UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL ROBERTO ROSSI MENEGOTTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL ROBERTO ROSSI MENEGOTTO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL ROBERTO ROSSI MENEGOTTO A MEMÓRIA NOS QUADRINHOS: UM ESTUDO SEMIÓTICO DE ANNE FRANK: THE ANNE FRANK HOUSE AUTHORIZED GRAPHIC BIOGRAPHY CAXIAS DO SUL 2014

2 ROBERTO ROSSI MENEGOTTO A MEMÓRIA NOS QUADRINHOS: UM ESTUDO SEMIÓTICO DE ANNE FRANK: THE ANNE FRANK HOUSE AUTHORIZED GRAPHIC BIOGRAPHY Monografia do Curso de Comunicação Social, Habilitação em Publicidade e Propaganda da Universidade de Caxias do Sul, apresentada como requisito para a obtenção do título de Bacharel. Orientador (a): Prof. Dr. Ivana Almeida da Silva Universidade de Caxias do Sul UCS CAXIAS DO SUL 2014

3 ROBERTO ROSSI MENEGOTTO A MEMÓRIA NOS QUADRINHOS: UM ESTUDO SEMIÓTICO DE ANNE FRANK: THE ANNE FRANK HOUSE AUTHORIZED GRAPHIC BIOGRAPHY Monografia do Curso de Comunicação Social, Habilitação em Publicidade e Propaganda da Universidade de Caxias do Sul, apresentada como requisito para a obtenção do título de Bacharel. Orientador (a): Prof. Dr. Ivana Almeida da Silva Universidade de Caxias do Sul UCS Aprovado em: Banca Examinadora Prof. Dr. Ivana Almeida da Silva Universidade de Caxias do Sul - UCS Prof. Me. Misael Montaña Universidade de Caxias do Sul - UCS Prof. Me. Myra Gonçalves Universidade de Caxias do Sul - UCS

4 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos que contribuíram para o sucesso na realização desta pesquisa. Gostaria de agradecer especialmente à minha mãe e irmã pela força, apoio, opiniões e leitura de diversos esboços. A todos os meus professores, por colaborarem em meu crescimento e participarem de minha formação acadêmica e pessoal. Também à minha orientadora, Ivana Almeida da Silva, que soube me guiar com paciência e dedicação durante todo o processo de estudo.

5 Até que toda humanidade, sem exceção, passe por uma metamorfose, as guerras continuarão a ser declaradas, e tudo o que foi cuidadosamente construído, cultivado e criado será cortado e destruído, só para começar outra vez! (Anne Frank)

6 RESUMO O tema deste estudo são os fatos históricos e as narrativas em quadrinhos. O objetivo é descobrir como as narrativas em quadrinhos podem ser percebidas como registros de memória de fatos históricos ocorridos em determinado momento, utilizando como base Anne Frank: the Anne Frank House authorized biography. O método utilizado é a análise de discurso (texto e imagens) de quatro eventos do Holocausto Judeu que estão descritos nas páginas da HQ escolhida, comparandoos com os fatos históricos correspondentes. Para o desenvolvimento foi feita uma pesquisa bibliográfica acerca da história das histórias em quadrinhos e sua posição dentro do campo artístico; uma conceituação de memória e história, que exercem papeis distintos dentro dos fatos históricos; um relato do Holocausto e suas causas e consequências, além de quadrinhos inspirados nele; um breve relato da vida de Anne Frank e seu diário, sua importância para a sociedade e, por fim, a análise de discurso da história em quadrinhos biográfica. Palavras-chaves: história em quadrinhos, memória, Holocausto, Anne Frank

7 ABSTRACT The main themes of this study are historical facts and comic narratives. The objective is to find out how comic narratives can be perceived as memory records of historical facts that took place in a certain moment, taking Anne Frank: the Anne Frank House authorized graphic biography as base of study. The method of research is the speech analysis (text and images) of four events of The Holocaust that are described in the pages of the chosen graphic novel, comparing them to the corresponding historical facts. As developing, a bibliography research was made about the history of comic books and their place in the sphere of art; a conceptualization of memory and history, which have distinct roles inside historical facts; a report of The Holocaust and its consequences, besides the comics inspired by it; a brief report of Anne Frank and her diary, its importance to society and finally, the speech analysis of her graphic biography. Keywords: comics, memory, The Holocaust, Anne Frank

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Eventos escolhidos para a análise Figura 2 - Pintura rupestre, no Colorado, EUA Figura 3 - Personagens de Rudolph Töpfer Figura 4 - O Garoto Amarelo Figura 5 - Edição número 1 da Action Comics (1938) Figura 6 - O balão de diálogo Figura 7 - Movimento nos quadrinhos Figura 8 - Uso das cores em quadrinhos preto e branco, sólidas e expressivas Figura 9 - Kiki de Montparnasse, de Catel Muller e Jose-Luis Bocquet Figura 10 - Maus: a história de um sobrevivente, de Art Spiegelman Figura 11 - Yossel, April 19, 1943, de Joe Kubert Figura 12 - A Força da Vida, de Will Eisner Figura 13 - A trilogia De Ontdekking, De Zoektocht e De Terugkeer, de Eric Heuvel Figura 14 - Anne Frank Figura 15 A família Frank Margot, Otto, Anne e Edith Figura 16 - O diário Figura 17 - Entrada para o anexo secreto Figura 18 - Shelley Winters como Auguste van Pels Figura 19 - Ilustrações baseadas em fotos históricas Figura 20 - Adolf Hitler desfila após sua nomeação como Chanceler Alemão Figura 21 - Nomeação de Hitler na biografia gráfica Figura 22 - A Noite dos Cristais Figura 23 - Kristallnacht na biografia gráfica Figura 24 - Deportação de judeus residentes na Holanda Figura 25 - Convocação de Margot Frank Figura 26 - Preparativos para a fuga Figura 27 - Fuga e caminho para o anexo secreto Figura 28 - Invasão de Omaha, praia da região da Normandia Figura 29 - Os moradores do anexo secreto comemoram a invasão da Normandia. 81

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO METODOLOGIA HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: ENTRE ARTE E SEMIÓTICA A HISTÓRIA DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO OBRAS DE ARTE A SEMIÓTICA NAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS MEMÓRIA, HISTÓRIA E QUADRINHOS FATOS HISTÓRICOS X MEMÓRIA REGISTROS DE MEMÓRIA NOS QUADRINHOS UMA TRAGÉDIA EM QUADRINHOS: O HOLOCAUSTO HOLOCAUSTO O HOLOCAUSTO NOS QUADRINHOS ANNE FRANK: THE ANNE FRANK HOUSE AUTHORIZED GRAPHIC BIOGRAPHY ANNE FRANK E SEU DIÁRIO ANÁLISES Fato ocorrido em 30 de Janeiro de 1933 Nomeação de Hitler para Chanceler Alemão Fato ocorrido entre 09 e 10 De Novembro de 1938 Kristallnacht Fato ocorrido em 05 de Julho de 1942 Deportação em massa dos judeus residentes na Holanda para campos de concentração Fato ocorrido em 06 de Junho de 1944 O Dia-D CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES... 90

10 9 1 INTRODUÇÃO Surgidas inicialmente como fonte de diversão em jornais americanos, as histórias em quadrinhos 1 evoluíram ao longo dos anos, passando de pequenas tiras de poucos quadros, para narrativas mais complexas. Atualmente, as HQs se encontram inseridas na cultura popular, podendo ser encontradas em jornais, revistas, gibis e livros didáticos. Com a percepção de sua importância, artistas passaram a criar histórias em quadrinhos baseadas em fatos reais, atendo-se à veracidade dos acontecimentos. Portanto, essas HQs biográficas poderiam exercer a função de registros de memória de fatos históricos. Para aprofundar este assunto, o pesquisador escolheu uma graphic novel cuja temática é o Holocausto Judeu. Mais ainda, aborda uma das histórias mais conhecidas do período: a trajetória de Anne Frank, cuja vida, morte e legado encontram-se com riqueza de detalhes nas páginas de Anne Frank: the Anne Frank House authorized graphic biography 2, que é o objeto de análise desta pesquisa. O objetivo geral deste estudo é descobrir de que forma as narrativas em quadrinhos podem ser percebidas como registro de memória de fatos históricos ocorridos em um determinado momento, utilizando como base Anne Frank: A Biografia Gráfica. Como objetivos específicos foi proposto: estudar a linguagem dos quadrinhos; entender o conceito de memória e sua importância na conservação de fatos históricos; verificar de que forma os quadrinhos podem ser relacionados com fatos históricos ocorridos em determinada época e sociedade; analisar de que forma os fatos históricos são resgatados pelos quadrinhos a partir de uma abordagem da arte como fato semiológico; e, por último, estudar a HQ da Anne Frank: the Anne Frank House authorized graphic biography. A escolha do tema ocorreu pela paixão do pesquisador por histórias em quadrinhos e suas possibilidades narrativas, sendo elas ficção ou não ficção. Além disso, sempre houve grande interesse nos eventos ocorridos durante a Segunda 1 De acordo com Iannone e Iannone (1994), histórias em quadrinhos também são conhecidas por HQs, quadrinhos, gibis, revistas em quadrinhos (Brasil); a autora apresenta algumas nomenclaturas de outros países, como: comics e graphic novels (países de língua inglesa), tubeos (Espanha), bandes dessinés (França) fumetti (Itália), chiste, monito, muñequito, historieta ou comics (América Latina, com exceção do Brasil), histórias aos quadrinhos (Portugal) mangá (Japão). Neste estudo serão utilizados os sinônimos do Brasil e os de língua inglesa para que não haja repetição dos termos. 2 Anne Frank: A Biografia Gráfica Autorizada pela Casa Anne Frank, em tradução do pesquisador. Neste estudo será utilizado o título original, em inglês, ou simplesmente Anne Frank: A Biografia Gráfica.

11 10 Guerra Mundial e nos relatos de quem esteve envolvido naquela sequência de momentos que colaboraram para moldar a humanidade. Diversas histórias reais são escritas no formato de quadrinhos, criando assim uma possível fonte de estudo acerca de fatos históricos. Desta maneira, o estudo proposto por este trabalho tem importância no campo histórico e da comunicação. Para um bom aprofundamento na busca dos objetivos propostos, construiu-se este trabalho em quatro capítulos. O capítulo 2 traz um breve relato da história das histórias em quadrinhos, com seu conceito e alguns momentos de destaque desde sua criação. Também é abordado o seu papel como obras de arte, exemplificando porque elas devem ser consideradas como tais. Ainda neste capítulo, estuda-se a semiótica presente nas histórias em quadrinhos, apresentando alguns dos elementos fundamentais que colaboram na construção de suas mensagens. No capítulo 3 é feito um confrontamento entre memória e história. Para tal, primeiramente é necessário conceituar ambos. Desta maneira, é possível perceber seus respectivos papeis na conservação de registros de memória de fatos históricos. Também são trazidos alguns exemplos de histórias em quadrinhos baseadas em fatos reais, observando as razões que validam sua relevância como fonte de registro de memória. O capítulo 4 trata do Holocausto Judeu, ocorrido entre 1933 e É abordada a história do evento, suas implicações, bem como o ódio que Adolf Hitler nutria pelos judeus e suas maneiras de convencer a população da Alemanha a seguir sua ideologia. Também são mostradas algumas histórias em quadrinhos que misturam fatos históricos da época com personagens fictícios. Por fim, no capítulo 5, narra-se a história de Anne Frank e o diário que escreveu entre seus 13 e 15 anos, observando sua importância para a humanidade como um dos principais relatos dos fatos vividos pelos judeus durante o período do Holocausto, além de algumas das manifestações artísticas produzidas a partir desse diário. Na parte final, a análise, é utilizado o trabalho de Jan Mukarovsky para avaliar artisticamente o paralelo entre 4 momentos cruciais do Holocausto Judeu e a maneira como são apresentados ao leitor de Anne Frank: the Anne Frank House authorized graphic biography, considerando que os eventos descritos em suas páginas são baseados em relatos reais.

12 METODOLOGIA Para qualquer trabalho de pesquisa, o ponto inicial de planejamento é a pesquisa bibliográfica. Segundo Stumpf (2005), este processo vai desde a identificação, localização e obtenção da bibliografia que diz respeito a determinado assunto, até um texto que apresente componentes identificando o entendimento do material obtido. De acordo com a autora, a atividade de revisão da literatura disponível sobre os componentes da pesquisa se estende desde o início do trabalho até a conclusão. Para Marconi e Lakatos (2006), a abundância de referências não constitui um problema, mas sim, uma ferramenta para o sucesso do trabalho. O ponto de vista de diversos autores possibilita perceber a problemática sob novas perspectivas, propiciando análises alternativas e chegando a conclusões inovadoras. Desta forma, para a realização deste trabalho, que trata de diversas áreas do conhecimento como comunicação, história, filosofia, sociologia e artes, será necessário um cruzamento de informações entre variados campos de estudo. Este trabalho pretende descobrir de que forma as narrativas em quadrinhos podem ser percebidas como registros de memória, utilizando Anne Frank: the Anne Frank House authorized graphic biography, escrita por Sid Jacobson e Ernie Colón, como material base para o estudo. Sendo uma história em quadrinhos um tipo de narrativa baseada em textos e imagens, foi escolhido o método da análise de discurso, pois ele compreende tudo o que está escrito e desenhado nas HQs. No discurso, para Magalhães (2005), a significação é construída no interior da fala. Isso ocorre quando um emissor tenta mostrar sua percepção do mundo para um interlocutor em um determinado momento. O seu ponto de vista será movido por uma intenção. De acordo com Magalhães (2005): [...] a discursividade implica a compreensão de que a mensagem é construída no interior de uma conversa e é a concretização de um ato. A linguagem é um instrumento de comunicação que está sempre em atividade, seja nas relações cotidianas, coloquiais, seja nas interações institucionais, formais (MAGALHÃES, 2005, p.17). Para que a análise do discurso seja feita é preciso, segundo Magalhães (2005), desconstruir o texto para perceber a maneira como ele foi montado. Ao fazer isso, será possível perceber os componentes presentes no objeto de análise, cada um de suma importância no todo. Utilizando as palavras de Bauer e Gaskell (2000),

13 12 Uma análise de discurso é uma leitura cuidadosa, próxima, que caminha entre o texto e o contexto, para examinar o conteúdo, organização e funções do discurso. Sendo Anne Frank: the Anne Frank House authorized graphic biography uma história em quadrinhos, o discurso presente em suas páginas é constituído de textos e imagens, cujas significações se complementam e são essenciais para uma compreensão mais abrangente da obra. Considerando-se que uma história em quadrinhos tem seu principal destaque nas imagens, analisá-las sob ponto de vista científico torna-se fundamental para que os objetivos deste trabalho sejam atingidos. A respeito da análise de imagem, Coutinho (2005) diz que é importante que se perceba as imagens como produtos comunicacionais, principalmente as presentes em meios de comunicação de massa. Ainda para Coutinho (2005), as imagens podem ser consideradas documentos e formas de narrativas, pois contêm história e são atribuídas de discurso. Entretanto, analisar uma imagem requer cuidado para que o real sentido não seja perdido. Muitas pessoas buscam sentidos ocultos na mesma, ou ainda provê-la de supostas intenções do autor. Joly (1994) ressalta que: Interpretar e analisar uma mensagem, não consiste certamente em tentar encontrar uma mensagem pré-existente, mas em compreender que significações determinada mensagem, em determinadas circunstâncias, provoca aqui e agora, sempre tentando destrinçar o que é pessoal do que é coletivo. Com efeito, são necessários limites e pontos de referência para uma análise (JOLY, 1994, p. 44). Para Mukarovsky (1988), as imagens não podem ser tidas como estado de alma de seu criador, pois são apenas intermediárias entre seu estado psicológico e o observador, com seu próprio estado de consciência subjetiva. Portanto, as imagens não devem ser tidas como portadoras de significado total ao serem observadas. Bauer e Gaskell (2000) dizem que é importante que sejam seguidas três etapas para uma boa análise de imagens. A primeira delas é a escolha das imagens a serem analisadas. Essa parte vai depender do objetivo do estudo e da disponibilidade de material sobre ele. A segunda etapa sugere que seja feita uma identificação de todos os elementos que compõem o material. Esse inventário deve incluir todos os elementos que fazem parte do quadro, mas sem analisá-los conotativamente. Já a terceira etapa compreende a análise dos signos da imagem. Os autores ressaltam a importância de um grande conhecimento na área cultural,

14 13 pois a análise dos níveis de significação de uma imagem exigem conhecimentos variados e vastos para uma boa compreensão da mensagem contida nela. Portanto, a escolha das imagens se dá a partir da colocação de quatro eventos de grande importância na história do Holocausto Judeu em uma linha do tempo. Após, é criada uma segunda linha, com o registro de memória correspondente, presente nas páginas de Anne Frank: the Anne Frank House authorized graphic biography. Desta maneira, através da sobreposição de eventos colocado em um mesmo eixo da linha do tempo criada pelo pesquisador (figura 1), fica visível a exposição dos fatos na história em quadrinhos que é o objeto de estudo desta pesquisa. Figura 1 - Eventos escolhidos para a análise. Fonte: Imagem criada pelo pesquisador, com referências em: Bandeira nazista Revista Cliche. Disponível em <www.revistacliche.com.br>. Acesso em: 09 nov Capa da HQ JACOBSON, Sid; COLÓN, Ernie. Anne Frank: the Anne Frank House authorized biography. New York: Hill & Wang, Além do citado anteriormente, deve-se ressaltar que uma imagem não pode ser analisada fora de contexto. Essa análise deve sempre levar em consideração quem era o seu destinatário, o contexto no qual está inserida e qual a sua finalidade pretendida. Segundo Joly (1994), considerando-se a imagem uma mensagem visual que habita o espaço entre expressão e comunicação, a sua análise também deverá estar nesse meio termo. Considerando o fato de que este trabalho irá analisar uma história em quadrinhos biográfica, é preciso atentar aos signos dispostos ao longo dos quadros. Para Mukarovsky (1988, p. 66), [...] o signo é uma realidade sensível que se reporta

15 14 a uma outra realidade que cumbe evocar. Ou seja, a HQ está repleta de desenhos que buscam caracterizar a história real de Anne Frank, mas eles são dotados de liberdade poética para que a transmissão de sua história de vida seja mais rica em detalhes para o receptor da mensagem, não necessariamente transformando os quadrinhos em obra de ficção. Como a HQ utilizada não possui versão em português, fez-se as traduções da obra, buscando manter a fidelidade dos textos. Elas podem ser encontradas nos Apêndices (página 90) e estão inseridas nos quadrinhos de cor azul.

16 15 2 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: ENTRE ARTE E SEMIÓTICA Histórias em quadrinhos são narrativas formadas por imagens que, quando alinhadas sequencialmente, tornam-se parte de um todo e passam a fazer sentido dentro de um sistema mais complexo. De acordo com McCloud (1993), se um dos quadros for tomado individualmente, ele não é nada além de desenhos, mas quando dois ou mais fazem parte da mesma continuidade, eles podem ser classificados como história em quadrinhos. Ainda para o autor, eles são diferentes dos desenhos animados. Apesar de ambos serem compostos por imagens em quadros sequenciais, as ilustrações que compõem uma animação ocupam o mesmo espaço no tempo, enquanto as figuras das HQs são justapostas em sua composição. É possível dizer que os quadrinhos são uma forma de linguagem, visto que contam uma história a ser absorvida pelo leitor. Conforme Eisner (1985): As histórias em quadrinhos comunicam numa linguagem que se vale da experiência visual comum ao criador e ao público. Pode-se esperar dos leitores modernos uma compreensão fácil da mistura imagem-palavra e da tradicional decodificação do texto. A história em quadrinhos pode ser chamada leitura num sentido mais amplo que o comumente aplicado ao termo (EISNER, 1985, p. 6). Desta forma, para que a mensagem seja recebida da maneira como foi proposta por Eisner, é preciso que os desenhos evoquem imagens previamente armazenadas na mente do leitor. Segundo Santaella e Nöth (1997), as imagens podem ser divididas nas categorias de visuais e mentais. Imagens visuais são aquelas consideradas objetos materiais. Consistem nas exatas formas que os olhos conseguem enxergar. Já as segundas, são representações formuladas na mente de cada indivíduo. Ainda para os autores, apesar dessas duas classificações, ambas não existem separadamente, pois todas as imagens visuais são concebidas, primeiramente, na forma de imagens mentais. Entretanto, apesar da evolução das técnicas de ilustração e aumento na complexidade das narrativas, a raiz dos quadrinhos permanece a mesma desde sua criação. Ou seja, contar uma história através de ilustrações, complementadas, ou não, por texto.

17 A HISTÓRIA DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS A narrativa contada através de ilustrações é muito anterior à Idade Contemporânea, sendo exercida pela primeira vez na Pré-História 3, através de pinturas rupestres (figura 2). Para Rahde (2000), essas expressões rudimentares exercidas pelo homem para representar as caçadas possuem sequência narrativa e podem ser tomadas por formas gráficas e estruturadas. Figura 2 - Pintura rupestre, no Colorado, EUA. Fonte: Prime Ape Movement. Disponível em: <http://primeape-movement.com/>. Acesso em: 21 out Porém, quem criou as histórias em quadrinhos da maneira como são conhecidas hoje foi o artista suíço Rudolph Töpfer ( ). Segundo Moya (1987), Töpfer desenhava em momentos livres, para quebrar o tédio. Suas histórias consistiam de poucos quadros, com personagens em busca de algo simples, mas que acabava provocando tumultos divertidos. 3 A Pré-História compreende o período anterior à escrita e onde a comunicação humana se dá por símbolos e gestos. Somente a partir de a.c. houve a transição para a Idade Antiga. Idade Contemporânea é o período após a Revolução Francesa ( ), sendo esse o momento atual da humanidade. Fonte: Guia do Estudante. Informação disponível em < >. Acesso em 21 out

18 17 Para explicar os acontecimentos de cada quadro, eram escritas frases simples. O primeiro personagem publicado por Rudoplh Töpfer foi M. Vieux Bois, em 1827, passando por Dr. Festus (1829), M. Cryptogame (1830), M. Crépin (1837) e Albert (1844), como visto na Figura 3, abaixo. Outros autores que seguiram na mesma linha de Töpfer foram o alemão Wilhelm Busch ( ), criador de Max und Moritz (1865), e o francês Georges Colomb ( ), que criou a Famille Fenouillard (1889). Figura 3 - Personagens de Rudolph Töpfer. Fontes: A Zompist. Disponível em: <http://www.zompist.com/>. Acesso em: 21 out B Zompist. Disponível em: <http://www.zompist.com/>. Acesso em: 21 out C Platinum Age Comics. Disponível em: <http://www.platinumagecomics.org/>. Acesso em: 21 out D Coin BD. Disponível em: <http://www.coinbd.com/>. Acesso em: 21 out Foi somente em 1895 que surgiu a primeira história em quadrinhos destinada ao grande público. De acordo com Goida (1990):

19 18 Joseph Pulitzer e William Randolph Hearst, os mais poderosos proprietários de cadeias de jornal nos Estados Unidos, brigavam pela conquista de um público maior. Para atraírem uma massa semialfabetizada e também os imigrantes, que tinham dificuldades com o inglês, criaram os suplementos dominicais.[...] Foi num destes suplementos dominicais que surgiu, em 1895, o personagem de Richard Outcault, The Yellow Kid (GOIDA, 1990, p. 9). Neste primeiro exemplar, intitulado de At the Circus in Hogan s Alley 4, havia um menino, sem nome, com cabeça grande e orelhas pontudas, vestindo um camisolão azul e expressando suas falas em balões. Com o sucesso do personagem, as histórias passaram a ser diárias. Conforme de Moya (1987), no ano de 1886 a vestimenta do menino passou a ser amarela a pedido do técnico de cores do jornal. Foi assim que o personagem passou a ser chamado de The Yellow Kid 5 pelo grande público, sendo posteriormente adotado pelo próprio autor. Figura 4 - O Garoto Amarelo. Fonte: The University of Virginia. Disponível em: <http://www.virginia.edu/>. Acesso em: 21 out Após a virada do século XX, já existiam outras tiras de quadrinhos publicadas e, por todas serem narrativas divertidas, alegres, os leitores americanos 4 No Circo da Travessa Hogan, em tradução do pesquisador. 5 O Garoto Amarelo, na tradução.

20 19 passaram a se referir a elas simplesmente como comics 6, nome este como são conhecidas até hoje. Com o sucesso do formato, Hearst e Pulitzer criaram os syndicates, que consistiam na mesma história sendo enviada para diversos jornais ao redor do país. Assim, seus criadores ganhavam uma percentagem sobre as vendas. Isso atraiu novos artistas e ilustradores buscando uma chance de lucrar. Em 1902, influenciado pelos quadrinhos americanos, o japonês Rakuten Kitazawa ( ) criou o primeiro mangá 7 produzido em série e com personagens regulares. Segundo Luyten (1991), a revista se chamava Togosaky to Mokube no Tokyo Kembutsu 8 e era publicada aos domingos em um suplemento dominical colorido, o Jiji Manga. Em geral, as histórias em quadrinhos lidavam com situações breves e de resolução simples. A narrativa sempre começava e terminava na mesma edição de um jornal. Após o ano de 1920, as HQs sofreram nova grande evolução, tanto narrativa quanto de gênero. Goida (1990) afirma que: Até a década de [19]20, os quadrinhos lidavam essencialmente com um humor conclusivo em poucas imagens. Com o passar dos anos, inovadores foram criando uma narrativa que continuava no próximo dia, aumentando a atração pela leitura. Bem no final da década, a aventura introduziu-se nos comics, em personagens como Wash Tubbbs (Tubinno), de Roy Crane, Tarzan, de Harold Fostes, Tim Tyler Luck (Tim e Tom), de Lyman Young e principalmente Buck Rogers, de Phil Nowlan e Dick Calkins, esta última a primeira história de ficção científica dos quadrinhos (GOIDA, 1990, p. 10). Cada vez mais os quadrinhos ganhavam espaço e se popularizavam. No começo da década de 1930, as chamadas daily strips 9 já estavam presentes nos maiores jornais das principais cidades do mundo. Também nesta década surgiram os primeiros comic books, revistas de quadrinhos, que nada mais eram que uma compilação das principais histórias publicadas nos jornais. Com a crescente popularização dos comic books e das histórias de aventura e ficção científica, dois jovens de 23 anos, Joe Shuster e Jerry Siegel, criaram para a revista mensal Detective Comics o personagem Superman, o Super-Homem, como visto na Figura 5. 6 Cômicas, em tradução do pesquisador. 7 Luyten (1991, p. 18) Designação em língua japonesa para histórias em quadrinhos. 8 Luyten (1991, p. 124) Togosaku e Morubê passeando em Tóquio. 9 Tiras diárias, em tradução do pesquisador.

21 20 Figura 5 - Edição número 1 da Action Comics (1938). Fonte: Den of Geek. Disponível em: <http://www.denofgeek.com/>. Acesso em: 21 out Ao estrear na capa da primeira edição da revista, em 1938, o personagem foi um sucesso instantâneo. Na sétima edição, a Detective Comics já vendia mais de meio milhão de exemplares. Segundo Howe (2013): O personagem era uma mistureba de tudo o que as crianças gostavam heróis dos pulps, ficção científica, mitos da Antiguidade em um só esplêndido pacote nas cores primárias. O campeão dos oprimidos, a maravilha corpórea que jurou dedicar sua vida a auxiliar os necessitados, enfrentava magnatas gananciosos e político corruptos, sempre pregando o reformismo social. Mas Superman era mais do que um símbolo. Sua identidade secreta, o pateta Clark Kent, dava até aos leitores mais solitários um colega renegado com quem se identificar (HOWE, 2013, p. 20).

22 21 Com um novo nicho de mercado aberto, surgiram muitos outros super-heróis e editoras especializadas somente na publicação destes, sempre com histórias sem qualquer compromisso. Porém, com o começo da Segunda Guerra Mundial e o envolvimento dos Estados Unidos, em 1941, muitos desses heróis foram convocados para lutarem contra as forças do Eixo (Alemanha, Itália e Japão). Conforme Goida (1990, p. 11): As histórias perderam o seu caráter ingênuo e puramente aventureiro para se transformarem em objetos panfletários e ideológicos. Entretanto, sendo a luta contra o nazismo uma causa justa, as histórias continuavam fascinando o grande público. Após os conflitos, os comics americanos perderam força com o surgimento de críticas a respeito da violência e do teor político e satírico empregado nas histórias. De acordo com Cirne (2000, p. 40): [...] com o declínio do nazismo e o fim da Segunda Guerra Mundial, as discussões em torno da relação arte/política voltam a agitar os meios acadêmicos, artísticos e intelectuais. Por outro lado, as coisas eram diferentes na Europa, onde havia mais liberdade para a criação de histórias destinadas ao público adulto. Com a falta de restrição, os autores tinham possibilidade de criar sátiras dos temas da atualidade, utilizar personagens sexies ou, até mesmo, histórias pornográficas. Alguns exemplos são Barbarella, do francês Jean-Claude Forest, Valentina, criada pelo italiano Guido Crepax, o quadrinho erótico Paulette, dos franceses Georges Pichard e Georges Wolinski e Asterix, dos franceses René Goscinny e Albert Uderzo. A situação nos EUA só melhorou após a Guerra do Vietnã (1975). Para Goida (1990, p. 12), Depois da Guerra do Vietnã, do fim do sonho norte-americano, haviam caído por terra o moralismo e outras conversas fiadas em torno da Pátria e do patriotismo. Porém, o estrago já havia sido feito. O interesse do público americano havia caído, enquanto os europeus prosperavam com novos desenhistas e roteiristas, além de séries sobre fatos históricos. Goida (1990) diz que: Passaram a publicar séries (de mais de mil páginas cada) onde a História e a didática apresentavam um dinamismo impressionante. Assim, foram publicadas A História da França em Quadrinhos, A Descoberta do Mundo, A História do Farwest, A Bíblia, A História da Grécia e Roma, As Grandes Batalhas, A História da IIª Guerra, Os Grandes Líderes, A História da Música e muitos outros títulos. Além de adultos, os quadrinhos europeus provavam (e eram integralmente aprovados) como notável instrumento didático (GOIDA, 1990, p. 13).

Histórias em Quadrinhos

Histórias em Quadrinhos Histórias em Quadrinhos Apresentação baseada no texto Profa. Denise Castilhos Profa. Marilene Garcia Histórias em quadrinhos: imaginação traduzida visualmente para encantar e apaixonar gerações As HQ começaram

Leia mais

O processo de criação de uma história em quadrinhos em sala de aula: um estudo de caso

O processo de criação de uma história em quadrinhos em sala de aula: um estudo de caso O processo de criação de uma história em quadrinhos em sala de aula: um estudo de caso Alberto Ricardo PESSOA 1 Resumo O objetivo deste artigo é apresentar um estudo crítico acerca do processo de produção

Leia mais

QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES

QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES Gerciclea Rodrigues ALVES 1, Maílson Alves de OLIVEIRA 2, José Euzébio

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

SCRAPBOOK A Arte de decorar álbuns de fotografias

SCRAPBOOK A Arte de decorar álbuns de fotografias Guia do professor Módulo III SCRAPBOOK A Arte de decorar álbuns de fotografias Introdução As lembranças são fundamentais para a elaboração da História de um País, de instituições, de clubes ou de pessoas.

Leia mais

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Juliana Pereira DULTRA 2 Cintia MOLETA 3 Larissa Kiefer de SEQUEIRA 4 Roberto Corrêa SCIENZA 5 Fernanda

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: LEITURA E COMPREENSÃO DE TIRINHAS E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS

GÊNEROS TEXTUAIS E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: LEITURA E COMPREENSÃO DE TIRINHAS E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS GÊNEROS TEXTUAIS E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: LEITURA E COMPREENSÃO DE TIRINHAS E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS Ewerton Felix da Silva Antônio Fernandes Dias Júnior Prof. Dr. Leônidas José da Silva Júnior Universidade

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

A diferença entre charge, cartum, tirinha e caricatura

A diferença entre charge, cartum, tirinha e caricatura A diferença entre charge, cartum, tirinha e caricatura É essencial que todo vestibulando saiba diferenciar e interpretar charges, cartuns, tirinhas e caricaturas. Dessa forma buscarei elucidar as semelhanças

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Paulo Coimbra Guedes e Jane Mari de Souza A tarefa de ensinar a ler e a escrever um texto de história é do professor de história

Leia mais

Produção de Histórias em Quadrinhos no Ensino de Química Orgânica: A Química dos Perfumes como Temática

Produção de Histórias em Quadrinhos no Ensino de Química Orgânica: A Química dos Perfumes como Temática Produção de Histórias em Quadrinhos no Ensino de Química Orgânica: A Química dos Perfumes como Temática Paloma Nascimento dos Santos 1 (FM)*, Kátia Aparecida da Silva Aquino 2 (PQ) 1 Secretaria de Educação

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira 3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 4º Bimestre Atividade Avaliativa de Ens. Religioso Aula 172 Conteúdo Contar histórias

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA POR INTERMÉDIO DAS REVISTAS EM QUADRINHOS PARA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS.

O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA POR INTERMÉDIO DAS REVISTAS EM QUADRINHOS PARA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA POR INTERMÉDIO DAS REVISTAS EM QUADRINHOS PARA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Autor: Aline de Almeida Braz Orientadora: Prof.ª Dr.ª Lilian Cristina Correa RESUMO Essa pesquisa

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Histórias em Quadrinhos: Um meio Intermidiático

Histórias em Quadrinhos: Um meio Intermidiático Histórias em Quadrinhos: Um meio Intermidiático Alberto Ricardo Pessoa Universidade Presbiteriana Mackenzie Resumo As histórias em quadrinhos são uma multiarte que se utiliza de monoartes como o desenho,

Leia mais

PARTE DOS MATERIAL COLOCADO NESTA EDIÇÃO TEM A Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

PARTE DOS MATERIAL COLOCADO NESTA EDIÇÃO TEM A Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. PARTE DOS MATERIAL COLOCADO NESTA EDIÇÃO TEM A Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. DESENHE POR DINDO LIMA (MÓDULO-1) O CORPO HUMANO OLÁ GALERA, EU SOU DINDO LIMA, E VOU ENCINAR A VOCÊS PASSO À PASSO

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

O BALÃO NAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: ORGANIZAÇÃO DA MENSAGEM POR MEIO DA REPRESENTAÇÃO GRÁFICA

O BALÃO NAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: ORGANIZAÇÃO DA MENSAGEM POR MEIO DA REPRESENTAÇÃO GRÁFICA O BALÃO NAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: ORGANIZAÇÃO DA MENSAGEM POR MEIO DA REPRESENTAÇÃO GRÁFICA Priscilla Maria Cardoso Garone UFES CAR, Departamento de Desenho Industrial prigarone@gmail.com Gilberto Kunz

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira PSICOLOGIIA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

6. Discussão sobre as análises

6. Discussão sobre as análises 6. Discussão sobre as análises Meu objetivo neste capítulo é rever as questões de pesquisa propostas no trabalho e procurar respondê-las com base nas análises dos textos dos aprendizes, associadas aos

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela

Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela Resumo: Este presente trabalho tem como intuito resgatar atividades já feitas em décadas anteriores, para elaboração de novos métodos didáticos em

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO VIDEIRA, JUNHO DE 2008 ERMELINA PIRES FERREIRA GISLAINE GONZALEZ SIRLEI MUNZLINGER

Leia mais

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático.

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático. A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA Fabricio Santos Almeida 1 Márcia Cristiane Eloi Silva Ataide 2 1 Licenciando em Química, Universidade Federal do Piauí - UFPI. 2 Professora

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS Ana Letícia Vaz Pereira 1 Natália Canuto do Nascimento 2 Orientador Prof. Ms. Artarxerxes Modesto RESUMO: Este trabalho tem como objetivo analisar

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos.

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos. O USO DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO RECURSO DIDÁTICO- PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E LITERATURA Edna Antunes Afonso João Paulo da Silva Andrade 1 Resumo: Este trabalho parte de pesquisas através

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

Andrade & Alexandre (2008) In Prática da Escrita Histórias em Quadrinhos

Andrade & Alexandre (2008) In Prática da Escrita Histórias em Quadrinhos Ler HQs além de ser uma atividade que pode ser desenvolvida observando-se todas as estratégias de leitura, é também levar os leitores a momentos que antecedem a própria leitura das letras, pois a estrutura

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas Nas entrevistas que se sucederam à estreia nacional de Noite Escura, em 2004, João Canijo

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10.

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10. Question 1 Question Question LETRA: E Fácil Question 4 LETRA: A Fácil Question 5 Gabarito de Inglês Question 6 LETRA: D Difícil Question 7 LETRA: A Média Question 8 LETRA: C Difícil Question 9 Question

Leia mais

Quadrinhos no Brasil: Motion Comic 1

Quadrinhos no Brasil: Motion Comic 1 Quadrinhos no Brasil: Motion Comic 1 Gustavo Henrique SAMPAIO 2 Jorge André Ferreira de MENEZES 3 Márcio Leonardo MONTEIRO 4 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA RESUMO Este projeto trata da

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918 Prof. Dr. Vanessa Bortulucce A proposta desta comunicação é realizar uma reflexão acerca dos elementos que constituem a estética

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Aptidão Arquitetura e Urbanismo APTIDÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO 1. INTRODUÇÃO Considerando que o trabalho do arquiteto é na verdade a articulação de inúmeras variáveis que se materializam e se configuram

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

História em Quadrinhos e Fanzine na Escola

História em Quadrinhos e Fanzine na Escola História em Quadrinhos e Fanzine na Escola Aula 2 2ª parte Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014 O que é HQ? Histórias em quadrinhos são registros imagéticos que compreendem

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

DESENHO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PROJETO O PRAZER DA ARTE

DESENHO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PROJETO O PRAZER DA ARTE PAINEL DESENHO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PROJETO O PRAZER DA ARTE Jefferson de Lima Pontes Graduando e Bolsista da Pró-Reitoria de Extensão - PROEX Curso de Licenciatura Plena em Artes Visuais Orientador

Leia mais

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO.

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO. SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ... 2 DICAS PEDAGÓGICAS:... 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO... 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD... 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO... 3 PASSO 3 INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO... 4 CRIANDO NOVAS

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET Nessa entrevista Simon Bouquet fala da importância de se retornar aos escritos originais

Leia mais

A importância de personalizar a sua loja virtual

A importância de personalizar a sua loja virtual A importância de personalizar a sua loja virtual Ter uma loja virtual de sucesso é o sonho de muitos empresários que avançam por esse nicho econômico. Porém, como as lojas virtuais são mais baratas e mais

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MOURA FILHA 1, Maria Berthilde CAVALCANTI FILHO 2, Ivan QUEIROZ 3, Louise Costa GONDIM 4, Polyanna Galvão RESUMO Nos últimos

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Kátia Stocco Smole Mathema katia@mathema.com.br Patrícia Cândido Mathema patrícia@mathema.com.br Resumo: Este minicurso, proposto

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Arte Moderna Expressionismo A busca por expressar os problemas da sociedade da época e os sentimentos e emoções do homem no inicio do século xx Foi uma reação ao impressionismo, já que o movimento preocupou-se

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

A TRAJETÓRIA HISTÓRICO-CULTURAL E A FORMAÇÃO DO LEITOR: UM ESTUDO SOBRE A EXPERIÊNCIA SOCIAL INFANTIL RETRATADA EM HISTÓRIAS DE VIDA

A TRAJETÓRIA HISTÓRICO-CULTURAL E A FORMAÇÃO DO LEITOR: UM ESTUDO SOBRE A EXPERIÊNCIA SOCIAL INFANTIL RETRATADA EM HISTÓRIAS DE VIDA A TRAJETÓRIA HISTÓRICO-CULTURAL E A FORMAÇÃO DO LEITOR: UM ESTUDO SOBRE A EXPERIÊNCIA SOCIAL INFANTIL RETRATADA EM HISTÓRIAS DE VIDA Flávia Cristina Oliveira Murbach de Barros Programa de Pós-graduação

Leia mais

Preconceito em relação ao Curso de Design de Moda no Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE

Preconceito em relação ao Curso de Design de Moda no Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Preconceito em relação ao Curso de Design de Moda no Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Prejudice in relation to Fashion Design Course at the University Center of Brusque - UNIFEBE Wisbeck, Bruna;

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais