FALAR E ESCREVER EM QUADRINHOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NO 6º ANO DA ESCOLA BILLY GANCHO EM NOVA XAVANTINA-MT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FALAR E ESCREVER EM QUADRINHOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NO 6º ANO DA ESCOLA BILLY GANCHO EM NOVA XAVANTINA-MT"

Transcrição

1 FALAR E ESCREVER EM QUADRINHOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NO 6º ANO DA ESCOLA BILLY GANCHO EM NOVA XAVANTINA-MT COSTA, Juliana Veronice Conde 1 SGARBI, Nara Maria Fiel de Quevedo 2 RESUMO: Este artigo constitui uma reflexão sobre a utilização das histórias em quadrinhos - HQs como recurso didático para incentivar a leitura e produção de textos dos alunos do 6º ano do Núcleo Comunitário Dom Bosco Escola Billy Gancho na cidade de Nova Xavantina-MT. Nesse contexto, partese da hipótese de que, por se tratarem de textos mais acessíveis e lúdicos as HQs podem desencadear conhecimentos necessários para a leitura de outros gêneros textuais. Numa pesquisa bibliográfica buscou-se investigar sobre a influência dos quadrinhos no desenvolvimento da leitura e escrita. A pesquisa fundamentou-se nas teorias de Marcuschi(2002), Cirne(1972), Cagnin (1975)e Bagno(2007), além das que embasam os Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Portuguesa para o Ensino fundamental(1997)que sinalizam ser o domínio da linguagem oral e escrita é indispensável para a inserção social do indivíduo. O estudo possibilitou identificar os quadrinhos como elementos que viabilizam a prática interdisciplinar, pois além das adaptações literárias resultam em um processo artístico bem como na difusão dos conhecimentos científicos tanto na educação formal como na educação informal. PALAVRAS-CHAVE: Ludicidade, Leitura e escrita, Histórias em Quadrinhos. ABSTRACT: This article is a reflection on the use of comics - comics as a teaching resource to encourage reading and writing papers of students of the 6th year of the Don Bosco Community Center Billy Hook School in the city of New Xavantina-MT. In this context, one starts from the assumption that, because they are more accessible and playful texts comics can trigger the knowledge necessary to read other genres. A literature search we sought to investigate the influence of comics on the development of reading and writing. The research was based on the theories of Marcuschi (2002), Cirne (1972), Cagnin (1975) and Bagno (2007), in addition to grounding the National Curriculum Parameters of Portuguese Language for Elementary Education (1997) that signal be field of oral and written language is essential for the social integration of the individual. The study identified the comics as elements that enable interdisciplinary practice, because besides the literary adaptations result in an artistic process as well as the diffusion of scientific knowledge both in formal education and informal education. KEYWORDS: Playfulness, Reading and Writing, Comics 1 Aluna do curso de graduação em Letras da UNIGRANET - Dourados- MS 2 Professora Doutora em Linguística e Língua Portuguesa da UNIGRAN- Centro Universitário da Grande Dourados, orientadora da pesquisa. 1

2 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas, a sociedade brasileira de um modo geral tem experimentado inúmeras transformações econômicas e políticas que resultaram em mudanças de paradigmas e valores sociais, especialmente no que se refere à prática de leitura e escrita. Com isso, atualmente a informação surge como peça fundamental na organização social. O que se percebe é que o impacto tecnológico marcou de vez a humanidade. Nessa perspectiva, surge evidentemente a necessidade da aquisição da prática de leitura como forma de superar as barreiras do analfabetismo e criar espaços culturais onde os livros possam ter significado para o desenvolvimento integral de cada indivíduo. No entanto, o que se observa é que a ausência de leitura entre os brasileiros é assustadora, fato que tem causado impacto, com proporções maiores nos aspectos culturais historicamente construídos. Diante do exposto, fica evidente que a formação de leitores eficazes e eficientes tem sido preocupação dos educadores ao buscar caminhos para a aquisição do gosto pela leitura por parte dos estudantes. A escola enquanto instituição formadora deve buscar continuamente procedimentos didáticos que garantam a competência leitora e escritora. É necessário, ainda, enfatizar a importância do fortalecimento de políticas públicas voltadas para a prática social da leitura, tanto no âmbito federal quanto no estadual e municipal.desse modo, o interesse pela pesquisa surgiu durante o período de realização do estágio Supervisionado II no curso de Letras da UNIGRAN- Centro Universitário da Grande Dourados,em uma sala de aula do 6º ano do Núcleo Comunitário Dom Bosco Escola Billy Gancho, em Nova Xavantina-MT. Durante esse período foi possível perceber a dificuldade dos alunos no que se refere à linguagem oral e escrita, especialmente no aspecto da interpretação textual. Para a realização desta pesquisa, procedeu-se a uma revisão bibliográfica com o objetivo de coletar e selecionar as questões mais evidentes acerca da temática proposta. Para um melhor embasamento teórico, foi imprescindível a leitura das teorias, dentre outras, de Cirne (1972) e Cagnin (1975). Trata-se de dois pesquisadores que estudaram a estrutura das histórias em quadrinhos e, portanto, estão fundamentados para orientar a compreensão e a aplicabilidade desse gênero textual. A pesquisa de campo possibilitou a constatação da hipótese inicial do trabalho, ou seja, por se tratarem de textos mais acessíveis e lúdicos as Histórias em Quadrinho podem desencadear conhecimentos necessários para a leitura de outros gêneros textuais, considerando que as atividades propostas priorizaram o estímulo à criatividade e o imaginário dos alunos, viabilizando condições prazerosas para a criação de suas 2

3 próprias histórias utilizando-se de diferentes gêneros textuais, de modo especial os quadrinhos. 1) UMA BREVE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA CAMPO DE PESQUISA O Núcleo Comunitário Dom Bosco Escola Billy Gancho está situado em um bairro central da cidade de Nova Xavantina, Estado de Mato Grosso e atende aproximadamente trezentos alunos, distribuídos entre a Educação Infantil e o Ensino Médio. De acordo com o PPP- Projeto Político Pedagógico da Instituição são estes os seus objetivos: Proporcionar a aquisição de conteúdos básicos que assegure a cada um a possibilidade de se construir como ser pensante e autônomo; desenvolver uma atitude ética frente à vida; compreender os processos naturais e o respeito ao ambiente como valor vital, afetivo e estético; atuar no mundo do trabalho, dentro de princípios de respeito a si mesmo, pelos outros e pelos recursos da comunidade; melhorar o desempenho, eficiência e eficácia da instituição (2014, p. 22). Esse mesmo documento explicita a missão Educacional do Núcleo Comunitário Dom Bosco Escola 'Billy Gancho que é promover a pessoa humana, uma vez que o crescimento do homem é o valor que fundamenta a educação. Em relação a si mesmo - consciência de si - é o ponto de partida para o crescimento global da pessoa, aprimorando os níveis: físico, emocional e intelectual. Na perspectiva de uma Educação Libertadora Cristã, prevalece a opção por uma ética de respeito ao outro, com base no diálogo e na fraternidade. É no relacionamento com o outro que o ser humano se ajuda a crescer; desenvolve formas efetivas de comunicação e percebe ideias e valores diferentes. No que se refere às questões inerentes à leitura a Instituição se propõe a criar as melhores condições para que o processo ensino aprendizagem se desenvolva de maneira eficiente e eficaz, esperando que o educando revele eficiência e eficácia demonstrando domínio da norma culta a Língua Portuguesa, ou seja, lendo, interpretando textos orais e escritos nas diferentes áreas de conhecimento. Bagno (2007) contribui com essa discussão, sinalizando que: Deveríamos propor então um ensino de língua que tenha o objetivo de levar o aluno a adquirir um grau de letramento cada vez mais elevado, isto é, desenvolver nele um conjunto de habilidades e comportamentos de leitura e escrita que lhe permitam fazer o maior e mais eficiente uso possível das capacidades técnicas de ler e escrever (p.57). A Escola Billy Gancho adota a Pedagogia Franciscana e a Pedagogia Libertadora de Paulo Freire, além de outros teóricos progressistas para a sustentação de sua concepção 3

4 pedagógica. Numa, o ato de ensinar é um ato de amor; noutra, ensinar não pode ser um simples processo de transferência de conhecimento do educador ao educando, pois educação é a práxis, reflexão e ação do homem sobre o mundo para transformá-lo. E afirmar que educação é um ato de amor, de coragem é uma prática de liberdade dirigida para a realidade àquele que não teme, ao contrário, enfrenta. de suas ideias: Rodrigues (2005) faz referência a Paulo Freire sinalizando uma Só aprendemos a compreender o que lemos do que alguém deixou por escrito quando aprendemos também a partilhar com outras pessoas as suas idéias. Quando as acolhemos em nossos silêncios e as ouvimos de maneira atenta. E esse é o caminho por onde viaja quem, ao mesmo tempo em que aprende a ler e escrever palavras e idéias, aprende a ler e a compreender a realidade da vida que vive e do mundo onde vive. Aprende não apenas a conhecer com inteligência como a sociedade é, mas aprende também a compreender com a consciência por que ela é assim, como ela foi sendo feita assim e o que é necessário fazer para que ela seja transformada (p. 58). Nessa perspectiva é possível considerar que a Escola Billy Gancho prioriza a formação de indivíduos conscientes e capazes de respeitar o próximo utilizando-se da leitura como uma ferramenta para abrir os caminhos do convívio social, sem perder de vista a sua filosofia que consiste na promoção da pessoa humana na sua integridade, transpondo o mero compromisso da transmissão de informação. 2) A LEITURA COMO PRÁTICA SOCIAL Em qualquer atividade da vida humana a leitura constitui-se em um ato fundamental dada a sua importância na promoção da realização pessoal e no agir sobre a realidade. Por meio da leitura, o indivíduo é capaz de perceber o que se passa à sua volta tornandose apto a participar significativamente da sociedade. Essa afirmação se confirma nos Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Portuguesa: O domínio da língua tem estreita relação com a possibilidade de plena participação social, pois é por meio dela que o homem se comunica, tem acesso à informação, expressa e defende pontos de vista, partilha ou constrói visões de mundo, produz conhecimento. Assim, um projeto educativo comprometido com a democratização social e cultural atribui à escola a função e a responsabilidade de garantir a todos os seus alunos o acesso aos saberes linguísticos necessários para o exercício da cidadania, direito inalienável de todos (BRASIL, 1997, p. 21). A escola enquanto instituição formadora deve agregar em suas práticas a disseminação do sistema de escrita como meta que vai além da formação de leitores, considerando que a leitura é um instrumento que viabiliza a autonomia, a tomada de decisões e a consciência crítica.todavia, a formação teórica dos educadores deve ser pensada em 4

5 consonância com a postura pedagógica e mediadora do professor entre o aluno e a aprendizagem. Tal afirmação denota compreender que os docentes devem estar continuamente envolvidos com o processo de aquisição da leitura e a construção de práticas de leitura pelos estudantes. Sobre o assunto, Alves e Camargo (2010), sinalizam que entendida como atividade de aculturação ou de prazer do homem alfabetizado, a leitura, desde a época dos faraós, não sofreu desmoronamentos, mas apenas transformações, podendo-se afirmar, que a leitura, ou melhor, os modos de ler, continuarão a mudar, a se transformarem, acompanhando os desenvolvimentos tecnológicos.é evidente que durante muito tempo o livro representou um elemento de acesso para poucos. Somente a partir do século XIX, os manuais escolares ganham seu espaço, especialmente com o impulso da Revolução Industrial. A compreensão de um texto, do ponto de vista atual não depende somente do ato de ler e sim, de compreender o sentido das ideias e construir um novo sentido para elas. Isto posto, todo e qualquer ser humano possui capacidades para atribuir significados às coisas e aos diferentes códigos sejam eles verbais e não verbais. No entanto, para que esse potencial se desenvolva faz-se necessário que os indivíduos estabeleçam contato com grupos sociais, uma vez que esse potencial é desenvolvido a partir da convivência entre os diferentes. 3) AS CONTRIBUIÇÕES DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA DOS ALUNOS Ao final da década de 90, após anos de rejeição pelos próprios professores as HQ passaram a compor as práticas pedagógicas dos professores no interior das salas de aula brasileiras. No entanto, são avanços tímidos que certamente devem passar por um processo de adequação tendo em vista as reais necessidades de aprendizagem dos estudantes neste século XXI, especialmente no que se refere à leitura e produção textual. A LDB- Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, nº 9.394/96 representou um importante marco nesse processo de aceitação das Histórias em Quadrinhos como uma ferramenta didática uma vez que preconizava uma articulação entre esse produto cultural midiático e a educação formal. Sobre esse assunto Vergueiro e Santos (2012) utilizam-se do seguinte argumento: De fato, a relação entre quadrinhos e educação nem sempre foi amigável, passando por momentos de grande hostilidade e outros de tímida cumplicidade, quando alguns professores mais ousados se atreveram a utilizá-los em sala de aula. Tratava-se de aplicações esporádicas, marcadas muito mais pela ousadia e entusiasmo de seus propositores do que propriamente por correção metodológica (p. 82). 5

6 As HQ destinam-se a diferentes públicos e, portanto, devem ser utilizadas de forma adequada pelos professores, mesmo aquelas construídas apenas para o lazer e entretenimento das pessoas. A leitura da linguagem dos quadrinhos seja ela verbal ou não verbal é condição indispensável para que o docente possa aplicá-lo em sala de aula. Os quadrinhos constituem-se elementos que possibilitam a prática interdisciplinar, pois além das adaptações literárias resultam em um processo artístico, difusão dos conhecimentos científicos tanto na educação formal como na educação informal. As Histórias em Quadrinhos são expressivamente ricas em recursos metalinguísticos 3. É um recurso de ensino que deve ser utilizado pelos docentes, de modo especial da Língua Portuguesa principalmente com os alunos do Ensino Fundamental, como é o caso do 6º ano. Amélia Fernandes Cândido, Apud Gazeta e Sobrinho (2009) assevera que a tríplice convergência entre as linguagens verbal, visual e simbólica pode auxiliar o leitor a desenvolver a capacidade de leitura e de interpretação. Pode levá-lo a aplicar esse novo conhecimento na produção de seus textos. Diante do exposto, surgem alguns questionamentos: Como as histórias em quadrinhos podem auxiliar a criar a habilidade da leitura e da escrita? A produção textual tem levado professores a trabalhar didáticas que possam causar impactos benéficos no processo Ensino-aprendizagem? Utilizar métodos antigos como o trabalho com os gibis, pode ser o início de um progresso real para muitos Educadores nas aulas de produção de textos? A imaginação dos alunos, aliada ao trabalho com diversos gêneros no 6º ano do Ensino Fundamental contribui para o desenvolvimento da escrita desses estudantes. Nessa etapa a habilidade de ler HQs deve ser incentivada. De acordo com Guimarães (1997, p. 6) a HQ 4 é uma forma de expressão artística em que há o predomínio estímulo visual, ou seja, engloba formas de expressão em que o espectador para apreciá-las utiliza principalmente o sentido da visão. Desse modo, ao incentivar a leitura e a criação de histórias em quadrinhos, por meio de trabalhos lúdicos o professor contribui para o desenvolvimento da criatividade. Para estimular a criatividade e a imaginação, faz-se necessária, a diversificação de materiais lúdicos, compreendendo o universo dos alunos estabelecendo vínculo entre os Quadrinhos e o incentivo, para que cada um possa criar suas próprias histórias. 3 Quando a preocupação do emissor está voltada para o próprio código, ou seja, para a própria linguagem, temos então o que chamamos de função metalinguística. 4 História em Quadrinhos, Quadrinhos, Gibis e outras várias formas de nomenclatura. Servem para descrever o modo de contar ou narrar uma história em forma sequencial com imagens e textos interagindo entre si dispostos em quadros esquematizados em uma ou várias páginas nos mais diversos estilos e gêneros. 6

7 O domínio da língua escrita, é fundamental para que o aluno tenha condições de interagir na sociedade em que vive, por isso, quando o professor trabalha didáticas diferenciadas, utilizando a ludicidade, propicia aos estudantes, a possibilidade de trabalhar gêneros textuais, como os Quadrinhos. Vygotsky afirma que: na brincadeira a criança se comporta além do comportamento habitual de sua idade, além de seu comportamento diário; no brinquedo, é como se ela fosse maior do que ela é na realidade (1987, p.117). Dessa forma é possível perceber que a ludicidade auxilia no desenvolvimento do aluno, uma vez que com o ensino tradicional nem sempre há possibilidades do aluno desenvolver-se com criatividade. Abordar a história em quadrinhos no processo de incentivo à escrita e, ao mesmo tempo, mostrar um gênero lúdico, que transmita ao leitor prazer em aprender, fornece subsídios ao desenvolvimento da capacidade imaginária, à interpretação das histórias lidas e ao incentivo ao hábito à leitura. Cagnin, (1975, p. 119) afirma que a HQ, ainda que identificada pela imagem, invariavelmente vem acompanhada do texto, dos elementos lingüísticos, que se fundem com a imagem e forma o código narrativo quadrinizado. Desse modo fica evidente que as histórias em quadrinhos tornam o ensino mais criativo e animado; e ajudando a construir uma aula mais descontraída, incentivando os alunos a ler e escrever com maior frequência. As histórias em quadrinhos, por meio das figuras mostradas, permitem que os alunos independentemente da idade, criem autoconfiança ao escrever, todavia sendo esse o motivo de muitos não gostarem de escrever seus próprios textos. O gênero Quadrinhos gera criatividade, proporcionando novas imaginações lúdicas e transmitindo habilidade de ler. Além disso, a ludicidade deve ser vista como parte integrante no processo do ensino-aprendizagem em sala de aula com os professores de Língua Portuguesa, pois os trabalhos lúdicos auxiliam o aluno a compreender os textos, a criar suas próprias histórias e a atribuir estímulo e incentivo à leitura e escrita de textos. 3.1) COMO SURGIRAM AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS? As Histórias em Quadrinhos, mais conhecidas como HQs, são narrativas feitas em quadrinhos, com falas e diálogos entre personagens, geralmente em forma de balões, com intenção humorística e de descontração, que se tornou um popular meio de comunicação e publicidade. Nos jornais, são mais conhecidas como tirinhas, que trazem informações satirizadas, todavia existem desde 1900 ou um pouco antes, nem a televisão e o cinema tiveram tão grande repercussão como as HQs. Guimarães (2001) afirma que a linguagem das Histórias em Quadrinhos tem sido usada para o registro de informações desde as pinturas rupestres de 40 mil anos atrás. De 7

8 acordo com Solera (2000), os Quadrinhos surgiram nos Estados Unidos, entre , em forma de jornais dominicais e o primeiro a fazer sucesso foi o Yellow Kid de Richard Outcault, mais tarde Rudolph Dirks produziu Katzenjammer Kids. A primeira criação em tirinhas, nas quais se iniciaram as falas em balões e divididas em quadros, assim como permanece até hoje. O mesmo pesquisador citado acima contribui com essa informação histórica sinalizando que o sucesso com as Histórias em Quadrinhos ganhou uma dimensão tamanha, que o Japão e Europa aderiram à novidade. Naquela época (início do século) os quadrinhos começavam a se tornar um elemento indispensável nos jornais diários. Foi quando George Hermano lançou KrazyKat, a história de um mundo poético, ao mesmo tempo surreal e cômico, no qual, com extrema simplicidade gráfica, eram expostas as relações entre os membros de um pequeno elenco de personagens. Essa foi a primeira tirinha para o público adulto e inaugurou as histórias com animais, com o aparecimento do famoso Gato Félix, de Pat Sullivan, e do Mickey Mouse, de Walt Disney. Também surgiram outros quadrinhos, como Betty Boop, de Max Fleischer e Tarzan, de Harold Foster. Com o interesse pelos quadrinhos crescendo, foram criadas as revistas destinadas exclusivamente aos leitores de quadrinhos. As primeiras foram as revistas japonesas (na década de 20). A partir daí, foram surgindo novas revistas em quadrinhos, como a FunniesonParade, depois Action Comics(em que Jerry Siegel e Joe Shuster criaram o Super-Homem) e Detective Comics (em que Bob Kane, em 1939, criou o Batman) e não parou mais até os dias atuais. A Segunda Guerra Mundial inspirou muitos personagens das histórias em quadrinhos a participarem das tramas de guerra e violência. Nessa época, surgiram alguns personagens, como Capitão Marvel, Tocha Humana, Namor - O Príncipe Submarino, dentre outros justiceiros em busca de paz e democracia. A Marvel Comics criou, por Stan Lee e Jack Kirby, o Capitão América, um personagem com um uniforme inspirado na bandeira dos Estados Unidos como uma retaliação contra o nazismo. Desde então, ficou claro que os Quadrinhos tinham como objetivo a disseminação de informações em forma de descontração, trazendo sempre um algo a mais para os jovens. As QHs vieram para revolucionar o ciclo da liberdade de expressão e da sátira como meio de crítica social. Desse modo, Bakhtin (2000, p. 279) chama a atenção, sinalizando que cada esfera de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, ou seja, em cada tipo de situação de interação, deparamo-nos com gêneros textuais diferentes e distintos modos de usá-los. Ao utilizarmos os Quadrinhos em turmas do 6º ano, desde o início, ocorrerá a interação dos alunos com diferentes gêneros, possibilitando a habilidade da leitura e da escrita, a fim de torná-los produtores de textos. Um primeiro aspecto que podemos apontar é que o brincar não apenas requer muitas aprendizagens, mas constitui um espaço de aprendizagem. Nessa perspectiva faz-se necessário que a escola promova atividades que envolvam diversidade textual e 8

9 leve os estudantes a construírem conhecimentos sobre os gêneros textuais e seu uso na sociedade. 4) MATERIAIS E MÉTODOS O trabalho foi realizado em agosto de 2013 por meio de uma pesquisa bibliográfica, bem como por intermédio da pesquisa de campo, com alunos do 6º ano do Ensino Fundamental, com o objetivo de desenvolver o trabalho com Gêneros em HQs, além de estimular a habilidade de leitura e incentivar a criação dos seus próprios textos. As atividades apresentadas foram práticas de leituras, produções e interpretações de gibis, revistas ou jornais que buscavam instigar a imaginação e a criatividade dos alunos. A partir da seleção dessas quatro modalidades foi possível a organização do tempo pedagógico em sala com atividades de leitura e exploração de imagens, participação da turma em comentários das leituras realizadas, criações de histórias imaginárias individuais e atividades de sistematização. No que se refere à pesquisa bibliográfica Gil (2002) define: [...] a pesquisa bibliográfica é desenvolvida com base em material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos. A principal vantagem da pesquisa bibliográfica está no fato de permitir ao investigador a cobertura de uma gama de fenômenos muito mais ampla do que aquela que poderia pesquisar diretamente. Sua finalidade é colocar o pesquisador em contato com o que já se produziu e se registrou a respeito do tema de pesquisa. Tais vantagens revelam o compromisso da qualidade da pesquisa (p. 45). A pesquisa de campo foi pensada de maneira a adaptar-se aos diversos desafios e dificuldades apresentadas pelos alunos da referida série. Após autorização da Direção da Escola, deu-se início à pesquisa de campo. Inicialmente foi apresentada aos alunos a proposta das atividades a serem realizadas no decorrer do período proposto, ou seja, oito aulas de Língua Portuguesa. A partir das fragilidades de leitura identificadas anteriormente durante o Estágio Supervisionado da pesquisadora procedeu-se à realização da primeira aula, a qual se iniciou com uma conversa informal com os alunos, visando a identificar as dificuldades mais evidentes além das habilidades individuais. O principal objetivo desse momento foi conquistar um espaço de confiança entre os alunos. Ao final desse encontro foi proposta uma atividade prática, na qual os alunos já começaram a desenhar e a entrar em contato com as possibilidades de produção de HQs. No segundo e terceiro encontro os alunos foram dispostos em grupo para a produção coletiva de uma História em Quadrinhos incluindo os seus múltiplos formatos, do roteiro escrito à arte finalizada. Durante esse período foi abordado sobre o conjunto de 9

10 elementos que constroem a linguagem das Histórias em Quadrinhos, o significado dos balões de texto, a forma como são produzidas as revistas em quadrinhos. Também foram utilizados recursos audiovisuais para motivar a discussão e promover atividades práticas. Os dois encontros seguintes destinaram-se à criação dos personagens com a utilização de questionamentos: Como os personagens são fisicamente? Qual é a história deles? Quais são os objetivos de vida desses personagens? Quais são os seus gostos? Desse modo alguns exemplos foram apresentados e a partir desse diálogo os alunos, individualmente fizeram as criações, e posteriormente compararam com os personagens criados pelos colegas: peso, perfil facial, beleza, força, raça e etnia, idade, estilo de roupas. Na quinta e sexta aula, os estudantes foram orientados sobre como se constrói um roteiro de HQ bem como pensar a criação de seus cenários. Essa atividade foi realizada na área externa da Escola para que os alunos pudessem observar o mundo ao seu redor e criar a sequência panorâmica de suas imaginações. Nos dois últimos encontros foram apresentadas várias sequências de HQs para que individualmente, os alunos pudessem construir uma narrativa em linguagem verbal. Para tanto, cada um escolheu a história que pretendia contar. Essa narrativa poderia ser: como um narrador neutro que não participa do texto, que se limita a contar os fatos, sem expressar sua opinião, como se fosse uma das personagens (narrador personagem), como se fosse um narrador observador, mas que, ao longo da narrativa, emite a sua opinião, expressa o que sente em relação aos fatos. Ao final das atividades utilizou-se como forma de avaliação da aprendizagem a prática de didáticas lúdicas como eixo da reflexão e o acompanhamento do processo dos estudantes e incentivo à leitura e produção textual, com ênfase tanto no engajamento de cada aluno, quanto em suas aprendizagens conceituais mais específicas. Como se trata de uma linguagem não formal de textos lúdicos é uma boa maneira de trabalhar com os estudantes a diferenciação entre a linguagem utilizada nesse veículo comunicativo e a que eles utilizam no dia a dia, tendo sido propostos textos para que os alunos escrevessem individualmente suas criações lúdicas. O que importa é reservar momentos de leituras com os alunos, formar grupos para trabalhar a interação, troca de ideias e criatividades, colagem e observações de figuras diversas. 5) ANÁLISE DOS DADOS Considerando as contribuições apresentadas pelas Histórias em Quadrinhos para o desenvolvimento da linguagem oral e escrita, fica visível que o referido gênero textual pode ser uma ferramenta eficaz no desenvolvimento das mais diferentes competências no campo da leitura. Os gêneros textuais merecem uma atenção especial dos editores 10

11 didáticos, bem como dos professores que estão em contato direto com os alunos, no caso específico dessa pesquisa, do Ensino Fundamental. Durante a realização da pesquisa de campo, foi possível observar a quantidade expressiva de erros ortográficos nos textos produzidos pelos alunos, o que demanda compreender que esse é o reflexo da ausência da leitura e da escrita reflexivas como uma prática cotidiana entre esses estudantes. De fato, há entre os alunos um déficit significativo de leitura. Durante as atividades muitos até relataram que a leitura é um ato a que se vêem obrigados pela escola. Inicialmente, em alguns casos, os alunos não se interessaram pela História em Quadrinhos, que normalmente é considerado um gênero atrativo e dinâmico. No primeiro encontro, constatou-se que os alunos possuíam pouca capacidade para a compreensão de textos e pouca familiaridade com os gêneros textuais. Percebeu-se também que a imagem e as figuras facilitaram a interpretação das mensagens contidas nos textos e, por possuir uma linguagem rápida e clara, os textos dos quadrinhos constituíram-se em elementos motivadores para os alunos, que após alguns encontros demonstraram maior compreensão e interesse ao interpretar e ao identificar as metáforas, as onomatopéias, os personagens. CONSIDERAÇÕES FINAIS Tendo em vista os conceitos e contribuições identificados quanto à utilização de gêneros textuais no processo ensino/aprendizagem dos alunos do 6º ano do Ensino Fundamental, fica evidente que esse gênero textual, HQs, constitui-se em ferramenta pedagógica eficaz no contexto da sala de aula. No decorrer da pesquisa de campo foi possível perceber o entusiasmo dos alunos e o envolvimento individual nas atividades propostas, certamente porque o gênero textual HQ possui um formato compatível com o nível cognitivo dos alunos investigados. Por meio da pesquisa observou-se a eficácia desse instrumento para o desenvolvimento da leitura e da escrita. Os gêneros textuais merecem uma valorização, especialmente pelos editores e escritores, bem como pelos professores que estão diariamente com os alunos. O trabalho possibilitou a constatação de que no Núcleo Comunitário Dom Bosco Escola Billy Gancho há um déficit expressivo de leitura. Assim, acredita-se na necessidade de se propor maior incentivo para a leitura, seja por meio de práticas pedagógicas inovadoras ou por meio de projetos interdisciplinares que envolvam a prática da leitura e da escrita. As Histórias em Quadrinhos são exemplo de ferramentas para esse incentivo na escola. Durante o período de realização deste artigo, percebeu-se a riqueza de trabalhos acadêmicos publicados recentemente sobre o assunto. As leituras foram providenciais 11

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES

QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES Gerciclea Rodrigues ALVES 1, Maílson Alves de OLIVEIRA 2, José Euzébio

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

TRABALHANDO COM O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIA EM QUADRINHOS NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

TRABALHANDO COM O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIA EM QUADRINHOS NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS TRABALHANDO COM O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIA EM QUADRINHOS NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Erida Souza Lima 1 Eixo temático: Educação e Ensino de Ciências Humanas e Sociais Resumo: Os gêneros textuais vêm

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO DE CONTO EM CONTO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE Maria Helena Cunha de Andrade SILVA RESUMO Esse trabalho relata uma experiência de leitura e produção textual realizada no decorrer do ano letivo de

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO

CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO Londrina 2013 CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO Trabalho apresentado ao Curso de Especialização

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental.

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO: EDUCAÇÃO INFANTIL: Maternal III: 3-4 anos 1º Período: 4-5 anos 2º Período: 5-6 anos ENSINO FUNDAMENTAL: Novatos: 1º ano matrícula com 6 anos completos (até 31 de março)

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

História em Quadrinhos e Fanzine na Escola

História em Quadrinhos e Fanzine na Escola História em Quadrinhos e Fanzine na Escola Aula 2 2ª parte Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014 O que é HQ? Histórias em quadrinhos são registros imagéticos que compreendem

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Profª Drª Suzana Lima Vargas UFJF suzana_lima@uol.com.br Aida do Amaral Antunes UFJF amaral.aida@yahoo.com.br Andreza de Souza

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITOR NO ENSINO FUNDAMENTAL: OS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS E O COTIDIANO DAS ESCOLAS

A FORMAÇÃO DE LEITOR NO ENSINO FUNDAMENTAL: OS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS E O COTIDIANO DAS ESCOLAS A FORMAÇÃO DE LEITOR NO ENSINO FUNDAMENTAL: OS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS E O THE READER FORMATION IN BASIC EDUCATION: THE NATIONAL CURRICULAR PARAMETERS AND THE DAILY ROUTINE AT PRIMARY SCHOOLS.

Leia mais

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 Bruno Silva de Oliveira (UEG UnU Iporá) RESUMO: Este artigo objetiva expressar o porquê de se trabalhar com o gênero

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

HISTORIA EM QUADRINHO: NA BUSCA POR UMA APRENDIZAGEM PRAZEROSA

HISTORIA EM QUADRINHO: NA BUSCA POR UMA APRENDIZAGEM PRAZEROSA HISTORIA EM QUADRINHO: NA BUSCA POR UMA APRENDIZAGEM PRAZEROSA SOARES, Aparecida Rodrigues (1); SANTOS, Carlos Antonio Camilo dos (1); BARBOSA, Fernanda Monteiro (2); SOARES, Aparecida Rodrigues (1); Faculdades

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Silvana Laurenço Lima 1 Deise Nanci de Castro Mesquita 2 RESUMO: O objetivo desta comunicação é apresentar e discutir

Leia mais

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL.

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. Autores: Leila Carla dos Santos Quaresma¹ leilac.pedagogia@gmail.com Profª Dr. Maria Aparecida Pereira Viana² vianamota@gmail.com

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

A GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA E A PROMOÇÃO DO LETRAMENTO

A GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA E A PROMOÇÃO DO LETRAMENTO A GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA E A PROMOÇÃO DO LETRAMENTO Helena Ferro Blasi (UFSC) helenablasi@ccs.ufsc.br Tatiane Moraes Garcez (UFSC) fono.tatiane@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO Há cerca de 875 milhões de

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS Ana Lúcia Silva Vargas 1 Ana Maria Lara Lopes 2 Resumo A aprendizagem de crianças de 7 a 10 anos nas séries

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO VIDEIRA, JUNHO DE 2008 ERMELINA PIRES FERREIRA GISLAINE GONZALEZ SIRLEI MUNZLINGER

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

Histórias em Quadrinhos

Histórias em Quadrinhos Histórias em Quadrinhos Apresentação baseada no texto Profa. Denise Castilhos Profa. Marilene Garcia Histórias em quadrinhos: imaginação traduzida visualmente para encantar e apaixonar gerações As HQ começaram

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS Resumo LUCAS, Maria Angélica Olivo Francisco 1 - UEM Grupo de Trabalho - Formação de professores e

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura.

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO Cristina Maria da Silva Lima cris86lima@yahoo.com.br Diana Gonçalves dos Santos dianasantos07@gmail.com (IEMCI/UFPA) Este estudo apresenta um relato

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHOS: IMPORTANTE ALIADO NA ALFABETIZAÇÃO VISUAL E NA APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA SEA

HISTÓRIA EM QUADRINHOS: IMPORTANTE ALIADO NA ALFABETIZAÇÃO VISUAL E NA APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA SEA HISTÓRIA EM QUADRINHOS: IMPORTANTE ALIADO NA ALFABETIZAÇÃO VISUAL E NA APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA SEA MARIA JOSÉ NEGROMONTE DE OLIVEIRA (PREFEITURA DO RECIFE). Resumo O referido trabalho

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

EDUCANDO A PARTIR DE PROJETOS: ELABORAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

EDUCANDO A PARTIR DE PROJETOS: ELABORAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EDUCANDO A PARTIR DE PROJETOS: ELABORAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Shirley Teixeira Barros shirlinha@uft.edu.br UFT Dayse Suelle Silva Carvalho daysesuellesc@hotmail.com UFT Carmem Lucia Artioli Rolim carmem.rolim@uft.edu.br

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 1 INTERPRETANDO TABELAS E CONSTRUINDO GRÁFICOS COM ALUNOS DO 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EDUARDO DE LUCAS PEREIRA (Faculdades Atibaia FAAT) KELI CRISTINA CONTI (Faculdade de Educação Universidade Estadual

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais