O clarinete e o jazz clarinete Johann Christian Denner Iwan Muller Hyacinthe Klosé Albert System 13 chaves 18 chaves Woody Allen

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O clarinete e o jazz clarinete Johann Christian Denner Iwan Muller Hyacinthe Klosé Albert System 13 chaves 18 chaves Woody Allen"

Transcrição

1 O clarinete e o jazz O clarinete foi inventado em 1700, por Johann Christian Denner, artesão de Nuremberga, com apenas 2 chaves. Durante o século XVIII foi sujeito a várias modificações e já no século XIX são de destacar os aperfeiçoamentos de Iwan Muller, que apresentou um clarinete de 13 chaves em 1812 e a adaptação do sistema Boehm para a flauta realizada por Hyacinthe Klosé, em O modelo de 13 chaves, também conhecido como Albert System e seus similares, foi o mais popular no nascimento do jazz, em New Orleans, no início do século XX. Apesar de um modelo mais completo com 18 chaves existir na Europa desde 1870, este só se tornou popular entre os clarinetistas do jazz a partir dos anos 20. As diferenças essenciais entre os dois modelos têm a ver com o timbre mais amadeirado dos modelos de 13 chaves, devido a terem menos orifícios, sendo as suas possibilidades técnicas menores devido à inexistência de chaves alternativas, como acontece nos modelos de 18 chaves. A digitação do instrumento antigo é inaplicável nos clarinetes modernos, mudar de um clarinete para o outro significa aprender um instrumento novo. Este aspecto influenciou claramente o papel do clarinete no jazz. Daí que ainda hoje clarinetistas como Woody Allen, que cultivam o estilo New Orleans, utilizem o modelo antigo de 13 chaves, pois soam mais de acordo com a época. O clarinete está para a banda militar como o violino está para a orquestra, ou seja, é o responsável pelos agudos, e devido às suas possibilidades virtuosísticas, tem uma função melódica muito importante. Estas bandas foram o primeiro emprego para muitos dos clarinetistas de jazz. Os primeiros grupos do estilo New Orleans eram uma espécie de redução das bandas militares de John Phillip de Sousa, muito populares nos EUA e na Europa em finais do século XIX. Daí saíram o trio da secção melódica: clarinete-cornetim-trombone e ainda o sousafone para a secção rítmica. O papel do clarinete no início do jazz era fazer comentários ou contracantos nos espaços deixados pela melodia dada pelo cornetim e um rendilhado à volta dos acordes da harmonia, além da improvisação individual e colectiva. O clarinete, devido às suas características, brilha bastante nestas formações sendo considerado por muitos autores como o Rei do estilo NO. Nos clarinetistas típicos de NO, essencialmente crioulos, encontramos: Louis Nelson, Jimmy O Bryant, Phil Gomez, Leon Rappolo, Frank Teschemacher, Bill Paige, Paul Barnes, Charlie Holmes, Teddy Hill, Greely Walton, Glyn Paque, Bobby Holmes, Hilton Jefferson, Jimmy Strong, Don Redman, Prince Robinson, Arne Domnerus, Pete Fountain, Ove Lind, Johnny Mince, Dave Shepherd, Putte Wickman, entre tantos outros. No entanto, os nomes mais importantes foram: Larry Shields, clarinetista da Original Dixieland Jazz Band que foi a primeira banda de jazz a gravar, em Fevereiro de Alphonse Picou que ficou célebre pelo solo no tema High Society que se tornou parte integrante do mesmo e tocou com o lendário Buddy Bolden.

2 Lorenzo Tio Jr. foi o clarinetista da Onward Brass Band e o primeiro grande professor de clarinete no jazz. Ficou especialmente conhecido pelos alunos que formou, entre os quais se encontram: Jimmie Noone, Johnny Dodds, Albert Nicholas, Barney Bigard, Omer Simeon... Jimmie Noone foi apelidado de rei do clarinete em New Orleans pelo seu virtuosismo e som característicos, tocou com as mais importantes bandas e orquestras do seu tempo. A sua influência foi enorme sobre os clarinetistas da sua época. Johnny Dodds foi o clarinetista fundador da banda do trombonista kid Ory e substituiu mais tarde Jimmie Noone na King Oliver s Creoule Jazz Band. Mais tarde juntou-se a Louis Armstrong nos Hot Five e Hot Seven. Johnny Dodds, um dos mais importantes clarinetistas de NO utilizava palhetas muito duras para obter um som grande, firme e incisivo, acentuado por um vibrato enérgico. Buster Bailey foi aluno de Franz Shoepp, curiosamente o mesmo professor que mais tarde ensinou Benny Goodman e teve um carreira muito sólida. Além de integrar a orquestra de W.C. Handy, fez parte do grupo de Fletcher Henderson nas décadas de 20 e 30, além de colaborar com King Oliver, entre outros. Albert Nicholas natural de NO trabalhou com Kid Ory e Louis Armstrong, mais tarde integrou as orquestras de Chick Webb e Luis Russel. Durante os anos 40 tornou-se free lancer e em 1953 fixou-se na Europa onde colaborou com diversos grupos de dixieland. Sidney Bechet, clarinetista, saxofonista, compositor e director de orquestra foi um dos mais conhecidos músicos da história do jazz. Fez parte da Southern Syncopated Orchestra, dirigida por Will Marion Cook, que não tendo gravado, viajou pela Europa em 1919 e causou profunda impressão; sobre isso referiu o maestro suíço Ernest Ansermet: Os solos de Sidney Bechet são admiráveis pela sua riqueza de invenção, a sua força na expressão e a inesperada direcção do seu fraseado. Edmond Hall fixou-se em NY em 1928 onde desenvolveu uma intensa carreira à frente do seu próprio grupo. Depois de duas décadas como free-lancer, entra para a banda de Eddie Condon e substitui Barney Bigard nos All Stars de Louis Armstrong, na década de 50. Durante a sua carreira gravou com Art Tatum, Billie Holiday, Jack Teagarden, Lionel Hampton, entre outros. Omer Simeon, outro aluno de Lorenzo Tio Jr., fez parte em Chicago das bandas de King Oliver e Jelly Roll Morton. Mais tarde tocou também com Earl Hines e Fletcher Henderson. Foi um dos melhores clarinetistas de NO no plano técnico e, além de utilizar toda a extensão do instrumento, era especialista na improvisação colectiva. Peanuts Hucko natural de NY, trabalhou com Jack Teagarden, Eddie Condon e Glenn Miller. Depois, substituiu Edmond Hall na banda de Louis Armstrong.

3 Discípulo de Benny Goodman, Peanuts Hucko adaptou-se perfeitamente ao contexto dixieland. Pee Wee Russel durante os anos 20 em Chicago, participou activamente na criação do estilo chicago que consistiu numa modernização do estilo NO e que mais tarde, nos anos 40, daria origem ao dixieland revival. A partir dos anos 30 tornou-se uma das principais figuras do seu instrumento em NY onde tocou com Eddie Condon. A originalidade dos seus solos, bem como o seu som ruidoso e um vibrato com growl à mistura, conferem-lhe uma enorme reputação entre os amantes do estilo dixieland. Milton Mezz Mezzrow estudou música na prisão de Pontiac a partir de 1917 e após ser libertado em 1920 participa em jam sessions com músicos brancos de Chicago, apaixonando-se pelo estilo NO. Tocou e gravou com os Jungle Kings, Rhythm Kings e Ben Pollack. Após dirigir diversas formações tornou-se, em conjunto com Sidney Bechet, um dos principais animadores da renascença do estilo NO. Volta a ser preso em 1940 por comercializar marijuana e em 1948 fixou-se na Europa depois de participar no festival de Nice. Ficou célebre pelo seu livro Really the Blues. Assim, o clarinete foi o único instrumento de palheta desde o nascimento do jazz até aos loucos anos 20, período em que nos EUA e inevitavelmente no jazz surge uma verdadeira saxofone mania. O saxofone, por diversas razões, vai assumir um papel cada vez mais importante no jazz. As vantagens do saxofone em relação ao clarinete em termos da facilidade de produzir som de forma imediata, a flexibilidade de articulação, a facilidade da linguagem, o volume de som (pois não podemos esquecer que a amplificação dos instrumentos surgiu apenas nos anos 30) entre outros factores, fazem com o saxofone se torne rapidamente um instrumento muito popular. Apesar disso o clarinete continuou a ser uma voz no jazz até hoje. Com o surgimento das primeiras big bands e a divisão da secção melódica em três naipes: saxofones, trompetes e trombones, os clarinetistas dobravam em saxofone. O clarinetista mais famoso deste período, que também dobrava em saxofone, foi Barney Bigard, da orquestra de Duke Ellington, na qual todos os saxofonistas dobravam em clarinete, por sinal. Barney Bigard, além do seu papel activo como compositor e arranjador durante mais de duas décadas com Duke Ellington, devido às suas qualidades ímpares como clarinetista podemos encontrá-lo em dezenas de gravações ao lado de nomes como Morton, Ellington, Armstrong, Luis Russell, etc. Além do seu timbre riquíssimo em todos os registos, os seus solos eram muito bem elaborados, recorrendo frequentemente a passagens cromáticas e glissandos grandes e contínuos. A partir de meados dos anos 20 assistiu-se à consolidação das big bands, algumas das quais dirigidas e lideradas por clarinetistas como: Albert Nicholas, Jimmy Noone, Milton Mezz Mezzrow, Jimmy Dorsey, George Lewis, Ted Lewis, Claude Luter (em França), Sidney Bechet, Benny Goodman, Artie Shaw, Woody Herman, Jimmy Hamilton, Buddy De Franco, entre outros.

4 Jimmy Hamilton, natural de Dillon na Califórnia, depois de tocar com Teddy Wilson e Benny Carter, substitui Barney Bigard na orquestra de Duke Ellington. A sua técnica brilhante e sonoridade lisa são ideais para o repertório dessa orquestra. Dirigiu a sua própria orquestra e foi também um óptimo solista em saxofone tenor. Artie Shaw, clarinetista e director de orquestra, teve na sua orquestra alguns dos mais famosos músicos dos anos e foi um improvisador em nada inferior a Benny Goodman, apesar disso ficou especialmente conhecido pelos seus inúmeros casamentos com mulheres famosas e por ter abandonado subitamente a música, em 1953, no auge da sua fama. Woody Herman, clarinetista, saxofonista e cantor. Manteve a sua própria orquestra durante mais de 20 anos e o seu repertório privilegiava os blues e o estilo dixieland. Influenciado por Benny Goodman é considerado sobretudo por ter sido um grande condutor de homens e descobridor de talentos, tanto executantes como arranjadores. A figura que se tornou mais popular nesta fase foi Benny Goodman Rei do Swing, que se destacou como virtuoso, improvisador, líder e disciplinador dos seus músicos. Muitos historiadores de jazz, consideram o concerto da sua orquestra em 21 de Agosto de 1935 no Palomar Ballroom em Los Angeles, como o início da Era do Swing. Simultaneamente começam a surgir pequenos grupos de swing e o quarteto também liderado por Benny Goodman, com Teddy Wilson (piano), Lionel Hampton (vibrafone) e Gene Krupa (bateria), foi o primeiro grupo americano multirracial a fazer uma digressão na Europa, alcançando enorme êxito. De realçar o facto de a discriminação racial impedir o acesso de negros aos conservatórios, pelo que, as big bands eram a escola disponível para os jovens músicos negros que ao viajarem e tocarem com músicos mais experientes podiam aprender mais sobre este universo musical. O primeiro clarinetista a deixar-se influenciar pelo be-bop e se afasta da forma de tocar dos clarinetistas da era do swing, foi Buddy De Franco, que além de dirigir a sua própria orquestra, integrou as orquestras de Count Basie e Glenn Miller. Foi dos primeiros a usar também o clarinete-baixo no jazz. Esta nova abordagem do clarinete permite-lhe ganhar 10 anos consecutivos o prémio Down Beat, ficando para a História o seu lendário quarteto com o pianista Art Tatum. Tony Scott é outro multi instrumentista importante do jazz moderno. Além de exímio clarinetista, saxofonista e flautista foi também pianista e arranjador tendo trabalhado nessas funções com as cantoras Billie Holiday e Sara Vaughan. Tony Scott toca em 1953 com Duke Ellington e em 1955 assume a direcção musical da orquestra do cantor Harry Belafonte. Realizou tournés por todo o mundo e principalmente no Extremo Oriente. Plenamente influenciado pelo be-bop e por Charlie Parker, foi um dos raros clarinetista modernos a abandonar a sonoridade clássica do seu instrumento.

5 Jimmy Giuffre, compositor e arranjador da Costa Oeste é o grande representante do clarinete no estilo cool dos anos 60. Também saxofonista tenor e barítono destacou-se nos seus projectos em trio e quarteto. O trio formado com Ralph Pena (contrabaixo) e Jim Hall (guitarra) foi especialmente bem recebido no Festival de Newport em Passou também pelas orquestras de Jimmy Dorsey e Woody Herman como músico e arranjador. Defendia que: o swing não deve ser evidente mas subentendido, implícito em vez de explícito. Kenny Davern, foi influenciado por Benny Goodman na sua juventude e depois por Pee Wee Russel. Começou a trabalhar profissionalmente com Jack Teagarden, passando a fazer parte do circuito nova-iorquino. Mas o seu reconhecimento mundial foi alcançado com o grupo Soprano Summit onde trabalhou com outro clarinetista, Bob Wilber. Três anos e nove álbuns mais tarde passou a tocar apenas clarinete. Classicista na forma de tocar e por vezes excêntrico, tem explorado com grandes resultados o jazz mais vanguardista. A relação da família do clarinete com o saxofone remonta a meados do século XIX, quando o construtor belga Adolphe Sax, depois de fazer alterações importantes no clarinete baixo, inventou o saxofone, por volta de No clarinete baixo os orifícios são tapados por sapatilhas, tal como no saxofone, ao contrário do clarinete soprano no qual o orifícios são tapados pelo próprio dedo. Este facto talvez justifique a grande utilização do clarinete baixo por saxofonistas, especialmente a partir dos anos 60. Neste período de pesquisas radicais, o clarinete baixo foi muito utilizado por músicos como: Roland Kirk, John Carter ou Perry Robinson. O seu executante mais conhecido nesse período foi Eric Dolphy, multiinstrumentista que, partindo da influência de Charlie Parker no Sax alto, foi em Ornette Coleman e John Coltrane que se inspirou para afirmar a sua personalidade inovadora enquanto improvisador no clarinete baixo. Utiliza os extremos do registo na sua busca constante de contrastes que reflectem uma criatividade tumultuosa e muito complexa. Foi um inovador futurista e um dos principais inspiradores do free jazz. Anthony Braxton foi um dos raros casos de utilização do clarinete contrabaixo no jazz. Já nos anos 80, David Murray continua esta tendência de explorar o clarinete baixo não se percebendo, às tantas, se o seu instrumento principal é o clarinete baixo ou o saxofone tenor, tal é a sua execução. Líder de inúmeras formações, este saxofonista encontra sempre lugar para o clarinete baixo nos seus trabalhos. Voltando ao clarinete soprano, em meados dos anos 70, as atenções viraramse para Eddie Daniels, que apesar de ter começado no saxofone tenor, formou-se na New York s High School of the Performing Arts (1963) e obteve o título MA na Juilliard School (1966). Este clarinetista combina um profundo virtuosismo com um som jazzístico inconfundível. Tem ganho frequentemente prémios de carreira internacionais e a sua abordagem vai desde o swing até ao

6 jazz-rock, passando pela fusão entre Johann Christian Bach e uma variação jazzística irresistível (Breakthrough), além das homenagens a Charlie Parker (For Bird With Love) e Benny Goodman (Benny Rides Again). Eddie Daniels tem gravado também repertório erudito, bem como obras que abordam o jazz sinfónico, sempre com enorme aplauso da crítica. Paquito D Rivera é natural de Cuba e afirmou-se desde muito jovem como um virtuoso no clarinete e no saxofone. Este fã de Benny Goodman, cedo se mudou para NY e nos finais da década de 80 juntou-se à United Nations Orchestra de Dizzy Gillespie, na qual se afirmou como um dos seus maiores solistas, vindo mais tarde a tornar-se ele próprio seu director, arranjador e compositor. Tal como Daniels, também D Rivera tem gravado e tocado repertório anterior ao jazz, como o célebre Concerto para Clarinete e Orquestra de Mozart. Nos anos 90 surge Ken Peplowski com a proposta de fazer reviver os grandes mestres do passado. Apesar de não ser estilisticamente um inovador, este grande clarinetista pode tocar num só concerto repertório do swing ao be-bop, fazendo lembrar Benny Goodman ou Buddy De Franco. Podemos ouvi-lo ainda fora do jazz em Guitarra e outras mulheres, de António Chaínho, para além dos diversos álbuns de jazz em pequenas formações. A vinda de músicos americanos à Europa e a cada vez maior difusão das gravações, fizeram com que começassem a surgir nos anos 20 importantes grupos de jazz na Europa, nomeadamente Inglaterra, França, Holanda, Alemanha e URSS, apesar da relutância dos regimes de Hitler ou Stalin. Este fenómeno não parou de crescer até aos dias de hoje, sendo evidente em toda a Europa a influência do jazz. Assim como o nascimento do jazz se deve em parte à mistura de diversas culturas, nomeadamente africana, europeia, caribenha, e negro americana, também a música europeia tem sido influenciada pelo jazz, especialmente depois da 1ª Guerra Mundial. Tal como o termo música clássica é usado para classificar diversas épocas e estilos no sentido lato, também jazz é usado para designar variadíssimos estilos como se de um idioma se tratasse. Se não formos demasiado puritanos em relação aquilo que é ou não jazz, não posso deixar de referir nomes de clarinetistas não americanos que têm carreiras assinaláveis no que se pode considerar jazz europeu. Os ingleses Acker Bilk ou Monty Sunshine com uma actividade importante no início da segunda metade do século XX e mais recentemente John Surman, que sendo um multi-instrumentista presta alguma atenção a vários elementos da família do clarinete, em especial ao clarinete baixo e clarinete alto em Mi bemol. Podemos conhecer melhor a sua originalidade através de inúmeros discos da editora ECM. O holandês Bob Kaper que além do seu importante testemunho no revivalismo do chamado dixieland, gravou com outras formações repertório obrigatório do jazz, cotando-se entre os mais importantes clarinetistas do seu país e um

7 divulgador do clarinete em diferentes projectos com especial destaque para os Dutch Dixie All Stars. Já em França os nomes mais importantes são o clarinetista multi-instrumentista Michel Portal, com um enorme contributo para o jazz europeu desde os anos 60, sendo de realçar o duo com Michel Galliano que dá especial atenção a uma das grandes influências do jazz que é a música da América Latina. Outro grande vulto francês com uma produção discográfica impressionante é Louis Sclavis, que depois de uma solida formação erudita no Conservatório Nacional Superior de Paris se tem dedicado à composição de originais, dividida por inúmeros discos onde a diversidade e a componente da improvisação são sempre uma novidade. Fazem ambos do clarinete baixo o seu instrumento mais utilizado. De Itália temos dois nomes essenciais que são: Gianluigi Trovesi, que além de dar um sabor jazzístico ao repertório popular italiano em formações pequenas, também se dedica à composição para big band. É inesquecível o seu swing na requinta e a expressividade no clarinete alto em Mib. O mesmo conceito está presente nas gravações do virtuoso impressionante Gabriele Mirabassi, acrescentando a repertório europeu e a standarts do jazz uma improvisação que faz lembrar o bop dito pelo clarinete de Tony Scott ou Buddy De Franco, aliada a uma técnica só comparável a Eddie Daniels. Do Canadá chega-nos François Houle que nos apresenta a informática em tempo real ligada à estética jazzística e além disso uma forma original de interpretar o clarinete e o clarinete baixo claramente influenciada por Don Byron. Um músico relativamente jovem já com uma considerável discografia e um nome para seguir atentamente no futuro. Chris Speed domina igualmente tanto o clarinete como o saxofone e apresenta um jazz moderno e original, muito complexo e denso. Nesta linha, vale a pena tomar atenção ainda a nomes como: Andrew D Angelo, Jeff Lederer ou Tad Nash. Todos eles multi-instrumentistas em clarinete e saxofones. Last but not least, é obrigatório falar dos clarinetistas da actualidade nos EUA que nos garantem a continuidade do clarinete no jazz. Ken Vandermark de Boston, tem a particularidade de ter começado no trompete, aos dezasseis anos mudou para o Sax tenor, mais tarde interessa-se pelo clarinete baixo e finalmente o clarinete. Considera-se um multi-reed e domina verdadeiramente o clarinete num repertório moderno mas apaixonado. A sua vasta discografia original explora o contraponto da costa leste, recorda o rock misturado com o funk e desagua frequentemente no free jazz. Michael Moore tem desenvolvido a sua carreira entre NY e Amsterdão onde o seu talento e versatilidade são utilizados em diversos sectores. O seu universo musical vai desde Beach Boys a Ellington, passando pela música tradicional de Madagáscar faceta que está reflectida nos arranjos e composições que fez para o grupo Available Jelly. O seu som macio e a construção dos seus solos, fazem lembrar o clarinete de Jimmy Giuffre bem como o jazz da costa leste.

8 Marty Ehrlich gravou a primeira vez com apenas 16 anos, com os Human Arts Ensemble em St. Louis. Formado no New England Conservatory of Music em Boston, mudou-se para NY em 1978, a partir daí a sua carreira tem sido imensa. Além de saxofones e flauta, Ehrlich utiliza e domina o clarinete, num jazz original e moderno que alia o perfeccionismo técnico a uma improvisação bebida dos grandes do passado mas cheia de novidade e requinte. As suas composições são expansivas e arquitecturais, extremamente coloridas e têm reminiscências de Hemphill e John Carter. Don Byron, filho de baixista de uma banda de calypso e mãe pianista erudita, passou a sua juventude entre clubes de jazz e a New York Philharmonic. Depois de estudar clarinete clássico interessou-se por bandas de salsa e ingressou no New England Conservatory of Music. É, desde meados da década de 80, uma das principais figuras do jazz contemporâneo em NY. A sua música utiliza elementos tão distantes como a música Klezmer, temas de Robert Shumann (Romantismo) ou temas originais influenciados pelo rap e a música contemporânea. Tem gravado com músicos como Jack DeJohnette (bateria) e Uri Caine (piano), entre tantos outros.

Jazz Breve História, Tendências e ESTILOS. Por AC saxofonista webpage: acjazz.com.br. Introdução

Jazz Breve História, Tendências e ESTILOS. Por AC saxofonista webpage: acjazz.com.br. Introdução Jazz Breve História, Tendências e ESTILOS. Por AC saxofonista webpage: acjazz.com.br Introdução O jazz surgiu da fusão de elementos da música européia com elementos da música africana trazida pelos escravos

Leia mais

O SAXOFONE 1. CLASSIFICAÇÃO DO SAXOFONE

O SAXOFONE 1. CLASSIFICAÇÃO DO SAXOFONE O SAXOFONE 1. CLASSIFICAÇÃO DO SAXOFONE A primeira necessidade que se nos depara é de saber com clareza a que família de instrumentos pertence o Saxofone. Dado que o corpo do instrumento é de metal, muitas

Leia mais

HISTÓRIA INSTRUMENTOS DOS POR

HISTÓRIA INSTRUMENTOS DOS POR HISTÓRIA DOS INSTRUMENTOS POR 1 HISTÓRIA DOS INSTRUMENTOS FLAUTA A flauta faz parte da família dos instrumentos de madeira, mesmo, ao longo dos anos, tendo sido feita de madeira ou metal. Sabemos que já

Leia mais

BIG BANDS - A MARAVILHOSA ERA DO SWING

BIG BANDS - A MARAVILHOSA ERA DO SWING MÚSICOS, FATOS & CURIOSIDADES Nº 59 AGOSTO 2010 BIG BANDS - A MARAVILHOSA ERA DO SWING 1ª PARTE Foi nos U.S.A. (e em muitos outros paises, ainda que com menor intensidade que na origem americana) uma era

Leia mais

O Jazz e o Mundo Corporativo

O Jazz e o Mundo Corporativo 1 O Jazz e o Mundo Corporativo André Acioli e Luiz Henrique* A música nos dá exemplos de excelência em gestão que vão muito além da tradicional e já batida arte de o maestro reger sua orquestra. Poderíamos

Leia mais

TEMAS PARA BANCAS DE PSS ÁREA DE MÚSICA TODOS OS PROFESSORES DEVERÃO APRESENTAR O PLANO DE AULA PROCESSO SELETIVO

TEMAS PARA BANCAS DE PSS ÁREA DE MÚSICA TODOS OS PROFESSORES DEVERÃO APRESENTAR O PLANO DE AULA PROCESSO SELETIVO TEMAS PARA BANCAS DE PSS ÁREA DE MÚSICA TODOS OS PROFESSORES DEVERÃO APRESENTAR O PLANO DE AULA PROCESSO SELETIVO Componente Curricular OBOÉ FAGOTE FLAUTA TRANSVERSAL Temas respiração, aplicados ao ensino

Leia mais

TassJazz. em pleno, mas nos anos seguintes essa é outra das apostas do TassJazz.

TassJazz. em pleno, mas nos anos seguintes essa é outra das apostas do TassJazz. TassJazz Na edição de 2011, depois de muitos anos, o nosso TassJazz resolveu deixar o ninho, o território onde nasceu e sempre se sentiu confortável. E depois de termos respondido de forma clara que é

Leia mais

JAZZ HOJE Tito Martino

JAZZ HOJE Tito Martino JAZZ HOJE Tito Martino No início deste século 21 vemos a Cultura como um todo sendo subjugada pela globalização da Economia; e a Arte sendo nivelada por baixo, para facilitar o consumo e ampliar o comercio.

Leia mais

Concertos: Olga Neves Carneiro ONC Produções. Telm. 91.950.6422 Telf. 22.618.8503. oncproducoes@netcabo.pt www.oncproducoes.com

Concertos: Olga Neves Carneiro ONC Produções. Telm. 91.950.6422 Telf. 22.618.8503. oncproducoes@netcabo.pt www.oncproducoes.com Um dos mais originais saxofonistas alto (e um dos poucos que nunca soou como um primo de Charlie Parker), Lee Konitz sempre teve uma enorme curiosidade musical que o levou a aproveitar todas as oportunidades

Leia mais

A VER A BANDA... MARCHAR

A VER A BANDA... MARCHAR A VER A BANDA... MARCHAR Por: DR. JOÃO MENEZES Quando se tomam algumas decisões em relação ao que quer que seja, há sempre comentários e perguntas que surgem por parte de quem não tem formação para o assunto,

Leia mais

Release. Jazz a Três. Contato: (31) 8737-9183 - E-mail: jazzatres@gmail.com

Release. Jazz a Três. Contato: (31) 8737-9183 - E-mail: jazzatres@gmail.com Release Jazz a Três Contato: (31) 8737-9183 - E-mail: jazzatres@gmail.com Um pouco sobre a banda O Jazz a Três iniciou suas atividades em 2008 com o objetivo de levar ao público standards do Jazz e da

Leia mais

ANEXO 4 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS DE AFERIÇÃO E EXAMES DOS DIFERENTES INSTRUMENTOS PARA O ENSINO ESPECIALIZADO DE MÚSICA

ANEXO 4 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS DE AFERIÇÃO E EXAMES DOS DIFERENTES INSTRUMENTOS PARA O ENSINO ESPECIALIZADO DE MÚSICA ANEXO 4 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS DE AFERIÇÃO E EXAMES DOS DIFERENTES INSTRUMENTOS PARA O ENSINO ESPECIALIZADO DE MÚSICA 1 GRUPO DE SOPROS A- Conteúdos programáticos das Provas de Aferição 1.

Leia mais

Características perceptuais do som.

Características perceptuais do som. Características perceptuais do som. O som é produzido por corpos quando colocados em vibração. Essa vibração se transfere no ar de molécula a molécula até alcançar nossos ouvidos. As principais características

Leia mais

MULHERES GUITARRISTAS

MULHERES GUITARRISTAS MULHERES GUITARRISTAS Texto: Gabriela Gonzalez Quando o assunto é grandes guitarristas de jazz da atualidade, não há como deixar de mencionar o nome de Mimi Fox. Basta lembrar que a musicista foi nomeada

Leia mais

1. (PT) - Máxima, 01/01/2011, O que é nacional é bom 1. 2. (PT) - Primeiro de Janeiro, 17/12/2010, Trio de jazz sobe ao palco da Culturgest Porto 2

1. (PT) - Máxima, 01/01/2011, O que é nacional é bom 1. 2. (PT) - Primeiro de Janeiro, 17/12/2010, Trio de jazz sobe ao palco da Culturgest Porto 2 Carter, Parker, Ughi - 16 Dezembro 2010 Revista de Imprensa 05-01-2011 1. (PT) - Máxima, 01/01/2011, O que é nacional é bom 1 2. (PT) - Primeiro de Janeiro, 17/12/2010, Trio de jazz sobe ao palco da Culturgest

Leia mais

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação Conteúdos: Gêneros musicais: Rock Revisão Avaliação Habilidades: Valorizar as diversas culturas musicais, especialmente as brasileiras Habilidades: Reconhecer e utilizar com propriedade diversas técnicas

Leia mais

18 a 21 de julho 2013

18 a 21 de julho 2013 18 a 21 de julho 2013 PARQUE AQUILINO RIBEIRO, RUA FORMOSA, CENTRO HISTÓRICO, CONSERVATÓRIO REGIONAL DE MÚSICA DE VISEU, THE BROTHERS BAR, LUGAR DO CAPITÃO, MARIA XICA Sobre este 1º Festival de Jazz de

Leia mais

Clarinete etc... e tal Clarin et Cetera Concertos Millenovecentos - Por quê não?! O Grupo

Clarinete etc... e tal Clarin et Cetera Concertos Millenovecentos - Por quê não?! O Grupo Clarinete etc... e tal, foi com esta ideia que o grupo surgiu. O aprofundamento da expressividade que os instrumentos juntos podem produzir foi o que levou a escolha pela formação: do clarinete ao sax,

Leia mais

Este suplemento é parte integrante da edição nº 5091 da e não pode ser vendido separadamente.

Este suplemento é parte integrante da edição nº 5091 da e não pode ser vendido separadamente. Este suplemento é parte integrante da edição nº 5091 da e não pode ser vendido separadamente. 2 Caldas nice Jazz 2015 Pub. Caldas nice Jazz 2015 3 Um espaço de partilha com o jazz que é aberto, sem complexos

Leia mais

Perfis Professores. Maria João Directora

Perfis Professores. Maria João Directora Perfis Professores Maria João Directora Maria João, nasceu em Lisboa, no dia 27 de Junho de 1956, filha de pai português e mãe moçambicana. Em 1982 entrou na Escola de Jazz do Hot Club e foi lá que formou

Leia mais

Brasilis Ensemble Um espeta culo de entretenimento e emoça o!

Brasilis Ensemble Um espeta culo de entretenimento e emoça o! Brasilis Ensemble Um espeta culo de entretenimento e emoça o! Apresentando uma formação instrumental incomum cello, clarinete e piano/violão Brasilis Ensemble se propõe a trazer novas leituras para um

Leia mais

Alberto Jorge O baixo fala mais forte!!!

Alberto Jorge O baixo fala mais forte!!! Alberto Jorge O baixo fala mais forte!!! Contra nunca!!! Sempre a favor do baixo, sobretudo de um grande baixo!!! Quatro gerações de músicos, os dois filhos com carreiras importantes e mais de vinte e

Leia mais

Uma Pequena Historia do Jazz

Uma Pequena Historia do Jazz Uma Pequena Historia do Jazz Nascido do blues, das work songs dos trabalhadores negros norte-americanos, do negro spiritual protestante e do ragtime, o jazz passou por uma extraordinária sucessão de transformações

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE COMPOSIÇÃO ERUDITA GRAMADO IN CONCERT

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE COMPOSIÇÃO ERUDITA GRAMADO IN CONCERT REGULAMENTO 1º CONCURSO DE COMPOSIÇÃO ERUDITA GRAMADO IN CONCERT A Organização do 2º Gramado In Concert torna público o presente Edital que regulamenta o 1º Concurso de Composição Erudita Gramado In Concert.

Leia mais

Ídolos de diferentes gerações, a cantora Ivete Sangalo e o cantor Roberto Carlos encantam seus fãs pelo timbre único que possuem

Ídolos de diferentes gerações, a cantora Ivete Sangalo e o cantor Roberto Carlos encantam seus fãs pelo timbre único que possuem Vozes Humanas Cada pessoa possui uma voz única e especial. É como se fosse uma impressão digital. É claro que existem vozes parecidas. Algumas pessoas cantam num registro sonoro mais agudo, outras num

Leia mais

DAVID GANC & QUARTETO GUERRA-PEIXE

DAVID GANC & QUARTETO GUERRA-PEIXE DAVID GANC & QUARTETO GUERRA-PEIXE INTERPRETAM TOM JOBIM Idealizado pelo flautista e saxofonista DAVID GANC, este CD/concerto indicado para o Prémio TIM 2005 na categoria Melhor Grupo Instrumental, homenageia

Leia mais

O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA

O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA Por Turi Collura Elaborado no Século XIX, o antigo livro de técnica pianística chamado Hanon - O Pianista Virtuoso resiste

Leia mais

O Maestro & ==============

O Maestro & ============== Vamos aprender colorindo? ================== I M P R I M A E S T E D O C U M E N T O P A R A P I N T A R C O M L Á P I S D E C O R Nome: Comum CCB: I N T R O D U Ç Ã O : Esta apostila livre foi desenvolvida

Leia mais

Manual 2014/2015. www.tone.pt geral@tone.pt

Manual 2014/2015. www.tone.pt geral@tone.pt Manual 2014/2015 www.tone.pt O presente manual é um documento orientador e um compêndio de informação relativa à SUA escola. Será actualizado ao longo do ano pelo que poderá confirmar a sua versão pela

Leia mais

Características Técnicas

Características Técnicas O Fagote É um instrumento de Sopro, de Palheta dupla e de tubo cónico, pertence à família das madeiras e ocupa o papel de baixo (instrumento mais grave). Bem tocado o fagote é dotado de um grande encanto

Leia mais

Artista. criação. Por Débora de Aquino Fotos Divulgação. Leo Gandelman SAX & METAIS. julho / 2007

Artista. criação. Por Débora de Aquino Fotos Divulgação. Leo Gandelman SAX & METAIS. julho / 2007 Artista da criação Por Débora de Aquino Fotos Divulgação Leo Gandelman 20 O que dizer de um músico que, até 2007, já vendeu mais de 90 mil cópias de seu terceiro disco-solo? Estamos falando de Solar, de

Leia mais

jazzland é a festa do jazz. Um conjunto de momentos associados ao jazz, de partilha e transformação, e que estimulem os sentidos de quem participa.

jazzland é a festa do jazz. Um conjunto de momentos associados ao jazz, de partilha e transformação, e que estimulem os sentidos de quem participa. jazzland é a festa do jazz. Um conjunto de momentos associados ao jazz, de partilha e transformação, e que estimulem os sentidos de quem participa. Trata-se de um festival que promove a disseminação do

Leia mais

CURSO DE MÚSICA - BACHARELADO

CURSO DE MÚSICA - BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE MÚSICA - BACHARELADO Coordenador do Curso: Prof. Rinaldo de Melo Fonseca IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação dos Cursos:

Leia mais

de Violão - Conteúdo Da informalidade às academias Superando distâncias Tocar de ouvido ou ler partitura? Mestres e métodos consagrados

de Violão - Conteúdo Da informalidade às academias Superando distâncias Tocar de ouvido ou ler partitura? Mestres e métodos consagrados Da informalidade às academias Superando distâncias Tocar de ouvido ou ler partitura? Mestres e métodos consagrados Primeiros nomes importantes Nomes importantes no Brasil Abordagens didáticas (Internet,

Leia mais

Pode-se dizer que 3 pessoas foram responsáveis pela popularidade deste instrumento :

Pode-se dizer que 3 pessoas foram responsáveis pela popularidade deste instrumento : História do Teclado O teclado é um dos instrumentos mais utilizados atualmente, por causa da sua grande flexibilidade e diversas finalidades no mundo da música. Com um simples teclado podese dispensar

Leia mais

A ordem do nome das notas

A ordem do nome das notas Teoria Musical1 Cap.1 Altura dos sons João Carlos Almeida 1 1. ALTURA O SOM tem quatro características principais: Altura sons graves, médios e agudos; Duração sons curtos e longos; Intensidade sons muito

Leia mais

REVISTA MENSAL DO JAZZ

REVISTA MENSAL DO JAZZ REVISTA MENSAL DO JAZZ Músicos, Nascimentos, Músicas, Fatos, Curiosidades DO OUTRO LADO DO JAZZ é uma seqüência de textos resultantes de trabalho de pesquisa de MÁRIO JORGE JACQUES (autor do livro GLOSSÁRIO

Leia mais

Primeiro Disco Com 12 faixas,

Primeiro Disco Com 12 faixas, Bande Dessinée Misto de retrô e contemporâneo, a Bande Dessinée trouxe nos ares para a cena musical Pernambucana. Marcada por influências da música francesa e inspirada no universo da música pop dos anos

Leia mais

ORQUESTRA DE CÂMARA DE CASCAIS E OEIRAS TEMPORADA 2015 CONCERTOS E RECITAIS EM CASCAIS

ORQUESTRA DE CÂMARA DE CASCAIS E OEIRAS TEMPORADA 2015 CONCERTOS E RECITAIS EM CASCAIS ORQUESTRA DE CÂMARA DE CASCAIS E OEIRAS TEMPORADA 2015 CONCERTOS E RECITAIS EM CASCAIS DOMINGO, 8 DE FEVEREIRO ÀS 18H00 "ROMANTISMO ALEMÃO" L. V. Beethoven Abertura do Bailado "As Criaturas de Prometeus"

Leia mais

JOSÉ MANUEL AMARO DE MENEZES

JOSÉ MANUEL AMARO DE MENEZES JOSÉ MANUEL AMARO DE MENEZES INFORMAÇÃO PESSOAL Data de Nascimento _ 27/4/1957 Naturalidade _ Bonfim, Porto Nacionalidade: Portuguesa Email: jmenezes@uevora.pt Webpage: http://home.uevora.pt/~jmenezes/

Leia mais

Programação Geral. Música Regional Brasileira. A música do Brasil - Seg/Dom 6h.

Programação Geral. Música Regional Brasileira. A música do Brasil - Seg/Dom 6h. Programação Geral Música Regional Brasileira A música do Brasil - Seg/Dom 6h. Programa destinado a divulgar a música típica das regiões do Brasil. Toca os grandes mestres da música nordestina e mostra

Leia mais

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves 5º e 6º ano Professor Hugo Costa 2009/2010 A Cappella música vocal sem acompanhamento de instrumentos musicais. Accelerando - Aumento gradual do andamento de uma parte

Leia mais

Elaboração de: Jorge Nobre

Elaboração de: Jorge Nobre Aprendendo a tocar o clarinete Elaboração de: Jorge Nobre CLARINETE Instrumento musical de sopro Compreende um tubo, geralmente de madeira, que tem a extremidade em forma de campânula e um bocal cônico

Leia mais

Plano de Patrocínio PROJETO: PRÊMIO WALTEL BRANCO DE VIOLÃO. Realização: PRONAC: 10 0342

Plano de Patrocínio PROJETO: PRÊMIO WALTEL BRANCO DE VIOLÃO. Realização: PRONAC: 10 0342 Plano de Patrocínio PROJETO: PRÊMIO WALTEL BRANCO PRONAC: 10 0342 DE VIOLÃO Realização: RESUMO EXECUTIVO O principal instrumento musical que esta inserido em todo o Brasil, sem distinção, é o Violão, seja

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL

ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL 2011/2012 5º ANO Timbre: a qualidade do som que permite identificar a sua fonte. Figuras rítmicas: sinais musicais que indicam a duração

Leia mais

A obra de Marco Pereira para violão solo: aspectos composicionais. Palavras chave: Violão solo brasileiro, Marco Pereira, jazz, Garoto.

A obra de Marco Pereira para violão solo: aspectos composicionais. Palavras chave: Violão solo brasileiro, Marco Pereira, jazz, Garoto. A obra de Marco Pereira para violão solo: aspectos composicionais Julio Cesar Moreira LEMOS, UFG - EMAC. Julioczar10@gmail.com Werner AGUIAR, UFG EMAC werneraguiar@gmail.com Palavras chave: Violão solo

Leia mais

O FESTIVAL INTERNACIONAL DE INVERNO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA E SUAS AÇÕES MUSICAIS

O FESTIVAL INTERNACIONAL DE INVERNO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA E SUAS AÇÕES MUSICAIS O FESTIVAL INTERNACIONAL DE INVERNO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA E SUAS AÇÕES MUSICAIS Área temática: cultura Vera Lucia Portinho Vianna (Coordenadora da Ação de Extensão) Vera Lucia Portinho

Leia mais

Método Básico para Sax Alto Elaboração: Prof. MS Costa Holanda Prof. Jardilino Maciel

Método Básico para Sax Alto Elaboração: Prof. MS Costa Holanda Prof. Jardilino Maciel Método Básico para Sax Alto Elaboração: Prof. MS Costa Holanda Prof. Jardilino Maciel INTRODUÇÃO Este método consiste em orientar de uma maneira mais direta e didática o aprendizado no saxofone, instrumentos

Leia mais

www.meloteca.com Jorge Salgueiro Lista de obras Cidade de veludo com coro e grupo rock 69, 1999 4 10 min.

www.meloteca.com Jorge Salgueiro Lista de obras Cidade de veludo com coro e grupo rock 69, 1999 4 10 min. www.meloteca.com Jorge Salgueiro Lista de obras Canto - Coro Misto (1 a Cidade de veludo com coro e grupo rock 69, 1999 Pino do verão ópera com solistas, coro misto e grande ensemble 89, 5 60 Ode a euterpe

Leia mais

O Beat Beatles é um espetáculo musical que conta em detalhes a trajetória da banda mais importante de todos os tempo, os Beatles.

O Beat Beatles é um espetáculo musical que conta em detalhes a trajetória da banda mais importante de todos os tempo, os Beatles. The Beat Beatles www.beatbeatles.com.br A banda é formada por dois ex-integrantes da lendária banda Beatles 4ever. Fabio Colombini (John Lennon) e Ricardo Júnior (Paul McCartney) interpretaram juntos durante

Leia mais

Escola para Formação de Artistas Artes Visuais Dança Música Teatro

Escola para Formação de Artistas Artes Visuais Dança Música Teatro Fundação das Artes Escola para Formação de Artistas Artes Visuais Dança Música Teatro Inscrições Abertas Turmas 2013 Primeiro Semestre Cursos Livres e Técnicos A Fundação das Artes é uma Escola de Artes

Leia mais

Você quer se formar em Música?

Você quer se formar em Música? Você quer se formar em Música? Faça um dos cursos de Graduação em Música oferecidos pela Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás (EMAC/UFG)! 1) Quais são os Cursos Superiores

Leia mais

Violão Clássico. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Violão Clássico. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Violão Clássico Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas

Leia mais

"Amor mais Perfeito Tribute to José Fontes Rocha" Música de José Fontes Rocha

Amor mais Perfeito Tribute to José Fontes Rocha Música de José Fontes Rocha PRESS-RELEASE Joana Amendoeira é considerada uma das mais importantes vozes da Nova Geração do Fado. No seu cantar, o Fado ganha novo fulgor, nova atitude, sem se desviar da tradição. Joana Amendoeira

Leia mais

Introdução. Alexandre Francischini

Introdução. Alexandre Francischini Introdução Alexandre Francischini SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros FRANCISCHINI, A. Laurindo Almeida: dos trilhos de Miracatu às trilhas em Hollywood [online]. São Paulo: Editora UNESP; São

Leia mais

Brazilian QUARTETO BRASILEIRO DE VIOLÕES B I. Bios Individuais. Everton Gloeden Tadeu do Amaral Luiz Mantovani Claudio Faga

Brazilian QUARTETO BRASILEIRO DE VIOLÕES B I. Bios Individuais. Everton Gloeden Tadeu do Amaral Luiz Mantovani Claudio Faga Brazilian guitarquartet QUARTET BRAILEIR DE VILÕE B I Everton Gloeden Tadeu do Amaral Luiz Mantovani Claudio Faga EVERTN GLEDEN Everton Gloeden nasceu em ão Paulo, onde estudou com Roberto dalla Vechia,

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS

REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS Novembro de 2011 REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS 1. INTRODUÇÃO O Conservatório de Música de Coimbra dispõe de instrumentos

Leia mais

IFPE CONCURSO PÚBLICO 2010

IFPE CONCURSO PÚBLICO 2010 IFPE CONCURSO PÚBLICO 2010 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONCURSO PÚBLICO/ 2010 CÓDIGO 311 QUESTÕES: PEDAGÓGICAS - 01 a 10 ESPECÍFICAS - 11 a 40 DIA 30/05/2010 (DOMINGO)

Leia mais

Projeto Tocarei ao Senhor

Projeto Tocarei ao Senhor Projeto Tocarei ao Senhor Formando Bandas Sinfônicas nas igrejas Objetivo: Formar Bandas Sinfônicas com uso de instrumentos de sopro (madeiras flautas, clarinetes, saxofones, oboé, fagote), metais (trompetes,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens Ana Estevens, nº 120138001 Trabalho realizado na Unidade Curricular de Processos de Experimentação

Leia mais

COMO LER E ESCREVER PARTITURAS - I

COMO LER E ESCREVER PARTITURAS - I COMO LER E ESCREVER PARTITURAS - I ALTURAS Philippe Lobo 03 Introdução Um pouco de História 06 Conhecimentos Preliminares Contextualização Teórica Cordas Soltas + Escala Cromática 08 Entendendo a Pauta

Leia mais

"O teu verdadeiro ninho são as tuas asas"

O teu verdadeiro ninho são as tuas asas "O teu verdadeiro ninho são as tuas asas" Seguindo a simbologia deste ditado, o Quarteto Sabiá (nome de um pássaro brasileiro) formado por músicos de diversos países, em 1998, tem abandonado, desde então,

Leia mais

TIME FOR FUN ANUNCIA SHOWS NO BRASIL DO G3, TRIO DE GUITARRISTAS FORMADO POR JOE SATRIANI, JOHN PETRUCCI E STEVE MORSE

TIME FOR FUN ANUNCIA SHOWS NO BRASIL DO G3, TRIO DE GUITARRISTAS FORMADO POR JOE SATRIANI, JOHN PETRUCCI E STEVE MORSE TIME FOR FUN ANUNCIA SHOWS NO BRASIL DO G3, TRIO DE GUITARRISTAS FORMADO POR JOE SATRIANI, JOHN PETRUCCI E STEVE MORSE Apresentações acontecem em outubro no Rio de Janeiro, dia 11 e em São Paulo, dia 12

Leia mais

Concerto celebrativo do Centenário da República Banda da Armada

Concerto celebrativo do Centenário da República Banda da Armada Concerto celebrativo do Centenário da República Banda da Armada 23 de Outubro, 21h30, Sala Principal, M6 Entrada gratuita Sobre a Banda da Armada Segundo fontes históricas, já na primeira metade do século

Leia mais

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro ANTONIO LOUREIRO www.boranda.com.br/antonioloureiro O compositor e multi-instrumentista Antonio Loureiro chega ao segundo álbum solo apostando na liberdade do improviso e defendendo uma criação musical

Leia mais

Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente

Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente 1 Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente Everton Luiz Loredo de MATOS UFG tonzeramusic@hotmail.com Magda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES INSTITUTO VILLA-LOBOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES INSTITUTO VILLA-LOBOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO PROCESSO SELETIVO DISCENTE THE 2015 CANDIDATOS AOS CURSOS DE MÚSICA Testes de Habilidades Específicas (THE) INFORMATIVO PROVAS E PROGRAMAS Os Testes

Leia mais

Uma Introdução à Improvisação no Jazz

Uma Introdução à Improvisação no Jazz Uma Introdução à Improvisação no Jazz por Marc Sabatella 1992-2000 Outside Shore Music 1 2005 (Tradução) Cláudio Brandt Uma Introdução à Improvisação no Jazz é a versão em português do livro A Jazz Improvisation

Leia mais

CHIC SAMBA CHIC SAMBA CHORO GAFIEIRA

CHIC SAMBA CHIC SAMBA CHORO GAFIEIRA CHIC SAMBA CHIC SAMBA CHORO GAFIEIRA CHIC SAMBA CHIC ANA PAULA LOPES E LUPA MABUZE Do encontro dos artistas Lupa Mabuze e Ana Paula Lopes surgiu o projeto CHIC SAMBA CHIC, um show contagiante de música

Leia mais

CURSO DE MÚSICA MANUAL DO CANDIDATO

CURSO DE MÚSICA MANUAL DO CANDIDATO CURSO DE MÚSICA MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO DE CERTIFICAÇÃO EM HABILIDADES ESPECÍFICAS UFU 2015-1 EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 02/2015 Composição da Certificação A Certificação de Habilidades Específicas

Leia mais

No início do CLAM todos os alunos que começavam a estudar, passavam por

No início do CLAM todos os alunos que começavam a estudar, passavam por 60 &$3Ë78/2 0$7(5,$,6'((16,12$35(1',=$*(0&5,$'2612&/$0 2VSULPHLURVOLYURVGHVHQYROYLGRV No início do CLAM todos os alunos que começavam a estudar, passavam por uma entrevista com o diretor responsável pelo

Leia mais

SÉRIE REPERTÓRIO DE OURO DAS BANDAS DE MÚSICA DO BRASIL ESTRELA DE FRIBURGO. polca, para trompete e banda. música de JOAQUIM ANTÔNIO NAEGELE

SÉRIE REPERTÓRIO DE OURO DAS BANDAS DE MÚSICA DO BRASIL ESTRELA DE FRIBURGO. polca, para trompete e banda. música de JOAQUIM ANTÔNIO NAEGELE SÉRIE REPERTÓRIO DE OURO DAS BANDAS DE MÚSICA DO BRASIL ESTRELA DE FRIBURGO polca, para trompete e banda música de JOAQUIM ANTÔNIO NAEGELE SÉRIE REPERTÓRIO DE OURO DAS BANDAS DE MÚSICA DO BRASIL ESTRELA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MU096- CANTO 1A OBRIG 0 60 60 2.0 Fórmula: MU055 MU055- PERCEPCAO RITMICA MU271- CANTO CORAL 1 OBRIG 0 30 30 1.0 Fórmula: MU096 MU096- CANTO 1A PRÁTICA DA POLIFONIA VOCAL A DUAS E TRÊS VOZES.

Leia mais

BIG BAND JÚNIOR ORQUESTRA-ESCOLA DE JAZZ

BIG BAND JÚNIOR ORQUESTRA-ESCOLA DE JAZZ BIG BAND JÚNIOR ORQUESTRA-ESCOLA DE JAZZ Centro Cultural de Belém Hot Clube de Portugal Alexandra Ávila e João Godinho Direção artística Claus Nymark Direção musical e direção pedagógica 19 fev 11 21h.

Leia mais

Os instrumentos musicais são classificados conforme o material de que são confeccionados e a forma como o som é produzido.

Os instrumentos musicais são classificados conforme o material de que são confeccionados e a forma como o som é produzido. Instrumentos Musicais O homem primitivo começou a construir instrumentos musicais para tentar imitar os sons da natureza. Os primeiros instrumentos de que se têm notícia são aqueles feitos de ossos de

Leia mais

FUVEST - VESTIBULAR 2011 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA

FUVEST - VESTIBULAR 2011 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA FUVEST - VESTIBULAR 2011 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA Curso: ( ) Licenciatura ( ) Canto ( ) Instrumento ( ) Regência ( ) Composição

Leia mais

CEM BENJAMIM JOSÉ DE ALMEIDA PROJETO INTERDISCIPLINAR EINSTEIN E A MÚSICA PROFESSORES: ROSEVALDO CELESTINO BARROS FÁBIO JÚNIOR MILHOMEM

CEM BENJAMIM JOSÉ DE ALMEIDA PROJETO INTERDISCIPLINAR EINSTEIN E A MÚSICA PROFESSORES: ROSEVALDO CELESTINO BARROS FÁBIO JÚNIOR MILHOMEM CEM BENJAMIM JOSÉ DE ALMEIDA PROJETO INTERDISCIPLINAR EINSTEIN E A MÚSICA PROFESSORES: ROSEVALDO CELESTINO BARROS FÁBIO JÚNIOR MILHOMEM ARAGUAÍNA, DEZEMBRO DE 2015 A FÍSICA NA MÚSICA A música, de um modo

Leia mais

Repertório exigido para inscrição no 46º Festival de Inverno de Campos do Jordão

Repertório exigido para inscrição no 46º Festival de Inverno de Campos do Jordão ANEXO REPERTÓRIO DE ADMISSÃO Repertório exigido para inscrição no 46º Festival de Inverno de Campos do Jordão Violino Concerto nº 1, nº 2, nº 3, nº 4 ou nº 5: 1º movimento com cadência Sinfonia no.9, op.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MÚSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MÚSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MÚSICA Teste de Habilidade Específica (THE) O Teste de Habilidade Específica (THE)

Leia mais

FUVEST - Vestibular 2014 Prova de Aptidão em Música GABARITO da PROVA TEÓRICA

FUVEST - Vestibular 2014 Prova de Aptidão em Música GABARITO da PROVA TEÓRICA FUVEST - Vestibular 2014 Prova de Aptidão em Música GABARITO da PROVA TEÓRICA Provas: A B C 1 a 2. Percepção musical 1. Ditado melódico modal a uma voz. O ditado será repetido sete vezes, sempre precedido

Leia mais

Apresentação Reinaldo Arias

Apresentação Reinaldo Arias Apresentação Reinaldo Arias 2011 Projeto musical Música para envolver, encantar e integrar. Essa é a proposta do músico, produtor e compositor Reinaldo Arias. Artista atuante, gravou, produziu e compôs

Leia mais

O som no cinema brasileiro: uma estética em negativo

O som no cinema brasileiro: uma estética em negativo O som no cinema brasileiro: uma estética em negativo Rodrigo Carreiro 1 Quando observamos em paralelo a evolução histórica, técnica e estética do uso do som no cinema brasileiro e em grandes produções

Leia mais

DOIS CORAÇÕES dobrado

DOIS CORAÇÕES dobrado SÉRIE REPERTÓRIO DE OURO DAS BANDAS DE MÚSICA DO BRASIL DOIS CORAÇÕES dobrado música de PEDRO SALGADO SÉRIE REPERTÓRIO DE OURO DAS BANDAS DE MÚSICA DO BRASIL DOIS CORAÇÕES dobrado música de Pedro Salgado

Leia mais

1º Encontro Internacional de Jovens Solistas 2014

1º Encontro Internacional de Jovens Solistas 2014 1º Encontro Internacional de Jovens Solistas 2014 Violino e Piano Avenida das Acácias, 81 ** 2765-390 ESTORIL - PORTUGAL - 21 464 34 61 * 91 259 57 19 * 96 481 78 52 www.occo.pt* orquestra@occo.pt FICHA

Leia mais

Show O show tem duração de aproximadamente 1 hora Público: livre Tempo de montagem: 30 min Tempo de desmontagem: 30 min

Show O show tem duração de aproximadamente 1 hora Público: livre Tempo de montagem: 30 min Tempo de desmontagem: 30 min O compositor Bruno Elisabetsky vem desenvolvendo uma trajetória relacionada ao universo da composição tanto no meio acadêmico (através de dois anos de aprofundamento em Israel e na Espanha) quanto na prática,

Leia mais

Jazz Mugham: Maravilhas do Azerbaijão. Artes. Veronica DEVIÁ Finalista do concurso de redação de 2013 O que eu sei sobre o Azerbaijão?

Jazz Mugham: Maravilhas do Azerbaijão. Artes. Veronica DEVIÁ Finalista do concurso de redação de 2013 O que eu sei sobre o Azerbaijão? Artes Veronica DEVIÁ Finalista do concurso de redação de 2013 O que eu sei sobre o Azerbaijão? Jazz Mugham: Maravilhas do Azerbaijão 24 www.irs-az.com 1(2), PRIMAVERA 2014 Através da música de um povo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA TESTE DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA TESTE DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA TESTE DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Teste de Conhecimentos Específicos em Música (TCE) tem por objetivo

Leia mais

Serviço de Música JAZZ EM AGOSTO 2008 PROGRAMAÇÃO DETALHADA

Serviço de Música JAZZ EM AGOSTO 2008 PROGRAMAÇÃO DETALHADA JAZZ EM AGOSTO 2008 PROGRAMAÇÃO DETALHADA Agosto 1 Anfiteatro ao Ar Livre - 21:30 OTOMO YOSHIHIDE NEW JAZZ ORCHESTRA featuring AXEL DÖRNER, COR FUHLER, MATS GUSTAFSSON (Japão, Alemanha, Países Baixos,

Leia mais

RELEASE FICHA TÉCNICA RIDER TÉCNICO. Grupo Palimpsesto http://www.grupopalimpsesto.com.br +5511 99638-7620 grupopalimpsesto@gmail.

RELEASE FICHA TÉCNICA RIDER TÉCNICO. Grupo Palimpsesto http://www.grupopalimpsesto.com.br +5511 99638-7620 grupopalimpsesto@gmail. RELEASE FICHA TÉCNICA E RIDER TÉCNICO 1. INFORMAÇÕES GERAIS Ficha Técnica Grupo: Integrantes: Cid Battiato, Miguel Lobos, Pietro Battiato, Raul Ordenes e Salvador de La Fuente Shows: Latinidades, Dos Andes

Leia mais

O desenvolvimento histórico da "música instrumental", o jazz brasileiro

O desenvolvimento histórico da música instrumental, o jazz brasileiro O desenvolvimento histórico da "música instrumental", o jazz brasileiro Marina Beraldo Bastos Iniciação Científica / PROBIC UDESC e-mail: marinaberaldo@gmail.com web: www.ceart.udesc.br Acácio Tadeu de

Leia mais

A afirmação do violino solo no Brasil com o álbum de seis caprichos de Marcos Salles

A afirmação do violino solo no Brasil com o álbum de seis caprichos de Marcos Salles A afirmação do violino solo no Brasil com o álbum de seis caprichos de Marcos Salles Zoltan Paulinyi Universidade de Brasília; OSTNCS paulinyi@yahoo.com Resumo: A composição para violino solo afirmou-se

Leia mais

Eliane Elias. Sidinho Leal. E mais: Ruriá Duprat: a produção musical do ganhador do Grammy. MOOG MODULAR A recriação dos dinossauros

Eliane Elias. Sidinho Leal. E mais: Ruriá Duprat: a produção musical do ganhador do Grammy. MOOG MODULAR A recriação dos dinossauros & AFINS Ruriá Duprat: a produção musical do ganhador do Grammy Eliane Elias Ano 2 - Número 14 - Junho 2015 www.teclaseafins.com.br A pianista fala sobre o novo álbum, que marca seu retorno ao estilo que

Leia mais

A Banda. Beatlemania formada há 8 anos, surgiu de encontros de músicos experientes e, acima de tudo, admiradores da obra dos Beatles.

A Banda. Beatlemania formada há 8 anos, surgiu de encontros de músicos experientes e, acima de tudo, admiradores da obra dos Beatles. RELEASE A Banda Beatlemania formada há 8 anos, surgiu de encontros de músicos experientes e, acima de tudo, admiradores da obra dos Beatles. A Música dos Beatles Carrega fortes mensagens de paz e amor

Leia mais

MAURICIO ZOTTARELLI GROUP

MAURICIO ZOTTARELLI GROUP MAURICIO ZOTTARELLI GROUP O baterista e compositor Mauricio Zottarelli é presença freqüente e de bastante evidência, nos cenários da música Brasileira, Latina e do Jazz. Durante seus inúmeros concertos

Leia mais

SOBRE A HISTÓRIA DO JAZZ

SOBRE A HISTÓRIA DO JAZZ Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Artes CEART Departamento de Música Laboratório de Ensino da Área de Fundamentos da Linguagem Musical jazz: história, estilos... por V.A. Bezerra,

Leia mais

The Dreamers John Zorn@60 Essential Cinema John Zorn@60 Electric Masada John Zorn@60 Drumming GP plays Max Roach M Boom Elephant9 feat.

The Dreamers John Zorn@60 Essential Cinema John Zorn@60 Electric Masada John Zorn@60 Drumming GP plays Max Roach M Boom Elephant9 feat. 2 211 / 11 JAZZ / JAZZ EM EM AGOSTO AGOSTO 2013 2013 / Lisboa / LISBOA 1 The Dreamers John Zorn@60 Essential Cinema John Zorn@60 Electric Masada John Zorn@60 Drumming GP plays Max Roach M Boom Elephant9

Leia mais

Universidade de Aveiro. Departamento de Comunicação e Arte. Charlie Parker

Universidade de Aveiro. Departamento de Comunicação e Arte. Charlie Parker Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e Arte Charlie Parker Trabalho realizado no âmbito do mestrado em Música, na disciplina de História do Jazz. José Eduardo Gomes Instrumento: clarinete

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DO JAZZ II Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DO JAZZ II Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DO JAZZ II Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Jazz e Música Moderna 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais