descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados;

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados;"

Transcrição

1 Diagrama Entidade-Relacionamento (DER) descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados; 1

2 entendo 1 2 Reino Real Reino Imaginário Conclusões : (modelagem) 3 Reino Representação represento - Nós não somos capazes de representar tudo o que imaginamos. 2 - Nós somente representamos o que é interessante.

3 Modelagem de Dados Quais são os objetos de dados a serem processados pelo sistema? Qual é a composição de cada objeto de dado e quais atributos descrevem o objeto? Onde os objetos estão localizados? Quais são os relacionamentos entre os objetos? Qual é o relacionamento entre os objetos e os processos que os transformam? 3

4 MODELO DE DADOS * * OBJETIVO Se chegar a um modelo teoricamente independente de máquina. 4

5 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DER ENTIDADES (Objetos ) FUNCIONÁRIOS matrícula ATRIBUIÇÕES (Descrição) FUNCIONÁRIOS nome RELACIONAMENTO (Forma como iteragem) lotações 5

6 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO ENTIDADE - todas as coisas que podemos observar no nosso cotidiano. Representa objetos FUNCIONÁRIO DEPARTAMENTO COR PRODUTO LIVRO Representa Evento PEDIDO ( representa Pedido de Venda) 6

7 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO Identifique a partir de um contexto COR Contexto Fabricante OBJETO Contexto Revenda de Carro CARACTERÍSTICA PRODUTO é formado por todos os objetos que podem ser classificados como um Produto. Toda ENTIDADE deve ter um identificador FUNCIONÁRIO matrícula 7

8 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO ENTIDADE FRACA não tem vida própria FUNCIONÁRIOS Têm DEPENDENTES 8

9 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO Uma entidade fraca pode ser identificada considerando a chave primaria de outra entidade (proprietária). Conjuntos de entidades proprietárias e conjuntos de entidades fracas tem que participar em conjunto de relacionamentos um- para- muitos. Conjuntos de entidades fracas tem que ter participação total neste conjunto de relacionamento identificadores. 9

10 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO GENERALIZAÇÃO particionada EMPREGADO TIPO ENGENHEIRO MOTORISTA 10

11 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO EMPREGADO TIPO Emp_horista Emp_Contratado 11

12 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO Restrições de sobreposições: Pode José ser um Emp_horista assim como, pertencer a entidade Emp_Contratado? Restrições de Cobertura: Todos os empregados tem que serem um Emp_horista ou uma entidade Emp_Contratado? Razões para se usar TIPO : Para adicionar atributos descritivos para uma sub- classe. Para identificar entidades que participam de um 12 relacionamento.

13 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO INVERSO CLIENTE CARTÃO DE CRÉDITO CLIENTE CLIENTE A DINHEIRO CLIENTE CARTÃO DE CRÉDITO CLIENTE A DINHEIRO 13

14 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO EXEMPLO No. SÓCIO DT-ASSOC. SÓCIO PESSOA-FÍSICA CPF NOME NASC. SEXO SÓCIO SÓCIO PESSOA-JURÍDICA CGC RAZÃO RAMO 14

15 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO ATRIBUTOS - descrição através de suas características particulares. 15

16 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO TIPOS DE ATRIBUTOS IDENTIFICADOR ÚNICO Um ou mais atributos de uma entidade cujo conteúdo individualiza uma única ocorrência desta Entidade. matrícula identifica a Entidade FUNCIONÁRIO SIMPLES Atributo indivisíveis nome, salário, cargo... 16

17 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO TIPOS DE ATRIBUTOS COMPOSTO ou CONCATENADO Conjunto de vários atributos. endereço rua,número,bairro,cep MULTIVALORADOS Multivalente telefone * [resid celular comer ] 17

18 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO ATRIBUTOS FUNCIONÁRIOS endereço CGC nome telefones* CEP rua nº 18

19 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO Estudo de Caso Exemplificar um objeto com suas características dentro do contexto Contratação de Modelos Fotográficos. CANDITADOS nome peso cor altura medidas 19

20 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO PARTE ESTÁTICA ENTIDADE ATRIBUTOS PARTE DINÂMICA RELACIONAMENTO Clientes solicitam Cotações que geram Pedidos de Vendas quando aprovados; os Pedidos vendem Produtos em quantidades e preços diferentes que são faturados através da Nota fiscal, que é paga em parcelas pelas Duplicatas, etc. 20

21 Grau de um Conjunto de Relacionamentos Refere-se ao número de conjuntos de entidades que participam em um conjunto de relacionamentos. Conjuntos de relacionamentos que envolvem dois conjuntos de entidades são binários (ou de grau dois). Conjuntos de relacionamentos podem envolver mais que dois conjuntos de entidades. Os conjuntos de entidades cliente, empréstimo, agência podem ser ligados por um conjunto de relacionamentos ternário (grau três). 21

22 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO POSSE TIPOS COMUNS FUNCIONÁRIO Possui DEPENDENTE CLIENTE Possui CONTA_BANCÁRIA COMPOSIÇÃO COMPONENTE Compõe PRODUTO GERAÇÃO / ORIGEM COTAÇÃO Gera PEDIDO ALOCAÇÃO ANALISTA é_alocado_em PROJETO 22

23 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO Estudo de Caso inicio fim conceito Participação CURSO FUNCIONÁRIO matrícula código_curso 23

24 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO Estudo de Caso 1. Carlos Lopes, engenheiro em informática, 43 anos, possui um Gol 93, cor cinza, desde de SUBSTANTIVO conjunto de Entidades. ADJETIVO atributo do conjunto VERBO relacionamento ADVERBIO atributo do relacionamento 24

25 ano_aquisição PESSOAS Possuir AUTOS CPF nome chassi ano_fab marca profissão 25

26 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO Estudo de Caso 1. Sandra Maria, engenheira naval,23 anos, Analista de Sistema; tem especialização em banco de dados, Linguagem de Quarta Geração e Modelagem de Dados. Possui um Gol cor verde desde

27 ano_aquisição PESSOAS Possuem AUTOS CPF chassi Tem ESPECIALIZAÇÃO tipo_espec 27

28 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO RELACIONAMENTO descreve cronologicamente a dinâmica. Sendo que para cada relacionamento é registrado um tipo de movimento. lotado em DEPARTAMENTO Lotação lota FUNCIONÁRIO 28

29 CARDINALIDADE DOS RELACIONAMENTOS (Informação Semântica) Define o número de ocorrências de uma Entidade que pode estar envolvida em um relacionamento; Extrai regras de consistência e integridade dos dados; Indica a relação existente entre todas as linhas de uma Entidade A com todas as linhas de uma Entidade B ; É um indicador de opcionalidade, unicidade e multiplicidade dos relacionamento entre duas Entidades, determinando o mínimo e o máximo de ocorrências. 29

30 APLICAÇÕES SOBRE DADOS P = { p1, p2, p3, p4} Q = { q1, q2, q3 } P1 A Q1 domínio P2 P3 Q2 Q3 imagem P4 A = { (p1,q1),( p2,q1), (p3,q2), (p3,q3),(p4,q4) } 30

31 DIAGRAMA ENTIDADE - RELACIONAMENTO Definição Formal: Sejam E1 e E2 conjuntos de entidades. Um conjunto de relacionamentos binários R é um subconjunto de: {(e 1, e 2 ) e 1 E 1 e 2 E 2 }, onde (e 1, e 2 ) é um relacionamento. 31

32 CARDINALIDADE um-para-um (1:1) => um marido pode ter somente uma esposa e vice-versa H M Adão Eva José Maria Romeu C Julieta 32

33 PROPRIEDADE IMPORTANTE Aplicação 1:1 Domínio e Imagem podem ser fundidos Adão,Eva C José,Maria Romeu,Julieta 33

34 CARDINALIDADE um-para-muitos (1:N) => uma marido pode ter muitas esposas, mas uma esposa tem apenas um marido. H M Eva Adão Cobra José Maria Romeu P Julieta 34

35 TIPOS DE APLICAÇÕES SOBRE OS DADOS 2. Aplicação 1:N ( um-para-muitos ) Departamentos Funcionários Pessoal Ana Sistema P Carlos Patrícia Maria 35

36 PROPRIEDADE IMPORTANTE Aplicação 1:N Os Elementos do domínio D podem ser expandidos D Sistemas,Ana,Carlos Pessoal,Patrícia, Maria 36

37 TIPOS DE APLICAÇÕES SOBRE OS DADOS muitos-para-muitos (M:N) => um marido pode ter várias mulheres, e uma mulher pode ter vários maridos H M Adão Eva José Maria Romeu P Julieta Qualquer Relacionamento é permitido 37

38 CLASSE DE UM RELACIONAMENTO Um-para-um (1: 1). 1 1 FUNCIONÁRIO Gerencia DEPART. Ou FUNCIONÁRIO é gerenciado por gerencia DEPART. Ou simplesmente FUNCIONÁRIO DEPART. 38

39 CLASSE DE UM RELACIONAMENTO Um-para-muitos ( 1 : N) Muitos-para-um ( N : 1 ) N FUNCIONÁRIO Lota 1 DEPART. Ou FUNCIONÁRIO é lotado por lota DEPART. Ou simplesmente FUNCIONÁRIO DEPART. 39

40 CLASSE DE UM RELACIONAMENTO Muitos-para-muitos ( N : N) N PEDIDOS tem N PRODUTOS Em cada pedido, pode ter muitos produtos diferentes, e um produto pode fazer parte de diversos pedidos. 40

41 CLASSE DE UM RELACIONAMENTO PRODUTO ITEM_PEDIDO cod_ped + cod_prod cod-prod PEDIDO cod-ped 41

42 MODALIDADE DE UM RELACIONAMENTO MODALIDADE: indica se um elemento precisa ou não participar em um relacionamento; relacionamento = 0 (não é necessária a ocorrência do relacionamento, ele é opcional); relacionamento = 1 (uma ocorrência do relacionamento é obrigatória); 42

43 NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO TOTAIS PARCIONAIS RECURSIVOS OU AUTO-RELACIONAMENTO RELACIONAMENTO MÚLTIPLOS AGREGAÇÃO 43

44 NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO Seja E conjunto de entidades e R conjunto de relacionamentos em que E participa. Se todo elemento de E deve estar obrigatoriamente em R, então R é TOTAL em E; caso contrário, R é PARCIAL em E. Definição Formal: Dado um conjunto de relacionamentos R entre E 1 e E 2, R é TOTAL em E 1 se e 1 E 1, e 2 E 2 [(e 1, e 2 ) R]; R é PARCIAL em E 1 se e 1 E 1, e 2 E 2 [(e 1, e 2 ) R]. 44

45 NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO TOTAL / PARCIAL FUNCIONÁRIO Ou FUNCIONÁRIO Lota DEPART. DEPART. Todo funcionário obrigatoriamente ( ) lota um departamento, mas nem todo (0) departamento é lotado por funcionários 45

46 REPRESENTANDO A CLASSE E A CARDINALIDADE FUNCIONÁRIO N 1 Lota DEPART. Ou FUNCIONÁRIO DEPART. 46

47 NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO RECURSIVO GERENTE FUNCIONÁRIO 1 N GERENCIA GERENCIADO Gerência Funcionário desempenha o papel de gerente ou de subordinado 47

48 NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO EXEMPLO CLÁSSICO DE RECURSIVIDADE N é composto por PEÇAS N contém Componentes Obs. motor COMPOSTO POR parafuso parafuso COMPÕE motor 48

49 NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO RELACIONAMENTO MÚLTIPLOS PROFESSOR 1 Ensina N DISCIPLINA N ALUNO ( P1,D1,A1 ) ( P1,D1,A2 ) ( P3,D1,A2 ) Não pode existir 49

50 NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO AGREGAÇÃO PROFESSOR 1 Ensina N DISCIPLINA 1 Cursa N ALUNO 50

51 NATUREZA DE UM RELACIONAMENTO CODSETOR DT-CRIAÇÃO DT-req CODMAT DESCRIÇÃO SETOR REQUISIÇÃO MATERIAL DEU ORIGEM A Entidade-tipo PEDIDO GERAL DE COMPRA não deve ser associada nem com SETOR nem com MATERIAL separadamente, mas com o relacionamento REQUISIÇÃO. PEDIDO GERAL DE COMPRA No.PEDIDO DT-PEDIDO 51

52 NORMAS P/ DESENHAR UM MER 1. Identificar os conjuntos de entidades e os conjuntos de relacionamento; FUNCIONÁRIO Lota DEPART. Baseado numa descrição grifar todos os substantivos e circular os verbos que sejam relevantes. Os funcionários trabalham em departamento específico. 52

53 NORMAS P/ DESENHAR UM DER 1. Identificar os conjuntos de entidades e os conjuntos de relacionamento; - Entidades, quando se tratar de um conjunto de objetos com as mesmas características, por exemplo, as entidades cliente, mercadoria, loja, cidades e nota fiscal; - Relacionamentos, quando na frase, onde verbo aparece, ele estiver ligando duas ou mais entidades O cliente compra mercadorias na loja. O cliente fornece seu nome e CPF 53

54 NORMAS P/ DESENHAR UM MER 2. Identificar as informações sobre características (classe) de cada conjunto de relacionamentos, tais como aplicações 1:1, 1:N, e N:M; FUNCIONÁRIO N 1 Lota DEPART. 54

55 NORMAS P/ DESENHAR UM MER 3. Definição dos conjuntos de valores e atributos; Atributos, quando se tratar de uma característica comum a um conjunto de objetos. Identificar o(s) atributos identificar(es); matricula nome sexo data_nasc endereço salário cargo cód_descrição descrição 55

56 Dicionário de Dados. A definição dos relacionamentos deve incluir : descrição do relacionamento indicando o tipo de relacionamento Especificar os objetos que compõe a associação Ex. compra = * a associação de um cliente e um ou mais itens + + quant_comprada} 56

57 NORMALIZAÇÃO Codd 1970 DATE 3FN ( aperfeiçoada ) FAGIN 4FN e 5FN surgiram em

58 NORMALIZAÇÃO Primeira Forma Normal (1FN)) Segunda Forma Normal (2FN) Terceira Forma Normal (3FN) 58

59 NORMALIZAÇÃO Os três principais casos de anomalias : Grupo Repetitivo Dependência Funcional Parcial Dependência Transitiva 59

60 NORMALIZAÇÃO EMPRESA XYZ Ordem de Pedido NÚMERO DA ORDEM : 1234 CÓDIGO DO CLIENTE : 001 NOME DO CLIENTE :Carlos Eduardo ENDEREÇO : Av. Colares Moreira,999 CIDADE : São Luís UF : MA CEP : DATA DE DESPACHO : 31/01/99 OBSERVAÇÃO : Não enviar no horário da tarde. 60

61 Continuação Cód-item Descrição Qtd embal. Preço Valor 2346 parafuso 10 cx 3,00 30, porcas 5 cx 4,00 20, óleo ind. 100 l 4,00 400,00 Valor total Imposto Total Geral 450,00 13,00 437,00 61

62 tabela não normalizada Número da ordem Código do cliente Nome do cliente Endereço Cidade UF CEP Data de Despacho Observações Código Item Descrição Quantidade Embalagem Preço Unitário Valor Total Impostos Total Geral 62

63 Anomalias Inserção não podemos cadastrar um equipamento sem que tenhamos um contrato. Remoção se removermos um contrato temos que remover todos os dados do equipamento. Alteração redundância nos dados do equipamento. 63

64 Primeira Forma Normal (1FN)) tirar as repetições Número da ordem Código do cliente Nome do cliente Endereço Cidade UF CEP Data de Despacho Observações Código Item Descrição Quantidade Embalagem Preço Unitário Valor Total Impostos Total Geral 64

65 1 tirar as repetições Número da ordem Código do cliente Nome do cliente Endereço Cidade UF CEP Data de Despacho Observações Impostos Total Geral Código Item Descrição Quantidade Embalagem Preço Unitário Valor Total 65

66 2 Identificar o atributo que permita uma dependência funcional direta ou indireta dos outros atributos em relação a ele. Número da ordem Código do cliente Nome do cliente Endereço Cidade UF CEP Data de Despacho Observações Impostos Total Geral Código Item Descrição Quantidade Embalagem Preço Unitário Valor Total 66

67 3 Conservar a propriedade reversível desta projeção Número da ordem Código do cliente Nome do cliente Endereço Cidade UF CEP Data de Despacho Observações Impostos Total Geral (1) Número da ordem Código Item Descrição Quantidade Embalagem Preço Unitário Valor Total (2) 67

68 Segunda Forma Normal (2FN)) 1 verificar dependência entre identificador Número da ordem Código do cliente Nome do cliente Endereço Cidade UF CEP Data de Despacho Observações Impostos Total Geral (1) Número da ordem Código Item Descrição Quantidade Embalagem Preço Unitário Valor Total (2) 68

69 Segunda Forma Normal (2FN)) 2 verificar dependência entre identificador Número da ordem Código Item Descrição Quantidade Valor Total Embalagem Preço Unitário Código Item Descrição Embalagem Preço Unitário (3) (2) 69

70 Segunda Forma Normal (2FN)) Número da ordem Código Item Valor Total Quantidade Código Item Descrição Embalagem Preço Unitário (2) (3) 70

71 Terceira Forma Normal (3FN)) Número da ordem Código do cliente Nome do cliente Endereço Cidade UF CEP Data de Despacho Observações Impostos Total Geral (3) Código Item Descrição Embalagem Preço Unitário Número da ordem Código Item Valor Total Quantidade (1) (2) 71

72 Anomalias Inserção não podemos cadastrar um cliente sem que tenhamos um contrato. Remoção se removermos um contrato temos que remover todos os dados do cliente. Alteração redundância nos dados do cliente. 72

73 Terceira Forma Normal (3FN)) 1 verificar dependência entre atributos Número da ordem Código do cliente Nome do cliente Endereço Cidade UF CEP Data de Despacho Observações Impostos Total Geral (1) 73

74 Terceira Forma Normal (3FN)) 2 Separar a dependência transitiva Número da ordem Código do cliente Data de Despacho Observações Impostos Total Geral (1) Código do cliente Nome do cliente Endereço Cidade UF CEP (4) 74

75 TABELAS NORMALIZADAS CADASTRO DE ORDEM Número da ordem Código do cliente Data de Despacho Observações Impostos CADASTRO DE PEDIDO CADASTRO DE CLIENTE Código do cliente Nome do cliente Endereço Cidade UF CEP CADASTRO DE PEÇA Número da ordem Código Item Valor Quantidade Código Item Descrição Embalagem Preço Unitário 75

76 TABELAS NORMALIZADAS CADASTRO DE ORDEM CLIENTE CADASTRO DE PEDIDO PEÇA 76

77 Estudo de caso 1 Considerando as entidades da Vídeo Locadora, analise as entidades, abaixo relacionadas, quanto a normalização. FICHA_EMPRÉSTIMO = núm_ficha + cód_cli + nome_cli + tel_cli + data_emprest + valor_total_emprést FITA_EMPRESTADA = cód_filme + nome_filme + autor-filme + + preço_unit + quant_emprest + valor_pagar 77

78 Estudo de Caso 2 Considere uma relação não normalizada: Mat_funcionário, nome_funcionário, data_admissão, código_cargo, valor_salário, nome_dependente data_nascimento_dep, código_setor nome_setor, código_habilidade, nome_habilidade, data_formação_hab 78

79 Estudo de Caso 3 Relação não normalizada : Mat_funcionário nome_funcionário data_admissão código_cargo valor_salário nome_dependente data_nascimento_dep código_setor nome_setor código_habilidade nome_habilidade data_formação_hab 79

Descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados;

Descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados; Diagrama Entidade-Relacionamento (DER) Descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados; Profa. Maria Auxiliadora

Leia mais

Modelagem dos dados. entendo. Reino Real. Reino. Representação

Modelagem dos dados. entendo. Reino Real. Reino. Representação Modelagem dos dados entendo Reino Real Reino Imaginário (modelagem) Reino Representação represento Nós não somos capazes de representar tudo o que imaginamos. Nós somente representamos o que é interessante.

Leia mais

Modelagem de dados usando o modelo BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS

Modelagem de dados usando o modelo BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS Modelagem de dados usando o modelo Entidade-Relacionamento BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS Introdução Modelagem conceitual fase de planejamento/projeto de um BD; Modelo Entidade/Relacionamento

Leia mais

I Requisitos de um modelo conceitual: - clareza (facilidade de compreensão) - exatidão (formal)

I Requisitos de um modelo conceitual: - clareza (facilidade de compreensão) - exatidão (formal) Modelagem Conceitual C O objetivo É: Representar a semântica da informação, independente de considerações de eficiência. D O objetivo NÃO É: Descrever a estrutura do armazenamento do banco de dados. I

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br. Aula 4. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br. Aula 4. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 4 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Aprofundar seus conhecimentos sobre o Modelo Entidade Relacionamento.

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento. Modelo Entidade-Relacionamento. Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento. Modelo Entidade-Relacionamento. Modelo Entidade-Relacionamento 5 Modelo Entidade-Relacionamento Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com

Leia mais

Curso de Gestão em SI MODELAGEM DE DADOS. Rodrigo da Silva Gomes. (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC)

Curso de Gestão em SI MODELAGEM DE DADOS. Rodrigo da Silva Gomes. (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Curso de Gestão em SI MODELAGEM DE DADOS Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Modelo Conceitual Descrição do banco de dados de forma independente de implementação

Leia mais

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Referência bibliográfica ANGELOTTI, E S. Banco de Dados. Ed. Livro Técnico Introdução É um modelo conceitual e deve estar o mais próximo possível

Leia mais

Roteiro. Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento. BCC321 - Banco de Dados I. Processo de Projeto de Banco de Dados.

Roteiro. Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento. BCC321 - Banco de Dados I. Processo de Projeto de Banco de Dados. Roteiro Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

MODELO DE DADOS. 1. Modelo de Dados. É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento.

MODELO DE DADOS. 1. Modelo de Dados. É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento. MODELO DE DADOS 1. Modelo de Dados É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento. 2. Modelo de Entidade Relacionamento É a principal ferramenta gráfica

Leia mais

Modelagem de Dados. Aula 04 Introdução ao Modelo Entidade- Relacionamento. Maxwell Anderson

Modelagem de Dados. Aula 04 Introdução ao Modelo Entidade- Relacionamento. Maxwell Anderson Modelagem de Dados Aula 04 Introdução ao Modelo Entidade- Relacionamento Maxwell Anderson Modelo Entidade-Relacionamento O MER é um modelo de dados conceitual de altonível, ou seja, seus conceitos foram

Leia mais

O Modelo de Entidade Relacionamento (ER ou MER) Parte 1

O Modelo de Entidade Relacionamento (ER ou MER) Parte 1 O Modelo de Entidade Relacionamento (ER ou MER) Parte 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE FLORIANÓPOLIS CURSO TÉCNICO T DE METEOROLOGIA DASS - Departamento

Leia mais

Profa. Daniela Barreiro Claro

Profa. Daniela Barreiro Claro Profa. Daniela Barreiro Claro Modelar é criar representações do mundo real A modelagem relacional pode ser representada via MER (Modelo de Entidade Relacionamento) O MER define estruturas e restrições

Leia mais

Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1. Profa. Elaine Faria UFU - 2015

Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1. Profa. Elaine Faria UFU - 2015 Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1 Profa. Elaine Faria UFU - 2015 Processo do Projeto de um Banco de Dados A criação de uma aplicação de banco de dados envolve várias tarefas Projeto do

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Introdução Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Ementa do Curso n Banco de Dados n Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) n ORACLE BANCO DE DADOS (BD) n Modelo Entidade

Leia mais

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Computação - IC MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Aula #3 : MER e MER Estendido Profs. Anderson Rocha e André Santanchè Campinas, 1 de Agosto

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PROJETO CONCEITUAL Levantamento de requisitos Modelagem Conceitual Modelo ER PROJETO CONCEITUAL Parte integrante do Projeto

Leia mais

Métodos de Construção de Software: Análise Estruturada

Métodos de Construção de Software: Análise Estruturada Métodos de Construção de Software: Análise Estruturada Graduação em Informática (2009) Profª Itana Gimenes itana@din.uem.br Profª Thelma Elita Colanzi Lopes thelma@din.uem.br 1 Análise Estruturada Paradigma

Leia mais

Ciclo de vida de um banco de dados relacional

Ciclo de vida de um banco de dados relacional Ciclo de vida de um banco de dados relacional 1. Formulação e análise de requisitos: a) Relacionamentos naturais entre os dados (independentes de processo). b) Requisitos de uso (dependentes de processo).

Leia mais

DISCIPLINAS DO CURSO INFORMÁTICA ÊNFASE GESTÃO DE NEGÓCIOS. PROFESSOR: DOUGLAS DUARTE DISCIPLINA: BDA1-3º SEMESTRE. Modelagem de Dados

DISCIPLINAS DO CURSO INFORMÁTICA ÊNFASE GESTÃO DE NEGÓCIOS. PROFESSOR: DOUGLAS DUARTE DISCIPLINA: BDA1-3º SEMESTRE. Modelagem de Dados DISCIPLINAS DO CURSO INFORMÁTICA ÊNFASE GESTÃO DE NEGÓCIOS. PROFESSOR: DOUGLAS DUARTE DISCIPLINA: BDA1-3º SEMESTRE Modelagem de Dados Modelagem de Dados é a atividade de especificação das estruturas de

Leia mais

MER Modelo de entidade e Relacionamento. Prof. Me. Hélio Esperidião

MER Modelo de entidade e Relacionamento. Prof. Me. Hélio Esperidião MER Modelo de entidade e Relacionamento Prof. Me. Hélio Esperidião MODELO DE DADOS Um modelo de (banco de) dados é uma descrição dos tipos de informações que estão armazenadas em um banco de dados. Por

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento Definições Modelo Entidade-Relacionamento # Entidades # Relacionamentos # Atributos # Relacionamentos # Cardinalidade # Chaves Diagrama Entidade-Relacionamento Projeto Conceitual, Lógico e Físico 1 Entidade

Leia mais

Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07

Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07 Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07 7.1 Definição Consiste em mapear o mundo real do sistema em um modelo gráfico que irá representar o modelo e o relacionamento existente entre os dados.

Leia mais

Modelagem de Dados e Conversão de Modelos. Frederico Damasceno Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

Modelagem de Dados e Conversão de Modelos. Frederico Damasceno Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Modelagem de Dados e Conversão de Modelos Frederico Damasceno Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Objetivo Teoria e prática de projeto de Bancos de Dados Relacionais (BDRs) Foco: modelagem conceitual e lógica

Leia mais

O modelo Entidade-Relacionamento. Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento

O modelo Entidade-Relacionamento. Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento O modelo Entidade-Relacionamento Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento 1 Antes de começarmos: A modelagem conceitual é uma fase muito importante no plamejamento de um

Leia mais

Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes

Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes Modelos de banco de dados Modelo de banco de dados é uma descrição dos tipos de informações que estão armazenadas

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER)

GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER) GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER) Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd Projeto de BD Uma Visão Panorâmica Página 2 Projeto Conceitual

Leia mais

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados 01) Defina com suas próprias palavras: a) Banco de Dados b) Sistema Gerenciador de Banco de Dados c) Sistema de Banco de

Leia mais

O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados.

O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados. Fases do Projeto de um Banco de Dados Modelo ER O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados. É um modelo baseado na percepção

Leia mais

Capítulo 5 Complemento. 5.1 Laudon, Cap. 5

Capítulo 5 Complemento. 5.1 Laudon, Cap. 5 Capítulo 5 Complemento Fundamentos de Bancos de Dados: Modelo de Entidade e Relacionamento - MER 5.1 Laudon, Cap. 5 Modelo mais utilizado: simplicidade e eficiência. Banco de dados relacional. Base: percepção

Leia mais

BANCO DE DADOS I AULA 6. Wlllamys Araújo willamysaraujo7@gmail.com

BANCO DE DADOS I AULA 6. Wlllamys Araújo willamysaraujo7@gmail.com BANCO DE DADOS I AULA 6 Wlllamys Araújo willamysaraujo7@gmail.com Normalização Conjunto de regras que ajudam na definição de bancos de dados que não contenham redundância desnecessária e que permitam o

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento Imagine um ambiente hospitalar: MÉDICOS PACIENTES QUARTOS SALAS DE CIRURGIA Cada conjunto destes possuirá diversos elementos associados a ele e isso indicará a criação de entidades no modelo. 1 Suponha

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Engenharia de Software Modelo Entidade Relacionamento Sergio Petersen 22/4/2012 Sumário 1. Modelo Entidade-Relacionamento 3 1.1.Entidade

Leia mais

Banco de Dados. MER Estendido. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. MER Estendido. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados MER Estendido Profa. Flávia Cristina Bernardini * Slides Baseados no material elaborado pelos professores Eduardo R. Hruschka, Cristina D. A. Ciferri e Elaine Parros Machado MER Estendido

Leia mais

Bancos de Dados Exercícios de Modelagem Entidade Relacionamento

Bancos de Dados Exercícios de Modelagem Entidade Relacionamento Bancos de Dados Exercícios de Modelagem Entidade Relacionamento Desenhe o diagrama entidade relacionamento para os bancos de dados nos seguintes problemas: 1. LIVRARIA Uma livraria mantém o cadastro de

Leia mais

MSc. Daniele Carvalho Oliveira

MSc. Daniele Carvalho Oliveira MSc. Daniele Carvalho Oliveira AULA 2 Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE BANCO DE DADOS Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 3 Conceitos

Leia mais

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Modelagem de Dados Coleção de ferramentas conceituais para descrever dados, suas relações e restrições Modelo Conceitual:

Leia mais

Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento.

Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento. MODELAGEM DE DADOS USANDO O MODELO ENTIDADE-RELACIONAMENTO Carga horária Quatro horas EAD 3ª semana. Objetivos UNIDADE 2 Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento.

Leia mais

Banco de Dados. Modelagem de Dados com MER. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Modelagem de Dados com MER. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Modelagem de Dados com MER Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Modelagem de Dados Modelagem de Dados tem como objetivo transformar uma

Leia mais

Processo de desenvolvimento de sistema de informação - DSI

Processo de desenvolvimento de sistema de informação - DSI Diagrama de Entidade-Relação (DER) ou Entidade Associação (DEA) Representa as entidades envolvidas no SI, bem como as relações que existem entre essas entidades. Elementos importantes do diagrama: Entidade

Leia mais

Banco de Dados. Profa. Elaine J.C.Brito

Banco de Dados. Profa. Elaine J.C.Brito Banco de Dados Profa. Elaine J.C.Brito INTRODUÇÃO Estamos vivendo A Era da informação na qual as informações valem muito mais que as máquinas. Podemos notar uma busca cada vez maior de meios para que o

Leia mais

Modelos de Armazenamento de dados. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com

Modelos de Armazenamento de dados. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com Modelos de Armazenamento de dados Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com Legendas! Nesta apresentação serão utilizadas algumas legendas: Indica uma referência, para quem ficou curioso

Leia mais

Banco de Dados 1 2º Semestre

Banco de Dados 1 2º Semestre Banco de Dados 1 2º Semestre Aula 07 Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS o Uma coletânea de conceitos que

Leia mais

MODELO DE DADOS. É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento.

MODELO DE DADOS. É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento. MODELO DE DADOS. Modelo de Dados É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento. 2. Modelo de Entidade Relacionamento É a principal ferramenta gráfica

Leia mais

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Projeto de Banco de Dados Atividade de modelagem de dados em diversos níveis de abstração Modelagem conceitual (projeto conceitual) abstração de mais alto nível objetivo: representação dos requisitos de

Leia mais

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Lista de Exercícios - AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com. Lista de Exercícios AV1

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Lista de Exercícios - AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com. Lista de Exercícios AV1 MODELAGEM DE DADOS Lista de Exercícios - AV02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Lista de Exercícios AV1 Questão 1 Uma determinada empresa precisa controlar a alocação de empregados por

Leia mais

BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR AULA 02. O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER )

BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR AULA 02. O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER ) AULA 02 BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER ) Fases do Projeto de Bases de Dados (EN94)- O Modelo Entidade- Relacionamento Definição : modelo

Leia mais

AULA 11-12. Entidade-Relacionamento

AULA 11-12. Entidade-Relacionamento AULA 11-12 Modelo Conceitual, Lógico e Físico, Entidade-Relacionamento Curso: Técnico em Informática (Integrado) Disciplina: Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br Modelos de banco

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 2 Prof. Msc. Ricardo Antonello ABORDAGEM ER A primeira etapa do projeto de um banco de dados é a construção de um modelo conceitual ou modelagem conceitual.

Leia mais

Propriedades de entidades

Propriedades de entidades Propriedades de entidades Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Abordagem Entidade-Relacionamento Entidade isoladamente não informa nada. É necessário atribuir propriedades

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Disciplina: Unidade II: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade II: Prof.: E-mail: Período: Encontro 03 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade II: Modelagem Conceitual de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 2. Modelagem Conceitual de Dados (Modelo

Leia mais

MODELO ENTIDADE - RELACIONAMENTO

MODELO ENTIDADE - RELACIONAMENTO MODELO ENTIDADE - RELACIONAMENTO Modelo Entidade - Relacionamento = Percepção de que o mundo real é formado por um conjunto de objetos chamados entidades e pelo conjunto dos relacionamentos entre estes

Leia mais

Chaves. Chaves. O modelo relacional implementa dois conhecidos conceitos de chaves, como veremos a seguir:

Chaves. Chaves. O modelo relacional implementa dois conhecidos conceitos de chaves, como veremos a seguir: Chaves 1 Chaves CONCEITO DE CHAVE: determina o conceito de item de busca, ou seja, um dado que será empregado nas consultas à base de dados. É um conceito lógico da aplicação (chave primária e chave estrangeira).

Leia mais

DER NORMALIZAÇÃO DE DADOS

DER NORMALIZAÇÃO DE DADOS DER NORMALIZAÇÃO DE DADOS Profa. Maria Auxiliadora 1 NORMALIZAÇÃO DE DADOS é um conjunto de limitações impostas a uma estrutura de dados para que a mesma fique mais concisa e sem falhas estruturais. Codd

Leia mais

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Usando o Modelo Entidade-Relacionamento MER 1 MER Levantamento e Análise de requisitos Entrevista Entender e documentar seus requisitos de dados Requisitos funcionais da aplicação empregadas ao banco de

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Banco de Dados Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Processo de Projeto de Banco de Dados Minimundo Projeto Lógico (Mapeamento do Modelo de Dados) 1 4 Esquema Lógico (Modelo do SGBD)

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS LISTA 002 Projeto Conceitual

PROJETO DE BANCO DE DADOS LISTA 002 Projeto Conceitual LISTA DE EXERCÍCIOS 002 6. AGÊNCIA DE TURISMO Faça a modelagem de dados de uma agência de turismo, que tenha: controle de clientes, com todas as informações detalhadas; controle de companhias aéreas que

Leia mais

Av. Padre Claret, 146 Conj. 503 Centro Esteio/ RS Fone/ Fax: (51) 3033-6663 www.maxce.com.br

Av. Padre Claret, 146 Conj. 503 Centro Esteio/ RS Fone/ Fax: (51) 3033-6663 www.maxce.com.br PEDIDO ARQUIVO > VENDAS > PEDIDO REALIZAÇÃO E IMPRESSÃO PEDIDOS SOLICITADOS POR CLIENTES. 1. S PRINCIPAIS: a) SAIR: Sai da tela; b) LIMPAR TELA: Limpa a tela para realizar um novo pedido; c) SALVAR: Salva

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em BD Modelagem de Dados Aula 01 Revisão Modelos de Dados Existem modelos para diferentes níveis de abstração de representação de dados modelos conceituais modelos lógicos

Leia mais

Modelagem Conceitual Instituto Militar de Engenharia IME Notas de aula baseadas no livro Conceptual Database Design Batini, Ceri e Navathe Mecanismo de Abstração Processo mental que seleciona algumas propriedades

Leia mais

Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD

Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Valeria Times Bernadette Loscio Robson Nascimento Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 08 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade III: Modelagem Lógico de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM Relembrando... Necessidade de Dados Projeto

Leia mais

Lista de exercícios 01

Lista de exercícios 01 PARTE I Lista de exercícios 01 1. Defina os seguintes termos: entidade, atributo, valor do atributo, atributo composto, atributo multivalorado, atributo derivado, atributo-chave, domínio. 2. Explique as

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento Modelo Entidade-Relacionamento Banco de Dados I Fases do Projeto jt de BD Enunciado de requisitos entrevista com o usuário do banco de dados para entender e documentar seus requerimentos de dados. Projeto

Leia mais

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos. Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos. Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti. Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br 1 Contextualizando... Fonte: [1] O Processo de ER pode ser

Leia mais

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS UML Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS 1 REQUISITOS São os serviços fornecidos para um sistema. São classificados em requisitos

Leia mais

Modelo Relacional. 2. Modelo Relacional (Lógico)

Modelo Relacional. 2. Modelo Relacional (Lógico) Modelo Relacional 2. Modelo Relacional (Lógico) Derivado do modelo conceitual; Depende do SGBD escolhido; Independe dos dispositivos de armazenamento; Primitivas: tabelas, linhas e colunas; Transformação

Leia mais

4- PROJETO DE BANCO DE DADOS

4- PROJETO DE BANCO DE DADOS 4- PROJETO DE BANCO DE DADOS OBJETIVOS DE ENSINO: 4 - Empregar a técnica da modelagem de dados no projeto de banco de dados. OBJETIVOS OPERACIONAIS Ao final desta unidade o aluno será capaz de: 4.1 - Definir

Leia mais

Bases de Dados. Parte II: Os Modelos ER e EER

Bases de Dados. Parte II: Os Modelos ER e EER Bases de Dados MI / LCC / LEG / LERSI / LMAT Parte II Os Modelos ER e EER 1 O Modelo Entidade-Relacionamento (ER) Modelo ER É um modelo de dados conceptual. É um modelo próximo do modelo relacional. Descreve

Leia mais

Manual de Integração WebService Tray

Manual de Integração WebService Tray Manual de Integração WebService Tray Versão 3.9.1 Sumário Introdução... 1 1. Categoria de Produto... 2 2. Relacionamento de Categoria com Produto... 3 3. Marca de Produto... 5 4. Característica de Produto...

Leia mais

Roteiro 3 Modelagem relacional

Roteiro 3 Modelagem relacional Roteiro 3 Modelagem relacional Objetivos: Explorar conceitos sobre: o Modelagem de bancos de dados projetos: conceitual, lógico e físico; o Conceitos sobre o modelo relacional: tuplas, atributo, entidades,

Leia mais

Nome Número: Série. Relacionamentos

Nome Número: Série. Relacionamentos Nome Número: Série Relacionamentos Competências: Organizar dados coletadas de acordo com as ferramentas de gerenciamento e Selecionar ferramentas para manipulação de dados; Habilidades: Utilizar um ambiente

Leia mais

Modelo Entidade - Relacionamento (ER ou MER) Parte 3

Modelo Entidade - Relacionamento (ER ou MER) Parte 3 Modelo Entidade - Relacionamento (ER ou MER) Parte 3 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE FLORIANÓPOLIS CURSO TÉCNICO T DE METEOROLOGIA DASS - Departamento Acadêmico

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada

A Linguagem de Modelagem Unificada A Linguagem de Modelagem Unificada Modelagem de Dados 1 A linguagem de Modelagem Unificada (UML Unified Modeling Language) é uma linguagem gráfica para comunicar especificações de projeto para software.

Leia mais

Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I. Definição de. Estabelecendo relacionamentos. Relacionamentos. Relacionamentos

Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I. Definição de. Estabelecendo relacionamentos. Relacionamentos. Relacionamentos Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I s Prof. Gilberto B. Oliveira Definição de s Fato ou acontecimento que liga duas coisas existentes no mundo real; Para aplicações desenvolvidas e administradas

Leia mais

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Etapas para o projeto de um BD Análise de requisitos Analista: Entrevista Necessidade do negócio As etapas não consideram ainda nenhuma característica específica

Leia mais

Exercícios de Modelagem de Dados - Disciplina: Banco de Dados

Exercícios de Modelagem de Dados - Disciplina: Banco de Dados Exercícios - Modelagem de Dados 1) CADASTRO NACIONAL DE VEÍCULOS: Você apresentará um modelo de dados para o cadastro nacional de veículos. Sabe-se que: O veículo possui sempre uma placa única em todo

Leia mais

Apostila de Banco de Dados

Apostila de Banco de Dados 1 Apostila de Banco de Dados 1.) Banco de Dados Definição: conjuntos de dados inter-relacionados que tem como objetivo atender a uma comunidade de usuários. A Informação é o valor fornecido pelo usuário

Leia mais

Administração de Bancos de Dados

Administração de Bancos de Dados Modelo Entidade-Relacionamento Prof. Rodrigo M. Silva Administração de Bancos de Dados 1 silvars@gmail.com Plano de Aula Modelos de Dados (Revisão) O Modelo Entidade-Relacionamento Entidades Atributos

Leia mais

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Sumário Fases do Projeto de BD Conceitos Básicos do Modelo ER Tipos de entidade, atributos e chaves Tipos de relacionamento Restrições estruturais

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS

MODELAGEM DE SISTEMAS MODELAGEM DE SISTEMAS Diagramas de Casos de Uso Profa. Rosemary Melo Diagrama de Casos de Uso Modelagem de Sistemas Apresenta uma visão externa geral das funções ou serviços que o sistema deverá oferecer

Leia mais

Banco de Dados I. Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R. Fabricio Breve Banco de Dados I Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R Fabricio Breve O Modelo E-R Representação do mundo real por meio de Entidades e dos Relacionamentos entre as entidades Desenvolvido originalmente

Leia mais

Fernando Fonseca Ana Carolina

Fernando Fonseca Ana Carolina Banco de Dados Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados Modelagem Conceitual Projeto do Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Implementação do Banco

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS. Banco de Dados I. O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! Unidade I

MODELAGEM DE DADOS. Banco de Dados I. O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! Unidade I O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! 1 Etapas do Projeto do BD Análise de Requisitos Coleta de informações sobre os dados e seus relacionamentos na organização Projeto

Leia mais

Modelos de Sistemas. Leitura: Cap7: Sommerville; Cap: 7-8 Pressman; Cap3: Ariadne

Modelos de Sistemas. Leitura: Cap7: Sommerville; Cap: 7-8 Pressman; Cap3: Ariadne Modelos de Sistemas Leitura: Cap7: Sommerville; Cap: 7-8 Pressman; Cap3: Ariadne Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 6º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Objetivos Explicar por que é importante

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br. Aula 3. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br. Aula 3. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 3 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Conhecer a arquitetura de 3 esquemas (conceitual, lógico

Leia mais

DESENVOLVENDO O SISTEMA

DESENVOLVENDO O SISTEMA DESENVOLVENDO O SISTEMA Declaração da Necessidade O primeiro passo do processo de análise de sistema envolve a identificação da necessidade [Pressman-95]. Normalmente o analista reúne-se com o usuário

Leia mais

Banco de Dados para Redes. Cassio Diego cassiodiego.com/bdr

Banco de Dados para Redes. Cassio Diego cassiodiego.com/bdr Banco de Dados para Redes Cassio Diego cassiodiego.com/bdr 1 Unidade 1 - Introdução Conceito de Banco de Dados Definição de SGBD Vantagens de utilizar SGBD Usuários do Banco de Dados Principais Bancos

Leia mais

Atributos. Exercício (4.1) Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Abordagem Entidade-Relacionamento

Atributos. Exercício (4.1) Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Abordagem Entidade-Relacionamento Cardinalidades mínimas e máximas Até grau máximo Pelo menos grau mínimo 1,1 1,n Escola atende aluno Até grau máximo Pelo menos grau mínimo Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br

Leia mais

Manual do Sistema HDI Online / Worksite (Circulação: Corretoras parceiras da HDI Seguros )

Manual do Sistema HDI Online / Worksite (Circulação: Corretoras parceiras da HDI Seguros ) Manual do (Circulação: Corretoras parceiras da HDI Seguros ) HDI Seguros Departamento de Produto Automóvel Produto Auto Magda Dioclecio Martins 01 1/47 1. Introdução 1.1. Objetivo Aplicabilidades múltiplas

Leia mais

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo BANCO DE DADOS I AULA 3 Willamys Araújo Modelo Conceitual Descreve quais dados serão armazenados no banco de dados as relações que existem entre eles. Independe do SGBD e da abordagem do banco de dados

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Exemplo de Diagrama de Caso de Uso Sistema de Locadora de Filmes Sistema de Vídeo Locadora Você foi contratado para desenvolver

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Banco de Dados 1 Agenda Modelo Entidade-Relacionamento UML

Leia mais

Com base nos slides vistos em sala de aula resolva os seguintes exercícios:

Com base nos slides vistos em sala de aula resolva os seguintes exercícios: Com base nos slides vistos em sala de aula resolva os seguintes exercícios: 1. Dê ao menos cinco exemplos de cada um dos conceitos básicos da abordagem ER apresentados nesta aula: entidade, relacionamento,

Leia mais

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados Profº Aldo Rocha Banco de Dados AULA 03: MODELO CONCEITUAL E DE ENTIDADES Turma: ASN102 BELÉM, 19 DE AGOSTO DE 2011 Aula Passada Na aula passada nós trabalhamos a introdução a Banco de dados e a AGENDA

Leia mais

Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Módulo II. Banco de Dados

Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Módulo II. Banco de Dados Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Módulo II Maria de Fátima de Freitas Bueno Marcílio fatima.bueno@ifs.ifsuldeminas.edu.br 2012 2 Sumário 1. Introdução...4 1.1 Noções Preliminares...4

Leia mais

Apostila Fastseller. Manual de Treinamento FastSeller Telefone Suporte Helpdesk 03003133537. Ano: 2011 -Versão: 1.1 1

Apostila Fastseller. Manual de Treinamento FastSeller Telefone Suporte Helpdesk 03003133537. Ano: 2011 -Versão: 1.1 1 Manual de Treinamento FastSeller Telefone Suporte Helpdesk 03003133537 Ano: 2011 -Versão: 1.1 1 Indices 1º- Instalando o Sistema... 3 2º- Entrando no Sistema... 4 3º- Dicas de Utilização e Navegação...

Leia mais