MARIA DE LOURDES DEL FÁVERI CÓRIO O PERSONAGEM CHICO BENTO, SUAS AÇÕES E SEU CONTEXTO: UM ELO ENTRE A TRADIÇÃO E A MODERNIDADE.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARIA DE LOURDES DEL FÁVERI CÓRIO O PERSONAGEM CHICO BENTO, SUAS AÇÕES E SEU CONTEXTO: UM ELO ENTRE A TRADIÇÃO E A MODERNIDADE."

Transcrição

1 MARIA DE LOURDES DEL FÁVERI CÓRIO O PERSONAGEM CHICO BENTO, SUAS AÇÕES E SEU CONTEXTO: UM ELO ENTRE A TRADIÇÃO E A MODERNIDADE. Marília 2006

2 MARIA DE LOURDES DEL FÁVERI CÓRIO O PERSONAGEM CHICO BENTO, SUAS AÇÕES E SEU CONTEXTO: UM ELO ENTRE A TRADIÇÃO E A MODERNIDADE. Dissertação apresentada ao curso de Pós Graduação da Universidade de Marília SP, como requisito para a obtenção do título de Mestre em Comunicação e Estudos de Linguagem. Área de Concentração: Mídia e Cultura. Orientadora: Prof. Dra. Rosangela Marçolla. MARÍLIA 2006

3 UNIMAR - UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Reitor: Márcio Mesquita Serva PRO-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE COMUNICAÇÃO, EDUCAÇÃO E TURISMO DIRETORA: PROFª. DRA. SUELY FADUL VILLIBOR FLORY CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E ESTUDO DE LINGUAGENS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: MÍDIA E CULTURA ORIENTADORA: PROFª. DRA ROSANGELA MARÇOLLA

4 Ao Agostinho, meu marido muito querido, meu companheiro, agradeço pelo apoio, paciência e incentivo. Aos meus filhos, Fabiana e Fernando, por compreenderem a minha dedicação a este trabalho Amo vocês.

5 AGRADECIMENTOS A realização deste trabalho dependeu da ajuda de muitas pessoas. Agradeço a todos que, de alguma forma, contribuíram para que ele se concretizasse, mas em especial : À professora doutora Rosangela Marçolla, pela orientação segura, pela atenção e gentileza, e por acreditar na viabilidade dessa pesquisa. Ao professor doutor João Adalberto Campato Júnior, por sua colaboração e seu incentivo Ao professor doutor Alfredo Peixoto Martins, pelo seu incentivo e seus ensinamentos. À professora doutora Lucia Correia Marques de Miranda Moreira pelo seu bom senso e sua sabedoria Ao meu marido Agostinho, por estar sempre do meu lado com seu conhecimento e seu bom humor À Rosangela Braga Barbosa pela atenção dispensada no transcorrer do curso e sua grande amizade. ROMANCE LIII OU DAS PALAVRAS AÉREAS

6 Ai, palavras, ai, palavras, Que estranha potência, a vossa! Ai, palavras, ai, palavras Sois de vento, ides no vento, No vento que não retorna, E, em tão rápida existência, tudo se forma e se transforma! Sois de vento, ides no vento, E quedais, com sorte nova! Ai, palavras, ai, palavras, Que estranha potência, a vossa! Todo sentido da vida Principia à vossa porta; O mel do amor cristaliza Seu perfume em vossa rosa; Sois o sonho e sois a audácia Calúnia, fúria, derrota... A liberdade das almas, Ai! Com letras se elabora... E dos venenos humanos Sois a mais fina retorta: Frágil, frágil como o vidro

7 E mais que o aço poderosa! Reis, impérios, povos, tempos, Pelo vosso impulso rodam... Detrás de grossas paredes, De leve, quem vos desfolha? Pareceis de tênue seda, Sem peso de ação nem de hora... - e estais no bico das penas - e estais na tinta que molha, - e estais nas mãos dos juízes, -e sois o ferro que arrocha, - e sois barco para o exílio, - e sois Moçambique e Angola! Ai palavras, ai palavras, Íeis pela estrada afora, Erguendo asas muito incertas, Entre verdades e galhofa, desejos do tempo inquieto, Promessas que o mundo sopra... Ai, palavras, ai palavras Mirai-vos: que sois, agora? -Acusações, sentinelas,

8 bacamarte, algema, escolta; - o olho ardente da perfídia, a velar, na noite morta; - a umidade dos presídios - a solidão pavorosa; - duro ferro das perguntas, com sangue em cada resposta; - e a sentença que caminha, -e a esperança que não volta, - e o coração que vacila, - e o castigo que galopa... Ai, palavras, ai palavras, Que estranha potência, a vossa! Perdão podíeis ter sido! - sois madeira que se corta- sois vinte degraus de escada, -sois um pedaço de corda... -sois povo pelas janelas, cortejo, bandeiras, tropa... Ai, palavras,ai palavras, Que estranha potência, a vossa! Éreis um sopro de aragem... -sois um homem que se enforca MEIRELES, Cecília. Obra poética. Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1995, p in:platão &FIORIN. Para Entender o Texto.p.50

9 RESUMO Entre todas as linguagens que fazem parte do mundo contemporâneo, iremos abordar uma que realiza a integração entre a linguagem escrita e a linguagem visual: as histórias em quadrinhos Essa pesquisa objetiva estudar Chico Bento, como um representante do indivíduo caipira. Como um representante do universo rural, mas de maneira inteligente, onde vive as tradições, o folclore, com inocência e simplicidade. O personagem personifica a bondade, a simplicidade do homem do campo, que são características que o identificam. Nesse sentido, as histórias em quadrinhos de Chico Bento resgatam do passado (da tradição) os valores morais para a contemporaneidade como uma alegoria do passado. Palavras chave: história em quadrinhos, tradição, Chico Bento, caipira. ABSTRACT Among all of the languages which are part of the contemporary world, we will approach one that accomplishes the integration between the written language and the visual language: the cartoons. This research is aimed at in studying Chico Bento, as a representative of the rustic individual. It is a prototype of the rural universe, but in an intelligent way, where he lives the traditions, the folklore, with innocence and simplicity. The character personifies the kindness, the man's of the field simplicity, that are characteristic that identify him. In this sense, Chico Bento's cartoons rescue of the past (of the tradition) the moral values for the "contemporaneidade" as an allegory of the past. Key words: cartoons, tradition, Chico Bento, tacky.

10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO I A GLOBALIZAÇÃO E A HISTÓRIA EM QUADRINHOS História em Quadrinhos: Produto da Indústria Cultural Cultura de massa e a formação da identidade social A cultura de massa e os quadrinhos de Maurício de Sousa II AGORA É HORA DAS HISTÓRIAS... DOS QUADRINHOS A evolução das formas de comunicação: um resgate histórico As fases da evolução dos quadrinhos Os quadrinhos no Brasil III - A NATUREZA E A TIPOLOGIA DOS QUADRINHOS A linguagem da história em quadrinhos Elementos que compõem uma vinheta Planos Os ângulos de visão O Balão, a Legenda, a Onomatopéia Estrutura narrativa em quadrinhos IV MAURÍCIO DE SOUSA: UM POUCO DE SUA HISTÓRIA O Empreendedor

11 V A CONSTRUÇÃO DO PERSONAGEM CHICO BENTO Chico Bento e o retrato de sua turma A Turma da roça Chico Bento e a cultura popular A folkimídia e os quadrinhos O elo entre o passado e a contemporaneidade Recontando a história Os valores e potencial dos quadrinhos As virtudes denotadas nos quadrinhos CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

12 LISTA DE ILUSTRAÇÕES PÁGINA 1 - Chico Bento e seu primo da cidade Monumento de arte rupestre no oeste da África Bisão, encontrado na caverna de Altamira Os ideogramas chineses Parte inferior da coluna de Trajano em Roma Bíblia em xilogravura do século XII O Down Hogan s Alle Yellow Kid O garoto amarelo e seu gramofone Capitão, dona Chucruts, Coronel, Hans e Fritz Little Nemo Mutt Jeff Les Pieds-Nickelés (1908), de Louis Forton As Cobranças (1867), de Ângelo Agostini A revista O Tico Tico O amigo da Onça Pererê (1959) Made In Brazil (anos 90) Plano geral Travelling Plano médio Plano americano Primeiro plano O ponto de vista Panorâmica O detalhe dominando a imagem... 83

13 27 - O detalhe do detalhe dominando a cena Recursos de enquadramento Ângulos de visão inferior Ângulo de visão superior: Ângulo de visão médio: Balão Fala Balão pensamento Balão cochicho Balão berro Balão trêmulo Balão vibrado Balão uníssono Balão censurado Balão mudo Balão duplo /44/45/46/47/48-Onomatopéia Maurício de Sousa no início de sua carreira Bidu Cebolinha Chico Bento Cascão Jotalhão Horácio Mônica Magali O Astronauta Tina, Pelezinho Maurício em campanha com a Trol /63 - Chico Bento consultando sua galinha Caipira Pitando

14 65 -Chico Bento e a reforma agrária Hiro Rosinha Zé Lelé Zé da Roça Tira do Hiroshi e Zezinho(l963) Casamento na roça Cozinha Caipira Caminhos da Roça Chico Bento e seus pais Chico Bento e os repórteres Chico Bento e o ovo de ouro Chico Bento e seu amigo príncipe Chico Bento e seu primo da cidade Chico Bento e seus pais Chico Bento e sua amiga

15 INTRODUÇÃO

16 Com o desenvolvimento dos Estudos Culturais e das ciências da comunicação, nas últimas décadas, podemos notar que estudiosos vêm se preocupando em analisar as histórias em quadrinhos quanto à sua especificidade e ao seu impacto na sociedade como meio de comunicação de massa. Isso mostra uma preocupação da cultura acadêmica com o ver, compreender e revelar as histórias em quadrinhos como um elemento de destaque do sistema global de comunicação. Sobre o assunto Oliveira diz que originalmente surgidos na Inglaterra, na década de 1950, e trazendo na bagagem forte influência do estruturalismo francês, o interesse dos Estudos Culturais voltou-se primeiramente para os problemas da sociedade e da linguagem. Na década de 1980,[...] ultrapassam as fronteiras da Grã- Bretanha, chamando a atenção de estudiosos de outros países, sobretudo dos Estados Unidos da América. [...], os Estudos Culturais passam a privilegiar a interdisciplinaridade e seu corpus deixa de ser apenas a literatura 1. Dentro dos Estudos Culturais, a história em quadrinho, como objeto de estudo, assume relevância após os estudos de Ariel Dorfman e Armand Matellart (1978) com o livro Para Ler o Pato Donald, que tratou o tema com uma análise crítica. Em 1978, Umberto Eco (2000) publica Apocalípticos e Integrados, um estudo semiológico da cultura de massa e dos meios de comunicação. No capítulo intitulado O mito do Superman, Eco relata alguns fatos que ilustram bem o poder de persuasão das histórias em quadrinhos. Como um meio de comunicação impresso, as histórias em quadrinhos levam ao seu receptor a informação, o entretenimento e a orientação, assim como podem vender produtos por meio da publicidade. Os elementos verbais e os não verbais que compõem as revistas em quadrinhos atuam como formas de difusão de idéias, além de persuadirem o leitor a consumir produtos e aderir a determinados comportamentos, já que os meios de comunicação são formadores de opinião. Na sociedade contemporânea, o homem vive seu cotidiano inserido no mundo das imagens. É possível ver pessoas assistindo a um trailler de um filme na TV e, ao mesmo 1 OLIVEIRA, Geisa F D. Cultura em Quadrinhos: reflexões sobre as histórias em quadrinhos na perspectiva dos Estudos Culturais. In: Alceu. Revista de Comunicação, Cultura e Política- v 4 nº 8 - jan / jun, 2004, p.78.

17 tempo, observar a mesma história em revistas de quadrinhos ou ainda acessar a um site desse mesmo personagem ou assistir, no cinema, a um longa metragem enfocando o mesmo enredo. Cada vez mais, a tecnologia vem potencializando a criação de signos por meio da mídia. O excesso de signos, de técnicas de simulação vem, cada vez mais, transformando o cotidiano na sociedade do espetáculo. Nesse contexto, a história em quadrinhos faz parte da indústria cultural, com produção em série massificadora que eterniza a ideologia de classe, seja dominante ou não. Tendo em vista que as histórias podem despertar o senso crítico e reforçar vínculos, desenvolvendo um certo tipo de olhar crítico que os recursos verbais tradicionais isoladamente não possibilitam, podemos chegar à importância que lhes reserva o campo da comunicação. Pretendemos com este trabalho buscar respostas no que diz respeito à relevância da persuasão imposta pela ideologia das histórias em quadrinhos de autoria de Maurício de Sousa, ainda que este estudo se restringirá, especificamente, a um de seus personagens: Chico Bento. Estudar a criação deste personagem, seus costumes e seu contexto como um elo entre a tradição e a modernidade contemporânea. Para melhor entendimento do termo, buscamos, no dicionário da Língua Portuguesa Houaiss, a definição da palavra tradição e encontramos: como comunicação oral de fatos, lendas, ritos, usos e costumes etc. E, conjunto de valores morais, espirituais etc.,transmitidos de uma geração para outra 2. E como contemporaneidade, o dicionário define como: que ou o que é do tempo atual 3. A partir da metade do século XX, o Brasil passa a ser um país mais urbanizado e industrializado e, conseqüentemente, irrigado pela cultura das mídias. Isso causou uma inversão na vida das pessoas, os valores passaram a ser demonstrados e conduzidos para alterar a sensibilidade e o cotidiano do indivíduo. As gerações que se desenvolveram neste mundo infestado pelos meios de comunicação e de informação, experimentaram mudanças fundamentais nas percepções de si próprias, do mundo social e do mundo cósmico. No ano de 1961, foi criado o personagem de Maurício de Sousa: Chico Bento, que possui características peculiares que o diferenciam de outros personagens: seu estilo de vestir, sua maneira de falar, seus valores pessoais e sociais, o meio em que vive (campo), o grupo de 2 HOUAISS, Antonio et al. Dicionário de: Língua Portuguesa: 1ª ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001, p HOUAISS, Antonio et al. Op., cit., p. 817.

18 pessoas com o qual convive. Aliado ao conceito de família em que ele está estabelecido, todo esse perfil compõe e determina seu jeito de viver. Por meio das histórias em quadrinhos, pode-se afirmar que o Chico Bento possui as seguintes características: menino do campo, caipira, fala de forma diferente. Cuida dos animais e plantas de tal forma que deposita neles carinho, amor e amizade, preocupa-se com o bem-estar social, gosta de dormir depois do almoço, tem um jeito de pessoa tranqüila, seu figurino é simples, sem a preocupação do que está ou não na moda, usa camisa xadrez e calça curta, é fácil de fazer amigos. Tem na família uma estrutura fortalecida e valorizada, que mantém como cultura e meio de sobrevivência a horta, as aves, e os cereais. Preserva valores como o amor, a honestidade, a coragem e a simplicidade. O personagem pode ser o tipo que caracteriza o homem do campo e mantém, até os dias atuais, os costumes e as idéias de um Brasil rural. Sobre Chico Bento Oliveira comenta que o simpático menino do interior paulista foi elevado à categoria de objeto de estudo, pelo fato de despontar como uma unanimidade dentre os teóricos dos quadrinhos nacionais [...] o Chico Bento permanece impávido, citação indefectível quando o assunto é brasilidade. Estranho poder, o desse menino 4 Há apenas algumas décadas, os sujeitos formavam a sua imaginação do mundo a partir das referências da vida no campo, no contato com as arborescências da natureza, do mundo agrário, num tempo em que a publicização da vida não era tão eminente. Nas décadas de 1950 e 1960, os sentimentos íntimos mais profundos de nacionalismo se faziam permanecer e eram considerados como regras na sociedade brasileira. Com a urbanização e os crescentes meios de comunicação e de transportes, vimos uma transformação nas estruturas da vida cotidiana da sociedade brasileira, nas décadas de 1970 e 1980 e, conseqüentemente, a formação de uma nova mentalidade das pessoas. As mídias têm uma contribuição incisiva nesse processo ao difundir novos hábitos de consumo, fabricando desejos e necessidades e criando a figura pública do cidadão. A partir da década de 1990, com a evolução das cidades, as redes e tecnologias de interação virtual tornam-se imprescindíveis e uma exigência na contemporaneidade. Podemos definir como oposto à modernidade contemporânea: a tradição 4 OLIVEIRA, Gêisa F D. Op., cit., p

19 que se manifesta como o passado, revivido, da memória; a contemporaneidade é o presente, o futuro. Podemos considerar a tradição e a modernidade como as faces de uma mesma moeda, estabelecendo entre elas uma relação: contemporâneo é tudo o que se demarca em relação aquilo que permanece como tradicional, tal como tradicional é tudo o que se demarca em relação àquilo que se apresenta como moderno. Nesse sentido, de ruptura entre o que é passado, na memória, e aquilo que se faz presente na modernidade contemporânea; buscamos resgatar os valores e princípios de brasilidade que constituem a identidade do sujeito rural representado pelo personagem Chico Bento. O personagem preserva a identidade caipira por não se modernizar dentro dos parâmetros da cultura contemporânea, nesse sentido, Chico Bento denota a fragmentação do indivíduo inserido na cultura atual. Vale ressaltar que as revistas e o personagem Chico Bento, por meio da mídia, resistem ao tempo e ao espaço, embora sujeitos à concorrência mercadológica imposta pelas relações da globalização e a competição decorrentes das novas tecnologias, sobretudo do computador, vídeo games, televisão e internet. No entanto, continuam brilhando e divertindo as pessoas de todas as idades e sexos, de diferentes níveis sociais e culturais, inclusive ultrapassando fronteiras. Essas questões são partes que ajudam a determinar o nosso objeto de estudo para este trabalho que se encontra organizado em cinco capítulos. O primeiro capítulo trata do processo de globalização e as histórias em quadrinhos como um produto da indústria cultural. As HQ participam desse movimento como uma mídia que intensifica o fluxo comunicacional entre as pessoas. Destacam a identidade do sujeito que deixa de ser formada pela interação entre o eu e a sociedade, passando a ser formada pelas supostas necessidades do homem, influenciada pela indústria cultural. No capítulo seguinte, aborda-se a evolução das formas de comunicação do ser humano e o resgate histórico das histórias em quadrinhos na Europa, nos Estados Unidos e no Brasil. A seguir, o terceiro capítulo enfoca a natureza e a tipologia das histórias em quadrinhos, ou seja, a linguagem formada por dois componentes ou códigos diferentes: a imagem e o texto que estão irrevogavelmente entrelaçados, assim como o enquadramento que corresponde aos personagens, cenários, planos de visão, às metáforas visuais, balões, e às onomatopéias. O quarto capítulo apresenta o resgate de parte da história do autor Maurício de Sousa e sua trajetória profissional. Mostra os principais personagens que mais conquistaram a simpatia

20 dos leitores. O quinto capítulo aborda um breve estudo da formação do personagem Chico Bento e sua relação com a cultura popular. Traz a abordagem dos valores e das virtudes destacados dos quadrinhos de Chico Bento da coletânea: Um Tema Só - Mônica. A coletânea é composta de 5 revistas publicadas no ano de 2003, na cidade de São Paulo, pela Editora Globo, com republicações das melhores histórias criadas por Maurício de Sousa, mas não consta a data das publicações das mesmas. Os temas das revistas são: aniversários, passeios, fábulas, superestrela, parabéns e superaventuras. Para encontrar respostas, que satisfazem ao objeto da pesquisa, foram efetuadas leituras sobre o tema, abordado por autores nas áreas em questão. Após a coleta dos dados históricos, adotamos a pesquisa bibliográfica para construirmos o corpus teórico do nosso trabalho. Acreditamos na necessidade de adotarmos como embasamento teórico os principais autores que possam contribuir na tentativa de chegarmos a um possível resultado acerca das nossas hipóteses em questão. Rubem Alves diz que todo pensamento inicia com um problema e que para fazer ciência é preciso perceber e formular problemas. Ele recomenda a busca de um modelo, ou seja, de uma teoria através da qual seja possível prever o comportamento da natureza no futuro: O espanto perante a ordem é a primeira inspiração da ciência. Quando um cientista enuncia uma lei ou uma teoria ele está contando como se processa a ordem. É isto que significa testar uma teoria: ver se, no futuro, ela se comporta da forma como o modelo previu 5 A investigação que norteará essa pesquisa adotará o segundo critério das opções metodológicas [...], e diz respeito à seleção de uma multiplicidade de métodos de análise de pesquisa. No caso da comunicação, por se tratar de uma disciplina ou campo recente, ela não pode senão apoiar-se e desenvolver-se a partir das Ciências Sociais tradicionais. Suas formas específicas de aproximação à realidade só agora começam a ser delimitadas 6. Na procura de uma resposta para a problemática do nosso objeto de estudo, a pesquisadora Maria Immacolata Vassalo de Lopes comenta que o amadurecimento 5 ALVES, Rubem. Filosofia da Ciência - Introdução ao jogo e suas regras. São Paulo:Loyola 2003,p.94 6 LOPES, Maria Immacolata Vassalo de. Pesquisa em Comunicação. São Paulo: Loyola, p.104

21 metodológico no campo da Comunicação depende do desenvolvimento das análises de seus múltiplos níveis e dimensões, o que exige, necessariamente, uma variedade de metodologias 7, portanto acreditamos que, no primeiro momento, a teoria da Indústria Cultural será mais adequada, visto que, nos últimos anos, a Indústria Cultural tornou-se o setor mais ativo que exerce total supremacia no mercado de bens culturais do País. Nesse sentido, a cultura de massa assume uma posição histórica e ideológica na atual sociedade. A sociedade contemporânea está envolta pela aura do consumo da cultura de massa; cada classe social procura, de acordo com sua especificidade sócio-econômica, consumir produtos que apresentam nítidas diferenças qualitativas entre si. Ao mesmo tempo, em que se produzem bens culturais, mais sofisticados, esperando-se do cidadão de baixa renda que os compre à procura de status, ocorre também que há uma produção específica de subprodutos da cultura para manter esse mesmo cidadão nos padrões culturais de sua classe social. O prazer da compra pode também desenvolver uma função psicossocial de auto-satisfação. Nossa proposta é desenvolver um trabalho destinado à área de Comunicação, voltado para a cultura de massa, considerando a propagação desta nova forma de desenvolvimento dos meios de comunicação e cultura na atualidade, como uma das ferramentas mais utilizadas na sociedade contemporânea. 7 Id, Ibid., p. 105

22 CAPÍTULO I - A GLOBALIZAÇÃO E AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS Vive-se o processo de globalização: o mundo todo conhece um pouco de todo mundo. A mídia participa desse movimento por meio de seus produtos, intensificando o fluxo comunicacional entre as pessoas. Como produto midiático, as histórias em quadrinhos também

23 se projetam, atingindo seu público, ávido por novas histórias. Walt Disney é nosso conhecido, pois há décadas, suas HQ circulam em prateleiras brasileiras. No sentido inverso, Maurício de Sousa freqüenta lugares distantes daqui. Não fosse a globalização, os quadrinhos de Sousa não atravessariam as fronteiras em busca desses novos leitores. A Revolução Industrial estabelece um limite inicial na origem das histórias em quadrinhos, como afirma Moya é no mapa desse período que o marco zero da história das estórias em quadrinhos foi estabelecido 8. Eco compactua com Moya, ao afirmar: A melhor prova de que a estória em quadrinhos é produto industrial de puro consumo é que, embora uma personagem seja inventada por um autor genial, dentro em pouco esse autor é substituído por uma equipe, sua genialidade se torna fungível, e sua invenção, produto de oficina 9. A história em quadrinhos de Maurício de Sousa nasce na terceira fase do desenvolvimento industrial (1900 até os dias de hoje). Quando Mauricio criou seus personagens, pouco se ouvia falar de transmissão via satélite, internet, e não tínhamos o fluxo de informações dos dias atuais, da globalização ou mundialização cultural. A nova tecnologia não inibiu o crescimento da indústria de entretenimento dos quadrinhos do criador de Chico Bento, mas foi um fator facilitador para o seu crescimento, transformou-se em filmes e desenhos para a TV. Em estudos feitos para essa pesquisa, observamos que Maurício foi encaminhado por seu pai desde pouca idade a tomar aulas de administração de negócios (com um amigo seu) para apreender a sistemática do comércio. A afirmação nos leva a acreditar que seu sucesso na atual sociedade globalizada foi sua visão empresarial que se estabeleceu nos moldes daqueles que faziam sucesso em outros países. Maurício valeu se principalmente dos moldes americanos. Dessa forma, podemos fazer algumas referências: inspirou-se nos syndicates americanos para montar A Maurício de Sousa Distribuições, sistema de distribuição e revenda de suas revistas; foi um grande admirador de (L il Abner) Ferdinando, um Chico Bento adulto e ingênuo criado por All Cap, que lhe ensinava o lado caipira dos Estados 8 MOYA, Álvaro de. Shazam! 3ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.p ECO, Umberto. Apocalípticos e Integrados. 6 ed. São Paulo: Perspectiva, p.2

24 Unidos, com narrativas irônicas onde hábitos sociais e costumes políticos eram massacrados com muito humor, afirma Sousa 10. Ao definir o que é globalização, inclui-se, no contexto geral da palavra as questões desencadeadas como: conhecimento, tecnologia, cultura, relacionamentos interpessoais e capital. A globalização trouxe a comunicação mais rápida, de fácil acesso entre nações do mundo. Essa comunicação proporcionou também a troca de experiências, o acesso a novos conhecimentos e a diversificação das culturas entre as nações. O conhecimento, por sua vez, gerou novas tecnologias que criaram lucros, ou seja, venda ou criação de produtos ou serviços. Houve também uma transformação nos conceitos de atividades econômicas, equipamentos e de profissões, extinguindo-se algumas, mas criando-se muitas outras. É o caso por exemplo da máquina de escrever, que ficou obsoleta diante de computadores, extinguindo-se a produção dessa ferramenta, assim como também houve a extinção das secretárias datilógrafas. Ademais, criaram-se indústrias de computadores e novas profissões, como digitador, técnico de informática, web design, programadores de computador, etc. Surgiu a internet, que é um fenômeno que vem colaborando na consolidação da globalização. Diante disso, o conceito de conhecimento também tomou outra direção, outra velocidade; tornou-se um poder: conhecer é poder. Essas mudanças atingiram a todas as regiões do Brasil, envolvendo o país em uma rede mundial de culturas e informações. As revistas em quadrinhos resistiram, no tempo e no espaço, a todos esses novos paradigmas. Ganharam novos formatos de design, novas texturas de papel, novas cores, novas capas. Transformaram-se também em negócio rentável do ponto de vista mercadológico. Além das características registradas pelos ilustres estudiosos já citados, arriscamos a dizer que não só o Chico Bento resistiu ao tempo e ao espaço, assim como também manteve a oportunidade de introduzir, nos quatro cantos do mundo, o perfil do brasileiro caipira, representando o Brasil no planeta Terra. O Chico Bento é uma bandeira que, independente da região do Brasil em que esteja, propaga uma ideologia cultural entre brasileiros que vivem sob o signo da contemporaneidade, influenciados pelos meios de comunicação de massa HISTÓRIA EM QUADRINHOS: PRODUTO DA INDÚSTRIA CULTURAL 10 SOUSA, Maurício de.crônicas. Navegando nas Letras II.. São Paulo: Globo, p.32.

25 O termo indústria cultural foi usado por Adorno e Horkheimer em 1940 ao tratarem de cultura de massa. Esse novo conceito é argumentado pelos estudiosos como perspectiva de uma nova sociedade. O ponto central de tal argumentação está baseado na idéia de que o produto (qualquer produto) traz, em si, as marcas do sistema que o fez nascer. Dessa forma, a indústria cultural produz bens padronizados, os quais resultam das necessidades de seus consumidores. Essa é a maneira encontrada para vender produtos sem encontrar resistência em seu comprador. mas este mundo, que uns alardeiam recusar e outros aceitam e incrementam, não é um mundo para o super-homem. É também o nosso. Nasce com o acesso das classes subalternas à fruição dos bens culturais, e com a possibilidade de produzir esses bens graças a processos industriais. [...] 11. O mercado consumidor aumenta à medida que o produto se torna mais barato, mais acessível. Isso se consegue por meio de processos de mecanização. Dessa forma, a revista em quadrinhos é introduzida na esfera da indústria de produção em série e busca pela lucratividade. Com isto se estabelece uma indústria que pode fabricar e distribuir os mais variados produtos, ou uma série de mercadorias culturais. Essa transformação de bens culturais em mercadorias tem um objetivo, não único, de manipulação. Dessa forma, essas mercadorias pensadas pela indústria cultural visam à integração da sociedade de massa, aproximando a vida cotidiana dos indivíduos. Sobre comunicação de massa, Eco afirma: o universo das comunicações de massa é reconheçamo-lo ou não o nosso universo; e se quisermos falar de valores, as condições objetivas das comunicações são aquelas fornecidas pela existência dos jornais, do rádio, da televisão, da música reproduzida e reproduzível, das novas formas de comunicação visual e auditiva 12. No entanto, podemos dizer que a publicação das histórias em quadrinho, por meio de revistas especializadas, inseridas nesse contexto de massificação, somente tem validade para a indústria cultural se, de alguma forma, ela puder ser reformulada e reintroduzida na sociedade 11 ECO, Umberto. Op. cit. p Id., Ibid., p. 11

26 contemporânea. Assim, para o receptor, apesar das revistas em quadrinhos estarem sendo apenas mais um produto para o seu consumo, ele passaria a adotar as ideologias das suas histórias como um símbolo de sua identidade. Ou seja, a revista em quadrinhos como veículo de comunicação, são formadoras de opinião. O leitor assimila, por meio da leitura, a ideologia repassada pelas histórias. Assim os quadrinhos figuram como poderosos instrumentos nas mãos de comunicólogos, professores, artistas e educadores preocupados com a melhoria da qualidade do ensino-aprendizagem. A capacidade de influência exercida pelas histórias em quadrinhos é defendida por Moya quando diz: testes psicológicos aplicados em crianças demonstraram que a informação quando transformada em história em quadrinhos era apreendida num tempo assustadoramente pequeno [...] 13. Tendo em vista a condição de mecanismo regulador que exerce a história em quadrinhos para seu receptor, podemos dizer que os personagens e as histórias de Maurício de Sousa, que têm como público alvo o leitor, (crianças e adultos), reforçam e disseminam ideologia, colaboram para a construção de formadores de opinião. Nesse sentido, podemos destacar que o personagem Chico Bento preserva o ritmo de vida e seu estigma de caipira, para um único desígnio, que é o de manter a imagem do indivíduo do campo na memória das pessoas e preservar para as futuras gerações a cultura rural que é basicamente a formadora da cultura brasileira. Nesse contexto de identificação, podemos destacar, no âmbito político e ideológico, os chargistas [...], de posse de um saber prévio, esses formadores de opinião fazem uma leitura crítica e burlesca do mundo. Eles conhecem a comunidade sobre a qual se debruçam e tentam intervir - via - humor- nesta pulsão de vida, que é a realidade 14. Seja o leitor dos quadrinhos ou das charges, esse sujeito é legitimado ao ser identificado com sua identidade em mutação e ao procurar, nos símbolos valorizados pela cultura de massa, sinais de suas raízes culturais. Chico Bento, personagem tipicamente brasileiro, atinge grandes massas por meio do processo de identificação. Para Hall (1998) o mundo social apresenta uma estabilização que é mantida pelas antigas identidades. Com a dissolução das barreiras nacionais e internacionais, os quadros de referência do indivíduo se dissolvem e se constitui a crise de identidade ou seja, essa crise se estabelece pela interferência de muitas culturas impostas ao mesmo tempo ao sujeito na 13 MOYA, Álvaro de. Shazam! 3ª ed. São Paulo: Editora Perspectiva p OLIVEIRA, Maria Lilia S. Imagem e palavra numa leitura burlesca do mundo.in: AZEREDO, José Carlos (org). Letras e Comunicação.Uma parceria no ensino de Língua Portuguesa. Petrópolis:Vozes p.265.

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS Ana Letícia Vaz Pereira 1 Natália Canuto do Nascimento 2 Orientador Prof. Ms. Artarxerxes Modesto RESUMO: Este trabalho tem como objetivo analisar

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

O advento das tecnologias da era pósindustrial

O advento das tecnologias da era pósindustrial 3.2 AS CRISES DO CENÁRIO O advento das tecnologias da era pósindustrial As tecnologias que ordenaram a era industrial foram ultrapassadas pelas novas tecnologias surgidas a partir do século XX, especialmente

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por elaboração: Tatiana Pita Mestre em Educação pela PUC (SP) Pão, pão, pão escrito por ilustrado por Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman 2 O encanto e as descobertas que o livro nos

Leia mais

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MENDONÇA, Magda Letícia Bezerra 1 Palavras-chave: Histórias, Educação infantil A presente apresentação refere-se a parte do trabalho

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO

IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO 27 Introdução CONEGLIAN, Flavio Marcelo MONASTIRSKY, Leonel Brizolla Considerando que os modos de vida do rural e do urbano

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

ALERTA: AÇÕES EDUCATIVAS - PROJETO O.Q DE QUADRINHOS E O PROCESSO DE ENSINAR ARTE ATRAVES DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS.

ALERTA: AÇÕES EDUCATIVAS - PROJETO O.Q DE QUADRINHOS E O PROCESSO DE ENSINAR ARTE ATRAVES DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. ALERTA: AÇÕES EDUCATIVAS - PROJETO O.Q DE QUADRINHOS E O PROCESSO DE ENSINAR ARTE ATRAVES DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. Evânio Bezerra da Costa (Jimmy Rus 1 ) jimmyrus13@yahoo.com.br Comunicação: Relato

Leia mais

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos.

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos. O USO DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO RECURSO DIDÁTICO- PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E LITERATURA Edna Antunes Afonso João Paulo da Silva Andrade 1 Resumo: Este trabalho parte de pesquisas através

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura.

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CICLO BÁSICO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CICLO BÁSICO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CICLO BÁSICO A evolução da fotografia: Da artesanal à digital Cursistas:

Leia mais

PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2

PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 1 Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com. 2 Professor Tutor do PET EEEC /UFG; getulio@eeec.ufg.br.

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Propostas de atividades para alfabetização e letramento (origem da escrita e do mundo letrado)

Propostas de atividades para alfabetização e letramento (origem da escrita e do mundo letrado) Propostas de atividades para alfabetização e letramento (origem da escrita e do mundo letrado) Viviane Martins Barbosa de Faria Propostas de atividades para alfabetização e letramento (origem da escrita

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA Fábio Tavares da Silva, Graduando Centro de Artes da Universidade Regional do Cariri - URCA Fábio José Rodrigues da Costa, Doutor Centro de

Leia mais

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014 Semana de Treinamento Carnaval 2014 Projeto de Formação Continuada Uma enorme rodinha Juntando Pedacinhos Neste momento essa junção de cacos que são muitas de nossas experiências dos anos anteriores, nossas

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG JornaVista: entrevista em quadrinhos 1 Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG RESUMO O presente trabalho pretende apresentar como se deu a

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL?

POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL? POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL? Por que oferecer um atendimento multicanal? Este livro reúne em uma única fonte dicas para inovar na experiência com clientes, de um jeito simples e prático;

Leia mais

PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2. Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com.

PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2. Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com. PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 1 Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com. 2 Professor Tutor do PET EEEC /UFG; gdeusjr@gmail.com. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Psicologia: Teoria e Prática 2007, 9(2):149-154 Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Iraní Tomiatto de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie Nessa

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Liberdade de Expressão! Para quem? Marco internacional

Leia mais

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014. Max Lânio Martins Pina, da Universidade Estadual de Goiás

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

CURRÍCULO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES. Palavras-Chave: Currículo, Escolas democráticas, Multiculturalismo, Formação de professores.

CURRÍCULO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES. Palavras-Chave: Currículo, Escolas democráticas, Multiculturalismo, Formação de professores. CURRÍCULO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Sérgio Donizeti Mariotini (Faculdades Integradas FAFIBE) Resumo: O presente artigo levanta reflexões sobre a formação do currículo no Brasil a partir da influência

Leia mais

Índice 2.1. 2.2. 2.3. 2.4.

Índice 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. Índice 1. Introdução... p.2 2. Orientações programáticas do 1º Ciclo do Ensino Básico... p.4 2.1. Finalidades... p.4 2.2. Princípios Orientadores... p.4 2.3. Propostas de operacionalização curricular...

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

INTRODUÇÃO: SOBRE A INFÂNCIA HOJE

INTRODUÇÃO: SOBRE A INFÂNCIA HOJE INTRODUÇÃO: SOBRE A INFÂNCIA HOJE Num dia desses, na internet, olhando pequenos filmes de crianças brincando, deparamo-nos com uma infinidade de possibilidades. Encontramos o menino Maurício, brincando

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

O Pós-Moderno: A cultura pop e a subversão de gênero no cinema de Quentin Tarantino

O Pós-Moderno: A cultura pop e a subversão de gênero no cinema de Quentin Tarantino O Pós-Moderno: A cultura pop e a subversão de gênero no cinema de Quentin Tarantino Raquel de Paula RIBEIRO 1 Lisandro NOGUEIRA 2 Universidade Federal de Goiás Faculdade de Comunicação e Biblioteconomia

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Objetivos Específicos. Estratégias em Língua Portuguesa. Leitura de histórias em quadrinhos. Desenhos próprios. Gibisão data show.

Objetivos Específicos. Estratégias em Língua Portuguesa. Leitura de histórias em quadrinhos. Desenhos próprios. Gibisão data show. PLANEJAMENTO Folclore Professor (a): Vanessa da Rosa Competências Leitura; Oralidade; Produção textual, Ortografia, Ritmo e Memória. Avançar em seus conhecimentos sobre a escrita, ao escrever segundo suas

Leia mais

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 Otavio OLIVEIRA 2 Cintia BARIQUELO 3 Jamile SANTINELLO 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste Resumo

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E GRADUAÇÃO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO

MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO PATRÍCIA CAPPUCCIO DE RESENDE (FUNDAÇÃO DE ENSINO DE CONTAGEM), MARCELO GUIMARÃES BELGA (FUNEC - UNIDADE NOVO PROGRESSO),

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

A INTERATIVIDADE DA IMAGEM COM A (RE)LEITURA DO MUNDO: UMA PROPOSTA DE INCENTIVO À LEITURA ATRAVÉS DO ESTÍMULO VISUAL

A INTERATIVIDADE DA IMAGEM COM A (RE)LEITURA DO MUNDO: UMA PROPOSTA DE INCENTIVO À LEITURA ATRAVÉS DO ESTÍMULO VISUAL A INTERATIVIDADE DA IMAGEM COM A (RE)LEITURA DO MUNDO: UMA PROPOSTA DE INCENTIVO À LEITURA ATRAVÉS DO ESTÍMULO VISUAL Deise Belisário * Pedro Ivo Silveira Andretta ** Resumo: Este artigo refere-se ao uso

Leia mais

PALAVRAS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS JURACY ASSMANN SARAIVA - CENTRO UNIVERSITÁRIO FEEVALE

PALAVRAS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS JURACY ASSMANN SARAIVA - CENTRO UNIVERSITÁRIO FEEVALE PALAVRAS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS JURACY ASSMANN SARAIVA - CENTRO UNIVERSITÁRIO FEEVALE RESUMO A leitura na escola pode ser um momento de encontro, de trocas de experiências afetivas e cognitivas que

Leia mais

Caracterização do universo popular regional nas histórias em quadrinhos de Maurício de Sousa: um estudo de caso da Revista do Chico Bento

Caracterização do universo popular regional nas histórias em quadrinhos de Maurício de Sousa: um estudo de caso da Revista do Chico Bento Caracterização do universo popular regional nas histórias em quadrinhos de Maurício de Sousa: um estudo de caso da Revista do Chico Bento 1. INTRODUÇÃO Universidade de Mogi das Cruzes Camila Franco de

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Acesse nosso blog: www.abmeseduca.com

Acesse nosso blog: www.abmeseduca.com Realização: Apoio: Acorda Pessoal!!! Pela primeira vez na história: a próxima geração terá menos oportunidades do que seus pais; a crise ecológica dificultará a sobrevivência das gerações futuras; O aquecimento

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

As dimensões da linguagem na Geografia: primeiras abordagens

As dimensões da linguagem na Geografia: primeiras abordagens Débora da Silva Pereira Universidade Federal de Goiás Debbora.sp@hotmail.com As dimensões da linguagem na Geografia: primeiras abordagens INTRODUÇÃO O objetivo central deste texto é veicular algumas abordagens

Leia mais

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso TEXTO 1 Leia o texto abaixo e nas alternativas de múltipla escolha, assinale a opção correta. INTERCÂMBIO BOA VIAGEM 1 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Cursos de intercâmbio são uma

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA CRECHE. Projeto AMBIENTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA CRECHE. Projeto AMBIENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA CRECHE Projeto AMBIENTE Goiânia, outubro, 2009. PROJETO DE ENSINO 1. TÍTULO: PROJETO AMBIENTE 2.

Leia mais

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS?

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? É uma contradição, ainda pouco comentada, o fato de a ação educativa e cultural visando a infância e adolescência não serem, como deveriam, prioridade nas

Leia mais

"Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração"

Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração "Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração" 2 Meta da aula AULA Apresentar os processos de mudança dos valores, dos padrões sociais e das ciências,

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais