cd69.indb 1 2/12/ :28:24

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "cd69.indb 1 2/12/2005 20:28:24"

Transcrição

1 cd69.indb 1 2/12/ :28:24

2 Delphi 2006 Overview e Novidades do IDE Guinther Pauli E m novembro estive na Borland Developer Conference 2005 em San Francisco, onde pude acompanhar de perto o lançamento do Delphi Foram várias as sessões abordando as novidades da mais nova versão do Delphi, que agora compõe o Borland Developer Studio 2006, juntamente com o C# Builder 2006 e o C++Builder Neste artigo veremos tudo o que há de novo no IDE, incluindo VCL GuideLines, Live Templates, melhorias no editor de código, novidades no suporte ao ASP.NET, desenvolvimento.net e Win32 e muito mais! Em especial, vou comentar tudo o que assisti em uma palestra de 5 horas, ministradas por alguns dos principais arquitetos do Delphi (Allen Bauer, Dany Thorpe, Anders Ohlsson e John Kaster). Borland Developer Studio 2006 Antes de começar, vou explicar um pouco a atual situação do Delphi para que eu possa conduzir o restante deste overview. A Borland, por volta de 2001, anunciou os seus planos para a criação de um IDE único que suportasse várias linguagens. O codinome do projeto dado na época, para quem lembra, foi Galileo. O projeto veio à tona com o lançamento do C#Builder 1.0. O C#Builder, ferramenta Borland para desenvolvimento de aplicações.net com o C#, usava o Galileo como IDE base, que passou a ser chamado a partir daí de Borland Developer Studio 1.0 (BDS). No ano seguinte, a Borland anunciou o Delphi 8, com suporte ao.net Framework. O Delphi 8 estava hospedado na versão 2.0 do Borland Developer Studio. Em 2005, a Borland unificou o Delphi for.net (D8) e o C#Builder no BDS, na sua versão 3.0. Além disso, foi adicionado o suporte ao Delphi Win32 (D7), além de uma série de outras novidades como vimos na edição 57 da Revista ClubeDelphi, incluindo ECO 2, novos componentes ASP.NET, ALM, StarTeam, Refactoring, Deploy Manager, History Manager etc. Apesar do nova IDE ser uma união de três linguagens (chamadas de perso- nalidades ), o nome comercial dado foi Delphi 2005, suportando C#, Delphi for.net e Delphi Win32. A partir de agora o nome utilizado para referenciar o IDE é Borland Developer Studio 2006 (a versão 4.0), previamente conhecido pelo codinome Dexter. O BDS 2006 comporta agora quatro produtos em um só (ao adquirir qualquer um deles, você tem direito a utilizar os demais gratuitamente): Delphi Win32; Delphi NET; C# Builder 2006; C++ Builder 2006 (nova personalidade suportada agora no BDS 4.0); É claro, devido à popularidade da marca Delphi, muitas referências ao BDS 4.0 são feitas com o nome Delphi O Dexter, conforme reforça o próprio nome, é a décima versão do Delphi. Nota: Pouco antes do fechamento desta edição, a Borland anunciou em seu site que a personalidade C++ seria lançada na forma de um Preview no BDS 2006, com posterior update, conforme consta no link 0,1410,33404,00.html Delphi 2006: Missão A equipe da Borland salientou quais são os principais objetivos do novo produto, onde destaco o seguinte: Melhorias na qualidade e performance do IDE; ECO basic em todas as versões para incentivar o uso do ECO (Enterprise Core Objects), a Borland distribui agora o framework em todas as versões do produto, incluindo Professional, Enterprise e Architect; VCL Design Guidelines novas melhorias no Form Designer, conforme veremos mais adiante neste artigo; Together aqui provavelmente está uma das principais novidades do IDE, agora temos o suporte full ao Together, ferramenta para design e modelagem UML da Borland. Tudo está integrado no mesma IDE; Live Templates modelos de código para serem usados com o Code Insight e editor (vistos a seguir); Novos Refactorings; Suporte à personalidade C++, incluindo VCL para C++; cd69.indb 6 2/12/ :28:47

3 Acesso a BD no Delphi 2006Andreano Lanusse Novidades no Data Explorer, dbexpress e BDP Delphi 2006 traz inúmeras novidades no desenvolvimento de O aplicações para bancos de dados, tanto para desenvolvimento Win32 (VCL) quanto para.net. Temos atualizações no dbexpress, BDP (Borland Data Provider), melhorias no IDE, Connection Pooling, novos drivers e muitos outros recursos. dbexpress Como sabemos, o dbexpress é a tecnologia de acesso a dados que traz independência no desenvolvimento de aplicações que utilizam BD, sendo muito utilizado por empresas que têm sistemas que precisam trabalhar com vários tipos de servidores. O uso dessa tecnologia torna o desenvolvimento rápido, barato e com alta performance. No diretório <BDS>\Demos existem diversos exemplos de aplicações utilizando dbexpress, fique a vontade para estudar todos esses exemplos. O desenvolvimento com dbexpress está disponível para Delphi Win32, Delphi for.net e C++ Builder, e incluí várias novidades, conforme destacaremos ao longo deste artigo. Data Explorer O Data Explorer do IDE permite um fácil gerenciamento e manutenção de objetos do banco de dados, fornecendo uma maneira simples para consultar / modificar a estrutura de tabelas, executar comandos SQL, migrar dados etc. Até o Delphi 2005, só era possível utilizar o Data Explorer para gerenciar bancos de dados que tivessem uma conexão BDP (.NET). Podíamos então utilizar o recurso de drag and drop durante o desenvolvimento, ao arrastar conexões e tabelas para o designer, os componentes BDP eram gerados e configurados automaticamente. Uma grande melhoria no IDE é que agora é possível utilizar o Data Explorer para gerenciar BDs usando conexões dbexpress! Todos os recursos já disponíveis para BDP, como o recurso de drag and drop, migração de dados, execução de comandos SQL etc., podem ser utilizados com dbexpress (Figura 1). Nota: Veja um artigo na edição 67 para uma introdução aos recursos do Data Explorer. Uma outra vantagem no Data Explorer é que agora é possível customizar o mapeamento de tipos de campos para migração de dados entre diferentes bancos. Por exemplo, um campo do tipo date pode ser configurado para gerar um campo string em outro banco durante a migração. Esse recurso facilita a migração e resolve problemas de incompatibilidade. Drivers atualizados No Delphi 2006, os drivers dbexpress para acesso a dados foram atualizados conforme a Tabela 1, suportando agora as últimas versões dos principais BDs do mercado, mantendo ainda suporte para versões anteriores. O driver dbexpress para SQL Server foi atualizado, incorporando o suporte a unicode, incluindo caracteres chineses, japoneses e outros caracteres são suportados pelo driver. Temos também suporte a Return Values na execução de Stored Procedures. O SQL Server permite que seus parâmetros sejam retornados para a aplicação, como se fossem um var Edição 68 - ClubeDelphi 11 cd69.indb 11 2/12/ :29:01

4 Delphi Language Novidades do compilador do Delphi 2006 Dormevilly Tertius Como é de conhecimento de todos, o Delphi é baseado na linguagem Pascal e no Turbo Pascal, que foi a primeira ferramenta criada pela Borland há mais de 22 anos. Durante esse longo tempo de vida, a linguagem Pascal vem se adaptando as necessidades e mudanças de arquiteturas impostas pela plataforma e usuários. Muitos dos novos usuários do Delphi não imaginam que na primeira versão do produto, funções básicas do IDE como Code Insigth e Code Completion simplesmente não existiam e que em versões anteriores da linguagem Pascal não era possível criar arrays dinâmicos, overload de função então, nem pensar. Na versão 2005 do Delphi, várias funcionalidades foram incorporadas na linguagem Pascal, entre elas: For-in-do; Unicode; Namespaces; Structured Types; Entre outros. Nessa nova versão do Delphi, foram feitas várias modificações/ melhorias na estrutura da linguagem Pascal, as principais sem dúvida estão relacionadas ao uso de Records no Win32, assunto que veremos em detalhes neste artigo. Usando records Originalmente o suporte a record remonta da versão 1.0 do Turbo Pascal. Nesse longo caminho até o Delphi 2006, o record sofreu muitas implementações para atender as necessidades tanto dos usuários (vocês) quanto das mudanças tecnológicas impostas pela evolução da plataforma. Como sabemos, um record representa um conjunto heterogêneo de elementos. Cada elemento é chamado de campo (field). Na declaração do record especificamos o nome e tipo de cada campo. Exemplo de sintaxe: type RecordTypeName = record FieldList1: type1;... FieldListn: typen; end; Onde RecordTypeName é um identificador válido, cada type representa um tipo de dado válido (ex.: integer, string etc.) e cada FieldList é um identificador válido ou uma string delimitada por aspas. Como exemplo, confira a seguir uma declaração de construção de registro chamada TDataReg: type TDataReg = record Ano: Integer; Mes: (Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun, Jul, Ago, &Set, &Out, Nov, Dez); Dia: 1..31; end; Cada TDataReg contém três campos: um inteiro chamado de Ano, uma enumeração chamada de Mes e outro inteiro chamado de Dia, com valor delimitado entre 1 e 31. Para utilizar esse registro em alguma parte da aplicação, basta declarar uma variável do tipo do registro da seguinte forma: var Data: TDataReg; begin Data.Ano := 2005; Data.Mes := Out; Data.Dia := 25; end Ao longo dos anos, as funcionalidades dos records foram aprimoradas, suportando tipos variáveis, cláusula case entre outras coisas. O Record no Delphi 2006 No Delphi 2006, o record é mais uma vez incrementado e passa a ser quase uma classe, com suporte a: Construtores; Sobreposição de operadores; Declaração de métodos não virtuais; Propriedades e métodos estáticos. Vamos ver um exemplo de implementação de um record com as novas funcionalidades incluídas no Delphi 2006, conforme a Listagem 1. Agora records podem utilizar muitas das funcionalidades 14 cd69.indb 14 2/12/ :29:07

5 ECO III no Delphi 2006 (UML + produtividade) 2 no Delphi 2006 Daniel Polistchuck Delphi 2006 já é o quarto produto da Borland a suportar o O ECO e sempre que uma nova versão chega temos muitas novidades. Essa era minha expectativa ao receber as primeiras informações sobre o DeXter (agora Delphi 2006) há alguns meses. No entanto, ao ler a descrição das novas características fiquei, como um bom carioca, bolado! Pensei cá com meus botões: se for tudo isso mesmo o bicho vai pegar (cariocamente falando, mais uma vez). Antes do bicho pegar Para aqueles que nunca ouviram falar do ECO: ECO significa Enterprise Core Objects e é uma infra-estrutura (ou framework para quem gosta de anglicanismos) de desenvolvimento que oferece ao desenvolvedor a possibilidade de abstrair persistência de dados, SQL, interface gráfica avançada, sincronização de dados, mapeamento objeto-relacional etc., utilizando modelos UML como base para toda a aplicação. Simplificando: o ECO permite que você seja extremamente produtivo oferecendo ao desenvolvedor a possibilidade de aplicar os conceitos RAD (Rapid Application Development) à Orientação a Objetos pura. Ou seja: sonho! Usar OO sem perder produtividade! E o bicho pega! Agora que já entendemos o que é o ECO, podemos dizer: realmente o bicho pegou. Veja uma lista do que temos de novo no ECO III do Delphi 2006: Pacotes do ECO em Assemblies para reutilização e extensão (ECO Package in Package); Wizard de edição visual de XML de mapeamento objetorelacional; Adição de modelagem comportamental (leia-se regras de negócio com Diagrama de Estado) ao diagrama de classes para geração de código; Novo engine do Together mais rápido e flexível para modelagem; Suporte a EcoSpace Synchronization Server para distribuição de alterações automática entre aplicações; Autoforms com métodos, integrados com máquina de estados das classes, em Windows Forms e ASP.NET; EcoSpace Debugger para ASP.NET; Geração opcional de uma classe por unit; ECO Action Language (extensão ao OCL) para implementação de código em modelos. Neste artigo vamos nos concentrar no uso Máquinas de Estado, um dos principais novos recursos do ECO. Nota: Para uma introdução ao ECO, veja a série de artigos sobre o assunto nas edições 57 a 61. Consulte também um artigo on-line no Hot Site Borland, no endereço borland/artigos/ecoii.asp Máquinas de Estado Vamos começar com uma aplicação do tipo ECO WinForms simples, de uma classe chamada Pedido (Figura 1). Para se adicionar uma máquina de estados à classe, basta clicar com o botão direito do mouse sobre ela e selecionar Add>ECO State Machine. As máquinas de estado são um dos diversos diagramas que podem representar o comportamento das classes de um modelo. Normalmente são utilizados para representar os estados possíveis de uma classe e suas respectivas transições. Na Figura 2, podemos avaliar os diferentes elementos visuais de uma máquina de estado. Com a seguinte legenda: (A) = Estado inicial (B) = Estado (C) = Transição de Novo para Cancelado e seu Trigger Cancelar (D) = Transição de Em Análise para Cancelado e seu Trigger Cancelar, com efeito MotivoCancelamento := Sem Crédito Ao criar uma máquina de estados para uma classe, o Delphi cria um State Attribute (atributo de estado) de forma automática. Normalmente o nome é algo parecido com State_1. No caso do nosso exemplo, alterei o nome desse atributo para Status. A modelagem dos estados e transições é bastante intuitiva. Basta arrastar os elementos a partir da Tool Palette para a área de desenho do modelo. Para criar Triggers, devemos clicar com o botão direito em uma área livre do modelo e selecionar Add>Trigger to Class. Criei as Triggers Analisar, Cancelar e Enviar, associando-os às respectivas transições, como na Figura 2. Na transição de Em Análise para Cancelado, configurei a propriedade Effect para MotivoCancelamento := Sem Credito no Object Inspector. Após todas essas modificações, na Figura 3 temos a nossa classe. Na Figura 3 podemos perceber que Triggers nada mais são que métodos. Esses métodos, quando chamados, irão causar a alteração 16 cd69.indb 16 2/12/ :29:13

6 Delphi 2006 e Together O casamento tão esperado Renato Quedas Eu me lembro do dia em que soube que a Borland havia comprado a Togethersoft, passei a noite pensando nas possibilidades de ter recursos do Together agregados as nossas ferramentas de desenvolvimento. Acho que não preciso dizer que a primeira visão que tive foi de como o Delphi massacraria a concorrência se tivesse tais capacidades disponíveis para os seus desenvolvedores. Bom, logo soubemos que teríamos que esperar um tempo até que a equipe do Together trabalhasse em uma integração com o Delphi. Primeiro, veio a superfície de design para modelos de classe para o ECO I no Delphi 8 for.net, depois a visualização e navegação de código Win32 ou.net através de diagramas de classe no Delphi Mas em todos os eventos que fazíamos, os desenvolvedores seguiam fazendo a mesma pergunta: Quando teremos o Together for Delphi? É com grande prazer que digo que o tempo de espera acabou. O Together não só foi integrado ao Delphi como se tornou um feature presente em TODAS as edições do Delphi É isso mesmo, os desenvolvedores que utilizam desde o Delphi 2006 Professional até o Delphi 2006 Architect poderão utilizar todos os diagramas UML 1.5 e o famoso LiveSource para as linguagens Delphi (Win32 e.net) e C# (.NET). Neste artigo irei apresentar como todos os recursos do Together disponíveis no Delphi 2006 podem suportar o desenvolvimento de aplicações Win32 ou.net. Projetos de análise Uma das novas capacidades do Delphi 2006 é a criação de projetos de modelagem UML utilizando UML 1.5 ou UML 2.0, também conhecidos como projetos de design. Podemos considerar esses projetos como se fossem projetos de análise e como tal, não possuem nenhuma interação com código. A vantagem desses projetos é permitir que você utilize o Delphi 2006 já na fase de refinamento do escopo, mesmo que ainda não tenha decidido se o projeto vai ser implementado na plataforma Win32 ou.net. Uma vez que tenha definido qual plataforma, o Delphi 2006 pode transformar seu projeto de análise em um projeto de implementação em Delphi Win32, Delphi for.net ou C# (.NET). Para criar um novo projeto de design, selecione File>New>Other para acessar a caixa de diálogo New Items. Na lista de opções, selecione Design Projects e em seguida escolha UML 1.5 Design Projects, para criar projetos utilizando a versão 1.5 da UML ou UML 2.0 Design Projects para utilizar a versão mais atual da mesma. 20 cd69.indb 20 2/12/ :29:23

7 Mais poder no BDS Desenvolvimento com C++ Adail Muniz Retamal Os usuários do BDS (Borland Developer Studio), agora na versão 4.0 (2006), contam com mais uma arma no já poderoso arsenal de linguagens e ferramentas: a personalidade C++ para Win32. Ao contrário da opinião comum, o número de desenvolvedores C/C++ ainda é bastante expressivo, principalmente em áreas como software embutido em equipamentos eletrônicos, jogos, comunicação com hardware, protocolos de comunicação e sistemas em tempo real, entre outras. Algumas características dessa linguagem, como sua sintaxe, a manipulação direta da memória, a utilização intensiva de ponteiros, a possibilidade de usar herança múltipla, entre outras, acabam por assustar aqueles que estão começando ou que estão acostumados com outras linguagens mais amigáveis. Por isso, um ambiente de desenvolvimento que auxilie a controlar essa complexidade é de extrema importância. C# e Java herdaram grande parte da sintaxe do C++, embora tenham excluído várias características consideradas perigosas, como os ponteiros e a herança múltipla. Só para lembrar aos mais antigos (ou para informar aos mais novos), o próprio Windows foi feito em C/C++. É por isso que quando usamos a API do Windows temos que passar parâmetros um tanto quanto estranhos, como strings terminadas com o caractere nulo (ASCII 0) e ponteiros para estruturas. E para os Delphianos, ao chamar uma DLL feita em C/C++, às vezes temos que lembrar de declarar as funções com o especificador cdecl, senão a passagem de parâmetros e a limpeza da pilha de chamada serão incompatíveis, e aí já viu, né? As novidades Para os programadores C/C++ há um mundo de novidades. Quem já era usuário do C++ Builder sentirá emoções semelhantes às dos usuários do Delphi 7 e anteriores, quando experimentaram o novo IDE, que oferece inúmeras funcionalidades para aumentar a produtividade e a segurança. Alguns destaques são: Code Completion: ao utilizar o operador -> para acessar membros de uma classe, o editor mostra uma lista com os possíveis símbolos. Também se pode invocar a lista a qualquer momento teclando Ctrl+Space; Code Folding: o editor possibilita ocultar linhas em regiões pré-definidas, como o corpo das funções, ou em regiões delimitadas pelo usuário, entre os símbolos #pragma region e #pragma end_region (Figura 1); Figura 1. O editor de código, mostrando o Code Completion e o Code Folding Refactoring: pode-se renomear um símbolo de forma segura, através do menu Refactor>Rename. As alterações podem ser visualizadas antes de serem aplicadas e até mesmo desfeitas; Painel de estrutura: para navegar no código através de uma árvore com as classes, funções, macros, includes etc; Histórico: cada arquivo possui seu próprio histórico de versões, que pode ser acessado pela aba History, na parte inferior do editor. Ali podemos comparar versões, voltar uma versão e copiar trechos. Se estiver usando o StarTeam, as versões do repositório também aparecem no histórico; Integração com CaliberRM e StarTeam: integre sua equipe de desenvolvimento através da gerência de requisitos e de configuração, garantindo melhor comunicação e entendimento, atribuição e acompanhamento de tarefas, atendimento de solicitações de alteração e rastreamento de defeitos, além de garantir a integridade dos artefatos produzidos (código, documentação etc.). Entre os diversos tipos de projetos possíveis (DLLs, objetos COM+, aplicações console, VCL etc.) vale a pena destacar: IntraWeb: criar aplicações para a Web em C++ nunca foi tão fácil e divertido! Toda a funcionalidade do poderoso framework IntraWeb agora à disposição da comunidade C++. Desenhe os formulários, codifique os eventos e pronto! 26 cd69.indb 26 2/12/ :29:36

8 ASP.NET Desenvolvendo Web com o Delphi 2006 Andreano Lanusse No Delphi 2006, o desenvolvimento ASP.NET tornou-se muito fácil e com produtividade muito próxima do desenvolvimento desktop. A Borland adicionou importantes recursos na IDE do Delphi 2006 e também em assistentes e componentes, como veremos neste artigo. Gerenciador de Deploy Criar uma aplicação Web é muito simples, mas fazer o deploy envolve muitos passos. Desde o Delphi 2005, implementamos o deploy de aplicações Web, que consiste em fazer o upload de toda a aplicação direto para um site, via diretório ou FTP. No Delphi 2006, os assemblies que são referenciados pela aplicação passam a ser distribuídos também, isso facilitará ainda mais o deploy. Além disso, passa a ser possível incluir arquivos externos ao deploy, ou seja, o deploy não fica restrito aos arquivos do projeto (Figura 1). Editor HTML e Layout No Delphi 2005, o código HTML/ASPX era formatado automaticamente e ajustado constantemente pelo IDE. Uma novidade é que agora o novo editor preserva a formatação feita pelo desenvolvedor, incluindo tags específicas do usuário, formatação de atributos e fechamento automático das tags. Além disso, agora será possível especificar qual o layout default do seu IDE, que pode ser Grid Layout e Flow Layout. No menu Tools>Options>HTML/ASP.NET você pode especificar qual o layout default. DBWeb Controls Muitas são as novidades nos DBWeb Controls, que aumentam a produtividade no desenvolvimento de aplicações Web, tornando-se muito parecido com o desenvolvimento VCL. Algumas novidades: Novo wizard para criação de componentes DB Web; O evento AutoUpdateEvent é executado toda vez que uma alteração foi feita em um registro, com isso a atualização do servidor é automática; Suporte a campos agregados (Avg, Sum, Count, Min, Max); DBWebImage pode se conectar a um campo string; Locate suporta localização em campo específico; Em relações master/detail podemos configurar uma alteração e exclusão em cascata; Os dados em XML agora são carregados em design time, antes apenas os dados de banco de dados eram carregados. Além dessas melhorias, destaco também o suporte aprimorado a depuração de aplicações com o servidor Cassini. Figura 1. Deploy de aplicações ASP.NET Andreano Lanusse é System Engineer da Borland Latin América, onde é membro do Delphi Team, especialista em InterBase há 10 anos, larga experiência em desenvolvimento de aplicações, é certificado Borland Instructor, Delphi, C++ Builder, JBuilder, Together, StarTeam, CaliberRM, MCP em SQL Server e Windows cd69.indb 28 2/12/ :29:43

9 Outras empre Novidades da VCL Adail Muniz Retamal GridPanel, FlowPanel, TrayIcon e controles com margens e transparência Mesmo com tantas novidades em diversas áreas (IDE,.NET, Web, banco de dados etc.), não poderíamos passar por alto um dos corações do Delphi: a nossa estimada Visual Component Library (VCL). Do alto de seus dez anos de existência, ela ainda promete muitas surpresas, conforme veremos neste artigo. Novos componentes visuais A versão 2006 do Delphi traz três novos componentes na Tool Palette: FlowPanel (categoria Additional); GridPanel (categoria Additional); TrayIcon (categoria Win32). Eles são os membros mais novos da família, fazendo companhia aos mais antigos e àqueles que chegaram nas versões do Delphi 8 e 2005, como o CategoryButtons, ButtonGroup, DockTabSet etc. Os novos painéis O tradicional Panel é um container visual para outros componentes. Dentro dele podemos posicionar um controle visual em qualquer lugar desejado. Em outras palavras, o posicionamento é absoluto (mas é claro, as coordenadas Top e Left do controle referem-se ao canto superior esquerdo do painel). Talvez inspirados em conceitos similares em Java, onde existe o chamado Layout Manager, que define como os controles serão distribuídos dentro de um container, podemos dizer que temos agora três tipos de layout managers: Panel : tipo absoluto, ou XY. Os componentes são colocados em posições fixas e precisas; FlowPanel : os componentes são colocados em seqüência, de acordo com a ordem definida (similar ao que ocorre nas páginas HTML sem o uso de tabelas ou estilos CSS). o O fluxo é determinado pela propriedade FlowStyle, que aceita uma das opções a seguir. Para entender bem a nomenclatura, os componentes começam a ser colocados na direção indicada pelo primeiro par (ex.: LeftRight). Quando não há mais espaço no painel, aí a direção a ser seguida é dada pelo segundo par (ex.: TopBottom): fsleftrighttopbottom: da esquerda para a direita, de cima para baixo (default); fsrightlefttopbottom: da direita para a esquerda, de cima para baixo; fsleftrightbottomtop: da esquerda para a direita, de baixo para cima; fsrightleftbottomtop: da direita para a esquerda, de baixo para cima; fstopbottomleftright: de cima para baixo, da esquerda para a direita; fsbottomtopleftright: de baixo para cima, da esquerda para a direita; fstopbottomrightleft: de cima para baixo, da direita para a esquerda; fsbottomtoprightleft: de baixo para cima, da direita para a esquerda. o Outra propriedade importante é a AutoWrap, quando possui o valor True, indica que o fluxo será quebrado para a outra direção quando não houver mais espaço no painel. Se for False, os componentes que não couberem ficarão invisíveis; o Um uso interessante para esse tipo de painel é na geração automática de formulários, onde os campos são definidos dinamicamente, talvez num banco de dados ou num arquivo. Dessa forma não precisamos nos preocupar com o posicionamento de cada campo. Veja na Figura 1 um exemplo de uso do FlowPanel. Figura 1. Exemplo de uso do TFlowPanel GridPanel : o painel é dividido em linhas e colunas, sendo que cada célula contém um componente (como a utilização de tabelas no HTML). o Os componentes são dispostos em ordem de linhas 0502F M A 30 O cd69.indb 30 2/12/ :29:50

10 UDDI Fernando Vasconcelos Mendes - FernandoVM Parte IV - Analisando o cenário em funcionamento No artigo anterior estudamos a inclusão de informações em um registro UDDI, usando para isso os serviços UDDI do Windows Server Depois de entendido esse processo na prática, podemos partir agora para a conclusão da implementação de nosso cenário prático, estudando a UDDI SOAP API e codificando os elementos restantes. Vamos lá! A UDDI SOAP API Como já foi comentado ao longo desta série, todo serviço UDDI é obrigado a disponibilizar uma interface SOAP padrão para acesso programático, são as chamadas UDDI Inquiry API e UDDI Publish API. Neste artigo estaremos utilizando apenas a API de pesquisa, visto que a publicação já fizemos na parte III da série, usando a interface web disponibilizada pelo Windows Server 2003 para esse propósito. A UDDI Inquiry API é relativamente simples, sendo composta de algumas poucas mensagens cujas descrições resumidas podem ser encontradas a seguir: find_binding: Usada para localizar vinculações específicas dentro de serviço (businessservice) registrado, seu retorno é uma mensagem bindingdetail; find_business: Usada para localizar informações sobre provedores, seu retorno é uma mensagem businesslist; find_relatedbusinesses: Usada para localizar informações sobre provedores (businessentity) que são relacionados a uma unidade de negócio específica cuja chave é fornecida, seu retorno é uma mensagem relatedbusinesseslist; find_service: Usada para localizar serviços específicos de um dado provedor (businessentity) já registrado. Seu retorno é uma mensagem servicelist; find_tmodel: Usada para localizar informações sobre estruturas tmodel, ou seja, especificações abstratas de serviços de interesse da comunidade. Seu retorno é uma estrutura tmodellist; get_bindingdetail: Usada para obter detalhes completos sobre vinculações (bindingtemplate) de um dado conjunto de serviços requisitados. Seu retorno é uma mensagem bindingdetail; get_businessdetail: Usada para obter informações completas sobre provedores (businessentity), seu retorno é uma mensagem businessdetail; get_businessdetailext: Usada para obter informações estendidas sobre provedores (businessentity), seu retorno é uma mensagem businessdetailext; get_servicedetail: Usada para obter detalhes completos sobre um dado conjunto de serviços registrados, seu retorno é uma mensagem servicedetail; get_tmodeldetail: Usada para obter detalhes completos sobre um dado conjunto de tmodels registrados, seu retorno é uma mensagem tmodeldetail. Maiores detalhes sobre a especificação da UDDI SOAP API podem ser obtidos em Bom, para começarmos a desenvolver o restante de nosso cenário precisaremos decidir como faremos esse acesso ao servidor UDDI. Obviamente codificar manualmente os envelopes SOAP e enviá-los, assim como realizar o processo inverso para o recebimento da resposta, é uma opção, vejamos como exemplo a formatação da mensagem find_tmodel: <find_service [businesskey= uuid_key ] [maxrows= nn ] generic= 2.0 xmlns= urn:uddi-org:api_v2 > [<findqualifiers/>] [<name/> [<name/>] ] [<categorybag/>] [<tmodelbag/>] </find_service> Mesmo sabendo que essa é uma opção e que todas as mensagens da referida API são igualmente simples, podemos concluir com facilidade que essa não é a opção mais produtiva. O melhor caminho é buscarmos um framework que já faça esse trabalho repetitivo e de mais baixo nível para nós, de tal forma que possamos nos preocupar apenas com as regras de negócios envolvidas na lógica que queremos empregar. Obtendo o Microsoft UDDI.NET SDK 2.0 Beta 1 Posso dizer que existem vários frameworks para esse propósito, aqui usaremos o Microsoft UDDI.NET SDK 2.0 Beta 1 que pode ser obtido gratuita e rapidamente, visto que o arquivo tem menos de 200Kb, através do link: aspx?displaylang=en&familyid=542991cf fd-babf- 7FF3638EE6B1. A instalação do SDK é muito simples, basta darmos um duplo clique no arquivo que baixamos e a instalação irá iniciar. A seguir, na tela do 34 cd69.indb 34 2/12/ :29:57

11 Padrões de Projeto Parte III Design Patterns Paulo Roberto Quicoli Novamente estamos aqui, agora com o último artigo desta série, que buscou levar a vocês uma introdução ao mundo dos padrões de projeto. Como mencionado na edição anterior, o artigo de hoje mostrará como os padrões estão classificados e alguns exemplos práticos. A gangue dos quatro (GoF - pessoas que catalogaram os padrões de projeto mais comuns), realizou um grande trabalho de pesquisa que resultou em uma classificação dos padrões em algumas categorias: Criacionais, Estruturais e Comportamentais. Nota: Como ficaria muito extensa a explicação e demonstração de cada padrão, demonstraremos apenas um padrão de cada classificação e nas referências do final do artigo maiores detalhes poderão ser encontrados. Criacionais Os padrões dessa categoria têm a característica de abstrair a instanciação e o processo de instanciação de objetos, de tal forma que um sistema pode não depender (saber) como são criados determinados objetos. Para conseguir essa independência e flexibilidade, os padrões criacionais encapsulam as classes concretas que existem. Nessa categoria existem cinco padrões mais comuns: Abstract Factory; Builder; Singleton; Prototype; Factory Method. Factory Method Fornece uma interface para criação de objetos, porém essa criação é determinada por suas subclasses. Vamos a um exemplo prático. Podemos utilizar esse padrão para abstrair a criação de formulários de nossos sistemas, para isso inicie um novo projeto no Delphi 7 (você pode utilizar também o Delphi 2005/2006) e organize o formulário principal como é exibido na Figura 1. Agora adicione mais três formulários e salve o projeto, podendo-se deixar os nomes padrão. Vamos agora criar nossa classe que usará o padrão Factory Method. Crie uma nova unit no projeto e a salve como FormFactoryU.pas e adicione a classe da Listagem 1. Adicione também uma função pública, da qual nossa fábrica (Factory) de formulários será acessada: function FormFactory: TFormFactory; Listagem 1. Classe Factory uses Classes, Forms; Figura 1. Formulário principal type TFormFactory = class private FList: TStrings; public constructor Create; destructor Destroy; override; function CreateForm( const aformname: string): TForm; procedure RegisterForm(const aformname: string; aformclass: TComponentClass); end; Nossa fábrica criará formulários por seus nomes, através do método CreateForm. Cada formulário que será criado deve registrar-se em nossa fábrica, através do método RegisterForm, para que ela possa instanciá-lo quando for necessário. Veja como o formulário 2 é registrado na Listagem 2. Observe que incluímos a unit de nossa fábrica e a utilizamos na seção initialization da unit formulário. Faça o mesmo para os outros formulários passando como parâmetro seus respectivos nomes e classes. Nota: A seção initialization é uma seção opcional na estrutura de uma unit. Os códigos contidos nela são executados na inicialização do programa e na ordem que estão definidos nele. 40 cd69.indb 40 2/12/ :30:06

12 API Hooking Michael Benford Parte II - Trocando informações entre processos com IPC No artigo anterior, vimos os conceitos iniciais sobre API Hooking, como funciona, os métodos existentes, regras de hooking etc. Dentre essas regras, havia uma que proibia o uso de recursos da VCL dentro de um callback. Isso pode ser tornar um grande problema, limitando muito nossa criatividade ao se trabalhar com hooks. Exibir um simples formulário para o usuário torna-se uma tarefa impossível. Felizmente, somos programadores Delphi e como sempre há uma saída. E se chama IPC (Inter Process Communication). O truque O leitor deve estar pensando como o IPC pode nos ajudar a resolver o problema apresentado. De fato, continua sendo proibido usar VCL dentro da DLL. O truque consiste em mandar uma mensagem para outro processo, livre de regras e impedimentos e pedir para ele fazer o que queremos. A forma mais simples de trocar mensagens entre processos no Windows é através da API SendMessage. Porém, existem casos em que API s interativas (veja quadro), como essa, não são permitidas dentro de um callback (veja o tópico Regras a serem obedecidas, no artigo anterior). Portanto, ao menos que você tenha absoluta certeza de que sua DLL não irá hookar nenhuma API ilegal, a melhor saída é usar IPC. Nota: IPC leva vantagem sobre SendMessage também em outra situação: aplicações console. Nesse tipo de aplicação não se pode usar SendMessage, simplesmente porque ela não funciona. API s interativas API s interativas são aqueles que interagem diretamente com o usuário, através de mensagens na tela, gráficos etc. Já API s não interativas são exatamente o contrário: executam processamento nos bastidores do sistema operacional, sem se manifestar visualmente. Como funciona A comunicação entre processos com IPC consiste basicamente em mandar uma mensagem para um endereço específico, de dentro de um processo, e fazer outro acessar esse mesmo endereço para fazer a leitura. É claro, que para isso funcionar de fato muita coisa deve ser feita, da mesma forma que com as técnicas de API Hooking. Mas, novamente, não precisamos nos preocupar com isso, pois já o fizeram por nós. BmsAPIHook, mais uma vez A mesma biblioteca do colega Bruno Martins Stuani que usamos para injetar DLL em processos e hookar suas API s (veja edição anterior) nos fornece tudo o que é necessário para cria e usar IPC. Há apenas três funções que fazem todo o trabalho sujo : function BmsCriaSecaoIpc(idSecao: PChar; Callback: TBmsIpcCallback): Boolean; function BmsDestroiSecaoIpc(idSecao: PChar): Boolean; function BmsComunicaIpc(idSecao: PChar; Buffer: Pointer; Tamanho: Integer; Resposta: Pointer; TamResposta: Integer): Boolean; Vejamos os parâmetros disponíveis, começando pela BmsCria- SecaoIPC: idsecao: Nome da seção servirá para fazer referência às mensagens. Deve ser único no sistema operacional; Callback: Ponteiro para uma estrutura do tipo TBmsIpc- Callback. A estrutura citada anteriormente é definida com o seguinte código: TBmsIpcCallback = procedure(buffer: Pointer; TamBuffer: Integer; Resposta: Pointer; TamResposta: Integer;); stdcall; Para especificar esse último parâmetro, deve ser criada uma procedure exatamente igual à estrutura citada e passá-la para a função por referência. Veja um exemplo: procedure IPC_Callback(Buffer: Pointer; TamBuffer: Integer; Resposta: Pointer; TamResposta: Integer); stdcall; begin... end;... bmscriasecaoipc( Callback); Nota: Não se esqueça da palavra-reservada stdcall no final da declaração da procedure. A próxima função é bmsdestroisecaoipc. Como o nome sugere, ela serve para liberar uma seção criada pela função anterior. Edição 68 - ClubeDelphi 45 cd69.indb 45 2/12/ :30:12

13 Coluna Borland Delphi RoadMap e o futuro do Delphi Andreano Lanusse Prezados Delpheiros, o tema da coluna Borland desta edição com certeza é de interesse geral. Todos sempre nos perguntam sobre o futuro do Delphi. Estamos agora em fase de mudança no desenvolvimento, da mesma forma como há 9 anos mudamos de 16 bits com o Windows 3.1 e fomos para o 32 bits com o Windows 95. Como já falamos anteriormente aqui na coluna, a migração agora é para a plataforma.net. A Borland durante todo esse período forneceu aos seus desenvolvedores toda a infra-estrutura e compatibilidade para que vocês conseguissem evoluir seus aplicativos, e dessa vez não será diferente. A evolução para a plataforma.net tornou-se transparente através da VCL.NET e fornecemos total suporte a Windows Forms e a ASP.NET. Tudo isso, preservando o investimento e conhecimento adquirido ao longo do tempo. O Delphi 2006, parte da suíte Borland Developer Studio, que inclui C++ Builder e C# Builder, revoluciona mais uma vez. O casamento tão esperado entre o Together e o Delphi aconteceu. O ECO mostra uma evolução fantástica em sua terceira versão e outras inúmeras novidades foram incorporadas. O que podemos melhorar? O que falta? O que a comunidade pede? Podemos associar a palavra RoadMap a planejamento estratégico: isso quer dizer que esse RoadMap pode mudar, assim como um planejamento estratégico muda, pois constantemente é revisado. Estamos no mundo da tecnologia em que dinamismo é constante. O.NET Framework 2.0 acaba de ser lançado e o Delphi 2006 não poderia ser lançado com suporte a uma tecnologia que não estava pronta. Agora, vamos acelerar os trabalhos para que o Delphi tenha todo o suporte. Isso mesmo!! Acelerar os trabalhos, pois esses já foram iniciados. A VCL terá suporte a.net 2.0, pois é nosso compromisso manter a evolução dos desenvolvedores Delphi. E o suporte a.net Compact Framework? No Delphi 2005 lançamos o primeiro preview da tecnologia, no Delphi 2006 unificamos o compilador e alguns novos recursos, mas ainda falta um pouco. Então optamos por não fornecer apenas um desenvolvimento igual aos outros para.net CF, mas criar uma VCL para.net CF, ou seja, a facilidade para o desenvolvimento desktop com a VCL de hoje irá para o desenvolvimento móvel. Pretendemos disponibilizar essas novidades ainda para o ano de Ainda não está definido qual será o modelo de atualização e comercialização, que merece ser analisado com muito carinho, mas assim que estiver vocês ficarão sabendo. E em 2007, o que mais pretendemos? O novo sistema operacional Windows Vista traz muitas novidades na sua infra-estrutura. E a VCL dará suporte a essa nova infra-estrutura! E o que isso quer dizer? Mova-se para o futuro sem esquecer o Passado. E lá em 2008 suporte a Win64 para Delphi e C++. O Delphi é feito com a opinião dos desenvolvedores. Se você tem alguma sugestão de novos recursos, poderá fazê-la em qc.borland. com ou através do seu Delphi 2006 em menu Tools>Quality Central. Se preferir também estou à disposição para receber seu no endereço: Ajudem a fazer um Delphi ainda melhor! Abraços e até a próxima. Links Blogs.borland.com/andreanolanusse Esse é o link para o meu blog, onde disponibilizo diversas informações, principalmente Delphi. Blogs.borland.com Blog dos funcionários Borland, muitos artigos e idéias interessantes. bdn.borland.com Site de relacionamento da Borland com os desenvolvedores, diversos artigos e tutoriais Site da Borland Latin America, todas as informações sobre os produtos Borland Andreano Lanusse ou é System Engineer da Borland Latin América, onde é membro do Delphi Team, especialista em InterBase há 10 anos, larga experiência em desenvolvimento de aplicações, é certificado Borland Instructor, Delphi, C++ Builder, JBuilder, Together, StarTeam, CaliberRM, MCP em SQL Server e Windows cd69.indb 50 2/12/ :30:25

Ferramentas RAD e DELPHI

Ferramentas RAD e DELPHI Origem: http://my.opera.com/maicokrause/blog/ferramentas-rad-e-delphi Data: 17 Nov 2009 Autor: Maico Krause Ferramentas RAD e DELPHI Thursday, 16. July 2009, 14:27:40 Desenvolvimento, Delphi, Engenharia

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 Continuando nossa saga pelas ferramentas do Visual FoxPro 8.0, hoje vamos conhecer mais algumas. A Ferramenta Class Designer A Class Designer é a ferramenta

Leia mais

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework Introdução ao C# Microsoft.NET (comumente conhecido por.net Framework - em inglês: dotnet) é uma iniciativa da empresa Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Criando uma aplicação Web em C# usando o NHibernate

Criando uma aplicação Web em C# usando o NHibernate Criando uma aplicação Web em C# usando o NHibernate Apresento neste artigo como criar uma aplicação web totalmente orientada a objetos usando o framework NHibernate e a linguagem C#. Nossa meta é construir

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco 1 Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco MARCELO JALOTO (marcelo@jaloto.net) é graduado no curso superior Projetos e Gestão de Redes de Computadores e formado no curso Técnico em Processamento

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados Construtor Iron Web Manual do Usuário Iron Web Todos os direitos reservados A distribuição ou cópia deste documento, ou trabalho derivado deste é proibida, requerendo, para isso, autorização por escrito

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Willian Magalhães 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

PARTE I A Linguagem C#

PARTE I A Linguagem C# PARTE I A Linguagem C# Capítulo 1, C# 3.0 e o.net 3.5 Capítulo 2, Iniciando: Hello World Capítulo 3, Fundamentos da Linguagem C# Capítulo 4, Classes e Objetos Capítulo 5, Herança e Polimorfismo Capítulo

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Novas funcionalidades do RAD Studio 2007 em aplicações ASP.NET 2.0

Novas funcionalidades do RAD Studio 2007 em aplicações ASP.NET 2.0 Novas funcionalidades do RAD Studio 2007 em aplicações ASP.NET 2.0 O novo produto RAD Studio 2007 desenvolve aplicações para plataforma Win32 e.net. Pode-se criar aplicações do tipo GUI, console, Web e

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

2QRYR&ODULRQ1(73DUWH,

2QRYR&ODULRQ1(73DUWH, 2QRYR&ODULRQ1(73DUWH, 3RU-XOLR&pVDU3HGURVR Gosto de escrever sobre FRLVDV QRYDV, sobre QRYDV WHFQRORJLDV, enfrentar desafios e pesquisas sobre o assunto. Afinal, de velho, basta eu! Como assinante da Clarion

Leia mais

ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães

ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães O ASP.NET que é a camada de desenvolvimento de aplicações web da plataforma.net vem agradando em muito os desenvolvedores de todo o mundo desde o

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Centro Universitário do Triângulo Introdução ao Ambiente Delphi

Centro Universitário do Triângulo Introdução ao Ambiente Delphi Centro Universitário do Triângulo Introdução ao Ambiente Delphi A figura abaixo mostra a tela inicial do Delphi 7 e nos dá uma visão geral de seu ambiente de desenvolvimento, composto de múltiplas janelas

Leia mais

1- ASP.NET - HTML Server Controls

1- ASP.NET - HTML Server Controls 1- ASP.NET - HTML Server Controls Os controles de servidor - Server Controls - HTML são tags HTML padrão, com exceção de possuirem o atributo : runat="server". Vejamos um código que ilustra isto: O atributo

Leia mais

Índice de ilustrações

Índice de ilustrações Sumário 1Dez novos recursos do windows 8...2 1.1Interface Metro...2 1.2Internet Explorer 10...4 1.3Gerenciador de Tarefas...5 1.4Painel de Controle...5 1.5Interface Ribbon...6 1.6Menu Iniciar...7 1.7Windows

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA Página 1 de 10 USANDO BORLAND DELPHI PARA IMPLEMENTAR APLICAÇÕES CORBA por Simone Vey Dutra e César Bridi Introdução A Arquitetura CORBA Criando uma Aplicação CORBA em Delphi Criando um Servidor CORBA

Leia mais

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C#

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Linguagem de Programação 3 Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Prof. Mauro Lopes 1-31 35 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net, o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

Framework InterLattes Construção de Módulos. Marcelo Domingos

Framework InterLattes Construção de Módulos. Marcelo Domingos Construção de Módulos Marcelo Domingos Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PRÉ-REQUISITOS... 5 2.1 Perfil da equipe... 5 2.2 Infra-estrutura... 5 3 TECNOLOGIA... 6 4 AÇÕES E EVENTOS INTERLATTES... 12 4.1 Eventos

Leia mais

PROJECT 1 Delphi Project (Extensão. DPR)

PROJECT 1 Delphi Project (Extensão. DPR) CAPÍTULO2 1. A ESTRUTURA DE UM APLICATIVO Quando iniciamos uma aplicação em Delphi ele interpreta que iremos desenvolver um projeto. Este gerencia um conjunto de recursos como Forms, Units, objetos, funções

Leia mais

Dominando Action Script 3

Dominando Action Script 3 Dominando Action Script 3 Segunda Edição (2014) Daniel Schmitz Esse livro está à venda em http://leanpub.com/dominandoactionscript3 Essa versão foi publicada em 2014-05-02 This is a Leanpub book. Leanpub

Leia mais

CONHECENDO O VISUAL STUDIO.NET

CONHECENDO O VISUAL STUDIO.NET CONHECENDO O VISUAL STUDIO.NET Nesta matéria estaremos apresentando a IDE (Integrated Development Environment) do Visual Studio.NET. A Microsoft incluiu nesta versão da ferramenta de desenvolvimento todos

Leia mais

PHP Profissional. Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento

PHP Profissional. Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento PHP Profissional APRENDA A DESENVOLVER SISTEMAS PROFISSIONAIS ORIENTADOS A OBJETOS COM PADRÕES DE PROJETO Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento Novatec Sumário Agradecimentos...13 Sobre os

Leia mais

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS]

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] 2011 [MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] Destinado a usuários que desejam vender conteúdo premium, disponível em sites de membros, através da plataforma Hotmart. Versão do documento: 1.0, 11/04/2011.

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri OBJETIVOS DA AULA: Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Fazer uma breve introdução a respeito do MS SQL Server 7.0; Criar uma pequena base de dados no MS SQL Server 7.0; Elaborar

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel Ambiente de Desenvolvimento Orientação a Objetos É uma técnica de desenvolvimento de softwares que consiste em representar os elementos do mundo

Leia mais

Elementos do IDE do Delphi

Elementos do IDE do Delphi Capítulo 2 Um Tour pelo Ambiente de Programação do Delphi Ao final deste capítulo, você estará apto a: Identificar os elementos do IDE do Delphi Identificar os elementos essenciais que formam uma aplicação

Leia mais

BPMN (Exemplos e Exercícios) e UDDI

BPMN (Exemplos e Exercícios) e UDDI DAS5316 BPMN (Exemplos e Exercícios) e UDDI Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Responsável pela elaboração dos slides Alexandre Perin (perin@das.ufsc.br) Florianópolis (SC), 2010. Roteiro BPMN

Leia mais

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS PROFESSOR: REINALDO GOMES ASSUNTO: REVISÃO DA INTRODUÇÃO A ORIENTAÇÃO

Leia mais

Front-End Uso da Linguagem Turbo Delphi para Acesso ao Banco de Dados Mysql

Front-End Uso da Linguagem Turbo Delphi para Acesso ao Banco de Dados Mysql Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Programação Visual Prof. Clóvis Júnior Front-End Uso da Linguagem Turbo Delphi para Acesso ao Banco de Dados Mysql Estrutura

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g 1. Introdução Neste artigo serão apresentados alguns conceitos inerentes a SOA Service Oriented Architecture e um exemplo prático de construção de processo

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

Servidores REST usando TMS Aurelius e DataSnap

Servidores REST usando TMS Aurelius e DataSnap Servidores REST usando TMS Aurelius e DataSnap Introdução Em artigo anterior a framework na Active Delphi, apresentados o TMS Aurelius, uma framework para mapeamento objeto-relacional (ORM) e mostramos

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

Sistema de gerenciamento, controle e auditoria de computadores e usuários em uma rede local.

Sistema de gerenciamento, controle e auditoria de computadores e usuários em uma rede local. Sistema de gerenciamento, controle e auditoria de computadores e usuários em uma rede local. Thiago Magalhães B. Rodrigues¹, Wanderson Carvalho Bragança¹, Ronivaldo Veloso Pugas¹ ¹Curso de Bacharelado

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

Instalando o Internet Information Services no Windows XP

Instalando o Internet Information Services no Windows XP Internet Information Services - IIS Se você migrou recentemente do Windows 95 ou 98 para o novo sitema operacional da Microsoft Windows XP, e utilizava antes o Personal Web Server, deve ter notado que

Leia mais

Templates. Existem vários frameworks e softwares para criação de templates, sendo os mais conhecidos: Gantry, T3 e Artisteer.

Templates. Existem vários frameworks e softwares para criação de templates, sendo os mais conhecidos: Gantry, T3 e Artisteer. Templates Template ou tema, é a camada de visão de qualquer programa orientado a objetos, isto mesmo, template não é uma exclusividade do Joomla! Fim manter um padrão de nomenclatura, irei utilizar o termo

Leia mais

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho.

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho. DELPHI BÁSICO VANTAGENS Ambiente de desenvolvimento fácil de usar; 1. Grande Biblioteca de Componentes Visuais (VCL - Visual Component Library), que são botões, campos, gráficos, caixas de diálogo e acesso

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

Introdução ao Veridis Biometrics SDK VERIDIS

Introdução ao Veridis Biometrics SDK VERIDIS Introdução ao Veridis Biometrics SDK Versão do SDK: 5.0 2013 Veridis Biometrics VERIDIS BIOMETRICS Versão do Documento Versão Data Modificações 1 2 3 4 5 23/mar/2011 17/mai/2011 29/jul/2011 3/out/2011

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Programação Web com Webdev 19 Julio Cesar Pedroso Conteúdo

Programação Web com Webdev 19 Julio Cesar Pedroso Conteúdo Conteúdo INTRODUÇÃO... 6 Como acessar a ajuda on line?... 6 Conhecendo o WebDev... 8 Iniciando o WebDev... 8 Ambiente de desenvolvimento... 8 O Editor... 8 A barra de menus... 10 Os botões... 10 Os painéis...

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 Em qualquer profissão é importante que se conheça bem as ferramentas que serão usadas para executar o trabalho proposto. No desenvolvimento de software não é

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDA- SA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDA- SA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDA- SA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Tutorial JUDE ( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Ferramenta CASE UML Índice Introdução... 2 Download e Instalação... 2 Apresentação da Ferramenta... 2 Salvando o Projeto...

Leia mais

A Figura... mostra a arquitetura técnica de serviços na Web

A Figura... mostra a arquitetura técnica de serviços na Web Este capítulo proporciona uma visão técnica simplificada de um sistema UDDI. A arquitetura técnica de UDDI consiste de três partes: O Modelo de Informação UDDI Um esquema XML para descrever negócios e

Leia mais

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em 5 O Joomla: O Joomla (pronuncia-se djumla ) é um Sistema de gestão de conteúdos (Content Management System - CMS) desenvolvido a partir do CMS Mambo. É desenvolvido em PHP e pode ser executado no servidor

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 Na aula anterior, vimos sobre: a) Janela de comando b) Gerenciador de Projetos c) Database Designer e Table Designer Prosseguiremos então a conhecer as ferramentas

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

O Primeiro Programa em Visual Studio.net

O Primeiro Programa em Visual Studio.net O Primeiro Programa em Visual Studio.net Já examinamos o primeiro programa escrito em C que servirá de ponto de partida para todos os demais exemplos e exercícios do curso. Agora, aprenderemos como utilizar

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI

INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI Introdução Object Pascal/Delphi 1 INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI Objetivo Demonstrar a sintaxe e a semântica do Object Pascal e a forma como esse linguagem de programação será aplicada na disciplina de

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi Fundamentos da plataforma.net André Menegassi O que é o.net Framework?.NET é uma plataforma de software para desenvolvimento de aplicações que conecta informações, sistemas, pessoas e dispositivos através

Leia mais

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br ASP.NET Guia do Desenvolvedor Felipe Cembranelli Novatec Editora www.novateceditora.com.br 1 Introdução à plataforma.net A plataforma Microsoft.NET.NET é uma nova plataforma de software para desenvolvimento

Leia mais

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU $,'(GR5HSRUW0DQDJHU Neste capítulo vamos abordar o ambiente de desenvolvimento do Report Manager e como usar os seus recursos. $FHVVDQGRRSURJUDPD Depois de instalado o Report Manager estará no Grupo de

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso Manual de Apoio ao Treinamento Expresso 1 EXPRESSO MAIL É dividido em algumas partes principais como: Caixa de Entrada: local onde ficam as mensagens recebidas. O número em vermelho entre parênteses refere-se

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Revisão de PHP... 19. Capítulo 2 Melhorando o processamento de formulários... 46

Sumário. Capítulo 1 Revisão de PHP... 19. Capítulo 2 Melhorando o processamento de formulários... 46 9 Sumário O Autor... 8 Introdução... 15 Quem deve ler este livro... 15 Como este livro está organizado...16 Download do código-fonte do livro... 18 Capítulo 1 Revisão de PHP... 19 Iniciando em PHP... 19

Leia mais

O Processo de Desenvolvimento de Software

O Processo de Desenvolvimento de Software O Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos Contextualizar Análise e Projeto de software dentro de uma metodologia de desenvolvimento (um processo de desenvolvimento de software) Um processo de

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

Principais características

Principais características .Net Framework O que é.net? Proprietário da Microsoft Versão simplificada para Linux Versão compacta para dispositivos móveis Plataforma de desenvolvimento e execução Interface com usuário, conectividade

Leia mais

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS O QUE É PHP Se você já programa PHP, aconselho que pule para o capítulo 7 desse livro. Pois até esse capitulo iremos abordar algoritmos em PHP até a construção de uma classe com seus métodos e atributos

Leia mais

Guia do Programador Joel Saade

Guia do Programador Joel Saade C# Guia do Programador Joel Saade Novatec Copyright 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial,

Leia mais

Parte I Introdução ActionScript_30_01.indd 1 5/11/2010 08:29:29

Parte I Introdução ActionScript_30_01.indd 1 5/11/2010 08:29:29 Parte I Introdução ActionScript_30_01.indd 1 5/11/2010 08:29:29 ActionScript_30_01.indd 2 5/11/2010 08:29:34 Aprendendo uma nova linguagem... ActionScript é uma linguagem e, como um novo idioma ou a linguagem

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Desenvolvimento com Android Studio Aula 01 Instalação e Configuração do Ambiente de Desenvolvimento, Estrutura de um projeto Android

Desenvolvimento com Android Studio Aula 01 Instalação e Configuração do Ambiente de Desenvolvimento, Estrutura de um projeto Android Desenvolvimento com Android Studio Aula 01 Instalação e Configuração do Ambiente de Desenvolvimento, Estrutura de um projeto Android Instalação e Configuração do Ambiente de Desenvolvimento Instalação

Leia mais