As histórias em quadrinhos como pré-texto, texto e pretexto em sala de aula

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As histórias em quadrinhos como pré-texto, texto e pretexto em sala de aula"

Transcrição

1 Congreso Iberoamericano de las Lenguas en la Educación y en la Cultura / IV Congreso Leer.es Salamanca, España, 5 al 7 de septiembre de 2012 As histórias em quadrinhos como pré-texto, texto e pretexto em sala de aula Diva Lea Batista da Silva 1 Sección: Experiencias/proyectos de lectura y escritura destinados a los docentes de las instituciones. 1 (FEMA/Assis/SP) -

2 RESUMO: Proposta de uma metodologia para o ensino de produção de textos, baseada em Lipman (1990), Raths (1977) e Silva (2000), dentro de uma perspectiva construtivointeracionista, com o objetivo de refletir sobre a redescoberta de nossas aulas como eventos significativos de linguagem, a partir da discussão de atividades de leitura e escrita, interpretação e intertextualidade, baseada em histórias em quadrinhos, destacando a importância da língua na transmissão cultural dos alunos.. PALAVRAS-CHAVE: ensino ativo; histórias em quadrinhos; intertextualidade, interpretação. 0. Introdução Criando oportunidades que levem o aluno à reflexão, ele terá mais condições para expor suas ideias, de concatená-las, de ordená-las e, depois, de desenvolver melhor uma tarefa por escrito. Por isso, é fundamental o papel do professor na condução do processo de ensino. A atividade docente deve possibilitar a assimilação de conhecimentos e habilidades e, por meio destes, o desenvolvimento das capacidades cognitivas, como a percepção e compreensão de fatos cotidianos, o pensamento, a expressão do pensamento por palavras, o conhecimento das propriedades e relações entre fatos e fenômenos da realidade. A aprendizagem ativa será favorecida, estimulada pelo professor, por meio do estudo ativo, que, segundo Libâneo (1992), consiste em atividades de alunos com base na observação e compreensão de fatos cotidianos relacionados com os conteúdos programáticos, no diálogo entre professor/ alunos, nos exercícios, nos trabalhos em grupo, no estudo dirigido individual, nas tarefas de casa, entre outros. No desenvolvimento dessas atividades, a linguagem é o veículo para a formação e a expressão de nossos pensamentos, pois é ela que traduz, por meio das palavras, os objetos, seres e fenômenos que nos cercam, suas relações. Apresentamos, neste trabalho, um dos recursos didáticos utilizados nessa proposta pedagógica: histórias em quadrinhos (HQs), e que poderá constituir-se em um instrumental que seja capaz de romper a barreira inicial de os alunos não gostarem de escrever, não somente auxiliando-os a melhorar suas habilidades de leitura e de escrita, mas, sobretudo, fornecendo-lhes oportunidades para refletir sobre o material escrito que os rodeia. Desenvolvidas as habilidades de observação, análise, imaginação, interpretação, levantamento de suposições etc., o aluno terá elementos para desenvolver suas ideias, articulando-as coerentemente e atingirá o objetivo principal do texto: a comunicação, com prazer - o escritor precisa se fazer compreender. 1. Apresentação da proposta metodológica 1

3 Com base em nossa tese de doutorado (SILVA, 2000) e pesquisas já realizadas sobre HQs (SILVA, 2009, 2000), propomos uma estratégia de ensino composta de três etapas: 1- instigação: motivação, desinibição, questionamento; 2- investigação: pesquisas, leituras; 3- ação: produção de textos. As etapas 1 e 2 não são consecutivas, elas se interpenetram, são dinâmicas. Há um vaivém contínuo entre elas. Desinibidos, motivados e cheios de ideias, após uma investigação, os alunos poderão construir seu próprio texto (etapa 3). Para desenvolver as capacidades cognitivas dos alunos, as atividades a serem trabalhadas devem envolver a instigação, que nada mais é que a motivação. Nesta, encontramos vontade de aprender, necessidade de realizar, de conhecer algo que irá satisfazer nossas necessidades. Na instigação, "mexemos" com a expectativa que o aluno tem a partir do tema que vai ser abordado. A expectativa contextualiza as informações novas que serão dadas oralmente ou por escrito. As informações, por sua vez, criam a respeito do que é rotineiro, a curiosidade, o conflito, a discussão, podendo provocar questionamentos entre aluno/ aluno, aluno(s)/ professor, professor/alunos. Falar em ensinar a produzir textos a partir de um pré-texto (texto-estímulo), é referir-se justamente a esta relação: expectativa/informação nova. A informação nova age dentro das informações que o aluno já possui, dentro de seu cotidiano, de suas experiências, de sua realidade vivida. Motivado, o aluno parte para a investigação que lhe dará elementos para ter o que pensar, levando-o à reflexão sobre o que leu e consequentemente à ação, que é a produção de textos. O aluno não esperará que as ideias caiam do céu, isso porque, ao refletir sobre os textos lidos, propiciamos ao aluno a análise dos recursos expressivos utilizados pelo autor, não limitando os exercícios de interpretação textual apenas à localização de informações e paráfrases. A leitura como instigação e investigação (pré-texto e pretexto) e a escrita como ação (texto) devem ser momentos de reflexão que proporcionem aos alunos um fazer/prazer e não um fazer/dever, pois só assim serão atividades cognitivas, isto é, atividades que sejam fonte de auto-satisfação para o aluno, de modo que ele sinta o seu progresso e se anime para outras e novas aprendizagens. 2. O uso de histórias em quadrinhos (HQs) 2

4 Consideramos neste trabalho a palavra texto como todo trecho falado ou escrito que constitui um todo unificado e coerente, dentro de uma determinada situação discursiva. A palavra pré-texto é o texto-estímulo, todo material didático objetivo, concreto, que o aluno tem em mãos: textos impressos, vídeos ou televisivos (artigos de jornais e revistas, crônicas, fábulas, gravuras, charges, histórias em quadrinhos, filmes, músicas etc.). Já pretexto é o tipo de motivação provocada no aluno, ou seja, o material didático subjetivo: que motivos damos ao aluno para pensar, ler e escrever? Que perguntas fazemos a ele? É só na hora de avaliar? A coleta de textos verbais e não verbais de jornais, revistas, televisivos etc. poderá servir para trabalharmos as diversas operações de pensamento (observação, comparação, imaginação, interpretação, levantamento de suposições, resumo, entre outras), por meio de atividades em grupo ou individuais, neste caso, as HQs. Tanto o texto verbal como o não-verbal expressa sentidos e usa signos. No primeiro, os signos são constituídos pelos sons/fonemas e palavras da língua, já no segundo são explorados outros signos, como o desenho, a cor, os sons musicais, as formas, os gestos. Ou podem usar mais de uma linguagem, como é o caso das histórias em quadrinhos com textos (balões). Acrescentamos aqui que esses tipos de texto possuem informação visual: o que está escrito, e informação não visual: o que o indivíduo sabe sobre o mundo, o que o auxilia a entender tais textos. Para Platão & Fiorin (1992: 375), a disposição de imagens em progressão que aparece nas HQs mostra uma sequência de fatos que ocorrem gradualmente, representando uma narração e não uma descrição. Esse recurso didático também nos mostra uma sucessão de imagens e de fatos entremeados, contendo balões ou não, com ou sem diálogos, que conta com a imaginação do leitor para entender a sequência da narrativa. Entre um quadrinho e outro, a ação tem continuidade em nossa mente ou temos também a possibilidade de imaginar a expressão ou tom de voz da(s) personagem(ns), de forma diferente do texto literário em geral, que necessita de descrever verbalmente o tipo de voz dos personagens: "disse delicadamente; respondeu asperamente, em altos brados; falou com voz mole" etc. Nos quadrinhos, há vários meios de sugestão de timbres, entonações, de sorte a levar à interpretação dos sons emitidos: usa-se muito as onomatopeias como figuras que nos permitem, pela representação linguística de determinados fonemas, perceber o ruído manifestado. 3

5 A narrativa une a imagem ao texto, elementos icônicos aos verbais, reveladores de conteúdos ideológicos, sociológicos, filosóficos etc. e confere às HQs um grande potencial criativo e comunicativo. A imagem nos quadrinhos assume o papel da linguagem; e pode ser interpretada e compreendida como significados que vão além do visual. Essa interpretação pressupõe relações com o contexto social, cultural, histórico do sujeito intérprete/o leitor. Na narrativa exposta nos quadrinhos, é feita a descrição do cenário e das personagens, da situação ou das ações e a forma de diálogo. Este, apresentado no estilo direto, tenta, na maioria das vezes, imitar a língua falada, por meio de balões, símbolos (ideogramas e/ou pictogramas), sinais de pontuação e onomatopeias. Nesse tipo de texto, temos o espaço, a imagem, as cores e a distribuição de enquadramentos, que, trabalhados em conjunto, constituem a mensagem global. Esta, por sua vez, pode veicular valores ideológicos que, muitas vezes, são questionados pelo leitor, quando percebidos. Ou, dependendo do público-alvo, o leitor se limita simplesmente ao enredo da história. Assim, na forma em que são apresentadas as imagens, está o papel do significante (desenhos, balões, sinais de pontuação etc.) da montagem da narrativa, enquanto que o conteúdo (tema) nela exposto constitui o papel de seu significado (os conceitos que são expressos). Desse modo, a sequência dos quadrinhos abre novas possibilidades narrativas e estéticas para o campo da significação das HQs. Para que aconteça uma narrativa em quadrinhos, temos de obedecer a um roteiro, ou como quer Cirne (2000: 143, grifos meus), a um plano, que nos quadrinhos, será a célula da leitura. Leitura esta que agencia a narrativa através de novos planos, de novas imagens, e não apenas de uma ilusão de ótica, como no cinema. Percebemos ao olhar uma história ou tira em quadrinhos que ela é formada por todos os elementos que vemos à nossa frente. Resta-nos saber o que, onde e como se media e em que espaços ocorre o enredo dessa tira; enfim, como os elementos da narrativa se enredam, se tecem para nos chamar a atenção. Falamos dos espaços, o real e o imaginário, analisados em conjunto e concomitantemente. No primeiro o real - desenvolve-se a ação política, o concreto, o factual. No segundo - o imaginário está a sua representação, o seu sentido adquirido. Trata-se de um produto simbólico e, portanto, cultural. Já o cenário da tira, ao olharmos através da lente de uma câmera, além de ficar limitada a um campo visual retangular, pode se distanciar ou se aproximar. Assim, é possível desenhar as imagens, dando destaque na cena aos pontos que queremos valorizar e transmitir ao leitor. Ambientes, detalhes, expressões são como quadros bem elaborados que, em um desfile ordenado, contínuo e coerente, são mostrados na tira ao leitor, para despertar as reações pretendidas pelo seu autor, cujo objetivo é chamar a atenção do leitor e provocar sua imaginação, suas emoções, para que este sinta vontade de experimentar, vivenciando a narrativa da tira que está vendo/lendo. 4

6 As técnicas aplicadas nas HQs fundamentam-se no desenvolvimento dos procedimentos relacionados ao cinema. Grande parte dessas técnicas de realização é também a mesma de todas as formas de realizações audiovisuais, qualquer que seja o sistema de captação, transmissão ou distribuição. Para entendermos um pouco mais dessas técnicas e ter a possibilidade de se sair bem na análise da fita, isto é, da tira, expomos neste trabalho alguns conceitos baseados em Xavier e Zupardo (2004), sobre enquadramentos de câmera. Enquadrar significa escolher através do visor de uma câmera o que, dentro dos elementos de um espaço, será parte da tira. Trata-se de como e o que se enxerga de uma situação. Para selecionar o conteúdo que fará parte do quadrinho, devemos levar em conta o fundo, as formas, as cores e não somente o tema de nosso interesse. Os enquadramentos, de acordo com Zupardo (2004: 59-64), são denominados de planos, de acordo com o espaço que representam. São eles: a) Grande Plano Geral (GPG): nesse plano, o ambiente é o elemento principal e ocupa a maior parte do quadrinho. Pequena parte é reservada à(s) personagem(ns). b) Plano Geral (PG): aqui o ambiente divide espaço com a personagem, que é vista de corpo inteiro em um cenário, onde se pode ver os objetos de cena se interagindo. c) Plano Americano (PA): é o que mostra o desenho da personagem do joelho para cima, o que lhe dá mais destaque e importância do que ao cenário. d) Plano Médio (PM): a personagem é enquadrada da cintura para cima. É muito utilizado para mostrá-la sozinha ou em um diálogo entre ela e outras personagens. e) Primeiro plano (PP): desenha a personagem mais ou menos do peito para cima, na altura do colarinho, se vê apenas seu rosto e seus ombros. O que se destaca é apenas a expressão da personagem; o fundo praticamente desaparece. f) Close-up: o desenho do rosto da personagem toma todo o quadrinho: é cortado um pouco da parte superior da cabeça e o queixo fica como que apoiado na parte inferior do quadro. Utiliza-se este plano para transmitir as emoções da personagem em uma determinada situação. g) Plano de Detalhe (PD): é um plano bem fechado, destaca uma parte do rosto de uma pessoa (olho, boca), uma tatuagem em seu corpo, uma lágrima caindo etc. h) Câmera Alta: personagem e ambiente são vistos de cima para baixo, o que achata a imagem da personagem e mostra sua posição de inferioridade e/ou timidez, em relação ao leitor ou ao ambiente. 5

7 i) Câmera Baixa: é o contrário do enquadramento anterior, pois a personagem é vista de baixo para cima, o que deixa sua imagem maior, podendo dar a impressão de uma autoestima positiva ou uma personagem autoritária, dependendo do roteiro. Enfim, no enquadramento, como na fotografia, utilizamos diversos planos, pois nele o quadro é determinado pela distância entre o fotógrafo/autor e o tema, e que também pode ser modificado de acordo com o seu ponto-de-vista, no qual tenta adequar a realidade ao papel. 3. A interpretação e a intertextualidade das HQs em sala de aula Neste artigo, serão trabalhados dois aspectos em uma tira em quadrinhos: a interpretação e a intertextualidade, com o quadro O grito, de Edvard Munch. Em primeiro lugar, interpretar, para nós, é dar sentido às nossas experiências. Às vezes, inicialmente, descrevemos e depois explicamos o significado que percebemos. Interpretar supõe acrescentar sentido, ler nas entrelinhas, preencher os vazios, e, dentro dos limites de determinado material, ampliar o seu conteúdo. (RATHS et al., 1977: 239, grifos do autor) Para Lipman (1990), as habilidades de interpretação (ou de tradução) nos possibilitam dizer com as próprias palavras o que lemos ou ouvimos, preservando o significado do texto. Isso não é uma tarefa das mais fáceis, porque requer o domínio de habilidades como prestar atenção, interpretar criticamente, perceber implicações e suposições, parafrasear, inferir. Já pela intertextualidade, há a ativação de dois mundos textuais: o conhecido e o novo. Valemo-nos desse processo linguístico, que, em sentido estrito, é entendido como a relação de um texto com outros textos previamente existentes, já efetivamente produzidos. É uma expressão do léxico atual, criada por Júlia Kristeva, para indicar o fenômeno da relação dialógica entre textos (CURI, 1995: 64). Diálogo que não é uma simples troca de fala entre interlocutores, mas um processo de autoconhecimento, conhecimento do outro e conhecimento de mundo. Por esse processo, um texto (novo) cita o outro para reafirmar alguns sentidos do texto conhecido ou para alterá-los, até questionando alguns sentidos desse texto. Vejamos a tira em quadrinhos abaixo: 6

8 FIGURA 1 Edvard Munch se inspira (Liniers). Disponível em: Acesso em: 16 maio Em que ou quem nos lembramos? O que nos vem à mente? É claro que vai depender da bagagem cultural de cada um. E é a escola, por meio dos conteúdos programáticos, que deve proporcionar o conhecimento ao aluno. Considerando as HQs como um valioso instrumento para despertar o gosto pela leitura, ministramos um minicurso a professores de outras disciplinas, além de Língua Portuguesa e Literatura, como Educação Artística, História da Arte (Ensino Médio), no segundo semestre letivo de 2010 (mês de setembro). Tivemos como objetivo refletir sobre as relações pensamento/linguagem, leitura/escrita, a fim de que os participantes percebessem que para se fazer uma análise de um texto, interpretando-o, há necessidade de se saber o que é um texto; compreender as relações de significação (metáforas, trocadilhos, intertextos, entre outros), que ocorrem nele, com a bagagem cultural de cada um, bem como os implícitos presentes, recursos argumentativos, etc. Com a finalidade de destacar um tema da História da Arte, neste caso, o movimento expressionista, utilizamos a tira em quadrinhos acima (Figura 1), de Liniers abaixo. Os participantes viram a necessidade de comentar, com os alunos, a biografia de Liniers (Ricardo Liniers Siri), escritor argentino, nascido em 1973, destacando a sua obra O grito. 7

9 FIGURA 2- Quadro o grito FONTE: Disponível em: Acesso em: 16 maio O quadro O grito, de Edvard Munch (pintor norueguês, ), tem como plano de fundo a cidade de Oslo, na Noruega. Faz parte de uma série de quatro quadros que abordam o desespero, a angústia de um homem... Munch imortalizou esta impressão no quadro O Desespero, que representa um homem de cartola e meio de costas, inclinado sobre uma vedação num cenário em tudo semelhante à da sua experiência pessoal. Não contente com o resultado, Munch tentou uma nova composição, desta vez com uma figura mais andrógina, de frente para o observador e numa atitude menos contemplativa e mais desesperada. Tal como o seu percursor, esta primeira versão d O Grito recebeu o nome de O Desespero. (Disponível em: Acesso em: 16 maio 2010) Os professores envolvidos perceberam a oportunidade de trabalhar esse tema, antes ou depois de uma pesquisa feita pelos alunos. Como exemplo, citamos o site 8

10 que apresenta diversas releituras, carregadas de ironia e humor, dessa obra de arte, feitos à mão ou mediante computação gráfica, com os mais diversos personagens, por meio da moldura de um quadro, representando o desespero e a agonia de um grito sufocado e eternizado. A seguir, apresentamos algumas releituras desse quadro, disponíveis no site citado. São elas: o pavor de quando a internet sai do ar... (Figura 3), um brinquedo como o lego (Figura 4); o Coringa, vilão do super-herói Batman e um fantoche (Figura 5), e até personagens de desenhos animados como Homer Simpson (Figura 6). Observamos que nelas o enquadramento é modo plano americano (PA), pois apresenta o desenho da personagem do joelho para cima, ou mesmo, o Plano Médio (PM), da cintura para cima, o que dá mais destaque e importância a ela do que ao cenário, de acordo com Zupardo (2004). FIGURA 3- Releitura do quadro O grito : E a internet sai do ar... FIGURA 4- Releitura do quadro O grito : uso de peças do brinquedo Lego. 9

11 FIGURA 5- Releitura do quadro O grito : o Coringa, vilão do super-herói Batman e um fantoche. FIGURA 6- Releitura do quadro O grito : Homer Simpson. Disponível em: Acesso em: 16 maio Na conclusão desse minicurso, os professores participantes apresentaram as questões abaixo. Nesta tira, Liniers, cartunista argentino, toma como referência uma determinada obra de arte. Quando se apropria de algo (texto, imagem) já existente, o autor provoca uma ruptura que desencadeia no elemento central de animação da tira em quadrinhos. Com base nessa informação, responda: a) Em qual obra de arte Liniers se baseia? Explique o último quadrinho com base nessa obra de arte. b) Para responder à questão anterior, Liniers pressupõe que o leitor/espectador compartilhe desse conhecimento. Explique o processo linguístico-imagético envolvido nessa questão. c) Você classificaria essa tira em quadrinhos como um texto humorístico, irônico ou 10

12 crítico? Por quê? Explique as características presentes que o levam a fazer essa classificação. d) Faça um texto verbal ou imagético que trate desse processo de relação entre textos, de acordo com o estudado em sala de aula. Introduzimos em nossas atividades as HQs por serem um gênero narrativo, cuja sequência sintagmática fornece a totalidade da ação em seu enredo, apesar de apresentarem imagens fixas. Seus personagens são figuras humanizadas, neste caso, ou em outras HQs podem aparecer animais ou seres antropomórficos que povoam um dado espaço de ficção e um tempo na narração. Para expressar a totalidade das ações em um estilo de apresentação comumente direto e intencionalmente significante, aparecem a linguagem verbal e distintas modalidades de linguagem não verbal no caso dessa tira. São habitualmente utilizadas frases em balões e/ou onomatopeias soltas, para expressar iconicamente falas, risos, choros, sussurros, gritos, bocejos etc. Não é difícil concluir que um tipo de trabalho de produção de textos, do tipo narrativo, baseado nas HQs, chama muito mais a atenção do aluno para os elementos da narrativa. Há um relato centrado num fato; personagens atuando; um espaço que é visto e não imaginado, onde estão as personagens; há um tempo não denotado pelo espaço e verbos na tira (almoço ou jantar???). Assim não existe uma ordem predeterminada; a ordem é estabelecida pelas circunstâncias que envolvem cada história. Da mesma forma que aprendemos a andar, andando, aprendemos a fazer interpretações quando as fazemos. O aluno deverá ultrapassar o que foi dito no texto, por exemplo, ampliar os dados, dando uma contribuição ao texto que lhe foi apresentado, assim ele não reproduzirá apenas o material que recebeu. Ele vai tentar transmitir o significado do texto, seus conteúdos, transformando esta linguagem em sua linguagem. Acreditamos que a criatividade e a imaginação devam ter um lugar de destaque no processo educativo, não exatamente porque todos nós sejamos artistas, mas porque quando aprendemos a inventar, aprendemos também a pensar, a refletir sobre o que nos rodeia. 3. Considerações finais Compreender uma história em quadrinhos significa também ler o que está subentendido, seja pelos enunciados verbais, seja pelo contexto da situação e perceber que, geralmente, é no último quadrinho que, nos textos de humor, se dissolve a 11

13 ambiguidade. Para tanto, o aluno deve observar qual expressão, palavra ou imagem é ambígua, isto é, que permite dupla interpretação O processo de interpretação de um texto consiste, precisamente, no jogo entre as leituras previstas, isto é, aquelas que estão de acordo com os sentidos de base e contextuais do material linguístico apresentado, e as leituras possíveis de um texto, isto é, aquelas que se referem aos valores expressivos e valores sociocontextuais. Esses valores, reflexos das vivências afetivas (individuais e sociais), envolvem as conotações de uma palavra que, sem alterar o significante da mesma, dão-lhe novo sentido ou novo colorido. Nesse jogo, o aluno não somente pode aprender a identificar o sentido que o autor deseja atribuir ao texto, mas também pode revelar condições de discutir, criticamente, a ampliação de sentido do texto, desde que este ofereça a potencialidade dessa ampliação Segundo Huizinga (1990:149, grifos meus), o eterno abismo entre o ser e a ideia só pode ser franqueado pelo arcoíris da imaginação. Os conceitos, prisioneiros das palavras, são sempre inadequados em relação à torrente da vida; portanto, é apenas a palavra-imagem, a palavra figurativa, que é capaz de dar expressão às coisas e ao mesmo tempo banhá-las com a luminosidade das ideias: ideia e coisa são unidas na imagem. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Cirne, Moacy. (2000). Quadrinhos, sedução e paixão. Petrópolis, RJ: Vozes. Curi, Samir Meserani (1995). O intertexto escolar: sobre leitura, aula e redação. São Paulo: Cortez. Huizinga, J. (1990). Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. Trad. J. P. Monteiro. São Paulo: Perspectiva. Libaneo, José Carlos (1992). Didática. São Paulo: Cortez. Lipman, Matthew. (1990). A filosofia vai à escola. São Paulo: Summus. Platão, Francisco. S.; Fiorin, José L. (1992). Para entender o texto. São Paulo: Ática. Raths, Louis. et al.(1977) Ensinar a pensar: teoria e aplicação. Trad. Dante Moreira Leite. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária (EPU). 12

14 Silva, Diva Lea Batista da. (2009). Humor, crítica e/ou ironia nas tiras de Bill Watterson? II Seminário Lecotec de Comunicação e Ciência nov. São Paulo, Brasil.. (2000). Do pensar ao escrever: um prazer. Assis/SP. 341p. Doutorado em Filologia e Linguística Portuguesa. UNESP-Universidade Estadual Paulista. Xavier, C.; Zupardo, E. (2004). Entregando o ouro para os mocinhos: o roteiro da comunicação empresarial. São Paulo: Zennex Publishing. 13

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Andrade & Alexandre (2008) In Prática da Escrita Histórias em Quadrinhos

Andrade & Alexandre (2008) In Prática da Escrita Histórias em Quadrinhos Ler HQs além de ser uma atividade que pode ser desenvolvida observando-se todas as estratégias de leitura, é também levar os leitores a momentos que antecedem a própria leitura das letras, pois a estrutura

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL Ana Virgínia Carvalho Moreira * Emanuela Maciel Cariri dos Santos * Fabiana Sousa dos Anjos * Geovânio Alves da Silva * Jardel Britto Ferreira *

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático.

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático. A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA Fabricio Santos Almeida 1 Márcia Cristiane Eloi Silva Ataide 2 1 Licenciando em Química, Universidade Federal do Piauí - UFPI. 2 Professora

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Literatura Brasileira e infantil Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º 1 - Ementa (sumário, resumo) Literatura infantil:

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL 42 Luciene Rodrigues Ximenes lrximenes@hotmail.com Pós-Graduada em Alfabetização, leitura e escrita pela UFRJ. Atualmente é professora e coordenadora

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

Filme: O Lobisomem e o Coronel

Filme: O Lobisomem e o Coronel Filme: O Lobisomem e o Coronel Gênero: Animação Diretor: Elvis K. Figueiredo, Ítalo Cajueiro Ano: 2002 Duração: 10 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1518

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino

Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Relacionamento professor-aluno Professor:

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos As adivinhas na relação ilustração-texto na literatura infantil 73 Kassandra da Silva Muniz * Resumo: Esta pesquisa se insere no projeto A organização textual interativa das adivinhações, coordenado pela

Leia mais

CAIXA MÁGICA. Sala 6 Língua Portuguesa EF I. E.E. Heidi Alves Lazzarini. Professora Apresentadora: Renata Lujan dos Santos Mufalo.

CAIXA MÁGICA. Sala 6 Língua Portuguesa EF I. E.E. Heidi Alves Lazzarini. Professora Apresentadora: Renata Lujan dos Santos Mufalo. CAIXA MÁGICA Sala 6 Língua Portuguesa EF I E.E. Heidi Alves Lazzarini Professora Apresentadora: Renata Lujan dos Santos Mufalo Realização: Justificativa Toda história, por mais simples que pareça, transmite

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Colégio Cenecista Dr. José Ferreira QUADRINHOS NA CIÊNCIAS Área de Concentração: Ciências Naturais Disciplina de Concentração: Ciências Professores: Maria José Lima, Polyana Noronha e Thaianne Lopes Uberaba

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Planejamento Anual 2014 ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Identificação da turma: 9 Anos A e B 1 Semestre de 2014 Identificação do professor: Tiago Silva de Oliveira Área do conhecimento: Língua Portuguesa

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto.

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto. PLANO DE LÍNGUA PORTUGUESA ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: História em quadrinho PERÍDO APROXIMADAMENTE: 5º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura;

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

PLANEJAMENTO ESCOLAR: ALFABETIZAÇÃO E ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE 2 ANO 1. Fevereiro de 2013

PLANEJAMENTO ESCOLAR: ALFABETIZAÇÃO E ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE 2 ANO 1. Fevereiro de 2013 PLANEJAMENTO ESCOLAR: ALFABETIZAÇÃO E ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE 2 ANO 1 Fevereiro de 2013 Iniciando a conversa Nesta unidade discutiremos a importância do planejamento das atividades, da organização

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista. Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP

MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista. Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP Contacto: erisson.pitta@mj.gov.br Telefono: 5561 2025 8991 Prezado(a)

Leia mais

Atividades pedagógicas no Microsoft PowerPoint - Tirinhas. Colégio Pe. João Bagozzi Profa. Cristina Pereira Chagas Turma: NOR1MA 27/08/2012

Atividades pedagógicas no Microsoft PowerPoint - Tirinhas. Colégio Pe. João Bagozzi Profa. Cristina Pereira Chagas Turma: NOR1MA 27/08/2012 Atividades pedagógicas no Microsoft PowerPoint - Tirinhas Colégio Pe. João Bagozzi Profa. Cristina Pereira Chagas Turma: NOR1MA 27/08/2012 Atividades pedagógicas no Microsoft PowerPoint - Tirinhas Objetivos:

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM COMUNICAÇÃO FASE I FASE II ORALIDADE Transmitir recados simples. Formar frases com seqüência. Argumentar para resolver conflitos. Verbalizar suas necessidades e

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas.

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas. ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática I Era uma vez um gato xadrez... Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto.

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIROS. Edna Cristina do Nascimento. Marineide Gonçalves. Tâmara de Oliveira PROJETO PEDAGÓGICO JANDIRA

FACULDADE EÇA DE QUEIROS. Edna Cristina do Nascimento. Marineide Gonçalves. Tâmara de Oliveira PROJETO PEDAGÓGICO JANDIRA FACULDADE EÇA DE QUEIROS Edna Cristina do Nascimento Marineide Gonçalves Tâmara de Oliveira PROJETO PEDAGÓGICO JANDIRA MARÇO 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIROS PROJETO PEDAGÓGICO SOBRE O LIVRO: MENINA BONITA

Leia mais

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos.

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos. O USO DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO RECURSO DIDÁTICO- PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E LITERATURA Edna Antunes Afonso João Paulo da Silva Andrade 1 Resumo: Este trabalho parte de pesquisas através

Leia mais

CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO

CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO Londrina 2013 CRISTIANE MANDARINO BISSOQUI HISTÓRIAS EM QUADRINHOS INTERAÇÃO E PRODUÇÃO Trabalho apresentado ao Curso de Especialização

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000 - Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ PROGRAMA DE 2014 DISCIPLINA: LINGUAGEM

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

Colégio Monteiro Lobato

Colégio Monteiro Lobato Colégio Monteiro Lobato Disciplina: Anual 2013 Redação Professor (a): Barbara Venturoso Série: 6º ano Turma: A PLANEJAMENTO ANUAL 2013 Plano de curso Conteúdos Procedimentos Objetivos Avaliações 1º Trimestre

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA Ires de Oliveira Furtado Universidade Federal de Pelotas iresfurtado@gmail.com

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec. Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências Humanas e suas tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I EDUCAÇÃO INFANTIL Maceió, 12 de março de 2015. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I Senhores pais ou responsáveis Iniciamos esta semana os projetos pedagógicos do 1 Trimestre letivo. As turmas de Jardim

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Licenciatura em Química Componente Curricular: Comunicação e Linguagem PLANO DE ENSINO Modalidade de Ensino: Superior

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

A LEITURA EM QUADRINHOS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS. Material elaborado por Aline Oliveira, Eliana Oiko e Ghisene Gonçalves

A LEITURA EM QUADRINHOS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS. Material elaborado por Aline Oliveira, Eliana Oiko e Ghisene Gonçalves A LEITURA EM QUADRINHOS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS Material elaborado por Aline Oliveira, Eliana Oiko e Ghisene Gonçalves DOAÇÃO DE LIVROS À: BIBLIOTECA PÚBLICA (APROX. 150 LIVROS) UNIDADES

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-1 tipo D-5 Língua Portuguesa (P-1) Ensino Fundamental 5º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Marechal Floriano Peixoto, 61 Cep:84430-000 Fone/Fax:(42)34361327 e-mail: iuvalcidesmunhoz@seed.pr.gov.br Imbituva - Paraná Projeto de Leitura

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Componente Curricular: BIOLOGIA Série:

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela

Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela Resumo: Este presente trabalho tem como intuito resgatar atividades já feitas em décadas anteriores, para elaboração de novos métodos didáticos em

Leia mais