O contexto da eficiência energética e o consumo de energia no sector doméstico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O contexto da eficiência energética e o consumo de energia no sector doméstico"

Transcrição

1 18 de Novembro 2005 O contexto da eficiência energética e o consumo de energia no sector doméstico Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente Agenda O contexto de eficiência energética no Mundo e em Portugal A eficiência energética no sector eléctrico A EDP e o seu contributo para a eficiência energética Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 1

2 A intensidade energética de Portugal aumentou 7% entre 1995 e 2002 Associado ao aumento do nível de vida das populações e consequentemente do consumo eléctrico Intensidade energética relativa para Portugal, entre 1995 e Mtep Consumo final de energia entre 1995 e 2002 Taxa de variação do PIB (%) Fonte: EEA TCAM 9% Fonte: DGGE Fonte: Eurostat Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 2 A evolução da intensidade energética em Portugal contraria a tendência dos seus parceiros Este contra-ciclo está associado ao fraco aumento do PIB e à convergência EU em termos de bem estar Evolução da intensidade energética de Portugal comparada com as médias UE15, UE25 e 10 novos membros 110 Portugal Evolução da intensidade energética de Portugal comparada com Espanha, Grécia e Irlanda 110 Portugal Espanha UE 15 Grécia 90 UE novos membros 80 Irlanda Evolução da intensidade energética de Portugal comparada com os 10 novos membros da UE Portugal Chipre Rep. Checa Eslóvenia Eslováquia Malta Hungria Letónia Lituânia Polónia Estónia 10 novos membros Nota: índice 100=1995 O aumento da intensidade energética é factor de uma aproximação das populações aos níveis e padrões de vida Europeus que não podemos contrariar. O fraco crescimento da economia potencia o aumento da intensidade energética. O tecido industrial nacional baseia-se em tecnologias que geram pouco valor por unidade de energia consumida, para a economia nacional. Fonte: EEA Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 3

3 As emissões de GHG per capita em Portugal são ainda 27% inferiores à média dos UE25 tco2eq 35 Emissões de GHG, per capita na UE Média UE25 em 2002 = Estónia Luxemburgo Irlanda Finlândia Bélgica Rep. Checa Holanda Dinamarca Alemanha Grécia Reino Unido Austria Eslovénia Polónia Eslováquia Espanha Itália França Hungria Portugal Suécia Malta Lituânia Letónia Chipre Fonte: EEA Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 4 O consumo energético português ajustado ao clima e à paridade poder de compra está na média da UE15 O factor ppc é preponderante no ajuste do consumo português Consumo energético sem ajustamento Consumo energético ajustamento a ppc e clima DK GER Média Europa 0,146 IR DK Média Europa 0,143 FR IT IT GER IR FR AUS NOR HOL UK SWE AUS ESP UK PT NOR 0,128 ESP HOL BE GR PT LUX FIN 0,185 BE GR SWE LUX FIN 0 0,05 0,1 0,15 0,2 0,25 Kep/ECU95 0 0,05 0,1 0,15 0,2 0,25 Kep/ECU95 (1) Paridade poder de compra Fonte: Comissão Europeia 2004, Análise EDP Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 5

4 Agenda O contexto de eficiência energética no Mundo e em Portugal A eficiência energética no sector eléctrico A EDP e o seu contributo para a eficiência energética Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 6 O contexto de liberalização do sector eléctrico e o mercado de emissões vieram aumentar a procura de eficiência na oferta Liberalização do sector e consequente aumento da concorrência Aumento das restrições ambientais Ganhos de eficiência no sector eléctrico Gestão interna de licenças Compromissos de Quioto Mercado de carbono Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 7

5 No período o sector eléctrico na EU terá que reduzir 10% as suas emissões face a 1990 e enfrentará um deficit de 300Mt CO 2 /ano MtCO Atribuição de licenças de emissão na UE15 vs. Atribuição ao sector eléctrico vs. Emissões do sector eléctrico BaU (valores anuais) 0 Atribuição total/ano Atribuição ao sector eléctrico/ano Emissões do sector eléctrico BaU/ano Fonte: Eurelectric 2005 Em Portugal Fonte: EDP; PNAC; Inventário Nacional de GEE; Análise EDP TWh/ano Procura de energia Emissões específicas de Emissões CO eléctrica CO 2 referidas à procura 2 / ano tco 2 /MWh 0.7 MtCO % % -17% % % % EDP Energias E de Portugal S.A E E Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 8 A EDP pretende reduzir entre 2002 e 2012 em 41% (1) as emissões específicas do seu parque electroprodutor tco 2 /MWh 0,85 0,80 0,75 0,70 0,65 0,60 0,55 0,50 0,45 0,40 0,35 0, em ano médio - 41% EDP HC EDP + HC (1) Em ano de hidraulicidade média Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 9

6 Existe um aumento nas emissões da EU15, entre 1990 e 2003 de 125MtCO2eq Transporte rodoviário Variação entre 1990 e 2003, das emissões de CO2eq na EU15 Electricidade e calor Residencial Refinação Cimentos Serviços Indústria Outros Total CO MtCO2eq Fonte: EEA 2005 O sector dos transportes é o maior contribuinte líquido para esta variação, seguido do sector da electricidade e do calor. Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 10 Na EU15, os transportes rodoviários e a produção de electricidade e calor contabilizam 53% das emissões de CO2eq Contribuição dos principais sectores emissores em 2003 Industria 17% Europa Transportes rodoviários 23% Industria 19% Portugal Transportes rodoviários 32% Residencial 12% Residencial 4% Serviços 6% Serviços 5% Refinação 3% Cimentos 2% Outros 8% Electricidade e calor 30% Refinação 4% Cimentos 5% Outros 0% Electricidade e calor 30% Fonte: EEA 2005 A contribuição dos principais sectores emissores na Europa é muito similar ao Português Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 11

7 A procura de electricidade na EU25 aumentou 1,7% entre 2003 e 2004 Portugal foi o país em que o aumento foi mais elevado (5,9%) PT LIT ESP LET LUX UK PL CZ IE AT FR BE FIN ESL DK EST DE SE NL IT SK Média do consumo na EU25 (1,7%) ML CY GR HU Fonte: Eurelectric Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 12 Caracterização do consumo eléctrico no sector residencial Repartição do consumo de electricidade por uso final (2002: 11087GWh) Forno 1% Arrefecimento ambiente 2% Outros 12% Frigorífico/combinado 22% Aquecimento ambiente 15% Congelador 10% AQS Eléctrico 5% Máquina de lavar roupa 5% Máquina de lavar loiça 3% Iluminação 12% Informática 2% Audiovisuais 9% Máquina de secar roupa 2% Fonte: DGGE 2004 Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 13

8 O sector energético enfrenta barreiras à eficiência energética a dois níveis: económicas e políticas, e de mercado Barreiras económicas e políticas Estabilidade regulatória na definição dos incentivos mais apropriados Previsibilidade na atribuição dos tectos de emissão Condições estáveis de longo-prazo para os investimentos do sector Criação do mercado Ibérico e das infraestruturas de transporte que permitam a sua optimização Correcta sinalização da eficiência energética aos diversos agentes económicos Barreiras de Mercado Acesso à informação e formação desajustados Acesso às tecnologias mais apropriadas O exemplo do Estado como motor da eficiência energética Estabelecimento de planos anuais de acção de eficiência energética por parte dos Estados-Membros e monitorização do seu sucesso, em termos ganho de eficiência como da efectividade do custo Fornecer aos cidadãos melhor informação através de campanhas publicitárias enfocadas e aumento do labelling de produtos Melhoramento da taxação para assegurar que o poluidor é realmente o pagador Redireccionamento das ajudas do Estado ao aumento efectivos da eficiência energética Utilização do procurement público como arranque a novas tecnologias de eficiência energética Desenvolver novos instrumentos financeiros de modo a motivar os agentes económicos Ir mais além da Directiva dos Edifícios, como meio de assegurar o custo-efectividade Utilizar a iniciativa CARS21 da Comissão para incentivar o desenvolvimento de uma nova geração de automóveis mais eficiente. Fonte: GreenPaper on Energy Efficiency, 2005 Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 14 Agenda O contexto de eficiência energética no Mundo e em Portugal A eficiência energética no sector eléctrico A EDP e o seu contributo para a eficiência energética Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 15

9 A estratégia de gestão futura da eficiência energética e do mercado de carbono na EDP assenta em dois pilares fundamentais Acções sobre a reestruturação do portfolio Acções sobre a procura energética Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 16 Os investimentos do Grupo EDP na Península Ibérica, na produção eléctrica até 2012 concretizarão 5.930MW de potencia instalada A unidade de Trading integra o risco carbono nas suas actividades Investimento de 5M em fundos de carbono do Banco Mundial e prev ê novos investimentos Candidatura de projectos no Brasil a créditos de emissão via CDM Investimentos na produção até Energias renováveis Hidroeléctrica (1) Eólica MW 53% 730 MW MW CCGT (2) TOTAL MW MW 47% Este investimento na produção aumentará a capacidade instalada na EDP, na Península Ibérica, em 50% (1) Inclui Baixo Sabor, Foz do Tua, Bemposta II e Picote II (2) Inclui duas licenças CCGT em Portugal Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 17

10 Medidas estruturais (de formação a médio/ longo prazo) Medidas de informação e de assistência ao cliente Medidas internas A EDP pretende actuar na gestão da procura a três níveis: estrutural ou de formação, de informação e através da gestão interna de emissões Medidas estruturais (de formação a médio/ longo prazo) Medidas de informação e de assistência ao cliente Medidas internas Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 18 As medidas estruturais contemplam para 2005 dois tipos de iniciativas direccionadas para os mais jovens e para os técnicos especialistas Projecto eficiência energética nas escolas Objectivo : sensibilizar os jovens para a problemática das alterações climáticas e da eficiência energética, mostrando que com pequenas acções podemos todos ficar a ganhar Target: ano piloto, 250 escolas de Norte a Sul do país; 1300 professores; alunos Os alunos serão convidados a participar num concurso onde podem apresentar propostas de medidas de eficiência energética que serão implementadas pela EDP nas escolas vencedoras Acção de sensibilização de eficiência energética em edifícios Objectivo : sensibilizar os técnicos de engenharia e arquitectura que actuam no sector da construção para a potencialidade das técnicas de eficiência e reabilitação energética. Target: universo dos profissionais do sector. Na primeira fase a iniciada a 17 de Junho, decorrerão sessões em Lisboa, Porto, Coimbra e Faro, estando em curso diversas outras sessões nas principais capitais de Distrito. Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 19

11 Medidas estruturais (de formação a médio/ longo prazo) Medidas de informação e de assistência ao cliente Medidas internas Medidas estruturais (de formação a médio/ longo prazo) Medidas de informação e de assistência ao cliente Medidas internas A EDP vai igualmente implementou em 2005 várias medidas de informação aos seus clientes (I/II) Objectivos da campanha: Sensibilizar o público em geral para os benefícios da economia no consumo de electricidade Target : 3,6 milhões de lares Media mix: TV, Imprensa, Outdoor Duração da campanha: 4 semanas Campanha eficiência energética Com suporte de: Guia prático de sugestões de eficiência energética Canal no site Rede de lojas e agentes EDP Contact center EDP Estamos a efectuar a avaliação do potencial de redução de consumo associado Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 20 A EDP vai igualmente implementou em 2005 várias medidas de informação aos seus clientes (I/II) Site Internet Criação de um site dedicado, a ser integrado no site corporativo, deverá compilar alguma informação já existente no site actual e ser complementado com informação que constará no guia de eficiência energética Questionário de autodiagnóstico sobre eficiência energética Publicação de um guia de eficiência energética Objectivo : alertar de os clientes para as possibilidades de redução de consumo, apresentando-lhes a possibilidade de implementação de medidas imediatas Target: cerca de 5,8 milhões de clientes domésticos Incluir na factura da electricidade um pequeno questionário que permita, de uma forma imediata a percepção se existe um potencial de poupança energética Objectivo: Fornecer aos clientes um guia generalista de eficiência energética a consultar sempre que existam dúvidas sobre que medida implementar Tiragem de ~ exemplares Distribuição através das lojas EDP e de outros canais de distribuição, tais como jornais de grande tiragem Disponibilização de serviços de energia No âmbito da oferta de energia e serviços da EDP Comercial, é jápratica corrente a oferta de alguns serviços de eficiência energética Auditorias energéticas Implementação de medidas de eficiência energética Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 21

12 Medidas estruturais (de formação a médio/ longo prazo) Medidas de informação e de assistência ao cliente Medidas internas A EDP implementou medidas internas de redução de emissões e de eficiência energética Greenlight Em 2004 a EDP foi distinguida pela UE pela pro-actividade no âmbito do projecto Greenlight. O Projecto Greenlight é uma iniciativa da UE destinada a reconhecer as empresas que realizem acções de melhoria de desempenho energético nos seus edifícios, implementando os projectos uma TIR de pelo menos 20% em 15 anos. Projecto de iluminação eficiente das instalações da EDP em Coimbra (Prémio Greenlight 2004) Projecto de iluminação eficiente das restantes 48 lojas da EDP com uma redução do consumo de electricidade de 43% ao ano ou seja 130MWh/ano Projecto para 2006 de iluminação eficiente de todos os ~350 edifícios administrativos da EDP Frota EDP Estudo da possibilidade de reduzir as emissões da frota EDP Através da optimização da utilização de veículos (implementação de esquemas de mobilidade dos seus colaboradores) Através da reconversão da frota para híbridos Através da recuperação das emissões em projectos de CO 2 Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente 22

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Programa Nacional para as Alterações Climáticas

Programa Nacional para as Alterações Climáticas Programa Nacional para as Alterações Climáticas António Gonçalves Henriques» CONVENÇÃO-QUADRO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Rio de Janeiro, 1992 189 Estados ratificaram ou acederam à Convenção.

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. ADENE Agência para a Energia Maio de 2010

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. ADENE Agência para a Energia Maio de 2010 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ADENE Agência para a Energia Maio de 2010 0 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 1 Programas do Portugal Eficiência 2015 Transportes Residencial e Serviços

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa A educação para a cidadania nas escolas da Europa Em toda a Europa, o reforço da coesão social e a participação activa dos cidadãos na vida social estão no centro das preocupações

Leia mais

Debates sobre a Estratégia de Lisboa

Debates sobre a Estratégia de Lisboa Debates sobre a Estratégia de Lisboa Crescimento e Emprego Juntos a trabalhar pela Europa do futuro 2006-2008 Data de actualização: 19 de Dezembro de 2007 Em parceria: Alto Patrocínio: Debates sobre a

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição da Directiva

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de

Leia mais

Avaliação de potenciais e promoção de URE

Avaliação de potenciais e promoção de URE Avaliação de potenciais e promoção de URE Pedro Lima e Diogo Beirão pedro.lima@adene.pt e diogo.beirao@adene.pt Introdução O consumo de energia eléctrica no sector dos serviços está a aumentar a um ritmo

Leia mais

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP)

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) 23/06/2008-14/08/2008 Existem 457 respostas em 457 que correspondem aos seus critérios A. Participação País DE - Alemanha 84 (18.4%) PL - Polónia

Leia mais

EDP Serviços. Colégio de Engenharia Geológica e de Minas. Optimização energética na indústria extrativa

EDP Serviços. Colégio de Engenharia Geológica e de Minas. Optimização energética na indústria extrativa EDP Serviços Colégio de Engenharia Geológica e de Minas Explorações a Céu Aberto:Novos desenvolvimentos Optimização energética na indústria extrativa Lisboa, 23 de Março de 2011 Agenda Contexto Consumos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.11.2007 COM(2007) 757 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO (nos termos da Decisão n.º 280/2004/CE do Parlamento

Leia mais

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal Francisco Cordovil (Director do GPP) 30 de Abril de 2010 1 I. A agricultura perante a sociedade: compreender os desafios e agir positivamente

Leia mais

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão AIP, 5 de março de 2015 Prioridades Europa 2020 Objetivos Europa 2020/ PNR

Leia mais

Cumprir Quioto é um desafio a ganhar

Cumprir Quioto é um desafio a ganhar Cumprir Quioto é um desafio a ganhar 90 Emissões de GEE e compromissos 2008-2012 em Portugal Emissões de GEE (Mt de CO 2) 75 60 45 30 15 +27% 0 1990 1995 2000 2005 2010 2015 Emissão de GEE Meta Quioto

Leia mais

Efeitos da Economia do Carbono sobre a Produção de Electricidade

Efeitos da Economia do Carbono sobre a Produção de Electricidade Tomar, 31 de Março de 2006 Efeitos da Economia do Carbono sobre a Produção de Electricidade Seminário TECNICELPA sobre Mercado de Carbono Gabinete de Planeamento Energético Agenda Ponto de situação do

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética O Sistema de Certificação Energética e o seu Impacto Energia 2020, FCUL, 8 Fevereiro 2010 Sistema de Certificação Energética e de QAI Certificados Energéticos e de QAI Ponto de situação

Leia mais

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD)

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) MEMO/11/406 Bruxelas, 16 de Junho de 2011 Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) Em férias nunca se sabe! Está a pensar viajar na UE ou na Islândia,

Leia mais

3º Seminário. As finanças locais, instrumento da política ambiental

3º Seminário. As finanças locais, instrumento da política ambiental 3º Seminário As finanças locais, instrumento da política ambiental Propostas da campanha nacional RFA Índice da apresentação - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT - RFA Nacional - Resumo seminários

Leia mais

DESAFIOS EMERGENTES E TENDÊNCIAS NA FISCALIDADE AUTOMÓVEL

DESAFIOS EMERGENTES E TENDÊNCIAS NA FISCALIDADE AUTOMÓVEL DESAFIOS EMERGENTES E TENDÊNCIAS NA FISCALIDADE AUTOMÓVEL A Política Ambiental na Fiscalidade sobre os Transportes Ciclo de Seminários A Política Ambiental no Sistema Fiscal Português Auditório do Metropolitano

Leia mais

Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu

Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu 1 Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu Jorge Lima (*) Eurydice é a rede de informação sobre a educação na Europa, criada por iniciativa da Comissão Europeia

Leia mais

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial Inovação Chave de Competitividade Luís Ribeiro Rosa ES Research - Research Sectorial 22 de Novembro de 2009 Inovação - Uma chave de um novo contexto Especificidades da economia portuguesa Inovação - A

Leia mais

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP Candidatura 2010 ENERGIA Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP ÍNDICE: 1. ENQUADRAMENTO 2. EIXO 2 APOIO AS ENERGIAS RENOVÁVEIS 3. OBJECTIVOS

Leia mais

Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores

Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores Miguel S8lwell d Andrade Administrador EDP Lisboa, 4 de Julho de 2012 Os preços pra:cados pelos comercializadoras devem reflec:r os

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

Conferência. Reforma da Fiscalidade Automóvel. Lisboa, 6 de Junho de 2007

Conferência. Reforma da Fiscalidade Automóvel. Lisboa, 6 de Junho de 2007 Conferência Reforma da Fiscalidade Automóvel 1 Lisboa, 6 de Junho de 2007 2 Proposta de Directiva da União Europeia Aponta para a transferência global da carga fiscal, nos automóveis, do momento da compra

Leia mais

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO Em 1977 foi criada no Ministério da Indústria e Energia, a Direcção Geral da Qualidade, actualmente denominada por IPQ, cujo objectivo era o desenvolvimento e divulgação dos

Leia mais

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS LISBOA, 10 DE MAIO DE 2012 ADENE Agencia para a Energia

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 «

Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 « Escola de Voluntariado Fundação Eugénio de Almeida Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 Departamento de Contas Nacionais Serviço de Contas Satélite e Avaliação de Qualidade das Contas Nacionais Ana Cristina

Leia mais

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir IP/08/1831 Bruxelas, 28 de Novembro de 2008 Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir De acordo com um relatório publicado hoje pela Comissão Europeia,

Leia mais

Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável

Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável O seu parceiro de confiança! Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável A NOSSA EMPRESA 2 A CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS é uma empresa pluridisciplinar focalizada

Leia mais

P L A N O D E A C T I V I D A D E S

P L A N O D E A C T I V I D A D E S Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo P L A N O D E A C T I V I D A D E S = 2008 = Janeiro de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACTIVIDADES A DESENVOLVER NO ANO DE 2008... 5

Leia mais

O caminho para o desenvolvimento sustentado da Produção em Regime Especial em Portugal

O caminho para o desenvolvimento sustentado da Produção em Regime Especial em Portugal T HE B OSTON C ONSULTIN G G ROUP O caminho para o desenvolvimento sustentado da Produção em Regime Especial em Portugal BCG Relatório O caminho para o desenvolvimento sustentado da Produção em Regime Especial

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.12.2010 COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES 2006-2008,

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 76,0 % da média da União Europeia em 2012

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 76,0 % da média da União Europeia em 2012 Paridades de Poder de Compra 2012 12 de dezembro de 2013 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 76,0 % da média da União Europeia em 2012 Em

Leia mais

Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia

Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia Parlamento Europeu Bruxelas, 21 de Março 2011 Margarida Gameiro Chefe de Unidade Igualdade de oportunidades e Equidade Europa 2020: 3 prioridades interligadas

Leia mais

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA. APIGCEE Associação Portuguesa dos Industriais Grandes Consumidores de Energia Eléctrica

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA. APIGCEE Associação Portuguesa dos Industriais Grandes Consumidores de Energia Eléctrica SEMINÁRIO ERSE, 5 de Fevereiro de 2009 REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA APIGCEE Associação Portuguesa dos Industriais Grandes Baptista Pereira 1 A APIGCEE, abrange sectores-chave da indústria portuguesa

Leia mais

ENERGIA em Portugal. maio de 2015

ENERGIA em Portugal. maio de 2015 213 ENERGIA em Portugal maio de 215 [página em branco] Índice 1. Sumário Executivo 1 2. Principais Indicadores Energéticos 2 2.1 Dependência Energética 2 2.2 Intensidade Energética 3 2.3 Indicadores per

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.3.2011 COM(2011) 113 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Qualidade da gasolina e do combustível para motores diesel utilizados no transporte

Leia mais

PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO

PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO 1 RELATÓRIOS CGD NEUTRALIDADE CARBÓNICA 2010 PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO www.cgd.pt 2 1. A compensação de emissões como COMPROMISSO do Programa Caixa Carbono Zero A compensação de emissões inevitáveis

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Green Value Energy Building Solutions Janeiro de 2014 Índice Apresentação Áreas de Negócio Consultoria em Eficiência Energética e Ambiental Clientes Contactos Auditorias energéticas

Leia mais

Centro Cultural de Belém

Centro Cultural de Belém Audição Pública sobre a proposta de regulamentação do Gás Natural Centro Cultural de Belém Perspectiva dos consumidores A opinião da COGEN Portugal A. Brandão Pinto Presidente da Comissão Executiva ÍNDICE

Leia mais

Sistema de Certificação Energética e de QAI

Sistema de Certificação Energética e de QAI Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Outubro 2007 Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição da

Leia mais

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal

Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal Lisboa, 9 de julho de 2015. Joaquim Delgado Jdelgado@estv.ipv.pt Sumário 2/16 1ª Parte Breve caraterização

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

Água Quente Solar para PORTUGAL (AQSpP) E. Maldonado DGE

Água Quente Solar para PORTUGAL (AQSpP) E. Maldonado DGE Água Quente Solar para PORTUGAL (AQSpP) E. Maldonado DGE Programa AQS Acção específica prevista no Plano Energético Nacional Implementação a cargo da DGE com apoio do POE (2002-2004, 1.035.000 ) Execução

Leia mais

Informação diagnóstico

Informação diagnóstico Informação diagnóstico O declínio demográfico da cidade de Lisboa e a periferização da área metropolitana Evolução Comparada das Populações de Portugal, da Área Metropolitana de Lisboa e do Concelho de

Leia mais

Seminário Cidades mais Inteligentes. A certificação energética e a reabilitação urbana. Braga, 10 de Maio de 2011

Seminário Cidades mais Inteligentes. A certificação energética e a reabilitação urbana. Braga, 10 de Maio de 2011 Seminário Cidades mais Inteligentes (PROSPERIDADE RENOVÁVEL) A certificação energética e a reabilitação urbana Braga, 10 de Maio de 2011 ADENE Agência para a Energia Francisco Passos sce@adene.pt ÍNDICE

Leia mais

Nacional (3) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) Extensão da Inovação

Nacional (3) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) Extensão da Inovação Anexo 2 Quadro 1 Evolução da Extensão da Inovação em Portugal (%) Extensão da Inovação Indústria Serviços Nacional (3) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997

Leia mais

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS Apresentação de J.M. Durão Barroso, Presidente da Comissão Europeia, ao Conselho Europeu informal de 30 de janeiro de 2012 Quebrar os «círculos viciosos» que afetam

Leia mais

O consumidor e a mudança de paradigma

O consumidor e a mudança de paradigma O consumidor e a mudança de paradigma XIV Réunion Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energia 28 de Abril Maria Margarida Corrêa de Aguiar Índice 1. Envolvente do sector energético: tendências e

Leia mais

O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS. Síntese

O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS. Síntese Comissão Europeia, Employment in Europe 2005 Recent Trends and Prospects, Office for Official Publications of the European Communities, Luxemburgo, 2005, 301 pp.. O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

79.3 75.9. Irlanda. Luxemburgo. Dinamarca. Irlanda. Portugal

79.3 75.9. Irlanda. Luxemburgo. Dinamarca. Irlanda. Portugal 1 159.6 87.3 75.6 66.7 75.9 79.3 89.9 102.7 49.6 47.4 39.0 33.3 28.5 24.5 20.9 Média UE-15 = 44.9 14.9 13.2 10.9 1.5 Dinamarca R.U. Holanda Suécia França Finlândia Alemanha Grécia Áustria Bélgica Espanha

Leia mais

Banco Europeu de Investimento Actividade na União Europeia e em Portugal

Banco Europeu de Investimento Actividade na União Europeia e em Portugal Artigo 07/2010 Banco Europeu de Investimento. Actividade na União Europeia e em Portugal Banco Europeu de Investimento Actividade na União Europeia e em Portugal Anabela Silva Resumo Pretende-se com este

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação com os dos restantes

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA.do Mundo ao Município

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA.do Mundo ao Município SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA.do Mundo ao Município Ciclo de Seminários: Soluções Energéticas Públicas e Privadas à Escala Local Carlos Pimenta Maio 2012 Agenda Tendências e condicionantes de longo prazo

Leia mais

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 Regras de Atribuição de DNS 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 O DNS em Portugal O nome de domínio.pt Como registar um nome de domínio em.pt As regras As novas possibilidades de registo

Leia mais

A Bandeira da Europa simboliza a União Europeia e também representa a unidade e a identidade da Europa. O circulo de estrelas douradas representa a

A Bandeira da Europa simboliza a União Europeia e também representa a unidade e a identidade da Europa. O circulo de estrelas douradas representa a Após a II Guerra Mundial alguns países europeus tiveram a ideia de se unirem para melhor resolver os seus problemas. Era necessário garantir a paz, reconstruir cidades e reorganizar o comércio. Só com

Leia mais

Central de Biomassa de Portalegre

Central de Biomassa de Portalegre Central de Biomassa de Portalegre Paulo Preto dos Santos, Sobioen Soluções de Bioenergia, SA (Março 2008) Biomassa e Energia O aproveitamento energético da biomassa é cada vez mais relevante Aproxima-se

Leia mais

Construção e Energias Renováveis. Volume IV Energia das Ondas. um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.com

Construção e Energias Renováveis. Volume IV Energia das Ondas. um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.com Construção e Energias Renováveis Volume IV Energia das Ondas um Guia de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização de.

Leia mais

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011 Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções Promover a eficiência energética É tornar o mundo melhor e mais assustentável tá e ADENE Agência para a Energia Paulo Nogueira Auditório

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Alargamento a Instituições Particulares de Solidariedade Social e Associações Desportivas de Utilidade Pública Lisboa,

Leia mais

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP)

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) Economia Portuguesa 2009 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) MFAP GPEARI Unidade de Política Económica i i Ficha Técnica Título Economia Portuguesa

Leia mais

Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore

Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore Alex Raventos Wave Energy Centre (WavEC) alex@wavec.org 8 de Fevereiro 2011 Auditório ISCSP, Lisboa Formação sobre as energias renováveis

Leia mais

Portugal em Banda Larga.

Portugal em Banda Larga. Portugal em Banda Larga. José Ferrari Careto 1 1. Consumadas que estão as coberturas da população e do território em termos de serviço de telefone, tanto fixo como móvel, grande parte dos desafios que

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

Plano de Acção para a Sustentabilidade Energética de Lisboa

Plano de Acção para a Sustentabilidade Energética de Lisboa Plano de Acção para a Sustentabilidade Energética de Lisboa desenvolvido no seguimento da adesão da ao Pacto dos Autarcas no âmbito da Estratégia Energético-Ambiental para Lisboa Elaborado por: Título:

Leia mais

(Apenas fazem fé os textos nas línguas alemã, dinamarquesa, espanhola, grega, inglesa, italiana, letã, neerlandesa, portuguesa, romena e sueca)

(Apenas fazem fé os textos nas línguas alemã, dinamarquesa, espanhola, grega, inglesa, italiana, letã, neerlandesa, portuguesa, romena e sueca) L 336/42 Jornal Oficial da União Europeia 18.12.2009 DECISÃO DA COMISSÃO de 16 de Dezembro de 2009 relativa a uma contribuição financeira comunitária, para 2009, para as despesas efectuadas pelos Estados-Membros

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009 2009 BIAC Business Roundtable Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation 21 de Maio de 2009 Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS

Eficiência Energética em Edifícios. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Faculdade de Engenharia Universidade do Porto Engenharia Electrotécnica e Computadores Gestão de Energia A Eficiência Energética em projecto de edifícios tem sempre presente que existem questões importantes

Leia mais

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Margarida Brites Coordenadora da Área da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional 1 dezembro 2014 Lisboa Balança de Pagamentos Transações

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

O preço das Renováveis

O preço das Renováveis O preço das Renováveis Comissão de Especialização em Engenharia da OE Ciclo de encontros sobre o preço da energia Lisboa, 17 de Fevereiro de 2011 Pedro Neves Ferreira Director de Planeamento Energético

Leia mais

As regiões no Portugal 2020

As regiões no Portugal 2020 As regiões no Portugal 2020 O Acordo de Parceria O Modelo de Governação Agência para o Desenvolvimento e Coesão Fevereiro e março de 2015 Temas O Acordo de Parceria O Modelo de Governação Acordo de Parceria

Leia mais

Taxas de serviço aos comerciantes na utilização de cartões de pagamento

Taxas de serviço aos comerciantes na utilização de cartões de pagamento Taxas de serviço aos comerciantes na utilização de cartões de pagamento Caso comparativo Portugal vs. Espanha JULHO 2007 Síntese de conclusões Mais de 14% dos cartões de pagamento na Europa dos 15 são

Leia mais

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro.

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro. Castelo de Vide 16.02.2009 Mais eco. Mais futuro. O mundo está nas nossas mãos... 1 O consumo energético mundial tem registado forte crescimento nos últimos anos, agravando o volume de emissões de CO 2

Leia mais

III Conferência Anual da RELOP

III Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade III Conferência Anual da RELOP Rio de Janeiro 4 Novembro 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação

Leia mais

A liberalização do sector energético na perspetiva dos consumidores

A liberalização do sector energético na perspetiva dos consumidores A liberalização do sector energético na perspetiva dos consumidores Conferência do Diário Económico Vitor Santos Presidente da ERSE Hotel Sheraton, Lisboa 4 de Julho de 2012 Agenda 1. Liberalização efetiva

Leia mais

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil,

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, «Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, Departamento de Estatísticas Demográficas e Sociais Serviço de Estatísticas Demográficas 07/10/2016

Leia mais

Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012

Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012 E S C O L A S E C U N D Á R I A D. J O Ã O I I - S E T Ú B A L TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº6/VERSÃO 02 Nome: Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012 É obrigatório indicar a versão do teste na

Leia mais

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética A Importância da Eficiência Energética Ordem dos Engenheiros Lisboa, 17 de Dezembro de 2013 Principal Objectivo Apresentar alguns dados que caracterizam a nossa economia, do ponto de vista macro energético,

Leia mais

O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética. www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1

O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética. www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1 O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1 Áreas de Actividade Fornecedor Equipamentos de Energias Renováveis a Escolas. Fornecedor Equipamento

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 217 final - ANEXO 1.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 217 final - ANEXO 1. Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de maio de 2017 (OR. en) 9046/17 ADD 1 EF 97 ECOFIN 351 AGRIFIN 50 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 8 de maio de 2017 para: Secretário-Geral da Comissão Europeia,

Leia mais

O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego

O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego NOTA INFORMATIVA O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego Previsões até 2025 apontam para diferenças significativas na oferta e procura de competências nos Estados-Membros Boas notícias.

Leia mais

QREN 2007-2013 Agenda Factores de Competitividade Sistemas de Incentivos Workshop Medidas de Apoio às Empresas Marinha Grande.

QREN 2007-2013 Agenda Factores de Competitividade Sistemas de Incentivos Workshop Medidas de Apoio às Empresas Marinha Grande. QREN 2007-2013 Agenda Factores de Competitividade Sistemas de Incentivos Workshop Medidas de Apoio às Empresas Marinha Grande Carlos Castro 1 SI I&DT Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento

Leia mais

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Pedro Duarte Neves Preparado para o painel "A Sociedade da Informação em Portugal: Situação e Perspectivas de Evolução" Fórum para a Sociedade da Informação

Leia mais

A DB Schenker está comprometida com o programa Climático 2020 do Grupo DB

A DB Schenker está comprometida com o programa Climático 2020 do Grupo DB A DB Schenker está comprometida com o programa Climático 2020 do Grupo DB, tendo como principal objectivo a redução de 20%, até ao ano de 2020, nas emissões de CO2. Formação em Eco condução, novas tecnologias

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Capitais Públicos e Capitais Privados no Mercado Interno: Assegurar um Ambiente Equitativo para Empresas Públicas e Privadas Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt XXIV Congresso FIDE Madrid 2010 Arial Bold

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH

AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH ANTÓNIO NIO GONÇALVES HENRIQUES APROVEITAMENTOS HIDRO-ELÉCTRICOS EM PORTUGAL 35 médios m e grandes aproveitamentos hidroeléctricos

Leia mais

GRUPO 2 MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

GRUPO 2 MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA GRUPO 2 MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Medidas Propostas Impacto no Município Promoção da eficiência energética em edifícios municipais Bombagem eficiente de águas para consumo humano Redução do consumo

Leia mais