MARIA JACIARA DE AZEREDO OLIVEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARIA JACIARA DE AZEREDO OLIVEIRA"

Transcrição

1 1 MARIA JACIARA DE AZEREDO OLIVEIRA A DINAMIZAÇÃO DE COLEÇÕES DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NAS BIBLIOTECAS POPULARES DO RIO DE JANEIRO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Federal Fluminense, como requisito para obtenção do título de Bacharel em Biblioteconomia e Documentação Orientadora: Prof ª NANCI GONÇALVES DA NÓBREGA NITERÓI 2005

2 2 O48 Oliveira, Maria Jaciara de Azeredo. A dinamização de coleções de histórias em quadrinhos nas bibliotecas populares do Rio de Janeiro / Maria Jaciara de Azeredo Oliveira f. Orientador: Nanci Gonçalves da Nóbrega. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biblioteconomia e Documentação) Universidade Federal Fluminense, Bibliografia: f Histórias em quadrinhos fonte de informação. 2. Bibliotecas populares Rio de Janeiro. 3. Gibitecas. I. Nóbrega, Nanci Gonçalves. II. Universidade Federal Fluminense. Instituto de Artes e Comunicação Social. III. Título. CDD

3 3 MARIA JACIARA DE AZEREDO OLIVEIRA A DINAMIZAÇÃO DE COLEÇÕES DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NAS BIBLIOTECAS POPULARES DO RIO DE JANEIRO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Federal Fluminense, como requisito para obtenção do título de Bacharel em Biblioteconomia e Documentação Aprovado em BANCA EXAMINADORA Professora Nanci Gonçalves da Nóbrega Orientadora Universidade Federal Fluminense Profª Minoru Noyama Universidade Federal Fluminense Profº Vera Lúcia Alves Breglia Universidade Federal Fluminense NITERÓI 2005

4 4 AGRADECIMENTOS À minha orientadora, a professora Nanci Gonçalves da Nóbrega. Aos professores Minoru Noyama e Vera Lúcia Alves Breglia que compõem a minha banca examinadora Ao professor Waldomiro Vergueiro da USP pelas indicações valiosas. Às bibliotecárias das Bibliotecas Populares de Bangu, Campo Grande e Olaria/Ramos, pela atenção e informações relevantes. Aos meus amigos sempre presentes nos momentos difíceis.

5 5 "Histórias em quadrinhos são a fantasmagórica fascinação daquelas pessoas de papel, paralisadas no tempo, marionetes sem cordões, imóveis, incapazes de serem transpostas para os filmes, cujo encanto está no ritmo e dinamismo. É um meio radicalmente diferente de agradar aos olhos, um modo único de expressão. O mundo dos quadrinhos pode, em sua generosidade, emprestar roteiros, personagens e histórias para o cinema, mas não seu inexprimível poder secreto de sugestão que reside na permanência e imobilidade de uma borboleta num alfinete." ( Federico Fellini)

6 6 RESUMO Mostra a transformação do prestígio das histórias em quadrinhos no Brasil e no mundo e destaca este material como fonte de informação relevante para a sociedade. Trata da modificação da relação que os bibliotecários tem com estes acervos, relativa ao processamento técnico e às atividades de dinamização das coleções e cita o surgimento de núcleos de pesquisa e acervos especializados como indicativos da mudança de atitude. Aborda o surgimento das gibitecas e discute as problemáticas envolvidas na prática de dinamização de coleções deste tipo de material nas Bibliotecas Populares do Rio de Janeiro. Lança propostas para o trabalho com os materiais quadrinísticos a partir das ilustrações de Milo Manara e dos textos e imagens de Neil Gaiman e Angeli. A partir do trabalho realizado com as histórias em quadrinhos identificado no estudo de campo, aponta a necessidade de uma prática biblioteconômica vinculada à Educação e à ação social como alternativa para uma nova postura dos profissionais da informação.... Palavras-chave: Histórias em quadrinhos. Dinamização de coleções. Ação pedagógica. Bibliotecas Populares. Biblioteconomia e sociedade..

7 7 ABSTRACT It shows the transformation of the prestige of comics in Brazil and the world and detaches this material as source of excellent information for the society. It deals with the modification of the relation that the librarians has with these quantities, relative to the processing technician and the activities of dynamism of the collections and cites the sprouting of nuclei of research and specialized quantities as indicative of the attitude change. It approaches the sprouting of the gibitecas and argues problematic the involved ones in the practical one of dynamism of collections of this type of material in the Popular Libraries of Rio de Janeiro. Spear proposals for the work with the comics from illustrations of Milo Manara and the texts and images of Neil Gaiman and Angeli. From the work carried through with comics identified in the field study, it points the necessity of one practical entailed Library science to the Education and the social action as alternative with respect to a new position of the professionals of the information. KEY-WORDS: Comics. Dynamism of collections. Pedagogical action. Popular Libraries. Librianship and society.

8 8 LISTA DE ABREVIATURAS BPB BPCG BPOR HQ Biblioteca Popular de Bangu Biblioteca Popular de Campo Grande Biblioteca Popular de Olaria e Ramos Histórias em quadrinhos

9 9 LISTA DE FIGURAS Fig. 1 Seqüências pré-históricas encontradas em cavernas...15 Fig. 2 A família Fenouillard de Georges Colomb, o Christophe...16 Fig. 3 O Yellow Kid, com sua roupagem amarela e na primeira tentativa de se introduzir a fala em balões, ao invés das clássicas falas no camisolão do menino amarelo...17 Fig. 4 Krazy Kat de George Herriman...18 Fig. 5 Guido Crepax e a fotografa Valentina, apuro na técnica de diagramação...19 Fig. 6 Sandman de Neil Gaiman, ícone da década de Fig. 7 Edição comemorativa de o TICO-TICO...21 Fig. 8 O Pererê um Saci politicamente correto em histórias com temáticas ecológicas...21 Fig. 9 Bidu, um dos personagens da Turma da Mônica, de Mauricio de Sousa...22 Fig. 10 A Radical Chic de Miguel de Paiva, figura feminina das HQ nacionais...22 Fig. 11 Biblioteca do Sonhar, por Neil Gaiman...26 Fig. 12- Imagem extraída da página principal do site de Milo Manara...42 Fig. 13 Modelo de Manara...43 Fig. 14 Desejo...45 Fig. 15Desespero...45 Fig. 16 Rê Bordosa em seu habitat natural...46 Fig. 17 Rê Bordosa, questionamentos da alma feminina...46 Fig. 18 Mostra de crise existencial de Rê Bordosa...47 Fig. 19 Perda dos valores humanos e crítica às posturas da sociedade...47 Fig. 20 A morte de Rê Bordosa, publicada na revista Chiclete com Banana...48

10 10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 12 2 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS : UMA HISTÓRIA ANTIGA OS QUADRINHOS NO BRASIL 20 3 QUADRINHOS E EDUCAÇÃO 23 4 QUADRINHOS E BIBLIOTECONOMIA 26 5 GIBITECAS BIBLIOTECA POPULAR DE BANGU BIBLIOTECA POPULAR DE CAMPO GRANDE BIBLIOTECA POPULAR DE OLARIA E RAMOS 35 6 A AÇÃO BIBLIOTECONOMICA NAS GIBITECAS 39 7 PROPOSTAS DE DINAMIZAÇÃO DE COLEÇÕES DE HISTÓRIAS

11 11 EM QUADRINHOS MILO MANARA SANDMAN RÊ BORDOSA 46 8 CONSIDERAÇÕES FINAIS 49 OBRAS CITADAS 51 OBRAS CONSULTADAS 53 ANEXOS 54 ANEXO A - CAPA DE SANDMAN 55 ANEXO B - GIBI CONFECCIONADO PELA COMUNIDADE SOBRE O CARNAVAL DE RAMOS 56 ANEXO C - GIBI CONFECCIONADO PELA COMUNIDADE SOBRE O JUBILEU DE OURO 57 ANEXO D - GIBI CONFECCIONADO PELA COMUNIDADE SOBRE PIXINGUINHA 58 ANEXO E - GIBI CONFECCIONADO PELA COMUNIDADE SOBRE O CLUBE ROTARY 59 ANEXO F - CARTAZ DA GIBITECA LEITURA PRAZER EM RAMOS 60 ANEXO G - BIBLIOTECAS POPULARES DO RJ 61

12 12 1 INTRODUÇÃO As histórias em quadrinhos (HQ) fazem parte da história da humanidade desde seus primórdios; os desenhos em forma de quadros seqüenciais encontrados nas cavernas préhistóricas parecem ser prova disso. Um estudo sobre as histórias em quadrinhos pode oferece possibilidades tentadoras principalmente na área de comunicação: por se tratar de um instrumento de comunicação de massa, implicando em mirabolantes tramas psicológicas e sociais. O que são as histórias em quadrinhos? Muito se tem discutido sobre a validade da aplicação desse instrumento como auxiliar no processo de aprendizagem, já que é inegável o grande poder de alcance deste meio de comunicação de massa. Afinal esses inocentes registros não se restringem apenas às crianças e aos adolescentes: são inúmeros os adultos que admiram e/ou são estudiosos dos quadrinhos. Em pesquisa na área verifica-se que as HQ foram vítimas de uma série de preconceitos e se transformaram, assim como a sociedade da qual são frutos. E hoje em dia, vários grupos desta sociedade que antes as ignoravam e as classificavam como entretenimento estéril, voltam sua atenção para elas de estudo. Exemplo disso são as instituições de ensino médio e fundamental que utilizam o poder de alcance das mensagens em quadros seqüenciais para dinamizar a prática pedagógica; e algumas universidades, como a USP, estão descobrindo o potencial deste material e realizam diversos estudos 1 nesta área. Porém mesmo antes de serem consideradas portadoras de algo mais que diversão as HQ foram alvo do fascínio das pessoas e a partir de uma nova mentalidade leitora, verificouse que as pessoas procuravam este material, por exemplo, nas bibliotecas públicas. Ao perceber esta demanda, muitos bibliotecários começaram a incorporar estes materiais ao 1 Na USP existe um núcleo de pesquisas de histórias em quadrinhos coordenado pelo professor Waldomiro Vergueiro, que oferece a revista eletrônica AGAQUE, responsável pela divulgação de diversos artigos científicos sobre as histórias em quadrinhos. Ver o endereço nas referências deste trabalho.

13 13 acervo das bibliotecas onde atuam. Embora de maneira aleatória, a procura dos usuários se mostrou significativa, a ponto de alguns entusiastas pensarem na criação de espaços a elas destinados, como as gibitecas e museus especializados como veremos mais detalhadamente no capítulo deste TCC referente à importância dos quadrinhos. Porém apesar do grande avanço representado pela incorporação destes materiais nas coleções de algumas bibliotecas públicas no Brasil, o tratamento dado às HQ ainda está de modo geral muito longe do que este material merece. Na verdade em geral não existe uma verba destinada para sua aquisição, restringindo-se sua entrada, com pouca seleção, misturando-se os diversos tipos de quadrinhos. O material geralmente é estocado e não recebe tratamento técnico para facilitar sua recuperação. Mas o pior é que normalmente não é feita atividade alguma para dinamizar estas coleções. Os objetivos deste trabalho são principalmente identificar se há ação biblioteconômica relacionada às gibitecas e confrontar com a literatura estudada para uma análise de alguns porquês nos problemas encontrados. Enfatizam-se as limitações encontradas nas regiões periféricas do Rio de Janeiro, e sugerem-se possíveis soluções no capítulo dedicado a algumas propostas de dinamização para coleções de quadrinhos em bibliotecas. O foco da análise é biblioteconômico, mas também sociológico, discute ações regionais diferenciadas, destacando ainda a contribuição pedagógica e cultural de uma gibiteca ativa nos bairros nas quais essas bibliotecas se situam. Para a consecução dos objetivos acima destacados a metodologia utilizada foi a de fazer um levantamento bibliográfico tema HQ e pesquisar bibliotecas que trabalham com esse tipo de material e possuem gibitecas. Desse modo foi possível traçar um esboço histórico da HQ e as transformações da recepção de leitura, além de destacar o tipo de tratamento técnico e pedagógico nas bibliotecas que serviram de campo empírico para a pesquisa, com a finalidade de que se compreenda como é possível, apesar das deficiências estruturais encontradas, realizar trabalhos criativos e de grande relevância. Após o levantamento do material teórico diretamente relacionado às HQ, foi feita a seleção de algumas obras imprescindíveis para se realizar uma análise reflexiva acerca dos problemas encontrados na prática bibliotecária. Assim a partir do recorte de uma atividade de grande potencial pedagógico que é pouco explorada nas bibliotecas, pretende-se fazer uma análise parcial do tão falado papel social do bibliotecário, incentivando o leitor a fazer suas próprias reflexões.

14 14 Para confrontar a teoria foram selecionadas três bibliotecas para a realização de uma pesquisa de campo: Biblioteca Popular de Bangu, Biblioteca Popular de Campo Grande e Biblioteca Popular de Olaria e Ramos. A escolha dessas instituições se deve ao fato de estarem vinculadas a uma proposta de biblioteca de bairro que oferece serviços ao povo (por isso denominadas populares) de determinada região, e por constarem na listagem oferecida pela Biblioteca Euclides da Cunha/FBN como possuidoras do serviço de gibitecas. A partir daí e com as visitas técnicas, procede-se ao estudo dos possíveis porquês dos problemas encontrados, destacando-se o papel e a ação do bibliotecário na sociedade brasileira. O último capítulo é relativo a algumas propostas de dinamização de coleções. Foram escolhidas três revistas em quadrinhos de temática adulta para mostrar possibilidades de se trabalhar os quadrinhos, além de desmistificar o preconceito de que quadrinho é coisa de crianças, pois na verdade é um material para todas as idades. Nas considerações finais, reflexões sobre as atividades com histórias em quadrinhos e sobre a prática biblioteconômica vinculada à ação social.

15 15 2 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS : UMA HISTÓRIA ANTIGA A identificação do que poderíamos chamar de a primeira história em quadrinhos é bastante controversa, segundo Custódio (1999) apontar o marco inicial é tarefa complicada, embora estudos revelem que a origem dos quadrinhos remonta à pintura rupestre da Pré- História. desenhos que mostram aventuras de caça são encontrados nas grutas de Lascaux, na França, e Altamira, na Espanha. Outros exemplos são os hieróglifos e desenhos contando a vida dos faraós que aparecem em baixos-relevos egípcios (Século IV a.c.) e as narrativas figuradas comuns à via-sacra, aos estandartes chineses, às tapeçarias medievais e aos vitrais góticos (Séculos V a XIII). Todos têm em comum uma narrativa seqüencial através de imagens, mas sem a presença auxiliar das palavras que só apareceria no Século XIV com ilustrações européias que introduzem os filactérios faixas com palavras escritas junto à boca dos personagens, onsiderados a gênese dos balões. No século XIX o texto passa a acompanhar sistematicamente o desenho. Figura 1 - Seqüências pré-históricas encontradas em cavernas, a gênese da arte seqüencial

16 16 O autor diz que tais exemplos fazem parte do embrião do que conhecemos hoje como histórias em quadrinhos, pois apesar da estrutura semelhante seus propósitos eram diferentes. No Século XIX é que podemos identificar os precursores dos quadrinhos, que são o suíço Rudolf Töpffer, com M.Vieux-Bois (1827), o alemão Wilhelm Busch, com Max e Moritz (no Brasil conhecidos como Juca e Chico, 1865), e o francês Christophe, pseudônimo de Georges Colomb, com A Família Fenouillard (1889). Esses pioneiros, segundo Custódio aliam a literatura ao desenho e, freqüentemente, exibem situações cômicas. As primeiras histórias apresentam desenhos divididos em quadros acompanhados de legendas, que dão continuidade às ações. Figura 2 - A família Fenouillard de Georges Colomb, o Christophe É no Século XIX que os quadrinhos começam a desenvolver as técnicas e se estabelecerem como instrumento de comunicação de massa devido a facilidade da sua leitura e a sua apresentação atraente com desenhos e texto simplificado através de balões que saem da boca do personagem, o que os aproxima de uma realidade de diálogos, conversação. No Século XX ocorre o que Moacy Cirne (1974) denomina de a explosão dos quadrinhos. Descoberto o potencial de alcance junto às massas a produção dos quadrinhos aumentou em escala assustadora; e; a arte seqüencial desenvolvida na Europa se aprimorou com as produções americanas, motivo pelo qual os não estudiosos dos quadrinhos associam a criação das HQ, tal como conhecemos, aos Estados Unidos.

17 17 Figura 3 - O Yellow Kid, com sua roupagem amarela e na primeira tentativa de se introduzir a fala em balões, ao invés das clássicas falas no camisolão do menino amarelo Conforme Custódio, nas décadas de 1910 e 1920 O sucesso dos quadrinhos leva ao controle dos direitos de publicação por corporações, cuja principal função é centralizar e distribuir as histórias a jornais e revistas. Assim o proprietário do New York Journal, William Hearst, cria a King Features Syndicate, em 1912, e passa a distribuir os comics por todo o mundo. Nessa época, alguns autores tentam intelectualizar suas histórias, como George Herriman, com Krazy Kat (1913) primeira narrativa sobre gatos e ratos, e George McManus, com Pafúncio e Marocas (1913), que mostra conflitos familiares. Gasoline Alley, criação de Frank King, em 1919, inova ao mostrar personagens que crescem e envelhecem. E nos anos 20, o cinema influencia os comics, que passam a ter cortes rápidos, angulação variada e ação seriada dos episódios. O Gato Félix (1923), de Pat Sullivan, e Mickey Mouse (1929), de Walt Disney, migram do desenho animado para os quadrinhos.

18 18 Figura 4 - Krazy Kat de George Herriman Continuando seu histórico, Custódio informa que, no decorrer dos anos os personagens se transformam e seu público também. Os apelos mudam, os personagens não são apenas infantis e alcançam diversas faixas etárias. Na década de 30 surgem os heróis como Tintin (1929) e o clássico Batman de Bob Kane. Além das aventuras, outros gêneros também ganham espaço. Surgem protagonistas femininas, como Betty Boop (1931), de Max Fleischer, e Jane (1932), de Norman Pett, que introduzem elementos eróticos nas histórias. Henry (conhecido no Brasil como Pinduca, 1932), o menino careca e sem boca de Carl Anderson, é precursor dos personagens mirins. Al Capp revoluciona com Li l Abner (aqui conhecido como Ferdinando, 1934), que satiriza o "american way of life". Deboche e sexo explícito aparecem nas dirty comics, revistas clandestinas escritas por autores anônimos. Nas décadas de 1940 e 1950, devido a II Guerra Mundial, a indústria de quadrinhos entra em crise, e os EUA que foram o berço da indústria dos quadrinhos sofre rigorosa censura no período macarthista ( ) 2. 2 Período da história americana caracterizada pela perseguição ao Comunismo.

19 19 Nesse sentido fica claro que o foco das histórias em quadrinhos muda de acordo com a sociedade da qual é reflexo. Prova disso é a compilação das aventuras de Barbarella (1962), do francês Jean-Claude Claude Forest, que marca o começo das graphic novels, álbuns de grande apuro gráfico, que abre um filão adulto no mercado. Nessa linha também está a fotógrafa Valentina (1965), do italiano Guido Crepax 3. Robert Crumb (1943- ), criador de Fritz the Cat (1965), lidera o movimento das revistas undergrounds, que misturam sexo, drogas e política, ao lado de Gilbert Shelton, de Freak brothers (1967). Figura 5 - Guido Crepax e a fotografa Valentina, apuro na técnica de diagramação 3 Considerado um dos mestres do quadrinho erótico italiano é exímio diagramador, em capítulo posterior será falado de outro especialista do quadrinho erótico, Milo Manara que de acordo com estudiosos como Gusman, superou Crepax com um erotismo mais implícito embora opte pelo enquadramento tradicional e pano de fundo rebuscados que por vezes ofuscam os personagens.

20 20 Com seu desenvolvimento, os quadrinhos atingem o status de arte o que se deve ao argumento primoroso de roteiristas que escrevem verdadeiras pérolas de poesia e psicodelia. Temas adultos como conflitos existenciais, desejo, violência e caos urbano são trabalhados por nomes como Neil Gaiman ( Sandman e Orquídea Negra) e Alan Moore Batman A piada mortal), entre outros ícones da década de Figura 6 - Sandman de Neil Gaiman, ícone da década de QUADRINHOS NO BRASIL No Brasil, o precursor foi Italo Agostini com as aventuras de Nho-Quim e Zé Caipora publicadas na revistas Vida Fluminense, o Malho e Don Quixote ( ). Mas foi com o Tico-Tico que iniciamos a proposta da construção de quadrinhos nacionais, embora seja nítida a adaptação dos personagens que, de brasileiros, têm apenas os nomes e os cenários, já que as características são dos comportamentos de personagens americanos. Além do clássico Gibi de 1939, lançado pelo Grupo Globo de Roberto Marinho com histórias de diversos personagens: a publicação fez tanto sucesso, que "gibi" virou sinônimo de revistas em quadrinhos.

21 21 Figura 7 - Edição comemorativa de o TICO-TICO A partir dessas iniciativas os quadrinhos brasileiros não pararam de crescer e se no início eram réplicas de quadrinhos americanos, com o passar do tempo produziram personagens inesquecíveis. Alguns, como o Pererê de Ziraldo, partiram para uma proposta de quadrinhos com temáticas nacionalistas.com relação a esse quadrinho, Pimentel (1929) afirma que o feitiço virou feiticeiro e desconfia que o Pererê, embora pareça um projeto de exaltação nacionalista, é, na verdade a adoção de um símbolo conveniente para mascarar a dominação, pois ressalta que a personalidade original do mito do Saci-Pererê é descaracterizada: ao invés do amoral espírito da natureza, temos um simpático personagem politicamente correto. Figura 8 - O Pererê um Saci politicamente correto em histórias com temáticas ecológicas

22 22 Outros destaques com propostas diferentes são A turma da Mônica de Maurício de Souza, a Radical Chic de Miguel de Paiva e o humor boca do lixo, de Angeli, com os Skrotinhos, Rê Bordosa entre outros personagens que refletem o contundente humor da escola paulista de HQ. Figura 9 Bidu, um dos personagens da Turma da Mônica, de Mauricio de Sousa Figura 10 A Radical Chic de Miguel de Paiva, figura feminina sofisticada das HQ nacionais

23 23 3 QUADRINHOS E EDUCAÇÃO As HQ, como já foi dito em capítulos anteriores, tiveram uma mudança de prestígio perante a sociedade, um dos indícios dessa nova postura é a apropriação deste meio de comunicação pelas escolas. No passado as HQ eram vistas como nocivas ao processo educativo e responsáveis pela preguiça mental de alguns alunos. Anselmo parte deste preconceito para elaborar sua Tese de Doutorado em psicologia, que segundo Rosa é até hoje a única pesquisa sobre a relação entre aproveitamento escolar e leitura de gibis no Brasil a utilizar métodos científicos de levantamento de dados. Porém Anselmo verificou que ao contrário do que se pensava, a leitura das HQ além de não influir no rendimento escolar, estimula a criatividade. O preconceito que havia com o passar do tempo foi superado, e os educadores passaram a se apropriar dos quadrinhos no trabalho com os conteúdos didáticos devido ao poder que estes materiais têm sobre a atenção dos alunos. Rosa descreve algumas experiências bem sucedidas de utilização das HQ na educação, como por exemplo, a escola Recanto Infantil no Recife que confeccionou em parceria com o escultor e desenhista Cavani Rosas uma história sobre o Curupira para dar início à um debate sobre a questão ecológica. Outro exemplo é a Escola-Parque da Quadra 304 no Norte de Brasília que montou uma oficina de quadrinhos idealizada pela professora Irone Queiroz, de artes plásticas, que declarou que além de despertar o interesse pela leitura o trabalho com quadrinhos propicia uma integração de diversas disciplinas. Preconceitos ainda existem, mas de acordo com Moya é preciso a consciência que não é a literatura em quadrinhos que faz mal a infância, é toda e qualquer leitura mal

24 24 orientada [...] não é preciso suprimir a literatura em quadrinhos nem condená-la, mas apenas depurá-la dos elementos nocivos. (MOYA 4 apud CUSTÒDIO, 1999) Tais exemplos revelam como as HQ podem ser úteis na Educação embora algumas pessoas da própria área dos quadrinhos discordem desta apropriação, como Ziraldo, por exemplo, que enfatiza que as histórias são apenas fonte de diversão e prazer e que não vê sentido na aplicação destes materiais como recursos didáticos. Outros estudiosos como Vergueiro e Cirne, por outro lado, acreditam que o papel da escola é fazer uma leitura crítica dos quadrinhos, ou seja, trabalhar o quadrinho como literatura e levar o aluno a perceber as mensagens e discursos que se ocultam nas entrelinhas. A partir da leitura das HQ os questionamentos são trazidos ao debate em sala de aula o que resulta em um processo de aprendizado dinâmico e prazeroso para professores e alunos, além de estimular a interdisciplinaridade. É preciso, porém, ter cuidado no momento da apropriação dos quadrinhos pela Educação. Muitos livros didáticos incorporam essa linguagem sem qualquer adaptação, isto é, colocam os mesmos discursos e textos que utilizaram em edições anteriores em quadrinhos, sem preocupação com os aspectos da linguagem e dinâmica quadrinística e assim não atingem o objetivo de atrair a atenção dos estudantes. Os equívocos podem se entender ainda mais na sala de aula se os professores não estiverem preparados para trabalhar com a linguagem dos quadrinhos, é preciso pesquisar e se reciclar com cursos especializados para aproveitar todo o potencial educativo das HQ. O especialista Flávio Calazans, por exemplo, oferece um curso de histórias em quadrinhos como recurso didático para professores interessados no emprego da HQ como recurso auxiliar de aprendizagem. Segundo Calazans as HQ oferecem diversas possibilidades de trabalho para os educadores de todas as áreas. As revistas de super-heróis permitem que os professores façam abordagens de algumas teorias científicas como mutações genéticas e estrutura atômica. Também são abordados temas de política e geografia, que envolvem citações de literatura teatro e artes. Custódio também traz exemplos de um quadrinho que pode ser trabalhado nas disciplinas escolares de arte e literatura (1999 p.68): 4 Moya, Alvaro de. Shazam.2.ed.. São Paulo, SP : 1977.

25 25 Em Sandman Estação das Brumas, Lúcifer lembra Caim que antes reinar no inferno que servir ao Céu. A frase é atribuída a Lúcifer, mas este imediatamente diz : Eu nunca disse isso. Milton disse. Ele se refere a John Milton, autor de Paraíso Perdido (...). A referida minissérie Sandman traz um resumo no início de capítulo, como nos libretos de ópera ou teatro, para cada ato. Exatamente como em Paraíso Perdido. Não se quer dizer que se deva substituir livros pelas HQ, num suposto conflito, mas ver a HQ como um meio pedagógico para despertar o interesse pela leitura (MOLINA apud CUSTÓDIO) 5, porém é preciso cuidado para não utilizar este material apenas como primeiro passo para chegar nos livros, mas encara-lo como literatura capaz de veicular de forma dinâmica o processo pedagógico. Outro método interessante é a confecção de quadrinhos para passar os conteúdos que estão envolvidos no processo de criação, conforme vimos em exemplos anteriores que leva o aluno à descoberta de outro universo a biblioteca, para colher informações. No capítulo seguinte será tratada a questão das HQ nas bibliotecas, que a exemplo da escola podem utilizar os quadrinhos como uma forma dinâmica de integração com o seu público. 5 Molina, Ana Heloísa. Histórias em quadrinhos : explorando novas estratégias no ensino de história de 1º grau (texto)

26 26 4 QUADRINHOS E BIBLIOTECONOMIA Figura 11 Biblioteca do Sonhar, por Neil Gaiman No quadrinho acima, Neil Gaiman, criador de Sandman, destaca a importância do profissional bibliotecário para o desenvolvimento da humanidade - as HQ reconhecem o potencial transformador do bibliotecário junto a sociedade, basta os mesmos se reconhecerem como tal e darem a devida importância às histórias em quadrinhos. 6 Verificou-se nas visitas técnicas e no discurso dos teóricos que as HQ sofrem uma série de preconceitos. Levanta-se a hipótese de que os quadrinhos representam uma literatura menor, descartável e incapaz de portar informações relevantes nos seus argumentos. Essa atitude, é reflexo de uma postura muito antiga da sociedade que aos poucos se transformou; 6 Waldomiro Vergueiro, Flávio Calazans, Moacy Cirne.

27 27 de histórias malditas sempre escondidas debaixo dos colchões de crianças e adolescentes para alvo de estudos nas Universidades, as HQ com tempo atingiram o status merecido. Apesar de grande aceitação, nas ultimas décadas os quadrinhos foram alvo de ataques também no Brasil. Em 1951, Carlos Lacerda (LACERDA apud JUNIOR, 2004) dizia entre muitas outras coisas que: A idéia dessas revistas é que o crime seja uma condição normal de vida. Há a idéia de que a vida passa num plano superior a todas as contingências humanas e, ao mesmo tempo, ignorante de todas as onipotências divinas pois Deus só pode ser compreendido pelo homem no plano estritamente humano. Deus não admite superhomens, supermacacos nem super-robertos Marinhos. Portanto, não se supera o plano do humano para atingir o divino. É claro que esses superhomens, esses supercamundongos, esses superbandidos, essas supermulheres de coxas superlativas, essa mitologia truncada e monstruosa das historias em quadrinhos vendem milhões neste país. É claro também que não se fica no plano estritamente humano em que as histórias para crianças se desenvolvem e contribuem para seu próprio desenvolvimento. Com base no preconceito do aspecto alienante dos quadrinhos Zilda Anselmo (1975) realiza diversas pesquisas entre leitores jovens e identificou os efeitos dessa leitura. O estudo realizado desmistifica os preconceitos ao revelar que a leitura de quadrinhos não influencia no desempenho escolar e que jovens e crianças que estão em contato com as histórias em quadrinhos tendem a desenvolver o hábito da leitura. Os quadrinhos fascinam adultos e crianças isso é um fato que estimula o uso dos quadrinhos no processo educativo, mas estudiosos como Moacy Cirne (CIRNE apud ROSA, 1991) alertam que o educador ou mesmo os pais devem estimular na criança uma leitura critica dos quadrinhos. Já Vergueiro (VERGUEIRO apud ROSA, (1991)) destaca que é preciso cuidado para não ser descaracterizado o aspecto lúdico das histórias. Se a linguagem for distorcida não haverá integração do texto com a imagem e a comunicação não cumprirá seus objetivos. Um objeto de tamanha complexidade não deve ser colocado em segundo plano. Após ter passado por sua fase negra a história em quadrinho se apresenta como uma alternativa positiva não apenas como entretenimento. No meio educacional esse instrumento é cada vez mais utilizado por professores de todas as áreas, como visto no capítulo anterior, o que implica na inclusão deste material no acervo das bibliotecas. Segundo Vergueiro (2005) a

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA Fábio Tavares da Silva, Graduando Centro de Artes da Universidade Regional do Cariri - URCA Fábio José Rodrigues da Costa, Doutor Centro de

Leia mais

ALERTA: AÇÕES EDUCATIVAS - PROJETO O.Q DE QUADRINHOS E O PROCESSO DE ENSINAR ARTE ATRAVES DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS.

ALERTA: AÇÕES EDUCATIVAS - PROJETO O.Q DE QUADRINHOS E O PROCESSO DE ENSINAR ARTE ATRAVES DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. ALERTA: AÇÕES EDUCATIVAS - PROJETO O.Q DE QUADRINHOS E O PROCESSO DE ENSINAR ARTE ATRAVES DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. Evânio Bezerra da Costa (Jimmy Rus 1 ) jimmyrus13@yahoo.com.br Comunicação: Relato

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Pauta de encontro Olá coordenadoras, mais uma vez estaremos

Leia mais

Contextualização. O que é história em quadrinhos Tipos de história em quadrinhos Tipos de quadrinhos Por que ler quadrinhos? O que é uma Gibiteca

Contextualização. O que é história em quadrinhos Tipos de história em quadrinhos Tipos de quadrinhos Por que ler quadrinhos? O que é uma Gibiteca Contextualização O que é história em quadrinhos Tipos de história em quadrinhos Tipos de quadrinhos Por que ler quadrinhos? O que é uma Gibiteca O que é uma história em quadrinhos História em quadrinhos

Leia mais

Histórias em Quadrinhos

Histórias em Quadrinhos Histórias em Quadrinhos Apresentação baseada no texto Profa. Denise Castilhos Profa. Marilene Garcia Histórias em quadrinhos: imaginação traduzida visualmente para encantar e apaixonar gerações As HQ começaram

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Coleção

Política de Desenvolvimento de Coleção Política de Desenvolvimento de Coleção 1 Política de Desenvolvimento de Coleção É o conjunto de atividades que determina a conveniência de se adquirir, manter ou descartar materiais bibliográficos e não

Leia mais

QUADRINHOS, UMA JANELA PARA AVENTURAS!!!

QUADRINHOS, UMA JANELA PARA AVENTURAS!!! OFICINA Nº: 01 (PARTE 1) QUADRINHOS, UMA JANELA PARA AVENTURAS!!! ÁREA: Língua Portuguesa FAIXA ETÁRIA: 08 a 12 anos. CARGA HORÁRIA: 03 horas. OBJETIVO: Conhecer a estrutura de histórias em quadrinhos.

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

História em Quadrinhos e Fanzine na Escola

História em Quadrinhos e Fanzine na Escola História em Quadrinhos e Fanzine na Escola Aula 2 2ª parte Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014 O que é HQ? Histórias em quadrinhos são registros imagéticos que compreendem

Leia mais

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS Ana Letícia Vaz Pereira 1 Natália Canuto do Nascimento 2 Orientador Prof. Ms. Artarxerxes Modesto RESUMO: Este trabalho tem como objetivo analisar

Leia mais

BIBLIOTECA VIVA: PLANTANDO LEITURA, COLHENDO CIDADÃOS

BIBLIOTECA VIVA: PLANTANDO LEITURA, COLHENDO CIDADÃOS BIBLIOTECA VIVA: PLANTANDO LEITURA, COLHENDO CIDADÃOS Justificativa O Projeto de Extensão Biblioteca Viva: plantando leitura, colhendo cidadãos, aprovado no Edital Interno de Financiamento de Projetos

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

PESQUISA BIBLIOTECAS E LEITURA DIGITAL NO BRASIL. Análise sobre aderência e impactos sobre a leitura.

PESQUISA BIBLIOTECAS E LEITURA DIGITAL NO BRASIL. Análise sobre aderência e impactos sobre a leitura. PESQUISA BIBLIOTECAS E LEITURA DIGITAL NO BRASIL Análise sobre aderência e impactos sobre a leitura. Março/2014 O texto que segue apresenta uma análise descritiva dos resultados da Pesquisa Bibliotecas

Leia mais

Caracterização do universo popular regional nas histórias em quadrinhos de Maurício de Sousa: um estudo de caso da Revista do Chico Bento

Caracterização do universo popular regional nas histórias em quadrinhos de Maurício de Sousa: um estudo de caso da Revista do Chico Bento Caracterização do universo popular regional nas histórias em quadrinhos de Maurício de Sousa: um estudo de caso da Revista do Chico Bento 1. INTRODUÇÃO Universidade de Mogi das Cruzes Camila Franco de

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~ _áääáçíéå~ `ÉåíêçÇÉfåÑçêã~ çéoéñéêæååá~ DIRETRIZES PARA A SELEÇÃO E AQUISIÇÃO DE LIVROS, MONOGRAFIAS E SIMILARES PARA A BIBLIOTECA DA FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA/ USP 1. INTRODUÇÃO O fluxo crescente de

Leia mais

16 Matheus Vieira Fernando Alves

16 Matheus Vieira Fernando Alves Introducao Quando me propus a refletir sobre a aplicação do RPG na Educação, nunca pensei que escreveria sobre isso, muito menos que os escritos se transformariam num livro. Entretanto, quero tomar o cuidado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO VIDEIRA, JUNHO DE 2008 ERMELINA PIRES FERREIRA GISLAINE GONZALEZ SIRLEI MUNZLINGER

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

PROJETO TÉCNICO DA BIBLIOTECA DO FUTURO DO ESPAÇO CRIANÇA ESPERANÇA CANTAGALO, PAVÃO/PAVÃOZINHO SUMÁRIO

PROJETO TÉCNICO DA BIBLIOTECA DO FUTURO DO ESPAÇO CRIANÇA ESPERANÇA CANTAGALO, PAVÃO/PAVÃOZINHO SUMÁRIO PROJETO TÉCNICO DA BIBLIOTECA DO FUTURO DO ESPAÇO CRIANÇA ESPERANÇA CANTAGALO, PAVÃO/PAVÃOZINHO Este Projeto é uma contribuição, de autoria, da Chefe da Biblioteca Euclides da Cunha/Fundação Biblioteca

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A FORMAÇÃO DE LEITORES:

Leia mais

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE:

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: Encontro com o Livro no Colégio Coração de Maria Me. Maria Aparecida da Costa Bezerra - Bibliotecária escolar e universitária Resumo: O Colégio Coração de Maria proporciona

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA PROJETO TE VEJO NA ESCOLA Flávia Oliveira Machado 1 Isabela Mayara Cheida José Leonardo Gallep Maria do Carmo Palhaci (coordenadora) Maria Helena Gamas (coordenadora) RESUMO O projeto em questão visa a

Leia mais

HISTORIA EM QUADRINHO: NA BUSCA POR UMA APRENDIZAGEM PRAZEROSA

HISTORIA EM QUADRINHO: NA BUSCA POR UMA APRENDIZAGEM PRAZEROSA HISTORIA EM QUADRINHO: NA BUSCA POR UMA APRENDIZAGEM PRAZEROSA SOARES, Aparecida Rodrigues (1); SANTOS, Carlos Antonio Camilo dos (1); BARBOSA, Fernanda Monteiro (2); SOARES, Aparecida Rodrigues (1); Faculdades

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

O processo de criação de uma história em quadrinhos em sala de aula: um estudo de caso

O processo de criação de uma história em quadrinhos em sala de aula: um estudo de caso O processo de criação de uma história em quadrinhos em sala de aula: um estudo de caso Alberto Ricardo PESSOA 1 Resumo O objetivo deste artigo é apresentar um estudo crítico acerca do processo de produção

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SEQUÊNCIA

Leia mais

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA Educação Infantil METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA s s s Precisao e organizacao nos conceitos A agitação é a mesma. Com algumas adaptações ao espaço e ao tempo, a rotina e as histórias

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 2 Alegria do Esforço

Valores Educacionais. Aula 2 Alegria do Esforço Valores Educacionais Aula 2 Alegria do Esforço Objetivos 1 Apresentar o valor Alegria do Esforço. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Alegria do Esforço. Introdução As próximas aulas

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Biblioteca da Faculdade do Guarujá tem por objetivos: - Colaborar em pesquisas e projetos desenvolvidos pelo corpo docente e discente da Faculdade do Guarujá;

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 Justificativa do Projeto Conhecer o corpo humano é conhecer a vida, poucos assuntos são tão fascinantes para os alunos quanto esse. Por menores que sejam as crianças,

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO

CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO Londrina 2013 CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO Trabalho apresentado ao Curso de Especialização

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

INSTRUÇÃO N 2, DE 26 DE MARÇO DE 2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais,

INSTRUÇÃO N 2, DE 26 DE MARÇO DE 2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais, INSTRUÇÃO N 2, DE 26 DE MARÇO DE 2007 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais, APROVA: REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ECOLÓGICA INFANTIL MARIA DINORAH CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA ELAINE CRISTINA TOMAZ SILVA (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA). Resumo A Oficina Palavra Mágica de Leitura e Escrita, desenvolvida pela Fundação Palavra Mágica, é um

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Instituto Rubem Alves Plano Anual 2015

Instituto Rubem Alves Plano Anual 2015 Instituto Rubem Alves Plano Anual 2015 Proponente: Instituto Rubem Alves CNPJ nº 17.030.336/0001-08 Período: 01/01/2015 a 31/12/2015 Segmento: Patrimônio Cultural Preservação de acervos - Plano Anual Lei

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CAIXAS-ESTANTES PARA INCENTIVO DA LEITURA PARA ALUNOS DE 1ª À 4ª SÉRIES NA ESCOLA MUNICIPAL HENRIQUE VERAS

UTILIZAÇÃO DE CAIXAS-ESTANTES PARA INCENTIVO DA LEITURA PARA ALUNOS DE 1ª À 4ª SÉRIES NA ESCOLA MUNICIPAL HENRIQUE VERAS UTILIZAÇÃO DE CAIXAS-ESTANTES PARA INCENTIVO DA LEITURA PARA ALUNOS DE 1ª À 4ª SÉRIES NA ESCOLA MUNICIPAL HENRIQUE VERAS Andréa Collyer Neves Acadêmica do Curso de Biblioteconomia da UFSC Araci Isaltina

Leia mais

Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores

Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores Renata Cavalcanti Eichenberg PUCRS De acordo com Bruno Bettelheim (1980), a criança, à medida que se desenvolve, aprende passo a passo a

Leia mais

Projetos Integrados da Prática Docente: Literatura Infantil

Projetos Integrados da Prática Docente: Literatura Infantil 2015. 1 Projetos Integrados da Prática Docente: Literatura Infantil FACULDADE POLIS DAS ARTES Rua Tancredo Neves, 90 / 70 Jardim Pres. Kennedy Embu das Artes/SP Telefax: (11) 4782-4835 / 4244-2237 Professor:

Leia mais

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ TEMA PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES Educação para a Paz Aplicadores:

Leia mais

Produção de Histórias em Quadrinhos no Ensino de Química Orgânica: A Química dos Perfumes como Temática

Produção de Histórias em Quadrinhos no Ensino de Química Orgânica: A Química dos Perfumes como Temática Produção de Histórias em Quadrinhos no Ensino de Química Orgânica: A Química dos Perfumes como Temática Paloma Nascimento dos Santos 1 (FM)*, Kátia Aparecida da Silva Aquino 2 (PQ) 1 Secretaria de Educação

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

Projeto Kids ANO 2011 Nº 2 SÃO PAULO, 1 DE JULHO 2011 EDIÇÃO ESPECIAL. NESTA EDIÇÃO: Teatro com fantoches; Culinária; Passeio Circo da Mônica,

Projeto Kids ANO 2011 Nº 2 SÃO PAULO, 1 DE JULHO 2011 EDIÇÃO ESPECIAL. NESTA EDIÇÃO: Teatro com fantoches; Culinária; Passeio Circo da Mônica, No dia 12 de junho festejamos a nossa festa junina. Tivemos apresentação das danças, barracas de comidas típicas e de brincadeiras. A festa promoveu muita animação e solidariedade, toda verba arrecadada

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

O ENSINO DE ANALISE COMBINATÓRIA UTILIZANDO HISTÓRIA EM QUADRINHOS: UMA NOVA EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE ANALISE COMBINATÓRIA UTILIZANDO HISTÓRIA EM QUADRINHOS: UMA NOVA EXPERIÊNCIA O ENSINO DE ANALISE COMBINATÓRIA UTILIZANDO HISTÓRIA EM QUADRINHOS: UMA NOVA EXPERIÊNCIA Eugeniano Brito Martins Colégio Militar do Corpo de Bombeiros do Estado do Ceará CMCB-CE eugenianobm@yahoo.com.br

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa ELEIÇÕES ELEIÇÕES 5 0 a O - fu dame tal Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa PROJETOS CULTURAIS Estamos em época de eleições, em tempo de discutir ideias para fazer a melhor

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 Bibliotecário Emanuel Vieira Pinto CRB-5/1618 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 5

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVOS

1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVOS TÍTULO: PROJETO SALA DE LEITURA DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO AUTORES: Abinadá de Caldas da Silva e Ângela Cardoso Ferreira Silva e-mail: ângelacardoso@ligbr.com.br INSTITUIÇÃO: Universidade Federal da

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

Fundação Romi. Centro de Documentação

Fundação Romi. Centro de Documentação Fundação Romi Centro de Documentação Neste espaço os mais importantes períodos da história barbarense são pontuados, partindo dos povos primitivos, passando pela fundadora, a cana-de-açúcar, os impactos

Leia mais

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema 7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema PROJETO Livro Aberto por Ravel Andrade de Sousa JUSTIFICATIVA O trabalho descrito a seguir foi por mim realizado a partir do início do ano de 2009, na biblioteca

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1

Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1 Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1 Gabriela VICENTINO 2 Ivo STANKIEWICZ 3 Kelly Cristina SILVA 4 Mylena GAMA 5 Otávio Fernando LOPES 6 José Carlos FERNANDES 7 Pontifícia Universidade

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO Projeto escolar com a temática Livro Amigo produzido no ano de 2012, 2013 e em andamento em 2014, por todos os integrantes da escola e comunidade.

Leia mais

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio No segundo semestre de 1970, as revistas que publicavam fotonovelas no Brasil ocupavam o segundo lugar em tiragem e circulação, perdendo apenas para as revistas

Leia mais

A coleção supera as expectativas a cada ano. E isso é só o começo.

A coleção supera as expectativas a cada ano. E isso é só o começo. porta aberta Nova edição Letramento e Alfabetização 1º ao 3º ano A coleção supera as expectativas a cada ano. E isso é só o começo. 25385COL38 Os 3 volumes iniciais são voltados para a aquisição do sistema

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

Cartão postal. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Cartão postal. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Cartão postal CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

ARTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

ARTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL ARTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Ione Rossi Ribeiro Professora de Artes da APAE de Tupaciguara, graduada em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Uberlândia e pós-graduada em Educação Especial pelas Faculdades

Leia mais

FORMAÇÃO DE LEITORES: UM ESTUDO SOBRE AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. Mariana Oliveira dos Santos

FORMAÇÃO DE LEITORES: UM ESTUDO SOBRE AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. Mariana Oliveira dos Santos FORMAÇÃO DE LEITORES: UM ESTUDO SOBRE AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS Mariana Oliveira dos Santos Resumo: Tem como foco as histórias em quadrinhos (HQs) e sua contribuição para a formação de leitores. Trata-se

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) NA VISÃO DA ESCOLA PARTICIPANTE

AS CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) NA VISÃO DA ESCOLA PARTICIPANTE AS CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) NA VISÃO DA ESCOLA PARTICIPANTE ABREU, M. Francilina (Bolsista do PIBID- Pedagogia) Universidade Estadual Vale do Acaraú.

Leia mais