lnsiituto e...,..,., ;_... _

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "lnsiituto HJS@Co e...,..,., ;_... _"

Transcrição

1 lnsiituto e...,..,., ;_... _ tº VOLUME _ G,e_ogn~f!ço d_e _ ~i:f ªÇfo_~~a 11 :WV~~ ---~ - --"... ~ 1,u~J;... ~~~ili:i~... t..~""-:..f._:-_ - :;..:..~ -J ~..:;._<..~v.i:.~..!:... --;: l!iii,;,-._,,,,.1;&., :_ - 1 ~" ~ M...:..M..._,~..

2 O AUTOR - Nasceu piracicabano, em Fugindo da chapa "cedo ainda ". dirá que se voltou ao jornalismo bem jovem. com rabiscos nos jornalecos críticos da época e na "Gazeta de Piracicaba". Anos depois, iniciou-se realmente no ' ~Jornal de Piracicaba", onde andou de revisor a redator-chefe. Namorou o teatro, tendo "bri lt1ado" como comparsa de circo e companhias de opereta. Começou o ganha-pão como "faquinha" avulso, arrebanl1ando uns vintens para capinar sargetas. Aprendiz de sapateiro. Fez a Escola de Comércio "Cristóvão Colombo" e fracassou na profissão. Cassado com a escritora Jaçanã Altair Pereira Guerrini. É "professor" de apelido, pois nunca cursou escolas relativas. Enfrentou banca do Ministério da Educação e virou, assim. mestreescola secundário. Em que matéria? Dizem que foi na de Português. Outra mania absorvente: - a música. Tentou o bandolim. o violão, o piano e estagiou na flauta, sem passar do aprendizado, embora roncasse grosso: "Fui aluno do Erotides! " Como soldado raso. pertenceu às muitas orquestras locais. "Tenor", teve a ousadia de participar de festivais e concertos. E de programas de rádio. Serenatista da velha guarda. perpetrou músicas quejandas. (continua noutra orell1a)

3 LEANDRO GUERRINI HISTÓRIA DE PIRACICABA EM QUADRINHOS lºvolume Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba Piracicaba - SP 2009

4 INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE PIRACICABA Rua do Rosário, Telefone - (19) DIRETORIA ( ) Presidente - Pedro Caldari Vice~presidente - Marly Therezinha Germano Perecin 1º. Secretário - Waldemar Romano 2º. Secretário - Toshio lcizuca 1. Tesoureiro - Vítor Pires Vencovsky 2. Tesoureiro - João Umberto Nassif Orador - Gustavo Jacques Dias Alvim Diretor de Acervo Francisco de Assis Ferraz de Me/lo SUPLENTES Elias Salum Noedi Monteiro Renato Leme f"errari CONSELHO FISCAL Antônio Altafin Antônio Carlos Neder Geraldo Claret de Mel/o Ayres SUPLENTES - CONSELHO FISCAL Fidvio Rizoiio Timótheo jardim

5 LEANDRO GUERRINI HISTÓRIA DE PIRACICABA EM QUADRINHOS 1ºVOLUME EQUIUBRIO editora Apoio: PIRACICABA l'rcfoil.ura do Munldp1o Ação Cultural a...;:r.,llltln Mun!clp'd Secretária de Ação Cultural Prefeitura Municipal de Piracicaba

6 Copyright Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba G935h Guerrini, Leandro História de Piracicaba cm Quadrinhos - 1 Volume J Leandro Guerrini. - Piracicaba, SP: Equilíbrio : Instituto Histórico e Geográfico - IHGP, p; 15 cm. Publicado com apoio da Secretaria de Ação Cultural de Piracicaba. ISBN: Piradcaba - História. 2. Piracicaba - História em quadrinhos. 1. Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba. II. Secretaria de Ação Cultural de Piracicaba. III. Título. CDU: PI INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE PIRACICABA PIRACICABA ~ SP 2009 COORDENAÇÃO EDITORIAL Equilíbrio Editora Sociedade Ltda DIREÇÃO Carlos Terra Gustavo Alvim EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Fabrício Komatsu CAPA Genival Cardoso FICHA CATALOGRÁF!CA RosangelaAparecida Lobo (CRBS ) IMPRESSÃO E AcABAMEl\'TO Printfit Soluções

7 REIMPRESSÃO O Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba, em consonância com os seus objetivos estatutários, tomou a decisão de, sem prejuízo da edíção de trabalhos inédítos, reímprimir alguns livros, publicados anteríormente por esta mesma entidade, e que se encontram esgotados. São obras valiosas de autores consagrados e renomados, que pesquisaram a história de Piracicaba com acuidade e competência, e cujos textos resultantes dessa dedicação tornaram-se fundamentais não só para os que querem simplesmente conhecer a história de Piracicaba, mas, também e sobretudo, para historiadores, professores, pesquisadores que encontram fontes para seus estudos e trab,alhos acadêmicos. São sete os livros ora publicados, com o apoio da Prefeitura Municipal de Piracicaba por meio da Secretaria de Ação Cultural, a saber: História de Piracicaba em Quadrinhos, 1 e 2 volumes, de Leandro Guerrini (1970); A Vila e seus Vilões, de Alcídes Aldrovandi (1991); Manual de História Piracicaba, de Guilherne Vitti (1966); A Síntese Urbana, de Marly Therezinha Germano Perencin (1989); Piracicaba no Século XIX, de Maria Celestína Teixeira Mendes Torres (2003); História da Fundação de Piracicaba, de Mario Neme (1974). Não se trata de uma segunda edição, mas, sim, de uma reimpressão, com uma revisão mínitna, para pequenas e necessárias correções, sem qualquer alteração no seu conteúdo. Há outros autores e respectivas obras, que, certamente, merecerão também essa atenção e reconhecimento. A Comissão de Publicações do IGHP está trabalhando no sentido de selecioná-las, para propor a republicação futuramente.

8 À memória da inesquecível espôsa Jaçanã Altair Pereira Guerrini e da sempre lembrada filha Lilia Guerrini Sêga aos netinhos Ângela e Fábio ao filho Délio Pereira Guerrini à Iria e Maecira Álvaro e João

9 Algumas palavras Com «História de Piracicaba em Quadrinhos», de Leandro Guerrini, inicia o Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba suas atividades editoriais. Para tanto, contou com o decidido apoio do sr. dr. Cássio Paschoal Padovani, prefeito municipal, que lhe deu os recursos necessários, numa afirmação do alto descortínio com que administra a "res publica". Pretende o Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba editar uma COLEÇÃO PIRACICABANA, oferecendo, na medida de suas possibilidades, às velhas e às novas geraçóes, todo o pasado da «Noiva da Colina». Assim, as obras esgotadas serão reeditadas e os depoimentos esparsos, de estudiosos nacionais e estrangeiros, serão reunidos en1 volume, tarefa que reconhece ser das mais difíceis, mas viável, se não lhe faltarem apoio e compreensão. Neste programa se insere, também, o patrocínio de concursos de monografias, como incentivo à pesquisa e interpretação histórica da comuna. O Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba deseja agradecer a Leandro Guerrini a cessão dos direitos autorais de «História de Piracicaba em Quadrinhos», magnífico estudo cronológico do Município, que revela pesquisa criteriosa e amor à terra; a Euclessio Boscariol, responsável pelo trabalho gráfico desta edição, a cargo da Imprensa Oficial, e a seus dedicados colaboradores; e à Refinadora Paulista S. A., a oferta do papel, de sua fabricação, na Usina Monte Alegre, cooperação das melhores ao movimento editorial que se inicia, com vistas ao engrandecimento de Piracicaba.. Piracicaba, 1. 0 de agôsto de Acary de Oliveira Mendes Presidente

10 Mais algumas palavras O lançamento deste livro estava programado para agôsto de Incumbiu-se dele nosso confrade Acary de Oliveira Mendes, então presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba, assumindo o encargo de tôdas as providências para transformar em realidade um sonho há muito tempo acalentado por este sodalício. Motivo vários retardaram a impressão da obra e, conseqüentemente, seu aparecimento na época prevista. Entretanto, a dedicação, o entusiasmo e a eficiência de Acary de Oliveira Mendes foram de tal forma evidentes que a atual diretoria do Instituo houve por bem cometer-lhe a conclusão da tarefa por êle iniciada. Assim, graças ao seu trabalho, podemos agora, orgulhosamente, oferecer ao público a HISTÓRIA DE PIRACICABA Em Quadrinhos, notável estudo cronológico de nosso município, de autoria de Leandro Guerrini. Fazendo nossas «Algumas Palavras» que o ilustre confrade Acary escreveu para este livro em 1970, reiterando, inclusive, os agradecimentos por ele apresentados a todos que cooperaram para o êxito do empreendimento. Piracicaba, 1. 0 de Agôsto de Júlio Soares Diehl Presidente do l.h. G.P.

11 Tabuleta Acho indispensável esta espécie de letreiro inicial, à moda de prefácio, contando a razão dêste livro, se é que possa existir razão para «mais uma obra» que vá abarrotar as prateleiras do piracicabano curioso ou complacente com tudo que envolva sua terra. Assim começou o enrêdo: quando eu era funcionário da Biblioteca Pública Municipal, conduzindo consulentes através da História de Piracicaba, servia-me dos textos de Mário Neme e Joaquim Silveira Mello, os únicos existentes na época, ou de artigos esparsos pela imprensa local, mormente os assinados pelo saudoso colega Nelson Camponês do Brasil. Co1necei, dessa forma, a colecionar informações e notas, encontradas aqui e ali, especiahnente aquelas que não constassem nos trabalhos dos autores mencionados. Por hábito de ofício, tais notas ou informações eram registradas em fichas, que ofereciam fácil manuseio, dentro de absoluta ordem cronológica e alfabética, fichas de dizeres resumidos, realmente no jeito de efemérides. A pouco e pouco, o fichário cresceu de maneira alentada e aquêle «hábito de ofício» se transformou nun1a paixão muito séria. As horas vagas era1n tomadas com leitura de docu1nentos preciosos, livros raros, jornais antigos, numa azáfama absorvente. Ler, escarafunchar, espiolhar se1n perdão, acionar a velha «Corona», tudo era <(hobby» capitoso, que durante longos anos, chegou a superar a atração pelo futebol. Nas férias, eram as viagens perfurantes, etn busca intérmina, pellos departamentos e bibliotecas, pellos institutos e arquivos, pelas prefeituras e cartórios, pellos guardados particulares. Dezenas de viagens a São Paulo e ao Rio de Janeiro, às cidades de Pôrto Feliz e ltú. Sem vexame, tomei-me paleógrafo razoável, movimentando a lupa ou a garrafa branca com água cristalina, a fim de «traduzir» documentos venerandos que me vinhan1 às mãos, nos quais as traças e a folhinha deixaram marca i1nperecíveis. Cartas deitei às dúzias, com enderêço para escritores, jornalistas, acadêmicos e curiosos, que se dedicassem a estudos históricos, nos quais estudos Piracicaba merecesse referência. Nessa marcha, bati às secretarias de diversas bibliotecas de Lisboa, sem resultado satisfatório.

12 Não me furto em dizer da minha alegria tôdas as vêzes que meu irmão carteiro me entregasse um envelope sigiloso, dentro do qual se me deparasse um «quadrinho» inédito. Faz quatro ou cinco anos, publiquei, no «Jornal de Piracicaba>>, diàriamente, durante um exercício todinho, as efemérides da data, sob o título de «Histórias de Pirácicaba em Quadrinhos», que me pareceu significativo. E com algum êxito, pois diversas foram as manifestações de agrado que recebi, a par de outras de justa irreverência, porquanto a sabedoria de La Fontaine está sempre presente naquilo que fazemos ou deixamos de fazer. ~<História de Piracicaba em Quadrinhos», título que ficou em definitivo, é isso - efemérides de poucas linhas, mas de conteúdo real, numa enfiada sincera e cronológica, de sorte que a reconstrução histórica de nossa terra vai se desenrolando diante do leitor, sem profundidade temática que force esta ou aquela trincheira, nem sentido erudito que chame a atenção dos doutos. Quando foi da fundação do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba, de que desajeitadamente faço parte, falei algures que, pela minha morte, iria deixar os originais dos «quadrinhos» a possível herdeiro que se interessasse pelo «legado», uma vez que minhas posses bancárias primam pela negação e, nessas circunstâncias, ainda não dão vaza a que meus escritos ganhem contornos de volume. O ilustre presidente de então, dr. Edmar José Kiehl, tomou logo o efeito pela causa: «E por que não o Instituto, antes mesmo das coroas e subida pela rua Moraes Barros?» Nestas andanças, nasceu o projeto da edição do trabalho, depois das conversações e estudos regulamentares. Todavia, o dr. Edmar José Kiehl estava no fim de sua excelente gestão e seu sucessor, o professor Acary de Oliveira Mendes não deixou cair a peteca, isto é, o projeto, nêle ponto o melhor de sua dedicação bem orientada. Um rol de empenhos, de malogros, de lutas. As arestas, porém, foram desbastadas e os originais puderam subir os degraus do prelo, para o livro galgar as culminâncias da publicidade. Considero o fato, diante da minha impossibilidade monetária, como uma notável realização do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba - um capítulo todo especial na administração dos presidentes acima. O primeiro deitou a semente; o segundo foi o lavrador arguto e generoso que fêz viçar a planta, para a festa dos frutos sazonados.

13 Agradeço penhoradamente a ambos, como agradeço de coração aos confrades do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba que, na memorável reunião do mês de janeiro de 1970, aprovaram o projeto da edição dos «quadrinhos». Pronto está, por conseguinte, com roupagens de vitrina, o livro «História de Piracicaba etn Quadrinhos». Pronto está para visitar amigos, estudantes e críticos, à chuva, ao sol, entre flôres ou espinhos, numa missão estritamente local. A êle, que nasceu piracicabano e para Piracicaba vai comandar os passos, esta saudação paterna: - Oi, meu chapa, felicidade! Nestes parágrafos finais, deixo assente que, para efeito de lei e na possibilidade de imprevistos futuros, transferi ao Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba os direitos autorais que me pertenciam, visando a apenas em legar à terra do berço uma contribuição insignificante ao estudo histórico de sua fundação, na enquadratura de um penhor emocional. É costume nas obras que-tais a citação dos veios, onde se buscaram subsídios. Deixo isso de lado, porque não quero arrastar quem quer que seja nesta aventura. Entretanto, leitor a1nigo, pense um bocado nos jornais da terra, já dobrando o tempo, nos jornais e revistas do Estado, ou de outras unidades federais, nos autores que me precederam na faina, nos livros lidos, nos volumes de atas e correspondência, documentos respeitáveis, na relação de sesmarias, pense nas bibliotecas do país, nos departamentos de São Paulo, nos Institutos Históricos e Geográficos do Rio, da Capital, de Santos, nos arquivos particulares, nas Cã1naras e Prefeituras, nas Cúrias Diocesanas, nos muitos cartórios percorridos, nas leis e decretos de antanho, folhetos e conferências, consultas a venerandas figuras da «Sempre-Noiva» - pense na mágua por aquilo que deixei de realizar - e, assün, terá no pensan1ento a possível bibliografia de praxe. A revisão também é minha, exclusivamente 1ninha. Tive, é verdade, bons amigos que me deram mão. Não lhes cito o nome, porque não quero que participe1n da pancadaria que me está reservada, porque sempre fui razoàvelmente péssüno como revisor. Piracicaba, fins de julho de Leandro Guerrini

14 Leandro Guerrini 15 SÉCULO XVII DE ABRIL - Criada a Vila de!tu, sendo então a sétima vila instalada na Capitania de São Paulo. A povoação já existia desde 1610 e o seu papel na história de Piracicaba é de importância capital DE NOVEMBRO -Doação da primeira sesmaria, na região de Piracicaba, a Pedro de Morais Cavalcanti, pelo capitão-mor Manuel Peixoto da Motta. O peticionário alegava que a iria povoar com tôda a sua família, de uma a outra banda do rio Piracicaba, ficando o Salto no meio. -Não foi possível encontrar-se o documento relativo a esta doação. No Departamento de Arquivo do Estado, obtivemos a informação de que o «Livro n. 11 das Sesmarias», que continha o assentamento correspondente, foi completamente destruido pelo tempo. No Arquivo Histórico Ultramarino, de Lisboa, onde nos levou vaga esperança, também nada conseguimos. - Todavia - como também afirma Mário Neme na sua «História da Fundação de Piracicaba» - não pomos dúvida no verbete de Azevedo Marques nos seus «Apontamentos Históricos e Geográficos», com relação ao assunto, porquanto, no seu tempo, o historiador teria consultado aquêle livro, antes da obra impiedosa dos anos DE NOVEMBRO - Ordem real portuguêsa, segundo a qual as sesmarias concedidas no Brasil deveriam, quando observadas suas disposições fundamentais, ser confirmadas dentro de dois anos pelo Conselho Ultramarino. A esta ordem ficou sujeito Felipe Cardoso, em virtude da sesmaria que lhe foi concedida em 1726 em Piracicaba. SÉCULO XVIII DE MARÇO - Ordem real portuguêsa, contendo disposições fundamentais, segundo a qual foi concedida sesmaria em sítios de Piracicaba a Manuel Lopes Castelo Branco. Impunha a condição de implantar benfeitorias e, assim, seria confirmada dois anos depois pelo Conselho Ultramarino.

15 16 História de Piracicaba em Quadrinhos DE NOVEMBRO - Carta régia, emanada da Côrte de Portugal, criando a Capitania de São Paulo, com sede em Ouro Prêto. A rigor, êste «Quadrinho» não entra na hístória de Piracicaba, mas a referência é interessante ou um ponto de partida digno de menção DE JULHO - A vila de São Paulo é elevada à categoria de cidade, com sede em Ouro Prêto, Minas Gerais. Também este «Quadrinho» não pertence própriamente aos fatos históricos de nossa terra, mas a referência aqui fica, na enquadratura de estudo DE ABRIL - Descoberta das celebrizadas minas de ouro de Cuiabá pellos desbravadores paulistas Pascoal Moreira Cabral, irmãos Leme e outros, descoberta essa que não deixou de influir, mes1no indiretamente, na história da fundação de Piracicaba DE DEZEMBRO - Alvará régio, segundo o qual as Minas Gerais passaram a ter govêrno próprio, separado do de São Paulo. Abrese, assim, a fa1nosfssima questão dos limites São Pau1o-Mínas Gerais, resolvida mais de dois séculos depois, (1936), no govêrno Armando Sales de Oliveira, sendo árbitro por São Paulo o jurista piracicabano, dr. Francisco Morato. -Muitos dos «Quadrinhos» que se vão encontrar não estão ligados diretamente à história de nossa terra, inas indiretan1ente, ou expressando circunstâncias interessantes, que convém sejam lembradas, co1no no caso acima registrado DE SETEMBRO - Toma posse do govêrno da Capitania de São Paulo o Capitão-general Rodrigo Cezar de Menezes, em cuja atuação oficial se destaca a abertura do celebrizado caminho às minas de Cuiabá, a que se propôs o intrépido sertanista Luís Pedroso de Barros. Tal caminho teve papel preponderante na história da fundação de Piracicaba, embora sem confirmação. - «para ficar meio fácil a todos o hire1n e viren1 com cavallos e cargas com mais commodidade do q'até gora experimentão pellos ríos por onde se navega, assin1 a respeito da dilatação co1no do risco». êsse caminho, que foi terminado em 1726, partia de ltú, atravessava o

16 Leandro Guerrini 17 rio Piracicaba, abaixo do Salto, e seguia em demanda do Rio Grande, através dos sertões da margem direita do rio Tietê. 28 DE OUTUBRO - D. Rodrigo César de Menezes, capitãogeneral da Capitania de São Paulo, indefere uma petição do capitão Bartolomeu Pais de Abreu, que queria se obrigar a fazer o caminho às novas minas do Cuiabá. - Esta e outras notícias sôbre o caminho às minas de Cuiabá se relacionam remota e indiretamente à história da fundação de Piracicaba. Eis porque, sem serem propriamente peças históricas imediatas, têm seu valor intrínseco, para estudo ou confronto. 23 DE NOVEMBRO - O capitão-general D. Rodrigo César de Menezes, governador da Capitania de São Paulo, manda lançar um bando, (edital), a fim de ser aberto «O caminho pelo sertão para as novas minas de Cuiabá». No estudo da fundação de Piracicaba, êsse caminho não pode ser desprezado. 24 DE DEZEMBRO - Prazo concedido pelo capitão-general D. Rodrigo César de Menezes, no bando de 23 de novembro do ano acima, convocando as pessoas interessadas, a fim de ser aberto «O caminho pelo sertão para as novas minas de Cuiabá». Os bandos eram apregoados pelos arautos, geralmente a cavalo, nas praças públicas ou ruas centrais, ou afixados à porta das igrejas DE JANEIRO - O capitão-general da Capitania de São Paulo, D. Rodrigo César de Menezes, pela segunda vez indefere uma petição do capitão Bartolomeu Pais de Abreu, que desejava abrir caminho para as minas de Cuiabá. Foi preferido outro peticionário, Manoel Godinho de Lara, por oferecer maior vantagem à Capitania. 19 DE JANEIRO - Provisão passada por D. Rodrigo César de Menezes, capitão-general da Capitania de São Paulo, autorizando a Manoel Gonçalves de Aguiar, Manoel Godinho de Lara e Sebastião Francisco do Rêgo para abrirem caminho às novas minas de Cuiabá. 20 DE JANEIRO - Tem esta data o registro da provisão com que D. Rodrigo César de Menezes, capitão-general de São Paulo, concedeu ao sargento-mor Manoel Gonçalves de Aguiar e outros permissão para abrirem um caminho por terra que fôsse de São Paulo às minas de Cuiabá. Ao que se afirma, êsse caminho passava por Piracicaba. 6 DE FEVEREIRO - Em carta, D. Rodrigo César de Menezes, capitão-general da Capitania de São Paulo, presta ao rei de Portugal informações a respeito de Manoel Godinho de Lara e seus sócios, aos quais competia abrir caminho às minas de Cuiabá.

17 18 História de Piracicaba em Quadrinhos 7 DE FEVEREIRO - Tem esta data a entrega da provisão, (título de nomeação ou contrato), passada a Sebastião Fernandes do Rêgo e outros por D. Rodrigo César de Menezes, capitão-general de São Paulo, a fim de que pudessem abrir um caminho por terra, que fôsse de São Paulo às minas de Cuiabá, ca1ninho êsse que, mais tarde, foi aberto por outros. 27 DE MARÇO - Contribuição à história do caminho às minas de Cuiabá: bando assinado por D. Rodrigo César de Menezes, proibindo novas tentativas de novos caminhos para as minas. Com êsse bando, intentava intimidar o capitão Bartolomeu Pais de Abreu, que não escondia seu propósito de se atirar ao trabalho. 12 DE ABRIL - Numa espécie de recenseamento, para contagem dos aldeamentos dos índios, já civilizados, de que se encarregavam padres e frades, é localizado por frei Sebastião dos Anjos o individuo Tanasio, em Pirasicaba. Seria Piracicaba, por êrro de cópia, de grafia ou transmissão oral? Se fôr Piracicaba, teremos assim um dos mais antigos docu1nentos focalizando nossa terra. 2 DE MA10 - Carta escrita ao vice-rei de Portugal por D. Rodrigo César de Menezes, governador geral da Capitania de São Paulo, com respeito ao caminho às minas de Cuiabá, fechando-o pela paragem «Vacaria», «por não convir a haja algua diversão, ou descaminho do Ouro» DE AGÔSTO - O sertanista e explorador Luiz Pedroso de Barros, nu1na de suas fa1nosas viagens com que avassalava o sertão da capitania, talvez sondando o caminho às fa1nosas minas de Cuiabá, segundo uma carta sua a D. Rodrigo César de Menezes, partia da Vila de!tu. «seguindo o caminho do Rio Capivary, e dahy ao Rio Pirassicava, e deste ao morro de Araraquara». - Êste fato é u1n dos teste1nunhos com referência ao roteiro às minas de Cuiabá, passando por Piracicaba, a fim de atingir o rio Tietê. Mais tarde, ficaram famosas as monções que partiam de Pôrto Feliz, em demanda a Cuiabá D E MAi O - De uma carta do sertanista Luiz Pedroso de Barros ao capitão-general de São Paulo, D. Rodrigo César de Menezes, sôbre assunto de viagem pelos sertões de Araraquara: «A dous de Agosto party da Villa de!tu seguindo a caminho do Rio Capivary e dahy ao Rio Pirassicaba, e deste ao morro de Araraquara donde Plincipião os campos do dito Araraquara».

18 Leandro Gnerrini 19 - Não resta dúvida que essa viagem de Luiz Pedroso de Barros se referia a explorações relativas ao caminho para as minas de Cuiabá, como se vê por êste final: «Quando V. Ex.a seja servido q. se abra o caminho por onde eu fiz a picada estou a obediencia de V. Ex. a concederme os oito companheiro q. a V. Ex. a nomeey>>, 4 DE MAIO - D. Rodrigo César de Menezes, governador-geral da Capitania de São Paulo, escrevia carta a Luiz Pedroso de Barros, que intentava abrir picada às celebrizadas minas de Cuiabá, a fim de obter perdão de crimes anteriores. Ao que tudo indica, tal caminho passava por Piracicaba, obedecendo traçado antigo. " vejo q. na derrota q. segue encontrou dificuldades, q. lhe embaracarão o q. intentou, não sendo de menos supozição não haver capacidade, p. a se introduzirem gados até o Rio grande por lhe servir de estorvo os serrados q. V. M. diz ha por aquellas partes». 26 DE AGÔSTO - D. Rodrigo César de Menezes, capitão-general da Capitania de São Paulo, comunica ao rei de Portugal que o caminho às minas de Cuiabá já não estava sendo feito por Manuel Godinho de Lara e seus sócios, mas, sim, por Luiz Pedroso de Barros com inteiro êxito. Presume-se que tal caminho passasse pelos sítios de Piracicaba, seguindo o rio até o Tietê. - Também se conclue, pela leitura dos documentos, que Manoel Godinho de Lara e seus sócios, por teimosia, continuavam a abrir a picada a que se tinham proposto. Eram, pois, na época, duas picadas que se abriam, Luiz Pedroso de Barros pelo Tietê e Godinho de Lara pela paragem «Vacaria». - Segundo Joaquim Silveira Melo, no excelente esbôço «A fundação de Piracicaba», «êsse caminho, (o de Luiz Pedroso de Barros), atravessava o rio Piracicaba logo abaixo das corredeiras do Salto do mesmo nome em um baixio arenoso que dava perfeitamente vau durante o tempo invernoso>>. - Mário Neme, com sua autoridade de pesquisador, também afirma: «E o que é mais certo ainda, e indiscutível, é que foi Luiz Pedroso de Barros quem pelos anos de 1723 a 1725 abriu o caminho de São Paulo até o rio Paraná, à sua custa. Essa estrada atravessava o rio Piracicaba» DE MARÇO - Carta de D. Rodrigo César de Menezes, governador-geral da Capitania de São Paulo, concedendo honrarias a Luiz Pedroso de Barros - "ª merce do habito das tres hordens com teaca de cinqüenta mil reis cada anno pagos das Minas do Cuyabá» - por haver

19 20 História de Piracicaba em Quadrinhos concluído o caminho às ditas minas. Há indícios certos de que êsse caminho passava por Piracicaba. 10 DE JULHO Carta de D. Rodrigo César de Menezes, capitão-general da Capitania de São Paulo a seu preposto Sebastião Ferraz do Rêgo, localizado em Cuiabá, proibindo terminantemente passagem pelo caminho aberto por Luiz Pedroso de Barros às minas de Cuiabá. - Por aí se vê que a picada aberta por Luiz Pedroso de Barros, apesar de concluída, não foi muito usada, «OU por mal feita ou em virtude do gentio que infestava as suas margens:». Parece, também, pelo descaminho de ouro que ela oferecia DE JANEIRO - Carta de D. Rodrigo César de Menezes ao vice-rei do Estado, (Brasil-Colônia), propenso agora a aproveitar o caminho às minas de Cuiabá, feito por Luiz Pedroso de Barros, bem como dando conta de outros assuntos. - «Pella abertura do novo caminho q. fez o Sarg. to-mor Luiz Pedroso pertendo fazer com q. se introduza gado, e cavalgaduras por elle nas ditas minas...» 8 DE MA10 - D. Rodrigo César de Menezes, capitão-general da Capitania de São Paulo, comunica ao rei de Portugal a terminação do caminho para as minas de Cuiabá pelo sargento-mor Luiz Pedroso de Barros, merecedor, por isso, do Hábito de Cristo, honraria insigne para a época. - Como se vê, o caminho para as minas de Cuiabá foi iniciado por Manoel Godinho de Lara e seus sócios, mas concluído por Luiz Pedroso de Barros. Ao que tudo indica, foi o traçado dêste sertanista que incluiu a paragem de Piracicaba na derrota, aliás ainda não confirmada plenamente. 26 DE JUNHO - Carta de data de terra de Sesmaria, passada a favor de Felipe Cardoso, residente em!tu, sendo que tal sesmaria se localizava e1n sítios de Piracicaba. ~<. e por que estava vaga n1uita parte da terra no Porto de Piracicaba e êle suplicante queria situar-se no pôrto do dito rio...» - «... hei por bem conceder em nome de Sua Magestade que Dens guarde por carta de data de terra de sesmaria ao dito Felipe Cardoso da vila de!tu no porto de Piracicaba uma legua de terra de largo de testada mais para baixo, e 1nais para cima ficando o porto em meio e u1na legua de comprido para o sertão, com os rumos e confrontações que o suplicante declara». - Sesn1arias eram concessões de terra a todos quantos se propusesse1n povoar e cultivar os sftios requeridos. Dois anos depois, confir-

20 Leandro Guerrini 21 madas tais promessas, vinha de Portugal a ordem régia, dando título de posse ao requerente. - O paciente pesquisador Jair Toledo Veiga, em recente trabalho de reconstrução histórica, diz o seguinte, com referência a essa sesmaria: «Fazendo-se a verificação no mapa do município de Piracicaba, organizado em 1959 pelo engenheiro civil Fausto Fonseca Filho, (área do município 1.415,6 km2.), com escala de , fácil verificar-se os limites dessa sesmaria que, como se vê da respectiva carta, continha uma légua em quadra, (uma légua de sesmaria equivale a mts), teria então a sesmaria abrangido terras do porto do Salto, (meia légua para baixo), até o atual povoado do Bairro dos Marins, e do lado oposto, (outra meia légua), a partir do porto do Salto, iria atingir o povoado do Bairro do Sertãozinho, pouco além. Calculada a outra légua, de comprido para o Sertão iria atingir as proximidades da Fazenda Pompermayer, imediações da Água das Pedras, e do outro lado iria atingir a Fazenda Taquaral da Usina Monte Alegre, nas proximidades da povoação do Bairro do Rolador» DE JANEIRO - O Conselho Ultramarino, junto ao governoreal português, é de parecer seja confirmada a doação de sesmaria a Felipe Cardoso, em terras de Piracicaba. A confirmação tem a data de 6 de fevereiro do mesmo ano. 6 DE FEVEREIRO - Felipe Cardoso obtem do Reino de Portugal a confirmação de posse da sesmaria que lhe fôra concedida em Piracicaba, em virtude dos melhoramentos nela verificados. Na ordem dos fatos positivados, Felipe Cardoso se torna, assim, o primeiro povoador de nossa terra. -As capitanias do Brasil eram dirigidas por um governador-geral ou capitão-general, nomeado pela Côrte de Portugal. O capitão-general centralizava a administração na capitania, da qual era chefe supremo em todos os setôres. Entre suas atribuições, constava a de dar terras de sesmarias sob determinadas condições, especialmente aquelas de povoamento e cultivo das terras. 13 DE MARÇO - Foi assentada a carta de confirmação de terras, (sesmaria), concedida a Felipe Cardoso, em sítios de Piracicaba nos livros de mercê da Côrte Portuguêsa, pelo que se pagaram $400, (quatrocentos réis), e aos oficiais, 1$110 (um mil, cento e dez réis). 15 DE MARÇO - Foi registrada na Chancelaria-mor da Côrte e Reino de Portugal, no livro de ofícios e mercês, a fôlhas 158, a carta de confirmação de terras, (sesmaria), concedida a Felipe Cardoso em Piracicaba.

Transcrição do processo nº 20, caixa 744-2º Cível, ano 1888

Transcrição do processo nº 20, caixa 744-2º Cível, ano 1888 Núcleo de Pesquisa Pró-Memória - Câmara Municipal de São José dos Campos Transcrição do processo nº 20, caixa 744-2º Cível, ano 1888 Ação: Tutoria Autor: Vitoriano José Machado Réu: O órfão José, filho

Leia mais

Genealogia das Famílias Açorianas - De onde viemos e quem somos.

Genealogia das Famílias Açorianas - De onde viemos e quem somos. Genealogia das Famílias Açorianas - De onde viemos e quem somos. Marcos Henrique Oliveira Pinheiro Descendente de Açorianos Formação Educação Física Pesquisador de Genealogia Participante da 2 Semana de

Leia mais

DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL

DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL O processo de emancipação e a primeira eleição municipal de São João da Ponta ocorreram com muitas dificuldades. Para entendermos um pouco mais como

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS?

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS? EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA Rosemary Maria do Amaral 1 RESUMO: Antes mesmo de sua descoberta nas minas, alguns caminhos começaram

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 Documento 123 Requerimento do Bacharel Antonio José Pereira Barroso, provido no lugar de Ouvidor-geral das Alagoas, ao rei Dom João V, a pedir certidões das ordens

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Goiânia, 24 de outubro de 1962. Na

Leia mais

Síntese Informativo Mensal do Movimento Pólen

Síntese Informativo Mensal do Movimento Pólen Síntese Informativo Mensal do Movimento Pólen Como o Pai me enviou, também Eu vos envio (Jo 20,21) Outubro de 2011 / Ano MMXI 1 EDITORIAL Queridos Amigos, Com grande alegria que terminamos mais um mês

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso na cerimónia comemorativa

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache CAPÍTULO I Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache Aos dezessete dias do mês de junho de 1527 partiu do porto de San Lúcar de Barrameda 1 o governador Pánfilo de Narváez, 2 com poder e mandato de Vossa

Leia mais

2 COMO E QUANDO SURGIU GUARATIBA?

2 COMO E QUANDO SURGIU GUARATIBA? 2 COMO E QUANDO SURGIU GUARATIBA? Em 1555 os franceses entraram na Baía de Guanabara e se ocuparam de algumas ilhas no intuito de ali fundar o que eles chamavam de França Antarctica. Em 1560, pela primeira

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 170(Versão Adaptada) 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 170(Versão Adaptada) 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 170(Versão Adaptada) 1 Documento 170 Consulta do Conselho Ultramarino ao rei [D. José] sobre o requerimento do vigário da igreja de Alagoas, Bispado de Pernambuco, padre

Leia mais

Mês de Agosto/2006 Ano IV Número 37

Mês de Agosto/2006 Ano IV Número 37 2 Mês de Agosto/2006 Ano IV Número 37 2 2 Deus fez a Palavra se cumprir para este dia. Malaquias 4:5 6 é o que Deus disse, que enviaria o profeta Elias para restaurar a fé original de nossos pais os apóstolos.

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Histórias da capitania de São Paulo SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Denise A Soares de Moura * São Paulo de 1532 a 1822. 290 anos

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo A chegada dos Portugueses Portugal e depois Espanha se tornaram pioneiros nas chamadas Grandes Navegações Portugal buscou contornar a África para tentar chegar ao Oriente

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo Tratado de Tordesilhas de 1494 Terras pertencentes à Espanha Terras pertencentes a Portugal A ficção do Descobrimento Principais povos Indígenas no Brasil No Brasil,

Leia mais

Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares

Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares Geografia História Tradição Util Pública Centro urbano Além da oferta municipal, com clima agradável, incontáveis rios, cachoeiras e vilas

Leia mais

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia.

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Jesus e sua vida Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Seu nascimento foi no meio de muitas

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

- Fernão, mentes? - Minto!

- Fernão, mentes? - Minto! Na etapa 3, leste um excerto do primeiro capítulo da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, numa adaptação de Aquilino Ribeiro. Nesta etapa, vais ler um excerto do último capítulo do original, Peregrinação,

Leia mais

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final Pontifícia Universidade Católica Departamento de Artes & Design Curso de Especialização O Lugar do Design na Leitura Nome: Giselle Rodrigues Leal Matrícula: 072.997.007 Data: 19/05/08 Módulo Estratégia

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DO EXCELENTÍSSIMO DEPUTADO FEDERAL FERNANDO DE FABINHO SOBRE ESTRADA GERAL DO SERTÃO SRAS. DEPUTADAS, SRS. DEPUTADOS, SR.

PRONUNCIAMENTO DO EXCELENTÍSSIMO DEPUTADO FEDERAL FERNANDO DE FABINHO SOBRE ESTRADA GERAL DO SERTÃO SRAS. DEPUTADAS, SRS. DEPUTADOS, SR. PRONUNCIAMENTO DO EXCELENTÍSSIMO DEPUTADO FEDERAL FERNANDO DE FABINHO SOBRE ESTRADA GERAL DO SERTÃO SRAS. DEPUTADAS, SRS. DEPUTADOS, SR. PRESIDENTE Participamos hoje, na Câmara dos Deputados do lançamento

Leia mais

PROJETO BAÍA DE TODOS OS SANTOS EFEMÉRIDES

PROJETO BAÍA DE TODOS OS SANTOS EFEMÉRIDES PROJETO BAÍA DE TODOS OS SANTOS O Projeto Baía de Todos os Santos tem como principal proposta registrar entre as datas da primeira passagem (2 de maio de 1500) e da sua descoberta (1º de novembro de 1501)

Leia mais

Vila Verde recebe brasileiros de Bom Despacho

Vila Verde recebe brasileiros de Bom Despacho Vila Verde recebe brasileiros de Bom Despacho *JACINTO GUERRA, de Brasília para o Portal de Aboim da Nóbrega Em 1967, quando o Dr.Laércio Rodrigues lançou seu livro História de Bom Despacho origens e formação,

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Através do Decreto -Lei n.º 212/2006, de 27 de Outubro (Lei Orgânica do Ministério da Saúde), e do Decreto -Lei n.º 221/2007, de 29 de Maio,

Leia mais

00.035.096/0001-23 242 - - - SP

00.035.096/0001-23 242 - - - SP PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 7. O CRISTÃO DEVE TER UMA FÉ OPERANTE (Hebreus 11.1-3) Um leitor menos avisado, ao ler o texto pode chegar à conclusão de que a fé cria coisas pelas quais esperamos. A fé não

Leia mais

[fl. 1] Senhor, Despacho à esquerda: Como parece. Lisboa, 16 de novembro de 1689 [?] [rubrica]

[fl. 1] Senhor, Despacho à esquerda: Como parece. Lisboa, 16 de novembro de 1689 [?] [rubrica] AHU, Alagoas Avulsos, Documento 2 (Versão Adaptada) 1 Documento 2 Consulta do Conselho Ultramarino ao rei D. Pedro II sobre o requerimento de D. Maria da Silveira, viúva de Francisco Álvares Camelo, em

Leia mais

Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA. Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI)

Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA. Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI) Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI) 1 - Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Grandes Exploradores

Grandes Exploradores Obras de referência para toda Grandes Exploradores A ousadia, a determinação e o espírito de aventura das figuras que marcam a descoberta e a exploração do Planeta. Do fundo do mar aos polos, do coração

Leia mais

1 - Nome da Instituição: Hospital Frei Antônio ou Hospital dos Lázaros

1 - Nome da Instituição: Hospital Frei Antônio ou Hospital dos Lázaros PROJETO ACERVO: INFORMAÇÕES HOSPITAIS COLÔNIAS 1 - Nome da Instituição: Hospital Frei Antônio ou Hospital dos Lázaros 2 - Histórico: A igreja de Nossa Senhora da Candelária, monumento de arte religiosa

Leia mais

Princípios de Fé Estudo 1

Princípios de Fé Estudo 1 Estudo 1 1 Tema: A fé e a comunhão Texto Base: o que temos visto e ouvido anunciamos também a vós outros, para que vós, igualmente, mantenhais comunhão conosco. Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com

Leia mais

A História de azzeittum

A História de azzeittum A História de azzeittum Azeitão é palavra derivada de azzeittum, vocábulo de origem árabe, que refere os extensos olivais encontrados quando aquele povo chegou a esta região. A primeira delimitação que

Leia mais

Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da

Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da Câmara Municipal de Perdizes, Estado de Minas Gerais

Leia mais

O primeiro Natal começou a ser celebrado nas vésperas do nascimento de Jesus, quando, segundo a Bíblia, os anjos anunciaram a Sua chegada.

O primeiro Natal começou a ser celebrado nas vésperas do nascimento de Jesus, quando, segundo a Bíblia, os anjos anunciaram a Sua chegada. O primeiro Natal começou a ser celebrado nas vésperas do nascimento de Jesus, quando, segundo a Bíblia, os anjos anunciaram a Sua chegada. Nessa altura o imperador Augusto, determinou o recenseamento de

Leia mais

PARÓQUIA SÃO CRISTÓVÃO VALINHOS, SP 1966 2016 50 ANOS DE EVANGELIZAÇÃO Arquidiocese de Campinas

PARÓQUIA SÃO CRISTÓVÃO VALINHOS, SP 1966 2016 50 ANOS DE EVANGELIZAÇÃO Arquidiocese de Campinas PARÓQUIA SÃO CRISTÓVÃO VALINHOS, SP 1966 2016 50 ANOS DE EVANGELIZAÇÃO Arquidiocese de Campinas CONCURSO: LOGOMARCA COMEMORATIVO AOS 50 ANOS DE EVANGELIZAÇÃO DA PARÓQUIA SÃO CRISTÓVÃO VALINHOS, SP INTRODUÇÃO

Leia mais

Copyright 2012 Edmar Santos

Copyright 2012 Edmar Santos Copyright 2012 Edmar Santos DIREITOS RESERVADOS É proibida a reprodução total ou parcial da obra, de qualquer forma ou por qualquer meio sem a autorização prévia e por escrito do autor. A violação dos

Leia mais

A EXPOSIÇÃO HISTÓRICA DAS COMEMORAÇÕES DO IV

A EXPOSIÇÃO HISTÓRICA DAS COMEMORAÇÕES DO IV HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 A EXPOSIÇÃO HISTÓRICA DAS COMEMORAÇÕES DO IV CENTENÁRIO DA CIDADE DE

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho. São José dos Campos SP. Agosto de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho. São José dos Campos SP. Agosto de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho São José dos Campos SP Agosto de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica O meu nome é Arlindo de Figueiredo Filho, estou no momento..., completei

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

O INICIO DO TRABALHO BATISTA NO BRASIL

O INICIO DO TRABALHO BATISTA NO BRASIL Entrevista Batista Paulistano O INICIO DO TRABALHO BATISTA NO BRASIL (Entrevista publicada, resumida, no Batista Paulistano, seg. trimestre de 1986) Centelha em Restolho Seco uma contribuição para a história

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

ESTADO DA BAHIA CÂMARA MUNICIPAL DE ITARANTIM. Ata dasessãoordinártia da Câmara Municipal de Itarantim/BA, realizada no dia 06 de abril de 2015.

ESTADO DA BAHIA CÂMARA MUNICIPAL DE ITARANTIM. Ata dasessãoordinártia da Câmara Municipal de Itarantim/BA, realizada no dia 06 de abril de 2015. Ata dasessãoordinártia da Câmara Municipal de Itarantim/BA, realizada no dia 06 de abril de 2015. Aosseis dias do mês de abril, do ano dois mil e quinze, às 20:00 horas, na sede da Câmara Municipal de

Leia mais

2.037/GS/2013 - DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE - Enviando a este Poder, resposta ao ofício nº 2.723/2013-DCO, o qual encaminhou pleito desta Casa.

2.037/GS/2013 - DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE - Enviando a este Poder, resposta ao ofício nº 2.723/2013-DCO, o qual encaminhou pleito desta Casa. ESTADO DA PARAÍBA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA CASA DE EPITÁCIO PESSOA 17ª Legislatura 3ª Sessão Legislativa 64ª SESSÃO ORDINÁRIA E X P E D I E N T E (28.08.2013) MEMORANDO Nº: 51/2013 - DO GABINETE DA DEPUTADA

Leia mais

CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES À CAPITANIA DO ESPÍRITO SANTO EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA

CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES À CAPITANIA DO ESPÍRITO SANTO EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES À CAPITANIA DO ESPÍRITO SANTO EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA ORGANIZAÇÃO DESIGNAÇÃO CÓDIGO / COTA Entidade Detentora: ARQUIVO

Leia mais

Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro

Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro Alan de Carvalho Souza 1 ppunk_alan@hotmail.com A proposta desse texto é analisar

Leia mais

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11)

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Mensagem 1 A metáfora do Caminho Introdução: A impressão que tenho é que Jesus escreveu isto para os nossos dias. Embora

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

Câmara Municipal de Carnaubal

Câmara Municipal de Carnaubal Câmara Municipal de Carnaubal ATA DA 2º ( SEGUNDDA) SESSÃO ORDINÁRIA DO 1º PRIMEIRO PERÍODO LEGISLATIVO ANO 2015 Ata da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Carnaubal CE; realizada no dia 24 ( VINTE

Leia mais

Lívia Calazans Adriana Oliveira Kátia Alves Ansely Priscilla.

Lívia Calazans Adriana Oliveira Kátia Alves Ansely Priscilla. Aproveito a oportunidade para dizer que suas aulas são maravilhosas, já assisti diversas algumas aulas de processo do trabalho, mas nenhuma com tanta profundidade quanto as ministradas pelo senhor. Lívia

Leia mais

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA TEXTO: 1 SAMUEL CAPITULO 3 HOJE NÃO É SOBRE SAMUEL QUE VAMOS CONHECER, SABEMOS QUE SAMUEL foi o último dos juízes e o primeiro dos profetas. Ele foi comissionado para ungir asaul, o primeiro rei, e a David,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

REGRAS JOGO CHINCUI. Um baralho de 40 cartas constituído por 4 naipes de 10 cartas (ÀS,REI,VALETE,DAMA,SETE,SEIS,CINCO,QUATRO,TERNO e DUQUE).

REGRAS JOGO CHINCUI. Um baralho de 40 cartas constituído por 4 naipes de 10 cartas (ÀS,REI,VALETE,DAMA,SETE,SEIS,CINCO,QUATRO,TERNO e DUQUE). 1 - MATERIAL REGRAS JOGO CHINCUI Um baralho de 40 cartas constituído por 4 naipes de 10 cartas (ÀS,REI,VALETE,DAMA,SETE,SEIS,CINCO,QUATRO,TERNO e DUQUE). 2 - NÚMERO DE PARTICIPANTES Jogam 5 companheiros

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

Página 1 de 15 O CIRINEU ÍNDICE

Página 1 de 15 O CIRINEU ÍNDICE 1 de 15 ÍNDICE Origem do Nome Cirineu...3 Significado de Cirineu...3 Simão de Cirene...4 Simão Cirineu Aquele Que Abraçou A Cruz De Jesus...8 Simão o Cirineu...13 2 de 15 15 de 15 No mundo tereis aflições

Leia mais

O espírito x a carne

O espírito x a carne O espírito x a carne A história de Abraão e Ló está registrada no livro de Gênesis. Esses dois homens simbolizam dois estilos de vida que identificam o crente em sua relação com Deus: - O homem espiritual

Leia mais

Junta de Paróquia do Cabo da Praia

Junta de Paróquia do Cabo da Praia Governo dos Açores Presidência do Governo ireção Regional da Cultura Junta de Paróquia do Cabo da Praia (Ilha Terceira, Açores, Portugal) Por Catarina Costa aluna do curso de Ciência de Informação Arquivística

Leia mais

poder, menos um problema, já que, inexistindo os papéis velhos, não precisará incluir o assunto na retórica dissimulada dos seus pronunciamentos, um

poder, menos um problema, já que, inexistindo os papéis velhos, não precisará incluir o assunto na retórica dissimulada dos seus pronunciamentos, um SOBRE PAPÉIS VELHOS Duas notícias de jornal com um ponto comum me chamaram a atenção. O conteúdo da primeira, para nós, não se enquadra no campo da novidade, pois há muito tempo estamos envolvidos com

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 Jessica Aparecida Correa 1,orientador- Paulo Roberto

Leia mais

MEMÓRIAS DE A FILANTRÓPICA

MEMÓRIAS DE A FILANTRÓPICA MEMÓRIAS DE A FILANTRÓPICA Factos e Documentos (1928-1935) Inauguração da Casa dos Operários, no edifício do Montepio, Rua da Lapa, em 2/12/1933 A Biblioteca Municipal Rocha Peixoto é o centro de informação

Leia mais

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Subordinação: Finalidade: ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR - ADMINISTRAÇÃO DIRETA AO PREFEITO

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1 Documento 34 Requerimento do Padre António Correia Pais, sacerdote do habito de São Pedro e morador do termo da vila de Alagoas, ao ouvidor e auditor-geral

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO PROCESSO N 2004.QXD.TCE.03953/07 ENTIDADE: PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ INTERESSADO: ANA KARINE SERRA LEOPÉRCIO PROMOTORA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE QUIXADÁ RESPONSÁVEIS: ANTÔNIO ALMEIDA VIANA PRESIDENTE

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000154119 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9144977-64.2002.8.26.0000, da Comarca de Mairiporã, em que são

Leia mais

Ponte Velha 4º CENTENÁRIO EXPOSIÇÃO MEIMOA JULHO 2007

Ponte Velha 4º CENTENÁRIO EXPOSIÇÃO MEIMOA JULHO 2007 Ponte Velha 4º CENTENÁRIO EXPOSIÇÃO MEIMOA JULHO 2007 Origem e designação Sabemos que não é romana e que também não é medieval (o alvará de construção data, efectivamente, de 22 de Junho de 1607), mas

Leia mais

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5 1 Lc 5 AGUAS PROFUNDAS 1 Certo dia Jesus estava perto do lago de Genesaré, e uma multidão o comprimia de todos os lados para ouvir a palavra de Deus. 2 Viu à beira do lago dois barcos, deixados ali pelos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém.

Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém. 13 Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém. O episódio relatado por Lucas aconteceu no dia da ressurreição, durante e após uma caminhada

Leia mais

Hans Staden. um aventureiro no Novo Mundo. Jô Oliveira. Adaptação e ilustrações. e m q u a d r i n h o s

Hans Staden. um aventureiro no Novo Mundo. Jô Oliveira. Adaptação e ilustrações. e m q u a d r i n h o s Hans Staden e m q u a d r i n h o s um aventureiro no Novo Mundo Jô Oliveira Adaptação e ilustrações 4 Primeiro Em um dia do ano de 1553, uma pequena embarcação transportando um grupo de marinheiros enfrentava

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008.

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. Autoria: Poder Legislativo Estabelece normas para as cerimônias públicas e a ordem geral de precedência no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito

Leia mais

Natal é palavra eletrizante. Natal é palavra de doce harmonia para nosso coração. Quantas belas lembranças evocam à nossa mente!

Natal é palavra eletrizante. Natal é palavra de doce harmonia para nosso coração. Quantas belas lembranças evocam à nossa mente! Círculo de Casais - Dirigentes: Abel e Lourdinha Passos Paróquia são Francisco Xavier Niterói RJ 19/12/03 Comentarista: Chegou o Natal! Natal é palavra eletrizante. Natal é palavra de doce harmonia para

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

DECRETO N. 6.980 DE 19 DE MARÇO DE 1941

DECRETO N. 6.980 DE 19 DE MARÇO DE 1941 ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas deste sítio são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, "textos oficiais". São reproduções digitais de textos originais, publicados sem atualização

Leia mais

Cerimonial de autos de posse para a concessão de terras na América Portuguesa

Cerimonial de autos de posse para a concessão de terras na América Portuguesa Cerimonial de autos de posse para a concessão de terras na América Portuguesa Vanessa Lopes de Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte O processo de doação de sesmarias na América Portuguesa,

Leia mais

ANDERSON OLIVEIRA -1- www.casapropriadosonho.webnode.com.br

ANDERSON OLIVEIRA -1- www.casapropriadosonho.webnode.com.br Por Anderson Oliveira ANDERSON OLIVEIRA -1- www.casapropriadosonho.webnode.com.br NÃO DEIXE-SE ENGANAR!!! TORNE O SEU SONHO DA CASA PRÓPRIA REALIDADE E NÃO PESADELO! 1ª EDIÇÃO SUZANO EDIÇÃO DO AUTOR 2011

Leia mais

"A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste"

A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste "A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste" John Ruskin "O Instituto WCF-Brasil trabalha para promover e defender os direitos das crianças e

Leia mais

Fernandinho, jogador do Shakhtar Donetsk da Ucrânia, de férias em Londrina, concede entrevista exclusiva, em sua visita a Arena Futsal:

Fernandinho, jogador do Shakhtar Donetsk da Ucrânia, de férias em Londrina, concede entrevista exclusiva, em sua visita a Arena Futsal: Fernandinho, jogador do Shakhtar Donetsk da Ucrânia, de férias em Londrina, concede entrevista exclusiva, em sua visita a Arena Futsal: 1) Arena Futsal: Conte um pouco da sua trajetória no futebol, desde

Leia mais

Maria Cristina Irigoyen Peduzzi

Maria Cristina Irigoyen Peduzzi Maria Cristina Irigoyen Peduzzi Ingressei na Academia realmente muito cedo... E fiquei muito feliz, pois tenho, até hoje, grande amor e grande dedicação por ela. Maria Cristina Peduzzi foi a primeira e

Leia mais

A FESTA DE CORPUS CHRISTI

A FESTA DE CORPUS CHRISTI 1 A FESTA DE CORPUS CHRISTI Lia Carolina Prado Alves Mariotto Essa cerimônia religiosa foi criada em 1264 por breve 1 do papa Urbano IV. Seu enredo era baseado em passagens bíblicas (Segundo Livro de Samuel

Leia mais

A cena começa com uma descida. Então, quem desceu se Jesus tomou o livro e se assentou?

A cena começa com uma descida. Então, quem desceu se Jesus tomou o livro e se assentou? A resposta para sua pergunta é Sim, e Não. Permita-me explicar porque as duas coisas. Eu creio que o Cordeiro saiu do Trono SIM, mas eu NÃO creio que ele desceu. Há aqueles que defendem a tese de que o

Leia mais

Açude das Brazinhas. início/fim: Biblioteca Municipal _ Pólo de S. Pedro do Esteval extensão: 7,8 Km duração: ±3h grau de dificuldade: fácil

Açude das Brazinhas. início/fim: Biblioteca Municipal _ Pólo de S. Pedro do Esteval extensão: 7,8 Km duração: ±3h grau de dificuldade: fácil PR7 Açude das Brazinhas. início/fim: Biblioteca Municipal _ Pólo de S. Pedro do Esteval extensão: 7,8 Km duração: ±3h grau de dificuldade: fácil Rota dos Estevais Uma infusão de alecrim ataca a febre,

Leia mais