PROBLEMAS SELECIONADOS DE DESENHO GEOMÉTRICO Parte II: Polígonos e Círculos. Sergio Lima Netto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROBLEMAS SELECIONADOS DE DESENHO GEOMÉTRICO Parte II: Polígonos e Círculos. Sergio Lima Netto sergioln@lps.ufrj.br"

Transcrição

1 PROLEMS SELECIONDOS DE DESENHO GEOMÉTRICO Parte II: Polígonos e Círculos Sergio Lima Netto versão julho de 008

2 Prólogo Foi feito um grande esforço para reproduzir os desenhos que acompanham as questões da forma mais fiel possível, tanto para efeito de registro quanto para se determinar a resposta na escala desejada. Tenho que confessar que em alguns casos foi necessário um pequeno ajuste (em geral, não mais do que 1% da escala) para gerar o resultado desejado. Em relação às provas do IT, minhas fontes incluem cópias das provas (79 88), na escala original, distribuídas pelo Colégio Princesa Isabel, gentilmente fornecidas pelo amigo lessandro J. S. Dutra; cópias dos gabaritos (de 79, 80, 8 88, 93) fora da escala, disponibilizados pelo Curso Etapa através do site originais das provas de 83 e 84. Em relação às provas do IME, minha principal fonte das questões mais antigas foi uma pesquisa nos arquivos da própria instituição, no que fui auxiliado pelo Sub-Tenente Petrenko e sua equipe, a quem devo muitos agradecimentos. Como na Parte I, procurei acompanhar cada solução de uma breve análise do problema e de uma figura adequada, onde usei a seguinte legenda de cores: preto: dados do problema; verde: contruções auxiliares básicas; vermelho: elemento-chave para minha solução; azul: elemento desejado pelo problema. Como antes, a notação C(O, r) indica um círculo de centro O e raio r. Nesta versão, foi incluída a solução para IT 1993, Questão, e IME 1969/1970, Questão 1, Item. Com isto, todas as questões possuem pelo menos uma solução. Rio, julho de 008 Sergio L. Netto

3 1 Questões da FUVEST FUVEST 1996, Questão 10: Na figura abaixo são dadas duas semi-retas r e s de mesma origem e um ponto P. a) Utilize essa figura para construir, usando régua e compasso, os pontos em r e C em s de tal forma que o ponto P pertença ao segmento C e que seja igual a C. b) Descreva e justifique o processo utilizado na construção. r P FUVEST 1996, Questão 10. FUVEST 1997, Questão 10: a) Dados e um segmento de medida r, construa, usando régua e compasso, um triângulo isósceles sabendo que sua base é e o raio da circunferência inscrita nesse triângulo é r. b) Descreva as construções feitas. c) Justifique o porquê de cada construção. s r FUVEST 1997, Questão 10. 1

4 FUVEST 1998, Questão 10: a) Dadas as retas paralelas r e s e um ponto em r, construa um triângulo equilátero com um vértice em, outro vértice em r e o terceiro vértice em s. b) Descreva e justifique as construções feitas. r s FUVEST 1998, Questão 10. FUVEST 1999, Questão 10: a) Construa com régua e compasso, um trapézio CD, onde seja paralelo a CD, conhecendo-se os pontos, M, N e I, que satisfazem as seguintes condições: M é o ponto médio do lado D, N é o ponto médio de C e I é o ponto de intersecção do segmento MN com a reta que passa por e é paralela a D. b) Descreva e justifique a construção feita. M FUVEST 1999, Questão 10. I N

5 FUVEST 000, Questão 10: São dados os pontos e. Usando uma régua e compasso, construa a circunferência circunscrita a um polígono regular de 1 lados, que tem o segmento como um de seus lados. Descreva e justifique as construções utilizadas. FUVEST 000, Questão 10. FUVEST 001, Questão 10: São dados os pontos e e um segmento contendo os pontos G, H e I. Sabe-se que e pertencem, respectivamente, às diagonais CE e DF de um quadrado CDEF, cujo centro é O. distância de a O é igual a GH e a medida do lado do quadrado é igual a GI. Construa, usando régua e compasso, um quadrado CDEF, satisfazendo as condições acima. Descreva e justifique as construções utilizadas. FUVEST 00, Questão 10: São dados os pontos e M e a reta s. Sabese que o ponto é vértice de um paralelogramo CD; o lado está na reta s; M é o ponto médio do lado C e o ângulo CÂ tem medida 30o. Usando régua e compasso, construa esse paralelogramo. Descreva e justifique sua construção. 3

6 G H I FUVEST 001, Questão 10. M FUVEST 00, Questão 10. s 4

7 Questões do IT IT 1979, Questão 11: Determinar, por construção geométrica, o comprimento da diagonal de um quadrado de área equivalente à da coroa da figura representada a seguir. () 47 mm () 57 mm (C) 45 mm (D) 50 mm (E) 6 mm IT 1979, Questão 11. 5

8 IT 1979, Questão 14: Os segmentos C e G são partes de um duto, representado por seu eixo e que, do ponto C ao ponto G, é encurvado em quatro arcos de circunferência que concordam nos pontos C, D, E, F e G, conforme a figura a seguir. Pede-se o comprimento do duto, no desenho na escala 1:,5. () 430 mm () 380 mm (C) 530 mm (D) 330 mm (E) 480 mm C D E F IT 1979, Questão 14. IT 1979, Questão 15: Determinar a soma dos raios de duas circunferências inscritas num triângulo C, tangentes aos lados deste e entre elas, sendo dado o ângulo  = 35o, a mediana relativa ao lado C, igual a 96 mm, e a mediana relativa ao lado C, igual a 60 mm. () 45 mm () 39 mm (C) 8 mm (D) 34 mm (E) 40 mm G 6

9 IT 1980, Questão 16: São dados dois pontos P e P e uma reta r. Determinar a soma dos raios das circunferências que contêm os pontos e são tangentes à reta. () 60 mm () 65 mm (C) 81 mm (D) 74 mm (E) 69 mm P P IT 1980, Questão 16. IT 1980, Questão 17: Um compressor centrífugo é acionado por um motor elétrico, sendo usada uma correia chata, suposta inteiramente tensa e de espessura desprezível. Sabendo-se que: polia do motor é de raio r 1 e de centro C 1. polia do compressor é de raio r e de centro C. r 1 = 00 mm, r = 400 mm, C 1 C = 1000 mm. Pede-se determinar o comprimento real da correia, sendo a escala 1:10. () 380 mm () 400 mm (C) 3940 mm (D) 3860 mm (E) 4000 mm IT 1980, Questão 18: Determinar o comprimento da mediana em relação ao vértice de um triângulo C, do qual conhecemos os pés das alturas H a, H b e H c, sabendo-se que o ângulo  é obtuso. () 56 mm () 61 mm (C) 7 mm (D) 75 mm (E) 80 mm r 7

10 H c H b H a IT 1980, Questão 18. IT 1980, Questão 19: Os lados e a base de um triângulo isósceles são os segmentos áureos da média proporcional de dois segmentos que medem, respectivamente, 60 e 90 mm. Determinar o semi-perímetro deste triângulo, considerando o menor segmento como a base. () 50 mm () 55 mm (C) 70 mm (D) 64 mm (E) 59 mm IT 1981, Questão 16: São dados uma circunferência de raio igual a 0 mm, um ponto P na mesma, um ponto P distante de seu centro e uma reta r, como mostra a figura abaixo. Rolando a circunferência sem escorregar sobre a reta, partindo do ponto P, desenvolver 315 o no sentido horário. Determinar a distância do centro da circunferência até o ponto P, quando a mesma completar o ângulo dado. () 8 mm () mm (C) 50 mm (D) 41 mm (E) 33 mm P P IT 1981, Questão 16. 8

11 IT 1981, Questão 19: Determinar o perímetro do trapézio de bases e EF equivalente ao pentágono CDE. () 15 mm () 10 mm (C) 44 mm (D) 5 mm (E) 0 mm D E C IT 1981, Questão 19. 9

12 IT 1981, Questão 0: char a área, em milímetros quadrados, da figura afim do quadrado CD (sentido horário), do qual conhecemos sua diagonal C e o ponto, afim do vértice. reta xy é o eixo de afinidade. () 10 mm () 1678 mm (C) 115 mm (D) 1530 mm (E) 1350 mm C y x IT 1981, Questão 0. 10

13 IT 198, Questão 16: s retas a, b e c são lugares geométricos de três pontos, respectivamente,, e C, que pertencem a uma circunferência. Sabendose que nesta circunferência o arco mede 10 o e o arco C mede 60 o, pergunta-se qual o valor de seu raio. () 3 mm () 37 mm (C) 5 mm (D) 47 mm (E) 4 mm (c) (b) (a) IT 198, Questão 16. IT 198, Questão 17: São dadas duas retas r e t e um ponto P. Determinar o raio da circunferência que passa por P, é tangente à reta t, sendo a reta r o lugar geométrico do centro O. () 3 mm () 19 mm (C) 41 mm (D) 5 mm (E) 38 mm 11

14 P t r IT 198, Questão 17. IT 198, Questão 18: M b e M c são, respectivamente, os pontos médios dos lados b e c de um triângulo C. Sabendo-se que o ângulo do vértice é igual a 60 o e que a altura conduzida deste mesmo vértice mede 4 mm, pergunta-se o valor do perímetro do triângulo. () 115 mm () 50 mm (C) 16 mm (D) 03 mm (E) 7 mm M b M c IT 198, Questão 18. IT 198, Questão 0: um ajustador mecânico é fornecida uma chapa de aço, retangular. Pede-se o apótema do maior pentágono que pode ser riscado nesta chapa, sabendo-se que as dimensões desta são, respectivamente, a 3 a proporcional e a média proporcional dos valores 150 mm e 15 mm. resposta deverá ser indicada na escala 1:,5. () 35 mm () 43 mm (C) 5 mm (D) 17 mm (E) 14 mm 1

15 IT 1983, Questão 16: s retas r, s e t são figuras afins das retas r, s e t. Determinar o raio da circunferência tangente às retas r, s e t, sabendo-se que os pontos e são pontos afins e x é o eixo de afinidade. () 0 mm () 5 mm (C) 30 mm (D) 35 mm (E) 4 mm x t s r IT 1983, Questão

16 IT 1983, Questão 17: Determinar o comprimento aproximado do lado oposto ao vértice de um triângulo qualquer, sendo dados os lados l 1 e l que definem o vértice. É conhecido também o comprimento da bissetriz b, de origem em. l 1 = 50 mm l = 33 mm b = mm () 55 mm () 70 mm (C) 60 mm (D) 45 mm (E) 78 mm IT 1983, Questão 18: São dadas as retas r e s e um ponto C. Construir um hexágono regular, tal que tenha o ponto C como centro da circunferência circunscrita e dois vértices opostos do hexágono estão um sobre a reta r e outro sobre a reta s. Determinar graficamente o lado do quadrado de área equivalente à do hexágono. () 60 mm () 45 mm (C) 35 mm (D) 40 mm (E) 50 mm C s r IT 1983, Questão 18. IT 1983, Questão 19: Determinar graficamente a altura do trapézio CD, conhecendo-se: ase = 9 mm; ase CD = 55 mm. diagonal D é média proporcional dos segmentos e CD. O ponto E é o ponto de concurso das retas suportes dos lados D e C e o ângulo Ê = 30o. Identificação dos pontos,, C e D no sentido anti-horário. () 1 mm () 6 mm (C) 35 mm (D) 56 mm (E) 46 mm 14

17 IT 1983, Questão 0: Uma roda de diâmetro d está em repouso, apoiada sobre a semi-reta de origem c, no ponto. Em dado instante é posta em movimento, girando, sem deslizar, até atingir o ponto, onde pára. Sabendose que os pontos c e e são ligados por dois arcos de circunferência, de centros O 1 e O, e considerando que a roda, para completar o trajeto, deu duas voltas completas, determinar o valor aproximado de seu diâmetro. solução terá que ser inteiramente gráfica. () 30 mm () 15 mm (C) 0 mm (D) 35 mm (E) 40 mm d c O O 1 e IT 1983, Questão 0. IT 1984, Questão 16: Um topógrafo pretende medir a altura de uma torre. Para tanto localiza o teodolito num ponto conveniente e faz uma visada horizontal para o ponto localizado a 100 m de distância. Em seguida visa o topo da torre (ponto C) verificando ser de 40 o o ângulo que o teodolito forma com a horizontal. Determinar a altura da torre, sabendo-se ser esta a média proporcional da distância. O visor do teodolito está a 1,50 m do solo. Escala: 1:10 3 () 71,50 mm () 6,0 mm (C) 55,5 mm (D) 66,0 mm (E) 50,5 mm IT 1984, Questão 17: Determinar, graficamente, o comprimento desenvolvido de um anel de diâmetro externo D (75 mm) e diâmetro interno d (5 mm) usando equivalência de áreas. () 157 mm () 161 mm (C) 150 mm (D) 175 mm (E) 166 mm 15

18 IT 1984, Questão 18: Determinar, graficamente, a altura referida ao lado de um triângulo C, conhecendo-se o valor das medianas M e M C, bem como o comprimento do lado C. M = 90 mm; M C = 60 mm; C = 63 mm. () 60 mm () 45 mm (C) 64 mm (D) 7 mm (E) 51 mm IT 1984, Questão 19: Construir um quadrilátero CD que seja inscritível e tal que nele seja inscrita uma circunferência de centro O e raio r (5 mm). Determinar o raio da circunferência que circunscreve o quadrilátero, sabendo-se que seu lado mede 90 mm. () 4 mm () 47 mm (C) 5 mm (D) 57 mm (E) 61 mm O IT 1984, Questão 19. IT 1985, Questão 16: Determinar, aproximadamente, o perímetro de um triângulo C (assinalado no sentido horário), sendo dado um dos lados, igual a 75 mm. O ângulo do vértice é igual a 135 o e a altura conduzida do vértice C ao lado é igual ao segmento áureo desse lado. () 50 mm () 5 mm (C) 31 mm (D) 70 mm (E) 306 mm IT 1985, Questão 16. IT 1985, Questão 17: São dados do problema: uma circunferência de raio r, um ponto P que lhe pertence, uma reta t a ela tangente e um ponto Q dessa reta. Girando-se a circunferência de 135 o sobre a reta, sem deslizar, determinar a distância do ponto P ao ponto Q. () 76 mm () 50 mm (C) 70 mm (D) 63 mm (E) 55 mm 16

19 P O Q t IT 1985, Questão 17. IT 1985, Questão 19: s retas s e t são os eixos de um duto que descreve uma curva definida por dois arcos de circunferência concordantes. Determinar graficamente o comprimento do duto entre os pontos e, sabendo-se que ambos os arcos de concordância são tangentes à reta r no ponto P. Escala do desenho: 1:10. () 1180 mm () 180 mm (C) 1110 mm (D) 990 mm (E) 10 mm r s P t IT 1985, Questão

20 IT 1986, Questão 16: Dados: Uma circunferência de centro O; uma reta; dois pontos e. Pede-se: O raio da circunferência que passa pelos dois pontos e é secante à circunferência dada e determina nela uma secante paralela à reta r. () 3 mm () 0 mm (C) 9 mm (D) 37 mm (E) 4 mm r O IT 1986, Questão

21 IT 1986, Questão 18: De um triângulo C conhecemos: Um lado, uma mediana e o ângulo oposto ao lado dado. Pede-se o valor dos outros dois lados. a = 65 mm; m b = 63 mm. () 60 e 80 mm () 50 e 57 mm (C) 55 e 65 mm (D) 60 e 70 mm (E) 68 e 77 mm  IT 1986, Questão 18. IT 1986, Questão 19: Os segmentos e C são os lados de um triângulo C. Determinar o ângulo do vértice, sabendo-se que o lado C é a quarta proporcional dos segmentos, C e D. () 5 o () 30 o (C) o (D) 16 o (E) 0 o C D IT 1986, Questão 19. IT 1987, Questão 1: Dadas duas retas r e s e um ponto M entre elas, pede-se determinar dois pontos R e S nas retas dadas, sendo MR = MS. O valor do segmento RS é: () () 4 (C) 30 (D) 35 (E) 38 s M r IT 1987, Questão 1. 19

22 IT 1987, Questão : Passar, pelos pontos dados, retas a e b paralelas e separadas pelo segmento d também dado. O segmento perpendicular pelo ponto, até a reta que passa pelo ponto, mede: () 45 () 36 (C) 40 (D) 30 (E) 43 d IT 1987, Questão. IT 1987, Questão 4: Construir um triângulo isósceles equivalente ao setor circular conhecido. base desse triângulo mede aproximadamente: () 33 () 9 (C) 36 (D) 7 (E) o 4 IT 1987, Questão 4. 0

23 IT 1987, Questão 5: O segmento CE dado é o lado de um pentágono inscrito em um círculo. Construa um triângulo retângulo, sabendo-se que sua hipotenusa é igual ao segmento CE e que os catetos são lados de polígonos inscritos no mesmo círculo. Pergunta: Qual é o perímetro do triângulo? () 6 mm () 75 mm (C) 90 mm (D) 83 mm (E) 68 mm C E IT 1987, Questão 5. IT 1987, Questão 6: Dadas as retas r e s paralelas, concordá-las nos pontos e por uma curva plana composta de dois arcos, sabendo-se que o raio de um deles é o triplo do outro. Quanto mede a diferença entre os comprimentos dos arcos concordantes? () 40 mm () 55 mm (C) 65 mm (D) 7 mm (E) 80 mm r IT 1987, Questão 6. s 1

24 IT 1987, Questão 7: O segmento P Q é um dos lados não paralelos de um trapézio. O segmento MN é o que une os pontos médios dos lados não paralelos. O segmento P Q forma com a base maior um ângulo igual a α. Sabese que a base maior é o dobro da base menor. Quanto mede o lado não paralelo a P Q? () 45 mm () 41 mm (C) 35 mm (D) 48 mm (E) 37 mm P M Q N α IT 1987, Questão 7.

25 IT 1987, Questão 8: São dadas as retas r, s e t, assim como o ponto. Trace a bissetriz do ângulo formado por r e s e determine sobre a mesma um ponto, distante 0 mm à direita da reta t. Trace o menor caminho entre os pontos e, com um ponto em t. Pergunta: Qual é a medida do ângulo formado pelos segmentos que determinam este menor caminho? Obs: t é perpendicular à bissetriz do ângulo formado por r e s. () 45 o () 90 o (C) 60 o (D) 75 o (E) 65 o r t s IT 1987, Questão 8. IT 1988, Questão 1: O segmento dado é o semi-perímetro de um hexágono regular. Sem construir esse hexágono, pede-se traçar um quadrado de área equivalente. Pergunta: Quanto mede o lado do quadrado? Obs: Mostrar todas as construções geométricas. () 36 mm () 43 mm (C) 48 mm (D) 53 mm (E) 57 mm IT 1988, Questão 1. 3

26 IT 1988, Questão : Construir um triângulo sendo conhecidos: o lado a, a mediana m c e o ângulo Ĝ, formado pelas medianas m c e m b. mediana m a mede? () 57 mm () 70 mm (C) 65 mm (D) 60 mm (E) 74 mm a m c Ĝ IT 1988, Questão. IT 1988, Questão 4: Determinar dois pontos fixos P e Q por onde passam todas as circunferências ortogonais às circunferências de centros O e O. Pergunta: Quanto mede a distância P Q? () 45 mm () 5 mm (C) 58 mm (D) 67 mm (E) 76 mm O O IT 1988, Questão 4. 4

27 IT 1988, Questão 5: O segmento pertence a um pentágono estrelado. Quanto mede o segmento C? Escala: 1:5. Obs: O desenho do pentágono estrelado abaixo é apenas uma demonstração do que se pede, não possuindo valor numérico. () 56,5 cm () 70,75 cm (C) 87,50 cm (D) 93,5 cm (E) 300,50 cm C IT 1988, Questão 5. IT 1988, Questão 8: São dados: circunferência de centro O, o ponto O e o segmento RS, que é o perímetro de uma circunferência cujo centro é O. Trace a circunferência de centro O e determine os centros de homotetia das duas circunferências. Pergunta: Quanto mede a distância entre os centros de homotetias direta e inversa das duas circunferências? () 8 mm () 11 mm (C) 14 mm (D) 18 mm (E) 3 mm 5

28 R S O O IT 1988, Questão 8. 6

29 IT 1993, Questão : Dadas as retas a, b e c, traçar uma circunferência que seja interceptada por estas retas, segundo arcos de amplitudes respectivamente iguais a 90 o, 135 o e 75 o. Pergunta: Qual a diferença entre a soma das cordas definidas pelas retas nos arcos de amplitudes 90 o e 75 o e a corda correspondente ao arco de 135 o. () 33 mm () 5 mm (C) 40 mm (D) 47 mm (E) 18 mm c a b IT 1993, Questão. 7

30 IT 1993, Questão 3: O segmento corresponde à soma de um lado de um quadrado com um lado de outro. soma das áreas dos quadrados é equivalente à área de um círculo de raio R dado. Pergunta: Quanto medem aproximadamente os lados dos quadrados? () 3 e 3 mm () 5 e 30 mm (C) 18 e 37 mm (D) 40 e 15 mm (E) 46 e 9 mm R IT 1993, Questão 3. IT 1993, Questão 4: Os pontos, e C são vértices de um triângulo C. Determinar dois segmentos de tal forma que o produto destes segmentos seja igual ao produto dos lados b e c. Um dos segmentos é tangente à circunferência circunscrita ao triângulo no vértice. Pergunta: Quanto mede a soma dos segmentos pedidos, considerando os dados na escala 1 : 50? () 5,80 m () 5,35 m (C) 4,55 m (D) 3,90 m (E) 6,40 m IT 1993, Questão 4. C 8

31 3 Questões do IME IME 1964/1965, Questão 1, Item 1 [valor 1,0]: Dada uma circunferência de 5 cm de raio, traçar 5 outras circunferências internas tangentes à ela e tangentes entre si, duas a duas. IME 1965/1966, Questão 1, Item (a): Construir um triângulo retângulo sendo dados a hipotenusa = 9 cm e a soma dos catetos = 1 cm. IME 1965/1966, Questão 1, Item (c): Retificar a terça parte do arco dado. O IME 1965/1966, Questão 1, Item (c). IME 1965/1966, Questão 1, Item (d): Traçar as circunferências tangentes à reta MN dada e tangentes à circunferência O, num ponto T dado sobre esta. IME 1965/1966, Questão, Item : Os vértices de um trapézio são os pontos de contatos das tangentes comuns exteriores a duas circunferências tangentes entre si, cujos centros estão afastados de 7 cm, sendo 9 cm o diâmetro de uma delas. Pedem-se: (a) Desenhar o trapézio. (b) Determinar o hexágono regular cuja área seja equivalente à do trapézio. 9

32 N O T IME 1965/1966, Questão 1, Item (d). M 30

33 M IME 1967/1968, Questão 1, Item 1 [valor 0,5]: Pelo ponto P, traçar uma reta que passe pelo ponto de concorrência das retas M e N que não podem ser prolongadas. P N IME 1967/1968, Questão 1, Item 1. 31

34 IME 1967/1968, Questão 1, Item [valor 0,5]: Do ponto C como centro, traçar uma circunferência que corte os lados do ângulo D, de modo que a corda obtida seja paralela à reta M. M C D IME 1967/1968, Questão 1, Item. 3

35 IME 1967/1968, Questão 1, Item 3 [valor 1,0]: O segmento de reta E representa a soma da diagonal e do lado de um quadrado. Pede-se construir o quadrado. IME 1967/1968, Questão 1, Item 3. E 33

36 IME 1967/1968, Questão 1, Item 4 [valor 1,0]: Construir um quadrado, equivalente a um círculo cuja área é a soma das áreas de dois círculos de raios 3 e cm. IME 1968/1969, Questão 1, Item 1 [valor 1,0]: Dados os três pontos, e C, passar por e uma circunferência tal que a tangente tirada por C tenha um comprimento de 5 cm. C IME 1968/1969, Questão 1, Item 1. 34

37 IME 1968/1969, Questão 1, Item [valor 1,0]: No triângulo isósceles C, inscrever um retângulo cujo perímetro seja duplo do perímetro do triângulo isósceles que fica na parte superior do retângulo. IME 1968/1969, Questão 1, Item. C 35

38 IME 1968/1969, Questão 1, Item 3 [valor 1,0]: Pelo ponto comum S dividir o triângulo C em três áreas iguais. S C IME 1968/1969, Questão 1, Item 3. IME 1969/1970, Questão 1, Item [valor 1,0]: Os pontos O 1 e O são os centros de duas circunferências de raios cm e 1 cm respectivamente. che um ponto tal que as tangentes mais inclinadas, traçadas às circunferências, sejam iguais e formem um ângulo de 100 o. O 1 O IME 1969/1970, Questão 1, Item. 36

39 IME 1969/1970, Questão 1, Item 3 [valor 0,5]: Os pontos M, N, P, Q e R são os pontos médios dos lados de um pentágono qualquer. che o pentágono. R Q M P N IME 1969/1970, Questão 1, Item 3. 37

40 IME 1970/1971, Questão 1, Item 1 [valor 0,5]: Dado o triângulo C, ache no seu interior um ponto tal que a soma das distâncias aos três vértices seja mínima. IME 1970/1971, Questão 1, Item 1. C 38

41 IME 1970/1971, Questão 1, Item [valor 1,0]: s retas M, N e P são as mediatrizes de um triângulo. O ponto S está sobre um dos lados. Construa o triângulo. N M S IME 1970/1971, Questão 1, Item. P 39

42 IME 1970/1971, Questão 1, Item 3 [valor 1,0]: Construa um trapézio retângulo que satisfaça as seguintes condições: (i) ltura igual à diferença das alturas dos trapézios CD e EF GH. (ii) Área igual à diferença das áreas dos trapézios CD e EF GH. C F G D E IME 1970/1971, Questão 1, Item 3. IME 1971/197, Questão 6 [valor 1,0]: Um feixe de círculos F é dado por: um círculo de centro O, com dois centímetros de raio; eixo radical e, distante quatro centímetros de O e comum a todos os círculos de F. Pedem-se: (a) Construir o menor círculo que seja ortogonal a todos os círculos de F. (b) Construir um círculo de F tangente a uma reta r perpendicular ao eixo radical e e distante seis centímetros de O. H 40

43 e t O IME 1971/197, Questão 6. 41

44 IME 1971/197, Questão 7 [valor 1,0]: Construir um quadrilátero inscritível convexo cujos lados medem = 3 cm, C = 5 cm, CD = 5 cm e D = 8 cm. IME 198/1983, Questão 4, Item (a) [valor 0,8]: Em um triângulo C dão-se o ângulo Â, o raio do círculo ex-inscrito r a (relativo ao ângulo Â) e a altura h a (relativa ao lado a). Indique a construção do triângulo C e conclua daí a condição que deve haver entre os elementos dados para que a construção seja possível, isto é, para que exista o triângulo C, escaleno. IME 1983/1984, Questão 5 [valor 0,6]: Dão-se um círculo c, de centro O, e três direções d 1, d e d 3. Inscreva em c os triângulos cujos lados, C e C têm, respectivamente, as direções d 1, d e d 3 e cujos vértices, e C se sucedem no círculo c, no sentido do movimento dos ponteiros do relógio. d 1 d O d 3 IME 1983/1984, Questão 5. 4

45 IME 1984/1985, Questão, Item (a) [valor 0,5]: Em um triângulo C são dados o lado a, a soma dos outros dois lados, b+c = l, e a área S. Construa o triângulo com régua e compasso. b + c S a IME 1984/1985, Questão, Item (a). IME 1984/1985, Questão 8, Item (a) [valor 0,5]: Construa um quadrilátero convexo CD, dados: os comprimentos das diagonais C e D; o ângulo de C com D; os ângulos adjacentes e D. C D D C/D IME 1984/1985, Questão 8, Item (a). IME 1984/1985, Questão 8, Item (b) [valor 0,5]: São dados dois círculos concêntricos, C 1 e C, de raios r 1 e r (r 1 > r ) e centro O. Por um ponto de C 1 determine uma corda D de C 1, que corta C em e C, tal que D = 3C. Discuta a possibilidade e o número de soluções. 43

46 4 Soluções da FUVEST FUVEST 1996, Questão 10: Na figura abaixo são dadas duas semi-retas r e s de mesma origem e um ponto P. a) Utilize essa figura para construir, usando régua e compasso, os pontos em r e C em s de tal forma que o ponto P pertença ao segmento C e que seja igual a C. b) Descreva e justifique o processo utilizado na construção. r P b t C s FUVEST 1996, Questão 10: Solução. Construção: (i) Trace a bissetriz b de Â; (ii) Trace por P uma perpendicular t a b, determinando sobre as retas r e s os vértices e C, respectivamente. Justificativa: O triângulo C é isósceles, já que = C. Logo, a base C é a perpendicular, no caso por P, à bissetriz b do ângulo  oposto à base. 44

47 FUVEST 1997, Questão 10: a) Dados e um segmento de medida r, construa, usando régua e compasso, um triângulo isósceles sabendo que sua base é e o raio da circunferência inscrita nesse triângulo é r. b) Descreva as construções feitas. c) Justifique o porquê de cada construção. r t r M m C C O C1 FUVEST 1997, Questão 10: Solução. Construção: (i) Trace a mediatriz m C pelo ponto M médio de ; (ii) Marque sobre m C o ponto O tal que MO = r; (iii) Trace C 1 C(O, r); (iv) Trace por a tangente t a C 1, determinando sobre m C o vértice C. Justificativa: Em um triângulo isósceles, o centro O do círculo inscrito C 1 está sobre a mediatriz da base do triângulo, e o ponto de tangência de C 1 com a base é o ponto médio M desta. ssim, tendo-se a base e o raio r de C 1, podemos determinar o centro O de C 1. O terceiro vértice do triângulo é então determinado pelas tangentes a C 1 partindo dos vértices conhecidos e. 45

48 FUVEST 1998, Questão 10: a) Dadas as retas paralelas r e s e um ponto em r, construa um triângulo equilátero com um vértice em, outro vértice em r e o terceiro vértice em s. b) Descreva e justifique as construções feitas. r C s C 1 FUVEST 1998, Questão 10: Solução. Construção: (i) Marque um ponto qualquer sobre r e trace o triângulo equilátero de lado, determinando o outro vértice ; (ii) Prolongue o lado, determinando sobre s o vértice ; (iii) Trace C 1 C(, ), determinando sobre r o vértice C. Justificativa: O triângulo equilátero auxiliar ajuda a determinar o ângulo ÂC = 60o do triângulo equilátero desejado C. 46

49 FUVEST 1999, Questão 10: a) Construa com régua e compasso, um trapézio CD, onde seja paralelo a CD, conhecendo-se os pontos, M, N e I, que satisfazem as seguintes condições: M é o ponto médio do lado D, N é o ponto médio de C e I é o ponto de intersecção do segmento MN com a reta que passa por e é paralela a D. b) Descreva e justifique a construção feita. r M I s N D FUVEST 1999, Questão 10: Solução. Construção: (i) Prolongue M, determinando o vértice D tal que M = MD, com M entre e D; (ii) Trace por uma paralela r a MN; (iii) Trace por I uma paralela s a M, determinando sobre r o vértice ; (iv) Prolongue N, determinando o vértice C tal que NC = N, com N entre e C. Justificativa: O vértice é determinado pela definição do ponto I dada no enunciado. Pelas definições de M e N, o segmento MN é a base média do trapézio desejado. Os vértices C e D são determinados pelos prolongamentos de N e M, fazendo NC = N e MD = M, respectivamente. C 47

50 FUVEST 000, Questão 10: São dados os pontos e. Usando uma régua e compasso, construa a circunferência circunscrita a um polígono regular de 1 lados, que tem o segmento como um de seus lados. Descreva e justifique as construções utilizadas. C 1 O b l 6 C C FUVEST 000, Questão 10: Solução. Construção: (i) Prolongue e marque C qualquer, com entre e C ; (ii) Trace o triângulo equilátero de lado C ; (iii) Trace a bissetriz b de ˆ e marque a distância C =, determinando o vértice C sobre b ; (iv) Trace o triângulo equilátero de lado l 6 = C, cujo terceiro vértice é o centro O do círculo desejado C 1 C(O, l 6 ). Justificativa: O ângulo interno de um dodecágono regular é (1 )180o 1 = 150 o. Dado o segmento = l 1, podemos traçar um triângulo equilátero com vértice e sua bissetriz interna b, para determinar um ângulo de 150 o. Marcando-se sobre esta bissetriz o vértice C do dodecágono tal que C = = l 1, tem-se C = l 6. Logo, o centro O do círculo C 1 circunscrito ao dodecágono é o terceiro vértice de um triângulo equilátero de lado C. 48

51 FUVEST 001, Questão 10: São dados os pontos e e um segmento contendo os pontos G, H e I. Sabe-se que e pertencem, respectivamente, às diagonais CE e DF de um quadrado CDEF, cujo centro é O. distância de a O é igual a GH e a medida do lado do quadrado é igual a GI. Construa, usando régua e compasso, um quadrado CDEF, satisfazendo as condições acima. Descreva e justifique as construções utilizadas. Construção: (i) Determine o ponto M médio de GI e trace a mediatriz m de GI, marcando sobre m o ponto P tal que MP = GI ; (ii) Determine o ponto N médio de e trace C 1 (N, ); (iii) Trace C (, GH), determinando o ponto O, centro do quadrado, sobre C 1 ; (iv) Trace C 3 (O, GP ), determinando os vértices C, D, E, e F do quadrado desejado sobre as retas suportes de O e O. Justificativa: Seja O o centro do quadrado. ssim, Ô = 90o, de modo que O pertence ao círculo C 1 de diâmetro. Como O = GH é dado, o ponto O fica plenamente determinado. Pelo enunciado, o raio do círculo C 3 circunscrito ao quadrado é GP = GI, o que permite determinar os vértices do quadrado, que estão sobre as retas suportes de O e O. 49

52 D C 3 C d C O C 1 N E P F d m G H M I FUVEST 001, Questão 10: Solução. 50

53 FUVEST 00, Questão 10: São dados os pontos e M e a reta s. Sabese que o ponto é vértice de um paralelogramo CD; o lado está na reta s; M é o ponto médio do lado C e o ângulo CÂ tem medida 30o. Usando régua e compasso, construa esse paralelogramo. Descreva e justifique sua construção. D P C t M 30 o N FUVEST 00, Questão 10: Solução. Construção: (i) Trace por M uma perpendicular r a s, determinando o ponto N sobre s; (ii) Determine P sobre r tal que MP = MN, com M entre N e P, e trace por P uma paralela t a s; (iii) Trace o ângulo de 30 o (bissetriz de triângulo equilátero) a partir de, determinando o vértice C sobre t; (iv) Prolongue CM, determinando o vértice sobre s; (v) Trace por uma paralela a C, determinando o vértice D sobre t. Justificativa: Como CD é um paralelogramo de lado sobre s, então o lado CD está sobre uma paralela t a s. Esta paralela t é tal que qualquer segmento P MN, com P em t e N em s, é tal que P M = MN. O vértice C é determinado em t com um ângulo de CÂN = 30o, como dado no enunciado. O vértice é determinado sobre s prolongando CM. Por fim, o vértice D é determinado sobre t com = DC ou com D = C. r s 51

54 5 Soluções do IT IT 1979, Questão 11: Determinar, por construção geométrica, o comprimento da diagonal de um quadrado de área equivalente à coroa da Figura 1, representada no Caderno de Respostas. x 3(r 1 r ) d r 1 r r 1 r x IT 1979, Questão 11: Solução - () 57 mm. Construção: (i) Construa um triângulo retângulo de catetos (r 1 r ) e 3(r 1 r ), cuja hipotenusa é dada por x = 10(r 1 r ) π(r 1 r ); (ii) Determine a média geométrica d de (r 1 + r ) e x. Justificativa: O lado l do quadrado de área equivalente à da coroa é l = π(r 1 r ) e a diagonal d deste quadrado é então d = l = π(r 1 r ) = (r 1 + r ).π(r 1 r ) 5

55 IT 1979, Questão 14: Os segmentos C e G são partes de um duto, representado por seu eixo e que, do ponto C ao ponto G, é encurvado em quatro arcos de circunferência que concordam nos pontos C, D, E, F e G, conforme a figura a seguir. Pede-se o comprimento do duto, no desenho na escala 1:,5. C D O O O 1 O 1 E F O 4 O 3 O 4 O 3 IT 1979, Questão 14: Solução - () 430 mm. Construção: (i) Trace uma perpendicular a C por C e a mediatriz de CD, cuja interseção é o centro O 1 do arco CD; (ii) Prolongue O 1 D e trace a mediatriz de DE, cuja interseção é o centro O do arco DE; (iii) Prolongue O E e trace a mediatriz de EF, cuja interseção é o centro O 3 do arco EF ; (iv) Prolongue O 3 F, neste caso no sentido de O 3, e trace a mediatriz de F G, cuja interseção é o centro O 4 do arco F G, interseção esta também sobre a perpendicular a G por G; (v) Retifique os arcos CD, DE, EF e F G, usando, por exemplo, o método de d Ocagne ([1], pp ). Justificativa: No ponto de concordância, as curvas devem ter a mesma tangente, que em um círculo é ortogonal ao raio. Logo, o centro O 1 do arco CD está sobre a perpendicular a C por C. Para ter a mesma tangente em D que o arco C, o centro do arco DE é colinear com O 1 e com D. Os demais centros são determinados analogamente. Deve-se incluir os comprimentos C e G na resposta, escalando o resultado por,5, como exigido no enunciado. G 53

56 IT 1979, Questão 15: Determinar a soma dos raios de duas circunferências inscritas num triângulo C, tangentes aos lados deste e entre elas, sendo dado o ângulo  = 35o, a mediana relativa ao lado C, igual a 96 mm, e a mediana relativa ao lado C, igual a 60 mm. Construção: (i) Trace m = m e determine G sobre m tal que G = G m ; (ii) Construa o arco-capaz C 1 do ângulo  = 35o relativo à corda m ; (iii) Construa o círculo C C(G, m 3 ), cuja interseção com C 1 é o vértice ; (iv) Prolongue m, determinando o vértice C tal que C = m ; (v) Trace o círculo C 3, de centro O, inscrito no triângulo C ([], Exercício 1.4), cuja interseção com uma bissetriz b x do triângulo C é o ponto de tangência P ; (vi) Trace por P uma perpendicular a b x, cuja interseção com um lado do triângulo é o ponto Q; (vii) Trace C 4 C(Q, QP ), determinando o ponto P sobre o lado do triângulo; (viii) Trace por P uma perpendicular ao lado do triângulo, cuja interseção com a bissetriz b x é o centro O do círculo C 3, tangente a C 3 e a dois lados do triângulo C. Justificativa: O baricentro do triângulo C está sobre as medianas. ssim, o vértice está sobre o arco-capaz do ângulo  dado, relativo à mediana m, e também sobre o círculo de centro em G e raio m 3. Definido o triângulo C, traça-se o seu círculo inscrito C 3 de centro O. O centro do segundo c ırculo C 3, tangente a dois lados do triângulo C e ao círculo C 3, está sobre a bissetriz do ângulo formado pelos dois lados. tangente comum aos dois círculos C 3 e C 3 é então perpendicular à referida bissetriz, e determina sobre C 3 o ponto de tangência P e sobre um lado do triângulo o ponto Q. Pelo conceito de potência, a outra tangente QP por Q ao círculo C 3 deve ter comprimento QP = QP, o que permite determinar o outro ponto P de tangência a C 3 por Q. O centro O de C 3 está sobre a perpendicular ao lado do triângulo por P. sln: Há dois triângulos C que satisfazem as restrições do problema. Cada triângulo gera três possíveis soluções para o problema, que deve ser anulado. 54

57 C 1 α β m 3 C m 3 Â G m C β Â C α m m IT 1979, Questão 15: Solução - Questão nulada. 55

58 α C 3,α b x C 3,α O α P P O α C 4 Q C α (a) β C 3,β C 3,β O β P O β Q P C β (b) IT 1979, Questão 15: (Continuação) Possíveis soluções para os triângulos: (a) α C α ; (b) β C β. 56

59 IT 1980, Questão 16: São dados dois pontos (P, P ) e uma reta (r). Determinar a soma dos raios das circunferências que contêm os pontos e são tangentes à reta. O P m O P r 1 C 1 r x r Q Q IT 1980, Questão 16: Solução I (geométrica) - (E) 69 mm. Construção I (geométrica): (i) Trace a mediatriz m de P P ; (ii) Prolongue P P, determinando o ponto sobre a reta r; (ii) Determine a média geométrica x = P.P ; (iii) Trace o círculo C 1 C(, x), cujas interseções com a reta r são os pontos Q e Q ; (iv) Trace perpendiculares a r por Q e Q, cujas respectivas interseções com a mediatrz m são os pontos O e O, centros dos círculos de raios desejados r 1 = OQ e r = O Q. Justificativa I (geométrica): Como P e P pertencem a ambos os círculos, a potência do ponto em relação aos dois círculos é a mesma e igual a P.P. Com isto, o comprimento da tangente aos dois círculos por é dado por x = P.P, o que permite determinar os pontos Q e Q de tangência por em ambos os círculos. Naturalmente, os centros dos círculos estão sobre as respectivas perpendiculares a r por estes pontos de tangência. 57

60 sln: Este problema tem uma solução algébrica que gera uma construção muito simples e interessante. Construção II (algébrica): (i) Trace pelo ponto médio M de P P a mediatriz m, cuja interseção com a reta r é o ponto ; (ii) Prolongue P P, determinando o ponto sobre a reta r; (iii) Determine a quarta proporcional M : M = : (r 1 + r ). Justificativa II (algébrica): Das semelhanças dos triângulos M, OQ, O Q e (onde os pontos,, O, O, Q, Q e M foram definidos nas construções acima), tem-se M = O OQ = O O Q M = M + OM r 1 OM =.r 1 M.M M O M =.r M.M M = M O M r lém disto, dos triângulos retângulos OMP e OM P, tem-se { OM = OP P M = r 1 P M O M = O P P M = r P M Usando estes valores de OM e O M nas equações anteriores, ambas tornam-se equações do tipo M.r x.m.m.r x + M.P = 0 cuja soma das respectivas soluções é então dada por (r 1 + r ) =.M.M M =.M M 58

61 IT 1980, Questão 17: Um compressor centrífugo é acionado por um motor elétrico, sendo usada uma correia chata, suposta inteiramente tensa e de espessura desprezível. Sabendo-se que: polia do motor é de raio r 1 e de centro C 1. polia do compressor é de raio r e de centro C. E que r 1 = 00 mm, r = 400 mm, C 1 C = 1000 mm. Pede-se determinar o comprimento real da correia, sendo a escala 1:10. C 1 C r 1 r IT 1980, Questão 17: Solução - (C) 3940 mm. Construção: (i) Trace a tangente comum externa aos dois círculos dados ([], Exercício 1.11(a)), determinando os pontos de tangência que delimitam os arcos da correia em cada círculo; (ii) Retifique os arcos, usando, por exemplo, o método de d Ocagne ([1], pp ). Por simetria, trabalhamos apenas com a metade superior da correia. Justificativa: O problema consiste em se determinar a correia, que é definida pela tangente comum externa aos dois círculos dados. 59

62 IT Questão 18: Determinar o comprimento da mediana em relação ao vértice de um triângulo C, do qual conhecemos os pés das alturas H a, H b e H c, sabendo-se que o ângulo  é obtuso. H c H b M C H a IT 1980, Questão 18: Solução - () 61 mm. Construção: (i) Trace os lados H a H b, H a H c e H b H c do triângulo órtico H a H b H c ; (ii) Trace as bissetrizes externa (no vértice H a ) e internas (nos vértices H b e H c ) do triângulo órtico, cujas interseções determinam o triângulo C: é interseção das bissetrizes internas por H b e H c ; é interseção das bissetrizes externa por H a e interna por H c ; C é interseção das bissetrizes externa por H a e interna por H b ; (iii) Determine o ponto médio M de C e trace a mediana M desejada. Justificativa: s alturas do triângulo C são as bissetrizes de seu triângulo órtico H a H b H c. Como o ângulo  é obtuso, as alturas pelos vértices e C serão na verdade bissetrizes externas do triângulo órtico H a H b H c. Note que as bissetrizes interna e externa em um dado ângulo são perpendiculares entre si [4], pp

63 IT 1980, Questão 19: Os lados e a base de um triângulo isósceles são os segmentos áureos da média proporcional de dois segmentos que medem, respectivamente, 60 e 90 mm. Determinar o semi-perímetro deste triângulo, considerando o menor segmento como a base. l b a l 60 mm 90 mm IT 1980, Questão 19: Solução - (E) 59 mm. Construção: (i) Determine a média proporcional l = 60.90; (ii) Determine os segmentos áureos a e b de l; (iii) O semi-perímetro desejado é dado por p = a + b. 5 1 Justificativa: lgebricamente, l = = lém disto, a = l e b = 3 5 l, de forma que l a = a b, com (a + b) = l. Logo, o semi-perímetro desejado é dado por p = a + b = a + b = 5 1 l l = = 59, 45 mm 61

64 IT 1981, Questão 16: São dados uma circunferência de raio igual a 0 mm, um ponto P na mesma, um ponto P distante de seu centro e uma reta r, como mostra a figura abaixo. Rolando a circunferência sem escorregar sobre a reta, partindo do ponto P, desenvolver 315 o no sentido horário. Determinar a distância do centro da circunferência até o ponto P, quando a mesma completar o ângulo dado. P l P P 30 o 7l 8 3r IT 1981, Questão 16: Solução - (?). Construção: (i) Retifique a semi-circunferência, determinando o comprimento l 7l ; (ii) Marque a distância 8 a partir do centro da circunferência, determinando a nova posição deste ponto após o deslocamento da circunferência. Justificativa: O ângulo de 315 o corresponde a 7 8 da circunferência completa, determinando o deslocamento do centro da circunferência e do ponto P, correspondentemente. sln: O problema não apresenta opção de resposta adequada. lém disto, o ponto P indicado é inútil. Considerando que o problema pede a distância P P após o deslocamento, a resposta é (E) 33 mm. 6

65 IT 1981, Questão 19: Determinar o perímetro do trapézio de bases e EF equivalente ao pentágono CDE. D E F h E h D C E x IT 1981, Questão 19: Solução - (E) 0 mm. Construção: (i) Trace por E uma paralela a D, cuja interseção com reta suporte de é o ponto E ; (ii) Trace por C uma paralela a D, cuja interseção com reta suporte de é o ponto C ; (iii) Determine a quarta proporcional de h E : E C = h D : x, onde h D e h E são as respectivas alturas de E e D relativas ao lado ; (iv) Marque a distância EF = (x ) a partir do vértice E, determinando o vértice F do trapézio desejado. Justificativa: s áreas dos triângulos ED, E D, CD e C D são tais que S ED = S E D = E.h D S CD = S C D = C.h D Já a área do trapézio desejado seria dada por ( + EF ) S EF = h E Fazendo-se S CDE = S EF, tem-se h E E C = h D + EF o que permite determinar a base EF do trapézio. C S CDE = S E C D = E C.h D 63

66 IT 1981, Questão 0: char a área, em milímetros quadrados, da figura afim do quadrado CD (sentido horário), do qual conhecemos sua diagonal C e o ponto, afim do vértice. reta xy é o eixo de afinidade. O C y D D C x D C h IT 1981, Questão 0: Solução - (D) 1530 mm. Construção: (i) Trace a mediatriz da diagonal C do quadrado, marcando os extremos e D tais que O = O = OC = OD, onde O é o ponto médio de C; (ii) Prolongue C e D, cujas interseções com a reta r são os pontos C e D, respectivamente; (iii) Trace C e D, cujas interseções com as paralelas a por C e D são os pontos C e D, respectivamente; (iv) Trace por e D retas paralelas a C D e C, respectivamente, cuja interseção é o ponto ; (v) Determine a altura h de relativa ao lado D. 64

67 Justificativa: transformação afim leva pontos a suas imagens através de retas paralelas. lém disto, a transformação afim, mapeia retas em retas afins. Pontos pertencentes ao eixo de afinidade (no caso, C e D ) são mapeados em si mesmo. Logo, C e D pertencem aos respectivos mapeamentos das retas C e D, de forma que CC e DD são paralelas a. O ponto complementa o paralelogramo C D, afim do quadrado CD e com área S C D = D.h IT 198, Questão 16: s retas a, b e c são lugares geométricos de três pontos, respectivamente,, e C, que pertencem a uma circunferência. Sabendose que nesta circunferência o arco mede 10 o e o arco C mede 60 o, pergunta-se qual o valor de seu raio. (c) C (b) r 60 o O (c ) (a) IT 198, Questão 16: Solução - () 3 mm. Construção: (i) Trace a reta equidistante das retas a e c e tome um ponto O qualquer sobre esta reta; (ii) Determine a rotação c = R O,60 o(c) da reta c de um ângulo de 60 o em torno de O, cuja interseção com a reta b é o vértice, determinando o raio desejado r = O. Justificativa: Como O ˆ = 10 o e OC ˆ = 60 o, então OC ˆ = 180 o e o ponto O é médio de C. Com isto, o ponto pode ser obtido pela rotação do ponto C de 60 o em torno de O. O raio r desejado pode ser determinado por r = O = OC = O = C. 65

68 IT 198, Questão 17: São dadas duas retas r e t e um ponto P. Determinar o raio da circunferência que passa por P, é tangente à reta t, sendo a reta r o lugar geométrico do centro O. P O C 1 x C t r IT 198, Questão 17: Solução - (D) 5 mm. Construção: (i) Trace por P uma perpendicular à reta r, determinando os pontos em r e em t; (ii) Trace o triângulo retângulo de hipotenusa e cateto P, determinando o outro cateto x; (iii) Trace o círculo C 1 C(, x), cujas interseções com a reta t são os pontos C e C ; (iv) Trace por C uma perpendicular à reta t, cuja interseção com r é o centro O da circunferência desejada. Justificativa: potência do ponto em relação à circunferência solução é C =.P = ( )( + P ) = P pois = P, sendo a interseção de P com a circunferência solução, já que P é ortogonal à r. equação anterior, determina a posição do ponto C. sln: Na verdade, há uma segunda solução gerada pelo ponto C. sln: Outra solução seria marcar, entre P e e tal que = P, e calcular diretamente C =.P. 66

69 IT 198, Questão 18: M b e M c são, respectivamente, os pontos médios dos lados b e c de um triângulo C. Sabendo-se que o ângulo do vértice é igual a 60 o e que a altura conduzida deste mesmo vértice mede 4 mm, pergunta-se o valor do perímetro do triângulo. C 1 M b M c 60 o IT 198, Questão 18: Solução - (E) 7. C Construção: (i) Trace o arco-capaz C 1 do ângulo  = 60o relativo á corda M b M c ; (ii) Trace uma paralela a M b M c a uma distância h a = 1 mm, cuja interseção com o círculo C 1 é o vértice ; (iii) Prolongue M b e M c e determine os vértices e C tais que M b = M b e M c C = M c. Justificativa: O segmento M b M c é a base média do triângulo desejado, com isto M b M c é paralelo a C e está a uma altura h a de M b M c. 67

70 IT 198, Questão 0: um ajustador mecânico é fornecida uma chapa de aço, retangular. Pede-se o apótema do maior pentágono que pode ser riscado nesta chapa, sabendo-se que as dimensões desta são, respectivamente, a 3 a proporcional e a média proporcional dos valores 150 mm e 15 mm. resposta deverá ser indicada na escala 1:,5. P x 150 mm 15 mm R l C 1 x 1 x 1 15 mm 5R l R R 5R x a IT 198, Questão 0: Solução - (?). Construção: (i) Determine a terceira proporcional 150 : 15 = 15 : x 1 e a média proporcional x = , e esboce a chapa retangular de dimensões x 1 x ; (ii) Trace um círculo C 1, de raio R qualquer e tangente a um lado de comprimento x em seu ponto médio P ; (iii) Construa o pentágono regular 5 5 R ([], Exercício.5) e com um vértice inscrito em C 1, de lado l = em P ; (iv) Determine, por homotetia de centro P, o pentágono desejado de apótema a máximo. Justificativa: digonal d e a altura h = (R + a), onde a é o apótema do pentágono regular, são tais que d = h = 5+1 l 5+ 5 l d h < x x 1 Logo, o aspecto limitante será a altura h, e não a largura d, do pentágono. 68

71 sln: O problema não apresenta opção de resposta adequada. Considerando x 1 como a terceira proporcional de 15 mm e 150 mm, ou seja, fazendo 15 : 150 = 150 : x 1, e repetindo a construção acima, tem-se a = 5 mm. Este valor, porém, deveria ser escalado para obter a resposta adequada. P x 150 mm 15 mm R C 1 5R 150 mm R R x 1 5R a x 1 l x l IT 198, Questão 0 (modificada): Solução - (C) 5 mm. IT 1983, Questão 16: s retas r, s e t são figuras afins das retas r, s e t. Determinar o raio da circunferência tangente às retas r, s e t, sabendo-se que os pontos e são pontos afins e x é o eixo de afinidade. Construção: (i) Sejam as interseções, de s com t, e C, de r com t ; (ii) Prolongue r, s e t, cujas interseções com a reta x são os pontos, e C, respectivamente; (iii) reta s é determinada por, cuja interseção com uma paralela por a é o ponto ; (iv) reta t é determinada por C, cuja interseção com uma paralela por C a é o ponto C; (v) reta r é determinada por C ; (vi) Trace as bissetrizes dos ângulos obtusos entre r e t em C e entre s e t em, determinando o centro O da circunferência desejada. Justificativa: transformação de afinidade de pontos se dá por retas paralelas a, que são pontos afins. s interseções de r, s e t com o eixo de afinidade x pertencem às respectivas retas afins r, s e t. s interseções de r, s e t entre si se transformam nas interseções de r, s e t. ssim, determinamos as retas s, t e r, nesta ordem. O centro da circunferência tangente a r, s e t está sobre as bissetrizes dos ângulos formados por estas três retas. 69

72 r O s x C t C t C s r IT 1983, Questão 16: Solução - () 5 mm. 70

73 IT 1983, Questão 17: Determinar o comprimento aproximado do lado oposto ao vértice de um triângulo qualquer, sendo dados os lados l 1 e l que definem o vértice. É conhecido também o comprimento da bissetriz b, de origem em. l 1 = 50 mm l = 33 mm b = mm C C 1 x l 3 b C l l 1 IT 1983, Questão 17: Solução I (geométrica; baseada em solução do Curso ETP) - () 70 mm. Construção I (geométrica; baseada em solução do Curso ETP): (i) Determine os pontos C, e, colineares e com entre C e, tais que C = l e = l 1 ; (ii) Determine a quarta proporcional de l : b = (l 1 + l ) : x; (iii) Trace os círculos C 1 C(, l 1 ) e C C(, x), cuja interseção define o vértice. Justificativa I (geométrica; baseada em solução do Curso ETP): No triângulo original C, seja  = α, de forma que na figura-solução tenhamos o ângulo externo  = (180 o α). Da construção acima, o triângulo é isósceles e tal que ˆ = ˆ = α, de forma que é paralelo à bissetriz b no triângulo C. Com isto, l : b = (l 1 +l ) :, e o vértice pode ser determinado já que são conhecidas as distâncias e. 71

74 l 3 x y b y l l 1 l IT 1983, Questão 17: Solução II (algébrica) - () 70 mm. Construção II (algébrica): (i) Determine a média proporcional x = l 1 l ; (ii) Determine a quarta proporcional x : b = (l 1 + l ) : y; (iii) Trace o triângulo retângulo de hipotenusa (l 1 + l ) e cateto y, determinando o outro cateto l 3. Justificativa II (algébrica): Pelos Teoremas das issetrizes e de Stewart, têm-se m l 1 = n l = m+n l 1 +l = l 3 l 1 +l m = l 3l l 1 +l e n = l 3l 1 l 1 +l l 1 m + l n = (mn + b )l 3 Logo, e então l 1 l 3l l 1 + l + l l 3l 1 l 1 + l = l 3 = (l 1 + l ) [ ] l 3 l 1 l (l 1 + l ) + b l 3 1 b l 1 l = ( ) 1 70 mm

75 IT 1983, Questão 18: São dadas as retas r e s e um ponto C. Construir um hexágono regular, tal que tenha o ponto C como centro da circunferência circunscrita e dois vértices opostos do hexágono estão um sobre a reta r e outro sobre a reta s. Determinar graficamente o lado do quadrado de área equivalente à do hexágono. s 1 C a 6 l 6 s l 4 r 4 a 6 3l 6 IT 1983, Questão 18: Solução - (E) 50 mm. Construção: (i) Trace a reta s paralela a s de modo que o ponto C seja equidistante de s e s, determinando sobre a reta r um vértice 1 do hexágono de lado l 6 = C 1 ; (ii) Determine a média proporcional l 4 do semi-perímetro p 6 = 3l 6 e do apótema a 6 do hexágono. Justificativa: Como 1 e 4 são opostos, por simetria C é médio de 1 4. Logo, a reta s é lugar geométrico de 1, assim como a reta r, o que determina o vértice 1. Por equivalência de áreas, tem-se l 4 = p 6a 6, ou seja l 4 = 3l 6.a 6 sln: Minha construção deu de fato l 53 mm. 73

Basta duplicar o apótema dado e utilizar o problema 1 (pág.: 45).

Basta duplicar o apótema dado e utilizar o problema 1 (pág.: 45). Aula 12 Exercício 1: Basta duplicar o apótema dado e utilizar o problema 1 (pág.: 45). Exercício 2: Traçar a diagonal AB, traçar a mediatriz de AB achando M (ponto médio de AB). Com centro em AB M e raio

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

IFSP - EAD - GEOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO CONCEITUAÇÃO :

IFSP - EAD - GEOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO CONCEITUAÇÃO : IFSP - EAD - GEOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO CONCEITUAÇÃO : Como já sabemos, todo polígono que possui três lados é chamado triângulo. Assim, ele também possui três vértices e três ângulos internos cuja soma

Leia mais

Aula 4 Ângulos em uma Circunferência

Aula 4 Ângulos em uma Circunferência MODULO 1 - AULA 4 Aula 4 Ângulos em uma Circunferência Circunferência Definição: Circunferência é o conjunto de todos os pontos de um plano cuja distância a um ponto fixo desse plano é uma constante positiva.

Leia mais

5. DESENHO GEOMÉTRICO

5. DESENHO GEOMÉTRICO 5. DESENHO GEOMÉTRICO 5.1. Retas Paralelas e Perpendiculares No traçado de retas paralelas ou perpendiculares é indispensável o manejo adequado dos esquadros. Na construção das retas perpendiculares e

Leia mais

Desenho geométrico. Ponto: Elemento geométrico considerado sem dimensão, apenas com posição. Reta:

Desenho geométrico. Ponto: Elemento geométrico considerado sem dimensão, apenas com posição. Reta: Desenho geométrico Ponto: Elemento geométrico considerado sem dimensão, apenas com posição. Reta: Linha que estabelece a menor distância entre 2 pontos. Por 1 ponto podem passar infinitas retas. Por 2

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 05/04/14 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 05/04/14 PROFESSOR: MALTEZ RESOLUÇÃO VLIÇÃO E MTEMÁTI o NO O ENSINO MÉIO T: 05/0/1 PROFESSOR: MLTEZ QUESTÃO 01 São dados os triângulos retângulos E e TE conforme a figura ao lado; T se = E = E = 60 cm, então: E Os triângulos e TE

Leia mais

Módulo de Geometria Anaĺıtica 1. Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano. 3 a série E.M.

Módulo de Geometria Anaĺıtica 1. Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano. 3 a série E.M. Módulo de Geometria Anaĺıtica 1 Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano a série EM Geometria Analítica 1 Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano 1 Exercícios

Leia mais

Se o ABC é isóscele de base AC, determine x.

Se o ABC é isóscele de base AC, determine x. LISTA DE EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO DE MATEMÁTICA PROFESSOR MOABI QUESTÃO I Nas figuras abaixo, o CBA é congruente ao CDE. Determine o valor de x e y. QUESTÃO II Num triângulo, o maior lado mede 26 cm,

Leia mais

Geometria Analítica Plana.

Geometria Analítica Plana. Geometria Analítica Plana. Resumo teórico e eercícios. 3º Colegial / Curso Etensivo. Autor - Lucas Octavio de Souza (Jeca) Estudo de Geometria Analítica Plana. Considerações gerais. Este estudo de Geometria

Leia mais

ICARO SISTEMA DE ENSINO MATEMÁTICA APLICADA. www.portalicaro.com.br atendimento@portalicaro.com.br

ICARO SISTEMA DE ENSINO MATEMÁTICA APLICADA. www.portalicaro.com.br atendimento@portalicaro.com.br MATEMÁTICA APLICADA Disciplina: Matemática Aplicada Trigonometria e aplicações Introduzimos aqui alguns conceitos relacionados com a Trigonometria no triângulo retângulo, assunto comum na oitava série

Leia mais

Construções Fundamentais. r P r

Construções Fundamentais. r P r 1 Construções Fundamentais 1. De um ponto traçar a reta paralela à reta dada. + r 2. De um ponto traçar a perpendicular à reta r, sabendo que o ponto é exterior a essa reta; e de um ponto P traçar a perpendicular

Leia mais

ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere as seguintes afirmações sobre o conjunto U = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} I. U e n(u) = 10 III. 5 U e {5}

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Nível 3 IV FAPMAT 28/10/2007

Nível 3 IV FAPMAT 28/10/2007 1 Nível 3 IV FAPMAT 8/10/007 1. A figura abaixo representa a área de um paralelepípedo planificado. A que intervalo de valores, x deve pertencer de modo que a área da planificação seja maior que 184cm

Leia mais

OBJETIVOS: Definir área de figuras geométricas. Calcular a área de figuras geométricas básicas, triângulos e paralelogramos.

OBJETIVOS: Definir área de figuras geométricas. Calcular a área de figuras geométricas básicas, triângulos e paralelogramos. META: Definir e calcular área de figuras geométricas. AULA 8 OBJETIVOS: Definir área de figuras geométricas. Calcular a área de figuras geométricas básicas, triângulos e paralelogramos. PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA

1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA PLANA II 1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA Circunferência é o conjunto de pontos que está a uma mesma distância (chamaremos essa distância de raio) de um ponto fixo (chamaremos

Leia mais

Construções Elementares com Régua e Compasso

Construções Elementares com Régua e Compasso TERCEIRLISTDEEXERCÍCIOS Fundamentos da Matemática II MTEMÁTIC DCET UESC Humberto José ortolossi Construções Elementares com Régua e Compasso (Entregar todos os exercícios até o dia 20/04/2004) 1 Construindo

Leia mais

5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA

5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA 40 5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA Propriedade: O lugar geométrico dos pontos do plano situados a uma distância constante r de um ponto fixo O é a circunferência de centro O e raio r. Notação: Circunf(O,r). Sempre

Leia mais

I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO

I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO Matemática Frente I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO 1 - RECORDANDO Na última aula, nós vimos duas condições bem importantes: Logo, se uma reta passa por um ponto e tem um coeficiente angular,

Leia mais

Aula 10 Triângulo Retângulo

Aula 10 Triângulo Retângulo Aula 10 Triângulo Retângulo Projeção ortogonal Em um plano, consideremos um ponto e uma reta. Chama-se projeção ortogonal desse ponto sobre essa reta o pé da perpendicular traçada do ponto à reta. Na figura,

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

valdivinomat@yahoo.com.br Rua 13 de junho, 1882-3043-0109

valdivinomat@yahoo.com.br Rua 13 de junho, 1882-3043-0109 LISTA 17 RELAÇÕES MÉTRICAS 1. (Uerj 01) Um modelo de macaco, ferramenta utilizada para levantar carros, consiste em uma estrutura composta por dois triângulos isósceles congruentes, AMN e BMN, e por um

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

Módulo de Geometria Anaĺıtica Parte 2. Distância entre Ponto e Reta. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis

Módulo de Geometria Anaĺıtica Parte 2. Distância entre Ponto e Reta. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Módulo de Geometria Anaĺıtica Parte Distância entre Ponto e Reta a série E.M. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Geometria Analítica Parte Distância entre Ponto e Reta 1 Exercícios Introdutórios

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos

Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos Gabarito da a Prova de Geometria I - Matemática - Monica 9/05/015 1 a Questão: (4,5 pontos) (solução na

Leia mais

POLÍGONOS E FIGURAS GEOMÉTRICAS ESPACIAIS

POLÍGONOS E FIGURAS GEOMÉTRICAS ESPACIAIS http://apostilas.netsaber.com.br/ver_apostila.php?c=622 ANGELO ROBERTO BONFIETI JUNIOR - MATRÍCULA 97003133 - BM3 01-011 POLÍGONOS E FIGURAS GEOMÉTRICAS ESPACIAIS ANGELO ROBERTO BONFIETI JUNIOR - MATRÍCULA

Leia mais

O Desenho Geométrico no Vestibular do ITA. c 2013, Sergio Lima Netto

O Desenho Geométrico no Vestibular do ITA. c 2013, Sergio Lima Netto O Desenho Geométrico no Vestibular do ITA c 2013, Sergio Lima Netto Parte I Prólogo Este material é complementar ao livro A Matemática no Vestibular do ITA, de minha autoria, editado em 2013 pela VestSeller.

Leia mais

Aula 12 Áreas de Superfícies Planas

Aula 12 Áreas de Superfícies Planas MODULO 1 - AULA 1 Aula 1 Áreas de Superfícies Planas Superfície de um polígono é a reunião do polígono com o seu interior. A figura mostra uma superfície retangular. Área de uma superfície é um número

Leia mais

MÓDULO 25. Geometria Plana I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA

MÓDULO 25. Geometria Plana I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA MÓDULO 5 Geometria Plana I. Mostre que o ângulo inscrito em uma circunferência é a metade do ângulo central correspondente. 1. (MAM-Mathematical

Leia mais

MAT 240- Lista de Exercícios. 1. Dado o ABC, seja G o baricentro deste triângulo e M o ponto médio do lado BC. Prove que AG = 2GM.

MAT 240- Lista de Exercícios. 1. Dado o ABC, seja G o baricentro deste triângulo e M o ponto médio do lado BC. Prove que AG = 2GM. 1 MAT 240- Lista de Exercícios 1. Dado o ABC, seja G o baricentro deste triângulo e M o ponto médio do lado BC. Prove que AG = 2GM. 2. Seja G o baricentro e O o circuncentro do ABC. Na reta que contém

Leia mais

Bissetrizes e suas propriedades.

Bissetrizes e suas propriedades. Semana Olímpica 013 - Prof. ícero Thiago - olégio ETP/SP issetrizes e suas propriedades. Teorema 1. Seja XOY umângulodadoep umpontoemseuinterior. Então, adistância de P a XO é igual à distância de P a

Leia mais

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2 F128-Lista 11 1) Como parte de uma inspeção de manutenção, a turbina de um motor a jato é posta a girar de acordo com o gráfico mostrado na Fig. 15. Quantas revoluções esta turbina realizou durante o teste?

Leia mais

Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA. Professor Responsável: Ivan José Coser Tutora: Rafaela Seabra Cardoso Leal

Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA. Professor Responsável: Ivan José Coser Tutora: Rafaela Seabra Cardoso Leal Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana Projeto Novos Talentos Edital CAPES 55/12 Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA Professor Responsável: Ivan José Coser

Leia mais

Aula 5 Quadriláteros Notáveis

Aula 5 Quadriláteros Notáveis Aula 5 Quadriláteros Notáveis Paralelogramo Definição: É o quadrilátero convexo que possui os lados opostos paralelos. A figura mostra um paralelogramo ABCD. Teorema 1: Se ABCD é um paralelogramo, então:

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES / MATEMÁTICA TECNOLOGIAS

CADERNO DE ATIVIDADES / MATEMÁTICA TECNOLOGIAS VSTIULR VILS 0. alcule x na figura: x + 0º x + 0º RNO TIVIS / MTMÁTI TNOLOGIS 0. Na figura, é o lado de um quadrado inscrito e é o lado do decágono regular. Qual a medida de x? x 0. Na figura a seguir,

Leia mais

Conceitos e fórmulas

Conceitos e fórmulas 1 Conceitos e fórmulas 1).- Triângulo: definição e elementos principais Definição - Denominamos triângulo (ou trilátero) a toda figura do plano euclidiano formada por três segmentos AB, BC e CA, tais que

Leia mais

FEIXE DE RETAS PARALELAS TEOREMA DE TALES

FEIXE DE RETAS PARALELAS TEOREMA DE TALES 222 FEIXE DE RETAS PARALELAS Feixe de retas paralelas é um conjunto de retas distintas de um plano, paralelas entre si. As retas a, d e c da figura constituem um feixe de retas paralelas. r s Transversal

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 27 de outubro de 2015) AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 No caso específico

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

ENGRENAGENS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ENGRENAGENS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ENGRENAGENS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá INTRODUÇÃO Engrenagens são utilizadas para transmitir movimento de um eixo rotativo para outro ou de um eixo rotativo para outro que translada (rotação

Leia mais

QUADRILÁTEROS. Um quadrilátero é um polígono de quatro lados. Pode ser dito que é porção do plano limitada por uma poligonal fechada,

QUADRILÁTEROS. Um quadrilátero é um polígono de quatro lados. Pode ser dito que é porção do plano limitada por uma poligonal fechada, QUADRILÁTEROS Um quadrilátero é um polígono de quatro lados. Pode ser dito que é porção do plano limitada por uma poligonal fechada, A B C Lados: AB BC CD AD Vértices: A B C D Diagonais: AC BD D Algumas

Leia mais

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t.

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t. CINEMÁTICA VETORIAL Na cinemática escalar, estudamos a descrição de um movimento através de grandezas escalares. Agora, veremos como obter e correlacionar as grandezas vetoriais descritivas de um movimento,

Leia mais

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Conteúdos do 7º ano Conteúdos do 8º ano Conteúdos do 8º Ano Teorema de Pitágoras Funções Semelhança de triângulos Ainda os números Lugares geométricos

Leia mais

Nesta aula iremos continuar com os exemplos de revisão.

Nesta aula iremos continuar com os exemplos de revisão. Capítulo 8 Nesta aula iremos continuar com os exemplos de revisão. 1. Exemplos de revisão Exemplo 1 Ache a equação do círculo C circunscrito ao triângulo de vértices A = (7, 3), B = (1, 9) e C = (5, 7).

Leia mais

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016 Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016 Tema 1: Números naturais. Potências de expoente

Leia mais

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar GAAL - 201/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar SOLUÇÕES Exercício 1: Determinar os três vértices de um triângulo sabendo que os pontos médios de seus lados são M = (5, 0, 2), N = (, 1, ) e P = (4,

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 06

FÍSICA. Questões de 01 a 06 FIS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 06 01. Um estudante de Física executou um experimento de Mecânica, colocando um bloco de massa m = 2kg sobre um plano homogêneo de inclinação regulável, conforme a figura

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios Eletromagnetismo

Exercícios Eletromagnetismo Exercícios Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte e norte, ou

Leia mais

REVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência. h, onde b representa a base e h representa a altura.

REVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência. h, onde b representa a base e h representa a altura. NOME: ANO: º Nº: POFESSO(A): Ana Luiza Ozores DATA: Algumas definições Áreas: Quadrado: EVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência A, onde representa o lado etângulo: A b h, onde b representa a

Leia mais

CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES

CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES B3 CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES Circunferência Circunferência é um conjunto de pontos do plano situados à mesma distância de um ponto fixo (centro). Corda é um segmento de recta cujos extremos

Leia mais

PROVA DO VESTIBULAR DA FUVEST 2002 2ª etapa MATEMÁTICA. RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÕNIA GOUVEIA.

PROVA DO VESTIBULAR DA FUVEST 2002 2ª etapa MATEMÁTICA. RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÕNIA GOUVEIA. PROVA DO VESTIBULAR DA FUVEST 00 ª etapa MATEMÁTICA. RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÕNIA GOUVEIA. QUESTÃO.01.Carlos, Luis e Sílvio tinham, juntos, 100 mil reais para investir por um ano. Carlos

Leia mais

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase 36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase Problema 1 Turbo, o caracol, está participando de uma corrida Nos últimos 1000 mm, Turbo, que está a 1 mm por hora, se motiva e

Leia mais

Simulado OBM Nível 2

Simulado OBM Nível 2 Simulado OBM Nível 2 Gabarito Comentado Questão 1. Quantos são os números inteiros x que satisfazem à inequação? a) 13 b) 26 c) 38 d) 39 e) 40 Entre 9 e 49 temos 39 números inteiros. Questão 2. Hoje é

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Analítica: ircunferência p. (Uneb-A) A condição para que a equação 6 m 9 represente uma circunferência é: a), m, ou, m, c) < m < e), m, ou,

Leia mais

MATEMÁTICA II EXERCÍCIOS DE REVISÃO GEOMETRIA SÓLIDA

MATEMÁTICA II EXERCÍCIOS DE REVISÃO GEOMETRIA SÓLIDA 1 MATEMÁTICA II EXERCÍCIOS DE REVISÃO GEOMETRIA SÓLIDA ===================================================== 1) As dimensões de um paralelepípedo retângulo são dadas por números inteiros em P.A. de razão

Leia mais

MATEMÁTICA. 3 ΔBHG ΔAFG(L.A.A o ) AG BG e HG = GF 2 3 K. No ΔGBH : GH 2 GH

MATEMÁTICA. 3 ΔBHG ΔAFG(L.A.A o ) AG BG e HG = GF 2 3 K. No ΔGBH : GH 2 GH MATEMÁTICA Prof. Favalessa 1. Em um aparelho experimental, um feixe laser emitido no ponto P reflete internamente três vezes e chega ao ponto Q, percorrendo o trajeto PFGHQ. Na figura abaixo, considere

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Geometria Métrica Plana

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Geometria Métrica Plana Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Métrica Plana p. 0 Na figura a seguir tem-se r // s // t e y. diferença y é igual a: a) c) 6 e) b) d) 0 8 ( I) y 6 y (II) plicando a propriedade

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 2º ciclo PCA - 6º ano Planificação Anual 2013-2014 MATEMÁTICA METAS CURRICULARES

Leia mais

MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014 / 2015

MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014 / 2015 GRUPO DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014 / 2015 (Em conformidade com o Programa de Matemática homologado em 17 de junho de 2013 e com as de Matemática homologadas em 3

Leia mais

Retas e Planos. Equação Paramétrica da Reta no Espaço

Retas e Planos. Equação Paramétrica da Reta no Espaço Retas e lanos Equações de Retas Equação aramétrica da Reta no Espaço Considere o espaço ambiente como o espaço tridimensional Um vetor v = (a, b, c) determina uma direção no espaço Dado um ponto 0 = (x

Leia mais

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares).

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). 1 LIVRO Curvas Polares 7 AULA META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. Cálculos com curvas planas em coordenadas polares.

Leia mais

AV1 - MA 13-2011 UMA SOLUÇÃO. b x

AV1 - MA 13-2011 UMA SOLUÇÃO. b x Questão 1. figura abaixo mostra uma sequência de circunferências de centros 1,,..., n com raios r 1, r,..., r n, respectivamente, todas tangentes às retas s e t, e cada circunferência, a partir da segunda,

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

Exercícios 3 Movimentos em 2 Dimensões, Movimento Circular e Aplicações

Exercícios 3 Movimentos em 2 Dimensões, Movimento Circular e Aplicações Exercícios 3 Movimentos em 2 Dimensões, Movimento Circular e Aplicações Movimentos em 2D 1) Você está operando um modelo de carro com controle remoto em um campo de tênis vazio. Sua posição é a origem

Leia mais

MATEMÁTICA 3. Resposta: 29

MATEMÁTICA 3. Resposta: 29 MATEMÁTICA 3 17. Uma ponte deve ser construída sobre um rio, unindo os pontos A e, como ilustrado na figura abaixo. Para calcular o comprimento A, escolhe-se um ponto C, na mesma margem em que está, e

Leia mais

CURSO DE GEOMETRIA LISTA

CURSO DE GEOMETRIA LISTA GEOMETRI Ângulos Obs.: Dois ângulos são congruentes quando têm a mesma abertura. Exemplos: Ângulos complementares Soma (medida) 90º Ângulos suplementares Soma (medida) 180º issetriz bissetriz de um ângulo

Leia mais

(A) 30 (B) 6 (C) 200 (D) 80 (E) 20 (A) 6 (B) 10 (C) 15 (D) 8 (E) 2 (A) 15 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 (A) 3 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4

(A) 30 (B) 6 (C) 200 (D) 80 (E) 20 (A) 6 (B) 10 (C) 15 (D) 8 (E) 2 (A) 15 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 (A) 3 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 TEOREMA DE TALES. Na figura abaixo as retas r, s e t são (A) 0 (B) 6 (C) 00 (D) 80 (E) 0. Três retas paralelas são cortadas por duas Se AB = cm; BC = 6 cm e XY = 0 cm a medida, em cm, de XZ é: (A) 0 (B)

Leia mais

Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito. Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso a medida ab.

Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito. Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso a medida ab. MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito Questão 01 [ 2,00 pts ] Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso

Leia mais

Lista 1: Vetores -Turma L

Lista 1: Vetores -Turma L Lista 1: Vetores -Turma L Professora: Ivanete Zuchi Siple 1. Dados os vetores u e v da gura, mostrar num gráco um representante do vetor: (a) u v (b) v u (c) u + 4 v u v. Represente o vetor x = u + v w

Leia mais

Triângulo Retângulo. Exemplo: O ângulo do vértice em. é a hipotenusa. Os lados e são os catetos. O lado é oposto ao ângulo, e é adjacente ao ângulo.

Triângulo Retângulo. Exemplo: O ângulo do vértice em. é a hipotenusa. Os lados e são os catetos. O lado é oposto ao ângulo, e é adjacente ao ângulo. Triângulo Retângulo São triângulos nos quais algum dos ângulos internos é reto. O maior dos lados de um triângulo retângulo é oposto ao vértice onde se encontra o ângulo reto e á chamado de hipotenusa.

Leia mais

O conhecimento é a nossa propaganda.

O conhecimento é a nossa propaganda. Conhecimentos geométricos II - Triângulos e Quadriláteros Lista de Exercícios 1 Gabaritos Comentados dos Questionários 01) (ENEM 2000) Um marceneiro deseja construir uma escada trapezoidal com 5 degraus,

Leia mais

LISTA 3 - LEI DE COULOMB

LISTA 3 - LEI DE COULOMB LISTA 3 - LEI DE COULOMB 1. Duas cargas puntiformes eletrizadas estão fixadas a 3,0 mm uma da outra. Suas cargas elétricas são idênticas e iguais a 2,0 nc, positivas. Determine a intensidade da força eletrostática

Leia mais

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA Autor: Carlos Safreire Daniel Ramos Leandro Ferneta Lorival Panuto Patrícia de

Leia mais

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 TRIGONOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO Considere um triângulo ABC, retângulo em  ( = 90 ), onde a é a medida da hipotenusa, b e c, são as medidas dos catetos e a, β são os ângulos

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta Questão Carlos, Luís e Sílvio tinham, juntos, 00 mil reais para investir por um ano. Carlos escolheu uma aplicação que rendia 5% ao ano. Luís, uma que rendia 0% ao ano. Sílvio aplicou metade de seu dinheiro

Leia mais

ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO

ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO SERGIO ALVES IME-USP Freqüentemente apresentada como um exemplo notável de sistema dedutivo, a Geometria tem, em geral, seus aspectos indutivos relegados a um segundo plano.

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. Questão. Considerando-se as funções f: R R e g: R R definidas por f(x) = x e g(x) = log(x² + ), é correto afirmar: () A função

Leia mais

ÁREAS. 01 (UFMG) Um terreno tem a forma da figura abaixo. Se AB AD, BC CD, AB = 10 m, BC = 70 m, CD = 40 m e AD = 80 m, então a área do terreno é

ÁREAS. 01 (UFMG) Um terreno tem a forma da figura abaixo. Se AB AD, BC CD, AB = 10 m, BC = 70 m, CD = 40 m e AD = 80 m, então a área do terreno é ÁRES 01 (UFMG) Um terreno tem a forma da figura abaixo. Se,, = 10 m, = 70 m, = 40 m e = 80 m, então a área do terreno é a) 1 500 m b) 1 600 m c) 1 700 m d) 1 800 m 0 (FMMG) - Observe a figura. Nessa figura,

Leia mais

Geometria Plana 03 Prof. Valdir

Geometria Plana 03 Prof. Valdir Geometria lana 03 rof. Valdir TS TÁVEIS E U TRIÂGUL 1. RIETR É o ponto de equilíbrio ou centro de gravidade do triângulo. baricentro coincide com o ponto de intersecção das medianas do triângulo (na figura

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

GABARITO COMENTADO SIMULADO PRE VESTIBULAR INTENSIVO

GABARITO COMENTADO SIMULADO PRE VESTIBULAR INTENSIVO GABARITO COMENTADO SIMULADO PRE VESTIBULAR INTENSIVO Resposta da questão 1: Como 900 360 180, segue que o atleta girou duas voltas e meia. Resposta da questão : O ângulo percorrido pelo ponteiro das horas

Leia mais

Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 (OBMEP RJ) Num triângulo retângulo, definimos o cosseno de seus ângulos agudos O triângulo retângulo da figura

Leia mais

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E Sistema cartesiano ortogonal Lista. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E. Marque num sistema de coordenadas cartesianas ortogonais os pontos: a)

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Métodos sofisticados de contagem. Princípio das Casas dos Pombos. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo de Métodos sofisticados de contagem. Princípio das Casas dos Pombos. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo de Métodos sofisticados de contagem Princípio das Casas dos Pombos Segundo Ano do Ensino Médio Prof. Cícero Thiago Bernardino Magalhães Prof. Antonio Caminha Muniz Neto Em Combinatória,

Leia mais

Refração da Luz Prismas

Refração da Luz Prismas Refração da Luz Prismas 1. (Fuvest 014) Um prisma triangular desvia um feixe de luz verde de um ângulo θ A, em relação à direção de incidência, como ilustra a figura A, abaixo. Se uma placa plana, do mesmo

Leia mais

LISTÃO UNIDADE IV. Mensagem:

LISTÃO UNIDADE IV. Mensagem: LISTÃO UNIDADE IV Mensagem: A Matemática é uma ciência poderosa e bela; problemiza ao mesmo tempo a harmonia divina do universo e a grandeza do espírito humano. (F. Gomes Teieira) 01. Efetue as operações:

Leia mais

A B C F G H I. Apresente todas as soluções possíveis. Solução

A B C F G H I. Apresente todas as soluções possíveis. Solução 19a Olimpíada de Matemática do Estado do Rio Grande do Norte - 008 Segunda Etapa Em 7/09/008 Prova do Nível I (6 o ou 7 o Séries) (antigas 5ª ou 6ª séries) 1 a Questão: Substitua as nove letras da figura

Leia mais

Um triângulo isósceles tem o lado diferente medindo 12 cm. Calcule as medidas dos outros dois lados, sabendo que o seu perímetro é de 40cm.

Um triângulo isósceles tem o lado diferente medindo 12 cm. Calcule as medidas dos outros dois lados, sabendo que o seu perímetro é de 40cm. EXERÍIO OMPLEMENTRES - MTEMÁTI - 8º NO - ENSINO FUNDMENTL - 2ª ETP ============================================================================================== 01- ssunto: Triângulos Um triângulo isósceles

Leia mais

a = 6 m + = a + 6 3 3a + m = 18 3 a m 3a 2m = 0 = 2 3 = 18 a = 6 m = 36 3a 2m = 0 a = 24 m = 36

a = 6 m + = a + 6 3 3a + m = 18 3 a m 3a 2m = 0 = 2 3 = 18 a = 6 m = 36 3a 2m = 0 a = 24 m = 36 MATEMÁTICA Se Amélia der R$ 3,00 a Lúcia, então ambas ficarão com a mesma quantia. Se Maria der um terço do que tem a Lúcia, então esta ficará com R$ 6,00 a mais do que Amélia. Se Amélia perder a metade

Leia mais

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA Em um amostra, quando se têm os valores de uma certa característica, é fácil constatar que os dados normalmente não se distribuem uniformemente, havendo uma

Leia mais

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Uma mola comprimida por uma deformação x está em contato com um corpo de massa m, que se encontra

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

1. Determine x no caso a seguir: 2. No triângulo ABC a seguir, calcule o perímetro.

1. Determine x no caso a seguir: 2. No triângulo ABC a seguir, calcule o perímetro. 1. Determine x no caso a seguir: 2. No triângulo ABC a seguir, calcule o perímetro. 3. (Ufrrj) Milena, diante da configuração representada abaixo, pede ajuda aos vestibulandos para calcular o comprimento

Leia mais

2) A área da parte mostarda dos 100 padrões é 6. 9. 2. 3) A área total bordada com a cor mostarda é (5400 + 3700) cm 2 = 9100 cm 2

2) A área da parte mostarda dos 100 padrões é 6. 9. 2. 3) A área total bordada com a cor mostarda é (5400 + 3700) cm 2 = 9100 cm 2 MATEMÁTICA 1 Um tapete deve ser bordado sobre uma tela de m por m, com as cores marrom, mostarda, verde e laranja, da seguinte forma: o padrão quadrado de 18 cm por 18 cm, mostrado abaio, será repetido

Leia mais

115% x + 120% + (100 + p)% = 93 2 2. 120% y + 120% + (100 + p)% = 106 2 2 x + y + z = 100

115% x + 120% + (100 + p)% = 93 2 2. 120% y + 120% + (100 + p)% = 106 2 2 x + y + z = 100 MATEMÁTICA Carlos, Luís e Sílvio tinham, juntos, 00 mil reais para investir por um ano. Carlos escolheu uma aplicação que rendia 5% ao ano. Luís, uma que rendia 0% ao ano. Sílvio aplicou metade de seu

Leia mais

Programa Olímpico de Treinamento. Aula 1. Curso de Geometria - Nível 2. Prof. Rodrigo Pinheiro

Programa Olímpico de Treinamento. Aula 1. Curso de Geometria - Nível 2. Prof. Rodrigo Pinheiro Programa Olímpico de Treinamento urso de Geometria - Nível 2 Prof. Rodrigo Pinheiro ula 1 Introdução Nesta aula, aprenderemos conceitos iniciais de geometria e alguns teoremas básicos que utilizaremos

Leia mais