BRENO ABRANTES ROQUE DE OLIVEIRA CONFECÇÃO DE UMA HISTÓRIA EM QUADRINHOS DE FÍSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BRENO ABRANTES ROQUE DE OLIVEIRA CONFECÇÃO DE UMA HISTÓRIA EM QUADRINHOS DE FÍSICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Física CONFECÇÃO DE UMA HISTÓRIA EM QUADRINHOS DE FÍSICA Autor: Breno Abrantes Roque de Oliveira Orientador: Dr. Sérgio Luiz Garavelli. BRASÍLIA 2006

2 BRENO ABRANTES ROQUE DE OLIVEIRA CONFECÇÃO DE UMA HISTÓRIA EM QUADRINHOS DE FÍSICA Trabalho apresentado ao curso de graduação em Licenciatura em Física da Universidade Católica de Brasília, como requisito para a obtenção do Título de licenciado em Física. Orientador: Dr. Sérgio Luiz Garavelli TAGUATINGA JUNHO DE

3 CONFECÇÃO DE UMA HISTÓRIA EM QUADRINHOS DE FÍSICA RESUMO Este trabalho teve por finalidade a confecção de uma História em Quadrinhos (H.Q.) com conteúdo específico de Física: gravitação universal. Além disso, pesquisou-se sobre a linguagem da História em Quadrinhos para mostrar as vantagens e limitações de se utilizar esta linguagem como recurso didático e paradidático no ensino de Física, com o intuito de abrir uma nova opção aos professores para abordarem estes conteúdos de forma mais atraente para os alunos. PALAVRAS-CHAVE: Historia em Quadrinhos, Material didático/paradidático. 3

4 1. INTRODUÇÃO Muito se discute sobre o ensino e aprendizagem de física, muitas propostas de modificação na maneira de abordar e ensinar física vêm sendo apresentadas com intuito de melhorar a relação desta disciplina com os alunos que tanto a criticam, segundo Delicozoiv e Angotti A evolução do Ensino de Física tem sido registrada em farta documentação sobre reformulação, proposta, reflexões e críticas, em especial a que consta das Atas do Simpósio Nacional de Ensino de Física, que desde 1970 vem sendo promovida pela Sociedade Brasileira de Física (SBF) (DELIZOICOV e ANGOTTI, 1991 p.17). Temas como Concepções Espontâneas em física, Ensino da Física e Leitura, Experiência de Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS) no Ensino Fundamental e Médio e outras publicações didático-pedagógica são exemplos de inovações na abordagem do ensino de Física. Estes assuntos já foram e são amplamente discutidos pela comunidade científica e pelas principais instituições formadoras de professores licenciados nesta disciplina. Existe uma crítica comum para os principais autores que discutem este assunto, o ensino tradicional é ultrapassado. Para Cruz ao dissertar sobre o enfoque CTS destaca que: tradicionalmente as ciências são ensinadas através de suas componentes consideradas de forma separada e fragmentada cita também que as ciências são geralmente ensinadas com escassas referências a respeito das suas aplicações a vida real e de sua relevância a vida pessoal dos alunos (CRUZ, 1997 p. 01). Rincon e Almeida ao dissertarem sobre a leitura na física Escolar afirmam que A tentativa de apresentar o conteúdo de forma mais simples contribui para acentuar a fragmentação do que é ensinado, lembraram também que exigese do estudante a explicitação dos conceitos, a reprodução das leis e, principalmente, o domínio da maneira de operar com a representação matemática (RINCON e ALMEIDA, 1991 p. 07). Por estas e outras críticas acredito que é preciso inovar a maneira de abordar a ciência. É necessário falar de ciência de forma atraente e diferenciada; é preciso chamar atenção dos alunos, pegá-los pelo coração. Tendo em vista este problema, pode-se perguntar, como é possível adequar estas novas abordagens ao ano letivo e à realidade escolar? Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN 1999 e PCN+ 2002), o conhecimento de física na escola ganhou novos rumos, a idéia é dar formação geral, ou seja, o ensino deve contribuir para a formação de um cidadão com cultura científica suficiente para entender os fenômenos que o circunda. Podemos citar também a necessidade de integrar os alunos à escola. Essa questão deve ser analisada pelos educadores de cada escola, pois para cada uma existe uma realidade social diferente, por este motivo as novas abordagens são bem aceitas. 4

5 Fazer com que o aprendiz se interesse pela física, é uma tarefa árdua. Esta tarefa pode ser mais facilitada se for feita por meio das novas abordagens, leitura, material paradidáticos como PEC, análise de conceitos vinculados por diferentes meios de comunicação, aplicação de projetos pedagógicos e outros. Segundo os autores Carvalho, Vannucchi, Barros, Gonçalves e Rey ao dissertarem sobre ciência no ensino fundamental ressaltaram que A relação entre aula de ciência e a língua portuguesa também pode ser feita quando o professor propõe aos alunos a leitura de materiais paradidáticos que tratem do tema estudado na aula de ciência (CARVALHO, VANNUCCHI, BARROS, GONSALVES e REY, 1998 p. 25). Fazer com que o aluno leia materiais que envolvam ciência pode ser muito importante, mas isso não é tão simples assim, para a maioria dos alunos a leitura de livros e manuais de física é visto como uma atividade cansativa e chata, sendo necessário que aproxime esta leitura do cotidiano do leitor para que o mesmo tome gosto por ela e se acostume com conceitos abstratos da física. Qual a relação que a leitura tem com o ensino fundamental e médio do ensino de ciências sem falar na importância do aprendizado da nossa língua mãe? Se a física for bem explorada no ensino fundamental de ciências através de outras linguagens menos complexas que a Matemática, pode-se facilitar o envolvimento futuro destes alunos com a física no ensino médio, se este hábito começar no ensino fundamental, por meio de leitura de materiais paradidáticos que chame a atenção do aluno, o leitor estará apto a aceitar mais cedo a leitura e interagir de forma prazerosa com os conceitos físicos. Além da leitura podemos utilizar outros meios para ensinar física, utilizar imagens por exemplo pode ser muito proveitoso, a imagem tem uma importância primordial no processo emocional. Santos e Trivelato (2003) mostram que 80% dos estímulos que recebemos estão ligados à visão, a imagem também pode assumir papel importantíssimo sobre a opinião pessoal, pois se cria um efeito lúdico sobre aquilo que se observa, por este motivo achamos que nossos olhos jamais nos enganarão. A História em Quadrinhos (H.Q.) possue as linguagens gráfico-visual e leitura. Ela pode ser utilizada como material didático, aliás esta idéia não é nova. Usar imagens desenhadas para informar é milenar. A história mostra que há quase 40 mil anos os primeiros desenhos realizados pela humanidade foram as pinturas rupestres. Elas foram utilizadas por tribos primitivas para relatar seu cotidiano às novas gerações. Outro exemplo muito conhecido é o conjunto de quadros que contam a Paixão de Cristo, isto prova o caráter de comunicação universal das H.Q. Para Guimarães esta idéia de que o uso de imagens não abstratas, em particular da H.Q., é uma forma de comunicação universal vem de longa data, e tem sido largamente utilizada (GUIMARÃES, 2002 p. 02). Will Eisner, grande quadrinista norte americano, utilizou as H.Q. para produzir manuais para o exército dos EUA na segunda guerra mundial, o exército americano 5

6 considerou esta idéia uma solução eficaz, já que os manuais em forma de H.Q. facilitaram para ensinar os soldados, pessoas simples, de pouca formação, a manusear e cuidar dos vários equipamentos entregues à sua responsabilidade. Esta idéia se mostrou tão eficiente que levou o quadrinista a trabalhar com estes manuais educativos para empresas e organizações. Estes exemplos mostram que as H.Q. têm grande potencial como material didático e paradidático. No Brasil atualmente estas idéias são muito discutidas tendo como fruto trabalhos de graduação teses e dissertações. Sabendo do potencial das H.Q., este trabalho visou elaborar uma H.Q. com conceitos físicos para o público infanto-juvenil, podendo ser usado como material didático ou paradidático abrindo assim uma nova forma de abordar o ensino de física. Partindo daí, as H.Q. podem apoiar o desenvolvimento de um futuro leitor e iniciá-lo no raciocínio físico. E por que não ler uma revista que contenha histórias com conceitos de Física? 2. MATERIAIS E MÉTODOS Os desenhos da H.Q. Gravitação Universal foram feitos em folhas tamanho A-4, que cortadas, perfuradas e montadas em uma espiral toma aparência de uma pequena revista, eles estão também diagramados digitalmente como mostra o anexo. Por enquanto os desenhos estão em preto e branco, se necessário for serão coloridos para serem utilizados como material didático-pedagógico. A H.Q. Gravitação Universal apresenta histórias onde os conceitos físicos aparecem com o desenrolar dos fatos, não há narração, diferente de algumas revistas em quadrinho elivros como, Introdução Ilustrada à Física (1994) e Números Negativos (1992), onde os personagens explicam a teoria ou apenas ilustram as equações e conceitos, não existe estória propriamente dita. 6

7 2.1. Linguagem e História em Quadrinho Para confeccionar uma H.Q. é importante defini-la, Guimrães cita que: História em Quadrinhos é a forma de expressão artística que tenta representar um movimento através do registro de imagens estáticas. Assim, é História em Quadrinhos toda produção humana, ao longo de toda sua História, que tenha tentado narrar um evento através do registro de imagens, não importando se esta tentativa foi feita numa parede de caverna há milhares de anos, numa tapeçaria, ou mesmo numa única tela pintada. Não se restringe, nesta caracterização, o tipo de superfície empregada, o material usado para o registro, nem o grau de tecnologia disponível. Engloba manifestações na área da Pintura, Fotografia, Desenho de Humor como a charge e o cartum, e até algumas manifestações da escrita. (GUIMARÃES, 2002 p. 02). Através deste conceito e possível afirmar que as H.Q. já fazem parte da cultura humana, e que podem ser vistas como uma maneira de se comunicar ou se expressar artisticamente, ou seja, é um tipo de linguagem. Para que as H.Q. sejam criadas é necessário a construção de um universo ficcional que segundo Guimarães é fruto da simulação interna do cérebro do autor para representar a realidade, e pode ser transmitida através da comunicação e materializada por meio de uma linguagem específica que segue regras e códigos também específicos. (GUIMARÃES, 2002 p. 06) Segundo as afirmações de Guimarães estes códigos e regras devem ser respeitados pelo autor, pois se assim não for, a cumplicidade do espectador com o universo ficcional do autor pode ser comprometida (GUIMARÃES, 2002 p.07), e que as principais regras e códigos são: Representação de Imagem, Representação do Movimento, Representação dos Sons e Encadeamento de Imagem. Estilização da imagem: é o estilo de como uma imagem da natureza pode ser representada através de desenho. Uma imagem real captada pelos olhos, possui detalhes muito complexos para ser representado através de desenho, logo é necessário fazer simplificações, e é ai que entra o estilo do autor. A estilização mais comum no desenho e também nas H.Q. publicadas em preto branco e na maioria das H.Q. coloridas é a utilização de traço bem definido para delimitar o contorno dos objetos e figuras representados, que pode se constatar na Figura 1 (a). Representação do movimento: é a representação do movimento através de imagem ou imagens estáticas. Quando se usa uma única imagem estática para representar o 7

8 movimento pode-se usar vários recursos, como a deformação de folhas e galhos de uma árvore sob ação do vento, a inclinação de um corpo para indicar que está correndo, a alteração das dobras das roupas. Outro recurso muito usado é o das linhas de ação que pode ser vista na Figura 1 (b). Uma linha de ação é um traço representado fisicamente no desenho indicando a trajetória de um objeto. É necessário entender que estas linhas de ação não têm existência física na paisagem, apenas representam o movimento. Representação dos sons: é a tentativa de representar o som do universo ficcional do autor através da linguagem escrita. Para isso é comum o uso de balões, explícitos na Figura 1 (b) delimitando esta escrita apontando para as fontes sonoras. É importante lembrar que esses balões não têm existência física. (a) (b) Figura 1: Estilização da imagem, representação do movimento e representação dos Sons. Encadeamento de imagens: é a representação de um movimento mais complexo através de uma seqüência de imagens. É muito comum nas H.Q., o autor decompor uma cena em um determinado número de imagens estáticas colocadas em seqüência, separadas, normalmente dentro de quadros, como os da Figura 2, seguindo a mesma convenção da leitura de textos escritos usados no mundo ocidental: da esquerda para a direita e de cima para baixo. 8

9 Figura 2: Encadeamento de imagens Metalinguagem e História em Quadrinhos Metalinguagem segundo o dicionário É a linguagem utilizada para descrever outra linguagem. Nas H.Q. a metalinguagem e definida por Guimarães como recurso, utilizado por um autor, de expor códigos e regras da linguagem utilizada na realização de sua obra, através alteração de suas convenções (GUIMARÃES, 2002 p. 10). Estes recursos são descritos por ele como: alteração no sentido da leitura, extrapolação do enquadramento, materialização dos códigos e interlocução entre personagem e espectador. Alteração no sentido de leitura: consiste na mudança no sentido de leitura dos quadrinhos que normalmente no ocidente vai da esquerda para a direita. Alguns autores, no entanto, por vários motivos, alteram o sentido de leitura, e para isso precisam dar algum tipo de indicação ao espectador para que ele possa fazer a leitura no sentido correto. Esta mudança no sentido de leitura leva o espectador a ficar consciente de um elemento da linguagem que normalmente passa despercebido. No caso da Figura 3 ocorre a alteração da leitura devido à posição dos personagens. Materialização dos códigos: quando os códigos que são delimitados pelos balões ganham existência material para os personagens da H.Q. Figura 4 (a). São vários os exemplos: o personagem que se segura na linha superior do quadro para fugir de um perigo; o uso do balão de fala como um balão de gás para flutuar e etc. 9

10 Figura 3: Alteração no sentido da leitura. Extrapolação do enquadramento: quando o personagem desenhado extrapola os limites do enquadramento que não tem existência física. Esta extrapolação tem o intuito de destacar a imagem e deixá-la bem definida para o expectador, pode ser visto na Figura 4 (b). (a) Figura 4: Materialização dos códigos e extrapolação do enquadramento. (b) 10

11 Interlocução entre personagem e espectador: quando o personagem adquirir a consciência de que é um personagem de quadrinho e interage diretamente com o interlocutor ou próprio autor. como na Figura 5. Figura 5: Interlocução entre personagem e expectador 3. RESULTADO E DISCUSSÔES 3.1. História em Quadrinhos Linguagem Universal e Recurso Didático-Pedagógico Uma das potencialidades das H.Q. é a sua universalidade, segundo pesquisa realizada por Calazans (2006), esta linguagem é utilizada em todo mundo, no Brasil conhecemos como Gibi, significa moleque negrinho e indica os jornaleiros que vendiam jornais com H.Q., nos EUA Strip Comics, no Japão Mangá, na Itália Fumeti. Cada país possue sua característica, o importante é que essa linguagem já é bem aceita em toda midiosfera global. Depois de visitar vários países fazendo levantamento bibliográfico para sua pesquisa, Calazans, pode concluir que aparentemente não existiam títulos específicos de teoria da H.Q. como recurso didático-pedagógico, por este motivo ele se sentiu sensibilizado em pesquisar e escrever sobre este assunto e formulou varias maneiras de se utilizar as H.Q. 11

12 como recurso didático, abrindo um leque extenso sobre como fazer isso. São idéias inovadoras como: montagem de Gibiteca com apoio da comunidade e dos próprios alunos com o intuito de iniciar o aluno a leitura, abordagens de teorias científicas (radiotividade criando mutações genéticas como os X-Men, Hulk, Homem Aranha), a H.Q. do Chico Bento (Turma da Mônica) pode se utilizado para ensinar português fazendo com que os alunos corrijam os erros das falas caipirescas do personagem, produção de quadrinhos com o objetivo direto paradidático ou didático e assim por diante. Percebe-se então que essa universalidade e aceitação das H.Q. podem ser a porta de entrada para aproximar dos alunos várias áreas do conhecimento como: Artes Plásticas através de produção de Gibi, Português na aproximação da leitura ou na criação de roteiros para novas H.Q., Meio Ambiente utilizando Gibis com este enfoque, ciência em geral (Física, Biologia, Química, Matemática) através de leitura de Gibis produzidos com o intuito de ensinar estas ciências ou produção destes Gibis e muitas outras áreas do conhecimento. Um exemplo de se abordar ciências com H.Q., já vem sendo realizado na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Caruso, Carvalho e Silveira (2002) apresentam uma proposta de ensino de ciência a partir das H.Q., contando com a participação de pesquisadores, professores, licenciandos e alunos do ensino médio através de oficinas de Educação de Ciências através de História em Quadrinhos (EDUHQ). Estes autores justificam este projeto pela pedagogia Bachelardiana tendo como centro O ato criativo e a dinâmica articuladora da ciência, da poética e das artes (BACHELARD apud CARUSO, 2002). Eles trazem também como justificativa a necessidade de ensinar ciência para todos os alunos e citam que: É fato comprovado que, em disciplinas tais como Física, Química, Biologia e Matemática, grande parte dos alunos do ensino médio tem medo destas disciplinas, não alcançando rendimento satisfatório, o que eleva às taxas de repetência e de evasão escolar, engrossando as fileiras dos excluídos social e culturalmente. Entretanto, ao se procurar um material didático que possa atender as especificidades e necessidades reais desses alunos, pouco se encontra, tornando ainda mais difícil qualquer mudança significativa nesse quadro. (CARUSO,CARVALHO e SILVEIRA, 2002 p. 04). Para isso defendem também este projeto como uma adequação do material didático. Nas oficinas do EDUHQ os alunos são estimulados a desenvolverem tirinhas com conteúdos referentes a ciência fazendo com que ele reflita e aprenda o conceito abordado através de suas próprias deduções e sempre que precisa recorre ao professor, estas tirinhas abordam diversos temas da Física como podemos ver nas tirinhas da Figura 6. 12

13 Figura 6: Tirinha do EDUHQ. Retirada do site: http//:www.cbpf.br/eduhq Pode-se perceber que a idéia de inovar a abordagem de Física usando H.Q. já é um fato concreto aqui no Brasil, as propostas de ensino feitas por Flavio Calazans e o projeto EDUHQ são exemplos claros disso e seguem a mesma linha de raciocínio. A produção da H.Q. Gravitação Universal, fruto deste trabalho, também aponta para a mesma direção, quer sendo utilizada como recurso didático-pedagógico direcionado ao ensino de Física, quer como estímulo aos leitores infanto-juvenis a gostarem desta disciplina Limitações no Uso das História em Quadrinhos Como Recurso Didático-pedagógico Um dos problemas levantados no uso das H.Q. nas escolas como material didáticopedagógico é o despreparo dos professores com relação à maneira de usar este material em sala de aula e a falta de conhecimento sobre este tipo de linguagem. 13

14 Para alguns estudiosos não é certo dizer que pelo fato deste tipo de linguagem ser bem aceita ela é bem compreendida e fácil de se trabalhar. Guimarães ao pesquisar sobre este assunto cita que um número considerável de estudiosos prega que a História em Quadrinho é uma linguagem que necessita ser formalmente ensinada (GUIMARAES, 2002, p. 07). Exatamente por este mesmo motivo Flávio Calazans montou um programa de curso voltado para professores interessados em utilizar as H.Q. como recurso auxiliar de aprendizagem e ressalta que: Há critérios para julgar o livro de H.Q. paradidática antes de adotar o material, um estudo preliminar faz-se necessário: 1) um requisito da H.Q. didática é que deve haver drama, verbo, ação, movimento, um colorido rico em todas as páginas, os personagens devem prender a atenção do leitor, ser entretenimento que eduque, linguagem acessível; 2) caso haja longos discursos, ilustrações de processos muito detalhadas descritivas sem narrativa- por duas ou três páginas, ou balões com mais de sete linhas, tal material será cansativo e entediante, afastando e desmotivando o aluno; 3) é necessário captar o interesse e reproduzir a signagem, a Gestalt, o visual a estética e ritmo narrativo ao qual os alunos estão habituados em sua leitura espontânea.(calazans, 2006, p. 11) Essa preocupação é importante, a utilização das H.Q. nas escolas não deve ser feita só pelo fato de que é uma linguagem universal de fácil acesso aos estudantes, divertida e estimulante, não deve ser encarada como a nova onda, é importante ficar claro que ela está sendo defendida como mais uma forma diferenciada de se trabalhar em sala de aula como material paradidático. É necessário que os professores queiram trabalhar com este tipo de linguagem e estejam empenhados em se preparar para utilizá-la. A escola precisa de mudanças, para isso existe inúmeras formas de se trabalhar além da forma tradicional, o uso das H.Q. deve ser visto como mais uma opção aos professores. 4. CONCLUSÕES Como se pode verificar em anexo foi possível confeccionar a H.Q. Gravitação Universal. Logicamente existem limitações artísticas com relação aos desenhos e diagramação devido a pouca experiência artística e de conhecimento desta linguagem por 14

15 parte do autor. Melhorias ainda podem ser feitas colorindo ou refazendo os desenhos manualmente ou através de softwares específicos para isso. O mais importante é que foi possível abordar de maneira diferenciada a Gravitação Universal, um conteúdo específico da Mecânica através da linguagem H.Q., e refletir sobre a sua utilização como material didático-pedagógico. Como ficou demonstrado no trabalho esta não é uma idéia nova. Mas, no Brasil existem poucas pesquisas teóricas e muito poucas que partiram também para a prática e discussão dos resultados. Existem ainda muitas perguntas a serem respondidas. Será que realmente a H.Q. possue toda essa potencialidade universal e estimulante para os jovens, diante de tantas outras opções tecnológicas? É mesmo necessário conhecer a fundo a linguagem das H.Q. para utilizá-la como material didático? É possíveis aprender de maneira profunda, conteúdos complexos da Física com uso de H.Q.? Por estas e outras perguntas é necessário aplicar a H.Q., Gravitação Universal como material didático-pedagógico e verificar os aspectos positivos e negativos da utilização desta nova linguagem na prática. Este seria um passo seguinte a este trabalho. Uma boa opção seria levar varias cópias desta H.Q. para uma escola e pedir para que os alunos realizem a leitura em casa e posteriormente fosse realizado um debate confrontando as idéias dos alunos sobre o assunto abordado na H.Q. e a teoria passada pela H.Q., e por fim, perguntando aos alunos se a leitura foi agradável e interessante. Pode-se também disponibilizar este material na Internet para facilitar o acesso dos alunos. Uma outra opção seria utilizar a mesma proposta do Projeto já citado neste trabalho, EDUHQ, o professor apresentaria aos alunos a H.Q. Gravitação Universal, estimulando-os a criarem suas próprias tirinhas sobre o conteúdo. Enfim, dependendo da criatividade e da possibilidade de cada professor é possível usar este material de várias maneiras. 5. AGRADECIMENTOS H.Q. Ao professor Dr. Sérgio Luiz Garavelli, pela orientação e dedicação. Ao professor Dr. Elio Carlo Ricardo, pela atenção no apoio à parte escrita. E ao professor Newton Scheufler pela colaboração no desenvolvimento da 15

16 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CALAZANS, Flávio M. A. Midiologia das Historias em Quadrinhos Como Recurso Didático. São Paulo, Pesquisa em andamento - UNESP, São Paulo; CARUSO, Francisco; CARVALHO, Miriam; SILVEIRA, Maria Cristina. Uma Proposta de Ensino e Divulgação de Ciência Através dos Quadrinhos. ln: ICSU Conference on science and Mathematics Education. 2002, Rio de Janeiro. Instituto de Física da UERJ, p.. Ensino não Formal no Campo da Ciências Através dos Quadrinhos. Instituto de Física da UERJ p. CARVALHO, Ana. M. P;VANUCCHI, Adréa I.; BARROS, Marcelo A; GONÇALVES, Maria E. R.; REY, Renato C.Ciência No Ensino Fundamental O Conhecimento Físico. São Paulo: Scipone CRUZ, Sonia M. S. C. de Souza. O EVENTO ACIDENTE DE GOIÂNIA: EXPERIÊNCIA DE CTS NO ENSINO FUNDAMENTAL. Santa Catarina p. DELIIZOICOV, Demétrio; ANGOTTI, José André. Física. 1 a ed. Cortes Editora GONICK, Larry; HUFFMAN, Art. Introdução ilustrada à física. 2. ed. São Paulo: Harbra GUIMARÃES, Edgard. Linguagem e Metalinguagem na Historia em Quadrinhos. In: XXV CONGRESSO ANUAL EM CIÊNCIA DA COMUNICAÇÃO Bahia. Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA p.. O Aprendizado da Historia em Quadrinhos. Bahia, In: V Encontro dos Núcleos de Pesquisa da Intercom. 2002, Bahia. ITA 2002 IMENES, Luiz M. P; JAKUBOVICK, José; LELLIS Marcelo C. Números Negativos. 1ª ed. São Paulo: Atual p. LITERATURA GRÁFICO VISUAL: Apresenta dissertação sobre o tema. Produzido por Lien Ribeiro Borges. Desenvolvido pela Universidade de São Paulo. Disponível em: <http://www.eca.usp.br/nucleos/nphqeca/agaque /ano3/numero2/agaquev3n2_1.htm> Acesso em: 16 mai

17 MAURICIO DE SOUSA PRODUÇÔES. Cebolinha. São Paulo: Globo, n. 100, abr MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO.Parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio. Brasília/D.F. : MEC Secretaria de Educação Média e Tecnológica (SEMTEC), MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio PCN+ Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais - Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília/D.F: MEC Secretaria de Educação Média e Tecnológica (SEMTEC), QUADRINHOS. Apresenta textos e estórias em quadrinhos que explicam como desenvolver uma revista em quadrinho. Disponível em: <http://www.escola24h.com.br/salaaula/estudos/portugues /203_quadrinhos/?cod_aula=3433>. Acesso em: 16 mai RICON, Alan E.; ALMEIDA, Maria J. P. M. Leitura: Teoria e Prática:Ensino da Física e Leitura. São Paulo: [s.n.] p. SANTOS, Cynthia; SILVA, Trivelato. Telecurso 2000 Ensino Médio Biologia Volume 2. 1ª ed. Rio de Janeiro: Globo p. 17

18 ANEXO 18

19 1

20 2

21 3

22 4

23 5

24 6

25 7

26 8

27 9

28 10

29 11

História em Quadrinhos e Fanzine na Escola

História em Quadrinhos e Fanzine na Escola História em Quadrinhos e Fanzine na Escola Aula 2 2ª parte Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014 O que é HQ? Histórias em quadrinhos são registros imagéticos que compreendem

Leia mais

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto.

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto. PLANO DE LÍNGUA PORTUGUESA ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: História em quadrinho PERÍDO APROXIMADAMENTE: 5º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura;

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Tirinhas Educativas Caruso & Silveira TIRINHAS EDUCATIVAS

Tirinhas Educativas Caruso & Silveira TIRINHAS EDUCATIVAS TIRINHAS EDUCATIVAS CARUSO, Francisco 1 francisco.caruso@gmail.com SILVEIRA, Cristina 2 mariacristinasilveira@gmail.com 1. INTRODUÇÃO Ao se pensar na atual situação da Educação brasileira, com um olhar

Leia mais

A LEITURA EM QUADRINHOS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS. Material elaborado por Aline Oliveira, Eliana Oiko e Ghisene Gonçalves

A LEITURA EM QUADRINHOS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS. Material elaborado por Aline Oliveira, Eliana Oiko e Ghisene Gonçalves A LEITURA EM QUADRINHOS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS Material elaborado por Aline Oliveira, Eliana Oiko e Ghisene Gonçalves DOAÇÃO DE LIVROS À: BIBLIOTECA PÚBLICA (APROX. 150 LIVROS) UNIDADES

Leia mais

Produção de Histórias em Quadrinhos no Ensino de Química Orgânica: A Química dos Perfumes como Temática

Produção de Histórias em Quadrinhos no Ensino de Química Orgânica: A Química dos Perfumes como Temática Produção de Histórias em Quadrinhos no Ensino de Química Orgânica: A Química dos Perfumes como Temática Paloma Nascimento dos Santos 1 (FM)*, Kátia Aparecida da Silva Aquino 2 (PQ) 1 Secretaria de Educação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES

QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES Gerciclea Rodrigues ALVES 1, Maílson Alves de OLIVEIRA 2, José Euzébio

Leia mais

PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI

PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI João Paulo de Oliveira Maciel Graduando do Curso de Licenciatura em Artes Cênicas IFTO Prof. Pablo Marquinho Pessoa Pinheiro (Orientador) Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos.

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos. O USO DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO RECURSO DIDÁTICO- PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E LITERATURA Edna Antunes Afonso João Paulo da Silva Andrade 1 Resumo: Este trabalho parte de pesquisas através

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO E DIVULGAÇÃO DE CIÊNCIAS ATRAVÉS DOS QUADRINHOS *

UMA PROPOSTA DE ENSINO E DIVULGAÇÃO DE CIÊNCIAS ATRAVÉS DOS QUADRINHOS * UMA PROPOSTA DE ENSINO E DIVULGAÇÃO DE CIÊNCIAS ATRAVÉS DOS QUADRINHOS * Francisco Caruso 1,2, Mirian de Carvalho 3, Maria Cristina Silveira 4,5 Mesmo quando ensinam, Os homens aprendem. (Sêneca, Epistulae

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Andreia Carvalho Maciel Barbosa Colégio Pedro II, UERJ/FFP, UNESA andreiamaciel@ajato.com.br Marcelo André Abrantes Torraca UERJ/FFP,

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHOS: IMPORTANTE ALIADO NA ALFABETIZAÇÃO VISUAL E NA APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA SEA

HISTÓRIA EM QUADRINHOS: IMPORTANTE ALIADO NA ALFABETIZAÇÃO VISUAL E NA APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA SEA HISTÓRIA EM QUADRINHOS: IMPORTANTE ALIADO NA ALFABETIZAÇÃO VISUAL E NA APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA SEA MARIA JOSÉ NEGROMONTE DE OLIVEIRA (PREFEITURA DO RECIFE). Resumo O referido trabalho

Leia mais

ALERTA: AÇÕES EDUCATIVAS - PROJETO O.Q DE QUADRINHOS E O PROCESSO DE ENSINAR ARTE ATRAVES DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS.

ALERTA: AÇÕES EDUCATIVAS - PROJETO O.Q DE QUADRINHOS E O PROCESSO DE ENSINAR ARTE ATRAVES DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. ALERTA: AÇÕES EDUCATIVAS - PROJETO O.Q DE QUADRINHOS E O PROCESSO DE ENSINAR ARTE ATRAVES DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. Evânio Bezerra da Costa (Jimmy Rus 1 ) jimmyrus13@yahoo.com.br Comunicação: Relato

Leia mais

Cibercultura na Educação de Jovens e Adultos

Cibercultura na Educação de Jovens e Adultos Cibercultura na Educação de Jovens e Adultos JULIANNE FISCHER SILVANA KUNEL PEREIRA Em 1999, no estado de Santa Catarina, os Centros de Educação de Adultos (CEA s) passaram a se denominar Centro de Educação

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

Atividades pedagógicas no Microsoft PowerPoint - Tirinhas. Colégio Pe. João Bagozzi Profa. Cristina Pereira Chagas Turma: NOR1MA 27/08/2012

Atividades pedagógicas no Microsoft PowerPoint - Tirinhas. Colégio Pe. João Bagozzi Profa. Cristina Pereira Chagas Turma: NOR1MA 27/08/2012 Atividades pedagógicas no Microsoft PowerPoint - Tirinhas Colégio Pe. João Bagozzi Profa. Cristina Pereira Chagas Turma: NOR1MA 27/08/2012 Atividades pedagógicas no Microsoft PowerPoint - Tirinhas Objetivos:

Leia mais

Estratégias didático-metodológicas para o ensino da leitura do texto literário

Estratégias didático-metodológicas para o ensino da leitura do texto literário Estratégias didático-metodológicas para o ensino da leitura do texto literário Sharlene Davantel Valarini (Doutoranda em Estudos Literários/UEM-PR) Resumo: Nos dias de hoje, o ensino da literatura ainda

Leia mais

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS Debora Laranjeira Colodel 1 Mary Ângela Teixeira Brandalise 2 Resumo A pesquisa teve como objetivo investigar

Leia mais

O processo de criação de uma história em quadrinhos em sala de aula: um estudo de caso

O processo de criação de uma história em quadrinhos em sala de aula: um estudo de caso O processo de criação de uma história em quadrinhos em sala de aula: um estudo de caso Alberto Ricardo PESSOA 1 Resumo O objetivo deste artigo é apresentar um estudo crítico acerca do processo de produção

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Andrade & Alexandre (2008) In Prática da Escrita Histórias em Quadrinhos

Andrade & Alexandre (2008) In Prática da Escrita Histórias em Quadrinhos Ler HQs além de ser uma atividade que pode ser desenvolvida observando-se todas as estratégias de leitura, é também levar os leitores a momentos que antecedem a própria leitura das letras, pois a estrutura

Leia mais

O ENSINO DE ANALISE COMBINATÓRIA UTILIZANDO HISTÓRIA EM QUADRINHOS: UMA NOVA EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE ANALISE COMBINATÓRIA UTILIZANDO HISTÓRIA EM QUADRINHOS: UMA NOVA EXPERIÊNCIA O ENSINO DE ANALISE COMBINATÓRIA UTILIZANDO HISTÓRIA EM QUADRINHOS: UMA NOVA EXPERIÊNCIA Eugeniano Brito Martins Colégio Militar do Corpo de Bombeiros do Estado do Ceará CMCB-CE eugenianobm@yahoo.com.br

Leia mais

AS TIRAS DA MAFALDA: CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA NA LINGUAGEM DE QUADRINHOS

AS TIRAS DA MAFALDA: CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA NA LINGUAGEM DE QUADRINHOS AS TIRAS DA MAFALDA: CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA NA LINGUAGEM DE QUADRINHOS Anderson Iury Nunes BARROS andersoniury@yahoo.com.br Instituto de Estudos Sócio-Ambientais IESA/UFG Bolsista Prolicen Camila Porto

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por elaboração: Tatiana Pita Mestre em Educação pela PUC (SP) Pão, pão, pão escrito por ilustrado por Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman 2 O encanto e as descobertas que o livro nos

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

O USO DE QUADRINHOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UM ENSAIO COM ALUNOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UECE

O USO DE QUADRINHOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UM ENSAIO COM ALUNOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UECE O USO DE QUADRINHOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UM ENSAIO COM ALUNOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UECE Ana Carolina Costa Pereira Universidade Estadual do Ceará UECE carolinawx@gmail.com Resumo: Atualmente

Leia mais

DESENHO GESTUAL PARA PROFESSORES (E ALUNOS) DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

DESENHO GESTUAL PARA PROFESSORES (E ALUNOS) DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DESENHO GESTUAL PARA PROFESSORES (E ALUNOS) DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Regina Coeli Moraes Kopke Universidade Federal de Juiz de Fora regina.kopke@ufjf.edu.br Resumo: A presente proposta de mini-curso se pauta

Leia mais

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL Universidade Federal de Goiá/Faculdade de Artes Visuais Rodrigo Cesário RANGEL Rodrigoc_rangel@hotmail.com

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E HQS NO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E HQS NO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E HQS NO ENSINO FUNDAMENTAL Daiane Aparecida Begname 1 Priscila Paschoalino Ribeiro 2 RESUMO O presente trabalho de extensão visou incentivar o uso de Histórias em Quadrinhos no ensino

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSOR A DISTÂNCIA NA UFG: UM ESTUDO SOBRE O MATERIAL DIDÁTICO DA DISCIPLINA DE LIBRAS

A FORMAÇÃO DE PROFESSOR A DISTÂNCIA NA UFG: UM ESTUDO SOBRE O MATERIAL DIDÁTICO DA DISCIPLINA DE LIBRAS A FORMAÇÃO DE PROFESSOR A DISTÂNCIA NA UFG: UM ESTUDO SOBRE O MATERIAL DIDÁTICO DA DISCIPLINA DE LIBRAS Lira Matos MARTINS FL UFG Cleide Aparecida Carvalho RODRIGUES FE UFG Juliana Guimarães FARIA FL -

Leia mais

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional? página 01 Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional A definição de Objeto Educacional, adotada pela equipe do projeto Arte com Ciência, é um

Leia mais

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO

Leia mais

Mídias na educação: construindo histórias em quadrinhos a partir do software educativo HagáQuê.

Mídias na educação: construindo histórias em quadrinhos a partir do software educativo HagáQuê. Mídias na educação: construindo histórias em quadrinhos a partir do software educativo HagáQuê. Maria Carolina Gomes da SILVA/PPGE/UFAL RESUMO: O programa HagáQuê foi desenvolvido de modo a facilitar o

Leia mais

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG JornaVista: entrevista em quadrinhos 1 Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG RESUMO O presente trabalho pretende apresentar como se deu a

Leia mais

Questões Ambientais. em tirinhas. Francisco Caruso & Cristina Silveira

Questões Ambientais. em tirinhas. Francisco Caruso & Cristina Silveira Questões Ambientais em tirinhas Francisco Caruso & Cristina Silveira Oficina de Educação Através de Histórias em Quadrinhos e Tirinhas CBPF / Coordenação de Documentação e Informação / Biblioteca Q5 Questões

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela

Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela Resumo: Este presente trabalho tem como intuito resgatar atividades já feitas em décadas anteriores, para elaboração de novos métodos didáticos em

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA

O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA 1 O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA Joelma da Silva Moreira 1 Angela Maria Corso 2 RESUMO: O presente artigo, na condição de trabalho de conclusão de curso, pretende

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Manoela Afonso UNESP - Campus Bauru-SP manoela_afonso@hotmail.com Comunicação Oral Pesquisa Concluída

Leia mais

QUADRINHOS: UMA PROPOSTA DE RELEITURA DOS SABERES

QUADRINHOS: UMA PROPOSTA DE RELEITURA DOS SABERES QUADRINHOS: UMA PROPOSTA DE RELEITURA DOS SABERES CARUSO, Francisco (IF/UERJ & CBPF) SILVEIRA, Cristina (SEE/RJ & SME- Duque de Caxias/RJ) Mais vale um espírito bem formado, que uma cabeça cheia. Michel

Leia mais

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO Análise do professor: Parâmetros para avaliação Ao navegar por Web sites é importante observar alguns tópicos para determinar se um site é bom ou não. Navegação, design, conteúdo, velocidade de acesso,

Leia mais

O Aprendizado da Linguagem da História em Quadrinhos 1. Edgard Guimarães 2. Instituto Tecnológico de Aeronáutica

O Aprendizado da Linguagem da História em Quadrinhos 1. Edgard Guimarães 2. Instituto Tecnológico de Aeronáutica O Aprendizado da Linguagem da História em Quadrinhos 1 Edgard Guimarães 2 Instituto Tecnológico de Aeronáutica Resumo Este texto trata da seguinte questão: a linguagem da História em Quadrinhos pode ser

Leia mais

Relato de Experiência Educativa 1 JUSTIFICATIVA:

Relato de Experiência Educativa 1 JUSTIFICATIVA: Relato de Experiência Educativa Título: A Fotografia na Escola: A Escola aos olhos dos alunos Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Maria de Lourdes Poyares Labuto Cariacica-ES Série: 2 Ano do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO VIDEIRA, JUNHO DE 2008 ERMELINA PIRES FERREIRA GISLAINE GONZALEZ SIRLEI MUNZLINGER

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores O USO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO RECURSO DIDÁTICO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: RELATO DE UMA

Leia mais

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Olga Cristina Teixeira Lira Carlos Eduardo Monteiro Universidade Federal de Pernambuco olgactlira@hotmail.com;

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO DE CONTO EM CONTO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE Maria Helena Cunha de Andrade SILVA RESUMO Esse trabalho relata uma experiência de leitura e produção textual realizada no decorrer do ano letivo de

Leia mais

USANDO QUADRINHOS PARA DISCUTIR ÓTICA¹

USANDO QUADRINHOS PARA DISCUTIR ÓTICA¹ XX Simpósio Nacional de Ensino de Física SNEF 2013 São Paulo, SP 1 USANDO QUADRINHOS PARA DISCUTIR ÓTICA¹ Eduardo Oliveira Ribeiro de Souza 2, Deise Miranda Vianna 3 1 Apoio IOC/FIOCRUZ 2 IOC/FIOCRUZ eduardo.souza@ioc.fiocruz.br

Leia mais

PRÁTICAS DE ENSINO DA METODOLOGIA DE GEOGRAFIA: A GEOGRAFIA NA SALA DE AULA

PRÁTICAS DE ENSINO DA METODOLOGIA DE GEOGRAFIA: A GEOGRAFIA NA SALA DE AULA PRÁTICAS DE ENSINO DA METODOLOGIA DE GEOGRAFIA: A GEOGRAFIA NA SALA DE AULA Marcele Larisse dos Santos Silva larisse_al14@hotmail.com Rafaella Márcia Borges da Silva mb.rafaella@gmail.com RESUMO O presente

Leia mais

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES Silmara Cristina Manoel UNESP Ilha Solteira Silmaracris2@hotmail.com Inocêncio Fernandes Balieiro Filho

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

QUADRINHOS, UMA JANELA PARA AVENTURAS!!!

QUADRINHOS, UMA JANELA PARA AVENTURAS!!! OFICINA Nº: 01 (PARTE 1) QUADRINHOS, UMA JANELA PARA AVENTURAS!!! ÁREA: Língua Portuguesa FAIXA ETÁRIA: 08 a 12 anos. CARGA HORÁRIA: 03 horas. OBJETIVO: Conhecer a estrutura de histórias em quadrinhos.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Projeto Gene: Ambiente de Apoio à Aprendizagem de Genética Baseado em Tamagotchi

Leia mais

UMA CARACTERIZAÇÃO AMPLA PARA A HISTÓRIA EM QUADRINHOS E SEUS LIMITES COM OUTRAS FORMAS DE EXPRESSÃO EDGARD GUIMARÃES

UMA CARACTERIZAÇÃO AMPLA PARA A HISTÓRIA EM QUADRINHOS E SEUS LIMITES COM OUTRAS FORMAS DE EXPRESSÃO EDGARD GUIMARÃES UMA CARACTERIZAÇÃO AMPLA PARA A HISTÓRIA EM QUADRINHOS E SEUS LIMITES COM OUTRAS FORMAS DE EXPRESSÃO EDGARD GUIMARÃES Quadrinhista e Editor Independente RESUMO Este texto busca caracterizar de forma ampla

Leia mais

UMA CARACTERIZAÇÃO AMPLA PARA A HISTÓRIA EM QUADRINHOS E SEUS LIMITES COM OUTRAS FORMAS DE EXPRESSÃO EDGARD GUIMARÃES

UMA CARACTERIZAÇÃO AMPLA PARA A HISTÓRIA EM QUADRINHOS E SEUS LIMITES COM OUTRAS FORMAS DE EXPRESSÃO EDGARD GUIMARÃES UMA CARACTERIZAÇÃO AMPLA PARA A HISTÓRIA EM QUADRINHOS E SEUS LIMITES COM OUTRAS FORMAS DE EXPRESSÃO EDGARD GUIMARÃES Quadrinhista e Editor Independente RESUMO Este texto busca caracterizar de forma ampla

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE tarefas tecnológicas, práticas didáticas, tarefas criativas.

PALAVRAS-CHAVE tarefas tecnológicas, práticas didáticas, tarefas criativas. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (x) EDUCAÇÃO. A relação entre o contexto do livro didático e a tarefa digital criativa no PIC Reinaldo Afonso Mayer (ramayer1952@gmail.com)

Leia mais

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO Luciano Bernardo Ramo; Maria Betania Hermenegildo dos Santos Universidade Federal da Paraíba. luciano_bernardo95@hotmail.com

Leia mais

CRIATIVIDADE, AMBIENTE LÚDICO E ENSINO DE FÍSICA: UMA REFLEXÃO EM BUSCA DO ESTIMULO PARA O APRENDIZADO

CRIATIVIDADE, AMBIENTE LÚDICO E ENSINO DE FÍSICA: UMA REFLEXÃO EM BUSCA DO ESTIMULO PARA O APRENDIZADO CRIATIVIDADE, AMBIENTE LÚDICO E ENSINO DE FÍSICA: UMA REFLEXÃO EM BUSCA DO ESTIMULO PARA O APRENDIZADO L. L. A. Veiga 1 ; A. C. L. Dias 2 ; F. A. O. Cruz 3 1 Mestrado Profissional em Educação em Ciências

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

Pré-Escola 4 e 5 anos

Pré-Escola 4 e 5 anos PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC DIÁRIO DE CLASSE Educação Infantil Pré-Escola 4 e 5 anos DIÁRIO DE CLASSE ESCOLA: CRE: ATO DE CRIAÇÃO DIÁRIO OFICIAL / /

Leia mais

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO CONSTRUÇÃO DA LEITURA GEOGRÁFICA

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO CONSTRUÇÃO DA LEITURA GEOGRÁFICA AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO CONSTRUÇÃO DA LEITURA GEOGRÁFICA Rafael Martins da Costa Professor da rede municipal de Gravataí rafaelescurus@hotmail.com A NECESSIDADE DE NOVAS PROPOSTAS O estudo tem

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO

MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO PATRÍCIA CAPPUCCIO DE RESENDE (FUNDAÇÃO DE ENSINO DE CONTAGEM), MARCELO GUIMARÃES BELGA (FUNEC - UNIDADE NOVO PROGRESSO),

Leia mais

Palavras chave: Ótica geométrica; Problematização; Experimentação; Espelhos planos; Experimentos.

Palavras chave: Ótica geométrica; Problematização; Experimentação; Espelhos planos; Experimentos. UMA ABORDAGEM PROBLEMATIZADORA PARA O ENSINO DE FÌSICA: ANALISANDO CONCEITOS DE ÓTICA POR MEIO DA EXPERIMENTAÇÃO Resumo Dayane Araujo Bezerra, Leonilson da Silva Barbosa, Lidiana dos Santos, Maria Angela

Leia mais

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA Ms. Jeferson Fernando de Souza Wolff RESUMO O computador, como ferramenta pedagógica para ensino e aprendizagem

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Mairiporã Código: 271 Município: Mairiporã Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM CONTABILIDADE

Leia mais

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação.

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação. 1 ARTE DIGITAL: O MUNDO DAS TELAS NA TELA DO COMPUTADOR Gláucio Odair Xavier de ALMEIDA Licenciado em Letras e Licenciando em computação Universidade Estadual da Paraíba/CCEA- Patos odairalmeida88@gmail.com

Leia mais

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA Fábio Tavares da Silva, Graduando Centro de Artes da Universidade Regional do Cariri - URCA Fábio José Rodrigues da Costa, Doutor Centro de

Leia mais

Jogos e Aprendizagem Matemática: A utilização de jogos com alunos do 6º ano do Ensino Fundamental

Jogos e Aprendizagem Matemática: A utilização de jogos com alunos do 6º ano do Ensino Fundamental Jogos e Aprendizagem Matemática: A utilização de jogos com alunos do 6º ano do Ensino Fundamental Camila Schimite Molero e-mail: ca_schi@hotmail.com Italo Gonçalves da Silva e-mail: igsilva423@gmail.com

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

TRABALHANDO COM O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIA EM QUADRINHOS NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

TRABALHANDO COM O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIA EM QUADRINHOS NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS TRABALHANDO COM O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIA EM QUADRINHOS NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Erida Souza Lima 1 Eixo temático: Educação e Ensino de Ciências Humanas e Sociais Resumo: Os gêneros textuais vêm

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com JOGOS DIGITAIS DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com Bacharel em Sistema de Informação Pós Graduado em Games : Produção

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

Desenvolvimento e aplicação de um software como ferramenta lúdica para a memorização das regras do novo acordo ortográfico

Desenvolvimento e aplicação de um software como ferramenta lúdica para a memorização das regras do novo acordo ortográfico Desenvolvimento e aplicação de um software como ferramenta lúdica para a memorização das regras do novo acordo ortográfico Maria José Basso Marques*, Elisângela Mazei da Silva** Estado de Mato Grosso,

Leia mais

CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO

CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO Londrina 2013 CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO Trabalho apresentado ao Curso de Especialização

Leia mais