Um estudo sobre benchmarking ressaltando a importância de sua validação como ferramenta de gestão para a competitividade de uma franquia dos Correios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um estudo sobre benchmarking ressaltando a importância de sua validação como ferramenta de gestão para a competitividade de uma franquia dos Correios"

Transcrição

1 Um estudo sobre benchmarking ressaltando a importância de sua validação como ferramenta de gestão para a competitividade de uma franquia dos Correios Darcílio Luiz Fauro (UTFPR-PG) Cezar Augusto Romano (UTFPR-PG) Antonio Carlos de Francisco (UTFPR-PG) Resumo: A importância do Benchmarking, como ferramenta para a competitividade, tornouse evidente, na gestão de uma franquia dos Correios. A franquia possui a concessão e transferência da marca Correios, sua tecnologia, consultoria operacional, produtos e serviços, por isso não pode descuidar-se das melhores práticas de gestão existentes. Para salvaguardar uma performance excelente está sendo recomendada a implementação do benchmarking como forma de pesquisa, adaptabilidade ao ambiente e consecução dos melhores índices de desempenho. Será demonstrado como essa importante ferramenta será implantada, o que ela pode proporcionar e também as dificuldades típicas na implementação de inovações tecnológicas na organização. De início dever-se-á buscar seus pontos fortes e fracos e uma análise de vulnerabilidade de forma a perseguir o desempenho da organização, através da filosofia de melhoria contínua. Serão realizadas reuniões com os gerentes e colaboradores visando a conscientização de todos, do funcionamento e importância dessa ferramenta. A questão é como implementar uma ferramenta tão moderna numa empresa pautada por muitas normas, regulamentos e excessivamente burocratizada como é uma franquia dos Correios. Palavras-chave: Recomendamos um parágrafo único com 3 a 5 palavras separadas por ponto-e-vírgula, com a primeira letra de cada palavra em maiúsculo e finalizadas por ponto. Palavras-chave: Benchmarking; Pesquisa; Competitividade. 1. Introdução Logo se verifica que o desenvolvimento de uma ferramenta de avaliação da performance do tipo benchmarking para uma franquia dos Correios possibilitará a busca de melhores práticas e desempenhos bem como a sua estruturação, através de um banco de dados de informações relevantes. Dessa forma obter-se-á o perfil gestor de cada organização e suas respectivas características. A questão é, como adotar a ferramenta benchmarking em uma pequena empresa franqueada de um órgão público excessivamente burocrático como a que está em pauta? Destacam-se algumas ações fundamentais que poderão ser desenvolvidas para instrumentalizar a linha de frente e adotar a ferramenta benchmarking de modo positivo. São elas: - A forma de como a organização percebe a evolução do ambiente no qual está inserida e como ela se vê no cenário futuro, também denominado de visão estratégica; - Como os valores e pressupostos básicos dos servidores se posicionam diante das inovações; - Como os recursos tecnológicos disponíveis na organização podem ser usados na realização de sua visão estratégica. As profundas mudanças pelas quais passa a sociedade em geral levam para o centro de discussões e decisões das organizações governamentais e privadas questões ditadas por novos 1

2 paradigmas. Assim entendidos, os novos processos organizacionais envolvem conceitos, tais como: just-in-time, benchmarking, inovação e qualidade total, bem como os novos processos tecnológicos, baseados no desenvolvimento da microeletrônica, da própria informática e o novo estilo de relações entre instituições, estruturado em bases de competição e cooperação. Considerando esse aspecto, pode-se ressaltar o que afirma Demenstein, (1999, p. 14): Tais desdobramentos decorrem do fato de que a competição nos dias de hoje está tão acirrada que a organização de maior visão já percebe que a verdadeira corrida, aquela que vale à pena ser disputada, está no futuro e não no presente. O ponto de partida e sobrevivência das organizações é sua visão estratégica. A visão é fruto da criatividade dos gestores a qual permite se posicionarem no tempo e no espaço ao diagnosticarem a situação presente podendo construir cenários futuros. Para tanto o insumo informações se reveste de importância vital. Desenvolver e sistematizar tais informações não é tarefa fácil, pois muitas vezes a busca é por informações preciosas dos concorrentes. Através de alguns conceitos e definições sobre benchmarking, notar-se-á que essa é a ferramenta adequada para a competitividade. Deve-se, também salientar que embora se trate de empresa pequena, sua gestão se pauta com toda a complexa organização correios que é o franqueador. Está baseada na necessidade de ver e compreender não apenas a própria organização, mas o grau de inserção social que tem e a forma de avaliar constantemente o mundo exterior, na procura permanente de oportunidades para melhoria das suas práticas, processos, custos, prazos e competitividade geral. É esta conjuntura em que vivem as organizações que fazem do benchmarking uma ferramenta de utilização regular, não só para conseguir o sucesso esperado, mas também para sobreviver no mercado, através dos seguintes benefícios: - Atender às exigências dos clientes. - Estabelecer metas e objetivos eficazes. - Medida real de produtividade, de acordo com sua missão. - Tornar-se competitivo. - Melhores práticas do mercado. Logo, toda a organização como organismo vivo que aprende e se adapta a novas realidades, deve desenvolver um salto transformacional que viabilize um novo ciclo de desenvolvimento, calcado na informação e no conhecimento. 2. Responsabilidades da Franquia para com ela mesma e com seus sócios - Compartilhar o conhecimento. - Atualizar o conhecimento. - Processar e aplicar o conhecimento. - Localizar o conhecimento internamente. - Adquirir o conhecimento externamente. - Criar novos conhecimentos. Depreende-se que o conhecimento é que dá o verdadeiro potencial das organizações. Alguns acham que falar em conhecimento, hoje, é mais apropriado para grandes corporações, o que não é verdade, pois, as pequenas e médias se buscarem o conhecimento, tornar-se-ão mais rápidas e conseqüentemente mais eficientes. Para derimir possíveis dúvidas, veja-se o que diz Drucker (1997, p.28) sobre esse assunto: [...] a formação de conhecimento já é o maior investimento em todos os países desenvolvidos. O retorno que um país ou uma empresa obtém sobre o conhecimento certamente será, cada vez mais, um fator determinante de sua competitividade. Cada vez mais a produtividade do conhecimento será decisiva para seu sucesso econômico e social e também para desempenho 2

3 econômico como um todo. E sabe-se que existem diferenças tremendas na produtividade do conhecimento entre países, entre indústrias e entre organizações individuais. 3. Estruturação do artigo Primeiro será feita uma abordagem sobre as responsabilidades da ACF (Agência de Correios Franqueada) para com o franqueador e para com a sociedade. Em segundo plano será abordada a problemática, estado-da-arte, ou seja, a justificativa da importância dessa ferramenta, analisar-se-ão os processos de gestão e seus respectivos impactos na vida da organização e de seus colaboradores, e, ainda as dificuldades que uma franquia de órgão público enfrenta na implementação de inovações. Elaborar-se-á uma síntese histórica do benchmarking, definições, tipos, etapas, vantagens e desvantagens e sua aplicação. Ainda referenciar-se-á à importância da inserção da ferramenta benchmarking como elemento alavancador da competitividade. Em terceiro lugar, desenvolver-se-á um capítulo sobre benchmarking, uma revisão conceitual: origem, a metodologia utilizada na implementação dessa ferramenta, suas áreas de concentração. Finalmente serão feitas algumas conclusões sobre a potencialidade da ferramenta e algumas propostas de melhoria para que a organização adquira um maior grau de competitividade. Serão sugeridos, também, tipos de trabalhos futuros que poderão ser desenvolvidos com relação à concepção da ferramenta e seus desdobramentos. 4. Obrigações de uma ACF dos Correios Em todos os casos de franquias de que se tem conhecimento, ou seja, a relação franqueado-franqueador sempre é mediada formalmente por contratos específicos. Nestes contratos constam as obrigações de ambas as partes. A seguir, serão descritas algumas obrigações da ACF, também algumas obrigações do franqueador, assim como seus direitos. Da ACF: - Utilizar a marca CORREIOS bem como as que venham a ser criadas, por exemplo SEDEX ; - Identificar-se em qualquer forma de comunicação visual, oral ou escrita, inclusive em campanhas publicitárias e promocionais, de acordo com a aprovação, instrução e orientação do franqueador; - Operar a ACF em estabelecimento comercial previamente aprovado pelo franqueador. - Proceder à instalação da ACF às expensas do franqueado, observadas as instruções contidas em manual específico, normas e recomendações da franqueadora; - Prestar os serviços somente no próprio local da ACF. - Manter em boa ordem as instalações. - Submeter ao franqueador qualquer projeto de alteração da loja, solicitação de alteração de endereço da ACF. - Operar exclusivamente todos os serviços autorizados pelo franqueador, mantendo estoques de produtos comercializados em quantidade e qualidade compatíveis com a demanda. - Os produtos comercializados pela ACF não poderão ser adquiridos ou transferidos de terceiros, inclusive de outras ACF s. - Manter o estoque físico dos produtos fornecidos pelo franqueador nas próprias dependências da ACF. 3

4 - O número de falhas operacionais registradas pela franqueadora, e que colocam em risco a qualidade da prestação de serviços pela franqueada, não poderá exceder a 3 (três) por um período de um ano na vigência deste contrato. - Observar rigorosamente todas as instruções contidas nos manuais, normas e recomendações da franqueadora, bem como na legislação específica dos serviços postais e telemáticos. Há outras obrigações, ao todo são 36 (trinta e seis). Citamos também algumas obrigações do franqueador, como segue: - Entregar à ACF, após a assinatura do contrato todos os manuais vinculados às atividades da ACF e os que regem a relação franqueadora x franqueada. - Treinar, assessorar e supervisionar gratuitamente, de forma a permitir a correta utilização das técnicas para prestação e crescimento do padrão de qualidade. - Providenciar a confecção de carimbos datadores. - Realizar coletas na ACF nos dias e horários previamente acordados. - Orientar para que as ações comerciais voltadas para os clientes finais sejam as mesmas praticadas no sistema comercial da franqueadora e no sistema Correios. Igualmente há outras obrigações do franqueador, não há necessidade de que sejam relacionadas todas, a intenção é mostrar que a relação franqueado x franqueador se dá de maneira própria, formal com todas as especificações necessárias para que não haja abusos de qualquer parte até mesmo infringindo leis. Com relação ao problema, nas pequenas empresas, mais especificamente nas franquias, a gestão estratégica pode ser vista como um processo de responsabilidade exclusiva da cúpula que direciona os objetivos, estabelece alternativas para o seu alcance, acompanha de perto a dinâmica dos acontecimentos e se posiciona sistematicamente durante todo o processo. Trata-se, portanto, de um processo de gestão centralizada que objetiva estabelecer de forma integrada o rumo a ser seguido, levando-se em conta as diversas alternativas de seu posicionamento frente ao ambiente. Entende-se, entretanto, que o desenvolvimento da motivação dos profissionais que constituem uma determinada organização está condicionada a algumas características gerenciais de responsabilidade exclusiva do corpo gestor da organização, como: 4.1 Motivação: as pessoas devem sempre ter desafios estimulantes compatíveis com suas habilidades e competências. 4.2 Autonomia: As pessoas devem ter grande liberdade para perseguir as metas estabelecidas pela organização. As metas, porém, precisam ser relativamente estáveis e claras. 4.3 Trabalho em equipe: diversidade de backgrouds deve ser o ponto de partida. Além disso, um espírito de cooperação para alcançar objetivos compartilhados deve ser encorajado. 4.4 Papéis da gerência e da alta administração: incentivo e encorajamento à geração de novas idéias e reconhecimento especial por contribuições inovadoras, estímulo ao compartilhamento de informações e conhecimento. 4.5 Aporte de recursos financeiros: os projetos inovadores precisam de recursos adequados, principalmente tempo e dinheiro. 5. Histórico do Benchmarking Benchmarking, de acordo com Oakland (1994, p. 183)provém de duas antigas verdades. A primeira datada no ano de 500 a.c., por um general chinês, (Sun Tzu, A Arte da guerra, 500 a.c.) o qual escreveu o que hoje é considerado como o cerne da prática do mesmo. Se você conhece seu inimigo e a si mesmo, não precisará temer o resultado de cem 4

5 batalhas, se você conhece a si mesmo e não conhece seu inimigo, a cada batalha vencida, também perderá uma, e se não conhece o seu inimigo e nem a si próprio, então perderá todas as batalhas. No campo da teoria da administração, os estudos realizados por Taylor são considerados referência, destacando-se o método científico na organização, com a finalidade de estimular a comparação de processos de trabalho, por exemplo, estabelecimento do tempo padrão das operações. Por conseguinte, os japoneses, pela sua característica da curiosidade e da inclinação por imitação, observou-se, um aperfeiçoamento da prática do Benchmarking para o desenvolvimento de produtos e de processos, aperfeiçoando-os até torná-los melhores do que os produtos de seus concorrentes. O grande boom do benchmarking dá-se nos anos 90, como um processo contínuo, sistemático para medir e comparar produtos, serviços e práticas de gestão organizacional. No Brasil, no início da década de 90, o Governo Federal lançou o Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade, destinado a melhorar os níveis de produtividade, confiabilidade e qualidade na indústria. Essa iniciativa alavancou um avanço significativo no desenvolvimento e crescimento do parque produtivo nacional. Recentemente, o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), por meio de convênio firmado pela Financiadora de Estudos e Projetos FINEP, permitiu agregar novos módulos da metodologia, admitindo a comparação da empresa, no que diz respeito à inovação e tecnologia, além dos módulos já conhecidos de produção (Qualidade, Logística, Produção Enxuta e Organização e Cultura). Ainda em parceria com o MCT, está em processo de desenvolvimento um grande projeto de multiplicação do programa de benchmarking no Brasil. 6. Definições Essencialmente é um processo comparativo de identificação, compreensão e adaptação de boas práticas de outras empresas consideradas como as melhores, com a finalidade de introduzir melhorias na organização e tentar levá-la ao nível dos concorrentes. Benchmarking é, segundo Camp (2002), a busca pelas melhores práticas que conduzem uma organização à maximização da performance empresarial. Colaborando com essa idéia Watson (1994), benchmarking é um método estruturado de aprendizagem de outras organizações e a aplicação desse conhecimento na melhoria dos processos de trabalho. Spendolini (2003) amplia ainda mais o conceito, quando afirma que benchmerking é um processo sistemático, estruturado, formal, analítico, organizado e contínuo, de longo prazo, para a avaliação de produtos, serviços e processos de trabalho de organizações, os quais são reconhecidos como as melhores práticas implementadas, com o objetivo de melhoria de todo o sistema organizacional. Pode-se destacar que todas as definições reforçam a idéia de que benchmarking é um procedimento de pesquisa, contínuo e sistemático, pelo qual se realizam comparações entre organizações, objetos ou atividades, criando-se um padrão de referência. A técnica de benchmarking objetiva a busca de pontos referenciais que comparem o desempenho com a concorrência, com o intuito de maximizar a produtividade naquele aspecto. Indica um processo estruturado de identificação daquilo que se deseja aperfeiçoar, um processo de aprendizagem, tentando adaptar as melhores práticas do processo à cultura da organização. Sabe-se que nenhuma organização é melhor em tudo o que faz, implica reconhecer que outra, geralmente possui algo com o qual pode-se aprender. O benchmarking instiga as 5

6 organizações a buscar, além das suas divisões, fatores chaves que influenciam a produtividade e os resultados. 7. Tipos de benchmarking Segundo Watson(1994) o benchmarking subdivide-se em dois grandes aspectos: O que se pretende comparar e com quem se pretende comparar. Na primeira concepção a organização pode comparar parâmetros críticos e divide-se em: - De níveis de desempenho. - De performance de processo. -De atuação estratégica: alocação de recursos, seleção de novos investimentos e desenvolvimento de mercado. Ainda para Watson (1994) a organização concentrará estudos em questões específicas estratégicas, tais como: definição de objetivos pela cúpula organizacional, mudanças de direção estratégica, alterações (gradativas) na cultura da organização, questões relacionadas com infra-estrutura, tomadas de decisões, modelos de gestão, são os principais: - De tecnologia de produtos. - Interno, que é a comparação de processos entre departamentos, unidades, setores, divisões, filiais, outras unidades da mesma organização. Convém salientar que esse tipo de benchmarking se reverte em um processo muito rápido pela facilidade de obtenção de informações com os próprios pares. Apesar das facilidades do benchmarking interno não é tão valioso quanto o externo, porquanto, se for uma empresa de pequeno porte, há carência de processos similares para comparação. Também omite a busca de práticas novas, ou as grandes e recentes novidades. - Competitivo, talvez seja a verdadeira essência do benchmarking, a consecução de informações dos outros (concorrentes) poder-se-ia afirmar que se trata de uma pesquisa de alto nível, para a qual não há fórmulas prontas, é muito circunstancial e contingencial. Segundo Boxwel, (1996), deve a organização comparar o que ela está fazendo com o que seus concorrentes estão fazendo, a maneira pela qual a sua organização está fazendo com o modo como os seus concorrentes estão fazendo. 7.1 Etapas do benchmarking A implementação do processo de benchmarking até sua conclusão, tanto para o desenvolvimento interno, quanto para um programa externo da organização é indispensável o cumprimento de etapas. Assim, essa lógica é delineada por Camp (2002 p. 14): É importante, entretanto, compreender as fases genéricas e sua base lógica. O processo de benchmarking consiste em cinco fases. O processo se inicia com uma fase de planejamento e prossegue através de análise, integração, ação e finalmente maturidade. Na fase de planejamento, o objetivo é planejar as investigações do benchmarking. Consiste em identificar o objeto de estudo. Deve-se considerar que se ele for muito abrangente, as informações serão superficiais e se tiver um foco mais restrito, certamente obterá resultados mais profundos. Define-se o método a ser utilizado nas pesquisas, o tempo e o custo dispendido. Na análise, são considerados os dados e a avaliação dos aspectos positivos e negativos 6

7 das organizações. Apesar do benchmarking ser uma prática de comparações, é preciso ser cuidadosos com o que ocorre em uma organização, nunca se esquecendo de que cada organização é única. Assim pode-se verificar um certo insucesso em querer, apenas e simplesmente transportar situações vitoriosas para outras que não possuem as mesmas características culturais. Na integração, procede-se a incorporação. É importante deixar bem claro a todos os interessados da exatidão a credibilidade de tais informações para que produzam os efeitos esperados e projetados. A ação é o momento em que essas práticas serão postas para funcionar de maneira efetiva. Faz-se necessário um acompanhamento e um estabelecimento de indicadores, através dos quais poder-se-á medir o progresso das práticas do benchmarking. Até os pequenos avanços devem ser comunicados a todos para que todo o processo seja cada vez mais aceito e aprovado. Como última etapa, segundo Camp (2002), a maturidade a qual será obtida quando as práticas pesquisadas e incorporadas aos processos organizacionais assegurarem a superioridade competitiva, e [...] quando o benchmarking se torna uma faceta permanente, essencial e autodesencadeada do processo gerencial. 8. Vantagens e Desvantagens do benchmarking A principal é o hábito que toda a organização adquire de interagir com o ambiente, realizar pesquisas e estabelecer um processo de melhoria contínua. Outras vantagens, segundo Camp (2002) a organização verificará: - Possibilitar que as melhores práticas existentes possam ser incorporadas na organização. - Proporcionar estímulo aos colaboradores da organização, os quais estarão envolvidos em processos de criatividade. - Buscar os avanços tecnológicos que de outra forma não seriam sistematizados. - Agregação de valor advindo do benchmarking. - Pode melhorar o estabelecimento de indicadores para medir o desempenho dos processos. - Tornar-se competitivo, através do conhecimento conseguido dos concorrentes. Dificuldades, também são verificadas na implementação dessa ferramenta, encontramos em O Dell (2000) algumas delas que se apresentam como dificultadoras ao benchmarking: - Equipes mal estruturadas para a implantação do benchmarking. - Ausência de motivação na busca de melhores práticas. - Recursos financeiros escassos ou insuficientes, tempo insuficiente para busca das melhores práticas. - A cúpula gerencial não se envolve, não se compromete. - O objeto pesquisado está em desacordo com a missão e objetivos da organização. - O não gerenciamento de todo o processo de benchmarking, deixa de garantir bons resultados. É indispensável que a organização desenvolva alguns traços culturais de querer aprender com a massa crítica dos outros. Esses traços culturais é que serão os sustentáculos da melhoria contínua na organização. E através do aprendizado a organização se permitirá 7

8 vislumbrar oportunidades e igualmente ameaças, construindo assim um atalho para o atingimento da excelência. 9.Conclusões Após a pesquisa conceitual e bibliográfica no sentido de encontrar respostas positivas e técnicas válidas de como aplicar o benchmarking em uma empresa de pequeno porte chegase a algumas conclusões. Diante da obrigatoriedade que tem uma franquia dos correios de se manter competitiva, com sua gestão voltada para um aprendizado constante, a ferramenta benchmarking, pela sua caracterização de vanguarda, é a mais indicada. Durante o estudo chegou-se a algumas evidências, por exemplo, é preciso desaprender as técnicas de gestão do passado. E quando se fala em passado não se está referindo há muito tempo e sim duas, talvez três, décadas, o que em termos de história é pouco tempo. A organização correios do Brasil realiza benchmarking, até em outros países, como o Canadá. Por extensão as franquias, que têm, até por força de contratos que praticar os mesmos serviços, vender os mesmos produtos, com as mesmas políticas de atendimento com qualidade, urge que trilhem o caminho do aprendizado constante rumo à excelência. Na exposição de motivos aos colaboradores da franquia dos correios, objeto desse estudo, houve compreensão de todos de que o benchmarking se constitui na ferramenta mais adequada de pesquisa na busca de qualidade, tanto na venda de produtos como na prestação de serviços. 10. Referências Bibliogrãficas BOXWELL, R. J. Vantagem Competitiva Através do Benchmerking. São Paulo: Mackron Books, CAMP, R. C. Benchmarking: O Caminho da Qualidade Total, 3. Ed. São Paulo: Pioneira, 2002 DEMENSTEIN, G. Por que o Diploma é Bobagem. Folha de São Paulo, São Paulo, 12 dez DRUCKER, P. F. A Sociedade Pós-Capitalista. São Paulo: Pioneira, OAKLAND, J. Gerenciamento da Qualidade Total (Tradução: Adalberto Guedes Pereira) São Paulo: Nobel, O DELL, C.; GRAYSON Jr., C. J. Ah...se soubéssemos antes o que sabemos agora: as melhores práticas gerenciais ao alcance de todos. São Paulo: Futura, SPEDOLINI, M. J. Benchmarking 2. Ed. São Paulo: Mackron Books, WATSON, G. Benchmarking Estratégico: Como Transformar as Técnicas de benchmarking em fator de Competitividade e Acréscimo de Produtividade. São Paulo: Mackron Books, EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS. - acessado em 06/

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

BENCHMARKING: SER O MELHOR ENTRE OS MELHORES RESUMO

BENCHMARKING: SER O MELHOR ENTRE OS MELHORES RESUMO BENCHMARKING: SER O MELHOR ENTRE OS MELHORES Catiusa Daiane Brum 1 Mônica Sanagiotto 2 Monique Herber 3 Tiago Feron 4 RESUMO O cenário competitivo que existe atualmente exclui constantemente as empresas

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 1) Conceito e Processo do Planejamento Estratégico Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Origem da Estratégia: Originalmente

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Leonardo Pinheiro Morel (FEG-UNESP) pro04096@feg.unesp.br Prof. Dr. Ubirajara Rocha Ferreira (FEG-UNESP) ferreiur@feg.unesp.br

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra 29/03/12 Com planejamento cuidadoso e detalhado, pode-se vencer; com planejamento descuidado e menos detalhado, não se pode vencer. A derrota é mais do que certa se não se planeja nada! Pela maneira como

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

hem.consultoria@terra.com.br

hem.consultoria@terra.com.br Conceito Básico: Gestão do Conhecimento Significa rever, organizar as políticas, processos e ferramentas de gestão e tecnológicas frente a uma melhor compreensão dos processos de GERAÇÃO, IDENTIFICAÇÃO,

Leia mais

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC.

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC. Plano de Ensino CURSO: MBA Regular - Negócios Internacionais DISCIPLINA: Plano de Internacionalização Banca Final Última revisão: Abril/2015 Horas-aula: Orientação do projeto: 30 Desenvolvimento do projeto:

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES.

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Prof. Edson Costa Aildefonso FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Qualquer um de nós que possua alguma experiência em trabalho de grupo sabe como é difícil desenvolver maneiras criativas para

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Planejamento de Marketing.

Planejamento de Marketing. Planejamento de Marketing. Análise de Mercado Identificação de Riscos e Oportunidades Segmentação de mercado; Seleção de mercado alvo Objetivos de Marketing Estratégia de diferenciação de produto Estratégia

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Armando Paulo da Silva (CEFET-PR/CP) armando@cp.cefetpr.br Eurico Pedroso de Almeida Júnior (CEFET-PR/CP) eurico@cp.cefetpr.br

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Gustavo Figueiredo 2 Resumo O IBAMETRO - Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade, autarquia ligada

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

O&M Organizações e Métodos I

O&M Organizações e Métodos I UFF Universidade Federal Fluminense O&M Organizações e Métodos I UNIDADE I INTERODUÇÃO À O&M Fabio Siqueira 1. Apresentação do professor 2. Teste de sondagem (reconhecimento da turma) 3. Apresentação dos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais

DISCIPLINA: PLANEJAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL SIGLA: PGA VIRGÍNIA GRACE BARROS

DISCIPLINA: PLANEJAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL SIGLA: PGA VIRGÍNIA GRACE BARROS DISCIPLINA: PLANEJAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL SIGLA: PGA VIRGÍNIA GRACE BARROS Apresentação Plano de Ensino De acordo com o disponibilizado. Datas de ausência, verificação de datas de reposição 11, 12, 13

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS

FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS ROGERIO LEME rogerio@lemeconsultoria.com.br /rogeriolemeoficial PUBLICAÇÕES ALGUNS DOS NOSSOS CLIENTES SETOR PÚBLICO SERVIÇOS

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

O EMPREENDEDORISMO NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR O EMPREENDEDORISMO NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Regina Arns da Rocha 1 Prof. Dr. Victor Meyer Jr 2 Resumo. O objetivo deste trabalho é examinar a importância da prática do empreendedorismo

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS Avaliação e diagnóstico da gestão organizacional Proposta Núcleo Técnico da Rede QPC Compromisso com a Excelência 7ª EDIÇÃO 250 pontos Rede de Qualidade, Produtividade

Leia mais

Legitimação dos conceitos face às práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face às práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (GESTÃO FINANCEIRA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profª. Dra. Neyde Lopes de Souza Prof. Ms. Luiz Vieira da Costa SUMÁRIO Pág. 1. Apresentação...

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 INDICE 04 O que é o Outsourcing? 09 Como o implementá-lo na sua empresa 11 Vantagens e desvantagens 13 Conclusão

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

CONQUISTANDO A EXCELÊNCIA

CONQUISTANDO A EXCELÊNCIA O FRANCHISE COLLEGE é um centro de referência em educação e geração de conhecimento em franchising. Valorizamos a pesquisa fundamentada em soluções reais que contribuam para o aprimoramento do franchising

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Liderança, Cultura e Segurança

Liderança, Cultura e Segurança Liderança, Cultura e Segurança Uma Introdução à Abordagem Liderando Com Segurança (LWS ) da BST A obtenção de melhores resultados em segurança está associada à capacidade da organização de conectar as

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

-Dominios do Exame CCSA

-Dominios do Exame CCSA -Dominios do Exame CCSA Os tópicos do exame de CCSA são divididos em seis Domínios 1 : I - Fundamentos de CSA (5-10%) II - Integração do Programa de CSA (15-25%) III - Elementos do Processo de CSA (15-25%)

Leia mais

O uso das ferramentas de gestão da tecnologia nas pequenas e microempresas da cidade de Ponta Grossa - PR

O uso das ferramentas de gestão da tecnologia nas pequenas e microempresas da cidade de Ponta Grossa - PR O uso das ferramentas de gestão da tecnologia nas pequenas e microempresas da cidade de Ponta Grossa - PR Adm. Cesar Eduardo Abud Limas (UTFPR) cesar@interalfa.com.br Prof. Dr. Luciano Scandelari (UTFPR)

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS Titulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Capítulo I Dos Fundamentos Art. 1º. Este Regulamento rege as Atividades de Estágio

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER C. Bringhenti, M. Eng.* E. M. Lapolli, Dra.** G. M. S. Friedlaender, M. Eng* * Doutorandos do Curso de Pós Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Autores 1 : Leandro Martins de Paiva Maria Aparecida Lepre Willian Pinheiro Orientador 2 : Prof. Maurílio Villa RESUMO O objetivo deste trabalho foi de efetuar

Leia mais