DOS CURSISTAS"

Transcrição

1

2 VERA LUCIA MESSIAS FIALHO CAPELLINI OLGA MARIA PIAZENTIN ROLIM RODRIGUES Organizadoras VIVÊNCIAS DO CURSO DE PRATICAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS NA MODALIDADE EAD: RELATOS DOS CURSISTAS UNESP/FC BAURU 2012

3 @ Faculdade de Ciências. Bauru/UNESP ISBN Av. Eng. Luiz Edmundo C. Coube, Bauru-SP-Brasil Telef. (14) Permitido a reprodução desde que citada a fonte UNESP Universidade Estadual Paulista Vice-reitor no exercício da Reitoria Prof. Dr. Julio Cezar Durigan Campus de Bauru Faculdade de Ciências FC Diretor: Prof. Dr. Olavo Speranza de Arruda Vice Diretor: Profª Adj. Dagmar Aparecida Cynthia França Hunger Programa de Pós-graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem Coordenadora: Profª. Drª. Tânia Gracy Martins do Valle Vice-Coordenadora: Profª Drª Ana Cláudia Bortolozzi Maia Curso de Aperfeiçoamento em Práticas Educacionais Inclusivas na área de Deficiência Intelectual na modalidade EaD Coordenadora: Vera Lucia Messias Fialho Capellini Revisora de Língua Portuguesa Vera Lucia Spezi Pereira Design gráfico Ana Laura Rolim Rodrigues Editoração e Normalização Técnica Glória Georges Feres Dados para catalogação Vivências do curso de praticas educacionais inclusivas na modalidade EaD: relatos dos cursistas. / Vera Lucia Messias Fialho Capellini e Olga Maria Piazentin Rolim Rodrigues, organizadoras.-- Bauru: UNESP/FC, p. ISBN Práticas educacionais inclusivas. 2. Deficiência intelectual. 3. Relatos de experiências.

4 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO Vera Lucia Messias Fialho Capellini PREFÁCIO Leda Maria Borges da Cunha Rodrigues PRÁTICAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Irení Aparecida Basso DUAS BOAS NOVIDADES: CURSO EAD É MUITO BOM E A INCLUSÃO PODE SER UMA REALIDADE PARA TODOS Lívia Maria e Silva Galvão MEUS CAMINHOS PELA INCLUSÃO Marina Rossi Melo APERFEIÇOANDO A MINHA PRÁTICA INCLUSIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Alcides Pereira da Silva Junior PRÁTICA INCLUSIVA: O APRENDIZADO GERANDO MUDANÇAS Amanda Nolasco de Oliveira Santos PRÁTICAS INCLUSIVAS: UM DIREITO DOS ALUNOS Ana Paula Souza Báfica PRÁTICAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Mirian Coelho de Oliveira ENTENDENDO A INCLUSÃO PARA GARANTIR E RESPEITAR OS DIREITOS DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Josiani Aparecida Julio de Oliveira ERA O QUE FALTAVA: INFORMAÇÃO PARA O EDUCADOR Hélvia Garcia Casadore Alberganti INCLUSÃO: DISCUSSÃO ANTIGA CONHECIMENTO NOVO Adriana Costa Ferreira EDUCAÇÃO INCLUSIVA: AMPLIANDO HORIZONTES E POSSIBILIDADES Adriana Lemos de Carvalho Soares PRÁTICAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS E A DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Ana Paula Radó Donnini UM NOVO OLHAR PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Andreza Patrícia Balbino Cezário NENHUMA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E TÃO GRAVE AO PONTO DE IMPEDI- LO A TER AMIGOS Elaine Marques Santo Urbano TECER UM NOVO OLHAR ATRAVÉS DE NOSSAS EXPERIÊNCIAS Maria Cristina de Andrade Silva INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: A CONTRIBUIÇÃO DE VIGOTSKI Maria das Graças Estanislau de Mendonça Mello de Pinho O PROCESSO EDUCACIONAL INCLUSIVO EM SALA DE AULA Débia Régia Silva Guimarães Borges

5 EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL: NOSSO PAPEL COMO EDUCADOR Deize Mara Cecconi A INFLUÊNCIA DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO AFETANDO NOSSOS HÁBITOS, MODOS DE TRABALHAR E DE APRENDER Leila Paim de Souza MINHA EXPERIÊNCIA COM O CURSO EAD Liliane Mendonça da Silva Nascimento IMPORTÂNCIA DO CURSO E SEGURANÇA PROFISSIONAL Eliane de Almeida de Souza Valadão APRENDER E APAIXONAR-SE FAZ TODA DIFERENÇA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Ivone Maria de Moura MUDANÇA NA FUNÇÃO PEDAGÓGICA DE PROFESSOR DE EDUCAÇÃO ESPECIAL: UMA REFLEXÃO Mariza Conceição Viana O DESAFIO DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Claudete Beatris Romani¹ REFLEXÕES, DÚVIDAS E CERTEZAS Ana Mara Galasso Romera INCLUSÃO: UMA LIÇÃO DE AMOR Michele Vieira Ribeiro Doneda SUPERANDO DESAFIOS EM CURSOS A DISTÂNCIA Rosana de Cássia Aparecida Rodrigues Moura APRENDENDO SEMPRE PARA AGIR COERENTEMENTE Vanessa Aparecida Domingues Moreira INTEGRAÇÃO DA CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA EM SALA REGULAR Maria Valéria Polla Rodrigues SOMOS TODOS IGUAIS NA DIFERENÇA Cristiane Covolan Luvisotto REFLETINDO SOBRE NOSSA PRÁTICA NA DIVERSIDADE DA EDUCAÇÃO Keila Maria Bordignon EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA MUDANÇA DA VISÃO DO SISTEMA EDUCACIONAL PARA SUPRIR UMA CARÊNCIA EDUCACIONAL Kátia Regina Silva Silveira. UMA BOA AVALIAÇÃO COMO SENDO PONTO DE PARTIDA PARA UM PLANEJAMENTO MAIS EFETIVO Ana Paula Souza da Silva Sichetti DESAFIOS Lúcia Helena Rodrigues Soquetti PALAVRA DE ORDEM: ADMINISTRAR E CONFIAR QUE O ALUNO É CAPAZ DE TUDO QUE QUISER Grasieli Zampieri Laudissi A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA Liseti Menezes Sottovia INCLUSÃO QUALIDADE DE ENSINO PARA TODOS Jussara Ester da Costa Rossi

6 REFLEXÕES SOBRE CONHECIMENTOS NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Regina Novaes Silva UMA VISÃO DO CURSO E DA INCLUSÃO FORA DA SALA DE AULA Tereza Maria do Amaral CRESCER E APRENDER SOBRE OS SERES HUMANOS, SUAS SINGULARIDADES E INCAPACIDADES: REFLEXÕES SOBRE AS PRÁTICAS QUE RESPEITAM A TODOS. Thais Helena Neves de Mello APENAS A INSERÇÃO DAS CRIANÇAS COM ALGUMA DEFICIÊNCIA NO AMBIENTE ESCOLAR NÃO PODE SE CHAMAR DE INCLUSÃO Isabel Cristina Lemos MINHA EXPERIÊNCIA NO EaD Maria Antonia de Toledo Barros Carvalho A PRÁTICA PEDAGÓGICA COM O DEFICIENTE INTELECTUAL: REFLETINDO SOBRE A IMPORTANCIA DA PARTICIPAÇÃO DA FAMÍLIA Ana Paula Gonçalves de Araujo Mortimer A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES NA SUA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA ESCOLA INCLUSIVA Rose Lapa PERCURSOS NA CONSTRUÇÃO DA APRENDIZAGEM EM AMBIENTE VIRTUAL Rosalynn Davies Conrado Veiga NOVAS PERSPECTIVAS SOBRE A INCLUSÃO NAS ESCOLAS E O QUANTO ELA SE FAZ NECESSÁRIA Edvaldo Ribeiro Filho CORAGEM: PRÉ-REQUISITO PARA UMA TRAJETÓRIA DE ACERTOS Elaine Sueli Ferreira dos Santos EAD: UMA FERRAMENTA PARA A INCLUSÃO. Sônia Aparecida de Angeles Cerqueira Costa EDUCAÇAO INCLUSIVA: UM TEMA PARA REFLEXÃO NO CURSO EAD Gisele Coito Ermacara RELATO SOBRE MINHA EXPERIÊNCIA COM PRÁTICAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS Natália Aparecida Perez Toma APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA: ÊNFASE EM EXEMPLIFICAÇÕES, SUGESTÕES DE TRABALHO E TEXTOS DE APOIO. Patrícia Bento de Souza Campos DIFÍCIL SIM! IMPOSSÍVEL NÃO: APRENDI A APRENDER VIVENCIANDO OS ENSINAMENTOS DAS PRÁTICAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS Patrícia Helena Martins RENOVAÇÃO: PRÁTICA ANUAL PARA UMA EDUCAÇÃO QUE ACREDITA NO VALOR DOS ALUNOS Valéria Regina Giambroni Neves Monaco Perin ESCOLA INCLUSIVA: PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA FLEXIVEL E SAUDÁVEL COM O APOIO DA FAMÍLIA E EDUCADORES Patrícia Aparecida Porto

7 TEORIA E PRÁTICA Marcleida Lima Gomes A IMPORTÂNCIA DE UM OLHAR DIFERENCIADO AO SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIRO Luciana Aparecida Camilo Hidalgo PRINCÍPIO DEMOCRÁTICO DA EDUCAÇÃO PARA TODOS Fabiana Marcuzo de Caíres MINHA EXPERIÊNCIA E GANHOS COM O CURSO EAD Norma Carvalho Pereira EXPERIÊNCIAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS Vana Beatriz Soares do Amaral RECONHECER AS DIFERENÇAS É ESSENCIAL NO CAMINHO DA INTEGRAÇÃO Valéria Luiza Marques Campos O QUE QUEREMOS EM NOSSAS SALAS DE AULA? ALUNOS TODOS IGUAIS? QUE SE DESENVOLVAM DE MANEIRA IGUAL? QUE SE COMPORTEM IGUAIS? João Paulo Silva de Oliveira VALORIZANDO A FORMAÇÃO INTEGRAL DOS ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA, ATRAVÉS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA, DO DIREITO E DA IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO ESCOLAR NA REDE REGULAR DE ENSINO E NA SOCIEDADE Elisangela Maria de Lima Gonçalves COMO IDENTIFICAR O ALUNO DEFICIENTE INTELECTUAL, QUANDO ESSA DEFICIÊNCIA NÃO É VISÍVEL OU QUANDO AINDA NÃO É DIAGNOSTICADA? Mariane Della Coletta Savioli Garzotti PRATICAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS - DEFICIÊNCIAS INTELECTUAL: UM OLHAR REFLEXIVO Romanilta Julia da Rocha O PROCESSO DE INCLUSÃO É LENTO E ENVOLVE MUITOS FATORES Vanuza Batista Gomes EXPERIÊNCIAS A PARTIR DE UM CURSO EM AMBIENTE VIRTUAL Cibelle Aparecida Vieira de Oliveira Pereira PRÁTICAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS E A DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Viviane Lauter Balbé REFERÊNCIAS 229 ÍNDICE DE ESCOLAS 232 ÍNDICE DE AUTORES 235

8 APRESENTAÇÃO O livro Vivências do curso de praticas educacionais inclusivas na modalidade EaD: relatos dos cursistas, foi idealizado para constituir em um veículo de disseminação e divulgação das experiências de professores da Educação Básica de escolas públicas (municipal ou estadual) que atuam buscando a construção de escolas mais inclusivas. Esses professores participaram do curso de Aperfeiçoamento em Práticas Educacionais Inclusivas, promovido pela Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Campus de Bauru, sob minha coordenação. Contei com o apoio de diversos professores do Programa de Pós-graduação em Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem, sobretudo, da Professora Olga Maria Rolim Piazentin Rodrigues, numa parceria com o Ministério da Educação, por intermédio em 2007 da Secretaria de Educação Especial, incorporada à nova Secretaria SECADI em 2011, que desenvolve em parceria com o programa Universidade Aberta do Brasil - UAB o Programa de Formação Continuada de Professores na Educação Especial, cujo objetivo é formar professores dos sistemas estaduais e municipais de ensino, por meio da constituição de uma rede nacional de instituições públicas de educação superior que ofertem cursos de formação continuada de professores na modalidade a distância. Como concepção idealizadora deste livro de Relatos a temática geral constitui o amplo campo da educação, para se tornar porta-voz de experiências concretas e vivenciadas pelos professores-cursistas, como contribuição a solução de questões imediatas ou de curto prazo relacionadas às práticas educativas como podemos observar no relato da professora-cursista quando diz: Como concepção idealizadora deste livro de Relatos a temática geral constitui o amplo campo da educação, para se tornar porta-voz de experiências concretas e vivenciadas pelos professores-cursistas, como contribuição a solução de questões imediatas ou de curto prazo relacionadas às práticas educativas como podemos observar no relato da professora-cursista quando diz: 7 Interessante observar que fomos nos construindo enquanto grupo, criando laços, apesar da distância, típica de um curso que a modalidade EaD nos impõe. Não sei se o mesmo ocorreu com outros grupos, com outros tutores e formadores, mas no caso de nossa turma, a turma 38, ficou claro que as participantes, tutora e formadora, apresentaram, desde o início, grande afinidade. O carinho nos s

9 trocados era palpável, se é que tal coisa possa existir em termos de comunicação virtual. É grande satisfação e orgulho poder reunir aqui, relatos vindos de terras longínquas. Queremos que nossos leitores participem dessas contribuições que vêm de longe, mas que dizem respeito muito de perto à dignidade do ser humano em toda a face da terra e, portanto, têm a ver de modo imediato com a tarefa educativa. Realçamos com esses Relatos que a tarefa da educação é humana por excelência, esmerando-se, muitas vezes, em seu aspecto científico, porém, sem nunca perder de vista o humano que orienta a prática que devemos, quotidianamente, exercer. A professora-cursista em seu relato abaixo demonstra, claramente, nosso objetivo de oferecer aos leitores desse livro uma variada gama de experiências e de sugestões de aprofundamento na compreensão da educação enquanto prática social. Seu depoimento diz: 8 No segundo módulo, começamos a ter contato com a especificidade da educação inclusiva, sua trajetória ao longo da história. Nesse ponto, que sempre se levanta questionamentos sem fim, ficou visível o quanto já progredimos quando falamos em inclusão, educação e sociedade. Em nossos debates, nos maravilhosos bate-papos agendados, percebemos que ainda há muito a se evoluir sim, sempre. Uma das características da humanidade é a constante busca e necessidade de evolução é isso o que nos torna diferentes dos demais animais, o que nos confere a racionalidade como diferencial. Sendo assim, ainda precisamos e iremos sempre precisar evoluir. Porém, quando olhamos para a história dos deficientes, em geral, é fato que grandes e largos passos já foram dados até o presente momento. Do total abandono, em lares especializados, passando pela época em que divertiam o povo sendo usados como bobos da corte, vagando pelas vielas da exclusão, transitando levemente pelo movimento da integração, quando obtiveram um olhar diferenciado, até o momento inclusivo em que vivemos hoje, o trajeto foi longo. Foi tortuoso, dolorido, muitas vezes, exaustivo para os familiares, porém bem sucedido. Nos capítulos dois e três, do módulo dois, discutimos ética e direitos dos deficientes. Foram dois capítulos bem intensos e com discussões bem acaloradas, diria eu. O assunto abordado levantou o tapete de nossas vidas, de nossa sociedade e de nossas escolas, mostrando que, muitas vezes, a lei é deixada de lado sim e todos nós fazemos vista grossa. E o fazer vista grossa sinaliza uma forma de negligência, pois embora, na maioria dos casos, não dependa única e exclusivamente de nós professores, quando nos calamos ao perceber um erro legal, estamos contribuindo para a perpetuação desse erro. Finalizamos esse momento, percebendo nosso papel político na instituição escola, junto aos nossos alunos da educação especial e da educação regular que estejam incluídos.

10 Neste livro, vamos encontrar Relatos que abordam questões filosóficas, metodológicas e práticas que nos instigam, nos deixam incomodados e, muitas vezes, numa situação instigante impulsionando o Educador a buscar respostas em cursos de aperfeiçoamento como este, em Relatos e vivências de outros professores, em salas de bate-papo onde nossos cursistas se reuniram, semanalmente, para discutir e trocar experiências que deram certo. O Relato da professora abaixo mostra o quão importante foi para ela a experiência de um curso EaD 9 E chegamos ao final do curso [...] Um curso que irá deixar muita saudade. Quando optamos por um curso na modalidade EaD, invariavelmente, é por falta de tempo para a realização do mesmo em modalidade presencial. Não que o curso EaD não seja trabalhoso, pelo contrário, exige muito mais disciplina. Quando não nos organizamos nas leituras e realizações das atividades, dar prosseguimento parece impossível. Meu olhar de educadora inclusiva saiu fortalecido desse curso. Através dos textos, dos debates, dos s trocados, fomos nos alimentando de informação, de conhecimento, de experiências diversas, de ideias! A cada dia, a cada ingresso na plataforma, uma nova e importante descoberta. Minha prática... Passei a avaliar constantemente o meu fazer cotidiano. Para cada dia, atribuo-me uma nota como educadora, percebo meus pontos falhos, onde preciso melhorar, o que posso fazer nesse processo de engrandecimento profissional. Ser professor... Uma missão! Não somente uma profissão, pois não se exerce tal função nas 8 horas em que se está frente à classe. Quando se é professor, se é horas por dia, 7 dias por semana. As crianças do mundo parecem estar sob sua responsabilidade, é como me sinto. Ontem, 15 de outubro, dia do professor! Quero dividir um relato... Um relato bobo talvez, mas que me fez encontrar, no dia de ontem, motivos suficientes para acreditar que estou no caminho... Na véspera, 14 de outubro, realizamos a festa do dia das crianças na escola onde leciono pela manhã. Alugamos um pula-pula grande, pois nossos alunos são adolescentes e adultos, é uma escola especial. Um dos meus alunos é cadeirante e assistia a brincadeira dos demais alunos de sua cadeira de rodas. No meio de tantas coisas para fazer, não me dei conta de imediato de sua solidão. Não sei precisar o momento em que bati os olhos nele. Fui até lá e perguntei se ele gostaria de ir no pula- pula. Ele disse que não. Eu insisti, disse que o colocaria lá. Ele disse que sim. Não precisei de ajuda para tirá-lo da cadeira e colocá-lo no brinquedo. E como ele não conseguia sustentar o corpo sentado, coloquei-o deitado mesmo, no centro da cama elástica. Solicitei a outro aluno que pulasse bem devagar ao lado do meu cadeirante. Com o vibrar da cama elástica, seu corpo saltava também. E ele ria, gargalhava alto, como eu nunca havia visto antes. Não fui a única a me emocionar ali. O monitor do brinquedo olhou para mim e disse que nunca havia visto cena tão linda antes. Acabados os 3 minutos que lhe eram de direito, coloquei-o de volta em sua cadeira, e a festa continuou normalmente para todos nós. Ontem à noite recebi uma ligação do aluno em questão. Era para me desejar feliz dia dos mestres, dizer, com sua fala um pouco enrolada, que sou muito importante para ele e que ele me ama. Emoção maior veio depois, quando sua mãe veio ao telefone me falar que o brilho nos olhos de seu filho, ao chegar em casa, relatando que havia pulado na cama elástica e que eu o havia colocado lá, não tinha preço. A cada dia, na educação especial ou regular, vivemos situações de vida com nossos alunos que podem realmente

11 fazer aquele dia valer a pena em nossas vidas. Enquanto professores, munidos de um olhar que talvez nenhum outro profissional tenha, podemos fazer total diferença. E cursos como o que estamos encerrando, contribuem e muito para a aquisição desse olhar. Um olhar não de piedade, de compaixão, de estar fazendo isto ou aquilo porque Deus pregava. Um olhar humano que batalha constantemente pelo humano. Um olhar que vê, que enxerga através e além... Um olhar que não se traduz, um olhar mais que especial! 10 Observamos, claramente, mediante os Relatos publicados neste livro que o trabalho com a família merece um olhar especial. Que uma das funções da escola para com essas famílias é a acolhida é o prestar esclarecimentos, o orientar. Muitas dessas famílias são de origem bem humilde e desconhecem por completo seus direitos. Percebe-se, aqui, a escola enquanto força política nas vidas dessas pessoas e os professores, tornando-se a ponte que, certamente, ligará essa família a uma forma mais confortável de viver. Esses Relatos também se constituíram em subsídios valiosos para reflexão de muitos paradigmas. Percebemos, nitidamente, quando a professora diz que O módulo cinco, veio colaborar para a desconstrução de paradigmas. Já no primeiro capítulo a bomba: SEXO! Sim, nossos alunos se interessam por sexo! Não, sinto muito, o deficiente não é uma samambaia! O vídeo abordando o tema, com depoimentos de deficientes intelectuais, foi fabuloso. Algumas colegas mostraram-se receosas, até chocadas. Mas, abrir os olhos para a sexualidade de nossos alunos é imprescindível na construção de um ser humano completo, integral, pleno. E precisamos ter em mente que, se para os pais de crianças ditas normais, lidar com esse assunto é um tabu, imagine para os pais de alunos deficientes. Nas escolas de modo geral ainda não se trabalha com projetos que abordem a sexualidade efetivamente. Ficou a deixa para pensarmos e avaliarmos nosso papel em mais essa empreitada. Apresentamos, assim, aos nossos leitores diferentes experiências de educadores que se debruçaram e refletiram sobre o processo de ensino e aprendizagem, oferecendo uma variada gama de experiências fundamentais para a compreensão da educação enquanto prática social como relata a professora cursista: E chegamos ao final do curso... Um curso que irá deixar muita saudade. Quando optamos por um curso na modalidade EaD, invariavelmente, é por falta de tempo para a realização do mesmo em modalidade presencial. Não

12 que o curso EaD não seja trabalhoso, pelo contrário, exige muito mais disciplina. Quando não nos organizamos nas leituras e realizações das atividades, dar prosseguimento parece impossível. Meu olhar de educadora inclusiva saiu fortalecido desse curso. Através dos textos, dos debates, dos s trocados, fomos nos alimentando de informação, de conhecimento, de experiências diversas, de ideias! A cada dia, a cada ingresso na plataforma, uma nova e importante descoberta. Minha prática... Passei a avaliar constantemente o meu fazer cotidiano. Para cada dia, atribuo-me uma nota como educadora, percebo meus pontos falhos, onde preciso melhorar, o que posso fazer nesse processo de engrandecimento profissiona. 11 Os Relatos foram solicitados aos cursistas de forma colaborativa e estão organizados na sequencia das turmas e dos cursistas que espontaneamente escreveram os relatos. Em nota de rodapé, apresenta-se o nome da escola, a cidade e estado do cursista. Ao final do livro há um índice remissivo organizado por Estado, em seguida pelo nome do município e depois o nome da escola do professor participante do curso, Considera-se essa informação relevante para que se possa avaliar a dimensão e grandiosidade deste tipo de aprendizagem ao longo da vida em formato EaD. Adotou-se também, para efeito didático de apresentação dessa obra, o critério de retirar dos relatos, os agradecimentos especiais e carinhosos direcionados a coordenação, aos formadores e tutores, mas sintam-se todos homenageados. Temos, ainda, a satisfação de finalizar essa apresentação com o poema elaborado pela professora cursista Abadia Suassuna Patativa do Assaré:

13 CORDEL DA PLATAFORMA FREIRE Certo dia na escola Num desses tarde HTPCs A coordenadora disse: Hoje vou falá proceis Da Plataforma Freire Que dá curso de treis meis Devagá foi ajeitando E a turma 15 ela formô Turma de muié valente Que numa classe faz suadô E pra elas o deficiente É um ser de muito valô. É aqui no teleduc Que as coisa acontece Através de muito estudo Que nóis cresce e aparece E cada um pode espaiá O que aqui nos oferece. 12 Foi um tar de se espremê Virá o zóio e torcê o nariz Porque ninguém sabe direito O que fazê com os aprendiz Que não querem estudá E nem iscuitá o que a gente diz. Na hora nem bola Não prestei muita atenção Mas no dia seguinte Me baixo a inquietação Corri pro computadô E diz a minha inscrição Foram dias de espera Até que a resposta veio Entre tantos escoidos Eu também tava no meio Deu frio na barriga E até um certo receio. Mas depois conheci a Lívia De nossa turma a tutora Minina linda de morrê Parece inté uma dotora Que além de tanto estudo É também fina cantora. Nesses meses de estudo Aprendemos sobre deficiença Foram muitas as lição Que fala dessas doença Temos muito que aprendê Pra aceitá as diferença. Somos filhos de Deus E todos somo irmão Se existe palavra abençoada Essa palavra é INCLUSÃO Que dá a oportunidade Do deficiente sê cidadão. O trabaio é grande, Duro e dicultoso Porém, muitas veis É por demais prazeroso Você vê minino cego Fazendo trabaio honroso. Oxalá que no Brasil A Educação inclusiva Se torne uma realidade De norte a sul seja viva E se torne a bandeira Dos professô da ativa. Tem gente do Rio de Janero, De Duque de Caxias, Bauru De Jundiaí, Cordeirópolis E eu de Monte Azu Que aqui se conheceu E se gosta pra chuchu. Todos dia de bate-papo Só se vê lamentação É a sardade chegando Apertando o coração Pois o curso ta caminhando Para sua finalização. Quero então deixá a todas Um abraço apertado Deixo também o endereço Pra sê sempre lembrado E o que oceis precisá É só fazê o comunicado. Abadia Suassuna Patativa do Assaré Vera Lucia Messias Fialho Capellini Coordenadora do Curso

14 PREFÁCIO IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PARA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 13 A proposta do curso Práticas Educacionais Inclusivas envolveu um grande número de professores das cinco regiões do nosso país, compartilhando do mesmo objetivo, buscar conhecimento a cerca do tema inclusão da pessoa com deficiência. Os professores das redes publica: municipais e estaduais, se inscreveram pela Plataforma Paulo Freire (MEC) a fim de terem a oportunidade de formação continuada gratuita e de qualidade, com propósito de conhecer estratégias para trabalhar com a pessoa com deficiência. Nosso grande desafio formar professores destas diferentes regiões, atendendo seus anseios e desejo de novos conhecimentos sobre como promover a inclusão da pessoa com deficiência, e para nossos professores, com papel de cursistas, um outro desafio, utilizar os recursos da tecnologia para sua formação. As tecnologias da informática associadas às telecomunicações veem provocando mudanças radicais na sociedade por conta do processo de digitalização. Uma nova revolução emerge a revolução digital (SANTOS, 2003). E neste cenário digital, o curso foi oferecido para aproximadamente profesores/cursistas, com carga horária de 180horas, onde utilizamos um Ambiente Virtual de Aprendizagem, para mediação do formador/tutor com os cursistas. Entende-se por AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem: Ambiente por ambientes podemos entender tudo aquilo que envolve pessoas, natureza ou coisas, objetos técnicos (SANTOS, 2003). Virtual - vem do latim medieval virtualis, derivado por sua vez de virtus, força, potência (SANTOS, 2003). Lévy (1996) em seu livro O que é o virtual? Nos esclarece que o virtual não se opõe ao real e sim ao atual. Virtual é o que existe em potência e não em ato. Citando o exemplo da árvore e da semente, Lévy explica que toda semente é potencialmente uma árvore, ou seja, não existe em ato, mas existe em potência, mas, caso um pássaro à coma a mesma jamais poderá vir a ser uma árvore. (LEVY, 1996; SANTOS, 2003). Muitas vezes a expressão virtual é empregada como alguma coisa que

15 não existe, algo fora da realidade, o que se opõem ao real. Mas, fundamentado por Levy (1996) virtual não se opõe ao real. Ambiente virtual é um espaço fecundo de significação onde seres humanos e objetos técnicos interagem potencializando assim, a construção de conhecimentos, logo a Aprendizagem (SANTOS, 2003). É possível atualizar e, sobretudo virtualizar saberes e conhecimentos sem necessariamente estarmos utilizando mediações tecnológicas seja presencialmente, seja à distância. Entretanto essas tecnologias digitais podem potencializar e estruturar novas sociabilidades e consequentemente novas aprendizagens (SANTOS, 2003). A modalidade de EaD ganha, a cada dia, mais espaço com o reflexo dos benefícios do uso da Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) na educação e as mudanças significativas nas estratégias de ensino-aprendizagem; vivencia-se, assim, o momento de expansão da EaD, efetivando-se como modalidade de ensino para formação de grande número de pessoas em todo o mundo. Segundo Barros et al. (2008, p. 6), 14 [...] para entender a Educação a Distância (EaD) é necessário compreender a educação online que engloba todos os elementos que se referem ao virtual e às formas metodológicas atuais organizadas para a aprendizagem. Quando falamos em educação online estamos nos referindo à educação não presencial mediada por tecnologias digitais. Isso engloba vários elementos como a EaD, os E. B. M. learning(s), entre outros. Pode ser entendida como um conjunto de ações de ensino e aprendizagem que são desenvolvidas através de meios telemáticos como a Internet, a videoconferência e a teleconferência. A educação online nos traz questões pedagógicas específicas com desafios novos para a EaD e a presencial. Para o uso da educação online um dos maiores desafios está na compreensão da diferença do paradigma virtual e do presencial na utilização das interfaces da tecnologia disponíveis para a aula. No Brasil, nos dias atuais, o número de oferta de cursos cresceu significativamente, visando atender à formação continuada do professor em exercício e às transformações na educação. Segundo Moran (2002, p. 13), [...] educação contínua ou continuada, se dá no processo de formação constante, de aprender sempre, de aprender em serviço, juntando teoria e prática, refletindo sobre a própria experiência, ampliando-a com novas informações e relações.

16 Este conceito caracteriza a educação continuada do professor, como uma prática que favorece o repensar de sua atuação, e o coloca numa condição de aprendizagem para as mudanças atuais no contexto educacional. Neste contexto está claro que a educação por meio de novas mídias conectadas é uma realidade cada vez mais presente e os relatos dos Professores, retratam a eficiência e eficácia de se aprender online. 15 Leda Maria Borges da Cunha Rodrigues Articuladora de Tutoria e Professora Colaboradora Programa de Formação Continuada de Professores na Educação Especial

17 PRÁTICAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Irení Aparecida Basso 1 Minha experiência com o curso EaD foi e será única, visto que, mesmo tendo feito pós-graduação em Psicopedagogia Educacional e Clínica, a educação inclusiva e as deficiências intelectuais, auditivas, visuais, físicas e outras, nunca foram tão esmiuçadas, exploradas e questionadas como foram nesses encontros virtuais que tivemos nesse curso. Minha prática em sala de aula sofreu grandes alterações após a leitura e o estudo de diversos textos e os questionamentos das nossas queridas Formadora-Colaboradora Telma Maria Ribeiro e Tutora-Colaboradora Fernanda Ribeiro Mattar Barbaresco. Nós todos ganhamos muito, mas, os alunos inclusos, com certeza, ganharão mais. Nada ficou sem resposta. Posso dizer que os objetivos propostos pelo curso sobre Práticas Educacionais Inclusivas na Área de Deficiência Intelectual foram plenamente alcançados. Tudo foi mencionado para que pudéssemos entender que a inclusão requer parcerias com todo pessoal da Unidade Escolar, família e comunidade; que o educador deve propiciar ao aluno condições e oportunidades de explorar seu potencial intelectual nas diferentes áreas do conhecimento, realizando sucessivas ações e reflexões, utilizando diversas ferramentas com a finalidade de proporcionar maior independência e autonomia à pessoa com deficiência ou dificuldade de aprendizagem. Fui muito auxiliada no meu saber fazer e posso dizer com certeza que meu olhar em relação aos meus alunos, minha prática educativa e metodologia sofreram transformações visíveis. Conheci pessoas maravilhosas, pude trocar ideias e vou sentir muitas saudades de tudo e de todos EMEIF Professora Dinah de Mello Campos - Ibitinga - SP

18 DUAS BOAS NOVIDADES: CURSO EAD É MUITO BOM E A INCLUSÃO PODE SER UMA REALIDADE PARA TODOS Lívia Maria e Silva Galvão 2 Essa foi minha primeira experiência num curso a distância. Confesso que nutria certo preconceito em relação aos cursos não presenciais, Acreditava que não seria possível manter uma qualidade acadêmica, utilizando-se, apenas, da internet como veículo de comunicação. Ainda sou dos velhos tempos e acho que comunicação implica contato visual, físico. Bom, se eu pensava assim, devem estar se perguntando por que resolvi me inscrever num curso a distância. É que apesar do preconceito, sou o tipo de pessoa que não gosta de julgar o que não conhece e, aliada a essa minha característica, tinha uma imensa vontade de voltar a estudar, algo que gosto imensamente e que, neste meu momento de vida, só o ensino a distância poderia proporcionar. Inscrevi-me na Plataforma Freire com a ajuda de uma colega, foi muito difícil por problemas de conexão. Tinha a intenção de fazer um curso voltado para educação de crianças com altas habilidades. Como não estava disponível, escolhi esse, que é um tema atual e tem gerado muitas polêmicas entre os educadores. Passado algum tempo, quando já tinha perdido a esperança de que o curso aconteceria, recebi a mensagem com as instruções para participar do curso. Foi uma grande surpresa, em todos os aspectos. Superadas as dificuldades iniciais em lidar com as ferramentas, fui me encantando e descobrindo que esse negócio de curso a distância é o maior barato. É incrível como podemos nos sentir acolhidos por pessoas que não vemos ou escutamos a voz. Foi uma grande descoberta e uma grande realização. Se me perguntarem hoje o que penso do ensino a distância, minha postura será totalmente diferente, aconselho a todos que experimentem porque realmente funciona. O curso superou minhas expectativas em muitos aspectos, principalmente se levarmos em conta que, inicialmente, não era o curso que queria fazer. Foi um curso sério, onde os conteúdos são muito bem organizados, o suporte que recebemos é melhor do que em um curso presencial onde, muitas vezes, as turmas são 17 2 EMEI Teresa Hendrica Antonisse Ribeirão Preto - SP

19 muito cheias e os formadores não conseguem dispensar atenção adequada a todos. Apesar de estarmos em grupo, sentia-me, por vezes, como uma aluna particular, pois o acompanhamento é próximo e individualizado, em que cada um tem seu tempo e todos recebem atenção e orientação. É fantástico. A gente consegue até desenvolver sentimento de carinho por pessoas que só vimos por fotografia... Meus paradigmas estão todos de pernas para o ar... O curso me proporcionou rever e ampliar minha visão em relação à inclusão, possibilitando reflexões e me trazendo conteúdos muito ricos. Durante o curso, me dei conta do quão grande era minha ignorância sobre o assunto e do quanto se tem a fazer para que a implementação da inclusão ocorra efetivamente nas escolas da rede pública de todo o país. Por meio do curso pude confrontar meus preconceitos e meu ceticismo em relação à eficácia do processo de inclusão. É claro que ainda acho que existem muitos obstáculos a serem superados, mas hoje, de posse de todo este novo conhecimento, de tantas informações preciosas, estou bem mais otimista. Acredito que este curso deveria ser obrigatório para todos os professores das redes públicas e particulares, pois, só através do conhecimento e da sensibilização dos profissionais, seremos capazes de garantir um processo de inclusão eficiente, onde tanto alunos incluídos como os não incluídos possam receber uma educação de qualidade. A inclusão é uma realidade, no entanto, o conhecimento que os professores e profissionais de educação, de um modo geral, possuem sobre ela é muito precário, o que gera muitas críticas e posturas inadequadas que dificultam o processo de inclusão. A escola enquanto instituição, não foi preparada, nem do ponto de vista humano nem do físico, para a inclusão. É comum a crença de que o problema do aluno incluído diz respeito apenas ao professor responsável pela turma, a comunidade escolar não abraçou ainda a inclusão como algo de responsabilidade de todos. A maioria dos profissionais de educação desconhece os recursos e as tecnologias assistivas disponíveis para auxiliarem no desenvolvimento das habilidades dos alunos de inclusão. Quando se tratam de alunos com deficiência auditiva ou visual ainda existe uma maior difusão e conhecimento de recursos, no entanto, as deficiências múltiplas e intelectuais, bem como as físicas, ainda representam uma dificuldade a mais e, consequentemente, assustam muito os profissionais que se sentem despreparados para lidarem com elas. 18

20 É um reflexo natural do ser humano de reagir ao desconhecido de forma defensiva, o que explica, em parte, a grande resistência por parte dos educadores em relação à inclusão. Resistência esta que, acredito, só poderá ser vencida através do conhecimento, da familiarização com o tema e com as estratégias e recursos disponíveis, pela troca de experiências que resultará na ampliação dos conhecimentos e no desenvolvimento de novas técnicas mais aperfeiçoadas e diversificadas para atendermos os alunos especiais. Em contrapartida, os órgãos responsáveis pelo desenvolvimento da educação no país, também, têm sua parcela de responsabilidade na medida em que falham no cumprimento das leis, na fiscalização em relação ao cumprimento destas leis e na falta de divulgação destas mesmas leis. Também, não tem criado mecanismos competentes para prepararem os profissionais e as instituições de ensino para a inclusão. Eu mesma, antes de fazer esse curso, tinha muitas dúvidas e críticas em relação à inclusão. Realmente duvidava que fosse possível, achava injusto com as crianças incluídas uma vez que necessitavam de atenção especial que eu julgava difícil de ser dada pelo professor, em sala, sozinho. Desconhecia por completo que a criança com múltiplas deficiências tem direito a um tutor para auxiliar o professor na atenção às suas necessidades, e que o deficiente auditivo tinha direito a um tradutor, que existiam programas de computador para auxiliar o deficiente visual... São tantas as coisas que eu desconhecia e que tenho certeza que outros tantos professores, como eu, ainda desconhecem e que são fundamentais para que o aluno e o professor possam realmente desenvolver um trabalho competente. Desse modo, volto a afirmar que todos os professores deveriam fazer esse curso. Vivenciei uma grande oportunidade de aprendizagem sobre a inclusão e troquei experiências com profissionais de cidades e estados diferentes do nosso. Esse é um outro aspecto do ensino a distância que contribui para torná-lo tão interessante. Podemos ter uma visão do processo não só na nossa localidade como podemos fazer comparações e receber sugestões de ações realizadas em outras unidades da federação que deram certo. Estamos trabalhando com profissionais que estão atuando com educação em diferentes séries, com diferentes abordagens, em diferentes realidades. Essa troca de experiências proporcionada, sobretudo durante os fóruns de debate, foi muito rica. Saí do curso com excelentes sugestões de atividades e ações, inclusive uma ação, envolvendo toda a comunidade escolar que foi socializada por uma colega e a 19

FAEL comemora 15 anos de atividades

FAEL comemora 15 anos de atividades ANOS FAEL comemora 15 anos de atividades Hoje, comemoramos 15 anos de um projeto que visa à democratização do ensino e que tornou a FAEL uma referência em educação de qualidade. Com o objetivo de proporcionar

Leia mais

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho 1 de 5 29/6/2010 00:34 www.ibmeconline.com.br De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho Autora: Patrícia Carla de Souza Della

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS SILVA, Duarte Araújo Silva; DUARTE, Ana Beatriz da Silva. INTRODUÇÃO Esse trabalho

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

PROTAGONISMO E EAD, ISSO É POSSÍVEL? Curitiba - PR - 04/2014

PROTAGONISMO E EAD, ISSO É POSSÍVEL? Curitiba - PR - 04/2014 1 PROTAGONISMO E EAD, ISSO É POSSÍVEL? Curitiba - PR - 04/2014 Prof. Ma. Katia Ethiénne Esteves dos Santos PUCPR - Pontifícia Universidade Católica do Paraná katiethienne@uol.com.br Prof. Doutora Patricia

Leia mais

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire Câmpus Alfenas 28 de novembro de 2011 SUMÁRIO Alessandra Santana... 2 Angélica Cristina da Silva Freire... 2 Bárbara Luiza Novais... 3 Bruna Aparecida Reis... 3 Carolina Esteves Martins... 4 Celsianne

Leia mais

CONTANDO HISTÓRIA: CONVIVENDO COM AS CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA

CONTANDO HISTÓRIA: CONVIVENDO COM AS CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA CONTANDO HISTÓRIA: CONVIVENDO COM AS CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA RELATÓRIO ANUAL 2010 SORRI-BRASIL Rua Benito Juarez, 70 - Vila Mariana 04018-060 - São Paulo - SP (0xx11) 5082-3502 sorribrasil@sorri.org.br

Leia mais

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA Francisca Clelma da Costa Aluna do Curso de Pedagogia da UESPI Campus Clóvis Moura, PIBIC/UESPI Voluntária 2009/2010

Leia mais

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NO ENSINO REGULAR: INVESTIGAÇÃO DAS PROPOSTAS DIDÁTICO-METODOLÓGICAS DESENVOLVIDAS POR PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO ENSINO MÉDIO DA EENAV GT 07 Educação Matemática, avaliação

Leia mais

MEMORIAL REFLEXIVO. Ana Teresa Scanfella Fabrícia Cristina Paulo Karina Teodoro Renata Pierini Ramos

MEMORIAL REFLEXIVO. Ana Teresa Scanfella Fabrícia Cristina Paulo Karina Teodoro Renata Pierini Ramos MEMORIAL REFLEXIVO Indisciplina: tema tratado/discutido pela comunidade escolar em um espaço virtual (blog) desenvolvido pelas formadoras de uma escola na periferia do município de São Carlos. Ana Teresa

Leia mais

A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS

A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS Introdução A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS Ângela Noleto da Silva angelanoleto@uft.edu.br Darlene Araújo Gomes lenegomes20@yahoo.com.br Kátia Cristina Custódio Ferreira Brito katiacristina@uft.edu.br

Leia mais

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 Camila Ribeiro Lisboa Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora RESUMO: Neste trabalho, apresentamos como

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas FORMAÇÃO CONTINUADA EM BRAILLE VISANDO À EDUCACAO INCLUSIVA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA GT 08 - Formação de Professores e Educação Matemática (FPM) RESUMO Neste relato apresenta-se o curso de Braille-Módulo

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA

CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA Porto Alegre - RS - Maio 2012 Jozelina Silva da Silva UFRGS/ UAB SESI jozelinasilvadasilva@gmail.com Categoria: C Setor Educacional: 1 Classificação das Áreas de Pesquisa

Leia mais

P R Ê M I O : M E L H O R E S A L U N O S D A G R A D U A Ç Ã O

P R Ê M I O : M E L H O R E S A L U N O S D A G R A D U A Ç Ã O P R Ê M I O : M E L H O R E S A L U N O S D A G R A D U A Ç Ã O L i s t a c o m p l e t a d o s p r e m i a d o s c o n t e m p l a d o s F O R M A N D O S D A S T U R M A S D E 2 0 1 3 / 2 ALINE AUXILIADORA

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

A palavra de ordem será: ACESSIBILIDADE!

A palavra de ordem será: ACESSIBILIDADE! O que é o Congresso de Acessibilidade? O Congresso de Acessibilidade é o primeiro evento online TOTALMENTE GRATUITO a ser realizado no Brasil, com foco no público de Pessoas com Deficiência e/ou Necessidades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

Era o que você esperava? Não, superou todas as minhas expectativas. Ficou lindo. SIRONA.COM.BR

Era o que você esperava? Não, superou todas as minhas expectativas. Ficou lindo. SIRONA.COM.BR É o sonho de consumo de qualquer pessoa ter uma máquina dessa, inclusive o meu. Com o equipamento vou poder ajudar as pessoas a terem o sorriso como o meu e a praticidade também. O que você achou de ser

Leia mais

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM AVINIO, Carina de S.¹; ENDERLE, Mariana G.²; VISENTINI, Lucas³. 1 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação

Leia mais

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Histórias de Comunidade de Aprendizagem Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Introdução O projeto Comunidade de Aprendizagem é baseado em um conjunto de atuações de êxito voltadas para a transformação

Leia mais

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL HILDA TEIXEIRA GOMES VILMA GOMES SAMPAIO ctbiha@rioeduca.net INSTITUTO MUNICIPAL HELENA ANTIPOFF 1 INTRODUÇÃO Pensando em uma escola

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação 4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA 4.1. Apresentação O Curso de Educação na Diversidade e Cidadania é um curso de formação continuada de professores de educação básica, com carga horária de

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UM ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UM ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Marisa Dias Lima 1 ; Márcia Dias Lima 2 ; Fernanda Grazielle Aparecida Soares de Castro 3 Universidade Federal de Uberlândia; Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TUTOR ON-LINE NA FORMAÇÃO DOCENTE

A IMPORTÂNCIA DO TUTOR ON-LINE NA FORMAÇÃO DOCENTE A IMPORTÂNCIA DO TUTOR ON-LINE NA FORMAÇÃO DOCENTE Curso de Especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Página Inicial do AVA com a relação das disciplinas do Curso e Formação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL 2013 1. IDENTIFICAÇÃO GRUPO DE EDUCAÇÃO FISCAL ESTADUAL DE GOIÁS GEFE/GO 2. APRESENTAÇÃO O curso a distância de Disseminadores de Educação Fiscal constitui

Leia mais

FAQ Estude Sem Dúvidas

FAQ Estude Sem Dúvidas FAQ Estude Sem Dúvidas Núcleo de Educação a Distância Faculdade Flamingo São Paulo Atualizado em: Outubro/2015 2 Estude sem dúvidas FAQ para os alunos de Pedagogia Presencial Caros alunos e alunas do curso

Leia mais

ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS

ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS Ao se levantar para trabalhar, pela manhã, todos enfrentamos, sentados na beira da cama, a mesma questão: eu seria mais feliz e satisfeito fazendo

Leia mais

ESTUDOS DE CASO SOBRE TUTORIA

ESTUDOS DE CASO SOBRE TUTORIA Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes Centro de Educação a Distância - CEAD ESTUDOS DE CASO SOBRE TUTORIA Profª. Vanessa Battestin Nunes Fevereiro/2010 1 ESTUDOS DE CASO SOBRE TUTORIA Objetivo: Discutir

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DE TUTORES PARA SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA.

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DE TUTORES PARA SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 576 A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DE TUTORES PARA SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA. Marilucia Ricieri, Raquel Rossan

Leia mais

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Aline Alcalá; Amanda Fernandes Dayrell; Danielle Martins Rezende; Gabriela Camacho; Renata Carmo-Oliveira O processo de inclusão de pessoas com necessidades

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

A TUTORIA PRESENCIAL NA EAD

A TUTORIA PRESENCIAL NA EAD A TUTORIA PRESENCIAL NA EAD Goiânia GO - Abril 2010 Lia Camila dos Reis Figueiredo - Colégio Meta - Goiânia GO liacamila19@hotmail.com Danuza Janne Ribeiro de Almeida - Polo Goiânia I SEPC / UNOPAR danuzajan@hotmail.com

Leia mais

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA Maio de 2008 Marina Caprio Faculdade Interativa COC marinacaprio@coc.com.br Karen Bortoloti Faculdade Interativa COC bortoloti@coc.com.br Categoria

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência INOCÊNCIO, Sibelle Williane Dias dos Santos DAXENBERGER, Ana Cristina Silva Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Departamento

Leia mais

LIBRAS ON-LINE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DA PEDAGOGIA A DISTANCIA DA UFJF

LIBRAS ON-LINE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DA PEDAGOGIA A DISTANCIA DA UFJF LIBRAS ON-LINE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DA PEDAGOGIA A DISTANCIA DA UFJF Introdução Davi Vieira Medeiros; Perola Fátima Valente Simpson Viamonte Com base nas perspectivas atuais propostas

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

A INCLUSÃO DE UMA ALUNA COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS

A INCLUSÃO DE UMA ALUNA COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS A INCLUSÃO DE UMA ALUNA COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS Ana Patrícia de Souza; Keila Gomes Tavares; Graciene Matos Lopes; Denilson Diniz Pereira. Universidade Federal do

Leia mais

Câmpus Alfenas SUMÁRIO. Cláudio Novaes... 2. Eliane Souza dos Santos... 3. Elizabeth Aparecida Santos de Oliveira... 4. Fernanda Alice de Santana...

Câmpus Alfenas SUMÁRIO. Cláudio Novaes... 2. Eliane Souza dos Santos... 3. Elizabeth Aparecida Santos de Oliveira... 4. Fernanda Alice de Santana... Câmpus Alfenas 14 de agosto de 2010 SUMÁRIO Cláudio Novaes... 2 Eliane Souza dos Santos... 3 Elizabeth Aparecida Santos de Oliveira... 4 Fernanda Alice de Santana...5 Mary Silva Faria... 6 Valéria de Oliveira

Leia mais

Especialização em Educação de Jovens e Adultos para a Juventude - EaD

Especialização em Educação de Jovens e Adultos para a Juventude - EaD Instituto de Ciências Exatas e da Terra Departamento de Química Área de Ensino de Química Especialização em Educação de Jovens e Adultos para a Juventude - EaD Equipe Prof. Ms. Marcel Thiago Damasceno

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL * Rita de Cássia Lindner Kaefer **Ana Eleonora Sebrão Assis RESUMO O objetivo do presente artigo é apresentar uma reflexão a respeito da importância

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO Clebiana Dantas Calixto clebianageo@hotmail.com (Autora e professora da Educação Básica)

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

Relatório da formação de tutores na EaD da Universidade Federal de Itajubá/MG. Itajubá, Maio/2009

Relatório da formação de tutores na EaD da Universidade Federal de Itajubá/MG. Itajubá, Maio/2009 Relatório da formação de tutores na EaD da Universidade Federal de Itajubá/MG Itajubá, Maio/2009 Luciana Mendonça Rodrigues Universidade Federal de Itajubá lucianarodrigues@unifei.edu.br Categoria: Pesquisa

Leia mais

Juliana Cristina Ruaro 2 Ana Marieli dos Santos 3. Introdução

Juliana Cristina Ruaro 2 Ana Marieli dos Santos 3. Introdução UM NOVO OLHAR SOBRE A EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA: CONTEXTUALIZAÇÃO, IMPLICAÇÕES E PERSPECTIVAS DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS 1 Introdução Juliana Cristina Ruaro 2 Ana

Leia mais

O Papel de tutores online no Curso de Educação a Distância Redefor: formação, acompanhamento e avaliação

O Papel de tutores online no Curso de Educação a Distância Redefor: formação, acompanhamento e avaliação O Papel de tutores online no Curso de Educação a Distância Redefor: formação, acompanhamento e avaliação Ana Claudia Bortolozzi Maia Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru/SP E-mail:

Leia mais

CURSOS EAD: UMA ESTRATÉGIA NA FORMAÇÃO DE NOVOS LEITORES

CURSOS EAD: UMA ESTRATÉGIA NA FORMAÇÃO DE NOVOS LEITORES CURSOS EAD: UMA ESTRATÉGIA NA FORMAÇÃO DE NOVOS LEITORES BIBLIOTECA MUNICIPAL POETA PAULO BOMFIM ITANHAÉM/SP Maraléia Menezes de Lima Bibliotecária ChrystinaMagalhães Coordenadora de Projetos de Leitura

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco NOTÍCIAS Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco Mobilizar. Colaborar. Transformar. Muitas foram as motivações que levaram você e mais 791 colaboradores Itaú Unibanco (e

Leia mais

O TUTOR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E REDES COLABORATIVAS DE APRENDIZAGEM

O TUTOR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E REDES COLABORATIVAS DE APRENDIZAGEM 1156 O TUTOR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E REDES COLABORATIVAS DE APRENDIZAGEM Márcia Aparecida Barbosa Mestranda em Educação da Universidade Estadual Paulista UNESP. E-mail: marciatashiro@gamil.com RESUMO

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA 1 Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro apresenta os princípios da Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Leia mais

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS Patrícia Correia de Paula Marcocia - UTP Este trabalho apresenta resultados parciais e preliminares de uma pesquisa qualitativa sobre a inclusão escolar

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com 1 ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com RESUMO Este trabalho apresenta um relato de experiência ao realizar as atividades propostas no curso Alfabetização

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O PAPEL DO PROFESSOR E DO AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL E DO ESTAGIÁRIO: Um diálogo necessário OLIVEIRA, Elisangela 1 SERAFIM, Lindineide 2 OLIVEIRA, Elizabete Gaspar de 3 RESUMO O presente estudo

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Cristiane Correia Taveira, IHA/SME-Rio Laura Jane Belém, IHA/SME-Rio Micheli Accioly, IHA/SME-Rio Miriam Frias Nascimento,

Leia mais

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Blog e Flog como recursos de aprendizagem

Blog e Flog como recursos de aprendizagem 1 de 6 12/11/2008 20:24 Blog e Flog como recursos de aprendizagem Imprimir página Blog pedagógico: é possível visualizar um novo horizonte? Tânia Maria Moreira 1 Antes de ler este texto, pare, pense e

Leia mais

TÍTULO: ESCOLA BILÍNGUE PARA SURDOS: A ESPERANÇA DE UM ENSINO COM DIGNIDADE

TÍTULO: ESCOLA BILÍNGUE PARA SURDOS: A ESPERANÇA DE UM ENSINO COM DIGNIDADE TÍTULO: ESCOLA BILÍNGUE PARA SURDOS: A ESPERANÇA DE UM ENSINO COM DIGNIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE DIREITO FRANCISCO BELTRÃO AUTOR(ES):

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO: FÓRUNS E OFICINAS COMO MECANISMOS PARA PROMOVER AUTONOMIA NA INCLUSÃO ESCOLAR DESENHO UNIVERSAL, INFORMÁTICA ACESSÍVEL E RECURSOS DE TECNOLOGIA ASSISTIVA Área temática: Educação

Leia mais

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA 1 LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA Maria de Nazaré da Silva Correa Jediã F. Lima Maria do Carmo S. Pacheco Maria do P. Socorro R. de Lima Maria Rita Brasil Raiolanda

Leia mais

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões.

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões. Como tratar as pessoas: de uma maneira boa, ajudar todas as pessoas. Como não fazer com os outros: não cuspir, empurrar, chutar, brigar, não xingar, não colocar apelidos, não beliscar, não mentir, não

Leia mais

A INCLUSÃO E O ENSINO REGULAR. Valéria Mota Scardua 4. Resumo:

A INCLUSÃO E O ENSINO REGULAR. Valéria Mota Scardua 4. Resumo: 85 A INCLUSÃO E O ENSINO REGULAR Valéria Mota Scardua 4 Resumo: Este trabalho apresenta questionamentos que buscam justificar a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais no ensino regular.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais