A GEOPOLÍTICA DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: O HOMEM DE FERRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GEOPOLÍTICA DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: O HOMEM DE FERRO"

Transcrição

1 A GEOPOLÍTICA DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: O HOMEM DE FERRO Guilherme Alves de Oliveira,Universidade Estadual Paulista- Faculdade de Ciências e Tecnologia Resumo A Humanidade sempre teve seus alicerces construídos paralelamente com a comunicação, onde o indivíduo, através de gestos e outros meios, pode expressar sua visão do mundo em sua respectiva época. A própria agregação entre as imagens e as letras facilita este processo de associação da imagem e a mensagem. Neste contexto, as histórias em quadrinhos se apresentam como um exemplo desta associação se complementando, visto que as mensagens transmitidas são os reflexos do panorama global, seja por meio de críticas, sátiras ou até mesmo os interesses de uma nação. Por meio de bases subjetivas, este trabalho tem o intuito de demonstrar as relações e contextos cujos personagens estão inseridos em uma escala global e as sucintas alegorias que os envolvem e refletem a realidade geopolítica presente nestas folhas que colorem as páginas do Iron man (Homem de Ferro), podendo assim, compreender a transmissão do contexto político por meio dos quadrinhos. Para tal foi realizado um levantamento bibliográfico, com base nas relações geopolíticas norte americanas, o conceito de hegemonia e o espaço político atuante, onde a personagem fora inserida, paralelamente, com leituras sobre a psicologia das cores, analogismos, símbolos e semiótica, e a cabível leitura dos quadrinhos disponíveis na produtora Marvel Comic s. Sendo assim pode-se encarar as leituras e o peculiar material presente no enredo das histórias em quadrinhos, como um termômetro das tensões geopolíticas de determinado período e a visão de uma nação sobre outras, expondo seus inimigos, dilemas sociais e políticos internos e muitas vezes seus objetivos, por meio de alegorias e simbolismos de uma maneira maniqueísta, para seu mais variado público alvo. Palavras-chaves: Quadrinhos, Geopolítica,Cultura, Hegemonia e Mensagem. Abstract Mankind has always had it's foundations built parallel to communication, where the individual, through gestures and other means, can express the worldview of their respective era. The aggregation of images and letters facilitate the process of association between the image and the message. In this context comic books stand as an example of this association being complemented, seen that the messages passed through are the reflections of the overall picture, whether through criticism, satire or even the interests of a nation. Through subjective bases, this work aims to demonstrate the relations and contexts in which the characters are inserted on a global scale and the brief allegories that involve and reflect the geopolitical reality presented in these papers that color the pages of Iron Man. In that way the transmission of the political context through the comics can be well understood. To do so, a bibliographic survey was conducted based on North American geopolitical relations, the concept of hegemony and active political space, where the character was inserted, along with readings about the psychology of colors, analogies, symbols and semiotics, and appropriate reading of comic books available from Marvel Comics. In that way it's possible to look at the readings and the peculiar material present in the plot of comic books, as a thermometer of geopolitical tensions in a certain period and the vision of a nation over others, exposing their enemies, internal political and social dilemmas, and often, their goals, through allegory and symbolism in a manichean way, for it's widely varied target audience.

2 Keywords: Comics, Geopolitic,Culture, Hegemony and Message 1.Introdução Este artigo tem como intuito atribuir um caráter perceptivo do poder estadunidense e as tensões geopolíticas, demonstrando as relações e contextos cujos personagens das histórias em quadrinhos estão inseridos em um panorama político global. Em 1961 o cosmonauta russo Iury Gagarin foi o primeiro homem à circular pelo espaço. No mesmo ano, cerca de 4 meses depois, surgem no mundo dos quadrinhos quatro astronautas estadunidenses que realizam uma viagem inter-espacial e são atingidos por raios cósmicos que dão-lhes poderes dando origem ao Quarteto Fantástico. Este processo criativo não foi nada mais que uma réplica estadunidense à corrida espacial, pouco tempo depois do feito de Gagarin, como tentativa de mascarar as falhas americanas e enfatizar os desacertos russos. Surge também um vilão conhecido como Fantasma Vermelho, cuja história se baseia em um russo que vai ao espaço com a intenção de seguir os passos do Quarteto Fantástico, falha e adquire poderes iguais, porém, inferiores aos dos heróis. Paralelamente, no mesmo período histórico, a corrida armamentista e a própria Guerra Fria se articulam até a década de 90, surge um novo herói; o Homem de Ferro (1963), Que dentro do universo das histórias em quadrinhos 1 da Marvel Comic s 2 é de grande relevância, sendo da mesma proeminência, o período no qual o mesmo fora inserido, seus inimigos e as adaptações e ajustes que o mesmo sofreu á nova realidade geopolítica. Podemos assim observar como e de qual maneira os quadrinhos e seus protagonistas se desdobram sobre as relações e tensões políticas vigentes de cada período e de cada Estado, trazendo a realidade dos leitores abordagens teóricas sobre o contexto político, as escolhas de características dos heróis e antagonistas por meio de analises semióticas e a própria reflexão de ideais na protagonista da história, no caso, o Homem de Ferro. 2. Material e Método O referencial bibliográfico constituído por dicionários de política para a fixação e orientação sobre diferentes conceitos, livros de política e geopolítica; sendo abordados como 1 Histórias em Quadrinhos minimizado na sigla HQ s. 2 Marvel Comic s: editora responsável pela produção dos quadrinhos.

3 um aporte teórico na construção e apreciação dos fenômenos nos quais as personagens se inserem, livros de semiótica, símbolos e signos; para dispor de uma melhor visualização crítica sobre as alegorias temáticas, e por fim, mas não menos importante, leituras sistemáticas dos quadrinhos do Homem de Ferro; com o intuito de captar as relações políticas e geopolíticas presentes no enredo da história da personagem, além de determinadas alegorias carregadas de simbolismos e significâncias. Primeiramente foram realizadas leituras de aporte teórico onde a temática do evento fora exaltada, como por exemplo, o contexto da Guerra Fria pelo ponto de vista do socialismo e também pelo ponto de vista da manutenção do capitalismo, para uma melhor projeção e compreensão dos conceitos o uso de dicionários de política veio a ser recorrente, logo, vem surge à necessidade da adequação de uma personagem das HQ s a temática da Guerra Fria e sustentação do sistema capitalista, e por apresentar um tendencionismo e conhecimento sobre a personagem, foi dado inicio as leituras dos quadrinhos do homem de ferro. Com as leituras já em progresso, veio à necessidade e tentativa de captar as alegorias e simbolismos presentes nos quadrinhos, para isto deu-se a leitura de livros com a temática de semiótica, tornando assim capaz o aprofundamento em novas visões sobre o objeto. Como conseqüência deste processo produtivo veio à contribuição do autor que de maneira intrínseca realiza comentários e associações entre a relação dos quadrinhos refletindo a sua concepção da realidade geopolítica do período vigente, sob a visão norte-americana, com base em seu aporte cultural e teórico. Trazendo assim à tona a obra na qual iremos discorrer em questão. 3. Resultados e Discussões 3.1 Origem e contexto do Homem de Ferro. Nosso herói, o Homem de Ferro, fez sua primeira aparição na revista tales of suspense #39 de 1963, inspirado no milionário estadunidense Howard Hughes, que veio a ser relembrado no longa-metragem o aviador, Antony Edward Stark (Tony Stark), o homem de ferro nada mais era que um cientista, que com o falecimento do pai, herdou uma herança bilionária e a indústria armamentista Stark Industries. O enredo não obstante do contexto político atuante, se estrutura em plena guerra do Vietnã, Tony Stark então vê uma oportunidade de expandir seu capital vendendo armas para os Estados Unidos, ampliando também o poderio militar da nação. Como DIAS JÚNIOR & ROUBICEK (1986, p.52) relatam:

4 [ ] o envolvimento dos Estados Unidos seria cada vez maior: em 1964 havia 148mil soldados americanos na região; esse número saltaria para 389 mil em 1966, para 436 mil em 1967 e para 516mil em Além disso, novas armas- entre as quais as terríveis bombas incendiárias napalm passaram a ser usadas em ataques tanto aos guerrilheiros vietcongues quanto a população civil. Respondendo assim o envolvimento da personagem cada vez mais progressivo da personagem neste contexto, tanto no cunho militar como no cunho cultural no lado de fora das HQ s. Voltando ao roteiro, logo, Stark já se encontrava em solo vietcongue realizando demonstrações de seus armamentos ao exército estadunidense, e em sua primeira visita ao Vietnã o mesmo acaba por cair em uma armadilha e estilhaços de uma bomba o ferem gravemente no coração. Stark então fora capturado por vietcongues que o levaram até seu líder, Wong Chu. Sabendo de quem se tratava, Wong Chu impõe a Stark que o mesmo construa uma poderosa arma de guerra e feito isto seu coração seria operado. Então Stark juntamente com outro cientista chamado Ho Yinsen, capturado no Vietnã do Sul, Produzem um aparelho que possa manter Stark vivo, então surge à primeira armadura do Homem de Ferro. Posteriormente Yinsen é morto gerando uma fúria incontrolável de Stark, fazendo com que agora, o armadurado bilionário ponha fim no reinado de terror de Wong Chu. Com o seu objetivo completo Stark retorna ao seu Estado-nação, onde agora se vê capaz de auxiliar o seu país de uma maneira direta, criando novas armaduras e sendo dado como o defensor da justiça. Com isto podemos conotar que Stan Lee 3 e Lerry Lieber 4 foram perspicazes ao criar este novo herói neste contexto, Porém o homem de ferro veio com o intuito de ser uma válvula de escape sobre a temática da Guerra Fria, Alego o fato pela própria afirmação de Stan Lee em meados de 2007, alegando que anteriormente outros heróis foram utilizados para ilustrar a temática, como por exemplo, o Homem-Aranha ao enfrentar o espião Russo, Dimitri Smerdiakov cujo codinome era Camaleão, Porém a repercussão não foi tão positiva devido ao próprio psicologismo não tão politizado da personagem Homem-Aranha. 3 Stanley Martin Lieber fora o roteirista do Homem de Ferro. 4 Larry Lieber fora o editor,roteirista e produtor do Homem de Ferro.

5 Eis que então surge o momento propício para os quadrinhos do Homem de Ferro, chegando até a obter apoio e financiamento de companhias como a Royal Dutch Shell. Surgindo neste contexto, com um slogan direto com Only an iron man to break the iron curtain 5 a própria capa da primeira aparição do Homem de ferro, abaixo (Fig.1) torna explícito o seu propósito com a frase; He Lives!, He Walks!, He Conquer! (Ele vive!,ele anda!,ele conquista!) Fig1: Primeira aparição do homem de ferro. Fonte: Acessado em: 06/08/11 No período que conotado anteriormente, como a Guerra do Vietnã, a presença de outros muitos outros heróis foi intensa. Sobretudo a do homem de ferro, que foi criado neste período, vale à pena ressaltar que, todos os inimigos da personagem eram de nações inimigas ao Estado e da manutenção do sistema capitalista, devido ao apóio logístico prestado durante a guerra do Vietnã por parte da URSS 6, China e Coréia do norte, dando origem a inimigos nos quadrinhos como, por exemplo: Dínamo Escarlate, Homem de Titânio, Mandarim, dentre 5 Somente um homem de ferro para parar a cortina de ferro 6 União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS)

6 outros. Sempre apresentando algum tipo de resistência à expansão, cultural, militar e do próprio sistema Estadunidense. O alentando com: Os americanos devem entender que apoiar a supremacia dos Estados Unidos equivale a dar um impulso à justiça internacional que nenhum outro povo é capaz de dar. Também equivale a uma expansão dos interesses nacionais e daquilo que se pode chamar de espírito americano. (NYE,J.2002,p. 18) Baseado na citação vale à pena ressaltar que desde a 2º Guerra Mundial, todas as guerras cuja participação estadunidense era ativa, a presença das HQ s era evidentemente ampla. Com embasamento em leituras pode-se concluir que no caso da Guerra do Vietnã, o público alvo principal, jovens estadunidenses, acaba por ser recrutado à guerra, Imaginem que entre aquele crescente contingente de soldados norte americanos citado anteriormente, aproximadamente, 35% compreendesse a faixa etária de 18 á 25 anos, e cresceram com as HQ s em seu cotidiano, e agora vivem uma realidade de trincheiras, e uma das principais válvulas de escape entre uma investida e outra, seriam as HQ S presentes nos frontes e acampamentos. Fazendo com que o próprio enredo passe a se estruturar num nacionalismo Norte americano, demonstrando a vitória da nação e a glória dos militares, isto, além do financiamento da Shell reduzindo o custo da produção de grande parte das revistas, sobretudo da Marvel Comic s. Reforçando com o seguinte trecho: Nesse sombrio contexto, qual é a responsabilidade da cultura? Os Estados Unidos continuam sendo referência e os pioneiros na cultura de massa, quer se trate de esporte,world music,séries de televisão,programas de informação ou parques de lazer.assumindo pelos homens de negócio,o modelo cultural derrapou no insignificante,sensacional ou vulgar. (RAMONET,Ignácio.1998,p.133) Entende-se então, que os quadrinhos possuem um caráter disseminador de ideologias e manutenção do Estado e articulador de um poder brando, o que influi no caráter principal da hegemonia estadunidense, por meio da dissipação cultural de um american way of life aplicado aos tempos modernos. Sendo neste trabalho relacionado com as HQ s do Homem de Ferro, vistas como meio de transmissão á todos os leitores, uma transmissão da realidade americana, por meio de sua cultura e anseios políticos, mas deve-se ressaltar que as críticas ao consumismo e dilemas políticos do Estado e sociais da população são comumente retratados

7 em simples páginas coloridas, como por exemplo; drogas, consumismo, ausência de segurança e neste caso, o alcoolismo (Fig. 2). Fig 2 : Tony Stark sendo vítima de seu vício. Fonte: Acessado em: 09/08/11 O Hard Power, exercido através do próprio poderio militar americano foi um dos três pilares de sustentação da hegemonia, hoje aplicado às guerras cujo país se envolve, Abordado aqui como a própria figura do Homem de Ferro, como uma armadura praticamente indestrutível munida de armas defendendo sua indústria, O Estado e suas ações, sendo notoriamente visível a antiga e memorável, política do Big Stick de Theodore Roosevelt; "fale com suavidade e tenha à mão um grande porrete", onde o herói se enquadra como a polícia do Mundo. Um exemplo nítido está presente no próprio discurso da personagem: Dizem que a melhor arma é aquela que você nunca tem que disparar. Eu prefiro a arma que você só tem que disparar uma vez. É o que papai fazia, é o que América faz, e tem funcionado bem até agora. (Tony Stark,1982) Discurso este que pode nos remeter também a uma crítica dos roteiristas aos ataques nucleares ao Japão em seis de agosto e nove de agosto de A transmissão ideológica é extremamente bem implantada, desde o Hard Power, onde o inimigo sempre deve ser nítido, e as HQ s não fogem da conjuntura no qual são produzidas

8 e o homem de ferro torna isto nítido, visto que seus inimigos foram a URSS, Comunistas e expansionistas, e nos tempos mais atuais o Terrorismo, dado que o próprio filme Iron Man de 2008, veio com uma atualização visto que agora Tony Stark não vai para o Vietnã e sim para um local cuja paisagem nos remete ao oriente médio, para ser mais preciso o Afeganistão, sendo os rebeldes caracterizados por pesados estereótipos. Demonstrando que enquanto houver conflito, haverá inimigos, e estes devem estar cada vez mais fulgentes, discorreremos melhor sobre o tema que circunda os vilões no próximo tópico, abordando suas origens e interações com nosso herói de ferro. A resposta ao bandeamento desta hegemonia, nas HQ s se dá através de uma maior intimidade com os aliados econômicos, e os heróis estadunidenses, como responsáveis pelo fim dos males das nações aliadas ou submissas ao manto de ferro nos quadrinhos,no próprio filmes também vemos o homem de ferro livrando a população afegã dos males dos rebeldes, um fragmento que nos faz refletir perante a situação é o seguinte: Ora, Os Estados Unidos não poderiam assistir a tudo isto passivelmente; cabia ao país uma responsabilidade moral correspondente à sua posição de liderança: a de enfrentar decididamente a ameaça vermelha DIAS JÚNIOR & ROUBICEK (1986, p. 22) Levando assim, há uma aproximação dos demais países com os Estados Unidos por meio de uma simples leitura dos jovens que um dia irão amadurecer e desenvolver seus próprios conceitos sobre a própria política global, como no caso deste trabalho. Nota-se até aqui que as HQ s vão além de sua função de entretenimento, trabalhando também como um termômetro geopolítico dos interesses de uma nação, repercutindo em folhetos coloridos carregados de alegorias sejam elas de manutenção do status quo ou críticas ao próprio Estado. 3.2 Os principais vilões. Dentre os vilões, têm-se, sobretudo Comunistas, russos e questionadores da manutenção estadunidense, assim como afirma MOODIE (1965, p. 66): Não obstante, a política externa de um Estado é, via de regra dominada por um ou mais aspectos das suas relações com outros Estados. E são alguns destes aspectos que iremos observar nas personagens a seguir, exaltando sua relação com nosso protagonista de ferro. Monge de ferro

9 Iron Monger no inglês, também conhecido como Obadiah Stane, é o vilão tecnológico de um herói tecnológico. Stane possui um passado conturbado envolvendo a morte dos pais e uma vida de solidão. Devido a isto desenvolveu métodos de percepção e manipulação das pessoas com o intuito de estudar suas fraquezas e intenções. Ainda quando criança se tornou exímio no xadrez, tentativa aqui que podemos correlacionar com o próprio histórico de uma Guerra Fria nos tabuleiros dado que os Estados Unidos e a URSS, na maioria das vezes disputavam as finais e a vitória da União soviética era ininterrupta desde 1948, e permanecera assim por mais 24 anos, até que em 1972 a vitória foi Estadunidense,quando mantiveram o título de campeões mundiais por três anos,perdendo o título novamente para a URSS. Este breve levantamento permite nos posicionar em relação ao próprio nacionalismo como uma personagem estadunidense surgindo em 1982 sendo representada como um gênio dos tabuleiros, podendo associá-lo a instigação de jovens a desenvolver o gosto pelo xadrez. Reforçando com as palavras de COELHO (1980, p.70): Toda indústria cultural vem operando com signos indiciais e, assim, provocando a formação de consciências indiciais. Sobre o conceito indústria cultural Stane quando adulto, cria sua própria indústria de munição de armas, que se torna sócia da Stark industries, após conflitos onde Obadiah negocia munições com concorrentes de Stark e nações inimigas, eles rompem sua sociedade, e inconformado Stane rouba o projeto de uma das armaduras de Stark, Criando assim o Vilão Concorrência de ferro. Mandarin Esta Personagem fora lançada em 1964, era filho de uma inglesa e de um nobre chinês, desde pequeno demonstra aptidão para com a ciência, porém com a Revolução Comunista chinesa, retratada nas HQ s com extrema violência, de maneira nenhuma colocando que o evento foi pacífico, dado as 300 mortes e os aproximados oficiais desaparecidos. Mandarin então se refugia no vale dos espíritos, onde passa a ter contato com uma cultura alienígena e sai em busca de seus 10 anéis dos poderes. Nas HQ s,mandarin é retratado como um expansionista, dado que seu objetivo é a conveniente conquista do Mundo. Estranho pensar que até mesmos os roteiristas temiam já 1964 uma expansão da China. A própria relação da economia global atual moldou esta personagem que hoje é retratada como um empresário chinês, e em outras ocasiões um lunático que visa a dominação global.

10 Dínamo Escarlate Surge em 1963, trata-se de uma armadura criada pelo russo; Anton Vanko,que após sua morte veio a ser utilizada por mais 10 pessoas, sobretudo membros da KGB 7.A armadura surge quando Vanko é exilado pelo governo Soviético, transferindo para Sibéria, onde desenvolve a armadura cujo objetivo era derrotar o homem de ferro,demonstrando a superioridade tecnológica soviética e consequentemente tornar o mundo vermelho. Obviamente podemos acreditar que o homem de ferro nunca fora derrotado e que a própria figura da personagem do Dínamo escarlate se baseava na URSS apresentando uma ameaça invadindo nações e causando o terror. Que não obstante sempre será derrotado pelo homem de ferro, que ira trazer a paz à nação e ao povo molestado pelo comunismo. Homem de titânio Em 1965, surge na figura de Boris Bullski, alto membro do exército comunista, que ao chegar à Sibéria, obriga alguns cientistas que posteriormente trabalharam com Vanko a construírem uma armadura para o mesmo, Eis que então surge uma armadura grande e desengonçada que não foi párea para o nosso vingador rubro dourado. O objetivo de Boris também era simples, Ser capaz de derrotar o popular vingador americano e, consequentemente, desacreditá-lo aos olhos do ocidente. O cúmulo para nosso vilão foi quando a URSS se desfez e sua Nação se abria cada vez mais aos valores ocidentais. Logo temos aqui novamente o embate tecnológico e armamentista presente em toda Guerra Fria, além da análise sobre o comportamento de soviéticos conservadores como um empecilho do progresso. 3.3 Signos, símbolos e alegorias. Constantemente somos atingidos por uma diversa gama de informações, e nestas próprias informações temos determinadas significâncias, geralmente um simples detalhe que prende a nossa atenção, seja no consciente ou no psicológico. E não tão longe disso os quadrinhos trabalham com esse quesito, sobretudo pelo uso constante de cores e contrastes. Mas como esses símbolos podem estabelecer um paralelo com a geopolítica dos quadrinhos? SANTAELLA(1983,p.2) abre espaço para essa relação: 7 Komitet Gosudarstvennoi Bezopasnosti,(KGB) traduzido para o português como Comitê de Segurança do Estado

11 ..E claro que no sistema social em que vivemos estamos fadados a apenas receber linguagens que não ajudamos a produzir, somos bombardeados por mensagens que vem à inculcação de valores que se prestam ao jogo de interesses dos proprietários dos meios de produção de linguagem e aos não usuários. Para Adorno (1975) O termo Indústria cultural é aplicado à redução da humanidade, impedindo com que o indivíduo seja autônomo, capaz de decidir independentemente suas escolhas devido a uma ideologia pré-imposta. Sendo assim, os tipos de linguagem são o Mundo e nós estamos inseridos neste mar de informações, suscetíveis e vulneráveis a qualquer tipo de transmissão de informação. Sendo assim, alguns desses sistemas semióticos de símbolos e signos serão brevemente levantados aqui e sempre correlacionados aos quadrinhos (Fig.3). Fig. 3: Principais alegorias no Homem de Ferro Fonte: *Editado Acessado em: 08/08/11 A armadura: Trás consigo a idéia de proteção, honra e força. Dado que o homem dentro dela exerce a função de abalançar a vida pelo seu ideal. Nesse contexto temos a primeira alegoria do nosso Homem de Ferro; Empresário bélico, que coloca sua vida em risco pelo seu ideal, A manutenção de sua indústria e a hegemonia do sistema capitalista. A máscara: Vem com a idéia de ausência de identidade e transformação do indivíduo.

12 Sendo assim, temos então, um Super Herói que luta contra a desordem dada pela não hegemonia estadunidense e/ou do capitalismo, podendo tomar qualquer forma, visto que qualquer indivíduo pode vir a se imaginar na figura do Homem de Ferro, obter sua força, inteligência, fortuna, e encarar suas aventuras anticomunistas. Os círculos: Sempre estão associados à figura do vingador de ferro, geralmente representando a figura de perfeição e evolução. E por que não menos à figura do nosso herói? Uma maquina perfeita, invejada a ponto dos vilões cientistas soviéticos terem como objetivo apenas derrotá-la e desmoralizá-la aos olhos do ocidente. O vermelho: Cor que sempre vem a estar exaltada no Homem de Ferro e em grande parte dos heróis da Marvel, se associa ao poder, vitalidade e confiança em si. Podemos especular se houve ou não um tendencionismo para a mudança de cores do Homem de Ferro, que fora anteriormente cinza, sendo suprido especialmente pelo vermelho, dando a figura de Tony Stark,um simples homem corporativo,poder e coragem suficiente para lutar por seus objetivos,ainda que fossem mais orientadores da ordem de um sistema. O amarelo: Cor secundária na figura do nosso herói, vem a representar a contribuição para a felicidade por estar associada ao ouro e ao sol. Sendo assim na conjuntura política presente na Guerra Fria, por que não trabalhar com uma figura que represente a felicidade e ao mesmo tempo o poder? Vendo uma figura de manutenção de algo superior, do que um simples regime coletivo de paz e amor, estando associado com a suavidade e repressão conforme a política do Big Stick que exaltamos anteriormente. Este breve olhar sobre as características de símbolos, signos e da adequada semiótica, podemos conotar e correlacionar à escolha ou não da aplicabilidade destes sistemas, mas é cabível uma dose de bom senso, caso contrário até mesmo uma simples conjunto de cores aleatórias, pode vir a ser relacionados como o prelúdio da crise do sistema vigente quando interpretados de maneira errônea ou conspiratória. 4. Considerações Finais Provocamos neste breve trabalho uma relação entre o paralelo do mundo das HQ s e do Mundo politizado em qual vivemos, e o nosso introdutor na intersecção entre estes dois mundos foi nada mais, nada menos que o Homem de Ferro. No discorrer da narrativa, tentou-se levantar aspectos que envolveram toda uma relação política de um período histórico marcante e não tão distante, onde duas potências, dois sistemas, tentavam se sobrepor um sobre o outro até a conquista de uma hegemonia. Sendo assim foram

13 usados diferentes meios de conquista e manutenção desta prevalência de sistema, e a figura do próprio Homem de Ferro fora usada como um exemplo quando tratamos dos meios de veiculação de imagem e mensagem. Devemos ressaltar que a opinião do autor foi a que prevaleceu neste trabalho, o ponto de vista de um indivíduo que não viveu diretamente o período, não teve medo de que a qualquer momento no horizonte, cogumelos atômicos surgissem declarando o fim ou inicio de uma nova era, será que vem a ser pertinente?penso que tudo vale a pena afinal, as pessoas que viveram estes medos criam as próximas gerações com dados de sua vivência, além de que a própria história trilha determinados caminhos que ao tentarmos olhar para um futuro ou até mesmo para o agora, podemos relacionar com o caminho já trilhado, agregando cada vez mais materiais e informações sobre diferentes experiências já vividas às nossas. As HQ s da Marvel foram e ainda são presentes no cotidiano de muitas gerações, Stan Lee, Lerry Lieber e outros membros da Marvel Comic s, são os responsáveis por uma transmissão de informações para esta gama etária de público. Sempre conduzindo aos seus traços todas as dinâmicas e relações maniqueístas ou não, criticas ou não, políticas ou não,à todos que tiverem gosto e disposição à leitura dos quadrinhos. Logo, podemos conotar que as histórias em quadrinhos, vão muito além de sua função de entretenimento, sendo abordados temas que vem a envolver conflitos sociais e políticos, e sempre se adequando às transformações dos mesmos, se adaptando a dinâmica geopolítica atuante. Sendo assim ricas fontes de análises, para que possam surgir críticas, debates e até mesmo uma aproximação entre os leitores. E no cunho da própria geografia, elaboramos uma analise crítica aqui sobre a personagem levantando conceitos geopolíticos, sociais e até mesmo passando brevemente sobre conceitos de semiótica, Com o intuito de construir uma Geografia Crítica. Por fim, penso que devemos encarar em geral, de maneira mais madura esses simples traços coloridos, atribuindo aos mesmos a devida seriedade pela propriedade de seu conteúdo. 5. Referencias bibliográficas: COELHO, T. O Que é Indústria Cultural. São Paulo : Brasiliense.1980 DIAS JÚNIOR, José Augusto & ROUBICEK, Rafael. Guerra Fria: A era do medo. São Paulo: Ática MOODIE,A. E. Geografia e Política.Rio de janeiro:1965.

14 NYE,Joseph S. O Paradoxo do Poder Americano.São Paulo:Unesp,2002. RAMONET,Ignácio.Geopolítica do Caos.Petrópolis :Vozes,1998. SANTAELLA,L. O que é Semiótica.São Paulo: Brasiliense Bibliografias e sites consultados: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Brasília :UnB O CONNEL,M. O Grande Livro dos Signos & Símbolos,V.2.São Paulo: Escala Oliveira,A.G. A Hegemonia em folhas, Presidente Prudente

UTILIZAÇÃO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHO NO ENSINO DA GEOGRAFIA.

UTILIZAÇÃO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHO NO ENSINO DA GEOGRAFIA. UTILIZAÇÃO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHO NO ENSINO DA GEOGRAFIA. André Luiz das Chagas Barbosa, Instituto Federal do Pará- Campus Belém ( IFPA), andrebarbosa-geo@hotmail.com Resumo: Os quadrinhos são uma forma

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana GUERRA DO VIETNÃ Após o fim da Guerra da Indochina (1954), Vietnã é dividido na altura do paralelo 17: Norte: república

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

Geografia. Exercícios de Revisão II. 1) (UFRJ) O mapa a seguir mostra a presença da força armada norte-americana no mundo, em outubro de 1994:

Geografia. Exercícios de Revisão II. 1) (UFRJ) O mapa a seguir mostra a presença da força armada norte-americana no mundo, em outubro de 1994: Nome: n o : E nsino: S érie: T urma: Data: Prof(a): Médio Diogo 2 a Geografia Exercícios de Revisão II 1) (UFRJ) O mapa a seguir mostra a presença da força armada norte-americana no mundo, em outubro de

Leia mais

DGD. Documento de Game Design SPACE WAR. Game FACULDADE SENAC GO. Prof.: Lucília Ribeiro. Alunos: kqgames

DGD. Documento de Game Design SPACE WAR. Game FACULDADE SENAC GO. Prof.: Lucília Ribeiro. Alunos: kqgames DGD Documento de Game Design Game SPACE WAR FACULDADE SENAC GO Prof.: Lucília Ribeiro Alunos: kqgames Ricardo Dias de Melo Henrique Dias de melo Pedro Augusto Villain de Miranda Matheus Conti Azevedo HIGH

Leia mais

a) 50% dos países participantes da Copa estão envolvidos em uma guerra. Cite apenas um.

a) 50% dos países participantes da Copa estão envolvidos em uma guerra. Cite apenas um. Questão 1: A Copa do Mundo é mais do que um evento esportivo. Sua realização e seus participantes estão inseridos no mundo globalizado, do qual não deixam de ser um retrato. Atualidades Vestibular -1º.

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

GUERRA FRIA 1945 1991

GUERRA FRIA 1945 1991 GUERRA FRIA 1945 1991 Guerra Fria 1945-1991 Conceito: Conflitos políticos, ideológicos e militares (indiretos), que aconteceram no pós guerra entre as duas potências mundiais EUA e URSS entre 1945-1991.

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Vítor Quartezani 1 Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Trabalho de Conclusão de Curso em Forma de Projeto

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Causas da Hegemonia atual dos EUA Hegemonia dos EUA Influência Cultural: músicas, alimentações, vestuários e língua Poderio Econômico: 20% do PIB global Capacidade Militar sem

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar A GUERRA FRIA 1. Conceito Conflito político, econômico, ideológico, cultural, militar entre os EUA e a URSS sem que tenha havido confronto direto entre as duas superpotências. O conflito militar ocorria

Leia mais

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos.

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos. O USO DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO RECURSO DIDÁTICO- PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E LITERATURA Edna Antunes Afonso João Paulo da Silva Andrade 1 Resumo: Este trabalho parte de pesquisas através

Leia mais

Guerra Fria. Geografia - Prof. Marcos

Guerra Fria. Geografia - Prof. Marcos Guerra Fria Geografia - Prof. Marcos CONCEITO Denominamos Guerra Fria o período histórico caracterizado pela disputa política-ideológica e seus desdobramentos (econômicos, militares, tecnológicos, territoriais...)

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 9º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

Do mundo multipolar para o. bipolar da Guerra Fria

Do mundo multipolar para o. bipolar da Guerra Fria Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria Geografia - 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Ordem Multipolar As potências industriais disputam hegemonia cultural, econômica e política no cenário

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu A diferença entre marketing, propaganda e publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu Communication and social media specialist, passionate tech journalism and Noah's Dad A comunicação

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 08 DE FEVEREIRO PALÁCIO DO ITAMARATY

Leia mais

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã 1. As mudanças no panorama internacional representadas pela vitória socialista de Mao-Tsé-tung na China, pela eclosão da Guerra da Coréia e pelas crescentes

Leia mais

República Popular Chinesa (1912-1949)

República Popular Chinesa (1912-1949) China atual Revolução Chinesa Primeiro momento (1911): revolução nacionalista contra neocolonialismo, liderada por SunYat-sen e fundador do Kuomitang (Partido Nacionalista) Segundo momento (1949): revolução

Leia mais

Palavras-Chave: Educação; Estágio Supervisionado; Prática de Regência; Realidade da Educação.

Palavras-Chave: Educação; Estágio Supervisionado; Prática de Regência; Realidade da Educação. PERCEPÇÕES ESTABELECIDAS ATRAVÉS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Il: A SALA DE AULA E SUAS ESPECIFICIDADES Tarcisio Santos Souza- UESC tarcisio_palito@hotmail.com Deborah Laís

Leia mais

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum?

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum? A Busca Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas em livros e filmes podemos encontrar uma trama em comum? Alguém, no passado, deixouse

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

O III REICH COMO VITRINE DAS TEORIAS GEOPOLÍTICAS CLÁSSICAS: Os fundamentos de Ratzel e Haushofer.

O III REICH COMO VITRINE DAS TEORIAS GEOPOLÍTICAS CLÁSSICAS: Os fundamentos de Ratzel e Haushofer. O III REICH COMO VITRINE DAS TEORIAS GEOPOLÍTICAS CLÁSSICAS: Os fundamentos de Ratzel e Haushofer. Fabio Ferreira Ramos 1529 vivalafabio@hotmail.com GERES/Geografia - Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG).

Leia mais

Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29

Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29 Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29 Revolução Russa de 1917 A Revolução Russa de 1917 foi uma série de eventos políticos na Rússia, que, após a eliminação da autocracia russa, e depois do Governo

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC 45 4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC A tecnologia ligada à acessibilidade ajuda a minimizar as dificuldades encontradas entre pessoas com deficiências ao acesso a diversos formatos de informação. Do

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

Guerra da Coreia: 1950-53

Guerra da Coreia: 1950-53 Guerra da Coreia: 1950-53 Esteve dominada pelo Japão durante a segunda guerra e foi dívida entre norteamericanos e soviéticos em 1945, na conferência de Yalta, pelo paralelo 38. Essa divisão era provisória

Leia mais

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE TEATRO ESPÍRITA... 2 A VISÃO GERAL... 2 EXERCÍCIOS TEATRAIS DRAMATICIDADE COM ESPIRITUALIDADE... 2 DIREÇÃO TEATRAL... 3 O

Leia mais

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS Ana Letícia Vaz Pereira 1 Natália Canuto do Nascimento 2 Orientador Prof. Ms. Artarxerxes Modesto RESUMO: Este trabalho tem como objetivo analisar

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

Onde bate hoje o coração da paz?

Onde bate hoje o coração da paz? Homilia de Ano Novo 2008 Onde bate hoje o coração da paz? António Marto Catedral de Leiria 1 de Janeiro de 2008 Paz do coração e paz civil: a bênção da paz Na porta de entrada deste novo ano de 2008, que

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA CAVALHEIRO, Kaline (UNIOESTE G/Pibic - CNPq) DIAS, Acir (UNIOESTE Orientador) RESUMO: O presente trabalho tem como objeto o estudo da cultura, mitos e imagens presentes

Leia mais

ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08

ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08 ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08 1-Na fase Pós-Guerra emergiram e se consolidaram dois grandes blocos rivais, liderados pelos EUA e a URSS, originando a Guerra Fria.

Leia mais

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Corrida Espacial REVOLUÇÃO CHINESA Após um longo período de divisões e lutas internas,

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA SANTOS, Jéssica Paula. UFG/REGIONAL/CATALÃO jessica-g-ts@hotmail.com SANTOS, Marina da Silva. UFG/REGIONAL/CATALÃO marinaavlis@hotmail.com Orientador: Dr.ª

Leia mais

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido.

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido. Confronto entre os aliados, vencedores da 2ª Guerra: Inglaterra, França, EUA e União Soviética. Acordo pós-guerra definiria a área de influência da URSS, onde estavam suas tropas (leste europeu). Conferência

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas 1 Sumário I II V Porque monitorar? O que monitorar? Onde monitorar? Como engajar? 2 Por que Monitorar? 3 I II V Nas mídias sociais

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO

IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO 27 Introdução CONEGLIAN, Flavio Marcelo MONASTIRSKY, Leonel Brizolla Considerando que os modos de vida do rural e do urbano

Leia mais

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fernando José de Almeida Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Casamento não significa felicidade automática e garantida. Isso só acontece

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Ideias e ações políticas? Mãos à obra! Você sabe precisar quando a infância termina para dar lugar à adolescência? Mudanças físicas

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 África: Colonização e Descolonização H40 2 Terrorismo H46 3 Economia da China H23 4 Privatizações

Leia mais

Eunice Isaias da Silva Orientadora professora de Geografia do Centro de Pesquisa Aplicada à Educação (Cepae-UFG).

Eunice Isaias da Silva Orientadora professora de Geografia do Centro de Pesquisa Aplicada à Educação (Cepae-UFG). APRESENTAÇÃO Este trabalho é resultado do projeto de pesquisa intitulado As tiras da Mafalda: conteúdos de Geografia na linguagem de quadrinhos 1 que investiga as várias possibilidades de uso de tiras

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Me. Tony Aparecido Moreira FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente SP tony.educ@gmail.com Comunicação Oral Pesquisa finalizada

Leia mais

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Juliana Pereira DULTRA 2 Cintia MOLETA 3 Larissa Kiefer de SEQUEIRA 4 Roberto Corrêa SCIENZA 5 Fernanda

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Game Design: A segurança da humanidade em suas mãos

Game Design: A segurança da humanidade em suas mãos Game Design: A segurança da humanidade em suas mãos Todos Direitos Reservados 2013 Bruno Ruaro Confortin Versão # 1.01 22/04/2013 Índice 1. INTRODUÇÃO 4 2. VISÃO GERAL DO JOGO 5 QUANTO AO TIPO DE OBJETOS

Leia mais

O matemático israelense, vencedor do Prêmio Nobel de Economia em 2005, usa a Teoria dos Jogos para analisar o Conflito no Oriente Médio.

O matemático israelense, vencedor do Prêmio Nobel de Economia em 2005, usa a Teoria dos Jogos para analisar o Conflito no Oriente Médio. Entrevista Robert Aumann "O IRÃ NÃO NOS ATACARIA" O matemático israelense, vencedor do Prêmio Nobel de Economia em 2005, usa a Teoria dos Jogos para analisar o Conflito no Oriente Médio. "Fazer concessões

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO 2ªRevolução Industrial HOLDING TRUSTE CARTEL Empresas financeiras que controlam complexos industriais a partir da posse de suas ações. Formação de grandes conglomerados

Leia mais

CONHECIMENTO E A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA SEGUNDO JOHN DEWEY

CONHECIMENTO E A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA SEGUNDO JOHN DEWEY CONHECIMENTO E A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA SEGUNDO JOHN DEWEY Nivaldo de Souza Aranda Graduando em Filosofia pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG Profª Maria Aparecida de Souza Silva

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

As Relações Brasil Oriente Médio (1964-1991): face à rivalidade argentina e sob a égide estadunidense.

As Relações Brasil Oriente Médio (1964-1991): face à rivalidade argentina e sob a égide estadunidense. 970 As Relações Brasil Oriente Médio (1964-1991): face à rivalidade argentina e sob a égide estadunidense. José Luiz Silva Preiss, Prof. Dr. Helder Gordim da Silveira (Orientador) PPG História - PUCRS

Leia mais

10 Para ganhar a guerra

10 Para ganhar a guerra Prefácio Ao longo da história, líderes militares enfrentaram o dilema de formular o plano tático correto para conseguir a vitória no campo de batalha. Muito depende da preparação para esse momento: ter

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1

Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1 Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1 Lynn Alves 2 A presença dos jogos na história da humanidade tem início com a própria evolução do homem, antes até de serem estabelecidas normas

Leia mais

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica Elis Miranda Professora do Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades Universidade Cândido Mendes - Campos. O livro Introdução à Geografia

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO

JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO Miss. Gustavo Lima Silva (Beréu) & Wanessa S. B. Santos Silva (Brasil) Recife, 2010. SUMÁRIO INTRODUÇÃO...

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO DOS SUPER-HERÓIS SUPERMAN E CAPITÃO AMÉRICA COMO INSTRUMENTO IDEOLÓGICO ESTADUNIDENSE

A REPRESENTAÇÃO DOS SUPER-HERÓIS SUPERMAN E CAPITÃO AMÉRICA COMO INSTRUMENTO IDEOLÓGICO ESTADUNIDENSE A REPRESENTAÇÃO DOS SUPER-HERÓIS SUPERMAN E CAPITÃO AMÉRICA COMO INSTRUMENTO IDEOLÓGICO ESTADUNIDENSE Rodrigo Moraes Cunha* 1 Faculdade Porto-Alegrense rohistoriador@gmail.com RESUMO: O presente artigo

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

A INTENCIONALIDADE DA IMAGEM FOTOGRÁFICA POÉTICA E DA IMAGEM FOTOGRÁFICA NO JORNALISMO. Cibele Abdo Rodella 1

A INTENCIONALIDADE DA IMAGEM FOTOGRÁFICA POÉTICA E DA IMAGEM FOTOGRÁFICA NO JORNALISMO. Cibele Abdo Rodella 1 A INTENCIONALIDADE DA IMAGEM FOTOGRÁFICA POÉTICA E DA IMAGEM FOTOGRÁFICA NO JORNALISMO Cibele Abdo Rodella 1 cibeleabdo@gmail.com; cibeleabdo@cesumar.br Resumo: Este trabalho pretende discutir sobre a

Leia mais

BARREIRAS ALÉM DA INTERNET

BARREIRAS ALÉM DA INTERNET BARREIRAS ALÉM DA INTERNET Resumo: O tema liberdade na internet tem atraído a atenção de muitas pessoas que se encontram envolvidas com o mundo virtual. O aumento do número de usuários, bem como a melhora

Leia mais

Demolidor: Entre os demônios pessoas. Israel Pinheiro ou Tequila Underline

Demolidor: Entre os demônios pessoas. Israel Pinheiro ou Tequila Underline Demolidor: Entre os demônios pessoas. Israel Pinheiro ou Tequila Underline Daredevil, foi um, personagem criado por Stan Lee e Bill Everett, em 1964, retrata um justiceiro que na Cozinha do Inferno, uma

Leia mais

Prof. Marcelo Gandolfi da Silva Multimídia em aulas de História. História Geral 4ª Edição 2008. www.historiageral.net

Prof. Marcelo Gandolfi da Silva Multimídia em aulas de História. História Geral 4ª Edição 2008. www.historiageral.net Prof. Marcelo Gandolfi da Silva Multimídia em aulas de História História Geral 4ª Edição 2008 www.historiageral.net História Geral 3ª Edição - 2007 Guerra Fria Depois da Segunda Guerra Mundial, a Europa

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto sobre a Guerra Fria e responda. O termo tornou-se perfeito para se entender o momento político internacional, pois

Leia mais