GOIÂNIA APRESENTAÇÃO E METOODOLOGIA 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOIÂNIA APRESENTAÇÃO E METOODOLOGIA 1"

Transcrição

1 GOIÂNIA APRESENTAÇÃO E METOODOLOGIA 1 I. APRESENTAÇÃO A presente pesquisa está inserida no âmbito do Projeto de Apoio à Implantação e Consolidação do Programa de Saúde da Família (PSF) no Brasil, sob a responsabilidade do Departamento de Atenção Básica da Secretaria de Políticas de Saúde do Ministério da Saúde, que visa à implantação e/ou ampliação e consolidação do PSF em grandes centros urbanos, caracterizados como municípios com população acima de 100 mil habitantes (MS, 2001b). Para subsidiar o processo de negociação e desenvolvimento do Projeto, o Ministério da Saúde encomendou ao NUPES/DAPS/ENSP/FIOCRUZ o desenvolvimento de 10 estudos de caso em municípios selecionados pelo DAB/SPS. Foram selecionados inicialmente Vitória da Conquista (BA) e Goiânia (GO) que serviram como municípios-piloto. O projeto de avaliação da implementação considerou as propostas do MS que definem o PSF como uma estratégia estruturante dos sistemas municipais de saúde que visa à reorientação do modelo de atenção e uma nova dinâmica da organização dos serviços e ações de saúde. Documentos do MS e pesquisas anteriores sobre o PSF orientaram a análise em torno de quatro eixos principais: A constituição da USF como porta de entrada de uma rede integrada e articulada de serviços de saúde com estabelecimento de mecanismos e instrumentos de referência e contra-referência; A conversão do modelo de atenção à saúde envolvendo a organização e práticas assistenciais das Equipes de Saúde da Família (ESF); Os vínculos estabelecidos com a comunidade e a avaliação dos usuários sobre a atenção recebida da ESF e o acesso à assistência integral e cuidados contínuos; e, O contexto político-institucional de implantação e desenvolvimento municipal do PSF. OBJETIVO GERAL Analisar experiências de implementação do Programa de Saúde da Família em grandes centros urbanos, Vitória da Conquista (BA), no concernente ao contexto políticoinstitucional em que se desenvolve, ao estabelecimento de vínculos entre a ESF e a

2 GOIÂNIA APRESENTAÇÃO E METOODOLOGIA 2 comunidade, à conversão do modelo de atenção à saúde nas Unidades Básicas, e à sua articulação com a rede de serviços de saúde. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Conhecer e analisar os fatores facilitadores e dificultadores na implementação do PSF nos municípios. Analisar os vínculos estabelecidos entre as ESF, as comunidades adscritas e as famílias atendidas. Estudar a operacionalização da conversão do modelo de atenção básica à saúde verificando os métodos, avanços e limites na substituição das praticas convencionais de assistência. Avaliar a conformação de uma rede integrada de serviços de saúde com o estabelecimento de mecanismos de referência e contra-referência e a constituição da USF como porta de entrada. Apontar diretrizes e subsídios iniciais para aprofundar as investigações na forma de estudos de caso em outros municípios: desenho do Termo de Referência, metodologia e indicadores de avaliação da implementação do PSF em grandes municípios. EQUIPE O Núcleo de Estudos Político-Sociais em Saúde NUPES foi constituído no final de 1988, no Departamento de Administração e Planejamento em Saúde (DAPS) da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), com o objetivo de consolidar um conjunto de investigações relacionadas à temática da Reforma Sanitária Brasileira. Suas atividades tiveram inicialmente como eixo a análise do curso histórico da institucionalização da política de saúde brasileira, seus movimentos e contradições a partir do projeto de reformulação do sistema de saúde. O aprofundamento e desdobramentos destas investigações fizeram com que as atividades do NUPES ultrapassassem a esfera temática da Reforma Sanitária,

3 GOIÂNIA APRESENTAÇÃO E METOODOLOGIA 3 consolidando-se então um projeto mais amplo de construção do saber, que no campo de Saúde Coletiva aborda as inúmeras interfaces das relações Estado/Sociedade/Indivíduo. Os estudos de caso sobre implantação do PSF em grandes municípios foram realizados por: Coordenadora geral Equipe de coordenação Profª. Sarah Escorel Prof as. Lígia Giovanella e Maria Helena Mendonça Pesquisadores associados Equipe do Prodeman/Uerj sob a coordenação do Profº. Renato Möeller: Ana Augusta de Medeiros, Sidiléia Daflon Castricini, Adriana Reis Xavier, Roberta Mara Sant anna Ribeiro, Fernando Cesar de Castro Bezerra, Adriano Alves Bezerra e Vanessa dos Reis de Souza Pesquisadores assistentes Patty Almeida Fidelis, Mônica Mendonça Delgado, Luiza Helena Victal e Marcello de Moura Coutinho Assistentes de pesquisa Eliana Vicente, Danielle Branco Estrela, Vania Meiry Trindade Santos, Maria das Neves Sousa da Luz, Jurema da Silva Flôres, André Luís Ribeiro, Cátia Cristina Martins de Oliveira, Silvia Barbosa de Carvalho, Carla Pacheco Teixeira e Juliano de Carvalho Lima Bolsista de Iniciação Científica Rafael Vidal O relatório final contou com o apoio das Profas. Rosana Magalhães e Mônica de Castro Maia Senna. METODOLOGIA O estudo foi iniciado por visita à Secretaria Municipal de Saúde quando se apresentaram os propósitos da pesquisa e suas fases de desenvolvimento, orientadas por um roteiro de visita preliminar e documentos a solicitar. A visita a Goiânia foi realizada em 15 de agosto e possibilitou conhecer e sensibilizar o secretário municipal de saúde, a Coordenação do PSF e outros integrantes da equipe gestora, obter documentos (Plano Municipal de Saúde, Relatórios de Gestão, composição e atas do Conselho Municipal de Saúde e outros) e visitar unidades locais.

4 GOIÂNIA APRESENTAÇÃO E METOODOLOGIA 4 A partir do início da pesquisa foram realizados levantamentos em diversos bancos de dados (IBGE, DATASUS, RIPSA, SIAB) visando a caracterização dos municípios em relação aos aspectos demográficos, sócio-econômicos, de mortalidade e causas de internação hospitalar, e do sistema municipal de saúde. O levantamento da bibliografia existente sobre o tema foi realizado nos acervos da FIOCRUZ, do MS e da BIREME. A segunda fase foi desenvolvida por meio da realização de entrevistas a um conjunto de gestores e dois Conselheiros Municipais de Saúde representantes dos usuários. Em cada município foram realizadas entrevistas com o Secretário Municipal de Saúde e dois integrantes da Coordenação Municipal do PSF (CSF) a partir de roteiros estruturados em torno de cinco tópicos: Implantação do PSF no município: motivações, contexto político-institucional, posicionamento de atores, estratégias utilizadas e etapas de implantação, situação atual; Organização e gestão do PSF: coordenação, supervisão, monitoramento e avaliação, desenvolvimento do SIAB; Integração à rede assistencial e conversão do modelo de atenção básica: criação de USF e transformação de Unidades Básicas, estratégias, processos, mecanismos de referência e contra-referência, resultados da experiência de integração e principais dificuldades, e ajustes necessários para a constituição de uma rede integrada de serviços de saúde; Recursos humanos: modalidades e processos de contratação, estratégias utilizadas para atrair recursos humanos, e capacitação para o PSF; Fatores limitantes e facilitadores, perspectivas e avaliação do entrevistado sobre os resultados da implementação do PSF. Roteiros mais objetivos foram elaborados para entrevistar o coordenador das ações de saúde coletiva (Coordenador de Vigilância Epidemiológica em Goiânia), Coordenadores dos Departamentos de Atenção Básica e de Controle, Avaliação e Auditoria e diretor ou equivalente da Fundação de Apoio responsável pela contratação de recursos humanos. Os roteiros seguiram alguns tópicos comuns a todos os gestores entrevistados acrescidos de tópicos específicos ao papel das coordenações no desenvolvimento e integração do PSF. A dois Conselheiros Municipais de Saúde representantes do segmento dos usuários foram feitas perguntas relativas ao exercício do controle social, funcionamento do

5 GOIÂNIA APRESENTAÇÃO E METOODOLOGIA 5 Conselho Municipal de Saúde em geral, composição e articulação de interesses, papel desempenhado na política municipal de saúde e na implementação do PSF, e sobre a entidade representada. As entrevistas foram realizadas na semana entre 2 e 6 de setembro em Goiânia. As entrevistas foram gravadas e editadas preenchendo o roteiro com as informações fornecidas. Essas informações foram analisadas a partir de um Plano de Análise dos estudos de caso. A terceira fase de campo foi a aplicação de três modalidades e tipos de questionários: Auto-aplicáveis para profissionais de nível superior das ESF Auto-aplicáveis para profissionais de nível médio e elementar das ESF Aplicado por auxiliares de pesquisa em famílias de usuários do PSF Essa fase foi realizada simultaneamente nos dois municípios por equipes integradas por 5 auxiliares de pesquisa durante a semana de 9 a 16 de setembro. A elaboração de cada questionário envolveu redação de perguntas, revisão, formatação em questionários, treinamento dos auxiliares de pesquisa, revisão dos questionários, impressão, reprodução, transporte e distribuição ou aplicação. Os questionários auto-aplicáveis para profissionais das ESF estão estruturados ao redor de cinco tópicos: inserção e capacitação no PSF, trabalho em equipe, integração na rede de serviços de saúde, vínculos com a comunidade e avaliação livre (pontos positivos e negativos do PSF). Foram pesquisadas informações de todos os integrantes de todas as ESF implantadas no município até 31 de julho de Município ESF Prof Niv Aux. ACS Total Perdas Implant. Super. Enferm N % Goiânia ,1 O questionário destinado às famílias usuárias do PSF está estruturado em cinco blocos: 1. Caracterização detalhada da unidade familiar e do domicílio, graus de participação em grupos comunitários, identificação de problemas prioritários da comunidade, e conhecimento e participação em conselhos de saúde. 2. Identificação da situação de saúde e atendimento usual aos problemas de saúde. 3. Conhecimento e utilização do PSF com ênfase na avaliação das atividades realizadas pelo ACS, e no acompanhamento de condições de gravidez, crescimento e desenvolvimento até 2 anos

6 GOIÂNIA APRESENTAÇÃO E METOODOLOGIA 6 de idade e portadores de doenças crônicas. 4. Avaliação em geral, comparado ao atendimento anterior, atividades realizadas nas USF e satisfação com o PSF. As famílias entrevistadas foram selecionadas entre a população cadastrada do PSF, a partir de amostra intencional que considerou os seguintes procedimentos: escolha realizada pelo secretário de saúde e coordenação municipal do PSF de quatro ESF a partir do cruzamento de alguns critérios valorados em relação ao modelo proposto acesso geográfico aos serviços de saúde, atuação intersetorial e parcerias com outras instituições, vínculos com a comunidade e adesão da população, e integração com a rede de serviços de saúde do SUS municipal. Foram selecionadas duas ESF com dificuldades em dois ou mais critérios e duas ESF com experiências bem sucedidas. para cada ESF selecionada foi realizado sorteio de 3 micro-áreas/acs em sua abrangência. Em cada micro-área foram sorteadas ou escolhidas de forma sistemática 8 ou 9 famílias, configurando cerca de 25 famílias por ESF e um total de 100 famílias por município. Em Goiânia o trabalho de coleta de dados consistiu na realização de 100 entrevistas estruturadas, efetuadas em 100 domicílios, as quais reuniram informações sobre 400 moradores. Considerou-se como sujeitos da pesquisa os chefes ou cônjuges dos chefes das famílias usuárias (cadastradas) do PSF, dando-se preferência por aquele que afirmasse reunir maior conhecimento sobre os assuntos focalizados pelo estudo. No caso da impossibilidade de acesso a ambos seja por ausência prolongada do local de moradia, seja por incapacidade ou falta de interesse dos mesmos em participar do inquérito foi também admitido como informante, em menor escala, o indivíduo pertencente à família designado pelo conjunto de familiares presentes no ato da entrevista como o mais apto a responder às questões propostas pelo estudo. As entrevistas foram realizadas por uma equipe fixa de assistentes de pesquisa, criteriosamente selecionada e submetida a um extenso e rigoroso programa de treinamento. A localização das unidades domiciliares onde residiam as famílias selecionadas foi facilitada pelo trabalho realizado por agentes comunitários de saúde atuantes nas micro-áreas pesquisadas, convertidos em guias de campo.

7 GOIÂNIA APRESENTAÇÃO E METOODOLOGIA 7 O procedimento geral aplicado para processamento de dados e crítica dos resultados consistiu de: inspeção visual da produção de cada entrevistador antes da digitação dos dados de modo a detectar e corrigir erros estruturais; codificação das perguntas abertas de acordo com dicionários de códigos preparados e atualizados durante o trabalho (também antes da digitação); entrada de dados em microcomputadores e crítica de validação dos campos durante a digitação; e crítica de consistência dos dados, incluindo a verificação da codificação e da digitação, além da verificação da consistência entre as variáveis, para correção pontual dos erros detectados. Para a entrada de dados e crítica, foi utilizado o Integrated Microcomputer Processing System (IMPS, versão 3.1), desenvolvido pelo Centro Internacional de Programas Estatísticos do United States Bureau of the Census. O IMPS permite validação dos códigos das variáveis categorizadas e validação de intervalos aceitáveis para variáveis quantitativas (ambas baseadas em dicionários de dados previamente definidos) durante a digitação dos dados. Além disso, o IMPS permite a verificação de um conjunto de regras de consistência entre as variáveis, tornando mais simples a crítica das relações entre as variáveis. Dotado de grande capacidade de migração para outras plataformas, o IMPS possibilita ainda que o material por ele processado possa ser, com facilidade, submetido a outros programas de tratamento de dados. As respostas às perguntas abertas admitidas pelo instrumento de coleta de dados foram submetidas à análise categorial e codificadas por especialistas em análise de conteúdo. A entrada de dados foi realizada de forma paralela ao trabalho de campo, começando imediatamente após a finalização da codificação dos roteiros correspondentes às primeiras entrevistas. Para orientar a tabulação dos dados, foi elaborado um plano tabular que cobre toda a informação coletada. Inicialmente, as tabelas foram elaboradas na ordem prevista pelo roteiro de entrevista e, posteriormente, reordenadas para dar uma forma mais adequada a este relatório.

8 GOIÂNIA APRESENTAÇÃO E METOODOLOGIA 8 Cada relatório está integrado por seis partes: I. Apresentação II. Caracterização do Município III. Processo de implementação do PSF IV. Equipes da Saúde da Família: organização do trabalho e práticas assistenciais V. Famílias usuárias do PSF VI. Conclusões

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO... i EQUIPE... iii METODOLOGIA... v II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 1. CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS E DEMOGRÁFICAS... 1 2. CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS... 1 3.

Leia mais

Principais aspectos da Auditoria Operacional na Ação Governamental da Estratégia Saúde da Família no Município de Pelotas

Principais aspectos da Auditoria Operacional na Ação Governamental da Estratégia Saúde da Família no Município de Pelotas FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Principais aspectos da Auditoria Operacional na Ação Governamental da Estratégia Saúde da Família no Município de Pelotas Componentes: Clari Souza Daniela Boniatti

Leia mais

RELATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPO

RELATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPO Universidade Federal de Pelotas Departamento de Medicina Social Programa de Pós-graduação em Epidemiologia RELATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPO Doutoranda: Elaine Thumé Orientador: Luiz Augusto Facchini Pelotas

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ONLINE DE MONITORAMENTO DO PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ONLINE DE MONITORAMENTO DO PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ONLINE DE MONITORAMENTO DO PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE Brasília DF 2013 MONITORAMENTO DO PROGRAMA O Polo do Programa Academia da Saúde, instituído no âmbito

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA

A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA Galeazzi, Leiza 1 Deggeroni, Ariane Fátima 1 Rosalen, Camila 1 Hillesheim, Adriana Cristina 2 Resumo:

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

nos princípios norteadores da saúde com equidade, eficácia, eficiência e efetividade 2. Inicialmente,

nos princípios norteadores da saúde com equidade, eficácia, eficiência e efetividade 2. Inicialmente, O TRABALHO DA ENFERMAGEM NA GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Jarbas Ribeiro de Oliveira I, Célia Alves Rozendo II A principal estratégia do Ministério da Saúde para reorganizar da atenção

Leia mais

Presença da Pessoa com Deficiência Atenção e Reabilitação desde a Equipe Saúde da Família

Presença da Pessoa com Deficiência Atenção e Reabilitação desde a Equipe Saúde da Família A Intersetorialidade como estratégia ao atendimento integral à Pessoa com Deficiência, desde a Atenção Básica Coordenação de Programas de Reabilitação\SMS Rio de Janeiro Coordenação de Reabilitação e Atenção

Leia mais

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 O e-sus AB no Ceará COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 e-saúde e o SUS Reestruturação dos sistemas de informação em saúde do MS em busca de um SUS eletrônico: Cartão Nacional de Saúde e-sus Hospitalar

Leia mais

Prof. Drª Leliana Santos de Sousa UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB

Prof. Drª Leliana Santos de Sousa UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Prof. Drª Leliana Santos de Sousa UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB A Violência e suas Multiplas Dimensões na Percepção dos Educandos Atendidos pela Fundação Cidade Mãe II Seminario Internazionale di

Leia mais

Portaria GM/MS n.º 263, de 5 de fevereiro de 2002.

Portaria GM/MS n.º 263, de 5 de fevereiro de 2002. Portaria GM/MS n.º 263, de 5 de fevereiro de 2002. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando: a magnitude e a transcendência das hepatites virais, as quais configuram um grave

Leia mais

Sistema de Informação da Atenção Básica SIAB Indicadores 2001

Sistema de Informação da Atenção Básica SIAB Indicadores 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Sistema de Informação da Atenção Básica SIAB Indicadores 2001 4. a edição atualizada Série G. Estatística e Informação em

Leia mais

Integrando saberes para um novo fazer em saúde, a experiência do PET- SAUDE-Natal-RN.

Integrando saberes para um novo fazer em saúde, a experiência do PET- SAUDE-Natal-RN. Integrando saberes para um novo fazer em saúde, a experiência do PET- SAUDE-Natal-RN. Autores: Antonio Medeiros Júnior, Jonia Cybelle Santos Lima, Francisca Nazaré Líberalino, Nilma Dias Leão Costa, Maria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO SUS E PSF

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO SUS E PSF 11 A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO SUS E PSF Marceli Almeida Mendonça¹, Renata Chequer de Souza¹, Simone Angélica Meneses Torres¹, Rosilene Cardoso Barbosa Monteiro 2, Glauce Dias da Costa

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA Objetivo estratégico do MS relacionado ao envelhecimento

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DO INSTITUTO OSWALDO CRUZ: DIRETRIZES GERAIS 2011-2014

POLÍTICA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DO INSTITUTO OSWALDO CRUZ: DIRETRIZES GERAIS 2011-2014 1 POLÍTICA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DO INSTITUTO OSWALDO CRUZ: DIRETRIZES GERAIS 2011-2014 A comunidade do Instituto Oswaldo Cruz, em processo de discussão durante sucessivos Encontros

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 LONDRINA PR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Nedson Luiz Micheleti - Prefeito AUTARQUIA

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Fortaleza Maio, 2013 SAÚDE 1 ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE OFICINA 3 CADASTRO FAMILIAR E DIAGNÓSTICO LOCAL MANAUS - Julho, 2013 1 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Secretário

Leia mais

Caminhos na estratégia. de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos

Caminhos na estratégia. de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos Caminhos na estratégia de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos Erica Rosalba Mallmann: Escola de Enfermagem - UFRGS Lenice Ines Koltermann: Enfermeira Supervisora da Saúde da Família da

Leia mais

Avaliação da Implementação em Dez Grandes Centros Urbanos

Avaliação da Implementação em Dez Grandes Centros Urbanos MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ Saúde da Família Avaliação da Implementação em Dez Grandes Centros Urbanos Síntese dos Principais Resultados 2.ª edição atualizada Série C. Projetos, Programas

Leia mais

O Processo de Trabalho do ACS no cuidado à Pessoa com Doença Falciforme. Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes ana.chagas@medicina.nupad.ufmg.

O Processo de Trabalho do ACS no cuidado à Pessoa com Doença Falciforme. Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes ana.chagas@medicina.nupad.ufmg. O Processo de Trabalho do ACS no cuidado à Pessoa com Doença Falciforme Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes ana.chagas@medicina.nupad.ufmg.br Integração e Integralidade Portaria GM 3252 Art. 4º A Vigilância

Leia mais

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL.

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELOS PSICÓLOGOS DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SESAU NOS MUNICÍPIOS AFETADOS PELA ENCHENTE

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELOS PSICÓLOGOS DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SESAU NOS MUNICÍPIOS AFETADOS PELA ENCHENTE GOVERNO DE ALAGOAS RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELOS PSICÓLOGOS DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SESAU NOS MUNICÍPIOS AFETADOS PELA ENCHENTE MACEIÓ, 2010 GOVERNO DE ALAGOAS TEOTÔNIO VILELA FILHO

Leia mais

Orientador: Ricardo Tavares

Orientador: Ricardo Tavares FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES DEPARTAMENTO DE SAÚDE COLETIVA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA - 2006 ANÁLISE DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA EM PERNAMBUCO, COM BASE

Leia mais

Introdução. (ASM/SES-RJ) em parceria com o Núcleo de Pesquisas em Políticas Públicas de Saúde Mental do IPUB/UFRJ (NUPPSAM).

Introdução. (ASM/SES-RJ) em parceria com o Núcleo de Pesquisas em Políticas Públicas de Saúde Mental do IPUB/UFRJ (NUPPSAM). TÍTULO: PERFIL PRELIMINAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PARA O ATENDIMENTO EM SAÚDE MENTAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES AUTORES: Maria Cristina Ventura Couto 1 ; Maria Paula Cerqueira Gomes 2 ; Daniely Silva

Leia mais

Estação RORHES Escola de Saúde Pública RS 2011-2014

Estação RORHES Escola de Saúde Pública RS 2011-2014 Estação RORHES Escola de Saúde Pública RS 2011-2014 Coordenadora Marta Conte Psicanalista, Pos Doutora pela FIOCRUZ Coordenadora do Eixo da Pesquisa e Membro do Comitê de Ética da Escola de Saúde Pública

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 Versão Preliminar 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...4 1.1 Apresentação...4 1.2 Organização e uso do manual...4 1.3 Dúvidas e canais de atendimento...4 2 VISÃO GERAL

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

Análise da Formação Continuada em Educação Ambiental dos Professores da Rede Municipal de Ensino de Jahu

Análise da Formação Continuada em Educação Ambiental dos Professores da Rede Municipal de Ensino de Jahu Análise da Formação Continuada em Educação Ambiental dos Professores da Rede Municipal de Ensino de Jahu Fábio Leonardo Romano FRAGNAN¹ Yanina Micaela SAMMARCO² Resumo Este trabalho apresenta um estudo

Leia mais

TOR/SECAD/FNDE/MEC Nº 02 /2010

TOR/SECAD/FNDE/MEC Nº 02 /2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - TOR/SECAD/FNDE/MEC Nº 02 /2010 1. Número e Título do

Leia mais

A atuação do Assistente Social na Atenção Básica Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas

Leia mais

PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE GESTÃO COMPARTILHADA 1999/2000

PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE GESTÃO COMPARTILHADA 1999/2000 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA-SEED DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA -DEPEAD COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO EM EAD/COPEAD. PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE

Leia mais

O papel da Unidade Básica de Saúde como agente de inclusão social de imigrantes bolivianos em uma região da Cidade de São Paulo

O papel da Unidade Básica de Saúde como agente de inclusão social de imigrantes bolivianos em uma região da Cidade de São Paulo O papel da Unidade Básica de Saúde como agente de inclusão social de imigrantes bolivianos em uma região da Cidade de São Paulo Autores: Leite, Fábio Bellucci; Ferreira, Thiago Nogueira Martins; Hora,

Leia mais

Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20. Componente Curricular: SAÚDE DA FAMÍLIA. Pré-requisito: Nenhum

Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20. Componente Curricular: SAÚDE DA FAMÍLIA. Pré-requisito: Nenhum C U R S O D E E N F E R M A G E M Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: SAÚDE DA FAMÍLIA Código: ENF - 204 CH Total: 60 horas Pré-requisito:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista Secretaria Municipal de Saúde

Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista Secretaria Municipal de Saúde Universidade Federal da Bahia UFBA Instituto Multidisciplinar em Saúde IMS Campus Anísio Teixeira - CAT Universidade Estadual

Leia mais

Palavras-chave: pessoas idosas; violência; assistência à saúde

Palavras-chave: pessoas idosas; violência; assistência à saúde NA AUSÊNCIA DE FAMÍLIA, NECESSITANDO DE CUIDADOS: PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS CONTRA PESSOAS IDOSAS E A POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA Jaqueline Luvisotto Marinho 1 ; Reginaldo Teixeira Mendonça

Leia mais

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007 Conteúdo: SEÇÃO 1...2 PORTARIA No- 2.831, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...2 PORTARIA No- 2.834, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...4 PORTARIA No- 2.835, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...5 PORTARIA Nº 600, DE 1o- DE

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS TÉCNICAS, MÉTODOS OU PROCESSOS DE TRABALHO

DESCRIÇÃO DAS TÉCNICAS, MÉTODOS OU PROCESSOS DE TRABALHO APLICAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO, PARA INTEGRAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE E ATENÇÃO BÁSICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MARINGÁ- PR ABRIL/ 2008 AUTORAS Maria Tereza

Leia mais

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior 1. Apresentação Em cumprimento à deliberação 1-F do Eixo Formação, aprovada no 37 0 Encontro Nacional CFESS/CRESS,

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DO SUS GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Baseado no Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS Elaborado

Leia mais

ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE

ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE EDUARDO FAVERO ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em Auditoria

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ENFERMEIROS DA ATENÇÃO BÁSICA SOBRE A REFERÊNCIA E CONTRARREFERÊNCIA AO CUIDADO AO IDOSO

PERCEPÇÃO DOS ENFERMEIROS DA ATENÇÃO BÁSICA SOBRE A REFERÊNCIA E CONTRARREFERÊNCIA AO CUIDADO AO IDOSO PERCEPÇÃO DOS ENFERMEIROS DA ATENÇÃO BÁSICA SOBRE A REFERÊNCIA E CONTRARREFERÊNCIA AO CUIDADO AO IDOSO Introdução: A enfermagem, em seu cotidiano assistencial, apresenta como principal dimensão do seu

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Relatório da I Reunião do Conselho Consultivo da EVIPNet Brasil No dia 29 de maio de 2009

Leia mais

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central de Empresas - CEMPRE, cuja gestão está sob a responsabilidade

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

Instituição executora: N. C. Pinheiro ME. Equipe responsável: Neida Cortes Pinheiro e Sara Berardi.

Instituição executora: N. C. Pinheiro ME. Equipe responsável: Neida Cortes Pinheiro e Sara Berardi. ESTUDO SOBRE O DESENHO, A GESTÃO, A IMPLEMENTAÇÃO E OS FLUXOS DE ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE ASSOCIADAS AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) PARA POVOS INDÍGENAS ficha técnica Instituição

Leia mais

O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR

O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR ROSANI DA ROSA BENDO 1 LAIS PRISCILA FAGHERAZZI 2 MARA LUCIA RENOSTRO ZACHI 3 INTRODUÇÃO:

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO GERÊNCIA DE COORDENAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA DUPLICIDADE DE

Leia mais

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar Instruções para inscrição de experiências

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar Instruções para inscrição de experiências Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar Instruções para inscrição de experiências O Ministério da Saúde, por meio da Coordenação de Atenção Domiciliar/DAB/SAS/MS, com a cooperação técnica da OPAS/OMS

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PEREIRA BARRETO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO, FERRAMENTA DE GESTÃO PARA A REORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PEREIRA BARRETO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO, FERRAMENTA DE GESTÃO PARA A REORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO, FERRAMENTA DE GESTÃO PARA A REORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA Ubatuba, abril de 2014 EX PREFEITO MÉDICO DA ESF UNIDADES SUCATEADAS QUADRO DE SERVIDORES DESFALCADOS/INSUFICIENTE

Leia mais

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO SUS A FRAGMENTAÇÃO DO SISTEMA A CONCEPÇÃO HIERÁRQUICA DO SISTEMA O DESALINHAMENTO DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS A INEFICIÊNCIA

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência no Plano de Aquisições: 2.B.44 Acordo

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS Informação como suporte à gestão: desenvolvimento de componente de avaliação de desempenho para sistemas de Esta atividade buscou desenvolver instrumentos e ferramentas gerenciais para subsidiar a qualificação

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL NO INTERIOR DE ALAGOAS E O PROCESSO DE DESCENTRALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS

O MERCADO DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL NO INTERIOR DE ALAGOAS E O PROCESSO DE DESCENTRALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS 1 O MERCADO DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL NO INTERIOR DE ALAGOAS E O PROCESSO DE DESCENTRALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Rosa Prédes * Sarah Bernardo Pereira ** RESUMO O trabalho é parte da pesquisa sobre

Leia mais

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Brasília, 2010. Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Gomes Temporão Diretor Presidente da Anvisa

Leia mais

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC GAMA/DF - 2015 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3. 2. OBJETIVOS... 4. 2.1. Geral... 4. 2.2.Específicos... 4. 3. EIOS AVALIATIVOS... 5. 3.1. Eixos de Avaliação Institucional

Leia mais

O Ministério da Saúde e os. Crônicas

O Ministério da Saúde e os. Crônicas O Ministério da Saúde e os Cuidados às Condições Crônicas Contexto atual Mudanças sociais dos últimos 30 anos -características da vida contemporânea Transição demográfica, alimentar e epidemiológica Avanços

Leia mais

3 Definição da metodologia

3 Definição da metodologia 3 Definição da metodologia A Pesquisa-ação foi a metodologia escolhida para a realização desta pesquisa, por indicar a participação do autor e a interação de outros atores na produção de conhecimento a

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELOS PSICÓLOGOS DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SESAU NOS MUNICÍPIOS AFETADOS PELA ENCHENTE

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELOS PSICÓLOGOS DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SESAU NOS MUNICÍPIOS AFETADOS PELA ENCHENTE GOVERNO DE ALAGOAS RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELOS PSICÓLOGOS DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SESAU NOS MUNICÍPIOS AFETADOS PELA ENCHENTE MACEIÓ, 2010 GOVERNO DE ALAGOAS TEOTÔNIO VILELA FILHO

Leia mais

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS)

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS) Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS) (PROPOSTA) Plano de Trabalho 10º Termo de Cooperação e AssistênciaTécnica MS Opas/OMS Brasília, maio de 2007. 1 1. Introdução A necessidade de organização de

Leia mais

O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL

O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL HADDAD, Tatiana Paula (Estágio I), e-mail: tphaddad@hotmail.com; PETILO, Kássia Schnepper (Estágio I), e-mail: kassiaschnepper@hotmail.com;

Leia mais

Saiba mais sobre o histórico do Projeto Gestão por Competências no Ministério da Saúde.

Saiba mais sobre o histórico do Projeto Gestão por Competências no Ministério da Saúde. GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS NO MINISTÉRIO DA SAÚDE O projeto Gestão por Competências teve início no Ministério da Saúde (MS) em setembro de 2009. Esse modelo de Gestão de Pessoas foi implantado

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção na Área de Saúde da Mulher

Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção na Área de Saúde da Mulher PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Implantação da linha de cuidado em Saúde da Mulher na USF Hidrolândia Área temática Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL)

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL) 1 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL) Rolim de Moura 2015 2 RESUMO O relatório apresentado é o resultado do processo auto avaliativo desta Instituição, realizado pela Comissão

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL RELATÓRIO FINAL TEMA CENTRAL Saúde e Qualidade de Vida: Política de Estado e Desenvolvimento DIRETRIZES PROPOSTAS PELAS OFICINAS TEMÁTICAS PARA COLOMBO, BIÊNIO 2007-2009, APROVADAS

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS DESAFIOS COTIDIANOS DAS AGENTES COMUNITARIAS DE SAÚDE DE UMA EQUIPE DE ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PARTICIPANTE DO PET- SAÚDE

UMA ABORDAGEM SOBRE OS DESAFIOS COTIDIANOS DAS AGENTES COMUNITARIAS DE SAÚDE DE UMA EQUIPE DE ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PARTICIPANTE DO PET- SAÚDE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UMA ABORDAGEM

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES BÁSICAS À GESTÃO MUNICIPAL: ORGANIZAÇÃO DA CONFÊRENCIA

Leia mais

PROJETO EM DEFESA DAS ÁGUAS E PROTEÇÃO DA VIDA RELATÓRIO FINAL I. DADOS BÁSICOS

PROJETO EM DEFESA DAS ÁGUAS E PROTEÇÃO DA VIDA RELATÓRIO FINAL I. DADOS BÁSICOS I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Tereviva Associação de Fomento Turístico e Desenvolvimento Sustentável S/C Título do projeto: Defense of Waters and Protection of Life: Três Picos State Park Parceiros

Leia mais

Processo de integração com os territórios de saúde Relato de Experiência do município de Vitória/ES.

Processo de integração com os territórios de saúde Relato de Experiência do município de Vitória/ES. PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA: Processo de integração com os territórios de saúde Relato de Experiência

Leia mais

XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo

XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo Marília Março 2012 A Cidade de Guarulhos A cidade de Guarulhos Brasil -190 milhões de habitantes Região Metropolitana de São Paulo

Leia mais

Desafios à coordenação dos cuidados em saúde: estratégias de integração entre níveis assistenciais em grandes centros urbanos

Desafios à coordenação dos cuidados em saúde: estratégias de integração entre níveis assistenciais em grandes centros urbanos 286 ARTIGO ARTICLE Desafios à coordenação dos cuidados em saúde: estratégias de integração entre níveis assistenciais em grandes centros urbanos Challenges for healthcare coordination: strategies for integrating

Leia mais

Estratégia Nacional para a Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional para a Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional para a Alimentação Complementar Saudável Monitoramento da implementação da ENPACS: Passo a passo para facilitar a utilização do sistema de gerenciamento de implementação da ENPACS -

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários MININSTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários Programa: Urbanização Regularização

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA MINA DE URÂNIO EM CAETITÉ, LAGOA REAL E LIVRAMENTO DE NOSSA SENHORA NO ESTADO DA BAHIA

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA MINA DE URÂNIO EM CAETITÉ, LAGOA REAL E LIVRAMENTO DE NOSSA SENHORA NO ESTADO DA BAHIA ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA MINA DE URÂNIO EM CAETITÉ, LAGOA REAL E LIVRAMENTO DE NOSSA SENHORA NO ESTADO DA BAHIA ESTUDO CONDUZIDO PELO CENTRO DE SAÚDE DO TRABALHADOR E ECOLOGIA HUMANA

Leia mais

Chamada para seleção de candidatos para o curso de Especialização em Saúde Coletiva.

Chamada para seleção de candidatos para o curso de Especialização em Saúde Coletiva. CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA - 2015 Chamada para seleção de candidatos para o curso de Especialização em Saúde Coletiva. I. Apresentação A FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ, entidade pública criada e

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICA EM REGISTROS E PRODUÇÃO DAS INFORMAÇÕES EM SAÚDE

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICA EM REGISTROS E PRODUÇÃO DAS INFORMAÇÕES EM SAÚDE Laboratório de Educação Profissional em Informações e Registros em Saúde LIRES CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICA EM REGISTROS E PRODUÇÃO DAS INFORMAÇÕES EM SAÚDE Nome da Unidade: Escola Politécnica de Saúde

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Oficina de Capacitação. Brasília, DF - 10-13 dezembro de 2012

RELATÓRIO TÉCNICO. Oficina de Capacitação. Brasília, DF - 10-13 dezembro de 2012 Ministério da Saúde do Brasil Secretaria de Ciência, Tecnologia, Insumos Estratégicos (SCTIE) Departamento de Ciência e Tecnologia (DECIT) Coordenação Geral de Gestão do Conhecimento (CGGC) RELATÓRIO TÉCNICO

Leia mais

PESQUISA AVALIATIVA DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS

PESQUISA AVALIATIVA DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS PESQUISA AVALIATIVA DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS A Pesquisa A Pesquisa Avaliativa do Programa Mais Médicos, buscará analisar o Programa desde sua implantação com a perspectiva de se ter o monitoramento de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG As atividades do Pró-Saúde para o primeiro ano de desenvolvimento

Leia mais

I. APRESENTAÇÃO. Os eixos de análise e avaliação foram:

I. APRESENTAÇÃO. Os eixos de análise e avaliação foram: I. APRESENTAÇÃO O presente relatório é um produto parcial do projeto de pesquisa Avaliação da Implementação do Programa Saúde da Família (PSF) em grandes centros urbanos 10 estudos de caso, relativo ao

Leia mais

CAMPUS DE PARANAVAÍ Divisão de Extensão e Cultura EDITAL Nº. 001/2014. Processo Seletivo de Bolsistas de Extensão Universitária PIBEX/FA

CAMPUS DE PARANAVAÍ Divisão de Extensão e Cultura EDITAL Nº. 001/2014. Processo Seletivo de Bolsistas de Extensão Universitária PIBEX/FA CAMPUS DE PARANAVAÍ Divisão de Extensão e Cultura EDITAL Nº. 001/2014 Processo Seletivo de Bolsistas de Extensão Universitária PIBEX/FA A Divisão de Extensão e Cultura, em conformidade com a Chamada 012/2014

Leia mais

Cadastro de Oferta Plataforma Arouca

Cadastro de Oferta Plataforma Arouca Cadastro de Oferta Plataforma Arouca Sumário 1 Introdução... 2 1.1 Pré-requisito... 2 2 Estrutura de informação para cadastro de ofertas... 3 3 Cadastramento de ofertas educacionais... 4 3.1 Cadastro de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. MODALIDADE VAGAS: Produto 1 (uma) vagas

TERMO DE REFERÊNCIA. MODALIDADE VAGAS: Produto 1 (uma) vagas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Esplanada dos Ministérios Bloco L, Edifício Sede 4º Andar Bairro Zona Cívico Administrativa, Brasília/DF, CEP 70047 900 Telefone: 2022 8581 e Fax: 2022 8582 http://www.mec.gov.br

Leia mais

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Willian Henrique Martins Faculdade de Ciência e Tecnologia UNESP Email: willteenspirit@hotmail.com

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei Federal nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que regulamenta o Sistema Único

Leia mais

II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ministério da Saúde II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO, DESAFIOS E POSSIBILIDADES Brasília, 25 de setembro de

Leia mais