ÓPTICA INERENTE DE CINCO SISTEMAS AQUÁTICOS CONTINENTAIS NO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA AVALIAÇÃO INTERSISTÊMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÓPTICA INERENTE DE CINCO SISTEMAS AQUÁTICOS CONTINENTAIS NO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA AVALIAÇÃO INTERSISTÊMICA"

Transcrição

1 ÓPTICA INERENTE DE CINCO SISTEMAS AQUÁTICOS CONTINENTAIS NO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA AVALIAÇÃO INTERSISTÊMICA WENDEL CARLOS DE SÁ AZEVEDO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE - UENF CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ ABRIL

2 ÓPTICA INERENTE DE CINCO SISTEMAS AQUÁTICOS CONTINENTAIS NO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA AVALIAÇÃO INTERSISTÊMICA WENDEL CARLOS DE SÁ AZEVEDO Dissertação apresentada ao Centro de Biociências e Biotecnologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense, como parte das exigências para a obtenção do título de Mestre em Biociências e Biotecnologia, área de concentração Ciências Ambientais. Orientador: Prof. Dr. Paulo Pedrosa Andrade UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE - UENF CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ ABRIL

3

4 IV Dedico este estudo a minha família (Genildo, Josane e Fernanda) e a minha amada Cristina.

5 V AGRADECIMENTOS A Deus por iluminar e me conduzir por este caminho escolhido. Minha eterna gratidão. Ao professor Paulo Pedrosa pela orientação, credibilidade e atenção disponibilizada de forma amigável. Pelas suas atitudes dignas de um cientista, o meu sincero obrigado. Aos Professores Alvaro Ramon C. Ovalle (revisor suplente), Carlos Eduardo de Rezende, Luiz Antonio Martinelli e Marina Satika Suzuki por terem aceitado participar da banca examinadora desta dissertação. Ao professor Leandro Rabello Monteiro por contribuir com informações associadas a testes estatísticos. Ao corpo técnico do Laboratório de Ciências Ambientais, em especial a Alcemi Cerqueira, Ana Paula Fernandes, Arizoli Gobo (Ari), Cristiano Peixoto, Edilma de Cássia, Marcelo Almeida, muito obrigado a todos por auxiliar no andamento dos experimentos e pela atenção disponibilizada. Ao antigo técnico extra-quadro do Laboratório de Ciências Ambientais, Antônio Carlos (seu Antônio), pela grande força no campo e por estar sempre disposto a ajudar (Remadas Eternas!). À companheira de trabalho e do mestrado, Juliana César, fica a minha gratidão por ter disponibilizado amostras e dados da Lagoa de Cima. Ao Hamilton por ter disponibilizado os dados do Posto Climatológico do Campus Dr. Leonel Miranda da UFRRJ e ao camarada Francisco (ex-bolsista de apoio técnico do LCA) por ter organizado os dados meteorológicos utilizados neste estudo. Aos amigos do mestrado, Anna Rosa (Não deixa o mar te engolir!), Diogo, Gustavo Chagas (valeu pelas fotos), Inês, Janice, Gabriela e Verônica, pelos momentos de descontração vividos na UENF e nas festas. Aos grandes amigos Alex, pelo auxílio no bom funcionamento do PC, e Rafael Barros pelas fotos aéreas concedidas. Ao apoio financeiro da UENF. Aos meus queridos avós Ennio, Nely e Dulcunéia (in memorian) um grande obrigado pelo carinho e união. Aos meus amados pais, Genildo e Josane, e irmã, Fernanda, fica uma gratidão especial pela educação, amor e incentivo para que este estudo se concretizasse. Finalmente, a minha amada Maria Cristina, pela dedicação e carinho nos momentos difíceis, uma vez mais acreditando e me fazendo acreditar que seria possível atingir este objetivo, dedico o meu SINCERO OBRIGADO! O homem sempre caminha ao longo de precipícios. Sua maior obrigação é manter o equilíbrio. Karol Wojtyla ( ), Papa João Paulo II.

6 VI ÍNDICE LISTA DE FIGURAS... VIII LISTA DE TABELAS... X LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS... XII RESUMO... XIII ABSTRACT... XIV 1. INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS HIPÓTESES DE TRABALHO MATERIAL E MÉTODOS Área de estudo Determinações físico-químicas e processamento das amostras Carbono orgânico, proteínas e carboidratos na fração dissolvida Óptica inerente Matéria orgânica dissolvida cromófora (MODC) C, N, e P na fração particulada Clorofila-a Percentuais de saturação de O 2 e CO Tratamento dos dados RESULTADOS Variáveis limnológicas Variáveis físicas e físico-químicas Percentuais de saturação de oxigênio e dióxido de carbono dissolvidos Matéria orgânica dissolvida (MOD) Fração particulada (material particulado em suspensão, carbono orgânico, nitrogênio, fósforo e clorofila-a) Razões C:N:P Análise integrada Variáveis ópticas (óptica inerente) Coeficiente de absorção Coeficiente de absorção específico Coeficiente de inclinação espectral Análise integrada Relação entre os coeficientes ā λ e S Correlações POIs versus variáveis meteorológicas... 40

7 VII POIs versus variáveis físico-químicas POIs versus variáveis hidroquímicas DISCUSSÃO Organização intersistêmica, óptica-limnológica Coeficientes ópticos: a λ, a λ e S Coeficientes ópticos: proxies sistêmicos? CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE... 82

8 VIII LISTA DE FIGURAS Figura 1. Principais divisões da óptica geofísica (modificado de Preisendorfer, 1976 apud Kirk, 1994)... 1 Figura 2. Exemplos de medidas, processos e aplicações associadas a propriedades ópticas de ecossistemas aquáticos... 4 Figura 3. Localização geográfica dos sistemas aquáticos, mostrando também os pontos de amostragem: (1) Lagoa do Campelo, (2) Lagoa de Cima, (3) Lagoa de Grussaí, (4) Lagoa de Iquipari e (5) RPS. Fonte: Projeto Ecologia da Paisagem (Laboratório de Ciências Ambientais LCA UENF) Figura 4. Aspecto geral dos sistemas aquáticos: (1) Lagoa do Campelo, (2) Lagoa de Cima, (3) Lagoa de Grussaí, (4) Lagoa de Iquipari, (5) RPS e (6) disposição geográfica das lagoas de Grussaí e Iquipari. Fontes: Projeto Ecologia da Paisagem (Laboratório de Ciências Ambientais LCA UENF) (1, 2, 5 e 6) e Oscar Wagner (3 e 4) Figura 5. Contribuição relativa de COD não associado a carboidratos e proteínas e de C-CH 2 O e C-PRO no COD de cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense Figura 6. Distribuição em diagramas de caixa apresentando os valores de ā λ associados às regiões espectrais do UV-A (A) e da RFA (B) para cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense Figura 7. Relação entre COD e ā UV-B na Lagoa de Cima (A) e no RPS (B) Figura 8. Distribuição em diagramas de caixa apresentando os valores estimados de S associados às regiões espectrais do UV-A (A) e da RFA (B) para cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense Figura 9. Relação entre ā UV e S UV nas lagoas do Campelo (A), Cima (B), Grussaí (C), Iquipari (D) e o RPS (E). Os dados restritos às pré-aberturas de barra também são apresentados para as lagoas de Grussaí e Iquipari (canto superior à direita) Figura 10. Relação entre ā RFA e S RFA considerando os dados de cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense (n = 59) Figura 11. Relação entre ā UV e S UV considerando os dados de cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense (n = 60) Figura 12. Relação entre ā UV A e a média semanal da temperatura do ar no RPS Figura 13. Relação entre ā RFA e a média semanal da velocidade do vento no RPS Figura 14. Relação entre ā RFA e insolação no RPS Figura 15. Relação entre ā UV-B e profundidade na Lagoa de Cima Figura 16. Relação entre ā UV-B e ph no RPS Figura 17. Relação entre ā UV-A e condutividade elétrica na Lagoa do Campelo Figura 18. Relação entre ā UV-A e alcalinidade na Lagoa do Campelo Figura 19. Relação entre ā UV-B e % sat. OD no RPS Figura 20. Relação entre ā UV A e % sat. CO 2(aq) no RPS... 50

9 IX Figura 21. Relação entre ā UV-B e proteínas na Lagoa de Cima Figura 22. Relação entre ā UV-A e carboidratos na Lagoa do Campelo Figura 23. Relação entre ā UV-B e carboidratos no RPS Figura 24. Relação entre ā UV-A e MPS na Lagoa do Campelo Figura 25. Relação entre ā UV-A e COP na Lagoa de Iquipari no período pré-abertura de barra (n = 7) Figura 26. Relação entre ā RFA e NP na Lagoa de Grussaí no período pré-abertura de barra (n = 8) Figura 27. Relação entre ā UV-B e PP na Lagoa do Campelo Figura 28. Relação entre ā UV-B e CLa na Lagoa de Cima Figura 29. Relação entre ā UV-B e razão C:N na Lagoa do Campelo Figura 30. Relação entre ā UV-A e razão N:P na Lagoa do Campelo Figura 31. Relação entre ā UV-B e razão N:P na Lagoa de Grussaí no período pré-abertura de barra (n = 8) Figura 32. Relação entre ā RFA e razão C:P na Lagoa de Iquipari incluindo o período pós-abertura de barra Figura 33. (A) Médias mensais de temperatura do ar no ano de 2003 e integrando-se dez anos anteriores a este. (B) Similar ao descrito para (A), mas referente a totais mensais de precipitação pluviométrica. As barras sobrepostas às abscissas, em (A) e (B), indicam o período estudado. Fonte: Posto Climatológico Dr. Leonel Miranda da UFRRJ Figura 34. Análises de agrupamento em função de CVs (A e B) e valores medidos/estimados (C e D) para variáveis limnológicas (A e C) e ópticas (B e D). Período associado às pré-aberturas de barra (30 de setembro a 11 de novembro de 2003; n = 7) Figura 35. Ocorrências de pares intersistêmicos formados por ligações diretas resultantes dos arranjos gerados pelas análises de agrupamento (ver texto). Lagoa do Campelo (Ca), Lagoa de Cima (Ci), Lagoa de Grussaí (Gr), Lagoa de Iquipari (Iq) e rio Paraíba do Sul (RPS) Figura 36. Relação entre COD e ā UV-B, considerando as lagoas de Cima, Grussaí, Iquipari, e o rio Paraíba do Sul Figura 37. Linha de tendência (linha contínua) para a relação encontrada entre os coeficientes ā RFA e S RFA, considerando-se os cinco sistemas aquáticos: Lagoas do Campelo, Cima, Grussaí, Iquipari, e o rio Paraíba do Sul (RPS). Comparativamente, também é mostrada a relação esperada para uma mistura conservativa entre estes mesmos coeficientes (linha tracejada) calculada de acordo com Stedmon & Markager (2003), considerando como end-members os extremos α, a Lagoa do Campelo, e β, o RPS Figura 38. Assinaturas ópticas de sistemas aquáticos, de cima para baixo: lagoas do Campelo, Cima, Grussaí, Iquipari e rio Paraíba do Sul. Valores plotados em função de médias e desvios padrão para razões ā λ e S específicas (ver legenda). Para melhor visualizar os padrões geométricos dos pontos (triângulos), estes foram ligados por linhas contínuas... 72

10 X LISTA DE QUADROS E TABELAS Quadro 1. Localização geográfica dos pontos de coleta dos sistemas aquáticos da área de estudo Quadro 2. Sumário das variáveis consideradas no presente estudo Tabela 1. Média, desvio padrão e, entre parênteses, mínimo, mediana e máximo dos valores de variáveis físicas e físico-químicas em cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense Tabela 2. Média, desvio padrão e, entre parênteses, mínimo, mediana e máximo dos percentuais de saturação de OD e CO 2(aq) em cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense Tabela 3. Média, desvio padrão e, entre parênteses, mínima, mediana e máxima das concentrações de carboidratos, proteínas e COD na fração dissolvida de amostras d água de cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense. Também são mostrados os equivalentes de carbono dissolvido para carboidratos (C-CH 2 O) e proteínas (C-PRO) Tabela 4. Média, desvio padrão e, entre parênteses, mínimo, mediana e máximo dos valores de MPS, COP, NP, PP e CLa em cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense Tabela 5. Média, desvio padrão e, entre parênteses, mínimo, mediana e máximo das razões C:N, N:P e C:P em cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense Tabela 6. Grau de deficiência de nutrientes inferido pelas razões C:N, N:P e C:P (µmol µmol -1 ). Tabela adaptada de Healey & Hendzel (1980) Tabela 7. Teste HSD de Tukey para variáveis limnológicas, considerando as lagoas do Campelo (Ca), Cima (Ci), Grussaí (Gr), Iquipari (Iq), e o rio Paraíba do Sul (RPS). Valores em negrito (p < 0,05) Tabela 8. Média e, entre parênteses, coeficiente de variação dos valores do ā λ (m -1 ) associados a diferentes regiões espectrais para cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense Tabela 9. Média e, entre parênteses, coeficiente de variação dos valores do ā λ (m2 g -1 C) associados a diferentes regiões espectrais para cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense Tabela 10. Coeficientes de correlação (r) entre as variáveis COD (mg L -1 ) e ā λ (m -1 ) associados às regiões do UV-B, UV-A e RFA para cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense. Valores em negrito (p < 0,05) Tabela 11. Participação de cromóforos (%) na MOD considerando as regiões do UV-B, UV-A e RFA nas lagoas de Cima, Grussaí, Iquipari e no RPS. Valores estimados via modelo de regressão linear Tabela 12. Média e, entre parênteses, coeficiente de variação dos valores de S (µm -1 ) associados a diferentes regiões espectrais para cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense Tabela 13. Teste HSD de Tukey para os coeficientes ópticos, ā λ e S, considerando as lagoas do Campelo (Ca), Cima (Ci), Grussaí (Gr), Iquipari (Iq) e o rio Paraíba do Sul (RPS). Valores em negrito (p < 0,05)... 37

11 XI Tabela 14. Coeficientes de correlação (r) entre ā λ (m -1 ) e S (µm -1 ) associados às regiões do UV-B, UV-A e RFA para cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense. Para as lagoas de Grussaí e de Iquipari, os coeficientes r são apresentados também para os dados restritos e anteriores às aberturas de barra. Valores em negrito (p < 0,05) Tabela 15. Coeficientes de correlação (r) entre ā λ (m -1 ) e S (µm -1 ) e entre ā λ (m2 g -1 C) e S (µm -1 ) associados às regiões do UV-B, UV-A, UV e RFA e integrando-se cinco sistemas aquáticos na Região Norte Fluminense. Valores em negrito (p < 0,05) Tabela 16. Correlações entre os coeficientes ópticos ā λ (m -1 ), ā λ (m2 g -1 C) e S (µm -1 ) e variáveis meteorológicas temperatura do ar (ºC, média semanal), velocidade do vento (m s -1, média semanal) e insolação (MJ m -2 semana -1 ). Correlações significativas são assinaladas como * (p < 0,05) Tabela 17. Correlações entre os coeficientes ópticos ā λ (m -1 ), ā λ (m2 g -1 C) e S (µm -1 ) e variáveis físico-químicas temperatura da água (ºC), profundidade (m), ph, condutividade elétrica (ms cm -1 ) e alcalinidade (meq L -1 ). Para as lagoas de Grussaí e Iquipari, os dados que incluem o período posterior às aberturas de barra são representados por sinais entre parênteses. Correlações significativas são assinaladas como * (p < 0,05) Tabela 18. Correlações entre os coeficientes ópticos ā λ (m -1 ), ā λ (m2 g -1 C) e S (µm -1 ) e variáveis hidroquímicas % sat. OD, % sat CO 2(aq), carboidratos (CH 2 O; mg L -1 ), proteínas (PRO; mg L -1 ), MPS (mg L -1 ), COP (mg L -1 ), NP (mg L -1 ), PP (µg L -1 ), CLa (µg L -1 ), C:N, N:P e C:P. Para as lagoas de Grussaí e Iquipari, os dados que incluem o período posterior às aberturas de barra são representados por sinais entre parênteses. Correlações significativas são assinaladas como * (p < 0,05) Tabela 19. Características limnológicas gerais dos ecossistemas estudados Tabela 20. Correlações de Spearman significativas (p < 0,05) entre variáveis ópticas e limnológicas, considerando medidas de tendência central (média (º) e mediana (ºº)) para o conjunto de sistemas estudados como um todo (n = 5). Ausência de círculo(s) indica correlação significativa tanto para média como para mediana Tabela 21. Coeficientes a λ de águas continentais para comprimentos de onda específicos e médios associados às regiões do UV-B, UV-A e RFA Tabela 22. Coeficientes a λ calculado para comprimentos de onda específicos em diferentes estudos de sistemas aquáticos e para o coeficiente a λ calculado para as regiões espectrais UV-B, UV-A e RFA, e o coeficiente a 440 deste estudo... 67

12 XII LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS a λ... ā λ... ā UV-B... a Coeficiente de absorção Coeficiente de absorção médio Coeficiente de absorção médio para a região espectral UV-B Coeficiente de absorção para o comprimento de onda de 300 nm a λ... Coeficiente de absorção específico ā λ... Coeficiente de absorção específico médio ā UV -B... Coeficiente de absorção específico médio para a região espectral UV-B... a Coeficiente de absorção específico para o comprimento de onda de 300 nm C-CH 2 O... Carbono associado a carboidratos solúveis em água CLa... Clorofila-a COD... Carbono orgânico dissolvido COP... Carbono orgânico particulado C-PRO... Carbono associado a proteínas solúveis em água CV... Coeficiente de variação MOD... Matéria orgânica dissolvida MODC... Matéria orgânica dissolvida cromófora MPS... Material particulado em suspensão NP... Nitrogênio particulado PP... Fósforo particulado % sat. CO 2(aq)... Percentual de saturação de dióxido de carbono dissolvido em água % sat. OD... Percentual de saturação de oxigênio dissolvido em água POIs... Propriedades ópticas inerentes r... Coeficiente de correlação de Pearson r S... Coeficiente de correlação de Spearman RFA... Radiação fotossinteticamente ativa (região espectral entre nm) S... Coeficiente de inclinação espectral S UV-B... Coeficiente de inclinação espectral para a região UV-B... S Coeficiente de inclinação espectral para o intervalo entre nm UV... Ultravioleta A e B (região espectral entre nm) UV-A... Ultravioleta A (região espectral entre nm) UV-B... Ultravioleta B (região espectral entre )

13 XIII RESUMO Este estudo investiga propriedades ópticas inerentes (POIs) conjugadas a variáveis limnológicas de cinco sistemas aquáticos continentais, e objetivou avaliar o uso das POIs como proxies sistêmicos. Os sistemas lagoas do Campelo, Cima, Grussaí, Iquipari, e o rio Paraíba do Sul apresentaram distintas características limnológicas, sendo representadas por diferentes estados tróficos (meso- a hipertrófico), metabólicos (auto- e heterotróficos) e limitação ou não por P. Amostras de água foram coletadas semanalmente, entre 30 de setembro e 18 de dezembro de 2003, e os pools de cromóforos orgânicos dissolvidos caracterizados via coeficientes de absorção (a λ e a λ ) e de inclinação espectral (S). Os coeficientes de absorção foram tratados como valores médios, sendo referidos como ā λ e ā λ. Estes, assim como o coeficiente S, foram caracterizados em intervalos espectrais específicos entre nm. Considerando o intervalo espectral associado ao UV-A, os resultados variaram entre 5,97-42,5 (ā λ, m -1 ), 0,75-5,88 (ā λ, m2 g -1 C), e entre 5,0-18,1 (S, µm -1 ). De um modo geral, foi possível verificar diferenças intersistêmicas significativas (p < 0,05) tanto para variáveis limnológicas como ópticas, sugerindo particularidades entre os sistemas estudados. Também foram encontradas correlações significativas entre estas variáveis, porém não uniformemente coincidentes entre os sistemas investigados. Entretanto, quando analisados conjuntamente, por uma integração polissistêmica, foi possível verificar uma série de correlações significativas entre variáveis ópticas e limnológicas, sugerindo que águas naturais relativamente independentes possam também apresentar relacionamentos ópticos-limnológicos razoavelmente ordenados (r s = 0,55; p = 0,096; n = 5). Como um todo, os coeficientes ā λ e S pareceram apresentar grande potencial para serem utilizados como marcadores ópticos de águas naturais, integrando características sistêmicas. Esta propriedade integradora pareceu suportar elementos necessários para se gerar assinaturas ópticas, baseadas em razões ā λ e S, de ecossistemas aquáticos. Palavras-chave: propriedades ópticas inerentes (POIs), coeficientes ópticos a λ, a λ e S, matéria orgânica dissolvida cromófora (MODC), águas naturais, sistemas aquáticos continentais.

14 XIV ABSTRACT This study addresses on the inherent optical properties (IOPs) of five aquatic systems (inland waters), and aimed evaluating the use of IOPs as systemic proxies. The systems Campelo, Cima, Grussaí and Iquipari lakes, and the Paraíba do Sul River presented different limnological characteristics, which were represented by a range of trophic (meso- to hipertrophic) and metabolical (auto- and heterotrophic) states, and presence or absence of phosphorus limitation. Water samples were collected weekly, between September 30 and December 18, 2003, and the chromophoric pools of dissolved organic matter characterized via absorption (a λ e a λ ) and spectral slope (S) coefficients. The absorption coefficients were averaged, being referred as ā λ and ā λ. These coefficients, as well as the S-coefficient, were characterized regarding specific spectral ranges within the nm interval. Considering the UV-A range, the results varied between (ā λ, m -1 ), (ā λ, m2 g -1 C), and (S, µm -1 ). Overall, it was possible to verify significant (p < 0.05) intersystemic differences for either limnological or optical variables, suggesting particularities between the studied systems. Also, significant correlations were found between these variables, but they were not uniformly coincident between the systems. However, when jointly analyzed, polisystemic integration, it was possible to verify a set of significant correlations between optical and limnological variables. This finding suggests that relatively independent natural waters can also present optical-limnological relationships reasonably ordered (r s = 0.55; p = 0.096; n = 5). As a whole, the ā λ - and S-coefficients appeared to present a great potential to be used as optical markers of natural waters, integrating systemic characteristics. This integrative property seemed supporting necessary elements to generate optical signatures, based on ā λ and S ratios, from aquatic ecosystems. Keywords: inherent optical properties (IOPs), a λ -, a λ - and S-coefficients, chromophoric dissolved organic matter (CDOM), natural waters, inland aquatic systems.

15 1 1. INTRODUÇÃO Óptica hidrológica Sistemas lacustres/lagunares e fluviais são, respectivamente, unidades morfofuncionais de água continental lêntica e lótica. A particularidade limnológica de cada sistema aquático está associada a uma conectividade física, química e biológica, considerando o contexto de uma paisagem e uma história ambiental-cultural. Caracterizar a qualidade e o estado de equilíbrio limnológico de tais sistemas é uma questão complexa em função da ocorrência de diversos processos biogeoquímicos, organizados em diferentes escalas e hierarquias ecológicas (Pedrosa et al., 2004). Portanto, para situar uma propriedade ecológica, tipológica ou sistêmica, a aplicação de variáveis que sejam integradoras e/ou que expressem uma situação coletiva do ambiente aquático, pode ser de grande utilidade. Nesse sentido, um paradigma de estudo ainda pouco explorado na caracterização de sistemas aquáticos se refere à determinação de suas propriedades ópticas. A óptica estuda o comportamento da luz em um meio material qualquer. No que se refere às ciências naturais, a óptica geofísica pode ser dividida em meteorológica e hidrológica e esta última em oceanográfica e limnológica (Figura 1). Óptica Meteorológica Óptica Geofísica Óptica Oceanográfica Óptica Hidrológica Óptica Limnológica Figura 1. Principais divisões da óptica geofísica (modificado de Preisendorfer, 1976 apud Kirk, 1994).

16 2 A óptica hidrológica estuda, portanto, o comportamento da luz na água. Ao atingir a superfície de um lago, rio ou mar, os fótons sofrem processos físicos de reflexão, absorção e/ou dispersão seletivas, afetando a intensidade e a composição espectral do campo de luz subaquático. Dessa forma, as propriedades ópticas de sistemas aquáticos têm sido estudadas determinando-se coeficientes ópticos, como os de absorção (a), dispersão (b), atenuação (c), e de inclinação espectral (S) (Bricaud et al., 1981; Kirk, 1994; Stedmon et al., 2000). Operacionalmente, as propriedades ópticas hidrológicas podem ser classificadas como inerente e aparente. Segundo Kirk (1994), os principais componentes que afetam a óptica inerente de um sistema aquático são: (i) a água propriamente dita, (ii) substâncias cromóforas dissolvidas (e.g., substâncias húmicas), tipicamente amarelo-amarronzadas, também chamadas de gilvin ou gelbstoff (Bricaud et al., 1981; Davies-Colley & Vant 1987; Kirk, 1994; Kalle, 1966 apud Yakobi et al., 2003); (iii) o fitoplâncton e (iv) o material particulado abiótico (tripton). As propriedades ópticas inerentes (POIs) de um sistema aquático são, via de regra, determinadas em laboratório (e.g., espectrofotômetro de duplo feixe) usando amostras discretas de água, integrando ou não as frações particulada e dissolvida do meio hídrico. Por sua vez, a óptica aparente é afetada não só pelas características inerentes do meio hídrico, mas também pelas condições climáticas, hidrológicas e a situação específica de medida in situ (ex. profundidade, hora do dia, período do ano, albedo dos sedimentos ou dos substratos de fundo) (Kirk, 1992). Vale ressaltar que as propriedades ópticas de um sistema aquático emergem de uma variedade de influências ambientais, biológicas, químicas e físicas, autóctones e alóctones. Representa assim uma possibilidade de estudo sistêmico, integrando propriedades totais do ambiente aquático. No que se refere à ecologia de ecossistemas, propriedades ópticas de águas naturais como a cor e a transparência, resultantes de interações entre a radiação solar e o meio hídrico, apresentam importância na regulação de processos como a produção primária e atividade dos predadores (ex. visibilidade de peixes e planctívoros invertebrados) (Biggs & Davies- Colley, 1990; Wissel et al., 2003). As propriedades ópticas também podem subsidiar informações sobre alterações da matéria orgânica dissolvida via processos de fotooxidação e/ou degradação microbiana em águas naturais (Andrews et al., 2000; Moran et al., 2000). Dessa forma, a óptica hidrológica associa-se à estrutura funcional

17 3 dos ecossistemas aquáticos (Williamson et al., 1999; Andrews et al., 2000; Moran et al., 2000; Ackleson, 2003). Exemplos de aplicações associadas ao estudo das propriedades ópticas de sistemas aquáticos incluem: determinação da zona eufótica (Jassby et al., 1999; Alvarez-Cobelas et al., 2002), identificação de massas d água (Rochelle-Newall & Fisher, 2002b; Stedmon & Markager, 2003; Kowalczuk et al., 2003), estimativa de biomassa fitoplanctônica em mares e oceanos via sensoriamento remoto (Falkowski, 1994; Gin et al., 2002), proxies de fontes autóctones e alóctones de matéria orgânica dissolvida (MOD) (Stedmon & Markager, 2001) e monitoramento de acidente ambiental (Pedrosa, in press). A Figura 2 sumariza alguns tipos de medidas, processos e aplicações associadas às propriedades ópticas de sistemas aquáticos. Considerando a importância de cromóforos solúveis em água para as propriedades ópticas de ecossistemas aquáticos (Del Castillo, et al. 1999; Stedmon & Markager, 2003; Kowalczuk et al. 2003), concentrou-se as informações ópticas à fração dissolvida das amostras de água. Substâncias cromóforas caracterizam-se por apresentar cor, sendo opticamente ativas na região do UV-Vis (Kirk, 1994). Em águas naturais, os compostos cromóforos são predominantemente orgânicos, sendo tipicamente referidos como matéria orgânica dissolvida cromófora (MODC) (Wetzel, 2001; Stedmon & Markager, 2003). Esta é constituída de uma mistura variada de polímeros aromáticos e alifáticos derivados, principalmente, da degradação do material vegetal de origem aquática e terrestre, podendo compor uma fração considerável do total (pool) da matéria orgânica dissolvida (Kirk, 1994; Stedmon et al., 2000; Stedmon & Markager, 2003). Avaliações semi-quantitativas e qualitativas de pools cromofóricos em sistemas aquáticos têm sido realizadas através do uso dos coeficientes ópticos de absorção (a λ ) e de inclinação espectral (S). Assume-se que a MODC pode refletir as particularidades de cada sistema, auxiliando a identificação e a caracterização limnológica de ecossistemas aquáticos. Dessa forma, este estudo investiga o uso e a aplicação de POIs como um referencial métrico intersistêmico.

18 4 medidas Transparência (ex. disco de Secchi) (Jassby et al., 1999; Alvarez-Cobelas et al., 2002) Irradiância e coeficiente de atenuação (Kirk, 1994) Coeficientes de absorção (ex. cor) e de inclinação espectral (Stedmon & Markager, 2001; Stedmon & Markager, 2003) Dispersão (Højerslev & Aarup, 2002) Fluorescência (Del Castillo et al., 1999; Rochelle-Newall & Fisher, 2002a; Stedmon & Markager, 2005) óptica hidrológica processos Estratificação térmica (Snucins & Gunn, 2000) Fotossíntese (Kirk, 1994) Foto-inibição (ex. ftoplâncton) (Neale et al., 1998) Fotoclareamento (Reche et al., 2000; Osburn et al., 2001; Del Vecchio & Blough, 2002) Fotooxidação da matéria orgânica dissolvida (Vodacek et al., 1997) Fotomineralização (Miller et al., 2002; Bushaw et al., 1996) aplicações Determinação da estrutura óptica (ex. zona eufótica) (Kirk, 1994) Avaliação de MODC (absorbância UV:[COD]) (Stedmon & Markager, 2001) Identificação de comportamento intersistêmico (Pace & Cole, 2002) Estimativas de biomassa fitoplanctônica (Falkowski, 1994; Gin et al., 2002) Traçador de massas d água (ex. zona de mistura e estuários) (Rochelle-Newall & Fisher, 2002b; Stedmon & Markager, 2003; Kowalczuk et al., 2003) Traçador de fontes autóctones e alóctones (Stedmon & Markager, 2001) Monitoramento de acidente ambiental (Pedrosa, in press) Figura 2. Exemplos de medidas, processos e aplicações associadas a propriedades ópticas de ecossistemas aquáticos.

19 5 2. JUSTIFICATIVA As propriedades ópticas de águas naturais têm centralizado a atenção de muitos pesquisadores em âmbito internacional, em função do potencial interpretativo e de diagnóstico de processos ambientais ocorrentes em sistemas aquáticos. Por sua vez, estudos sistemáticos de óptica inerente de sistemas aquáticos são escassos, incipientes ou mesmo inexistentes no Brasil. Essa situação é agravada, considerando-se a grande diversidade e abundância de recursos hídricos continentais existentes no país, expressos por inúmeros ecossistemas aquáticos. De forma similar, a Região Norte Fluminense é marcada por uma dezena de sistemas lacustres e lagunares (PLANÁGUA - SEMADS/GTZ, 2002), sendo também cortada pelo rio Paraíba do Sul. Particularmente, as lagoas do Campelo, Cima, Grussaí e Iquipari representam importantes exemplos de sistemas lênticos em termos estéticos, ambientais e/ou econômicos na região. Ainda, o abastecimento de água no município de Campos dos Goytacazes é essencialmente provido pelo rio Paraíba do Sul. Esta pesquisa formaliza, então, a busca de um conhecimento mais aprofundado sobre a óptica inerente de sistemas aquáticos numa escala regional. Em se tratando de uma linha de pesquisa em processo de iniciação, optou-se por uma estratégia exploratória e comparativa, apoiada na diversidade e relevância dos ecossistemas aquáticos acima referidos. A pesquisa tem caráter investigativo, constituindo informação limnológica fundamentalmente nova, ainda inexplorada. Pretende-se avaliar o uso de coeficientes ópticos como referenciais métricos intersistêmicos, potencialmente aplicáveis em processos de gestão, monitoramento e preservação de ecossistemas aquáticos.

20 6 3. OBJETIVOS Caracterizar propriedades ópticas inerentes de sistemas aquáticos, procurando avaliar a sua utilização como um proxy intersistêmico e limnológico. Este objetivo geral deverá ser operacionalizado considerando-se, para os cinco sistemas aquáticos, os seguintes objetivos específicos: Determinar os coeficientes ópticos de absorção (a λ ) e de inclinação espectral (S) na fração dissolvida de amostras d água, a fim de caracterizar pools cromofóricos, Avaliar comparativamente a atividade óptica dos conjuntos de cromóforos orgânicos dissolvidos via coeficientes de absorção específicos (a λ ), bem como a contribuição e a dinâmica de cromóforos nos pools de MOD, Investigar relações entre os coeficientes ópticos e variáveis limnológicas/meteorológicas tais como: - temperatura do ar e da água; - velocidade do vento; - insolação; - profundidade e/ou variação do nível d água; - condutividade elétrica; - ph; - estado trófico (clorofila-a); - razões C:N:P na fração particulada; - estado metabólico via % de saturação de O 2(aq) e CO 2(aq) e - participação de COD lábil (proteínas e carboidratos). Verificar, através de uma base de modelo composto integrativo, polissistêmico, tendências de comportamento associativo entre variáveis ópticas e limnológicas.

ÓPTICA INERENTE DA MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA CROMÓFORA NA REGIÃO ESTUARINA DO RIO DE CONTAS (BA)*

ÓPTICA INERENTE DA MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA CROMÓFORA NA REGIÃO ESTUARINA DO RIO DE CONTAS (BA)* ÓPTICA INERENTE DA MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA CROMÓFORA NA REGIÃO ESTUARINA DO RIO DE CONTAS (BA)* P. Pedrosa 1 **; Lima 1, C.A.I.; Rezende 1, C.E.; Ovalle 1, A.R.C.; Bernardes, M.C.; De Paula 3, F.C.F.,

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo

César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Centro de Energia Nuclear na Agricultura Programa de Pós Graduação Interunidades em Ecologia César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo Objetivos Avaliar a qualidade da

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA

COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA Michelle Mesquita de Medeiros 1, Orlene Silva da Costa 2, Eduardo Queija

Leia mais

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS Aline Pires Veról(1) Graduanda em Engenharia Civil Escola Politécnica/UFRJ, Bolsista IC-CNPq/PROSAB Maria Cristina

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1 AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ Rodrigo Fernandes Junqueira 1 Paulo José Alves Lourenço 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 RESUMO Neste trabalho

Leia mais

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA MARIANE CECHINEL GONÇALVES 1 KARINA GRAZIELA JOCHEM 2 VANESSA RIBAS CÚRCIO 3 ANGELA PAULA DE OLIVEIRA 4 MÁRCIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU Régis Chrystian da Silva (1) Técnico em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente pela Faculdade de

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

Matéria e Energia no Ecossistema

Matéria e Energia no Ecossistema Matéria e Energia no Ecossistema Qualquer unidade que inclua a totalidade dos organismos (comunidade) de uma área determinada, interagindo com o ambiente físico, formando uma corrente de energia que conduza

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário 1 Metras Curriculares Estratégias Tempo Avaliação TERRA UM PLANETA COM VIDA Sistema Terra: da

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

1 a Lista de Exercícios

1 a Lista de Exercícios UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO IOF1202 - Oceanografia Física Descritiva Arquivo obtido em: http://www.danilorvieira.com/ 1 a Lista de Exercícios 2 a Semestre de 2007 Aluno Danilo Rodrigues

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE 1.0. O Universo O Universo que pode ser observado pelo homem abrange milhões e milhões de quilômetros. Dentro desse Universo existem incontáveis galáxias, destacando-se

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II CAMILA FAIONATO FRANCO¹, EMÍLIO CARLOS NARDINI², BASÍLIO GOMES

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE José Ivaldo Barbosa de Brito (1); Ioneide Alves de Souza; José Oribe Rocha Aragão (1) Departamento de Ciências

Leia mais

Figura 5: Ponto 3 Banho próximo a ponte que dá acesso ao município de Alto Alegre, Boa Vista - RR.

Figura 5: Ponto 3 Banho próximo a ponte que dá acesso ao município de Alto Alegre, Boa Vista - RR. 32 Figura 5: Ponto 3 Banho próximo a ponte que dá acesso ao município de Alto Alegre, Boa Vista - RR. Figura 6: Ponto 4 Deságue do igarapé Caranã no rio Cauamé, Boa Vista - RR. 33 3.3 Coleta e Preservação

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE SIMULAÇÃO DA CAPACIDADE DE AUTODEPURAÇÃO EM DIFERENTES CENÁRIOS DE VAZÃO DE UM TRECHO DO RIO CACHOEIRA, SUL DA BAHIA. José Wildes Barbosa dos Santos; Neylor Alves Calasans Rêgo INTRODUÇÃO O forte crescimento

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

Objetivo Conteúdos Habilidades

Objetivo Conteúdos Habilidades Tema 8 Um Lugar Frio e Escuro Objetivo investigar as condições ambientais predominantes nos oceanos, com destaque para os gradientes verticais de temperatura, luz e pressão hidrostática. Conteúdos física,

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Degradação de Polímeros

Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Degradação é qualquer reação química destrutiva dos polímeros. Pode ser causada

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves²

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² ¹Professor do Curso de Geografia da UnU Iporá. - UEG ² Bolsista PBIC/UEG, Acadêmico do

Leia mais

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM UHE SANTO ANTÔNIO INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE A QUALIDADE DE ÁGUA NO IGARAPÉ CEARÁ DURANTE A ESTABILIZAÇÃO DO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTÔNIO E SOLICITAÇÕES ENVIADAS POR EMAIL MARÇO/2012 INDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais Limnologia Aplicada à Aquicultura Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Aquacultura

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC Daiani Rosa 1 ; Elfride Anrain Lindner 2 ; Angelo Mendes Massignam 3 RESUMO As relações entre a intensidade, duração e freqüência de chuvas podem

Leia mais

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG.

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. Resumo Cristina Silva de Oliveira¹ (UFJF³, chrisoliveira.jf@gmail.com) Daiane Evangelista

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI MONITORAMENTO AMBIENTAL 1 - Locais a serem monitorados. 1.1- Quatorze seções transversais de córregos e rios para analise de parâmetros

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG.

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos A visão sistêmica do Ciclo Hidrológico e as relações inter e intra-sistemas:

Leia mais

Ensaio de Proficiência

Ensaio de Proficiência Ensaio de Proficiência Cromatografia de Íons - Variações de Cátions e Ânions - Bruno César Diniz Metrohm Pensalab bcd@metrohm.com.br IC - Ânions e Cátions Conteúdo Precisão X Exatidão Qualificação de Operação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015 Domínio: Terra em transformação Subdomínio: Dinâmica externa da Terra ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Identificar os minerais constituintes de rochas, considerando as suas propriedades físicas

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Introdução à Química Inorgânica

Introdução à Química Inorgânica Introdução à Química Inorgânica Orientadora: Drª Karla Vieira Professor Monitor: Gabriel Silveira Química A Química é uma ciência que está diretamente ligada à nossa vida cotidiana. A produção do pão,

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Aula prática sobre influência do factor ambiental salinidade no metabolismo de bivalves

Aula prática sobre influência do factor ambiental salinidade no metabolismo de bivalves Aula prática sobre influência do factor ambiental salinidade no metabolismo de bivalves Objectivo da aula: Demonstrar o efeito de um factor ambiental salinidade sobre as comportamento fisiológico de bivalves

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO Provas 2º Bimestre 2012 CIÊNCIAS DESCRITORES DESCRITORES DO 2º BIMESTRE DE 2012

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DOS ESTUDOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DOS ESTUDOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 168 172 ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DOS ESTUDOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS OLIVEIRA, Rafael

Leia mais

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática Odete Rocha Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos O que sabemos e o que devemos fazer?" O funcionamento dos ecossistemas aquáticos

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR. Ar úmido CONCEITO DE AR SECO, AR ÚMIDO E AR SATURADO

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR. Ar úmido CONCEITO DE AR SECO, AR ÚMIDO E AR SATURADO METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR COMET Professor: Ar úmido A água está presente em certo grau em toda atmosfera em três estados: sólido, líquido e gasoso. O estado gasoso, ou vapor de água atmosférico

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Stephanie Freitas Couto de Magalhães Samara Salamene Tom Adnet Moura Viviane Costa Elias

Leia mais

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo O Clima do Brasil É a sucessão habitual de estados do tempo A atuação dos principais fatores climáticos no Brasil 1. Altitude Quanto maior altitude, mais frio será. Não esqueça, somente a altitude, isolada,

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

QUALIDADE ECOLÓGICA. Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco

QUALIDADE ECOLÓGICA. Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco QUALIDADE ECOLÓGICA Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco DETERMINAÇÃO DO ESTADO DE QUALIDADE ECOLÓGICA Parâmetros biológicos Indicadores

Leia mais

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico 44 Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico A Figura 18 servirá de subsídios às análises que se seguem, pois revela importantes informações quanto ao comportamento das

Leia mais

Massas de Ar e Frentes

Massas de Ar e Frentes Massas de Ar e Frentes Propriedades das Massas de Ar Massas de Ar adquirem as propriedades da superfície subjacente As massas de ar são classificadas de acordo com seu local de origem Características

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Profª Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva email: alcione.miranda@gmail.com Introdução O primeiro passo

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS Introdução Os oceanos ocupam cerca de 71% da superfície da Terra As partes mais profundas atingem quase 11000 metros Profundidade média dos oceanos é 3800 m. Volume

Leia mais

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais - AESBE Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos

Leia mais

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 39 4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 4.1 O Processo de absorção atômica A absorção de energia por átomos livres, gasosos, no estado fundamental, é a base da espectrometria

Leia mais

E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG

E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG SEMINÁRIO - ENG 797 CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA, HIDROLÓGICA E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG EQUIPE Prof. Gilberto C. Sediyama - Orientador Prof. Vicente Paulo Soares - Conselheiro Prof.

Leia mais

4. ANÁLISE DA PLUVIOMETRIA

4. ANÁLISE DA PLUVIOMETRIA 4. ANÁLISE DA PLUVIOMETRIA A pluviosidade representa o atributo fundamental na análise dos climas tropicais, refletindo a atuação das principais correntes da circulação atmosférica. No extremo sul da Bahia,

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE.

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL URBANA, MARGEM DO RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. Profa. Miriam Cleide Amorim Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus Juazeiro, BA INTRODUÇÃO

Leia mais

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários 2015 Comportamento e Destino Ambiental de Produtos Fitossanitários Claudio Spadotto, Ph.D. Pesquisador da Embrapa Gerente Geral da Embrapa Gestão Territorial Membro do Conselho Científico para Agricultura

Leia mais

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas O que existe na água do mar? 1. materiais sólidos ou particulados 2. colóides 3. materiais dissolvidos 1. materiais sólidos ou particulados A definição de particulado é operacional. Todo material com >

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS ECOLOGIA GERAL Aula 05 Aula de hoje: FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS Sabemos que todos os organismos necessitam de energia para se manterem vivos, crescerem, se reproduzirem e, no caso

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais