R E S O L U Ç Ã O Nº 02/2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "R E S O L U Ç Ã O Nº 02/2012"

Transcrição

1 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 DATA: 13 dez 2011 ELABORAÇÃO: Vancler Pinto Marcos Santos VERIFICAÇÃO: Élbio APROVAÇÃO: Márcia Rosa SUMÁRIO 1. OBJETIVO DOCUMENTOS RELACIONADOS APLICAÇÃO DEFINIÇÕES RESPONSABILIDADES CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS PROCEDIMENTO DE ENTRADA E TRABALHO EM ESPAÇOS TREINAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS... 7 ANEXOS...8 1

2 A Diretoria Executiva, no exercício das competências instituídas no Estatuto Social, Acordo de Acionistas e Regulamento Interno da Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul, considerando a necessidade de regulamentar o procedimento de Prevenção de Riscos em Espaços Confinados, RESOLVE estabelecer o que segue: 1. OBJETIVO Esta norma tem como objetivo definir os procedimentos a serem adotados nas fases de planejamento, execução e conclusão de trabalhos em espaços confinados, visando garantir a segurança das pessoas e das instalações durante a operação, manutenção dos equipamentos e/ou em situações de emergência. 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS Portaria n.º 202/2006 NR 33: Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. NBR Espaço Confinado Prevenção de Acidentes em Espaços Confinados. NBR Entrada em Espaço Confinado. NBR IEC Classificação de Áreas. Resolução 04/ Sulgás: Credenciamento das Prestadoras de Serviços e suas Subcontratadas. Resolução 13/ Sulgás: Permissão para Trabalho. 3. APLICAÇÃO Aplica-se esta norma a todos os trabalhos a serem executados por empregados da SULGÁS ou de empresas contratadas em instalações da Companhia que se enquadre no conceito de Espaço Confinado. 4. DEFINIÇÕES Acesso ao espaço confinado: Ação pela qual as pessoas ingressam através de uma abertura para o interior de um espaço confinado. Nota: Essa ação passa a ser considerada, como tendo ocorrido, logo que alguma parte do corpo do trabalhador ultrapasse o plano de uma abertura do espaço confinado. Análise Preliminar de Riscos (APR): Técnica de identificação de perigos e avaliação de riscos, executada por equipe constituída por representantes das gerências envolvidas no planejamento da liberação do equipamento ou sistema, 2

3 como também no planejamento da execução do trabalho a ser realizado, para detalhamento das ações de prevenção e mitigação de acidentes que podem ocorrer durante a sua execução. Atmosfera de Risco: Condição em que a atmosfera, em um espaço confinado, possa oferecer riscos ao local e aos trabalhadores, em função de alguma(s) das seguintes causas: - Gás, vapor ou névoa inflamável em concentrações superiores a 10 % do seu Limite Inferior de Explosividade (LIE); - Concentração de oxigênio atmosférico, em volume, abaixo de 19,5 % ou acima de 23,5%; - Concentração atmosférica de qualquer substância acima de seu limite de tolerância e identificada pelo equipamento analisador de gases (oxiexplosímetro). Avaliação do Local: Processo de análise onde os riscos aos quais os trabalhadores possam estar expostos num espaço confinado, sendo identificados e quantificados. A avaliação inclui a especificação dos ensaios que devem ser realizados e os critérios utilizados. Condição Imediatamente Perigosa à Vida ou à Saúde (IPVS): Qualquer condição que cause uma ameaça imediata à vida ou que possa causar efeitos adversos irreversíveis à saúde ou que interfira com a habilidade dos indivíduos para escapar de um espaço confinado sem ajuda. Emergência: Qualquer interferência, incluindo qualquer falha nos equipamentos de controle e monitoração de riscos ou evento interno ou externo, no espaço confinado, que possa causar perigo aos trabalhadores. Equipamento de Resgate: É o conjunto de equipamentos que inclui, sem estar limitados a movimentadores individuais de pessoas, linha de vida, cinto de corpo inteiro, dispositivo de içamento (polias, mosquetões, cordas, blocantes) e tripé, usados pela equipe de trabalho nos espaços confinados liberados. Equipamento Intrinsecamente Seguro (Ex-i): Situação em que um equipamento não é capaz de liberar energia elétrica (faísca) ou térmica suficiente para, em condições normais, isto é, abrindo ou fechando o circuito, ou anormais, como por exemplo, curto-circuito ou falta a terra, causar a ignição de uma dada atmosfera explosiva, conforme expresso no certificado de conformidade do equipamento. Espaço Confinado: Qualquer local ou área não projetado para ocupação contínua, com meios limitados de entrada e saída, cuja configuração interna possa provocar aprisionamento, asfixia, risco de explosão e na qual a ventilação existente é insuficiente para remover contaminantes perigosos. Na Sulgás, são considerados espaços confinados todas as caixas de válvulas da Rede de Distribuição de Gás Natural (RDGN) que contenham Gás Natural ou Nitrogênio. 3

4 Limite Inferior de Explosividade (LEL) - Lower Explosive Limit: Mínima concentração na qual a mistura ar/combustível se torna inflamável. Permissão de Entrada e Trabalho em Espaço Confinado (PET): É a autorização, dada por escrito, em documento próprio, para permitir a entrada das equipes para a realização de trabalhos em espaços confinados. Sua emissão é realizada pelo responsável pelo equipamento ou técnico de operação autorizado pelo gerente da área, sendo necessária a capacitação de Supervisor de Entrada, conforme NR 33, podendo ser assessorado por um Técnico/Engenheiro de Segurança, que após inspeção e avaliação das condições do equipamento, fará o registro do monitoramento e preenchimento da lista de verificação. Supervisor de Entrada: Profissional capacitado para emitir a Permissão de Entrada e Trabalho em Espaços Confinados (PET), para o desenvolvimento de entrada e trabalho seguro no interior de espaços confinados. Nota: Nos termos deste procedimento o Supervisor de Entrada, também pode atuar como vigia ou como trabalhador autorizado, desde que seja uma pessoa treinada e equipada. Rede de Distribuição de Gás Natural (RDGN): Composta pelo conjunto de válvulas e tubulações destinadas à distribuição de gás natural. Trabalhador Autorizado: Profissional capacitado que recebe autorização, mediante o documento formal da Permissão de Entrada e Trabalho em Espaço Confinado (PET), para entrar em um espaço confinado. Vigia: Trabalhador treinado que se posiciona fora do espaço confinado, controlando e monitorando os trabalhadores autorizados, promovendo a evacuação e/ou solicitando resgate em situação de emergência. Atestado de Saúde Ocupacional (ASO): É o atestado que define se o funcionário está apto ou inapto para a realização de suas funções dentro da empresa. Aterramento Elétrico Provisório (AEP): Conexão elétrica temporária entre o gasoduto e o solo, intencionalmente efetuada, visando promover a equipotencialização entre superfícies condutoras de eletricidade e o solo local. Equipamentos de Proteção Individual (EPI): Dispositivo de uso individual, de fabricação nacional ou estrangeira, destinado a proteger à saúde e a integridade física do trabalhador. 5. RESPONSABILIDADES 5.1. Do Supervisor de Entrada a) Emitir a Permissão de Trabalho antes do início da atividade. b) Realizar a avaliação dos riscos antes de liberar o acesso ao espaço confinado. 4

5 c) Assegurar-se que as medidas de controle e de emergência necessárias estão disponíveis. d) Liberar em condições seguras o acesso ao espaço confinado. e) Proibir o acesso ao espaço confinado se as condições de entrada não estiverem seguras. f) Orientar os trabalhadores sobre os riscos da atividade e as medidas de controle que devem ser adotadas. g) Determinar o abandono do espaço confinado em caso de risco iminente Do Vigia a) Permanecer fora do espaço confinado em contato permanente com os trabalhadores autorizados. b) Adotar os procedimentos de emergência, acionando a equipe de salvamento pública ou privada, quando necessário. c) Operar o equipamento de resgate, caso seja necessário. d) Ordenar o abandono do espaço confinado, sempre que reconhecer algum sinal de alarme, perigo, sintoma, queixa, condição proibida, acidente ou quando não puder desempenhar suas tarefas nem ser substituído por outro vigia. 6. CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS 6.1. Na condição IPVS (Condição Imediatamente Perigosa à Vida ou à Saúde) não será permitido o acesso ao espaço confinado para realização de qualquer tipo de tarefa. Os fatores que caracterizam tal condição deverão ser eliminados Os serviços no interior de espaços confinados devem ser executados preferencialmente durante o horário de expediente normal de trabalho (horário administrativo) Utilizar em espaços confinados, somente aparelhos elétricos com classificação elétrica em conformidade com a atmosfera existente. Procedimentos detalhados estão no Anexo 1 deste procedimento Conjuntos de oxicorte, cilindros de gases em geral e bombonas de produtos químicos, que podem desprender vapores ou gases perigosos, não devem ser introduzidos em espaços confinados. Nos intervalos de paralisação dos trabalhos, as mangueiras de oxigênio devem ser retiradas do interior do espaço confinado Trabalhos em caixas de válvula em áreas onde estiverem ocorrendo descargas atmosféricas, devem ser interrompidos. 7. PROCEDIMENTO DE ENTRADA E TRABALHO EM ESPAÇOS 7.1. Sinalização 5

6 Antes da entrada nos espaços confinados, os locais de trabalho devem ser sinalizados com placas e/ou cones, de acordo com o explicitado nos Anexos 3 e Liberação de Entrada Todo acesso a espaços confinados deve ser liberado pelo Supervisor de Entrada, após a avaliação do local e emissão da PET (Permissão de Entrada e Trabalho em Espaço Confinado), conforme sistemática da Resolução n.º 13/2009: Permissão para Trabalho Somente empregados terceirizados autorizados, conforme indicação no crachá, podem acessar espaços confinados Antes do acesso, os empregados devem ser orientados quantos aos riscos da atividade e às medidas de controle que devem ser adotadas Análise de risco e medidas de controle A análise dos riscos presentes na tarefa deve ser efetuada pelo Supervisor de Entrada, através da avaliação do local e da avaliação da atmosfera do espaço confinado com equipamento oxi-explosímetro A atmosfera segura para liberação da entrada deve ser: O 2 LEL CO H 2S 19,5 < O 2 < 23% LEL < 10% CO < 39 ppm H 2S < 8 ppm Os riscos presentes nos espaços confinados precisam ser devidamente eliminados, neutralizados ou minimizados a níveis toleráveis, de modo a garantir a saúde e a integridade física dos trabalhadores É terminantemente proibido ventilar o espaço confinado com oxigênio puro Enquanto houver a presença de pessoas no interior do espaço confinado, este será monitorado quanto à explosividade e teor de oxigênio Para o acesso aos espaços confinados, devem ser providenciados equipamentos de resgate e EPI (Equipamentos de Proteção Individual), de acordo com o definido no Anexo 4, ou em análise de risco específica Após o acesso, o vigia deve permanecer fora do espaço confinado em contato com o trabalhador autorizado, verificando as condições de segurança do local, sendo proibida a realização de atividades que prejudiquem as suas responsabilidades como vigia É vedado ao vigia, entrar no espaço confinado, salvo se substituído por outro vigia, e se existirem condições de entrada seguras Detectada alguma situação de risco, interna ou externa ao espaço confinado, ou ainda, se o vigia não puder desempenhar efetivamente seus deveres, 6

7 deverá ser determinado aos trabalhadores o imediato abandono do espaço confinado, sendo a situação comunicada ao supervisor de entrada. 8. TREINAMENTO 8.1. A Sulgás deverá providenciar, conforme NR 33, treinamento teórico e prático para os empregados que atuam como vigias, ou executam/liberam atividades em espaços confinados As empresas contratadas devem encaminhar à Sulgás os certificados de capacitação para trabalho em espaços confinados de seus empregados, conforme determinado pela NR CONSIDERAÇÕES GERAIS 9.1. As empresas contratadas deverão fornecer à Sulgás, os Atestados de Saúde Ocupacional (ASO) dos seus empregados, mantendo controle específico daqueles que apresentam restrições físicas ou psicológicas para a entrada em espaços confinados Esta normativa entra em vigor 30 (trinta) dias a partir da data de sua assinatura, revogando todas as disposições internas que com ela colidirem e deverá ser revisada pela Gerência de QSMS a cada 3 (três) anos. 10. ANEXOS Fazem parte desta normativa, os seguintes anexos: Anexo 1 - Procedimento para Instalação e Utilização de Equipamentos Elétricos em Ambientes Confinados Anexo 2 - Operação em Caixas de Inspeção com Interferência de Corrente Alternada Anexo 3 Classificação dos Espaços Confinados Anexo 4 Análise Preliminar de Risco Porto Alegre, 09 de fevereiro de ROBERTO DA SILVA TEJADAS Diretor-Presidente DARIU ETCHICHURY FILHO Diretor de Administração e Finanças FLÁVIO RICARDO SOARES DE SOARES Diretor Técnico-Comercial 7

8 ANEXOS 8

9 ANEXO 1 - Procedimento para Instalação e Utilização de Equipamentos Elétricos em Ambientes Confinados Deve-se consultar o relatório de classificação de área potencialmente explosiva pertinente a cada local especificamente, anteriormente a instalação ou uso de qualquer equipamento elétrico, a fim de obter a respectiva classificação, atentando à especificação dos tipos de materiais elétricos indicados para cada um dos casos. Tipos de Luminárias: devem ser utilizadas lanternas com segurança intrínseca, à prova de explosão ou segurança aumentada. Caso a lanterna não atenda as necessidades de iluminamento, devem ser utilizadas luminárias com as mesmas propriedades citadas. As luminárias devem possuir: a) Empunhadura em material isolante; b) Grade e globo de proteção em condições de uso; c) Gancho metálico para sustentação; d) Extremidade do cabo de alimentação dobrado fixado na empunhadura. Cabos: deverão ser de PVC anti-chama com 2 ou 3 condutores (segundo norma ABNT), podendo ter emendas devidamente isoladas com 2 camadas de fita plástica. As emendas devem atender os seguintes requisitos: Cabos com bitola compreendida entre 4mm 2 a 10mm 2: a) Emendas desencontradas; b) Isolamento com camada de fita de auto-fusão. Cabos com bitola acima de 10mm 2. a) Emendas com conectores prensados; b) Isolamento com camada de fita de auto-fusão. - Os cabos para luminárias à prova de explosão deverão ser do tipo isolação reforçada e não apresentar emendas. Ligações: as ligações do sistema de iluminação para ambientes confinados deverão ser efetuadas em tomadas apropriadas para evitar erros nas tensões e riscos de acidentes, localizadas na parte externa do local a ser iluminado. - Equipamentos elétricos, como painéis ou transformadores que não sejam à prova de explosão, não poderão estar localizados em áreas que apresentem gases ou vapores inflamáveis. Recomendações Adicionais - O manuseio da luminária deve ser feito pela empunhadura, evitando o máximo o manuseio através do cabo de alimentação. - A dobra do cabo de alimentação, resultante da fixação do mesmo à empunhadura, não deve ser utilizada como alça de sustentação da luminária. 9

10 ANEXO 2 - Operação em Caixas de Inspeção com Interferência de Corrente Alternada Todas as caixas de inspeção com interferência de corrente alternada são equipadas com sistema de aterramento temporário. Para conectar a rede de aterramento ao gasoduto, utilizar a caixa de Conexão Duto Aterramento (CDA), localizada ao lado da caixa de inspeção. Conexão Duto x Aterramento (CDA) Sempre que houver necessidade de entrar em uma caixa de inspeção do gasoduto com interferência de corrente alternada, deve-se verificar a existência da caixa de CDA (Conexão Duto Aterramento), caso não houver, verificar a necessidade, e comunicar imediatamente a Gerência de Operações. Em caso de dúvidas, entrar em contato com a Gerência de Operações para que esta informe as condições da caixa que se vai trabalhar. Para aterrar o gasoduto é necessário conectar os terminais na caixa CDA (Conexão Duto Aterramento), esta deve estar localizada ao lado da caixa de inspeção. a) CDA com três terminais: NOTA: Usar cabos com terminais tipo olhal em suas extremidades, bitola 6mm 2 ou maior, flexível. Utilizar parafusos e porcas para efetuar a interligação dos cabos aos terminais. 10

11 b) CDA com dois terminais: Inicialmente, o operador interliga os terminais com garras jacarés, eliminando assim a possibilidade de choque. Após esta interligação, posicionar o cabo, apertando os parafusos de forma que fiquem firmes mecanicamente, promovendo também um firme e bom contato elétrico entre o cabo de interligação e os terminais elétricos. Ligar os cabos conforme as ilustrações acima (a e b). Uma vez conectados os terminais, a caixa pode ser aberta. Enquanto houver trabalho em andamento dentro da caixa, os terminais devem permanecer conectados. ATENÇÃO: Este procedimento não substitui a PET (Permissão de Entrada e Trabalho). A operação em local confinado deve ser feita conforme procedimento específico. A ligação através de jacarés é somente uma medida de segurança para evitar possíveis descargas elétricas na interligação dos cabos, não devendo ser considerado como aterramento definitivo para ingresso na caixa. Trabalhar somente em dias que não esteja chovendo e com a caixa totalmente esgotada (sem água). Existem caixas de válvulas que contém dispositivo de drenagem de correntes alternadas, de nome PCR, fabricado pela Dairyland, estes equipamentos drenam as correntes alternadas e mantêm as correntes contínuas que são provenientes do retificador de proteção catódica. Assim consegue-se proteger o gasoduto contra corrosão e ao mesmo tempo as pessoas que tenham que entrar em contato com o gasoduto. Mas como é um equipamento que pode falhar, apesar da alta confiabilidade, deve-se fazer a interligação de aterramento nas CDA s (Conexões Duto Aterramento) sempre que alguém tenha que entrar em contato com o gasoduto. Nas próximas páginas estão disponibilizados o desenho do equipamento e como o mesmo está instalado. 11

12 Figura 1 - Equipamento PCR Dairyland 12

13 Caixa de válvula com junta de isolação elétrica supressor de transientes Aterramento Junta de isolação elétrica PCR Dairyland Figura 2 - Esquema de ligação do PCR Dairyland no gasoduto e na caixa CDA 13

14 ANEXO 3 CLASSIFICAÇÃO DOS ESPAÇOS Os espaços confinados (caixas de válvulas) são classificados, de acordo com a sua profundidade e localização, conforme a tabela a seguir: Tabela 1 - Classificação de Espaços Confinados (Caixas de Válvulas) Classe Profundidade Localização 1 A < 1,50m (1) Calçada, passeio, terreno baldio (A) 1 B < 1,50m (1) Via Pública (B) 2 A > 1,50m (2) Calçada, passeio, terreno baldio (A) 2 B > 1,50m (2) Via Pública (B) Tabela 2 - Sinalização com Cones, para trabalhos em Espaços Confinados, em via pública (Classe 1B e 2B) Velocidade da Via Distância do 1º Cone (metros) Espaçamento entre Cones (metros) Números de Cones 20 km/hora km/hora km/hora km/hora km/hora

15 ANEXO 4 ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO Tabela 3 - Análise de Riscos Atividade Principais riscos presentes Medidas básicas de controle Trabalho em caixa de válvula Trabalho em via com trânsito de veículos Explosão / Incêndio Asfixia Quedas / Impactos / Cortes Esmagamento de dedos e pés Umidade / Risco biológico Calor / Desidratação Demais exigências Atropelamento Avaliação da atmosfera antes da entrada e de maneira contínua após a entrada. Uso do aerador para ventilar a atmosfera do espaço confinado, em caso de necessidade. Uso de capacete com jugular, botinas de segurança e luvas de raspa, vaqueta, malha ou nitrílica. Uso de sistema de resgate com tripé e cinto tipo paraquedista nas caixas com profundidade superior a 1,50m (classe 2A e 2B). Em outros casos, usar somente cinto de resgate com corda. Uso de ferramentas adequadas para abertura da tampa da caixa de válvula. Drenagem do local alagado. Uso de botinas e/ou calças impermeáveis. Disponibilizar água. Realizar pausas para descanso, conforme a necessidade da equipe. Realizar DSMS* antes da entrada, a fim de esclarecer os procedimentos de trabalho, riscos, medidas de controle, entre outros itens relevantes. Certificar-se de que somente trabalhadores capacitados executarão atividades em caixa ou atuarão como vigia (ver crachá). Sinalizar e isolar a área de trabalho de modo a evitar interferência ou aproximação de pessoas não autorizadas. Uso de colete refletivo. Uso de sinalização com cones e placas de acordo com a tabela

E NOS TRAB E NOS TR ALHOS EM

E NOS TRAB E NOS TR ALHOS EM SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS DEZ/2014 1 ÍNDICE Objetivo Definição... 04 Oque É Espaço Confinado... 05 Onde É Encontrado O Espaço Confinado... 06 Quais São Os Tipos De Trabalhos

Leia mais

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS PORTARIA N.º 30, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 Divulgar para consulta pública a proposta de texto de criação da Norma Regulamentadora N. º 31 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. A SECRETÁRIA

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

Higiene e segurança no trabalho

Higiene e segurança no trabalho Higiene e segurança no trabalho Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

Leia mais

Inclui no "Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração" as ementas referentes à Norma Regulamentadora nº 33

Inclui no Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração as ementas referentes à Norma Regulamentadora nº 33 SIT - Portaria nº 39/2008 25/2/2008 PORTARIA SIT Nº 39, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2008 DOU 25.02.2008 Inclui no "Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração" as ementas referentes à Norma Regulamentadora

Leia mais

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO Elaborado por Ana Karolina Kalil Visto Aprovado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 25/04/2014 - Emissão inicial 1. OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo.

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo. Recomendações Jurídico-Trabalhistas Interessados: Federação das Associações de Arrozeiros do Estado Rio Grande do Sul Federarroz e Outros Assunto: Resumo Referente Às Obrigações Patronais Trabalhistas

Leia mais

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1 Riscos adicionais Riscos adicionais De altura; De ambientes confinados; De áreas classificadas; De umidade; Condições atmosféricas; Ataque de animais peçonhentos/domésticos. Altura Trabalho em altura é

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Determinar a metodologia para substituição de condutor de média tensão, em vão de rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP PCMSO/GEAP 6.1.23.1 Providenciar atestados e exames Todo trabalho em eletricidade deve ser planejado, organizado e executado por empregado capacitado e autorizado. Para executar trabalhos em altura, o

Leia mais

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim)

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PROCEDIMENTO DE SMS Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PR-99-993-CPG-009 Revisão: 00 Aprovação: 30/05/2014 Página: 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos de segurança para

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para Substituição e Manutenção de Chaves Fusíveis de Transformador em rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis

Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis Inflamáveis Características e propriedades Muitos acidentes são evitados ou atenuados quando as características

Leia mais

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes?

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Publicado em 13 de outubro de 2011 Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA)

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos diversos relacionados com a

Leia mais

ESPAÇOS CONFINADOS. Paula Scardino Coordenadora da Norma Brasileira NBR 14787 ZELL AMBIENTAL LTDA.

ESPAÇOS CONFINADOS. Paula Scardino Coordenadora da Norma Brasileira NBR 14787 ZELL AMBIENTAL LTDA. ESPAÇOS CONFINADOS Paula Scardino Coordenadora da Norma Brasileira NBR 14787 ZELL AMBIENTAL LTDA. Av. Senador Casemiro da Rocha, 609 - Cjtos. 54 e 55 04047-001 - São Paulo - SP Tel.: (11) 5078-9835 - Fax:

Leia mais

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a A aplicação de uma competente estratégia pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento de um programa de proteção contra quedas, bem como justificar o tempo investido em sua elaboração e administração.

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas Autora Patrícia Lins de Paula A NR-20, Norma Regulamentadora 20 do Ministério do Trabalho e Emprego, trata

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista www.sato.adm.br 1987-2002 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório Trabalhista Nº 091 14/11/2002 CRÉDITOS OU CONTRIBUIÇÕES ARRECADADAS PELO INSS

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

Procedimento de Segurança para Execução de Serviços

Procedimento de Segurança para Execução de Serviços Procedimento de Segurança para Execução de Serviços 1. OBJETIVO: Este procedimento tem como objetivo estabelecer requisitos básicos de segurança na execução de serviços realizados por empresa contratada

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP .1.1.30 NOME: TRABALHOS COM ESCAVAÇÃO (ABERTURA E FECHAMENTO DE VALA) E ESCORAMENTO Como desenvolve a atividade Cargo Periodicidade ST/GEAP 6.1.30.1 Acatar as Considerações Gerais e Aspectos Legas (NR

Leia mais

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS INTRODUÇÃO A trigésima terceira Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego denominada Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços

Leia mais

RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR

RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR Recentemente estive envolvido na elaboração de um laudo técnico pericial referente ao um princípio de incêndio ocorrido em um local onde estavam sendo

Leia mais

ENTRADA EM ESPAÇOS CONFINADOS

ENTRADA EM ESPAÇOS CONFINADOS ENTRADA EM ESPAÇOS CONFINADOS Uma vez concluída a avaliação de um trabalho em espaço confinado é necessário que se avalie também os perigos e se desenvolva um programa para que ele seja realizado com sucesso.

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone/fax (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA Página: 1/11 DO-OP-01/P-2 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia na operação de chaves fusíveis e chaves facas. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5 Manual Técnico Transformadores de Potência Versão: 5 Índice 2 8 Página 1 1 INTRODUÇÃO Este manual fornece instruções referentes ao recebimento, instalação e manutenção dos transformadores de potência a

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Identificar os riscos envolvidos em cada passo da tarefa, estabelecer salvaguardas que garantam a eliminação ou controle dos riscos identificados. Essa ferramenta deve ser utilizada

Leia mais

0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h.

0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h. 1 ANO DE GARANTIA SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR Manual de Instruções L I G U E G R Á T I S 0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h. M.K. Eletrodomésticos Ltda. Estrada

Leia mais

NR 33- NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS - IMPACTO INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO ARMANDO CAMPOS

NR 33- NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS - IMPACTO INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO ARMANDO CAMPOS NR 33- NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS - IMPACTO INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 O MAIS ALTO VALOR DE QUALQUER SISTEMA PRODUTIVO É O HOMEM. É ELE QUE DETÉM EM SUA

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas NB ENTRADA EM ESPAÇO CONFINADO

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas NB ENTRADA EM ESPAÇO CONFINADO ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OBJETIVO E APLICAÇÃO: NB ENTRADA EM ESPAÇO CONFINADO Os requerimentos desta norma são destinados à proteção local e dos trabalhadores contra os riscos de entrada

Leia mais

ÁREA CLASSIFICADA (DEVIDO A ATMOSFERA EXPLOSIVA DE GÁS)

ÁREA CLASSIFICADA (DEVIDO A ATMOSFERA EXPLOSIVA DE GÁS) FONTES DE IGNIÇÃO ÁREA CLASSIFICADA (DEVIDO A ATMOSFERA EXPLOSIVA DE GÁS) Área na qual uma atmosfera explosiva de gás está presente ou na qual é provável sua ocorrência a ponto de exigir precauções especiais

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS Instalação do sistema de geração de ozônio na piscina coberta do Centro de Atividades do SESC Ceilândia. Brasília-DF COMAP/DIAD Página 1 BASES TÉCNICAS PARA

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC.

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC. Manual de Instruções Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C A&C Automação e Controle Rua: Itápolis nº 84 SBC. SP CEP: 09615-040 Tel: (11) 4368-4202 Fax: (11) 4368-5958 E-mail: aec@aecautomacao.com.br

Leia mais

Portaria Inmetro nº 388/2012 Códigos SGI 03807, 03808 e 03809

Portaria Inmetro nº 388/2012 Códigos SGI 03807, 03808 e 03809 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS.

SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS. NR-33 SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS. 33.1 - Objetivo e Definição 33.1.1 - Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados

Leia mais

CORTADOR DE FRIOS C-300. Manual do Usuário Instruções de uso, manutenção e limpeza do equipamento. www.elgin.com.br Suporte 0800 77 00 300

CORTADOR DE FRIOS C-300. Manual do Usuário Instruções de uso, manutenção e limpeza do equipamento. www.elgin.com.br Suporte 0800 77 00 300 CORTADOR DE FRIOS C-300 Manual do Usuário Instruções de uso, manutenção e limpeza do equipamento. www.elgin.com.br Suporte 0800 77 00 300 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 2 Descrição Geral... 2 Principais Características...

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde na Entrada em Espaços Confinados

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde na Entrada em Espaços Confinados Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Segurança e Saúde na Entrada em Espaços Confinados Qualquer área ou ambiente: - não projetado para ocupação humana contínua, - que possua

Leia mais

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES:

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9.1 OTIMIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA OPERAÇÃO DOS TRANSFORMADORES Os transformadores são máquinas estáticas que transferem energia elétrica de um circuito para outro, mantendo

Leia mais

Competências Pessoais em Atmosferas Explosivas

Competências Pessoais em Atmosferas Explosivas Competências Pessoais em Atmosferas Explosivas - Unidade de Competência EX 001 Aplicação dos princípios básicos de proteção em atmosferas explosivas Esquema de Certificação Julho de 2015 Página 1 de 10

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO Ref.: IT 001/Seg PADRÕES MÍNIMOS DE SEGURANÇA PARA CONTRATADAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO Ref.: IT 001/Seg PADRÕES MÍNIMOS DE SEGURANÇA PARA CONTRATADAS Página 1 de 13 1 Objetivo Promover a permanente melhoria e contínua compatibilização do trabalho com a prevenção da vida, integridade e patrimônio do SAAE Sorocaba, e a promoção da saúde e segurança dos

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas 44 Capítulo VI Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Da mesma forma que se deve fazer com os elementos que formam uma instalação elétrica no seu sentido físico,

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores deverão cumprir a Norma Regulamentadora nº

Leia mais

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10: Portaria n.º 598, de 07/12/2004 (D.O.U. de 08/12/2004 Seção 1) Ementas: Portaria n.º 126, de 03/06/2005 (D.O.U. de 06/06/2005 Seção 1) NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO República de Angola Ministério da Energia e Águas GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO Guia de recomendações e orientações para a operação e a manutenção Emissão: MINEA/DNEE Dezembro

Leia mais

Sumário. Informativo Semanal nº 52 Ano XL 2006 FECHAMENTO: 27/12/2006 EXPEDIÇÃO: 29/12/2006 PÁGINAS: 654/641

Sumário. Informativo Semanal nº 52 Ano XL 2006 FECHAMENTO: 27/12/2006 EXPEDIÇÃO: 29/12/2006 PÁGINAS: 654/641 ÚLTIMO DIÁRIO PESQUISADO 27/12/2006 Informativo Semanal nº 52 Ano XL 2006 FECHAMENTO: 27/12/2006 EXPEDIÇÃO: 29/12/2006 PÁGINAS: 654/641 ESTA PÁGINA ENCERRA A MATÉRIA DESTE COLECIONADOR Mas atenção!!! Ao

Leia mais

Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012

Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012 Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012 Altera a Norma Regulamentadora nº 20 - Líquidos Combustíveis e Inflamáveis, aprovada pela Portaria MTb nº 3.214, de 8 de junho de 1978. A Secretária

Leia mais

NORMA TÉCNICA 40/2014

NORMA TÉCNICA 40/2014 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 40/2014 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Desafios da. Espaços Confinados. Ricardo Pereira de Mattos / Engenheiro de Segurança do Trabalho

Desafios da. Espaços Confinados. Ricardo Pereira de Mattos / Engenheiro de Segurança do Trabalho Desafios da NR-33 Segurança a e Saúde em Espaços Confinados Ricardo Pereira de Mattos / Engenheiro de Segurança do Trabalho Ricardo Pereira de Mattos Engenheiro Eletricista (UFRJ) Engenheiro de Segurança

Leia mais

EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo

EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo O treinamento de trabalhadores, voltado para a conscientização sobre os perigos existentes em suas áreas de trabalho, reduz ao mínimo

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

Mário Márcio dos Santos. Ex-Docente SENAC / Barretos-SP

Mário Márcio dos Santos. Ex-Docente SENAC / Barretos-SP Mário Márcio dos Santos Ex-Docente SENAC / Barretos-SP Sr. Mário M MárcioM Obrigado a todos que direta ou indiretamente contribuíram por estas conquistas. Ano de 2.006 Parceiras que vieram para fazer

Leia mais

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar emenda e reparo em condutores, em redes energizadas.

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar emenda e reparo em condutores, em redes energizadas. Página: 1/13 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar emenda e reparo em condutores, em redes energizadas. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO VOLUME IV - PROJETO DE ENGENHARIA E MATERIAL RODANTE PROJETOS ARQUITETÔNICOS E DEMAIS PROJETOS TÉCNICOS PREDIAIS PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS 1 3.2.6.10.

Leia mais

Segurança Intrínseca

Segurança Intrínseca Segurança Intrínseca Segurança Intrínseca Segurança Intrínseca é uma das técnicas que podem ser empregadas em equipamentos elétricos que se destinam às áreas classificadas. O objetivo de todas as técnicas

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO 1 1. AVISOS Leia este manual cuidadosamente antes de instalar e operar o equipamento. A operação da máquina deve estar de acordo com as instruções

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar o Programa de Prevenção de Riscos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 27/2010 Armazenamento em silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. MEDIDAS DE SEGURANÇA APLICADAS NA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO TEMPORÁRIO Autores: Luiz Antonio Bueno Gerente da Divisão de Segurança e Higiene Industrial Sueli Pereira Vissoto Técnica

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros Instrução Técnica Nº 027/2010 EM REVISÃO Armazenamento em Silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Fernando A. Ishida Tharik Honda Luan Felipe

Leia mais

1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. QUALIFICAÇÃO DA EMPRESA... 2 4. QUALIFICAÇÃO DOS INSTRUTORES... 2 5. RESPONSABILIDADE DA

1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. QUALIFICAÇÃO DA EMPRESA... 2 4. QUALIFICAÇÃO DOS INSTRUTORES... 2 5. RESPONSABILIDADE DA TERMO DE REFERÊNCIA SSST 004//2013 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIALIZADO EM TREINAMENTO DE TÉCNICAS DE SEGURANÇA PARA TRABALHO EM ESPAÇOS CONFINADOS 1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA...

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA, EM REDE ENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA, EM REDE ENERGIZADA. Página: 1/13 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para substituição de chave fusível e chave faca, em rede energizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas

Leia mais

Vazamento e/ou Incêndio em Cilindros de GLP

Vazamento e/ou Incêndio em Cilindros de GLP Assunto: VAZAMENTO E/OU EM CILINDROS 1/7 1. FINALIDADE Padronizar e minimizar a ocorrência de desvios na execução de tarefas fundamentais para o funcionamento correto do processo de atendimento de ocorrências

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA DC-S-1/2011 2/14 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidade... 3 2.2.1. Produção Terra e Rocha... 3 2.2.2. Planejamento/Engenharia... 3 2.2.3. Administração

Leia mais

Sinalizador óptico à prova de explosão em GRP, 5 joule

Sinalizador óptico à prova de explosão em GRP, 5 joule Sinalizador óptico à prova de explosão em Manual de instruções Additional languages www.stahl-ex.com Informações Gerais Índice 1 Informações Gerais...2 1.1 Fabricante...2 1.2 Informações relativas ao manual

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES REFRIGERADOR PARA ÔNIBUS MODELO G7

MANUAL DE INSTRUÇÕES REFRIGERADOR PARA ÔNIBUS MODELO G7 MANUAL DE INSTRUÇÕES Compact Indústria de Produtos Termodinâmicos Ltda. Fábrica: Est. BR-116 KM 152,3, 21940 Pavilhão 1 Bairro Planalto Caxias do Sul - RS - CEP 95070-070 Fone (0XX) 54-2108-3838- Fax:

Leia mais

Manual de Instalação e Operações

Manual de Instalação e Operações Manual de Instalação e Operações Acionador On/Off Bivolt Sistema de Aquecimento para banheira de hidromassagem PARA SUA SEGURANÇA: Antes de Instalar este produto, leia atentamente este manual de instruções.

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta *

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * 40 Capítulo VI Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * A ABNT NBR 15749, denominada Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA N.º 105/2013 MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE SANTO ÂNGELO, por seu órgão, Procurador do Trabalho ROBERTO PORTELA MILDNER, toma o presente

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação Transmissor de nível Cod: 073AA-005-122M Rev. A Série LT-200 Fevereiro / 2004 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES 1 O QUE É ESPAÇO CONFINADO? CARACTERÍSTICAS VOLUME CAPAZ DE PERMITIR A ENTRADA DE EMPREGADOS LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES PARA ENTRADA E SAIDA DE PESSOAL NÃO E PROJETADO PARA OCUPAÇÃO CONTÍNUA POSSUI, EM GERAL,

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: Saúde e Segurança no Trabalho

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: Saúde e Segurança no Trabalho Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO Área Profissional: Saúde e Segurança no Trabalho Aperfeiçoamento: SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Porque este assunto preocupa? Impacto dos Acidentes envolvendo Quedas - 40% das fatalidades

Leia mais

COMPRESSOR MANUAL DO PROPRIETÁRIO DENTAL/MEDICAL OIL-FREE WWW.SCHUSTER.IND.BR PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS

COMPRESSOR MANUAL DO PROPRIETÁRIO DENTAL/MEDICAL OIL-FREE WWW.SCHUSTER.IND.BR PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS COMPRESSOR S45 DENTAL/MEDICAL OIL-FREE MANUAL DO PROPRIETÁRIO COMPRESSOR S45 110V PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. TERMOS DE GARANTIA... 3 4. ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 037

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 037 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão anual conforme Norma Regulamentadora 33 Alteração nos envolvidos para análise e aprovação. Demais envolvidos na análise

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ PRODUTO: NORMAIS PARAFINAS C 10 - C 13 Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: NORMAIS PARAFINAS C 10 - C 13 Código interno de identificação: Pb0046. Nome da empresa: Petróleo

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOÁS SECRETARA DA SEGURANÇA PÚBLCA CORPO DE BOMBEROS MLTAR DRETORA DE DEFESA CVL Gerência de Segurança Contra ncêndio e Pânico NORMA TÉCNCA n. 40, de 05/03/07 Sistema de Proteção Contra Descargas

Leia mais

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Fone: +55 (0 )47 255 2000 - Fax: +55 (0 )47 255 2020 Rua: Anita Garibaldi, nº 262 - Bairro: São Luiz - CP: 52 CEP: 88351-410 - Brusque - Santa Catarina -

Leia mais