INSTRUÇÃO NORMATIVA 09. O diretor Geral das Faculdades SPEI, no uso de suas atribuições regimentais artigo 17 inciso XV, ouvido o Conselho Acadêmico,

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUÇÃO NORMATIVA 09. O diretor Geral das Faculdades SPEI, no uso de suas atribuições regimentais artigo 17 inciso XV, ouvido o Conselho Acadêmico,"

Transcrição

1 INSTRUÇÃO NORMATIVA 09 O diretor Geral das Faculdades SPEI, no uso de suas atribuições regimentais artigo 17 inciso XV, ouvido o Conselho Acadêmico, RESOLVE: Instituir o Programa de Monitoria Acadêmica nas Faculdades SPEI. I DAS CARACTERISTICAS Art. 1º - O Programa de Monitoria Acadêmica tem por objetivo proporcionar ao aluno de graduação, treinamento nas áreas de ensino e pesquisa, otimizando o seu potencial acadêmico, estimulando seu interesse pela docência e estreitando a cooperação entre o corpo docente e discente. Art. 2º - No Programa de Monitoria o aluno/monitor atua como auxiliar do professor orientador em tarefas didáticas, inclusive na preparação de aulas e trabalhos escolares, compatíveis com o seu grau de conhecimento e experiência no componente curricular. II DOS OBJETIVOS Art. 3º - São objetivos do Programa de Monitoria Acadêmica das Faculdades SPEI: I. Incrementar a qualidade do processo de ensino-aprendizagem nos componentes curriculares em que o corpo discente das Faculdades SPEI apresenta maiores dificuldades; II. Incentivar, por meio da figura do monitor, a formação de profissionais com excelência acadêmica e elevada capacidade didático pedagógica, preparados para atuar tanto no mercado quanto em atividades de ensino, pesquisa e extensão. III DA PARTICIPACAO Art. 4º - Podem participar do processo seletivo para Monitoria Acadêmica, todos os alunos das Faculdades SPEI, regularmente matriculados, que já tenham sido aprovados no componente curricular que tenham interesse em atuar como monitores e que apresentem elevado desempenho acadêmico. 1º - Para efeitos de seleção de monitores, o elevado desempenho acadêmico que menciona o caput deste artigo será verificado a partir da indicação dos mesmos, pelos professores que administram o componente curricular em questão, verificando-se: I. Inexistência de reprovações no componente curricular; II. III. Média igual ou superior a 8,0 (oito) no componente curricular postulado; Situação financeira e acadêmica regulares. IV DA SELEÇÃO

2 Art. 5º - A seleção dos candidatos à Monitoria será feita após verificação da necessidade de se implantar esse recurso acadêmico e será instituído a partir da orientação e solicitação das Coordenações de Curso, à Direção da Unidade/Geral. Art. 6º - O processo, após aprovação da Direção Geral, será instituído pela Coordenação de Curso que solicitará aos professores ministrantes do componente curricular em questão, a indicação de alunos com aproveitamento acadêmico destacado e que tenham interesse em desenvolver habilidades para a docência. Art. 7º - Na hipótese de haver mais de um candidato com as mesmas qualificações e interesse, será instaurado os seguintes critérios de seleção: I. realização de prova escrita sobre os conteúdos do componente curricular postulado à monitoria; II. entrevista. 1º Será desclassificado o candidato cuja nota da prova aludida no inciso I for inferior a 8,0 (oito). 2º Será escolhido, como aluno/monitor, o candidato que obtiver o melhor desempenho, na prova escrita. 3º Em caso de dois ou mais candidatos obterem a mesma nota na prova escrita, adotar-se-á os seguintes critérios de desempate, arrolados por ordem decrescente de importância: I. maior média semestral no componente curricular postulado; II. Sorteio V DAS RESPONSABILIDADES Art. 8º - A execução do processo seletivo para Monitoria Acadêmica será de responsabilidade das Coordenações de Cursos das Faculdades SPEI que deverá: I. Apontar os componentes curriculares nos quais serão ofertadas o Programa de Monitoria Acadêmica; II. III. instaurar o processo de seleção. divulgar, por meio de edital, os alunos selecionados. VI DAS OBRIGACOES Art. 9º - Cabe à Coordenação de Curso o acompanhamento dos relatórios (anexo II e III) preenchidos e entregues pelos monitores. Art O professor do componente curricular para o qual foi selecionado o monitor, será responsável pela orientação deste e deverá estabelecer-lhe um plano de atividades compatível com a carga de trabalho prevista. Art No ato da admissão o aluno/monitor firmará Termo de Compromisso para o cumprimento satisfatório das suas atividades (Anexo I). Parágrafo Único: O Termo de Compromisso deverá ser encaminhado à Secretaria Acadêmica para arquivamento junto à pasta do aluno. Art O aluno/monitor exercerá suas atividades sem qualquer vínculo empregatício com as Faculdades SPEI, devendo disponibilizar, às atividades de Monitoria Acadêmica, uma carga

3 horária semanal de 4 horas, a ser realizada durante os dias letivos e ao longo do semestre letivo ao qual o processo seletivo se realizou ou de acordo com o horário acordado com o Coordenador. Art O aluno/monitor deverá manter atualizados os registros constantes no anexo II e III e encaminhá-los à coordenação mensalmente. Art O aluno/monitor deverá seguir todas as normas disciplinares contidas no Regimento Geral das Faculdades SPEI e realizar, eficazmente, todas as etapas contidas no plano de atividades estabelecido pelo professor. 1º - A inobservância do disposto no caput deste artigo implica, ao infrator, desligamento de suas funções junto à Monitoria Acadêmica, com a conseqüente perda de todos os benefícios. 2º A decisão sobre o desligamento cabe a um conselho, formado pelo Coordenador de Curso, Coordenador de Atividades Complementares, Professor Orientador e pelo Diretor das Faculdades SPEI, não cabendo recurso da decisão. 3º Uma vez decidido o desligamento de um aluno/monitor, o Coordenador convocará o próximo colocado no processo seletivo em caráter de urgência. 4º - Não havendo candidato a convocar será dado início a novo processo seletivo em caráter de urgência, sendo observadas todas as normas relativas ao processo seletivo ordinário. VII DAS CONCESSOES Art A carga horária despendida pelo aluno/monitor no exercício das suas tarefas será computada como Atividades Complementares de acordo com a normativa de Atividades Complementares. Parágrafo único Aos alunos/monitores, de cursos que não contemplem atividades complementares ou que já tenham suprido o percentual permitido nessa modalidade para atividades complementares, as Faculdades SPEI poderá conceder uma bolsa/monitoria que contemplará um desconto de 20% na mensalidade nos meses em que exercer a função. VIII DAS DISPOSICOES FINAIS Art O aluno/monitor poderá ser excluído do Programa de Monitoria em caso de desempenho insatisfatório, apontado pelo professor ou pelo coordenador, ou ainda por descumprimento de normas regimentais. Art O Programa de Monitoria de um componente curricular, poderá ser suspenso ao longo do semestre caso o aluno/monitor não consiga estimular os discentes inscritos no programa, a manterem assiduidade e comprometimento com o processo de ensino-aprendizagem ou a critério do professor orientador, coordenador do curso ou direção geral. Art Casos omissos serão resolvidos pelo Diretor Geral. Art Este regulamento entra em vigor na data de sua publicação. Curitiba, 10 de julho de 2008 Ailton Renato Dorl Diretor Geral das Faculdades SPEI

4 ANEXO I Termo de Compromisso de Monitoria Pelo presente, eu, aluno do Curso, matrícula, RG, assumo a responsabilidade e o compromisso de desempenhar as atividades previstas no Programa de Monitoria Acadêmica das FACULDADES SPEI, no Campus, turno nos termos contidos na Instrução Normativa 09, da qual declaro ter ciência e concordância. A priori, as atividades de monitoria serão desenvolvidas nos horários abaixo relacionados, sendo passível de alterações de acordo com a demanda e negociações com o professor orientador, que serão devidamente registradas: Dia da Semana Horário de Ínício Horário de Término Curitiba, de de Assinatura do aluno/monitor Assinatura do professor orientador Assinatura do Diretor

5 Aluno Monitor: Mês de referência: Local de monitoria: Anexo II Controle de Horas de Monitoria Matrícula: Número de orientandos: Professor orientador: Data da monitoria Horário de início Horário de encerramento Assuntos abordados Participantes Assinaturas Obs.: Este controle deve ser entregue mensalmente na Coordenação do Curso da unidade onde estão sendo desenvolvidas as atividades de monitoria.

6 Anexo III Agenda de Monitoria mês: Obs.: Este documento visa auxiliar o aluno/monitor no agendamento das horas de monitoria do mês de referência.

Programa de Atividades de Monitoria

Programa de Atividades de Monitoria Programa de Atividades de Monitoria CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DA MONITORIA Art. 1º A atividade de monitoria é desenvolvida por discentes para aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem,

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO

REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO SÃO LOURENÇO/2014 CAPÍTULO l DOS OBJETIVOS Artigo 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar a monitoria,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. Normatiza, no âmbito da Pró- Reitoria de Graduação, o Programa de Monitoria da Unitins e dá outras providências. O REITOR DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 05

INSTRUÇÃO NORMATIVA 05 INSTRUÇÃO NORMATIVA 05 A Diretora Geral, no uso das atribuições regimentais, ouvido o Conselho Superior, RESOLVE: Regulamentar a realização do Exame de Suficiência de Estudos da Faculdades SPEI. I DA CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA MONITORIA

REGULAMENTO DA MONITORIA REGULAMENTO DA MONITORIA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC SUMÁRIO TÍTULO I... 1 DA MONITORIA... 1 CAPÍTULO I... 1 DA CARACTERIZAÇÃO... 1 CAPÍTULO II... 2 DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO III... 2 DO

Leia mais

Regulamento do Programa de Monitoria do UNAR

Regulamento do Programa de Monitoria do UNAR Regulamento do Programa de Monitoria do UNAR A presente Regulamentação, aprovada e instituída pela Portaria da Reitoria do UNAR, definirá acadêmica e administrativamente o assunto em pauta, tendo como

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX Mantenedora: INSTITUTO METODISTA IZABELA HENRIX APROVADO PELA RESOLUÇÃO DO CONSUN Nº. 14, 12 DE JULHO DE 2007. em

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU RESOLUÇÃO N.º 507/2007 Publicada no D.O.E. de 08/09-12-2007, pág. 24 Altera a Resolução Nº. 634/04 CONSEPE, que aprova o Regulamento de

Leia mais

EDITAL Nº 02/2015 - CONSEPE

EDITAL Nº 02/2015 - CONSEPE EDITAL Nº 02/2015 - CONSEPE A Direção da Faculdade Herrero torna públicos os procedimentos e normas para inscrição e seleção de Monitores 2015/1. Este Edital está em conformidade com a RESOLUÇÃO Nº 11/2010

Leia mais

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO Art. 1º A monitoria é uma atividade acadêmica, no âmbito da graduação, que pretende oferecer ao aluno experiência de iniciação à docência. 1º A monitoria

Leia mais

Art. 1º - Aprovar Norma que Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Vale do Rio Doce- UNIVALE.

Art. 1º - Aprovar Norma que Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Vale do Rio Doce- UNIVALE. Resolução CONSEPE: Nº. 049/2014 Aprova Norma que Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Vale do Rio Doce. O Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Universidade Vale do Rio Doce

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL MONITORIA

REGULAMENTO INSTITUCIONAL MONITORIA UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA São Paulo 2010 CAPÍTULO l DOS OBJETIVOS Artigo 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2015.2

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2015.2 EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2015.2 A Direção Geral da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA abre inscrições para os professores desta instituição de ensino, interessados em participar

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 Aprovar ad referendum do Conselho Universitário- CONSUN, o Regulamento para a Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade do Contestado - UnC. A Presidente do Conselho Universitário

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORES

EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORES EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORES A Diretora das Faculdades Integradas Barros Melo, no uso de atribuições regimentalmente estabelecidas, torna público aos alunos regularmente matriculados na FIBAM a abertura

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2008 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2008. O DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS, no uso e gozo de suas atribuições e,

RESOLUÇÃO Nº 07/2008 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2008. O DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS, no uso e gozo de suas atribuições e, RESOLUÇÃO Nº 07/2008 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2008. Altera o regulamento da Monitoria. O DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS, no uso e gozo de suas atribuições e, Considerando a necessidade de

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO

PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO Capitulo I Do Programa Art.1 O presente regulamento do Programa de Monitoria estabelece as regras para o exercício da monitoria por alunos regularmente matriculados

Leia mais

FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009

FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009 ASSOCIAÇÃO LENÇOENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA - ALEC FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009 Usando as atribuições que lhe confere o regimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e revoga as Resoluções CONSEPE nº 09/2013; 10/2014

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2016.1 PROFESSOR

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2016.1 PROFESSOR EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2016.1 PROFESSOR A Direção Geral da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA, abre inscrições para professores desta instituição interessados em participar

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés Regulamento do Programa de Monitoria para os cursos de Graduação A Monitoria é uma atividade Acadêmica dos cursos de Graduação que visa dar oportunidade de aprofundamento vertical de estudos em alguma

Leia mais

MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR

MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR Elaborado por: Georgia Miranda Tomich Coordenadora de Pesquisa e Extensão da FESAR Redenção 2014 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 JUSTIFICATIVA...3 PROGRAMA DE MONITORIA...4

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Estágio Supervisionado em Administração (ESA), é a disciplina

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO AO ENSINO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO AO ENSINO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO AO ENSINO EDITAL DE MONITORIA TECNOLÓGICA A Universidade Potiguar UnP, através da Pró-Reitoria Acadêmica ProAcad, torna público o presente Edital e convida o seu corpo

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORIA DISCENTE 2016

EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORIA DISCENTE 2016 EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORIA DISCENTE 2016 CURSOS DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA, ENGENHARIA CIVIL, ENGENHARIA ELETRICA, ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, ENGENHARIA MECÂNICA, ARQUITETURA E URBANISMO E AGRONOMIA.

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

EDITAL Nº 15, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. PROCESSO SELETIVO PARA MONITORES BOLSISTAS DO CURSO SUPERIOR BACHARELADO EM ENGENHARIA AGRONÔMICA

EDITAL Nº 15, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. PROCESSO SELETIVO PARA MONITORES BOLSISTAS DO CURSO SUPERIOR BACHARELADO EM ENGENHARIA AGRONÔMICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA BR 349 - Km 14 Zona Rural - Caixa Postal 34

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO

PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO I - DOS OBJETIVOS 1. Possibilitar o crescimento acadêmico de alunos do Curso, tanto do Aluno/Monitor quanto dos alunos por ele assistidos; 2. Oferecer

Leia mais

EDITAL Nº 002/DEPSI/2015 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA 2015 1

EDITAL Nº 002/DEPSI/2015 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA 2015 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ACADÊMICA PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA EDITAL Nº 002/DEPSI/2015 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA

Leia mais

Art. 2º - Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogada a Resolução UnC- CONSEPE 099/2004 e as disposições em contrário.

Art. 2º - Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogada a Resolução UnC- CONSEPE 099/2004 e as disposições em contrário. RESOLUÇÃOUnC-CONSEPE018/209 Aprova Regulamento do Programa de Monitoria, para a Universidade do Contestado UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Dispõe sobre a Orientação do Trabalho de Conclusão de Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio da Faculdade

Leia mais

UNIFRAN Universidade de Franca PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 2/2015

UNIFRAN Universidade de Franca PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 2/2015 UNIFRAN Universidade de Franca PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 2/2015 PROCESSO SELETIVO PARA MONITORIA A Pró-Reitora de Graduação, no uso de suas atribuições regimentais e tendo em vista o disposto

Leia mais

PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 07

PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 07 PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 07 O Presidente da Sociedade Paranaense de Ensino e Informática, Mantenedora das Faculdades SPEI, no uso de suas atribuições estatutárias, com base na Legislação Trabalhista,

Leia mais

www.queroserprofessor.

www.queroserprofessor. www.queroserprofessor. Documento Revisado em março de 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. O QUE É A MONITORIA? 3. OBJETIVOS DA MONITORIA 4. CONDIÇÕES PARA PARTICIPAR DA MONITORIA 5. INSCRIÇÃO 6. ATRIBUIÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB.

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB. Dispõe sobre o Programa de Bolsa de Monitoria da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB, revogando as disposições em contrário, em especial as Resoluções CONSEPE/UESB 18/94 e 48/97. O Conselho

Leia mais

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas RESOLUÇÃO DO CONSEPE Nº 12/2010 Aprova o Regulamento das Atividades de Estágio do Curso de Engenharia de Produção da FSSS e dá outras Providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-

Leia mais

FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DA MONITORIA AGOSTO DE 2014 CAPÍTULO I

FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DA MONITORIA AGOSTO DE 2014 CAPÍTULO I FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DA MONITORIA AGOSTO DE 2014 CAPÍTULO I DA MONITORIA: Art. 1º. A monitoria é uma atividade auxiliar à docência exercida por alunos regularmente

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MONITORIA 2013.1

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MONITORIA 2013.1 A Faculdade Unida da Paraíba, mantida pela Sociedade Paraibana de Educação e Cultura ASPEC com sede em João Pessoa, PB, torna públicas as regras de funcionamento do sistema de Monitoria no Curso de Graduação,

Leia mais

UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo Campus Liceu Salesiano Unidade Campinas Curso de Direito ESTRUTURA DA MONITORIA

UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo Campus Liceu Salesiano Unidade Campinas Curso de Direito ESTRUTURA DA MONITORIA UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo Campus Liceu Salesiano Unidade Campinas Curso de Direito ESTRUTURA DA MONITORIA Sumário Estrutura da Monitoria... 1 Edital de Convocação 2007... 5 Anexo

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação.

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 4996.7983 gabinete.prograd@ufabc.edu.br

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Monitoria, vinculado à Seção de Apoio Estudantil da Coordenadoria de Assuntos Estudantis e Comunitários,

Leia mais

FACULDADE VALE DO SALGADO

FACULDADE VALE DO SALGADO EDITAL Nº 2, 14 DE FEVEREIRO DE 2014 - EDITAL PARA SELEÇÃO DE MONITORES QUE INTEGRARÃO O PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE VALE DO SALGADO PARA O PERÍODO LETIVO DE 2014.1 e 2014.2. A Coordenação de Pesquisa

Leia mais

EDITAL Nº 14, DE 28 DE JULHO DE 2015

EDITAL Nº 14, DE 28 DE JULHO DE 2015 EDITAL Nº 14, DE 28 DE JULHO DE 2015 EDITAL PARA SELEÇÃO DE MONITORES REMUNERADOS E NÃO REMUNERADOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUE INTEGRARÃO O PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE LEÃO SAMPAIO PARA

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITAORIA ACADÊMICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITAORIA ACADÊMICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITAORIA ACADÊMICA CAPÍTULO I - DO OBJETO Art. 1º - O objeto do Regulamento do Programa de Monitoria Acadêmica (PMA) do Curso de Administração consiste em estabelecer critérios

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA A Faculdade Raimundo Marinho FRM, em conformidade com a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional e em consonância

Leia mais

EDITAL Nº 05 CRFI /IFB, DE 08 DE MARÇO DE 2016

EDITAL Nº 05 CRFI /IFB, DE 08 DE MARÇO DE 2016 EDITAL Nº 05 CRFI /IFB, DE 08 DE MARÇO DE 2016. SELEÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL 1º SEMESTRE/2016 O Diretor Geral do Campus Riacho Fundo,

Leia mais

EDITAL DE MONITORIA no. 01/2014

EDITAL DE MONITORIA no. 01/2014 EDITAL DE MONITORIA no. 01/2014 Dispõe sobre o procedimento de seleção de alunos ao Programa de Monitoria do Curso de Administração da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Contagem e dá outras providências.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROGRAMA MULTIDISCIPLINAR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURA E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROGRAMA MULTIDISCIPLINAR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURA E SOCIEDADE NORMAS PARA BOLSAS DE ESTUDOS DO PROGRAMA (Aprovada pelo Colegiado de Curso em 13 de outubro de 2014) 1 DAS BOLSAS DE ESTUDOS 1.1 O Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (Pós-Cultura)

Leia mais

EDITAL MONITORIA 2011

EDITAL MONITORIA 2011 EDITAL MONITORIA 2011 Edital de Seleção para o Programa de Monitoria Acadêmica do Curso de Nutrição da Faculdade Metropolitana de Manaus- FAMETRO Nº. 01/2011. A Direção Geral da Faculdade Metropolitana

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DA AÇÃO EDUCACIONAL CLARETIANA EDUCLAR

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DA AÇÃO EDUCACIONAL CLARETIANA EDUCLAR REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DA AÇÃO EDUCACIONAL CLARETIANA EDUCLAR CÁPITULO I SUMÁRIO Art. 1. Do Objetivo 02 CAPÍTULO II Art. 2. Da Bolsa Social 02 Art. 3. Do Âmbito 02 Arts. 4 a 8. Das

Leia mais

REGULAMENTO 12 A REDAÇÃO COMO COMPONENTE DO PROCESSO AVALIATIVO EM TODOS OS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO FACULDADES SPEI

REGULAMENTO 12 A REDAÇÃO COMO COMPONENTE DO PROCESSO AVALIATIVO EM TODOS OS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO FACULDADES SPEI REGULAMENTO 12 A REDAÇÃO COMO COMPONENTE DO PROCESSO AVALIATIVO EM TODOS OS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO DA FACULDADES SPEI Curitiba, julho de 2015 O Diretor Geral da Faculdades SPEI, no uso de suas

Leia mais

EDITAL Nº 11/2014. Processo Seletivo de Bolsistas para Monitoria em Ensino a Distância

EDITAL Nº 11/2014. Processo Seletivo de Bolsistas para Monitoria em Ensino a Distância UDF - CENTRO UNIVERSITÁRIO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 11/2014 Processo Seletivo de Bolsistas para Monitoria em Ensino a Distância A Pró-Reitora, no uso de suas atribuições regimentais e tendo em

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

FACULDADES DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO Nº 02, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2013

FACULDADES DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO Nº 02, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2013 FACULDADES DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO Nº 02, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2013 Estabelece as diretrizes para a oferta de disciplinas em regime de dependência e adaptação no âmbito dos cursos

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR. O CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições regimentais; RESOLVE:

CONSELHO SUPERIOR. O CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições regimentais; RESOLVE: CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº. 48, de 15 de fevereiro de 2013. Revoga a Resolução nº 6, de 05 de dezembro de 2007 que implantou a Monitoria na Faculdade e aprova o Regulamento da Monitoria na Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Texto Aprovado CONSU Nº 2008-02 - Data:02/04/2008 Texto Revisado e Atualizado CONSU PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Nº 2011-05 - Data: 24/03/11 2012-29 de 29/11/2012 REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA FAMETRO PROGRAMA DE MONITORIA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL Nº 007/2015 DA

FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA FAMETRO PROGRAMA DE MONITORIA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL Nº 007/2015 DA FAMETRO PROGRAMA DE MONITORIA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL Nº 007/2015 DA A Direção Acadêmica torna pública a inscrição para docentes e estudantes da Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza FAMETRO,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E PEDAGOGIA

PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E PEDAGOGIA EDITAL DG N.º 07/2012 PROGRAMA DE MONITORIA PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E PEDAGOGIA A Direção da Faculdade Internacional Signorelli, no uso de suas atribuições,

Leia mais

1ª SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE INCLUSÃO SÓCIO-DIGITAL 2015

1ª SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE INCLUSÃO SÓCIO-DIGITAL 2015 1ª SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE INCLUSÃO SÓCIO-DIGITAL 2015 O INSTITUTO DE CULTURA, ARTE, CIÊNCIA E ESPORTES- INSTITUTO CUCA, entidade privada, sem fins lucrativos, qualificada

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 21.624/2015

PROJETO DE LEI Nº 21.624/2015 PROJETO DE LEI Nº 21.624/2015 Institui o Projeto Estadual de Auxílio Permanência aos estudantes em condições de vulnerabilidade socioeconômica das Universidades Públicas Estaduais da Bahia e dá outras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA EDITAL DE SELEÇÃO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL PARA O PROJETO CURSO DE ESTUDOS DE IDIOMAS - CEI 2016.1 A PRÓ-REITORIA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO divulga, por meio do presente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 008/2004 - CONSUNIV

RESOLUÇÃO Nº 008/2004 - CONSUNIV RESOLUÇÃO Nº 008/2004 - CONSUNIV Cria o Programa de Monitoria e dá outras providências. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Turismo da Universidade Estadual do Centro- Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO

PRÓ-REITORIA DE ENSINO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE ENSINO Regulamento do Programa de Monitoria de Ensino aprovado pelo Conselho Superior do IFS através da Resolução nº 07/CS/2011. Aracaju/SE

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC-EINSTEIN REGIMENTO

PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC-EINSTEIN REGIMENTO PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC-EINSTEIN REGIMENTO CAPÍTULO 1 O PROGRAMA Artigo 1º. O PAPIC-EINSTEIN tem como papel mais amplo estimular

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL, PESQUISA E EXTENSÃO - PR.PDEPE EXTENSÃO 2015.

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL, PESQUISA E EXTENSÃO - PR.PDEPE EXTENSÃO 2015. EXTENSÃO 2015.2 EDITAL - PROCESSO DE SELEÇÃO DE ALUNOS 2015.2 COORDENAÇÃO DOS CURSOS UBTECH BUSINESS A Coordenação UBTECH Business comunica aos interessados que no período de 13/07/2015 a 24/07/2015 estarão

Leia mais

Regulamento de Monitoria

Regulamento de Monitoria Regulamento de Monitoria REGULAMENTO DE MONITORIA CAPÍTULO I Da Monitoria Art. 1º - A monitoria é uma atividade acadêmica auxiliar a docência que é exercida por alunos regularmente matriculados, na Escola

Leia mais

P R O G R A M A D E M O N I T O R I A D A C H R I S F A P I 1

P R O G R A M A D E M O N I T O R I A D A C H R I S F A P I 1 P R O G R A M A D E M O N I T O R I A D A C H R I S F A P I 1 PROGRAMA DE MONITORIA DA CHRISFAPI P R O G R A M A D E M O N I T O R I A D A C H R I S F A P I 2 SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 04 2. O

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua assinatura. São Bernardo do Campo, 14 de março de 2013 PROF. DR. MARCIO DE MORAES REITOR

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua assinatura. São Bernardo do Campo, 14 de março de 2013 PROF. DR. MARCIO DE MORAES REITOR RESOLUÇÃO CONSUN Nº 04/2013 Aprova Edital do Processo Seletivo do Programa de integralização de créditos para a conclusão do Curso Superior de Teologia 2º semestre de 2013 na modalidade a distância O Conselho

Leia mais

Faculdade Batista de Minas Gerais. Curso de Direito Manual Monitoria Nº 01/2016.01

Faculdade Batista de Minas Gerais. Curso de Direito Manual Monitoria Nº 01/2016.01 Faculdade Batista de Minas Gerais Curso de Direito Manual Monitoria Nº 01/2016.01 1. Dos Objetivos da Monitoria 1.1. Despertar o interesse pela pesquisa científica e pelas rotinas do trabalho docente.

Leia mais

EDITAL Nº 01 DE FEVEREIRO DE 2015

EDITAL Nº 01 DE FEVEREIRO DE 2015 EDITAL Nº 01 DE FEVEREIRO DE 2015 SELEÇÃO PÚBLICA PARA MONITORIA DOS CURSOS GRADUAÇÃO DA FAI A Faculdade do Vale do Itapecuru - FAI, por meio da Direção Acadêmica, torna público pelo presente Edital que

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO N.º 346/2005 Publicada no D.O.E. de 20-09-2005 Pág.17 Estabelece normas para a alteração de Regime de Trabalho, Controle

Leia mais

E D I T A L M A X S O C I A L

E D I T A L M A X S O C I A L EDITAL MAX N 002/2015 ABRE INSCRIÇÕES PARA A SELEÇÃO DE MONITORES PARA O PROJETO MAX SOCIAL Indaiatuba, 01 de março de 2016. O Gestor da Faculdade MAX PLANCK, no uso das suas atribuições, torna público

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral

REGULAMENTO. Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA REGULAMENTO Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Filosofia (PGFilo), vinculado

Leia mais

NO IFRN / CAMPUS MOSSORÓ

NO IFRN / CAMPUS MOSSORÓ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRO-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL

Leia mais

Universidade de Cruz Alta

Universidade de Cruz Alta UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 03/2016 Dispõe sobre a aprovação do Regulamento do Núcleo de Educação a Distância da Universidade de Cruz Alta, ============================

Leia mais

REGULAMENTO DE TRANSFERÊNCIA E REOPÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE TRANSFERÊNCIA E REOPÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE TRANSFERÊNCIA E REOPÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º As vagas remanescentes existentes em cada curso da SLMANDIC serão preenchidas obedecendo a seguinte

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 154 / 2015. Assunto: Dispõe sobre seleção interna e externa de docentes

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 154 / 2015. Assunto: Dispõe sobre seleção interna e externa de docentes CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 154 / 2015 Assunto: Dispõe sobre seleção interna e externa de docentes O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do Centro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 009/2005-ProGRAD

INSTRUÇÃO NORMATIVA 009/2005-ProGRAD UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 009/2005-ProGRAD Dispõe sobre princípios reguladores para o desenvolvimento de estágio não obrigatório dos cursos de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 019/2014, DE 06 DE FEVEREIRO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 019/2014, DE 06 DE FEVEREIRO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 019/2014, DE 06 DE FEVEREIRO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Aprovado pela Resolução Consuni nº 26/10, de 08/09/2010. CAPÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º O presente regulamento disciplina

Leia mais

CODIFICAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO. Vigência 19/09/2013. ASSUNTO: Regulamenta o Programa de Monitoria. Versão 01

CODIFICAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO. Vigência 19/09/2013. ASSUNTO: Regulamenta o Programa de Monitoria. Versão 01 OS-007 /SR-1/2013 01/05 1 - DA FINALIDADE A presente Ordem de Serviço tem como finalidade modificar a OS-007/SR-1/08 e regulamentar a operacionalização do Programa de Monitoria, em conformidade com o que

Leia mais

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Análise de Políticas Públicas, Curso Mestrado Profissional, da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais de Franca TÍTULO I Do Programa Artigo 1º

Leia mais

Faculdade Batista de Minas Gerais. Curso de Direito. Edital de Monitoria No. 1/2014.2. AGOSTO de 2014

Faculdade Batista de Minas Gerais. Curso de Direito. Edital de Monitoria No. 1/2014.2. AGOSTO de 2014 Faculdade Batista de Minas Gerais Curso de Direito Edital de Monitoria No. 1/2014.2 AGOSTO de 2014 EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BATISTA DE MINAS

Leia mais

FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE

FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE Regulamento do Programa de Monitoria Capítulo I Das Disposições

Leia mais

MANUAL MONITORIA. Juazeiro do Norte 2015

MANUAL MONITORIA. Juazeiro do Norte 2015 Juazeiro do Norte 2015 MANUAL DA MONITORIA Faculdade de Juazeiro do Norte FJN Rua São Francisco, 1224 Bairro São Miguel CEP 63.010-210 Juazeiro do Norte/CE 2 Diretor Geral José Marcondes Macêdo Landim

Leia mais

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011.

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) destina-se

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU agosto / 2010 1 REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Sumário TÍTULO I - DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

P O R T A R I A. São José dos Pinhais, 05 de maio de 2014. Frei Nelson José Hillesheim, OFM Diretor-Geral FACULDADE FAE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS

P O R T A R I A. São José dos Pinhais, 05 de maio de 2014. Frei Nelson José Hillesheim, OFM Diretor-Geral FACULDADE FAE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS PORTARIA DG N.º 08/2014 APROVA, AD REFERENDUM DO CSA, O EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2014, 2 SEMESTRE, DA FACULDADE FAE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS. O Diretor-Geral da Faculdade FAE São José dos Pinhais, no uso

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA R E I T O R I A Rua Esmeralda, 430-97110-060 Faixa Nova Camobi Santa

Leia mais

EDITAL Nº 01/2010 - etec TORNA PÚBLICO

EDITAL Nº 01/2010 - etec TORNA PÚBLICO EDITAL Nº 01/2010 - etec A Diretoria de Graduação e Educação Profissional, através do Departamento de Ensino de Tecnologia e da Coordenação de Tecnologias na Educação do da, no uso das suas atribuições,

Leia mais